Luana Iole Porto Farias. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luana Iole Porto Farias. 1"

Transcrição

1 REFLEXÃO SOBRE O BRASIL E A SUA INSERÇÃO NA COMUNIDADE INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO E PROMOÇÃO Artigo HUMANITÁRIA-PARADOXO COM A REALIDADE VIVENCIADA PELA POPULAÇÃO DENTRO DO PAÍS. REFLEXÃO SOBRE O BRASIL E A SUA INSERÇÃO NA COMUNIDADE INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO E PROMOÇÃO HUMANITÁRIA- PARADOXO COM A REALIDADE VIVENCIADA PELA POPULAÇÃO DENTRO DO PAÍS Luana Iole Porto Farias. 1 RESUMO: O presente trabalho disserta sobre a proteção e promoção internacional dada aos direitos humanos, os seus três principais sistemas regionais de proteção, e as grandes diferenças existentes entre tais, de modo a dar mais enfoque ao sistema interamericano de proteção humanitária e a relação que o Brasil faz com este, como membro permanente e de grande importância dentro desse sistema.qual é a forma de recepção dada as leis internacionais dentro do nosso ordenamento, e com todas as leis de proteção humanitárias vigentes na legislação pátria, como se dá a real aplicação dessas leis, como é visto pela a sociedade a aplicação de tais leis. Palavras-chave: Direitos Humanos. Sistemas Regionais. Sistema Interamericano. Brasil. ABSTRACT: The present paper is about international promotion and protection of human rights, and the three mainly regional systems of protection. Specifying the inter-american system of protection, and how Brazil is part of it. What are the big responsabilities of Brazil as a permanent and active member of the interamerican system, and how the international laws that Brazil is signatory are applied at the intern legal system. Keywords: Human Rigths. Regional Human Rigths System. Inter-american System. Brazil. 1 Luana Iole Porto Farias é estudante de Direito na Universidade de Fortaleza.UNIFOR. 2 Este trabalho é parte da monografia apresentada ao Centro de ciências jurídicas da Universidade de Fortaleza -UNIFOR,em dezembro de 2009, para obtenção do título de Bacharelado em Direito, com os devidos agradecimentos à mestre da Universidade, minha orientadora, professora Dayse Braga, pela a ajuda e orientação no trabalho. Revista Internacional de Direito e Cidadania, n. 7, p , junho/

2 FARIAS, L. I. P. 1. Introdução Por direitos humanos ou direitos do homem são, entendidos aqueles direitos fundamentais que o homem possui pelo fato de ser homem, por sua própria natureza, pela dignidade que a ela é inerente. São direitos que não resultam de uma concessão da sociedade política, pelo contrário, são direitos que a sociedade política tem o dever de consagrar e garantir. Nesse sentido, a expressão direitos humanos significa o conjunto de direitos individuais, levando em conta uma visão individualista que busca uma vida em coletividade mais justa. A convicção de que todos os seres humanos têm o direito de serem igualmente respeitados pelo o simples fato de sua humanidade é a idéia central do movimento em prol dos direitos humanos, consolidado a partir da II Guerra Mundial. A sucessão de atrocidades cometidas contra o indivíduo, ao longo da história, nos mostra do que o ser humano é capaz de fazer ao seu próximo, quando não há um poder, um entendimento coletivo do quão nocivo tais ações podem ser. No decorrer da história, homens, mulheres, autoridades, comunidades, sociedades, nações, humilharam, desrespeitaram, menosprezaram e exterminaram outros homens, mulheres, jovens, adolescentes, por muitos e muitos anos não haviam instituições ou organizações, onde as pessoas que eram vitimadas em seus direitos essenciais, peculiares a característica humana, pudessem buscar a sanção para aqueles que não respeitavam tais direitos. Nesse sentido, a partir do séc. IX descobriu-se que não somente as conquistas dos direitos humanos são necessárias para a harmonia e bem estar das sociedades no mundo, mas também a proteção legal desses direitos. Por isso foram elaborados ordenamentos jurídicos, tratados e convenções, organizações e instituições que visam a proteção desses direitos dos povos em geral. Com a busca da proteção dessa série de direitos invioláveis e essenciais dos seres humanos, surgiram várias questões problemáticas a serem resolvidas, para que houvesse uma real aplicação desses direitos. Como forma de melhorar a aplicação dos direitos humanos ao redor do mundo, e que essa proteção se desse de forma mais eficiente, foram criados os sistemas regionais. 2. Sistemas regionais Os sistemas regionais de proteção aos direitos humanos, são sistemas formados em determinada região, continente com o intuito de promover e proteger os direitos humanos naquela região, de forma subsidiária a legislação local, quando esta for omissa. Surgiram com a crescente difusão da democracia nesses continentes, como forma de uma nova norma internacional que protegessem esses direitos (humanos) pelo o continente afora. Pela sua característica da especialidade, pois se trata de sistemas que são desenvolvidos em determinadas regiões e como cada região é diferente, o emprego dessas normas internacionais, serão feitos de forma a se encaixar naquela determinada região. São três os maiores sistemas regionais de proteção aos direitos humanos, que são: o sistema europeu, o interamericano e o sistema africano, alguns autores apontam para a existência do sistema árabe e asiático, mas pelas as características encontradas nessa região se torna muito difícil a implementação desses sistemas nessas localidades. O sistema europeu de proteção aos direitos humanos é o mais antigo, o mais desenvolvido e o mais complexo dos sistemas regionais, O sistema Africano de proteção aos direitos humanos, é ainda muito novo e não é bem desenvolvido, a região em questão é uma das que mais apresenta dificuldades, obstáculos à implementação da proteção internacional dos direitos humanos, tal se dá por fatores históricos, sociais, religiosos, culturais e principalmente políticos, é um continente em que a maior parcela dos seus países é ainda miserável, a proteção aos direitos do homem em tal continente é feita de maneira lenta e dificultosa, apesar dos grandes avanços feitos nessa área, da grande atenção da sociedade internacional voltada aos imensos problemas desse continente, os obstáculos ainda a serem superados são de grandes dimensões. 98 Revista Internacional de Direito e Cidadania, n. 7, p , junho/2010

3 REFLEXÃO SOBRE O BRASIL E A SUA INSERÇÃO NA COMUNIDADE INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO E PROMOÇÃO HUMANITÁRIA-PARADOXO COM A REALIDADE VIVENCIADA PELA POPULAÇÃO DENTRO DO PAÍS. O continente africano é muito peculiar, a sua formação social em vários países ainda é a de tribos, as mais diversificadas tribos, cada qual com a sua religião, cultura que lhe é peculiar. Em determinadas culturas de certas tribos, os tratamentos dado aos seus é considerado pela sociedade internacional desumano e antiquado, que precisa ser modificado para que se tenha desenvolvimento nesse continente, mas para os membros das tribos é considerado normal, afinal para eles essa é a sua cultura, é o que lhe foi passado pelos seus ancestrais, então aonde fica o meio termo, como se pode tentar educar ou modificar uma parte da cultura que lhes é legítima? O sistema interamericano, mais desenvolvido que o africano, mas não tão quanto o europeu tem como sua carta de maior importância a Carta da Organização dos Estados Americanos. Órgão de grande importância dentro do sistema é a O.E.A., (organização dos estados americanos) todos os 35 países do continente americano participam desse órgão, é a organização mais antiga dentro desse sistema, ate mesmo Cuba com o seu regime ditatorial implementado por Fidel Castro, faz parte da OEA. 3. O Brasil e a forma de recepção interna aos Tratados Internacionais O Brasil possui os requisitos básicos para ser detentor de direitos internacionais, tal característica deu ao Brasil a possibilidade de ingressar na comunidade internacional, sendo signatário de acordos, tratados, convenções multilaterais de direitos humanos, através do animus contrahendi, sendo por tal detentor de deveres e direitos internacionais humanitários, tendo que adaptar as suas leis internas às leis internacionais, por questão de hierarquia jurídica e especialidade. Após ser respeitado todo desenrolar para que o Brasil ratifique um tratado ou convenção dentro do seu ordenamento, tais só podem vigorar após a ratificação interna. O processo pelo o qual um tratado ou convenção passam a ingressar no nosso país são regidos por dois artigos da nossa constituição de 88, que são os artigos, 84 parágrafo VIII e 49 parágrafo I, que versam a respeito da conjugação de vontades, entre a do Congresso Nacional, que decide sobre o tratado, mediante decreto legislativo e do Presidente da República, que assina, ratifica e promulga esse decreto legislativo, passando tais a vigorar com força de lei interna. Os tratados de direitos humanos que são ratificados pelo o Brasil, são no nosso sistema, fonte constitucional, pois ingressam no ordenamento jurídico com nível constitucional e tem a sua aplicação imediata após a ratificação desses tratados pelo o Brasil. Tais tratados impõem a sua aplicabilidade quando a lei interna do país é omissa ou vai de encontro ao que diz o texto desses tratados, tendo que a lei interna se adequar a legislação internacional que ratificou. A nossa atual constituição de 1988 foi um marco para a entrada desses direitos e garantias fundamentais no nosso ordenamento jurídico, consagrando no seu art. 1º o princípio da dignidade humana em todos os atos da vida em sociedade. Também no seu artigo 5º parágrafo 2, ela dá grande avanço no rumo de abrir o sistema jurídico pátrio, aos sistemas de proteção humanitária ao redigir: Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte. 4. Brasil e a sua realidade da proteção e promoção dos Direitos Humanos Em diversos países, principalmente países ditos como em desenvolvimento, países de terceiro mundo, o respeito aos direitos humanos é algo que sequer os cidadãos de tais países conhecem, na maioria das vezes não existem leis específicas, o tratamento dado às pessoas ainda é desumano, os governantes de tais países mesmo sabedores de tais fatos não fazem nada à respeito, muitos em diversos lugares do mundo, continuam com esse modo de governo, sem Revista Internacional de Direito e Cidadania, n. 7, p , junho/

4 FARIAS, L. I. P. proteção aos direitos do homem, sem aceitá-los no seu ordenamento interno, aos que se abrem para as leis internacionais, ainda fazem muito pouco em comparação ao que deveriam fazer. Em tal cenário existe uma imensa parcela da população mundial que sofre com isso, tem o seu desenvolvimento retardado, por não lhe ser dadas as mínimas condições essenciais a sua condição humana. A maioria desses países, como exemplo o Brasil ainda faz muito pouco para desenvolver os direitos humanos no país, em comparação à países desenvolvidos, são décadas de distância a serem alcançadas daqui para frente. Tais mudanças infelizmente não ocorrem apenas com boa vontade e aplicação das leis internas de proteção aos direitos humanos, mas a maior parte da sua aplicabilidade se da por pressões externas, e pela necessidade que se tem de acompanhar a evolução mundial, que é essa, a valorização do ser humano. É sabido e notório de todos que o Brasil não é modelo algum na proteção e promoção dos direitos humanos, é bem verdade que ele participa de forma ativa da comunidade internacional, que faz parte dos grupos internacionais de proteção humanitária, é signatário dos tratados referentes ao assunto, mas quando se lê as cartas e normas humanitárias que o Brasil deve cumprir dentro do seu ordenamento, e quando se olha ao redor a realidade do nosso país no nosso dia a dia, o cidadão se enche de incredulidade à respeito dos esforços realizados pelo o nosso país para a efetivação desses direitos, vemos todos os dias, crianças nos sinais pedindo esmolas, sem freqüentar a escola sendo privadas de uma educação, o que fere de forma agressiva as normas estabelecidas pelo o comitê de direitos das crianças. Quando vemos a situação dos presos no nosso país, que em hipótese alguma durante o seu cárcere tem qualquer condição digna de vida, as milhares de pessoas que moram em localidades de risco, expostas a ambientes contaminados, que oferecem sérios problemas a sua saúde e segurança, tudo isso impossibilita que qualquer pessoa tenha acesso a condições dignas de vida, muitas não tem o que comer dormem em calçadas, completamente negligenciadas pelo o nosso governo, que não realiza quase nenhum esforço, e o esforços que realiza são completamente insuficientes, tal circunstância a meu ver revela um total desrespeito a dignidade da pessoa humana, o que é a base da proteção dos direitos humanos. O direito humanitário, não pode ser usado como válvula para a impunidade, principalmente aqui no Brasil os direitos humanos, essa matéria, ainda é vista por muitos com maus olhos, muitos são os que acreditam que o objeto de estudo em questão, é mais um meio de não se fazer justiça no Brasil, grande parte dessa reclamação é referente à questão dos presos do nosso país, do sistema penitenciário, que é extremamente precário e não da condição alguma para os presos, a vida que eles levam em tais locais não é digna em nenhuma hipótese. Quando um advogado, ou qualquer cidadão toca nesse assunto, na defesa a esses presos e as suas condições de vida, encontra grande obstáculo e reprovação por meio da sociedade, que acredita que a situação desses presos não é importante, que este é o castigo que lhes é merecido, é justo dizer que essa mesma sociedade tem as suas razões para pensar e agir assim, nós somos infelizmente uma nação que vivencia a violência de forma muito próxima, no cotidiano das nossas vidas, vivemos com medo, com medo pelos os nossos filhos, nossos entes queridos de serem vitimados pela a violência em que nos encontramos, as estatísticas são claras e mostram quantos são os brasileiros que são vitimados pela a violência, independente de raça, classe social, ou qualquer outra característica. É algo generalizado, tanto quando essa violência como também a impunidade que lhe segue, inúmeros casos ficam sem resposta, sem resolução, o estado não se mexe para resolvêlos, o que causa também uma imensa descrença das pessoas no sistema judiciário do nosso país. Com toda essa problemática, é compreensível porque a maioria das pessoas tem essa visão e reação a esses direitos, mas isso só se entende porque essas pessoas não tem o conhecimento necessário na matéria, posto que os direitos humanos não podem ser usados por nenhum ordenamento, por país algum como forma de propagar a impunidade aos seus casos judiciais; 100 Revista Internacional de Direito e Cidadania, n. 7, p , junho/2010

5 REFLEXÃO SOBRE O BRASIL E A SUA INSERÇÃO NA COMUNIDADE INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO E PROMOÇÃO HUMANITÁRIA-PARADOXO COM A REALIDADE VIVENCIADA PELA POPULAÇÃO DENTRO DO PAÍS. para Alexandre de Moraes (2007, p.99): Os direitos humanos fundamentais não podem ser utilizados como um verdadeiro escudo protetivo da prática de atividades ilícitas, nem tampouco como argumento para o afastamento ou diminuição da responsabilidade civil ou penal por atos criminosos, sob pena de total consagração ao desrespeito a um verdadeiro estado de direito. Os direitos humanos, são normas que vieram para melhorar a condição de vida de milhares de pessoas no Brasil e no mundo de forma igualitária, lhes provendo uma chance, por meio de pressão internacional realizada no país signatário de tratados dessa matéria, chance essa que talvez sem essa pressão não existiriam. E a forma de se proteger esses direitos é também realizada pelo o meio da aplicação da punição e de um sistema judiciário que funcione para o povo, o que quer dizer que, para um país atingir os seus objetivos de evoluir, se desenvolver de forma democrática, justa e humanitária é de extrema importância que haja a punição de atos delituosos, e não o contrário, o contrário dessa situação é um país sem leis, sem justiça, sem um estado forte de Direito que regule a vida de sua sociedade, o que se mostra claro que não é o objetivo procurado pelos os direitos humanos. Os direitos fundamentais encontrados na constituição do nosso país, não são direitos ilimitados, já que encontram limites nos outros demais direitos também consagrados pela a constituição do nosso país, a questão aqui é a seguinte, os direitos humanos para atingirem os seus objetivos necessitam existir em um ordenamento em que haja a punição para delitos, os operadores de direitos humanitários não procuram se esconder atrás desses direitos, ou usá-los como subterfúgio para a impunidade, apesar de certas vezes, em certos casos, tais direitos sejam usados por pessoas inescrupulosas e usados para fins de impunidade, novamente não é o que procuramos aqui. O Brasil deu um passo enorme rumo à proteção e promoção humanitária, quando pela a luta de uma mulher, que teve seus direitos mais essenciais violados, que foram o da vida e da sua dignidade humana, lutou para que fosse feita justiça ao abuso que sofria do parceiro, e para ajudar tantas outras que vivenciam essa realidade no nosso país, fez surgir com o seu esforço e colaboração, a Lei Maria da Penha, de proteção as mulheres. Tal lei se tornou muito forte no nosso país, o que é triste em saber, que aplicadores da lei de má-fé tentam modificar o conteúdo e forma de aplicação dessa lei, que tão bem nos vem servindo, apenas com o propósito sórdido de encobertar delitos causados por seus clientes, usando de interpretações maliciosas da lei, com um objetivo claro de dificultar o acesso à esta. Que tipo de país que seja sério em suas leis deixam de proteger vítimas, ou dificultam o acesso à justiça, para que se faça justiça? Esse é um tipo de perguntar que nos cidadãos brasileiros temos que nos fazer, e saber que nos não devemos e não iremos aceitar tal situação e que é apenas pela a nossa interferência e luta que poderemos mudar esta situação que nos foi apresentada, seguindo o exemplo de luta da própria força propulsora dessa tão necessitada lei, que foi a vítima Maria da Penha, e tantas outras mulheres anônimas que tiveram nessa lei, a volta da esperança e justiça em suas vidas, isso não pode ser tirado delas, e não pode ser tirado do nosso país, tal será um enorme retrocesso as conquistas de proteção e promoção aos direitos humanos alcançadas em nosso País. Referências ARANA, Josycler. Direito Internacional Seus Tribunais e Meios de Solução de Conflitos. Curitiba: Juruá, CACHAPUZ, Rozane da Rosa. Direitos Internacional - Seus Tribunais e Meios de Solução de Conflitos. Curitiba: Juruá, 2007 CORREIA, Thereza Rachel Couto. Corte Interamericana de Direitos Humanos. Curitiba: Juruá, MACHADO, Patrícia Ferreira. A Constituição e os Tratados Internacionais. Rio de Janeiro: Forense, Revista Internacional de Direito e Cidadania, n. 7, p , junho/

6 FARIAS, L. I. P. MENEZES, Wagner. Estudos de Direito Internacional. Curitiba: Juruá, MORAES, Alexandre. Direitos Humanos Fundamentais. Rio de janeiro: Juruá, NETO, José Cretella. Coletânea de Tratados e Normas Internacionais. Rio de Janeiro: Forense, TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Tratado de Direito Internacional dos Direitos Humanos. Porto Alegre: [ s.n.], PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. São Paulo: Saraiva, Revista Internacional de Direito e Cidadania, n. 7, p , junho/2010

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil IX Salão de Iniciação Científica PUCRS A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil Gabriela Bratkowski Pereira, Elias Grossmann (orientador) Faculdade de Direito,

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Nota Técnica. Contra a Redução da Maioridade Penal

Nota Técnica. Contra a Redução da Maioridade Penal Nota Técnica Contra a Redução da Maioridade Penal A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, por meio do Núcleo Especializado de Infância e Juventude, diante da missão de exercer a defesa dos interesses

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica LEI Nº 3102 DE 14 DE ABRIL DE 2009. CRIA MECANISMOS PARA COIBIR E PREVENIR A DISCRIMINAÇÃO CONTRA A MULHER, GARANTINDO AS MESMAS OPORTUNIDADES DE ACESSO E VENCIMENTOS. A Câmara Municipal de Tangará da

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FABIANO CONTARATO, brasileiro, solteiro, com 48 anos de idade, Delegado de Polícia Civil e Professor Universitário,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de posse

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero 1

Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero 1 Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero 1 Leila Linhares Barsted 2 Em 1948, a Assembléia Geral da ONU aprovou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, documento que deveria ter a mais ampla divulgação

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Carlos Ugo Santander Universidade Federal de Goiás - UFG csantander@hotmail.com Resumo: O artigo tem como objetivo discutir as questões

Leia mais

Comentários à Prova de Papiloscopista da Polícia Civil do Estado de Goiás provas em 24.03.2015

Comentários à Prova de Papiloscopista da Polícia Civil do Estado de Goiás provas em 24.03.2015 Comentários à Prova de Papiloscopista da Polícia Civil do Estado de Goiás provas em 24.03.2015 Questão FUNIVERSA/PC-GO Papiloscopista - 2015 Quanto aos Direitos Humanos na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL: uma prática possível e necessária.

EDUCAÇÃO FISCAL: uma prática possível e necessária. 1 EDUCAÇÃO FISCAL: uma prática possível e necessária. Maria de Fátima Pessoa de Mello Cartaxo Ex-Diretora-Geral da Escola de Administração Fazendária Ex-Auditora Fiscal da Receita Federal aposentada Consultora

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Boaventura de Sousa Santos Coimbra, 20 de Julho de 12015 CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL DAS VIOLÊNCIAS

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I Camila Bressanelli* A Declaração Universal dos Direitos Humanos Antes mesmo da análise dos sistemas global e americano de proteção

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006 1 Para adquirir a apostila digital de 150 Questões Comentadas Da Lei Maria da Penha - Lei 11.340/2006 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL ESSA APOSTILA SERÁ

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

O Estado chileno foi condenado a modificar o seu ordenamento jurídico interno, resultando em uma alteração da norma constitucional daquele país.

O Estado chileno foi condenado a modificar o seu ordenamento jurídico interno, resultando em uma alteração da norma constitucional daquele país. No mundo atual está superada a ideia monista do Direito. É indiscutível que em um mundo complexo e multifacetado haja um pluralismo jurídico que se verifica tanto internamente, com as diversas fontes formais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Tatiana Bellotti Furtado Ao analisarmos a trajetória das mulheres na luta pelo reconhecimento de seus direitos, remetemo-nos

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES)

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) Décima primeira sessão, 1992 Antecedentes 1. A violência baseada no género é uma forma de discriminação que inibe a capacidade das mulheres de gozarem

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM Resolução XXX, Ata Final, aprovada na IX Conferência Internacional Americana, em Bogotá, em abril de 1948. A IX Conferência Internacional Americana,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

IMUNIDADE PARLAMENTAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

IMUNIDADE PARLAMENTAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 DIVANI ALVES DOS SANTOS IMUNIDADE PARLAMENTAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

Princípios norteadores

Princípios norteadores Princípios norteadores A Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto dos Defensores de Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Instituto

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

1. Proteção Internacional dos Direitos Humanos. Pode-se entender como precedentes históricos do processo de internacionalização dos.

1. Proteção Internacional dos Direitos Humanos. Pode-se entender como precedentes históricos do processo de internacionalização dos. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula e breve resumo 1. Proteção Internacional dos. : Pode-se entender como precedentes históricos do processo de internacionalização dos 1.1. Direito Humanitário. É o conhecido

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público.

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. - Resumo e destaques objetivos da Conferência proferida no

Leia mais

Curso de Compliance: A Nova Lei Anticorrupção Efeitos Práticos

Curso de Compliance: A Nova Lei Anticorrupção Efeitos Práticos Curso de Compliance: A Nova Lei Anticorrupção Efeitos Práticos Módulo: Aspectos Criminais e Investigação Interna 20 de fevereiro de 2014 Luciano Tosi Soussumi A Corrupção no Mundo: fonte site Transparency

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS NOTA TÉCNICA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL A Defensoria Pública do Estado de Alagoas, por meio do Núcleo Especializado da Infância e da Juventude, em virtude de sua função institucional de exercer

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A INTERNACIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS Gabriela Maciel Lamounier Assunção José Luiz Quadros de Magalhães A INTERNACIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS Gabriela Maciel Lamounier Assunção 1 Advogada, especialista

Leia mais

AMPLA DEFESA EM CONFLITO COM O DIREITO COLETIVO À SEGURANÇA.

AMPLA DEFESA EM CONFLITO COM O DIREITO COLETIVO À SEGURANÇA. CONFLITO DE GARANTIAS FUNDAMENTAIS: GARANTIA INDIVIDUAL A AMPLA DEFESA EM CONFLITO COM O DIREITO COLETIVO À SEGURANÇA. Vitor Reis Salum Tavares. 1. Resumo: O presente artigo trata de tema muito recorrente

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

[FÊNIX ASSOCIAÇÃO PRÓ SAÚDE MENTAL]

[FÊNIX ASSOCIAÇÃO PRÓ SAÚDE MENTAL] A IMPORTÂNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA SAÚDE O Ministério Público tem a sua razão de ser na necessidade de ativar o Poder Judiciário, em pontos em que esta remanesceria inerte porque o interesse agredido

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22 Proteção Internacional de Direitos Humanos Coordenação: Profa. Dra. Cristina Figueiredo Terezo Resumo O pioneiro projeto de extensão visa capacitar os discentes para acionar a jurisdição do Sistema Interamericano

Leia mais

MULTICULTURALISMO E UNIVERSALIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS

MULTICULTURALISMO E UNIVERSALIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS MULTICULTURALISMO E UNIVERSALIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Amanda Juncal Prudente Mariana Tavares Pedi UENP 1. Direitos fundamentais e humanos: conceito e evolução. 2. Os direitos fundamentais no panorama

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique (Síntese a partir dos slides) Por Berta Chilundo (Presidente da MULEIDE) Publicado em Outras Vozes, nº 41-42, Maio 2013 Quadro legal para defesa dos

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO Estabelece o Marco Civil da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Esta Lei estabelece direitos

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. E-06 10º 04 Semanal Mensal 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. E-06 10º 04 Semanal Mensal 04 60 e Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária E-06 10º 04 Semanal Mensal 04 60 Nome da Disciplina DIREITOS HUMANOS Curso DIREITO D- 30 DIREITO CONSTITUCIONAL III (MATRIZ 2008/01) D- 32 DIREITO CONSTITUCIONAL

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011 1 Editorial O volume segundo, número um do ano de 2011 da Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania, pretende compartilhar com a comunidade acadêmica, uma coletânea de textos que apresenta uma análise

Leia mais

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência OS NOVOS DESAFIOS DO MUNDO GLOBALIZADO: O TRABALHO FORÇADO E O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * Carmen Sottas ** Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência de milhares de trabalhadores

Leia mais

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz 1. RESUMO Os direitos fundamentais trabalhistas estão inseridos na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz do Direito do Trabalho e dos princípios que orientam o Direito

Leia mais

PORQUE NÃO À REDUÇÃO

PORQUE NÃO À REDUÇÃO PORQUE NÃO À REDUÇÃO INIMPUTABILIDADE NÃO SE CONFUNDE COM IMPUNIDADE: Existe no senso comum o mito da irresponsabilidade do adolescente, sustentado na ideia de que esse estaria mais propenso à pratica

Leia mais

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009)

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) COORDENAÇÃO PARA MULHER NO DESENVOLVIMENTO ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) Na última década, a questão da violência contra

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA, ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE GENEBRA

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

COPEIJ COMISSÃO PERMANENTE DA INFÂNCIA E JUVENTUDE

COPEIJ COMISSÃO PERMANENTE DA INFÂNCIA E JUVENTUDE COPEIJ COMISSÃO PERMANENTE DA INFÂNCIA E JUVENTUDE A Comissão Permanente da Infância e da Juventude - COPEIJ, integrante do Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH, vinculado ao Conselho Nacional dos

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

A NATUREZA DOS DIREITOS HUMANOS E A SUA UNIVERSALIZAÇÃO

A NATUREZA DOS DIREITOS HUMANOS E A SUA UNIVERSALIZAÇÃO A NATUREZA DOS DIREITOS HUMANOS E A SUA UNIVERSALIZAÇÃO Renata Nasinhaka Tex de Vasconcellos 1 Sadi Machado 2 RESUMO O presente trabalho destina-se a analise do conceito objetivo dos Direitos Humanos,

Leia mais

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I Recordando as conclusões e recomendações adotadas pelo Colóquio realizado no México sobre Asilo

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo 1 Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo Aluno: RAFAEL ATANAZIO Orientadora: DANIELA BUCCI UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS INFANTO- JUVENIS NO BRASIL

O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS INFANTO- JUVENIS NO BRASIL O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS INFANTO- JUVENIS NO BRASIL Adriana Preti Nascimento "Não é possível refazer este país, democratizá-lo, humanizá-lo, torná-lo

Leia mais