Classificação e Pesquisa de Dados. Aula 23 Organização de Arquivos: Arquivos Indexados, Diretos e Arquivos Invertidos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Classificação e Pesquisa de Dados. Aula 23 Organização de Arquivos: Arquivos Indexados, Diretos e Arquivos Invertidos"

Transcrição

1 Classificação e Pesquisa de Dados Aula 23 Organização de Arquivos: Arquivos Indexados, Diretos e Arquivos Invertidos UFRGS INF1124

2 Arquivo indexado - AI Indicação de uso Baixa freqüência de acessos seqüenciais em relação aos acessos aleatórios

3 Arquivo indexado Caracterização Nesta organização, os registros são acessados, sempre, através de um ou mais índices, não havendo qualquer compromisso com a ordem física de instalação dos registros no arquivo Conseqüência direta maior eficiência na operação de inserção de um registro

4 Arquivo Indexado chave endereço Tabela Fina #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #1 #11 #

5 Índices Podem existir tantos quantas forem as chaves de acesso aos registros Um índice contém uma entrada para cada registro Arquivo Indexado 5

6 Índices As entradas do índice são ordenadas pelo valor da chave de acesso Cada entrada em um índice é constituída por um par <Chave_registro, endereço_registro> A seqüencialidade física no índice visa tornar mais eficiente o processo de busca e permitir o acesso serial ao arquivo Arquivo Indexado 6

7 Tipos de Índices Exaustivo Contém uma entrada para cada registro do arquivo Seletivo Possui entradas apenas para um subconjunto dos registros Ex.: Subconjunto que define todos os alunos cujo curso = ciência da computação e ano_ingresso = 1999 Arquivo Indexado 7

8 Desvantagens Necessidade de atualização de todos os índices quando Um registro é inserido no arquivo Alteração de um registro envolve atributos associados a índices Quanto maior é o número de índices, mais onerosa é a operação de inserção Arquivo Indexado 8

9 Acesso a um registro Acesso serial Através de um dos índices, de acordo com a seqüência desejada A maioria dos acessos requer apenas uma leitura do disco Acesso aleatório Efetivação de uma busca sobre o índice De um modo geral requer acessos a um único cilindro Após a determinação do endereço, a leitura do registro de dados pode requerer o acesso a um cilindro distinto Arquivo Indexado 9

10 Inserção de um registro O registro é armazenado em qualquer endereço vago do arquivo Seus pares <chave_registro, endereço_registro> relativos aos índices existentes são inseridos nos índices correspondentes Ocorrência de overflow Alternativa de solução: árvores B Arquivo Indexado 1

11 Exclusão de um registro Área de dados ocupada é liberada São removidas as entradas do índices correspondentes por Retirada física do par Utilização de uma marca Devem ser determinados os índices seletivos afetados Arquivo Indexado 11

12 Alteração de um registro Identificação do registro Via argumento de pesquisa Endereço é determinado por uma busca sobre o índice O endereço do registro é conhecido Tipo da alteração Normal Lê altera grava na mesma posição Com aumento do tamanho do registro Lê exclui insere registro atualizado Arquivo Indexado 12

13

14 Arquivo direto (hash) Indicação de uso Baixa freqüência de acessos seriais em relação aos acessos aleatórios Dispositivos de armazenamento de acesso direto

15 Arquivo direto Caracterização Organização por cálculo de endereço, com área de dados organizadas em blocos Instalação dos registros em endereços determinados, com base no valor de uma chave primária Acesso aleatório eficiente Dispensa uso de estrutura auxiliar (índice) Substituição de um índice pela função que calcula o endereço do registro a partir do argumento de busca

16 Arquivo direto Argumento de pesquisa E = F (C) endereço C = 144 E = 3 #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9... M Número Nome Idade Salário 11 Antônio Cristiano Edison Carmen Flávio Tatiana 2 1

17 Tipos de funções Funções determinísticas Um único valor de chave de acesso para cada endereço Impossível na prática Funções probabilísticas Geram para cada valor da chave um endereço tão único quanto possível Geram a necessidade de tratamento das colisões Arquivo Direto 17

18 Funções probabilísticas Com preservação da ordem dos registros pelo valor da chave de acesso Se chave 1 > chave 2 então f (chave 1 ) > f (chave 2 ) Ex.: Para chaves numéricas no intervalo [9, 315], a função f (x) = [(x 9) / 61] + 1 gera números que variam entre 1 e 37, que podem ser associados a endereços do arquivo Sem preservação da ordem dos registros Função de aleatorização ou função de randomização Ex.: Função resto da divisão Arquivo Direto 18

19 Tratamento das colisões Endereçamento aberto Pesquisa seqüencial Pesquisa no bloco Realeatorização Encadeamento Uso de áreas de extensão Encadeamento puro Arquivo Direto 19

20 Endereçamento aberto com pesquisa seqüencial Se o endereço calculado já está ocupado, então é usado o primeiro endereço livre na seqüência end+1, end+2,... Arquivo Direto 2

21 Endereçamento aberto com pesquisa no bloco A função de aleatorização gera para cada registro o endereço de um bloco Quando o bloco estiver cheio, o registro é inserido no primeiro endereço livre dos blocos seguintes

22 Endereçamento aberto com realeatorização A função de aleatorização gera para cada registro o endereço de um bloco Quando o bloco estiver cheio, é calculado o endereço de um outro bloco através de uma outra função Qual é a vantagem?

23 Encadeamento com uso de áreas de extensão O acesso ao bloco é feito por meio da função de aleatorização Se o bloco está cheio, o registro é armazenado em área de extensão e inserido na lista encadeada correspondente ao seu bloco Arquivo Direto 23

24 Encadeamento com uso de áreas de extensão Cada bloco possui um header, o qual armazena o endereço da lista a ele associada na área de extensão Esta organização combina endereçamento aberto com encadeamento Arquivo Direto 24

25 Encadeamento puro Registros colidentes são coletados em uma lista encadeada Todos os registros são armazenados na área principal É formada uma lista encadeada para cada para cada grupo de registros associados ao mesmo endereço Arquivo Direto 25

26 Encadeamento puro Tipos de estruturas de acesso O endereço calculado é um endereço sobre a área de dados do arquivo O 1º registro da lista funciona como header O 1º registro da lista é armazenado, obrigatóriamente, no endereço calculado O endereço calculado é um endereço sobre uma tabela de headers associada ao arquivo Gera espalhamento dos registros de um mesmo grupo Arquivo Direto 26

27 Acesso a um registro Acesso serial Através de uma função que preserva a ordem dos registros ou Pelo conhecimento do valor da chave do próximo registro da seqüência Acesso aleatório Encadeamento puro --> percorrer a lista Endereçamento aberto --> procurar nos endereços seguintes Arquivo Direto 27

28 Inserção de um registro Organização por encadeamento Com tabela de headers Insere na 1ª posição livre do arquivo Insere no início da lista encadeada Com encadeamento puro Insere no end calculado, caso esteja livre Caso esteja ocupado Por um registro do grupo Por um registro não pertencente ao grupo Arquivo Direto 28

29 Inserção de um registro Organização por endereçamento aberto Se end calculado estiver livre então novo registro é armazenado em end Caso contrário, o novo registro é armazenado no endereço livre mais próximo Arquivo Direto 29

30 Exclusão de um registro Através de uma marca de excluído Através de sua remoção da lista de colisões Se a opção de remoção for adotada, então é aconselhável o uso de duplo encadeamento! Arquivo Direto 3

31 Alteração de um registro Procedimento normal lê --> altera --> grava no mesmo endereço Procedimento diferenciado lê --> exclui --> altera --> insere novamente Arquivo Direto 31

32 Reorganização do arquivo Exigem reorganizações periódicas Garantia de eficiência de acesso Re-agrupamento dos registros da mesma lista quando a organização inclui áreas de extensão ou trabalha com encadeamento puro Alteração do campo de endereço na tabela de headers em conseqüência do deslocamento dos registros na área de dados Remoção física dos registros excluídos Arquivo Direto 32

33 Arquivo invertido Indicação de uso Esta organização está voltada para o acesso aos registros de um arquivo por chaves secundárias

34 Arquivo invertido Caracterização Em vez de serem coletados os valores dos atributos para cada registro, são identificados os registros que possuem um dado valor do atributo considerado À cada valor de chave corresponde uma lista de endereços de registros O conjunto de listas invertidas associado a uma chave de acesso é chamado inversão Um arquivo invertido pode possuir uma ou mais inversões

35 Arquivo Invertido Idade Endereços Salário Números inversões #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #1 #11 #12 #13 #14 #15 # Ademar Afonso Iara Edmundo Cristiano Tatiana Gerson Enio Ivan Miguel Ângela Claudia Helena Ramon Flavio Sonia

36 Arquivo Invertido Decisões importantes Como estruturar o acesso às listas? Como estruturar as listas?

37 Como estruturar o acesso às listas? Lista Índice... ou C e = f (C)

38 Como estruturar as listas Qualquer solução estudada para representação de listas lineares Contigüidade física --> registros de tamanho variável, normalmente Encadeamento Mapa de bits (quando a gama de valores possíveis é pequena) Considerar que, via de regra, tais listas são armazenadas em disco, não sendo recomendável o simples encadeamento item a item

39 Como estruturar as listas Solução usual: fazer com que cada lista seja composta por uma lista encadeada de zero ou mais blocos, cada um contendo vários endereços de registros Fazer com que as listas estejam ordenadas com o mesmo critério Fazer com que os registros sejam identificados da mesma maneira

40 Mapa de bits #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #1 #11 #12 #13 #14 #15 # #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #1 #11 #12 #13 #14 #15 # Ademar Afonso Iara Edmundo Cristiano Tatiana Gerson Enio Ivan Miguel Ângela Claudia Helena Ramon Flavio Sonia

41 Como estruturar as listas Bloco / Cada bloco contém um número fixo de endereços de registros, podendo estar total ou parcialmente ocupado!

42 Operações Inserções e exclusões ocorrem como conseqüência de modificações no arquivo de dados Acesso a registros Quais os nomes dos funcionários com idade = 25? Quais os nomes dos funcionários com idade = 25 e salário = 9? Quais os números dos funcionários com salário entre 5 e 7?

ORGANIZAÇÃO DE ARQUIVOS INDEXADOS

ORGANIZAÇÃO DE ARQUIVOS INDEXADOS ORGANIZAÇÃO DE ARQUIVOS INDEXADOS Um índice consiste numa coleção de entradas, uma para cada registro de dados, contendo o valor de uma chave de atribuição e um ponteiro de referência que acessa imediatamente

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Construção de Sistemas de Gerência de Bancos de Dados DI PUC-Rio Prof: Sérgio Lifschitz Organização de Arquivos Organização de Arquivos Tipos básicos de arquivos: heap files (entry sequenced files) sorted

Leia mais

Tipos de Índices. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

Tipos de Índices. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Tipos de Índices Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Tipos de Índice Ordenados em um único nível primário agrupamento (cluster) secundário Estruturas de dados de árvores índices multiníveis árvores-b, árvores-b+

Leia mais

Arquivos Indexados. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Arquivos Indexados. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Arquivos Indexados Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Introdução 2. Índices 3. Tipos de Índices 4. Operações Capítulo: 6 (APOSTILA). Introdução Organização de arquivos é definida com base nas

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Estruturas de Indexação de Dados

Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Estruturas de Indexação de Dados Estruturas de Indexação de Dados Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Índice Estrutura de acesso auxiliar usada para melhorar o desempenho na recuperação de registros Pesquisa restringida a um subconjunto

Leia mais

indexação e hashing Construção de Índices e Funções Hash Diego Gomes Tomé - MSc. Informática Orientador: Prof. Dr. Eduardo Almeida October 13, 2016

indexação e hashing Construção de Índices e Funções Hash Diego Gomes Tomé - MSc. Informática Orientador: Prof. Dr. Eduardo Almeida October 13, 2016 indexação e hashing Construção de Índices e Funções Hash Diego Gomes Tomé - MSc. Informática Orientador: Prof. Dr. Eduardo Almeida October 13, 2016 Universidade Federal do Paraná indexação e hashing Índices

Leia mais

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash Algoritmos de pesquisa Tabelas de dispersão/hash Introdução Motivação: Considerar o problema de pesquisar um determinado valor num vetor. Se o vetor não está ordenado, a pesquisa requer O(n) de complexidade.

Leia mais

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash Algoritmos de pesquisa Tabelas de dispersão/hash Introdução Motivação: Considerar o problema de pesquisar um determinado valor num vetor. Se o vetor não está ordenado, a pesquisa requer O(n) de complexidade.

Leia mais

Informática I. Aula 7. Aula 7-20/09/2006 1

Informática I. Aula 7.  Aula 7-20/09/2006 1 Informática I Aula 7 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 7-20/09/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

A inserção da chave 6 da árvore acima resulta na árvore abaixo.

A inserção da chave 6 da árvore acima resulta na árvore abaixo. 149 Árvores B+ As operações nas árvores B+ não são muito diferentes das operações das árvores B. Inserir uma chave em uma folha que ainda tenha algum espaço exige que se coloque as chaves desta folha em

Leia mais

Acesso Sequencial Indexado

Acesso Sequencial Indexado Acesso Sequencial Indexado Utiliza o princípio da pesquisa seqüencial cada registro é lido seqüencialmente até encontrar uma chave maior ou igual a chave de pesquisa. Providências necessárias para aumentar

Leia mais

Endereçamento Aberto

Endereçamento Aberto Endereçamento Aberto ACH2002 - Introdução à Ciência da Computação II Delano M. Beder Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) Universidade de São Paulo dbeder@usp.br 11/2008 Material baseado em slides

Leia mais

Armazenamento em disco com uso de índices

Armazenamento em disco com uso de índices Armazenamento em disco com uso de índices Vimos até o momento árvores onde a chave aparenta ser o único objeto de interesse. Contudo, como sugere a representação de um nó, constante no slide 82, a chave

Leia mais

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo Sistemas de s Introdução O armazenamento e a recuperação de informações

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. Victor Halla

Unidade II FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. Victor Halla Unidade II FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Sistema de Arquivos Introdução Sistemas de Diretórios Gerenciamento de Entrada e Saída; Problemas de alocação em memória Perda

Leia mais

Cálculo de Endereço (hashing) Pesquisa de Dados em Tabelas. Função de Cálculo de endereço chave. Eficiência

Cálculo de Endereço (hashing) Pesquisa de Dados em Tabelas. Função de Cálculo de endereço chave. Eficiência Pesquisa de Dados em Tabelas Aula 11 unções de Cálculo de ndereço e Tratamento de Colisões URGS IN014 Cálculo de ndereço (hashing) Método de cálculo de endereço Aleatorização Randomização Hashing Não é

Leia mais

Hashing: conceitos. Hashing

Hashing: conceitos. Hashing Hashing: conceitos hashing é uma técnica conhecida como espalhamento, mapeamento ou randomização que tenta distribuir dados em posições aleatórias de uma tabela (array) associa cada objeto (de um determinado

Leia mais

Tabelas de hash Acabamos de estudar como implementar uma tabela hashing aberta e estudaremos agora como implementar uma tabela hashing fechada ou

Tabelas de hash Acabamos de estudar como implementar uma tabela hashing aberta e estudaremos agora como implementar uma tabela hashing fechada ou Tabelas de hash Acabamos de estudar como implementar uma tabela hashing aberta e estudaremos agora como implementar uma tabela hashing fechada ou também denominada de tabela hashing com endereçamento aberto.

Leia mais

Introdução Métodos de Busca Parte 1

Introdução Métodos de Busca Parte 1 Introdução Métodos de Busca Parte 1 SCC-201 Introdução à Ciência da Computação II Rosane Minghim 2009 Importância em estudar busca Busca é uma tarefa muito comum em computação? Vários métodos e estruturas

Leia mais

Tabelas Hash. informação, a partir do conhecimento de sua chave. Hashing é uma maneira de organizar dados que:

Tabelas Hash. informação, a partir do conhecimento de sua chave. Hashing é uma maneira de organizar dados que: Tabelas Hash Tabelas Hash O uso de listas ou árvores para organizar informações é interessante e produz bons resultados. Porem, em nenhuma dessas estruturas se obtém o acesso direto a alguma informação,

Leia mais

Modelo Relacional. Josino Rodrigues

Modelo Relacional. Josino Rodrigues Modelo Relacional Josino Rodrigues Modelo Relacional Chave Primária Atributos PILOTO Num-cad Nome CPF Endereço 0101 João 123456 Recife Tuplas 0035 José 234567 São Paulo... 0987 Pedro 567890 Recife 2 Chave

Leia mais

Implementação de Sistemas de Arquivos. Na Aula Anterior... Esquema do Sistema de Arquivos. Nesta Aula 31/10/2016. Estrutura de Baixo Nível de um Disco

Implementação de Sistemas de Arquivos. Na Aula Anterior... Esquema do Sistema de Arquivos. Nesta Aula 31/10/2016. Estrutura de Baixo Nível de um Disco GSI018 Sistemas Operacionais 31/10/2016 Implementação de Sistemas de Arquivos Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Prof. Dr. rer. nat. Daniel D. Abdala Na Aula Anterior... Memória

Leia mais

Matrizes esparsas: definição

Matrizes esparsas: definição Matrizes esparsas: definição o objetivo é mostrar os métodos de armazenamento e manipulação de matrizes esparsas esparsidade de uma matriz é a relação entre o número de elementos nulos de uma matriz e

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Implementação são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados Descritor de arquivo

Leia mais

Implementação de Banco de Dados. Cassio Diego cassiodiego.com/bd

Implementação de Banco de Dados. Cassio Diego cassiodiego.com/bd Implementação de Banco de Dados Cassio Diego cassiodiego.com/bd 1 Aula 10 UNIDADE 3: INDEXAÇÃO 1. Tipos de índices 1.1. Índices Ordenados; 1.2. Índices Densos e Esparsos; 1.3. Índice Cluster e Não Cluster;

Leia mais

Banco de Dados. Módulo 15 - Estruturas de Indexação

Banco de Dados. Módulo 15 - Estruturas de Indexação Banco de Dados Módulo 15 - Estruturas de Indexação Tópicos Introdução Árvores-B + Hashing Hashing Expansível Introdução Índice Primário (ou índice de clustering): índice cuja chave especifica a ordem sequencial

Leia mais

TABELA HASH. Prof. André Backes. Princípio de funcionamento dos métodos de busca

TABELA HASH. Prof. André Backes. Princípio de funcionamento dos métodos de busca TABELA HASH Prof. André Backes Problema 2 Princípio de funcionamento dos métodos de busca Procurar a informação desejada com base na comparação de suas chaves, isto é com base em algum valor que a compõe

Leia mais

AULA Nº 11 SISTEMAS OPERACIONAIS. Técnicas de Memória Virtual

AULA Nº 11 SISTEMAS OPERACIONAIS. Técnicas de Memória Virtual AULA Nº 11 SISTEMAS OPERACIONAIS Técnicas de Memória Virtual 1 Contextualizando Vimos Introdução ao Gerenciamento de Memória Agora Técnicas de Memória Virtual 2 O que é Memória Virtual (MV)? É uma técnica

Leia mais

Teoria da Computação. Aula 9 Pesquisa em Memória Secundária 5COP096. Aula 9 Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior. Sylvio Barbon Jr

Teoria da Computação. Aula 9 Pesquisa em Memória Secundária 5COP096. Aula 9 Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior. Sylvio Barbon Jr 5COP096 Teoria da Computação Aula 9 Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior Sylvio Barbon Jr barbon@uel.br 1 Sumário 1) Introdução à Pesquisa em Memória Secundária 2) Modelo de Computação para Memória Secundária

Leia mais

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto Gerência do Sistema de Arquivos Adão de Melo Neto 1 Gerência do Sistema de Arquivos Organização dos arquivos Estrutura de diretório Gerência de espaço livre Gerência de alocação de arquivos em disco Proteção

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Classificação e Pesquisa de Dados Aula 2 Organização de s: s Sequenciais e s Sequenciais Indexados UFRGS INF01124 Organização de s Propósito Estudo de técnicas de armazenamento e recuperação de dados em

Leia mais

Tabela Hash. Disciplina: Estruturas de Dados Professora: Camila Taumaturgo M.Sc.

Tabela Hash. Disciplina: Estruturas de Dados Professora: Camila Taumaturgo   M.Sc. Tabela Hash Disciplina: Estruturas de Dados Professora: Camila Taumaturgo email: camila.taumaturgo@ifrn.edu.br Sumário Tabela Hash Introdução Princípios de funcionamento Funções de Dispersão Tratamento

Leia mais

Tabelas Hash O Que é uma Tabela Hash? O Que é uma Tabela Hash? O Que é uma Tabela Hash? Inserindo um Novo Registro. O Que é uma Tabela Hash?

Tabelas Hash O Que é uma Tabela Hash? O Que é uma Tabela Hash? O Que é uma Tabela Hash? Inserindo um Novo Registro. O Que é uma Tabela Hash? Tabelas Hash O Que é uma Tabela Hash? Nesta aula são discutidos modos de armazenar informações em um vetor, e depois procurar por uma informação Tabelas Hash constituem uma abordagem comum para o problema

Leia mais

MC3305 Algoritmos e Estruturas de Dados II. Aula 02 Hashing. Prof. Jesús P. Mena-Chalco.

MC3305 Algoritmos e Estruturas de Dados II. Aula 02 Hashing. Prof. Jesús P. Mena-Chalco. MC3305 Algoritmos e Estruturas de Dados II Aula 02 Hashing Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 2Q-2015 1 Sobre a busca de dados/chaves 2 Busca em tabelas (vetores/arrays) Para se resolver

Leia mais

Sistemas de arquivos

Sistemas de arquivos Todos os programas precisam armazenar e recuperar dados. Os processos não podem armazenar grande quantidade de dados no seu espaço de endereçamento. Quando o processo chega ao final os dados no seu espaço

Leia mais

Tabelas Hash. Prof. Túlio Toffolo BCC202 Aulas 23 e 24 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Tabelas Hash. Prof. Túlio Toffolo  BCC202 Aulas 23 e 24 Algoritmos e Estruturas de Dados I Tabelas Hash Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aulas 23 e 24 Algoritmos e Estruturas de Dados I Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial Pesquisa

Leia mais

Organizações Básicas de Arquivos

Organizações Básicas de Arquivos Estrtura de Dados II Organizações Básicas de Arquivos Prof Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Introdução Armazenamento de pequeno volume de dados Distribuição simples dos

Leia mais

Árvores. N-árias, Binárias, Busca. Vanessa Maia Berny Mestrado em Ciência da Computação

Árvores. N-árias, Binárias, Busca. Vanessa Maia Berny Mestrado em Ciência da Computação Árvores N-árias, Binárias, Busca Vanessa Maia Berny Mestrado em Ciência da Computação Disciplina de Estrutura de Dados Prof. Dr. Luzzardi, Paulo Roberto Gomes Abril de 2008 Árvores N-árias São estruturas

Leia mais

Sistemas de Arquivos

Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Problemas da alocação em RAM Baixa capacidade Volatilidade Solução: uso de arquivos Conceito de arquivo Espaço endereços lógico contíguo Coleção informações correlatas com mesmo nome

Leia mais

Estrutura de Dados. Estrutura de Dados Recursividade. Exemplo: 5! = 5 x 4! 4! = 4 x 3! 3! = 3 X 2! 2! = 2 x 1! 1! = 1 x 0!

Estrutura de Dados. Estrutura de Dados Recursividade. Exemplo: 5! = 5 x 4! 4! = 4 x 3! 3! = 3 X 2! 2! = 2 x 1! 1! = 1 x 0! Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Exemplo: 5! = 5 x 4! 4! = 4 x 3! 3! = 3 X 2! 2! = 2 x 1! 1! = 1 x 0! Fatorial de 0 = 1 Recursividade 1 Recursividade

Leia mais

Classificação Externa: Geração de Partições Classificadas

Classificação Externa: Geração de Partições Classificadas Classificação Externa: Geração de Partições Classificadas Vanessa Braganholo Baseado no Material de: Inhaúma Neves Ferraz (IC/UFF) Importância da Ordenação/Classificação } Vimos até agora várias operações

Leia mais

Pesquisa em Memória Secundária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Secundária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Secundária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Secundária Pesquisa em memória secundária: arquivos que contém mais registros do que a memória interna pode armazenar. Algoritmos e

Leia mais

Árvores B. Árvores B. Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Árvores B. Árvores B. Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Árvores B Árvores B Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Motivação Quando tabelas são muito grandes Armazenamento do conjunto de chaves não pode ser efetuado na memória principal Necessário uso

Leia mais

Lista de Exercícios. Av. Trabalhador São-carlense, 400. centro. São Carlos - SP cep Brasil.

Lista de Exercícios. Av. Trabalhador São-carlense, 400. centro. São Carlos - SP cep Brasil. Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação Disciplina de Organização de Arquivos Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Lista

Leia mais

Hashing externo (II) Graça Nunes. Fonte: Folk & Zoelick, File Structures

Hashing externo (II) Graça Nunes. Fonte: Folk & Zoelick, File Structures Hashing externo (II) Graça Nunes Fonte: Folk & Zoelick, File Structures 1 Hashing Extensível Espalhamento Extensível (Extendible Hashing): permite um auto-ajuste do espaço de endereçamento do espalhamento

Leia mais

EA075 Memória virtual

EA075 Memória virtual EA075 Memória virtual Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Motivação Problema: programas cujos tamanhos ultrapassavam

Leia mais

Indexação de Arquivos III:

Indexação de Arquivos III: Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Ricardo J. G. B. Campello Indexação de Arquivos III: Busca com Múltiplas Chaves & Listas Invertidas Adaptado e Estendido dos Originais de: Leandro C. Cintra Maria

Leia mais

Classificação Externa: Geração de Partições Classificadas

Classificação Externa: Geração de Partições Classificadas Classificação Externa: Geração de Partições Classificadas Vanessa Braganholo Baseado no Material de: Inhaúma Neves Ferraz (IC/UFF) Cenário: Arquivos Sequencias } Acesso não pode ser feito em posições aleatórias

Leia mais

Dicionários. Prof. César Melo

Dicionários. Prof. César Melo Dicionários Prof. César Melo Definição Estruturas que permitem a recuperação da informação a partir do seu valor; Contrasta com filas e pilhas que é posicional; Três operações: Inserção(k, d), chave k;

Leia mais

Linguagem de Maquina II. Visão Geral

Linguagem de Maquina II. Visão Geral Linguagem de Maquina II Visão Geral Revisão A linguagem de máquina é composta de seqüências binárias (1's e 0's) São interpretadas como instruções pelo hardware A linguagem de montagem e a linguagem de

Leia mais

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto Gerência do Sistema de Arquivos Adão de Melo Neto 1 Gerência do Sistema de Arquivos Organização de arquivos Operações de E/S Estrutura de diretórios Gerência de espaço livre Gerência de alocação de espaços

Leia mais

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto Gerência do Sistema de Arquivos Adão de Melo Neto 1 Gerência do Sistema de Arquivos Organização de arquivos Operações de E/S Estrutura de diretórios Gerência de espaço livre Gerência de alocação de espaços

Leia mais

INE5408 Estruturas de Dados

INE5408 Estruturas de Dados INE5408 Estruturas de Dados Gerência de Arquivos -Técnicas utilizando Listas -Técnicas utilizando Árvores Técnicas utilizando Listas Técnicas de indexação através de listas provêem uma solução excelente

Leia mais

SCC Capítulo 5 Métodos de Busca [3]

SCC Capítulo 5 Métodos de Busca [3] SCC-201 - Capítulo 5 Métodos de [3] João Luís Garcia Rosa 1 1 Departamento de Ciências de Computação Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos http://www.icmc.usp.br/~joaoluis

Leia mais

Compressão de Textos. Introdução. Introdução. Introdução. O volume de informação textual disponível on-line é imenso:

Compressão de Textos. Introdução. Introdução. Introdução. O volume de informação textual disponível on-line é imenso: Compressão de Textos Estrutura de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM O volume

Leia mais

AED Algoritmos e Estruturas de Dados LEEC /2007. Tabelas de Dispersão

AED Algoritmos e Estruturas de Dados LEEC /2007. Tabelas de Dispersão AED Algoritmos e Estruturas de Dados LEEC - 2006/2007 Tabelas de Dispersão Tabelas de Dispersão - Introdução (1) As tabelas de dispersão (hash tables) são estruturas de dados adequadas para: Tabelas de

Leia mais

Arquivos Invertidos. Recuperação de Chave Secundária e. Aula 11. Estrutura de Dados II

Arquivos Invertidos. Recuperação de Chave Secundária e. Aula 11. Estrutura de Dados II Recuperação de Chave Secundária e Arquivos Invertidos Estrutura de Dados II Aula 11 UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox Recuperação de Chave Secundária Arquivos Invertidos

Leia mais

Instituto Luterano de Ensino Superior de Ji-Paraná Curso Bacharelado em Informática Estrutura de Dados I Prof.: José Luiz A.

Instituto Luterano de Ensino Superior de Ji-Paraná Curso Bacharelado em Informática Estrutura de Dados I Prof.: José Luiz A. 1 Instituto Luterano de Ensino Superior de Ji-Paraná Curso Bacharelado em Informática Prof.: José Luiz A. Duizith Procedimento Insere_Esquerda (Lista,Valor) Aloque(Aux) Se (Aux = Nil) Senao Aux.Dado Valor

Leia mais

Dicionário de Dados Organização Direta de Arquivos

Dicionário de Dados Organização Direta de Arquivos Dicionário de Dados Organização Direta de Arquivos Estrutura de Dados II Aula 07 UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox O que é um arquivo com organização direta? O acesso

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Arquivos de registros Abstração do SGBD Pode ser criado, destruido e ter registros incluidos e excluidos nele Tb suporta a varredura Uma relacao geralmente é armazenada como um arquivo de registros Camada

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Lista Linear Seqüencial (Alocação Estática) Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação

Leia mais

Estrutura de indexação de arquivos

Estrutura de indexação de arquivos Estrutura de indexação de arquivos Neste capítulo assume-se que um arquivo já existe e possui alguma organização primária desordenada ordenada ou hash Utiliza-se índices, que são estruturas de acesso adicionais

Leia mais

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Cristina D. A. Ciferri Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Moacir Ponti Jr. Armazenamento de Dados Armazenamento primário memória

Leia mais

Aula T19 BCC202 Pesquisa (Parte 1) Pesquisa Binária. Túlio Toffolo

Aula T19 BCC202 Pesquisa (Parte 1) Pesquisa Binária. Túlio Toffolo Aula T19 BCC202 Pesquisa (Parte 1) Pesquisa Binária Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo Pesquisa em Memória Primária n Introdução - Conceitos Básicos n Pesquisa Sequencial n Pesquisa Binária n Árvores

Leia mais

Aula 15: Pesquisa em Memória Primária. Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP

Aula 15: Pesquisa em Memória Primária. Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP Aula 15: Pesquisa em Memória Primária Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial Pesquisa Binária Árvores de

Leia mais

Pesquisa em Memória Secundária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Secundária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Secundária Prof. Jonas Potros Árvores de Pesquisa São estruturas de dados muito eficientes quando deseja-se trabalhar com tabelas que caibam inteiramente na memória principal do computador.

Leia mais

Estrutura de Dados Listas

Estrutura de Dados Listas Universidade Federal da Paraíba Centro de Informática Departamento de Informática Estrutura de Dados Listas 1 Tiago Maritan tiago@ci.ufpb.br Conteúdos Abordados O Conceito de Listas Listas com Representação

Leia mais

ÁRVORES E ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA

ÁRVORES E ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA ÁRVORES E ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA Prof. André Backes Definição 2 Diversas aplicações necessitam que se represente um conjunto de objetos e as suas relações hierárquicas Uma árvore é uma abstração matemática

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin memória é o local onde se armazenam dados Será???? Memória é um local ou dispositivo onde podem se armazenar dados e que permite que sejam recuperados quando deles se precisar

Leia mais

Métodos de Ordenação Parte I

Métodos de Ordenação Parte I Estrutura de Dados II Métodos de Ordenação Parte I Prof a Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Material baseado nos materiais da Prof a Ana Eliza e Prof. Robson Lins Rearranjar

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DO SISTEMA OPERACIONAL

SISTEMA DE ARQUIVOS DO SISTEMA OPERACIONAL . SISTEMA DE ARQUIVOS DO SISTEMA OPERACIONAL 1. A organização de um arquivo define como os dados estão internamente organizados. Explique a organização de arquivos indexada. NA ORGANIZAÇÃO INDEXADO O ARQUIVO

Leia mais

Trabalho Prático. Descrição Considere os seguintes dados a respeito de uma pessoa:

Trabalho Prático. Descrição Considere os seguintes dados a respeito de uma pessoa: Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação Disciplina de Organização de Arquivos Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Trabalho

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR

Pesquisa em Memória Primária. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Pesquisa em Memória Primária David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial Pesquisa Binária Árvores de Pesquisa

Leia mais

Estrutura de Dados (DPADF 0056)

Estrutura de Dados (DPADF 0056) Estrutura de Dados (DPADF 0056) Aula 11 Listas Ordenadas Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Prof. Bruno

Leia mais

Ordenação Externa. Ordenação Externa. Ordenação Externa. Ordenação Externa

Ordenação Externa. Ordenação Externa. Ordenação Externa. Ordenação Externa Ordenação Externa Ordenação Externa Estrutura de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação

Leia mais

Organização de arquivos para desempenho. Manutenção de Arquivos. Compressão de dados. Compressão. Notação diferenciada. Técnicas

Organização de arquivos para desempenho. Manutenção de Arquivos. Compressão de dados. Compressão. Notação diferenciada. Técnicas Algoritmos e Estruturas de Dados II Profa. Debora Medeiros Organização de arquivos para desempenho Organização de arquivos visando desempenho Adaptado dos Originais de: Ricardo Campello Thiago Pardo Leandro

Leia mais

Hashing. Cormen Capítulo 11

Hashing. Cormen Capítulo 11 Hashing Cormen Capítulo 11 Motivação Um compilador utiliza uma tabela de símbolos para relacionar símbolos aos dados associados. Símbolos: nomes de variáveis, funções, etc.. Dados associados: localização

Leia mais

Estruturas de Dados I

Estruturas de Dados I Estruturas de Dados I Rodrigo Porfírio da Silva Sacchi rodrigosacchi@ufgd.edu.br 3410-2075 Aula 6: Listas Encadeadas e Alocação Dinâmica Listas Encadeadas e Alocação Dinâmica Alocação Seqüencial versus

Leia mais

Memória. Memória Cache

Memória. Memória Cache Memória Memória Cache Revisão - Memória Principal Memória que armazena os dados e programas em linguagem de máquina em execução corrente Razoavelmente barata Tempo de acesso da ordem de nano-segundos a

Leia mais

Introdução à Informática. Alexandre Meslin

Introdução à Informática. Alexandre Meslin Introdução à Informática Alexandre Meslin (meslin@nce.ufrj.br) Objetivos Dispositivos de armazenamento Sistemas de arquivos Memória ROM Memória de apenas leitura Utilizada para armazenar programas e dados

Leia mais

O que faz? De tudo um pouco.

O que faz? De tudo um pouco. Sistema de arquivos O que faz? De tudo um pouco. Principalmente faz o controle dos arquivos armazenados em disco tanto do SO como dos usuários (abertura, acesso, consistência, etc.) Mas também inclui funções

Leia mais

Princípio da Localidade Apenas uma parte relativamente pequena do espaço de endereçamento dos programas é acessada em um instante qualquer Localidade

Princípio da Localidade Apenas uma parte relativamente pequena do espaço de endereçamento dos programas é acessada em um instante qualquer Localidade Memória Cache Princípio da Localidade Apenas uma parte relativamente pequena do espaço de endereçamento dos programas é acessada em um instante qualquer Localidade Temporal Um item referenciado tende a

Leia mais

Transformação de Chave - Hashing

Transformação de Chave - Hashing UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Transformação de Chave (Hashing) e Gomes da Costa yandre@din.uem.br 1 Transformações de Chave, ou Tabela Hash, ou Tabelas de Dispersão; Hashing

Leia mais

Aula 7 e 8 Filas e suas Aplicações. Prof. Leticia Winkler

Aula 7 e 8 Filas e suas Aplicações. Prof. Leticia Winkler Aula 7 e 8 Filas e suas Aplicações Prof. Leticia Winkler 1 Definição de Fila (Queue) São estruturas de dados do tipo FIFO (first-in first-out) - o primeiro elemento a ser inserido, será o primeiro a ser

Leia mais

Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional

Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional - Sistema Operacional: Programa que, do ponto de vista do programador, adiciona uma grande quantidade de instruções e funcionalidades bem além das disponibilizadas

Leia mais

Arquivos invertidos 39

Arquivos invertidos 39 Arquivos invertidos 39 Arquivos invertidos É um mecanismo que utiliza palavras para indexar uma coleção de documentos a fim de facilitar a busca e a recuperação Estruturas de um arquivo invertido Vocabulário

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS E ALGORITMOS. Hashing (Tabela de Dispersão) Cristina Boeres

ESTRUTURA DE DADOS E ALGORITMOS. Hashing (Tabela de Dispersão) Cristina Boeres ESTRUTURA DE DADOS E ALGORITMOS Hashing (Tabela de Dispersão) Cristina Boeres Motivação! Os métodos de pesquisa vistos até agora buscam informações armazenadas com base na comparação de suas chaves! Para

Leia mais

Bases de Dados. Índices. Discos. transferência lenta. transferência rápida e em blocos (512B ~ 4KB) e aos bytes. memória.

Bases de Dados. Índices. Discos. transferência lenta. transferência rápida e em blocos (512B ~ 4KB) e aos bytes. memória. Bases de Dados Índices Discos transferência lenta transferência rápida e em blocos (512B ~ 4KB) e aos bytes memória disco aplicação 2 1 Discos 7200rpm = 120 rot/s 1 5 platters Ø 8.9 cm 50000 ~ 100000 tracks

Leia mais

Índices. 1. Introdução. Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Banco de Dados I

Índices. 1. Introdução. Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Banco de Dados I Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Banco de Dados I Prof. Paulo Ferreira Atividade para Sala de Aula: 25/11/2008 1. Introdução Índices Os índices

Leia mais

Ordenação e Busca em Arquivos

Ordenação e Busca em Arquivos Ordenação e Busca em Arquivos Cristina D. A. Ciferri Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Moacir Ponti Jr. Exemplos de Busca Registros de tamanho fixo M A R I A R U A b 1 S A O b C A

Leia mais

Árvore-B* Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

Árvore-B* Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Árvore-B* Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Árvore-B* Proposta por Knuth em 1973 variação de árvore-b Característica cada nó contém, no mínimo, 2/3 do número máximo de chaves Posterga o split

Leia mais

Vamos considerar um arquivo de dados que armazena uma lista de alunos. Cada registro é um objeto com um número de matrícula e um nome.

Vamos considerar um arquivo de dados que armazena uma lista de alunos. Cada registro é um objeto com um número de matrícula e um nome. Tabelas de dispersão Vamos considerar um arquivo de dados que armazena uma lista de alunos. Cada registro é um objeto com um número de matrícula e um nome. A tabela está sujeita a dois tipos de operação:

Leia mais

Organização de Arquivos e Acesso a Arquivos

Organização de Arquivos e Acesso a Arquivos Organização de Arquivos e Acesso a Arquivos Cristina D. A. Ciferri Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Moacir Ponti Jr. Organização de Arquivos Por que Organizar Arquivos? Considere

Leia mais

Árvores. Thiago Martins, Fabio Gagliardi Cozman. PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Árvores. Thiago Martins, Fabio Gagliardi Cozman. PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Árvore: estrutura composta por nós e arestas entre nós. As arestas são direcionadas ( setas ) e: um nó (e apenas um) é a raiz; todo nó

Leia mais

Árvores B. Prof. Márcio Bueno. / Fonte: Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura

Árvores B. Prof. Márcio Bueno. / Fonte: Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura Árvores B Prof. Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Fonte: Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura Situação Problema Memória Principal Volátil e limitada Aplicações Grandes

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 18. Sistema de Arquivos - Implementação

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 18. Sistema de Arquivos - Implementação Aula 18 Sistema de Arquivos - Implementação Visão Lógica X Implementação O que é um arquivo? O usuário enxerga uma coleção de. Usuário: Sistema: O sistema enxerga trilhas, setores e cilindros falcatruas-leilao-telebras.txt

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Organização de Arquivos SCC-503 Algoritmos e Estruturas de Dados II Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira 1 Organização de arquivos para desempenho Organização de arquivos visando desempenho

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Hierarquia de Memória: Introdução Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Computação Organização interna de CPU Parte operativa: Lógica combinacional

Leia mais

Busca em Memória Primária Estrutura de Dados II

Busca em Memória Primária Estrutura de Dados II Centro de Ciências Exatas, Naturais e de Saúde Departamento de Computação Busca em Memória Primária Estrutura de Dados II Estrutura de Dados II COM10078 2017-I Prof. Marcelo Otone Aguiar marcelo.aguiar@ufes.br

Leia mais

Busca em Memória Primária Estrutura de Dados II

Busca em Memória Primária Estrutura de Dados II Centro de Ciências Exatas, Naturais e de Saúde Departamento de Computação Busca em Memória Primária Estrutura de Dados II COM10078 Estrutura de Dados II Prof. Marcelo Otone Aguiar marcelo.aguiar@ufes.br

Leia mais