PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS038 EXECUÇÃO DE RAMAL PREDIAL Revisão: 01 Out/08 SUMÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS038 EXECUÇÃO DE RAMAL PREDIAL Revisão: 01 Out/08 SUMÁRIO"

Transcrição

1 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Condições para início dos serviços Materiais e equipamentos necessários Materiais Equipamentos Métodos e procedimentos de execução Condições gerais Tipos de Ligações Domiciliares Ligação Domiciliar Tipo 1: Ligação Domiciliar Tipo 2: Ligação Domiciliar Tipo 3: Métodos de Execução Ligação em PVC tipo ocre Ligação em Tubo Cerâmico Ligação em PEAD corrugado Caixa de Inspeção ou Caixa Adicional de Calçada (CAC) Verificação Medição Observações Registros Histórico das Alterações Anexos Ligação domiciliar tipo Ligação domiciliar tipo Ligação domiciliar tipo Detalhe da caixa adicional Detalhe da tampa da caixa adicional e do anel complementar...10 Elaboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Luiz Fernando Albrecht Jorge Konrad 21/10/08 Airana R. Canto 22/10/08 Página 1 de 10

2 1. Objetivo e campo de aplicação Esta Norma Técnica se destina a orientar os técnicos do Departamento assim como as Empresas contratadas pelo DMAE para execução de Ligação Domiciliar ou Ramal Predial para redes de esgoto sanitário existentes. 2. Referências Na aplicação desta norma é necessário consultar: NBR Projeto e execução de valas para assentamento de tubulação de água, esgoto ou drenagem urbana; Norma DMAE NP 012 Projeto de Redes Coletoras de Esgoto Sanitário; Norma DAME NS 008 Remoção e Reposição de Pavimentos 3. Definições Para os efeitos desta norma, aplicam-se as seguintes definições: Caixa de Inspeção ou CAC: equipamento de inspeção posicionado no passeio o qual recebe a ligação interna de esgoto dos imóveis conectando-a com o Coletor Predial. Coletor Predial: Entende-se como ligação domiciliar de esgoto ou coletor predial, o conjunto de tubos e peças que se estende desde o coletor publico até a caixa de inspeção. Subcoletor ou Ligação Interna: Trecho de tubulação compreendido entre a Caixa de Inspeção ou CAC e as instalações internas de esgoto dos imóveis. Embasamento: Preparo do fundo da vala com objetivo de garantir a estabilidade da tubulação. Escavação: Remoção de solo, desde a superfície natural do terreno até a cota especificada no projeto. Escoramento: Toda a estrutura destinada a manter estáveis os taludes das escavações. Ficha: Parte vertical do escoramento, cravada abaixo do fundo da vala. Fundo da vala: Parte inferior da vala, sobre a qual a tubulação é apoiada diretamente ou através de um berço adequado. Leito carroçável: Espaço compreendido entre dois meios-fios. Profundidade da vala: Diferença de nível entre o fundo da vala e a superfície do terreno. Reaterro da vala: Recomposição de solo desde o fundo da vala até a superfície do terreno. Recobrimento da tubulação: Diferença de nível entre a superfície do terreno e a geratriz superior externa da tubulação. Vala: Abertura feita no solo, por processo mecânico ou manual, com determinada seção transversal, destinada a receber tubulações. Via pública ou rua: Espaço compreendido entre dois alinhamentos e que abrange o leito carroçável e os passeios laterais. 4. Condições para início dos serviços itens: Para iniciar os serviços constantes nesta Norma deverão estar disponíveis os seguintes a) Ordem de serviço emitida pela Supervisão; b) Licenças para aberturas de via pública emitidas pela SMOV e EPTC; c) Localização dos equipamentos urbanos existentes na via pública através de pesquisa aos cadastros existentes (rede pluvial, rede de água, rede de gás, telefonia e energia elétrica); d) Materiais diversos para execução da ligação (tubos e conexões, cimento, areia, brita, saibro); e) Equipamentos para Sinalização das valas; Página 2 de 10

3 5. Materiais e equipamentos necessários A contratada deve dispor de todos os materiais e equipamentos apropriados e suficientes para a execução das Ligações Domiciliares ou Ramais Prediais. 5.1 Materiais As Ligações Domiciliares ou Ramais Prediais são constituídas por tubos, conexões, caixa adicional de calçada (CAC) e selim. Para execução das Ligações Domiciliares ou Ramais Prediais são admitidos somente materiais do mesmo tipo da rede coletora que poderão ser: a) Tubo cerâmico; b) Tubo de PVC tipo Ocre; c) Tubo de PEAD corrugado; As redes em concreto não admitem ligação domiciliar direta devendo receber as ligações de forma indireta através de redes auxiliares. 5.2 Equipamentos A contratada deverá providenciar todos os equipamentos necessários para aplicação das melhores técnicas na execução das Ligações Domiciliares ou Ramais Prediais de forma a atender plenamente os métodos e procedimentos de execução constantes nesta norma. 6. Métodos e procedimentos de execução 6.1 Condições gerais As Ligações Domiciliares ou Coletores Prediais de Esgoto devem ser executadas de forma a viabilizar a conexão das saídas de esgoto domiciliares à rede coletora de esgoto sanitário. A ligação domiciliar é obrigatória para todos os prédios situados no perímetro urbano, localizados em terrenos cuja testada tenha limite com logradouro onde seja assentada rede publica coletora de esgoto. Cada prédio deve ter sua ligação domiciliar independente, não sendo permitido esgotar dois ou mais prédios, ainda que contíguos, por uma canalização única, salvo em casos excepcionais, mediante autorização expressa da Supervisão. Cada prédio deve ter uma única ligação, salvo em caso de grandes edifícios, ou quando houver conveniência técnica, a juízo da Supervisão. O Coletor predial de esgoto deve ser executado com tubos de diâmetro nominal mínimo de 100 mm e declividade mínima de 2 %. A conexão de ligação com a rede coletora pode ser feita através de selim 90 conectado perpendicularmente ao coletor. A profundidade máxima da rede coletora admitida para receber ligação domiciliar conforme especificações desta norma deve ser de 4 metros. O recobrimento mínimo admitido para a ligação domiciliar no ponto onde esta se conecta na rede coletora deve ser de 1 metro. As tubulações das ligações domiciliares devem ser assentadas com uso das mesmas técnicas descritas na Norma DMAE NS 038 Assentamento de tubulação para redes de esgoto. 6.2 Tipos de Ligações Domiciliares O tipo de ligação a ser adotada será definido pela localização da rede coletora, sua profundidade de assentamento e principalmente em função das interferências com redes existentes. Os principais tipos de Ligação Domiciliar e seu uso recomendado são descritos a seguir: Página 3 de 10

4 6.2.1 Ligação Domiciliar Tipo 1: Este tipo de ligação será utilizado quando a profundidade rede coletora for superior a 1,5 metro. Detalhe conforme planta padrão de Ligação Domiciliar do DMAE Ligação Domiciliar Tipo 2: Este tipo de ligação será utilizado quando a rede coletora for inferior a 1,5 metro ou quando por existência interferências com redes existentes no passeio a caixa de inspeção for aprofundada. Detalhe conforme planta padrão de Ligação Domiciliar do DMAE Ligação Domiciliar Tipo 3: Este tipo de ligação será utilizado quando a rede coletora estiver posicionada no passeio e a caixa de inspeção (CAC) tenha que ser instalada sobre a rede. Neste caso a saída da ligação domiciliar deve ser efetuada pela lateral da CAC. Detalhe conforme planta padrão de Ligação Domiciliar do DMAE. 6.3 Métodos de Execução Ligação em PVC tipo ocre A conexão de ligação com a rede coletora poderá ser feita através de selim 90, junta elástica, conectado perpendicularmente ao coletor, padronizado em dois tipos: a) Para redes em PVC de até 150 mm de diâmetro, selim tipo abraçamento com travas laterais para instalação na rede por justaposição. b) Para redes em PVC de diâmetros entre 200 e 300 mm, selim tipo encaixe com furação na rede. A furação da rede será feita com a utilização de serra copo, operada por ferramenta adequada. Distinguem-se dois tipos de furação, conforme as características do selim: para o selim tipo abraçadeira, a furação será feita com o mesmo colocado no ponto de conexão, ou seja, no local onde será fixado. Desta forma, as paredes internas do selim servirão de guias para a operação da broca. Para o selim tipo encaixe, a furação do tubo será feita com a serra copo sempre posicionada verticalmente em relação ao eixo da rede coletora Ligação em Tubo Cerâmico A conexão de ligação com a rede coletora poderá ser feita através de selim cerâmico 90, junta argamassada, conectado perpendicularmente ao coletor e fixado através de argamassa de cimento e areia traço 1:3. A furação da rede deve ser feita com a utilização de serra copo ou broca, operada por ferramenta adequada de forma a não provocar fissuramentos na tubulação Ligação em PEAD corrugado A conexão de ligação com a rede coletora poderá ser feita através de selim 90, junta elástica, conectado perpendicularmente ao coletor. O selim deve ser do tipo abraçamento com travas laterais para instalação na rede por justaposição. A furação da rede será feita com a utilização de serra copo, operada por ferramenta adequada. Para o selim tipo abraçadeira, a furação será feita com o mesmo colocado no ponto de conexão, ou seja, no local onde será fixado. Desta forma, as paredes internas do selim servirão de guias para a operação da broca Caixa de Inspeção ou Caixa Adicional de Calçada (CAC) A caixa de inspeção (CAC) é a ultima unidade constituinte da ligação domiciliar de esgoto. Nela chega o subcoletor único, e dela sai da mesma forma sendo conectado em sua extremidade de jusante à rede coletora de esgoto. Página 4 de 10

5 A CAC ficará situada no passeio, em local de conveniência técnica-operacional e será em concreto pré-moldado. Detalhe conforme planta padrão de Caixa de Inspeção do DMAE. A CAC deve ter diâmetro interno de 40 cm uma profundidade máxima de 1 metro. Caso isto não seja possível a critério da Supervisão pode ser admitida profundidade maior porém com diâmetro de 60 cm. A CAC deve ser perfurada para receber as tubulações, sendo o vão preenchido com argamassa de cimento e areia traço 1:3. O tampão de concreto deve obedecer o greide do passeio, ficando visível. Deverá ficar solidário com a pavimentação, mediante execução de junta de argamassa de cimento e areia traço 1:5. 7. Verificação Durante a execução dos serviços a Supervisão realizará a avaliação dos serviços execução de Ligações Domiciliares de Esgoto emitindo parecer quanto à conformidade. Os serviços não aceitos pela Supervisão deverão ser imediatamente refeitos pela Contratada. Os casos de não conformidade verificados pela Supervisão relativas aos itens descritos nesta norma deverão ser registrados no diário de obras, assim como as providências tomadas pela Contratada. 8. Medição Compreende: Os serviços de fornecimento e instalação do selim na rede coletora, caixa de inspeção e anéis de prolongamento, assentamento da tubulação, escavação, reaterro e repavimentação. Deverão ser utilizados tantos anéis de prolongamento quantos forem necessários, de acordo com a profundidade da ligação a este custo é incluso no preço da ligação domiciliar, não sendo pago à parte. A medição deste serviço se fará por metro linear de tubulação assentada. 9. Observações Não se aplica. 10. Registros Os registros serão efetuados no Diário de Obras. 11. Histórico das Alterações 00 Criação do documento 01 21/10/2008 Revisão geral do documento e inclusão dos Anexos. 12. Anexos Página 5 de 10

6 12.1 Ligação domiciliar tipo 1 Página 6 de 10

7 12.2 Ligação domiciliar tipo 2 Página 7 de 10

8 12.3 Ligação domiciliar tipo 3 Página 8 de 10

9 12.4 Detalhe da caixa adicional Página 9 de 10

10 12.5 Detalhe da tampa da caixa adicional e do anel complementar Página 10 de 10

SUMÁRIO. laboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Luiz Fernando J. Albrecht

SUMÁRIO. laboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Luiz Fernando J. Albrecht SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e Equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA

DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA EXECUÇÃO DA AMPLIAÇÃO DA REDE COLETORA E RAMAIS PREDIAIS PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...2 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

SUMÁRIO HDD para Redes de Água HDD para Redes de Esgoto Sanitário...4

SUMÁRIO HDD para Redes de Água HDD para Redes de Esgoto Sanitário...4 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 HDD...3 5.2 Túnel Linner...3

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 MÓDULO ESCORAMENTO 5 MOS ESPECIFICAÇÕES REVISÃO 2 PÁGINA 1/9 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 2 0502 ESCORAMENTO METÁLICO...

Leia mais

TUBOS DE PVC E PEAD EM REDES DE ESGOTO

TUBOS DE PVC E PEAD EM REDES DE ESGOTO SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA TUBOS DE PVC E PEAD EM REDES DE ESGOTO LOTE 3 Versão: 004 Vigência: 06/2015 Última atualização:

Leia mais

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO I - SERVIÇOS INICIAIS CÓDIGO UN QTDE 1 CANTEIRO DE OBRAS 01.00.00.00 1.1 Construção do Canteiro 01.01.00.00 1.1.1 Ligação provisória de água e esgoto 01.01.00.10 un 1 425,19 425,19 425,19 1.1.2 Ligação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS019 ENTRONCAMENTO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS019 ENTRONCAMENTO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Equipamentos...3 6. Métodos e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS016 REATERRO E COMPACTAÇÃO DE VALAS Revisão: 02 Mar.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS016 REATERRO E COMPACTAÇÃO DE VALAS Revisão: 02 Mar. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...2 5.1 Material do reaterro...2 5.1.1

Leia mais

IMPRESSÃO NÃO AUTORIZADA

IMPRESSÃO NÃO AUTORIZADA SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e procedimentos de execução...3

Leia mais

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA - 18/10/ Base PLEO

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA - 18/10/ Base PLEO Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA - 18/10/2013 - Base Item 1. INSTALAÇÃO OBRA / SERVIÇO 1.1. 1500008 LOCAÇÃO DE REDE COM NIVELAMENTO 4.420 m 5,25 23.205,00 1.2. 1500115 SINALIZAÇÃO E PROTEÇÃO DIURNA E/OU

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS024 CORTES E DESATIVAÇÃO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS024 CORTES E DESATIVAÇÃO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...4

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3 PREFETURA MUNCPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNCPAL DE ÁGUA E ESGOTOS T177 NCHO DE PROTEÇÃO PARA HDRÔMETRO DN20mm (¾ ) SUMÁRO 1. Objetivo e campo de aplicação... 2 2. Referências... 2 3. Definições...

Leia mais

Orientações para instalação. domiciliar do sistema de FOSSA E SUMIDOURO

Orientações para instalação. domiciliar do sistema de FOSSA E SUMIDOURO Orientações para instalação domiciliar do sistema de Introdução Este manual destina-se a fornecer informações sobre construção e dimensionamento de sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÕES DE POLIETILENO NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-009 ET-65-940-CPG-009 1 / 6 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PAVIMENTAÇÃO NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-011 ET-65-940-CPG-011 1 / 5 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA

Leia mais

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO COM PAVER DE CONCRETO INTERTRAVADO.

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO COM PAVER DE CONCRETO INTERTRAVADO. PREFEITURA MUNICIPAL DE ASCURRA ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 83.102.772/0001-61 PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO COM PAVER DE CONCRETO INTERTRAVADO. LOCAL: Rua PM 103 e PM 104 Bairro Centro Ascurra - SC CONTEÚDO:

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO Rede de água 1-DETERMINAÇÕES CONSTRUTIVAS A Empresa responsável pela execução das redes

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA COMPAGAS Nº 005/2015 GERÊNCIA DE ENGENHARIA ANEXO Q8 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA COMPAGAS Nº 005/2015 GERÊNCIA DE ENGENHARIA ANEXO Q8 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO ITEM 1. INSTALAÇÃO DO(S) CANTEIRO(S) DE OBRAS, MOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E DE RECURSOS HUMANOS, ENTREGA DO MANUAL DE GARANTIA DA QUALIDADE, PLANEJAMENTO E CONTROLE DA OBRA E DESMOBILIZAÇÃO DA MESMA.

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABERTURA E FECHAMENTO DE VALAS E ASSENTAMENTO DE TUBOS EM INSTALAÇÕES INTERNAS PREDIAIS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS 1

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REATERRO DE VALAS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-010 ET-65-940-CPG-010 1 / 5 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 013

Especificação Técnica de Projeto Nº 013 SERVIÇO AUTÔNOMO ÁGUA E ESGOTO Especificação Técnica de Projeto Nº 013 ETP 013 Ligação de esgoto ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO APLICAÇÃO...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Os serviços de topografia ficarão a encargo da empresa licitante.

MEMORIAL DESCRITIVO. Os serviços de topografia ficarão a encargo da empresa licitante. MEMORIAL DESCRITIVO DADO GERAIS: OBRA: Pavimentação com Blocos de Concreto e Microdrenagem Urbana LOCAL: Rua do Comércio PROPRIETÁRIO: Município de Toropi DATA: Novembro/2008 OBJETO Pavimentação com blocos

Leia mais

Número: Cidade: UF: CPF/CNPJ:

Número: Cidade: UF: CPF/CNPJ: Página 1 de 10 1 1,00 M2 PLACA DE OBRA - RUA JOÃO FOLLMANN Valor de Referência: 863,37000 1 3,00 M2 PLACA DE OBRA EM CHAPA DE ACO GALVANIZADO Valor de Referência: 287,79000 2 1,00 M³ MOVIMENTO DE TERRA

Leia mais

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO 3ª EDIÇÃO ÍNDICE GERAL P/ 1/5 0 DISPOSIÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO, ORÇAMENTO... 2/39 CONTRATO, SUBCONTRATAÇÃO... 6/39 PRAZO DE EXECUÇÃO, GARANTIA DE SERVIÇO... 7/39 INST. DA OBRA, PESSOAL DA CONTRATADA... 8/39

Leia mais

Apoio: REDE COLETORA DE ESGOTO

Apoio: REDE COLETORA DE ESGOTO REDE COLETORA DE ESGOTO Importância do Sistema de Esgotamento Sanitário Decorrências da Implantação do SES: Promoção da Saúde Pública; Preservação dos Recursos Naturais; Potencial produtivo das pessoas;

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES OBRA: EXECUÇÃO DE CALÇAMENTO COM PEDRAS IRREGULARES LOCALIZAÇÃO: RUA A, RUA B, RUA C, RUA D e RUA E, LOTEAMENTO FUNDEC MUNICÍPIO: ITATIBA DO SUL/RS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO COM BLOCOS DE CONCRETO RUA MUNIZ FERRAZ

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO COM BLOCOS DE CONCRETO RUA MUNIZ FERRAZ MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO COM BLOCOS DE CONCRETO RUA MUNIZ FERRAZ DADOS IDENTIFICAÇÃO OBRA: Pavimentação em 2 trechos da Rua Muniz Ferraz LOCAL DA OBRA: Trecho 1 - Rua Muniz Ferraz entre as Ruas

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ETP 008 Unidade de medição para ligação de água ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO APLICAÇÃO... 2 5.

Leia mais

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA Qtd. Un Valor Unit. R$ Total

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA Qtd. Un Valor Unit. R$ Total Item/Descrição Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA Qtd. Un Valor Unit. R$ Total 1. PLANEJAMENTO OBRA E LOGÍSTICA - Etapa sem desembolso financ. Total de PLANEJAMENTO OBRA E LOGÍSTICA - Etapa sem desembolso

Leia mais

Obra:17/A029D - EDITAL PERIMETRO URBANO DE AGUA E 2018

Obra:17/A029D - EDITAL PERIMETRO URBANO DE AGUA E 2018 ORÇAMENTO C/BDI 05/02/2018 1. PLANEJAMENTO OBRA E LOGÍSTICA - Etapa sem desembolso financ. 2. ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2. 1. PESSOAL CDS000002 ENGENHEIRO/ARQUITETO FISCAL - 2 horas/dia 18,00 MS 3.403,88 61.269,84

Leia mais

PLANILHA DE CÁLCULO DE QUANTITATIVOS DE PAVIMENTAÇÃO OBRA: PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - CONVÊNIO (0240/2017) LOCAL: ( Tomé Açú)

PLANILHA DE CÁLCULO DE QUANTITATIVOS DE PAVIMENTAÇÃO OBRA: PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - CONVÊNIO (0240/2017) LOCAL: ( Tomé Açú) PLANILHA DE CÁLCULO DE QUANTITATIVOS DE PAVIMENTAÇÃO OBRA: PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - CONVÊNIO (0240/2017) LOCAL: ( Tomé Açú) 1.0 TERRAPLANAGEM ITEM DESCRIÇÃO PESO LARGURA EXTENSÃO ESPESSURA ESPECIFICO

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

PLANILHA DE CÁLCULO DE QUANTITATIVOS DE PAVIMENTAÇÃO OBRA: PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - TERMO DE COMPROMISSO 0306/2017 LOCAL: PACAJÁ / PARÁ

PLANILHA DE CÁLCULO DE QUANTITATIVOS DE PAVIMENTAÇÃO OBRA: PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - TERMO DE COMPROMISSO 0306/2017 LOCAL: PACAJÁ / PARÁ PLANILHA DE CÁLCULO DE QUANTITATIVOS DE PAVIMENTAÇÃO OBRA: PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - TERMO DE COMPROMISSO 0306/2017 LOCAL: PACAJÁ / PARÁ 1.0 TERRAPLANAGEM ITEM DESCRIÇÃO PESO LARGURA EXTENSÃO ESPESSURA

Leia mais

D.A.E. Divisão de Água e Esgoto Rua 07 nº 55 - Centro Itirapina SP Cep Fone: (19)

D.A.E. Divisão de Água e Esgoto Rua 07 nº 55 - Centro Itirapina SP Cep Fone: (19) D.A.E. Divisão de Água e Esgoto Rua 07 nº 55 - Centro Itirapina SP Cep 13530-000 Fone: (19) 3575-1901 PROCEDIMENTO PASSO-A-PASSO PARA A INSTALAÇÃO DA CAIXA DE PROTEÇÃO DE HIDRÔMETRO: PROCEDIMENTOS À SEREM

Leia mais

PLANILHA DE CÁLCULO DE QUANTITATIVOS DE PAVIMENTAÇÃO OBRA: PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - TERMO DE COMPROMISSO 0306/2017 LOCAL: MEDICILÂNDIA / PARÁ

PLANILHA DE CÁLCULO DE QUANTITATIVOS DE PAVIMENTAÇÃO OBRA: PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - TERMO DE COMPROMISSO 0306/2017 LOCAL: MEDICILÂNDIA / PARÁ 1.0 TERRAPLANAGEM ITEM DESCRIÇÃO PESO LARGURA EXTENSÃO ESPESSURA ESPECIFICO - VOLUME DISTÂNCIA SOLO (m) (m) (m) (T/m³) (m³) (km) Regularização e compactação 1.1 do Subleito até 20 cm de 9,85 443,16 4365,13

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP001 - LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS Revisão: 02 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP001 - LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS Revisão: 02 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do serviço...2 5. Métodos e procedimentos de execução...2 5.1 Serviços a serem executados:...2

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS021 TESTE E LIBERAÇÃO DE REDES/EQUIPAMENTOS Revisão: 01 Jul/08

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS021 TESTE E LIBERAÇÃO DE REDES/EQUIPAMENTOS Revisão: 01 Jul/08 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Materiais e equipamentos...3 4.1 Materiais...3 4.2 Equipamentos...3 5. Condições para início dos serviços...3 6. Métodos

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA 009/2015 ANEXO Q8 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA 009/2015 ANEXO Q8 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO ITEM 1 SERVIÇOS E MATERIAIS PARA IMPLANTAÇÃO DE RAMAIS DE POLIETILENO E/OU AÇO CARBONO. Todos os serviços e materiais necessários (exceto os materiais relacionados no Anexo Q2) à implantação dos ramais

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas da ABNT e Dec. 9369/88

Leia mais

ANEXO I PLANILHA DE CUSTOS DOS SERVIÇOS DE LIGAÇÃO DE ÁGUA, LIGAÇÃO DE ESGOTO E RELIGAÇÃO DE ÁGUA CATEGORIA RESIDENCIAL

ANEXO I PLANILHA DE CUSTOS DOS SERVIÇOS DE LIGAÇÃO DE ÁGUA, LIGAÇÃO DE ESGOTO E RELIGAÇÃO DE ÁGUA CATEGORIA RESIDENCIAL ANEXO I PLANILHA DE S DOS SERVIÇOS DE LIGAÇÃO DE ÁGUA, LIGAÇÃO DE ESGOTO E RELIGAÇÃO DE ÁGUA CATEGORIA RESIDENCIAL PREÇOS ATUAIS: LIGAÇÃO DE ÁGUA C/ HIDRÔMETRO, DIÂMETRO 3/4...300TRA...R$416,40 LIGAÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA IMPLANTAÇÃO DE QUADRA DE AREIA EM VILA CAMPOS

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA IMPLANTAÇÃO DE QUADRA DE AREIA EM VILA CAMPOS MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA IMPLANTAÇÃO DE QUADRA DE AREIA EM VILA CAMPOS O presente caderno tem por objetivo estabelecer e especificar os serviços necessários para implantação de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. OBRA: Pavimentação em Paralelepípedo em diversas ruas do Alto da Raiz.

MEMORIAL DESCRITIVO. OBRA: Pavimentação em Paralelepípedo em diversas ruas do Alto da Raiz. MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Pavimentação em Paralelepípedo em diversas ruas do Alto da Raiz. Março / 2010 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PLACA DA OBRA:... 3 3. REGULARIZAÇÃO DO SUBLEITO:... 3 4. COLCHÃO

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA 22 DE MAIO

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA 22 DE MAIO BDI MATERIAL (%) 14,02 TABELA DE REFERÊNCIA - SINAPI / PA / 10_2017 /COM DESONERAÇÃO BDI SERVIÇO (%) 27,03 ITEM CÓDIGO TABELA S - Serviço I - Insumo 1 TERRAPLANAGEM 1.1 72961 SINAPI S PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA 24 DE JANEIRO

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA 24 DE JANEIRO BDI MATERIAL (%) 14,02 TABELA DE REFERÊNCIA - SINAPI / PA / 10_2017 /COM DESONERAÇÃO BDI SERVIÇO (%) 27,03 ITEM CÓDIGO TABELA S - Serviço I - Insumo 1 TERRAPLANAGEM 1.1 72961 SINAPI S PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial INTRODUÇÃO A água da chuva causa danos: à durabilidade das construções; à boa aparência das construções. A água de chuva deve ser coletada e transportada

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA BELÉM CUSTO UNITÁRIO (R$)

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA BELÉM CUSTO UNITÁRIO (R$) BDI MATERIAL (%) 14,02 TABELA DE REFERÊNCIA - SINAPI / PA / 10_2017 /COM DESONERAÇÃO BDI SERVIÇO (%) 27,03 ITEM CÓDIGO TABELA S - Serviço I - Insumo 1 TERRAPLANAGEM 1.1 72961 SINAPI S PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

ANEXO 5 MEMORIAL DE CÁLCULO QUANTITATIVO ÍNDICE ANALÍTICO

ANEXO 5 MEMORIAL DE CÁLCULO QUANTITATIVO ÍNDICE ANALÍTICO A5-1 ANEXO 5 MEMORIAL DE CÁLCULO QUANTITATIVO ÍNDICE ANALÍTICO 1 REMOÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO E EXECUÇÃO DE PAVIMENTO 2 2 MOVIMENTAÇÃO DE TERRA 2 2.1 ESCAVAÇÃO 2 2.2 ATERRO E REATERRO 4 2.2.1 CARGA, TRANSPORTE

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 Versão: 002 Vigência: 05/2016 Atualização: 06/2016 GRUPO ATERRO

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA TRANSAMAZÔNICA A (LADO DIREITO)

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA TRANSAMAZÔNICA A (LADO DIREITO) BDI MATERIAL (%) 14,02 TABELA DE REFERÊNCIA - SINAPI / PA / 10_2017 /COM DESONERAÇÃO BDI SERVIÇO (%) 27,03 ITEM CÓDIGO TABELA S - Serviço I - Insumo 1 TERRAPLANAGEM 1.1 72961 SINAPI S PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA MAGALHÃES BARATA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PACAJÁ - PARÁ PAVIMENTAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS - URBANAS AVENIDA MAGALHÃES BARATA BDI MATERIAL (%) 14,02 TABELA DE REFERÊNCIA - SINAPI / PA / 10_2017 /COM DESONERAÇÃO BDI SERVIÇO (%) 27,03 ITEM CÓDIGO TABELA S - Serviço I - Insumo 1 TERRAPLANAGEM 1.1 72961 SINAPI S PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COM VESTIÁRIOS

Leia mais

Sistema de Esgotamento Sanitário. Marllon B. Lobato UFPR

Sistema de Esgotamento Sanitário. Marllon B. Lobato UFPR Sistema de Esgotamento Sanitário Marllon B. Lobato UFPR SES - Objetivo OBJETIVOS SANITÁRIOS Coleta e remoção rápida e segura das águas residuárias Eliminação da poluição Disposição sanitária dos efluentes

Leia mais

CAIXA DE GORDURA E INSPEÇÃO

CAIXA DE GORDURA E INSPEÇÃO CAIXA DE GORDURA E INSPEÇÃO PREDIAL >> ESGOTO >> CAIXA DE GORDURA E INSPEÇÃO 1 APRESENTAÇÃO DO PRODUTO 1.1 FUNÇÃO A caixa de gordura tem a função de receber o esgoto proveniente do ramal da cozinha, por

Leia mais

Prof. Me. Victor de Barros Deantoni

Prof. Me. Victor de Barros Deantoni Prof. Me. Victor de Barros Deantoni 2S/2016 Sistema predial de Esgotamento Sanitário Como todo projeto,em engenharia civil, deve seguir a Norma Técnica do assunto NBR 8160 Sistemas prediais de esgoto sanitário

Leia mais

BIOTRATO MANUAL DE INSTRUÇÕES

BIOTRATO MANUAL DE INSTRUÇÕES BIOTRATO MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO, LIMPEZA E GARANTIA APRESENTAÇÃO O BIOTRATO Ypuã é um equipamento inovador para tratamento de esgoto sanitário fabricado em Polietileno de qualidade,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA maio/ de 6 PONTEIRA FILTRANTE PARA REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA maio/ de 6 PONTEIRA FILTRANTE PARA REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA TÍTULO ESPECIFICÇÃO TÉCNIC maio/2006 1 de 6 PONTEIR FILTRNTE PR REBIXMENTO DE LENÇOL FREÁTICO ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Rebaixamento. Estabilidade. Suporte. PROVÇÃO PROCESSO PR 010974/18/DE/2006

Leia mais

Tabela de Custos Unitários para Serviços Contínuos de Manutenção COM DESONERAÇÃO E COM ENCARGOS COMPLEMENTARES. Página 1 de 6

Tabela de Custos Unitários para Serviços Contínuos de Manutenção COM DESONERAÇÃO E COM ENCARGOS COMPLEMENTARES. Página 1 de 6 Tabela de Custos Unitários para Serviços Contínuos de Manutenção Página 1 de 6 ITEM Companhia Pernambucana de Saneamento COMPESA UNID. UNITÁRIO 1 DIAGNÓSTICO 1.1 DIAGNÓSTICO SEM SONDAGEM 1.1.1 7207010326

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ - ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Av. Cel. Martiniano, 993, Centro - Caicó/RN CNPJ: /

MUNICÍPIO DE CAICÓ - ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Av. Cel. Martiniano, 993, Centro - Caicó/RN CNPJ: / MUNICÍPIO DE CAICÓ - ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Av. Cel. Martiniano, 993, Centro - Caicó/RN CNPJ: 08.096.570/0001-39 OBRA: REFORMA DA ILHA DE SANTANA 1.0 Serviços preliminares 1.1 PLACA DE OBRA EM CHAPA

Leia mais

Linha Esgoto Série Reforçada

Linha Esgoto Série Reforçada Linha Esgoto Série Reforçada Localização no Website Tigre: Profissional Esgoto SÉRIE REFORÇADA Função: Conduzir efluentes em Trechos de sistemas prediais de esgoto considerados críticos, tais como: tubos

Leia mais

01. De acordo com as definições da NBR 6118:2003 (Projetos de Estruturas de Concreto), em estruturas de concreto, armaduras ativas são denominadas:

01. De acordo com as definições da NBR 6118:2003 (Projetos de Estruturas de Concreto), em estruturas de concreto, armaduras ativas são denominadas: ENGENHEIRO CIVIL 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 01 A 20 01. De acordo com as definições da NBR 6118:2003 (Projetos de Estruturas de Concreto), em estruturas de concreto, armaduras ativas são denominadas:

Leia mais

1 INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA

1 INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA CONTEÚDO 1 INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA... 17 Considerações gerais... 17 Partes constituintes de um sistema predial de água fria. 18 Entrada e fornecimento de água fria... 20 Medição de água individualizada...

Leia mais

MEIOS FIOS, SARJETAS E SARJETÕES

MEIOS FIOS, SARJETAS E SARJETÕES MEIOS FIOS, SARJETAS E SARJETÕES Especificação Particular C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Dezembro de 2015 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ES 012 Rev.00 12/2015 ES 012 Rev0 pg. 1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

Instalações Prediais Hidráulico-Sanitárias: Princípios Básicos para Elaboração de Projetos

Instalações Prediais Hidráulico-Sanitárias: Princípios Básicos para Elaboração de Projetos Instalações Prediais Hidráulico-Sanitárias: Princípios Básicos para Elaboração de Projetos 1 INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA Partes constituintes de um sistema predial de água fria Entrada e fornecimento

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão 1 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 4.380,62 1.1 74077/001 SINAPI 1.2 85423 SINAPI 1.3 90778 SINAPI LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO ISOLAMENTO

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 15 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Hospital Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo

Leia mais

Aula 02:Componentes do Sistema Predial de Esgotos Sanitários. Professora: Msc. Maria Cleide R. Oliveira Lima

Aula 02:Componentes do Sistema Predial de Esgotos Sanitários. Professora: Msc. Maria Cleide R. Oliveira Lima Aula 02:Componentes do Sistema Predial de Esgotos Sanitários Professora: Msc. Maria Cleide R. Oliveira Lima E-mail: cleide.oliveira@ifrn.edu.br Componentes do Sistema Predial de Esgotos Sanitários Aparelho

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 026

Norma Técnica Interna SABESP NTS 026 Norma Técnica Interna SABESP NTS 026 COLETORES-TRONCO, INTERCEPTORES E EMISSÁRIOS POR GRAVIDADE Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 026 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Objetivo: O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os métodos de execução e os materiais a serem utilizados nas instalações de

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS

MEMORIAL DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS PREFEITURA MUNICIPAL DE ASCURRA ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 83.102.772/0001-61 MEMORIAL DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS OBRA: Pavimentação de Rua e Calçada PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Ascurra

Leia mais

Construção de casas populares no Município de Primavera-Pa

Construção de casas populares no Município de Primavera-Pa Estado do Pará Prefeitura Municipal de Primavera Secretaria Municipal de Obras Urbanismo e Transportes ANEXO I MEMORIAL DISCRITIVO Construção de casas populares no Município de Primavera-Pa Paulo José

Leia mais

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro.

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro. MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Obra: CONSTRUÇÃO DO POSTO DE SAÚDE FENACHAMP End.: Rua Campo Experimental, 190 - Bairro São Miguel Garibaldi DESCRIMINAÇÕES: A construção desta unidade de saúde

Leia mais

CC-MD-08 Águas Pluviais, Esgoto Sanitário e Industrial

CC-MD-08 Águas Pluviais, Esgoto Sanitário e Industrial CC-MD-08 Águas Pluviais, Esgoto Sanitário e Industrial 1- INTRODUÇÃO Este memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para contratação de empresa especializada para a realização de rede de coleta

Leia mais

Manual de instalação Bakof / Engenharia

Manual de instalação Bakof / Engenharia Manual de instalação Bakof / Engenharia Poço de Inspeção Poço de visita Obrigado por adquirir um produto "Bakof engenharia". Garantimos a você um produto confiável, produzido com a mais alta tecnologia

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23 Procedimento Página 1 de 23 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa as condições que devem ser obedecidas no projeto e na execução de barreiras de segurança. ABSTRACT This document presents

Leia mais

Aula 5 TRAÇADO DA REDE COLETORA

Aula 5 TRAÇADO DA REDE COLETORA Aula 5 TRAÇADO DA REDE COLETORA Tipos de traçado de rede Topografia do terreno Escoamento segundo o caimento do terreno Tipos de traçado de rede: Perpendicular; Leque; Radial ou distrital. Perpendicular:

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS020 LAVAGEM DE REDES DE ÁGUA Revisão: 02 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS020 LAVAGEM DE REDES DE ÁGUA Revisão: 02 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 4.1 Lavagem de redes existentes...3 4.2 Lavagem de redes novas...3 5. Materiais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PMCES 063/99 Especificação de Serviço 1. Página 1 de 5 DEFINIÇÃO São canalizações executadas nas camadas das vias, em geral no subleito, de modo a permitir a captação,

Leia mais

Aula 04:Dimensionamento dos Componentes do Sistema Predial de Esgotos Sanitários

Aula 04:Dimensionamento dos Componentes do Sistema Predial de Esgotos Sanitários Aula 04:Dimensionamento dos Predial de Esgotos Sanitários Professora: Msc. Maria Cleide Oliveira Lima E-mail: cleide.oliveira@ifrn.edu.br O dimensionamento dos tubos de queda, coletores prediais, subcoletores,

Leia mais

Serviço Autônomo de Água Esgoto e Meio Ambiente de Sertãozinho Departamento Técnico Setor de Engenharia. Rev 00 Data 19/10/2016 Página 1 de 5

Serviço Autônomo de Água Esgoto e Meio Ambiente de Sertãozinho Departamento Técnico Setor de Engenharia. Rev 00 Data 19/10/2016 Página 1 de 5 Data 19/10/2016 Página 1 de 5 1) Objetivo: A instalação da caixa para hidrômetro tem por objetivo os seguintes benefícios: Permitir o acesso total ao hidrômetro pelo exterior do imóvel facilitando a leitura.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Obra: CARNEIRAS NO CEMITÉRIO MUNICIPAL Localização: RUA MONTEIRO LOBATO Cidade: NÃO-ME-TOQUE Área da carneira: 2,75 m² - Carneira Adulto 1 OBJETIVO O presente memorial tem por objetivo

Leia mais

ANEXO VI CRÍTERIOS DE MEDIÇÃO DOS SERVIÇOS CONCORRÊNCIA

ANEXO VI CRÍTERIOS DE MEDIÇÃO DOS SERVIÇOS CONCORRÊNCIA Página 1 de 7 1. DE NATUREZA CONTÍNUA Pelos Serviços de Operação e Manutenção do Sistema de Distribuição de Gás Natural da Potigás será pago um valor fixo mensal durante todo o período de vigência do contrato,

Leia mais

PROJETO DE INFRAESTRUTURAS DE REDE DE ÁGUAS E ESGOTOS

PROJETO DE INFRAESTRUTURAS DE REDE DE ÁGUAS E ESGOTOS Projeto de Loteamento Urbano e dos Projetos das Obras de Urbanização da Zona de Localização Empresarial do Sabugal PROJETO DE INFRAESTRUTURAS DE REDE DE ÁGUAS E ESGOTOS MEMÓRIA DESCRITIVA REQUERENTE: CÂMARA

Leia mais

Esgoto sanitário: tubos e conexões

Esgoto sanitário: tubos e conexões Esgoto sanitário: tubos e conexões Introdução Um sistema de esgoto sanitário eficiente é de suma importância para a garantia da saúde pública e da qualidade do corpo hídrico. Os esgotos quando lançados

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência 504 Norte Novas Instalações Código do Projeto: 1566-12 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo

Leia mais

MAPA DE QU CÓDIGO 1 1.1 1.2 1.3 1.4 2 2.1 2.2 2.3 2.4 DESIGNAÇÃO Capítulo 1 - Pavimentação do caminho com início na Av. da República, em direção a Toitam, (lateral ao MINIPREÇO) Regularização e limpeza

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROJETO DE INFRA ESTRUTURA DE REDE DE FIBRAS ÓTICAS DA REQUALIFICAÇÃO DO CORREDOR DA AV. MARECHAL FLORIANO PEIXOTO

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROJETO DE INFRA ESTRUTURA DE REDE DE FIBRAS ÓTICAS DA REQUALIFICAÇÃO DO CORREDOR DA AV. MARECHAL FLORIANO PEIXOTO MEMORIAL DESCRITIVO DE PROJETO DE INFRA ESTRUTURA DE REDE DE FIBRAS ÓTICAS DA REQUALIFICAÇÃO DO CORREDOR DA AV. MARECHAL FLORIANO PEIXOTO Na elaboração deste documento, foram observadas, principalmente

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS SETOR DE GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA/OSCIP Marília/SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Rua Carlos Gomes, 167 Sala 64 Centro 17501-000 MARÍLIA/SP Fone/Fax:

Leia mais

1.0 - SERVIÇOS PRELIMINARES

1.0 - SERVIÇOS PRELIMINARES PROJETO TÉCNICO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ABASTECIMENTO DE AGUA OLHOS D ÁGUA - BOM PROGRESSO/RS 1.0 - SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 - Placa da Obra A placa da obra deverá ser modelo padrão Caixa

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM - TIPO 02 - ÁREA = 2,73 m² BDI 19,69% 1,1969 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES. SUB TOTAL 112,67 1.1 74077/001 LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h)

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) A presente orientação indica configurações de instalação da Unidade de Medição de Água (U.M.A.)

Leia mais

Instalações Hidráulicas Prediais

Instalações Hidráulicas Prediais Instalações Hidráulicas Prediais Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Aula -01 Prof.: Guilherme Nanni Grabowski Instalação predial de Esgoto Sanitário Tem por finalidade o transporte de todo o efluente

Leia mais