A Vision Tracking System for Robotic Wheelchairs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Vision Tracking System for Robotic Wheelchairs"

Transcrição

1 A Vision Tracking System for Robotic Wheelchairs Fernando Paolieri Neto, Clésio Luis Tozzi Departamento de Engenharia de Computação e Automação Industrial Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas Campinas, SP, Brasil {fernando, Abstract This paper describes a system that is capable of track a target and control a smart wheelchair in order to follow a person in front of it using only a single camera. To accomplish it a system using Image Processing techniques and an iterative fuzzy logic controller was implemented. A prototype was developed and a mobile robot was used as a substitute of a smart wheelchair as it offers the same characteristics regarding actuators (kinematic and dynamic models), computer and sensors. Keywords Computer Vision, Mobile Robots, Fuzzy Controller, Image Processing, Robotic Vision. I. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas tem se observado no mundo, um aumento da expectativa de vida e consequentemente o aumento da população idosa, de acordo com os dados do IBGE, 10% da população brasileira no ano de 2010 possuía idade acima de 60 anos [1]. Em uma parte significativa da população idosa, foi observado a redução na sua capacidade de locomoção, com dependência de terceiros, acarretando redução da qualidade de vida deste idoso. Devido a este fato se faz necessário a presença de um cuidador para acompanhar o idoso em sua cadeira de rodas e se responsabilizar, além da condução da mesma, também por ações como a de abrir portas, apertar os botões dos elevadores e outras tarefas vinculadas ao cuidado com o idoso. As cadeiras de rodas motorizadas apresentam-se como uma solução adequada para a redução da atividade de condução do cuidador, entretanto ela só é viável nos casos em que o idoso é capaz de conduzir a cadeira. A solução para os casos de impossibilidade de condução pelo idoso, tem sido buscada através do desenvolvimento da cadeira de rodas inteligente [2, 3], que consiste numa cadeira de rodas motorizada integrada com atuadores, sensores de distância (sonar e laser) e câmeras, todos controlados pelo computador que através de programas, buscam entender o meio em que se encontram e auxiliar na navegação, seja em ambientes conhecidos ou desconhecidos. Neste contexto de cadeiras de rodas inteligentes a revisão bibliográfica mostra que a pesquisa se concentra majoritariamente na questão de desvios de obstáculos e de interfaces amigáveis [4]. Entretanto, dado que o idoso que utiliza a cadeira de rodas está quase sempre acompanhado de um cuidador, se faz interessante considerar a possibilidade de incorporar a cadeira inteligente, a capacidade de seguimento (tracking) autônomo de um alvo, no caso o próprio cuidador, que se desloca à frente, ou ao lado da cadeira e fica liberado para outras tarefas, ou mesmo para condução de múltiplas cadeiras simultaneamente. Este artigo busca demonstrar um método de controle de uma cadeira de rodas de forma autônoma para o acompanhamento de uma pessoa (por exemplo um cuidador). II. TRABALHOS RELACIONADOS Os trabalhos encontrados na literatura, de modo geral, propõe soluções específicas para as condições do uso de cadeiras de rodas inteligentes, por exemplo visita a locais estruturados (museus, shoppings, entre outros). Dentre estes trabalhos destacam-se dois deles, um apresentado por Shibusawa [5] e outro apresentado por Kobayashi [6]. No trabalho proposto por Shibusawa é descrita uma solução em que uma cadeira de rodas inteligente equipada com câmeras, sensores de distância laser e um computador de bordo, oferece ao usuário as condições necessárias para locomoção e apreciação de obras de arte em um museu. A solução é focada em comportamentos onde o acompanhante é rastreado o tempo todo por uma câmera lateral, e quando este vira o rosto para apreciar uma obra, a cadeira de rodas inteligente tenta se posicionar de forma adequada para que o usuário da cadeira possa apreciar a obra. No trabalho apresentado por Kobayashi é apresentada uma solução para o problema de rastreamento do acompanhante utilizando uma câmera omnidirecional em conjunto com um sensor de distância laser. Baseado nos trabalhos citados, propõe-se aqui a implementação e avaliação de um sistema de seguimento para cadeiras de rodas inteligentes considerando o uso de apenas uma câmera de video. Espera-se como resultado desta abordagem a implementação de um sistema eficiente, de baixo custo e significativo ganho para usuário e cuidador, contribuindo para disseminar e tornar acessível este recurso que facilita o dia a dia dos usuários de cadeira de rodas. III. SIMULAÇÃO DA CADEIRA DE RODAS Uma cadeira de rodas inteligente é definida como instrumento capaz de monitorar o ambiente em que se encontra a partir de sensores, e se mover de forma autônoma. Em sua essência esta definição se assemelha em diversos aspectos a definição de um robô móvel, portanto para o desenvolvimento e avaliação deste trabalho foi utilizado um robô móvel com

2 Figura 2: Diagrama de Pacotes Figura 1: Robô Pioneer P3DX IV. o mesmo modelo cinemático e dinâmico de uma cadeira de rodas inteligente. O robô móvel utilizado foi o robô da Pioneer P3DX da empresa Mobile Robots (ilustrado pela Figura 1). O robô P3DX possui 16 sonares responsáveis por perceber o ambiente a seu redor, dois motores diferenciais (um para a roda esquerda e um para roda direita) e uma roda central com eixo giratório. A. Controlando o robô móvel a partir do PC O robô móvel P3DX da Mobile Robots é compatível com a biblioteca ARIA (fornecida também pela Mobile Robots) e ela é capaz de enviar comandos para o robô através da interface serial do robô P3DX. A biblioteca ARIA possuí funcionalidades relacionadas a todos os periféricos existentes em todos os robôs fornecidos pela Mobile Robots, por este motivo apenas os comandos relacionados a movimentação do robô P3DX foram utilizados. Comandos utilizados: setvel - Imprime uma velocidade de translação no robô móvel. setrotvel - Imprime uma velocidade de rotação. B. Computador de bordo Embora o robô P3DX possua computador de bordo, este recurso nativo não foi utilizado em decorrência da baixa capacidade computacional do processador, insuficiente para a implementação de aplicativo que possibilite o rastreamento de uma pessoa em tempo real e controle de um robô móvel. Desta forma a solução utilizada desconsidera o computador de bordo do P3DX e utiliza para processamento um notebook colocado sobre o P3DX. O notebook, que atua como computador de bordo, é ligado ao robô através de sua interface serial e sua webcam é usada como câmera de bordo. Desta maneira a latência entre a webcam e o computador é mínima, bem como a latência entre o computador e os motores do robô móvel. S ISTEMA DE ACOMPANHAMENTO O sistema de acompanhamento de um alvo móvel deve ser capaz de caracterizar um alvo (a partir da identificação) e acompanhá-lo ao longo do trajeto. A identificação pode ser realizada pelo próprio usuário, utilizando técnicas de BCI ( Brain Computer Interface ), supondo que o paciente não possuí capacidades motoras para faze-lo, ou até mesmo pelo próprio cuidador a partir de um dispositivo externo (um tablet por exemplo). Este sistema foi organizado em quatro pacotes: Controlador, Segmentador, Classificador e Supervisor, ilustrado pela Figura 2 que representa um diagrama de pacotes UML [7]. A execução do sistema de acompanhamento é descrito através do diagrama UML de atividades ilustrado pela Figura 3. O funcionamento do sistema se inicia pela seleção do alvo, que é uma tarefa executada pelo usuário, que deve selecionar uma região dentro de um quadro adquirido pela câmera, onde as cores alvo serão amostradas. Com as cores amostradas, a tarefa seguinte é caracterizar o alvo extraindo os histogramas que descrevem as cores existentes na região amostrada (nos canais de Matiz, Saturação e Intensidade). Uma vez caracterizado o alvo através de seu histograma de cores, tem início o ciclo de acompanhamento propriamente dito. Este ciclo é realizado de forma iterativa e consiste em: 1) Segmentação do quadro adquirido e a extração das regiões da imagem com cor similar a do alvo (segmentação por similaridade de histograma); 2) Classificação das regiões extraídas e identificação do alvo entre quadros (uso de morfologia matemática e filtro de Kalman); 3) Determinação da posição do alvo na imagem, expressa pelo centro de massa da região correspondente ao alvo; 4) Controle dos atuadores para reposicionamento do robô (controlador de lógica fuzzy); 5) Atualização da descrição do alvo a partir da imagem atual para compensação de variações de iluminação e alterações de cena. 6) Aquisição do novo quadro;

3 incompleto por conta de pequenas variações de iluminação ou por deformações do mesmo (por exemplo uma vestimenta não rígida), para resolver este problema e também eliminar falsos positivos, é aplicado um filtro de abertura em área e em seguida um filtro de fechamento para completar a representação do alvo [8]. A. Segmentação do alvo Figura 3: Diagrama de Atividades O processo de caracterização utiliza um método baseado em histogramas que caracteriza o alvo baseado nos tons que ele possuí, e como esta mudança não é grande em curtos espaços de tempo é possível garantir que este ton não varia significativamente de um quadro para o outro. O histograma em cada um dos canais é normalizado com valores de 0 até 1 para ser usado como filtro na imagem adquirida, ou seja, cada elemento I[x], sendo I a imagem de entrada e x o universo que compõe a posição de todos os pixels de I de cada um dos canais, haverá um elemento I [x] que representa o valor de I[x] no histograma H, ou seja, H[I[x]] (ilustrado pela equação 1) gerando assim, três canais (H,S e V ) onde o valor dos elementos diferente de zero representam tons encontrados no histograma e sua magnitude representa a incidência desta cor no histograma. I [x] = H[I[x]] (1) Como resultado serão gerada três imagens (I [x] no canal H,S e V ) que são combinadas usando uma operação de união morfológica (operação de mínimo) como descrito pela equação 2 e uma operação de limiar t é aplicada definindo um valor de incidência mínima: G = R G B = min(min(h, S ), I ) (2) A imagem gerada contém o alvo, porém o alvo pode estar B. Classificação do alvo Com o resultado da segmentação é gerado uma imagem binária com um conjunto de blobs, sendo que um deles representa o alvo. Na primeira iteração o alvo será o blob mais próximo da região demarcada pelo usuário, e nas seguintes ela será determinada pela previsão da posição do centróide e seu erro, através do filtro de Kalman. O centróide do alvo é descrito a partir de uma posição em um espaço bi-dimensional (no caso a tela), a posição é dada por (L, C), ou seja linha e coluna. E a velocidade do objeto posicionado em (L,C) é descrito como (L V, C V ), ou seja velocidade no eixo vertical e velocidade no eixo horizontal. Estes valores são estimados a partir da diferença da posição no quadro anterior, em uma relação entre o quadro atual e o quadro seguinte. O filtro de Kalman [9] foi modelado utilizando a equação 3: L i C i L V i C V i = L i 1 C i 1 L V i 1 C V i 1 (3) C. Determinação da posição do alvo e controle dos atuadores O filtro de Kalman é capaz de estimar a posição do alvo no quadro seguinte auxiliando na determinação do alvo na imagem adquirida através da câmera, esta posição não descreve a direção do alvo em relação ao robô, apenas descreve a direção do alvo em relação a câmera, como pode ser visualizado na Figura 4. Mas como a câmera e o robô estão alinhados no mesmo eixo é possível dizer que se o alvo está a direita da câmera ele também está a direita do robô e assim por diante. Por conta desta restrição um controlador fuzzy iterativo é proposto: O controlador fuzzy proposto possui três entradas (P,dP e A) e duas saídas (H e V ), onde C representa a coluna descrita a partir do centroíde (determinada na etapa de classificação), dc derivada de C em relação ao tempo, A representa uma referência do crescimento da região que está sendo rastreada, H velocidade de rotação e V velocidade de translação. O controlador fuzzy utilizado foi implementado a partir da proposta de Mamdani e tem as funções de pertinência descritas pelas Figuras 5 e 6, suas regras fuzzy descritas pelas tabelas I e II. A tarefa de de-fuzificação de H e V foi realizada atravéz da multiplicação de uma constante Hk e V k assim a velocidade passada para o robô Hr e V r pode ser determinada a partir das equações 4 e 5. Onde Hk e V k são valores experimentais, no contexto deste trabalho foram usados Hk = 20 graus/sec e V k = 150 mm/sec.

4 (a) P Figura 4: Relação entre a câmera e o robô na determinação da direção do alvo. (b) dp Hr = H Hk (4) V r = V V k (5) dp P E M D E ME E M M E M D D M D MD Tabela I: Regras de P e dp para controle de H. (c) A Figura 5: Funções de pertinência dos conjuntos fuzzy de entrada. Entrada A: Maior Mantém Menor Saída V : Parado Normal Rápido Tabela II: Regras de A para controle de V. Assim, o histograma que descreve o alvo é atualizado a cada iteração, levando em consideração pequenas variações, tornando assim, o algoritmo tolerante a pequenas variações de iluminação a partir de uma adaptação iterativa. D. Atualização da descrição Após cada ciclo, uma nova imagem é adquirida e segmentada usando o algoritmo descrito na sessão IV-A, e um novo histograma é calculado a partir da imagem adquirida, utilizando a região segmentada como máscara (apenas os pixels existentes no processo de segmentação serão considerados no cálculo do novo histograma). Deste modo, o histograma usado na descrição do alvo é atualizado utilizando a equação 6: H t [v] = H t 1 [v] k + H a [v] (1 k) (6) Onde H t representa o histograma no instante t, H a representa o histograma dos pontos referentes a região encontrada do alvo no quadro atual e k representa o fator de adaptação. V. RESULTADOS O sistema foi avaliado de duas formas, a primeira é focada no sistema de rastreamento visual e a segunda focada no controle dos atuadores. A primeira avaliação foi feita utilizando a câmera fixa e os motores desligados, e uma pessoa realizava movimentos complexos em frente a câmera de forma a testar a robustez do algoritmo de rastreamento. A Figura 7 descreve o comportamento do centróide do alvo ao longo do tempo junto com os valores previstos pelo filtro de Kalman e corrigidos. O erro médio do filtro de Kalman foi de 6, 6 pixels na linha e 3, 6 na coluna com um desvio padrão de 9, 3 na linha e 10, 3 na coluna. A segunda avaliação foi realizada com dois robôs móveis, o robô 1 representa o alvo e o robô 2 representa a cadeira

5 (a) H Figura 8: Representação da distância do alvo durante o processo de rastreamento. (b) V Figura 6: Funções de pertinência dos conjuntos fuzzy de saída. Figura 7: Representação do comportamento do alvo durante a avaliação. VI. CONCLUSÃO Num primeiro instante um sistema de acompanhamento ou uma sequência de tarefas que se interligam, parece ser algo trivial de se realizar, mas na realidade não é o que acontece. Existem os problemas como variação de iluminação, oclusão do alvo, a taxa de captura de quadros, variação de textura que afetam diretamente a robustez do sistema. Na implementação realizada, quando apareceram estes problemas eles foram à medida do possível sanados e quando não foi possível, foram reduzidos, para obter um desempenho aceitável. Este trabalho se difere dos demais pelo uso de apenas câmeras simples para o rastreamento do alvo, diminuindo o custo da implementação do sistema. Nos testes realizados foi possível verificar que o sistema proposto é robusto a movimentos complexos em combinação com pequenas variações de iluminação e que o controlador é capaz de acompanhar o alvo mantendo uma distância constante. Para se determinar concretamente a capacidade de rastreamento do sistema proposto em condições reais de uso, se faz necessário que mais testes sejam realizados como o uso de robôs em ambientes externos. REFERÊNCIAS de rodas. O robô 1 (alvo) possuí uma marcação visual que simplifica o processo de rastreamento, e assim a etapa de controle pode ser avaliada. O robô 1 foi colocado a um metro e meio a frente do robô 2 e o acompanhou durante um minuto enquanto o robô 2 realizava uma trajetória em formato retangular. O robô 1 se locomoveu a 100mm/s durante um minuto, e logo em seguida parou e o robô 2 foi capaz de manter a distância média de 1, 609 metros como observado no gráfico da Figura 8. [1] Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Sinopse do Censo Demográfico Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, Rio de Janeiro, [2] Y. Kuno, N. Shimada, and Y. Shirai. Look where you re going: A robotic wheelchair based on the integration of human and environmen- tal observations. Robotics and Automation, vol.10, [3] E.S. Boy, C.L. Teo, and E. Burdet. Collaborative wheelchair assistant. IROS2002, [4] H. Seki, S. Shibayama, Y. Kamiya, and M. Hikizu. Practical obstacle avoidance using potential field for a

6 nonholonmic mobile robot with rectangular body. International Conference on Emerging Technologies and Factory Automation, [5] Tomoo Shibusawa, Yoshinori Kobayashi, and Yoshinori Kuno. Robotic Wheelchair for Museum Visit. In SICE th Annual Conference of the Society of Instrument and Control Engineers of Japan, [6] Y. Kobayashi, Y. Kinpara, T. Shibusawa, and Y. Kuno. Robotic wheelchair based on observations of people using integrated sensors. In Intelligent Robots and Systems, IROS IEEE/RSJ International Conference on, [7] Russ Miles and Kim Hamilton. Learning UML 2.0: A Pragmatic Introduction to UML. O Reilly Media, 1 edition, [8] E.R. Dougherty and R.A. Lotufo. Hands-on morphological image processing. Tutorial texts in optical engineering. SPIE Press, [9] Sebastian Thrun, Wolfram Burgard, and Dieter Fox. Probabilistic Robotics (Intelligent Robotics and Autonomous Agents). The MIT Press, 2005.

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV

Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS Ilmar Ferreira Santos Rodrigo Fernandes de Carvalho UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento de Projeto

Leia mais

Estacionamento de Caminhão com Lógica Fuzzy. Daniel Ricardo dos Santos Diogo de Campos Maurício Oliveira Haensch

Estacionamento de Caminhão com Lógica Fuzzy. Daniel Ricardo dos Santos Diogo de Campos Maurício Oliveira Haensch Relatório de Implementação: Estacionamento de Caminhão com Lógica Fuzzy Daniel Ricardo dos Santos Diogo de Campos Maurício Oliveira Haensch 2 de junho de 2010 Descrição O trabalho consiste em implementar

Leia mais

HCT Compatibilidade Manual do Usuário

HCT Compatibilidade Manual do Usuário HCT Compatibilidade Manual do Usuário Índice Introdução...3 HCT Compatibilidade...3 Librix...3 Execução do Programa...4 Seleção de Testes...4 Testes Manuais...6 Teste de Teclado...6 Teste de Vídeo...7

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Noções Básicas de Excel página 1 de 19

Noções Básicas de Excel página 1 de 19 Noções Básicas de Excel página 1 de 19 Conhecendo a tela do Excel. A BARRA DE FÓRMULAS exibe o conteúdo de cada célula (local) da planilha. Nela podemos inserir e alterar nomes, datas, fórmulas, funções.

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Paula Rayane Mota Costa Pereira*, Josemar Rodrigues de Souza**, Resumo * Bolsista de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC,

Leia mais

4 Avaliação Experimental

4 Avaliação Experimental 4 Avaliação Experimental Este capítulo apresenta uma avaliação experimental dos métodos e técnicas aplicados neste trabalho. Base para esta avaliação foi o protótipo descrito no capítulo anterior. Dentre

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2010.2 ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno!

Leia mais

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas Aula 02 Excel 2010 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Operações básicas; 2. Utilizando Funções; 3. Funções Lógicas; 4. Gráficos no Excel;

Leia mais

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local.

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Segundo Pré-teste Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Duas salas de aula da Pós-graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da EESC/USP. Duração: 4 horas. Dos objetivos. Envolveu

Leia mais

Manual de utilização da Plataforma Tracking.

Manual de utilização da Plataforma Tracking. Manual de utilização da Plataforma Tracking. A Plataforma Tracking é a mais moderna ferramenta para o rastreamento e monitoramento de veículos, objetos e pessoas que existe no mercado atualmente. Você

Leia mais

COMO USAR DOIS MONITORES NO WINDOWS 8

COMO USAR DOIS MONITORES NO WINDOWS 8 COMO USAR DOIS MONITORES NO WINDOWS 8 Trabalhar com dois monitores no Windows tem diversas utilidades. Dentre elas podemos destacar a possibilidade de visualizar mais itens ao mesmo tempo, exibir o conteúdo

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS 1 PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS INTRODUÇÃO O processamento interno do CLP é digital e pode-se, assim, aplicar os conceitos de lógica digital para compreen8 der as técnicas e as linguagens

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computadores e Telemática. Guião das Aulas Práticas

Introdução à Engenharia de Computadores e Telemática. Guião das Aulas Práticas Introdução à Engenharia de Computadores e Telemática Guião das Aulas Práticas Departamento de Eletrónica, Telecomunicações e Informática Universidade de Aveiro 20122013 Conteúdo 1 Introdução ao UNIX 3

Leia mais

Solicitação de Equipamento Verba de Projeto Abril 2006

Solicitação de Equipamento Verba de Projeto Abril 2006 Solicitação de Equipamento Verba de Projeto Abril 2006 2 Sumário 1 DEFINIÇÃO DE WORKFLOW... 3 2 WORKFLOW DE SOLICITAÇÃO DE EQUIPAMENTO COM VERBA DE PROJETO. 4 2.1 FINALIDADE... 4 2.2 ESTRUTURA DO E-MAIL

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Marcelo Costa Engenheiro de Vendas Telles Soares Engenheiro de Campo Agenda Benefícios da integração Tipos de integração e exemplos MOVIMENTO VISÃO

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Resumo Atualmente muitos Controladores Programáveis (CPs) classificados como de pequeno porte possuem, integrados em um único invólucro, uma densidade significativa

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho 20 Capítulo 3 Avaliação de Desempenho Este capítulo aborda como medir, informar e documentar aspectos relativos ao desempenho de um computador. Além disso, descreve os principais fatores que influenciam

Leia mais

INF1771 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL TRABALHO 2 LÓGICA

INF1771 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL TRABALHO 2 LÓGICA INF1771 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL TRABALHO 2 LÓGICA Descrição: Após reunir a equipe de programadores para participar do 1 Concurso Mundial de Desenvolvimento de Softwares, Barbie e seus amigos iniciaram

Leia mais

Esclarecimento: Não, a operação de matching ocorre no lado cliente da solução, de forma distribuída.

Esclarecimento: Não, a operação de matching ocorre no lado cliente da solução, de forma distribuída. 1 Dúvida: - Em relação ao item 1.2 da Seção 2 - Requisitos funcionais, entendemos que a solução proposta poderá funcionar em uma arquitetura Web e que na parte cliente estará apenas o componente de captura

Leia mais

Manual de Relação de Pontos por Indicação

Manual de Relação de Pontos por Indicação Manual de Relação de Pontos por Indicação Sumário 1. Verificando se o parâmetro das funções está ativo... 3 2. Efetuando o cadastro da faixa de indicação... 5 2.1. Cadastro de faixas com intervalos...

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Especificação técnica de Videodetecção ECD/DAI

Especificação técnica de Videodetecção ECD/DAI Especificação técnica de Videodetecção ECD/DAI 1. Esta Especificação destina se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e de cada aplicação,

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina - FACAPE Centro de Engenharia e Ciências Tecnológicas CECT Curso de Ciência da Computação Desenvolvimento

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Engenharia da Computação Centro de Informática 2D Feature Distance Estimation for Indoor Environments using 2D laser range data Proposta de Trabalho de Graduação

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Apostila de Windows Movie Maker

Apostila de Windows Movie Maker Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva 2 Índice Introdução ao Windows Movie Maker...03 O que é o Windows Movie Maker?...03

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

Guia de consulta rápida

Guia de consulta rápida Guia de consulta rápida DigiFlash Smart Trigger 1 2 3 4 5 17 Smart Trigger 6 7 8 9 16 15 14 13 12 11 10 O DigiFlash Smart Trigger é um dispositivo para disparar flashes a partir de um evento externo. Pode

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 19: Visão geral sobre otimização de programas 06 de julho de 2010 1 2 3 Características esperadas dos programas O primeiro objetivo ao escrever programas de computador

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

Manual Telemetria - RPM

Manual Telemetria - RPM Sumário Apresentação... 2 Home... 2 Definição do Idioma... 3 Telemetria RPM... 4 Pré-requisitos necessários para utilizar o menu Telemetria RPM... 5 Faixas RPM... 11 Configura Faixa do Veículo... 15 Acumulado

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko e Tiago Lone Nível: Intermediário Criação: 26/12/2005 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko e Tiago Lone Nível: Intermediário Criação: 26/12/2005 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Servo-motor Autor: Luís Fernando Patsko e Tiago Lone Nível: Intermediário Criação: 26/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa. Nele, nossos clientes poderão acessar

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA FORMA DE INCLUSÃO DO DEFICIENTE VISUAL À EDUCAÇÃO SUPERIOR

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA FORMA DE INCLUSÃO DO DEFICIENTE VISUAL À EDUCAÇÃO SUPERIOR EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA FORMA DE INCLUSÃO DO DEFICIENTE VISUAL À EDUCAÇÃO SUPERIOR José Oscar Fontanini de Carvalho Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC-Campinas (oscar@ii.puc-campinas.br)

Leia mais

Controlador de pontes rolantes. Sistemas de Inferência Fuzzy - Exemplos. Soluções anteriores (clássicas): Manual. Automáticas:

Controlador de pontes rolantes. Sistemas de Inferência Fuzzy - Exemplos. Soluções anteriores (clássicas): Manual. Automáticas: Controlador de pontes rolantes Pontes rolantes: usadas para carregar e descarregar navios em portos Sistemas de Inferência Fuzzy - Exemplos pegam containers com cabos flexíveis montados na cabeça da ponte

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 4 Avaliação/validação da implementação do SMD 113

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 4 Avaliação/validação da implementação do SMD 113 Capítulo 4 Avaliação/validação da implementação do SMD 113 CAPÍTULO 4 AVALIAÇÃO/VALIDAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Para a avaliação e validação do SMD o equipamento biomédico utilizado foi um Oxímetro Dixtal,

Leia mais

Análise de Dados do Financeiro

Análise de Dados do Financeiro Análise de Dados do Financeiro Introdução Para reunir em um só local as informações de contas a pagar e receber cadastradas e/ou geradas no sistema TTransp existe a interface de análise de dados do financeiro.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

Tecnologia 4K ultra HD. Nosso foco é permitir que você veja todos os detalhes, em todos os lugares

Tecnologia 4K ultra HD. Nosso foco é permitir que você veja todos os detalhes, em todos os lugares Tecnologia 4K ultra HD Nosso foco é permitir que você veja todos os detalhes, em todos os lugares 2 Tecnologia 4K ultra HD Permitindo que você veja todos os detalhes, em qualquer lugar Cobrir grandes áreas

Leia mais

Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado -

Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado - Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado - 1 Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado ATENÇÃO Lembramos que você poderá consultar o Manual de Referência do Software

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões 6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões Neste trabalho estudou-se o comportamento do sistema que foi denominado pendulo planar com a adição de uma roda de reação na haste do pendulo composta de

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Apresentação do UniSAC

Apresentação do UniSAC Apresentação do UniSAC Serviço de Atendimento ao Cliente Software: Softdesk Última atualização deste manual: 16/02/2015 A ferramenta O Softdesk é o software escolhido pelo Unimestre para a gestão de todos

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

ÍNDICE. Tela de Configuração...03. Dados de Etiqueta...04. Configuração da Impressora...05. Configuração do Papel...06. Itens para Inserção...

ÍNDICE. Tela de Configuração...03. Dados de Etiqueta...04. Configuração da Impressora...05. Configuração do Papel...06. Itens para Inserção... Layout de Etiquetas ÍNDICE Tela de Configuração...03 Dados de Etiqueta...04 Configuração da Impressora...05 Configuração do Papel...06 Itens para Inserção...07 Recursos...08 Configurações dos Itens Selecionados...09

Leia mais

www.educandusweb.com.br

www.educandusweb.com.br Sistema Terra-Lua-Sol Índice 1. Introdução... 3 2. Simulador... 3 2.1 Painel Principal... 3 O que ocorreu com dimensões e distâncias dos corpos estudados?... 5 2.2 Visualização - Wireframe/Texturizada...

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Manual de Conversão para PDF Envio de Arquivos ao Diário Oficial

Manual de Conversão para PDF Envio de Arquivos ao Diário Oficial Manual de Conversão para PDF Manual de Conversão para PDF 3 Conversão para PDF Microsoft Office 2003 Instalação da impressora PDF O pacote de aplicativo Office 2003 não possui nativamente o recurso de

Leia mais

Usando o Arena em Simulação

Usando o Arena em Simulação Usando o Arena em Simulação o ARENA foi lançado pela empresa americana Systems Modeling em 1993 e é o sucessor de dois outros produtos de sucesso da mesma empresa: SIMAN (primeiro software de simulação

Leia mais