CARLOS RAFAEL GUERBER. Wireless Mesh Network SUMÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARLOS RAFAEL GUERBER. Wireless Mesh Network SUMÁRIO"

Transcrição

1 CARLOS RAFAEL GUERBER SUMÁRIO 1 REDES MESH SEM FIO CENÁRIOS DE UTILIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO MESH TOPOLOGIA MESH Topologia de Comunicação com Múltiplos Rádios MESH CONNECTIVITY LAYER (MCL) Avaliação MCL ROOFNET ESPECIFICAÇÃO IEEE s...13 REFERÊNCIAS...15 Wireless Mesh Network MAFRA 2008

2 2 3 1 REDES MESH SEM FIO Em sua definição Wireless Mesh Networks, (WMN) ou redes em malha sem fio referem-se a um modelo de rede sem fio descentralizada na qual cada nó que a compõem atua como ponto de passagem para outros nós. No caso da queda na comunicação de um dos nós os pacotes de dados são roteados para nós alternativos. Esse modelo de rede é auto-configurável e pode tecnicamente ter alcance estendido indefinidamente desde que haja nós distribuídos por toda a sua área de utilização. As WMNs são uma técnica para redes sem fio de nova geração. Apresentam uma solução para construção de redes wireless com escala de grande alcance sem a dependência de uma infra-estrutura de rede preexistente permitindo estender WLANs ao alcance de WWANs (Hubaux et al, 2006). As redes em malha sem fios são redes com topologia dinâmica, variável e de crescimento orgânico constituídas por nós cuja comunicação no nível físico é feita através de uma das variantes do padrão IEEE e cujo roteamento permita ser dinâmico. Nas WMNs os roteadores e clientes mesh operam como STA e como roteador encaminhando pacotes em nome de outros nós que possam estar fora do alcance direto da transmissão sem fio com o seu destinatário. Uma rede mesh sem fio é dinamicamente auto organizável e auto configurável, com os nós da rede mantendo e estabelecendo conectividade entre si em comunicação ad hoc admitindo receber novos nós em incremento conforme necessário. A configuração de uma WMN não apresenta maiores dificuldades visto que os componentes necessários estão disponíveis na forma de protocolos de roteamento ad hoc adaptados para múltiplos saltos e variáveis IEEE MAC para acesso ao meio, contudo apresenta carências em outras áreas de pesquisa. (ALBUQUERQUE et al, 2006). Para que as redes mesh sem fio disponibilizem toda capacidade esperada vários aspectos devem ser observados e melhorados de acordo com a necessidade. Como exemplo, os protocolos de acesso ao meio e de roteamento não possuem requisitos de escalabilidade suficiente, o throughput cai significativamente à medida que o número de nós ou de hops na topologia aumentam. Como conseqüência os protocolos existentes das camadas de aplicação, transporte, rede e acesso ao meio precisam de melhoramentos ou reinvenção (Akyildiz et al, 2005 e ALBUQUERQUE et al, 2006). Existem alguns fatores críticos que influenciam na performance da rede, estes fatores levam em consideração aspectos de rádio freqüência, escalabilidade da arquitetura, conectividade mesh, serviços de banda larga com requisitos de qualidade de serviço, segurança e facilidade de uso. (Akyildiz et al, 2005). 1.1 CENÁRIOS DE UTILIZAÇÃO As redes em malha para serem viáveis economicamente devem possuir cenários de utilização que justifiquem o seu aprimoramento. Alguns dos cenários possíveis são (AKYILDIZ & WANG, 2005): Redes Domésticas: em substituição as tradicionais redes , onde os roteadores mesh entrariam no lugar dos tradicionais pontos de acesso; Acesso Comunitário: vizinhos se utilizando de redes em malha para uso de sistemas de arquivos distribuídos, compartilhamento de arquivos, streaming de vídeo, etc.; Redes Empresariais: Em um mesmo prédio ou até em vários prédios escritórios de pequeno e médio porte simplificaria o processo de comunicação. Com as redes em malha, cabos seriam eliminados e a comunicação entre nós de edifícios diferentes seria mais simples através dos roteadores mesh; Redes Metropolitanas: As redes em malha se adaptam bem a esse meio, pois possuem taxa de transmissão alta, bem superior a redes de celular e a transmissão entre nós não requer um backbone cabeado; Sistema de transporte: Com essa tecnologia pode-se estender o acesso não só as estações e paradas, mas também dentro de trens, ônibus e barcos; Sistemas de segurança: Como vídeos demandam muita banda, as redes em malha se tornam uma vantagem além de facilitar a instalação do sistema e de novas câmeras ou sensores conforme a necessidade em, virtualmente, qualquer local.

3 CLASSIFICAÇÃO MESH Ser de fácil configuração e instalação e apresentar tolerância à falhas A arquitetura de uma WMN pode ser classificada em três grupos principais baseados na funcionalidade dos nós: infrastructure/backbone WMN, client WMN e hybrid WMN: (ALBUQUERQUE et al, 2006; AKYILDIZ et al, 2005 e AKYILDIZ & WANG, 2005): Infrastructure/Backbone WMNs: pode ser construída usando vários tipos de tecnologias de rádio, incluindo IEEE (WiFi). Os roteadores mesh formam uma malha entre si, podendo estar conectados a internet por meio de um gateway e servindo de backbone para clientes mesh. Também permite a integração com outras redes sem fio existentes com a utilização de propriedades bridges ou gateways em roteadores mesh. A comunicação mesh pode ser estabelecida para longo alcance com a utilização de antenas direcionais. Client WMNs: Prove redes ponto a ponto entre clientes. Nesta arquitetura os nós clientes constituem a rede e desempenham as funcionalidades de roteamento e configuração, assim como fornecem aplicações finais aos usuários. Não requer roteadores mesh. Usualmente são formadas por tipo de rádio em seus equipamentos. Hybrid WMNs: Esta arquitetura é a combinação das arquiteturas backbone e client. Usuários mesh podem acessar a rede através de roteadores ou entre clientes mesh diretamente. A arquitetura apresentada na Figura 7 ilustra este modelo de rede sugerindo a expansão em nível de WMANs onde cada STA mesh possui seu próprio BSS e assim aumenta gradativamente o alcance da rede formando a malha a níveis metropolitanos se necessário. Desta forma configura-se um ESS. Os roteadores comunicam-se possibilitando que as mensagens sejam distribuídas. Outros nós podem fazer o papel de ponte para sub-redes wireless conectando pontos de acesso formando um DS que servirá aos dispositivos móveis como porta de entrada para a rede. Assume-se que os roteadores sem fio possam fornecer acesso para diferentes grupos de dispositivos como redes de celulares, sensores ou clientes cabeados. (AKYILDIZ et al, 2005). As características de uma rede em malha sem fio se aplicam a idéia de uso da arquitetura hybrid WMNs, pois se considera a melhor forma de utilização da potencialidade oferecida pela tecnologia mesh sem fio. Entre suas características destacam-se (AKYILDIZ et al, 2005 e AKYILDIZ & WANG, 2005): Prover comunicação entre hosts que não possuem linha visada, Line of Sight (LOS). Oferecer suporte a comunicação ad hoc e a capacidade ser auto configurável e auto organizável. Aumentar a performance de rede devido à flexibilidade de sua arquitetura. Figura 7 - Arquitetura WMN

4 6 7 Se uma rede mesh não previr que dispositivos móveis podem usufruir do acesso a Internet os roteadores poderiam utilizar protocolos para roteamento em redes fixas. Mas para que nós móveis possam fazer parte da rede é conveniente utilizar algum protocolo de roteamento ad hoc para que as rotas possam ser alteradas a qualquer momento pela mobilidade ou ausência de algum nó. (ALBUQUERQUE et al, 2006). O número de possibilidades de conexões aumenta ao passo que novas STAs são acrescentadas. A quantidade de conexões Ne (número de enlaces) poderia ser matematicamente representada em (1), onde n.representa o número de nós na rede (SOARES et al, 2002). Ambientes metropolitanos não assumem a situação full mesh, mas sim uma interligação parcial devido à ausência de linha visada entre todos os nós. 1.3 TOPOLOGIA MESH A topologia mesh permite que a rede se ajuste automaticamente em sua inicialização, nesta situação existem múltiplos caminhos entre os diferentes nós. n( n 1) Ne = 2 Equação 1 Quantidade de enlaces full mesh para um rádio (1) Usando esta configuração é possível construir redes mais extensas cobrindo grandes áreas geográficas. Como exemplo, a concepção de uma malha sem fio com 100 (cem) nós full mesh representaria 4950 (quatro mil novecentos e cinqüenta) enlaces. Em Bittencourt e Oe (2005) é formalizada a topologia full mesh conforme Figura 8, com um desenho representativo de uma topologia em modelo de grafos, onde há possibilidade de diversos itinerários para transporte de um pacote. Isso faz com que uma rede não dependa exclusivamente de um único computador, ou seja, caso um computador seja retirado da rede por algum motivo o tráfego de rede não será comprometido, pois o restante dos computadores poderá manter uma comunicação entre si. A situação full mesh poderia ser considerado como o pior caso de complexidade computacional, desta forma seria interessante avaliar se o desenvolvimento de uma solução para esta situação não resultaria em processamento desnecessário, tanto para os roteadores quanto aos clientes mesh Topologia de Comunicação com Múltiplos Rádios Nos sistemas de comunicação com apenas um rádio o equipamento pode enviar ou receber um pacote, mas não ambos ao mesmo tempo. Isto reduz a capacidade da rede, pois cada nó seguinte na transmissão precisa serializar suas operações de recepção e transmissão (Microsoft Research, 2006). Um exemplo seria considerar uma rede com 4 (quatro) nós (A, B, C, D) e apenas um rádio. Para enviar 4 pacotes de A até seriam necessários 12 passos entre transmissões e recepções, ou seja, cada nó executa somente uma operação de cada vez num processo de entrada e saída. Se imaginarmos a mesma situação com dois rádios seriam necessários 6 (seis) passos em ordem de enviar com sucesso os pacotes, pois cada nó será capaz de receber um novo pacote enquanto envia outro em ações simultâneas. O princípio de funcionamento mesh está associado à densidade da rede, assim as possibilidades de caminhos aliada a multiplicidade de vários rádios pode ser uma forma de utilização desta topologia. Porém os algoritmos que operam nessas redes devem ter a preocupação em selecionar o melhor rádio em cada nó e o melhor caminho entre dois pontos da rede (MICROSOFT RESEARCH, 2006). Figura 8 Topologia full mesh

5 8 9 O crescente interesse em WMNs tem resultado em diferentes tipos de pesquisas para o desenvolvimento de soluções para os ambientes mesh. Cada solução apresentada adota diferentes tipos de abordagens sejam estas proprietárias ou não. 1.4 MESH CONNECTIVITY LAYER (MCL) A Microsoft Research montou uma equipe de pesquisadores, destinado ao estudo do assunto WMN, e no desenvolvimento de uma solução para estas redes. O projeto chama-se Self-Organizing Neighborhood Wireless Mesh Networks. (MICROSOFT RESEARCH, 2006) O equipamento utilizado são os próprios computadores pessoais do usuário, e o software é um driver instalado no sistema operacional Windows, o qual cria uma camada intermediária virtual entre as camadas de enlace e de rede da pilha ISO/OSI. O Mult-Radio LQSR (MR-LQSR), proposto por Draves et al. (2004), foi concebido como um protocolo de roteamento que combina a nova métrica Weighted Cumulative Expected Transmission Time (WCETT) ao protocolo Link Quality Source Routing (LQSR), que permite obter melhorias na escolha do melhor caminho ao levar em consideração o uso de múltiplos rádios. Em outros protocolos de roteamento para redes ad hoc as métricas utilizadas não possibilitam tirar proveito desta característica para o cálculo do melhor caminho. Algumas definições de projeto do protocolo MR-LQSR incluíram premissas para uso em ambiente de redes onde se pretende utilizá-lo, são elas (DRAVES et al, 2004): Todas as estações da rede são fixas; Cada estação é equipada com um ou mais rádios , podendo ser uma mistura de a, b ou g, e o número de rádios não precisa ser o mesmo; Assume-se que se uma estação é equipada com múltiplos rádios, os mesmos estão sintonizados em diferentes canais que não interferem entre si. Três principais objetivos foram definidos por Draves et al. (2004): O protocolo deve levar em consideração a taxa de perda e a largura de banda de um link quando o considera para inclusão no caminho. Uma vez que o protocolo de acesso ao meio Medium Access Control (MAC) das especificações incorpora mecanismos de retransmissão Automatic Repeat Request (ARQ). O ARQ é um método de correção de falhas que consiste na solicitação automática da retransmissão de um pacote de dados, caso o receptor detecte algum erro, o tempo de transmissão de um pacote em um link sem fio é dependente da largura de banda e da taxa de perda da camada física; A métrica, que combina os pesos de cada enlace, deve ser crescente, ou seja, ao se adicionar um salto em uma rota existente o custo nunca pode diminuir, visto que atravessar um link extra implica em mais consumo de recursos da rede e também em aumento no atraso total do caminho. Para uma conexão Transmission Control Protocol (TCP), por exemplo, significa aumento no Round Trip Time (RTT); Fazer uso de uma métrica não decrescente permite o uso do algoritmo de Dijkstra para encontrar o caminho; esta métrica do caminho deve explicitamente considerar a redução da vazão devido à interferência entre enlaces que operam no mesmo canal, analogamente também deve considerar o uso de diferentes canais, os quais não interferem um no outro ao longo do caminho. A nova métrica criada para representar as premissas e objetivos definidos no projeto do MR-LQSR foi o Weight Cumulative Expected Transmission Time (WCETT). É uma métrica do caminho, ou seja, uma métrica que combina os pesos de cada link no percurso e reflete sua qualidade. O MR-LQSR atribui um peso a cada link como sendo igual ao tempo médio que um pacote de tamanho fixo S leva para ser transmitido com sucesso sob o link. Este tempo depende da largura de banda e da taxa de perdas deste link. Para atribuir os pesos a cada link o MR-LQSR define o Expected Transmission Time (ETT) - Número Médio de Transmissões ajustado à largura da banda. O ETT é função de outra métrica, o Expected Transmission Count (ETX) - Número Médio de Transmissões, proposta por Couto et al. (2003).

6 10 11 A solução mesh apresentada pela pesquisa é implementada através da camada, Mesh Connectivity Layer (MCL), que é um driver que implementa um adaptador virtual de rede, como fica representado no sistema operacional. A rede mesh que estiver ao alcance do usuário será apresentada como enlace virtual. A MCL é implementada entre as camadas de enlace e de rede como mostra a Figura 9, adaptada (DRAVES et al., 2004). Figura 9 Mesh Connectivity Layer (MCL) Cada nó recebe dois ou mais rádios que irão trabalhar em canais com freqüências diferentes. Isto possibilita que os nós possam receber e enviar pacotes simultaneamente ao contrário da transmissão com apenas um rádio, onde cada nó precisa sincronizar a recepção e o envio de pacotes em todas as transmissões (DRAVES et al., 2004). Para uma melhor compreensão da tecnologia, realizou-se um teste com o MCL. A seção descreve esta experimentação. Critérios como densidade da rede não foram considerados, assim apenas 3 (três) STAs foram utilizadas. Portanto, é possível assumir que quanto mais densa a rede, mais complexo se torna o estabelecimento de rota e maior é o número de caminhos em potencial, em contrapartida, quantos menos nós mais óbvia a rota se torna. Este critério é de bastante importância, visto que para compreensão e observação dos parâmetros escolhido para a avaliação, se fez necessário induzir a rota a ser escolhida pelo protocolo do MCL. Os cenários apresentavam as seguintes características, ambiente com paredes em alvenaria, onde situações foram criadas para utilização dos parâmetros de avaliação, com a alteração do posicionamento, aumento e diminuição da distância, presença ou não de linha visada para os nós. A mobilidade considerada para os dispositivos é nula. Dois notebooks e um desktop foram utilizados, com 1 (um) rádio IEEE g operando nos mesmos canais. A Figura 10 ilustra um destes cenários onde dois testes são efetuados, sendo um destes da máquina C para B e o outro de B para C, sem linha visada entre ambas. Pode ser observado nesta situação que as duas comunicações passaram pela máquina A, pois esta possibilitava linha de visada com os nós B e C Avaliação MCL O objetivo dos testes seria identificar características de funcionamento wireless mesh com a aplicação da tecnologia MCL. Para isso, houve a necessidade da proposição de 7 (sete) cenários, com o intuito de observar o comportamento da rede tendo como parâmetro de avaliação o posicionamento dos nós, linha visada, distância entre os nós (distante ou próximo) e relação com os nós vizinhos. Figura 10 Cenário de avaliação MCL Os testes de software foram efetivados com comandos ICMP e compartilhamento de arquivos e impressão.

7 12 13 Com estas experimentações foi avaliado que a tabela de rotas é dinâmica, dependendo da disposição dos nós e sua montagem é realizada considerando em primeiro caso o sinal mais forte de rádio, e em segundo caso a STA mais próxima. Quando a formação dos dispositivos é alterada, nota-se um delay de poucos segundos (2 a 3s), para atualizar a tabela de rotas. Mesmo que não haja sinal, o MCL mantém a rota, até encontrar nível de sinal suficiente para estabelecer conexão e se necessário, utilizar novo caminho. Este delay se deve ao MCL manter os dados em cash de memória. Nas redes em malha sem fio, a rota dos pacotes é montada por completo na STA de origem devido ao reconhecimento e estabelecimento da rota com métricas que procuram avaliar o custo da transmissão através de cada link de comunicação do caminho. A avaliação mesh a partir deste experimento comprova o funcionamento das WMNs de acordo com sua definição, dentro de suas características, assim a tecnologia MCL implementa wireless mesh networks. O protocolo Srcr tenta encontrar a rota que forneça o throughput mais alto entre quaisquer pares de nós Roofnet, escolhendo aquela de menor valor para o ETT. Este considera que a rota escolhida reúne as condições mais favoráveis para trafegar a maior quantidade de pacotes por unidade de tempo. Inclui o número previsto de transmissões para a transmissão dos pacotes sobre os enlaces envolvidos em cada uma das possíveis rotas, as retransmissões necessárias são também levadas em conta. Dentre os projetos de redes em malha sem fios existentes podem ser citados pela abrangência dos experimentos científicos e contribuição técnica além dos descritos: VMesh (TSARMPOPOULOS et al, 2005), MeshNet (MESHNET, 2005), WMESH (NORTEL, 2005), Cisco Mesh Network Solution (CISCO, 2005) e GT-Mesh (ALBUQUERQUE et al, 2006). 1.6 ESPECIFICAÇÃO IEEE s 1.5 ROOFNET O Roofnet (AGUAYO et al, 2004 apud ALBUQUERQUE et al, 2006) é uma iniciativa do Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial (CSAIL) do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Seu objetivo é estudar as questões envolvidas em redes sem fio de grande escala. A proposta Roofnet do MIT (ROOFNET, 2006) define um tipo de rede no qual o próprio equipamento de acesso dos usuários é utilizado como roteador para os demais usuários da rede. Isto é, o equipamento de cada usuário conecta-se aos equipamentos dos usuários próximos sucessivamente até atingir um ou mais pontos de escoamento para Internet. O protocolo de roteamento do Roofnet, o Srcr (AGUAYO et al apud ALBUQUERQUE et al, 2005) é baseado no protocolo DSR, sendo que a diferença básica entre ambos reside na métrica utilizada para determinação da rota ótima. Enquanto o protocolo DSR utiliza o número de saltos, o Srcr utiliza a métrica ETT, derivada da ETX (COUTO et al, 2003 apud ALBUQUERQUE et al, 2006), que leva em conta também a taxa de perda de pacotes entre os nós. O IEEE s considera as redes mesh como um ESS mesh formado por uma coleção de APs interconectados por meio de links sem fio que possibilitam aprendizado automático da topologia e configuração dinâmica das rotas (HAUSER et al, 2004 e IEEE Std s, 2006). A proposta seria uma extensão para o MAC IEEE em ordem de criar um sistema de distribuição mesh sem fio que suporte transmissões em broadcast, multicast e unicast utilizando métricas para descoberta de caminhos por sinal de rádio sobre topologias de múltiplos saltos auto configurável. Um ESS mesh seria equivalente a um ESS cabeado, respeitando o relacionamento das STAs com seus BSS e ESSs. A emenda permitiria a formação e a interoperação entre ESSs mesh, desde que permita a utilização de métricas e/ou protocolos alternativos para seleção de trajeto baseados nas exigências da aplicação. Pretende-se que na arquitetura definida pela emenda seja permitido que um ESS mesh possa comunicar-se com as camadas superiores e conectar-se a outras redes usando protocolos de camadas mais elevadas. Este padrão utilizaria mecanismos da segurança IEEE i, ou uma extensão do mesmo, com a finalidade de assegurar que em um ESS mesh todos o

8 14 15 APs seriam controlados por uma única entidade administrativa lógica de segurança. A idéia seria de usar um ou mais rádios IEEE em cada nó ponto de acesso. (HAUSER et al, 2004 e IEEE Std s, 2006). REFERÊNCIAS [Aguayo et al, 2004] AGUAYO, D. BICKET, J. BISWAS, S. JUDD, G. MORRIS, R. A Measurement Study of a Rooftop b Mesh Network, Proceedings of ACM SIGCOMM Conference (SIGCOMM 2004), Setembro [Akyildiz et al, 2005] AKYILDIZ, I. F. WANG, X. WANG, W. Wireless mesh networks: a survey. Computer Networks 47 (2005) Elsevier, Disponível em Acesso em 18/07/2006. [Akyildiz & Wang, 2005] AKYILDIZ, I. F., WANG, X. A Survey on Wireless Mesh Networks. IEEE Radio Communications. Setembro, ALBUQUERQUE, Célio Vinicius Neves de, et al. GT-Mesh RT1 - Termo de referência e estado da arte. RNP. Fevereiro, 2006 [Arindam et al., 2006] Arindam K. Das, Hamed M. K. Alazemi, Rajiv Vijayakumar, Sumit Roy. Optimization Models for Fixed Channel Assignment in Wireless Mesh Networks with Multiple Radios Disponível em: Acesso em: 27/02/2007. [Bicket et al, 2005] BICKET, John. AGUAYO, Daniel. BISWAS, Sanjit. MORRIS, Robert. Architecture and Evaluation of an Unplanned b Mesh Network, Mobicom. Agosto, [Chakrabarti & Mishra, 2001] CHAKRABARTI, S. MISHRA, A. QoS Issues in Ad Hoc Wireless Networks. IEEE Communications Magazine, Fevereiro Disponível em: Acesso em: 18/01/2007. [CISCO, 2005] Cisco Systems Inc. Cisco Wireless Mesh Networking Solution Disponível em: Acesso em: 20/08/2006. DRAVES, R. et al. Routing in Multi-Radio, Multi-Hop Wireless Mesh Networks. MobiCom, EKLUND, C. et al. IEEE Standard : A Technical Overview of the Wireless MAN Air Interface for Broadband Wireless Access. IEEE Communications Magazine, vol. 40, pg , [Hauser et al, 2004] HAUSER, Jim. BAKER, Dennis. CONNER, W. Steven. IEEE P Wireless LANs. Draft PAR for IEEE ESS Mesh. Janeiro, Disponível em: Acesso em: 10/01/2007.

9 16 17 [Hubaux et al, 2006] HUBAUX, J.. WANG, X. CHOI, S. Wireless mesh networking: theories, protocols, and systems. IEEE Wireless Communications Abril [IEEE Std , 1999] IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers. Wireless LAN Medium Access Control (MAC) and Physical Layer (PHY) Specifications. IEEE Standard , [IEEE Std a, 1999] IEEE a. Institute of Electrical and Electronics Engineers. Wireless LAN Medium Access Control (MAC) and Physical Layer (PHY) Specifications. High-speed Physical Layer in the 5 GHz Band. IEEE Standard a, [IEEE Std b, 2000] IEEE b. Institute of Electrical and Electronics Engineers. Wireless LAN Medium Access Control (MAC) and Physical Layer (PHY) Specifications. Higher-speed Physical Layer (PHY) extension in the 2.4 GHz band. IEEE Standard b, [IEEE Std g, 2003] IEEE g. Institute of Electrical and Electronics Engineers. Wireless LAN Medium Access Control (MAC) and Physical Layer (PHY) Specifications.Amendment 4: Further Higher Data Rate Extension in the 2.4 GHz Band. IEEE Standard g, [IEEE Std s, 2006] IEEE s. Mesh networking proposal selected for IEEE 802(r) wireless lans. IEEE Standard s, Disponível em Acesso em: 10/01/2007. IETF Manet. Mobile Ad-hoc Networks (manet). Março de Disponível em: Acesso em 15/09/2006. [Pióro & Medhi, 2004] PIÓRO, M. MEDHI, D. Routing, Flow and Capacity Design in Communication and Computer Networks. Morgan Kaufmann (Elsevier): San Francisco, [Prasad & Wu, 2006] Prasad, R. Wu, H. Gateway Deployment optimization in Cellular Wi-Fi Mesh Networks. Journal of Networks, vol. 1, no. 3, julho [Robinson & Knightly, 2005] Robinson, J. Knightly, E. W. A Performance Study of Deployment Factors in Wireless Mesh Networks. Department of Electrical and Computer Engineering of RiceUniversity Houston/US. Disponível em: Acesso em: 27/02/2007. ROOFNET. MIT Roofnet Project Page. MIT, Disponível em: Acesso em: 10/12/2006. [Sesay et al, 2004] SESAY, S. YANG, Z. He, J. A Survey on Mobile Ad Hoc Wireless Network. Information Technology Journal 3 (2): , ISSN Asian Network for Scientific Information. [Soares et al, 2002] SOARES, L. F. G. LEMOS, G. COLCHER, S. Redes de Computadores. Das LANS, MANS e WANS às Redes ATM. 2 ed. Campus. Rio de Janeiro, WILSON, J. M. The Next Generation of Wireless LAN Emerges with n. Intel Magazine. Intel Corporation Device.com. Articles and White-papers. Agosto, Disponível em: Acesso em 20/01/2007. INTEL Co. Understanding Wi-Fi and Wi-Max as Metro-Access Solutions. Intel White Papers, Disponível em: df. Acesso em: 11/12/2006. [Ko et al. 2006] Ko, B. Misra, V. Padhye, J. Rubenstein, D. Distributed Channel Assignment in Multi-Radio Mesh Networks. Columbia University Technical Report, Disponível em: Acesso em 27/02/2007. MESHNET. Santa Barbara Mesh Network Disponível em: Acesso em: 18/08/2006. [Microsoft Research, 2006] Microsoft Mesh Networks. Disponível em: Acesso em 10/08/2006. [Nortel, 2005] Nortel. Wireless Mesh Network Solution Disponível em: <http://products.nortel.com/go/solution_content.jsp?parid=0&segid=0&catid=927&pr od_id=47160&locale=en-us>. Acesso em: 20/08/2006.

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

SUMÁRIO. UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIO DE REDES

SUMÁRIO. UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIO DE REDES UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIO DE REDES CARLOS RAFAEL GUERBER SUMÁRIO 1 AMBIENTE SEM FIO...3 1.1 CATEGORIAS, ALCANCE E APLICAÇÕES...3 1.1.1 Padrões IEEE...5

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Redes em Malha Tipo 78XX

Redes em Malha Tipo 78XX UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Eletrônica e Computação EEL879 Redes de Computadores II - 2006/2 Redes em Malha Tipo 78XX Autor: Felipe Ortigão Sampaio Buarque Schiller

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Figura 1. Arquitetura da rede em malha sem fio. Fonte: Akyildiz et al. (2005)

Figura 1. Arquitetura da rede em malha sem fio. Fonte: Akyildiz et al. (2005) UMA ABORDAGEM BASEADA EM SIMULAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DE REDES EM MALHA SEM FIO Gleicy Aparecida Cabral, Geraldo Robson Mateus Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e Redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e Redes móveis Redes de Computadores DCC/UFJF Capítulo 6 Redes sem fio e Redes móveis Material fortemente baseado nos slides do livro: Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet. Os slides foram

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Métricas de Roteamento para Redes em Malha Sem Fio

Métricas de Roteamento para Redes em Malha Sem Fio UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Diego Passos Métricas de Roteamento para Redes em Malha Sem Fio Niterói 2007 Diego Passos Métricas de Roteamento

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Evoluindo para uma Rede em Malha Sem Fio

Evoluindo para uma Rede em Malha Sem Fio Evoluindo para uma Rede em Malha Sem Fio Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, UFMG Linnyer Beatrys Ruiz linnyer@dcc.ufmg.br Departamento de Engenharia Elétrica, UFMG IEEE 802.11: Wi-Fi Popularização

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, setembro de 2014 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina PARTE II Introdução à Redes Sem Fio Apresentação do Professor

Leia mais

UM MODELO DE SIMULAÇÃO APLICADO À EXTRAÇÃO DE MÉTRICAS DE TEMPO EM REDES SEM FIO EM MALHA

UM MODELO DE SIMULAÇÃO APLICADO À EXTRAÇÃO DE MÉTRICAS DE TEMPO EM REDES SEM FIO EM MALHA UM MODELO DE SIMULAÇÃO APLICADO À EXTRAÇÃO DE MÉTRICAS DE TEMPO EM REDES SEM FIO EM MALHA Marlon da Silva Nandamudi Lankalapalli Vijaykumar Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE São José dos Campos,

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Um Protocolo de Roteamento com QoS para Redes Mesh sem Fio com Múltiplos Rádios

Um Protocolo de Roteamento com QoS para Redes Mesh sem Fio com Múltiplos Rádios SBRC 2007 - Sessão de Artigos Curtos II 1111 Um Protocolo de Roteamento com QoS para Redes Mesh sem Fio com Múltiplos Rádios Rachel de C. Paschoalino 1,2,EdmundoR.M.Madeira 1 1 Instituto de Computação

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva Introdução à Computação Móvel IP Móvel Francisco José da Silva e Silva Francisco Silva 1 Movimentação de Host Francisco Silva 2 Movimentação de Host Se um host não estiver no enlace identificado por seu

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC Análise de Protocolos de Roteamento para Redes Mesh Glaucia Melissa Medeiros Campos

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC Análise de Protocolos de Roteamento para Redes Mesh Glaucia Melissa Medeiros Campos Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretariado de Estado da Educação e Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEG Departamento

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

Redes Mesh: uma aplicação no município de Santarém/Pa.

Redes Mesh: uma aplicação no município de Santarém/Pa. Redes Mesh: uma aplicação no município de Santarém/Pa. Camila Queiroz Bessa milabessa24@hotmail.com Instituto de Estudos Superiores da Amazônia - IESAM Endereço: Avenida Gov. José Malcher, 1148 - Nazaré

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

Projeto de Redes em Malha Sem Fio: Metodologia de Implantação em Ambientes Indoor e Outdoor

Projeto de Redes em Malha Sem Fio: Metodologia de Implantação em Ambientes Indoor e Outdoor Projeto de Redes em Malha Sem Fio: Metodologia de Implantação em Ambientes Indoor e Outdoor Carlos Jean F. de Quadros, Vagner de B. Nascimento, Billy A. Pinheiro, Antônio J. G. Abelém, Eduardo C. Cerqueira

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

i) configurar uma rede local sem-fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem-fio ponto-a-ponto

i) configurar uma rede local sem-fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem-fio ponto-a-ponto Laboratório de IER 11 o experimento Objetivo: Introdução i) configurar uma rede local sem-fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem-fio ponto-a-ponto O padrão

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

i) configurar uma rede local sem fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem fio ponto a ponto

i) configurar uma rede local sem fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem fio ponto a ponto Laboratório de IER 10 o experimento Objetivo: Introdução i) configurar uma rede local sem fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem fio ponto a ponto O padrão

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais