POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS"

Transcrição

1 POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS Última atualização: 01/09/2016 EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pelas áreas de Compliance, TI e Administrativo. Aprovado e revisado pelo Comitê de Compliance. A reprodução e a distribuição desta Política fora do MODAL sem a devida autorização é terminantemente proibida e constitui uma violação da política de controles internos.

2 ÍNDICE OBJETIVO 3 ABRANGÊNCIA 3 BASE LEGAL 3 CONCORRÊNCIA E APROVAÇÃO 3 PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIROS - OUTSOURSING 4 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUALIFICADOS 4 PRESTADORES DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE RECURSOS 4 PRESTADORES DE SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO 5 PRESTADORES DE SERVIÇOS DE GUARDA DE DOCUMENTOS 7 DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS 7 AVALIAÇÃO 7 ATUALIZAÇÕES 7

3 OBJETIVO Esta Política tem como objetivo regular o relacionamento e aprovação de novos prestadores de serviço contratados pelo Modal, regendo as condições mínimas de manutenção de relacionamento e os critérios para que um prestador de serviço seja aprovado internamente, considerando eventuais situações de risco para a instituição. ABRANGÊNCIA Esta política deverá ser seguida por todas as empresas do Grupo Econômico-Financeiro do Modal e por todas as áreas que necessitarem contratar prestação de serviços de terceiros para a manutenção das atividades. Os critérios de aprovação listados nesta política serão segregados por tipo de serviços, já que cada um exigirá procedimentos distintos tanto para a contratação, quanto para a manutenção deste relacionamento. BASE LEGAL Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimentos. Resolução 3.380/06 (Banco Central do Brasil), acerca da implementação de estrutura de gerenciamento de risco operacional. Instrução Normativa CVM nº 356/2001, especialmente, art. 24, inciso XI. Instrução Normativa CVM nº 497/2011 Instrução Normativa CVM nº 558/2015 CONCORRÊNCIA E APROVAÇÃO Todas as atividades que necessitem de apoio de terceiros para a devida manutenção das atividades do Modal, deverão, obrigatoriamente, passar por um processo de aprovação anteriormente a contratação do prestação de serviços. Este processo poderá vir acompanhado ou não de processo de concorrência, em função da necessidade de se obter no mercado os melhores prestadores de serviço para nossa atividade, assim, sempre que for possível abrir concorrência para a verificação dos melhores prestadores de serviço, este procedimento deverá ser utilizado. Caso não seja possível, a área responsável pela contratação deverá justificar as razões para a impossibilidade de abertura de concorrência prévia a contratação. Para cada tipo de serviço serão previstos critérios específicos para a aprovação do contratado junto ao Modal. Tais regras são especificadas abaixo:

4 Prestadores de Serviços Terceiros - Outsoursing É permitida a contratação de empresas para o desenvolvimento de atividades que não são atividades-fim do Modal, assim estas empresas poderão manter profissionais alocados nas dependências do Modal para a realização destes serviços, voltados principalmente para as atividades de TI e Apoio. Procedimentos de contratação pelas áreas: Para a contratação de serviços de terceiros quando da alocação dos profissionais no ambiente do Modal, fica estabelecido que a área contratante deverá solicitar ao Jurídico a formalização ou validação do instrumento contratual (quando aplicável), obtenção das assinaturas nos contratos e documentos pertinentes, solicitação pelo Gente e Gestão do Check List de Terceiros e entrega do Código de Ética com respectiva obtenção do termo de adesão as normas e políticas internas. É necessário que estas áreas realizem controle de contrato com estes prestadores de serviços para a validação do acompanhamento dos timesheets e pagamentos, bem como validade do contrato. Todas as informações relativas a pagamentos deverão ser encaminhadas para a área de Contas a Pagar, que deverá executar a requisição de pagamento, bem como a retenção e pagamentos dos impostos previstos. Prestação de Serviços Qualificados Os serviços qualificados são aqueles prestados por players do mercado financeiro especializados e devidamente autorizados na prestação de serviços de Custódia, Controladoria e Gestão. Tendo em vista a regulamentação em vigor, estes prestadores de serviço, além de características específicas deverão apresentar as informações e documentos relacionados abaixo: Prestadores de serviços de Gestão de Recursos Preenchimento do Questionário Padrão ANBIMA de Due Diligence seções I a III ( * ); Organograma Funcional das áreas de Gestão, Risco e Controles Internos da instituição; Formulário de Referência Atualizado (a partir de 01/07/2016); Procedimentos para Prevenção à Lavagem de Dinheiro; Política de Exercício do Direito de Voto com evidência de registro na ANBIMA (Proxy Voting); Manual com a descrição da metodologia adotada para distribuição de operações negociadas em lotes (quando aplicável); Manual/Metodologia adotada para gerenciamento de riscos de Liquidez, Mercado, Crédito, Operacional, de Concentração e de Contraparte; Código de Ética e Conduta; Política de Rateio e Divisão de Ordens; Organograma societário até o beneficiário final (pessoa física); Atos constitutivos e respectivas últimas alterações arquivadas em registro público;

5 Ato societário em que conste a indicação dos Diretores Estatutários responsáveis pela Gestão de Recursos, Gestão de Risco e Controles; Identidade e CPF dos sócios e do Diretor Estatutário responsável pela Gestão de Recursos Declaração de aplicabilidade das políticas e procedimentos; Declaração de Idoneidade e Inexistência de Processos envolvendo a Instituição Gestora; Ato declaratório CVM autorizando a prestação de serviços de administração de carteiras (instituição e diretor indicado para Gestão de Recursos); e Comprovação de que é associado à Anbima ou de que aderiu ao Código de Autorregulação da ANBIMA (para gestão de FIPs, apresentar o comprovante de adesão ao Código ABVCAP / ANBIMA para o Mercado de FIPs); Formulário FATCA. A documentação e informações relacionadas acima deverão ser previamente analisadas, bem como deverá ser processada a pesquisa de Compliance antes da efetivação da contratação e início do relacionamento e operações. Caso seja verificada qualquer situação atípica, tais informações deverão fazer parte de dossiê específico que será levado ao Comitê de Compliance para deliberação do início ou não do relacionamento. O Compliance se manifestará em até 15 dias da apresentação de todas as informações e documentações acima solicitadas. Prestadores de serviços de Distribuição Os serviços de distribuição também são prestados pelos players do mercado financeiro especializados e devidamente autorizados pelos órgãos reguladores e autorreguladores na prestação de serviços de distribuição de fundos ou demais produtos disponíveis da instituição financeira contratante. Distribuidores autorizados Questionário de Distribuidores; Organograma da instituição, indicando, inclusive, os Diretores indicados para Distribuição, Suitability e Prevenção à Lavagem de Dinheiro; Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Combate ao Financiamento ao Terrorismo; Código de Ética e Conduta; Manual de Compliance; Organograma societário até o beneficiário final (pessoa física); Atos constitutivos e últimas alterações arquivadas em registro público; Declaração de aplicabilidade das políticas e procedimentos; Declaração de Idoneidade e Inexistência de Processos envolvendo o Distribuidor; Ato declaratório CVM autorizando a prestação de distribuição; Política de Suitability ou documento que identifique a metodologia de suitability aplicada; Comprovação de que é associado à Anbima ou de que aderiu ao Código de Autorregulação da ANBIMA de Varejo e/ou Private; Formulário FATCA.

6 Agentes Autônomos de Investimentos (AAI) O Modal atua com AAI para a distribuição de Fundos de Investimento ou outros ativos não classificados como valores mobiliários pelas normas vigentes e devem, obrigatoriamente passar por processo de diligência, cujas informações e documentos seguem listados abaixo: Questionário de Agentes Autônomos de Investimentos; Procedimentos para Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Combate ao Financiamento ao Terrorismo; Código de Ética e Conduta; Atos constitutivos e última alteração contratual arquivada no registro público competente; Identidade e CPF dos sócios; Declaração de aplicabilidade das políticas e procedimentos ( * ); Declaração de existência e disponibilidade de gravações telefônicas sempre que solicitadas pelo Modal (*) Declaração de Idoneidade e Inexistência de Processos envolvendo o AAI (*); Comprovação de credenciamento para prestação de serviços como AAI junto a CVM e Ancord; Cartão CNPJ Declaração que recebeu os documentos Código de Ética, Manual de Suitability e Manual de PLD do Modal O processo de contratação de novos AAI passam, obrigatoriamente, pelas etapas abaixo relacionadas: Entrega das informações e documentos citados acima; Analise das informações e documentos apresentados pelo departamento de Compliance; Verificação do cadastro do AAI junto aos órgãos reguladores; Na eventualidade de identificação de situações que gerem riscos para o Modal, a área de Compliance poderá solicitar adequação de procedimentos ou ainda solicitar aprovação para instâncias superiores, tais quais o Comitê de Compliance ou Diretoria Executiva, quando aplicável; Após a aprovação pelo Compliance, o Jurídico poderá realizar a contratação, cujos documentos relativos aos procedimentos internos, Código de Ética Modal, Política de Suitability e kit cadastral exigido dos clientes, que deverão passar pelo processo de cadastramento e onboarding igual ao dos demais clientes da instituição, conforme previsto na Política de Prevenção a Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo; Solicitar a inclusão do AAI no site da empresa contratante, que deverá ocorrer dentro de 30 dias após a assinatura do contrato; Revisão do site de internet do AAI contratado; Informar ao gestor sobre o início de relacionamento para controle de repasses, quando aplicável. A cada dois anos, o Compliance é responsável por revisar a diligência do AAI, solicitando todas as informações citadas acima e reavaliando qualquer situação que apresente riscos, quando será necessário solicitar novas aprovações, quando aplicável ou ainda prever planos de remediação ou resilição do contrato.

7 A resilição de contrato exige a verificação das posições existentes para o AAI contratado, cujos cotistas ou aplicadores serão comunicados da rescisão do contrato pelo AAI, que deverá solicitar ao cliente confirmação de continuidade ou não das posições existentes com o Modal. Prestadores de Serviços de Guarda de Documentos Os prestadores de serviços de Guarda de Documentos deverão, antes da formalização do contrato, responder ao questionário de diligência, cujas respostas serão analisadas pelo Compliance, bem como apresentar documentos de constituição da empresa e cadastrais de seus sócios. Para os prestadores de Serviços de Guarda Física de Ativos Cartulares será aplicado questionário de diligência específico, bem como comprovantes de seu credenciamento junto ao Custodiantes Centrais (ex. CETIP) Demais prestadores de Serviços Todos os demais prestadores de serviços não listados nesta política que tiverem acesso a informações sigilosas deverão assinar um Acordo de Não Divulgação (Non-Disclosure Agreement ou NDA). Deverão ainda assinar termo de conhecimento ao Código de Ética Modal. Assim, todos os contratos de prestação de serviço deverão manter cláusula específica para este fim. AVALIAÇÃO A área de Compliance, de posse de todos os documentos e informações realizará a análise e pesquisas em bases de dados comerciais a fim de identificar situações que possam trazer risco de imagem para o Modal, que avalia ainda as respostas dadas aos itens previstos nos questionários específicos apresentados, bem como analisa os documentos recebidos. As pesquisas de que trata o parágrafo acima compreendem, mas não se limitando a: Receita Federal Polícia Federal Google Ministério do Trabalho (pendências e lista de trabalho escravo) Listas internacionais de combate ao Terrorismo e Lavagem de Dinheiro Na observação de condições que possam trazer qualquer risco de imagem ao Modal, o Comitê de Compliance poderá solicitar a descontinuidade dos serviços pelo fornecedor. Caso haja risco de descontinuidade do serviço, o distrato poderá ser realizado após a contratação de novo prestador de serviços, cuja análise deverá ser feita antes da sua contratação. ATUALIZAÇÕES

8 Esta política deverá ser objeto de revisão sempre que se verificarem alterações na regulamentação em vigor que afete diretamente este documento.

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS Versão 2016.1 Editada em abril de 2016 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DA POLÍTICA... 2 2.1. Dos prestadores de serviços... 2 2.2. Atribuições e responsabilidades...

Leia mais

Política de Seleção e Contratação de Prestadores de Serviços dos Fundos Não Vinculados à Planner

Política de Seleção e Contratação de Prestadores de Serviços dos Fundos Não Vinculados à Planner DC 034-1 Folha 1 de 10 Política de Seleção e Contratação de Prestadores de Serviços dos Fundos Não Vinculados à Planner SUMÁRIO: 1) Introdução... 2 2) Contratação de Gestor... 2 2.1) Carta de Apresentação

Leia mais

NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS

NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS Versão: setembro/2016 1. OBJETIVO Em conformidade com as diretrizes de Prevenção à Lavagem

Leia mais

Administração de Carteiras de Valores Mobiliários ICVM 558 Requisitos para o exercício da atividade Representação Institucional

Administração de Carteiras de Valores Mobiliários ICVM 558 Requisitos para o exercício da atividade Representação Institucional Administração de Carteiras de Valores Mobiliários ICVM 558 Requisitos para o exercício da atividade Representação Institucional Última atualização em 23/03/2016 Sumário/Índice SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 ICVM

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE, CONTROLES INTERNOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM 558/15

POLÍTICA DE COMPLIANCE, CONTROLES INTERNOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM 558/15 POLÍTICA DE COMPLIANCE, CONTROLES INTERNOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM 558/15 SOMENTE PARA USO INTERNO Este material foi elaborado pela Atmos Capital Gestão de Recursos Ltda. ( Atmos Capital ou Gestora

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

RELACIONAMENTO COM AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTOS

RELACIONAMENTO COM AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTOS RELACIONAMENTO COM AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTOS Esse documento contém as regras e procedimentos relacionados à atuação da CA Indosuez Wealth (Brazil) S.A Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

MANUAL DE COMPLIANCE. OCEANA INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE CARTEIRA DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA ( Empresa ou Oceana )

MANUAL DE COMPLIANCE. OCEANA INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE CARTEIRA DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA ( Empresa ou Oceana ) MANUAL DE COMPLIANCE OCEANA INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE CARTEIRA DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA ( Empresa ou Oceana ) Versão: Junho/2016 I. Introdução: 1. Compliance é uma atividade adotada pelo mercado

Leia mais

Workshop da Supervisão do Código de Fundos de Investimento para Administradores, Gestores e Distribuidores. Novembro/2013

Workshop da Supervisão do Código de Fundos de Investimento para Administradores, Gestores e Distribuidores. Novembro/2013 Workshop da Supervisão do Código de Fundos de Investimento para Administradores, Gestores e Distribuidores Novembro/2013 Agenda A ANBIMA Código de Fundos Distribuição via Agentes Autônomos de Investimentos

Leia mais

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS VERSÃO: DEZEMBRO/2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO AGENTE DE DEPÓSITO... 3 2.1 DA SELEÇÃO... 3 2.2 DOS

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLE DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS

POLÍTICA DE CONTROLE DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS POLÍTICA DE CONTROLE DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS Junho/2016 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONTROLES FÍSICOS e LÓGICOS... 3 4. SIGILO BANCÁRIO... 4 5. PADRÃO DE CONDUTA... 4 6. INFORMAÇÕES

Leia mais

Manual de Conformidade

Manual de Conformidade Manual de Conformidade Divisão de Conformidade BB Gestão de Recursos DTVM S.A. SUMÁRIO Introdução... 2 Definições... 3 1. Capítulo 1 - Segregação na Administração de Recursos de Terceiros... 4 2. Capítulo

Leia mais

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: GERÊNCIA DE RISCOS JULIANA PENTAGNA GUIMARÃES Diretoria da Sociedade LEANDRO SALIBA Diretoria da Sociedade INDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS... 2 3. CONCEITO... 2 4. ABRANGÊNCIA...

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558 1. Objetivo A administração de carteiras de valores mobiliários é o exercício profissional de atividades relacionadas, direta ou indiretamente, ao funcionamento, à manutenção e à gestão de uma carteira

Leia mais

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve:

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve: Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 02.09.2016 1. Objetivo: Este procedimento visa regular as atividades dos Agentes Autônomos de Investimento no ambiente da Guide Investimentos

Leia mais

Guia de orientação para cumprimento dos prazos estabelecidos nos

Guia de orientação para cumprimento dos prazos estabelecidos nos Guia de orientação para cumprimento dos prazos estabelecidos nos Códigos de Regulação e Melhores Práticas da ANBIMA Versão 8 - Atualizado em: 19/12/2016 INDÍCE 2 Introdução...3 Código de Atividades Conveniadas...4

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MATERIAIS PUBLICITÁRIOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MATERIAIS PUBLICITÁRIOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS MATERIAIS PUBLICITÁRIOS Última atualização: Julho de 2016 Produzido pela área de Compliance para as áreas: Comunicação Banco / Comunicação DTVM / Compliance Banco / Compliance DTVM.

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS 1. OBJETIVOS Estabelecer os critérios básicos para gestão e administração de Clubes de Investimento, abordando os seguintes tópicos: - Atuação; - Regulamento e Prospecto; - Ficha Cadastral e Habilitação

Leia mais

Assunto Política de Compras e Contratação de Serviços Data 30 de junho de 2016 Páginas 9

Assunto Política de Compras e Contratação de Serviços Data 30 de junho de 2016 Páginas 9 Assunto Política de Compras e Contratação de Serviços Data 30 de junho de 2016 Páginas 9 De Eros Henriques Dalhe e Rodrigo Gatti Telefone 3509 6600 Área Diretoria de Operações Para Administradores, gestores,

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos CM CAPITAL MARKETS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Data de Atualização: 06/2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações

Leia mais

POLÍTICAS DE TOMADA DE DECISÃO, SELEÇÃO E ALOCAÇÃO DE ATIVOS

POLÍTICAS DE TOMADA DE DECISÃO, SELEÇÃO E ALOCAÇÃO DE ATIVOS POLÍTICAS DE TOMADA DE DECISÃO, SELEÇÃO E ALOCAÇÃO DE ATIVOS Última atualização: 30/06/2016 Produzido pela área de Riscos do Modal Asset Management Aprovado e revisado por Comitê de Risco A reprodução

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO > VERSÃO 2 / 8 1. INTRODUÇÃO A Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Combate à Corrupção ( Política ) visa promover a adequação

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos CM CAPITAL MARKETS ASSET MANAGEMENT LTDA. Data de Atualização: 06/2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações confidenciais e/ou privilegiadas.

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento

Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 10.05.2017 1. Objetivo: O objetivo deste procedimento é estabelecer as regras e diretrizes das atividades dos Agentes Autônomos de

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO )

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO ) FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º 06.893.041/0001-30 ( FUNDO ) Emissão: 24/06/2016 Periodicidade mínima de divulgação

Leia mais

1. INTRODUÇÃO DA VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO DE VALIDAR AS CONDIÇÕES DE CESSÃO... 3

1. INTRODUÇÃO DA VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO DE VALIDAR AS CONDIÇÕES DE CESSÃO... 3 Manual de Regras e Procedimentos de verificação do cumprimento da obrigação de Validar as Condições de Cessão e verificação das obrigações de Cobrança dos créditos Inadimplidos nos termos da Instrução

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS ÍNDICE POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS... 2 I. Apresentação... 2 II. Abrangência... 2 III. Objetivos... 2 IV. Estrutura... 3 A. Sub- Comitê de Compliance...

Leia mais

POLÍTICA DE RATEIO DE ORDENS

POLÍTICA DE RATEIO DE ORDENS BRS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE RATEIO DE ORDENS Conformidade ao disposto na Instrução Normativa da CVM 558 Versão 1.0 Vigência Junho / 2016 Atividade Elaboração Revisão Aprovação Área

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 79

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 79 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 79 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES 13/5/2016 Informação Pública ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESCOPO... 3 3 APLICABILIDADE...

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS,

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

Executar todos os passos envolvidos no processo de admissão dos funcionários admitidos a partir de 03/01/2011.

Executar todos os passos envolvidos no processo de admissão dos funcionários admitidos a partir de 03/01/2011. 1/5 A PARTIR DA DATA DE EMISSÃO DESTE (05/01/2011), NÃO SERÃO ACEITAS CONTRATAÇÕES QUE NÃO ESTEJAM DE ACORDO COM O PROCEDIMENTO. 1. OBJETIVO Executar todos os passos envolvidos no processo de admissão

Leia mais

DEPOSITÁRIA QUALIFICAÇÃO DE CUSTODIANTES DE ATIVOS CARTULARES E/OU CCI ESCRITURAL

DEPOSITÁRIA QUALIFICAÇÃO DE CUSTODIANTES DE ATIVOS CARTULARES E/OU CCI ESCRITURAL DEPOSITÁRIA QUALIFICAÇÃO DE CUSTODIANTES DE ATIVOS CARTULARES E/OU CCI ESCRITURAL COM O OBJETIVO DE TRAZER MAIOR SEGURANÇA AO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO, A CETIP ATENDENDO UMA SOLICITAÇÃO DA CVM COMISSÃO

Leia mais

ANEXO À PORTARIA Nº 616/SAS, DE 16 DE MARÇO DE Formulário de Requerimento FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO

ANEXO À PORTARIA Nº 616/SAS, DE 16 DE MARÇO DE Formulário de Requerimento FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO ANEXO À PORTARIA Nº 616/SAS, DE 16 DE MARÇO DE 2016. Formulário de Requerimento FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO Desejo receber comunicações da GEOS/SAS, via Correios, no endereço da sede social da empresa.

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS ( FIDC OU FUNDOS ) PELO ADMINISTRADOR

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS ( FIDC OU FUNDOS ) PELO ADMINISTRADOR PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS ( FIDC OU FUNDOS ) PELO ADMINISTRADOR RESUMO Estabelece procedimentos de fiscalização que devem

Leia mais

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Política de Rateio e Divisão de Ordens A política de Rateio e Divisão de Ordens do Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro SMBCB estabelece

Leia mais

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários (Revisão: Junho 2016) Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Grupo Stratus:... 3 1.2. Atividades do Grupo Stratus:... 3 1.3. A Política:... 3 1.4. Conhecimento

Leia mais

SAFRA PREV FIX VIP FIC FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO

SAFRA PREV FIX VIP FIC FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 1. PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DUVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO: A ADMINISTRADORA colocará mensalmente à disposição dos cotistas as informações relativas à composição e diversificação da CARTEIRA.

Leia mais

SAFRA FARADAY FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO

SAFRA FARADAY FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO 1. PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DUVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO: A ADMINISTRADORA colocará mensalmente à disposição dos cotistas as informações relativas à composição e diversificação da CARTEIRA.

Leia mais

Qualificação de Custodiantes de Ativos Cartulares, Contrato Mercantil e Instrumento de Emissão de CCI Escritural

Qualificação de Custodiantes de Ativos Cartulares, Contrato Mercantil e Instrumento de Emissão de CCI Escritural Documentação Qualificação de Custodiantes de Ativos Cartulares, Contrato Mercantil e Instrumento de Emissão de CCI Escritural B3 S.A Brasil Bolsa Balcão Superintendência de Depositária Diretoria de Operações

Leia mais

Elaborado por: Aprovado por: Data de Atualização: Manual de Compliance. Regras, procedimentos e controles internos

Elaborado por: Aprovado por: Data de Atualização: Manual de Compliance. Regras, procedimentos e controles internos Elaborado por: Aprovado por: Data de Atualização: Manual de Compliance Regras, procedimentos e controles internos Versão 02 / Junho de 2016 Índice 1) Introdução... 3 2) Papéis e Responsabilidades... 3

Leia mais

Workshop de Supervisão de Mercados Modelo de Supervisão da ANBIMA

Workshop de Supervisão de Mercados Modelo de Supervisão da ANBIMA Workshop de Supervisão de Mercados Modelo de Supervisão da ANBIMA 16.10.2014 AGENDA A ANBIMA Linha do Tempo da Autorregulação Estrutura da Supervisão de Mercados Forma de Atuação da Supervisão de Mercados

Leia mais

DEPOSITÁRIA QUALIFICAÇÃO DE CUSTODIANTES DE ATIVOS CARTULARES E/OU CONTRATO MERCANTIL E/OU CCI ESCRITURAL

DEPOSITÁRIA QUALIFICAÇÃO DE CUSTODIANTES DE ATIVOS CARTULARES E/OU CONTRATO MERCANTIL E/OU CCI ESCRITURAL DEPOSITÁRIA QUALIFICAÇÃO DE CUSTODIANTES DE ATIVOS CARTULARES E/OU CONTRATO MERCANTIL E/OU CCI ESCRITURAL COM O OBJETIVO DE TRAZER MAIOR SEGURANÇA AO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO, A CETIP ATENDENDO UMA

Leia mais

Workshop: Monitoração de Práticas Abusivas de Ofertas,

Workshop: Monitoração de Práticas Abusivas de Ofertas, Workshop: Monitoração de Práticas Abusivas de Ofertas, de PLD e de Controles Internos de Suitability 23 de Novembro de 2016 23/11/2016 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público Agenda Abertura

Leia mais

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016 Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: 05.977.098/0001-55 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho de 2016 Esta Política de Gestão de Riscos ( Política ) é de propriedade exclusiva de Darby Administração

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Estrutura da Área... 4 6. Análise de Risco de Crédito...

Leia mais

Política de Rateio e Divisão de Ordens entre Carteiras de Valores Mobiliários

Política de Rateio e Divisão de Ordens entre Carteiras de Valores Mobiliários CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Apresentação 1.1. A ABM Gestora de Recursos Ltda. ( ABM Capital ) é uma sociedade limitada dedicada à prestação de serviços de administração de carteiras de valores mobiliários, notadamente

Leia mais

Aspectos regulatórios da Instrução CVM nº 558/15. Daniel Maeda CVM/SIN Vera Simões CVM/SIN/GIR

Aspectos regulatórios da Instrução CVM nº 558/15. Daniel Maeda CVM/SIN Vera Simões CVM/SIN/GIR Aspectos regulatórios da Instrução CVM nº 558/15 Daniel Maeda CVM/SIN Vera Simões CVM/SIN/GIR 1 Alerta As opiniões aqui expostas são de responsabilidade do apresentador, não necessariamente refletindo

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS Atualizado em: Jan/12 Última atualização em: Out/13 Este documento rege as atividades desemprenhas pelos Analistas de Valores Mobiliários vinculados a Um Investimentos,

Leia mais

A Lei nº 9.613/98, e alterações posteriores, definem a lavagem como:

A Lei nº 9.613/98, e alterações posteriores, definem a lavagem como: Lei 9613/98 Dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização do sistema financeiro para os ilícitos previstos nesta Lei; Definição de lavagem de dinheiro

Leia mais

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES ÍNDICE I - POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS,

Leia mais

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS a EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS I) Dados cadastrais a) Razão Social: b) CNPJ: c) Inscrição Estadual: d) Inscrição Municipal: e) Endereço: f) Cidade:

Leia mais

Manual do Prestador de Serviços

Manual do Prestador de Serviços Manual do Prestador de Serviços Página 1 de 6 Manual do Prestador de Serviços M. Dias Branco S.A. Manual do Prestador de Serviços Página 2 de 6 ÍNDICE Objetivo 3 Abrangência 3 Código de Ética 3 Instruções

Leia mais

POLÍTICA DE COMBATE E PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO

POLÍTICA DE COMBATE E PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO POLÍTICA DE COMBATE E PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO Este material foi elaborado pela DOMO INVEST Gestora de Ativos Financeiros e Valores Mobiliários Ltda. ( DOMO Invest

Leia mais

Política de Suitability. Janeiro/2012 Versão 4.0

Política de Suitability. Janeiro/2012 Versão 4.0 Política de Suitability Janeiro/2012 Versão 4.0 1. INTRODUÇÃO A presente Política de Suitability disciplina os critérios utilizados pela XP Investimentos para a identificação e monitoramento do perfil

Leia mais

PROCEDIMENTO DE INTERMEDIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

PROCEDIMENTO DE INTERMEDIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS PROCEDIMENTO DE INTERMEDIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 1. OBJETIVO Este documento descreve os procedimentos adotados na atividade de intermediação realizada pelo BNY Mellon Serviços Financeiros DTVM S.A.

Leia mais

Controle Integrado de Riscos. Alexandre da Silva Glüher Vice-Presidente Executivo

Controle Integrado de Riscos. Alexandre da Silva Glüher Vice-Presidente Executivo Alexandre da Silva Glüher Vice-Presidente Executivo 2 Governança de Riscos Controle Integrado de Riscos Apetite a Riscos Conselho Fiscal Comitê de Gestão Integrada de Riscos e Alocação de Capital Assembleia

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO )

MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO ) MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO ) MAIO 2016 OBJETO O presente documento tem por objetivo estabelecer os princípios,

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS ARIA CAPITAL ASSET ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. JUNHO / 2016

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS ARIA CAPITAL ASSET ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. JUNHO / 2016 POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS DA ARIA CAPITAL ASSET ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. JUNHO / 2016 O presente código é de propriedade da Aria Capital Asset, sendo proibida sua reprodução, total ou parcial,

Leia mais

Formulário de Informações Complementares

Formulário de Informações Complementares Formulário de Informações Complementares BTG PACTUAL ABSOLUTO FIQ FIA 09.120.774/0001-20 Outubro 2015 A PRESENTE INSTITUIÇÃO ADERIU AO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA OS FUNDOS DE INVESTIMENTO.

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 23.1.2015 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A. (

Leia mais

I- Contrato de Concessão, à partir da 7ª Rodada de Licitações

I- Contrato de Concessão, à partir da 7ª Rodada de Licitações CREDENCIAMENTO COMO SE TORNAR UMA CERTIFICADORA DE CONTEÚDO LOCAL Coordenadoria de Conteúdo Local ANP Credenciamento de Empresas para Certificação de Conteúdo Local Base Legal: I- Contrato de Concessão,

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API)

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º Estas Diretrizes tem por

Leia mais

Política Formal de Decisão de Investimento

Política Formal de Decisão de Investimento Política Formal de Decisão de KAETÉ INVESTIMENTOS LTDA. Órgão responsável: Comitê de Compliance e Controles Internos Data da atualização: 17 de junho de 2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO 2016 1 Política de Exercício do Direito de Voto Objeto A GERVAL INVESTIMENTOS LTDA. ( GESTOR ) adota a presente política ( POLITICA DE VOTO ), a qual tem por objeto

Leia mais

Política do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES

Política do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES Política do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES Versão 1.0 Sumário Título 1 Apresentação... 2 Título: 2 Do Objetivo... 3 Título: 3 Do Acesso... 4 Título: 4 Dos dependentes... 5 Título:

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

CFO Política de Voto

CFO Política de Voto POLÍTICA DE VOTO ÍNDICE POLÍTICA DE VOTO... 1 1. Introdução e Objetivo... 2 2. Exclusões... 2 3. Princípios Gerais... 2 4. Potencias situações de Conflito de Interesse... 2 5. Da Política de Voto... 3

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO I APLICAÇÃO, OBJETO E PRINCÍPIOS GERAIS

POLÍTICA DE VOTO I APLICAÇÃO, OBJETO E PRINCÍPIOS GERAIS POLÍTICA DE VOTO I APLICAÇÃO, OBJETO E PRINCÍPIOS GERAIS 1.1. O Modal Asset Management Ltda. ( Gestor ), em conformidade ao Código de Auto- Regulação da ANBIMA para os Fundos de Investimento, vem, através

Leia mais

A presente Política está dividida nas seguintes seções:

A presente Política está dividida nas seguintes seções: Assunto Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo Rio Bravo Investimentos DTVM Data 30 de junho de 2016 Páginas. 10 De Rodrigo Gatti e Eros Henriques Dalhe Telefone 3509-6000

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS

MANUAL DE NORMAS DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS MANUAL DE NORMAS DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS O BNY Mellon, na qualidade de intermediário na negociação de valores mobiliários em mercados regulamentados, nos termos da INSTRUÇÃO CVM Nº 505,

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA PARA OS ANALISTAS DE INVESTIMENTOS DA SOLIDUS S.A. CCVM

NORMAS DE CONDUTA PARA OS ANALISTAS DE INVESTIMENTOS DA SOLIDUS S.A. CCVM NORMAS DE CONDUTA PARA OS ANALISTAS DE INVESTIMENTOS DA SOLIDUS S.A. CCVM 1. OBJETIVOS O objetivo das Normas de Conduta é estabelecer os procedimentos necessários para o exercício das atividades dos Analistas

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 DE ACORDO Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 APROVADO POR Dr. Renato

Leia mais

Política de Investimento Pessoal

Política de Investimento Pessoal Política de Investimento Pessoal Introdução Com fundamento no art. 16, IX, da Instrução CVM n.º 558/15, o objetivo da política de investimento pessoal é estabelecer procedimentos e regras para os investimentos

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A 1 1. SUMÁRIO Em atendimento a Instrução CVM nº 558, o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. (doravante denominado simplesmente

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA. Versão: Junho/2016 CAPÍTULO I Definição e Finalidade 1.1 A presente Política

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2º Semestre de 2017

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2º Semestre de 2017 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2º Semestre de 2017 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora.

Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora. GLOSSÁRIO Administradora Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Agente Autorizado Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora. Ativos do

Leia mais

Alkanza Manual de Procedimentos POLÍTICA ESPECÍFICA

Alkanza Manual de Procedimentos POLÍTICA ESPECÍFICA Manual de Procedimentos POLÍTICA ESPECÍFICA M A N U A L D E P R O C E D I M E N T O S A L K A N Z A I OPERACIONAL 1. FINALIDADE Apresentar os critérios básicos e regulamentares relacionadas à atividade

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA EM SEGUROS 1º Semestre de 2017

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA EM SEGUROS 1º Semestre de 2017 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA EM SEGUROS 1º Semestre de 2017 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas

Leia mais

Manual de Movimentação Cadastral

Manual de Movimentação Cadastral Manual de Movimentação Cadastral 1. Objetivo; 2. Processo; 3. Datas de vigência e datas de cadastro; 4. Cadastro de novo Subestipulante; 4.1 Filiais; 4.2 Prestador de Serviços; 5. Inclusões de Segurados;

Leia mais

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 483, de 06 de Julho de 2010, que dispõe sobre a atividade do profissional de Análise de Valores Mobiliários.

Leia mais

#pública BB SEGURIDADE Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro, ao Financiamento do Terrorismo e à Corrupção

#pública BB SEGURIDADE Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro, ao Financiamento do Terrorismo e à Corrupção 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Diretoria de Governança, Risco e Compliance. 2 Abrangência 2.1 Esta Política aplica-se à BB Seguridade Participações S.A. ( BB Seguridade ou Companhia ) e suas subsidiárias

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CADASTRAMENTO SIMPLIFICADO DE INVESTIDOR NÃO RESIDENTE

MANUAL DE NORMAS CADASTRAMENTO SIMPLIFICADO DE INVESTIDOR NÃO RESIDENTE MANUAL DE NORMAS CADASTRAMENTO SIMPLIFICADO DE INVESTIDOR NÃO RESIDENTE VERSÃO: 01/7/2008 2/10 MANUAL DE NORMAS CADASTRAMENTO SIMPLIFICADO DE INVESTIDOR NÃO RESIDENTE ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO

Leia mais

CB.POL a. 1 / 7

CB.POL a. 1 / 7 CB.POL-.01 4 a. 1 / 7 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção do Sistema de Controles Internos integrado ao Gerenciamento de

Leia mais

SCG I FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º / ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE QUOTISTAS REALIZADA EM 22 DE SETEMBRO DE 2014

SCG I FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º / ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE QUOTISTAS REALIZADA EM 22 DE SETEMBRO DE 2014 SCG I FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º 11.003.204/0001-00 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE QUOTISTAS REALIZADA EM 22 DE SETEMBRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Aos 22 dias do mês de setembro do

Leia mais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais (versão 01/2016) Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Vínculos... 1

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho/2016 Sócios / Administração 1 / 7 Índice 1. Objetivo... 3 2. Estrutura... 3 a. Comitê de Risco... 3 3. Risco de Preço... 4 4. Risco de Liquidez e Concentração... 4 5.

Leia mais

Política de. Compliance, Controles Internos e. Prevenção à Lavagem de Dinheiro

Política de. Compliance, Controles Internos e. Prevenção à Lavagem de Dinheiro Política de Compliance, Controles Internos e Prevenção à Lavagem de Dinheiro Documento confidencial - Circulação restrita Compliance e Controles Internos Outubro / 2012 31/12/2015 02 2 ÍNDICE ASSUNTO PAG

Leia mais

ANEXO I DO EDITAL 2.128/15-CRS

ANEXO I DO EDITAL 2.128/15-CRS ANEXO I DO EDITAL 2.128/15-CRS PMPR/CRS/CONCURSO SOLDADO PM (Ref: Edital 004/2005-CRS) FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES Referência ano: NOME: RG : R.G: U.F.: NOME: DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO DEPENDENTE

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL DO CARTÃO BI CARD CONSIGNADO GOV. RIO DE JANEIRO

ROTEIRO OPERACIONAL DO CARTÃO BI CARD CONSIGNADO GOV. RIO DE JANEIRO 1. PUBLICO ALVO O publico alvo é constituído por servidores ativos e inativos do Governo do Estado do Rio de Janeiro com o objetivo de concessão do Cartão BI CARD possibilitando saque antecipado, saques

Leia mais

SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DTVM S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO DO INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS

SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DTVM S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO DO INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DTVM S.A. Elaborado ou Revisado por: Fabio Traldi Próxima Revisão: 30/05/2018 Aprovado por: Leopoldo Barretto Aprovado ou Revisado Em: 30/05/2017 REGRAS DE ATUAÇÃO DO INTERMEDIÁRIO

Leia mais

Políticas, Normas e Procedimentos Administrativos

Políticas, Normas e Procedimentos Administrativos 1. Objetivo Este procedimento tem o objetivo de estabelecer as diretrizes para a gestão dos parceiros comerciais. 2. Área de aplicação Todos os Gestores que são responsáveis por contratação e relacionamento

Leia mais

Brasil AM - Exercício de Direito de Voto

Brasil AM - Exercício de Direito de Voto Brasil AM - Exercício de Direito de Voto Classificação: Legal, Compliance, Governance & Ethics Objetivo da Política: O objetivo desta política é estabelecer princípios que deverão ser observados pela BTG

Leia mais

MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MAIO 2016 Sumário Introdução... 3 Abrangência... 3 Risco de mercado... 3 Risco de Liquidez... 4 Risco de Crédito... 4 Risco operacional... 5 Organograma...

Leia mais