"REALIZACOES DE FA LA NA ESCRITA: UM EXEMPLQ NAS CRONICAS DE DRUMMOND." Sylvia Jorge de Almeida Martins IBILCE-UNESP-SJRP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""REALIZACOES DE FA LA NA ESCRITA: UM EXEMPLQ NAS CRONICAS DE DRUMMOND." Sylvia Jorge de Almeida Martins IBILCE-UNESP-SJRP"

Transcrição

1 "REALIZACOES DE FA LA NA ESCRITA: UM EXEMPLQ NAS CRONICAS DE DRUMMOND." Sylvia Jorge de Almeida Martins IBILCE-UNESP-SJRP Urn exame dalinguagem nas cronicas drummondianas publicadas em livros desde 1944 ate os dias presentes revela, por parte do escritor itabirano, a medida que correm as decadas, urn comportamento lingoistico maisaberto e liberal. Entre outros, como, por exemplo, 0 emprego de girias e expressoes populares, chamou-nos a aten~ao 0 fato de Carlos Drummond de Andrade ten tar aproximar a lingua escrita da falada, registrando desta algumas realiza~oes fonetieas freqtientes na conversa descuidada e informal do falante comum. Para demonstrar isso fazemos 0 levantamento de tais realiza~oes que 0 cronista testemunhou como correntes no discurso quotidiano de suas personagens. Atraves do discurso direto fazem-se presentes as caracteristicas vivas do coloquial, documentado uma postura renovadora diante dos padroes conservadores e normativos da lingua literiuia. Numa analise sobre a linguagem de Vila dos Confins, Antonio Houaiss1 afirma que nessa penetra~ao do discurso direto pelos elementos da fala 0 escritor sempre se mantem atento, em constante vigilia, de forma a evitar que a linguagem seja tao-somente uma representa~ao dialetal, que sua mensagem tenha urn alcance mais limitado. Se concede lugar a tipismos, localismos, modismos, se permite a presen~a de uma cor local, de urn traco s6cio-cultural, 0 escritor tambem rejeita a completa vestimenta que roubaria ao texto 0 carater universalista. E, desse esfor~o permanente de conceder limitando, de limitar permitindo, e que decorre a eficilcia da linguagem. Por trils da ortografia, das transcri~oes de certas realiza~oes foneticas vai-se possibilitando a depreensao de gestos, de "acentos", de deforma~oes caracteristicas de certos niveis de linguagem. Carlos Drummond de Andrade e urn exemplo dessa postura artist i- ca equilibrada. Por entre a sua expressao culta e comedida permite,

2 para a pr6pria eficacia de urn genero comunicativo como e a cronica, a infiltrae40 do coloquial e popular, a expressividade do comum, tornando arte 0 dia a dia. Em Confissoes de Minas, primeiro livco de cronicas de Drummond, datado dos longes de 1944, damos unicamente com os registros "sa" (p. 141) e "seu" (p. 169), esmagamentos das form as senhora e senhor, respectivamente. Em "Passeios na Ilha", datado de 1952, urn tom bastante formal nada nos concede dessa natureza. fala, Amendoeira, de 1957, traz nos dialogos as realizaeoes: praque (p. 12), pra mostra (p. 106), pode aceita (p:l06), bate (p.l07), comuns na fala vulgar ou mesmo quotidiana. A supress40 do r no infinitivo e freqoente entre 0 povo. Em Quadrante (1962), livro de Drummond com outros autores, nas poucas cronic as d:rummondianas damos ainda com varias formas reduzidas, testemunho da vigencia da lei do menor esforeo sobre a express40 lingoistica. Assim, em "Cena Carioca", temos: pera (por espera): "- Pera ai..." (p. 166,4. 0, 1.1); ta (por esta): "- Ta aqui 0 seu troco." (p.l66, 5. 0, 1.1); t40 (por estao): "- T40 vendo?" (p. 167, tilt., 1.1). "A Bolsa & a Vida" (1962), alem dos registros praque, ta, assinala ainda: ne (por n40 e): "- N40 faea isso, ne?" ("Lambretismo", p. 851, 8. 0, 1.1);. tou (por estou): "- Areia Branca. La e minha terra. Tou querendo voltar... " ("Areia Branca", p. 897, 8. 0, 1.1); vo (por vovo): "- Vo, quero abrir esse cofre." ("0 Segredo do Cofre", p. 905, 3. 0, 1.1). Alem de casos que se repetem, "Cadeira de Balaneo" (1967) testemunha urn 'brigada', por obrigada, com aferese do 0, em "Caso de Conversa" (p. 933). o mecanismo de automatizae40 pratica extral6gica nas saudaeoes possibilita redueoes linguisticas n40 compensadas. Na mesma cronica tambem aparece a fonna daonde, esta de cunho vulgar: "- De la daonde?" (2. 0, 1".1) Caminhos de J040 Brandao (1970) repete ta, ne, mas tambem registra, numa s6 palavra, por e ai vem, a forma evem: "- Evem urn helic6ptero! gritou alguem, e veio mesmo... " ("Dois no Corcovado", p. 101, 3. 0, 1.1) e colidade (por qualidade), com a reducao do ditongo ua a vogal fechada 0: "- Limllo, limoncito,..., e de toda colidade,... " e'final (sem drama) da crise", p.139, 4. 0, ). Sobre evem, Houaiss2 explica que e uma forma de expressllo comum entre os cariocas, diante de alguem que venha chegando. o Poder Ultrajovem e mais 79 textos em prosa e verso, publicado pela primeira vez em 1972, apresenta, como realizawes foneticas 00-

3 vas em confronto com as jll comentadas, as redu~oes so, pol' senhor, polu, POl'polui~o, e quede, POl'que e feito de: "- E mesmo, so." ("A fila e 0 que se fala na fila", p.4l, 13, 1.1); "- Da polu? Ora, e 0 seguinte. Polui~ilo nilo dll s6 na llgua, POl' causa do esgoto,... " ("0 Professor Limilo", p. 159, 5. 0, 1.1); "A hora aprazada, no cart6rio, quede aeromo~a." ("Apartamento para Aeromo~, p.l80, 8. 0, 1.1). A obra De Noticias & NAo Noticias faz-se a cronica, de 1974, pareceu-nos a mais rica em registros do coloquial na fonetica. Ocorrem ai de novo ta, pra, tou, pera, polu (estailltima agora accimpanhada POl'uma explica~ilo da pr6pria personagem que a usa - "ja se usa a f6rmula breve, em harmonia com a rapidez de impregna~ilo do meio pelos poluintes" (p. 123). Mas tambem temos: sacume (abrevia~ilo de sabe como e, no portugues apressado do falante popular, qua tambem gosta de ferir os padroes e ostentar.uma expressilo lingtlistica peculiar): "Padre mesmo, desses de batina, sacume? (" Aconteceu alguma coisa", p. 28, 2. 0, 1.2-3); pelai (combina~ o popular de POl'ail: "... Tern muita falsifica~ilo pelal" (Idem, p.28, 3. 0, 1.4); expo (abrevia~ilo de exposi~ilo): "0 poeta nilo previu 0 umbigo em expo,... " su (pol'sucesso): "Novidades assim garantem urn su tremendo para a boutique." (Idem, p. 74, 1. 0, 1.1).. Com estes casos 0 Cronista mostra que vem ocorrendo na fala descuidada, quando 0 exagero nas redu~oes pode mesmo dificultar a comunica~o, apenas inteligivel pelo contexto. A epoca de hoje, desorganizada e irreverente, reflete-se em desarranjos delinguagem. Nessa mesma obra temos ainda: analfa (pol' analfabeto), corrente na fala popular, quando nilo a realiza 'anarfa'; "- Agora e a minha vez de xingar voce de analfa." ("Nome de Boutique", p. 75, 3. 0, 1.1); pro (em lugar de por): -"Entilo trabalha pro governo,... " ("Banco barroco", p.83, 10. 0, 1.1); xicra (pol'xicara); "-... Agora que ja sabe tudo, 0 senhor aceita uma xicra de cafe coado na hora?" (Idem, p.85, illt., 1.6); fessora (pol'professora); "Vivo, fessora?" ("Da utilidade dos animais", p. 100, 10, 1.1); tadinha (pol'coitadinha): "- E a gente torna a cortar? Ela nao tern sossego, tadinha." (Idem, p.100, 14,1.1); ue (interjei~o popular): 171, 23, 1.1). "- Ja li tudo, ue". ("Viilva Loura", p. No livro Os Dias Lindos/Cronicas (1977), algumas das realiza~oes jll comentadas se repetem, como ta, v6, pra, ne, pera, tou, pela ai, mas outras ocorrem, como: taqui (pol'esta aqui):.. "- Eu pago 0 prejuizo, taqui 700 pratas,... " ("NOlva de POJu-

4 ca", p.61, 1.0, 1.1); ce (por voce), Ihufas (redu~lo da giria brasileira bulhufas): "- Ce nlo entendeu Ihufas." ("Equipamento Escolar", p. 95, 11.0, 1.1); tai (por estil ail: - "Tai, dessa eu na.o gostei." (Idem, p. 95, 15,1.1); praquela (por para aquela): "-... Quer dizer que a senhora esta mandando meu presente praquela parte". ("Outro Presente pra a Senhora", p.loo, 611., ). A cronica "Zarandalha", desse livrq, feita em homenagem a Ziraldo, e, talvez por isso, para real~ar 0 z desse nome, e toda uma elabora~a.o fonetica extravagante, pr6pria de poeta, uma brincadeira talvez de Drumond. Nesse escrito, entre alguns vocabulos conhecidos, outros aparecem, nascidos da imagina~a.o do artista, a enfatizar 0 som de hi e a deixar para 0 leitor todo urn trabalho de leitura... 0 pr6prio titulo "Zarandalha" na.o e nome,dicionarizado. A cronica, por sua vez, come~a assim: "Voces 840 uns z6ides - disse Zequim, e emitindo urn zornzorn mais parecido com urn zumbo, zortou apressadamente." - de onde na.o conhecemos sequer urn vocabulo de todos aqueles iniciados por z, exceto Zequim, que pode ser uma abrevia~o de Zequinha, e zumbo, que significa zumbido, ruido confuso, rumor. E claro que nlo se trata de coloquial na fala. Mas de urn 16dico fonematico que joga com 0 plano da expressa.o, que 0 deforma como esta hoje deformado 0 mundo, como estlo hoje deformados os antigos valores. Ha uma desorganiza~o Ii vista que 0 texto poetico busca refletir, significar. A palavra canta por si. Drumond harmoniza desajustamento formal com desajustamento conceptual. Logra 0 seu intento e permite-nos sentir isso. o mesmo parece ocorrer em "As Palavras que Ninguem Diz" (p ), onde estranhamos form as como diadelfo, beltiano, paranzela, oniquito, boedromia, harpaxismo, auriscalpia, aversamento, gamaralogia, subsiles, catexe, chiquete, e Ii p.102, em "Dia Santo e Feriado", onde damos com daspianas. Estas slo ocorrencias diferentes da que aparece em "A Situa~lo Complica-se", de Caminhos de Jolo Brandlo, onde temos a expres- 840 patati-patata, corriqueiramente repetida na linguagem coloquial dos nossos dias, mna especie de realiza~a.o onomatopaica da conversa fiada: "Pensei que ele fosse dizer alguma novidade, e fica nesse patatipatata!".(p.9, 1.0, ) Sempre achamos que 0 nosso levantamento reflete, em,parte, 0 encontro da fala com a escrita nessas realiza~oes foneticas registradas por Drummond. E ainda uma demonstra~o a mais de que 0 Cronista vem tentando documentar, nas cronicas ja chegadas ao tempo presente, 0 comportamento lingtiistico do homem de hoje, a sua maneira de atuar na fala diaria, assim solta, livre, displicente, e$touvada.

5 1 - Cf. HOUAISS, Antonio. "Sobre a Linguagem de Vila dos Confins" in Revista do Livro. R.J., INL, p Idem, ibidem, p ANDRADE, Carlos Drummond de. Confissoes de Minas. R.J., Americ. Edit., "Passeios na Ilba" in Obra Completa. 2. a ed. R.J. Jose Aguillar Editora, 1%7. "Fala, Amendoeira" in Obra Completa. 2. a ed., R.J., Jose Aguillar Editora, "A Boisa & a Vida" in Obra Completa. 2. a -ed. R.J., Livr. Jose Aguillar Ed., ANDRADE, Carlos Drummond de. et alii. Quadrante. R.J., Ed. do Autor, 1%2. ANDRADE, Carlos Drummond de. "Cadeirade Balanl;o" in Obra Completa, R.J., Jose Olympio Editora, Caminbos de Joao Brandao. 2. a ed. R.J., Livr. Jose Aguillar Editoni, Poder Ultrajovem e mais 79 textos em prosa e verso. 6. a ed. R.J., Livr. Jose Olympio Ed., De Noticias e Nao Noticias Faz-se a Cronica. 4. a ed., R.J. Livr. Jose Olympio Ed., Os Dias Lindos/Cronicas. 2. a ed. R.J. Jose Olympio Editora, HOUAISS, Antonio. "SQbre a Linguagem da Vila dos Confins" in Revista do Livro. R.J., INL, p.153.

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Português Compreensão de texto 3 o ano Unidade 1 5 Unidade 1 Compreensã de texto Nome: Data: A carta é uma forma de comunicação escrita que pode ser endereçada a uma ou a várias

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

CONTO OU CRÔNICA? http://64.233.179.104/search?q=cache:mjw9pgoamesj:www.anjosdepr ata.com.br/contocro.htm+livro+do+conto+a+cronica&hl=pt-br

CONTO OU CRÔNICA? http://64.233.179.104/search?q=cache:mjw9pgoamesj:www.anjosdepr ata.com.br/contocro.htm+livro+do+conto+a+cronica&hl=pt-br CONTO OU CRÔNICA? http://64.233.179.104/search?q=cache:mjw9pgoamesj:www.anjosdepr ata.com.br/contocro.htm+livro+do+conto+a+cronica&hl=pt-br O que diferencia um conto de uma crônica? Leia algumas definições

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

Unidade 3 Como escrever uma carta

Unidade 3 Como escrever uma carta UNIDADE 3 Inicialmente, é preciso destacar dois tipos básicos de carta. O primeiro é a correspondência oficial e comercial, que nos é enviada pelos poderes políticos ou por empresas privadas (comunicações

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

(Vem um Onzeneiro, e pergunta ao Arrais do Inferno, dizendo:)

(Vem um Onzeneiro, e pergunta ao Arrais do Inferno, dizendo:) Língua Portuguesa 9 º ano EBI da Charneca de Caparica FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA Nome: N.º: Turma: Data: / / Enc. Educação: Apreciação: Professor: Competências a avaliar: compreensão e expressão escritas;

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

O Livro de informática do Menino Maluquinho

O Livro de informática do Menino Maluquinho Coleção ABCD - Lição 1 Lição 1 O Livro de informática do Menino Maluquinho 1 2 3 4 5 6 7 8 Algumas dicas para escrever e-mails: 1. Aprender português. Não adianta fi car orgulhoso por mandar um e-mail

Leia mais

Processo Seletivo 1.º Semestre 2012 004. Prova Dissertativa

Processo Seletivo 1.º Semestre 2012 004. Prova Dissertativa Processo Seletivo 1.º Semestre 2012 004. Prova Dissertativa Técnico Concomitante ou Subsequente ao Ensino Médio Instruções Confira seu nome e número de inscrição impressos na capa deste caderno. Assine

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Colégio Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para as questões de 1 a 3. Material: 1 xícara quase cheia de farinha

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 FUVEST 2003 Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 Q.01 BR. Contribuindo para o cinema brasileiro rodar cada vez melhor. A Petrobras Distribuidora sempre investiu na cultura do País e acreditou no potencial

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice AULA 1 REDAÇÃO DE DOCUMENTOS... 3 Carta Comercial... 3 Requerimento... 6 Procuração... 7 Memorando... 8 Ofício... 9 Recibo...

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 7 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda? Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Curso: Nome do (a) Aluno (a): Ano: 3º Componente Curricular: Língua Portuguesa Professor

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

TROCANDO IDEIAS SOBRE A OBRA

TROCANDO IDEIAS SOBRE A OBRA Ideias sobre a obra 2 TROCANDO IDEIAS SOBRE A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) ABORDAGEM GERAL Cite outros títulos que o livro Memórias de um dicionário poderia ter. A turma vai eleger o mais interessante.

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: A REALIDADE NO PAPEL

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: A REALIDADE NO PAPEL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: A REALIDADE NO PAPEL Regiane Soares da Silva Sthefani Cristina Aporta de Oliveira Orientador: Prof. Ms. Artarxerxes Modesto 1. Introdução RESUMO:O objetivo do trabalho é analisar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Encontro do Direito com a Poesia

Encontro do Direito com a Poesia João Baptista Herkenhoff Encontro do Direito com a Poesia (Crônicas e escritos leves) G Z EDITORA Rio de Janeiro 2012 1ª edição 2012 Copyright João Baptista Herkenhoff H47e CIP Brasil. Catalogação-na-fonte.

Leia mais

O ser humano é comunicação

O ser humano é comunicação O ser humano é comunicação Sem. Andrey Nicioli anicioli@hotmail.com Catequese Arqudiocesana Pouso Alegre 14/11/2015 Primeira certeza O termo comunicação é abrangente e não se restringe aos meios midiáticos.

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

CMRJ - LINGUA PORTUGUESA 7º ANO ENSINO FUNDAMENTAL. 1. Observe a imagem abaixo e responda as perguntas a seguir:

CMRJ - LINGUA PORTUGUESA 7º ANO ENSINO FUNDAMENTAL. 1. Observe a imagem abaixo e responda as perguntas a seguir: CMRJ - LINGUA PORTUGUESA 7º ANO ENSINO FUNDAMENTAL NOTA DE AULA: ATIVIDADE DE PORTUGUÊS SOBRE VARIAÇÃO LINGUÍSTICA 1. Observe a imagem abaixo e responda as perguntas a seguir: a) Qual tipo de linguagem

Leia mais

Atividade extra. Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais. Questão 1. Língua Portuguesa e Literatura

Atividade extra. Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais. Questão 1. Língua Portuguesa e Literatura Atividade extra Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais Questão 1 Sabemos que linguagem é todo sistema de signos que serve de meio de comunicação entre indivíduos, e pode ser percebido pelos diversos

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Ivaiporã - PR Faculdades Integradas do Vale do Ivaí - UNIVALE COMISSÃO DO VESTIBULAR CONCURSO VESTIBULAR 2016 MATRÍCULA DOS APROVADOS NO VESTIBULAR A matrícula

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO Carina Pereira de Paula Cristina Monteiro da Silva Juliana Aparecida Chico de Morais (Gdas-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora-

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

"Palavra poética tem de chegar ao grau de brinquedo para ser séria."

Palavra poética tem de chegar ao grau de brinquedo para ser séria. "Palavra poética tem de chegar ao grau de brinquedo para ser séria." Manoel de Barros Cara Professora, Caro Professor, Primeiramente, queremos dar-lhe nossos parabéns por você ter sugerido ou estar pensando

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Figura 1 - Saci Urbano no trem às 14h45 O Saci é um ser libertário. Mostra essa passagem do meio rural para a urbanidade.

Figura 1 - Saci Urbano no trem às 14h45 O Saci é um ser libertário. Mostra essa passagem do meio rural para a urbanidade. ARTISTA DO SACI URBANO Figura 1 - Saci Urbano no trem às 14h45 O Saci é um ser libertário. Mostra essa passagem do meio rural para a urbanidade. Por Diana Mendes 1, Ana Maria Dietrich 2, Everson José de

Leia mais

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 TITLE OF PAPER LANGUAGE & LINGUISTIC IV COURSE NUMBER IDE-PT202 TIME ALLOWED THREE (3) HOURS INSTRUCTIONS 1. ANSWER ALL QUESTIONS. 2. DO NOT WRITE

Leia mais

LITERATURA DE CORDEL

LITERATURA DE CORDEL LITERATURA DE CORDEL O cordel como Gênero Textual Ela pode ser conceituada como poesia de cunho/teor popular, construída, linguisticamente, com base na cultura da raça humana. (FONSÊCA; FONSÊCA, 2008)

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gravatá Concurso Público 2008 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. O texto 1 serve de base para as questões de 1 a 4.

Prefeitura Municipal de Gravatá Concurso Público 2008 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. O texto 1 serve de base para as questões de 1 a 4. O texto 1 serve de base para as questões de 1 a 4. Texto 1 Compesa, queremos água! Há muitos anos, os moradores da Rua Charles Darwin, no bairro de Vila da Fábrica, em Camaragibe, sofrem e fazem pergunta

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

os chicos 2 OS CHICOS 3 os chicos De 2008 a 2011, o jornalista Gustavo Nolasco e o fotógrafo Leo Drumond percorreram as margens do rio São Francisco; passando pelos estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco,

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara Denotação x Conotação Sentido denotativo: Meus alunos comeram uns doces. Sentido conotativo: Meus alunos são uns doces. Figuras

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 8 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Novartis perde processo sobre patente do Glivec na Índia A Suprema Corte da Índia rejeitou o apelo da Novartis AG pela

Leia mais

3. De acordo com o trecho da música Quase sem querer, do grupo Legião Urbana, marque a alternativa correta: Quase sem querer

3. De acordo com o trecho da música Quase sem querer, do grupo Legião Urbana, marque a alternativa correta: Quase sem querer CURSO: ADMINISTRAÇÃO CONHECIMENTOS BÁSICOS: LINGUA PORTUGUESA 1. De acordo com a gramática da Língua Portuguesa, a Concordância é o processo sintático em que certas palavras se combinam. Tal combinação

Leia mais

Lista de exercícios de reflexão linguística

Lista de exercícios de reflexão linguística Lista de exercícios de reflexão linguística 1. Tendo em vista que as gírias compõem o quadro de variantes linguísticas ligadas ao aspecto sociocultural, analise os excertos a seguir, indicando o significado

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome:

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: -06a-34s-at-04 Língua Portuguesa Produção e Interpretação Leia um trecho do livro Uma professora muito maluquinha, de Ziraldo. Era uma vez uma professora maluquinha.

Leia mais

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO Trazer a tarefa resolvida no dia: 22/03/2013 (Sexta-feira) Prof. Vanessa Matos Interpretação de textos LISTA Nº 04 9º ANO DESCRIÇÃO: A seleção de atividades é para a leitura e interpretação. Responda os

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Projeto Minha Identidade

Projeto Minha Identidade Projeto Minha Identidade Esta apostila é a primeira a ser desenvolvida com as crianças do Espaço Voar e tem como objetivo fortalecer o senso de identidade da criança como indivíduo, oferecendo situações

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

CRÔNICAS PEDRO CÉSAR ALVES

CRÔNICAS PEDRO CÉSAR ALVES CRÔNICAS PEDRO CÉSAR ALVES www.aracatubaeregiao.com.br Nas páginas a seguir o leitor poderá apreciar e com moderação as crônicas deste cidadão em treino no ofício de cronista se assim pode-se dizer. Sempre

Leia mais

As variedades linguísticas

As variedades linguísticas As variedades linguísticas 1. Você está andando na rua e um desconhecido lhe pergunta: Você conhece a rua Castro Alves por aqui?. a) Se você conhecer, a resposta mais lógica a essa pergunta será: Sim,

Leia mais

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Atividade 1 Antes de você iniciar a leitura

Leia mais

Robson Brino Faggiani. Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo

Robson Brino Faggiani. Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo Contornando os prejuízos de comunicação: Ensino de Comportamento Verbal Robson Brino Faggiani Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo 1 O que é Comportamento Verbal? 2 Análise Funcional

Leia mais

Meu pai disse-me, à porta do Ateneu, que eu ia encontrar ( que eu encontraria ) o mundo e que (eu) tivesse coragem para a luta.

Meu pai disse-me, à porta do Ateneu, que eu ia encontrar ( que eu encontraria ) o mundo e que (eu) tivesse coragem para a luta. Tipos de Discurso (exercícios para fixação de conteúdo, bem como material de consulta e estudo). 1. Transforme a fala abaixo em um discurso indireto. Para tal, imagine que há, na cena, um narrador que

Leia mais

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE A experiência de um casal cristão que acompanha a equipa traz aos seus membros uma riqueza complementar à que caracteriza a presença do padre.

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

Francisco Canindé de Assunção Faculdade do Norte do Paraná FACNORTE / SAPIENS caindeassuncao@gmail.com

Francisco Canindé de Assunção Faculdade do Norte do Paraná FACNORTE / SAPIENS caindeassuncao@gmail.com HERMENÊUTICA E EDUCAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O ATHENEU Francisco Canindé de Assunção Faculdade do Norte do Paraná FACNORTE / SAPIENS caindeassuncao@gmail.com Com base na contribuição da hermenêutica para a

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04 Turma Nome da Disciplina - Curso SEMANAL MENSAL 04 16 Pedagogia Economia af Língua Portuguesa I 1 EMENTA Acentuação gráfica. Paráfrase. O novo acordo

Leia mais

Palavras-chave: Oficinas de Teatro; Grupos Teatrais Brasileiros, Teatro e Comunidade.

Palavras-chave: Oficinas de Teatro; Grupos Teatrais Brasileiros, Teatro e Comunidade. NETTO, Maria Amélia Gimmler. Artistas-oficineiros: da criação teatral como processo de aprendizagem. Porto Alegre: UFRGS. UFPel, Professora Assistente Nivel I. UFRGS, Mestrado, Clóvis Dias Massa. Resumo:

Leia mais

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada wwwconcurseirosocialnet PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA Questões numeradas de 01 a 15 INSTRUÇÃO: Leia, com atenção, o texto abaixo e responda

Leia mais

O que caracteriza a sequência textual descritiva é a presença de um processo de adjetivação e crescente caracterização física e psicológica de Howard.

O que caracteriza a sequência textual descritiva é a presença de um processo de adjetivação e crescente caracterização física e psicológica de Howard. 1) Gabarito oficial definitivo - Questão 1 Sequências textuais narrativas: - No tempo de Jack, o Estripador, uma época difícil para Londres, também vivia na capital britânica um afável estenógrafo chamado

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

Guimarães Rosa O maior escritor brasileiro da segunda metade do século 20

Guimarães Rosa O maior escritor brasileiro da segunda metade do século 20 Guimarães Rosa O maior escritor brasileiro da segunda metade do século 20 Características Gerais Cenário: o Sertão brasileiro. Recorrência ao grego e latim. Processo fonético na criação escrita. Fala regionalista

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Conteúdos: Linguagem literária e não literária Vivenciando o texto literário

Conteúdos: Linguagem literária e não literária Vivenciando o texto literário Conteúdos: Linguagem literária e não literária Vivenciando o texto literário Habilidades: Compreender a distinção entre linguagem literária e linguagem não literária. Analisar alguns dos mecanismos utilizados

Leia mais

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero 4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero Neste capítulo, apresentamos a análise dos dados oriundos do contato estabelecido com leitores, editores e críticos, a fim de conhecermos sua visão

Leia mais

A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade

A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE VARIABILIDADE. *Gisele Rogelin Prass RESUMO A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade surge à língua. A

Leia mais

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Renato Dias PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Escrever não é olhar para a superfície, mas para dentro. Não me interessa descrever se o personagem

Leia mais

5º ano. Atividade de Estudo - Português

5º ano. Atividade de Estudo - Português Atividade de Estudo - Português 5º ano O texto que você vai ler abaixo pertence ao gênero crônica. As crônicas transformam um acontecimento comum, do nosso dia a dia, em uma história muito interessante.

Leia mais

COMPROMISSO COM O FUTURO

COMPROMISSO COM O FUTURO Editora Artecétera apresenta: COMPROMISSO COM O FUTURO Papel Reciclado com a Família Qualidade Família Qualidade em: toda forma de vida no planeta obedece às leis naturais, agindo no meio ambiente e sendo

Leia mais

Profa. Lineide do lago Salvador M:>sca. Prof. Jose Luts Fiorin UNESP- Araraquara. Prof. Francisoo da Silva Borba UNESP- Araraquara

Profa. Lineide do lago Salvador M:>sca. Prof. Jose Luts Fiorin UNESP- Araraquara. Prof. Francisoo da Silva Borba UNESP- Araraquara Grupe>de trabatho: 0 Enaino cia Li7lf}Utatiaa naa FaauZciadea: Perapeativaa Atuais Participantes: Profa. Lineide do lago Salvador M:>sca Faculdades Integradas do ABC- Coordenadora Prof. Jose Luts Fiorin

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC. 5) O que pode ser explorado em uma mensagem breve? Veja este anúncio para resolver as questões de 6 a 8.

Sistema de Ensino CNEC. 5) O que pode ser explorado em uma mensagem breve? Veja este anúncio para resolver as questões de 6 a 8. 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Língua Portuguesa Nome: Leia este texto para resolver as questões de 1 a 5. Na TV, na Internet ou na rua, somos bombardeados por propagandas, que, sem pedir

Leia mais

Gabarito - LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA - Grupos D, E, F e G. Leia o conceito de pontuação e os fragmentos de texto abaixo:

Gabarito - LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA - Grupos D, E, F e G. Leia o conceito de pontuação e os fragmentos de texto abaixo: Leia o conceito de pontuação e os fragmentos de texto abaixo: Pontuar é sinalizar gramatical e expressivamente um texto. Celso Cunha, Gramática do Português Contemporâneo, p.618. Texto I Que bom vento

Leia mais

Possibilitar à criança o desenvolvimento de novas capacidades que a levem às situações de independência e autonomia.

Possibilitar à criança o desenvolvimento de novas capacidades que a levem às situações de independência e autonomia. Movimento Objetivo da Aula Possibilitar à criança o desenvolvimento de novas capacidades que a levem às situações de independência e autonomia. Trataremos aqui sobre o movimento, elemento que também pode

Leia mais

Professor João Paulo Valle CRASE - FCC

Professor João Paulo Valle CRASE - FCC CRASE - FCC 1. (FCC/TRT18/Analista/2013) O sinal indicativo de crase está empregado corretamente na frase a) As origens da poesia amorosa italiana geram controvérsias; as opiniões diferem conforme se dá

Leia mais

Nos últimos anos, ocorreram várias discussões, debates e publicação de obras

Nos últimos anos, ocorreram várias discussões, debates e publicação de obras O TRATAMENTO DO CONCEITO DE GRAMÁTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS Clécio Bunzen * Resumo: Este trabalho pretende investigar qual o conceito de gramática subjacente em três coleções de livros didáticos e como

Leia mais

Charles é um ser totalmente atrasado em relação à sociedade em que vive. Veio do interior e fica admirado com a imensidão da cidade grande.

Charles é um ser totalmente atrasado em relação à sociedade em que vive. Veio do interior e fica admirado com a imensidão da cidade grande. TEMPOS MODERNOS UM FILME DE Jeander Cristian, baseado na obra original de Charlie Chaplin. Pessoas apressadas andam pela cidade grande Tempo é dinheiro! Pessoas acessam informações em tempo recorde na

Leia mais

3 º Bimestre. Aula 142 Conteúdos: Sustentabilidade

3 º Bimestre. Aula 142 Conteúdos: Sustentabilidade 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 3 º Bimestre Sustentabilidade Aula 142 Conteúdos: Procedimentos de leitura- gêneros textuais e suas finalidades. Leitura

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 Apresentação do livro de Nuno Baptista-Afonso Nuno Baptista-Afonso nasceu em Mirandela, em 1979, mas é um Alfandeguense, pois aqui foi

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

Sai da frente que atrás vem gente

Sai da frente que atrás vem gente Sai da frente que atrás vem gente Oficina III - O prazer da leitura - infantil http://goo.gl/zsxdnu Tente imaginar dois irmãos briguentos, que gostam de ouvir sua mãe cantar, prestam atenção na voz do

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

EM BUSCA DE REDES ONLINE E OFFLINE

EM BUSCA DE REDES ONLINE E OFFLINE EM BUSCA DE REDES ONLINE E OFFLINE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Letras Orientadora: Maria Cecília Mollica Maitê Lopes de Almeida (Sem bolsa) Gabrielle Costa de Jesus Lourenço (PIBIC-UFRJ)

Leia mais

Matriz de Língua Portuguesa de 3ª série - Ensino Médio Comentários sobre os Tópicos e Descritores Exemplos de itens

Matriz de Língua Portuguesa de 3ª série - Ensino Médio Comentários sobre os Tópicos e Descritores Exemplos de itens Matriz de Língua Portuguesa de 3ª série - Ensino Médio Comentários sobre os Tópicos e Descritores Exemplos de itens TÓPICO V RELAÇÃO ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO O uso de recursos expressivos

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA LINGUAGEM EM A TURMA DA MÔNICA. 1. O gênero em quadrinhos: a evolução do veículo de comunicação

A EVOLUÇÃO DA LINGUAGEM EM A TURMA DA MÔNICA. 1. O gênero em quadrinhos: a evolução do veículo de comunicação A EVOLUÇÃO DA LINGUAGEM EM A TURMA DA MÔNICA Luciana da Costa Quintal professoralucianaquintal@gmail.com... o tempo altera todas as coisas; não existe razão para que a língua escape a essa lei universal.

Leia mais

PATO BRANCO, DAÍ : UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA EXPRESSÃO PRONUNCIADA POR PATO-BRANQUENSES

PATO BRANCO, DAÍ : UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA EXPRESSÃO PRONUNCIADA POR PATO-BRANQUENSES PATO BRANCO, DAÍ : UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA EXPRESSÃO PRONUNCIADA POR PATO-BRANQUENSES Ivonete de Fatima de Jesus 1 Maria de Lourdes Bernartt 2 RESUMO: O presente artigo pretende analisar a expressão

Leia mais

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto JANELA A U L A 7 Tal pai, tal filho Cenatexto Acabada a assembléia da comunidade de Júpiter da Serra, em que se discutiu a expansão da mineradora, dona Ana volta para casa com o Samuel, seu garotinho.

Leia mais

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br Fonética e Fonologia Profa. Me. Luana Lemos 1 Fonética e Fonologia Fonética é a parte da gramática que estuda os sons da fala (física) Fonologia estuda os fonemas da língua nas diversas combinações (linguística)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Plano de Aula LÍNGUA PORTUGUESA. A gíria, elemento de renovação da língua

Plano de Aula LÍNGUA PORTUGUESA. A gíria, elemento de renovação da língua Plano de Aula LÍNGUA PORTUGUESA A gíria, elemento de renovação da língua A Gíria, elemento de renovação da língua. 08 p.; il. (Série Plano de Aula; Língua Portuguesa) ISBN: 1. Ensino Fundamental - Português

Leia mais