Apresentação 4. Constitucionalidade da mediação 5 José Delgado. Mediação no Direito comparado 15 Edward P. Davis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação 4. Constitucionalidade da mediação 5 José Delgado. Mediação no Direito comparado 15 Edward P. Davis"

Transcrição

1 SUMÁRIO Expediente Apresentação 4 Constitucionalidade da mediação 5 José Delgado Mediação no Direito comparado 15 Edward P. Davis Credenciamento de mediador e honorários 27 Régis Fernandes de Oliveira Modalidade de mediação 42 Kazuo Watanabe Mediador: Uma experiência profissional 51 José Carlos de Mello Dias

2 EDITORAÇÃO Secretaria de Pesquisa e Informação Jurídicas do Centro de Estudos Judiciários SPI/CEJ Neide Alves Dias De Sordi Secretária Milra de Lucena Machado Amorim Subsecretária da Subsecretaria de Divulgação e Editoração da SPI/CEJ Jorge Duarte de Azevedo Assessor Especial da Presidência do CJF Lucinda Siqueira Chaves Freire Diretora da Divisão de Editoração da SPI/CEJ Sônia Rosana Gomes de Moraes e Menezes Chefe da Seção de Edição de Textos da SPI/CEJ Antônio César do Vale Chefe da Seção de Revisão de Textos da SPI/CEJ Rute Maria Barreto Rezende Servidora da Divisão de Editoração da SPI/CEJ Augusto Ramos Servidor da Divisão de Estudos e Pesquisas da SPI/CEJ DIAGRAMAÇÃO E ARTE-FINAL Alice Zilda Dalben Siqueira - Servidora da Divisão de Divulgação Institucional da SPI/CEJ CAPA Alice Zilda Dalben Siqueira - Servidora da Divisão de Divulgação Institucional da SPI/CEJ NOTAS TAQUIGRÁFICAS Subsecretaria de Taquigrafia do Superior Tribunal de Justiça IMPRESSÃO Divisão de Serviços Gráficos da Secretaria de Administração do Conselho da Justiça Federal Luiz Alberto Dantas de Carvalho Diretor M489 Mediação : um projeto inovador/ José Delgado et al. Brasília : Centro de Estudos Judiciários, CJF, p. (Série Cadernos do CEJ; v. 22). ISBN X 1. Mediação 2. Arbitragem 3. Constitucionalidade das leis I. Centro de Estudos Judiciários II. Série CDU :

3 CONSTITUCIONALIDADE DA MEDIAÇÃO JOSÉ DELGADO

4 6 Série Cadernos do CEJ, 22 D iscorrerei a respeito da constitu c ion alid ad e d a m e d i a- ção e, ao m esm o passo, da arb itragem, por entender que a m e- diação, dentro do am biente j urídico e do panoram a de idéias envolvidas pelo Direito, está dentro do mesmo contexto da arbitragem. De in ício, con vém f azerm o s di stin ção ent re m edi ação e arb itragem. Sab em o s qu e est a ho j e est á protegida por um a legislação espec i a l e po ssui u m a est r utu r a c o m - pl et am ent e dif erent e d a conh ecid a desde o Código de Processo Civil de 1939 e o de Atualm ente há out ras id éi as i m pl ant ad as no o rd en a- m ento j urídico b rasileiro, b uscando sua consolidação com o um dos cam inhos a ser enfrentado para a solu - ção dos conflitos. Dep r eend em o s do s p r onun - ciam entos anteriores que aind a não h á u m a est r utu r a legal esp ec íf i c a d efin ida para tratar as peculiaridades d a m e d i a ç ã o ; n ã o s i g nifi c a, ent ret anto, qu e est a n ão sej a u m a t é c n i c a d e s o l u ç ã o d e c onflito s p r esen t e em no sso o r d en am ento j u r íd i c o. Pr e t e nd o d e f e n d e r su a constitucionalidade, partindo do princípio de que a m ediação j á se faz pres e n t e n a J u s t i ç a, h a v e ndo t ã o - som ente a necessidade de criação de um a disciplina específica, a exem plo do que foi feito para a arb itragem. Com a Lei n , a Lei da Arb itragem, d e 23 d e set em b ro d e 1996, acirrados debates a respeito de su a con stitu cion alid ad e fo r am t r a- vados, os quais alcançarão seu ciclo final com o esperado pronunciam ento do Suprem o Tribunal Federal, que, por larga m aioria, reconhece a constitucionalidade da arbitragem. Desde o surgim ento da Lei da Arbitragem, filiei-m e à sua constitucion alid ad e. Em c on seqü ên c i a d esse entendim ento, posicionei-m e, tam bém, pela possibilidade da m ediação ser um m eio apoiado pela Constituição para a solução de conflitos. Sem b uscar o tecnicism o j u- rídico entendo que o Direito deve ser com preendido pelo cidadão, que, m uitas vezes, dificulta a form ação de no ssas id éi as, p r et endo m o st r ar a diferenciação entre m ediação e arbitragem e dem onstra sua constitucionalidade. A m e d i aç ão é u m a f o r m a alternativa de encerram ento definitivo de litígio pelo acordo de vontade das partes envolvidas em um conflito. Esse consentim ento, que passa a gozar de alto valor de consideração, precisa ser com preendido e trabalhado pelo m e- diador. Não há, ainda, no Brasil, com o afirm ou-se anteriorm ente, um a lei específica tratando da m ediação e das técnicas procedim entais que devem

5 Sem inário Mediação: Um Proj eto Inovador 7 ser adot ad as p ar a seu d esen vol vi - m ento. Creio que tais técnicas devem ser pensadas e m editadas com o m á- xim o de cuidado. Parece-m e que o anteproj eto el ab o rado n ecessit a d e ap erf ei ço a- m ento, pois não há preocupação m ais ab ran gent e d e qu e o m edi ado r t er consciência de suas funções psicológica e sociológica as quais considero extrem am ente necessárias para o êxito da m ediação, um a vez que sua tarefa não é im por um a solução ou um a decisão, ou encontrar o m elhor cam inho para as partes, m as, essencialm ente, convencê-las, pacientem ente, sabendo ouvi-las, interpretando suas reações, sem, no entanto, envolver-se, de m odo que as distorções da realidade do conflito não contam inem sua m aneira de b u scar u m con senti m ento ent re as partes. Trata-se de um a técnica de convencim ento am pla, ab rangendo um a série de circunstâncias a que os j uízes e os profissionais do Direito não estam os acostum ados, um a vez que isso não nos é ensinado nos cursos de Direito, de m estrado ou de doutorado. Apenas atualm ente despertam os para a m ediação com o técnica am parada pelo ordenam ento j urídico e com caráter definitivo para a solução de conflito. A mediação exige do mediador sej a ou não bacharel em Direito, um a form ação m ais abrangente, perm itindo seu envolvim ento com os aspectos j u r ídi c o s n ão p r ofund am ent e, p si coló gi co s e so cioló gi co s, co m a cham ada técnica de convencim ento. Co m p ar o o m e d i ad o r àqu e l e profissional que, em várias categorias, por m eio de m étodos, torna-se capacit ado a con ven cer o int erlo cuto r a aderir às suas propostas. Em relação a esse aspecto, poderíam os sugerir, por exem plo, as cham adas técnicas da propaganda, que, atualm ente, ainda não têm um processo científico, m as bem dem onstram sua utilidade, um a vez que o hom em é levado a aceitar a m ensagem que lhe é transm itida, sem ter, m uitas vezes, conscientização do êxito desta. A diferença entre a técnica da p r o p aga n d a e a q u e d e v e se r e m p r e gad a n a m e d i aç ão é qu e o m ediador, além de convencer as partes beligerantes a entrarem em acordo por sua livre m anifestação de vontade, sem qu e h aj a r an c o r, d e v e, t am b é m, con ven cê-l as d e qu e aqu el a será a m e lhor solu ç ão p ar a am b as. É n e c e ssári o, e nt ão, qu e as p ar t e s t enh am a c on sc i enti zaç ão d e qu e fo r am v en c edo r as, f enô m eno qu e ainda falta nas soluções dos litígios pela arbitragem ou pelo Poder Judiciário. Tem os a cultura não som ente entre nós, operadores do Direito, m as,

6 8 Série Cadernos do CEJ, 22 t am b ém, ent re as p art es d e qu e sem pre há um vencido e um vencedor. Tal cultura tam bém está presente na Lei da Arbitragem, que não fugiu ao tradicionalism o jurídico-cultural im plantado ao longo do tem po, que não nos perm itiu outro com portam ento. A preparação cultural do m e- diador deve ser feita de m odo diferente, possibilitando que as partes em litígio, ao térm ino do conflito, sintam -se ven cedo ras, co m p reend endo qu e o acordo celebrado por livre m anifestação de vontade satisfaz a am bas, perm itindo a paz em definitivo. Com o afirm ei anteriorm ente, na m ediação deve haver prevalência da vontade das partes e não do entendim ento do m ediador, do árbitro ou do j uiz, com o ocorre nas soluções tradicionais de conflitos. Da Argentina, onde a m ediação é um m ecanism o de solução de conflitos, invoco a Lei n / 85, regulam entada pelos Decretos ns / 92 e 1.021/ 95, que, im plicitam ente, contém pressupostos que correspondem à natureza apresentada. O mediador, dentro do contexto que lhes dem onstrei, não exerce a função de j ulgador, um a vez que não lhe cabe exam inar o m érito da dem anda. Precisam os im plantar a m entalidade recente de que o m ediador precisa ter absoluta conscientização de que não se d eve en volver co m o m érito d a dem anda para não influenciar as partes. Sua função prim ordial é aproxim ar, conscientizar e estabelecer a paz, ou sej a, tem um a m issão com pletam ente diferente da que, até hoj e, tem sido exercida por todos os operadores de Direito, sej a de categoria tradicional ou alternativa. Do trabalho que elaborei, destaco que o m ediador há de agir com ab soluto cuidado para não revelar à parte contrária o que colheu da outra parte, salvo quando, para tanto, for autorizado. E esse cuidado precisamos meditar muito tem de se refletir em suas expressões, na m aneira com o ouve as partes, separadam ente ou em conjunto, não exteriorizando, em seus reflexos pessoais e até em suas reações faciais, a aceitação ou não do que está sendo proposto para conciliação. A fun ção do m ediado r é d e ab soluta neutralidade. E, para isso, é necessário um trabalho, um a preparação prévia. A m ediação não é form a de j u sti ça ci vil, n ão -est at al, co m o é a arbitragem. Em bora sej a um a solução alternativa de conflito, a arbitragem é um a form a de entrega de j ustiça civil, dos direitos disponíveis, e passa por todo o m ecanism o burocrático crítica que faço à Lei da Arbitragem, necessitando de aperfeiçoam ento, um a vez que ainda é vinculada à burocracia processual, refletindo todo o nosso tradicionalism o.

7 Sem inário Mediação: Um Proj eto Inovador 9 Estam os em um m undo com - pletam ente diferente, de celeridade, de intensidade de conflitos, que, ao m esm o tem po, exige soluções rápidas. Pode parecer, inclusive, um paradoxo a int ensidade de conflitos exigir um a celeridade de soluções, chegando ao ponto de determ inados autores aos quais m e filio defenderem que não se deve buscar a m elhor solução, m as a solu ção m ai s p ro vável, po rqu e o cidadão está a exigir um a resposta para a situação de instabilidade em que se encontra. Defendo que a m ediação pode ser em pregada em qualquer espécie de conflito, diferenciando-se, nesse ponto, da arbitragem. Há entendim entos de que a m ediação apenas deve ser instaurada para a solução de conflitos em qu e as p art es po ssam di spo r e transacionar. Cheguei à conclusão de que a m ed i aç ão é c ab ív el em qu alqu er espécie de conflito, especialm ente nos de natureza de Direito de Fam ília e, porque não dizer, naqueles em que a outra parte é estatal. Leon Fredj a Szklarowsky tem um trabalho a respeito da arbitragem, defendendo sua possibilidade nas relações com o Poder Público, que está a dem onstrar com o esta form a alternativa de solução de conflitos am pliase. Não vej o nenhum im pedim ento para sua adoção. No que se refere ao Direito de Fam ília, aos direitos indisponíveis e aos direitos estatais, têm -se apenas alguns regram entos e lim ites que deverão ser respeitados para que não se desconfigurem os princípios básicos que os regulam. No Direito do Trabalho, a m e- diação é um a técnica que vem sendo adotada am plam ente. Em bora sem pre tenha sido contra a posição dos vogais na Justiça do Trabalho, tenho de registrar o m érito da sua atuação quando, isoladam ente, antes de ser aberta a audi ên c i a d e c on c ili aç ão, t ent am encontrar um a solução do conflito entre as partes. Sab em os que, em m uitas Juntas de Conciliação e Julgam ento, antes da ab ertura da audiência, um vogal tenta encontrar um a solução para os conflitos isso nada m ais é do que a mediação. Com um percentual de êxito significante, a solução encontrada é levada ao j uiz para hom ologação. Não se t r at a d a c on c ili aç ão clássica, prevista no Código Processual Civil e na CLT. Esta ob edece a um sistem a burocrático, em que o im pacto do m om ento, a situação, a presença das partes em um a situação psicológica de conflito, m uitas vezes, im pedem sua realização. Não há um a preparação. As partes são levadas, na presença de um a autoridade estatal, a se conciliarem. Muitas vezes, elas entendem que aquilo é um a pressão exercida sobre a m ani-

8 10 Série Cadernos do CEJ, 22 festação de suas vontades. A m ediação passa ao largo desta pressão. Ela prestigia a m anifestação da vontade de um m odo absoluto. Colhi de um a ob ra intitul ada Ad vo cacia d e Arb itragem, traduzida por René Loncan, publicada pela Editora Universidade de Brasília e tam bém pela im prensa oficial, de autoria de John W. Cooley e Steven Lubet, expressões que entendo de profunda valia para nosso convencim ento. Lá afirm a- se que: Os advogados que levavam seus casos aos tribunais subm etiam - se a um a controvérsia aparentem ente infinda, de alt a t ort ura (...) 1. Destaquei a expressão infinda, de alta tortura. Não é som ente para os advogados que o processo é um fenôm eno de alta tortura; tam bém o é para o j uiz e para os assessores do j uiz. O processo é um a representação m a- terial do sofrim ento das partes em função da dem ora, do que ele contém e do que reflete. Digo sem pre que os processos têm olhos, ouvidos, esperanças e desgastes em ocionais. Os conflitos ali presentes vivem a gritar não som ente nas tardes dos nossos gab inetes, onde perm anecem guardados em nossos arm ários, m as ecoam em nossos ouvidos, sonhos, m adrugadas e no am - biente das nossas fam ílias do m esm o m odo que ecoam no am b iente das fam ílias das partes e dos operadores do Direito. Esta alta tortura do processo constitui para nós dificuldades im ensas. Antes de serm os j uízes ou advogados, som os cidadãos. Tem os o espírito da solidariedade com o cidadãoirm ão que está passando pelo sofrim ento, especialm ente quando este nos é entregue e sentim o-nos incapacitados de oferecer im ediatam ente a solução desej ada, posta pelo ordenam ento j u- rídico, m as im possibilitada pelo volum e de serviços e pela burocracia im - plantada pelas leis que regram nosso processo. Continua o autor: (...) c o m a hipót ese do pio r cen ári o po ssível : subm eter seus clientes à pobreza vitalícia. Felizm ente, para os advogados, hoj e em dia, há alternativas 2. Acrescentaria: felizm ente, para os advogados, para os j uízes e para o cidadão, hoj e em dia, há alternativas. Conclui assim : Podem os aprender sobre m étodos novos, inovadores, para resolver disputas, quando o processo j udicial não parece proporcionar a m elhor alt ern ativa p ro cedim ent al para satisfazer as necessidades e os interesses em ocionais e psicológicos de nossos clientes, e aplicar esses m étodos 3. Aproxim o-m e dos 37 anos de m agistratura. Sou testem unha ocular do retrato apresentado pelos autores supram encionados quando citam fra-

9 Sem inário Mediação: Um Proj eto Inovador 11 se de Benj am im Franklim : Em m inhas viagens, um a vez vi um cartaz cham ado Os dois hom ens da lei. Um deles estava pintado de um lado do cart az, nu m a po stu ra m el an cólica, cob erto de farrapos, segurando um pergam inho que dizia: Perdi m inha cau sa. O out ro est ava d esenh ado saltitando de alegria, do outro lado do quadro, com as palavras: Ganhei m eu processo. Benjamim observou que o homem derrotado estava triste e pobre; o vitorioso, alegre, mas estava nu em pêlo, quer dizer, sem a prestação jurisdicional. A demora do processo e as dores por ele deixadas foram tão grandes que, em bora aparentem ente houvesse um vencedor, am bos eram vencidos. Ainda não falam os a respeito da c on stitu c ion alid ad e d a m edi aç ão. Abordam os aspectos psicológicos, sociológicos e tentam os adotar a técnica do convencim ento da m ediação fora da m argem da lei. Sabem os, porém, que nenhum a técnica procedim ental de solução dos conflitos poderá sobreviver se não tiver am paro no ordenam ento jurídico, especialmente na Constituição. Vam o s no s po sicion ar n est e cam po, m esm o não existindo ainda lei específica sobre a m ediação. A Constituição Federal, elaborada em 1988, foi feita para ser aplica- da. A m aior dificuldade encontrada na sua aplicação é um a convivência dia a dia, hora a hora, m inuto a m inuto com ela. Sem pre perguntava aos m eus alunos, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte e na Universidade Católica de Pernam buco, se haviam lido a Constituição Federal. Por incrível que pareça, a resposta era sem pre vaga. É a nossa cultura. Em regra, não conhecem os o espírito da Carta Magna, sua m ensagem. Não param os para um a reflexão m ais aprofundada a respeito do que ali está dito. A Constituição representa nada a m ais, nada a m enos, do que a vontade do cidadão. Em seu preâm bulo, encontram os: Nós, representantes do provo brasileiro, reunidos em Assem bléia Nacional Constituinte para instituir um Estado dem ocrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem -estar (...) 4. Não podem os conceber o bem - -est ar d a cid ad ani a e d as rel açõ es entre os hom ens se não existir o estado de paz. E a paz não existirá onde houver conflito nas relações j urídicas. Ob servam os, então, que a finalidade deste Estado dem ocrático de Direito está vinculada à instituição do estado de paz. Continua o preâm bulo: (...) o d esen v ol v i m ento, a i gu ald ad e e a

10 12 Série Cadernos do CEJ, 22 j ustiça com o valores suprem os de um a sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harm onia so ci al e co m p r o m etid a, n a o r d em interna e internacional, com a solução pacífica das cont rovérsias, prom ulgam os, sob a proteção de Deus, a seguinte Con stituição d a Repú b lica Federativa do Brasil (grifo nosso) 5. Essa m ensagem não tem sido bem entendida, com todas as vênias e hom enagens, por aqueles que defendem a inconstitucionalidade da Lei da Arbitragem. Faltou-lhes um a reflexão m ais aprofundada a respeito do que está contido no plano da nossa Carta Magna, da m ensagem m aior, da cham ada guia de orientação m áxim a, que é o preâm bulo, essa carta de propósitos, de intenções, esse acordo de cidadania. Os constitucionalistas afirm am, com absoluto conteúdo científico, que o preâm bulo é a parte m ais im portante da Carta Magna. Toda a Constituição deve ser interpretada a p arti r d el e. Qu ando l á di z: c o m a solução pacífica das controvérsias (...) 6, não se está dando exclusividade ao Pod er Judi c i ári o p ar a a p r est aç ão j urisdicion al. A solução das controvérsias por interm édio do Poder Judiciário é ap en as o cam inho est at al. Estão-se incentivando cam inhos alternativos exercidos pela própria cidadania, com o a m ediação, a arbitragem e os tribunais de vizinhança, hoj e tão consagrados no Direito norte-am eri- cano e tam bém considerados com o de absoluto êxito na Nova Zelândia e na Austrália, onde operadores e não-operadores do Direito, hom ens de várias profissões, reúnem -se aos sábados e dom ingos em organizações coletivas para solucionar conflitos dos seus bairros. As soluções encontradas por eles são reconhecidas pelos órgãos estatais. Meio s alt er n ati v o s t am b ém podem ser encontrados nos sindicatos, nas universidades, nas organizações não-governam entais, nas instituições religiosas e educacionais. Tudo a m odificar o panoram a de solução de conflitos. Sab em os, em b ora este dado não sej a m uito confiável, que apenas 2 % do s conflitos são ent regu es ao Poder Judiciário para solução. Então, há 98% de conflitos no Brasil exigindo que outros cam inhos sej am buscados para que sej a determ inada a estrutura de paz. Ob servem que, nesses fundam entos essenciais e institucionais da Carta Magna, está expresso que, na essência do Estado dem ocrático adotado para a Nação b rasileira, inserese, entre outros, o com prom isso do Estado de solucionar, de m odo pacífico, tanto na ordem interna com o na int er n acion al, as cont r o vér si as d e qu alquer origem, independentem ente de onde elas surj am. Isso é princípio

11 Sem inário Mediação: Um Proj eto Inovador 13 de natureza constitucional a validar a existência, a eficácia e a efetividade da m ediação e da arb itragem com o form as alternativas de solução de conflitos, sem que essa m issão sej a de responsab ilidade exclusiva do Poder Judiciário. Qu anto à responsab ilidade exclusiva do Poder Judiciário, invoco um trabalho de Inocêncio Mártires Coelho, em inente constitucionalista e ex-procurador-geral da Repúb lica, em que afirm a que precisam os m odificar a cultura, até então existente, de exigir do Estado que som ente ele resolva todos os nossos prob lem as. Diz: Assente que as constituições m odernas, pelo m enos em sua parte dogm ática, se estruturam com o sistem as ab ertos, de regras e princípios, cuja linguagem é necessariam ente polissêm ica e ind eterm inada; que a int er p r et aç ão c on stitu c ion al é u m conj unto de m étodos desenvolvidos pela doutrina e pela jurisprudência com b ase em critérios ou prem issas filosóficas, m etodológicas e epistem iológicas diferentes, m as, em geral, reciprocam ente com plem entares; que essa pluralidade de m étodos se converte em veículo da liberdade do j uiz, o qual, por isso m esm o, acaba escolhendo o m étodo em função do resultado que, estim ando correto e j usto, pretenda alcançar em cada caso; que, finalm ente, com o instâncias derradeiras, as cor- tes constitucionais proferem veredictos insuscetíveis de revisão. Se tudo isso fosse verdadeiro, parece lícito concluirse que, ao fim e ao cabo, as suas decisões eqüivalem a erratas e adendas d as con stituiçõ es qu e aplicam, e a questão da constitucionalidade das leis fica reduzida a um j uízo político resultante da pré-com preensão e da ideologia dos m agistrados que exercem a j urisdição constitucional. Se isso for verdadeiro, pelo m enos em tese, a discussão sobre a constitucionalidade da Lei da Arbitragem no particular aspecto de sua conform idade com os princípios do j uízo natural e da inafastabilidade do Poder Judiciário, em bora deva partir do texto da Constituição, esp eci al m ent e do s in ci so s XXXV e XXXVII do art. 5º, sob pena de em pobrecim ento e de bloqueio de saídas, tem que se deslocar do âm bito restrito das regras do Direito, com o ordenações de vigência, para o espaço aberto dos princípios j urídicos com o m andatos de otim ização 7. Observem que defendi a abertura desse espaço j urídico a partir do preâm bulo da Constituição Federal. Continua Mártires Coelho: Nessa perspectiva, pode-se dizer que a condenação dessa lei, nos term os da erudita e m inuciosa pronúncia do em i- nente Ministro Sepúlveda Pertence, se vier a se confirm ar, terá a fundam entá-la essencialm ente o peso da doutri-

12 14 Série Cadernos do CEJ, 22 na assente e da opinião dom inante, um a e outra ideologicam ente regressivas e saudosistas, porque voltadas para o passado, em busca de um Estado perdido, de um Estado interventor e provedor-geral, de um leviatã tutelar onipresente e em asculador, que, à força de tudo resolver por todos, genericam ente e por pose, presum indo-os fracos ou deficientes, im pede o livre d esen vol vi m ento d a p er son alid ad e individual; de um Estado que não respeita, porque não consegue com preendê-los, os valores da autonom ia, da vontade e da liberdade de contratar, assim com o não entende a regra m oral das obrigações e o princípio do pacta sunt servanda; de um Estado que regula todas as relações hum anas e não ad m it e a exi st ên ci a do s ch am ado s espaços livres do Direito ou de direitos sem Estado ; de um Estado que apregoou o pluralism o político, m as não adm ite divergências de opinião; de um Estado que diz aceitar diversidade de ordenam entos, m as só reconhece a lei, o atributo de fundo de Direito; de um Estado que se contenta em ser m oderno quando o entorno j á vive a pós-m odernidade; de um Estado, enfim, que não tolera as camisas coloridas dos cidadãos, porque só reconhece a cinzenta túnica dos súdito s 8. Se, em vez de contrapor um a só leitura, estreita e reducionista, dos p rin cípios do j uiz n atu ral e d a in a- fastabilidade da j urisdição às regras da Lei da Arbitragem acrescento da m e- diação, que reputo inconstitucionais, esses acusadores buscassem, nos princípios subj acentes àquelas regras, um procedim ento que se tornou rotineiro no âm bito da cham ada interpretação especificam ente constitucional, num a herm enêutica de princípios, se assim agissem, livres de preconceitos e abertos à discussão e à crítica, esses fom ent ado r es d e in con stitu cion alid ad e e adeptos de retrovisor provavelm ente haveriam de encontrar razões de sobra para não esterilizar o m ecanism o da arbitragem e da m ediação, um valioso instrum ento não-estatal de com posição e superação de conflitos, cuj as vantagens são de todos conhecidas, inclusive e sobretudo dos seus m ais ferrenhos adversários. NOTAS 1 COOLEY, John W., LUBET, Steven. Advocacia de Arb itragem. Tradução de: René Loncan. Brasília:UnB, Idem. 3 Idem. 4 BRASIL, Constituição de Preâm bulo. 5 Idem. 6 Idem. 7 COELHO, Inocêncio Mártires. Constitucionalidade/ inconstitucionalidade: um a questão política? Revista j urídica virtual. Brasília, n. 13, jun Idem. JOSÉ DELGADO: Ministro do Superior Tribunal de Justiça.

13 MEDIAÇÃO NO DIREITO COMPARADO* EDWARD P. DAVIS

14 16 Série Cadernos do CEJ, 22 J á fi z u so d a m edi ação, m as, an t e s d e m ai s n ad a, so u advogado. Represento clientes nas cortes, e tenho usado m ediação j á há algum tem po. Na m inha opinião, a perspectiva que tenho a apresentar é um pouco diferente porque, há alguns ano s m ai s at é do qu e go sto d e r e c onh e c e r, qu ando m u d an ç as radicais foram feitas nas cortes dos Est ad o s Unido s e m t e r m o s d e gerenciam ento de casos e m ediação, fui um dos advogados que se opôs a tais reform as. Estava preocupado com um a série de fatores, com o os m eus clientes não terem o seu dia na corte ou eu não conseguir representá-los de form a tão eficaz com o antigam ente. Foi p r e c i so t e m p o, p ar t i c i p aç ão n o processo e envolvim ento de m inh a p art e j unto às co rt es p ara p rodu zir m udanças, e com o resultado, cheguei à conclusão tão bem elucidada pelo Ministro José Delgado. A m ediação não é apenas um a boa ferram enta: de fato, é u m a f erram ent a essen ci al p ara a aplicação da j ustiça nos dias de hoj e, m arcados por tribunais abarrotados e lotados. Algo que aprendi e m ais gosto na m inha carreira é o envolvim ento c o m u m a o r gan i zaç ão am e ric an a cham ada Instituto para o Estudo e De se n v o l v i m e nto d e Si st e m as Ju rídi co s (ISDLS). O ISDLS é u m a o r gan i zaç ão se m fin s l u cr at i v o s baseada em São Francisco, que presta serviços a um a gam a de litigantes e que conduz estudos em trinta e três países da Ásia, Europa, Am érica do Sul, África e Oriente Médio. O ISDLS é form ado por j uízes, advogados e acadêm icos de Direito que trab alham com o voluntários em proj etos m odernos em países em todo o m undo. Nó s t r ab al h am o s c o m gr upo s d e estudo s j u r ídi c o s, qu e t am b ém são co m po sto s po r ad vo - gados, j uízes e acadêm icos líderes de opinião j urídica nos países com os quais trabalham os. Q u ando t r ab alh am o s c o m m odernização no país anfitrião, som os m uito cuidadosos ao planejar possíveis m udanças ou alterações aos processos j á existentes no país. No caso de haver reform as, estas não serão as reform as dos Estados Unidos, e sim reform as d esen v ol v id as p elo p aís anfit ri ão. Participei do trabalho em alguns países co m o Paqui st ão, Índi a, Auto ri d ad e Palestina, Egito, China, entre outros, ou sej a, em todos os cantos do m undo, n a t e n t at i v a d e m o d e r n i zar se u s sistem as j udiciais. Algo que constatei com esse trabalho no ISDLS e que, à prim eira vista, m e surpreendeu m as que depois, ao pensar m elhor, não deveria ter m e surpreendido tanto foi * Conferência em inglês. Tradução de Erlanda S. Chaves.

15 Sem inário Mediação: Um Proj eto Inovador 17 a universalidade dos prob lem as. Os Estados Unidos, obviam ente, têm um sistem a diferente do sistem a brasileiro, egípcio ou chinês, por exem plo. No e n t anto, d e sc o b ri m o s qu e o s p r o b l e m as e n c ont r ad o s n e sse s sistem as, em relação à aplicação da j u st i ç a, são o s m e sm o s. Co m o r e sult ado, al gu m as d as solu ç õ e s básicas para esses problem as são as m esm as, porém devem ser planej adas com cuidado, respeitando a cultura, a história e os processos pertinentes a cada sistem a j udicial. Descobrim os que, para aplicar a j u sti ça n a m od er ni zação d esses sistem as, não precisam os necessariam ente nos ater ao direito m aterial, e sim ao gerenciam ento dos sistem as legais. E isso é especialm ente im portante neste sem inário sobre m ediação, porque o que tem os feito é concentrarm o-nos nos atrasos causados por sistem as legais sobrecarregados, baseados na experiência com os problem as que os Estados Unidos enfrentaram com atrasos. Qual era o prob lem a com os atrasos nos Estados Unidos? Nos anos 1970 e 1980, houve um surto de processos j udiciais nos Estados Unidos. Nossas cortes estavam ab arrotadas. Evidentem ente, todo s os países do m undo, sej a o Brasil, o Egito ou a Chin a, estavam enfrentando o m esm o problem a em seus tribunais. No Esta- dos Unidos, os casos levavam m ais de cinco anos para serem resolvidos na Corte Judicial, em prim eira instância. Além disso, os j uízes, advogados e, principalm ente, os litigantes estavam ficando cada vez m ais frustrados com a dem ora na resolução de suas disputas. Conseqüentem ente, a confiança no sistem a j udicial com eçou a perecer. A resposta m ais rápida para esse problem a foi: Vam os ter de construir m ais salas de audiência e contratar m ais j uízes. Assim livrarem o-nos dos problem as de atrasos e cortes lotadas. O Congresso e as legislaturas nos Estados Unidos vetaram isso. Disseram : Cortes, cabe a vocês resolver seus prob lem as, porque não vam os dar-lhes m ais dinheiro para construir novas salas de audiência e contratar m ais j uízes. Portanto, nos Estados Unidos, no que diz respeito à resolução do problem a dos atrasos, a reform a foi d esen vol vid a o ri gin al m ent e pelos próprios j uízes e advogados. Inicialm ente, eles não contaram com a legislatura para resolver o problem a. Juízes e advogados trabalharam j untos para resolvê-lo sozinhos. Em grande parte, a solução baseou-se no cham ado gerenciam ento de casos, o qual, na realidade, é algo m uito sim ples e foi a chave para resolver, dentro da nossa esfera, os problem as com atrasos enfrentados pelos Estados Unidos. Em poucas palavras, significa que o j uiz controla sua sala de audiências e resol-

16 18 Série Cadernos do CEJ, 22 ve os casos que lhe são apresentados. O j uiz estabelece um a agenda rígida de quando as ações devem ser resolvidas; força os litigantes a trocar inform ações fatuais e a identificar questões legais fundam entais; preside as conferências de gerenciam ento de casos, nas quais os litigantes devem -se apresentar e relatar ao j uiz onde se encontram no caso e com o cum priram os prazos; finalm ente, e m ais im portante, o j uiz de gerenciam ento de casos nos Estados Unidos e isso se aplica tanto a cortes estaduais com o a federais exige que os litigantes usem algum m eio alternativo de resolução de litígios ADR. A form a m ais aceita de ADR em quase todo o país é um a form a de m ediação, que é a chave entre gerenci am ento d e caso e m edi ação. É o resultado do gerenciam ento de caso, quando o j uiz assum e o controle do caso e diz, geralm ente no início do caso, Litigantes, vocês têm de escolher um ADR. Eu não posso forçálos a resolver o caso, m as vocês devem em pregar algum m eio alternativo de resolução de litígios. E o m ecanism o escolhido pela grande m aioria dos litigantes nos Estados Unidos é a m ediação. O que é m ediação nos Estados Unidos? Quando falo de m ediação para grupos fora dos Estados Unidos, é qu ase sem p re em b araço so, po rqu e aquele país adotou a idéia de m ediação tardiam ente. A m ediação existe há centenas de anos, se não m ilênios. Cultu r as t êm u sado m edi aç ão d e form as diferentes para resolver seus litígios pacificam ente m uito antes de os Estados Unidos pensarem nisso. De fato, sei que, no Brasil, a m ediação tem sido bastante usada em seus trib unais especiais, nos trib unais de pequ en as cau sas, o s qu ais fo ram impl em ent ado s, po rt anto i sso n ão se aplica ap en as ao s Est ado s Unido s. Nós, com o disse, descob rim os a m e- diação m uito tarde. Tentam os integrar a m ediação aos nossos processos form ais, num a tentativa de resolvê-los de m aneira j usta e eficiente. Então, o que é m ediação nos Estados Unidos? Mediação é um esforço de procurar resolver os litígios por m eio de consenso m útuo entre os litigantes, os quais têm de concordar em resolvê-lo. Um dos m em bros do ISDLS, um dos m ediadores m ais respeitados dos Estados Unidos, é Edward Pinelli, ex-desem bargador da Suprem a Corte da Califórnia. O Desem bargador Pinelli é apo sent ado, m as t r ab alh a co m o m ediador privado nos EUA, e deu um a declaração sobre m ediação que creio resum e bem o processo nos Estados Unidos: Em cada litígio, independente do m érito ou da com plexidade (ou sim plicidade), há um ponto no qual os litigantes podem concordar. O papel do m edi ado r é aj ud ar o s liti gant es a encontrar esse ponto, essa instância em que eles m esm os possam chegar

17 Sem inário Mediação: Um Proj eto Inovador 19 a um acordo. Portanto, um m ediador reúne os litigantes e trabalha com eles de várias form as para tentar encontrar esse ponto, essa área, essa instância que existe em todo litígio, no qual os litigantes podem concordar e resolver a contenda. Um do s elem ento s-ch ave d a m ediação nos Estados Unidos, caso haj a acordo o que nem sem pre acontece é o j ulgam ento ser obedecido. Assim, se houver acordo em um a m e- diação, os resultados serão aplicados e cum pridos. Entretanto, se não houver acordo, o caso volta para a esfera do processo j udicial form al. O que um m ediador faz nos Estados Unidos para tentar atingir esses obj etivos? Reúne os litigantes para aj udá-los a chegar a um acordo. Na verdade, um m ediador age com o um catalisador para aum entar a com unicação e localizar aquele ponto em com um citado pelo Desem b argador Pinelli. Portanto, o m ediador não dita regras, não tom a decisões, não diz o que é certo ou errado. O m ediador é o catalisador que reúne os litigantes e faz com que cheguem a um acordo. Quais são os benefícios observados nos Estados Unidos em relação à m ediação? Descobri, no nosso trabalho, no ISDLS, em todo o m undo, que os benefícios observados nos Estados Unidos são inerentes a todos os siste- m as j udiciais, independente de serem sistem as civis, Direito consuetudinário, ou sistem as diferentes do usado nos Estados Unidos. Creio que essas são verdades universais. A m ediação é um m étodo rápido. Obviam ente, nos Estados Unidos, enfrentávam os um problem a no processam ento de nossos casos. Com a m ediação, pode-se resolver rapidam ente casos que levariam anos para serem resolvidos por m eio do sistem a. A m ediação é flexível o que é im portante, não há fórm ulas a serem ob edecidas. Se há cinqüenta m ediadores, provavelm ente terem os cinqüenta m odos diferentes de se resolver o caso. Pode-se m ediar apenas questões particulares, ou m ediar um m érito específico. A m ediação é bastante flexível e m uito diferente da estrutura rígida da corte, do processo rigoroso que o sistem a tradicional im põe. A m ediação é barata. Nos Estados Unidos, um a outra dificuldade que se im punha tinha a ver com os custos dos sistem as. Atrasos e custos cam inham j untos, não há com o ter um sem o outro. Constatam os que a m e- diação é extrem am ente barata. Ela é m eno s on er o sa p ar a o s liti gant es porque é m ais barata de se resolver e de ser chegar ao ponto no qual o litígio é resolvido. É conveniente, pode-se age n d ar a m e d i aç ão e m ho r ári o s oportunos para os litigantes e em locais opo r tuno s t anto p ar a o s liti gant es quanto para o m ediador.

18 20 Série Cadernos do CEJ, 22 A m ediação pode ser criativa, e este é um ponto que sem pre gosto de enfatizar. Quando se vai à corte freqüentem ente, vê-se o j uiz frente ao problem a de decidir quem está certo ou quem está errado. Este é o papel do j uiz, porém não do m ediador. O m e- diador em vez de dizer Você está certo ou Você está errado, pode, por vezes, achar um a solução que favoreça am bas as partes, um a solução que não poderia ser encontrada em processos j udiciais norm ais. Um exem plo: dois em presários se enfrentam num a disputa j udicial. Eles fizeram negócios um com o outro durante anos. Porém, há um contrato criando dificuldades entre os dois. Na m ediação, um b om m ediador talvez consiga reuni-los e não decidir que um a parte deve dinheiro a outra ou que um a parte violou o contrato. O m ediador faz c o m qu e el es c el eb r em u m out r o contrato que agrade a am bas as partes. Algo im possível de se fazer no processo j udicial norm al. A m ediação é confidencial. Às vezes, as disputas chegam aos olhos do público, m as pode-se resolvê-las em sigilo com o m ediador. Um a das críticas à m ediação é que ela se concentra em resultados m ais rápidos e b arato s. Havia u m a preocupação sobre o que realm ente a m ediação fazia: arrancava os casos da esfera dos processos j udiciais norm ais para reduzir encargo das cortes. Isso n ão er a ver d ad e. A m edi ação n ão representa algo im putado às partes, posto que é acordo. Se a j ustiça é feita, não é o tipo de j ustiça concedido por u m j ui z, e si m o r esult ado d e u m acordo, da confluência de opiniões, da reunião das partes para resolver os litígios com o auxílio do m ediador. Portanto, a j ustiça é feita. No entanto, há um outro aspecto da aplicação da j ustiça. Ao se reti rarem o s p ro cesso s do si st em a tradicional, que podem ser resolvidos p elo s p róp ri o s liti gant es, d eix am o s ap en as o s caso s qu e p r eci sam d e decisão j udicial, que necessitem de que o j uiz determ ine quem está certo e qu em est á err ado p ar a c onf erir direitos às partes. Esses casos perm anecem no sistem a, e, de fato, o j uiz t em m ai s t em po p ara se d edi car à resolução desses litígios. O resultado é que o j uiz não precisa m ais perder tem po se preocupando com o excesso, ou com o fato de ter apenas cinco ou dez m inutos por caso por dia. Ele pode concentrar seus esforços naquilo para o que estudou, ou sej a, decidir os casos. Este é o resultado observado nos Estados Unidos: dem os m ais tem po aos j uízes para se concentrarem nos c aso s qu e p r ec i sam d e su a qu ali - ficação, inteligência e habilidade para serem resolvidos. Isso, na m inha opinião, é j ustiça sendo feita. Quando a

19 Sem inário Mediação: Um Proj eto Inovador 21 m ediação deve acontecer? Um a resposta célere é: O m ais rápido possível. Descob rim os que há vários casos nos Estados Unidos que podem ser resolvidos logo após o processo ser levado à corte. Todavia, há dois outros fatores a serem considerados pelos litigantes para que a m ediação sej a eficiente. Os litigantes devem ter um a idéia do valor do seu caso. Além disso, devem ter um a noção ou inform ações sob re o oponente para que possam discutir o caso de m aneira inteligente, a fim de que o m ediador entenda exata - m ent e qu ai s são as qu estõ es p en - dentes e possa em pregar seu talento p ara qu e as p art es ch egu em a u m acordo. Isso foi um problem a, porque, nos EUA, tem os um processo de investigação m uito com plicado, o qual às vezes im plica term os de m ediar m ais tarde. Porém verificam os haver m uitos casos que podem ser resolvidos noventa dias após sua abertura. No sistem a brasileiro, pelo que conheço, o sistem a de defesa é diferente do nosso, pois o prim eiro litigante, o reclam ante, inclui todas as inform ações e docum entos essenciais em sua queixa, e a resposta ou contest ação t am b ém po ssui infor m açõ es essen ci ai s. Po rt anto, ap arent em en - t e, con segu em em p r eend er o p r o - cesso de m ediação em um estágio antecipado. Relatarei um caso rápido, com o qual lidei recentem ente, que explica em grande parte o que é m ediação nos Estados Unidos, e quando ela deve ocorrer. Recebi um caso m uito com - plexo de propriedade intelectual que envolvia m uito dinheiro. Era um processo m uito penoso, o qual envolvia m arcas com erciais, patentes, páginas na int ernet, questões cham adas de apropriação indevida de dom ínios. Era um caso realm ente com plicado e confu so. Tent am o s m edi ar o caso desde o início, o que não funcionou. Então, quando j á estava pronto para escolher o j úri do caso, o j uiz disse para m im e m eu adversário: Por que vocês não tentam m ediar de novo? Vou m andar o caso para um dos j uízes da corte o qual não tenha nada a ver com o processo para ver se ele aceita m e- diá-lo. Isso foi feito antes do j ulgam ento, antes de convocarm os pessoas para selecionarm os o j úri. Não estava muito otimista, porque já tínhamos feito m ediação antes, sem sucesso. Bastaram dois dias e resolvem os o caso. Esse caso realm ente dem onstra os benefícios da m ediação, por um a série de razões. O j uiz ficou satisfeito, pois tinha outros casos para resolver. Meu cliente ficou satisfeito, porque a decisão o aj udou bastante, era exatam ente o que ele esperava. A decisão não envolveu apenas o pagam ento de indenização ao m eu cliente, m as tam - b ém outras reparações ob rigatórias

20 22 Série Cadernos do CEJ, 22 com o, por exem plo, o réu não poder usar sua m arca com ercial, ter de tirar sua página da internet, além de destruir todas as m áquinas que violavam a patente do m eu cliente. Portanto, ele ficou satisfeitíssim o. A defesa e seus clientes tam bém ficaram satisfeitos por não terem de passar por seis ou sete sem anas de j ulgam ento. Finalm ente, tam b ém fiquei satisfeito, porque se tivesse de esperar o j ulgam ento do caso, não poderia vir ao Brasil fazer esta palestra. Logo, todas as partes ficaram satisfeitas com esse resultado. Qu ai s o s tipo s d e m edi ação existentes nos Estados Unidos? Mediação estatutária (prevista pela lei). É relativam ente rara. Há certos tipos de casos que se suj eitam à m e- diação estatutária, no qual, por lei, d evem -se m edi ar al gun s ex em plo s paralelos, com o no Brasil. Casos internos, casos de Direito de Fam ília têm sido historicam ente subm etidos à m e- diação estatutária. Para casos trab a- lhi st as, a m ediação é no rm alm ent e exigida por lei. Mas esses são exem plos relativam ente raros de m ediação estatutária nos EUA, que não ocorre com freqüência. Mediação contratual. Acontece quando os litigantes, geralm ente na esfera em presarial, reúnem -se e chegam a um acordo sobre um contrato para resolver seus litígios pela m e- diação. São casos relativam ente raros, porque norm alm ente, quando os em - p resário s escolhem u m m eio alt ernativo de resolução de litígios, o m eio escolhido é a arbitragem e não a m e- diação. Mediação voluntária. Novam ente, é raro acontecer, m as de vez em quando os litigantes preferem m ediar o caso voluntariam ente a recorrer ao sistem a j udicial tradicional. A form a m ais im portante e m ais eficiente de m ediação nos Estados Unidos é a m ediação com determ inação j udicial, em que o j uiz diz: Você m e- diará seu caso, é preciso m ediá-lo. É aí que o gerenciam ento de casos, m encion ado ant eri o rm ent e, é m ai s efi - ciente. Nos Estados Unidos, há vários tipos de m ediação com determ inação j udicial, o que cham am os de avaliação inicial neutra, que é, na verdade, um a m ediação sim ples, feita no início do processo, nos prim eiros noventa dias de um caso. Há o uso de m ediadores nom eados por lei e m ediadores privados. Isto está tornando-se cada vez m ais com um nos Estados Unidos: pessoas físicas em vez do sistem a para resolver os casos. Geralm ente essas pessoas são j uízes aposentados que terceirizam seus serviços com o m e- diadores. Finalm ente tem os as cham adas conferências de conciliação, onde um j uiz da corte conduz a m e- diação.

MEDIAÇÃO NO DIREITO COMPARADO* EDWARD P. DAVIS

MEDIAÇÃO NO DIREITO COMPARADO* EDWARD P. DAVIS MEDIAÇÃO NO DIREITO COMPARADO* EDWARD P. DAVIS 16 Série Cadernos do CEJ, 22 Já fiz uso da mediação, mas, antes de mais nada, sou advogado. Represento clientes nas cortes, e tenho usado mediação já há algum

Leia mais

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 ASSUNTO: GPC Participações S.A. Recurso adm inistrativo Processo CVM RJ-2014-4201 Senhor Gerente, I. Síntese 1. Trata-se de recurso

Leia mais

O processo de criação

O processo de criação O processo de criação 1 Mônica Leoni Esta exposição não tem a pretensão de ser a conclusão de algo, m as sim a de explorar um tem a. O tem a a ser explorado é o processo criativo, em dois m om entos diferentes,

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Parte 3 : Gravação de CDs

Parte 3 : Gravação de CDs Parte 3 : Gravação de CDs Durante vários anos, os CDs foram m ídias som ente para leitura. Você podia com prar um program a em CD, m as se por algum m otivo precisasse copiá-lo teria que usar disquetes,

Leia mais

$VSDUWHVTXHFRPS}HR)RUP. 2%RWmR2. %RWmR&DQFHODU. 9DOLGDomRGH&DPSRV &KDPDQGRXP)250VHPXVDUXP%URZVH &ULDQGRXPSURFHGLPHQWR6285&( (GLWDQGRR)250

$VSDUWHVTXHFRPS}HR)RUP. 2%RWmR2. %RWmR&DQFHODU. 9DOLGDomRGH&DPSRV &KDPDQGRXP)250VHPXVDUXP%URZVH &ULDQGRXPSURFHGLPHQWR6285&( (GLWDQGRR)250 Este é o nosso prim eiro trabalho para 2008, espero que este ano seja m arcado por um a m aior participação com unitária à nossa tentativa de expor m ais trabalhos técnicos de todos os níveis. Vam os nos

Leia mais

Consultas e Serviços Especiais, com 0 (zero) dispositivos de segurança (Token) Agência: 3943 Conta Corrente: 13 001897-8 Titularidade: Cliente

Consultas e Serviços Especiais, com 0 (zero) dispositivos de segurança (Token) Agência: 3943 Conta Corrente: 13 001897-8 Titularidade: Cliente Termo de Adesão aos Serviços do Internet Banking Empresarial São partes neste Instrum ento: BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., instituição financeira com sede no Município de São Paulo, Estado de São Paulo,

Leia mais

Processo CVM nº RJ2013/11017

Processo CVM nº RJ2013/11017 Processo CVM nº RJ2013/11017 Interessados: Assunto: Diretora Relatora: Citibank DTVM S.A. Pedidos de dispensa de requisitos da Instrução CVM nº 356, de 2001, com alterações introduzidas pela Instrução

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp PROGRAMA NACIONAL pronamp PROGRAMA NACIONAL A modernização e o fortalecimento do Ministério Público é ação necessária ao progresso da segurança jurídica e da igualdade de todos os cidadãos (Documentos

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Assunto: Processo CVM Nº RJ 2014/6202. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV Page 1 of 5 %RDFRPXQLFDomRLQWHUQDpYDQWDJHPFRPSHWLWLYD $FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV 1DUD'DPDQWH Do presidente para

Leia mais

Arbitragem. Respostas objetivas para soluções rápidas

Arbitragem. Respostas objetivas para soluções rápidas 2 8 8 9 9 9 10 10 10 11 11 11 12 12 12 12 13 Respostas objetivas para soluções rápidas O que é a? Como surgiu o Instituto da? A é constitucional? A sentença arbitral tem validade jurídica? Quais são as

Leia mais

CRA/AM. Editorial BOLETIM ELETRÔNICO PROJETO CRA/AM NA ESTRADA

CRA/AM. Editorial BOLETIM ELETRÔNICO PROJETO CRA/AM NA ESTRADA PROJETO NA ESTRADA Presidente do recebe moção da Câmara de vereadores O Vereador Hom ero de Miranda Leão encam inhou u m a M o ç ã o d e Parabenização ao Adm. Nelson Aniceto Fonseca Rodrigues, pela posse

Leia mais

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo Capítulo IV - Genéricos no Brasil Capítulo V - Bioequivalência e Equivalência

Leia mais

Documento(s) de Origem

Documento(s) de Origem PARECER AGU : AC-55 Advogado-Geral da União: Alvaro Augusto Ribeiro Costa Data do Adoto: 17/11/2006 Data do Aprovo: 20/11/2006 Documento(s) de Origem Processo Número Interessado 00552.001601/2004-25 Ministério

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO 1. Trata-se de proposta de Termo de Compromisso apresentada por KPMG Auditores Independentes

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2/8/201 e-mec - Funcionário MEC Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20120377 Código MEC: 83997 Código da Avaliação: 1080 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status:

Leia mais

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quant o à veloc idade Rápidas: neut ralizaç ões em m eio aquoso, c om bust ões,...

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1

As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1 2015/ 10/ 28 As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1 Alexandre Reis Rodrigues I n t r o d u ção O envolvim ento das Forças Arm adas

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Edital de Credenciamento de Consultores Nº 01/ 2009 Rev 01 05/ 01/ 2009

Edital de Credenciamento de Consultores Nº 01/ 2009 Rev 01 05/ 01/ 2009 Edital de Credenciamento de Consultores Nº 01/ 2009 Rev 01 05/ 01/ 2009 (',7$/'(&5('(1&,$0(172'2029,0(172&$7$5,1(16(3$5$(;&(/Ç1&,$ 1ž &5('(1&,$0(172'(3(662$6)Ë6,&$6(-85Ë',&$63$5$&203252&$'$6752 '(&2168/725(6'2029,0(172&$7$5,1(16(3$5$(;&(/Ç1&,$

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/10139. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da

Leia mais

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS Dispõe Sobre o Regulamento de Aplicação de Recursos Destinados Pela Assembleia Geral da Unicred Alagoas em Projetos de Ações Sociais O Conselho

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 200910861 Código MEC: 361064 Código da Avaliação: 84943 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Intrumento: RELATÓRIO

Leia mais

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos 1 A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, ex-advogado dos Sindicatos dos Metalúrgicos, Bancários e Comerciários, todos

Leia mais

Câmara Municipal de Porto Alegre

Câmara Municipal de Porto Alegre Câmara Municipal de Porto Alegre ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO - para Registro de Preço EDITAL: 09/2014-SRP PROCESSO: 2615/13 Em, às 10:01 horas, na CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - CMPA, sito à

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS Engenharia de Manutenção e Sistemas

Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS Engenharia de Manutenção e Sistemas 2010 O conteúdo deste documento tem por objetivo orientar sobre as atividades que entendemos serem necessárias para atender aos requisitos solicitados pelo cliente. Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

Prof. Mat eus Andrade

Prof. Mat eus Andrade A Term oquím ic a t em c om o objet ivo o est udo das variaç ões de energia que ac om panham as reaç ões quím ic as. Não há reaç ão quím ic a que oc orra sem variaç ão de energia! A energia é c onservat

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de posse

Leia mais

DIRETORES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS E A PARTICIPAÇÃO EM LUCROS OU RESULTADOS DA LEI N 10.101/00

DIRETORES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS E A PARTICIPAÇÃO EM LUCROS OU RESULTADOS DA LEI N 10.101/00 DIRETORES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS E A PARTICIPAÇÃO EM LUCROS OU RESULTADOS DA LEI N 10.101/00 Ricardo Peake Braga* SUMÁRIO: 1 Conceito de empregado; 2 O diretor de sociedade anônima; 3 Participação nos

Leia mais

Saúde Suplementar. Adriana Costa dos Santos 1

Saúde Suplementar. Adriana Costa dos Santos 1 Saúde Suplementar 13 Adriana Costa dos Santos 1 As leis sempre retratam ou pelo menos, buscam retratar a realidade da sociedade. Assistimos a muitas alterações legislativas, ao longo dos anos, buscando,

Leia mais

PROGRAMA DE ESTUDOS E

PROGRAMA DE ESTUDOS E ESTU DO S & PESQ UISA S PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM REFORMA DO ESTADO E GOVERNANÇA Fundação Getúlio Vargas / Escola Brasileira de Administração Pública* OEstado brasileiro vem passando por transformações

Leia mais

MDS Versão 2.2 - Outubro/2006

MDS Versão 2.2 - Outubro/2006 MDS - Outubro/2006 Manual elaborado com base na versão 3.14. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 5 2 INSTALANDO O SISTEMA... 6 3 ATUALIZANDO O SISTEMA...10 4 IDENTIFICAÇÃO NO SISTEMA / MANUTENÇÃO...12 4.1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Contrato Particular de Cessão de Prom essa de Com pra e Venda de Unidade Autônom a Condom inial com Cláusula Suspensiva e Outras Avenças;

Contrato Particular de Cessão de Prom essa de Com pra e Venda de Unidade Autônom a Condom inial com Cláusula Suspensiva e Outras Avenças; Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 49/2014 De: SRE Data: 06.08.2014 Assunto: Processo CVM RJ2014/6342. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

O ADVOGADO E A ADM INISTRAÇÃO DA JUSTIÇA SEGUNDO A CONSTITUIÇÃO DE 1988

O ADVOGADO E A ADM INISTRAÇÃO DA JUSTIÇA SEGUNDO A CONSTITUIÇÃO DE 1988 O ADVOGADO E A ADM INISTRAÇÃO DA JUSTIÇA SEGUNDO A CONSTITUIÇÃO DE 1988 Orlando Teixeira da Costa (*) O art. 133, da Constituição de 1988, preceitua: O advogado é indispensável à administração da justiça,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 11/12/201 e-mec/inep = Docentes / Avaliadores Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20081152 Código MEC: 415702 Código da Avaliação: 92891 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Ato Regulatório: Renovação de Reconhecim

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Processo Administrativo CVM n RJ2013/2422. Relatório

Processo Administrativo CVM n RJ2013/2422. Relatório Processo Administrativo CVM n RJ2013/2422 Reg. Col. nº 8980/2014 Interessados: Marcos Cordeiro Fernandes XP Investim entos CCTVM S/A Assunto: Recurso em Processo de Mecanism os de Ressarcim ento de Prejuízos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

Autores CURSO TEÓRICO E PRÁTICO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM

Autores CURSO TEÓRICO E PRÁTICO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM Autores Maria Bernadete Miranda Clóvis Antonio Maluf CURSO TEÓRICO E PRÁTICO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM Rio de Janeiro 2013 1ª edição 2013 Copyright Maria Bernadete Miranda Clóvis Antonio Maluf

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 0/09/12 e-mec - IES Informações gerais da avaliação: Protocolo: 201107377 Código MEC: 62312 Código da Avaliação: 9128 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada

Leia mais

NOVOS RUMOS DO PROCESSO DO TRABALHO

NOVOS RUMOS DO PROCESSO DO TRABALHO NOVOS RUMOS DO PROCESSO DO TRABALHO Sérgio Pinto Martins RESUMO: Para se falar em novos rumos do processo do trabalho, é preciso fazer referência a velhos rumos. Em um primeiro aspecto serão apresentados

Leia mais

Câmara Municipal de Porto Alegre

Câmara Municipal de Porto Alegre Câmara Municipal de Porto Alegre ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 14/2013 PROCESSO: 0994/13 e outros Em, às 13:10 horas, na CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - CMPA, sito à AV. LOUREIRO DA SILVA,

Leia mais

RELATÓRIO. a) quando o Manual de Auditoria fosse revisado/alterado, então seria incluído o novo program a form alizado para os exames do ambiente PED;

RELATÓRIO. a) quando o Manual de Auditoria fosse revisado/alterado, então seria incluído o novo program a form alizado para os exames do ambiente PED; PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM N.º RJ 2013/13355 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM N.º RJ 2014/6913 RELATÓRIO 1. Trata-se de proposta de Termo de Compromisso

Leia mais

1.4. A idade m ínim a para participar do evento é de 16 (dezesseis) anos com pletos.

1.4. A idade m ínim a para participar do evento é de 16 (dezesseis) anos com pletos. &21)('(5$d 2%5$6,/(,5$'($87202%,/,602&%$ &216(/+27e&1,&2'(63257,921$&,21$/ )('(5$d 2&($5(16('($87202%,/,602±)&$ $662&,$d 2'(3,/2726'(785,602'2(67$'2'2&($5È$37 &$03(21$72&($5(16('(683(5785,602 5(*8/$0(172'(63257,92±

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Nosso sonho não é ganhar dinheiro com o grupo, mas formar músicos profissionais a partir do talento natural que não está sendo desenvolvido no

Nosso sonho não é ganhar dinheiro com o grupo, mas formar músicos profissionais a partir do talento natural que não está sendo desenvolvido no Nosso sonho não é ganhar dinheiro com o grupo, mas formar músicos profissionais a partir do talento natural que não está sendo desenvolvido no Brasil. Tudo que essa juventude precisa é de uma chance. (John

Leia mais

APOSTILA EXCEL AIM - 2010. Prof. Helio Canavesi Filho

APOSTILA EXCEL AIM - 2010. Prof. Helio Canavesi Filho APOSTILA EXCEL AIM - 2010 Prof. Helio Canavesi Filho &DStWXOR$SUHVHQWDomRGR([FHO 6XPiULR &DStWXOR,QLFLDQGRR0LFURVRIW([FHO &DStWXOR/LQKDV&ROXQDVH&pOXODV &DStWXOR3DVWDGHWUDEDOKRH3ODQLOKDV &DStWXOR&RPRFULDULQVHULUH[FOXLUHPRYHUSODQLOKDV

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Conciliação: simples e rápida solução de conflitos

Conciliação: simples e rápida solução de conflitos Conciliação: simples e rápida solução de conflitos Marina Nunes Vieira Acadêmica em Direito da PUCMinas É imprescindível, antes de dissertamos sobre o tema, que se esclareça a noção do que realmente seja

Leia mais

158516.232014.9575.4450.55798132.269

158516.232014.9575.4450.55798132.269 158516.232014.9575.4450.55798132.269 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Ata de Realização do Pregão Eletrônico

Leia mais

P ro f. Ma te u s An d ra d e

P ro f. Ma te u s An d ra d e Um efeit o c oligat ivo é um a m odific aç ão em c ert as propriedades de um solvent e quando nele adic ionados um solut o não-volát il, a qual só depende do núm ero de part íc ulas (m oléc ulas ou íons)

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 0110777 Código MEC: 611 Código da Avaliação: 917 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Instrumento: RELATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 011065 Código MEC: 59694 Código da Avaliação: 91590 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Intrumento: RELATÓRIO

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFPMT04 O ENSINO DA HOMEOPATIA COMO INSTRUMENTO DE CONSOLIDAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NO SUS Tattiane Ribeiro de Sousa (2). Euler Albuquerque (1), Flávia Pessoa

Leia mais

Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message

Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message Leonardo Menezes Vaz Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message nao responda@tam.com.br Reply To: NAO RESPONDA@tam.com.br To: LEONARDO.VAZ@gmail.com Sat,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 200710559 Código MEC: 170552 Código da Avaliação: 60151 Ato Regulatório: Autorização Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Intrumento:

Leia mais

Supreme Court. Courts of Appeals. Federal Circuit. District Courts. Court of Int l Trade, Claims Court, and Court of Veterans Appeals

Supreme Court. Courts of Appeals. Federal Circuit. District Courts. Court of Int l Trade, Claims Court, and Court of Veterans Appeals SI STEMA JURÍ DI CO DOS EUA: Um a Breve Descrição Federal Judicial Center Histórico A Constituição dos Estados Unidos estabelece um sistema federal de governo. A Constituição dá poderes específicos ao

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 026/2014 PROCESSO: 910-04.96/14-1

ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 026/2014 PROCESSO: 910-04.96/14-1 ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 026/2014 PROCESSO: 910-04.96/14-1 Em, às 09:00 horas, na EMPRESA GAUCHA DE RODOVIAS S/A - EGR, sito à AV. BORGES DE MEDEIROS, 261-3ºANDAR - PORTO ALEGRE - RS,

Leia mais

&XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR

&XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR &XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR GH$o}HV 'HVFULomR Em um m undo globalizado, com o o que vivem os atualm ente, a econom ia brasileira sofre influência direta de acontecim entos externos, que nem

Leia mais

,&(7±,QVWLWXWRGH&LrQFLDH7HFQRORJLD

,&(7±,QVWLWXWRGH&LrQFLDH7HFQRORJLD 3ULPHLUD$XOD :. Apresentação :. Frase :. Avisos :. Sistem a de Avaliação :. Bibliografias (Básica e Com plem entar) :. Em enta :. Objetivos Gerais :. Objetivos Específicos :. Conteúdo Program ático $SUHVHQWDomR

Leia mais

SEMANA NACIONAL DE CONCILIAÇÃO 2013

SEMANA NACIONAL DE CONCILIAÇÃO 2013 SEMANA NACIONAL DE CONCILIAÇÃO 2013 RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO CEJUSC-JEC/BSB DEZEMBRO, 2013. Apresentação O presente documento revela os resultados da Pesquisa de Satisfação do Usuário (PSU)

Leia mais

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009 Workshop da Micro e Pequena Indústria Licenciamento Ambiental CIEP orocaba 26/maio/2009 O CIEP - Regionais Meio Ambiente CIEP 31 grupos MA formados +9500 Empresas e 43 DRMD s ~ 290 profissionais voluntários

Leia mais

VIDA FÁCIL ESSA DE CONSULTOR, HEIN?

VIDA FÁCIL ESSA DE CONSULTOR, HEIN? VIDA FÁCIL ESSA DE CONSULTOR, HEIN? Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Ter uma consultoria, ao contrário do que tem sido mostrado esta semana nos jornais, não representa vida fácil não! Quando deixamos

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS PROGRAMA DAS ATIVIDADES DE ARBITRAGEM, NEGOCIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO CURSO DE DIREITO Faculdade Pitágoras de Betim

NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS PROGRAMA DAS ATIVIDADES DE ARBITRAGEM, NEGOCIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO CURSO DE DIREITO Faculdade Pitágoras de Betim REGULAMENTO DO PROGRAMA DAS ATIVIDADES DE ARBITRAGEM, NEGOCIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DA FACULDADE PITÁGORAS DE BETIM RESOLUCAO N.º 005 /2013 Regulamenta as atividades

Leia mais

Processo Administrativo CVM n RJ2013/7943 Reg. Col. 8970/2014

Processo Administrativo CVM n RJ2013/7943 Reg. Col. 8970/2014 Processo Administrativo CVM n RJ2013/7943 Reg. Col. 8970/2014 Interessada: Sul Am érica S.A. Assunto: Trata-se de recurso interposto pela Sul Am érica S.A. contra decisão da SEP/SNC que decidiu pela inaplicabilidade

Leia mais

PRECLUSÃO RECURSO ESPECIAL n. 1.320.969/SP. ESTOPPEL SPECIAL APPEAL n. 1.320.969/SP

PRECLUSÃO RECURSO ESPECIAL n. 1.320.969/SP. ESTOPPEL SPECIAL APPEAL n. 1.320.969/SP PRECLUSÃO RECURSO ESPECIAL n. 1.320.969/SP ESTOPPEL SPECIAL APPEAL n. 1.320.969/SP * Marcel Brasil de Souza 1 Introdução No presente artigo, busca-se discutir o acórdão proferido pela Terceira Turma do

Leia mais

ENTREVISTA. ConJur Como surgiu a ideia de conciliar nas negociações entre mutuários inadimplentes e construtoras?

ENTREVISTA. ConJur Como surgiu a ideia de conciliar nas negociações entre mutuários inadimplentes e construtoras? ENTREVISTA ConJur Como surgiu a ideia de conciliar nas negociações entre mutuários inadimplentes e construtoras? Carla Boin Surgiu em 2009, quando nos aproximamos devido a uma empatia de ideais, de princípios.

Leia mais

Trabalho Seguro. relatado e discutido o presente procedimento do Conselho Superior da Justiça do Trabalho sob no

Trabalho Seguro. relatado e discutido o presente procedimento do Conselho Superior da Justiça do Trabalho sob no Justiça do traba lho ACÓRDÃO CSJT JOD/acg PROC. N CSJT-AN-2181-32.2012. 90.0000 Visto, PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO - PROGRAMA TRABALHO SEGURO. INSTITUCIONA- LIZAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do. Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira

MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do. Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira O SR. JOSÉ ANTÔNIO ROSA (PROCURADOR-GERAL DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira Mendes, na pessoa de quem cumprimento todos

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - AMAZONAS ENERGIA ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I. Da Denominação, Organização, Sede e Objeto

AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - AMAZONAS ENERGIA ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I. Da Denominação, Organização, Sede e Objeto AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - AMAZONAS ENERGIA ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Da Denominação, Organização, Sede e Objeto Art. 1º. A Am azonas Distribuidora de Energia S.A., que usará a abreviatura

Leia mais

O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET?

O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET? O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET? O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET? Redação e revisão Camila Marques, Laura Tresca, Luiz Alberto Perin Filho, Mariana Rielli

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO 32 O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL Cristiano José Lemos Szymanowski 1 RESUMO A proposta deste trabalho estrutura-se na análise de dois temas que se conjugam, o Acesso à Justiça e a Efetividade

Leia mais

Por isso, é com grande satisfação que a equipe Emagis traz a público essa entrevista. Confira!

Por isso, é com grande satisfação que a equipe Emagis traz a público essa entrevista. Confira! Prestes a completar 30 anos de idade e 04 anos de magistratura federal, um dos juízes federais mais novos do Brasil, o Prof. Flávio Marcelo Sérvio Borges nos fala sobre a sua vitoriosa trajetória no mundo

Leia mais

Bom dia a todos, Srs. Ministros, Srs. Membros do painel, Senhoras e

Bom dia a todos, Srs. Ministros, Srs. Membros do painel, Senhoras e MECANISMOS DE MONITORAMENTO E PROCEDIMENTOS DE RECLAMAÇÃO E QUEIXA: O PAPEL DA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NA GARANTIA DA EFETIVIDADE DAS NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO * Horacio Guido ** Bom dia a todos,

Leia mais

Pr of. Mat eus Andr ade

Pr of. Mat eus Andr ade OLUÇÕ são m ist uras hom ogêneas de duas ou m ais subst ânc ias. OLUÇÕ OLUÇÃO = OLUO + OLV m enor proporç ão em geral H 2 O x em plos: aç úc ar em água, ar, ligas m et álic as,... om o se form a um a soluç

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA HP SOURCE DATA GATHERING

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA HP SOURCE DATA GATHERING autor: Sofia Alexandra de Andrade Rio Tinto (nome completo) ; e_mail1 (da insitituição de ensino ou trabalho) sofiariotinto@clix.pt supervisão: Luís Saboga Nunes e_mail1: saboga@ensp.unl.pt e_mail2: saboga@hotmail.com;

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

ACESSO E SAÍDA DA JUSTIÇA

ACESSO E SAÍDA DA JUSTIÇA ACESSO E SAÍDA DA JUSTIÇA A proliferação dos conflitos tem direta relação com o aumento populacional, que é inevitável. Com a tendência universal de ampliação do acesso à justiça, sentida no Brasil, notadamente

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

Pe n sa n do e m V u ln e r a bilida de s, Am e a ça s e Riscos

Pe n sa n do e m V u ln e r a bilida de s, Am e a ça s e Riscos Pensando em Vulnerabilidades, Am eaças e Riscos Objetivos Avaliar am eaças e riscos à segurança de redes. Após concluir este capítulo, você estará preparado para executar as seguint es t arefas: Tarefas

Leia mais

EMENTA: SEGURO PROPOSTA ACEITAÇÃO TÁCITA VALIDADE RECIBO DE QUITAÇÃO COBRANÇA DE DIFERENÇA DO VALOR SEGURADO POSSIBILIDADE.

EMENTA: SEGURO PROPOSTA ACEITAÇÃO TÁCITA VALIDADE RECIBO DE QUITAÇÃO COBRANÇA DE DIFERENÇA DO VALOR SEGURADO POSSIBILIDADE. EMENTA: SEGURO PROPOSTA ACEITAÇÃO TÁCITA VALIDADE RECIBO DE QUITAÇÃO COBRANÇA DE DIFERENÇA DO VALOR SEGURADO POSSIBILIDADE. - É válido o contrato de seguro quando não comprova a seguradora que levou ao

Leia mais

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50 CONHEÇA A VERDADE SOBRE A Porque os interesses de Goiás e do povo goiano estão acima de interesses pessoais e corporativistas. O que é a /2014? É uma Emenda Constitucional, que disciplina a representação

Leia mais

Uma história de sucesso

Uma história de sucesso Dr. Fernando Augusto Pinto e Dra. Carla Maria Martins Gomes formam uma singular equipe. Nas áreas em que se especializaram conseguem reunir atributos fundamentais à satisfação dos interesses dos clientes,

Leia mais

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL Luca G. Castellani é Consultor Jurídico do Secretariado da Comissão das Nações Unidas para o Direito Mercantil

Leia mais