Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais"

Transcrição

1 Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética Edificações residenciais

2 MÉTODO PRESCRITIVO Checklist

3 MÉTODO PRESCRITIVO VANTAGENS - Simplificação, agilidade e redução de custos do processo de etiquetagem - Possibilidade maior de disseminação da etiquetagem e de edificações eficientes ABRANGÊNCIA - Habitações de interesse social (HIS) unifamiliares - Outras tipologias de HIS em estudo MCMV MÉTODO PRESCRITIVO - checklist

4 MÉTODO PRESCRITIVO MÉTODO PRESCRITIVO - checklist

5 MÉTODO PRESCRITIVO Limites de aplicação em definição Classificação nível A em eficiência energética NÍVEL A = cumprimento de TODOS os 5 requisitos do método! MÉTODO PRESCRITIVO - checklist

6 MÉTODO PRESCRITIVO - ENCE Apenas nível A Requisitos a serem cumpridos para obtenção da ENCE Informativos de geração de energia e uso racional de água Informação sobre a limitação do método MÉTODO PRESCRITIVO - checklist

7 MÉTODO PRESCRITIVO - ENCE Escopo do método Limites de aplicação Descrição dos requisitos Limites das propriedades térmicas ou sistemas de cada requisito Características da edificação real para cada requisito Descrição dos sistemas de geração de energia e uso racional de água MÉTODO PRESCRITIVO - checklist

8 ENCE Residencial Método simplificado e método de simulação

9 ENCE ATUAL ENCE Residencial método simplificado e método de simulação

10 ENCE ATUAL Sintetização das informações do cabeçalho. Mudança do indicador. Bonificações excluídas do método proposto. Sistemas avaliados pelo consumo (kwh), incluídos no quadro principal. ENCE Residencial método simplificado e método de simulação

11 NOVA ENCE ENCE Residencial método simplificado e método de simulação

12 NOVA ENCE Classificação final da edificação com base no consumo de energia primária INFORMATIVO Emissão de CO 2 Percentual de energia gerada por fontes locais renováveis Percentual de horas ocupadas em conforto Percentual de água economizada pelo uso racional ENCE Residencial método simplificado e método de simulação

13 NOVA ENCE ENCE Páginas de informações complementares Pág. 2 Consumos Pág. 3 Condições de conforto ENCE Residencial método simplificado e método de simulação

14 NOVA ENCE 2ª página Consumo em energia primária Parcial de consumo em energia elétrica Percentual proveniente de geração local Parcial de consumo em gás Consumos e classificações parciais por sistema avaliado Consumo médio estimado de equip. Descrição do sistema de geração local de energia renovável Descrição dos sistemas de uso racional de água da chuva Emissão de CO 2 ENCE Residencial método simplificado e método de simulação

15 NOVA ENCE 3ª página Condições de conforto do método de avaliação Condições de acionamento do cond. de ar Considerações sobre o aquecimento de água (em desenvolvimento) Considerações sobre a emissão de CO 2 (em desenvolvimento) ENCE Residencial método simplificado e método de simulação

16 MÉTODO SIMPLIFICADO Unidades Habitacionais Autônomas

17 MÉTODO ATUAL x MÉTODO PROPOSTO EQUAÇÕES INDICADORES MÉTODO ATUAL Regressão linear múltipla Graus-hora [ C.ano] refrigeração Consumo relativo [kwh/m².ano] aquecimento e refrigeração MÉTODO PROPOSTO Redes neurais maior precisão! Consumo total [kwh/ano] possibilita comparações e fácil entendimento Percentual de horas ocupadas em conforto indicador de conforto térmico RESULTADOS Equivalentes numéricos ponderados Somatório dos consumos finais em energia primária MÉTODOS CONDICIONAMENTO DE AR AQUECIMENTO DE ÁGUA Simulação Prescritivo Apenas informativo Avaliação dos equipamentos Simulação Simplificado nomenclatura correta Prescritivo checklist Incluso no consumo final aproximação com o consumo real! Avaliação dos sistemas completos GERAÇÃO DE ENERGIA E USO RACIONAL DE ÁGUA Bonificações MÉTODO PROPOSTO Unidades Habitacionais Autônomas Geração de energia descontada do consumo de energia elétrica Informações complementares

18 MÉTODO PROPOSTO Motivações, vantagens e premissas Indicador de desempenho de fácil entendimento e comparação: kwh/ano Informação relacionada ao conforto térmico do usuário: % horas ocupadas em conforto Gráfico de conforto adaptativo com ajuste de clo para 18 o C MÉTODO PROPOSTO Unidades Habitacionais Autônomas

19 MÉTODO PROPOSTO Motivações, vantagens e premissas Indicador de desempenho de fácil entendimento e comparação: kwh/ano Informação relacionada ao conforto térmico do usuário: % horas ocupadas em conforto Dormitórios: - Período noturno. Salas: - Período diurno com 50% da ocupação. TEMPERATURAS PARA ACIONAMENTO DO CONDICIONAMENTO DE AR Temperatura ambiente Temperatura do termostato INVERNO 18 C 21 C VERÃO Conforme gráfico do conforto adaptativo. 24 C Gráfico de conforto adaptativo com ajuste de clo para 18 o C COP = 3,5 MÉTODO PROPOSTO Unidades Habitacionais Autônomas

20 MÉTODO PROPOSTO Motivações, vantagens e premissas Indicador de desempenho de fácil entendimento e comparação: kwh/ano Informação relacionada ao conforto térmico do usuário: % horas ocupadas em conforto Representação do consumo de edificações condicionadas artificialmente Avaliação da eficiência do sistema de aquecimento de água completo Maior precisão nos resultados do método simplificado: redes neurais Aproximação dos resultados com o consumo real. Inclusão de geração local de energia no cálculo do consumo de energia elétrica: MÉTODO PROPOSTO Unidades Habitacionais Autônomas

21 MÉTODO SIMPLIFICADO Exemplo

22 MÉTODO SIMPLIFICADO EDIFICAÇÃO REAL - características reais EDIFICAÇÃO NA CONDIÇÃO DE REFERÊNCIA - mesmas áreas, mesmo pé-direito - características construtivas nível D: envoltória NBR aq. de água em definição MÉTODO SIMPLIFICADO

23 Envoltória

24 MÉTODO SIMPLIFICADO ENVOLTÓRIA Ambientes avaliados: todos os APPs Pré-requisitos específicos: excluídos Resultados: Consumo para refrigeração Consumo para aquecimento Percentual de horas ocupadas em conforto térmico quando ventilada naturalmente Redes neurais MÉTODO SIMPLIFICADO ENVOLTÓRIA

25 Envoltória - exemplo

26 Passo 1 Levantamento de dados da edificação real

27 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Dorm. 2 Dorm. 1 Sala Cozinha BWC Residência unifamiliar térrea Área útil: 63 m² 3 ambientes de permanência prolongada (APP) sala: 21 m² dormitório 1: 15,05 m² dormitório 2: 12 m² Localização: Florianópolis/SC Zona bioclimática 3 MÉTODO PRESCRITIVO ENVOLTÓRIA EDIFICAÇÃO EXEMPLO

28 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Dimensões dos APPs SALA DORM. 1 DORM. 2 Área útil 21 m² 15,05 m² 12 m² Áreas de paredes externas 5,81 m² - norte 14,70 m² - leste 12,04 m² - sul 5,83 m² - oeste 6,00 m² - norte 11,20 m² - oeste Área de abertura 2,94 m² 2,10 m² 2,10 m² Área de parede interna 20,37 m² 20,37 m² 18,13 m² Pé-direito 2,60 m 2,60 m 2,60 m MÉTODO PRESCRITIVO MÉTODO ENVOLTÓRIA SIMPLIFICADO EDIFICAÇÃO EXEMPLO

29 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Características das aberturas SALA DORM. 1 DORM. 2 Área de vão 2,94 m² 2,10 m² 2,10 m² Percentual de área para ventilação Percentual de área para iluminação 50% 50% 50% 90% 90% 90% Sombreamento 100% 100% 100% Fator solar 0,44 0,44 0,44 MÉTODO PRESCRITIVO MÉTODO ENVOLTÓRIA SIMPLIFICADO EDIFICAÇÃO EXEMPLO

30 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Propriedades térmicas das paredes Paredes externas SALA DORM. 1 DORM. 2 Capacidade térmica (CT) 161 kj/m²k 161 kj/m²k 161 kj/m²k Transmitância térmica (U) 1,85 W/m²K 1,85 W/m²K 1,85 W/m²K Absortância (α) 0,30 0,30 0,30 Paredes internas Capacidade térmica (CT) 161 kj/m²k 161 kj/m²k 161 kj/m²k MÉTODO PRESCRITIVO MÉTODO ENVOLTÓRIA SIMPLIFICADO EDIFICAÇÃO EXEMPLO

31 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Propriedades térmicas da cobertura SALA DORM. 1 DORM. 2 Capacidade térmica (CT) 185 kj/m²k 185 kj/m²k 185 kj/m²k Transmitância térmica (U) 1,79 W/m²K 1,79 W/m²K 1,79 W/m²K Absortância (α) 0,35 0,35 0,35 Condição da cobertura Voltada para o exterior. MÉTODO PRESCRITIVO MÉTODO ENVOLTÓRIA SIMPLIFICADO EDIFICAÇÃO EXEMPLO

32 Passo 2 Caracterização da condição de referência

33 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Referência nível D Dorm. 2 Dorm. 1 Sala BWC Mesmas áreas Mesmo pé-direito Mesma localização Mesma orientação Cozinha Propriedades térmicas diferentes NBR Nível D MÉTODO PRESCRITIVO ENVOLTÓRIA EDIFICAÇÃO EXEMPLO

34 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Referência nível D Características das aberturas SALA DORM. 1 DORM. 2 Área de vão 2,94 m² 2,10 m² 1,68 m² Percentual de área para ventilação 50% 50% 50% Percentual de área para iluminação 90% 90% 90% Sombreamento 0% 0% 0% Fator solar 0,87 0,87 0,87 MÉTODO PRESCRITIVO ENVOLTÓRIA EDIFICAÇÃO EXEMPLO

35 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Referência nível D Propriedades térmicas das paredes Paredes externas SALA DORM. 1 DORM. 2 Capacidade térmica (CT) 158 kj/m²k 158 kj/m²k 158 kj/m²k Transmitância térmica (U) 3,65 W/m²K 3,65 W/m²K 3,65 W/m²K Absortância (α) 0,60 0,60 0,60 Paredes internas Capacidade térmica (CT) 158 kj/m²k 158 kj/m²k 158 kj/m²k MÉTODO PRESCRITIVO ENVOLTÓRIA EDIFICAÇÃO EXEMPLO

36 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Referência nível D Propriedades térmicas da cobertura SALA DORM. 1 DORM. 2 Capacidade térmica (CT) 22,87 kj/m²k 22,87 kj/m²k 22,87 kj/m²k Transmitância térmica (U) 2,29 W/m²K 2,29 W/m²K 2,29 W/m²K Absortância (α) 0,60 0,60 0,60 Condição da cobertura Voltada para o exterior. MÉTODO PRESCRITIVO ENVOLTÓRIA EDIFICAÇÃO EXEMPLO

37 Passo 3 Inserção de dados na rede e resultados

38 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Inserem-se os parâmetros levantados na rede neural uma linha por ambiente Características reais Continua... Referência nível D Extraem-se os resultados do consumo para refrigeração e do consumo para aquecimento Características reais Referência nível D Refrigeração Aquecimento Refrigeração Aquecimento Sala 323,72 kwh 58,77 kwh 923,72 kwh 35,95 kwh Dorm. 1 43,01 kwh 161,44 kwh 84,18 kwh 161,65 kwh Dorm. 2 22,75 kwh 134,22 kwh 92,42 kwh 141,44 kwh TOTAL 389,48 kwh 354,43 kwh 1100,32 kwh 339,04 kwh MÉTODO PRESCRITIVO ENVOLTÓRIA EDIFICAÇÃO EXEMPLO

39 EDIFICAÇÃO EXEMPLO Inserem-se os parâmetros levantados na rede neural uma linha por ambiente Características reais Continua... Referência nível D Extraem-se, também, o percentual de horas ocupadas em conforto térmico quando ventilada naturalmente Características reais Referência nível D Sala 76,72% 53,57% Dorm. 1 79,93% 74,99% Dorm. 2 79,39% 72,70% TOTAL 78,39% 65,06% Média ponderada pela área útil MÉTODO PRESCRITIVO ENVOLTÓRIA EDIFICAÇÃO EXEMPLO

40 Sistema de aquecimento de água

41 SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA Metodologias apresentadas baseadas nas normas BS EN partes 1, 2 e 3, de 2007 MÉTODO SIMPLIFICADO SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA

42 SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA DADOS DE ENTRADA Consumo de água Rendimento dos aparelhos Comprimento das tubulações CONSUMO DE ENERGIA NO ATENDIMENTO DA DEMANDA DE ÁGUA QUENTE CONSUMO DE ENERGIA PARA SUPRIR AS PERDAS TÉRMICAS Eficiência do equipamento de aquecimento CONSUMO TOTAL DE ENERGIA PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA [kwh/ano] Fator de conversão para energia primária CONSUMO TOTAL DE ENERGIA PRIMÁRIA PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA [kwh/ano] MÉTODO SIMPLIFICADO SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA

43 EXEMPLO SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA Um chuveiro Uma torneira do banheiro Uma torneira da cozinha CONSUMO TOTAL DE ENERGIA PRIMÁRIA PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA [kwh/ano] Consumo de um sistema de aquecimento de água Consumo de energia no atendimento da demanda de água quente [MJ/dia] Consumo de energia para suprir perdas térmicas [MJ/dia] Eficiência equipamento de aquecimento Consumo de energia total considerado no aquecimento de água [MJ/dia] Consumo de energia total considerado no aquecimento de água [kwh/ano] Fator de conversão energia elétrica/gás em primária Consumo de energia primária (kwh/ano) CONDIÇÃO DE REFERÊNCIA Aquecedor elétrico de passagem CONDIÇÃO REAL Aquecedor à gás de passagem E W E W,per n aq E W,tot E W,tot f c CAQ p Método em desenvolvimento. Valores sujeitos à alteração. MÉTODO SIMPLIFICADO SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA

44 EXEMPLO SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA Um chuveiro Uma torneira do banheiro Uma torneira da cozinha Uso de redutores de vazão na edificação real, reduziriam o consumo de água e energia para aquecimento CONSUMO TOTAL DE ENERGIA PRIMÁRIA PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA [kwh/ano] Consumo de um sistema de aquecimento de água Consumo de energia no atendimento da demanda de água quente [MJ/dia] Consumo de energia para suprir perdas térmicas [MJ/dia] Eficiência equipamento de aquecimento Consumo de energia total considerado no aquecimento de água [MJ/dia] Consumo de energia total considerado no aquecimento de água [kwh/ano] Fator de conversão energia elétrica/gás em primária Consumo de energia primária (kwh/ano) CONDIÇÃO DE REFERÊNCIA Aquecedor elétrico de passagem CONDIÇÃO REAL Aquecedor à gás de passagem E W E W,per n aq E W,tot E W,tot f c CAQ p Método em desenvolvimento. Valores sujeitos à alteração. MÉTODO SIMPLIFICADO SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA

45 Geração local de energia renovável

46 GERAÇÃO LOCAL DE ENERGIA RENOVÁVEL Edificação Forma Pavimentos Área da cobertura (m²) Retangular Módulo solar fotovoltaico Dimensões Orientação Solar ( ) Área unitária (m²) Eficiência módulo (%) Potência nominal (Wp) 165 cm x 99 cm Resultados Número de módulos Irradiação adotada (kwh/m²/dia) Geração estimada (MWh/ano) MÉTODO SIMPLIFICADO AVALIAÇÕES INFORMATIVAS

47 Consumo total

48 MÉTODO SIMPLIFICADO C EE = C R + C A + C AA + C EQ - G EE Consumo para refrigeração Consumo para aquecimento Consumo para aquecimento de água, quando elétrico Consumo médio estimado de equipamentos Geração local de energia limpa Somatório dos consumos de energia elétrica, descontando a geração local de energia limpa [kwh/ano] C ET = C AA Somatório dos consumos de energia térmica [kwh/ano] Consumo para aquecimento de água MÉTODO SIMPLIFICADO

49 MÉTODO SIMPLIFICADO C EP = C EE *fc E + C ET *fc T Consumo total da edificação em energia primária [kwh/ano] Consumo de energia elétrica Consumo de energia térmica Coeficientes de conversão para energia primária Consumo edificação real Consumo condição de referência Classificação baseada em percentuais de economia em relação à condição de referência A B C D E Percentuais de economia em definição! MÉTODO SIMPLIFICADO

50 EXEMPLO DO CÁLCULO FINAL C EE = C R + C A + C EQ - G EE C ET = C AA Consumo para refrigeração Consumo para aquecimento Consumo médio estimado de equipamentos Geração local de energia limpa Consumo para aquecimento de água Condição real C EE = 389, , , C EE = 947,75 kwh/ano Condição de referência nível D C EE = 1100, , , ,58 C EE = 4200,78 kwh/ano C ET = 1995,33 kwh/ano MÉTODO SIMPLIFICADO *Valores fictícios, apenas para fins de exemplificação aguardando definição da condição de referência do sistema.

51 EXEMPLO DO CÁLCULO FINAL C EP = C EE *fc E + C ET *fc T Consumo total da edificação em energia primária [kwh/ano] Consumo de energia elétrica Consumo de energia térmica Coeficientes de conversão para energia primária Condição real C EP = 947,75*fc E ,33*fc T Condição de referência nível D C EP = 4200,78*fc T C EP = 947,75*1, ,33*1,1 = 3616,49 kwh C EP = 4200,78*1,5 = 6301,17 kwh MÉTODO SIMPLIFICADO

52 EXEMPLO DO CÁLCULO FINAL Verifica-se o percentual de economia em relação à referência nível D Condição de referência 5356,00 kwh 5671,05 kwh 5986,11 kwh 6301,17 kwh 5%* 10%* 15%* Edificação real 3616,49 kwh NÍVEL A 6301,17 kwh ENERGIA PRIMÁRIA *percentuais de economia em definição MÉTODO SIMPLIFICADO

53 Informativos

54 PERCENTUA DE HORAS OCUPADAS EM CONFORTO térmico quando ventilado naturalmente 78,39% térmico quando ventilado naturalmente MÉTODO SIMPLIFICADO INFORMATIVOS

55 AVALIAÇÕES PARCIAIS DE CONSUMO Aquecimento Consumo em energia primária 531,65 kwh/ano & Consumo de energia elétrica 354,43 kwh/ano (29,54 kwh/mês) Refrigeração Consumo em energia primária 584,22 kwh/ano & Consumo de energia elétrica 389,48 kwh/ano (32,46 kwh/mês) Aquecimento de água Consumo em energia primária & Consumo de energia elétrica Ou consumo de energia térmica 2194,86 kwh/ano 61,66 m³/ano (5,14 m³/mês) MÉTODO SIMPLIFICADO INFORMATIVOS

56 PARCIAIS DE CONSUMO PARCIAIS DE CONSUMO POR FONTE DE ENERGIA Avaliações de caráter informativo: Consumo de energia elétrica [kwh/ano] Refrigeração + aquecimento + aquecimento de água + carga média de equipamentos Consumo de energia térmica [L/ano ou m³/ano] Aquecimento de água Consumo médio per capita: 401,28 kwh/ano (33,44 kwh/mês) Consumo médio por residência: 167,2 kwh/mês (EPE, 2014) Média de pessoas por residência: 3,3 pessoas (CENSO 2010) Descontam-se 24% do chuveiro elétrico e 20% do cond. de ar (PROCEL, 2007) x nº de pessoas na residência Considerando: 2 pessoas no 1º dormitório 1 pessoa em cada um dos demais MÉTODO SIMPLIFICADO INFORMATIVOS

57 PARCIAIS DE CONSUMO PARCIAIS DE CONSUMO POR FONTE DE ENERGIA Avaliações de caráter informativo: Consumo de energia elétrica [kwh/ano] 947,75 kwh/ano Refrigeração + aquecimento + carga média de equipamentos Consumo de energia térmica [L/ano ou m³/ano] Aquecimento de água 61,66 m³/ano Consumo médio per capita: 401,28 kwh/ano (33,44 kwh/mês) Consumo médio por residência: 167,2 kwh/mês (EPE, 2014) Média de pessoas por residência: 3,3 pessoas (CENSO 2010) Descontam-se 24% do chuveiro elétrico e 20% do cond. de ar (PROCEL, 2007) x nº de pessoas na residência Considerando: 2 pessoas no 1º dormitório 1 pessoa em cada um dos demais MÉTODO SIMPLIFICADO INFORMATIVOS

58 INFORMATIVOS COMPLEMENTARES Emissão de CO 2 Emissão anual estimada pelo consumo de energia t/ano Geração local de energia renovável % de geração em relação ao consumo Total de energia gerada Uso racional de água % redução de consumo de água - uso da água da chuva - equipamentos economizadores MÉTODO SIMPLIFICADO INFORMATIVOS

59 USO RACIONAL DE ÁGUA Primeiro passo: Definição da tipologia, do número de usuários e de equipamentos que integram o sistema Segundo Passo: Determinar o consumo anual de água segundo um modelo de referência utilizando um padrão de uso e de ocupação Dispositivo Vazão Tempo de uso (min) Usos (usos/dia.p essoa) Consumo total (l/ano) Bacia sanitária 6, ,00 Chuveiro 9,50 8, ,00 Torneira de cozinha 1,90 0, ,50 Torneira de lavatório 1,90 0, ,00 Consumo total ref ,50 MÉTODO SIMPLIFICADO INFORMATIVOS

60 USO RACIONAL DE ÁGUA Terceiro passo: Determinar o consumo anual de água na edificação real considerando os sistemas de economia Banheiro: Cozinha: -Bacia sanitária (3 L/descarga) -Chuveiro (vazão de 8 L/min) -Torneira de lavatório (vazão de 1,5 L/min) -Torneira de cozinha (vazão de1,5 L/min) Dispositivo Vazão Tempo de uso (min) Usos (usos/dia.pe ssoa) Consumo total (l/ano) Bacia sanitária 3, ,00 Chuveiro 8,00 8, ,00 Torneira de cozinha 1,50 0, ,50 Torneira de lavatório 1,50 0, ,00 Consumo total real (L/ano) ,50 MÉTODO SIMPLIFICADO INFORMATIVOS

61 USO RACIONAL DE ÁGUA Quarto passo: Determinar a oferta anual de água não potável proporcionada por sistemas de uso racional, quando existentes *Foi adotado 20% de oferta de água pluvial, em relação à oferta total da edificação real Consumo total real (L/ano) ,50 OA nãopotável (L/ano) Quinto passo: cálculo da economia de água ,50 Economia gerada 35,58% MÉTODO SIMPLIFICADO INFORMATIVOS

62 Obrigada!

Minha Casa Minha Vida ALTERNATIVAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Minha Casa Minha Vida ALTERNATIVAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Minha Casa Minha Vida ALTERATIVAS DE EFICIÊCIA EERGÉTICA Envoltória para Verão Envoltória para Inverno Aquecimento de Água - AQ Envoltória se refrigerada artificialmente PRÉ-REQUISITOS BR 15220 BR 15575

Leia mais

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 35088-(41) Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013 de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL. Maio 2012

PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL. Maio 2012 PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL CAPACITAÇÃO DOS GESTORES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO MÓDULO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maio 2012 SISTEMAS DE AR CONDICIONADO Oportunidades de melhoria da eficiência dos

Leia mais

20/09/2012 SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE

20/09/2012 SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE Sistema composto por tubos, reservatórios, peças de utilização, equipamentos e outros componentes, destinado a conduzir água quente* aos pontos de utilização. *NBR 7198 (ABNT, 1993): temperatura de, no

Leia mais

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Coordenação: Roberto Lamberts, PhD Núcleo de Edificações Residenciais Pós-doutorandos: Michele Fossati, Dra. Eng. Civil Doutorandos:

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO Válido até 30/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO Freguesia PADORNELO Concelho PAREDES DE COURA GPS 41.927754, -8.540848 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho.

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho. AULA 11 SISTEMA PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 1. Conceito e classificação O sistema de água quente em um edificação é totalmente separado do sistema de água-fria. A água quente deve chegar em todos os pontos

Leia mais

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER.

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. Na verdade você corre o risco de molhar o medidor e causar Curto-circuito.

Leia mais

MANUAL COM DICAS SOBRE CONSUMO DE ENERGIA

MANUAL COM DICAS SOBRE CONSUMO DE ENERGIA SISTEMA SOLAR DE AQUECIMENTO DE ÁGUA a) Quando for adquirir um sistema de aquecimento solar dê sempre preferência aos modelos com o Selo Procel. b) Dimensione adequadamente o sistema (coletores e reservatórios)

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar 5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar Coletor Banho Características Técnicas Aletas em Alumínio; Cobertura em Vidro Liso Cristal; Vidro Caixa

Leia mais

WORKSHOP SBCS SISTEMAS DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÁGUA

WORKSHOP SBCS SISTEMAS DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÁGUA WORKSHOP SBCS SISTEMAS DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÁGUA Sistemas Hidráulicos Prediais e a Medição Individualizada SISTEMAS DO EDIFÍCIO SUBSISTEMAS DO EDIFÍCIO 1 - Estrutura 2 - Envoltória externa 3 -

Leia mais

Portaria n.º 449, de 25 de novembro de 2010

Portaria n.º 449, de 25 de novembro de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 449, de 25 de novembro de

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP x Energia Elétrica Aquecimento de água Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Apresentação O projeto Análise de custos de infra-estrutura Análise de custos para o cliente

Leia mais

Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012

Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012 O PRESIDENTE

Leia mais

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 Portaria n.º 349-B/2013 de 29 de novembro O Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, aprovou o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Livro: Agua: pague menos Engenheiro Plinio Tomaz 12 de dezembro de 2010

Livro: Agua: pague menos Engenheiro Plinio Tomaz 12 de dezembro de 2010 Capitulo 01- Peças que economizam água 1.1 Objetivo A primeira atitude de autoridade que quer economizar água é a instalação de peças que economizem água, sem criar problemas com a segurança da qualidade

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NO ENERGYPLUS BASEADA NOS REQUISITOS DA NORMA NBR 15220

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NO ENERGYPLUS BASEADA NOS REQUISITOS DA NORMA NBR 15220 ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NO ENERGYPLUS BASEADA NOS REQUISITOS DA NORMA NBR 15220 Michele Matos; Fernando Simon Westphal; Franck Alves

Leia mais

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo aquecedor sob a ótica do usuário final Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques 1 1. Objetivo O presente estudo visa comparar financeiramente,

Leia mais

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J.

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J. Instalações prediais de gases combustíveis água quente Construção de Edifícios 5 Arquitetura e Urbanismo FAU USP J. Jorge Chaguri Jr Para que gás? Principais Normas NBR 15526 NBR 13103 Edifícios prumada

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 075

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 075 USO RACIONAL DA ÁGUA: AVALIAÇÃO DE IMPACTOS NOS SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIOS ATRAVÉS DE METODOLOGIA RACIONAL PARA CONCEPÇÃO, PROJETO E DIMENSIONAMENTO Daniel C. Santos (1) Eng. Civil, Professor

Leia mais

Análise de especificação de chuveiro elétrico

Análise de especificação de chuveiro elétrico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Análise de especificação de chuveiro elétrico RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Equipe Núcleo de Edificações Residenciais CB3E Florianópolis, setembro de 2012 CB3E - Centro Brasileiro de Eficiência Energética

Leia mais

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO.. 3 2 O SOFTWARE.... 3 3 EDIFÍCIO. 6 3.1 Área aquecida........ 6 3.2 Pavimento... 11 3.3 Cobertura..... 11 3.4 Aquecimento central.. 12 3.5 Produção de

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Arnoldo Wendler Sistema Construtivo 1 Sistema Construtivo 2 Sistema Construtivo Sistema Construtivo 3 Sistema Construtivo Comunidade da Construção DIRETRIZES

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

PAREDES DE CONCRETO em habitações. VELOCIDADE com QUALIDADE

PAREDES DE CONCRETO em habitações. VELOCIDADE com QUALIDADE PAREDES DE CONCRETO em habitações VELOCIDADE com QUALIDADE Por que Parede de Concreto? Boa solução para empreendimentos que tenham alta repetitividade, necessidade de padronização e rapidez na construção

Leia mais

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA - CAMPUS SÃO JOSÉ Projetos de Instalação de Ar Condicionado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO USO DE ISOLAMENTO TÉRMICO EM COBERTURAS E FACHADAS DE EDIFICIOS COMERCIAIS E DE ESCRITÓRIOS (1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO

Leia mais

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental 1 2 REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS Versão 2014 Data: Março / 2014 7.1. Aparelhos a gás... 7.3 7.1.1. Introdução... 7.3 7.1.2. O ambiente onde será instalado o aparelho a gás... 7.3 7.1.2.1. Ambiente a ser

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica Dimensionamento Dimensionamento Área Coletora e Kit Instalação Aquecimento Auxiliar Tubulação Objetivos: 1 - Dimensionar área coletora e kit instalação 2 - Dimensionar aquecimento auxiliar 3 - Dimensionar

Leia mais

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1);

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1); 4 Estudo de casos Este capítulo apresenta estudo de casos para averiguar a eficácia do modelo definido no capítulo 3. Para provar que os conceitos funcionam e que o método é viável, decidiu-se otimizar

Leia mais

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE Casa Solar Acessível Caribenha ESCOLHA DA CASA PAÍS LATINO CLIMA TROPICAL CASA PERMEÁVEL POSSIVEL ALCANCE DE INTERESSE SOCIAL CASH HOME Slogan: Ser verde e acessível.

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Carga Térmica

Ar Condicionado e Refrigeração Carga Térmica CARGA TÉRMICA Representa a quantidade de calor (sensível e/ou latente) a ser extraída do ar de um ambiente (no caso de verão) ou a ser fornecida ao ar de um ambiente (no caso de inverno) para que sejam

Leia mais

Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico

Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico António Manuel Almeida aalmeida@isec.pt INESC Coimbra e IPC - ISEC Iluminação Interior no RSECE, 2006 Iluminação Interior

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Artes e Arquitetura Escola Profº. Edgar A. Graeff SHAU I

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Artes e Arquitetura Escola Profº. Edgar A. Graeff SHAU I UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Artes e Arquitetura Escola Profº. Edgar A. Graeff SHAU I SISTEMAS HIDRO-SANITÁRIOS NA ARQUITETURA E URBANISMO Notas de aula Tabelas, ábacos e recomendações.

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA - EDIÇÃO 2014 -

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA - EDIÇÃO 2014 - PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA - EDIÇÃO 2014 - Estudo Comparativo da Infraestrutura e uso do Energético (Eletricidade & Gás LP) para Aquecimento de Água em uma Edificação Residencial PRÊMIO GLP DE

Leia mais

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento e Monitoramento Ambiental Secretaria Municipal de Meio Ambiente Junho / 2015 Mudanças

Leia mais

Luminárias a Led na iluminação pública: características técnicas e viabilidade econômica

Luminárias a Led na iluminação pública: características técnicas e viabilidade econômica 40 Capítulo V Luminárias a Led na iluminação pública: características técnicas e viabilidade econômica Por Roberto Sales* As luminárias a Led para iluminação pública (IP) já estão em uso em muitas cidades

Leia mais

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Resp. Técnico: Carlos A. N. Viani MD-1944/02-HP-001 Rev. 0 1. OBJETIVO Este memorial

Leia mais

Projecto de Sistemas Solares Térmicos

Projecto de Sistemas Solares Térmicos 10 páginas sobre Projecto de Sistemas Solares Térmicos Observe intensamente a Natureza e então perceberá tudo melhor [Albert Einstein] palavras-chave ENERGIA SOLAR SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS PROJECTO SST

Leia mais

Vasco Peixoto de Freitas

Vasco Peixoto de Freitas VIDROS EM FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO SUMÁRIO I. VIDRO EM FACHADAS II. PROPRIEDADES DOS VIDROS

Leia mais

COMO EVITAR O DESPERDÍCIO

COMO EVITAR O DESPERDÍCIO Economia de Água Um universo de possibilidades ao seu alcance COMO EVITAR O DESPERDÍCIO Nossas casas, edifícios e indústrias desperdiçam água, antes mesmo do seu consumo. Aplicar os princípios do uso racional

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Seminário: Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Arnoldo Wendler Sistema Construtivo Estudo de viabilidade Anteprojeto arquitetônico Comercialização

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA 1- A EDIFICAÇÃO O empreendimento será construído na cidade de Goiânia - GO. O anteprojeto está definido pelas vistas e perspectivas apresentadas abaixo. FIGURA 01: Perspectiva

Leia mais

Energia elétrica: como usar e economizar

Energia elétrica: como usar e economizar endividado.com.br Energia elétrica: como usar e economizar Como fazer uso eficiente de Energia Quanto maior o desperdício de energia, maior é o preço que você e o meio ambiente pagam por ela. Ao usar a

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Profª Drª Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de Controle Ambiental e Eficiência Energética Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf )

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) N = 33 pessoas C = 130 litros (tab.1) T = 0,83 (tab. 2 - volume entre 3001 a 4500 ) K = 94 (tab. 3 limpeza anual e t 10 ) Lf = 1

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO VASCO PEIXOTO DE FREITAS Faculdade Engenharia Universidade do Porto Laboratório de Física das Construções /FEUP - AdePorto SUMÁRIO 1. Introdução 2. Tipificação

Leia mais

Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz.

Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. Quando você utiliza energia de forma eficiente, todo mundo sai ganhando.

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 19/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Previsão de Carga Especiais NBR-5410 Cargas Especiais? Em geral, são cargas de uso comum em um edifício.

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO KP-PN 1501 (GLP/GN) LEIA O MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DE INSTALAR AGRADECEMOS A SUA PREFERÊNCIA KOBE. Verão. Inverno. Mín. Máx. Mín.

MANUAL DO USUÁRIO KP-PN 1501 (GLP/GN) LEIA O MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DE INSTALAR AGRADECEMOS A SUA PREFERÊNCIA KOBE. Verão. Inverno. Mín. Máx. Mín. KOBE MANUAL DO USUÁRIO KP-PN 1501 (GLP/GN) KOBE Inverno Verão Mín. Máx. Mín. Máx. CHAMA TEMPERATURA LEIA O MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DE INSTALAR AGRADECEMOS A SUA PREFERÊNCIA ÍNDICE CERTIFICADO DE GARANTIA

Leia mais

4.2 MANUAL RTQ-R. Manual para Aplicação do RTQ-R. Versão 1. centro brasileiro de eficiência energética em edificações

4.2 MANUAL RTQ-R. Manual para Aplicação do RTQ-R. Versão 1. centro brasileiro de eficiência energética em edificações 4.2 Manual para Aplicação do RTQ-R MANUAL RTQ-R Versão 1 centro brasileiro de eficiência energética em edificações Com base na Portaria: nº 18/2012 Eletrobras/Procel José da Costa Carvalho Neto Presidente

Leia mais

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia.

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilização Racional de Energia (URE) Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilizar melhor a energia

Leia mais

PROPOSTA DE TÉCNICAS DE ECO-ECOEFICIÊNCIA PARA UM PROJETO DE EMPREENDIMENTO HOTELEIRO NA SERRA CATARINENSE

PROPOSTA DE TÉCNICAS DE ECO-ECOEFICIÊNCIA PARA UM PROJETO DE EMPREENDIMENTO HOTELEIRO NA SERRA CATARINENSE PROPOSTA DE TÉCNICAS DE ECO-ECOEFICIÊNCIA PARA UM PROJETO DE EMPREENDIMENTO HOTELEIRO NA SERRA CATARINENSE Raisa Roana de Novaes RESUMO Este trabalho tem o objetivo de elaborar uma proposta de uso de técnicas

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁREAS DE LAZER

MEMORIAL DESCRITIVO ÁREAS DE LAZER MEMORIAL DESCRITIVO ÁREAS DE LAZER Ficam na cobertura, 9º andar. Esta composta por Salão de festas, Espaço gourmet, Fitness center, Sala de jogos e web, Piscina borda infinita e Solarium. - Salão Festas:

Leia mais

Aquecedor de Água a Gás de Passagem Linha Classic Gold

Aquecedor de Água a Gás de Passagem Linha Classic Gold Manual de Instruções e Especificações PARA USO RESIDENCIAL Aquecedor de Água a Gás de Passagem Linha Classic Gold www.equibras.com 1 www.equibras.com 1 PREZADO CONSUMIDOR A Equibrás agradece a preferência

Leia mais

2.1 RTQ-C. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas

2.1 RTQ-C. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 2.1 Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas RTQ-C Com alterações das portarias: nº17 de 2012 e nº299 de 2013 centro brasileiro

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

Portaria n.º 372, de 17 de setembro de 2010.

Portaria n.º 372, de 17 de setembro de 2010. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 372, de 17 de setembro de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA QUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA QUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA QUENTE Prof. Adolar Ricardo Bohn - M. Sc. 1 INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE INTRODUÇÃO

Leia mais

AQUECEDOR SOLAR ESFERICO NADO LIVRE

AQUECEDOR SOLAR ESFERICO NADO LIVRE AQUECEDOR SOLAR ESFERICO NADO LIVRE PISCINAS INDUSTRIAS E AGUA DE CONSUMO RESIDENCIAIS /COMERCIAIS /ESPORTIVAS /ACADEMIAS/INDUSTRIA ALTO RENDIMENTO/ ALTA EFICIENCIA FORMATO ESFERICO EM POLICARBONATO APROVEITAMENTO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TORRE RESIDENCIAL PROPRIETÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO TORRE RESIDENCIAL PROPRIETÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACABAMENTOS TORRE RESIDENCIAL PROPRIETÁRIO VERSÃO: 02 ÍNDICE 1- DESCRIÇÃO DOS ACABAMENTOS DAS UNIDADES... 3 1.1. APARTAMENTOS... 3 1.1.1. ESTAR/JANTAR...

Leia mais

CDHU Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano CBCS Conselho Brasileiro da Construção Sustentável

CDHU Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano CBCS Conselho Brasileiro da Construção Sustentável CDHU Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano CBCS Conselho Brasileiro da Construção Sustentável Seminário i Eficiência Energética e HIS no Estado de São Paulo Sistemas Prediais e a Medição Individualizada

Leia mais

M E M O RIAL DE ESPECIFICAÇÕES: PROPRIETÁRIO: Fun House Empreendimentos Imobiliários Ltda. OBRA: Residencial Montblanc ENDEREÇO: Rua 24 de Maio,415 Bairro vila Rosa Novo Hamburgo C AR AC T E R Í S T I

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

Aulas 19 a 23. 1. (Fuvest 2012)

Aulas 19 a 23. 1. (Fuvest 2012) 1. (Fuvest 01) A figura acima representa, de forma esquemática, a instalação elétrica de uma residência, com circuitos de tomadas de uso geral e circuito específico para um chuveiro elétrico. Nessa residência,

Leia mais

No topo da Eficiência. julho 2015. Conheça a nova Diretiva Energética. ErP. Conforto para a vida

No topo da Eficiência. julho 2015. Conheça a nova Diretiva Energética. ErP. Conforto para a vida No topo da Eficiência Conheça a nova Diretiva Energética julho 2015 ErP Conforto para a vida 1. Informação geral sobre a Diretiva Europeia ErP-EuP A partir de 26 de setembro de 2015, as Diretivas de Ecodesign

Leia mais

Cliente: Exemplo 26/06/2012 Estado: TO 07:11:32. Estimativa Custo de Reforma. Resumo da Estimativa de Custos de Reforma Residencial por Ambiente

Cliente: Exemplo 26/06/2012 Estado: TO 07:11:32. Estimativa Custo de Reforma. Resumo da Estimativa de Custos de Reforma Residencial por Ambiente Cliente: Exemplo 26/06/2012 Estado: TO 07:11:32 Estimativa Custo de Reforma Resumo da Estimativa de Custos de Reforma Residencial por Ambiente Ambientes Custos Parcias Mão de Obra Material (%) 1 Sala de

Leia mais

ANEXO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 285/ADCO-4/SBBR/2011 TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 285/ADCO-4/SBBR/2011 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 285/ADCO-4/SBBR/2011 TERMO DE REFERÊNCIA LOCAÇÃO DE 25 (VINTE E CINCO) MÓDULOS DE CONTAINERS HABITÁVEIS ACOPLADOS PARA AS INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS DA SEÇÃO DE CONTRAINCÊNDIO

Leia mais

Catálogo de. produtos. Studio Meber. Metais que conquistam.

Catálogo de. produtos. Studio Meber. Metais que conquistam. Catálogo de produtos Studio Meber Metais que conquistam. A Meber é uma empresa de metais sanitários e decorativos com atuação no mercado há meio século. Desde 1961, ano de nossa fundação, evoluímos com

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

VIABILIDADE DO USO DE PROTETORES SOLAR NA FACHADA OESTE DO HOTEL JACQUES GEORGE TOWER EM PELOTAS, RS

VIABILIDADE DO USO DE PROTETORES SOLAR NA FACHADA OESTE DO HOTEL JACQUES GEORGE TOWER EM PELOTAS, RS VIABILIDADE DO USO DE PROTETORES SOLAR NA FACHADA OESTE DO HOTEL JACQUES GEORGE TOWER EM PELOTAS, RS Noé Vega (1); Eduardo G. da Cunha (2); Antônio César S. B. da Silva (2) (1) Curso de Arquitetura e Urbanismo,

Leia mais

SPLIT HI WALL NOVO. Conforto, economia para o bolso e design clean Sua vida merece mais

SPLIT HI WALL NOVO. Conforto, economia para o bolso e design clean Sua vida merece mais SPLIT HI WALL INVERTER R-410A NOVO Conforto, economia para o bolso e design clean Sua vida merece mais SPLIT HI WALL INVERTER R-410A NOVO Conforto e economia em sua casa O Split Hi Wall Inverter da Hitachi

Leia mais

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Que podemos nós fazer? Eficiência Energética Utilização Racional da Energia, assegurando os níveis de conforto e de qualidade de vida. Como?

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório)

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório) FICHA TÉCNICA Projeto Arquitetônico: Gkalili Arquitetura Design de Fachada: Triptyque Arquitetura Projeto Paisagístico: EKF Arquitetura paisagística Projeto Decoração: Triptyque Arquitetura Dados do Produto

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

MORADIA E SUSTENTABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

MORADIA E SUSTENTABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL MORADIA E SUSTENTABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL Miguel Aloysio Sattler Engenheiro civil e engenheiro agrônomo; PhD. pela Universidade de Sheffield, Inglaterra. Professor Associado, do Departamento de Engenharia

Leia mais

Passive Houses em Ílhavo

Passive Houses em Ílhavo s em Ílhavo João Gavião Arquitecto, Assessor LiderA; Certified Designer João Marcelino Eng.º Civil, Perito Qualificado RCCTE, Certified Designer Porquê 01_Introdução 02_O conceito 03_As primeiras s 04_

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

AR-CONDICIONADO 8 H / DIA = 35,3% / MÊS

AR-CONDICIONADO 8 H / DIA = 35,3% / MÊS O Brasil vive uma crise hídrica e energética que está afetando a distribuição de ambos os recursos no país todo, em maior ou menor intensidade. O Estado de São Paulo, em especial a capital, vem sofrendo

Leia mais

Passive Houses na região de Aveiro

Passive Houses na região de Aveiro João Gavião www.homegrid.pt jgavias@gmail.com Índice Introdução As primeiras Passive Houses certificadas em Portugal O desempenho da primeira Passive House certificada As próximas Passive Houses Solar

Leia mais

Qualidade da Água. A disponibilidade da Água

Qualidade da Água. A disponibilidade da Água Qualidade da Água A disponibilidade da Água A água pode ter as mais variadas origens e características mas a sua disponibilidade para consumo humano revela-se cada vez mais diminuta. % H2O Doce Vs Salgada

Leia mais