Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3."

Transcrição

1 LABORATÓRIO CLIMÁTICO Doc Path: Z:\Qualidade\6 - Registros SQ\Rg012_Documentos\DMT - Doctos treinamento\dmt015 - Apresentação Lab Climatico\DMT015r3-0_Apresentacao_CLIM (TCL001).doc Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3.0 (12/03/2015)

2 OS ENSAIOS CLIMÁTICOS Os ensaios climáticos tem como objetivo a análise do comportamento termodinâmico de sistemas físicos e elétricos. Através de simulações de diferentes condições climáticas, é possível avaliar a performance de um produto, suas reações perante as condições de operação e armazenamento e a possível presença de pontos de superaquecimento. A avaliação destes resultados são realizados pelos próprios fabricantes dos equipamentos sob ensaio. É importante salientar que os ensaios climáticos estão basicamente relacionados com a qualidade final do equipamento a ser ensaiado. Assim sendo, o fabricante tem um papel fundamental em especificar o perfil de ensaios mais adequados aos seus equipamentos. Para todos os Ensaios Climáticos, a definição da especificação do ensaio e a análise da amostra, antes, durante e após o ensaio é sempre de responsabilidade do cliente. Cabe ao IBEC a seção do espaço para realização dos ensaios, e a garantia das condições da ocorrência dos mesmos. Abaixo é apresentada uma breve introdução aos tipos de ensaios mais comumente realizados pelo IBEC. No entanto, ressaltamos que todos eles consistem em determinar a habilidade de componentes, equipamentos ou peças a serem usadas, transportadas ou armazenadas em determinadas temperaturas, umidades ou combinação das duas ou com a finalidade de se verificar deterioração da amostra aos efeitos de temperatura e umidade de forma acelerada. Os ensaios climáticos visam avaliar o ESE, quanto a sua resistência ou o seu comportamento às condições climáticas. As condições climáticas são estabelecidas em unidade de temperatura ( C), de umidade relativa do ar (%) e de pressão atmosférica (mmhg). Esta última não é controlada pelo IBEC, sendo apenas um dado. O método de avaliação se baseia na inspeção visual, na análise funcional elétrica, ou usa dispositivos adicionais para monitorar comportamentos específicos do ESE. O uso de equipamentos adicionais não altera o método de execução do ensaio. Ensaio Frio O objetivo do ensaio a frio é geralmente limitado a determinar a habilidade de componentes, equipamentos ou outros artigos a serem utilizados, transportados ou armazenados em baixas temperaturas. A temperatura é ajustada então até a severidade determinada pelo cliente e mantida nessas condições pelo período de ensaio requerido. A contagem do tempo de ensaio se inicia depois de atingida a estabilização na temperatura desejada. Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. 1

3 Ensaio de Calor seco O objetivo do ensaio de calor seco é geralmente limitado a determinar a habilidade de componentes, equipamentos ou outros artigos a serem utilizados, transportados ou armazenados em altas temperaturas, sem o controle de umidade. A temperatura é ajustada então até a severidade determinada pelo cliente e mantida nessas condições pelo período de ensaio requerido. A contagem do tempo de ensaio se inicia depois de atingida a estabilização na temperatura desejada. Ensaio de Calor úmido estacionário O objetivo do ensaio de calor úmido é geralmente limitado a determinar adequação de componentes, equipamentos ou outros artigos a serem utilizados, transportados ou armazenados em condições de alta umidade, permitindo a observação dos efeitos da alta umidade em uma temperatura constante sem condensação da amostra sobre um período de tempo determinado. A temperatura e umidade são ajustadas então até a severidade determinada pelo cliente e mantida nessas condições pelo período de ensaio requerido. A contagem do tempo de ensaio se inicia depois de atingida a estabilização na temperatura desejada e alguns cuidados especiais são tomados para evitar a condensação. Ensaio de Calor úmido cíclico O objetivo do ensaio de calor úmido cíclico é geralmente limitado a determinar adequação de componentes, equipamentos ou outros artigos a serem utilizados, transportados ou armazenados em condições de alta umidade. A utilização de ciclos é executada e visa permitir a condensação nas superfícies das amostras, diferentemente do calor úmido estacionário. Então, a temperatura e a umidade são ajustadas até a primeira severidade determinada pelo cliente e mantida nessas condições pelo período de ensaio requerido. Em seguida, uma segunda severidade é ajustada e mantida nessas condições pelo período de ensaio requerido pelo cliente. Este ciclo por sua vez é realizado n vezes, conforme requerido na especificação do ensaio. Em todos os casos, a contagem do tempo de ensaio se inicia depois de atingida a estabilização na temperatura desejada. Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. 2

4 Ensaio cíclico de temperatura com umidade O objetivo do ensaio cíclico de temperatura com umidade é geralmente o de detectar defeitos em amostras pela sucção de misturas (ar + água) com diferentes condições de temperatura ou umidade. É considerado como um ensaio mais severo do que os ensaios de calor úmido estacionário ou calor úmido cíclico, pois pode incluir em seus ciclos temperaturas altas, abaixo de zero e grande número de ciclos, combinando altas umidades. O princípio consiste de que se houver fissura grande o suficiente para acumular água, poderá ocorrer à penetração de uma massa de água considerável entre vedações, terminais de fios e outros componentes e durante os ciclos de temperatura positiva ou negativa poderá ocorrer dano no corpo de prova. Então a temperatura e umidade são ajustadas até a primeira severidade determinada pelo cliente e mantida nessas condições pelo período de ensaio requerido. Em seguida, uma próxima severidade é ajustada e mantida nessas condições pelo período de ensaio requerido pelo cliente. Este ciclo por sua vez é realizado n vezes, conforme requerido na especificação do ensaio. Em todos os casos, a contagem do tempo de ensaio se inicia depois de atingida a estabilização na temperatura desejada ou conforme rampa específica de ensaio. Variação de temperatura As variações bruscas de temperatura visam simular condições que podem ser encontradas na vida útil de produtos, como quando um equipamento é transportado de um local aquecido para um local frio, aberto ao ar livre, quando um equipamento pode ser resfriado rapidamente por uma chuva ou imersão em água fria ou em determinadas condições de armazenamento e transporte. O objetivo deste ensaio é determinar a habilidade do equipamento continuar a funcionar durante e/ou após os ensaios cíclicos de temperatura. A variação da temperatura pode ser realizada por meio de troca de câmara ou por meio de rampa da própria câmara climática, sendo esta informação especificada pelo cliente, bem como a duração, período de estabilização, temperaturas e tempo de mudança de temperatura. Para a realização do ensaio, utilizam-se em geral duas câmaras climáticas, ou uma câmara climática e uma estufa, sendo que uma delas é mantida em alta temperatura e outra em baixa temperatura. A transferência então é realizada manualmente de uma câmara para a outra. Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. 3

5 ESTRUTURA DO LABORATÓRIO O laboratório de ensaios climáticos foi concebido para a realização de ensaios em sistemas e equipamentos de pequeno, médio e grande porte, com finalidade de simular as mais diversas condições climáticas de operação e armazenamento. O laboratório é composto por uma câmara climática de grande porte: a câmara Tenney modelo Walk-In Tr. Esta câmara é utilizada para ensaios de equipamentos e sistemas de grande porte ou quando a quantidade de amostras e bastante elevada. A programação desta câmara pode ser feita para valores fixos de temperatura e umidade (manual) ou pode ser realizada através de um controlador que realiza variações de temperatura e umidade automaticamente ao longo do tempo, segundo parâmetros preestabelecidos na programação. Foto 6 Câmara climática Tenney modelo Walk-In Tr Além disso o IBEC conta com uma outra câmara de médio porte (Heraeus) e estufas para ensaios com patamares de temperatura positiva. Foto 6 Câmara climática Heraeus VLK 08/150 Foto 6 Estufa Fanen Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. 4

6 Dimensões internas da câmara & Portas de acesso A câmara possui as seguintes dimensões internas: Largura: 6,60 m Comprimento: 7,92 m Altura: 2,46 m Câmara climática TENNEY As duas portas de acesso têm as seguintes dimensões (Largura x Altura): 1,70 m x 2,20 m 0,91 m x 2,20 m Faixa de temperatura & Umidade relativa A capacidade atual da câmara é de -10 C a +60 C. Controle de umidade de 5% a 95% de UR, na faixa de 5 C a 60 C. Obs.: As rampas de subida, descida, parâmetros de uniformidade, estabilidade, desvio do set-point e climatograma se encontram disponíveis nos relatórios de verificação, que se encontram arquivados nos registros internos do IBEC. Tabela 1 Capacidade resumo da câmara climática Tenney Dimensões internas da câmara A câmara possui as seguintes dimensões internas: Largura: 560 mm Comprimento: 515 mm Altura: 545 mm Faixa de temperatura & Umidade relativa Obs.: A capacidade atual da câmara é de -40 C a +180 C. Câmara climática HERAEUS VLK 08/150 Controle de umidade de 10% a 98% de UR, na faixa de 10 C a 90 C. Faixa de temperatura do ponto de orvalho (td): +10 C a +89,5 C. (1) As rampas de subida, descida, parâmetros de uniformidade, estabilidade, desvio do set-point e climatograma se encontram disponíveis nos relatórios de verificação, que se encontram arquivados nos registros internos do IBEC. (2) O sistema de controle de umidade é realizado através do ponto de orvalho. A temperatura do ponto de orvalho a ser utilizada depende da umidade e temperatura desejada. Estes valores são obtidos através de uma carta psicométrica. No caso desta câmara, os valores a ser ajustados são obtidos diretamente de uma tabela (Humidity table), disponível no manual do equipamento. Tabela 2 Capacidade resumo da câmara climática Heraeus Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. 5

7 Câmara Estufa FANEN 320E Dimensões internas da câmara A câmara possui as seguintes dimensões internas: Largura: 500 mm Comprimento: 420 mm Altura: 500 mm Faixa de temperatura A capacidade atual da câmara é de +50 C a +200 C, sem controle de umidade. Obs.: A umidade para 50 C será sempre inferior a 50%, uma vez que, se em temperatura ambiente a umidade for de 100% (pior caso), ao se elevar a temperatura e considerando que a quantidade de vapor de água presente seja a mesma (pior caso), a umidade será inferior a 20%, calculando-se conforme a equação de Wexler (1976 e 1977) ajustada por Sonntag 1990, conforme definido na IT90. Tabela 3 Capacidade resumo da estufa Fanen Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. 6

Computador de Vazão modelo Floboss 407. Relatório de Ensaio de Queda Livre

Computador de Vazão modelo Floboss 407. Relatório de Ensaio de Queda Livre Fernando Graziani Barbarini Coordenador Técnico (19) 3845-5965 / (19) 3845-5964 NMi Brasil Ltda. Rod. SP 101 (Campinas Monte-Mor), km 09 13.183-000 Hortolândia - SP Brasil Relatório N NMi 051031 Parte

Leia mais

SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2. Profa. Roberta S. Leone

SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2. Profa. Roberta S. Leone SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2 Profa. Roberta S. Leone SECAGEM Definição: Secagem é a remoção de pequenas quantidades de líquido, geralmente água, de um sólido. O objetivo é reduzir o teor

Leia mais

0646 AEX 01/12 Pág. 1 de 7

0646 AEX 01/12 Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7, Este relatório atende aos requisitos de acreditação da Cgcre, que avaliou a competência do Laboratório Engenheiro Responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV RHEINLAND DO

Leia mais

Conforto Humano. Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual.

Conforto Humano. Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual. 1 Conforto Humano 2 Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual. Conforto Térmico Interação Térmica entre o Corpo Humano e o Ambiente Radiação Convecção Ar ambiente Perda de Calor Sensível

Leia mais

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO Lista de problemas número 1 Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO 1) Determinar as propriedades do R-134 nas seguintes condições: a) t = - 40 o C x = 1 b) p = 1 MPa t = 80 0 C c) p

Leia mais

Umidade do ar. 23 de maio de 2017

Umidade do ar. 23 de maio de 2017 Umidade do ar 23 de maio de 2017 1 Introdução Umidade do ar é a água na fase de vapor Fontes naturais Superfícies de água, gelo e neve, solo, vegetais e animais Processos físicos Evaporação, condensação

Leia mais

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO IMEDIATA E APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS EM ESTUFA

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO IMEDIATA E APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS EM ESTUFA Método de Ensaio Folha : 1 de 11 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Execução do ensaio 7_ Resultados 8_ Anexos A, B, C, D, E e F 1_ OBJETIVO

Leia mais

GASES IDEAIS INTRODUÇÃO

GASES IDEAIS INTRODUÇÃO GASES IDEAIS INTRODUÇÃO O estado de uma certa quantidade de um gás fica determinado quando se especificam sua temperatura Kelvin T, sua pressão p e seu volume V. Um gás diz-se ideal quando essas grandezas

Leia mais

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR /

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR / Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR 15270-1 / 15270-2 Página 1/1 Revisão: 01 Data: 05/05/2016 Código: FT - 076 FORNECEDOR: ENDEREÇO

Leia mais

Uma empresa do grupo

Uma empresa do grupo Uma empresa do grupo SOBRE O DOUTOR FACHADA UM POUCO DA HISTÓRIA IGOR ALVIM SÓCIO FUNDADOR YURI ALVIM SÓCIO FUNDADOR Após 27 anos de consultoria e projetos em esquadrias de alumínio na QMD Consultoria,

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

Trilhamento e erosão de isoladores e pára-raios poliméricos

Trilhamento e erosão de isoladores e pára-raios poliméricos 1/6 Title Trilhamento e erosão de isoladores e pára-raios poliméricos Registration Nº: (Abstract) 220 Company Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (CEPEL) Authors of the paper Name Country e-mail Darcy

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 : A 13º norma regulamentadora, estabelece todos os requisitos

Leia mais

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS AO AR

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS AO AR Método de Ensaio Folha : 1 de 10 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Execução do ensaio 7_ Resultados 8_ Anexos A, B, C, D, E e F. 1_ OBJETIVO

Leia mais

METEOROLOGIA MÓDULO 2. Aula 2

METEOROLOGIA MÓDULO 2. Aula 2 METEOROLOGIA MÓDULO 2 Aula 2 Professor: Alexandre Rodrigues Silva www.aerocurso.com ALTITUDE DEVIDO AO FUNCIONAMENTO DO ALTÍMETRO E AS DIFERENTES PRESSÕES DE REFERENCIA, SE ENTENDE POR ALTITUDE A DISTANCIA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESTÁTICAS DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO

CARACTERÍSTICAS ESTÁTICAS DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA DERIVA DO ZERO: ENSAIO: Manter P o = 0 e variar a temperatura T dentro da faixa de temperaturas ambientes [T max, T min ] previstas para uso do SM. Os ensaios feitos em CÂMARA de temperatura

Leia mais

1. FATORES CLIMÁTICOS

1. FATORES CLIMÁTICOS Capítulo Elementos de Hidrometeorologia 3 1. FATORES CLIMÁTICOS A hidrologia de uma região depende principalmente de seu clima e secundariamente de sua topografia e geologia. A topografia influencia a

Leia mais

INSPEÇÃO DE SOLDAGEM. Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores

INSPEÇÃO DE SOLDAGEM. Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores INSPEÇÃO DE SOLDAGEM Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores e Soldadores Definições Peça de Teste Chapa ou tubo de teste Chapa ou Tubo de Teste Peça soldada para a qualificação de procedimento

Leia mais

Capítulo 2 - Norma EB 2175

Capítulo 2 - Norma EB 2175 Capítulo 2 - Norma EB 2175 2.1 Introdução Para o teste de sistemas de alimentação ininterrupta de potência, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) indica a norma EB 2175 (Sistemas de Alimentação

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

Equipamento de laboratório inovador. Testes preliminares para definir a qualidade da mistura.

Equipamento de laboratório inovador. Testes preliminares para definir a qualidade da mistura. Equipamento de laboratório inovador Testes preliminares para definir a qualidade da mistura. 02 03 Mais controle. Mais qualidade. O SISTEMA DE LABORATÓRIO DE ESPUMA DE ASFALTO REGISTRA, DE MANEIRA SIMPLES,

Leia mais

PRI 638/311 DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO IMPACTO SEGUNDO ISO INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS

PRI 638/311 DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO IMPACTO SEGUNDO ISO INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS PRI 638/311 DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO IMPACTO SEGUNDO ISO 14607 INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS REVISÃO 02 PÁGINA 1 DE 5 DOCUMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - PROCEDIMENTO

Leia mais

Manual Técnico. Autotransformadores para Chave Compensadora. Versão: 3

Manual Técnico. Autotransformadores para Chave Compensadora. Versão: 3 Manual Técnico Autotransformadores para Chave Compensadora Versão: 3 Índice 1 Display 2 Ajuste 3 Conectores 4 Proteção 5 Cuidados 6 Assistência Técnica 2 2 2 4 4 5 Página 1 1 Introdução Este manual fornece

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo Universidade Federal de Santa Catarina EMC 5472 - Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo EXERCÍCIOS SUPLEMENTARES DE CONDICIONAMENTO DE AR 01) Uma câmara frigorífica para resfriamento

Leia mais

Instruções para montagem

Instruções para montagem Created by EBCCW 00:06 by EBCCW 96:05 00:06 5125244 Instruções para montagem Edição 1.0 Garra Created by EBCCW 96:05 00:06 Created by EBCCW 00:06 by EBCCW 96:05 00:06 5125244 Instruções para montagem Garra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS ZOOTECNIA CURSO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS ZOOTECNIA CURSO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS ZOOTECNIA CURSO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk

Leia mais

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DA ESPESSURA DE ISOLANTE NECESSÁRIA A UMA APLICAÇÃO Volume III Curso

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-6100

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-6100 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-6100 abril 2008 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso da fonte ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESPECIFICAÇÕES... 2 2.1.

Leia mais

Manual do Proprietário. Forno Elétrico Multi.

Manual do Proprietário. Forno Elétrico Multi. Manual do Proprietário. Forno Elétrico Multi. Índice 1- Apresentação. 2- Instalação e Instruções. 2.1- Local de instalação. 2.2- Instalação Hidráulica. 2.3-Instalação Elétrica. 3- Operação. 3.1-Programação.

Leia mais

ECOMASOL MANUAL CONTROLADOR SOLAR

ECOMASOL MANUAL CONTROLADOR SOLAR ECOMASOL MANUAL CONTROLADOR SOLAR ecomasol.com.br ECOMASOL - EFICIÊNCIA EM COMANDO SOLAR Obrigado por escolher a ECOMASOL. Este produto foi desenvolvido com a melhor tecnologia eletrônica microprocessada,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE ESPUMA DE ASFALTO

DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE ESPUMA DE ASFALTO DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE ESPUMA DE ASFALTO C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T 005-13 09/2014 T 05 pg1 - Centro de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-5100

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-5100 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-5100 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso da fonte ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESPECIFICAÇÕES... 2 2.1. Gerais...

Leia mais

Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial

Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial Descrição industrial foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3005

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3005 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3005 dezembro de 2011 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso da fonte ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESPECIFICAÇÕES...

Leia mais

9586 Vermelho-Alaranjado Fluorescente Resistente à Chama 9587 Amarelo-Esverdeado Fluorescente Resistente à Chama

9586 Vermelho-Alaranjado Fluorescente Resistente à Chama 9587 Amarelo-Esverdeado Fluorescente Resistente à Chama Boletim Técnico Dezembro 3M Tecido Refletivo Scotchlite: 9586 Vermelho-Alaranjado Fluorescente Resistente à Chama 9587 Amarelo-Esverdeado Fluorescente Resistente à Chama Descrição O Material Refletivo

Leia mais

Transdutor de pressão OEM Com alta exatidão Modelos TIS-20, TIS-21

Transdutor de pressão OEM Com alta exatidão Modelos TIS-20, TIS-21 Medição eletrônica de pressão Transdutor de pressão OEM Com alta exatidão Modelos TIS-20, TIS-21 WIKA folha de dados PE 81.68 Aplicações Base para: Projetos de integração de sensor com altas demandas de

Leia mais

Campinas, 7 de janeiro de 2013

Campinas, 7 de janeiro de 2013 Relatório de Ensaio Número: CertLab-CAM-8967-12-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Campinas, 7 de janeiro de 2013 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE de acordo com a ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /1/10 PORTA DE MADEIRA PARA EDIFICAÇÃO ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /1/10 PORTA DE MADEIRA PARA EDIFICAÇÃO ENSAIOS DIVERSOS Relatório de Ensaio nº CCC/190.966/1/10 Pág.: 1/6 Laboratório de Ensaio Acreditado pela Cgcre/Inmetro de acordo com a NBR ISO/IEC 17025 sob o nº CRL-003. O INMETRO é signatário do Acordo de Reconhecimento

Leia mais

Medidor Trifásico SDM630D

Medidor Trifásico SDM630D Medidor Trifásico SDM630D MANUAL DO USUÁRIO Conteúdo 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 3 1.1 PESSOAL QUALIFICADO... 3 1.2 FINALIDADE... 4 1.3 MANUSEIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 2.1 ESPEFICICAÇÕES... 5 3 DIMENSÕES...

Leia mais

DETERMINATION OF MOISTURE IN TOBACCO LEAVES DE TABACO ATRAVÉS DA TÉCNICA DE MICRO ONDAS

DETERMINATION OF MOISTURE IN TOBACCO LEAVES DE TABACO ATRAVÉS DA TÉCNICA DE MICRO ONDAS DETERMINATION OF MOISTURE IN TOBACCO LEAVES THROUGHTHE THE MICROWAVE TECHNIQUE DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE EM FOLHAS DE TABACO ATRAVÉS DA TÉCNICA DE MICRO ONDAS Prof. Dr.Carlos Alberto Klimeck Gouvea,

Leia mais

1. Introdução. 1.1.Objetivo

1. Introdução. 1.1.Objetivo 1. Introdução 1.1.Objetivo O objetivo desta dissertação é desenvolver um sistema de controle por aprendizado acelerado e Neuro-Fuzzy baseado em técnicas de inteligência computacional para sistemas servo-hidráulicos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO MODELO PS-5000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO MODELO PS-5000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO MODELO PS-5000 outubro de 2011 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso da fonte ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESPECIFICAÇÕES...

Leia mais

Ensaios em pára-raios

Ensaios em pára-raios IX Ensaios em pára-raios Os pára-raios ao serem instalados nos sistemas elétricos, estarão submetidos durante a sua vida útil a condições climáticas e a fenômenos transitórios adversos ao seu princípio

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL DUPLA MODELO PS-6000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL DUPLA MODELO PS-6000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL DUPLA MODELO PS-6000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso da fonte ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESPECIFICAÇÕES... 2 2.1. Gerais...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-5000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-5000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-5000 dezembro de 2011 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do multímetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESPECIFICAÇÕES...

Leia mais

Métodos Experimentais em Termociências I.B De Paula

Métodos Experimentais em Termociências I.B De Paula Conceitos básicos: Medição É o conjunto de operações que tem por objetivo determinar o valor de uma grandeza. Medições, mesmo que bem controladas, estão sujeitas a variações causadas por inúmeras fontes.

Leia mais

Testador de rotação de fases sem contato

Testador de rotação de fases sem contato Manual do utilizador Testador de rotação de fases sem contato Modelo PRT00 Traduções adicionais do manual do usuário disponíveis em www.extech.com Introdução Parabéns por ter adquirido este medidor Extech.

Leia mais

Secador e Filtros para Ar e Gases

Secador e Filtros para Ar e Gases Secador e Filtros para Ar e Gases Garantia de ar comprimido puro e seco, ampliação da capacidade produtiva e melhoria da qualidade do ar na linha de produção. Série H Internacional A Série H Internacional,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO CONVERSOR ANALÓGICO DE SINAIS PARA CÉLULA DE CARGA. (Versão 1.0 Julho/12)

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO CONVERSOR ANALÓGICO DE SINAIS PARA CÉLULA DE CARGA. (Versão 1.0 Julho/12) MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO CONVERSOR ANALÓGICO DE SINAIS PARA CÉLULA DE CARGA (Versão 1.0 Julho/12) 1 INDÍCE PÁG. 1 Garantia 3 2 Introdução 3 3 Instalação 3 4 Dados Técnicos 4 5 Alimentação Elétrica

Leia mais

Manual de Instalação Elétrica

Manual de Instalação Elétrica Manual de Instalação Elétrica Nobreaks NHS 1. ESCLARECIMENTOS Este material contempla um guia rápido de instalação e adequação da infraestrutura elétrica necessária para a posterior energização do nobreak.

Leia mais

Ensaio de embutimento

Ensaio de embutimento A U A UL LA Ensaio de embutimento Introdução Nossa aula É na estamparia que o ensaio de embutimento encontra sua principal aplicação. E você sabe por quê? É fácil encontrar resposta a esta pergunta: basta

Leia mais

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Apresentar as principais variáveis a serem observadas na gestão da metrologia industrial, transformando barreiras técnicas em requisitos de competitividade. ABNT NBR ISO

Leia mais

APÓSTILA: DIAGRAMA TERMODINÂMICO (SKEW-T) Estágio PAE Bolsista: Maria Cristina Lemos da Silva

APÓSTILA: DIAGRAMA TERMODINÂMICO (SKEW-T) Estágio PAE Bolsista: Maria Cristina Lemos da Silva APÓSTILA: DIAGRAMA TERMODINÂMICO (SKEW-T) Estágio PAE Bolsista: Maria Cristina Lemos da Silva Setembro/2009 1 1. Diagrama SKEW-T Figura 1 Sistema de Coordenadas do Diagrama SkewT-LogP Figura 2 Linhas das

Leia mais

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica 30(200)A.

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica 30(200)A. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0006 MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA 30(200)A 1/8 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos a serem

Leia mais

Termodinâmica. Lucy V. C. Assali

Termodinâmica. Lucy V. C. Assali Termodinâmica Temperatura Lucy V. C. Assali Física II 2016 - IO Temperatura Não confiável Por exemplo: metal e papel tirados do congelador, sentimos o metal mais frio, mas é só porque ele é um melhor condutor

Leia mais

Boletim Técnico Outubro, 2011

Boletim Técnico Outubro, 2011 Extreme Sealing Tape Boletim Técnico Outubro, 2011 Descrição do Produto 3M Extreme Sealing Tape é uma fita simples face com adesivo sensível à pressão desenvolvida para aplicações de difícil vedação. O

Leia mais

3Produtos Refletivos. Boletim de Informações Técnicas 01/96 Maio 96. Assunto: Filme para Recorte Eletrônico Scotchlite Precauções.

3Produtos Refletivos. Boletim de Informações Técnicas 01/96 Maio 96. Assunto: Filme para Recorte Eletrônico Scotchlite Precauções. 3Produtos Refletivos Boletim de Informações Técnicas 01/96 Maio 96 Assunto: Filme para Recorte Eletrônico Scotchlite 1170 Precauções Leia todas as informações, relativas a primeiros socorros, precauções

Leia mais

GT DESEMPENHO/BA Eng. Priscila Freitas

GT DESEMPENHO/BA Eng. Priscila Freitas GT DESEMPENHO/BA Eng. Priscila Freitas ENG. PRISCILA FREITAS Engenheira Civil, UEFS (2006) Especialista em Engenharia da Qualidade, UFBA (2007) Mestranda em Gestão e Tecnologia Industrial GETEC, SENAI

Leia mais

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo.

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido Meios de Ligação 4 Objetivo Conhecer os sistemas de ligação utilizados nas estruturas de aço Ligações nas Estruturas Metálicas Aço As ligações nas

Leia mais

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA.

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. Laboratório pertencente à RBLE. Relatório de Ensaios de Produtos (REP): n. 1403054-2/01 Emissão: 25.06.2014 Solicitante: Endereço: Fabricante: Eletrocal Indústria

Leia mais

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Refletivo Prata 8910 Descrição O Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata 8910 foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança e em roupas

Leia mais

CERTIFICADO DO TESTE

CERTIFICADO DO TESTE 13Y-JET0078 CERTIFICADO DO TESTE Por meio deste documento, confirmamos que os produtos eletrônicos abaixo mencionados foram submetidos a testes em nosso laboratório em 19 de junho de 2013 (Núm. de recebimento

Leia mais

Manual de operação. Fonte de alimentação MT 0 300V 0 1A

Manual de operação. Fonte de alimentação MT 0 300V 0 1A Manual de operação Fonte de alimentação MT 0 300V 0 1A 1 Fonte de alimentação de tensão C.C. MT CUIDADO! ESTA FONTE DE ALIMENTAÇÃO PODE CAUSAR A MORTE MESMO ESTANDO DESLIGADA! LEIA ESTAS INSTRUÇÕES ATÉ

Leia mais

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos 107484 Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti

Leia mais

3.1. Como varia com a temperatura? A pressão de vapor aumenta com o aumento da temperatura e diminui com a diminuição da temperatura.

3.1. Como varia com a temperatura? A pressão de vapor aumenta com o aumento da temperatura e diminui com a diminuição da temperatura. 1. Qual a importância da água para a conservação de alimentos? O que você espera da remoção da água dos alimentos no que diz respeito à sua conservação? A água é um importante veículo para ocorrência de

Leia mais

MANUAL PRÁTICO ARI 03

MANUAL PRÁTICO ARI 03 MANUAL PRÁTICO ARI 03 INSPEÇÃO E SUBISTITUIÇÃO DE CINTAS DE POLIÉSTER Desenvolvido por Gustavo Cassiolato A importância da inspeção inspeção ins.pe.ção sf(latinspectione)1ação de ver, de olhar, de observar.2

Leia mais

Medição de Umidade Conceitos Básicos

Medição de Umidade Conceitos Básicos Medição de Umidade Conceitos Básicos Medição de Umidade: Conceitos Básicos Conceito Umidade Relativa % Definimos como umidade relativa o cociente de vapor de água realmente presente no ar e a máxima massa

Leia mais

Frutas e Hortaliças. Resfriamento 12/11/2016 TÉCNICAS DE RESFRIAMENTO. Resfriamento ( ꜜT o C)

Frutas e Hortaliças. Resfriamento 12/11/2016 TÉCNICAS DE RESFRIAMENTO. Resfriamento ( ꜜT o C) Frutas e Hortaliças TÉCNICAS DE RESFRIAMENTO Hector Alonzo Gomez Gomez Universidad Nacional de Agricultura (Honduras) ghectoralonzo@yahoo.com www.hortyfresco.cl Seminário Internacional de Poscosecha 09

Leia mais

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem uma saída

Leia mais

Instrumento de análise Para a análise da qualidade de gás SF 6 Modelo GA11

Instrumento de análise Para a análise da qualidade de gás SF 6 Modelo GA11 SF 6 gas excellence Instrumento de análise Para a análise da qualidade de gás SF 6 Modelo GA11 WIKA folha de dados SP 62.11 SF 6 -Q-Analyser Aplicações Análise da qualidade de gás de equipamentos com enchimento

Leia mais

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Tópico 3 Umidade. Profa.: Rita Ynoue 2010

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Tópico 3 Umidade. Profa.: Rita Ynoue 2010 Disciplina: 1400200 - Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências Tópico 3 Umidade Profa.: Rita Ynoue 2010 Revisão das aulas passadas Tópico 1: Evolução da atmosfera terrestre Composição

Leia mais

O tubo extrator do equipamento compõe-se de um material rígido (tubo de PVC-PBA rígido marrom) com diâmetro interno de 20,5cm, diâmetro externo de

O tubo extrator do equipamento compõe-se de um material rígido (tubo de PVC-PBA rígido marrom) com diâmetro interno de 20,5cm, diâmetro externo de 109 O tubo extrator do equipamento compõe-se de um material rígido (tubo de PVC-PBA rígido marrom) com diâmetro interno de 20,5cm, diâmetro externo de 25,0cm e altura de 100,0cm. É possível, ainda, adaptar

Leia mais

ANEXO 13 LANTERNA DE POSIÇÃO LATERAL

ANEXO 13 LANTERNA DE POSIÇÃO LATERAL ANEXO 13 LANTERNA DE POSIÇÃO LATERAL 1. PROPÓSITO Este Anexo aplica-se à lanterna de posição lateral utilizada para aumentar a visibilidade da lateral dos veículos rodoviários. 2. DEFINIÇÕES 2.1. As definições

Leia mais

Computador de vazão modelo FloBoss 407

Computador de vazão modelo FloBoss 407 Confidencial NMi / Emerson Laboratório de ensaio credenciado pela CGCRE/INMETRO de acordo com a NBR/ISO IEC 17025 sob o número CRL 0143 Fernando Graziani Barbarini Coordenador Técnico (19) 3845-5965 /

Leia mais

Laboratório de Sistemas Hidráulicos. Aula prática S25

Laboratório de Sistemas Hidráulicos. Aula prática S25 Laboratório de Sistemas Hidráulicos Aula prática S25 Relação entre áreas Vazão X Velocidade 1ª Verificação Aeração e Cavitação Cavitação Entende-se por cavitação a formação temporária de espaços vazios

Leia mais

FITA DE SINALIZAÇÃO E DELIMITAÇÃO DE ÁREA COM RECOLHEDOR - Especificação Técnica

FITA DE SINALIZAÇÃO E DELIMITAÇÃO DE ÁREA COM RECOLHEDOR - Especificação Técnica FITA DE SINALIZAÇÃO E DELIMITAÇÃO - Especificação Técnica CELG Distribuição S/A SESMT- Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho 1 de 5 ÍNDICE ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

DISPOSITIVO PARA AVALIAÇÃO DA PROFUNDIDADE DE CORROSÃO LOCALIZADA POR INSPEÇÃO RADIOGRÁFICA

DISPOSITIVO PARA AVALIAÇÃO DA PROFUNDIDADE DE CORROSÃO LOCALIZADA POR INSPEÇÃO RADIOGRÁFICA DISPOSITIVO PARA AVALIAÇÃO DA PROFUNDIDADE DE CORROSÃO LOCALIZADA POR INSPEÇÃO RADIOGRÁFICA Maurício de Oliveira Marcos Rodrigues Técnicos de Inspeção de Equipamentos e Instalações da Refinaria Presidente

Leia mais

Câmaras Frigoríficas

Câmaras Frigoríficas Câmaras Frigoríficas 1. Definição É um recinto utilizado para condições controladas de armazenamento com auxílio da refrigeração; Empregadas em dois níveis básicos de armazenamento: Instalações com temperatura

Leia mais

Fonte de Alimentação CC de Múltiplas Faixas com 1200 W / 3000 W

Fonte de Alimentação CC de Múltiplas Faixas com 1200 W / 3000 W Especificações Técnicas Fonte de Alimentação CC de Múltiplas Faixas Fonte de Alimentação CC de Múltiplas Faixas com 1200 W / 3000 W Qualquer modelo da pode substituir várias fontes de alimentação em sua

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp sabesp Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid. Req...: Duração...: Objeto: AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO E SEGURANÇA DO TRABALHO. Aprovado

Leia mais

Secador de Ar Comprimido por Adsorção

Secador de Ar Comprimido por Adsorção O Equipamento O secador DPA, composto por um ou mais módulos autônomos, privilegia a flexibilidade e altura reduzida. Nos sistemas que exigem secadores em stand oferece ainda uma significativa redução

Leia mais

Camadas da Atmosfera (características físico químicas)

Camadas da Atmosfera (características físico químicas) Camadas da Atmosfera (características físico químicas) Gradiente médio negativo temperatura aumenta conforme aumenta a altitude. Gradiente médio positivo temperatura diminui conforme aumenta a altitude.

Leia mais

RF - 2 min a 2 min 59 s RQ - 74 min a 74 min 59 s

RF - 2 min a 2 min 59 s RQ - 74 min a 74 min 59 s Funcionamento Saída Entrada RF - 0 a 2 min RQ - 0 a 74 min RF - 2 min a 2 min 59 s RQ - 74 min a 74 min 59 s RF - 2 min 59 s a 3 min RQ - 74 min 59 s a 75 min RF - Após 3 min RQ - Após 75 min RF RQ Vantagens

Leia mais

Fontes de Alimentação

Fontes de Alimentação ProLine Tecnologia de Interface Fontes de Alimentação Fonte de alimentação de 24 Vcc A Tarefa Os transmissores e condicionadores de sinais não alimentados pela malha de medição precisam de alimentação

Leia mais

SEMPRE LISO COMPONENTES

SEMPRE LISO COMPONENTES E S C O V A M Á G I C A SEMPRE LISO Parabéns por ter escolhido um produto da KG Line! A tecnologia, desenho e funcionalidade, além do rigoroso controle de qualidade a que são submetidos nossos produtos,

Leia mais

MT-526C CONTROLADOR DE TEMPERATURA PARA BOMBAS DE CALOR LIGHT TECH DESCRIÇÃO

MT-526C CONTROLADOR DE TEMPERATURA PARA BOMBAS DE CALOR LIGHT TECH DESCRIÇÃO MT-526C CONTROLADOR DE TEMPERATURA PARA BOMBAS DE CALOR LIGHT TECH DESCRIÇÃO O MT-526C Light Tech é um controlador e indicador de temperatura destinado ao controle de bombas de calor. Possui três sensores

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE E VAZÃO DOS GASES. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE E VAZÃO DOS GASES. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE E VAZÃO DOS GASES Método de ensaio L9.222 MAI/92 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Normas complementares...1 3 Definições...1 4 Apare1hagem...2

Leia mais

MANUAL TS SOLAR.

MANUAL TS SOLAR. MANUAL TS SOLAR www.tssolar.com.br INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE AQUECEDORES SOLAR ME CNPJ: 20.216.840/000101 Avenida Dez de Dezembro, 6505 Jd. Piza Londrina PR. MANUAL DE INSTALAÇÃO DE COLETOR A TSSOLAR é uma

Leia mais

Funcionamento. Vantagens. Secador de Ar Comprimido. por Adsorção. Construção em perfis de alumínio extrudado

Funcionamento. Vantagens. Secador de Ar Comprimido. por Adsorção. Construção em perfis de alumínio extrudado Secador de Ar Comprimido por Adsorção Funcionamento Saída Entrada RF - 0 a 2 min RQ - 0 a 74 min RF - 2 min a 2 min 59 s RQ - 74 min a 74 min 59 s RF - 2 min 59 s a 3 min RQ - 74 min 59 s a 75 min RF -

Leia mais

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS Rev. Outubro/2011 Página 1 de 6 Conforme anexo B da NIT DICOR 024 rev. 03 de fevereiro/2010 - Critérios para a Acreditação de Organismo de Certificação de Produto e de Verificação de Desempenho de Produto.

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 1. APRESENTAÇÃO

1. APRESENTAÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 1. APRESENTAÇÃO smart CCM 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO Os Centros de Controle de Motores de Baixa Tensão, modelo smart CCM são unidades modulares padronizadas, desenvolvidas em conformidade com a norma IEC 61439, garantindo

Leia mais

Como estudar o o tempo?

Como estudar o o tempo? Clima e tempo Como estudar o o tempo? É preciso observar os tipos de tempo. Realiza-se a medição dos elementos climáticos, ou seja, das características do tempo. Analisa-se os fatores climáticos, ou seja,

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos Debate atual: Aquecimento Global Aquecimento Resfriamento Ação Natural Ação antrópica (Homem) Terra: localização e proporção de tamanho A camada de ozônio é uma espécie

Leia mais

Distribuição de vapor. Dilatação térmica. Junta de expansão. Desvio em U 1/10/2010

Distribuição de vapor. Dilatação térmica. Junta de expansão. Desvio em U 1/10/2010 Distribuição de vapor Dilatação térmica Dimensionamento e especificação de tubos; dilatação térmica; purgadores Artifícios para flexibilização de tubulações de vapor http://www.spiraxsarco.com/resources/steam-engineering-tutorials.asp

Leia mais

Debate: Aquecimento Global

Debate: Aquecimento Global CLIMA Debate: Aquecimento Global Aquecimento Resfriamento Ação Natural Ação antrópica (Homem) MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO magnetosfera (escudo formado pelo campo magnético da terra) desvia as partículas

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO PONTO DE EBULIÇÃO EM LÍQUIDOS

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO PONTO DE EBULIÇÃO EM LÍQUIDOS Método de Ensaio Folha : 1 de 7 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Definição 4_ Aparelhagem 5_ Execução do ensaio 6_ Resultados 7_ Anexos A, B e C 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação prescreve

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza

CLIMAS DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza CLIMAS DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza CLIMA BRASIL: tipos climáticos 1 Equatorial 2 Tropical 3 Tropical de Altitude 4 Tropical Atlântico/Úmido 5 Semi-Árido 6- Subtropical -Inverno rigoroso - chuvas

Leia mais

COVILHÃ S BRASIL INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. HOT-AIR MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO EMBALADORA

COVILHÃ S BRASIL INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. HOT-AIR MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO EMBALADORA COVILHÃ S BRASIL INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. HOT-AIR MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO EMBALADORA Cabeçote segunda selagem Cabeçote primeira selagem Botões liga/desliga e temporizador Pedal

Leia mais

# $ %&' ( ) # " # % " *! " $ % + (, " $ - & "! "! " $ %&. ' ( ) #! " $ %' & +!

# $ %&' ( ) #  # %  *!  $ % + (,  $ - & ! !  $ %&. ' ( ) #!  $ %' & +! / 0 1 0 2 5 4 4 0 3 4 4 ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G DATA 01.09.99 01.09.99 10.07.00 EXECUÇÃO J.S. J.S. J.S. VERIFICAÇÃO J.S. J.S. J.S. APROVAÇÃO 6 1.0 0BJETIVO O objetivo

Leia mais

MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO

MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO CLIMA MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO Link para o vídeo que demonstra o movimento de translação da terra, comentando sobre as estações do ano e sobre a incidência dos raios solares na terra. http://www.youtube.com/watch?v=xczimavuxge

Leia mais