CARACTERÍSTICAS DOS TERMOPARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERÍSTICAS DOS TERMOPARES"

Transcrição

1

2 CARACTERÍSTICAS DOS TERMOPARES A escolha de um termopar para um determinado serviço, deve ser feita considerando todas as possíveis variáveis e normas exigidas pelo processo, portanto fornecemos alguns dados para orientação na escolha correta dos mesmos. A tabela abaixo relaciona os tipos de termopares e a faixa de temperatura usual, com as vantagens e restrições: TIPO T J E K S R B N ELEMENTO POSITIVO ELEMENTO NEGATIVO FAIXA DE TEMPERATU- RA USUAL CARACTERÍSTICAS Cobre (+) Constantan (-) -184 à 370ºC Podem ser usados em atmosferas oxidantes, redutores, inertes e no vácuo. Adequados para medições abaixo de zero graus. Apresenta boa precisão na sua faixa de utilização. Ferro (+) Constantan (-) 0 à 760ºC Podem ser usados em atmosferas oxidantes, redutores, inertes, e no vácuo. Não devem ser usados em atmosfera sulfurosas e não se recomenda o uso em temperaturas abaixo de zero graus. Apresenta baixo custo. Níquel Cromo (+) Chromel (+) Platina 90% 10% Rhódio (+) Platina 87% 13% Rhódio (+) Platina 70% 30%Rhódio (+) Nicrosil (+) Cobre Níquel (+) Alumel (+) Platina 100% (-) Platina 100% (-) Platina 94% 6% Rhódio (-) Nisil (-) 0 à 870ºC Podem ser usados em atmosferas oxidantes e inertes. Em ambientes redutores ou vácuo perdem suas características termoelétricas. Adequado para o uso em temperaturas abaixo de zero graus 0 à 1200ºC Recomendável em atmosferas oxidantes ou inertes. Ocasionalmente podem ser usados abaixo de zero graus. Não devem ser utilizados em atmosferas sulfurosas. Seu uso no vácuo é por curto período de tempo. 0 à 1600ºC 0 à 1600ºC Recomendável em atmosferas Oxidantes ou inertes. Não devem ser usados abaixo de zero grausno vácuo, em atmosferas redutoras ou atmosferas com vapores metálicos. Apresenta boa precisão em temperaturas elevadas 870 à 1795ºC Recomendável em atmosferas oxidantes ou inertes. Não devem ser usados no vácuo, em atmosferas com vapores metálicos. Mais adequados para altas temperaturas que os tipos S/R. 0 à 1260ºC Excelente resistência a oxidação até 1200ºC. Curva FEM x temp. similar ao tipo K, porém possui menor potência termoelétrica. Apresenta maior estabilidade e menor drift x tempo. RESTRIÇÕES 1) Oxidação do cobre acima de 310ºC 1) Limite máximo de utilização em atmosfera oxidante de 760ºC devido à rápida oxidação do ferro. 2) Utilizar tubo de proteção acima de 480ºC 1) Baixa estabilidade em atmosfea redutora. 1) Vulnerável em atmosfera sulfurosa e gases como SO2 e H2S1 requerendo substancial proteção quando utilizado nessas condições. 1) Vulnerável a contaminação em atmosferas que não sejam oxidantes. 2) Para altas temperaturas, utilizar isoladores e tubos de proteção de alta alumina. 1) Vulnerável a contaminação em atmosferas que não sejam oxidantes. 2) Utilizar isoladores e tubos de proteção de alta alumina. 1) Melhor desempenho na formade termopar de isolação mineral.

3 LIMITE MÁXIMO DE APLICAÇÃO A tabela abaixo apresenta o limite máximo de aplicação em graus ºC para estabelecer uma vida satisfatória pela norma ASTM E-230 para os vários tipos de termopares, em função da bitola para utilização contínua de medição. Estes limites se aplicam para termopares convencionais, protegidos com tubos ou poços com extremidade fechada. Tipo de Termopares Bitola 8 AWG (ø3,26mm) Bitola 14 AWG (ø1,63mm) Bitola 20 AWG (ø0,81mm) Bitola 24 AWG (ø0,51mm) T --/-- 370ºC 260ºC 200ºC J 760ºC 590ºC 480ºC 370ºC E 870ºC 650ºC 540ºC 430ºC K 1260ºC 1090ºC 980ºC 870ºC S e R --/-- --/-- --/ ºC B --/-- --/-- --/ ºC N 1260ºC 1090ºC 980ºC 870ºC LIMITE DE ERRO A tabela abaixo apresenta os limites de erro para termopares convencionais e de isolação mineral, de acordo com a norma ASTM E-230. Quando o limite de erro é expresso em porcentagem, se aplica a temperatura que está sendo medida. Tipo de Termopares Faixa de Temperatura Padrão (Optar pelo Maior) Especial (Optar pelo Maior) T 0 à 370ºC +/- 1ºC ou +/- 0,75% +/- 0,5ºC ou +/- 0,4% J 0 à 760ºC +/- 2,2ºC ou +/- 0,75% +/- 1,1ºC ou +/- 0,4% E 0 à 870ºC +/- 1,7ºC ou +/- 0,5% +/- 1ºC ou +/- 0,4% K 0 à 1260ºC +/- 2,2ºC ou +/- 0,75% +/- 1,1ºC ou +/- 0,4% S e R 0 à 1450ºC +/- 1,5ºC ou +/- 0,25% +/- 0,6ºC ou +/- 0,1% B 870 à 1700ºC +/- 0,5% +/- 0,25% N 0 à 1260ºC +/- 2,2ºC ou +/- 0,75% +/- 1,1ºC ou 0,4% T -200 à 0ºC +/- 1ºC ou +/- 1,5% --/-- E -200 à 0ºC +/- 1,7ºC ou +/- 1% --/-- K -200 à 0ºC +/- 2,2ºC ou +/- 2% --/-- 1) Estes limites atendem as normas ASTM E-230 2) Junta de referência à 0ºC 3) Estes limites não consideram erros de instalação ou de sistemas.

4 SELEÇÃO DE MATERIAIS DE TUBOS E POÇOS DE PROTEÇÃO CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS DE PROTEÇÃO METÁLICOS São utilizados para proteção dos sensores de temperatura. Para correta especificação destes é necessário levar em consideração todas as condições de uso, tais como, temperatura, resistência mecânica, corrosão (atmosfera oxidante ou redutora), tipo de fluído, velocidade de resposta, etc. Portanto, para orientar na escolha, informamos nas tabelas subsequentes as características e aplicações principais dos materiais de proteção. MATERIAL TEMP. MAX. APLICAÇÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS Aço carbono ou Ferro 540ºC Satisfatório em atmosfera corrosiva. preto Ferro fundido (Perlítico) 700ºC Utilizado normalmente em fundição de não ferrosos. Aço Inox % Cr, 8% Ni) 850ºC Devido sua boa resistência a corrosão e a oxidação é bastante utilizado em indústrias petroquímicas. Aço Inox 316 (18% Cr, 8% Ni, 2% Mo) 850ºC Resistência a corrosão superior ao aço inox 304. Aço Cromo 446 (26% Cr, Fe) Inconel 600 (72% Ni, 16% Cr) Inox 310 (25% Cr, 20% Ni) 1100ºC Excelente resistência a corrosão a alta temperatura, boa resistência em atmosfera sulfurosa. 1175ºC Excelente resistência a oxidação em alta temperatura, boa resistência à corrosão, não deve ser utilizado em atmosfera contendo enxofre (sulfurosas), acima de 500ºC. 1100ºC Excelente resistência a oxidação em altas temperaturas, boa resistência em ambientes redutores sulfurosas e carbonizantes. Nicrobell B 1250ºC Excelente desempenho em ambientes oxidantes, redutores e vácuo. Resistência à corrosão superiores ao aço inox e Inconel 600. Não deve ser utilizado em atmosferas com alta concentração de enxofre livre. Nicrobell C (NBC) 1250ºC Indicado para ambientes carburantes. Mesmas características do Nicrobell B.

5 CARACTERÍSTICAS DOS TUBOS DE PROTEÇÃO CERÂMICA Utilizado na maioria dos casos para proteção de termopares tipos "S", "R" e "B". Para estes termopares nobres, a dupla proteção cerâmica é sempre recomendada, esta proporciona maior resistência mecânica e longevidade ao par termoelétrico. MATERIAL TEMP. MAX. CONDIÇÕES GERAIS Pythágoras Tipo 610 conforme Norma DIN Importado 1600ºC -Contém 60% de alumina Nacional 1350ºC (AL2O3) na composição; -Material não poroso; -Boa resistência mecânica; -Boa condutilidade térmica; -Baixo custo; -Sensível a choque térmico. Alsint Tipo 710 conforme Norma Dim Importado 1950ºC -Contém 99,7% de alumina (AL2O3) na composição; -Material não poroso; -Resistência mecânica e condutibilidade térmicabem melhor 1750ºC Nacional que o tipo 610; -Alto custo; -Sensível a choque térmico. Carbureto de Silício 1500ºC -Material altamente poroso; -Baixa resistência mecânica; -Alta condutibilidade térmica; -Resistente a choque térmico. Carbureto de Silício Recristalizado 1650ºC -Boa resistência a ácidos e álcalis; -Recomendado para utilização com atmosferas neutras -Utilizado em fundição de zinco, alumínio, chumbo, cobre, etc. -No Domo e regenadores de alto-forno.

6 TERMOPAR CONVENCIONAL MODELO EX mm EX-01 FIOS SEM ISOLADORES 50 mm FIOS COM ISOLADORES CERÂMICOS EX mm EX-03 FIOS COM TUBO CAPILAR - TIPOS R, S e B FIOS COM ISOLADORES CERÂMICOS FIOS COM ISOLADORES CERÂMICOS E BLOCO DE LIGAÇÃO Modelo Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4

7 Série Tipo Proteção/ Bloco Ligação Isolador EX-03 EX-XX EX-0X X-X-XX XX-mm XX-X-XXX * Tabela 1: SÉRIE Sufixo EX-0_ Descrição 0 Sem isolador 1 Com isolador 2 Com tubo capilar 3 Com bloco ligação * Tabela 2: TIPO CALIBRAÇÃO N.º ELEMENTOS Ø DO FIO Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição T Tipo T 08 8 AWG J Tipo J AWG E Tipo E S Simples AWG K Tipo K AWG S Tipo S D Duplo AWG R Tipo R AWG B Tipo B Tabela 3: PROTEÇÃO/ISOLADO Sufixo Descrição U 00 Sem isolador 20 Isolador cerâmico Especificar 61 Capilar 610 Em 71 Capilar 710 milímetros Tabela 4: BLOCO DE LIGAÇÃO Sufixo Para cabeçote Bitola do fio B1, B2 GR, ER 8 a 20 AWG E B5 PR e TP B2, B4 GR, ER, PR E B5 E TP AWG

8 TERMOPAR CONVENCIONAL COM TUBO DE PROTEÇÃO METÁLICO MODELO EX-04 EX-05 EX-06 FLANGE AJUSTÁVEL EX-07 "H"

9 Modelo Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Tabela 5 Tipo Proteção Terminal de Complementos de Montagem Ligação EX-05 EX-07 EX-XX X-X-XX XXX-XX-X-mm XX-XX XX-X-XXX 100-XX-XXX * Tabela 1: TIPO CALIBRAÇÃO N.º ELEMENTOS BITOLA DO FIO Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição T Tipo T S Simples AWG J Tipo J AWG E Tipo E AWG K Tipo K D Duplo AWG S Tipo S AWG * R Tipo R AWG * B Tipo B T Triplo * Bitolas 24 e 27 AWG para Termopares Tipo S, R e B * Tabela 2: PROTEÇÃO MATERIAL Ø DA PROTEÇÃO EX- TERNA TIPO DE PROTEÇÃO Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo T Tipo T 08 J Tipo J 14 E Tipo E S Simples 16 K Tipo K 20 S Tipo S D Duplo 24 R Tipo R 27 B Tipo B COMP. U Especificar em milímetros Tabela 3: PROTEÇÃO/ISOLADO TIPO DE CABEÇOTE ROSCA AO CONDUITE Sufixo Descrição Sufixo Descrição GR A prova de tempo 21 1/2 NPT PR A prova de tempo (mm) TP Com tampa parafusada 27 3/4 NPT ER A prova de explosão 00 Prensa cabo Tabela 4: BLOCO DE LIGAÇÃO Tabela 5: PROTEÇÃO HORIZONTAL Somente para mod. EX-07 Material Ø Compr. H Comp. U Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição 27 3/4 N NPT Ferro 21 21,3x15,8mm Especificar em /4 B BSP Ferro Milímetros / ,7x20,9mm Exemplo: EX-04-K-D S-500-GR-00, Termopar convencional Tipo K, duplo fio, bitola 14 AWG, com tubo de proteção em aço inox 304, ø 21,3 mm e Cabeçote grande a prova de tempo comprimento 500 mm.

10 MODELO TERMOPAR CONVENCIONAL COM TUBO DE PROTEÇÃO CERÂMICO EX ø D LUVA DE AÇO CARBONO EX ø D LUVA E ROSCA DE AÇO CARBONO EX FLANGE AJUSTÁVEL ø D LUVA DE AÇO CARBONO EX-11 "H" TUBO METÁLICO 100 LUVA DE AÇO INOX Modelo Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Tabela 5

11 Tipo Proteção Ligação Complementos de Montagem EX-XX X-X-XX XXX-XX-X-mm XX-XX Mod. EX-09 Mod. EX-10 XX-X-XXX 100-XX-mm * Tabela 1: TIPO CALIBRAÇÃO N.º ELEMENTOS BITOLA DO FIO Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição J Tipo J S Simples AWG K Tipo K AWG AWG S Tipo S D Duplo AWG * R Tipo R AWG * B Tipo B T Triplo * Tabela 2: PROTEÇÃO MATERIAL Ø DA PROTEÇÃO EXTERNA TIPO DE PROTEÇÃO COMP. U Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição 610 Cerâmica tipo 610 ø ext. tubo ø ext. tubo mm 15,8 mm Especificar em 710 Cerâmica tipo mm 21,3 mm S Simples mm 27,0 mm milímetros 810 Carbureto de cilício mm 33,4 mm D Duplo mm 60,0 mm Tabela 3: LIGAÇÃO TIPO DE CABEÇOTE ROSCA AO CONDUITE Sufixo Descrição Sufixo Descrição GR A prova de tempo 21 1/2 NPT PR A prova de tempo (mm) TP Com tampa parafusada 27 3/4 NPT ER A prova de explosão TF Com tampa basculante 45 Prensa cabo Tabela 4: Tabela 5: PROTEÇÃO HORIZONTAL ROSCA DE FIXAÇÃO AO PROCESSO Somente p/ mod. EX-11 somente p/ Mod. EX-09 Material Ø Compr. H Comp. U Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição 27 3/4 N NPT Ferro 21 21,3x15,8mm Especificar em /4 B BSP Ferro Milímetros / ,7x20,9mm

12 EXEMPLO: EX-08-K-S S-600-TP-21, Termopar tipo K, elemento simples, Fio 14 AWG, com tubo cerâmico 610, ø 15 mm x 600 mm, com cabeçote em alimínio com tampa parafusada. Casos especiais: Adicionar o sufixo C ao final do código para termopar com certificado de calibração.

13 CAMPLASTIC MODELO EX-24 Junta de medida aterrada Tubo de latão ø 3/16" Conexão baioneta ø 13 ou ø 17mm Cabo com isolação de fibra de vidro com trança metálica "R" EX "R" 100 Conexão ø 13 ou ø 17 mm Cabo com isolação de fibra de vidro com trança metálica Tubo de latão ø 3/16" Junta de medida aterrada EX-26 Junta de medida aterrada Mola MOLA flexível FLEXÍVEL ø 7 ou ø \U+ 78mm A 2205 \U Conexão baioneta ø 13 ou ø 17mm (rosqueada sobre a mola) \U \U+ O U 2205 Cabo com isolação de fibra de vidro com trança metálica 250 "R" 100 EX-27 Junta de medida aterrada Proteção inox ø 0,6mm CONEXÃO Conexão BAIONETA baioneta \U \U+ Oø U 1317mm ou 2205 ø 17mm Cabo com isolação de fibra de vidro com trança metálica "R" 100

14 26 ø 11 ø 16 ø Rosca conforme tabela Modelo Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Tipo Baioneta Rabicho Adaptador X X mm XX EX-XX * Tabela 1: TIPO Sufixo K J P Descrição Tipo K Tipo J PT-100 (3 fios) * Tabela 2: TIPO DE BAIONETA Sufixo P G Descrição Baioneta pequena ø 13 mm (interno) Baioneta grande ø 17 mm (interno) Tabela 3: COMPR. DO RABICHO (R) Especificar em milímetros Tabela 4: ROSCA DE FIXAÇÃO AO PROCESSO Sufixo Descrição 14 1/4 12 1/2 38 3/8 00 s/ adaptador EXEMPLO: EX-26-J-P , Termopar tipo J, baioneta pequena, rabicho de 1500 mm c/ adaptador rosca 1/4 BSP.. Nota: Para juntas de medição isoladas, acrescer ao código o sufixo ISO

15 TERMOPAR DE ISOLAÇÃO MINERAL O termopar de isolação mineral é constituído de um ou dois pares termoelétricos, que são isolados entre si e da bainha metálica, pelo pó de óxido de magnésio, que possui excelente condutibilidade térmica e alta compactação. Esta segunda característica torna o termopar mineral muito resistente no que tange à contaminação dos condutores. A durabilidade do sensor está ligado diretamente à escolha correta do tipo de proteção metálica da bainha. Rabicho Pote Pó óxido de magnésio Junta de medição Fechamento Bainha (capa metálica) VANTAGENS DOS TERMOPARES DE ISOLAÇÃO MINERAL - ESTABILIDADE NA FORÇA ELETROMOTRIZ A estabilidade da *F.E.M. do termopar é caracterizada em função dos condutores estarem completamente protegidos contra a ação de gases e outras condições ambientais, que normalmente causam oxidação e consequentemente perda de força eletromotriz gerada. - RESISTÊNCIA MECÂNICA E FLEXIBILIDADE O pó compactado, dentro da bainha metálica os condutores uniformemente posicionados, permite que o cabo seja dobrado, achatado, torcido ou estirado, suporte pressões externas e choque térmico, sem qualquer perda das propriedades termoelétricas - FACILIDADE DE INSTALAÇÃO A dimensão reduzida a alta resistência mecânica e a grande maleabilidade do cabo de isolação mineral asseguram uma facilidade de instalação mesmo nas situações mais difíceis

16 - FACILIDADE E UTILIZAÇÃO A construção de termopar de isolação mineral permite que o mesmo seja tratado como se fosse um condutor sólido, Em sua capa metálica podem ser montados acessórios, por soldagem ou brasagem e quando necessário, sua seção pode ser reduzida ou alterada em sua configuração. - RESPOSTA MAIS RÁPIDA O pequeno volume e a alta condutividade do óxido de magnésio promovem uma excelente transferência de calor, superior aos termopares com montagem convencional. - RESISTÊNCIA A CORROSÃO As bainhas metálicas com diversos tipos, podem ser selecionadas para resistir ao ambiente corrosivo. - RESISTÊNCIA DE ISOLAÇÃO ELEVADA A resistência de isolação entre condutores a bainha é sempre superior a 100 M Ohm (a 20ºC) independente de seu diâmetro, e sob as condições mais úmidas. - BLINDAGEM ELETROSTÁTICA A bainha do termopar de isolação mineral, devidamente aterrada, oferece uma excelente blindagem eletrostática ao par termoelétrico CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DOS TERMOPARES DE ISOLAÇÃO MINERAL. Para perfeita escolha de um termopar de isolação mineral, em um determinado processo, deve ser levado em consideração todas as suas possíveis características e suas normas exigidas. Portanto estamos fornecendo alguns dados para a orientação na escolha correta: Os termopares de isolação mineral fornecidos pela EXACTA possui tabela de correlação (FEM x TEMP) e limites de erros, segundo a norma ASTM- E230 - ITS 90. CARACTERÍSTICAS DA BAINHA METÁLICA Material de bainha Temp. máx. de Considerações gerais aplicação ** Inox ºC Boa resistência a corrosão e a boa oxidação na sua faixa de aplicação, boa durabilidade Inox ºC Boas propriedades de resistência a oxidação, ótimo para utilizar em atmosfera com enxofre, porém não devem ser submetido a manipulação constante. Inox ºC Resistência a corrosão superior Inox 304 Inconel 1100ºC Excelente resistência a oxidação, não aplicável em atmosfera com enxofre a temperatura 500ºC. Aço Cromo ºC Excelente resistência a corrosão e oxidação em altas temperaturas. Boa referência em atmosfera sulfurosas. Nicrobell B 1250ºC Excelente desempenho em ambiente oxidante e redutor no vácuo. Durabilidade e resistência à tração superiores em altas temperaturas ao aço Inox 310 e Inconel 600. Nicrobell C 1250ºC Indicado para ambientes carburantes. Mesmas características do Nicrobell B. ** Temperatura máxima em atmosfera neutra ou oxidante.

17 TERMOPAR DE ISOLAÇÃO MINERAL O termopar de isolação mineral é constituído de um ou dois pares termoelétricos, que são isolados entre si e da bainha metálica, pelo pó de óxido de magnésio, que possui excelente condutibilidade térmica e alta compactação. Esta segunda característica torna o termopar mineral muito resistente no que tange à contaminação dos condutores. A durabilidade do sensor está ligado diretamente à escolha correta do tipo de proteção metálica da bainha. Rabicho Pote Pó óxido de magnésio Junta de medição Fechamento Bainha (capa metálica) VANTAGENS DOS TERMOPARES DE ISOLAÇÃO MINERAL - ESTABILIDADE NA FORÇA ELETROMOTRIZ A estabilidade da *F.E.M. do termopar é caracterizada em função dos condutores estarem completamente protegidos contra a ação de gases e outras condições ambientais, que normalmente causam oxidação e consequentemente perda de força eletromotriz gerada. - RESISTÊNCIA MECÂNICA E FLEXIBILIDADE O pó compactado, dentro da bainha metálica os condutores uniformemente posicionados, permite que o cabo seja dobrado, achatado, torcido ou estirado, suporte pressões externas e choque térmico, sem qualquer perda das propriedades termoelétricas - FACILIDADE DE INSTALAÇÃO A dimensão reduzida a alta resistência mecânica e a grande maleabilidade do cabo de isolação mineral asseguram uma facilidade de instalação mesmo nas situações mais difíceis - FACILIDADE E UTILIZAÇÃO

18 A construção de termopar de isolação mineral permite que o mesmo seja tratado como se fosse um condutor sólido, Em sua capa metálica podem ser montados acessórios, por soldagem ou brasagem e quando necessário, sua seção pode ser reduzida ou alterada em sua configuração. - RESPOSTA MAIS RÁPIDA O pequeno volume e a alta condutividade do óxido de magnésio promovem uma excelente transferência de calor, superior aos termopares com montagem convencional. - RESISTÊNCIA A CORROSÃO As bainhas metálicas com diversos tipos, podem ser selecionadas para resistir ao ambiente corrosivo. - RESISTÊNCIA DE ISOLAÇÃO ELEVADA A resistência de isolação entre condutores a bainha é sempre superior a 100 M Ohm (a 20ºC) independente de seu diâmetro, e sob as condições mais úmidas. - BLINDAGEM ELETROSTÁTICA A bainha do termopar de isolação mineral, devidamente aterrada, oferece uma excelente blindagem eletrostática ao par termoelétrico CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DOS TERMOPARES DE ISOLAÇÃO MINERAL. Para perfeita escolha de um termopar de isolação mineral, em um determinado processo, deve ser levado em consideração todas as suas possíveis características e suas normas exigidas. Portanto estamos fornecendo alguns dados para a orientação na escolha correta: Os termopares de isolação mineral fornecidos pela CAMTEC possui tabela de correlação (FEM x TEMP) e limites de erros, segundo a norma ASTM- E230 - ITS 90. CARACTERÍSTICAS DA BAINHA METÁLICA Material de bainha Temp. máx. de Considerações gerais aplicação ** Inox ºC Boa resistência a corrosão e a boa oxidação na sua faixa de aplicação, boa durabilidade Inox ºC Boas propriedades de resistência a oxidação, ótimo para utilizar em atmosfera com enxofre, porém não devem ser submetido a manipulação constante. Inox ºC Resistência a corrosão superior Inox 304 Inconel 1100ºC Excelente resistência a oxidação, não aplicável em atmosfera com enxofre a temperatura 500ºC. Aço Cromo ºC Excelente resistência a corrosão e oxidação em altas temperaturas. Boa referência em atmosfera sulfurosas. Nicrobell B 1250ºC Excelente desempenho em ambiente oxidante e redutor no vácuo. Durabilidade e resistência à tração superiores em altas temperaturas ao aço Inox 310 e Inconel 600. Nicrobell C 1250ºC Indicado para ambientes carburantes. Mesmas características do Nicrobell B. ** Temperatura máxima em atmosfera neutra ou oxidante.

19 TIPOS DE JUNTA DE MEDIÇÃO JUNTA QUENTE ISOLADA É a junta onde os condutores ficam isolados da bainha de proteção metálica. Vantagens: A resistência de isolação pode ser testada antes e depois da instalação, podendo assim verificar a integridade da capa em todo o seu comprimento, evitar erros de medição devido a diferença de potencial de terra entre o termopar e o instrumento. JUNTA QUENTE ATERRADA ISOLADA Como alternativa existe também a junta aterrada, nesta os condutores são soldados junto a bainha (capa externa). Vantagens: Possui menor tempo de resposta e maior sensibilidade em relação á junta isolada - Todos os termopares de isolação mineral fabricados pela CAMTEC são fornecidos com a junta de medição isolada, a menos que o cliente solicite que junta medição seja aterrada. TEMPO DE RESPOSTA EM FUNÇÃO DA JUNTA DE MEDIÇÃO As constantes de tempo de resposta apresentadas nas tabelas abaixo são para os termopares de isolação mineral submetidos às temperaturas de aproximadamente 20ºC para 100ºC. DIÂMETRO EXT. DA BAINHA ATERRADA TIPO DE JUNÇÃO DE MEDIÇÃO TEMPO DE RES- POSTA EM SE- GUNDOS 0,5 mm Aterrada 0,05 1,5 mm Aterrada 0,20 1,5 mm Isolada 0,50 3,0 mm Aterrada 0,70 3,0 mm Isolada 1,30 4,5 mm Aterrada 1,20 4,5 mm Isolada 2,10 6,0 mm Aterrada 2,00 6,0 mm Isolada 4,50 **Estes valores são apenas como referência

20 LIMITES DE ERRO PARA TERMOPARES DE ISOLAÇÃO MINERAL A tabela abaixo apresenta os limites de erro para termopares de isolação mineral, estando estes de acordo com a norma ASTM-E , e ITS-90. Quando o limite de erro é expresso em porcentagem este se aplica à temperatura que está sendo medida. Não são incluídos erros de instalação ou de sistema. TIPO DE TERMOPA- RES FAIXA DE TEM- PERATURA LIMITE DE ERRO PADRÃO ESPECIAL T 0 à 370ºC +/- 1ºC ou +/- 0,75% +/- 0,5ºC ou +/- 0,4% J 0 à 760ºC +/- 2,2ºC ou +/- 0,75% +/- 1,1ºC ou +/- 0,4% E 0 à 870ºC +/- 1,7ºC ou +/-0,5% +/- 1ºC ou +/- 0,4% K 0 à 1260ºC +/- 2,2ºC ou +/- 0,75% +/- 1,1ºC ou +/- 0,4% T -200 à 0ºC +/- 1ºC ou +/- 1,5% --- E -200 à 0ºC +/- 1,7ºC ou +/- 1% --- K -200 à 0ºC +/- 2,2ºC ou +/- 2% --- N 0 à 1260ºC +/- 2,2ºC ou +/- 0,75% +/- 1,1ºC ou +/- 0,4% ISOLAÇÃO A resistência de isolamento do cabo a temperatura ambiente (20ºC") é no mínimo de 100 megaohms VDC para diâmetro maiores que 1,5mm, para diâmetros de 1,5mm a isolação deverá ser no mínimo de 100 megaohms a 50 VDC. RELAÇÃO TEMPERATURA x DIÂMETRO Esta tabela sugere os limites superiores de temperatura para termopares simples de isolação mineral de acordo com os diâmetros externos, conforme norma ASTM-E608/84. DIÂMETRO DA BAI- NHA EM mm Temperaturas em ºC K E J T 0, , , , , POTE DE FECHAMENTO E RABICHO DE LIGAÇÃO A extremidade posterior a junta de medição do termopar de isolação mineral é selada com resina a base de epoxi, podendo ser montado em potes lisos ou rosqueados dependendo da montagem final. Os rabichos podem ser: RÍGIDOS - É o próprio fio de termopar devendo ser utilizados em termopares com diâmetros externos de 3,00 mm e o de 6,00 mm no comprimento máximo recomendados de 100 mm. Estes fios são isolados com espagueti plástico. FLEXÍVEIS - São utilizados com um cabo de extensão bitolas 20, 24 awg com isolação PVC, fibra de vidro ou de teflon, sendo aplicado em todos os diâmetros dos termopares.

21 TERMOPAR DE ISOLAÇÃO MINERAL MODELO EX ``U`` TERMOEMCOLHÍVEL EX-13 "R" EX-14 "R" EX-15 "R" POTE EX-16 "R"

22 EX-17 Cabeçote de ligação EX-18 BLOCO DE LIGAÇÃO EX-19 CONECTOR COMPENSADO/POLARIZADO CONEXÃO AO PROCESSO tip o b ucim (OPCIONAL) Modelo Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 ou 3A Tabela 4 Tabela 5 Tabela 6 Tipo Proteção Terminal de ligação Fixação Rabicho Adicionais EX-XX X-X XXX-XX-mm XX-XX XX-X-X-X mm-x-x-xxx XXX * Tabela 1: TIPO CALIBRAÇÃO N.º ELEMENTOS Sufixo Descrição Sufixo Descrição J Tipo J T Tipo T S Simples E Tipo E K Tipo K D Duplo N Tipo N

23 * Tabela 2: PROTEÇÃO Material ø de proteção Dim. U Sufixo Descrição Sufixo Descrição 304 Inox ,5 mm 310 Inox 310 S Especificar 316 Inox ,0 mm em 600 Inconel ,5 mm milímetros NBB Nicrobell B 60 6,0 mm NBC Nicrobell C 446 Aço cromo 446 * Tabela 3: TERMINAL DE LIGAÇÃO Sufixo Descrição Utilização (modelo) Sem terminal EX-12 PL 01 Pote liso em latão EX-15 PR Rosca M8 x 1 em latão Rosca M10 x 1 em latão EX-14 EX-14 CC-MF Conector compensado EX-19 Plástico macho/fêmea EX-19 MC-MF Mini-conector compensado EX-19 Plástico macho/fêmea EX-18 BL-02 Bloco ø 50 (até 4 fios) EX-18 BL-03 Bloco ø 50 (6 fios) EX-18 BL-04 Bloco ø 42 (até 6 fios) EX-18 BL-05 Bloco ø 35 (até 4 fios) * Tabela 3A: CABEÇOTES para modelos EX-17 Tipo de cabeçote Rosca ao conduíte Sufixo Descrição Sufixo Descrição PR Cabeçote miniatura, a prova de tempo 45 Prensa cabo GR A prova de tempo TP Com tampa parafusada 21 1/2" NPT ER A prova de explosão 27 3/4" NPT TF Com tampa basculante * Tabela 4: ROSCA DE FIXAÇÃO AO PROCESSO Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição 00 Sem conexão 18 1/8" N NPT F Fixa L Latão 14 1/4" 21 1/2" B BSP M Móvel (Bucim) I Inox 27 3/4"

24 * Tabela 5: RABICHO DE LIGAÇÃO Para modelos EX-13, 14, 15 e 16 Compr. rabicho Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição PVC/PVC Especificar R Rígido P TAG Trança aço galvonizado 105ºC em TCE Trança em cobre estanhado Fibra vidro milímetros F Flexível F Fibra vidro TAI Trança em aço inox 260ºC 000 Sem trança Tabela 6: ADICIONAIS Sufixo JAM CCA TTR PLC Descrição Junta de medição aterrada na proteção metálica Certificado de calibração (indica os pontos de temperatura) Transmissor eletrônico de temp. acoplado ao cabeçote Placa de contato em aço inox soldada na extremidade da Bainha dim - 25x25x4mm (PAD) Casos especiais: Adicionar o sufixo C ao final do código para termopar com certificado de calibração EXEMPLO EX-15-K-D PL F-F-TAG Termopar mineral, Tipo K, duplo elemento, bainha inox 310, ø 6x200mm. Pote liso, rabicho flexível de 500mm.

25 TERMOPAR MINERAL COM PROTEÇÃO METÁLICA MODELO EX-20 EX-21 EX-22 Flange ajustável EX-23 "H"

26 Modelo Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 ou 3A Tabela 4 Tabela 5 Tipo/Bainha Tubo Proteção Cabeçote Rosca Fixação p/mod. CAM-23 EX-XX X-X-XX-XXX XXX-XX-mm XX-XX XX-X-X 100-XX-mm * Tabela 1: TIPO Calibração N.º elementos ø da bainha Material da bainha Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição T Tipo T 15 1,5 mm 304 inox 304 J Tipo J S Simples 316 inox 316 E Tipo E 30 3,0 mm 310 inox 310 S K Tipo K D Duplo 600 inconel ,5 mm 446 aço cromo 446 N Tipo N 60 6,0 mm NBB Nicrobell B NBC Nicrobell C * Tabela 2: PROTEÇÃO EXTERNA Material ø da proteção Diam. Sufixo Descrição Sufixo Descrição 100 Ferro preto 304 inox ,3 x 15,8mm Especificar 310 inox inox ,7 x 20,9mm em 200 Ferro perlítico 446 Aço cromo ,0 x 12,7mm milímetros 600 Inconel 600 * Tabela 3: TERMINAL DE LIGAÇÃO Tipo de cabeçote Rosca ao conduíte Sufixo Descrição Sufixo Descrição GR A prova de tempo 21 1/2"NPT TR com tampa parafusada 27 3/4"NPT ER a prova de explosão * Tabela 4: PARA MODELO EX-21 Sufixo Descrição Sufixo Descrição Sufixo Descrição 00 Sem conexão 27 3/4 N NPT L Latão /4 B BSP I Inox /2 * Tabela 5: PARA MODELO EX-23 Proteção Horizontal MATERIAL ø Compr. H Compr. H Sufixo Descrição Sufixo Descrição Especificar Ferro 21 21,3 x 15,8mm 100 em Preto 27 26,7 x 20,9mm milímetros EXEMPLO: EX-21-K-S GR N-I,Termopar mineral, Tipo K, simples elemento, bainha inox 310 ø 3mm, Tubo externo em inox 310 ø 21,3 x 600mm, rosca de fixação 3/4" NPT em inox com cabeçote a prova de tempo Casos especiais Adicionar o sufixo C ao final do código para termopar com certificado de calibração.

27 TERMORESISTÊNCIAS PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO E CARACTERÍSTICAS GERAIS Os termômetros de resistência são sensores de temperatura que operam baseados no princípio da variação da resistência elétrica de um metal, em função da temperatura, sendo fabricados com fios de alta pureza de platina, níquel ou de cobre. Suas principais características são a alta estabilidade mecânica e térmica, resistência à contaminação, relação de Resistência x Temperatura praticamente linear, o desvio com o uso e envelhecimento desprezíveis, além do alto sinal elétrico de saída. O sensor de resistência de platina, é o modelo de laboratório, e padrão mundial para medidas de temperatura na faixa de -270ºC a 962ºC. Para a utilização industrial é um sensor de inigualável precisão, estabilidade e sensibilidade. CARACTERÍSTICAS A termoresistência de platina é a mais utilizada na indústria devido a sua grande precisão e estabilidade. Conhecida como PT-100 ou RTD, a termoresistência de platina que apresenta uma resistência ôhmica de 100 ohmn à 0ºC. Sua faixa de trabalho vai de 200 a 650ºC, porém, a ITS-90 padronizou seu uso até aproximadamente 962ºC. Os limites de erro da PT-100 são referentes às normas DIN-IEC- 751/85. Um valor típico de alfa p/ R100= 138,50 ohmn é de 3, ohmn. ohmn -1 ºC -1. LIMITE DE ERRO DA TERMORESISTÊNCIA (PT-100) A seguir apresentamos os limites de erros para as classes A e B de acordo com a norma IEC-751/85: Classe A= +/- 0,15 + (0,002.t)ºC Classe B= +/- 0,30 + (0,005.t)ºC TOLERÂNCIA Temperatura (ºC) Classe A (+/- ºC) Classe B (+/- ºC) ,55 1, ,35 0,8 0 0,15 0, ,35 0, ,55 1, ,75 1, ,95 2, ,15 2, ,35 3, ,45 3,5

Termopares Convencionais I

Termopares Convencionais I Termopares Convencionais I Introdução Definimos Termopares como sensores de medição de temperatura que são constituídos por dois condutores metálicos e distintos, puros ou homogêneos. Em uma de suas extremidades

Leia mais

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho TERMORESISTÊNCIA GRÁFICO DEMONSTRATIVO DOS DESVIOS NAS TERMORESISTÊNCIAS CLASSES A e B TOLERÂNCIA ºC,,,0,,,,,0,,,,,0 0, 0, 0, 0, TERMORESISTÊNCIA CLASSE B TERMORESISTÊNCIA CLASSE A -00-00 0,0 00 00 00

Leia mais

bainha pote fio do termoelétrico solda do rabicho CARACTERÍSTICAS

bainha pote fio do termoelétrico solda do rabicho CARACTERÍSTICAS junta de medida bainha pote resina plug de fechamento isolação mineral fio do termoelétrico solda do rabicho rabicho TIPOS DE TERMOPARES: São: T, J, K, E, N na versão simples, duplo ou triplo isolados

Leia mais

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS METÁLICOS São feitos em metal (normalmente aço inox), fechado em uma das extremidades através de solda ou caldeamento, e, quase sempre rosqueado na outra parte e fixo ao. TUBOS CERÂMICOS São muito

Leia mais

TERMOPARES. Termopar Convencional. Termopar isolação mineral. Termopares Especiais. ECILplast

TERMOPARES. Termopar Convencional. Termopar isolação mineral. Termopares Especiais. ECILplast TERMOPARES Termopar Convencional Termopar isolação mineral Termopares Especiais ECILplast t er mo p a re s TERMOPAR CONVENCIONAL PARES TERMOELÉTRICOS TIPO BITOLA AWG POSITIVO REFERÊNCIA NEGATIVO REFERÊNCIA

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

MEDIÇÃO, INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE SENSORES DE TEMPERATURA TERMOPARES - TERMORRESSISTÊNCIA PT 100 - TRANSMISSORES

MEDIÇÃO, INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE SENSORES DE TEMPERATURA TERMOPARES - TERMORRESSISTÊNCIA PT 100 - TRANSMISSORES MEDIÇÃO, INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Eficiência e Tecnologia no fornecimento de Medição, Instrumentação e Controle. SENSORES DE TEMPERATURA TERMOPARES - TERMORRESSISTÊNCIA PT 100 - TRANSMISSORES GRÁFICO

Leia mais

APLICAÇÕES DE TERMOPARES RESUMO

APLICAÇÕES DE TERMOPARES RESUMO APLICAÇÕES DE TERMOPARES Camila de Lima da Silva 1-20970020 Valdinei Dias da Costa 2-20970079 RESUMO Os termopares são os sensores de temperatura mais utilizados nas aplicações industriais, seja por sua

Leia mais

Nº DE REFERÊNCIA NK NKF-T-20-FF NKF-T-24-PP NKF-T-24-FF NKF-J-16-AA NKF-J-16-PP NKF-J-20-FF NKF-J-24-FF NKF-K-16-AA NKF-K-16-FF NKF-K-16-PP

Nº DE REFERÊNCIA NK NKF-T-20-FF NKF-T-24-PP NKF-T-24-FF NKF-J-16-AA NKF-J-16-PP NKF-J-20-FF NKF-J-24-FF NKF-K-16-AA NKF-K-16-FF NKF-K-16-PP FIOS E CABOS DE COMPENSAÇÃO FIOS DE COMPENSAÇÃO (RÍGIDO) LIGA Cobre Constantan* * Tipo T Ferro Constantan* * Tipo J Chromel* * Alumel* * Tipo K Platina Rhodium - Platina Tipos S/R TEMP. MAX. DE UTILI-

Leia mais

ST90 / ST90A PT10. Transmissor e Sensor de Temperatura

ST90 / ST90A PT10. Transmissor e Sensor de Temperatura ST90 / ST90A PT0 Transmissor e Sensor de Temperatura ST90A PT0 Características Descrição Transmisssor de Temperatura - Ideal para diversos ambientes Industriais e aplicações sanitárias. - Cabeçote em Nylon

Leia mais

Instrumentos de Temperatura 1. Instrumentação Industrial. Autor: Perez

Instrumentos de Temperatura 1. Instrumentação Industrial. Autor: Perez Instrumentos de Temperatura 1 Instrumentação Industrial Autor: Perez AULA III - Instrumentos de Temperatura Instrumentos de Temperatura 2 Objetivos Estudar Elementos e Transmissores de Temperatura Mais

Leia mais

TC501 componentes. Cabeçote de conexão tipo B

TC501 componentes. Cabeçote de conexão tipo B TE 65.30 Termopares Modelo reto com inserto de medição substituível Medição Eletrônica de Temperatura para medição de gás de combustão Modelo TC 501 Aplicações - altos fornos, aquecedores de ar - processos

Leia mais

RESITEC reserva-se o direito de alterar ou substituir qualquer produto/ especificação constante deste catálogo sem aviso prévio.

RESITEC reserva-se o direito de alterar ou substituir qualquer produto/ especificação constante deste catálogo sem aviso prévio. 1 2 Índice Índice 3 Resitec 4.. Termopar 4 s de s 5 Classes de tolerância e tipos de configuração Tipos de isolamento/ construção 7 Código de cores 10 TC.002 11 TC.003 12 TC.004 13 TC.00 14 TC.007 15 TC.009

Leia mais

TEMPERATURA PT100 TERMÔRESISTENCIAS POÇOS TRANSMISSORES. www.temperuniao.com.br vendas@temperuniao.com.br

TEMPERATURA PT100 TERMÔRESISTENCIAS POÇOS TRANSMISSORES. www.temperuniao.com.br vendas@temperuniao.com.br TEMPERATURA TERMÔRESISTENCIAS S TRANSMISSORES PT100 SIMBOLO DE GARANTIA R INDÚSTRIA DE TERMÔMETROS E MANÔMETROS TEMPER UNIÃO Ltda TERMÔMETROS - MANÔMETROS - SENSORES 11 26931188 www.temperuniao.com.br

Leia mais

V-PAD Termopares para superfície de tubos Modelo TC59-V

V-PAD Termopares para superfície de tubos Modelo TC59-V Medição Elétrica de Temperatura V-PAD Termopares para superfície de tubos Modelo TC59-V Folha de dados WIKA TE 65.59 Aplicações Indústrias Químicas Aplicações com vapor super aquecido Refinarias Fornos

Leia mais

Sensores de temperatura e acessórios (português) Volume 1

Sensores de temperatura e acessórios (português) Volume 1 RTDs e termopares em modelos de sensores de elementos simples e duplos Poços termométricos em uma ampla gama de materiais e conexões de processo Recursos de calibração para aumentar a precisão de medições

Leia mais

SENSORES DE TEMPERATURA

SENSORES DE TEMPERATURA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA TECNOLOGIA EM AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO SENSORES DE TEMPERATURA PROFESSOR: Valner Brusamarello COMPONENTES:

Leia mais

7. Sensores de Temperatura - Termopar

7. Sensores de Temperatura - Termopar 7. Sensores de Temperatura - Termopar Para a compreensão dos termopar de forma objetiva, precisamos compreender alguns efeitos físicos bem conhecidos, entre eles o Efeito Termoelétrico de Seedbeck, Efeito

Leia mais

CHAVES DE NÍVEL. Montagem de Topo

CHAVES DE NÍVEL. Montagem de Topo CHAVES DE NÍVEL Montagem de Topo A CONAUT, desde 1965 no mercado nacional, é hoje uma marca conhecida e respeitada no ramo de automação e instrumentação, atuando em todos os ramos da indústria. Além de

Leia mais

Transmissor de pressão para aplicações de refrigeração e ar-condicionado Modelo R-1, com sensor metálico thin-film hermeticamente soldado

Transmissor de pressão para aplicações de refrigeração e ar-condicionado Modelo R-1, com sensor metálico thin-film hermeticamente soldado Medição eletrônica de pressão Transmissor de pressão para aplicações de refrigeração e ar-condicionado Modelo R-1, com sensor metálico thin-film hermeticamente soldado WIKA folha de dados PE 81.45 Aplicações

Leia mais

Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo

Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo TUBOS INOX Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo erro de edição, os preços são válidos para

Leia mais

CONVERSOR PARA TERMOPAR TRM-270T

CONVERSOR PARA TERMOPAR TRM-270T CONVERSOR PARA TERMOPAR TRM-270T Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR PARA TERMOPAR TRM-270T. Para garantir o uso correto e eficiente do TRM-270T, leia este manual completo e atentamente

Leia mais

PRINCÍPIOS TERMOELÉCTRICOS. Princípios de funcionamento e características dos termopares

PRINCÍPIOS TERMOELÉCTRICOS. Princípios de funcionamento e características dos termopares PRINCÍPIOS TERMOELÉCTRICOS Telef. 239 491091 Fax 239 492803 Princípios de funcionamento e características dos termopares PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO A medição de temperatura através de termopares parte

Leia mais

STD-T. Transmissor de Temperatura com Display LCD local

STD-T. Transmissor de Temperatura com Display LCD local STD-T Transmissor de Temperatura com Display CD local STD-T Transmissor de Temperatura com Display CD ocal Características Alta flexibilidade para as exigências dos processos Industriais. Ampla variedade

Leia mais

Salvi Casagrande. Calibração e Assistência Técnica

Salvi Casagrande. Calibração e Assistência Técnica Uma empresa genuinamente brasileira, atua desde 9 no ramo de MEDIÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO. Com imensa variedade de produtos de alta tecnologia, atende os segmentos da indústria nacional, nas áreas de vendas,

Leia mais

Temperatura Conceitos Temperatura: Grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico.

Temperatura Conceitos Temperatura: Grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico. Conceitos Temperatura: Grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico. Energia Térmica: É a somatória das energias cinéticas dos seus átomos,

Leia mais

Informação de produto. Transmissor de pressão do processo VEGABAR 14, 17

Informação de produto. Transmissor de pressão do processo VEGABAR 14, 17 Informação de produto Transmissor de pressão do processo VEGABAR 4, 7 Índice Índice Princípio de medição...................................................................................... Vista sinóptica

Leia mais

4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico

4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico 4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico Um termopar é um transdutor formado simplesmente por dois pedaços de fios de diferentes metais ou ligas, unidos eletricamente apenas em suas extremidades

Leia mais

Propriedades termicas Termopares Tipo T

Propriedades termicas Termopares Tipo T Propriedades termicas Tipos de termopares- linearização-uso de tabela Cabos de compensação e normas Correção por efeito da junta de referencia na medição Termistores PTC e NTC Resistores de referencia

Leia mais

WATTCRON SUA MELHOR OPÇÃO EM AQUECIMENTO INDUSTRIAL

WATTCRON SUA MELHOR OPÇÃO EM AQUECIMENTO INDUSTRIAL WATTCRON SUA MELHOR OPÇÃO EM AQUECIMENTO INDUSTRIAL SOBRE A WATTCRON Fundada em 1997 com sede própria na rua Gonçalves Dias, 69 - Catumbi - São Paulo - SP. A Wattcron tem o compromisso com a qualidade

Leia mais

1 Medição de temperatura

1 Medição de temperatura 1 Medição de temperatura 1.1 Medidores de temperatura por dilatação/expansão 1.1.1 Termômetro à dilatação de líquido Os termômetros à dilatação de líquidos baseiam -se na lei de expansão volumétrica de

Leia mais

Termopares TE 65.10. com poço Modelo TC 200. Medição Eletrônica de Temperatura

Termopares TE 65.10. com poço Modelo TC 200. Medição Eletrônica de Temperatura TE 65.10 Termopares com poço Modelo TC 200 Medição Eletrônica de Temperatura Serviços planejados - Construção de máquinas, plantas e tanques - Geração de energia - Indústria química - Indústria alimentícia

Leia mais

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563.

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS LOTE 01 Especificar Sistema de Geração de Ar Comprimido, incluindo compressor, secador por adsorção e filtros coalescentes Diagrama Pneumático. Confirmar detalhes com equipe

Leia mais

Sensor compacto Rosemount 1067 e poço termométrico Rosemount 1097

Sensor compacto Rosemount 1067 e poço termométrico Rosemount 1097 Folha de dados do produto Janeiro de 2014 00813-0122-4951, Rev CA Sensor compacto Rosemount 1067 e poço termométrico Rosemount 1097 Modelos de sensor de elemento simples e duplo RTD e com termopar (Modelo

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

Aula 4 Instrumentos de Temperatura. Prof. Geronimo

Aula 4 Instrumentos de Temperatura. Prof. Geronimo Aula 4 Instrumentos de Temperatura Prof. Geronimo Os medidores de temperatura mais usados na indústria são os termômetros baseados em bimetal e os sensores do tipo termopar e termorresistência, que servem

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

Fábrica de Nordborg - Dinamarca

Fábrica de Nordborg - Dinamarca Fábrica de Nordborg - Dinamarca Sensores de temperatura Visão Geral Nome do Aplicação Faixa de Conexão ao Saída Página produto temperatura processo MBT 5252 Geral -50 a 200ºC G 1 2 A/G 3 4 A Pt100/4-20mA

Leia mais

Selo diafragma com conexão flangeada Com diafragma faceado ao processo Modelo 990.27

Selo diafragma com conexão flangeada Com diafragma faceado ao processo Modelo 990.27 Selo diafragma Selo diafragma com conexão flangeada Com diafragma faceado ao processo Modelo 990.27 WIKA Folha técnica DS 99.27 Outras aprovações veja página 3 Aplicações Indústria de processos químicos

Leia mais

Termorresistência Modelo TR10-H, sem poço de proteção

Termorresistência Modelo TR10-H, sem poço de proteção Medição elétrica de temperatura Termorresistência Modelo TR10-H, sem poço de proteção WIKA folha de dados TE 60.08 outras aprovações veja página 8 Aplicações Para montagem direta em processo Fabricante

Leia mais

I NST R UM ENTAÇÃO I N DU ST RI AL - EN G3 5 01 P RO F ª. L ET Í CI A CHAV ES FO NS ECA

I NST R UM ENTAÇÃO I N DU ST RI AL - EN G3 5 01 P RO F ª. L ET Í CI A CHAV ES FO NS ECA TEMPERATURA INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - ENG3501 PROFª. LETÍCIA CHAVES FONSECA Medição de Temperatura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Conceito de Temperatura e Calor 1.2 Escalas de Temperatura 2. MEDIDORES DE TEMPERATURA

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA 1 INTRODUÇÃO Temperatura é sem dúvida a variável mais importante nos processos industriais, e sua medição e controle, embora difíceis, são vitais para a qualidade do produto e a

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

Caixas de junção de poliéster reforçado com fibra de vidro vazias, pré-furadas e não furadas Série NJBEP Segurança Aumentada.

Caixas de junção de poliéster reforçado com fibra de vidro vazias, pré-furadas e não furadas Série NJBEP Segurança Aumentada. não furadas Série NJEP Segurança umentada. Para customização NR IEC: plicações Projetadas para áreas de Zona 1 ou 2, onde gases ou vapores in amáveis estão presentes de forma contínua, frequente ou acidental,

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

SENSORES DE TEMPERATURA

SENSORES DE TEMPERATURA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO DEPARTAMNETO ACADÊMICO DE ELETROELETRÔNICA E SISTEMA DA INFORMAÇÃO Disciplina Controle e Instrumentação Industrial SENSORES DE TEMPERATURA

Leia mais

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS MANIFOLD As válvulas Manifold, produzidas pela Detroit, foram desenvolvidas e dimensionadas para tornar uma tubulação de instrumentos de diferencial de pressão mais simples, mais segura e mais confiável.

Leia mais

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno ProLine P 44000 Medições Precisas de Temperatura em Altas Tensões, até 6,6 kv Quando as temperaturas precisam ser medidas com termômetros de resistência Pt100 em ambientes sob altas tensões, os transmissores

Leia mais

dmtech Booster Amplificador de Volume Descrição Características

dmtech Booster Amplificador de Volume Descrição Características Booster Amplificador de Volume Descrição O Booster - Amplificador de volume - tem como função reproduzir sinais pneumáticos com aumento da capacidade de vazão. É utilizado quando a tubulação entre o instrumento

Leia mais

Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360

Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360 www.vaisala.com Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360 série HMT360 é verdadeiramente flexível. Os clientes podem especificar a configuração do transmissor ao encomendar

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE PRINCÍPIOS BÁSICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE PRINCÍPIOS BÁSICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE PRINCÍPIOS BÁSICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PRINCÍPIOS BÁSICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 1 PETROBRAS Petróleo Brasileiro S.A. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei

Leia mais

Sensores de Temperatura: Termopares Prof. Leonimer F Melo Termopares: conceito Se colocarmos dois metais diferentes em contato elétrico, haverá uma diferença de potencial entre eles em função da temperatura.

Leia mais

Medição de Temperatura

Medição de Temperatura Medição de Temperatura Fonte: Simone Massulini Acosta Conceitos Básicos TERMOMETRIA PIROMETRIA: medição de altas temperaturas, na faixa onde os efeitos de radiação térmica visíveis passam a se manifestar.

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

Aplicações. Certificações de Conformidade Brasileiras - NBR IEC

Aplicações. Certificações de Conformidade Brasileiras - NBR IEC Aplicações As caixas de junção para instrumentação são usadas para executar processos ou informações remotas para a sala de comandos. Projetadas para áreas de Zona 1 ou 2, onde gases ou vapores in amáveis

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA - TERMOPARES

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA - TERMOPARES INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA - TERMOPARES Introdução O termopar é o dispositivo de medição de temperatura com maior gama de aplicações e versatilidade usado atualmente

Leia mais

SENTRONIC 608/609 Versão para sub-bases Conector DN 4 Peso: 560 g Orifício para parafusos M4 Interface de programação Parafuso M4 para ligação à terra Orifício para parafusos M4 DN 8 Peso: 1.130 g Orifícios

Leia mais

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS GAXETAS SECAS MANTA E TECIDO DE FIBRA CERÂMICA GAXETAS IMPREGNADAS FITAS CORTIÇA J U N T A E S P I R A L A D A FELTRO J U N T A D E V E D A Ç Ã O PAPELÃO HIDRAÚLICO F I T A P A T E N T E T E F L O N JUNTA

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída.

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. Duplicadores de Sinais Convencionais Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. A Tarefa Isolação e transmissão de sinais convencionais

Leia mais

Selo diafragma com conexão higiênica Para aplicações sanitárias Modelos 990.18, 990.19, 990.20 e 990.21, conexão rosqueada

Selo diafragma com conexão higiênica Para aplicações sanitárias Modelos 990.18, 990.19, 990.20 e 990.21, conexão rosqueada Selos diafragma Selo diafragma com conexão higiênica Para aplicações sanitárias Modelos 990.18, 990.19, 990.20 e 990.21, conexão rosqueada WIKA folha de dados DS 99.40 outras aprovações veja página 3 Aplicações

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Série 83400 Regulador eletrônico de pressão diferencial

Série 83400 Regulador eletrônico de pressão diferencial 83400 Regulador eletrônico de pressão diferencial Identifica a pressão diferencial requerida para atuar em filtros com pó Boa interferência de imunidade tal como na Diretiva EMC Usando operação dot matrix

Leia mais

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores.

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores. 4 Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Tubos sem Costura Tubos de aço sem costura são utilizados em aplicações como cilindros hidráulicos, componentes de transmissão, oleodutos,

Leia mais

Projetor AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento para driver)

Projetor AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento para driver) Projetor AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento para driver) ALEDZnC Não centelhante e à prova de jatos potentes d água. Características Construtivas Projetor para área explosiva, com corpo e tampa fabricado

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

isto é Magnet! 50 anos priorizando a qualidade,

isto é Magnet! 50 anos priorizando a qualidade, Catálogo 2012 50 anos priorizando a qualidade, isto é Magnet! Em 2012, a Magnet completa 50 anos de atividades, história que começou com a sua fundação, em 1962, na cidade de São Paulo, com uma produção,

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

Posicionador digital PD

Posicionador digital PD Posicionador digital PD PFLEX - Protocolo Hart Descrição O posicionador PD - PFLEX, através da comunicação digital, utiliza o protocolo HART e recebe um sinal de entrada e controla a pressão de alimentação

Leia mais

Manual do Usuário Instalação, Operação e Manutenção. THPPt100 e SRPt100. Transmissor e Sensor de Temperatura

Manual do Usuário Instalação, Operação e Manutenção. THPPt100 e SRPt100. Transmissor e Sensor de Temperatura Manual do Usuário Instalação, Operação e Manutenção THPPt00 e SRPt00 Transmissor e Sensor de Temperatura Índice Introdução.................................................. 4 Modelos....................................................

Leia mais

ANEXO A MATERIAIS ENGENHARIA DE VÁLVULAS E EQUIP. LTDA

ANEXO A MATERIAIS ENGENHARIA DE VÁLVULAS E EQUIP. LTDA MATERIAIS ANEXO A Pág. - Tabela 1: Limites de temperatura de uso para os materiais... A1 - Tabela 2: Ratings e pressões de teste para válvulas: Materiais do Grupo 1.1... A3 - Tabela 3: Ratings e pressões

Leia mais

Sensores de temperatura e termopoços tipo DIN (métricos) da Rosemount

Sensores de temperatura e termopoços tipo DIN (métricos) da Rosemount Sensores de temperatura e termopoços tipo DIN (métricos) da Rosemount Folha de dados do produto Fevereiro de 2014 00813-0222-2654, Rev IA RTDs (0065) e termopares (0185) disponíveis para satisfazer quaisquer

Leia mais

Nota Técnica. Medidores de Temperatura com Sensor Termopar

Nota Técnica. Medidores de Temperatura com Sensor Termopar Titulo Nota Técnica Revisão 00 Data 05/2013 Paginação 1 de 25 Medidores de Temperatura com Sensor Termopar Autoria Analógica Instrumentação e Controle Campo Aplicação Analógica, clientes e outras partes

Leia mais

Texto Teórico 02: RESISTORES

Texto Teórico 02: RESISTORES INSTITUTO FEDERL SNT CTRIN MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CURSO DE ENGENHRI DE TELECOMUNICÇÕES Texto Teórico

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto Descrição do Produto A Série Energy da Altus traz uma solução confiável para um dos pontos mais críticos em uma aplicação industrial: o fornecimento de alimentação para todos os dispositivos do sistema

Leia mais

www.microkits.com.br

www.microkits.com.br Rua Conceição de Monte Alegre, 33 Brooklin - São Paulo - SP - CEP 053-00 FONE/FAX: (55 11) 5.90 / 57.29 E-mail: microkits@microkits.com.br MICROKITS IND. E COM. LTDA. www.microkits.com.br LA MA AZ BC VM

Leia mais

Blocos de aferição. Os Blocos de Aferição

Blocos de aferição. Os Blocos de Aferição Blocos de aferição Os Blocos de Aferição São indicados em circuitos onde se requer a inserção de instrumentos do tipo amperímetro, voltímetro, etc., como também operações de seccionamento elétrico, além

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

CCL. Manual de Instruções. CHAVE DE NÍVEL Tipo Condutiva TECNOFLUID

CCL. Manual de Instruções. CHAVE DE NÍVEL Tipo Condutiva TECNOFLUID Português CCL CHAVE DE NÍVEL Tipo Condutiva Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote o modelo e número de série

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL: APLICAÇÕES DO SENSOR DE TEMPERATURA PT-100 NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL: APLICAÇÕES DO SENSOR DE TEMPERATURA PT-100 NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL: APLICAÇÕES DO SENSOR DE TEMPERATURA PT-100 NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS KLEBER VIANA FRANÇA 21376136 KLEBERFRANCA17@HOTMAIL.COM

Leia mais

Sensores indutivos cilíndricos para detecção de peças metálicas em corrente contínua

Sensores indutivos cilíndricos para detecção de peças metálicas em corrente contínua Cilíndricos de corrente contínua Proteções... Tensão de trabalho... Sensores indutivos cilíndricos para detecção de peças metálicas em corrente contínua Faceada (blindados) Cabo de 3 fios comp. 3 m (5

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

SEGURANÇA AUMENTADA IP65W BLOCO AUTÔNOMO DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA. Central de Relacionamento : (11) 2894-6470 www.brasdistribuidora.com.

SEGURANÇA AUMENTADA IP65W BLOCO AUTÔNOMO DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA. Central de Relacionamento : (11) 2894-6470 www.brasdistribuidora.com. BLOCO AUTÔNOMO DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Bloco de Iluminação de Emergência Ex d a prova de explosão e td proteção por involucro, Zonas 1 ou 2, 21 ou 22, Grupos IIA/IIB/IIC, IIIA/IIIB/IIIC. Tipo de Proteção

Leia mais

Dispositivos utilizados para medir temperatura

Dispositivos utilizados para medir temperatura ERMOPARES Dispositivos utilizados para medir temperatura Gustavo Monteiro da Silva Professor Adjunto Área Científica de Instrumentação e Medida ESSetúbal/IPS Escola Superior de ecnologia de Setúbal R.

Leia mais

PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA ELETRODUTOS

PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA ELETRODUTOS Poliwetzel XPW Poliwetzel LPW CAIXA DE DERIVAÇÃO POLIWETZEL A linha Poliwetzel é fabricada em liga de alumínio silício de alta resistência mecânica. Parafusos em aço zincados eletroliticamente e bicromatizados.

Leia mais

TRANSMISSORES INTELIGENTES DE TEMPERATURA. smar

TRANSMISSORES INTELIGENTES DE TEMPERATURA. smar TRANSMISSORES INTELIGENTES DE TEMPERATURA CARACTERÍSTICAS Um único modelo aceita sinais de: - Termopares, Termoresistências (simples e diferencial) - mv (pirômetros de radiação, células de carga, etc.)

Leia mais

INDICE CONTROLE DE REVISÃO

INDICE CONTROLE DE REVISÃO INDICE 1.0 FINALIDADE PG 03 2.0 APLICAÇÃO PG 03 3.0 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PG 03 4.0 TERMINOLOGIA PG 03 5.0 CARACTERÍSTICAS GERAIS PG 03 6.0 INSTALAÇÃO PG 06 7.0 COMPONENTES PG 07 8.0 OPERAÇÃO PG 22

Leia mais

Medição de Temperatura. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Temperatura. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Temperatura Profa. Michelle Mendes Santos Métodos de Medição Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro

Leia mais

Tubos e Conexões com Qualidade Schulz

Tubos e Conexões com Qualidade Schulz Linha ConectAR Tubos e Conexões com Qualidade Schulz O constante crescimento da indústria, dos processos tecnológicos e o forte impulso da automação industrial, exigem instalações de ar comprimido, eficientes,

Leia mais

Manual. Transmissor de Vibração Sísmica de 2 Fios ST5484E. 1. Visão Geral. 2. Instalação

Manual. Transmissor de Vibração Sísmica de 2 Fios ST5484E. 1. Visão Geral. 2. Instalação Manual Transmissor de Vibração Sísmica de 2 Fios ST5484E 1. Visão Geral O Transmissor de Vibração Sísmica Modelo ST5484E combina um sensor de vibrações a um condicionador de sinais num único equipamento

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

Selo diafragma com conexão higiênica Para aplicações sanitárias Modelos 990.22, 990.52 e 990.53, conexão tipo clamp

Selo diafragma com conexão higiênica Para aplicações sanitárias Modelos 990.22, 990.52 e 990.53, conexão tipo clamp Selos diafragma Selo diafragma com conexão higiênica Para aplicações sanitárias Modelos 990.22, 990.52 e 990.53, conexão tipo clamp WIKA folha de dados DS 99.41 outras aprovações veja página 3 Aplicações

Leia mais

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line - PPL - é um novo sistema de tubulação de encaixe rápido projetado para todo tipo de planta de ar comprimido, bem como para outros fluidos, gases

Leia mais

www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais

www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais ÍNDICE 03 Eléctrodos 04 Eléctrodos de combinados, profissionais, especiais 05 Eléctrodo de referência 05 Eléctrodos de e ORP combinados 06 Série HI 1000 e HI 2000

Leia mais

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br UNICOMP COM. DE EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS LTDA. Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site:

Leia mais

DISTRIBUIDOR - REPRESENTANTE SELCON SISTEMAS ELETRÔNICOS DE CONTROLE LTDA.

DISTRIBUIDOR - REPRESENTANTE SELCON SISTEMAS ELETRÔNICOS DE CONTROLE LTDA. PRODUTO: SEL-SV--1-O-K6 FOLHA TÉCNICA 1/8 1. CERTIFICAÇÕES DA SELCON 2. APLICAÇÃO Sensor-transmissor de sinal de presença de chama certificado pelo CenPRA do MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, sob n o

Leia mais

Conectores / Adaptadores

Conectores / Adaptadores Conectores / Adaptadores Rev.10 1/20 ÍNDICE CONECTORES/ADAPTADORES PARA SOLDA CBW CFSW CW LBW LW TSW UDS UFSW UMSW USW TÓPICO PÁGINAS CBW CONECTOR PARA SOLDA DE TOPO 4 CFSW CONECTOR FÊMEA PARA SOLDA DE

Leia mais

Manual de Instalação. Transmissor de Nível Hidrostático CT801-LB/S

Manual de Instalação. Transmissor de Nível Hidrostático CT801-LB/S CT801-LB/S Manual de Instalação SAS au Capital de 2.158.244-444 871 933 R.C.S. Bourges - APE : 2651B Headquarter : 9, rue Isaac Newton - 18000 Bourges - France Manual de Instalação CT801-LB/S 1ª Edição

Leia mais

Fontes de Alimentação Repetidoras. IsoAmp PWR A 20100

Fontes de Alimentação Repetidoras. IsoAmp PWR A 20100 Fontes de Alimentação Repetidoras Fonte de alimentação repetidora em alojamento de 6 mm com chaveamento calibrado dos sinais de saída, transmissão HART e separação protetora. A Tarefa Alimentação flexível

Leia mais