FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS"

Transcrição

1 FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APLICAÇÃO DE ABRIGOS METÁLICOS E ABRIGOS EM ALVENARIA NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ET CPG / 6 ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA E AO DESTINATÁRIO É SOLICITADO SUBSTITUIR AS FOLHAS SUPERADAS PELAS ÚLTIMAS REVISÕES, DE ACORDO COM A INDICAÇÃO DESTA FOLHA REVISÃO 0 1 REVISÃO REVISÃO FOLHAS FOLHAS FOLHAS CONTROLE DE REVISÕES REV. CÓD. DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO EXECUÇÃO APROVAÇÃO 0 PR 08/08/05 PRELIMINAR CP JC 1 RG 09/02/06 INCLUSÃO DAS FORMAS DE FIXAÇÃO DOS ABRIGOS METÁLICOS JC JC CÓDIGO / FINALIDADE DA EMISSÃO PR PRELIMINAR PA - PARA APROV. CLIENTE CT - P/COTAÇÃO RG REVISÃO GERAL PI - PARA INFORMAÇÃO AP - APROVADO P/ CLIENTE PC - PARA CONSTRUÇÃO PL - PARA LICITAÇÃO

2 1. Objetivo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Aplicação de Abrigos Metálicos e Abrigos em Alvenaria A presente Especificação tem por objetivo definir a aplicação de abrigos metálicos ou em alvenaria em instalações residenciais e comerciais de gás natural da COMPAGAS. 2. Documentos de Referência DE CPG Abrigo em Alvenaria das EMC s 01 e 02; DE CPG Abrigo em Alvenaria da EMC 03; DE CPG Abrigo em Alvenaria das EMC s 04, 05, 06 e 07 Conexões de Entrada e Saída através de Flanges); DE CPG Abrigo Metálico das EMR s 01, 02 e 03; DE CPG Abrigo Metálico da EMR 04; DE CPG Abrigo Metálico das EMR s 05 e 06 e ERP ER-A; DE CPG Abrigo Metálico da EMR 07; DE CPG Abrigo Metálico da ERP-ER; DE CPG Abrigo Esquemático das EMR s Dimensões Básicas; DE CPG Abrigo da ERP-ER em Alvenaria; DE CPG-013 Abrigo Esquemático das EMR s e ERP ER-A em Alvenaria; DE CPG Abrigo em Alvenaria das EMC s Duplas 06 e 07; e NT CPG-001 Regulamento para Instalações Prediais de Gás RIPGás. 3. Considerações Gerais para a Aplicação dos Abrigos 3.1 Optar sempre por abrigos metálicos e que sejam preferencialmente embutidos. 3.2 Os abrigos não poderão estar engastados em muros ou construções. 3.3 A porta do abrigo deverá receber proteção anticorrosiva, apresentar placa de identificação de gás natural, possuir cadeado e não prejudicar a instalação e a manutenção dos equipamentos contidos no abrigo Quando houver abrigos contendo EMRPs em um condomínio comercial, instalados de forma afastada, cada um deles deverá receber a identificação do estabelecimento a que pertence. 3.4 Nos casos de abrigos submetidos à intempéries, o quadro da porta do abrigo não deverá reter água. 2

3 4. Abrigos Metálicos 4.1 O abrigo metálico deverá ter prioridade em relação ao abrigo em alvenaria, ser preferencialmente embutido em parede e deve obedecer a uma cota mínima de 20cm, contados entre o fundo do abrigo e o greide do terreno, conforme ilustrado na Figura (01). ALVENARIA ABRIGO DA ESTAÇÃO MÍN. 0,20 NÍVEL PISO ACABADO FIGURA 01 Abrigo embutido em alvenaria 4.2 Sempre que possível, o abrigo metálico deverá ser completamente embutido em parede, conforme ilustrado na Figura (01). Para situações que tal condição não seja possível executar em função da espessura da parede em questão, considerar que o abrigo possa ser parcialmente embutido, desde que a cota que venha a ficar para fora da parede (na parte frontal ou posterior) não ultrapasse uma cota equivalente a 1/3 (um terço) da profundidade do abrigo correspondente. A Figura (02) ilustra tal situação. Observar que tal proposição somente poderá ser adotada desde que o local selecionado para a instalação do abrigo não seja susceptível a passagem de veículos ou cargas. Nesta condição caberá ao cliente efetuar todos os ajustes e/ou acabamentos que se julgue necessário, em função da sobrecota existente. 3

4 ALVENARIA MÁX. 1/3 DA PROFUND. ABRIGO ABRIGO DA ESTAÇÃO MÍN. 0,20 NÍVEL PISO ACABADO FIGURA 02 Abrigo parcialmente embutido em alvenaria 4.3 Quando não for possível o uso do abrigo embutido, conforme previsto nos itens 4.1 ou 4.2, o mesmo poderá ser instalado sobre base de concreto, a ser construída nas dimensões da base do abrigo. Neste caso as tubulações de entrada e saída do gás devem estar embutidas em alvenaria ou concreto e o abrigo deverá estar a uma cota mínima de 20cm e máxima de 110cm em relação ao greide do terreno, conforme Figura (03). Observar que tal proposição também poderá ser utilizada desde que o local selecionado para a instalação do abrigo não seja susceptível a passagem de veículos ou cargas. A base de concreto a ser utilizada deverá ter o seu acabamento liso e de cor branca, cabendo ao cliente a responsabilidade da escolha de qualquer outra cor, tipo de pintura e/ou acabamento diferenciado. FIGURA 3 - Abrigo sobre base de concreto 4

5 NOTA situações de terrenos que apresentem algum tipo de desnível, considerar a possibilidade da construção da base do abrigo acompanhar tal desnível, desde que a sua altura máxima (do lado oposto ao desnível) não ultrapasse a cota de 110cm. Tais situações deverão ser previamente discutidas e aprovadas pela Fiscalização da COMPAGAS. 4.4 Quando as opções de embutimento e/ou utilização sobre base de concreto não forem viáveis, poderá ainda ser adotada a opção de fixação de abrigos de forma sobreposta à parede, conforme Figura (04). Tal fixação poderá ser efetuada pelo fundo do abrigo ou pelas laterais, desde que sejam atendidos os seguintes aspectos: a) ser, obrigatoriamente, posicionado num canto de parede, ou seja, no espaço formado por duas paredes perpendiculares entre si; b) ser a parede de concreto de forma que a fixação do abrigo seja possível; c) ser utilizada para estações que contenham medidores até no máximo do tipo G.6; e d) ser a tubulação de entrada/saída da estação instalada de forma aparente e no encontro das duas paredes, cabendo ao cliente efetuar todos os ajustes e/ou acabamentos que julgar necessário para o embonecamento da referida tubulação. FIGURA 4 (a) - Abrigo fixado à parede, utilizando o seu fundo FIGURA 4 (b) - Abrigo fixado à parede, utilizando sua lateral 5

6 4.5 Em todo o contorno do abrigo é necessária a aplicação de silicone para evitar a penetração de água. 4.6 O abrigo metálico deverá receber proteção anticorrosiva tanto na parte interna quanto na externa. 4.7 A cor do abrigo e da porta deverá ser branca brilhante, código Reichs-Ausschuss für Lieferbedingungen 9003 (RAL 9003). 5. Abrigos em Alvenaria 5.1 Será construído abrigo em alvenaria quando não for possível a utilização de abrigos metálicos, devido ao não atendimento de uma das condições descritas no item A construção de abrigos em alvenaria deverá ser conforme desenhos especificados no item O material a ser utilizado para a construção de abrigo em alvenaria deverá ser de tijolos cerâmicos, blocos de concreto ou concreto celular e deverá ainda possuir uma espessura mínima de parede de 12cm. 5.4 O abrigo em alvenaria deverá ser construído sobre base de concreto para garantir a sua estabilidade. 5.5 É obrigatório o revestimento da alvenaria de abrigo com argamassa de cimento. 5.6 Na construção de abrigo em alvenaria destinado a ERP-ER ou EMR as paredes da edificação ou muro de divisa não poderão ser utilizadas como parte do abrigo. É obrigatório a construção de todas as paredes do abrigo para permitir a construção da laje de cobertura apoiada nas paredes. Para construção e dimensões do abrigo ver desenho específico listado no item 2. NOTA Quando for necessária a utilização de abrigo para regulador de 2º estágio, este deverá ser instalado, quando possível, na mesma altura do abrigo principal. 6

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SOLDAS EM TUBOS E ACESSÓRIOS EM POLIETILENO PE 80 / PE 100 NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-005 ET-65-940-CPG-005 1 / 5 CONTROLE DE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VÁLVULAS DE BLOQUEIO - REDE DE AÇO CARBONO VÁLVULA ESFERA NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-005 ET-65-200-CPG-005 1 / 5 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REATERRO DE VALAS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-010 ET-65-940-CPG-010 1 / 5 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE VAZÃO DE GÁS TIPO DIAFRAGMA PARA O SEGMENTO URBANO IDENTIFICAÇÃO COMPLEMENTAR NÚMERO FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ET-65-200-CPG-035 1/6 ESTA

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE GÁS TIPO DIAFRAGMA PARA O SEGMENTO URBANO IDENTIFICAÇÃO COMPLEMENTAR NÚMERO FOLHA ET-65-200-CPG-035 1/7 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TESTE HIDROSTÁTICO E SECAGEM DE TUBULAÇÕES NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-019 ET-65-940-CPG-019 1 / 6 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PINTURA NUMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-016 ET-65-940-CPG-016 1 / 7 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VÁLVULAS DE BLOQUEIO - REDE DE AÇO CARBONO VÁLVULA ESFERA E TOP-ENTRY NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-005 ET-65-200-CPG-005 1 / 5 CONTROLE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA COLOCAÇÃO DE TUBULAÇÃO EM SERVIÇO E RETIRADA DA TUBULAÇÃO DE SERVIÇO NUMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-018 ET-65-940-CPG-018 1 / 10 CONTROLE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SINALIZAÇÃO DE OBRAS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-017 ET-65-940-CPG-017 1 / 6 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE

Leia mais

PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO DE DATA BOOK E AS-BUILT

PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO DE DATA BOOK E AS-BUILT FOLHA DE CAPA TÍTULO PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO DE DATA BOOK E AS-BUILT NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA PR-59-911-CPG-001 1/15 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM QUE REVISÃO

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h)

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) A presente orientação indica configurações de instalação da Unidade de Medição de Água (U.M.A.)

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DIRETRIZES DE PROJETO DE PROTEÇÃO CATÓDICA NA RDGN NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ET-65-200-CPG-049 1 / 8 ESTA FOLHA DE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PINTURA NUMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-016 ET-65-940-CPG-016 1 / 7 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM

Leia mais

PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL

PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL A partir de agora, de acordo com o novo regulamento de serviços de água e esgoto, publicado em 04/07/08, todas as novas instalações de água deverão contar com proteção

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 001 DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 001 DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016 Página 1 de 6 INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 001 DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016 Institui normas acerca dos procedimentos para novas ligações em condomínios verticais e/ou horizontais. O PRESIDENTE DO SERVIÇO AUTÔNOMO

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TUBOS EM AÇO CARBONO NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-001 ET-65-200-CPG-001 1 / 8 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SOLDAS EM TUBOS E ACESSÓRIOS DE AÇO NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-004 ET-65-940-CPG-004 1 / 6 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 004 DE 25 DE MARÇO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 004 DE 25 DE MARÇO DE 2015. Página 1 de 6 INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 004 DE 25 DE MARÇO DE 2015. Institui normas acerca dos procedimentos para novas ligações em condomínios verticais e/ou horizontais. O PRESIDENTE DO SERVIÇO AUTÔNOMO

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL ABRIGO DE GÁS DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 CÓDIGO ABR GLP Descrição de Equivalência Técnica Exigida Toda a instalação que utiliza o gás GLP em botijão

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais

Lajes com trânsito de até 50 m² Manta asfáltica

Lajes com trânsito de até 50 m² Manta asfáltica Lajes com trânsito de até 50 m² Manta asfáltica Sistema Impermeabilizante especificado DRYKOMANTAFLEX / DRYKOMANTA Manta asfáltica impermeabilizante industrializada, feita a base de asfaltos modificados

Leia mais

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Unifamiliares. Manual para Construção de NICHOS

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Unifamiliares. Manual para Construção de NICHOS Padrões para instalação de quadro de água Residências Unifamiliares Manual para Construção de NICHOS 2010 2 COMUSA Departamento de Projetos e Obras Equipe: Téc. Des. Cristine Berger Téc. Des. Paola Caroline

Leia mais

Pisos frios e áreas molháveis Manta Asfáltica

Pisos frios e áreas molháveis Manta Asfáltica Pisos frios e áreas molháveis Manta Asfáltica Sistema Impermeabilizante especificado DRYKOMANTAFLEX Manta asfáltica impermeabilizante industrializada, feita a base de asfaltos modificados com polímeros

Leia mais

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Paredes Knauf Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Estabilidade, resistência a impactos, proteção termoacústica e outras características inovadoras que não dividem opiniões Parede Knauf W111

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS

TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS 3 TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS Versão 2014 Data: Março / 2014 3.1 Escolha das tipologias típicas das instalações de gás... 3.3 3.2 Tipologias típicas em edifícios residenciais... 3.3 3.2.1

Leia mais

Paredes Knauf. Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto

Paredes Knauf. Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Knauf Folheto Técnico 08 / 2016 Paredes Knauf Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Estabilidade, resistência a impactos, proteção termoacústica e outras características inovadoras que não

Leia mais

Boas práticas Boas práticas de instalações de gás residencial e comercial

Boas práticas Boas práticas de instalações de gás residencial e comercial Boas práticas Boas práticas de instalações de gás residencial e comercial AGENDA DO DIA: Objetivo Apresentar boas práticas de instalação de gás combustíveis Equipamento de proteção individual e ferramentas

Leia mais

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Multifamiliares. Manual para Construção de NICHOS

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Multifamiliares. Manual para Construção de NICHOS Padrões para instalação de quadro de água Residências Multifamiliares Manual para Construção de NICHOS 2010 2 COMUSA Departamento de Projetos e Obras Equipe: Téc. Des. Cristine Berger Téc. Des.Paola Caroline

Leia mais

Piscinas e reservatórios elevados Manta Asfáltica

Piscinas e reservatórios elevados Manta Asfáltica Piscinas e reservatórios elevados Manta Asfáltica Sistema Impermeabilizante especificado DRYKOMANTA TOP - Manta asfáltica impermeabilizante industrializada feita a base de asfaltos modificados com polímeros

Leia mais

Lajes com trânsito acima de 50 m² Manta asfáltica

Lajes com trânsito acima de 50 m² Manta asfáltica Lajes com trânsito acima de 50 m² Manta asfáltica Sistema Impermeabilizante especificado DRYKOMANTA TOP Manta asfáltica impermeabilizante industrializada, feita a base de asfaltos modificados com polímeros

Leia mais

Serviço Autônomo de Água Esgoto e Meio Ambiente de Sertãozinho Departamento Técnico Setor de Engenharia. Rev 00 Data 19/10/2016 Página 1 de 5

Serviço Autônomo de Água Esgoto e Meio Ambiente de Sertãozinho Departamento Técnico Setor de Engenharia. Rev 00 Data 19/10/2016 Página 1 de 5 Data 19/10/2016 Página 1 de 5 1) Objetivo: A instalação da caixa para hidrômetro tem por objetivo os seguintes benefícios: Permitir o acesso total ao hidrômetro pelo exterior do imóvel facilitando a leitura.

Leia mais

Sauna passo-a-passo. SOCALOR saunas

Sauna passo-a-passo. SOCALOR saunas A escolha do tipo de sauna é fundamental e depende da finalidade do uso. Para comerciais onde o uso é maior, ou para sítios, chácaras, fazendas, casas e para quem gosta de mais originalidade e economia,

Leia mais

MANUAL ASSENTAMENTOS ESPECIAIS CEUSAREVESTIMENTOS

MANUAL ASSENTAMENTOS ESPECIAIS  CEUSAREVESTIMENTOS [ MANUAL ASSENTAMENTOS ESPECIAIS [ PISO AQUECIDO Indicações: O sistema de piso aquecido é indicado para porcelanatos 60x60 cm, 80x80 cm, 20,2x86,5, 58,8x119,0 e 28,8x119,0 cm, assentados com junta de 2

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE ADEQUAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3 PREFETURA MUNCPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNCPAL DE ÁGUA E ESGOTOS T177 NCHO DE PROTEÇÃO PARA HDRÔMETRO DN20mm (¾ ) SUMÁRO 1. Objetivo e campo de aplicação... 2 2. Referências... 2 3. Definições...

Leia mais

Lajes sem trânsito de até 50 m² Membrana acrílica

Lajes sem trânsito de até 50 m² Membrana acrílica Lajes sem trânsito de até 50 m² Membrana acrílica Sistema Impermeabilizante especificado DRYCRYL - Manta líquida à base de resina acrílica, pronta para uso e de fácil aplicação. Depois da cura, forma uma

Leia mais

Pisos frios e áreas molháveis Argamassa

Pisos frios e áreas molháveis Argamassa Pisos frios e áreas molháveis Argamassa Sistema Impermeabilizante especificado DRYKOTEC 5000 Revestimento impermeabilizante com alto teor de resina termoplástica e cimentos com cargas ativas, formando

Leia mais

SAMAE SEDE Rua Bahia, 1530 Atendimento de 2ª a 6ª, das 8h às 12h e das 13h às 17h.

SAMAE SEDE Rua Bahia, 1530 Atendimento de 2ª a 6ª, das 8h às 12h e das 13h às 17h. ] Ao fazer uma ligação de água ou mudança de cavalete, o cliente deverá atender ao novo padrão de ligação de água. A instalação da caixa padrão modelo SAMAE (Figura 1) fica sob responsabilidade do cliente,

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REQUISITOS MÍNIMOS A SEREM ATENDIDOS PARA RECEBIMENTO DA AUTORIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE OBRAS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

Leia mais

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica Título do Documento: Alterações FECO-D-04 e Tipo: FECO-NT-01/14 Nota Técnica Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura NOTA TÉCNICA FECO-NT-01/2014 1 - Alteração da Norma Técnica FECO-D-04,

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e Equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

Construção de casas populares no Município de Primavera-Pa

Construção de casas populares no Município de Primavera-Pa Estado do Pará Prefeitura Municipal de Primavera Secretaria Municipal de Obras Urbanismo e Transportes ANEXO I MEMORIAL DISCRITIVO Construção de casas populares no Município de Primavera-Pa Paulo José

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS038 EXECUÇÃO DE RAMAL PREDIAL Revisão: 01 Out/08 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS038 EXECUÇÃO DE RAMAL PREDIAL Revisão: 01 Out/08 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA COMPAGAS Nº 003/2012 GERÊNCIA DE VENDAS URBANO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA COMPAGAS Nº 003/2012 GERÊNCIA DE VENDAS URBANO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE INSTALAÇÕES PREDIAIS COMERCIAIS E RESIDENCIAIS NOVAS E A SEREM CONVERTIDAS, DESTINADAS AO USO DO GÁS NATURAL 1 OBJETIVO O presente Memorial Descritivo tem por objetivo

Leia mais

Guia de Projetos V1.00 R0.00 Setembro 2012

Guia de Projetos V1.00 R0.00 Setembro 2012 Guia de Projetos V1.00 R0.00 Setembro 2012 ibus - Guia de Projetos Este documento traz orientações gerais sobre o dimensionamento do sistema ibus. Importante: as orientações contidas neste documento não

Leia mais

D.A.E. Divisão de Água e Esgoto Rua 07 nº 55 - Centro Itirapina SP Cep Fone: (19)

D.A.E. Divisão de Água e Esgoto Rua 07 nº 55 - Centro Itirapina SP Cep Fone: (19) D.A.E. Divisão de Água e Esgoto Rua 07 nº 55 - Centro Itirapina SP Cep 13530-000 Fone: (19) 3575-1901 PROCEDIMENTO PASSO-A-PASSO PARA A INSTALAÇÃO DA CAIXA DE PROTEÇÃO DE HIDRÔMETRO: PROCEDIMENTOS À SEREM

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Tubos Flexíveis ( Flexíveis ) para aplicação em instalações internas prediais de gás e estações de regulagem e medição IDENTIFICAÇÃO COMPLEMENTAR NÚMERO FOLHA

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

ECOLINE é a linha de caixas de descarga de embutir de duplo fluxo capaz de conjugar economia, através da vazão de 3 ou 6 litros de água, com total

ECOLINE é a linha de caixas de descarga de embutir de duplo fluxo capaz de conjugar economia, através da vazão de 3 ou 6 litros de água, com total ECOLINE é a linha de caixas de descarga de embutir de duplo fluxo capaz de conjugar economia, através da vazão de 3 ou 6 litros de água, com total eficiência na limpeza da bacia sanitária. Imagem gentilmente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CELULARES DE CONCRETO Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-010/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE DIVISÓRIAS PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DE BELO HORIZONTE MG ER 04

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE DIVISÓRIAS PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DE BELO HORIZONTE MG ER 04 PREGÃO AMPLO 009/2003 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANATEL ER04 MINAS GERAIS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE DIVISÓRIAS PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DE BELO HORIZONTE

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 013

Especificação Técnica de Projeto Nº 013 SERVIÇO AUTÔNOMO ÁGUA E ESGOTO Especificação Técnica de Projeto Nº 013 ETP 013 Ligação de esgoto ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO APLICAÇÃO...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MOBILIÁRIO BLOCOS 100,200 E 300

MEMORIAL DESCRITIVO MOBILIÁRIO BLOCOS 100,200 E 300 FOLHA 1/5 MEMORIAL DESCRITIVO MOBILIÁRIO BLOCOS 100,200 E 300 FOLHA 2/5 INDICE 1 OBJETIVO... 3 2 DEFINIÇÕES... 3 3 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 4 MATERIAIS E ACABAMENTOS... 3 5 INSTALAÇÃO... 5 6 DESCRIÇÃO

Leia mais

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva PREFEITURA MUNICIPAL DE ILICÍNEA Estado de Minas Gerais CNPJ: 18.239.608/0001-39 Praça. Padre João Lourenço Leite, 53 Centro Ilicínea Tel (fax).: (35) 3854 1319 CEP: 37175-000 Memorial Descritivo Escola

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 004/2013 GERÊNCIA ADMINISTRATIVA TERMO DE REFERÊNCIA LOTE 2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 004/2013 GERÊNCIA ADMINISTRATIVA TERMO DE REFERÊNCIA LOTE 2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOTE 2 EDITAL DE LICITAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO MOBILIÁRIO DIRETORIA 1 MESAS COM TAMPO DE MADEIRA 1.1 MESA PRINCIPAL COM TAMPO DE MADEIRA C/ DETALHE EM COURO - O Tampo da mesa deverá ser confeccionado em

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA JUNTA DE ISOLAMENTO ELÉTRICO NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-020 ET-65-200-CPG-020 1 / 5 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Leia mais

Parafuso autoperfurante TA 3,5x25mm. Massa para tratamento de juntas com fita de papel microperfurado. Fita de isolamento Montante

Parafuso autoperfurante TA 3,5x25mm. Massa para tratamento de juntas com fita de papel microperfurado. Fita de isolamento Montante Parede Knauf W111 - Detalhes Técnicos Corte Vertical Detalhe - Junta de chapas estrutura simples TA 3,5x25mm TA 3,5x25mm com fita de com fita de Detalhe - Encontro com parede TA 3,5x25mm Parafuso com bucha

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

Folha 01/07 PLANTA - ESC. 1/25 PLANTA DA BASE - ESC. 1/25. PLANTA e PLANTA BASE. bandeja de mdf para telefone do ponto de taxi.

Folha 01/07 PLANTA - ESC. 1/25 PLANTA DA BASE - ESC. 1/25. PLANTA e PLANTA BASE. bandeja de mdf para telefone do ponto de taxi. E bandeja de mdf para telefone do ponto de taxi 20 18 10 19 89 8 8 9 29 2 0 2 R1 R2 projeção da estrutura do piso 2 7 8 base de concreto ou alvenaria 202 R2 0 0 7 0 120 0 20 0 8 20 80 0 80 29 20 21 0 0

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto TRABALHO: 1 SEMESTRE DE 2015 Suponha que você esteja envolvido(a)

Leia mais

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico Página 1 de 8 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE

RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE MEMÓRIA DESCRITIVA RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE 3 Residência unifamiliar, com 158,88 m2 de área construída, 2 pisos, arquitetura contemporânea de alto padrão, implantada em terreno

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO OBRA: CONSTRUÇÃO-BLOCO DIREITO PROPRIETÁRIO: FUNDAÇAO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE MINEIROS (FIMES) ENDEREÇO OBRA:RUA 22 ESQ.

Leia mais

CNPJ: / INSC. ESTADUAL:

CNPJ: / INSC. ESTADUAL: ANEXO V Padrões Técnicos a serem obedecidos quando da elaboração do Projeto Hidráulico que permita a Medição Individualizada nas Unidades Usuárias de Condomínios Horizontais ou Verticais I Instalação do

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO AUDITÓRIO PARA GABINETE DA SEDE DAS PROMOTORIAS DE RONDONÓPOLIS MT

ADEQUAÇÃO DO AUDITÓRIO PARA GABINETE DA SEDE DAS PROMOTORIAS DE RONDONÓPOLIS MT 1 MEMORIAL DESCRITIVO E CADERNO DE ENCARGOS ADEQUAÇÃO DO AUDITÓRIO PARA GABINETE DA SEDE DAS PROMOTORIAS DE RONDONÓPOLIS MT 2 SUMÁRIO (Arquitetura e Civil) 1 OBJETIVO...3 2 GENERALIDADES...3 SERVIÇOS A

Leia mais

POSTES DE DIVISA - ALTERNATIVAS E ORIENTAÇÕES

POSTES DE DIVISA - ALTERNATIVAS E ORIENTAÇÕES 1. Objetivo Complementar as normas referentes ao atendimento e ao fornecimento de energia elétrica em baixa tensão, quanto aos aspectos de localização e disposição dos materiais e equipamentos nas montagens

Leia mais

Assistência Técnica Predial Registro e Revisão: 01 Acionamento Página: 1/7

Assistência Técnica Predial Registro e Revisão: 01 Acionamento Página: 1/7 PROCEDIMENTO ÁREA OPERACIONAL PR-69-980-CPG-012 Assistência Técnica Predial Registro e Revisão: 01 Acionamento Página: 1/7 1. OBJETIVO Destina-se este Procedimento a definir as ações de registro, acionamento,

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário INTRODUÇÃO Prezado Cliente, Este Manual do Proprietário foi elaborada com a finalidade de transmitir, no momento da compra de seu imóvel, todas as informações referentes a sua unidade,

Leia mais

ENG2333 CONSTRUÇÃO CIVIL II

ENG2333 CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG2333 CONSTRUÇÃO CIVIL II Prof. Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 02: Instalações Elétricas O Projeto O trabalho do Eletricista não é um processo Contínuo 1) Eletrodutos ou Conduítes 1) Eletrodutos

Leia mais

MIT Manual de Infraestrutura

MIT Manual de Infraestrutura Copel Telecom MIT Manual de Infraestrutura BEL Fibra 04 de junho de 2014 Sumário Requisitos mínimos de infraestrutura para o cliente... 3 Instruções Gerais... 3 Passos para instalação... 3 Edificações

Leia mais

CONCORRÊNCIA COMPAGAS 010/2014 ADEQUAÇÃO E CONVERSÃO DE INSTALAÇÕES ANEXO L - PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS

CONCORRÊNCIA COMPAGAS 010/2014 ADEQUAÇÃO E CONVERSÃO DE INSTALAÇÕES ANEXO L - PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS Descrição Unid. Qtde. Valor Unit. Valor total Valor Unit. Valor Total Máximo Máximo Proposto Proposto 1. Levantamentos e Relatórios 1.1 Levantamento Técnico dos aparelhos a gás (CENSO) em edificações residenciais

Leia mais

Manual de Instalação da Caixa de Proteção Padrão das Ligações de Água

Manual de Instalação da Caixa de Proteção Padrão das Ligações de Água Manual de Instalação da Caixa de Proteção Padrão das Ligações de Água Manual de Instalação da Caixa de Proteção Padrão das Ligações de Água Como é novo Padrão de Ligações de Água 1. Não existe mais registro

Leia mais

CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 19/06/2012 TÍTULO: Local de fixação do pino de aterramento veicular

CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 19/06/2012 TÍTULO: Local de fixação do pino de aterramento veicular TÍTULO: 1. Objetivo O objetivo desta norma é estabelece o local de instalação do pino bola no caminhão, veículos do tipo F350 com escada metropolitana e veículos com escada metropolitana com compartilhamento

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Forros Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os forros Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação

Leia mais

Procedimentos. de projetos

Procedimentos. de projetos Procedimentos para aprovação de projetos 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo

Leia mais

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia Representação Desenho Arquitetônico Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia OS ELEMENTOS DO DESENHO ARQUITETÔNICO Os desenhos básicos que compõem um projeto de arquitetura, a partir de projeções ortogonais,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE RESPONSÁVEL: ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO CREA/CAU: A5819-0 CONTRATANTE: OBRA: CAMPUS EIRUNEPÉ LOCAL: AMAZONAS 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO 00 26/08/2016 EMISSÃO

Leia mais

(6&/$5(&,0(1726. No projeto indica esquadria PM3 de alumínio e no item da planilha diz que é chapa metálica. O que prevalecerá?

(6&/$5(&,0(1726. No projeto indica esquadria PM3 de alumínio e no item da planilha diz que é chapa metálica. O que prevalecerá? &,5&8/$51ƒ &21&255Ç1&,$1ƒ 2%-(72Construção das edificações da nova escola de Ensino Médio do SESI-DR-BA, no terreno de sua propriedade, localizado na Avenida. Orlando Gomes, s/nº - Salvador / BA, envolvendo

Leia mais

Revestimentos Knauf Conforto térmico e acústico com alta qualidade de acabamento

Revestimentos Knauf Conforto térmico e acústico com alta qualidade de acabamento Knauf Folheto Técnico 05 / 2017 Revestimentos Knauf Conforto térmico e acústico com alta qualidade de acabamento Revestimento Knauf Utilizados em áreas internas das edificações para revestir paredes, pilares,

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES ANEXO - I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1 - OBJETIVO: Tem este o objetivo de esclarecer e orientar os diversos serviços para a construção de um abrigo para o grupo gerador de 380/220 V, 55 KVA e interligações

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO. O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos.

MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO. O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos. MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos. ÍNDICE O QUE É ABRIGO MODELO? VANTAGENS DO NOVO ABRIGO COMO INSTALAR POSIÇÕES POSSÍVEIS PARA INSTALAÇÃO MATERIAIS

Leia mais

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m.

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO OBRAS / LOCALIZAÇÃO 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. 01 BUEIRO triplo na RS 715 com 3,00m X 2,00m X 19m,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E/OU CONSTRUTIVO

MEMORIAL DESCRITIVO E/OU CONSTRUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO E/OU CONSTRUTIVO 1.0 PRELIMINARES O presente memorial faz constar informações sobre o fechamento e acabamento do plenário da obra do Centro de Cultura e sede do Poder Legislativo de

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 3ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 3ª MEDIÇÃO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 3ª MEDIÇÃO OBRA: Construção da nova sede da Vara do Trabalho de Pato Branco. CONTRATADA: MG EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. Vistoria realizada no dia 05 de outubro de 2010, que

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NO PARQUE INDUSTRIAL ANHANGUERA OSASCO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NO PARQUE INDUSTRIAL ANHANGUERA OSASCO SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NO PARQUE INDUSTRIAL ANHANGUERA OSASCO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 2005 Revisado

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais