RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS"

Transcrição

1 RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Câmara Municipal de Sines Sines, 27 de Setembro de

2 Objectivos principais do novo RJET: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta 2

3 Simplificação Simplificação legislativa concentração num único diploma e conciliação com os princípios decorrentes da Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro Simplificação das tipologias empreendimentos turísticos de Simplificação de procedimentos 3

4 Responsabilização Regulação pelo risco Princípio da confiança Melhor fiscalização Clarificação das entidades competentes Agravamento das sanções por incumprimento 4

5 Qualificação pela oferta Qualidade dos serviços e das instalações Revisão periódica da classificação Sistema de pontos para a classificação dos estabelecimentos hoteleiros, dos aldeamentos e apartamentos turísticos e, ainda, dos hotéis rurais 5

6 Simplificação Simplificação das tipologias de empreendimentos turísticos 6

7 Aldeamentos Turísticos (3* a 5* ) Estabelecimentos Hoteleiros Hotéis (1* a 5*) Hotéis-Apartamento (1* a 5*) Pousadas Empreendimentos de Turismo de Habitação Apartamentos Turísticos (3* a 5* ) EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Parques de Campismo e Caravanismo Conjuntos Turísticos (resorts) Empreendimentos de Turismo Rural Casas de Campo Agro-turismo Hotéis Rurais (3* a 5*) Empreendimentos de Turismo de Natureza 7

8 Turismo de Natureza Adopta qualquer das tipologias previstas para os ET Assente em modelo de Certificação (pelo ICNB) Adesão a sistema de boas práticas ambientais Participação em projecto de conservação da natureza e da biodiversidade 8

9 Disposição fundamental: Os empreendimentos turísticos, os empreendimentos de turismo no espaço rural e as casas de natureza existentes dispõem até 31 de Dezembro de 2010, contado a partir da data de entrada em vigor do presente DL, para se reconverterem nas tipologias e categorias agora estabelecidos, (nº 2 do art. 75º do Dec. Lei nº 39/ , de 7 de Março) 9

10 Reconversão - Procedimento aplicável não só às tipologias eliminadas, mas também a todos os outros empreendimentos existentes. Tipologias / Actual Regime Estabelecimentos hoteleiros (hotéis, hotéis-apartamentos, pousadas) Aldeamentos Turísticos Apartamentos Turísticos Conjuntos Turísticos (resorts) Empreendimentos de Turismo de Habitação Empreendimentos de Turismo no Espaço Rural ( casas de campo, agro-turismo e hotel rural ) Parques de Campismo e Caravanismo Empreendimentos de Turismo de Natureza Tipologias Eliminadas Pensões Estalagens Motéis Moradias Turísticas Turismo Rural (TER) Casas de Abrigo (TER) Parques de Campismo Rural Centros de Acolhimento Casas-Retiro Turismo de Aldeia Até 31 de Dezembro de Isenção do pagamento de taxas 10

11 Reconversão até Despacho n.º 10376/2009 SET, (DR nº 77 - IIªS, de 21 de Abril) ISENÇÃO DE TAXAS DE RECONVERSÃO 11

12 Reconversão No pedido de reconversão (a endereçar ao Turismo de Portugal, IP, ou à Câmara Municipal, consoante a entidade competente para a classificação) deverá ser indicada a classificação pretendida. Nota: aconselha-se que seja testada a classificação pretendida 12

13 Reconversão Pedido a endereçar ao Turismo de Portugal, IP, os: Estabelecimentos hoteleiros Hotéis e Hotéis Rurais Hotéis-Apartamento (Aparthotéis) Pensões Motéis Estalagens Pousadas Antigos MCATs Aldeamentos Turísticos Apartamentos Turísticos 13

14 Reconversão Pedido a endereçar à Câmara Municipal, os: Empreendimentos de Turismo no Espaço Rural Turismo de Habitação Turismo Rural Agro-Turismo Turismo de Aldeia Casas de Campo Parques de Campismo Rurais Casas de Natureza Casas-Abrigo Centros de Acolhimento Casas-Retiro Parques de Campismo Públicos e Privativos 14

15 Reconversão Pedido de Reconversão da Classificação por parte do interessado Análise Prévia Auditoria de Classificação SI-RJET https://rjet.turismodeportugal.pt/ RJET_Portal/Home.aspx 1-Licenciamento 2-Comunicação prévia 3-Obras isentas de licença que careçam de comunicação ao Turismo de Portugal Entrega de formulários de reconversão e elementos complementares (alterações) Em Projecto A classificação de um empreendimento turístico consiste na atribuição da tipologia e a categoria desse empreendimento A auditoria de classificação consiste na verificação no local do cumprimento dos requisitos para a tipologia e categorias pretendidas As auditorias são realizadas pelo Turismo de Portugal, I.P. ou pelas Câmaras Municipais, dependendo da tipologia dos empreendimentos 15

16 ERT Alentejo ET's Classificados Total= ET's classificados_dependem TP Outras tipologias_não dependem do TP 16

17 ERT Alentejo Nº de reconversões em falta Total = Estab.Hotel AL_AT HR's 17

18 Concelho de Sines ET's classificados_dependem TP Outras tipologias_não dependem do TP Nº de reconversões em falta 18

19 Auditoria alguns aspectos práticos (DL nº 39/2008) Publicidade, documentação comercial e merchandising com indicação do respectivo nome e classificação, não podendo sugerir características que o empreendimento não possua Publicitação dos preços de todos os serviços oferecidos, de forma bem visível, na recepção Normas de funcionamento e de acesso ao empreendimento devidamente publicitada 19

20 Auditoria alguns aspectos práticos (DL nº 39/2008) Uso de sinais normalizados nas informações de carácter geral relativas ao empreendimento Livro de Reclamações Título Constitutivo (situações de propriedade plural) 20

21 Auditoria alguns aspectos práticos (DL nº 39/2008) Acessibilidade Todos os empreendimentos turísticos devem dispor de instalações, equipamentos e, pelo menos, de 1 unidade de alojamento, que permitam a utilização por utentes com mobilidade condicionada. Afixação do símbolo internacional de acessibilidade em local visível. 21

22 Auditoria alguns aspectos práticos (DL nº 39/2008) Acessibilidade Percurso acessível no interior e exterior do empreendimento. Número adequado de lugares de estacionamento. Instalações sanitárias comuns. Equipamentos de auto-atendimento Balcões e guichés de atendimento. 22

23 Auditoria alguns aspectos práticos (DL nº 39/2008) Acessibilidade - Período transitório 10 anos, contados da data de entrada em vigor do referido Decreto- Lei ( ) para os estabelecimentos instalados em edifícios cujo início de construção seja anterior a 22 de Agosto de anos contados da data de entrada em vigor do referido Decreto- Lei ( ) para os estabelecimentos instalados em edifícios cujo início de construção seja posterior a 22 de Agosto de 1997 Dispensas Câmara Municipal 23

24 Classificação Auditoria EH, AL, AT Requisitos Obrigatórios Comuns (art. 5º da Portaria nº 327/2008, de 28 de Abril) - CO Adequadas condições de higiene e limpeza, conservação e funcionamento; Insonorização de toda a maquinaria geradora de ruídos; Sistema de armazenamento de lixos; Sistema de iluminação de segurança; Sistema de prevenção de riscos de incêndio; Água corrente quente e fria; Telefone ligado à rede exterior. 24

25 Classificação outros requisitos Os estabelecimentos hoteleiros, os Aldeamentos Turísticos e os Apartamentos Turísticos, conforme a categoria pretendida, deverão: Cumprir um conjunto de requisitos obrigatórios; Cumprir um conjunto de requisitos opcionais requisitos opcionais, cujo somatório deverá ser igual ou superior ao mínimo exigível para a categoria pretendida 25

26 Classificação Portaria n.º 327/2008, de 28 de Abril Anexo I - Estabelecimentos Hoteleiros (Hotéis, Hotéis Apartamento, Pousadas e Hotéis Rurais) Anexo II - Aldeamentos Turísticos Anexo III - Apartamentos Turísticos 26

27 Classificação Exemplo (extracto da classificação de um Hotel de 3*) 1. Instalações Acessos Nº Requisitos Pontos 1 Entrada de serviço distinta da entrada para os utentes 10 Ob. Ob. Ob. 0 0 Parcial Total 2 Acesso privativo às unidades de alojamento 10 Ob. Ob. Ob. Ob Elevador quando o edifício tenha mais de 3 pisos, incluindo o r/c 15 Ob. Ob. NA NA Elevador quando o edifício tenha mais de 2 pisos, incluindo o r/c 15 Ob. Ob Zonas comuns 5 Local identificado de recepção (1) destinado ao check in, check out e informações aos hóspedes, que pode estar inserido em qualquer área de uso comum --- Ob. Ob. Ob. Ob. Ob Área ou áreas de uso comum onde possam ser prestados os serviços de refeições, pequenos-almoços ou bar --- Ob. Ob. Ob. Ob. Ob Instalações sanitárias --- Ob. Ob. Ob. Ob. Ob Área de estar equipada c/ mesas e sofás ou cadeiras 10 Ob. Ob. Ob Área bruta privativa (2) de estar, equipada, por unidade de alojamento, quando concorra para a área bruta de construção do empreendimento >1m²< 2,5m² = 5pts; >2,5m² <5m² =10pts; >5m² =15pts Climatização das áreas comuns c/ sistemas activos ou passivos que garantam o conforto térmico 10 Ob. Ob Climatização dos corredores de hóspedes c/ sistemas activos ou passivos que garantam o conforto térmico

28 Reconversão dispensa requisitos Existe a possibilidade de dispensa de dispensa de requisitos exigidos para a atribuição da classificação sempre que determinem a realização de obras que se revelem materialmente impossíveis ou que comprometam a rendibilidade do empreendimento, como tal reconhecidas pela entidade competente para a aprovação da classificação. (nº 3 do artigo 75.º). 28

29 Revisão da Classificação art. 38º do Dec. Lei nº 39/2008, de 7 de Março A classificação deve ser obrigatoriamente revista de 4 em 4 anos. (nº 1) O pedido de revisão deve ser formulado 6 meses antes do fim do prazo. (nº 2) CO A classificação pode, ainda, ser revista, oficiosamente ou a pedido do interessado, quando se verificar alteração dos pressupostos (nº 3) 29

30 Exploração 3 princípios base (cf. art.s 44º e 45º): Exploração por uma única entidade responsável pelo seu integral funcionamento e nível de serviço - CO Exploração permanente - as unidades de alojamento consideram-se permanentemente em exploração turística CO Prestação de serviços - as unidades de alojamento devem estar sempre em condições de serem locadas para alojamento a turistas e serem prestados os serviços inerentes à categoria CO 30

31 Outras novidades Na SIMPLIFICAÇÃO de procedimentos: Período de funcionamento livre (deverá ser afixado no exterior e comunicado ao Turismo de Portugal, IP nº 3 do artigo 49.º) - CO Ausência de aprovação da denominação Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e Registo Nacional das Pessoas Colectivas - o Turismo de Portugal apenas a verifica a conformidade do nome com o art. 41º do DL 39/

32 Outras novidades Desaparecimento do procedimento de Autorização do Turismo de Portugal, IP, para as obras isentas de licenciamento municipal (preenchimento de formulário on-line - 30 dias art 29.º) Desaparecimento da classificação de Residencial Desaparecimento da tipologia de quarto triplo Desaparecimento da tipologia de suite júnior Alteração do conceito de suite 32

33 Outras novidades Capacidade - As camas convertíveis deixam de ser contabilizadas para a capacidade máxima Os estabelecimentos hoteleiros devem possuir o mínimo de 10 de unidades de alojamento Nota: No anterior regime o nº mínimo para as pensões era de 6 unidades de alojamento As unidades de alojamento dos estabelecimentos hoteleiros devem possuir todas instalações sanitárias privativas Nota: No anterior regime o nº mínimo para as pensões de 3ª categoria era de 1 IS para 5 unidades de alojamento 33

34 Outras novidades Habilitações de Director de Hotel em todos os ET de 3, 4 e 5 * (nº 2 do artigo 47º.) - CO vd. Dec. Lei nº 271/82, de 13 de Julho, com as alterações introduzidas pelo Dec. Lei nº 148/2006, de 1 de Agosto 34

35 Outras novidades Na área dos APARTAMENTOS TURÍSTICOS (AT): Mínimo de existência de 10 unidade de alojamento (sempre em pisos completos e contíguos) Desaparecimento dos AT dispersos Classificados nas categorias de 3, 4 ou 5* desaparecem as categorias de 1 e 2* do anterior regime Todos os Apartamentos Turísticos têm que ter Director de Hotel 35

36 Outras novidades (cont cont.): Na área dos APARTAMENTOS TURÍSTICOS (AT): Obrigatoriedade da existência de um lugar de estacionamento por unidade de alojamento Obrigatoriedade da existência de vestiários e instalações sanitárias para o pessoal Obrigatoriedade da existência de uma unidade de alojamento para utentes com mobilidade condicionada requisito agora expresso 36

37 Novo Regime Outras novidades Na área do TER e Turismo de Habitação: Hotéis Rurais classificados nas categorias de 3, 4 ou 5* Hotéis Rurais têm que ter Director de Hotel Turismo de Habitação deixa de integrar o TER podendo localizar-se em zonas urbanas 37

38 Alguns Aspectos Práticos Prazo para reconversão 31 de Dezembro de 2010 Que regime se aplica aos Empreendimentos Turísticos existentes que ainda não foram reconvertidos? 38

39 Alguns Aspectos Práticos Títulos válidos de funcionamento: Autorização de funcionamento da DGT anterior (artigo 75.º nº 9) legislação Alvará de LUT legislação anterior (artigo 75.º nº 9) Alvará de UFT (artigo 30.º + 32.º) Comunicação de abertura (artigo 31.º + 32.º) Intimação judicial para prática de acto legalmente devido (artigo 31.º + 32.º) 39

40 Alguns Aspectos Práticos Mantêm-se válidos os títulos de abertura dos empreendimentos turísticos existentes, à data da entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março, só sendo substituídos pelo alvará de autorização de utilização para fins turísticos na sequência de obras de ampliação, reconstrução ou alteração. 40

41 Alguns Aspectos Práticos Não existência de placa identificativa (nº 4 do artº 36.º do Decreto-Lei nº 39/2008, de 7 de Março) não significa incumprimento automático! RNET - notificação 41

42 Alguns Aspectos Práticos Placa identificativa Portaria de 2000 ainda em vigor Residencial Futuro? 42

43 Alguns Aspectos Práticos Regime contra-ordenacional nos ET ASAE Entidade fiscalizadora (à excepção de matéria de publicidade: DGC) 43

44 Alguns Aspectos Práticos Os requisitos de classificação deixam de ser directamente passíveis de contra-ordenação As contra-ordenações respeitam a incumprimentos de deveres previstos, sobretudo, no capítulo de exploração e funcionamento dos ET 44

45 Alguns Aspectos Práticos Regime contra-ordenacional nos ET: Excepções ao anteriormente enunciado: requisitos comuns (artigo 5.º) unidades de alojamento (artigo 7.º) capacidade nº máximo de camas convertíveis (artigo 8.º) afixação da placa identificativa (nº 4 art. 36.º) não cumprimento do prazo para pedido de revisão da classificação (nº 2 art. 38.º) 45

46 Alguns Aspectos Práticos Nomes ( art. 41-º) Não podem sugerir tipologia, classificação ou características que não possuam (nº 2) CO Expressão resort (nº3) CO Tipologias que desaparecem antigas tipologias no nome 46

47 Alguns Aspectos Práticos Registo Nacional dos Empreendimentos Turísticos (RNET) (art. 40.º) deportugal/pages/servicosnaweb.aspx) 47

48 Alguns Aspectos Práticos Os ET que não se puderem reconverter ALOJAMENTO LOCAL 48

49 Site do Turismo de Portugal, IP Si-RJET https://rjet.turismodeportugal.pt/rjet_portal/home.aspx FAQ's FAQ's (Frequent Asked Questions) Modelos de formulários 49

50 Site do Turismo de Portugal, IP Canal de Esclarecimento de Dúvidas 50

51 Canal de Esclarecimento de Dúvidas 51

52 Obrigada. Ana Blanco 52

concentração num único diploma e conciliação com os princípios decorrentes da Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro

concentração num único diploma e conciliação com os princípios decorrentes da Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS Í TURÍSTICOS (RJET) 1 Objectivos principais: Simplificação Responsabilização Qualificação ç da oferta 2 Simplificação Simplificação legislativa concentração num

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Objectivos principais: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta Simplificação Simplificação legislativa concentração num único

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

reconversão de empreendimentos turísticos

reconversão de empreendimentos turísticos reconversão de empreendimentos turísticos 01. Reconversão de Empreendimentos Turísticos Com o objectivo de requalificar a oferta turística nacional, foi aprovado um novo regime jurídico dos empreendimentos

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 2.ª série N.º 80 23 de Abril de 2008 18537 - Direcção -Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural; - Direcção -Geral dos Recursos Florestais; - Direcção Regional de Agricultura e

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto OBJETIVOS Alojamento Local como categoria autónoma Eficiência Simplificação Redução

Leia mais

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei nº63/2015, de 23 abril OBJETIVOS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A LEGISLAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A LEGISLAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A LEGISLAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Decreto-Lei nº 39/2008, de 7 de Março, na redação dada pelo Decreto-Lei nº 15/2014, de 23 de Janeiro, e respetivas Portarias (versão

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS 1 Objectivos principais do novo RJET: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta 2 Simplificação Simplificação legislativa concentração num único

Leia mais

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS No passado dia 7 de Março foi publicado o Decreto-Lei nº 39/2008, que entrará em vigor no próximo dia 6 de Abril de 2008 e que veio

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A LEGISLAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Decreto-Lei nº 39/2008, de 7 de Março, e respectivas Portarias

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A LEGISLAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Decreto-Lei nº 39/2008, de 7 de Março, e respectivas Portarias PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A LEGISLAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Decreto-Lei nº 39/2008, de 7 de Março, e respectivas Portarias (versão actualizada em 2009.01.12) Índice Noções gerais e tipologias

Leia mais

II- CONDIÇÃO PRÉVIA DE INSTALAÇÃO AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

II- CONDIÇÃO PRÉVIA DE INSTALAÇÃO AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO I- REQUISITOS PARA OS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1- Todos os estabelecimentos de hospedagem a instalar no Concelho de Sesimbra estão sujeitos aos requisitos previstos na Portaria

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

REGIME JURÍDICO DA INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS REGIME JURÍDICO DA INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 39/2008, DE 07 DE MARÇO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - DECLARAÇÃO DE RECTIFICAÇÃO

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007. Registado com o n.º 699/2007 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007. Registado com o n.º 699/2007 no livro de registo de diplomas Registado com o 699/2007 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007 O presente decreto-lei consagra o novo regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

ALTERAÇÃO AO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

ALTERAÇÃO AO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS NEWSLETTER 4 Setembro de 2015 ALTERAÇÃO AO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE Foi publicada em Diário da República a Portaria n.º 309/2015, de 25 de Setembro, que vem alterar o sistema de classificação de empreendimentos

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas (Aprovado em Reunião de Câmara no dia xx de xx de 2014 e em Sessão de Assembleia no dia xx de xx de 2014) ÍNDICE

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA MUNICIPAL DE 06 DE ABRIL DE 2011 APROVADO EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 21 DE ABRIL DE 2011 PUBLICADO ATRAVÉS DE

Leia mais

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços;

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços; O REGIME LEGAL DO ALOJAMENTO LOCAL Por Sandra Neves, Advogada A figura do alojamento local surgiu em 2008, com o DL n.º 39/2008, de 7 de Março, que aprovou o regime jurídico de instalação, exploração e

Leia mais

Documento de Identificação N.º: Estado civil. Código Postal Telefone E-mail. PLV-ET: 02/GTP/NEPAE/2010 Versão: 01/2010 Revisão: 02 Data: 2010-09-23

Documento de Identificação N.º: Estado civil. Código Postal Telefone E-mail. PLV-ET: 02/GTP/NEPAE/2010 Versão: 01/2010 Revisão: 02 Data: 2010-09-23 LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS EMPREENDIMENTO Identificação Tipologia NIPC Localização Concelho Distrito IDENTIFICAÇÃO Morada Código Postal: Telefone/Fax: E-mail (se aplicável) Representante

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em TURISMO Crédito ao Investimento no Turismo Protocolo Bancário Luís Coito 27 de Setembro de 2010 TURISMO INCENTIVOS FINANCEIROS AO SECTOR Intensidade de Auxílio Abrangência Empresarial Crédito ao Investimento

Leia mais

RJET. A Reconversão e Reclassificação dos Empreendimentos Turísticos ao abrigo do novo regime jurídico aplicável (RJET) Com o apoio de:

RJET. A Reconversão e Reclassificação dos Empreendimentos Turísticos ao abrigo do novo regime jurídico aplicável (RJET) Com o apoio de: RJET A Reconversão e Reclassificação dos Empreendimentos Turísticos ao abrigo do novo regime jurídico aplicável (RJET) Com o apoio de: RJET Decreto-Lei nº 39/2008 de 7 de Março, alterado pelo Decreto-

Leia mais

Legalização e reclassificação de empreendimentos turísticos e legalização de empresas de animação turística

Legalização e reclassificação de empreendimentos turísticos e legalização de empresas de animação turística SEMINÁRIO Legalização e reclassificação de empreendimentos turísticos e legalização de empresas de animação turística Vila Real, 15 de Dezembro de 2011 O Novo Regime Jurídico da Instalação, Exploração

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei n.º 39/08, de 7 de março, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 228/09, de 14 de setembro, consagra

Leia mais

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL ÍNDICE REMISSIVO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto Artigo 2º- Definições Artigo 3º - Âmbito de Aplicação CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL Artigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 178 14 de Setembro de 2009 6287 6 À comunicação entre a autoridade judiciária e a Comissão e ao procedimento na Comissão é aplicável, com as necessárias adaptações, o

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA

MINISTÉRIO DA ECONOMIA N. o 36 12-2-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 557 Grupo de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria Número de lugares Vigilância das instalações, acompanhamento de visitantes, entrega e recepção

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 172/2015, Série I, de 03/09, Páginas 6947-6982.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 172/2015, Série I, de 03/09, Páginas 6947-6982. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 186/2015, de 03 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 abril OBJETIVOS Alojamento

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril FIGURA DO ALOJAMENTO LOCAL A figura

Leia mais

Alojamento Local no Município de Albufeira

Alojamento Local no Município de Albufeira Sessão de Esclarecimento Ricardo Sena/Dinis Alves Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística Agenda Enquadramento Ponto de Situação Procedimentos Requisitos Enquadramento Noção de Estabelecimentos

Leia mais

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ 1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ Novo Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos (RJET) Inovadora, simplificadora e de maior facilidade

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa O Decreto Lei nº 167/97, de 4 de Julho, aprovou o regime jurídico de instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A.

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, no seu artigo 79.º estipula que é da competência

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março - que aprova o novo regime jurídico da

Leia mais

Lagos. Nome:... Coletiva

Lagos. Nome:... Coletiva REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos 1. REQUERENTE Nome:...... NIF Singular Coletiva

Leia mais

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 Ao abrigo dos artigos 5.º, n.º 2, 30.º, n.º 11, 35.º, nº 1, e 62.º, n.º 1, alínea b), iii), todos do Decreto Legislativo Regional n.º 7/2012/A,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Índice PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1º - Norma habilitante... 4 Artigo

Leia mais

Licenciamento de Instalações Desportivas

Licenciamento de Instalações Desportivas Licenciamento de Instalações Desportivas 1 Finalidade O licenciamento dos projetos de Instalações Desportivas Especializadas e Especiais para Espetáculos (Artigos 8º e 9º do D.L. n.º 141/2009, de 16 de

Leia mais

Para poderem funcionar / estar abertos ao público, todos os Estabelecimento devem

Para poderem funcionar / estar abertos ao público, todos os Estabelecimento devem Nos termos definidos no art.º 5.º do Decreto-Lei n.º 234/2007, de 19 de Junho, O DECRETO REGULAMENTAR N.º 20/2008, de 27 de Novembro, VEIO ESTABELECER QUAIS OS REQUISITOS ESPECÍFICOS RELATIVOS ÀS INSTALAÇÕES,

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO ANEXO Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo

Leia mais

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 10 de Fevereiro de 2010 Elsa Correia Gavinho 1 Novo enquadramento jurídico das EAT 2 1 - As razões para a mudança 2 - As principais alterações

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Regulamento de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 167/97, de 4 de Julho estabelece o novo regime jurídico aplicável á instalação e funcionamento dos

Leia mais

atividadedas empresas de animação turística e dos operadores marítimo-turísticos

atividadedas empresas de animação turística e dos operadores marítimo-turísticos NÁUTICA DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E CULTURA MARÍTIMA Carla Abreu Registo Nacional de Agentes de Animação Turística - RNAAT- (DL 108/2009 de 15 de Maio) Estabelece as condições de acesso e de exercício

Leia mais

E D I T A L. D i s c u s s ã o P ú b l i c a. Projecto de Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamentos Particulares

E D I T A L. D i s c u s s ã o P ú b l i c a. Projecto de Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamentos Particulares E D I T A L D i s c u s s ã o P ú b l i c a Projecto de Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamentos Particulares Paulo Jorge Simões Júlio, Presidente da Câmara Municipal de Penela,

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL EDITAL (nº112/2013) António João Fernandes Colaço, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde, no uso da competência delegada conforme despacho do Presidente

Leia mais

APHORT. Porto 17 de Setembro de 2014 1

APHORT. Porto 17 de Setembro de 2014 1 APHORT Porto 17 de Setembro de 2014 1 A APHORT Associação Portuguesa de Hotelaria, de Restauração e Turismo, associação de âmbito nacional representativa de empresas que exploram: Empreendimentos hoteleiros

Leia mais

REGIME DE PROTOCOLOS BANCÁRIOS

REGIME DE PROTOCOLOS BANCÁRIOS REGIME DE PROTOCOLOS BANCÁRIOS OBJECTO Constitui objecto da presente linha de crédito apoiar financeiramente projectos turísticos económica e financeiramente viáveis que contribuam inequivocamente para

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL Regulamento da Instalação, Exploração e Funcionamento dos estabelecimentos de Hospedagem designados por Hospedarias, Casas de Hóspedes e por Quartos Particulares O

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

5482 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 192 18-8-1999 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA ECONOMIA

5482 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 192 18-8-1999 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA ECONOMIA 5482 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 192 18-8-1999 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 667/99 de 18 de Agosto Manda o Governo, pelo Ministro da Justiça, ao abrigo do disposto nos artigos 5. o e 7. o

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012 Folha de Informação Rápida 2013 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2012 Inventario Anual dos Estabelecimentos Hoteleiros Presidente

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO ERO E D DIRETIVA DE SERVIÇOS ERVIÇOS 2014 OBJETIVOS Compreender a novidade regulamentar associado à Diretiva de Serviços e à Iniciativa Licenciamento Zero;

Leia mais

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local (AL) do Município do Crato

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local (AL) do Município do Crato Índice CAPÍTULO I - Disposições gerais ------------------------------------------------------------------------------------- 3 Artigo 1.º - Lei Habilitante -----------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Instalações Eléctricas de Serviço Particular Colégio de Engenharia Electrotécnica Instalações Eléctricas de Serviço Particular A problemática do enquadramento legal das Instalações Eléctricas de Serviço Particular tem sido objecto, ao longo do tempo,

Leia mais

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local FAQ's Perguntas Frequentes Alojamento Local Estou a pensar abrir um estabelecimento de Alojamento Local e quero saber o que preciso de fazer para o licenciar? Qualquer estabelecimento de Alojamento Local

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO E DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO E DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Diário da República, 1.ª série N.º 221 15 de Novembro de 2010 5113 Resolução da Assembleia da República n.º 128/2010 Estabelece mecanismos de redução do desperdício em medicamentos através da dispensa,

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

SINALÉTICA OBRIGATÓRIA DE ACORDO COM LEGISLAÇÃO EM VIGOR

SINALÉTICA OBRIGATÓRIA DE ACORDO COM LEGISLAÇÃO EM VIGOR www.bindopor.pt copyright c Bindopor 2015 1. Restrições à venda e ao consumo de produtos do tabaco 1.1. Lei 37/2007 de 14 de Agosto Sinalização Artigo 6.º «1 - A interdição ou o condicionamento de fumar

Leia mais

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO Artigo 1.º Operação de loteamento a) - Apresentação do requerimento TAXA 113,53 b) Entrada do aditamento 40,54 c) Emissão do alvará 15,13 c.1) Acresce uma

Leia mais

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...]

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...] Alteração ao Regulamento dos Períodos de Abertura e Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e de Prestação de Serviços do Concelho de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 48/2011,

Leia mais

DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA

DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA Anexo C A Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, define: No artigo 13.º a qualificação das funções do director de obra e no artigo 14.º os deveres do director

Leia mais

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das empresas do sector

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO

LINHAS DE CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO LINHAS DE CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE PROTOCOLO BANCÁRIO TP NATUREZA Conjuntural Estrutural OBJECTIVO Facilitar o acesso das empresas do sector ao crédito Promover

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGIME JURÍDICO DA (RJ-SCIE) (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro) REGULAMENTO TÉCNICO DE SCIE (RT-SCIE) (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro) E LEGISLAÇÃO/DOCUMENTOS

Leia mais

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas DECRETO-LEI N.º 234/2007, DE 19 DE JUNHO ( ENTROU EM VIGOR EM 19 DE JULHO DE 2007 ) 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a) Ao nível das competências

Leia mais

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática Local: Sala da Assembleia Municipal da Câmara

Leia mais

Município de Estarreja 1

Município de Estarreja 1 Apreciação de pedidos I 0 0 0 0 I 1 0 0 0 I 1.1 0 0 0 I 1.1 a) 0 0 I 1.1 b) 0 0 I 1.2 0 0 0 I 2 0 0 0 I 2.1 0 0 0 I 2.2 0 0 0 I 3 0 0 0 I 3.1 0 0 0 I 3.2 0 0 0 I 3.3 0 0 0 Informação Prévia Loteamentos

Leia mais

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Empreendimentos Turísticos e Actividades de Animação de Interesse para o Turismo Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que:

Leia mais

Regulamento Municipal de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Preâmbulo

Regulamento Municipal de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Preâmbulo Regulamento Municipal de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei n.º 305/99, de 6 de Agosto, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

Fórum Jurídico. Novembro 2014 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Novembro 2014 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Novembro 2014 Direito Imobiliário A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Preâmbulo A Portaria nº 138/2012, de 14 de maio, veio proceder à adaptação do regime do alojamento

Leia mais

MUNICÍPIO DA NAZARÉ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DOS ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA JUSTIFICATIVA

MUNICÍPIO DA NAZARÉ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DOS ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DOS ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº 167/97, de 4 de Julho, na redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 6 de Agosto, e pelo Decreto-Lei nº 55/2002,

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CAPÍTULO 1 AMBITO Artigo 1º. Estabelecimentos de Hospedagem São considerados estabelecimentos de hospedagem, aqueles que não

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota Justificativa Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, alterado pelo Decreto Lei n.º 305/99, de 6

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM 2001 Nota Justificativa O decreto-lei n.º 167/97, de 4 de Julho, com as alterações introduzidas pelo decreto-lei 305/99 de 6

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE PROJETO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do Decreto-lei n.º 204/2012, de 29 de Abril, conjugado com o nº 3 do artigo 16.º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O mais recente diploma legal que estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos - Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março,

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO Praça Nove de Abril, 170. 4200 422 Porto Tel. +351 22 508 94 01/02 www.jct.pt SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO JCT - Consultores de Engenharia, Lda tem como

Leia mais

Edital n.º 3. Informa-se que o mesmo entrará em vigor 15 dias após a publicação deste edital no Diário da República.

Edital n.º 3. Informa-se que o mesmo entrará em vigor 15 dias após a publicação deste edital no Diário da República. Edital n.º 3 Carlos Vicente Morais Beato, Presidente da Câmara Municipal de Grândola, faz público que, de acordo com as deliberações da Câmara e Assembleia Municipais de 11 e 21 de Dezembro de 2012, respetivamente,

Leia mais