Usina Termelétrica Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Usina Termelétrica Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos"

Transcrição

1 1 APRESENTAÇÃO Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Assim, objetivando o correto desenvolvimento de sua atividade produtiva, pois na operação da Usina Termoelétrica, são gerados resíduos classificados como perigosos (Classe I), não inertes (Classe IIA) e inertes (Classe IIB), segundo a Norma NBR / 2004, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e em obediência ao que dispõe alínea f, do inciso I, do art. 20, da Lei Nº , de 2 de agosto de 2010 que Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, apresenta seu para análise da Secretaria Estadual de Meio Ambiente - SEMA. 1

2 2 INFORMAÇÕES GERAIS 2.1 Identificação do Empreendimento Razão Social: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Endereço: Rua xxxxxxxxxxxxxxxx, S/N, Bairro: Xxxxxxxxx CEP: , Munícipio: Xxxxxxxxxxxxxxxxxxx PA Telefone: (91) CNPJ: / Inscrição Estadual: Endereço para Correspondência: Av. xxxxxxxx, Nº: 111- Bairro: Nazaré CEP: , Munícipio: Belém PA Telefone: (91) Fax: (91) Código Data PGRS Jan/11 Responsável pelo Empreendimento: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Cargo: Diretor de Operação Pessoa para Contato: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Cargo: Gerente de Gestão Ambiental Telefone: (91) RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA ELABORAÇÃO DO PGRS Nome: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Profissão: Engenheiro Numero do Registro no Conselho de Classe: CREA/Pa - xxxxxx-d Telefone: (91) Endereço: Tv. xxxxxxxxx, Nº xxxx, Bairro - xxxxxx, Cidade: Belém 2

3 4 CARACTERÍSTICAS DA ATIVIDADE A Usina é responsável pela geração de energia termoelétrica distribuída no xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, utilizando combustível xxxxxxxxxxxxxxx como fonte energética. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 4.1 Período de Funcionamento O funcionamento da Usina é xx (xxxxxxxxxxxxxxxx) horas por dia, x (xxxx) dias por semana durante o ano todo. 4.2 Total de Funcionários A Usina possui xxxxxxxxxx funcionários, sendo xxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 5 CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS E ESTIMATIVA DE GERAÇÃO Na operação da Usina são geradas determinadas quantidades de resíduos, classificados como xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, segundo a Norma NBR / 2004, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. RESÍDUOS CLASSE I são resíduos perigosos, apresentam periculosidade e tem características que trazem riscos graves ao meio ambiente e/ou a saúde pública. Podem ser tóxicos, corrosivos, radioativos, patogênicos, inflamáveis. Incluem-se nessa 3

4 Código Data categoria lâmpadas fluorescentes, óleo combustível / lubrificante, embalagem contaminada, baterias, entre outros. PGRS Jan/11 RESÍDUOS CLASSE II A são resíduos não inertes, biodegradáveis, apresentam solubilidade em água e não apresentam características de periculosidade. Incluem-se nessa categoria os resíduos sólidos domiciliares, papel, papelão, resíduos de alimentos, podas de jardim, entre outros. RESÍDUOS CLASSE II B - são resíduos inertes e insolúveis em água conforme NBR e Incluem-se nessa categoria os resíduos de sucata de borracha, sucata ferrosa e não ferrosa, vidro, entre outros. Nas planilhas seguintes apresentamos a classificação e características dos principais resíduos gerados na Usina. CLASSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA USINA PLANILHA 1 RESÍDUOS PERIGOSOS CLASSE I (ABNT 1004/2004) Origem Tipo de Resíduo Unidade Geração (mensal) Manutenção das Edificações Lâmpadas fluorescentes unidades 12 xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx m 3 Xx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxx Xx Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxx Xx xxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxx xxxx 4

5 CLASSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA USINA PLANILHA 2 RESÍDUOS NÃO INERTES CLASSE II A (ABNT 1004/2004) Origem Tipo de Resíduo Unidade Geração (mensal) Embalagens diversas de alimentos m 3 0,21 Alimentação Resíduo de alimentação m 3 0,02 Xxxxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx m 3 xxx Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx m 3 Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxx m 3 xxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx m 3 xx CLASSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA USINA PLANILHA 3 RESÍDUOS INERTES CLASSE II B (ABNT 1004/2004) Origem Tipo de Resíduo Unidade Geração (trimestral) Manutenção de Equipamentos em Geral Filtros de ar unidades xx xxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Kg xxx 6 PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS 6.1 Segregação Consiste na separação dos resíduos no momento de sua geração, de acordo com o risco e suas características físicas, químicas e biológicas. A metodologia referente à segregação adotada na Usina busca xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, visando alcançar os seguintes objetivos: Criar procedimentos específicos xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx; Reduzir riscos de acidentes xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx; Possibilitar o tratamento específico xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx quando aplicável; 5

6 Código Data PGRS Jan/11 Os resíduos são separados xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx e acondicionados em recipientes adequados a cada tipo. 6.2 Acondicionamento Os resíduos gerados na Usina são acondicionados seletivamente em diferentes classes, que são: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Estes resíduos são estocados em uma área xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx conforme Planilhas 4, 5 e 6. Os resíduos orgânicos provenientes xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx e removidos diariamente da Usina pelo xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Os resíduos gerados na Usina são acondicionados de acordo sua classificação (perigosos, não inertes e inertes) em xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx e em camburões metálicos de xxxx litros, conforme descrição das Planilhas 4, 5 e 6, constante no item 6.7 Disposição Final. 6.3 Transporte Interno (Coleta) Consiste no deslocamento dos resíduos dos pontos de geração até o local destinado do armazenamento temporário, xxxxxxxxxxxxxxxxx para destinação final. O transporte interno de resíduos é executado xxxxxxxxxxxxxxxxxxx, em xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx para cada tipo e separadamente. A coleta e o transporte interno dos resíduos originados na xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx é efetivada manualmente. Quanto aos resíduos orgânicos de xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. O óleo queimado e/ou contaminado é transportadoxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, em xxxxxxxxxxxxx de xxx litros e direcionado para o xxxxxxxxxxxxxxxxx da Usina. 6

7 6.4 Armazenamento Consiste no xxxxxxxxxxxxxxxxxx dos resíduos xxxxxxxxxxxxxxxxxx, em localxxxxxxxxx para esta finalidade, visando facilitar xxxxxxxxxxxxxx. O local destinado ao armazenamento é denominado. No abrigo são armazenados os resíduos enquadrados na xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx todos acondicionados dentro de tambores metálicos, conforme imagens 01 e 02. Quanto aos resíduos de origem administrativa e orgânicos são armazenados xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx e removidos xxxxxxxxxxxx pela coleta municipal. Quanto às xxxxxxxxxxxxxxx estas ficam armazenadas no xxxxxxxxxxxx para envio ao destino final, em função da coleta externa ser xxxxxxxxxxxxxxxxxx. Imagem 01 - Área do abrigo de resíduos com os camburões com óleo queimado Imagem 02 - Camburões metálicos com filtros de óleo no abrigo de resíduos No armazenamento temporário o manuseio dos resíduos deve ser feito de forma a: não comprometer xxxxxxxxxxxxxx; não danificar os recipientes xxxxxxxxxxxxxxx; não propiciar vazamentos xxxxxxxxxxxxxxxx. 7

8 A área de armazenamento de resíduos xxxxxxxxxxxxxxxxxx deve estar xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx para evitar acidentes de forma a assegurar: que não haja contaminação do solo e/ou da drenagem pluvial pelos resíduos; que não haja arraste eólico dos resíduos; que todos os tambores, estejam adequadamente fechados e cobertos para evitar a retenção de água de chuva na sua superfície e proliferação de insetos. 6.5 Tratamento Na área do empreendimento xxxxxxxxxxxx tratamento dos xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx objetivando remover a substância poluente, com a finalidade de xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. O processo de tratamento usado no empreendimento xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx onde utiliza xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. O processo de tratamento empregado xxxxxxxxxxxxxxxxx é executado em xxxxxxxxxx, com xxxxxxxxxxxxxxxxxx, que visa à xxxxxxxxxxxxxxx (ver imagens 03, 04, 05 e 06). xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Imagem 03 Bacia metálica usada para drenagem do óleo existe nos filtros. Imagem 04 Bacia metálica com óleo drenado dos filtros. 8

9 Imagem 05 Filtros de óleo utilizados nos equipamentos da Usina antes do tratamento. Imagem 06 Filtros de óleo após drenagem do óleo e totalmente desmontado. 6.6 Coleta e Transporte Externo É a remoção dos resíduos do armazenamento temporário e transportado até a xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, devendo estar de acordo com as determinações dos órgãos de limpeza urbana e meio ambiente. Os resíduos Classe I (perigosos), xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, são xxxxxxx e xxxxxxxxxxxxxx pela empresa Xxxxxxxxxxxxxxxxx Ltda, sediada no município de xxxxxxxxxxxx, conforme cópias dos comprovantes de recolhimento, Anexo III. As xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, quando em quantidade suficiente que justifique, são coletadas e transportadas por xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Os resíduos de origem doméstica xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx são coletados e transportados pelo xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 9

10 6.7 Disposição Final Código Data É o processo final do manejo dos resíduos indicado na xxxxxxxxxx das planilhas 4, 5 e 6, onde os resíduos considerados xxxxxxxxxxxxxxx recebem destinação específica, conforme xxxxxxxxxxxxxxxx. Destaca-se que para o caso dos XXXXXXXXXX, após sofrerem tratamento descrito no item 6.5 deste plano, sua estrutura metálica externa é utilizada no paisagismo da área verde da Usina, ver imagens 07 e 08. As demais partes metálicas XXXXXXXXXXXXXXXXXXX são doadas a XXXXXXXXXXXX ou são encaminhados para XXXXXXXXXXXXXXX. Quanto aos resíduos enquadrados com Classe II A (não inerte) e II B (inertes) são encaminhados para xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Portanto, os resíduos do empreendimento são destinados de acordo com as planilhas número 4, 5 e 6, a seguir. PGRS Jan/11 FORMA DE ACONDICIONAMENTO E DESTINÇÃO DOS RESÍDUOS PERIGOSOS PLANILHA 4 Tipo de Resíduo Forma de acondicionamento Tipo de destinação Lâmpadas xxxxxxxxxxxxxx Caixas de papelão Encaminhada para xxxxxxxxxxx (*) xxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxx Xxxxxxx xxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxx xxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxx Devolvida para xxxxxxxxxx Encaminhado para xxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx 10

11 Imagem 07 Vegetal na área verde da Usina com canteiro formado com a estrutura metálica externa (copo) dos filtros Imagem 08 - Área verde da Usina com vários canteiros formados com a estrutura externa dos filtros FORMA DE ACONDICIONAMENTO E DESTINÇÃO DOS RESÍDUOS CLASSE II A PLANILHA 5 Tipo de Resíduo Forma de acondicionamento Tipo de destinação Embalagens xxxxxxxxxxx Sacos plásticos de lixo Coleta municipal Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxxxxx Xxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxx FORMA DE ACONDICIONAMENTO E DESTINÇÃO DOS RESÍDUOS CLASSE II B PLANILHA 6 Tipo de Resíduo Forma de acondicionamento Tipo de destinação Filtros de ar Camburões metálico de 200l Coleta municipal Diversos Camburões metálico de 200l xxxxxxxxxxxxx 11

12 7 - METAS E INDICADORES DE AVALIAÇÃO DE RESULTADOS As metas deverão ser definidas pela xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx pela coordenação do Plano de Gerenciamento de Resíduos. Cada meta específica deverá possuir xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Posteriormente à definição das metas poderão ser criados xxxxxxxxxxxxxxxx relacionados ao cumprimento de cada uma delas. Durante a operação do empreendimento deverão ser adotadas xxxxxxxxxxx as estimativas consideradas para a geração de resíduos constantes nas planilhas 1, 2 e 3. Para aqueles resíduos cuja estimativa não seja disponível, deverão ser consideradas, como referência, as médias trimestrais. xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 8 PÚBLICO ALVO O público-alvo do xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 9 - COMISSÃO DE GESTÃO DE RESÍDUOS O requer o efetivo envolvimento de todas as áreas envolvidas, xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, e deverá realizar reuniões rotineiras de acompanhamento. A Comissão deverá ter como objetivo a implantação e o acompanhamento do. Os membros da Comissão deverão receber treinamento xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 12

13 10 - AUDITORIAS Os elementos do deverão ser periodicamente auditados, objetivando xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx a serem efetuadas para melhoria dos resultados. As auditorias poderão ser realizadas por equipe xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx ou contratada para essa finalidade COLETA SELETIVA O empreendedor avalia a possibilidade de implantar sistema de coleta seletiva em sua Usina xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. A coleta seletiva focará os xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx que serão separados em lixeiras de cores diferentes. As lixeiras deverão ser devidamente xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, para posteriormente coleta e transporte dos resíduos para destinação final. Sugere-se que a segregação de resíduos deva ser feita pelo acondicionamento nas lixeiras conforme Tabela 01. TABELA 01 SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS POR COR Resíduos Papel, xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Plástico, xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Vidro,xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Embalagens sujas por alimentos, xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Cor Azul Vermelho Verde Cinza 12 - REVISÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS O deverá ser revisto anualmente considerando o seguinte: mudanças nos xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx do empreendimento; mudanças na xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx aplicável; resultados xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx metas estabelecidas. 13

14 a evolução das tecnologias xxxxxxxxxxxxxxxx; 13 - ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS São as principais atividades relativas à gestão dos resíduos da Usina são xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx: implementar e manter procedimentos xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx e destinação final de resíduos; implementar a Comissão de Gestão de Resíduos; implementar e manter o inventário de resíduos PRODUTOS PREVISTOS O deve gerar os seguintes produtos: relatórios xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Comissão de Gestão dos Resíduos; registros referentes aos resíduos sólidos; relatórios de acompanhamento dos resultados do Plano. 15 CONSIDERAÇÕES FINAIS xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Fulanodetal Engenheiro CREA xxxxxxx-d PA 14

15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS - ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR / 2004 Resíduos Sólidos Classificação. - Lei Nº , de 2 de agosto de 2010 que Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n o 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. - Resolução CONAMA nº 275, de 25 de abril de 2001, Estabelece o código de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificação de coletores e transportadores, bem como nas campanhas informativas para a coleta seletiva. 15

NOME DO 1º AUTOR NOME DO 2º AUTOR. TÍTULO DO TRABALHO: subtítulo

NOME DO 1º AUTOR NOME DO 2º AUTOR. TÍTULO DO TRABALHO: subtítulo Formatação: capa superior: 4 cm Em média, 5 parágrafos NOME DO 1º AUTOR NOME DO 2º AUTOR Fonte desta página: Arial 14 ou Times New Roman 16 Texto centralizado Letras maiúsculas / negrito Em média, 5 parágrafos

Leia mais

3.2. COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS É a sistemática de segregar os resíduos de acordo com suas classes de risco nas áreas geradoras.

3.2. COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS É a sistemática de segregar os resíduos de acordo com suas classes de risco nas áreas geradoras. 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para o processo de gerenciamento de resíduos nas áreas da ABCZ, visando a melhoria contínua na performance ambiental, a melhoria na eficiência do gerenciamento de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 OBJETIVO Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores de resíduos sólidos provenientes

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp.

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp. Sistemas de Gestão Ambiental Aula 5 Gestão de Resíduos Prof. Esp. Felipe Luiz Vídeo Contextualização Lixão no Oceano Pacífico. Disponível em:

Leia mais

ANÁLISE CURRICULAR DA DISCIPLINA XXXXXXXX NO CURSO DE DIREITO:

ANÁLISE CURRICULAR DA DISCIPLINA XXXXXXXX NO CURSO DE DIREITO: FACULDADE ANÍSIO TEXEIRA (FAT) BACHARELADO EM DIREITO NOME DO COMPLETO DO ALUNO A NOME DO COMPLETO DO ALUNO B NOME DO COMPLETO DO ALUNO C NOME DO COMPLETO DO ALUNO D NOME DO COMPLETO DO ALUNO E ANÁLISE

Leia mais

FACULDADE SANTA RITA DE CHAPECÓ CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS NOME DO(A) ACADÊMICO(A) TÍTULO CENTRALIZADO

FACULDADE SANTA RITA DE CHAPECÓ CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS NOME DO(A) ACADÊMICO(A) TÍTULO CENTRALIZADO 3cm 3cm FACULDADE SANTA RITA DE CHAPECÓ CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2cm NOME DO(A) ACADÊMICO(A) TÍTULO CENTRALIZADO Observação 1: Letra/fonte (Times New Roman ou Arial), maiúsculas, tamanho

Leia mais

Equipe EcoSpohr

Equipe EcoSpohr www.ecospohr.com.br Equipe EcoSpohr O Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS tem como objetivo apresentar, não somente o atual gerenciamento dos resíduos de uma empresa, mas também os pontos a

Leia mais

Margem Superior e esquerda de 4 cm, direita e inferior de 3 cm. Fontes Capa Times New Roman 16 ou Arial 14

Margem Superior e esquerda de 4 cm, direita e inferior de 3 cm. Fontes Capa Times New Roman 16 ou Arial 14 Papel Papel branco, formato A4, texto digitado somente de um lado da folha, com exceção da folha de rosto cujo verso deve conter autorização para reprodução do trabalho. Usar fonte preta, podendo utilizar

Leia mais

Nome do Aluno Completo. Título do trabalho Subtítulo do trabalho se houver

Nome do Aluno Completo. Título do trabalho Subtítulo do trabalho se houver Governo do Estado do Pará Universidade do Estado do Pará Campus XX - Castanhal Centro de Ciências XXXXX Nome do Aluno Completo Título do trabalho Subtítulo do trabalho se houver Castanhal 2014 Nome do

Leia mais

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02.

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02. LEGISLAÇÃO VIGENTE PGRS LEI FEDERAL n o 9.795, de 27/04/99. A definição oficial de Educação Ambiental no Brasil. LEI ESTADUAL n o 12.493, de 22/01/99. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios

Leia mais

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²):

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²): PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS PGRI Página 1/5 1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Classificação Fiscal: 2. Caracterização do Empreendimento Contato (Fone

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA Conteúdo 9: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Não Perigosos: Classificação dos Resíduos Sólidos (perigosos e não perigosos). Função do gerenciamento dos resíduos

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1. COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES 1.1 COMPANHIA DOCAS DO PARÁ Cabe a CDP, enquanto Autoridade Portuária, a implantação, o gerenciamento e a fiscalização de

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

FACULDADE UNIÃO ARARUAMA DE ENSINO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

FACULDADE UNIÃO ARARUAMA DE ENSINO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM FACULDADE UNIÃO ARARUAMA DE ENSINO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MODELOS DOS ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS; TEXTUAIS E PÓS-TEXTUAIS PARA UNIFORMIZAÇÃO DA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NO CURSO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL?

COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL? RESÍDUOS SÓLIDOS COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL? RESÍDUO CLASSE I: São aqueles que apresentam periculosidade ou uma das seguintes características, inflamabilidade, corrosividade, reatividade,

Leia mais

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx 12 INTRODUÇÃO xxxxxxxxxxxxxxxxxx. xxxxxxxxxxxxxxxxxx. xxxxxxxxxxxxxxxxxx. xxxxxxxxxxxxxxxxxx. 13 xxxxxxxxxxxxxxxxxx. xxxxxxxxxxxxxxxxxx. xxxxxxxxxxxxxxxxxx. 14 1 TÍTULO PRINCIPAL DO PRIMEIRO CAPÍTULO Inserir

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais ABRIL/2014 O QUE PREVÊ UM PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS? Cenário 1: Emergências Médicas Cenário 2: Incêndio nas Instalações

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras PROCEDIMENTO DO SMS Tratamento e Descarte de de Obras PR-99-992-CPG-003 Revisão: 02 Página: 1/6 1. OBJETIVO Definir padrões para o manuseio e descarte de resíduos produzidos pelas empresas contratadas

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes Jeniffer Guedes PLURAL Indústria Gráfica Ltda Parque gráfico da PLURAL com 33.500m 2. Fundada em 1996. Atualmente a PLURAL emprega 841 profissionais. Composição Acionária 51% 49% 90 anos de história Jornal

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS Setembro/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS DA POLÍTICA AMBIENTAL - SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade

Leia mais

NR-24 e 25. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental

NR-24 e 25. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental NR-24 e 25 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental NR-24 Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho NR- 24 Determina as condições de higiene e conforto

Leia mais

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 CONCEITOS RESÍDUO: Resíduos nos estados sólido, semi-sólido ou líquido resultantes de atividades industriais, domésticas, hospitalar,

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. O relatório segue padrão ABNT (NBR 14724:2011), como descrito nos próximos itens:

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. O relatório segue padrão ABNT (NBR 14724:2011), como descrito nos próximos itens: NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Os professores e alunos participantes do Programa de Pesquisa e Iniciação Científica deverão apresentar Relatório Final referente às suas atividades,

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

FLUXOGRAMA DE TRÂMITE DE PROCESSO DE PENALIZAÇÃO CONTRA LICITANTE INFRATOR

FLUXOGRAMA DE TRÂMITE DE PROCESSO DE PENALIZAÇÃO CONTRA LICITANTE INFRATOR ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL Procuradoria Federal junto ao IF Catarinense Rua das Missões, 100 Ponta Aguda Blumenau/SC CEP 89051000 Fone (47) 33317820 procuradoria@ifc.edu.br FLUXOGRAMA

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE no uso de suas atribuições legais, e,

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE no uso de suas atribuições legais, e, RESOLUÇÃO SMAC 479 DE 02 DE SETEMBRO DE 2010. Dispõe sobre procedimentos administrativos simplificados para o Licenciamento Ambiental Municipal de atividades destinadas à reutilização e reciclagem de materiais

Leia mais

Nome da Empresa. Análise Ergonômica do Trabalho. Logotipo da Empresa. Posto de trabalho avaliado Nome: XXXXXXXXXXXXXXX Turno: XXXXXXXXXXXXXXX

Nome da Empresa. Análise Ergonômica do Trabalho. Logotipo da Empresa. Posto de trabalho avaliado Nome: XXXXXXXXXXXXXXX Turno: XXXXXXXXXXXXXXX Análise Ergonômica do Trabalho Nome da Empresa Posto de trabalho avaliado Nome: XXXXXXXXXXXXXXX Turno: XXXXXXXXXXXXXXX Logotipo da Empresa ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁG 01 Dados de identificação da Corporação

Leia mais

Código PE-NOPD-8. Data: 29/04/2011

Código PE-NOPD-8. Data: 29/04/2011 1. Objetivo e campo de aplicação Este padrão tem como finalidade estabelecer a metodologia de descarte de resíduos e efluentes gerados no Laboratório de Macromoléculas e Colóides na Indústria de Petróleo

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA 2.3 - Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes

Leia mais

TÍTULO DO ARTIGO: SUBTÍTULO (SE HOUVER) RESUMO

TÍTULO DO ARTIGO: SUBTÍTULO (SE HOUVER) RESUMO 1 TÍTULO DO ARTIGO: SUBTÍTULO (SE HOUVER) Nome do autor do artigo * RESUMO Aqui, o autor deverá apontar, resumidamente, os aspectos mais relevantes abordados ao longo do artigo. Trata-se de um elemento

Leia mais

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com INTRODUÇÃO Semelhança entre processos de geração de RS num organismo vivo e numa sociedade Fonte: Barros,

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 - Justificativa: Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os Geradores para a elaboração

Leia mais

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE OBRA METROVIÁRIA Katia Harue Kamimura Fabíola Pagliarani Lucas Campaner Alves Flavia Rodrigues 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS.

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Razão Social / Nome completo: C.N.P.J. / C.P.F.: Endereço: Bairro: Classificação

Leia mais

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004 PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ São Paulo, 04 de novembro de 2004 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução CONAMA Nº 264/99, dispõe sobre o co-processamento de resíduos sólidos; Resolução

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica 2012 PROJETO DE PESQUISA Apresentação gráfica Revisto e atualizado segundo alterações ABNT: NBR 15287:2011 Projeto de Pesquisa; NBR 14724:2011 Trabalhos Acadêmicos. Profa. Dra. Wakiria Martinez Heinrich

Leia mais

nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO

nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO POLÍTICA INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE POLÍTICA INTEGRADA Disponíveis nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS REQUISITOS LEGAIS:

Leia mais

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-003-01-13 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Dezembro de 2013 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

INSTRUÇÃO AMBIENTAL. Status: Aprovada COLETA SELETIVA

INSTRUÇÃO AMBIENTAL. Status: Aprovada COLETA SELETIVA 1 de 6 1 OBJETIVOS Definir procedimentos quanto à identificação, segregação, coleta e disponibilização de resíduos do Programa de coleta Seletiva, gerados na Câmara Municipal de Manaus. 2 DEFINIÇÕES E

Leia mais

Requisitos de trabalhos acadêmicos:

Requisitos de trabalhos acadêmicos: Requisitos de trabalhos acadêmicos: numeração progressiva das seções de um documento e apresentação de sumário Camila Cassiavilani Passos Zaira Regina Zafalon Importância da Normalização de Trabalhos Acadêmicos

Leia mais

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL A PUMA TAMBORES, com o objetivo de divulgar a sua política ambiental e conscientizar seus fornecedores e prestadores de serviços quanto aos aspectos ambientais, elaborou este Manual de Requisitos Ambientais

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO Juliana Biluca (*), Karen Meridiana Rodrigues de Conto, Douglas Alcindo da Roza,

Leia mais

Guia para formatação de Teses e Dissertações do programa de Pós Graduação em Zootecnia (PPGZ)

Guia para formatação de Teses e Dissertações do programa de Pós Graduação em Zootecnia (PPGZ) UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA Guia para formatação de Teses e Dissertações do programa de Pós Graduação em Zootecnia (PPGZ) APRESENTAÇÃO Estas normas têm por finalidade

Leia mais

Decisão de Diretoria CETESB nº 120/2016/C, de 01 de junho de 2016

Decisão de Diretoria CETESB nº 120/2016/C, de 01 de junho de 2016 Decisão de Diretoria CETESB nº 120/2016/C, de 01 de junho de 2016 Estabelece os Procedimentos para o licenciamento ambiental de estabelecimentos envolvidos no sistema de logística reversa, para a dispensa

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO BATERIA ELÉTRICA ÚMIDA CONTENDO SOLUÇÃO ÁCIDA ABSORVIDA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO BATERIA ELÉTRICA ÚMIDA CONTENDO SOLUÇÃO ÁCIDA ABSORVIDA F0LHA: 1 de 5 1 Identificação do Produto e da Empresa: Nome do Produto: Acumulador elétrico regulado a válvula Marca do Produto: GET POWER Nome da Empresa: Powersafe Importação e Exportação Ltda. Endereço:

Leia mais

Resolução SMA 45/2015 Logística reversa estadual. Câmara Ambiental da Indústria Paulista (CAIP/Fiesp) Julho de 2015

Resolução SMA 45/2015 Logística reversa estadual. Câmara Ambiental da Indústria Paulista (CAIP/Fiesp) Julho de 2015 Resolução SMA 45/2015 Logística reversa estadual Câmara Ambiental da Indústria Paulista (CAIP/Fiesp) Julho de 2015 RESOLUÇÃO SMA Nº 45, DE 23 DE JUNHO DE 2015 Define as diretrizes para implementação e

Leia mais

NR 5 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes LISTA DE ANEXOS

NR 5 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes LISTA DE ANEXOS NR 5 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes LISTA DE ANEXOS Ata de Eleição dos Membros da CIPA---------------------------------------------------------------------- 02 Cópia da Ata de Instalação e

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 03, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2004 DOE SP DE 20/02/2004

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 03, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2004 DOE SP DE 20/02/2004 DECISÃO DE DIRETORIA Nº 03, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2004 DOE SP DE 20/02/2004 A Diretoria Plena da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB, no uso das suas atribuições legais, especialmente

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO CORRETA DE RESÍDUOS PERIGOSOS GERADOS Programa Nº 04/2016 Sumário

Leia mais

Para Centros, Departamentos, Coordenações e Unidades da UFSM

Para Centros, Departamentos, Coordenações e Unidades da UFSM Of. 12/COMPLANA/2016 Santa Maria, 23 de setembro de 2016. Para Centros, Departamentos, Coordenações e Unidades da UFSM De Profa. Dra. Marta Tocchetto Coord. das Comissões de Planejamento Ambiental e Coleta

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 5 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2015 Regulamentação do descarte de vidros oriundos das diversas atividades acadêmicas e serviços do Centro de Ciências da Saúde. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções

Leia mais

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrosilvopastoris. >>Redação final: Pesquisa, desenvolvimento e inovação de tecnologias

Leia mais

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com RESPONSABILIDADES FASE INTERNA FASE EXTERNA Geração Coleta interna Acondicionamento Armazenamento

Leia mais

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito.

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. 1. Definição Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. Para se adaptar à Coleta Seletiva, é essencial que o material

Leia mais

8. Gestão de Resíduos Especiais. Roseane Maria Garcia Lopes de Souza. Há riscos no manejo de resíduos de serviços de saúde?

8. Gestão de Resíduos Especiais. Roseane Maria Garcia Lopes de Souza. Há riscos no manejo de resíduos de serviços de saúde? 8. Gestão de Resíduos Especiais Roseane Maria Garcia Lopes de Souza Há riscos no manejo de resíduos de serviços de saúde? Geradores de Resíduos de Serviços de Saúde Todos os serviços relacionados com o

Leia mais

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016 Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos Pós-grraduação em Engenharia Civil e Ambiental 6 Armazenamento, Coleta e Transporte Professor: Sandro Donnini Mancini

Leia mais

Nº GRNT DEFINIÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OBRAS PARTICULARES 3ª EDIÇÃO

Nº GRNT DEFINIÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OBRAS PARTICULARES 3ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA DA DISTRIBUIÇÃO Nº 002.12 GRNT DEFINIÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS PARTICULARES 3ª EDIÇÃO JUNHO - 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos Breves Considerações Núcleo de Meio Ambiente CIESP Regional Jaú/SP

Política Nacional de Resíduos Sólidos Breves Considerações Núcleo de Meio Ambiente CIESP Regional Jaú/SP Política Nacional de Resíduos Sólidos Breves Considerações Pedro Paulo Grizzo Serignolli Advogado Especializado em Direito Ambiental Coordenador Adjunto do Núcleo de Meio Ambiente pedropaulo@serignolli.com.br

Leia mais

AQUI TEM PRÁTICAS AMBIENTAIS

AQUI TEM PRÁTICAS AMBIENTAIS AQUI TEM PRÁTICAS AMBIENTAIS Em busca de implantar constantes melhorias, a Maxion preocupa-se com a preservação ambiental, usando de recursos de forma inteligente. A empresa atua na fabricação de baterias

Leia mais

2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se a todas as empresas contratadas que prestam serviços nas dependências da Vale Fertilizantes.

2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se a todas as empresas contratadas que prestam serviços nas dependências da Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Ricardo Manoel de Oliveira Coordenação Técnica de Meio Ambiente. Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1 - OBJETIVO Nº: PRO-3209-74-24-01

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO L.O 43/2015

LICENÇA DE OPERAÇÃO L.O 43/2015 A Secretaria Municipal do Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal Nº 88/06 e Certificado de Qualificação junto ao conselho Estadual do Meio Ambiente através da Resolução do CONSEMA Nº229/2009, com base

Leia mais

Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português

Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português Titulo do artigo em português Autor 1 1,2, Autor 2 1,2, Autor 3 2 1 Universidade Santa Cecília (UNISANTA), Santos-SP,

Leia mais

REGULAMENTA O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

REGULAMENTA O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DECRETO Nº 6277, DE 01º DE DEZEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE DELIBERAÇÃO INEA Nº 15 DE 27 DE SETEMBRO DE 2010

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE DELIBERAÇÃO INEA Nº 15 DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE DELIBERAÇÃO INEA Nº 15 DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 ESTABELECE O GERENCIAMENTO DE EMBALAGENS USADAS DE ÓLEO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

LAVAGEM AUTOMOTIVA. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax:

LAVAGEM AUTOMOTIVA. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: LAVAGEM AUTOMOTIVA 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos SEUS ESGOTOS TRATADOS POR QUEM MAIS ENTENDE DO ASSUNTO Uma das grandes preocupações das empresas hoje em dia é o tratamento e a destinação de seus esgotos. A Sabesp está preparada para receber e tratar

Leia mais

II - Caracterização dos Resíduos Sólidos

II - Caracterização dos Resíduos Sólidos 8/5/2016 1 8/5/2016 2 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Riscos associados: Ambiental / Saúde pública; Como avaliar a dimensão dos riscos?

Leia mais

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Florianópolis, 21 de outubro de 2013 Assuntos: Plano de Consultoria do Teste de Queima; Diagnóstico Inicial; Plano do Teste de Queima; Plano de

Leia mais

Números arábicos (numerar a partir da INTRODUÇÃO 1, 2...)

Números arábicos (numerar a partir da INTRODUÇÃO 1, 2...) DISSERTAÇÃO NORMAS TÉCNICAS CONFIGURAÇÃO DA PÁGINA Superior: 3 cm Esquerda: 3 cm Inferior: 2 cm Direita: 2 cm NUMERAÇÃO DAS PÁGINAS ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Números romanos (numerar a partir do SUMÁRIO vi,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA TRANSPORTADORA DE MINÉRIO DO SUDOESTE GOIANO

AVALIAÇÃO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA TRANSPORTADORA DE MINÉRIO DO SUDOESTE GOIANO AVALIAÇÃO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA TRANSPORTADORA DE MINÉRIO DO SUDOESTE GOIANO Hisadora Cristina Cabral Martins², Fausto Rodrigues de Amorim³ ¹ Artigo apresentado à Faculdade de Engenharia

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Esponja Bombril Códigos Internos: Antiaderente Superfícies Delicadas: Unitária 17014 / Embalagem Econômica 17023 Multiuso Limpeza

Leia mais

Separação de Resíduos

Separação de Resíduos Separação de Resíduos Tipos de Resíduos Orgânicos Rejeitos Papéis Recicláveis Plásticos Metais Isopor Plástico Existem 7 tipos de resinas plásticas: - PET: polietileno tereftalato: Frascos de refrigerantes

Leia mais

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos MUNICÍPIO RESPONSÁVEL CONTATO (tel. e e-mail) Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos Existem Planos Setoriais / Planos de Integração

Leia mais

Realização: Guia de Descarte. Residuos. Centro de Ciências Rurais

Realização: Guia de Descarte. Residuos. Centro de Ciências Rurais Realização: Guia de Descarte de Residuos Guia de Descarte de Residuos Os resíduos sólidos recicláveis são depositados nas coletoras localizadas nos corredores e em frente aos prédios e são recolhidos pelos

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Curso de Medicina Veterinária NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURITIBA 2008 1 SUMÁRIO CURITIBA... 0 SUMÁRIO... 1 1. FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS O QUE É UM ECOPONTO? Ecoponto é uma bateria de contentores individuais destinados a receber separadamente os diversos materiais para reciclagem. Os ecopontos de Oliveira de

Leia mais

Tabela 4. Descrição dos aspectos ambientais

Tabela 4. Descrição dos aspectos ambientais Tabela 4. escrição dos aspectos ambientais Unidade PSICOLOGIA PAPEL/ PLÁSTICO/ CARBONO RESÍUOS SÓLIOS EFLUENTES LÍQUIOS COMPRAS PAPEL/ PLÁSTICO/ CARBONO TRANSPORTE PAPEL/ PLÁSTICO/ CARBONO Tabela 6. CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Parque de Resíduos. FUNFARME Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto SP - HOSPITAL DE BASE

Parque de Resíduos. FUNFARME Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto SP - HOSPITAL DE BASE Parque de Resíduos FUNFARME Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto SP - HOSPITAL DE BASE Vista aérea complexo FUNFARME Hemocentro Hospital H C P. Resíduos Faculdades Ambulatório

Leia mais

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Gestão de Resíduos de Construção Civil Plano de Gerenciamento de RCD Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Construção Civil do ponto de vista ambiental LELA CARVALHO Reflexão: De onde vêm os recursos naturais

Leia mais

Descarte incorreto de óleo lubrificante gera multa em oficina de Novo Progresso

Descarte incorreto de óleo lubrificante gera multa em oficina de Novo Progresso Descarte incorreto de óleo lubrificante gera multa em oficina de Novo Progresso O descarte incorreto pode gerar danos irreversíveis à saúde e ao meio ambiente. Óleo escorrendo pela rua Além de danos à

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA- CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA- CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA- CODEBA SALVADOR BA JULHO - 2016 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva Solidária trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração

Leia mais

Lauralice de C. F. Canale Prof. Associada EESC/USP

Lauralice de C. F. Canale Prof. Associada EESC/USP LUBRIFICANTES&LUBRIFICAÇÃO INDUSTRIAL R. Carreteiro P.N. Belmiro ASM Handbook Volume 18 CURSO DE GESTÃO DE ÓLEO LUBRIFICANTE AUTOMOTIVO USADO Eng. Mecânico Carlos Alexandre Thalheimer Lauralice de C. F.

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

ANEXO 2 FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO. Tipos de Pavimentação das áreas do empreendimento

ANEXO 2 FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO. Tipos de Pavimentação das áreas do empreendimento ANX 2 FRMULÁRI CARACTRIZAÇÃ MPRNIMNT PARA BTNÇÃ LICNÇA INSTALAÇÃ Tipos de Pavimentação das áreas do empreendimento Pisos Área de abastecimento Área de troca de óleo Área de descarga Área de lavagem utros

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) ODONTOLOGIA O gerenciamento dos RSS constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos.

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. Revisão: 01 Data: 08/08/2014 Páginas: 1/7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. Nome do Produto: Corante Líquido Universal Preto. Nome da Empresa: Juntalider Indústria e Comércio de Materiais para Construção

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Caixa/Estojo para Instrumental Cirúrgico NOME COMERCIAL: Caixa para Instrumental Cirúrgico PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC)

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC) Página 1 de 5 Elaborado: Revisado: Aprovado: Vera Letticie de Azevedo Ruiz Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus 1. OBJETIVOS Estabelecer os procedimentos

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais

Fórum Setorial RCD Plataforma Ituiutaba Lixo Zero. Auditório da OAB Alice Drummond

Fórum Setorial RCD Plataforma Ituiutaba Lixo Zero. Auditório da OAB Alice Drummond Fórum Setorial RCD Plataforma Ituiutaba Lixo Zero Auditório da OAB - 29.05.2014 Alice Drummond RESOLUÇÃO CONAMA Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET. Rev. 05 Data da última revisão: 21/06/2016 Pagina 1/5

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET. Rev. 05 Data da última revisão: 21/06/2016 Pagina 1/5 Rev. 05 Data da última revisão: 21/06/2016 Pagina 1/5 FISPQ Em conformidade com NBR 14725-4:2014 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar PET NCM: 3209.10.20 - Código interno

Leia mais

PALESTRA DE SENSIBILIZAÇÃO E FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES

PALESTRA DE SENSIBILIZAÇÃO E FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES PALESTRA DE SENSIBILIZAÇÃO E FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES Tema: Logística Reversa Lei 12.305/10 Local: CEIER - Centro Estadual Integrado de Educação Rural. Data do Evento: 08/10/2014 Horário: 19:00h às

Leia mais