POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS"

Transcrição

1 POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS Última atualização: 01/09/2016 EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pelas áreas de Compliance, TI e Administrativo. Aprovado e revisado pelo Comitê de Compliance. A reprodução e a distribuição desta Política fora do MODAL sem a devida autorização é terminantemente proibida e constitui uma violação da política de controles internos.

2 ÍNDICE OBJETIVO 3 ABRANGÊNCIA 3 BASE LEGAL 3 CONCORRÊNCIA E APROVAÇÃO 3 PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIROS - OUTSOURSING 4 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUALIFICADOS 4 PRESTADORES DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE RECURSOS 4 PRESTADORES DE SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO 5 PRESTADORES DE SERVIÇOS DE GUARDA DE DOCUMENTOS 7 DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS 7 AVALIAÇÃO 7 ATUALIZAÇÕES 7

3 OBJETIVO Esta Política tem como objetivo regular o relacionamento e aprovação de novos prestadores de serviço contratados pelo Modal, regendo as condições mínimas de manutenção de relacionamento e os critérios para que um prestador de serviço seja aprovado internamente, considerando eventuais situações de risco para a instituição. ABRANGÊNCIA Esta política deverá ser seguida por todas as empresas do Grupo Econômico-Financeiro do Modal e por todas as áreas que necessitarem contratar prestação de serviços de terceiros para a manutenção das atividades. Os critérios de aprovação listados nesta política serão segregados por tipo de serviços, já que cada um exigirá procedimentos distintos tanto para a contratação, quanto para a manutenção deste relacionamento. BASE LEGAL Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimentos. Resolução 3.380/06 (Banco Central do Brasil), acerca da implementação de estrutura de gerenciamento de risco operacional. Instrução Normativa CVM nº 356/2001, especialmente, art. 24, inciso XI. Instrução Normativa CVM nº 497/2011 Instrução Normativa CVM nº 558/2015 CONCORRÊNCIA E APROVAÇÃO Todas as atividades que necessitem de apoio de terceiros para a devida manutenção das atividades do Modal, deverão, obrigatoriamente, passar por um processo de aprovação anteriormente a contratação do prestação de serviços. Este processo poderá vir acompanhado ou não de processo de concorrência, em função da necessidade de se obter no mercado os melhores prestadores de serviço para nossa atividade, assim, sempre que for possível abrir concorrência para a verificação dos melhores prestadores de serviço, este procedimento deverá ser utilizado. Caso não seja possível, a área responsável pela contratação deverá justificar as razões para a impossibilidade de abertura de concorrência prévia a contratação. Para cada tipo de serviço serão previstos critérios específicos para a aprovação do contratado junto ao Modal. Tais regras são especificadas abaixo:

4 Prestadores de Serviços Terceiros - Outsoursing É permitida a contratação de empresas para o desenvolvimento de atividades que não são atividades-fim do Modal, assim estas empresas poderão manter profissionais alocados nas dependências do Modal para a realização destes serviços, voltados principalmente para as atividades de TI e Apoio. Procedimentos de contratação pelas áreas: Para a contratação de serviços de terceiros quando da alocação dos profissionais no ambiente do Modal, fica estabelecido que a área contratante deverá solicitar ao Jurídico a formalização ou validação do instrumento contratual (quando aplicável), obtenção das assinaturas nos contratos e documentos pertinentes, solicitação pelo Gente e Gestão do Check List de Terceiros e entrega do Código de Ética com respectiva obtenção do termo de adesão as normas e políticas internas. É necessário que estas áreas realizem controle de contrato com estes prestadores de serviços para a validação do acompanhamento dos timesheets e pagamentos, bem como validade do contrato. Todas as informações relativas a pagamentos deverão ser encaminhadas para a área de Contas a Pagar, que deverá executar a requisição de pagamento, bem como a retenção e pagamentos dos impostos previstos. Prestação de Serviços Qualificados Os serviços qualificados são aqueles prestados por players do mercado financeiro especializados e devidamente autorizados na prestação de serviços de Custódia, Controladoria e Gestão. Tendo em vista a regulamentação em vigor, estes prestadores de serviço, além de características específicas deverão apresentar as informações e documentos relacionados abaixo: Prestadores de serviços de Gestão de Recursos Preenchimento do Questionário Padrão ANBIMA de Due Diligence seções I a III ( * ); Organograma Funcional das áreas de Gestão, Risco e Controles Internos da instituição; Formulário de Referência Atualizado (a partir de 01/07/2016); Procedimentos para Prevenção à Lavagem de Dinheiro; Política de Exercício do Direito de Voto com evidência de registro na ANBIMA (Proxy Voting); Manual com a descrição da metodologia adotada para distribuição de operações negociadas em lotes (quando aplicável); Manual/Metodologia adotada para gerenciamento de riscos de Liquidez, Mercado, Crédito, Operacional, de Concentração e de Contraparte; Código de Ética e Conduta; Política de Rateio e Divisão de Ordens; Organograma societário até o beneficiário final (pessoa física); Atos constitutivos e respectivas últimas alterações arquivadas em registro público;

5 Ato societário em que conste a indicação dos Diretores Estatutários responsáveis pela Gestão de Recursos, Gestão de Risco e Controles; Identidade e CPF dos sócios e do Diretor Estatutário responsável pela Gestão de Recursos Declaração de aplicabilidade das políticas e procedimentos; Declaração de Idoneidade e Inexistência de Processos envolvendo a Instituição Gestora; Ato declaratório CVM autorizando a prestação de serviços de administração de carteiras (instituição e diretor indicado para Gestão de Recursos); e Comprovação de que é associado à Anbima ou de que aderiu ao Código de Autorregulação da ANBIMA (para gestão de FIPs, apresentar o comprovante de adesão ao Código ABVCAP / ANBIMA para o Mercado de FIPs); Formulário FATCA. A documentação e informações relacionadas acima deverão ser previamente analisadas, bem como deverá ser processada a pesquisa de Compliance antes da efetivação da contratação e início do relacionamento e operações. Caso seja verificada qualquer situação atípica, tais informações deverão fazer parte de dossiê específico que será levado ao Comitê de Compliance para deliberação do início ou não do relacionamento. O Compliance se manifestará em até 15 dias da apresentação de todas as informações e documentações acima solicitadas. Prestadores de serviços de Distribuição Os serviços de distribuição também são prestados pelos players do mercado financeiro especializados e devidamente autorizados pelos órgãos reguladores e autorreguladores na prestação de serviços de distribuição de fundos ou demais produtos disponíveis da instituição financeira contratante. Distribuidores autorizados Questionário de Distribuidores; Organograma da instituição, indicando, inclusive, os Diretores indicados para Distribuição, Suitability e Prevenção à Lavagem de Dinheiro; Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Combate ao Financiamento ao Terrorismo; Código de Ética e Conduta; Manual de Compliance; Organograma societário até o beneficiário final (pessoa física); Atos constitutivos e últimas alterações arquivadas em registro público; Declaração de aplicabilidade das políticas e procedimentos; Declaração de Idoneidade e Inexistência de Processos envolvendo o Distribuidor; Ato declaratório CVM autorizando a prestação de distribuição; Política de Suitability ou documento que identifique a metodologia de suitability aplicada; Comprovação de que é associado à Anbima ou de que aderiu ao Código de Autorregulação da ANBIMA de Varejo e/ou Private; Formulário FATCA.

6 Agentes Autônomos de Investimentos (AAI) O Modal atua com AAI para a distribuição de Fundos de Investimento ou outros ativos não classificados como valores mobiliários pelas normas vigentes e devem, obrigatoriamente passar por processo de diligência, cujas informações e documentos seguem listados abaixo: Questionário de Agentes Autônomos de Investimentos; Procedimentos para Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Combate ao Financiamento ao Terrorismo; Código de Ética e Conduta; Atos constitutivos e última alteração contratual arquivada no registro público competente; Identidade e CPF dos sócios; Declaração de aplicabilidade das políticas e procedimentos ( * ); Declaração de existência e disponibilidade de gravações telefônicas sempre que solicitadas pelo Modal (*) Declaração de Idoneidade e Inexistência de Processos envolvendo o AAI (*); Comprovação de credenciamento para prestação de serviços como AAI junto a CVM e Ancord; Cartão CNPJ Declaração que recebeu os documentos Código de Ética, Manual de Suitability e Manual de PLD do Modal O processo de contratação de novos AAI passam, obrigatoriamente, pelas etapas abaixo relacionadas: Entrega das informações e documentos citados acima; Analise das informações e documentos apresentados pelo departamento de Compliance; Verificação do cadastro do AAI junto aos órgãos reguladores; Na eventualidade de identificação de situações que gerem riscos para o Modal, a área de Compliance poderá solicitar adequação de procedimentos ou ainda solicitar aprovação para instâncias superiores, tais quais o Comitê de Compliance ou Diretoria Executiva, quando aplicável; Após a aprovação pelo Compliance, o Jurídico poderá realizar a contratação, cujos documentos relativos aos procedimentos internos, Código de Ética Modal, Política de Suitability e kit cadastral exigido dos clientes, que deverão passar pelo processo de cadastramento e onboarding igual ao dos demais clientes da instituição, conforme previsto na Política de Prevenção a Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo; Solicitar a inclusão do AAI no site da empresa contratante, que deverá ocorrer dentro de 30 dias após a assinatura do contrato; Revisão do site de internet do AAI contratado; Informar ao gestor sobre o início de relacionamento para controle de repasses, quando aplicável. A cada dois anos, o Compliance é responsável por revisar a diligência do AAI, solicitando todas as informações citadas acima e reavaliando qualquer situação que apresente riscos, quando será necessário solicitar novas aprovações, quando aplicável ou ainda prever planos de remediação ou resilição do contrato.

7 A resilição de contrato exige a verificação das posições existentes para o AAI contratado, cujos cotistas ou aplicadores serão comunicados da rescisão do contrato pelo AAI, que deverá solicitar ao cliente confirmação de continuidade ou não das posições existentes com o Modal. Prestadores de Serviços de Guarda de Documentos Os prestadores de serviços de Guarda de Documentos deverão, antes da formalização do contrato, responder ao questionário de diligência, cujas respostas serão analisadas pelo Compliance, bem como apresentar documentos de constituição da empresa e cadastrais de seus sócios. Para os prestadores de Serviços de Guarda Física de Ativos Cartulares será aplicado questionário de diligência específico, bem como comprovantes de seu credenciamento junto ao Custodiantes Centrais (ex. CETIP) Demais prestadores de Serviços Todos os demais prestadores de serviços não listados nesta política que tiverem acesso a informações sigilosas deverão assinar um Acordo de Não Divulgação (Non-Disclosure Agreement ou NDA). Deverão ainda assinar termo de conhecimento ao Código de Ética Modal. Assim, todos os contratos de prestação de serviço deverão manter cláusula específica para este fim. AVALIAÇÃO A área de Compliance, de posse de todos os documentos e informações realizará a análise e pesquisas em bases de dados comerciais a fim de identificar situações que possam trazer risco de imagem para o Modal, que avalia ainda as respostas dadas aos itens previstos nos questionários específicos apresentados, bem como analisa os documentos recebidos. As pesquisas de que trata o parágrafo acima compreendem, mas não se limitando a: Receita Federal Polícia Federal Google Ministério do Trabalho (pendências e lista de trabalho escravo) Listas internacionais de combate ao Terrorismo e Lavagem de Dinheiro Na observação de condições que possam trazer qualquer risco de imagem ao Modal, o Comitê de Compliance poderá solicitar a descontinuidade dos serviços pelo fornecedor. Caso haja risco de descontinuidade do serviço, o distrato poderá ser realizado após a contratação de novo prestador de serviços, cuja análise deverá ser feita antes da sua contratação. ATUALIZAÇÕES

8 Esta política deverá ser objeto de revisão sempre que se verificarem alterações na regulamentação em vigor que afete diretamente este documento.

Política de Seleção e Contratação de Prestadores de Serviços dos Fundos Não Vinculados à Planner

Política de Seleção e Contratação de Prestadores de Serviços dos Fundos Não Vinculados à Planner DC 034-1 Folha 1 de 10 Política de Seleção e Contratação de Prestadores de Serviços dos Fundos Não Vinculados à Planner SUMÁRIO: 1) Introdução... 2 2) Contratação de Gestor... 2 2.1) Carta de Apresentação

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: GERÊNCIA DE RISCOS JULIANA PENTAGNA GUIMARÃES Diretoria da Sociedade LEANDRO SALIBA Diretoria da Sociedade INDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS... 2 3. CONCEITO... 2 4. ABRANGÊNCIA...

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558 1. Objetivo A administração de carteiras de valores mobiliários é o exercício profissional de atividades relacionadas, direta ou indiretamente, ao funcionamento, à manutenção e à gestão de uma carteira

Leia mais

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016 Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: 05.977.098/0001-55 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho de 2016 Esta Política de Gestão de Riscos ( Política ) é de propriedade exclusiva de Darby Administração

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Estrutura da Área... 4 6. Análise de Risco de Crédito...

Leia mais

Workshop da Supervisão do Código de Fundos de Investimento para Administradores, Gestores e Distribuidores. Novembro/2013

Workshop da Supervisão do Código de Fundos de Investimento para Administradores, Gestores e Distribuidores. Novembro/2013 Workshop da Supervisão do Código de Fundos de Investimento para Administradores, Gestores e Distribuidores Novembro/2013 Agenda A ANBIMA Código de Fundos Distribuição via Agentes Autônomos de Investimentos

Leia mais

Manual de Conformidade

Manual de Conformidade Manual de Conformidade Divisão de Conformidade BB Gestão de Recursos DTVM S.A. SUMÁRIO Introdução... 2 Definições... 3 1. Capítulo 1 - Segregação na Administração de Recursos de Terceiros... 4 2. Capítulo

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO > VERSÃO 2 / 8 1. INTRODUÇÃO A Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Combate à Corrupção ( Política ) visa promover a adequação

Leia mais

MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO )

MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO ) MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO ) MAIO 2016 OBJETO O presente documento tem por objetivo estabelecer os princípios,

Leia mais

POLÍTICAS DE TOMADA DE DECISÃO, SELEÇÃO E ALOCAÇÃO DE ATIVOS

POLÍTICAS DE TOMADA DE DECISÃO, SELEÇÃO E ALOCAÇÃO DE ATIVOS POLÍTICAS DE TOMADA DE DECISÃO, SELEÇÃO E ALOCAÇÃO DE ATIVOS Última atualização: 30/06/2016 Produzido pela área de Riscos do Modal Asset Management Aprovado e revisado por Comitê de Risco A reprodução

Leia mais

Assunto Política de Compras e Contratação de Serviços Data 30 de junho de 2016 Páginas 9

Assunto Política de Compras e Contratação de Serviços Data 30 de junho de 2016 Páginas 9 Assunto Política de Compras e Contratação de Serviços Data 30 de junho de 2016 Páginas 9 De Eros Henriques Dalhe e Rodrigo Gatti Telefone 3509 6600 Área Diretoria de Operações Para Administradores, gestores,

Leia mais

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve:

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve: Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 02.09.2016 1. Objetivo: Este procedimento visa regular as atividades dos Agentes Autônomos de Investimento no ambiente da Guide Investimentos

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API)

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º Estas Diretrizes tem por

Leia mais

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Política de Rateio e Divisão de Ordens A política de Rateio e Divisão de Ordens do Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro SMBCB estabelece

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS,

Leia mais

Aspectos regulatórios da Instrução CVM nº 558/15. Daniel Maeda CVM/SIN Vera Simões CVM/SIN/GIR

Aspectos regulatórios da Instrução CVM nº 558/15. Daniel Maeda CVM/SIN Vera Simões CVM/SIN/GIR Aspectos regulatórios da Instrução CVM nº 558/15 Daniel Maeda CVM/SIN Vera Simões CVM/SIN/GIR 1 Alerta As opiniões aqui expostas são de responsabilidade do apresentador, não necessariamente refletindo

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES

POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES Última atualização: 20/06/2016 A reprodução e a distribuição deste Manual fora do MODAL sem a devida autorização

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MATERIAIS PUBLICITÁRIOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MATERIAIS PUBLICITÁRIOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS MATERIAIS PUBLICITÁRIOS Última atualização: Julho de 2016 Produzido pela área de Compliance para as áreas: Comunicação Banco / Comunicação DTVM / Compliance Banco / Compliance DTVM.

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos CM CAPITAL MARKETS ASSET MANAGEMENT LTDA. Data de Atualização: 06/2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações confidenciais e/ou privilegiadas.

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS ÍNDICE POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS... 2 I. Apresentação... 2 II. Abrangência... 2 III. Objetivos... 2 IV. Estrutura... 3 A. Sub- Comitê de Compliance...

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/11 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREA GESTÃO DE COMPRAS/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: CADASTRAR/ATUALIZAR FORNECEDOR (PESSOA FÍSICA, JURÍDICA E ONG S) SICAF/SICONV

Leia mais

Manual de Compliance e Controles Internos Compliance

Manual de Compliance e Controles Internos Compliance Manual de Compliance e Controles Internos Compliance Junho de 2016 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. APLICABILIDADE... 2 3. RESPONSABILIDADES... 2 3.1. ÁREAS INTERNAS 2 3.2. COMPLIANCE 2 3.3. DIRETORIA 2 3.4.

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Última atualização: 18/03/2014 Versão A EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pela área de RH Aprovado e revisado pela Gerência de RH A reprodução e a distribuição

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos CM CAPITAL MARKETS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Data de Atualização: 06/2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações

Leia mais

MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MAIO 2016 Sumário Introdução... 3 Abrangência... 3 Risco de mercado... 3 Risco de Liquidez... 4 Risco de Crédito... 4 Risco operacional... 5 Organograma...

Leia mais

EDITAL. PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2017 Do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental e 1ª e 2ª série do Ensino Médio

EDITAL. PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2017 Do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental e 1ª e 2ª série do Ensino Médio EDITAL PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2017 Do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental e 1ª e 2ª série do Ensino Médio O Diretor Geral do Colégio Santo Inácio, no uso de suas atribuições regimentais

Leia mais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais (versão 01/2016) Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Vínculos... 1

Leia mais

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários (Revisão: Junho 2016) Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Grupo Stratus:... 3 1.2. Atividades do Grupo Stratus:... 3 1.3. A Política:... 3 1.4. Conhecimento

Leia mais

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES Plano de Cargos, Carreiras e Salários Abril de 2013 CONTROLE DE REVISÕES Versão Data Responsável Descrição 0 15/04/2013 Tríade RH Desenvolvimento e Implantação do Plano 1 26/06/2013 Tríade RH Revisão do

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO Sumário INTRODUÇÃO... 3 LAVAGEM DE DINHEIRO... 3 FERRAMENTAS DE COMBATE E PREVENÇÃO AOS CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO... 4 KNOW YOUR CLIENT KYC... 5 MONITORAMENTO...

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO )

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO ) FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º 06.893.041/0001-30 ( FUNDO ) Emissão: 24/06/2016 Periodicidade mínima de divulgação

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

ANEXO À PORTARIA Nº 616/SAS, DE 16 DE MARÇO DE Formulário de Requerimento FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO

ANEXO À PORTARIA Nº 616/SAS, DE 16 DE MARÇO DE Formulário de Requerimento FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO ANEXO À PORTARIA Nº 616/SAS, DE 16 DE MARÇO DE 2016. Formulário de Requerimento FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO Desejo receber comunicações da GEOS/SAS, via Correios, no endereço da sede social da empresa.

Leia mais

#pública BB SEGURIDADE Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro, ao Financiamento do Terrorismo e à Corrupção

#pública BB SEGURIDADE Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro, ao Financiamento do Terrorismo e à Corrupção 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Diretoria de Governança, Risco e Compliance. 2 Abrangência 2.1 Esta Política aplica-se à BB Seguridade Participações S.A. ( BB Seguridade ou Companhia ) e suas subsidiárias

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA 1 NORMAS GERAIS DE ATENDIMENTO OBJETIVO Orientar os recursos credenciados no atendimento prestado aos usuários da Mogidonto e seus dependentes. 1. Cartão

Leia mais

I- Contrato de Concessão, à partir da 7ª Rodada de Licitações

I- Contrato de Concessão, à partir da 7ª Rodada de Licitações CREDENCIAMENTO COMO SE TORNAR UMA CERTIFICADORA DE CONTEÚDO LOCAL Coordenadoria de Conteúdo Local ANP Credenciamento de Empresas para Certificação de Conteúdo Local Base Legal: I- Contrato de Concessão,

Leia mais

Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA

Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA 1 Instrução Normativa 004/2014 A prestação de contas de cada projeto acontecerá conforme o estabelecido na INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos REGULAMENTO PRÓPRIO PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E COMPRAS COM RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO. CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer normas de padronização para aquisição de materiais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes que devem ser observadas na regulamentação, na vigilância e na supervisão das instituições de pagamento e dos arranjos de pagamento

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho/2016 Sócios / Administração 1 / 7 Índice 1. Objetivo... 3 2. Estrutura... 3 a. Comitê de Risco... 3 3. Risco de Preço... 4 4. Risco de Liquidez e Concentração... 4 5.

Leia mais

Workshop: Monitoração de Práticas Abusivas de Ofertas,

Workshop: Monitoração de Práticas Abusivas de Ofertas, Workshop: Monitoração de Práticas Abusivas de Ofertas, de PLD e de Controles Internos de Suitability 23 de Novembro de 2016 23/11/2016 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público Agenda Abertura

Leia mais

SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Cadastro e Habilitação Declaração de Inocorrência

SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Cadastro e Habilitação Declaração de Inocorrência SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Cadastro e Habilitação Declaração de Inocorrência Sumário ORIENTAÇÕES GERAIS... 3 O que são Pessoas Obrigadas... 4 O que é o SISCOAF... 4 Quem deve

Leia mais

DICAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE RECLAMAÇÃO AO MRP

DICAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE RECLAMAÇÃO AO MRP CABEÇALHO: Indicar a cidade e a data de assinatura do formulário. RECLAMANTE: Nome ou Razão Social do investidor RECLAMADA: Razão Social do Participante da BM&FBOVESPA que deu origem ao suposto prejuízo

Leia mais

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES ÍNDICE I - POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS,

Leia mais

Workshop de Supervisão de Mercados Modelo de Supervisão da ANBIMA

Workshop de Supervisão de Mercados Modelo de Supervisão da ANBIMA Workshop de Supervisão de Mercados Modelo de Supervisão da ANBIMA 16.10.2014 AGENDA A ANBIMA Linha do Tempo da Autorregulação Estrutura da Supervisão de Mercados Forma de Atuação da Supervisão de Mercados

Leia mais

AC.1.PGP.EVENTOS PÁGINA: 1 / 7

AC.1.PGP.EVENTOS PÁGINA: 1 / 7 TÍTULO: PADRÃO GERENCIAL DE PROCESSO Nº: 1 / 7 PGP REALIZAÇÃO E APROVAÇÃO DE EVENTOS DATA DE APROVAÇÃO: 30.03.2016 1. INTRODUÇÃO Algumas atividades da Companhia envolvem o estabelecimento de atos, contratos,

Leia mais

Comunicado Cetip n 044/ de abril de 2014

Comunicado Cetip n 044/ de abril de 2014 Comunicado Cetip n 044/2014 29 de abril de 2014 Assunto: Divulgação do Ofício Circular CVM/SMI/Nº 002/2014, referente à Instrução CVM Nº 542/2013 Art. 21, 1º O Diretor-Presidente da CETIP S.A. MERCADOS

Leia mais

Política de Precificação de Ativos

Política de Precificação de Ativos Política de Precificação de Ativos 1 SUMÁRIO I. OBJETIVO... 3 II. DEFINIÇÕES... 3 III. PRINCÍPIOS E DIRETRIZES... 3 IV. METODOLOGIA... 5 V. APROVAÇÃO... 7 2 I. OBJETIVO Este documento tem como objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Junho 2016

Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. IDENTIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS RISCOS... 3 4.

Leia mais

HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL. Rio de Janeiro, Junho de SP v1

HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL. Rio de Janeiro, Junho de SP v1 HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL Rio de Janeiro, Junho de 2016. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL 1.1. Introdução O objetivo desta política é descrever as normas e procedimentos

Leia mais

GUIA DE REGISTRO EMISSÃO DE COTAS DE FIDCs

GUIA DE REGISTRO EMISSÃO DE COTAS DE FIDCs GUIA DE REGISTRO EMISSÃO DE COTAS DE FIDCs 01/07/2010 ABRANGÊNCIA De acordo com o Art. 1º do Código ANBID de Regulação e Melhores Práticas para Fundos de Investimento ( Código ), o registro de FIDC, FICFIDC

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 23.1.2015 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A. (

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Novembro 2015 1. Introdução Este manual de gerenciamento de risco de liquidez foi criado pela equipe da Spectra Investimentos e visa atender os requerimentos

Leia mais

Rua Imaculada Conceição, 1155 Prado Velho Curitiba, Paraná CEP: Fone (41)

Rua Imaculada Conceição, 1155 Prado Velho Curitiba, Paraná CEP: Fone (41) 1 EDITAL N.º 02/2016 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA O CURSO LIVRE DE INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA O Mário Cristóvão - TECPUC, mantido pela, torna pública a abertura do processo de matrícula para

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO Agosto / 2015 SUMÁRIO I) INTRODUÇÃO... 2 II) METODOLOGIA PARA DISTRIBUIÇÃO DE ORDENS... 2 III) METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 3

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS Junho, 2016 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. COMITÊ DE RISCO e CONTROLES INTERNOS... 3 3. ORGANOGRAMA... 3 4. RISCO DE CRÉDITO... 4 5. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 6. RISCO DE CONTRAPARTE...

Leia mais

Regulamento Interno Para Bolsas PCI

Regulamento Interno Para Bolsas PCI Regulamento Interno Para Bolsas PCI Introdução Este documento contém a regulamentação para o uso de bolsas do Programa de Capacitação Institucional PCI no. São estabelecidas regras para a solicitação de

Leia mais

Associação Paranaense de Cultura Centro de Educação Profissional Irmão Mário Cristóvão-TECPUC

Associação Paranaense de Cultura Centro de Educação Profissional Irmão Mário Cristóvão-TECPUC EDITAL N.º 01/2016 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO O Centro de Educação Profissional Irmão Mário Cristóvão - TECPUC, mantido pela

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais

DISPENSA DE LICITAÇÃO

DISPENSA DE LICITAÇÃO DISPENSA DE LICITAÇÃO Processo: Secretaria: Empresa: CNPJ: Objeto: LISTA DE VERIFICAÇÕES Justificativa - deverá ser elaborada pela Secretaria Requisitante, a qual identificará a necessidade administrativa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 Institui linha de crédito denominada PROGER Urbano Micro e Pequena Empresa Capital de Giro, no âmbito do Programa de Geração

Leia mais

Política de. Compliance, Controles Internos e. Prevenção à Lavagem de Dinheiro

Política de. Compliance, Controles Internos e. Prevenção à Lavagem de Dinheiro Política de Compliance, Controles Internos e Prevenção à Lavagem de Dinheiro Documento confidencial - Circulação restrita Compliance e Controles Internos Outubro / 2012 31/12/2015 02 2 ÍNDICE ASSUNTO PAG

Leia mais

Treinamento Cadastro Positivo Empresas. Junho/15

Treinamento Cadastro Positivo Empresas. Junho/15 Treinamento Cadastro Positivo Empresas Junho/15 Agenda 1 Lei do Cadastro Positivo 2 O compartilhamento de dados hoje 3 O que muda no Relato com a lei 4 Prazos e Ações 5 Próximos Passos 2 O que é Cadastro

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A 1 1. SUMÁRIO Em atendimento a Instrução CVM nº 558, o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. (doravante denominado simplesmente

Leia mais

Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado

Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado Julho/2015 Conteúdo 1. BASE LEGAL... 2 1.1. NORMAS... 2 1.2. OUTRAS NORMAS RELACIONADAS... 4 2. NORMAS ADMINISTRATIVAS APLICÁVEIS... 5 1.

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS

MANUAL DE NORMAS DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS MANUAL DE NORMAS DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS O BNY Mellon, na qualidade de intermediário na negociação de valores mobiliários em mercados regulamentados, nos termos da INSTRUÇÃO CVM Nº 505,

Leia mais

Roteiro Operacional Última atualização 06/02/2015

Roteiro Operacional Última atualização 06/02/2015 Roteiro Operacional Última atualização 06/02/2015 1. Público alvo 1.1 Atendidos - Aposentados e pensionistas do INSS -Códigos Benefícios- 1.2 Não atendidos -Códigos Benefícios- RESUMO DE CÓDIGOS NÃO CONSIGNÁVEIS

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: envio de 1 (uma) via do formulário devidamente preenchido

Leia mais

CB.POL a. 1 / 7

CB.POL a. 1 / 7 CB.POL-.01 4 a. 1 / 7 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção do Sistema de Controles Internos integrado ao Gerenciamento de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de 2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1. Introdução O objetivo desta política é descrever as normas e os procedimentos

Leia mais

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO INVESTIMENTOS DE ORDENS DA SOMMA

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO INVESTIMENTOS DE ORDENS DA SOMMA POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS DA SOMMA INVESTIMENTOS OBJETIVO O objetivo desta política é definir a metodologia de rateio e divisão de ordens referentes a todos os ativos financeiros negociados

Leia mais

Regras de Atuação para Agentes Autônomos. Responsabilidades e Vedações Regulatórias.

Regras de Atuação para Agentes Autônomos. Responsabilidades e Vedações Regulatórias. Regras de Atuação para Agentes Autônomos O presente documento visa estabelecer as regras de conduta e controles internos a serem adotados pelos Agentes Autônomos de Investimento contratados pela Votorantim

Leia mais

Com o intuito de orientar e facilitar a adesão do BHBUS, seguem abaixo Instruções de Preenchimento da Documentação Obrigatória:

Com o intuito de orientar e facilitar a adesão do BHBUS, seguem abaixo Instruções de Preenchimento da Documentação Obrigatória: Prezado cliente, Com o intuito de orientar e facilitar a adesão do BHBUS, seguem abaixo Instruções de Preenchimento da Documentação Obrigatória: CONTRATO DE CESSÃO - Deverão ser enviadas duas vias originais

Leia mais

REGULAMENTO PARCELAMENTO ESPECIAL UNINTER GRADUAÇÃO PRESENCIAL

REGULAMENTO PARCELAMENTO ESPECIAL UNINTER GRADUAÇÃO PRESENCIAL REGULAMENTO PARCELAMENTO ESPECIAL UNINTER GRADUAÇÃO PRESENCIAL 1. Descrição Geral do Programa: O Programa de Parcelamento Especial UNINTER ( Programa ) consiste na oferta de uma condição diferenciada para

Leia mais

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades:

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades: POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS A BAF Investimentos Ltda. ("BAF") tem como filosofia ser conservadora em sua atuação, visando à gestão eficiente dos riscos intrínsecos as suas atividades. Nesse sentido, os

Leia mais

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo Dezembro 2015 O serviço refere-se ao processo de depósito de valores mobiliários (ativos) na Central Depositária da BM&FBOVESPA, sem que estejam admitidos à negociação em sua plataforma eletrônica. O oferece

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Política de Gerenciamento de Capital Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Fato Relevante. Por meio do referido Termo de Compromisso, as Partes concordaram em:

Fato Relevante. Por meio do referido Termo de Compromisso, as Partes concordaram em: Fato Relevante A Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. ( Companhia, Taesa ) vem, com base no 4 do art. 157 da Lei n 6.404/76 e na Instrução CVM n 358/02, comunicar aos seus acionistas, ao mercado

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÕES E GESTÃO DE CONTRATOS DA FACEPI

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÕES E GESTÃO DE CONTRATOS DA FACEPI PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÕES E GESTÃO DE CONTRATOS DA FACEPI SUMÁRIO 1 Objetivo... 03 2 Competência e responsabilidade... 03 3 Forma de execução... 03 4 - Cadastro de fornecedores... 04 5 Documentação

Leia mais

CONTRATAÇÃO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Políticas

CONTRATAÇÃO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Políticas Esta política estabelece diretrizes que serão aplicadas no Morena Rosa Group, cabendo a todas as áreas envolvidas no processo e citadas neste documento a responsabilidade pelo seu cumprimento. CONTRATAÇÃO

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação:

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: 304-16 Em conformidade com o Regulamento de Compras e Contratações de Obras e Serviços da Organização Social de Cultura Associação Amigos do Projeto Guri, decreto nº.

Leia mais

Diretoria de Governo. Gerência de Negócios com o Setor Público. - Junho/2009 -

Diretoria de Governo. Gerência de Negócios com o Setor Público. - Junho/2009 - Diretoria de Governo Gerência de Negócios com o Setor Público - Junho/2009 - AGENDA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Modalidades: PROVIAS CAMINHO DA ESCOLA FLUXO OPERACIONAL MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PLEITOS: PARCERIAS

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES 08.892.340/0001-86 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO CA INDOSUEZ WEALTH (BRAZIL) S.A DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE VOTO CA INDOSUEZ WEALTH (BRAZIL) S.A DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE VOTO CA INDOSUEZ WEALTH (BRAZIL) S.A DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A CA INDOSUEZ WEALTH (BRAZIL) S.A DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS ( Gestora ), gestora de

Leia mais

2ª CHAMADA AO I EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE CONSULTORES CERNE 2 12 a 18 de janeiro de 2016

2ª CHAMADA AO I EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE CONSULTORES CERNE 2 12 a 18 de janeiro de 2016 2ª CHAMADA AO I EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE CONSULTORES CERNE 2 12 a 18 de janeiro de 2016 1. APRESENTAÇÃO A Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC), com sede

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. Código do Fundo: 41633 Nome do Fundo: ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA PRÉ LONGO P CNPJ: 07104761000132 Administrador: BANCO

Leia mais

Bairro* Cidade* UF País. Telefone (DDD)* É uma instituição financeira participante? Caso afirmativo, informaro nº do GIN:

Bairro* Cidade* UF País. Telefone (DDD)* É uma instituição financeira participante? Caso afirmativo, informaro nº do GIN: Dados Cadastro 1º Cadastro Renovação Dados Cadastrais Razão Social* (sem abreviações) CNPJ* Nome fantasia Data da constituição Telefone residencial (DDD)* Fax (DDD)* Pessoa de contato Cargo Telefone (DDD)*

Leia mais