EDUCAÇÃO: A MENINA DOS OLHOS DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM-TERRA MST DA FAZENDA SANHARÓ/MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO: A MENINA DOS OLHOS DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM-TERRA MST DA FAZENDA SANHARÓ/MG"

Transcrição

1 1 EDUCAÇÃO: A MENINA DOS OLHOS DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM-TERRA MST DA FAZENDA SANHARÓ/MG Gabriel Almeida Damaso 1 RESUMO Este artigo objetivo discutir de forma lacônica a questão da inserção da política de educação de maneira concreta e referenciada na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional no interior dos assentamentos e acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Semterra. Para tanto a educação é um direito de todos (as) e dever do Estado e da família, visando o pleno desenvolvimento da pessoa, no seu preparo para o exercício da cidadania e mercado de trabalho. Nesta ótica a população do campo em quantidade expressiva são segregados e usurpados dos seus direitos fundamentais garantidos em lei, entre eles o acesso à educação. Perante tal realidade, essa análise aspira uma reflexão sobre o acesso a educação por parte dos militantes e familiares do MST que encontram-se pré-assentados na fazenda Sanharó, situada em Montes Claros/MG de acordo suas diretrizes e preceitos, bem como a responsabilidade das autoridades e entes federativos de propiciar tal, além de contribuir para o surgimento de novas reflexões, discussões, percepções e alternativas consistentes para com esta realidade. Palavras-chaves: Educação, MST, Reforma agrária, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1 Graduado em Serviço Social pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas FACISA, Pós-graduado em Gestão Ambiental pela Faculdade Apogeu, atualmente é coordenador local do Núcleo de Assistentes Sociais NAS/Januária, atuou no Centro de Educação para o Trabalho Virgilio Resi CEDUC em 2008, no Centro de Referência Especializado da Assistência Social CREAS de Arinos/MG em 2009/2010, no programa Oficina de Travessias/Mães de Minas em 2010/2011, na Equipe Volante do CRAS do município de Januária/MG em 2012, atualmente é Assistente Social do Centro de Referência da Assistência Social CRAS do município de Januária e Assistente Social da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados APAC de Januária/MG. de contato é

2 2 INTRODUÇÃO Nada começa nem termina: continua O presente artigo é fruto de uma pesquisa realizada junto aos militantes do movimento dos trabalhadores sem-terra MST, que encontram-se pré-assentados na fazenda sanharó/mg, no qual, o universo pesquisado objetivava analisar as propostas políticas, sociais e econômicas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) na Fazenda Sanharó denominada Pré-assentamento Estrela do Norte nos últimos dois anos, sendo uma das temáticas abordadas a importância e reivindicação da política de educação ocorrer no interior do assentamento, tendo como base a metodologia do próprio movimento, como fonte de conhecimento e preparo para o mercado de trabalho dos militantes. Neste sentido, a fazenda Sanharó situa-se a 24 quilômetros do município de Montes Claros/MG, e esta localizada na Estrada da Produção. A fazenda foi ocupada no dia 24 de abril de 2003, com uma área de aproximadamente 790 hectares. A ocupação inicial segundo Feitosa; Zuba; Junior (2006) foi feita por quatrocentas famílias. Em setembro de 2005, de acordo com a avaliação constante no laudo pericial do INCRA, estão assentadas 31 famílias, no qual, Feitosa; Zuba; Júnior, (2006) evidencia que em 2007 estão assentadas cerca de cento e vinte pessoas, com uma média de três a quatro membros para cada família. Conforme informações da Regional Norte de Minas do MST, nos últimos dois anos de ocupação, os trabalhadores acampados produziram cerca de oito mil sacas de milho, três mil sacas de feijão catador e cento e vinte sacas de andu. Entre melancias e abóboras, foi colhida uma quantidade suficiente para encher mais trinta caminhões. Segundo integrantes do MST, e como coloca Feitosa; Zuba; Junior (2006), a Fazenda Sanharó passou a ser denominado Acampamento Estrela do Norte, devido ter sido a primeira área em que se concretizou a ocupação promovida pelo MST no Norte de Minas Gerais. A fazenda ainda está em processo de pré-assentamento e atualmente se encontram cerca de 20 famílias no seu interior de acordo pesquisa e entrevista realizada. É pertinente enfatizar que a gênese do então Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra - MST é determinada por vários fatores, no qual, destaca-se os aspectos políticos,

3 3 sociais e econômicos sofridos tanto no meio urbano quanto no meio rural, contra segundo Fernandes (1999) a expropriação e exploração do capitalismo, sendo esta luta marcada também pelo processo de redemocratização do país. Cabe ressaltar que este processo de redemocratização envolveu não só os movimentos sociais como também algumas instituições interessadas na abertura política do país, como por exemplo, a Igreja Católica através da Comissão Pastoral da Terra (CPT) que desenvolveu vários trabalhos no campo juntamente com os movimentos sociais em especial o MST. [...] o MST nasceu na Pastoral da Terra e as primeiras ações de luta pela terra foram às ações construídas pensadas a partir do trabalho da comissão pastoral da terra, esse negocio de ir às bases, ouvir as bases etc... Foi criando a resistência dos posseiros na margem legal, e foi constituindo também as lutas pelas terras aqui no Rio Grande do Sul e depois, na lagoa da barragem do Itaipu são os dois focos iniciais de surgimento de luta pela terra e foi um trabalho pastoral da Igreja. (GORGEN, apud, VIAL, 2003, p. 242). 2 Segundo Stédile (2005), a formação do MST se dá através das guerras incansáveis dos posseiros defendendo suas terras contra os grileiros, uma vez que os sem-terra organizamse e entram na luta para terem um pedaço destas terras. As ligas camponesas, os sindicatos de trabalhadores rurais e o movimento dos trabalhadores rurais sem-terra (MST) são alguns das organizações que se colocaram à frente dessas lutas. [...] é possível constatar que o MST torna-se uma referência entre os movimentos sociais do Brasil e, em certa medida, também fora dele, sendo identificado como um exemplo de luta e de organização a seguir, sempre que estiver em questão à conquista de direitos e a busca de mais dignidade para todos. (CALDART, 2004, P.26). Para Fernandes (1999), a luta pela terra completa mais de quatrocentos anos de existência, sendo o MST uma das organizações descendentes destas lutas referentes à terra como também a dos negros escravizados com seus quilombos que se mobilizavam reivindicando uma sociedade mais livre, a luta de Canudos, do contestado, do cangaço entre 2 Citação retirada do livro de GORGEN, Sergio Antônio. A resistência dos pequenos gigantes: a luta e a organização dos pequenos gigantes. Petrópolis: Vozes, 1998.

4 4 varias outras que deixaram como herança para gerações futuras a coragem, dignidade e honra para lutarem pelos seus direitos, ou seja, desde as duas ultimas décadas o MST é um movimento social de maior expressão no campo em que diz respeito a luta e por uma vida mais digna e igualitária seguindo assim os passos deixados pelas gerações passadas. [...] O MST é a organização camponesa que herdou a dignidade das lutas dos quilombolas, de canudos, de contestado, das ligas camponesas entre outras importantes lutas históricas, que mais do que fatos do passado são memórias persistentes que nos ajudam a compreender o presente e a pensar o futuro. Portanto, a luta camponesa pela terra no Brasil não é fato do passado, é um fenômeno de todo o tempo de existência do latifúndio. (FERNANDES, 1999, p.8). Com isso na década de 80, o MST desenvolveu uma nova organização, que passou a participar ativamente da luta pela terra, cuja sua atuação segundo Stédile (2005), se dá especialmente nos Estados do sul do país, mas os trabalhadores e trabalhadoras envolvidos nas lutas expandem o seu campo de atuação para diferentes Estados, sindicalistas e agentes pastorais (Igreja Católica) começam a articular suas reivindicações, materializando-as assim no primeiro encontro do movimento dos trabalhadores rurais (MST) ocorrido em Nascia oficialmente o MST que mesmo perante as contradições existentes nos âmbitos sociais, políticos e econômicas perdura-se há mais de duas décadas em busca da tão sonhada Reforma Agrária. Como a maioria dos precursores do MST era proveniente do Sul do Brasil, o Paraná foi o primeiro estado a sediar a luta. Lá, os expulsos da área de Itaipu e outros adeptos formaram o Movimento de Agricultores Sem-Terra do Sudoeste do Paraná Máster. Em 1984, realizou-se em Cascavel, Paraná, o 1º encontro Nacional do MST. Para todos os efeitos, essa data é tida como a inauguração oficial do movimento. (STRAZZACAPPA, 2006, p. 50). No Brasil, o movimento dos sem-terra aparece como um dos principais movimentos sociais, problematizando o futuro do país com seus milhares de marginalizados, ou excluídos, oriundos do campo, vítimas de políticas agrárias e agrícolas que favorecem os latifundiários. Todos estes movimentos referentes à terra inserem-se na luta (debate) pela reforma agrária. Stédile (2005) destaca o Brasil como único país entre todos os países latinoamericanos a não realizar a reforma agrária em massa, o que faz motivar ainda mais a luta

5 5 destes movimentos para que um dia esta possa acontecer. Para Scolese (2005), o MST prima por uma reforma agrária que inclua a distribuição de terra para todos que nela pretendem trabalhar e viver, com o cumprimento de sua função social 3, assumindo assim um caráter revolucionário, visando transformar a estrutura fundiária que estar enraizada no país. Ou seja, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra - MST, ver na luta pela terra uma possibilidade de sobrevivência e continuidade da vida, no qual, busca solucionar diversas demandas sociais emergentes que vão além da complexa luta pela reforma agrária, até uma possível política de educação dentro dos acampamentos e assentamentos com base nos preceitos do movimento. Não obstante o movimento reivindica uma política eficaz referente às questões fundiárias bem como de seguridade social e outras que venham de encontro os princípios e objetivos do movimento. Nesta direção, o MST é considerado como educador enquanto movimento social e cultural. Sua presença, suas lutas, sua organização, seus gestos, suas linguagens e imagens são educativas, nos interrogam, chocam e sacodem valores, concepções, imaginários, cultura e estruturas. Constroem novos valores e conhecimentos, nova cultura política. Formam novos sujeitos coletivos. (CALDART, 2004, p.11). Com isso, a educação é mais uma reivindicação legitima do MST que se não bastasse o reconhecimento Constitucional à educação também é reconhecida como um direito de todos como posto na lei de diretrizes e bases da educação - LDB lei número 9.394/96, que vem colocar no seu artigo 1º: A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa. Nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. 1º esta lei disciplina a educação escolar, que se desenvolve, predominantemente, por meio do ensino, em instituições próprias. 2 a educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social. (COLETÂNEA DE LEIS, 2005, p.296). 3 Função Social: A idéia de função social do imóvel rural aparece na Antigüidade com o filósofo grego Aristóteles, que assegurava que os bens se deveria dar uma destinação social. No seu pensamento, o homem tinha o direito de ter propriedades para manter o seu bem- estar e sustento, mas, devia, também, servir aos objetivos sociais. (LISITA, 2004, p.109).

6 6 É sabido que a luta pela reforma agrária é o objetivo central do MST, mas o movimento entende que sem conhecimento teórico e metodológico dos militantes dificilmente se terá êxito nas suas ações e reivindicações, uma vez que o acesso à terra só será possibilitado através de um amplo processo de organização e argumentação política, econômica, sustentável e fundiária. Neste sentido os movimentos e a população camponesa de forma geral enfrentam dificuldades na inserção de uma política de educação no seu interior, pois mesmo após a promulgação da carta Constitucional de 1988 e a aprovação da lei / 96 LDB que juntas às respectivas leis reconheceram e legitimaram a educação como direito de todos e como uma política pública gratuita, e de dever do Estado em provê-la, não conseguiu contemplar na sua amplitude as populações camponesas e comunidades tradicionais que se localizam em distâncias consideráveis do âmbito urbano. Sem falar da falta de transportes escolares e das condições adversas das estradas rurais, sendo este já um problema que ultrapassam os limites da política educacional, ou seja, de responsabilidade dos estes federativos. Fato é que mais uma vez o homem do campo tem seus direitos violados, negligenciados e usurpados pelas três esferas de governo nos seus âmbitos federal, estadual e municipal que tratam a questão social no campo de forma em que prevalece um descaso desmedido. É pertinente enfatizar que houve um avanço referente o direito a terra e suas nuances, mas ainda não suficiente para agregar a todas as famílias que se encontra desprovidas de moradia. De acordo Caldart (2004) convém não distanciar, do horizonte de análise, a função do Estado, de provedor de qualidade de vida da população, bem como de equidade. Nesta perspectiva, o aparelho estatal define políticas públicas e sociais e elege estratégias para operacionalizá-las, dentre elas encontra-se a política de educação. É notório que a questão agrária brasileira esta intrinsicamente relacionado com exclusão social no país, uma vez que atinge um grande contingente populacional no campo, envolvendo outros problemas como serviço semiescravo, violência, miséria, fome e principalmente a falta de um pedaço de terra para subsistência das famílias que se encontra em situação de vulnerabilidade e risco social.

7 7 Nesta ótica o MST compreende que a política de educação nos seus assentamentos e acampamentos possa propiciar a inclusão, promoção e protagonismo das famílias camponesas, pois o seu setor de educação também esta baseado nos artigos da LDB, como posto no artigo 2 que vem colocar: A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. (COLETÂNE DE LEIS, 2005, p. 296). Para Feitosa; Zuba; Junior (2006), o setor de educação vem ganhando importância no interior do movimento, principalmente no que diz respeito ao desenvolvimento pessoal dos seus militantes, pois ao conquistar a terra, os jovens assentados constituem famílias, as quais passam a priorizar a educação de seus filhos (as). Ou seja, considera-se a educação do campo um meio viável para transforma a realidade dos integrantes do movimento, além de ser essencial para amparar a luta pela terra e por uma sociedade mais justa, não sendo assim um movimento afônico. Com tudo é de fundamental importância para o MST, projetos, auxílios e programas que venham proporcionar a construção de escolas no seu interior, no qual, este é o grande objetivo do movimento que segundo Caldart (2004), principalmente para os movimentos que já estão assentados, uma vez que estes possuem a terra, mas precisam de investimento por parte do governo para criação de infraestrutura entre elas escolas. Tendo assim o intuito de proporcionar uma melhor compreensão da realidade dos seus militantes e melhoria na qualidade de vida deste, no que diz respeito aos direitos humanos e fundamentais previstos pela Constituição e Declaração dos Direitos Humanos de De acordo a LDB, os movimentos são esforços organizados de construção e organização coletiva, além de espaços alternativos, pois a educação passa a ser um meio desta integração entre os seus membros, assegurando aos militantes o acesso à educação básica, infantil, ensino fundamental, ensino médico e superior. Para com isso garantir acesso ao conhecimento aos integrantes dos movimentos sem-terra, com fins, de tais serem protagonistas da sua própria história, no âmbito individual e coletivo, no qual, faz-se necessário planta, colher e cultivas os frutos concretos advindos do suor de cada militante

8 8 em prol de uma vida digna que rege-se na égide dos direitos fundamentais inerentes a pessoa humana. Nesta ótica, a escola e uma instituição para fortalecer, engrandecer e propiciar alternativas frente às ações desenvolvidas pelos movimentos sociais, em destaque o MST, que luta para que haja escolas no seu interior, para assim ensinar os seus militantes de acordo sua própria metodologia que se diferencia das demais, principalmente para as crianças e os adolescentes que são vistas como o futuro do movimento, transformando o conhecimento adquirido em frutos concretos que venham beneficiar não só o MST, mas todos os movimentos sociais que se identificam pelos mesmos ideais, em busca de novos horizontes de novos tempos mais justos e mais solidários. A pedagogia do movimento toma como ponto de partida a metodologia do grande mestre pedagogo Paulo Freire, educador do povo que, com seu método, conseguiu educar de forma diferente. Esse educador via na educação um caminho de verdadeira libertação da pessoa humana. A pedagogia do movimento fundamentase também em Che Guevara e Makarenko. (FEITOSA; ZUBA; JUNIOR, 2006, p. 207). Diante o exposto, o MST propõe os seus princípios pedagógicos baseados nos princípios filosóficos, no qual este realiza uma análise da realidade social mais aprofundada tendo o homem como base para seus estudos. O movimento ver nos seus princípios pedagógicos uma forma de terem a educação como transformador social, aberta para o mundo e para o novo, para o trabalho em cooperação, enfim voltadas para as várias dimensões da pessoa humana, tendo sua própria visão, concepção e conotação do homem, da sociedade e do mundo. [...] olhar para a formação dos sem-terra e enxergar o MST também como um sujeito pedagógico, ou seja, como uma coletividade em movimento, que é educativa e que atua internacionalmente no processo de formação das pessoas que a constituem. (CALDART, 2004, p. 315). PRINCIPIOS PEDAGÓGICOS DO MST: A EDUCAÇÃO COMO SUJEITO FUNDAMENTAL NESTE CONTEXTO

9 9 O princípio pedagógico do movimento se baseia em suas variadas especificidades como valores, costumes, princípios, crenças, rumos e definições, ou seja, no seu próprio jeito, forma e modo de pensar, ensinar e fazer a educação, no que tange as suas perspectivas e possibilidades de luta, para que um dia se possa ter boa parte dos militantes bem fundamentados, críticos e propositivos, no qual tenham embasamento teórico para discutir, questionar e argumentar a ineficiência dos governantes frente à omissão que ocorre na zona rural como também com a política de reforma agrária que para estes representa muito mais do que apenas a terra, mas sim um direito a uma vida digna. Para tanto a educação e fundamental e de extrema importância na construção, consolidação e fortalecimento da cidadania, tanto no campo quanto na cidade tendo com estas novas visões frente velhas questões, fincando assim a bandeira da educação para todos e de todos se distinção de qualquer condição social e econômica. É através de seus objetivos, princípios, valores e jeito de ser que o movimento intercionaliza suas práticas educativas, ao mesmo tempo em que, aos poucos, também começa a refletir sobre elas, à medida que se dá conta de sua tarefa histórica: além de produzir alimentos em terras antes aprisionadas, pelo latifúndio, também deve ajudar a produzir seres humanos ou, pelo menos, ajudar a resgatar a humanidade em quem já imaginava quase perdida. (CALDART, 2004, p.316). A escola do MST voltada para a educação no campo tem várias expressões, dimensões, conotações e perspectivas frente à realidade dos assentamentos, sendo sua pedagogia vinculada com a práxis social no seu interior, ou seja, das práticas vivenciadas por meio dos movimentos sociais, às experiências e lutas advindas do dia-a-dia dos militantes. Segundo Feitosa; Zuba; Junior (2006), As lições pedagógicas baseiam-se nas pessoas que se encontram no interior de determinado movimento, pois estes se educam, aprendem a produzir e reproduzir, como também trabalhar em coletividade tendo como base fundamental a sua cultura e histórias de lutas no campo. A luta nos assentamentos é para que nenhuma criança e jovem fique fora da escola e nenhum adulto fique sem saber ler e escrever. A concepção de educação do MST

10 10 possibilita vários aspectos teóricos, ideológicos e as diversas práticas educacionais. Em todo o país, o movimento pretende educar crianças de até seis anos, estabelecer escolas de 1º a 8º série nos acampamentos e assentamentos e alfabetizar e pós-alfabetizar jovens e adultos que não tiveram acesso aos estudos utilizando os princípios educacionais do MST. (FEITOSA; ZUBA; JUNIOR, 2006, p. 210). Nesta lógica o MST objetiva promover educação para crianças, jovens e adultos, baseando-se na convicção de que todos (as) as pessoas têm direito de aprender, independente de gênero, classe social, e/ou etnia, ou seja, se entende que a educação no campo deve assumir a identidade do meio rural, uma educação comprometida e voltada para quem vive e trabalha no campo, sendo a escola rural uma integração com a escola urbana nos níveis inicial, médio, técnico e superior e não uma oposição como coloca Caldart (2004). CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante este contexto, evidencia-se a necessidade dos movimentos sociais que lutam pelos preceitos da cidadania e dos direitos humanos, no qual, passa enxergar a educação como a menina dos seus olhos, ou seja, um meio de propagação do conhecimento a todos (as) militantes do movimento sem-terra de forma transversal e sistemática, não limitando-se apenas ao espaço da escola, mas em cada momento em que os militantes do Movimento se reúnem nas suas ações e manifestações, desde o processo de ocupação até a (re)elaboração do projeto político-social construído coletivamente nos Encontros Nacionais e demais manifestações ou reuniões, tendo como base o seu passado de luta para assim construir o futuro no presente. Neste sentido a educação passa a ser o autor principal na formação de uma nova cultura que está se proliferando e transformando o sistema capitalista de forma gradativa, mas consistente, no qual, as contradições são expostas e colocadas em evidência por meio das concepções de mundo de cada qual, pois a elevação cultural das massas assume importância decisiva neste processo, para que estas possam liberta-se da pressão ideológica

11 11 das velhas classes dirigentes e elevar-se à condição de protagonista da sua própria história. A batalha capital x classe trabalhadora apresenta-se, portanto, como fator decisivo no processo de luta pela hegemonia, na conquista do consenso e da direção político-ideológica por parte das classes subalternas, sendo a educação e consequentemente o conhecimento fundamental para a mudança de tal contexto. Não obstante o MST, além de propor uma nova organização do trabalho busca difundir seu projeto político-social através dos seus vários coletivos de organização. Além disso, tem procurado se apropriar de meios de comunicação de grande impacto como a televisão e de meio de informação restrito como a Internet, para atrair a opinião de intelectuais a favor da luta pela reforma agrária e de educação de qualidade para os seus militantes. Por fim, cabe ressaltar que o momento em que vive o MST é pleno de desafios, mais do que nunca é preciso ter coragem e esperança para enfrentar as dificuldades e vicissitudes sociais decorrentes do ciclo natural da vida humana postas no dia a dia dos militantes, pois faz-se necessário resistir e sonhar, para assim buscar novos horizontes, sendo a política de educação no interior dos assentamento e acampamentos um e/ou o agente fundamental para as mudanças de paradigmas e estruturas enraizadas que culminam o interior da sociedade, tendo sempre em vista novos tempos, mais humanos, justos e solidários.

12 12 REFERÊNCIAS ARRUDA, José Jobson de A; PILETTI, Nelson. Toda a História: história geral e história do Brasil. 12 ed. São Paulo: Ática, 2003, p CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra. 3 ed. São Paulo: Expresão Popular, 2004, p COLETÂNEA DE LEIS. 4 ed. CRESS 6 Região, Gestão Expresso Gerais 2005 / FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONCELLOS, Ana Cristina de. Manual para Normalização de Publicações técnico-científica. 7 ed. Belo Horizonte: UFMG, 2004, p FEITOSA, Antonio Maurilio Alencar; ZUBA, Janete Aparecida Gomes; JUNIOR, João Cleps. De baixo da Lona: tendências e desafios regionais da luta pela posse da terra e da reforma agrária no Brasil. Goiânia: UCG, 2006, 279p. FERNANDES, Bernardo Mançano. MST: formação e territorização. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 1999, p FERNANDES, Bernado Mançano. Questão Agrária, Pesquisa e MST. São Paulo: Cortez, 2001, 120p. FIGUEIRA, Divalte Garcia. História. São Paulo: ÁTICA, 2004, p FORACCHI, Marialice Mencarini; MSRTINS, José de Sousa. Sociologia e Sociedade: leituras de introdução à sociologia. 23 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2004, p GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projeto de Pesquisa. São Paulo; Atlas. 1996, p GHON, Maria da Glória. Os Sem-Terra, ONGs e Cidadania. 2 ed. São Paulo: Cortez, GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais e Educação. 5 ed. São Paulo: Cortez, GOHN, Maria da Glória. Historia dos Movimentos e Lutas Sociais: A Construção da Cidadania dos Brasileiros. 3 ed. São Paulo: Loyola, 2003, p GOHN, Maria da Glória. Teoria dos Movimentos Sociais. Paradigmas Clássicos e Contemporâneos. 4 ed. São Paulo: Loyola, 2004, p GOHN, Maria da Glória (org.). Movimentos Sociais no inicio do século XXI: Antigos e novos atores sociais. 2 ed. Petrópolis, 2004, 143p. GOHN, Maria da Glória. O Protagonismo da Sociedade Civil: Movimento Social, ONGs e Rede Solidária. São Paulo: Cortez, 2005.

13 13 IAMAMOTO, Marilda. V. A questão social no capitalismo. Temporalis, nº 3. Brasília: ABEPESS, 2001, p IAMAMOTO, Marilda. V. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2004, 326p. IANNONE, Roberto Antonio. A Revolução Industrial. 11 ed. São Paulo: Moderna, 1992, p KADT, Emanuel de. Católicos Radicais no Brasil. João Pessoa: Universitária UFPB, 2003, p LINHARES, Maria Yedda (org.). História Geral do Brasil. 9 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1990, p LISITA, Cristiane. Fundamentos da Propriedade Rural: Conflitos Agrários e Justiça Social. Belo Horizonte: Mandamentos, 2004, p MARCONI, Mariana de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragem e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 1990, p MARTINS, José de Souza. Reforma Agrária: O impossível Diálogo. São Paulo: Edusp. 2000, p MARTINELLI, M. L. Serviço Social: Identidade e Alenação. São Paulo: Cortez, MARX, K. Prefácio à contribuição à crítica da Economia Política. São Paulo, Ed. Sociais, NETO, Canrobert Costa. Política Agrária na Bolívia ( ): Reforma ou Revolução? São Paulo: Expressão Popular, 2005, 203p. OLIVEIRA, Ariovaldo U. A Geografia das Lutas no Campo: Conflito e violência Movimento Sociais e resistência os Sem-Terra e o neoliberalismo. São Paulo: Contexto OLIVEIRA, Juarez de. Constituição de República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 1992, p OLIVEIRA, Marcos Fábio Martin de (et al). Formação Social e Econômica do Norte de Minas. Montes Claros: Unimontes, 2000, p PERREIRA, José Edgard Pena Amorim. Perfis Constitucionais das Terras Devolutas. Belo Horizonte: Del Rey. 2003, p PEREIRA, Willian César Castilho. Nas Trilhas do trabalho comunitário e social: teoria, método e prática. 2 ed. Belo Horizonte: Vozes, 2002, p

14 14 QUINTANEIRO, Tania; BARBOSA, Maria Ligía de O; OLIVEIRA, Márcia Gardênia de. Um Toque de Clássicos: Durkheim, Marx e Weber. Belo Horizonte: UFMG, 1995, p ROCHA, Olavo Acyr de Lima. A desapropriação no Direito Agrário. São Paulo: Atlas, 1992, p STÉDILE, João Pedro; FERNANDES, Bernardo Mançano. Brava Gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1999, p STÉDILE, João Pedro (org), História e Natureza das ligas camponesas. São Paulo: Expressão Popular, STÉDILE, João Pedro. Questão Agrária no Brasil. 10 ed. São Paulo: Atual, SCHIMIDT, Mario. Nova História Crítica. São Paulo: Nova Geração, 2004, p SILVEIRA, Ubaldo. Igreja e Conflito Agrário: a comissão pastoral da terra na região de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto: UNESP, 1998, p SILVEIRA, Ubaldo. Reforma Agrária: A esperança dos Sem-terra. Franca: UNESP, 2003, 122p. SCOLESE, Eduardo. Reforma Agrária. São Paulo: Pública folha, 2005, 109p. STRAZZACAPPA, Cristina. A luta pelas terras no Brasil: das sesmarias ao MST. São Paulo: Moderno, 2006, 111p. STROZAKE, Juvelino José, org. A Questão Agrária e a Justiça. São Paulo: Revista dos Tribunais. 2000, p VIAL, Sandra Regina Martini. Propriedade da terra: análise sócio-jurídica. Porto Alegre: Do Advogado, 2003, 279p.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3.

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3. PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, Erineu - UFES GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: PRONERA/Ação Educativa 1. Tema O curso Pedagogia da Terra/ES

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: GESTÃO DEMOCRÁTICA.

EDUCAÇÃO DO CAMPO: GESTÃO DEMOCRÁTICA. EDUCAÇÃO DO CAMPO: GESTÃO DEMOCRÁTICA. Edson Marcos de Anhaia Coordenador Geral de Educação do Campo SECADI/MEC Contexto de origem da Educação do campo: participação de gestão democrática A situação da

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

MST PRECURSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO BRASIL

MST PRECURSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO BRASIL MST PRECURSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO BRASIL Carlos Odilon da Costa FURB/BLUMENAU CARLOSODILONCOSTA@GMAIL.COM Naiara Gracia Tibola FURB/BLUMENAU RESUMO O artigo é resultado de pesquisas bibliográficas

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE Ana Jéssica Soares Barbosa¹ Graduanda em Ciências Agrárias ajsbarbosa_lca@hotmail.com Centro de Ciências

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO

O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO TESSMANN, Jéssica Moara da Cunha Universidade Federal de Pelotas UFPel (jessica_tessmann@hotmail.com) DAL MOLIN, Adriana Universidade

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS Resumo O Teia é um Programa que objetiva consolidar e articular 31 projetos de extensão que compartilham concepções, práticas e metodologias baseadas

Leia mais

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria Elizete Guimarães Carvalho 1 Resumo Discute as experiências vivenciadas no Projeto de Extensão Educando Jovens

Leia mais

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL, Thais Nogueira UFMG - thaisgil@terra.com.br- GT: Trabalho e Educação/ 09 Agência Financiadora: FUNADESP Este texto apresenta

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 RESUMO Nos CEFFAs o processo de ensino e aprendizagem se

Leia mais

Educação do Campo: em busca de uma política pública para formação de professores do campo.

Educação do Campo: em busca de uma política pública para formação de professores do campo. Educação do Campo: em busca de uma política pública para formação de professores do campo. Fábio Dantas de Souza Silva Celma Borges Gomes RESUMO Os movimentos sociais do campo colocaram na agenda política

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI GUTEMBERG_GEOGRAFO@HOTMAIL.COM DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO A formação geo histórica da Pedagogia da Alternância

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

A CIRANDA INFANTIL DO MOVIMENTO SEM TERRA NO BRASIL: FORMAÇÃO POLÍTICA NA INFÂNCIA

A CIRANDA INFANTIL DO MOVIMENTO SEM TERRA NO BRASIL: FORMAÇÃO POLÍTICA NA INFÂNCIA A CIRANDA INFANTIL DO MOVIMENTO SEM TERRA NO BRASIL: FORMAÇÃO POLÍTICA NA INFÂNCIA Dayane Santos Silva Dalmaz 1 - UNICENTRO dayanemitsue@hotmail.com Daiane Scarmocin UNICENTRO daya_scar@hotmail.com Eixo

Leia mais

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana,

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana, DESAFIOS DA ALFABETIZAÇÃO/ LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO DA AMAZÔNIA PARAENSE: ANÁLISE A PARTIR DAS NARRATIVAS DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE CURRALINHO Resumo Heloisa

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

Gilcélia Batista de Gós 1. Maria Ivonete Soares Coelho 2 RESUMO

Gilcélia Batista de Gós 1. Maria Ivonete Soares Coelho 2 RESUMO Os programas sociais como instrumentos para efetivação dos direitos sociais: uma análise do programa de assistência técnica social e ambiental e a intervenção do (a) assistente social. Gilcélia Batista

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ Resumo SOUZA, Maria Antônia de UTP maria.antonia@pq.cnpq.br Este trabalho tem o intuito de caracterizar as ações governamentais que vêm sendo

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO Quanto à Educação do Campo Superar as discrepâncias e desigualdades educacionais

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernanda Oliveira Fernandes 1 José Heleno Ferreira 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca da educação integral

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

TRABALHO E EDUCAÇÃO: a experiência da Escola Família Agrícola na Cidade de Goiás (GO) 1

TRABALHO E EDUCAÇÃO: a experiência da Escola Família Agrícola na Cidade de Goiás (GO) 1 TRABALHO E EDUCAÇÃO: a experiência da Escola Família Agrícola na Cidade de Goiás (GO) 1 Cláudia Lúcia da Costa Professora Assistente Substituta do Curso de Geografia da Universidade Federal de Goiás Campus

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

DERRUBANDO AS CERCAS DO CONHECIMENTO: A educação no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (Brasil)

DERRUBANDO AS CERCAS DO CONHECIMENTO: A educação no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (Brasil) Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, pp.5-10, Jan/Jun 2003 DERRUBANDO AS CERCAS DO CONHECIMENTO: A educação no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (Brasil) Júlio Emílio Diniz Pereira Universidade

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER,

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, Adriana UNIPLAC adriana.kremer@bomjesus.br GT: Educação Popular/ n.06 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS EDUCADORES DO CAMPO: A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DA ESCOLA CAMPONESA MUNICIPAL CHICO MENDES

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS EDUCADORES DO CAMPO: A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DA ESCOLA CAMPONESA MUNICIPAL CHICO MENDES FORMAÇÃO CONTINUADA DOS EDUCADORES DO CAMPO: A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DA ESCOLA CAMPONESA MUNICIPAL CHICO MENDES Francielle de Camargo Ghellere1 Maria Edi da Silva Camilo2 Resumo Este artigo representa

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO NO/ DO CAMPO: viabilidade ao longo do processo histórico RESUMO

POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO NO/ DO CAMPO: viabilidade ao longo do processo histórico RESUMO POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO NO/ DO CAMPO: viabilidade ao longo do processo histórico Autor: Ivanilson Batista da Silva PRONERA-UFPB e-mail: Ivanylsonbraga@hotmail.com co-autora: Maria da luz dos Santos

Leia mais

ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1

ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1 ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1 Eduarda Nicola 2 Gabriela Geron³ INTRODUÇÃO A gestão democrática escolar está prevista na

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Rozieli Bovolini Silveira 1 Diane Santos de Almeida 2 Carina de Souza Avinio 3 Resumo: A educação inclusiva e processo de educação de pessoas

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. Tema: Educação Inclusiva. Palestrante: Professor Nivaldo Vieira Santana Inicialmente desejo agradecer aos organizadores

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1 CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina FACULDADE MARECHAL RONDON/ UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

MOVIMENTO SOCIAL DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UMA PESQUISA BIBLIOMÉTRICA

MOVIMENTO SOCIAL DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UMA PESQUISA BIBLIOMÉTRICA 1 MOVIMENTO SOCIAL DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UMA PESQUISA BIBLIOMÉTRICA Autores: SOUZA, Juliana S., mestranda CTS UFSCar; Maria Zanin, professora Doutora CTS USFCar Email dos autores: soares.s.juliana@gmail.com;

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

MOVIMENTO SEM TERRA: lições de Pedagogia

MOVIMENTO SEM TERRA: lições de Pedagogia Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, pp. 50-59, Jan/Jun 2003 MOVIMENTO SEM TERRA: lições de Pedagogia Roseli Salete Caldart Coletivo Nacional de Educação do MST e Instituto Técnico de Capacitação e Pesquisa

Leia mais

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil Raimundo Jackson Nogueira da Silva, Secretaria Municipal de Educação de Canindé-CE, e- mail: raimundojackson@hotmail.com.

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: POLÍTICAS PÚBLICAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. PALAVRAS-CHAVE: Educação do campo; Políticas públicas; Práticas pedagógicas.

EDUCAÇÃO DO CAMPO: POLÍTICAS PÚBLICAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. PALAVRAS-CHAVE: Educação do campo; Políticas públicas; Práticas pedagógicas. EDUCAÇÃO DO CAMPO: POLÍTICAS PÚBLICAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Edenir Kelin,(PG - Dom Bosco), ede_kelin@hotmail.com Marinalva Borges Ferreira,(PG -Dom Bosco), maripechim@hotmail.com Leonir Borges, (OR- Instituto

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: O PROFESSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO E SUAS DIFICULDADES QUANTO À FORMAÇÃO INICIAL

FORMAÇÃO DOCENTE: O PROFESSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO E SUAS DIFICULDADES QUANTO À FORMAÇÃO INICIAL FORMAÇÃO DOCENTE: O PROFESSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO E SUAS DIFICULDADES QUANTO À FORMAÇÃO INICIAL Jailda Evangelista do Nascimento Carvalho (UFS) Alecrisson da Silva (PIO DÉCIMO) Joaquim Cardoso da Silveira

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG.

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. ELIANA GARCIA VILAS BOAS* LEANDRA DOMINGUES SILVÉRIO** Ao participar dos debates propostos pela Linha de Pesquisa:

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Companheiras e companheiros de caminhada, nossas sinceras saudações. Há aqueles que lutam um dia; e por isso são

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores.

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ESCREVENDO SUA PRÓPRIA HISTÓRIA: UM RELATO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO MUNICÍPIO DE BOA VENTURA DE SÃO ROQUE/PR E O PAPEL DA GEOGRAFIA NESSE CONTEXTO

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO MUNICÍPIO DE BOA VENTURA DE SÃO ROQUE/PR E O PAPEL DA GEOGRAFIA NESSE CONTEXTO EDUCAÇÃO DO CAMPO: AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO MUNICÍPIO DE BOA VENTURA DE SÃO ROQUE/PR E O PAPEL DA GEOGRAFIA NESSE CONTEXTO Resumo Antonio Alessandro Onyszko 1 - UNICENTRO Grupo

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG Introdução Aline Aparecida Angelo O debate sobre a formação

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua das Ameixeiras, 119 Núcleo Cristo Rei Fone/Fax: 0xx 42 3624 3095 CEP 85060-160 Guarapuava Paraná PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 Professor(a):

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais