ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS. Stephen Castles. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS. Stephen Castles. Introdução"

Transcrição

1 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS Stephen Castles Resumo As mudanças globais e a crescente importância dos fluxos e das redes transnacionais em todas as áreas da vida social criam novos desafios às ciências sociais. No entanto, os pressupostos fundamentais destas ciências estão ligados às suas origens, que radicam em modelos ocidentais de industrialização e de formação do estado-nação. Ainda subsistem especificidades nacionais consideráveis na organização, nas abordagens teóricas e metodológicas, nos problemas estudados e nos resultados. Em contrapartida o estudo das transformações sociais pode ser entendido como a análise das articulações transnacionais e da forma como estas afectam as sociedades nacionais, as comunidades locais e os indivíduos. As novas abordagens passaram a contemplar a pesquisa científica dos processos transnacionais; a análise, através de metodologias participativas, das dimensões locais da mudança; e a construção de redes de investigação internacionais e interdisciplinares. Palavras-chave Desenvolvimento, globalização, transnacionalização, transformação social. Introdução O úl ti mo quar tel do sé cu lo XX foi um pe río do de rá pi do cres ci men to das li ga çõese dos flu xos trans na ci o na is que afec tam to das as es fe ras da vida hu ma na: eco no mia, po lí ti ca, am bi en te, cul tu ra, so ci e da de e mes mo as re la ções in ter pes so a is. Estes pro - ces sos glo ba is de ram ori gem a im por tan tes trans for ma ções so ci a is em todo o mun - do, fa zen do com que ve lhas di co to mi as eco nó mi cas e cul tu ra is, como mo der noe tra di ci o nal, al ta men te de sen vol vi do e me nos de sen vol vi do, Ori en te e Oci den - te, o Sul e o Nor te, per des sem sa liên cia. Tor nou-se cada vez mais di fí cil agir lo - cal men te sem pen sar glo bal men te (como diz o slo gan ), en quan to o ní vel de aná li se na ci o nal foi per den do par te da sua pro e mi nên cia como en qua dra men to para a com pre en são da so ci e da de. 1 Os ci en tis tas so ci a is que se lan ça ram no es tu do des tas mu dan ças im por tan tes de pres sa se vi ram con fron ta dos com os li mi tes das te o ri as e das me to do lo gi as exis - ten tes. Dis ci pli nas cen tra is, como a eco no mia ou a so ci o lo gia, as sen ta vam (mu i tas ve zes ta ci ta men te) em as sun ções cul tu ra is e mo de los de de sen vol vi men to de ri va - dos da ex pe riên cia oci den tal do ca pi ta lis mo e da in dus tri a li za ção. A evo lu ção do co nhe ci men to das ciên ci as so ci a is as sen ta ra, em gran de me di da, nos prin cí pi os re - que ri dos para a cons tru ção e in te gra ção do es ta do-na ção oci den tal, como for ma or - ga ni za ci o nal por ex ce lên cia para a ex pan são e a he ge mo nia glo ba is. Assim se SOCIOLOGIA, PROBLEMAS E PRÁTICAS, n.º 40, 2002, pp

2 124 Stephen Castles com pre en de a ên fa se co lo ca da, não só, na com pre en são da so ci e da de in dus tri al emer gen te, mas tam bém no es tu do das so ci e da des co lo ni za das, de modo a con tro - lar clas ses e po vos pe ri go sos (ver Con nel e Connel, 1997). Para além dis to, ape sar do in ter câm bio in ter na ci o nal entre ci en tis tas so ci a is, exis tiu (e exis te ain da) uma con si de rá vel es pe ci fi ci da de na ci o nal nos mo dos de or - ga ni za ção, nas abor da gens teó ri cas e me to do ló gi cas, nos pro ble mas es tu da dos e nos re sul ta dos das ciên ci as so ci a is. No seio de cada país exis tem es co las ou pa ra - dig mas con cor ren tes; no en tan to, ra di cam em en qua dra men tos in te lec tu a is dis tin - tos, com for tes ra í zes his tó ri cas e de uma du ra bi li da de sur pre en den te. Estes qua - dros de re fe rên cia fo ram mu i tas ve zes ex por ta dos para áre as de in fluên cia po lí ti ca e cul tu ral, atra vés de uma es pé cie de neoco lo ni za ção in te lec tu al. Entre as de ter mi - nan tes da es pe ci fi ci da de na ci o nal en con tram-se: as tra di ções re li gi o sas, fi lo só fi cas e ide o ló gi cas; o pa pel de sem pe nha do pe los in te lec tu a is na cons tru ção da cul tu ra e da iden ti da de na ci o nais, que foi va ri an do ao lon go da his tó ria; as re la ções entre es - ta dos e clas ses po lí ti cas ; o pa pel das ciên ci as so ci a is no de se nho de po lí ti cass o - ciais; e os mo dos de in te rac ção do apa re lho do es ta do com as uni ver si da des e ou - tras ins ti tu i ções de in ves ti ga ção. Não é este o lo cal apro pri a do para de sen vol ver ma té ri as do âm bi to da so ci o - lo gia do co nhe ci men to. Mas as trans for ma ções glo ba is e a cres cen te im por tân cia dos pro ces sos trans na ci o na is re que rem das ciên ci as so ci a is no vas abor da gens, que não de cor rem au to ma ti ca men te dos pa ra dig mas exis ten tes, vis to que es tes as sen - tam fre quen te men te em en qua dra men tos ins ti tu ci o na is e con cep tu a is que po dem re ve lar-se re sis ten tes à mu dan ça, e cu jos pro ta go nis tas po dem ter for tes in te res se s na pre ser va ção do sta tus quo in te lec tu al. Se a te o ria so ci al clás si ca teve os seus fun - da men tos na so ci e da de na ci o nal-in dus tri al emer gen te do sé cu lo XIX e do iní cio do sé cu lo XX, a re no va ção da te o ria so ci al de ve ria to mar como pon to de par ti da as trans for ma ções glo ba is que ocor rem no de al bar do sé cu lo XXI. À me di da que as li - ga ções trans na ci o na is pe ne tram em to das as es fe ras da vida em so ci e da de, as fron - te i ras na ci o na is tor nam-se cada vez mais po ro sas e as au to no mi as lo ca is per dem im por tân cia. As co mu ni da des e as re giões tor nam-se mais in ter li ga das e mu tu a - men te de pen den tes. Assim como aba ter uma flo res ta num lu gar pro duz con se - quên ci as que afec tam o am bi en te glo bal, é pro vá vel que trans for ma ções so ci a is, eco nó mi cas, cul tu ra is e po lí ti cas num país es pe cí fi co afec tem as pes so as vi ven do nou tros pon tos do glo bo. O es tu do das trans for ma ções so ci a is pode as sim ser en - ten di do como a aná li se das ar ti cu la ções trans na ci o na is e da for ma como es tas afec - tam as so ci e da des na ci o na is, as co mu ni da des lo ca is e os in di ví du os. É este, em ter mos ge né ri cos, o pen sa men to em que as sen ta o pro gra ma Ma na - ge ment of So ci al Trans for ma ti on (MOST) da UNESCO. O pro gra ma MOST tem vin do a pa tro ci nar re des in ter na ci o na is que vi sam de sen vol ver no vos te mas, mé to dose te o ri as, atra vés de prá ti cas de in ves ti ga ção as sen tes na for ma ção de equi pas. O de - sen vol vi men to de um en qua dra men to teó ri co glo bal está ain da a dar os pri me i ros pas sos. Este ar ti go pre ten de ser uma con tri bu i ção para este de ba te, atra vés da dis - cus são de al gu mas ide i as bá si cas dos es tu dos da trans for ma ção so ci al. 2 Como é evi den te, esta ta re fa não é es pe cí fi ca da UNESCO, ten do co me ça do a sur gir nos úl - ti mos anos uma bi bli o gra fia rica e ino va do ra so bre a glo ba li za ção e as

3 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS 125 trans for ma ções so ci a is. Re fi ra-se tam bém que os agen tes en vol vi dos no tra ba lho de ter re no, pro ve ni en tes de or ga ni za ções bas tan te di ver sas, tan to go ver na men ta i s como não go ver na men ta is, têm vin do a de sen vol ver e a uti li zar os prin cí pi os do es - tu do da trans for ma ção so ci al. Te mos en tre mãos um cam po com ple xo e em rá pi da mu dan ça. Transformação social e desenvolvimento O ter mo trans for ma ção so ci al não en vol ve qual quer no vi da de in trín se ca. Nor mal - men te, im pli ca uma no ção sub ja cen te sobre o modo como a so ci e da de e a cul tu ra se trans for mam em res pos ta a fac to res como o cres ci men to eco nó mi co, a guer ra, ou con vul sões po lí ti cas. Po de mos ter em men te a gran de trans for ma ção das so ci e - da des oci den ta is (Po lan yi, 1944), pro vo ca da pela in dus tri a li za ção e pela mo der ni - za ção, ou al te ra ções mais re cen tes as so ci a das à des co lo ni za ção, à for ma ção do est a - do-na ção e a mu dan ças eco nó mi cas. Con si de ro que é útil de fi nir o es tu do da trans - for ma ção so ci al de um novo modo, mais es pe cí fi co, en quan to en qua dra men to ana lí - ti co in ter dis ci pli nar para a com pre en são das ar ti cu la ções glo ba is e dos seus efe i tos re gi o na is, na ci o na is e lo ca is. O es tu do da trans for ma ção so ci al tem as sim de ser con cep tu a li za do em con tras te com a noção de de sen vol vi men to (ou de es tu do do de sen vol vi men to). Modernidade, progresso e desenvolvimento A no ção de de sen vol vi men to im pli ca fre quen te men te uma cren ça te le o ló gi ca na pro - gres são para um ob jec ti vo pré-de fi ni do: nor mal men te o tipo de eco no mia e de so - ciedade que en con tra mos nos pa í ses oci den ta is al ta men te de sen vol vi dos. A no - ção de trans for ma ção so ci al, pelo con trá rio, não su põe qual quer re sul ta do pré-de - ter mi na do, nem tão-pou co que se tra te de um pro ces so es sen ci al men te po si ti vo. A trans for ma ção so ci al pode ser vis ta como a an tí te se da glo ba li za ção, num sen ti do di a - léc ti co em que é par te in te gran te da glo ba li za ção e, si mul ta ne a men te, como um pro ces so que mina as suas ide o lo gi as nu cle a res. Hoje em dia, as te o ri as ne o li be ra i s do mi nan tes sobre a glo ba li za ção ir ra di am um ca rác ter autoce le bra tó rio. Em con - tra par ti da, fo ca li zar as con vul sões so ci a is, que ine vi ta vel men te acom pa nham a glo ba li za ção eco nó mi ca, pode con du zir a le i tu ras mais crí ti cas. A du a li da de de le i - tu ras tor nou-se evi den te, em ter mos prá ti cos, du ran te a cri se eco nó mi ca e fi nan ce i - ra asiá ti ca de , quan do os go ver nos e as or ga ni za ções in ter na ci o na is to ma - ram cons ciên cia, su bi ta men te, das con tra di ções so ci a is dos mer ca dos mun di a is não re gu la dos. O pro lon ga men to da ló gi ca di a léc ti ca te ria, evi den te men te, re que - ri do um es for ço no sen ti do de pro cu rar a sín te se, ou uma so lu ção para as ac tu a is con tra di ções que as no vas no ções de de sen vol vi men to sus ten ta do e de de sen - vol vi men to hu ma no (ver aba i xo) tal vez per mi tam sur pre en der.

4 126 Stephen Castles Con si de ra-se nor mal men te que a era mo der na teve ori gem com a des co ber - ta eu ro pe ia do novo mun do no sé cu lo XV. As fi lo so fi as do ilu mi nis mo do sé cu lo XVIII for ne ce ram ex pli ca ções e le gi ti ma ções in te lec tu a is da mo der ni da de. A idei a de de sen vol vi men to é o es tá dio mais re cen te da no ção ilu mi nis ta de pro gres so hu - ma no en quan to pro ces so con tí nuo de ex pan são in ter na e ex ter na as sen te em va lo res de ra ci o na li da de, se cu la ri za ção e efi ciên cia. A ex pan são in ter na re fe re-se ao cres ci - men to eco nó mi co, à in dus tri a li za ção, a me lho ri as na ad mi nis tra ção, a go ver nos fun da dos na com pe tên cia e no con sen ti men to po pu lar e não no di re i to di vi no re su min do, ao de sen vol vi men to do es ta do-na ção ca pi ta lis ta mo der no. A ex pan são ex ter na re fe re-se, por sua vez, à co lo ni za ção eu ro pe ia do res to do mun do, com a con se quen te di fu são dos va lo res, das ins ti tu i ções e das tec no lo gi as oci den ta is. A mo der ni da de es tri bou-se no po de rio mi li tar e eco nó mi co, que lhe per mi tiu eli mi - nar to das as al ter na ti vas, e no po der ide o ló gi co, para re cla mar o di re i to a uma mis - são ci vi li za do ra uni ver sal. No en tan to, o fac to de o seu prin cí pio cen tral a ex pan - são con tí nua se ter tor na do in viá vel tor na evi den te que es ta mos a che gar ao fim da mo der ni da de: não exis tem no vos ter ri tó ri os para co lo ni zar ou para in te grar na eco no mia mun di al; a ac ti vi da de hu ma na tem ac tu al men te con se quên ci as am bi en ta is glo ba is; as ar mas de des tru i ção ma ci ça ame a çam pro vo car a des tru i ção glo bal; a eco no mia e os sis te mas de co mu ni ca ções es tão or ga ni zados a um ní vel glo bal; a re fle xi vi da de glo bal está a de sen vol ver-se: um cres cen te nú me ro de pes so as (par ti cu lar men te aque les que ha bi tam em ci da des glo ba is e com pro fis sões post -in dus tri a is) tem como re fe ren ci al das suas cren ças e ac ções o glo bo não a co mu ni da de lo cal ou o es ta do-na ção (Albrow, 1996); as no vas for mas de re sis tên cia de gru pos que re cu sam a uni ver sa li da de dos va lo res oci den ta is têm vin do a tor nar-se cada vez mais sig ni fi ca ti vas (Cas - tells, 1997). O re sul ta do é uma cri se so ci al e po lí ti ca que afec ta to das as re giões e a ma i o ria do s pa í ses do mun do, ain da que de di fe ren tes mo dos. O prin cí pio do cres ci men to quan ti ta ti vo (ba se a do, por exem plo, num in di ca dor como o PIB per ca pi ta ) tem de ser subs ti tu í do pelo prin cí pio do cres ci men to qua li ta ti vo (ou seja, am bi en te sus te n - tá vel e vi vên ci as mais ri cas). Esta si tu a ção tam bém con tri bu iu para a cri se da te o ri a do de sen vol vi men to. O estudo do desenvolvimento e a guerra fria A no ção de de sen vol vi men to sur giu de po is de 1945 no con tex to da des co lo ni za ção, da com pe ti ção entre sis te mas ca pi ta lis ta e co mu nis ta, e da emer gên cia do blo co de na ções não ali nha das o ter ce i ro mun do. O pri me i ro mun do pro por ci o na va um mo de lo de de sen vol vi men to as sen te numa in ter pre ta ção da sua pró pria

5 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS 127 ex pe riên cia. A eco no mia do de sen vol vi men to do pe río do do ime di a to após-guer - ra, apo i a da nos tra ba lhos de Ro sens te in-ro dan, Nurs ke, Kuz nets Clark, Le wis e ou tros, re co men da va cres ci men to eco nó mi co as sen te no in ves ti men to es ta tal, na ur ba ni za ção, na abun dân cia de mão-de-obra ba ra ta e na ini ci a ti va privada (Ba eck, 1993). A ar qui tec tu ra das ins ti tu i ções eco nó mi cas e po lí ti cas das na ções emer gen - tes de ve ria vi sar a in te gra ção numa eco no mia mun di al do mi na da pe las gran des em pre sas oci den ta is. A es tru tu ra ins ti tu ci o nal in ter na ci o nal foi es ta be le ci d a atra - vés dos acor dos de Bret ton Wo ods e da cri a ção de or ga nis mos como o Fun do Mo ne - tá rio Inter na ci o nal (FMI) e o Ban co Mun di al. O se gun do mun do ofe re cia um mo de - lo al ter na ti vo, as sen te na ex pe riên cia so vié ti ca dos pla nos quin que na is: uma eco - no mia di ri gi da pelo es ta do, que ex tra ía as mais-va li as agrí co las para fi nan ci ar a rá - pi da acu mu la ção de ca pi tal e a in dus tri a li za ção. Agin do em nome do povo, o es - ta do se ria a for ça do mi nan te do cres ci men to eco nó mi co, que le va ria por sua vez à emer gên cia de uma nova clas se tra ba lha do ra livre de le al da des lo ca is e tri ba is um mo de lo atrac ti vo para as no vas eli tes das na ções emer gen tes. Para o mo de lo oci den tal, o im por tan te era iden ti fi car os agen tes do cres ci - men to eco nó mi co. Nes te pon to, a so ci o lo gia do de sen vol vi men to e par ti cu lar men - te a te o ria da mo der ni za ção for ne ce ram uma res pos ta cru ci al. Por exem plo, os cin co es tá di os de cres ci men to de Ros tow, que cul mi na vam no ar ran que eco nó mi co, as - sen ta vam numa éti ca de tra ba lho e de pou pan ça, as so ci a da a uma eco no mia de la is - sez-fa i re e a mer ca dos li vres. O sub tí tu lo da obra de Ros tow era um ma ni fes to an ti - co mu nis ta (Ba eck, 1993; Ros tow, 1960). Para a te o ria da mo der ni za ção, o de sen - vol vi men to era uma ques tão de ins ti lar as ori en ta ções va lo res e nor mas cer - tas jun to das cul tu ras do mun do não oci den tal, de modo a per mi tir que es sas po - pu la ções vi es sem a par ti ci par nas mo der nas ins ti tu i ções eco nó mi cas e po lí ti cas, cri a do ras de ri que za, do Oci den te de sen vol vi do (Por tes, 1997: 230). A te o ria da mo - der ni za ção pre via que es sas ori en ta ções le va ri am a al te ra ções no com por ta men to de mo grá fi co (o de clí nio da fer ti li da de), na cul tu ra po lí ti ca (a emer gên cia da de m o - cra cia) e nos pa drões so ci a is (de si gual da de re du zi da atra vés da dis se mi na ção da nova ri que za cri a da). Já na dé ca da de 60, con tu do, es tas ex pec ta ti vas ti nham-se re - ve la do lar ga men te ilu só ri as. O cres ci men to eco nó mi co em Áfri ca, na Ásia e na Amé ri ca La ti na era len to, a de si gual da de en tre pa í ses au men tou e o fos so entre paí - ses po bres e ri cos apro fun dou-se. Em res pos ta às crí ti cas à te o ria da mo der ni za ção, sur giu a es co la da de pen dên - cia, ini ci al men te na Amé ri ca La ti na, atra vés dos tra ba lhos de Car do so, Frank, Ba - ran e ou tros. A te o ria da de pen dên cia ba se a va-se na eco no mia po lí ti ca mar xis tae con si de ra va que o sub de sen vol vi men to era um pro ces so de li be ra da men te ur di do pelo ca pi ta lis mo oci den tal para per pe tu ar a ex plo ra ção das eco no mi as do ter ce i ro mun do. As es tru tu ras ne o co lo ni a is dos mer ca dos mun di a is blo que a vam o de sen - vol vi men to e só po di am ser con tra ri a das atra vés de es tra té gi as de subs ti tu i ção de im por ta ções, com vis ta a au men tar a au to no mia eco nó mi ca e po lí ti ca na ci o nal ( Baeck, 1993: ca pí tu lo 3; Por tes, 1997). No en tan to, a te o ria da de pen dên cia tam bém se de pa rou com al gu mas di fi cul da des em me a dos da dé ca da de 70. Os pa í ses da Amé ri ca La ti na que ti nham en ve re da do pela via da subs ti tu i ção de im por ta ções não ti nham tido mu i to su ces so, ao pas so que a rá pi da in dus tri a li za ção ini ci al de

6 128 Stephen Castles al gu mas áre as do ter ce i ro mun do, ori en ta das para a ex por ta ção, par ti cu lar men teo Bra sil e o Extre mo Ori en te, pu se ram em ca u sa a pre vi são da de pen dên cia con tí nua. Nas dé ca das de 80 e de 90 a te o ria eco nó mi ca ne o clás si ca tor nou-se do mi nan - te. Nes ta abor da gem do de sen vol vi men to são su bli nha dos as pec tos como a con fi - an ça nos me ca nis mos de mer ca do e a re du ção do pa pel do es ta do nas eco no mi as em de sen vol vi men to. Na abor da gem mais ra di cal, o pa pel do es ta do de ve ria es tar li mi ta do às fun ções de ga ran tir in fra-es tru tu ras (como es tra das e equi pa men tos edu ca ti vos) e de as se gu rar a or dem (no sen ti do de pre ve nir a agi ta ção po pu lar e de ga ran tir a re gu la ção fi nan ce i ra); a re gu la ção da ac ti vi da de eco nó mi ca de ve ria ser de i xa da in te i ra men te aos mer ca dos. A re ce i ta ne o clás si ca para o de sen vol vi men to pa re cia, com de ma si a da fre quên cia, ser pen sa da para tor nar o mun do se gu ro para in ves ti do res e em pre sas glo ba is, pro i bin do ao mes mo tem po as po lí ti cas que pro te - gi am os tra ba lha do res, os agri cul to res ou os con su mi do res do ven to frio da ra ci o - na li da de eco nó mi ca. Para além dis so, o va lor da te o ria ne o clás si ca do de sen vol vi - men to foi mu i tas ve zes ques ti o na do pelo seu in di vi du a lis mo me to do ló gi co, que ten dia a ne gli gen ci ar o pa pel dos fac to res so ci a is e cul tu ra is na mu dan ça eco nó mi ca. A te o ria dos sis te mas-mun do for ne ceu um mo de lo al ter na ti vo: au to res como Amin (1974) e Wallerstein (1984) ar gu men ta ram que o con ce i to de de sen vol vi men - to na ci o nal era ir re le van te. A ques tão cen tral se ria o de sen vol vi men to da pró pria eco no mia mun di al atra vés de cres cen tes flu xos de tro cas, de in ves ti men to, de tra - ba lho, etc. No seio des ta eco no mia glo bal, al guns pa í ses ou gru pos po di am ga nhar as cen dên cia atra vés do po de rio eco nó mi co, po lí ti co ou mi li tar. Os pa í ses me nos de sen vol vi dos não con se gui ri am al can çar a au to no mia (tal como era su ge rido pela te o ria da de pen dên cia); pelo con trá rio, pois viam-se obri ga dos a in se ri rem-se nas ca de i as da eco no mia glo bal para evi tar a mar gi na li za ção. Esta abor da gem an te ci - pa va cla ra men te as ac tu a is te o ri as da glo ba li za ção (ver aba i xo). Mas, ao pri vi le gi ar o en fo que nas ten dên ci as ge ra is ao ní vel glo bal, a sua uti li da de en quan to quadro para a com pre en são da re sis tên cia lo cal ou das po lí ti cas na ci o na is de se nha das para con tra ri ar os efe i tos ne ga ti vos da glo ba li za ção fi cou li mi ta da (Por tes, 1997). A crise da teoria do desenvolvimento A no ção de de sen vol vi men to tor nou-se pro ble má ti ca a par tir do fim da dé ca da de 80, de vi do a im por tan tes trans for ma ções eco nó mi cas, ge o po lí ti cas, tec no ló gi cas e cul tu ra is: as ten dên ci as para a glo ba li za ção eco nó mi ca e cul tu ral ace le ra ram lar ga men - te, de vi do à re vo lu ção das tec no lo gi as da in for ma ção. A es tru tu ra e os me ca - nis mos de con tro lo dos mer ca dos mun di a is al te ra ram-se ra pi da men te. Os no vos me i os de co mu ni ca ção per mi ti ram uma di fu são cada vez mais rá pi da de va lo res cul tu ra is as sen tes numa so ci e da de de con su mo ame ri ca na ide a li - za da. Um sal to na tec no lo gia mi li tar veio de se qui li brar as re la ções de po dera ní vel mun di al em fa vor dos Esta dos Uni dos e dos seus ali a dos;

7 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS 129 a glo ba li za ção e a re es tru tu ra ção in dus tri al le va ram um lar go nú me ro de pes - so as à mar gi na li za ção, à po bre za e à ex clu são so ci al, tan to nos an ti gos pa í ses in dus tri a is como no res to do mun do, mi nan do a su pos ta di co to mia en tre eco - no mi as de sen vol vi das e sub de sen vol vi das; o fim da guer ra fria, o co lap so da União So vié ti ca e a mu dan ça par ci al para uma eco no mia de mer ca do na Chi na fo ram o pre nún cio do fim do se gun do mun do e do sis te ma glo bal bi po lar. O ca pi ta lis mo vi to ri o so sur gia como mo - de lo eco nó mi co in con tes ta do; a emer gên cia dos ti gres asiá ti cos e as ten dên ci as para a in dus tri a li za ção em al gu mas par tes da Amé ri ca La ti na e do Pró xi mo Ori en te con tri bu í ram para de sa cre di tar a ide ia de um mun do du a lis ta. Pa ra le la men te, o mi la gre asiá ti - co e os dis cur sos sobre os mé ri tos da cul tu ra asiá ti ca per mi ti ram ques ti o nar a su pre ma cia do pa ra dig ma de de sen vol vi men to oci den tal. Todas es tas trans for ma ções fra gi li za ram a au to no mia dos es ta dos-na ções e a sua ca pa ci da de para con tro lar as suas eco no mi as, as suas po lí ti cas so ci a is e as suas cul - tu ras. As no ções-cha ve das te o ri as do de sen vol vi men to, como de sen vol vi do, sub-de sen vol vi do, mo der ni za ção, de pen dên cia, tor na ram-se pro ble má ti - cas. O con ce i to de ter ce i ro mun do tor nou-se in viá vel, em vir tu de da di fe ren ci a ção eco nó mi ca e po lí ti ca no seio de áre as an te ri or men te me nos de sen vol vi das. Para além dis to, na au sên cia de um se gun do mun do, o ter ce i ro mun do per deu o seu sig - ni fi ca do po lí ti co no me a da men te a ide ia de que as na ções não ali nha das em vias de de sen vol vi men to po di am co lo car os mun dos ca pi ta lis ta e co mu nis ta a com pe tir um con tra o ou tro, fi can do elas pró pri as de fora. O novo con ce i to de fos so nor te-sul sur giu como res pos ta. No en tan to, esta no ção so fre tam bém de al gu ma fal ta de pre - ci são, vis to que al guns pa í ses do sul al can ça ram um cres ci men to eco nó mi co subs - tan ci al, e as li ga ções Sul-Sul na eco no mia, na po lí ti ca e na cul tu ra, são cada vez mais sig ni fi ca ti vas. Para além do fac to de as vas tas e cres cen tes dis pa ri da des no seio do pró prio Sul (as di vi sões de clas se, a se pa ra ção ru ral-ur ba no, a de si gual da de se xu al, as di fe ren ças ét ni cas e re li gi o sas) tor na rem qual quer no ção to ta li zan te con tra pro du cen te. O estudo das transformações sociais A crí ti ca das te o ri as do de sen vol vi men to re ve lou-se o con tex to apro pri a do para a emer gên cia dos es tu dos da trans for ma ção so ci al en quan to novo en qua dra men to ana lí ti co, as sen te nos se guin tes pres su pos tos: 1) As trans for ma ções so ci a is afec tam to dos os ti pos de so ci e da de, tan to em re - giões de sen vol vi das como em re giões me nos de sen vol vi das, no con tex to da glo ba li za ção, da re gi o na li za ção e da emer gên cia de di ver sas for mas de go ver - na ção su prana ci o nal. 2) A glo ba li za ção tem dado ori gem a no vas for mas de di fe ren ci a ção so ci al, ao ní vel in ter na ci o nal como à es ca la na ci o nal. A po la ri za ção entre ri cos e po bres,

8 130 Stephen Castles e a ex clu são so ci al são pro ble mas que afec tam a ma i o ria dos pa í ses, bem como as re la ções en tre eles. 3) Os prin ci pa is ob jec ti vos do de sen vol vi men to não po dem mais ser de fi ni dos em ter mos de cres ci men to eco nó mi co e de mo der ni za ção à luz do mo de lo oci - den tal. O cres ci men to de si gual e a po la ri za ção so ci al po dem na re a li da de au - men tar as des van ta gens e a mar gi na li za ção de gru pos sig ni fi ca ti vos. Con si - de ran do a exis tên cia de di fe ren tes cul tu ras e de di fe ren tes va lo res de gru po, tor na-se im pos sí vel de fi nir um ob jec ti vo uni ver sal men te ace i te para o pro - ces so de mu dan ça. 4) Estu dar as trans for ma ções so ci a is sig ni fi ca exa mi nar os di fe ren tes mo dos como a glo ba li za ção in ter fe re ao ní vel de co mu ni da des lo ca is e de so ci e da des na ci o na is com ex pe riên ci as his tó ri cas, pa drões eco nó mi cos e so ci a is, ins ti tu i - ções po lí ti cas e cul tu ras al ta men te di ver si fi ca dos. 5) As trans for ma ções so ci a is po dem pro du zir con se quên ci as po si ti vas e ne ga ti - vas para as co mu ni da des lo ca is e para os es ta dos-nações. Mais: al guns pa í ses e gru pos po dem fi car para trás ou ser ex clu í dos. A res pos ta dos gru pos afec ta - dos pode não re sul tar na adap ta ção à glo ba li za ção mas an tes na re sis tên cia, que pode en vol ver a mo bi li za ção de re cur sos cul tu ra is e so ci a is tra di ci o na is. Mas pode as su mir, tam bém, no vas for mas de glo ba li za ção de ba i xo para cima 3 atra vés de or ga ni za ções trans na ci o na is da so ci e da de ci vil. Uti li zar o con ce i to de trans for ma ção so ci al como fer ra men ta ana lí ti ca não sig ni fi ca aban do nar o ob jec ti vo do de sen vol vi men to; sig ni fi ca an tes o afas ta men to em re la - ção às ide i as sim plis tas de ou tro ra, que apre sen ta vam o cres ci men to eco nó mi co como a cha ve para tudo, uma vez que a sua dis per são da ria au to ma ti ca men te ori - gem à me lho ria dos pa drões de vida para to dos. É im por tan te con cep tu a li zar os es - tu dos das trans for ma ções so ci a is como um cam po de in ves ti ga ção que po de rá e de ve rá le var à for mu la ção de re ce i tas po si ti vas para a ac ção so ci al e po lí ti ca, d e modo a au xi li ar as co mu ni da des a me lho rar os seus me i os de sub sis tên cia e a li dar com as con se quên ci as das trans for ma ções glo ba is. Os in ves ti ga do res des te cam po de vem pro cu rar in flu en ci ar as es tra té gi as de ins ti tu i ções po de ro sas como os go - ver nos, as em pre sas trans na ci o na is e as or ga ni za ções in ter na ci o na is. As crí ti cas ra di ca is aos mo de los de de sen vol vi men to eco no mi cis tas têm tido uma for te in fluên cia no pen sa men to con tem po râ neo do mi nan te. Este fac to está bem pa ten te na adop ção ge ne ra li za da do prin cí pio de de sen vol vi men to sus ten tá vel, se gun do o qual o au men to do ren di men to per ca pi ta é ape nas um en tre mu i tos objectivos. Entre os res tan tes in clu em-se a me lho ria das con di ções de sa ú de e das opor tu ni da des edu ca ti vas, a pos si bi li da de, aber ta a to dos, de par ti ci pa ção na vid a pú bli ca, a ga ran tia de uma ad mi nis tra ção efi ci en te e ho nes ta, a sal va guar da do am - bi en te e a equi da de in terge ra ci o nal (o que sig ni fi ca que as ac tu a is ge ra ções não d e - vem es go tar os re cur sos em de tri men to de fu tu ras ge ra ções) (Ban co Mun di al, 1999: 13). O con ce i to de de sen vol vi men to hu ma no in tro du zi do em 1990 pelo Pro gra ma das Na ções Uni das para o De sen vol vi men to (PNUD) é ain da mais lato: O de sen vol vi - men to hu ma no é o pro ces so que per mi te alar gar as opor tu ni da des de es co lha dos in di ví du os não ape nas as es co lhas entre diferentes de ter gen tes, ca na is de

9 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS 131 te le vi são ou mo de los de au to mó ve is, mas as es co lhas que são cri a das pela ex pan - são das ca pa ci da des e pos si bi li da des hu ma nas o que as pes so as fa zem e po dem fa zer das suas vi das (Paul Stre e ten em PNUD, 1999: 16). Nes ta de fi ni ção cabe uma gran de va ri e da de de as pi ra ções, des de a água po tá vel até às con di ções de tra ba lho se gu ras, aos di re i tos hu ma nos e à li ber da de de ex pres são cul tu ral e re li gi o sa. Em ne nhum ou tro lo cal esta mu dan ça de pen sa men to é tão evi den te como no Ban co Mun di al, que no pas sa do co lo ca va uma ên fa se uni la te ral no cres ci men to eco nó mi co e nos pro jec tos de gran de en ver ga du ra: Nas dé ca das de 50 e de 60 as gran des bar ra gens eram pra ti ca men te si nó ni mos de de sen vol vi men to (Ban co Mun di al, 1999: 18). Na dé ca da de 80, mu i tos fo ram os que pas sa ram a ver o Ban co Mun di al, jun ta men te com o FMI, como os po lí ci as glo ba is do ca pi tal, in ter vin do em nome da li ber da de do mer ca do e da des re gu la ção onde quer que os es ta dos pro cu ras sem man ter a au to no mia eco nó mi ca ou a equi da de so ci al. Esta or to do xia foi sin te ti za da no con sen so de Washington, com os seus prin cí pi os eco nó mi cos ne o clás si cos de li be ra li za ção, es ta bi li za ção e pri va ti za ção (Sti glitz, 1998). 4 Se gun do Sti glitz, o pro ble ma des tas abor da gens era que con si de ra vam o de sen vol vi men to como um pro ble ma téc ni co que re que ria so lu ções téc ni cas Não pro cu ra vam co - nhe cer em pro fun di da de a so ci e da de, nem acre di ta vam que esse tipo de abor da - gem par ti ci pa ti va fos se ne ces sá ria. Pro cu ra ram im por leis eco nó mi cas su pos ta - men te uni ver sa is, ig no ran do as li ções da his tó ria. Mais im por tan te é o fac to de esta abor da gem de sen vol vi men tis ta, mu i tas ve zes, não ter fun ci o na do no sen ti do es pe - ra do mu i tos dos pa í ses que se gui ram os di ta mes do con sen so de Was hing ton (com gran des cus tos hu ma nos) não al can ça ram o cres ci men to eco nó mi co. A so lu - ção pro pos ta por Sti glitz ra di ca na adop ção de um con ce i to de de sen vol vi men to mu i to mais abran gen te, en quan to trans for ma ção da to ta li da de da so ci e da de. Tra ta-se da des co la gem de uma abor da gem cen tra da no cres ci men to eco nó - mi co, pres tan do ma i or aten ção ao de sen vol vi men to so ci al. O que sig ni fi ca igual - men te com ple men tar as abor da gens es tru tu ra das de cima para ba i xo, o tra ba lho fe i to em co la bo ra ção com go ver nos e po de ro sas ins ti tu i ções, com mé to dos mais par ti ci pa ti vos (da base para o topo), 5 de se nha dos para des co brir e in clu ir as ne ces - si da des e os in te res ses de uma lar ga va ri e da de de gru pos so ci a is. Sti glitz su bli nh a a im por tân cia de con ce i tos como par ti ci pa ção, ca pi tal so ci al, in clu são e pro - pri e da de, e de fac to esta nova re tó ri ca ocu pa ago ra um lu gar de des ta que nos do - cu men tos do Ban co Mun di al. 6 Mas terá mes mo ha vi do uma re vo lu ção de men ta li - da des? O Qu a dro para o De sen vol vi men to Inte gra do, 7 ela bo ra do pelo Ban co Mun - di al, é um pla no para uma abor da gem ho lis ta do de sen vol vi men to, ten do por prin ci pal ob jec ti vo a di mi nu i ção da po bre za (Ban co Mun di al, 1999: 21). A in tro - du ção de mé to dos de ava li a ção so ci al des de me a dos da dé ca da de 90, com vis taa de ter mi nar os efe i tos dos pro jec tos so bre as co mu ni da des afec ta das, mar ca tam - bém uma al te ra ção sig ni fi ca ti va. O Ban co Mun di al aca bou por se re ti rar do pro jec - to da bar ra gem do Sar dar Sa ro var, no rio in di a no Nar ma da, em 1993, em vir tu de das re ser vas que os da nos am bi en ta is e os des lo ca men tos ma ci ços de po pu la ções sus ci ta vam. Con ti nua po rém a apo i ar o pro jec to da bar ra gem das Três Gar gan tas na Chi na, que su põe a des lo ca ção de um nú me ro ain da ma i or de pes so as (Roy, 1999). A ên fa se na re du ção da po bre za e no de sen vol vi men to so ci al de sem pe nhou

10 132 Stephen Castles um pa pel im por tan te na res pos ta à cri se asiá ti ca. Isto não im pe diu, no en tan to, que o Ban co Mun di al e o FMI te nham im pos to à Indo né sia a adop ção de po lí ti cas que na re a li da de po dem ter po ten ci a do a de ses tru tu ra ção eco nó mi ca e a po bre za. Não é pois ab so lu ta men te claro até que pon to o novo pen sa men to se in fil trou, pe ne tran - do até aos ní ve is cha ve da to ma da de de ci sões das agên ci as de fi nan ci a men to mul - ti la te ra is e dos go ver nos da do res. As transformações sociais e a globalização As trans for ma ções so ci a is e a glo ba li za ção es tão, de um modo mu i to cla ro, in ti ma - men te as so ci a das. No ní vel mais ge ral, a glo ba li za ção re fe re-se ao pro ces so de mu - dan ça que afec ta to das as re giões do mun do, numa va ri e da de de di men sões que vão des de a eco no mia, à tec no lo gia, à po lí ti ca, aos me i os de co mu ni ca ção, à cul tu r a e ao am bi en te. Aten te-se na se guin te de fi ni ção mais pre ci sa de glo ba li za ção: Um pro ces so (ou con jun to de pro ces sos) que in cor po ra trans for ma ções na or ga ni za - ção es pa ci al das re la ções e das tran sac ções so ci a is con si de ra das em ter mos da sua ex ten são, da sua in ten si da de, da sua ve lo ci da de e do seu im pac to, ge ran do flu xos trans con ti nen ta is ou in ter-re gi o na is e re des de ac ti vi da de, in te rac ção e o exerc í cio do po der (Held e ou tros, 1999: 16). Esta de fi ni ção per mi te a ope ra ci o na li za ção e a pes qui sa em pí ri ca, na me di da em que os flu xos e as re des po dem ser car to gra fa dos, me di dos e ana li sa dos. No en tan - to, o en ten di men to e a ava li a ção do que é a glo ba li za ção va ri am mu i to. Held e os seus co la bo ra do res su ge rem que as di fe ren tes abor da gens po dem ser di vi didas gros se i ra men te em três ca te go ri as ge né ri cas, a que se re fe re como os hi per glo ba li - za do res, os cép ti cos e os trans for ma ci o nis tas. 8 Os hi per glo ba li za do res acre di tam que a glo ba li za ção re pre sen ta uma nova épo - ca na his tó ria hu ma na, em que todos os ti pos de re la ções es tão a ser in te gra dos num ní vel glo bal, trans cen den do o es ta do-na ção e tor nan do-o pro gres si va men te ir re le - van te. Entre os hi per glo ba li za do res in clu em-se tan to aque les que ce le bram es tas ten dên ci as, como os que de las fa zem ava li a ções crí ti cas. Os hi per glo ba li za do res que fa zem a apo lo gia da glo ba li za ção são so bre tu do par ti dá ri os ne o li be ra is dos mer ca dos li vres e glo ba is, que vêem no fun ci o na men to dos mes mos a ga ran tia de um cres ci men to eco nó mi co ide al e a via para, a lon go pra zo, se al can ça rem me lho - res ní ve is de vida para to dos (por exem plo, Ohmae, 1991 e 1995). Os hi per glo ba li za - do res crí ti cos su bli nham o ca rác ter re vo lu ci o ná rio de ten dên ci as como o rá pi do cres - ci men to dos me i os de co mu ni ca ção so ci al glo ba is e da mo bi li da de glo bal, ar gu - men tan do, con tu do, que es tas be ne fi ci am ape nas uma pe que na eli te. A glo ba li za - ção é o me ca nis mo de do mí nio dos in ves ti do res in ter na ci o na is e das gran des em - pre sas trans na ci o na is, que de i xa ram de po der ser con tro la dos por es ta dos-nações cada vez mais en fra que ci dos. Os sin di ca tos e os sis te mas de pre vi dên cia es tão a

11 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS 133 en trar em co lap so, o de sem pre go e a ex clu são so ci al avan çam, en quan to o cres ci - men to des con tro la do con duz a um es ta do de de gra da ção am bi en tal que ame a çaa vida no pla ne ta. A glo ba li za ção pode le var as sim à frag men ta ção so ci al, à in cer te za cul tu ral, ao con fli to e à vi o lên cia. Como pos sí vel so lu ção su ge re-se re in ves tir de po der os es ta dos-nações de mo crá ti cos e, si mul ta ne a men te, for ta le cer a co o pe ra çã o eu ro pe ia, de modo a cri ar um con tra pe so ao mo de lo ame ri ca no do mer ca do li vre (ver tam bém Beck, 1997; Mar tin e Schu mann, 1997; Schnap per, 1994). Ro bert Re ich, res pon sá vel pela pas ta do tra ba lho na pri me i ra ad mi nis tra ção Clin ton, lan çou um ape lo se me lhan te no sen ti do da res sur re i ção da eco no mia na ci o nal (Re ich, 1991). Os cép ti cos cen tram-se so bre tu do nos as pec tos eco nó mi cos da glo ba li za ção. Re co nhe cem os in ten sos flu xos trans fron te i ri ços de co mér cio, in ves ti men to e mão-de-obra, mas sus ten tam que não se tra ta de nada de novo: a in te gra ção eco nó - mi ca in ter na ci o nal no pe río do que pre ce deu a I gran de guer ra era equi pa rá vel aos ní ve is ac tu a is. Para além dis to, fa zem no tar que a ma i or par te do co mér cio mun di al (80% ou mais) se efec tua en tre as eco no mi as al ta men te de sen vol vi das, de modo que os pa í ses me nos de sen vol vi dos não par ti ci pa ram de modo sig ni fi ca ti vo nos pro ces sos de in te gra ção eco nó mi ca. Pre fe rem as sim o ter mo de in ter na ci o na li za - ção ao ter mo de glo ba li za ção (Hirst e Thomp son, 1996). Os cép ti cos de fen dem que o pa pel do es ta do-na ção se man tém tão for te como dan tes. Esta as ser ção apli ca-se so bre tu do aos Esta dos Uni dos, ao Ja pão e à Eu ro pa oci den tal, que se en con tram hoje no cen tro dos três blo cos eco nó mi cos do mi nan tes (We iss, 1997). A re gi o na li - za ção é vis ta como uma al ter na ti va à glo ba li za ção, per mi tin do aos es ta dos-nações man ter a sua po si ção de pre do mí nio no sis te ma mun di al. Os cép ti cos des con si de - ram a ide ia de que as vi a gens e a di fu são atra vés dos me i os de co mu ni ca ção glo ba is es tão a dar ori gem a uma cul tu ra glo bal ou mes mo a uma ci vi li za ção glo bal, an tes con ti nu an do a ver hi e rar quia e frag men ta ção. Os trans for ma ci o nis tas con si de ram a glo ba li za ção como o re sul ta do de pro ces - sos, es tre i ta men te in ter li ga dos, de mu dan ças na tec no lo gia, na ac ti vi da de eco nó - mi ca, na go ver nan ça, 9 na co mu ni ca ção e na cul tu ra. Os flu xos trans fron te i ri ços (de co mér cio, de in ves ti men to, de imi gran tes, de ar te fac tos cul tu ra is, de fac to res am - bientais, etc.) al can ça ram ní ve is sem pre ce den tes e in te gram ac tu al men te qua se to - dos os pa í ses num sis te ma glo bal, dan do ori gem a im por tan tes trans for ma ções so - ci a is a to dos os ní ve is. No en tan to, es tas ten dên ci as não le vam, ne ces sa ri a men te,a uma con ver gên cia glo bal ou à emer gên cia de uma so ci e da de mun di al. Pelo con - trá rio, a glo ba li za ção cria no vas for mas de es tra ti fi ca ção glo bal em que cer tos in di - ví du os, co mu ni da des, pa í ses ou re giões se vêem in te gra dos em re des glo ba is de po der e de pros pe ri da de, en quan to ou tros são ex clu í dos e mar gi na li za dos. Os trans for ma ci o nis tas de fen dem que es tas no vas di vi sões são trans ver sa is às an ti gas cli va gens entre Les te e Oes te e Nor te e Sul. A glo ba li za ção não pode, con tu do, ser equi pa ra da a uma re du ção ge ral do po der dos es ta dos. Pelo con trá rio, na me di da em que a re la ção en tre ter ri tó rio e so be ra nia é aba la da pela glo ba li za ção, no vas fo r - mas de go ver nan ça emer gem aos ní ve is na ci o nal, re gi o nal e glo bal, onde o po der mi li tar e eco nó mi co dos es ta dos do mi nan tes tem ain da um pa pel de ci si vo. É evi - den te que as te o ri as trans for ma ci o nis tas da glo ba li za ção es tão mu i to pró xi mas da abor da gem das trans for ma ções so ci a is dis cu ti da no pre sen te ar ti go. Exclu in do o

12 134 Stephen Castles tra ba lho de Held e dos seus co le gas (1999), a ex pla na ção mais com ple ta das te ses trans for ma ci o nis tas en con tra-se na obra em três vo lu mes de Cas tells (1996, 1997 e 1998). As aná li ses da glo ba li za ção e das trans for ma ções so ci a is têm vin do a su bli - nhar os efe i tos di fe ren ci a is que se re gis tam nas di ver sas re giões do mun do (Cas - tells, 1996: ). Os pa í ses al ta men te de sen vol vi dos da Amé ri ca do nor te, da Eu ro pa oci den tal e o Ja pão, que es tão a pas sar por uma cri se das in dús tri as me ta lúr gi cas e a as - sis tir ao de clí nio dos sis te mas es ta ta is de pre vi dên ci a 10 e ao au men to da po la - ri za ção so ci al. Os ti gres asiá ti cos e a pró xi ma vaga de ti gres que es ta vam a al can çar ra pi - da men te o es ta tu to de pa í ses al ta men te in dus tri a li za dos, quan do o cres ci - men to foi in ter rom pi do pela cri se asiá ti ca, em As eco no mi as pe tro lí fe - ras do Mé dio Ori en te são, por ve zes, in clu í das nes ta ca te go ria. A res tan te Ásia, in clu in do os gi gan tes Índia e Chi na que, ape sar das suas áreas de rá pi da in dus tri a li za ção e da emer gên cia de clas ses mé di as, pos sui ain da eco no mi as que são, de um modo ge ral, atra sa das e com ba i xos ní ve is de ren di men to, o que faz dela uma ver da de i ra re ser va de mão-de-obra para as eco no mi as em rá pi do cres ci men to. A Amé ri ca La ti na, ca rac te ri za da pela sua ex pe riên cia de se qui li bra da de cres - ci men to in ter mi ten te, pela de pen dên cia eco nó mi ca e pe los con fli tos po lí ti cos. A Áfri ca, que se en con tra, em lar ga me di da, ex clu í da da eco no mia glo bal. Nes te caso, o fa lhan ço do de sen vol vi men to eco nó mi co e da for ma ção de es ta - dos-nações le vou ao de clí nio de ren di men tos, a con di ções so ci a is ter rí ve is,a con fli tos en dé mi cos, e pro du ziu vas tos flu xos de re fu gi a dos. Os cha ma dos pa í ses em tran si ção (o an ti go blo co so vié ti co), con fron ta dos com pro ble mas de re es tru tu ra ção das suas eco no mi as e ins ti tu i ções, de modo a adap ta rem-se ao mun do ca pi ta lis ta. Estas di fe ren ças tor nam claro que o es tu do das trans for ma ções so ci a is pre ci sa de ter em con ta, não só, os as pec tos ge ra is da glo ba li za ção, mas tam bém os fac to res es - pe cí fi cos que pro du zem efe i tos e re ac ções va ri a dos aos ní ve is re gi o nal, na ci o na l e lo cal. De fac to, os pro ces sos de me di a ção entre os fac to res glo ba is e os fac to res re gi o na is, na - ci o na is e lo ca is são, pode-se di zer, o tema cen tral no es tu do das trans for ma ções so - ciais. Para além dis to, es tes pro ces sos são mul ti di rec ci o na is: os fac to res re gi o na is, na ci o na is e lo ca is par ti ci pam na re con fi gu ra ção dos fac to res glo ba is. Entre es te s fac to res in clu em-se, não só, as di ver sas es tru tu ras eco nó mi cas e po lí ti cas, mas tam - bém as ex pe riên ci as his tó ri cas es pe cí fi cas, os va lo res fi lo só fi cos e re li gi o so s, os pa - drões cul tu ra is e as re la ções so ci a is.

13 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS 135 O estudo dos processos transaccionais His to ri ca men te, as so ci e da des de li mi ta das por um es ta do-na ção es pe cí fi co têm sido as prin ci pa is uni da des de ob ser va ção das ciên ci as so ci a is. As so ci e da des na - cionais são, nor mal men te, a ma triz de re fe rên cia das fon tes de da dos, do ma te ri al con tex tu al e das po pu la ções so bre as qua is in ci de a in ves ti ga ção em pí ri ca. Pa ra l e - la men te, as re co men da ções em ma té ria de po lí ti cas pú bli cas que ema nam da in ves - ti ga ção têm sido des ti na das aos go ver nos na ci o na is. Exis te, evi den te men te, uma lon ga tra di ção de es tu dos com pa ra ti vos que re mon ta aos pri me i ros so ció lo gos, como Durk he im. No en tan to, a sua prin ci pal pre o cu pa ção con sis tia, so bre tu do, em cons tru ir ti po lo gi as e em iden ti fi car es pe ci fi ci da des na ci o na is (ver Ghor ra-go bin, 2000). Se o es tu do das trans for ma ções so ci a is in ci de so bre os pro ces sos de ar ti cu la - ção glo bal e so bre a for ma como es tes in ter li gam de ter mi na das co mu ni da des e so - ci e da des na ci o na is numa so ci e da de glo bal in ci pi en te, en tão, no vas abor da gens, no vos te mas e no vas hi pó te ses de in ves ti ga ção se rão ne ces sá ri os. A iden ti fi ca çãoe a com pre en são dos pro ces sos trans na ci o na is de ve rão cons ti tu ir pre o cu pa ções cen - tra is. Mas é igual men te im por tan te ana li sar os seus efe i tos aos ní ve is re gi o nal, na - cional e sub na ci o nal, bem como as for mas como as di ver sas co mu ni da des e gru pos os vi vem e re a gem a eles. O es tu do das trans for ma ções so ci a is não deve, para além dis so, ser um exer cí cio de aná li se do topo para a base, em que os in ves ti ga do res do pri me i ro mun do es tu dam os pro ble mas das so ci e da des su pos ta men te me nos de - sen vol vi das, de ven do an tes as sen tar em re des in ter na ci o na is que as so ci em in ves t i - ga do res, ONG e po lí ti cos na ta re fa co mum de com pre en der e de li dar com os pro - ces sos de mu dan ça. As re des e os flu xos trans fron te i ri ços, que cons ti tu em a face vi sí vel da glo ba li - za ção, di fi cil men te po dem ser com pre en di dos a não ser en quan to fe nó me nos trans na ci o na is. Os flu xos re fe rem-se aos mo vi men tos de re a li da des tan gí ve is, como o ca pi tal, as mer ca do ri as, os ar te fac tos cul tu ra is, os mi gran tes e os re fu gi a - dos. Esses flu xos in clu em ain da re a li da des in tan gí ve is, como os va lo res, as ima - gens ve i cu la das pe los me i os de co mu ni ca ção, as ide i as ci en tí fi cas e a go ver nan ç a. As re des di zem res pe i to aos en qua dra men tos em que as sen tam a co mu ni ca ção,a re gu la ção e a ges tão das in ter li ga ções: em pre sas trans na ci o na is, or ga ni za ções in - ter go ver na men ta is, en qua dra men tos le ga is, or ga ni za ções não go ver na men ta is in - ter na ci o na is, as so ci a ções cri mi no sas trans na ci o na is, en tre ou tros. 11 Cas tells (1996) de fen de que a rede é a for ma or ga ni za ti va es pe cí fi ca da so ci e da de glo bal em emer - gên cia, subs ti tu in do for mas an te ri o res de or ga ni za ção hi e rár qui ca das ins ti tu i ções eco nó mi cas e po lí ti cas. Numa veia se me lhan te, Ohmae (1991) sus ten ta que as em - pre sas trans na ci o na is bem su ce di das são aque las que aban do na ram uma men ta li - da de na ci o nal, ou uma men ta li da de de quar tel-ge ne ral, e que cri a ram uma or ga - ni za ção des cen tra li za da, in te gra da a par tir de um con jun to de va lo res cul tu ra is. A cul tu ra de sem pe nha um pa pel cen tral na com pre en são das re des trans na ci o na is. Por exem plo, o su ces so de or ga ni za ções cri mi no sas trans na ci o na is como a má fia ou as tría des ra di ca fre quen te men te na uti li za ção de uma cul tu ra ét ni ca de modo a as se gu rar a le al da de e o si gi lo (Cas tells 1998: ca pí tu lo 3).

14 136 Stephen Castles No en tan to, e não obs tan te o mé ri to evi den te de es tu dar es tas re des e es tes flu xos como pro ces sos trans na ci o na is, esta não é a abor da gem do mi nan te, nem é fá cil pô-la em prá ti ca. Por exem plo, a in ves ti ga ção so bre os pro ces sos mi gra tó ri os in ter na ci o na is as sen ta ain da, em gran de me di da, em en qua dra men tos e da dos na - ci o na is. Em pa í ses emis so res, como a Itá lia ou as Fi li pi nas, os es tu dos têm in ci di d o na emi gra ção e nos seus efe i tos so bre a eco no mia e a so ci e da de. Em pa í ses re cep to - res como os Esta dos Uni dos ou a Ma lá sia, a in ves ti ga ção tem-se pre o cu pa do com te mas como a ofer ta de mão-de-obra, os pro ces sos de adap ta ção, 12 a as si mi la ção, as re la ções co mu ni tá ri as e a or dem pú bli ca. O sur gi men to de en qua dra men tos de pes qui sa trans na ci o na is, tais como a te o ria dos sis te mas mi gra tó ri os ou os es tu dos so bre co mu ni da des trans na ci o na is, deu-se ape nas na dé ca da de 70 e, ape sar de es - sas abor da gens se te rem dis se mi na do no fim da dé ca da de 90, es tão ain da lon ge de ocu par uma po si ção do mi nan te. Uma das ra zões para a per sis tên cia de en qua dra men tos de in ves ti ga ção na - cionais é o fac to de os da dos se rem ain da ge ral men te re co lhi dos por au to ri da des na ci o na is para efe i tos ad mi nis tra ti vos e de de se nho de po lí ti cas pú bli cas. As de fi - ni ções e os mé to dos de re co lha na ci o na is va ri am fre quen te men te, in vi a bi li zan doo uso dos da dos em com pa ra ções in ter na ci o na is, po den do le var a com par ti men tar pro ces sos trans na ci o na is. Este fac to é par ti cu lar men te pro ble má ti co em an ti gos pa í ses co lo ni a is, onde as fron te i ras na ci o na is her da das do pe río do co lo ni al se so - bre põem, mu i tas ve zes, a re giões ge o grá fi cas, eco nó mi cas e ét ni cas. As agên ci as in - ter na ci o na is têm fe i to es for ços con si de rá ve is para al can çar ma i o res ní ve is de com - pa ra bi li da de. Por exem plo, o Sis te ma de Obser va ção Per ma nen te das Mi gra ções 13 da OCDE (1998) de mo rou 20 anos a al can çar um ní vel ace i tá vel de com pa ti bi li da de en tre as es ta tís ti cas na ci o na is dos pa í ses in dus tri a li za dos. A dis po ni bi li da de de da - dos apro pri a dos para a in ves ti ga ção de ou tros pro ces sos trans na ci o na is e, em par - ti cu lar, no que se re fe re a pa í ses me nos de sen vol vi dos, en con tra-se mu i to mais atra sa da. De um modo re ve la dor, o Re la tó rio do De sen vol vi men to Hu ma no (PNUD, 1999) in ci de so bre a glo ba li za ção, mas apre sen ta os da dos e os ran kings por país. 14 No en tan to, a in ves ti ga ção trans na ci o nal não deve es tar res trin gi da a fe nó - me nos que trans cen dem cla ra men te as fron te i ras. No con tex to da glo ba li za ção, di - ver sos as sun tos que pa re cem di zer res pe i to a uma so ci e da de na ci o nal es pe cí fi ca não po dem ser de vi da men te com pre en di dos sem uma aná li se das suas di men sões trans na ci o na is. Des de a Ci me i ra Mun di al para o De sen vol vi men to Hu ma no, das Na ções Uni das, em 1995, que a er ra di ca ção da po bre za se tor nou num ob jec ti vo cen tral das agên ci as in ter na ci o na is. A po bre za, con tu do, é ge ral men te me di da e ana li sa da en quan to fe nó me no de ní vel na ci o nal e as es tra té gi as para a sua re du ção são de sen vol vi das para pa í ses es pe cí fi cos (McDo well, 1999). Ora, uma pers pec ti va de in ves ti ga ção trans na ci o nal re ve la que mu i ta da po bre za no mun do ac tu al é atri - bu í vel (pelo me nos em par te) a pro ces sos trans fron te i ri ços. Por exem plo, al te ra - ções nos mé to dos de pro du ção agrí co la no âm bi to da re vo lu ção ver de po dem le - var ao de sem pre go, à es cas sez de ter ras, 15 ao au men to das de si gual da des e à mi gra - ção dos cam pos para as ci da des. No en tan to, a re vo lu ção ver de não pode ser dis so - ci a da da ciên cia e da tec no lo gia in ter na ci o na is, dos in te res ses de em pre sas far ma - cêu ti cas e de pro du ção agrí co la trans na ci o na is, e de in ter ven ções bem

15 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS 137 in ten ci o na das das agên ci as in ter na ci o na is de au xí lio. É evi den te que aqui en tram tam bém em jogo fac to res na ci o na is e lo ca is, mas não po dem ser com pre en di dos se - pa ra da men te dos fac to res trans na ci o na is. Mu i tos ou tros exem plos po de ri am ser re fe ri dos. Con fli tos vi o len tos e es ta dos que fa lha ram, que ge ram flu xos de re fu gi a dos, são mu i tas ve zes atri bu í ve is aos in - te res ses eco nó mi cos e po lí ti cos de pa í ses ri cos e de gran des em pre sas trans na ci o - na is. Os con fli tos ét ni cos e re li gi o sos mer gu lham, fre quen te men te, as suas ra í zes em ini ci a ti vas vi san do o re for ço (ou a cons tru ção) de iden ti da des tra di ci o na is,f ace a al te ra ções cul tu ra is ame a ça do ras li ga das aos me i os de co mu ni ca ção glo ba is ou à dis se mi na ção dos va lo res oci den ta is. O tra ba lho su je i to a con di ções de ex plo ra çã o abu si va e o tra ba lho in fan til po dem ser o re sul ta do da des lo ca ção da pro du ção e da sub con tra ta ção por par te de em pre sas de gran de di men são. As ca tás tro fes am bi en - ta is po dem re sul tar da des flo res ta ção le va da a cabo com vis ta a li ber tar no vas áre as de plan tio ou a for ne cer ma de i ra para ex por ta ção. Do mes mo modo, as cri ses eco nó mi cas na ci o na is ou re gi o na is po dem es tar as so ci a das a fac to res ge o po lí ti cos e eco nó mi cos glo ba is, como é pos sí vel ve ri fi car atra vés de uma aná li se das ca u sas da cri se asiá ti ca de 1997/1999. De po is de 1945, a des co lo ni za ção, a guer ra fria e a luta en tre as su per po tên ci as pelo con tro lo po lí ti co na re gião en co ra ja ram o iní cio do de sen vol vi men to eco nó mi co do Ja pão e dos ti - gres asiá ti cos [Ber ger e Bo rer (orgs.), 1997]. No iní cio da dé ca da de 90, as ele va das ta xas de cres ci men to e os lu cros fá ce is que a re gião pos si bi li ta va re ve la ram-se um for te atrac ti vo para o in ves ti men to de pa í ses oci den ta is. À me di da que as no vas tec no lo gi as da in for ma ção ace le ra vam os flu xos de ca pi ta is em mer ca dos fi nan ce i - ros que nun ca fe cha vam, gran de par te des te in ves ti men to as su miu a for ma de em - prés ti mos es pe cu la ti vos a cur to pra zo. Numa si tu a ção de eu fo ria eco nó mi ca nin - guém se pre o cu pou com a au sên cia de or ga nis mos re gu la do res ade qua dos. Com a tri tu ra ção do cré di to em 1997, a cri se asiá ti ca sur giu como ame a ça à eco no mia glo - bal e como a vin gan ça do mo de lo eco nó mi co oci den tal. As vir tu des asiá ti cas, até en tão mu i to apre ci a das, fo ram su bi ta men te re in ter pre ta das como ne po tis mo, cor - rup ção, cli en te lis mo e fal ta de uma sã re gu la ção fi nan ce i ra. Os eco no mis tas oci den - ta is ape la ram à li be ra li za ção dos mer ca dos e a uma es tri ta dis ci pli na fi nan ce i ra (Go de ment, 1999). No en tan to, ou tros ob ser va do res afir ma ram que a cri se ti nha sido ca u sa da, prin ci pal men te, por fac to res glo ba is, par ti cu lar men te pe los enor mes flu xos de cré di to a cur to pra zo bom be a dos na re gião por ban cos e fun dos de in ves - ti men to oci den ta is. Qu an do su bi ta men te esse cré di to foi re ti ra do, mal co me ça ram a sur gir di fi cul da des de li qui dez na Tailândia, a con fi an ça dos in ves ti do res foi a ba - la da, o que le vou a uma es pi ral des cen den te, que foi agra va da, por sua vez, pela po lí ti ca de fla ci o ná ria de em prés ti mos do FMI (Be zan son e Grif fith-jo nes, 1999). A cri se as pi rou con si go mu i tos dos ga nhos con se gui dos nos 30 anos an te ri o res, no que res pe i ta ao cres ci men to eco nó mi co e à di mi nu i ção da po bre za. A ide ia cen tral é que a ma i o ria das for mas de trans for ma ção so ci al se en con - tra, hoje em dia, li ga da de modo com ple xo a for ças glo ba li za do ras e a pro ces sos trans na ci o na is. A in ves ti ga ção que se con fi na a en qua dra men tos na ci o na is e que ig no ra as in ter li ga ções trans fron te i ri ças só di fi cil men te re ve la rá o ce ná rio co m ple - to. Mais im por tan te ainda é o fac to de essa in ves ti ga ção pro va vel men te não

16 138 Stephen Castles for ne cer es tra té gi as ade qua das para li dar com as trans for ma ções so ci a is. Isto não im pli ca que a di men são na ci o nal deva ser ne gli gen ci a da. Os es ta dos-nações con ti - nu am a ser im por tan tes e con ti nu a rão a ser até onde ar ris ca mos a pre ver o fu tu ro. São eles o con tex to das po lí ti cas re la ci o na das com a or dem pú bli ca, as in fra-es tru - tu ras eco nó mi cas, os sis te mas de se gu ran ça so ci al, os ser vi ços de sa ú de, etc. Os es - ta dos-nações con ser vam ain da uma re le vân cia po lí ti ca con si de rá vel e de sem pe - nham fun ções sim bó li cas e cul tu ra is im por tan tes. Mas a au to no mia dos go ver nos na ci o na is em to das es tas fren tes tem vin do a ser ero di da e já não é pos sí vel abs tra ir - mo-nos dos fac to res trans na ci o na is na to ma da de de ci sões e no pla ne a men to. Compreender o local: a investigação participante Os flu xos e as re des que cons ti tu em a glo ba li za ção as su mem for mas es pe cí fi cas em di fe ren tes ní ve is es pa ci a is: o re gi o nal, o na ci o nal e o lo cal. Não de vem, pois, se r com pre en di dos como opos tos entre si (por exem plo, a re gi o na li za ção como pos sí - vel con tra pe so da glo ba li za ção), mas an tes como ele men tos de re la ções com ple xas e di nâ mi cas, em que as for ças glo ba is exer cem im pac tos di ver sos em fun ção de di - fe ren tes fac to res es tru tu ra is e cul tu ra is e das res pos tas nos res tan tes ní ve is (ve r Held e ou tros, 1999: 14-16). No en tan to, para a ma i o ria das pes so as, é pri vi le gi a da - men te ao ní vel lo cal que as trans for ma ções so ci a is se fa zem sen tir: as al te ra ções nos sis te mas de pro du ção e de dis tri bu i ção, as re la ções so ci a is e as prá ti cas cul tu ra is que trans for mam as con di ções na co mu ni da de lo cal, que cons ti tui o centro da vida quo ti di a na. Isto tam bém é vá li do para as si tu a ções onde as trans for ma ções so ci a is for çam as pes so as a aban do nar as suas co mu ni da des e a des lo ca rem-se para outros lo ca is: por exem plo, quan do se ve ri fi cam mu dan ças nas prá ti cas agrí co las ou nos re gi mes de pro pri e da de, ou na se quên cia do de sen vol vi men to de um pro jec to (como uma bar ra gem, um ae ro por to ou uma fá bri ca), que im pli cam a des lo ca ção fí - si ca das pes so as. A ne ces si da de de mi grar é vi vi da como uma cri se nas con di ções eco nó mi cas e so ci a is da co mu ni da de de ori gem, ao pas so que a ins ta la ção no novo con tex to 16 é sen ti da como um es for ço para cons tru ir uma nova vida numa ou tra co mu ni da de. O es tu do das trans for ma ções so ci a is deve as sim dar um peso equi va len te ao lo cal e ao glo bal, não es que cen do de en tre me io os ní ve is na ci o nal e re gi o nal. No en - tan to, com pre en der a ex pe riên cia lo cal das trans for ma ções so ci a is re quer, por ve - zes, abor da gens es pe cí fi cas. É vi tal com pre en der que os mé to dos não são ne u tros: a es co lha dos mé to dos de pes qui sa as sen ta em en qua dra men tos con cep tu a is e ob jec - ti vos es pe cí fi cos, e pode le var a re sul ta dos di ver sos. Pode-se di fe ren ci ar entre ab or - da gens com uma ori en ta ção vo lun ta ris ta (do topo para a base) e ou tras com uma ori en ta ção par ti ci pa ti va (da base para cima). 17 Estas po dem ser, por sua vez, li ga - das a di fe ren tes ide i as acer ca do pro ces so de de sen vol vi men to. Se o de sen vol vi men to for com pre en di do, so bre tu do, como um pro ces so de mo der ni za ção, de in dus tri a li za ção e de cres ci men to eco nó mi co (ver sec ção 2

17 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS 139 aci ma), en tão, os seus agen tes po dem ser es pe ci a lis tas de pa í ses de sen vol vi dos, fre quen te men te en vol vi dos em tra ba lho de equi pa com es pe ci a lis tas lo ca is que re - ce be ram a sua for ma ção em pa í ses de sen vol vi dos e que par ti lham im pli ci ta men te os mes mos va lo res cul tu ra is. A in ves ti ga ção cen trar-se-á em fac to res téc ni cos e eco - nó mi cos, e os seus ins tru men tos pre fe ri dos serão a in for ma ção ci en tí fi ca, os in di c a - do res eco nó mi cos e os da dos es ta tís ti cos. As me to do lo gi as com uma ori en ta ção vo - lun ta ris ta (de cima para ba i xo) ig no ram mu i tas ve zes a si tu a ção so ci al e as ne ces s i - da des dos gru pos lo ca is, par ti cu lar men te dos po bres e das mu lhe res, que têm pou - co aces so ao po der po lí ti co. Estes gru pos po dem sair pre ju di ca dos e mar gi na li za - dos dos pro jec tos de de sen vol vi men to e as sim de sen vol ver re sis tên ci as con tra eles. As po pu la ções lo ca is e as suas or ga ni za ções pas sam en tão a ser vis tas como obs tá - cu los ao pro gres so, com quem se de ve rá li dar quer atra vés de me di das de or dem pú bli ca, quer por via de es tra té gi as edu ca ti vas de se nha das para pro mo ver a dis po - ni bi li da de para ace i tar a mu dan ça. Os mé to dos de in ves ti ga ção so ci al que dão cor po à abor da gem vo lun ta ris ta in clu em a uti li za ção de es ta tís ti cas so ci a is ofi ci a is, pe que nos es tu dos efec tu a dos por ci en tis tas so ci a is que aí se des lo cam para o efe i to e me to do lo gi as de son da gem apo i a das no lan ça men to de ques ti o ná ri os com ques tões de es co lha múl ti pla. No en tan to, os da dos es ta tís ti cos são por ve zes pou co fiá ve is, po den do re flec tir en vi e - sa men tos dos sis te mas de re co lha de da dos. Os in ves ti ga do res so ci a is, du ran te as suas cur tas vi si tas aos lo ca is, ten dem a apo i ar-se em in for ma ção for ne ci da por in di - ví du os que es tão em po si ções de po der (par ti cu lar men te ho mens), e po dem não aper ce ber-se dos pro ble mas, das ne ces si da des e dos de se jos de ou tros gru pos. Os ques ti o ná ri os for ma is es tru tu ram as res pos tas e res trin gem opor tu ni da des para cap tar no vas in for ma ções ou vi sões di ver gen tes. Estes mé to dos con tri bu em pou co para a aná li se dos pro ces sos de mu dan ça, ou para in se ri-los no con tex to de ex pe - riên ci as his tó ri cas ou de prá ti cas cul tu ra is. Este tipo de in ves ti ga ção so bre o des en - vol vi men to le vou a uma lon ga sé rie de erros de com pre en são e a es tra té gi as de de - sen vol vi men to mal su ce di das. Mais pre o cu pan te: al guns in te res ses dis far ça dose cer tas pre dis po si ções pro fis si o na is po dem con tri bu ir para sus ten tar cren ças em pe - der ni das mu i to de po is de re pe ti da men te se te rem re ve la do er ra das (Cham bers, 1997, 21). Estas abor da gens vo lun ta ris tas das trans for ma ções so ci a is ten dem a cen - trar-se sobre a re a li da de de ins ti tu i ções po de ro sas e de gru pos pri vi le gi a dos, ta n to a um ní vel glo bal como à es ca la lo cal, e po dem re ve lar-se ce gas pe ran te as di fe ren - tes re a li da des de gru pos des mu ni dos de po der. A nova pers pec ti va de de sen vol vi - men to, fo ca li zan do a sus ten ta bi li da de e a re du ção da po bre za, re quer abor da gens de in ves ti ga ção que se jam sen sí ve is às ne ces si da des, aos in te res ses e aos va lo res de to dos os gru pos en vol vi dos em pro ces sos de mu dan ça. Estes mé to dos, co nhe ci dos ge ne ri ca men te como abor da gens par ti ci pan tes, sur gi ram como crí ti cas ra di ca is das te o ri as do de sen vol vi men to her da das da dé ca da de 70, e co me ça ram a ga nhar uma ace i ta ção ge ne ra li za da no fim da dé ca da de 80. Uma vez mais, in sis ti mos que os mé to dos de in ves ti ga ção es tão li ga dos a pres su pos tos so ci a is e po lí ti cos. Por exem plo, os squat ters (pes so as que cons troem bar ra cas ile gal men te em terrenos ur ba nos de sa pro ve i ta dos) são mu i tas ve zes

18 140 Stephen Castles vis tos como obs tá cu los a uma ur ba ni za ção or ga ni za da. No en tan to, a re a li da deé que um gran de nú me ro de pes so as (mu i tas ve zes a ma i o ria da po pu la ção da ci da - de) não tem aces so aos mer ca dos da ha bi ta ção le ga is, nem a in fra-es tru tu ras como a água, o sa ne a men to e a elec tri ci da de. A fa ve la, o ge çe con do ou o ba ir ro de lata (mu i - tas ve zes cons tru í dos du ran te a no i te de modo a evi tar a in ter ven ção po li ci al), cons - ti tu em uma for ma ac ti va de pla ne a men to, de or ga ni za ção e de cons tru ção, le va da a cabo por mi lhões de pes so as em ci da des de pa í ses me nos de sen vol vi dos. No en tan - to, ela não é vis ta com bons olhos pe los go ver nos, que não con si de ram os squat ters como ci da dãos com ne ces si da des e di re i to le gí ti mo de ace der a de ter mi na dos ser - vi ços. A so lu ção ofi ci al re cor re, mu i tas ve zes, à de mo li ção dos ba ir ros de lata e ao des pe jo das po pu la ções clan des ti nas. Uma abor da gem al ter na ti va é o re co nhe ci - men to dos squat ters como ci da dãos que to mam me di das ac ti vas para me lho rar as suas pró pri as vi das (Har doy e Sat tert hwa i te, 1989). Tra ba lhar com eles, de modo a de sen vol ver co mu ni da des e in fra-es tru tu ras, pode ser uma for ma de po lí ti ca ur ba - na efi caz. 18 Nos úl ti mos anos de sen vol veu-se toda uma gama de mé to dos de in ves ti ga - ção par ti ci pa ti va, co me çan do pela abor da gem da ava li a ção ru ral rá pi da (ARR), 19 na dé ca da de 70, pas san do pe las téc ni cas co nhe ci das como ava li a ção ru ral par ti ci - pa da (ARP), 20 no fim da dé ca da de 80 e na dé ca da de 90. As ori gens in te lec tu a is des - tas abor da gens as sen tam no tra ba lho de Pa u lo Fre i re no Bra sil, na dé ca da de 60, e no seu prin cí pio de cons ci en ti za ção, que com bi na va a apren di za gem so ci al com a in ves ti ga ção-ac ção. A sua ide ia-cha ve era que os po bres ti nham ca pa ci da de para ana li sar a sua pró pria si tu a ção e para en con trar es tra té gi as para a mu dan ça (Freire, 1970). As téc ni cas ARR as sen tam no prin cí pio de que a aná li se do de sen vol vi men to é um pro ces so de apren di za gem co lec ti va onde se in clu em os in ves ti ga do res e to - dos os di fe ren tes gru pos so ci a is en vol vi dos em cada si tu a ção par ti cu lar. As par tes in te res sa das in clu em os gru pos lo ca is afec ta dos por um pro jec to (par ti cu lar men te aque les que mu i tas ve zes não têm voz ac ti va, como os po bres, as mi no ri as ét ni case as mu lhe res), bem como fun ci o ná ri os do go ver no, em pre sas e ONG. É im pos sí vel des cre ver as abor da gens par ti ci pa ti vas nes te ar ti go. O World Bank Par ti ci pa ti on Sour ce bo ok (Ban co Mun di al, 1996) for ne ce des cri ções de ta lha das dos vá ri os mé to - dos e exem plos de usos prá ti cos. Cham bers sin te ti za esta abor da gem da se guin te ma ne i ra: A abor da gem ARR ten deu a en fa ti zar a uti li za ção de fon tes se cun dá ri as, a ob ser va çã o e a in te rac ção ver bal. As en tre vis tas semies tru tu ra das e os fo cus groups eram privile - giados A abor da gem ARP, por sua vez, dis tin guiu-se es pe ci al men te pelo re cur soa re pre sen ta ções vi su a is par ti lha das e pela aná li se fe i ta pe las po pu la ções lo ca is, de car - to gra fi as ou cons tru ção de mo de los fe i tos no ter re no ou no pa pel; ar ro la men to, se - quen ci a men to e sor te io de car tões; es ti ma ti vas, com pa ra ções, pon tu a ções e clas si fi ca ções com se men tes, pe dras, paus ou for mas; di a gra mas de Venn, di a gra mas de as so ci a ções; e apre sen ta ções de gru po ou da co mu ni da de para exa me e va li da - ção A lis ta apre sen ta da não é exa us ti va (Cham bers, 1997: 116). A ide ia sub ja cen te é que as es tra té gi as de mu dan ça ba se a das numa aná li se

19 ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS 141 par ti ci pa ti va dos pro ble mas le varão a es tra té gi as de de sen vol vi men to sus ten tá ve l as sen tes em sen ti men tos de pos se da par te dos di ver sos gru pos com in te res ses em jogo. Esta abor da gem pode ser vir de base a uma mu dan ça de ati tu des e ao de - sen vol vi men to de no vas es tru tu ras ins ti tu ci o na is. As téc ni cas ARP sur gi ram no con tex to do tra ba lho de de sen vol vi men to lo cal le va do a cabo por agên ci as de au xí - lio e ONG, mas pro por ci o nam tam bém im por tan tes con tri bu i ções para os in ves ti - ga do res das trans for ma ções so ci a is em con tex tos ur ba nos e ru ra is, tan to em pa í ses me nos de sen vol vi dos como em pa í ses de sen vol vi dos. O prin cí pio da aná li se so ci al como um pro ces so de apren di za gem mú tua que en vol ve in ves ti ga do res e as par tes in te res sa das é ge ne ri ca men te apli cá vel, e dá aces so a ins tru men tos va li o sos para a com pre en são das di men sões lo ca is dos pro ces sos glo ba is e para a aná li se do modo como os fac to res so ci a is e cul tu ra is lo ca is me de i am os efe i tos das for ças glo ba li za - do ras. A ace i ta ção dos prin cí pi os da in ves ti ga ção par ti ci pan te im pli ca a ne ces si da - de de re pen sar as téc ni cas em di ver sas for mas de in ves ti ga ção so ci al. Por exem plo, a in ves ti ga ção sobre pro ble mas ur ba nos em pa í ses de sen vol vi dos, mu i tas ve zes, não con se guiu pro du zir re sul ta dos úte is por ca u sa das abor da gens vo lun ta ris tas das ad mi nis tra ções. Os mé to dos par ti ci pa ti vos que dão voz aos gru pos des ti tu í dos de po der en con tra rão com ma i or pro ba bi li da de as ca u sas re a is dos pro ble mas so - ciais e as so lu ções viá ve is para os mes mos. 21 É ne ces sá ria ca u te la, con tu do, vis to que os mé to dos par ti ci pa ti vos não po - dem, por eles pró pri os, re sol ver con fli tos de in te res se pro fun dos, em ma té ri as como a pro pri e da de da ter ra, o uso e a pro tec ção de re cur sos, ou as ques tões sala - riais e as con di ções de tra ba lho. Nem po dem for ne cer uma com pre en são com ple ta das ins ti tu i ções e das es tru tu ras das so ci e da des na ci o na is e de como es tas são afec - ta das por pro ces sos trans na ci o na is. Para con tri bu ir efec ti va men te para a com pre - en são e para os mo dos de li dar com a mu dan ça, o es tu do das trans for ma ções so - ciais pre ci sa de com bi nar mé to dos mais es tru tu ra dos (do topo para a base), como as gran des ope ra ções de in qué ri to, a aná li se es ta tís ti ca, a eco no me tria e os es tu d os de po lí ti cas pú bli cas, com as aná li ses mais aber tas (da base para o topo) da in ves ti - ga ção par ti ci pan te. A investigação em rede Se a rede é um prin cí pio or ga ni za dor cha ve da so ci e da de glo bal em emer gên cia (Cas tells, 1996), deve tam bém ser en tão o prin cí pio bá si co da or ga ni za ção da in ves - ti ga ção so bre a glo ba li za ção e as trans for ma ções so ci a is. As re des in ter na ci o na is de in ves ti ga do res po dem au xi li ar a ul tra pas sar as he ran ças na ci o na lis ta e co lo ni a lis ta das ciên ci as so ci a is. A in ves ti ga ção an tro po ló gi ca dos po vos pri mi ti vos que se fa zia no iní cio as sen ta va em ide i as ex plí ci tas de su pe ri o ri da de da raça bran ca e da cul tu ra eu ro pe ia. Esta in ves ti ga ção es ta va, por ve zes, as so ci a da a es tra té gi as ofi ci a is de con tro lo dos po vos co lo ni za dos. Tam bém os es tu dos mais re cen tes so bre o de sen vol vi men to en ra i za vam-se fre quen te men te na ide ia de su pe ri o ri da de do

20 142 Stephen Castles Oci den te e na ne ces si da de de ex por tar os va lo res oci den ta is para o mun do me nos de sen vol vi do. 22 A in ves ti ga ção em rede im pli ca uma nova abor da gem, em que os in ves ti ga do res em di ver sos pa í ses, tan to oci den ta is como não oci den ta is, se asso - ciam en quan to par ce i ros em igual da de de cir cuns tân ci as no pro ces so de pes qui sa. Em vez de con ti nu a rem a ser os ci en tis tas so ci a is do pri me i ro mun do a con du zir es - tu dos sobre os ou tros po vos, a in ves ti ga ção tor nar-se-ia as sim num pro ces so de co - la bo ra ção en tre igua is. Os in ves ti ga do res de cada país po de ri am apli car o seu co - nhe ci men to das es tru tu ras so ci a is e das prá ti cas cul tu ra is lo ca is, ao pas so que os va lo res e os mé to dos oci den ta is de i xa ri am de ser o ter mo de re fe rên cia, tor nan - do-se eles pró pri os ob jec to de es tu do e de crí ti ca. A in ves ti ga ção em rede é um prin cí pio bá si co do pro gra ma MOST, que cons ti - tu iu cer ca de 20 re des de in ves ti ga ção in ter na ci o na is por todo o mun do. Cada rede pos sui um foco re gi o nal, as so ci an do uma sé rie de pa í ses no es tu do de um tema par - ti cu lar, como as ques tões ur ba nas, os pro ble mas as so ci a dos às dro gas, as mi gra ções in ter na ci o na is ou o mul ti cul tu ra lis mo. No en tan to, to dos eles di zem res pe i to a p ro - ces sos glo ba is de trans for ma ção so ci al e ao modo como es tes afec tam uma re gião es pe cí fi ca. Estas re des não se rão des cri tas aqui. 23 Vale a pena, no en tan to, men ci o - nar al guns as pec tos das re des MOST (ver tam bém Ghor ra-go bin, 2000). As re des de in ves ti ga ção MOST acen tu am a in ter dis ci pli na ri da de, vis to que as trans for ma ções so ci a is não po dem ser ca bal men te com pre en di das par tin do da pers pec ti va iso la da de ape nas uma das ciên ci as so ci a is. As re des in clu em so ció lo - gos, ci en tis tas po lí ti cos, eco no mis tas, an tro pó lo gos, geó gra fos, de mó gra fos, etc. As abor da gens com pa ra ti vas in ter na ci o na is de sem pe nham aqui um im por tan te pa pel, ao co lo ca rem a tó ni ca na com pre en são das ar ti cu la ções e das si mi la ri da des trans na ci o na is, mas tam bém na com pre en são das es pe ci fi ci da des na ci o na is. O es - tu do das trans for ma ções so ci a is pa re ce au men tar a per cep ção das di fe ren tes lo ca li - za ções so ci a is, da di ver si da de dos in te res ses e do aces so di fe ren ci a do ao po der d os di ver sos gru pos. A cul tu ra, a et ni ci da de, a clas se e o gé ne ro são as pec tos im por tan - tes em to das as re des, in flu en ci an do a es co lha dos pro jec tos de in ves ti ga ção, dos mé to dos uti li za dos e dos en qua dra men tos teó ri cos o que acon se lha o der ru be das bar re i ras exis ten tes en tre in ves ti ga do res e a co mu ni da de alar ga da (Au ri at, 1998). A in ves ti ga ção não é uma ac ti vi da de ne u tral e os in ves ti ga do res po dem fa - zer es co lhas cons ci en ci o sas so bre os seus ob jec ti vos, tais como apo i ar me di das que re du zam a po bre za e au men tar a par ti ci pa ção so ci al e po lí ti ca de gru pos des fa vo r e - ci dos. Mu i tos dos in ves ti ga do res en vol vi dos no pro gra ma MOST pro cu ram en vol - ver ONG no seu tra ba lho, como modo de fa ci li tar o es ta be le ci men to de elos de co - mu ni ca ção e a base de co nhe ci men to ne ces sá ria à glo ba li za ção de ba i xo para cima. 24 As re des MOST su bli nham a im por tân cia da li ga ção en tre a in ves ti ga çãoe o de se nho de po lí ti cas pú bli cas, o que in flu en cia a es co lha dos te mas a in ves ti gar e o modo de dis se mi na ção pú bli ca dos re sul ta dos das in ves ti ga ções, jun to dos de ci - so res po lí ti cos e do pú bli co em ge ral. As re des pro cu ram, ain da, in clu ir de ci so res po lí ti cos como par ti ci pan tes em to dos os es tá di os da in ves ti ga ção, des de o pla ne a - men to, à ope ra ci o na li za ção e à aná li se. As re des de in ves ti ga ção MOST não são as úni cas com es tas ca rac te rís ti cas. Nos úl ti mos anos tem-se ve ri fi ca do uma ten dên cia no sen ti do de uma ma i or

OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública. Alba Zaluar

OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública. Alba Zaluar OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública Alba Zaluar Resumo O texto aborda algumas das idéias mais disseminadas hoje nos meios de comunicação de massa, assim como no acadêmico, para entender

Leia mais

Um bre ve ba lan ço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil

Um bre ve ba lan ço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil Um bre ve ba lan ço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil Marilia Pontes Spo si to Uni ver si da de de São Pa u lo Resumo O ar ti go re a li za ba lan ço da pes qui sa so bre as re la ções en tre

Leia mais

MU DAN ÇAS NA IMI GRA ÇÃO Uma aná li se das es ta tís ti cas so bre a po pu la ção es tran ge i ra em Por tu gal, 1998-2001

MU DAN ÇAS NA IMI GRA ÇÃO Uma aná li se das es ta tís ti cas so bre a po pu la ção es tran ge i ra em Por tu gal, 1998-2001 MU DAN ÇAS NA IMI GRA ÇÃO Uma aná li se das es ta tís ti cas so bre a po pu la ção es tran ge i ra em Por tu gal, 1998-2001 Rui Pena Pires Re su mo Os da dos es ta tís ti cos so bre o re cen te cres ci

Leia mais

O decrescimento como condição de uma sociedade convivial. Ser ge La tou che. ano 4 - nº 56-2006 - 1679-0316

O decrescimento como condição de uma sociedade convivial. Ser ge La tou che. ano 4 - nº 56-2006 - 1679-0316 O decrescimento como condição de uma sociedade convivial Ser ge La tou che ano 4 - nº 56-2006 - 1679-0316 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS Re i tor Mar ce lo Fer nan des de Aqui no, SJ Vice-reitor

Leia mais

Parte I Es ta tís ti cas mo ne tá ri as e financeiras

Parte I Es ta tís ti cas mo ne tá ri as e financeiras Parte I Es ta tís ti cas mo ne tá ri as e financeiras Es ta tís ti cas mo ne tá ri as e fi nan cei ras METODOLOGIA UTILIZADA NA RECONSTRUÇÃO DE ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS 1. Introdução 1.1 Objectivo

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Química feita pelo Intergraus. 11.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Química feita pelo Intergraus. 11.01.2010 UNICAMP 2010 - QUÍMICA As questões dessa prova exploram matérias da Revista Pesquisa FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), uma publicação men sal disponível gratuitamente na rede

Leia mais

ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO

ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO CEMcapa12007ok 14.02.75 14:15 Page 1 ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO Eduardo Marques (coord.),

Leia mais

Blogs: sentimentos em rede compartilhados na pós-modernidade

Blogs: sentimentos em rede compartilhados na pós-modernidade CIBERCULTURA Blogs: sentimentos em rede compartilhados na pós-modernidade RESUMO Este artigo relaciona o surgimento dos weblogs com aspectos de pós-modernidade que se apresentam na contemporaneidade. ABSTRACT

Leia mais

O imaginário é uma re a li da de

O imaginário é uma re a li da de ENTREVISTA O imaginário é uma re a li da de RESUMO Nesta entrevista Michel Maffesoli, pensador francês do co ti di a no e do presente, herdeiro intelectual de Gilbert Durand, faz uma cartografia da noção

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

As Teorias Pedagógicas Modernas Revisitadas pelo Debate Contemporâneo na Educação

As Teorias Pedagógicas Modernas Revisitadas pelo Debate Contemporâneo na Educação c a p í t u l o : 1 As Teorias Pedagógicas Modernas Revisitadas pelo Debate Contemporâneo na Educação José Carlos Libâneo * A pe da go gia ocu pa-se das ta re fas de for ma ção hu ma na em con tex tos

Leia mais

In form a ti on on medicines in the med i a : a con tri buti on to ra ti onal use?

In form a ti on on medicines in the med i a : a con tri buti on to ra ti onal use? 1 3 3 In formação sobre med i c a m en tos na impren s a : uma con tri buição para o uso ra c i onal? In form a ti on on medicines in the med i a : a con tri buti on to ra ti onal use? Eloína Araújo Lage

Leia mais

A pediatria social e as suas apostas re f o rm i s t a s. Social pediatrics and its re f o rmist pro p o s a l s

A pediatria social e as suas apostas re f o rm i s t a s. Social pediatrics and its re f o rmist pro p o s a l s A RTIGO A RT I C L E 9 7 7 A pediatria social e as suas apostas re f o rm i s t a s Social pediatrics and its re f o rmist pro p o s a l s Maria de Lu rdes Zanolli 1 Emerson Elias Me rhy 2 1 De p a rtamento

Leia mais

Car ti lha do Par ti ci pan te

Car ti lha do Par ti ci pan te Editada em Fevereiro/2012 PLANO Car ti lha do Par ti ci pan te A exemplo da fábula "A Cigarra e a Formiga", que ensina a importância de preparar-se para o inverno, guardando provimentos durante o verão,

Leia mais

Anos Dour ados e Revi ver l ocali zados no muni cí pi o de Paul o Af onso- BA passar am a vi ver mel hor?

Anos Dour ados e Revi ver l ocali zados no muni cí pi o de Paul o Af onso- BA passar am a vi ver mel hor? I NTRODUÇÃO O t uri smo é u ma das pri nci pai s ati vi dades econô mi cas par a o desenvol vi ment o l ocal e soci al em u ma r egi ão, vi st o que, pr opi ci a a ger ação de bens e ser vi ços par a a

Leia mais

Saneamento: no mínimo, o básico

Saneamento: no mínimo, o básico Setembro 2007 Ano IV Nº 37 Eng. eletricista Antonio Divino Moura, diretor do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e 3º vice-presidente da Organização Meteorológica Mundial (OMM) entrevista Revista

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS FRENTE 1 - MECÂNICA Módulo 1 Fundamentos da Cinemática 1. Ponto material tem massa? Resolução Ponto material é um corpo e todo

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS FRENTE 1 - MECÂNICA Módulo 1 Fundamentos da Cinemática 1. Ponto material tem massa? Resolução Ponto material é um corpo e todo EXERCÍCIOS RESOLVIDOS FRENTE 1 - MECÂNICA Módulo 1 Fundamentos da Cinemática 1. Ponto material tem massa? Ponto material é um corpo e todo corpo tem massa. Quando consideramos um corpo como ponto material,

Leia mais

QUANTO CUSTA SER IMIGRANTE? EDITE ROSÁRIO TIAGO SANTOS

QUANTO CUSTA SER IMIGRANTE? EDITE ROSÁRIO TIAGO SANTOS QUANTO CUSTA SER IMIGRANTE? EDITE ROSÁRIO TIAGO SANTOS ROSÁRIO, Edite, e outro Quanto custa ser imigrante?/ Edite Rosário, Tiago Santos. (Estudos OI; 26) ISBN 978-989-8000-44-6 I SANTOS, Tiago, 1973- CDU

Leia mais

DIFERENÇAS REGIONAIS E OS SEUS REFLEXOS NA LITERATURA Ana Maria Costa Lopes

DIFERENÇAS REGIONAIS E OS SEUS REFLEXOS NA LITERATURA Ana Maria Costa Lopes DIFERENÇAS REGIONAIS E OS SEUS REFLEXOS NA LITERATURA Ana Maria Costa Lopes IV 155 IV DIFERENÇAS REGIONAIS E OS SEUS REFLEXOS NA LITERATURA As nossas fronteiras territoriais, das mais antigas e estáveis

Leia mais

Inform.Ação. Menopausa e Hormônio-Terapia. Osteoporose e Osteoartrite tratamentos e mecanismos. Ômega-3

Inform.Ação. Menopausa e Hormônio-Terapia. Osteoporose e Osteoartrite tratamentos e mecanismos. Ômega-3 Inform.Ação w w w. a c a o m a g i s t r a l. o r g. b r MAGISTRAL Revista de Informação Científica Médica Distribuição Gratuita Edição XVI 2010 Menopausa e Hormônio-Terapia tradicional e tendência Ômega-3

Leia mais

Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL. Si Mesmo

Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL. Si Mesmo Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo A Herança de Si Mesmo Ao pu bli car o pre sen te tra ba lho, o au tor le vou em con ta a re per cus são que o mes mo pode al can çar no mun

Leia mais

Pu + n RESOLUÇÃO: 235 U 92. Índices inferiores: 92 + 0 = Z + 36 + 3(0) Z = 56 Ba 239 Pu

Pu + n RESOLUÇÃO: 235 U 92. Índices inferiores: 92 + 0 = Z + 36 + 3(0) Z = 56 Ba 239 Pu QUESTÃO 1 60 anos após as explosões das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, oito nações, pelo menos, pos - suem armas nucleares. Esse fato, associado a ações terroristas, representa uma ameaça ao

Leia mais

POLÍ TI CAS PÚBLI CAS DE JUVENTUDE I NTERFACES ENTRE EDUCAÇÃO E FOR MA Ç Ã O PROFI SSI ONAL

POLÍ TI CAS PÚBLI CAS DE JUVENTUDE I NTERFACES ENTRE EDUCAÇÃO E FOR MA Ç Ã O PROFI SSI ONAL 0 UNI VERSI DADE FEDERAL DO RI O GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EMEDUCAÇÃO CURS O DE ESPECI ALI ZAÇÃO EMEDUCAÇÃO DE J OVENS E ADULTOS E EDUCAÇÃO DE PRI VADOS DE LI BERDADE

Leia mais

OS MEDIA E O REGIONALISMO Isabel Ferin da Cunha

OS MEDIA E O REGIONALISMO Isabel Ferin da Cunha OS MEDIA E O REGIONALISMO Isabel Ferin da Cunha IX 369 IX OS MEDIA E O REGIONALISMO Este artigo procura discutir, no contexto de aprofundamento da globalização, o conceito de regionalismo, tendo em conta

Leia mais

Recenf. Saúde Coletiva. Abenfo

Recenf. Saúde Coletiva. Abenfo T Jul\Ago. 25 Recenf 111-117 Luciana Roberto de Souza, Maria Aparecida Guerreiro de Souza, Adriana da Silva Pinto,Elaine Antunes Cortez, Thalita Gomes do Carmos, Rogéria Maria do Nascimento. 118-124 Teresa

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA VEGETAÇÃO BRASILEIRA, ADAPTADA A UM SISTEMA UNIVERSAL

CLASSIFICAÇÃO DA VEGETAÇÃO BRASILEIRA, ADAPTADA A UM SISTEMA UNIVERSAL MINISTERIO DA ECONOMIA, FAZENDA E PLANEJAMENTO FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTAMST1CA - IBGE DIRETORIA DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE RECURSOS NATURAIS E ESTUDOS AMBIENTAIS CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

P Á S C O A. 1. HOJE É DIA DE FESTA Abertura ========================== j « Vem C ˆ «. ˆ ˆ ˆ«««« res-

P Á S C O A. 1. HOJE É DIA DE FESTA Abertura ========================== j « Vem C ˆ «. ˆ ˆ ˆ«««« res- ix 1 P Á S O 1. HOJ É I ST bertur L.: Mri Pu Rodrigues M.: urivdo S. erreir & b m 4. œ J Ó R.: Ho e é di fes t e e gri! Vem cn tr, & b. vem cn tr: é fes t d res sur rei ção! Vem cn tr, & b. Œ _ vem cn

Leia mais

Tip Lewis e Sua Lâmpada

Tip Lewis e Sua Lâmpada Tip Lewis e Sua Lâmpada Tip Lewis and His Lamp 1987 foi publicado originalmente no inglês sob o título Tip Lewis and His Lamp pela Rod & Staff Publishers, Inc. Crockett, Kentucky 41413 EUA e traduzido

Leia mais

Apresentação 4. Constitucionalidade da mediação 5 José Delgado. Mediação no Direito comparado 15 Edward P. Davis

Apresentação 4. Constitucionalidade da mediação 5 José Delgado. Mediação no Direito comparado 15 Edward P. Davis SUMÁRIO Expediente Apresentação 4 Constitucionalidade da mediação 5 José Delgado Mediação no Direito comparado 15 Edward P. Davis Credenciamento de mediador e honorários 27 Régis Fernandes de Oliveira

Leia mais