EDUCAÇÃO: A MENINA DOS OLHOS DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM-TERRA MST DA FAZENDA SANHARÓ/MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO: A MENINA DOS OLHOS DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM-TERRA MST DA FAZENDA SANHARÓ/MG"

Transcrição

1 1 EDUCAÇÃO: A MENINA DOS OLHOS DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM-TERRA MST DA FAZENDA SANHARÓ/MG Gabriel Almeida Damaso 1 RESUMO Este artigo objetivo discutir de forma lacônica a questão da inserção da política de educação de maneira concreta e referenciada na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional no interior dos assentamentos e acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Semterra. Para tanto a educação é um direito de todos (as) e dever do Estado e da família, visando o pleno desenvolvimento da pessoa, no seu preparo para o exercício da cidadania e mercado de trabalho. Nesta ótica a população do campo em quantidade expressiva são segregados e usurpados dos seus direitos fundamentais garantidos em lei, entre eles o acesso à educação. Perante tal realidade, essa análise aspira uma reflexão sobre o acesso a educação por parte dos militantes e familiares do MST que encontram-se pré-assentados na fazenda Sanharó, situada em Montes Claros/MG de acordo suas diretrizes e preceitos, bem como a responsabilidade das autoridades e entes federativos de propiciar tal, além de contribuir para o surgimento de novas reflexões, discussões, percepções e alternativas consistentes para com esta realidade. Palavras-chaves: Educação, MST, Reforma agrária, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1 Graduado em Serviço Social pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas FACISA, Pós-graduado em Gestão Ambiental pela Faculdade Apogeu, atualmente é coordenador local do Núcleo de Assistentes Sociais NAS/Januária, atuou no Centro de Educação para o Trabalho Virgilio Resi CEDUC em 2008, no Centro de Referência Especializado da Assistência Social CREAS de Arinos/MG em 2009/2010, no programa Oficina de Travessias/Mães de Minas em 2010/2011, na Equipe Volante do CRAS do município de Januária/MG em 2012, atualmente é Assistente Social do Centro de Referência da Assistência Social CRAS do município de Januária e Assistente Social da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados APAC de Januária/MG. de contato é

2 2 INTRODUÇÃO Nada começa nem termina: continua O presente artigo é fruto de uma pesquisa realizada junto aos militantes do movimento dos trabalhadores sem-terra MST, que encontram-se pré-assentados na fazenda sanharó/mg, no qual, o universo pesquisado objetivava analisar as propostas políticas, sociais e econômicas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) na Fazenda Sanharó denominada Pré-assentamento Estrela do Norte nos últimos dois anos, sendo uma das temáticas abordadas a importância e reivindicação da política de educação ocorrer no interior do assentamento, tendo como base a metodologia do próprio movimento, como fonte de conhecimento e preparo para o mercado de trabalho dos militantes. Neste sentido, a fazenda Sanharó situa-se a 24 quilômetros do município de Montes Claros/MG, e esta localizada na Estrada da Produção. A fazenda foi ocupada no dia 24 de abril de 2003, com uma área de aproximadamente 790 hectares. A ocupação inicial segundo Feitosa; Zuba; Junior (2006) foi feita por quatrocentas famílias. Em setembro de 2005, de acordo com a avaliação constante no laudo pericial do INCRA, estão assentadas 31 famílias, no qual, Feitosa; Zuba; Júnior, (2006) evidencia que em 2007 estão assentadas cerca de cento e vinte pessoas, com uma média de três a quatro membros para cada família. Conforme informações da Regional Norte de Minas do MST, nos últimos dois anos de ocupação, os trabalhadores acampados produziram cerca de oito mil sacas de milho, três mil sacas de feijão catador e cento e vinte sacas de andu. Entre melancias e abóboras, foi colhida uma quantidade suficiente para encher mais trinta caminhões. Segundo integrantes do MST, e como coloca Feitosa; Zuba; Junior (2006), a Fazenda Sanharó passou a ser denominado Acampamento Estrela do Norte, devido ter sido a primeira área em que se concretizou a ocupação promovida pelo MST no Norte de Minas Gerais. A fazenda ainda está em processo de pré-assentamento e atualmente se encontram cerca de 20 famílias no seu interior de acordo pesquisa e entrevista realizada. É pertinente enfatizar que a gênese do então Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra - MST é determinada por vários fatores, no qual, destaca-se os aspectos políticos,

3 3 sociais e econômicos sofridos tanto no meio urbano quanto no meio rural, contra segundo Fernandes (1999) a expropriação e exploração do capitalismo, sendo esta luta marcada também pelo processo de redemocratização do país. Cabe ressaltar que este processo de redemocratização envolveu não só os movimentos sociais como também algumas instituições interessadas na abertura política do país, como por exemplo, a Igreja Católica através da Comissão Pastoral da Terra (CPT) que desenvolveu vários trabalhos no campo juntamente com os movimentos sociais em especial o MST. [...] o MST nasceu na Pastoral da Terra e as primeiras ações de luta pela terra foram às ações construídas pensadas a partir do trabalho da comissão pastoral da terra, esse negocio de ir às bases, ouvir as bases etc... Foi criando a resistência dos posseiros na margem legal, e foi constituindo também as lutas pelas terras aqui no Rio Grande do Sul e depois, na lagoa da barragem do Itaipu são os dois focos iniciais de surgimento de luta pela terra e foi um trabalho pastoral da Igreja. (GORGEN, apud, VIAL, 2003, p. 242). 2 Segundo Stédile (2005), a formação do MST se dá através das guerras incansáveis dos posseiros defendendo suas terras contra os grileiros, uma vez que os sem-terra organizamse e entram na luta para terem um pedaço destas terras. As ligas camponesas, os sindicatos de trabalhadores rurais e o movimento dos trabalhadores rurais sem-terra (MST) são alguns das organizações que se colocaram à frente dessas lutas. [...] é possível constatar que o MST torna-se uma referência entre os movimentos sociais do Brasil e, em certa medida, também fora dele, sendo identificado como um exemplo de luta e de organização a seguir, sempre que estiver em questão à conquista de direitos e a busca de mais dignidade para todos. (CALDART, 2004, P.26). Para Fernandes (1999), a luta pela terra completa mais de quatrocentos anos de existência, sendo o MST uma das organizações descendentes destas lutas referentes à terra como também a dos negros escravizados com seus quilombos que se mobilizavam reivindicando uma sociedade mais livre, a luta de Canudos, do contestado, do cangaço entre 2 Citação retirada do livro de GORGEN, Sergio Antônio. A resistência dos pequenos gigantes: a luta e a organização dos pequenos gigantes. Petrópolis: Vozes, 1998.

4 4 varias outras que deixaram como herança para gerações futuras a coragem, dignidade e honra para lutarem pelos seus direitos, ou seja, desde as duas ultimas décadas o MST é um movimento social de maior expressão no campo em que diz respeito a luta e por uma vida mais digna e igualitária seguindo assim os passos deixados pelas gerações passadas. [...] O MST é a organização camponesa que herdou a dignidade das lutas dos quilombolas, de canudos, de contestado, das ligas camponesas entre outras importantes lutas históricas, que mais do que fatos do passado são memórias persistentes que nos ajudam a compreender o presente e a pensar o futuro. Portanto, a luta camponesa pela terra no Brasil não é fato do passado, é um fenômeno de todo o tempo de existência do latifúndio. (FERNANDES, 1999, p.8). Com isso na década de 80, o MST desenvolveu uma nova organização, que passou a participar ativamente da luta pela terra, cuja sua atuação segundo Stédile (2005), se dá especialmente nos Estados do sul do país, mas os trabalhadores e trabalhadoras envolvidos nas lutas expandem o seu campo de atuação para diferentes Estados, sindicalistas e agentes pastorais (Igreja Católica) começam a articular suas reivindicações, materializando-as assim no primeiro encontro do movimento dos trabalhadores rurais (MST) ocorrido em Nascia oficialmente o MST que mesmo perante as contradições existentes nos âmbitos sociais, políticos e econômicas perdura-se há mais de duas décadas em busca da tão sonhada Reforma Agrária. Como a maioria dos precursores do MST era proveniente do Sul do Brasil, o Paraná foi o primeiro estado a sediar a luta. Lá, os expulsos da área de Itaipu e outros adeptos formaram o Movimento de Agricultores Sem-Terra do Sudoeste do Paraná Máster. Em 1984, realizou-se em Cascavel, Paraná, o 1º encontro Nacional do MST. Para todos os efeitos, essa data é tida como a inauguração oficial do movimento. (STRAZZACAPPA, 2006, p. 50). No Brasil, o movimento dos sem-terra aparece como um dos principais movimentos sociais, problematizando o futuro do país com seus milhares de marginalizados, ou excluídos, oriundos do campo, vítimas de políticas agrárias e agrícolas que favorecem os latifundiários. Todos estes movimentos referentes à terra inserem-se na luta (debate) pela reforma agrária. Stédile (2005) destaca o Brasil como único país entre todos os países latinoamericanos a não realizar a reforma agrária em massa, o que faz motivar ainda mais a luta

5 5 destes movimentos para que um dia esta possa acontecer. Para Scolese (2005), o MST prima por uma reforma agrária que inclua a distribuição de terra para todos que nela pretendem trabalhar e viver, com o cumprimento de sua função social 3, assumindo assim um caráter revolucionário, visando transformar a estrutura fundiária que estar enraizada no país. Ou seja, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra - MST, ver na luta pela terra uma possibilidade de sobrevivência e continuidade da vida, no qual, busca solucionar diversas demandas sociais emergentes que vão além da complexa luta pela reforma agrária, até uma possível política de educação dentro dos acampamentos e assentamentos com base nos preceitos do movimento. Não obstante o movimento reivindica uma política eficaz referente às questões fundiárias bem como de seguridade social e outras que venham de encontro os princípios e objetivos do movimento. Nesta direção, o MST é considerado como educador enquanto movimento social e cultural. Sua presença, suas lutas, sua organização, seus gestos, suas linguagens e imagens são educativas, nos interrogam, chocam e sacodem valores, concepções, imaginários, cultura e estruturas. Constroem novos valores e conhecimentos, nova cultura política. Formam novos sujeitos coletivos. (CALDART, 2004, p.11). Com isso, a educação é mais uma reivindicação legitima do MST que se não bastasse o reconhecimento Constitucional à educação também é reconhecida como um direito de todos como posto na lei de diretrizes e bases da educação - LDB lei número 9.394/96, que vem colocar no seu artigo 1º: A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa. Nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. 1º esta lei disciplina a educação escolar, que se desenvolve, predominantemente, por meio do ensino, em instituições próprias. 2 a educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social. (COLETÂNEA DE LEIS, 2005, p.296). 3 Função Social: A idéia de função social do imóvel rural aparece na Antigüidade com o filósofo grego Aristóteles, que assegurava que os bens se deveria dar uma destinação social. No seu pensamento, o homem tinha o direito de ter propriedades para manter o seu bem- estar e sustento, mas, devia, também, servir aos objetivos sociais. (LISITA, 2004, p.109).

6 6 É sabido que a luta pela reforma agrária é o objetivo central do MST, mas o movimento entende que sem conhecimento teórico e metodológico dos militantes dificilmente se terá êxito nas suas ações e reivindicações, uma vez que o acesso à terra só será possibilitado através de um amplo processo de organização e argumentação política, econômica, sustentável e fundiária. Neste sentido os movimentos e a população camponesa de forma geral enfrentam dificuldades na inserção de uma política de educação no seu interior, pois mesmo após a promulgação da carta Constitucional de 1988 e a aprovação da lei / 96 LDB que juntas às respectivas leis reconheceram e legitimaram a educação como direito de todos e como uma política pública gratuita, e de dever do Estado em provê-la, não conseguiu contemplar na sua amplitude as populações camponesas e comunidades tradicionais que se localizam em distâncias consideráveis do âmbito urbano. Sem falar da falta de transportes escolares e das condições adversas das estradas rurais, sendo este já um problema que ultrapassam os limites da política educacional, ou seja, de responsabilidade dos estes federativos. Fato é que mais uma vez o homem do campo tem seus direitos violados, negligenciados e usurpados pelas três esferas de governo nos seus âmbitos federal, estadual e municipal que tratam a questão social no campo de forma em que prevalece um descaso desmedido. É pertinente enfatizar que houve um avanço referente o direito a terra e suas nuances, mas ainda não suficiente para agregar a todas as famílias que se encontra desprovidas de moradia. De acordo Caldart (2004) convém não distanciar, do horizonte de análise, a função do Estado, de provedor de qualidade de vida da população, bem como de equidade. Nesta perspectiva, o aparelho estatal define políticas públicas e sociais e elege estratégias para operacionalizá-las, dentre elas encontra-se a política de educação. É notório que a questão agrária brasileira esta intrinsicamente relacionado com exclusão social no país, uma vez que atinge um grande contingente populacional no campo, envolvendo outros problemas como serviço semiescravo, violência, miséria, fome e principalmente a falta de um pedaço de terra para subsistência das famílias que se encontra em situação de vulnerabilidade e risco social.

7 7 Nesta ótica o MST compreende que a política de educação nos seus assentamentos e acampamentos possa propiciar a inclusão, promoção e protagonismo das famílias camponesas, pois o seu setor de educação também esta baseado nos artigos da LDB, como posto no artigo 2 que vem colocar: A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. (COLETÂNE DE LEIS, 2005, p. 296). Para Feitosa; Zuba; Junior (2006), o setor de educação vem ganhando importância no interior do movimento, principalmente no que diz respeito ao desenvolvimento pessoal dos seus militantes, pois ao conquistar a terra, os jovens assentados constituem famílias, as quais passam a priorizar a educação de seus filhos (as). Ou seja, considera-se a educação do campo um meio viável para transforma a realidade dos integrantes do movimento, além de ser essencial para amparar a luta pela terra e por uma sociedade mais justa, não sendo assim um movimento afônico. Com tudo é de fundamental importância para o MST, projetos, auxílios e programas que venham proporcionar a construção de escolas no seu interior, no qual, este é o grande objetivo do movimento que segundo Caldart (2004), principalmente para os movimentos que já estão assentados, uma vez que estes possuem a terra, mas precisam de investimento por parte do governo para criação de infraestrutura entre elas escolas. Tendo assim o intuito de proporcionar uma melhor compreensão da realidade dos seus militantes e melhoria na qualidade de vida deste, no que diz respeito aos direitos humanos e fundamentais previstos pela Constituição e Declaração dos Direitos Humanos de De acordo a LDB, os movimentos são esforços organizados de construção e organização coletiva, além de espaços alternativos, pois a educação passa a ser um meio desta integração entre os seus membros, assegurando aos militantes o acesso à educação básica, infantil, ensino fundamental, ensino médico e superior. Para com isso garantir acesso ao conhecimento aos integrantes dos movimentos sem-terra, com fins, de tais serem protagonistas da sua própria história, no âmbito individual e coletivo, no qual, faz-se necessário planta, colher e cultivas os frutos concretos advindos do suor de cada militante

8 8 em prol de uma vida digna que rege-se na égide dos direitos fundamentais inerentes a pessoa humana. Nesta ótica, a escola e uma instituição para fortalecer, engrandecer e propiciar alternativas frente às ações desenvolvidas pelos movimentos sociais, em destaque o MST, que luta para que haja escolas no seu interior, para assim ensinar os seus militantes de acordo sua própria metodologia que se diferencia das demais, principalmente para as crianças e os adolescentes que são vistas como o futuro do movimento, transformando o conhecimento adquirido em frutos concretos que venham beneficiar não só o MST, mas todos os movimentos sociais que se identificam pelos mesmos ideais, em busca de novos horizontes de novos tempos mais justos e mais solidários. A pedagogia do movimento toma como ponto de partida a metodologia do grande mestre pedagogo Paulo Freire, educador do povo que, com seu método, conseguiu educar de forma diferente. Esse educador via na educação um caminho de verdadeira libertação da pessoa humana. A pedagogia do movimento fundamentase também em Che Guevara e Makarenko. (FEITOSA; ZUBA; JUNIOR, 2006, p. 207). Diante o exposto, o MST propõe os seus princípios pedagógicos baseados nos princípios filosóficos, no qual este realiza uma análise da realidade social mais aprofundada tendo o homem como base para seus estudos. O movimento ver nos seus princípios pedagógicos uma forma de terem a educação como transformador social, aberta para o mundo e para o novo, para o trabalho em cooperação, enfim voltadas para as várias dimensões da pessoa humana, tendo sua própria visão, concepção e conotação do homem, da sociedade e do mundo. [...] olhar para a formação dos sem-terra e enxergar o MST também como um sujeito pedagógico, ou seja, como uma coletividade em movimento, que é educativa e que atua internacionalmente no processo de formação das pessoas que a constituem. (CALDART, 2004, p. 315). PRINCIPIOS PEDAGÓGICOS DO MST: A EDUCAÇÃO COMO SUJEITO FUNDAMENTAL NESTE CONTEXTO

9 9 O princípio pedagógico do movimento se baseia em suas variadas especificidades como valores, costumes, princípios, crenças, rumos e definições, ou seja, no seu próprio jeito, forma e modo de pensar, ensinar e fazer a educação, no que tange as suas perspectivas e possibilidades de luta, para que um dia se possa ter boa parte dos militantes bem fundamentados, críticos e propositivos, no qual tenham embasamento teórico para discutir, questionar e argumentar a ineficiência dos governantes frente à omissão que ocorre na zona rural como também com a política de reforma agrária que para estes representa muito mais do que apenas a terra, mas sim um direito a uma vida digna. Para tanto a educação e fundamental e de extrema importância na construção, consolidação e fortalecimento da cidadania, tanto no campo quanto na cidade tendo com estas novas visões frente velhas questões, fincando assim a bandeira da educação para todos e de todos se distinção de qualquer condição social e econômica. É através de seus objetivos, princípios, valores e jeito de ser que o movimento intercionaliza suas práticas educativas, ao mesmo tempo em que, aos poucos, também começa a refletir sobre elas, à medida que se dá conta de sua tarefa histórica: além de produzir alimentos em terras antes aprisionadas, pelo latifúndio, também deve ajudar a produzir seres humanos ou, pelo menos, ajudar a resgatar a humanidade em quem já imaginava quase perdida. (CALDART, 2004, p.316). A escola do MST voltada para a educação no campo tem várias expressões, dimensões, conotações e perspectivas frente à realidade dos assentamentos, sendo sua pedagogia vinculada com a práxis social no seu interior, ou seja, das práticas vivenciadas por meio dos movimentos sociais, às experiências e lutas advindas do dia-a-dia dos militantes. Segundo Feitosa; Zuba; Junior (2006), As lições pedagógicas baseiam-se nas pessoas que se encontram no interior de determinado movimento, pois estes se educam, aprendem a produzir e reproduzir, como também trabalhar em coletividade tendo como base fundamental a sua cultura e histórias de lutas no campo. A luta nos assentamentos é para que nenhuma criança e jovem fique fora da escola e nenhum adulto fique sem saber ler e escrever. A concepção de educação do MST

10 10 possibilita vários aspectos teóricos, ideológicos e as diversas práticas educacionais. Em todo o país, o movimento pretende educar crianças de até seis anos, estabelecer escolas de 1º a 8º série nos acampamentos e assentamentos e alfabetizar e pós-alfabetizar jovens e adultos que não tiveram acesso aos estudos utilizando os princípios educacionais do MST. (FEITOSA; ZUBA; JUNIOR, 2006, p. 210). Nesta lógica o MST objetiva promover educação para crianças, jovens e adultos, baseando-se na convicção de que todos (as) as pessoas têm direito de aprender, independente de gênero, classe social, e/ou etnia, ou seja, se entende que a educação no campo deve assumir a identidade do meio rural, uma educação comprometida e voltada para quem vive e trabalha no campo, sendo a escola rural uma integração com a escola urbana nos níveis inicial, médio, técnico e superior e não uma oposição como coloca Caldart (2004). CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante este contexto, evidencia-se a necessidade dos movimentos sociais que lutam pelos preceitos da cidadania e dos direitos humanos, no qual, passa enxergar a educação como a menina dos seus olhos, ou seja, um meio de propagação do conhecimento a todos (as) militantes do movimento sem-terra de forma transversal e sistemática, não limitando-se apenas ao espaço da escola, mas em cada momento em que os militantes do Movimento se reúnem nas suas ações e manifestações, desde o processo de ocupação até a (re)elaboração do projeto político-social construído coletivamente nos Encontros Nacionais e demais manifestações ou reuniões, tendo como base o seu passado de luta para assim construir o futuro no presente. Neste sentido a educação passa a ser o autor principal na formação de uma nova cultura que está se proliferando e transformando o sistema capitalista de forma gradativa, mas consistente, no qual, as contradições são expostas e colocadas em evidência por meio das concepções de mundo de cada qual, pois a elevação cultural das massas assume importância decisiva neste processo, para que estas possam liberta-se da pressão ideológica

11 11 das velhas classes dirigentes e elevar-se à condição de protagonista da sua própria história. A batalha capital x classe trabalhadora apresenta-se, portanto, como fator decisivo no processo de luta pela hegemonia, na conquista do consenso e da direção político-ideológica por parte das classes subalternas, sendo a educação e consequentemente o conhecimento fundamental para a mudança de tal contexto. Não obstante o MST, além de propor uma nova organização do trabalho busca difundir seu projeto político-social através dos seus vários coletivos de organização. Além disso, tem procurado se apropriar de meios de comunicação de grande impacto como a televisão e de meio de informação restrito como a Internet, para atrair a opinião de intelectuais a favor da luta pela reforma agrária e de educação de qualidade para os seus militantes. Por fim, cabe ressaltar que o momento em que vive o MST é pleno de desafios, mais do que nunca é preciso ter coragem e esperança para enfrentar as dificuldades e vicissitudes sociais decorrentes do ciclo natural da vida humana postas no dia a dia dos militantes, pois faz-se necessário resistir e sonhar, para assim buscar novos horizontes, sendo a política de educação no interior dos assentamento e acampamentos um e/ou o agente fundamental para as mudanças de paradigmas e estruturas enraizadas que culminam o interior da sociedade, tendo sempre em vista novos tempos, mais humanos, justos e solidários.

12 12 REFERÊNCIAS ARRUDA, José Jobson de A; PILETTI, Nelson. Toda a História: história geral e história do Brasil. 12 ed. São Paulo: Ática, 2003, p CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra. 3 ed. São Paulo: Expresão Popular, 2004, p COLETÂNEA DE LEIS. 4 ed. CRESS 6 Região, Gestão Expresso Gerais 2005 / FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONCELLOS, Ana Cristina de. Manual para Normalização de Publicações técnico-científica. 7 ed. Belo Horizonte: UFMG, 2004, p FEITOSA, Antonio Maurilio Alencar; ZUBA, Janete Aparecida Gomes; JUNIOR, João Cleps. De baixo da Lona: tendências e desafios regionais da luta pela posse da terra e da reforma agrária no Brasil. Goiânia: UCG, 2006, 279p. FERNANDES, Bernardo Mançano. MST: formação e territorização. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 1999, p FERNANDES, Bernado Mançano. Questão Agrária, Pesquisa e MST. São Paulo: Cortez, 2001, 120p. FIGUEIRA, Divalte Garcia. História. São Paulo: ÁTICA, 2004, p FORACCHI, Marialice Mencarini; MSRTINS, José de Sousa. Sociologia e Sociedade: leituras de introdução à sociologia. 23 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2004, p GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projeto de Pesquisa. São Paulo; Atlas. 1996, p GHON, Maria da Glória. Os Sem-Terra, ONGs e Cidadania. 2 ed. São Paulo: Cortez, GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais e Educação. 5 ed. São Paulo: Cortez, GOHN, Maria da Glória. Historia dos Movimentos e Lutas Sociais: A Construção da Cidadania dos Brasileiros. 3 ed. São Paulo: Loyola, 2003, p GOHN, Maria da Glória. Teoria dos Movimentos Sociais. Paradigmas Clássicos e Contemporâneos. 4 ed. São Paulo: Loyola, 2004, p GOHN, Maria da Glória (org.). Movimentos Sociais no inicio do século XXI: Antigos e novos atores sociais. 2 ed. Petrópolis, 2004, 143p. GOHN, Maria da Glória. O Protagonismo da Sociedade Civil: Movimento Social, ONGs e Rede Solidária. São Paulo: Cortez, 2005.

13 13 IAMAMOTO, Marilda. V. A questão social no capitalismo. Temporalis, nº 3. Brasília: ABEPESS, 2001, p IAMAMOTO, Marilda. V. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2004, 326p. IANNONE, Roberto Antonio. A Revolução Industrial. 11 ed. São Paulo: Moderna, 1992, p KADT, Emanuel de. Católicos Radicais no Brasil. João Pessoa: Universitária UFPB, 2003, p LINHARES, Maria Yedda (org.). História Geral do Brasil. 9 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1990, p LISITA, Cristiane. Fundamentos da Propriedade Rural: Conflitos Agrários e Justiça Social. Belo Horizonte: Mandamentos, 2004, p MARCONI, Mariana de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragem e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 1990, p MARTINS, José de Souza. Reforma Agrária: O impossível Diálogo. São Paulo: Edusp. 2000, p MARTINELLI, M. L. Serviço Social: Identidade e Alenação. São Paulo: Cortez, MARX, K. Prefácio à contribuição à crítica da Economia Política. São Paulo, Ed. Sociais, NETO, Canrobert Costa. Política Agrária na Bolívia ( ): Reforma ou Revolução? São Paulo: Expressão Popular, 2005, 203p. OLIVEIRA, Ariovaldo U. A Geografia das Lutas no Campo: Conflito e violência Movimento Sociais e resistência os Sem-Terra e o neoliberalismo. São Paulo: Contexto OLIVEIRA, Juarez de. Constituição de República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 1992, p OLIVEIRA, Marcos Fábio Martin de (et al). Formação Social e Econômica do Norte de Minas. Montes Claros: Unimontes, 2000, p PERREIRA, José Edgard Pena Amorim. Perfis Constitucionais das Terras Devolutas. Belo Horizonte: Del Rey. 2003, p PEREIRA, Willian César Castilho. Nas Trilhas do trabalho comunitário e social: teoria, método e prática. 2 ed. Belo Horizonte: Vozes, 2002, p

14 14 QUINTANEIRO, Tania; BARBOSA, Maria Ligía de O; OLIVEIRA, Márcia Gardênia de. Um Toque de Clássicos: Durkheim, Marx e Weber. Belo Horizonte: UFMG, 1995, p ROCHA, Olavo Acyr de Lima. A desapropriação no Direito Agrário. São Paulo: Atlas, 1992, p STÉDILE, João Pedro; FERNANDES, Bernardo Mançano. Brava Gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1999, p STÉDILE, João Pedro (org), História e Natureza das ligas camponesas. São Paulo: Expressão Popular, STÉDILE, João Pedro. Questão Agrária no Brasil. 10 ed. São Paulo: Atual, SCHIMIDT, Mario. Nova História Crítica. São Paulo: Nova Geração, 2004, p SILVEIRA, Ubaldo. Igreja e Conflito Agrário: a comissão pastoral da terra na região de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto: UNESP, 1998, p SILVEIRA, Ubaldo. Reforma Agrária: A esperança dos Sem-terra. Franca: UNESP, 2003, 122p. SCOLESE, Eduardo. Reforma Agrária. São Paulo: Pública folha, 2005, 109p. STRAZZACAPPA, Cristina. A luta pelas terras no Brasil: das sesmarias ao MST. São Paulo: Moderno, 2006, 111p. STROZAKE, Juvelino José, org. A Questão Agrária e a Justiça. São Paulo: Revista dos Tribunais. 2000, p VIAL, Sandra Regina Martini. Propriedade da terra: análise sócio-jurídica. Porto Alegre: Do Advogado, 2003, 279p.

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE Ana Jéssica Soares Barbosa¹ Graduanda em Ciências Agrárias ajsbarbosa_lca@hotmail.com Centro de Ciências

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS Resumo O Teia é um Programa que objetiva consolidar e articular 31 projetos de extensão que compartilham concepções, práticas e metodologias baseadas

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3.

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3. PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, Erineu - UFES GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: PRONERA/Ação Educativa 1. Tema O curso Pedagogia da Terra/ES

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS.

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. Ana Lícia de Santana Stopilha Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia Campus XV Doutoranda em Difusão do Conhecimento

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO Quanto à Educação do Campo Superar as discrepâncias e desigualdades educacionais

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

EDUCAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: QUAL O SENTIDO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR HOJE?

EDUCAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: QUAL O SENTIDO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR HOJE? EDUCAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: QUAL O SENTIDO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR HOJE? Flávia Alves de Araujo Mestranda em Educação, Cultura e Organizações Sociais na Funedi/UEMG, Divinópolis MG. Atua como professora

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL, Thais Nogueira UFMG - thaisgil@terra.com.br- GT: Trabalho e Educação/ 09 Agência Financiadora: FUNADESP Este texto apresenta

Leia mais

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos O pedagogo David Bomfin, 50 anos, deixou, há algum tempo, de

Leia mais

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Brasília, Dezembro de 2015 Exma. Sra. Dilma Rousseff Presidente da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto Gabinete da Presidência Praça dos Três Poderes, Brasília - DF, 70150-900. REF: As pautas

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO)

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) Realização: Ibase, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) Objetivos da Pesquisa: Os Diálogos sobre

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico introdução A Armadilha do Crédito Fundiário do Banco Mundial Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico abrangente sobre os programas do Banco Mundial para o campo no Brasil. O estudo foi realizado pela

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 426/2008

RESOLUÇÃO Nº 426/2008 RESOLUÇÃO Nº 426/2008 Regulamenta a Educação Básica na Escola do Campo, no âmbito do Estado do Ceará. O Conselho Estadual de Educação - CEE, no uso de suas atribuições contidas na Lei Estadual nº 11.014,de

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil Raimundo Jackson Nogueira da Silva, Secretaria Municipal de Educação de Canindé-CE, e- mail: raimundojackson@hotmail.com.

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas; 1 COOPERATIVISMO TAMBÉM SE APRENDE DA ESCOLA Luiza Maria da Silva Rodrigues 1 Edaiana Casagrande Santin 2 Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL SANTO ANTÔNIO VIVENCIANDO VALORES NA ESCOLA POR UMA CULTURA DE PAZ

ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL SANTO ANTÔNIO VIVENCIANDO VALORES NA ESCOLA POR UMA CULTURA DE PAZ ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL SANTO ANTÔNIO VIVENCIANDO VALORES NA ESCOLA POR UMA CULTURA DE PAZ Passo Fundo, 2005 1-Justificativa Talvez não haja palavra mais falada, nos dias de hoje, que a

Leia mais

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES Erika Alencar de Moura 1 ; Ângela Maria da Silva 2 ; Nailde Gonçalves da Silva 3 ; Maria dos Prazeres Albuquerque 4 ; Luciana Maria

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação 1 Processo de formação de professores um olhar para a dança. Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação A Constituição Federal de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais