Desenvolvimento econômico e reformas institucionais no Brasil: Considerações sobre a construção interrompida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento econômico e reformas institucionais no Brasil: Considerações sobre a construção interrompida"

Transcrição

1 Desenvolvimento econômico e reformas institucionais no Brasil: Considerações sobre a construção interrompida SALVADOR TEIXEIRA WERNECK VIANNA Tese de Doutorado apresentada ao Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro como parte dos requisitos para a obtenção do título de Doutor em Economia BANCA EXAMINADORA Orientadora: Profa. Dra. Beatriz Azeredo IE / UFRJ... Prof. Dr. João Carlos Ferraz IE / UFRJ... Profa. Dra. Denise Lobato Gentil... Prof. Dr. José Eisenberg IUPERJ... Prof. Dr. Cláudio Salm Centro Celso Furtado... Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2007

2 2 Para Andrea, Aurora e Estela

3 3 Agradecimentos À honorável instituição da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em particular ao Colégio de Aplicação e ao Instituto de Economia. À minha orientadora, Beatriz Azeredo, pelo estímulo e confiança que sempre me passou, mesmo quando estive (confesso) prestes a desistir. Aos meus amigos do peito, sempre presentes: Otávio, André, Júlio e Ezequiel. Graças ao doutorado no IE ganhei outro, meu camarada em armas Luís Otávio Reiff. A meus familiares, que tornaram menos penosa esta travessia. O clã Werneck Vianna está ficando cada vez mais extenso, mas vamos lá: João Pedro e Gabriela, Juliano e Bianca, Marina e Sávio, João Francisco, Pedro (o rei do queijo quente), Valentim, Bento, Miguel e Tomás. Estendo meus agradecimentos a Consuelo, Fernanda e Márcia. A Iracema Teixeira, rochedo sobre o qual se erigiu essa fortaleza, exemplo de vida, de mulher, de coragem. A Luiz Jorge e Maria Lucia, as figuras humanas mais extraordinárias que já tive a ventura de conhecer; meus maiores mestres e meus maiores exemplos, a quem sempre serei tão devedor, em quem sempre, ainda que em vão, tentarei me espelhar. Reservo um agradecimento especial a minhas filhas, pela descoberta diária de um mundo melhor, ou pelo menos da esperança de um, que elas me proporcionam. Aurora e Estela são minhas heroínas, pequenas mas superpoderosas. A Andrea, tudo que posso dizer é que um dia espero poder retribuir tudo que ela fez para tornar possível a elaboração desta tese.

4 4 A sociedade sempre acaba vencendo, mesmo ante a inércia ou o antagonismo do Estado. O Estado era Tordesilhas. Rebelada, a sociedade empurrou as fronteiras do Brasil, criando uma das maiores geografias do Universo. O Estado, encarnado na metrópole, resignara-se ante a invasão holandesa no Nordeste. A sociedade restaurou nossa integridade territorial com a insurreição nativa de Tabocas e Guararapes, sob a liderança de André Vidal de Negreiros, Felipe Camarão e João Fernandes Vieira, que cunhou a frase da preeminência da sociedade sobre o Estado: Desobedecer a El-Rey, para servir a El-Rey. O Estado capitulou na entrega do Acre, a sociedade retomou-o com as foices, os machados e os punhos de Plácido de Castro e seus seringueiros. O Estado autoritário prendeu e exilou. A sociedade, com Teotônio Vilela, pela anistia liberou e repatriou. A sociedade foi Rubens Paiva, não os facínoras que o mataram. Foi a sociedade, mobilizada nos colossais comícios das Diretas-Já, que pela transição e pela mudança derrotou o Estado usurpador. Termino com as palavras com que comecei esta fala: A Nação quer mudar. A Nação deve mudar. A Nação vai mudar. A Constituição pretende ser a voz, a letra, a vontade política da sociedade rumo à mudança. Que a promulgação seja nosso grito. Mudar para vencer! Muda Brasil! (Ulysses Guimarães, discurso de promulgação da Constituição, 5 de outubro de 1988)

5 Índice TUAPRESENTAÇÃOUT...9 TUCAPÍTULO I INSTITUIÇÕES E DESENVOLVIMENTO: EM BUSCA DE UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINARUT...13 TU1 INTRODUÇÃO: O DESENVOLVIMENTO COMO TEMAUT...13 TU2 DESENVOLVIMENTO, CRESCIMENTO ECONÔMICO E INDUSTRIALIZAÇÃOUT...23 TU3 LÓGICA ECONÔMICA E RELAÇÕES SOCIAIS NA TEORIA DA REGULAÇÃOUT...29 TU4 INCERTEZA E MATRIZ INSTITUCIONAL: ALGUNS APORTES DA NOVA ECONOMIA INSTITUCIONAL AO TEMA DO DESENVOLVIMENTOUT...35 TU5 O NEO-INSTITUCIONALISMO NA CIÊNCIA POLÍTICAUT...43 TU6 CELSO FURTADO E O DIÁLOGO ENTRE A ECONOMIA E AS (DEMAIS) CIÊNCIAS SOCIAIS: UM ENFOQUE INSTITUCIONAL NÃO-REGULACIONISTA E NÃO-INSTITUCIONALISTAUT...50 TUCAPÍTULO II CONSIDERAÇÕES SOBRE AS RAÍZES DO SUBDESENVOLVIMENTO BRASILEIROUT...58 TU1 AS ECONOMIAS AÇUCAREIRA E MINEIRAUT...59 TU2 A ECONOMIA CAFEEIRA E A TRANSIÇÃO PARA O TRABALHO ASSALARIADOUT...73 TU3 FORMAÇÃO DO MERCADO INTERNOUT...81 TU4 TRANSIÇÃO PARA O SISTEMA INDUSTRIALUT...90 TUCAPÍTULO III ETAPAS DE ACELERAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO NO BRASILUT...93 TU1 INTRODUÇÃOUT...94 TU2 UM ESBOÇO DE ROTEIRO PARA O ESTUDO DA PRIMEIRA REPÚBLICAUT TU3 AS TRANSFORMAÇÕES DO PERÍODO UT TU3.1 Instituições e política econômica no Estado NovoUT TU3.2 A política econômica e seus atoresut TU3.3 O corporativismo: doutrina e práticaut TU3.4 Estado e sociedade na nova ordemut TU3.5 Palavras finaisut TU4 FUGA PARA FRENTE : O GRANDE SALTO DA DÉCADA DE 1950UT TU4.1 O quadro político e institucional no segundo governo VargasUT TU4.2 Política econômica no segundo governo VargasUT TU4.3 Instituições e política econômica no governo JKUT TU4.3.1 O Plano de Metas UT TU4.3.2 O sistema políticout TU4.3.3 A Administração ParalelaUT TU5 POLÍTICA E ECONOMIA NO REGIME MILITARUT TU5.1 Esgotamento de um modelout TU5.2 Os Atos InstitucionaisUT TU5.3 Reformas institucionais e política econômicau T TU5.3.1 O período UT TU5.3.2 O período UT TUCAPÍTULO IV FEDERALISMO E SISTEMA TRIBUTÁRIO NO BRASILUT TU1 INTRODUÇÃOUT TU2 ESTADO E FEDERALISMOUT TU2.1 Centralização e descentralização no federalismo brasileirout TU2.2 A Reforma dos anos 60UT TU2.3 O Sistema Tributário na Constituição de 1988UT TU2.4. A Evolução Posterior a 1988UT TU2.5 Desdobramentos RecentesUT TU3. ESTADO E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA: A REGRESSIVIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIROUT TU3.1. IntroduçãoUT TU3.2 Evidências sobre os impactos distributivos do sistema tributáriout TU4 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO EM DEBATEUT TU5 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ADICIONAIS SOBRE O DEBATE ATUALUT TUCAPÍTULO V A CONSTRUÇÃO INTERROMPIDAUT TUREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASUT...350

6 6 Índice de gráficos TUGRÁFICO 1 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL: VARIAÇÃO (%) REAL ANUAL, UT...95 TUGRÁFICO 2 - PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL: MÉDIAS GEOMÉTRICAS DECENAIS DAS TAXAS DE VARIAÇÃO (%) REAL ANUALUT...96 TUGRÁFICO 3 - PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL: EVOLUÇÃO ANUAL DE SEU NÍVEL, EXPRESSO EM R$ MILHÕES DE 2006, UT...98 TUGRÁFICO 4: EVOLUÇÃO DA RENDA POR HABITANTE NO BRASIL (EM R$ MIL DE 2006), UT...99 TUGRÁFICO 5 RENDA POR HABITANTE NO BRASIL, EM R$ MIL DE 2006: MÉDIAS DECENAISUT TUGRÁFICO 6 EVOLUÇÃO DE LONGO PRAZO DA CARGA TRIBUTÁRIA NO BRASILUT TUGRÁFICO 7 -EVOLUÇÃO DA ARRECADAÇÃO DIRETA POR ESFERA DE GOVERNO: 1960, 1965, UT.246 TUGRÁFICO 8 EVOLUÇÃO DA RECEITA DISPONÍVEL POR ESFERA DE GOVERNO:UT TU1960, 1965, UT TUGRÁFICO 9 CARGA TRIBUTÁRIA DIRETA E INDIRETA SOBRE RENDA, SEGUNDO CLASSES DE RENDA EM SALÁRIOS MÍNIMOS PARA O TOTAL DAS ÁREAS, EM %UT TUGRÁFICO 10 - PARTICIPAÇÃO DOS IMPOSTOS NA RENDAUT TUGRÁFICO 11 - PARTICIPAÇÃO DO ICMS NA RENDA DAS FAMÍLIASUT TUGRÁFICO 12 - PARTICIPAÇÃO DO ICMS NA RENDA DAS FAMÍLIASUT TUGRÁFICO 13 - PARTICIPAÇÃO DA COFINS+PIS+CPMF NA RENDA DAS FAMÍLIASUT Índice de tabelas e quadros TUTABELA 1 RENDA POR HABITANTE NO BRASIL, EM R$ MIL DE 2006: MÉDIAS QÜINQÜENAIS E TAXAS DE VARIAÇÃO PERCENTUALUT TUQUADRO 1 O PLANO DE METASUT TUQUADRO 2 O MOVIMENTO PENDULAR CICLOS DE CENTRALIZAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO NA FEDERAÇÃO BRASILEIRAUT TUQUADRO 3 - REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTÁRIAS: UT TUTABELA 2 CARGA TRIBUTÁRIA, , EM % DO PIBUT TUQUADRO 4 - A GUERRA FISCALUT TUQUADRO 5 - CRONOLOGIA DAS RENEGOCIAÇÕES DAS DÍVIDAS ESTADUAISUT TUTABELA 3 - PRINCIPAIS IMPOSTOS INDIRETOS RECOLHIDOS E ÔNUS FISCAL POR FAIXA DE RENDAUT...300

7 7 Resumo Esta tese analisa o processo de desenvolvimento econômico brasileiro ocorrido no período de meio século compreendido entre 1930 e Este processo, tratado no trabalho como a construção nacional, se deu, alternadamente, em condições autoritárias e democráticas, e, ao seu final, lograra multiplicar em sete vezes a renda por habitante, enquanto a população triplicaria. O objetivo central é discutir de que maneira as inúmeras reformas e inovações institucionais implementadas, ao longo desse período, e em diferentes contextos sociais e políticos, contribuíram para viabilizar o crescimento econômico acelerado. Para isso, é traçado um amplo panorama histórico, desde o período colonial, recorrendo a alguns dos autores clássicos da ciência social brasileira, em particular Celso Furtado, da evolução econômica brasileira. Um objetivo secundário é o de avaliar a necessidade de reformas, em especial no sistema tributário, no contexto brasileiro atual, marcado por crescente debate acerca da necessidade da retomada do desenvolvimento.

8 8 Abstract This thesis aims to analyze the process of Brazilian economic development between 1930 and This process, treated in the work as the national construction, has occurred, alternatingly, in authoritarian and democratic conditions, and, to its end, it achieved to multiply in seven times per capita income, while the population would triple. The central objective is to argue how the innumerable reforms and implemented institucional innovations, throughout this period, and in different social and political contexts, had made possible the sped up economic growth. For this, an ample historical panorama is traced, since the colonial period, appealing to some of the classic authors of Brazilian social science, in particular Celso Furtado, of the Brazilian economic evolution. A secondary objective is to evaluate the necessity of reforms, in special in the tax system, in the current Brazilian context, marked by increasing debate concerning the necessity of a new development process.

9 9 Apresentação A idéia central da presente tese é discutir os limites e as possibilidades que a implementação de reformas institucionais ofereceu (e ainda pode vir a oferecer) ao processo de desenvolvimento brasileiro. A motivação para o estudo desse tema vem da conjugação de pelo menos quatro fatores: A volta, com força cada vez maior, do tema do desenvolvimento econômico na agenda brasileira; Como decorrência, uma crescente revalorização dos elementos e valores ligados ao desenvolvimentismo, em particular o pensamento de Celso Furtado; A existência de dois lados oponentes nesse debate: um, que condiciona a retomada do desenvolvimento à implementação de reformas liberalizantes e prómercado; outro, que propõe o fortalecimento do Estado, e o enfrentamento do mercado, em questões-chave como, por exemplo, a política macroeconômica; O avanço inequívoco da democracia política no Brasil, bem como a melhora (ainda modesta) do quadro social, ambos decorrência direta dos marcos institucionais consagrados na Constituição de O objetivo geral da tese é avaliar as formas pelas quais o Estado capacitou-se, instrumental e institucionalmente, para liderar e coordenar o processo de desenvolvimento acelerado ocorrido no período de meio século entre 1930 e 1980, quando a renda por habitante multiplicou-se em sete vezes, enquanto a população triplicava. O objetivo específico é preparar o terreno para a discussão de questões pertinentes ao debate contemporâneo das reformas institucionais. Em particular, pretende-se avaliar as características de um marco institucional, o sistema tributário, o qual é recorrentemente apresentado como um entrave à retomada do crescimento

10 10 econômico a taxas mais elevadas. Embora a tese não possua pretensão normativa, tenciona-se apresentar argumentos contrários à adoção, na realidade atual brasileira, a reformas amplas que impliquem reformulação do texto constitucional. A tese está organizada da seguinte forma: o Capítulo I apresenta, em caráter introdutório e não-exaustivo, considerações sobre os conceitos de desenvolvimento e de instituições. Em particular, procura-se identificar como o tema das instituições é tratado em diferentes marcos teóricos das ciências sociais: a teoria da regulação e o neoinstitucionalismo. Em seguida, busca-se caracterizar a forma pela qual Celso Furtado, autor cuja obra é analisada ao longo da tese, estabelece um diálogo multidisciplinar entre as ciências sociais. O Capítulo II tem por objetivo, mediante uma leitura atenta do clássico Formação Econômica do Brasil (Furtado [1959], 1976), e algumas incursões aos textos contidos em Análise do Modelo Brasileiro (Furtado, 1973) e Dialética do Subdesenvolvimento (Furtado, 1964), recuperar os principais condicionantes históricos do subdesenvolvimento brasileiro. Busca-se, além disso, reforçar as formulações de Furtado fartamente usadas e citadas recorrendo a comentadores (como Bielschowsky, que esmiuçou o pensamento furtadiano) e a outros (poucos) historiadores igualmente clássicos que realizaram empreitadas similares à de Celso Furtado. Em resumo, o capítulo discorre sobre as transformações da economia brasileira até o início propriamente dito do processo de industrialização no Brasil, a partir da década de 1930, que remetem, segundo Celso Furtado, a dois momentos de transição. O primeiro, objeto da quarta parte de Formação Econômica do Brasil, teria sido a transição para o trabalho assalariado, no século XIX. E o segundo seria o da transição para um sistema industrial no século XX, tratado na quinta e última parte da referida obra. Antes de tratá-los especificamente, discute-se, ainda que rapidamente, como se

11 11 deu a formação dos dois pólos dinâmicos que impulsionaram a economia colonial e que, segundo Furtado, contribuíram profundamente para a conformação da sociedade e da economia brasileira contemporânea. O Capítulo III é o de maior fôlego da tese. Tem por objetivo, a partir da identificação de algumas etapas em que, ao longo desse século, especificamente no período , de maneira inequívoca a economia brasileira logrou realizar saltos em seu processo de desenvolvimento, analisar a importância que pode ter havido para a explicação desses saltos no que diz respeito à elaboração de políticas e marcos legais (em alguns casos mesmo com novas constituições) que configurariam reformas estruturais ou institucionais. Os períodos a serem considerados são o primeiro e segundo governo Vargas, os anos JK e os governos militares, de Castelo Branco a Médici. No primeiro governo Vargas houve as Constituições de 1934 e de 1937, esta outorgada e inauguradora da ditadura do Estado Novo. No período militar, além de 17 atos institucionais, houve a Constituição de 1967, e ainda, em 1969, a promulgação da Emenda Constitucional nº. 1, incorporando dispositivos do AI-5 ao novo texto que se tomou conhecido como "a Constituição de 1969". O Capítulo IV discute a conformação do sistema tributário brasileiro, tal como estabelecido nas reformas de 1967 e de 1988, bem como sua evolução desde então. Dois elementos são destacados: a dimensão federativa e a questão da equidade. Procura-se ressaltar, adicionalmente, o fato de que, nessas duas reformas, o sistema tributário foi concebido não apenas como mecanismo de geração de receitas, mas principalmente como peça-chave na engrenagem da política pública. O quinto e último capítulo procura articular a discussão precedente, estabelecendo em bases claras em que constituiu, de fato, o processo de construção nacional levado a termo entre 1930 e 1980, e como e por que se deu sua interrupção.

12 12 Dois comentários finais. Primeiro, em relação ao método. A metodologia adotada consistiu no recurso à literatura pertinente parte dela, naturalmente -, mediante um cotejamento diversificado de textos e autores, buscando incluir aportes da história, da ciência política e da economia. Especificamente, pretendeu-se (no sentido mesmo de pretensão), baseado na antiga tradição ensaística da ciência social brasileira, discutir em profundidade os temas colocados, e a partir daí extrair as lições que possam contribuir à compreensão do processo de desenvolvimento em sua relação com as reformas institucionais. Segundo, em relação ao título. Robert Paul Wolff, Barrington Moore Jr. e Herbert Marcuse, em seu prefácio de Crítica da Tolerância Pura (Zahar: Rio de Janeiro, 1970), desculpam-se aos leitores pelo plágio que leviana, mas respeitosamente, faziam à fundamental obra de Kant. Mais que me desculpar pelo, portanto, duplo plágio, ofereço o título, e a própria tese, como uma homenagem (que provavelmente não está à sua altura; o que, pensando bem, é irrelevante) ao mestre Celso Furtado.

13 PT Para FPT 13 Capítulo I Instituições e desenvolvimento: em busca de uma abordagem multidisciplinar 1 Introdução: o desenvolvimento como tema Adotando-se uma posição razoavelmente livre em relação aos cânones da ciência econômica moderna em particular aos da corrente dominante em grande parte do ensino e pesquisa universitária no Brasil e no mundo, pode-se conjecturar que a história da humanidade é, ela própria, a história do desenvolvimento. A espécie humana, desde seus primórdios, ao constituir formas primitivas de comunicação e de domínio sobre a natureza, e a partir daí instituir os primeiros esboços de vida em sociedade, traduz o que pode ser apreendido como um processo natural (e permanente) de mudanças e inovações. Desenvolvimento é, portanto, antes de tudo, um processo humano. Não exatamente fruto da ação individual, mas sim resultante da associação e da interação coletiva de agrupamentos sociais. Neste sentido, parece correto associar o processo de desenvolvimento humano ao processo de evolução das sociedades em geral. TPF 1 Concebendo-se a idéia de desenvolvimento de um ponto de vista histórico, em termos intuitivos é possível esboçar a seguinte proposição. Nas primeiras civilizações, estaria relacionado às formas primitivas de escrita e de produção agrícola; na Grécia antiga, às primeiras formalizações das ciências naturais, à codificação e secularização da vida em sociedade (democracia, direito, cidadania), à produção artística; no Império Romano, ao aprimoramento ao extremo da ciência militar e à constituição de todo um aparato burocrático-administrativo e jurídico que tornou possível sua existência e hegemonia por longos séculos. É verdade que, assumindo que estes diferentes 1 uma digressão sintética sobre as origens e a evolução da técnica nas sociedades primitivas, ver Ferreira Lima (1961).

14 TP PT Numa PT Há 14 momentos podem ser tomados como um processo mais ou menos contínuo de desenvolvimento das sociedades, ao menos no Ocidente, tal processo sofre profunda 2 inflexão durante o medievo.tpf FPT No mínimo, pode-se afirmar que ele passa a se operar de maneira muito mais vagarosa. Pois que, tanto do ponto de vista das forças produtivas quanto das condições de vida das populações, os avanços e as inovações ocorridos passam a se dar em grau e velocidade incomparavelmente menores que em toda a 3 história precedentetpf FPT. O que por si, mesmo num tratamento informal como o ora apresentado e ainda no terreno das conjecturas, permite que se levante uma indagação. Parece plausível a hipótese de que, embora muitas vezes fatores exógenos possam exercer apreciável influência, em última instância processos de desenvolvimento estão associados, ou até subordinados, a determinadas forças de intervenção políticas, econômicas, sociais que por sua vez correspondem a uma espécie de ato de vontade explicitada. Dito de outra forma, apesar de que o processo de desenvolvimento possa parecer um moto contínuo da evolução da humanidade, ele na verdade não possuiria caráter algum de 2 perspectiva mais rigorosa, poder-se-ia talvez objetar que o desenvolvimento ocorre justamente nos pontos de descontinuidade dos processos de evolução das sociedades. Ainda assim, é possível contrarrestar o argumento de que são as contínuas transformações políticas, econômicas e sociais que produzem as condições endógenas para esses momentos de quebra de continuidade. Tomando-se o exemplo da Grécia Antiga, helenistas célebres como Jean-Pierre Vernant e F.M. Cornford demonstram como o desenvolvimento da Polis e da própria filosofia surge quase que repentinamente, entre fins do século VI e início do século V, como conseqüência de transformações, inclusive econômicas, ocorridas ao longo do século VI. Para estudos clássicos das origens do pensamento filosófico grego, além dos citados Vernant (1981) e Cornford (1981), referência obrigatória é Werner Jaeger, com seu monumental Paideia (México: Fondo de Cultura Económica, 1957). 3 um belo ensaio de Agnes Heller, em O Homem do Renascimento, sobre a concepção medieval de tempo e as mudanças que se operam no período renascentista. A autora mostra que a despeito da inflexão operada pelo medievo em relação à antiguidade, mantém-se comum uma concepção do tempo, e pois, da história, o que tem conseqüências sobre a filosofia e a ciência. Durante a Antiguidade e a Idade Média, os momentos históricos individuais ou pontos no tempo eram intervalos de tempo suficientemente grandes para excederem a vida de qualquer pessoa (e, muitas vezes, ultrapassavam até o tempo da vida de muitas gerações). Mas durante o renascimento esta relação foi invertida, e desde então esta inversão afectou toda a história européia (à parte certos casos excepcionais): os momentos históricos tornaram-se mais curtos do que a duração da vida humana (...) No domínio da ciência e da tecnologia, alguns pensadores do Renascimento aprenderam a olhar o presente a partir do ponto de vista do futuro. O futuro constituía algo que evoluía indefinidamente, transformando-se noutra coisa e aperfeiçoando-se; o presente, por comparação, era um início, um ponto de partida imperfeito. Ver Heller (1982), cap VI ( O tempo e o espaço: orientação para o passado ou orientação para o futuro ).

15 15 espontaneidade. Depende, portanto, da ação do homem. Mas não de um homem, de um indivíduo, e sim de agrupamentos de indivíduos vivendo em sociedade. E esta ação se deu historicamente de maneira muito mais eficaz conforme o grau de desenvolvimento das estruturas e instituições sociais e políticas em que se reuniram esses agrupamentos. Utilizando uma categoria moderna, poder-se-ia dizer, grosso modo, que onde houve Estado, forte e estruturado relativamente a seu contexto histórico, vicejou progresso técnico, aumento populacional e melhoria das condições de vida avaliada por exemplo em termos de infra-estrutura, transportes, comunicações. Numa palavra, desenvolvimento. Inversamente, quando não houve prevalência de um corpo dirigente unificado (e unificador) constituído para governar a sociedade, tal como se verificou na Europa feudal, o processo de desenvolvimento foi, conforme assinalado, severamente restringido. Corroborando o argumento, de fato é a partir do momento da constituição das sociedades modernas, isto é, dos Estados Nacionais na Europa Ocidental, que o processo de desenvolvimento ganha vertiginosos impulso e aceleração. Esse é, aliás, um dos supostos básicos de Karl Polanyi, em A Grande Transformação. As origens do que denomina uma economia de mercado, cuja efetiva vigência só teria tido lugar na sociedade de mercado do século XIX, não estariam na evolução das trocas locais ( atos individuais de permuta ou troca não levam, como regra, ao estabelecimento de mercados em sociedades onde predominam outros princípios de comportamento econômico ), mesmo quando e onde estas desempenharam papel significativo (porque a instituição do mercado local sempre foi cercada por uma série de salvaguardas destinadas a proteger a organização econômica vigente na sociedade da interferência por parte das práticas de mercado ). Por outro lado, não residiriam, para o autor, na expansão do comércio de longa distância (igualmente regulado por normas não

16 PT Ver 16 econômicas e separado dos mercados locais não apenas em relação à sua função, mas também à sua organização ). Para Polanyi, o pai do comércio interno dos tempos modernos, ou seja, do mercado nacional como padrão de uma economia de mercado, é 4 o deus ex machina da intervenção estatal TPF FPT. De todo modo, a idéia de desenvolvimento passa a ser, crescente e preponderantemente, relacionada à esfera da economia. Produção, geração de excedentes, comércio, estes passam a ser os principais motores das potências européias Inglaterra, França, Portugal, Espanha, Holanda que se lançam aos oceanos para lançar as sementes do mundo tal como hoje se define. O regime capitalista de produção, em sua fase de acumulação primitiva, e em seguida as transformações profundas da Revolução Industrial, em escala sem precedentes na história pretérita, estabelecem o que conhecemos por desenvolvimento até os dias de hoje. Desenvolvimento passa a ser, como ainda essencialmente o é, desenvolvimento econômico. Desenvolvida portanto é a nação (ou a sociedade) capaz de acumular recursos e capital de tal forma que possa alavancar suas forças produtivas para, com isso, produzir mais e melhor, conquistar mais e maiores mercados e, por fim, gerar riqueza e prosperidade para sua população, num processo auto-realimentado e virtuoso. Retomando nossa perspectiva histórica, o paradigma do desenvolvimento ocidental é a Inglaterra, berço da Revolução Industrial, que mostra ao mundo o futuro a ele reservado: urbanização em escala sem precedentes na história da humanidade, redefinição dramática do espaço e do papel da agricultura, e permanentes revoluções nos campos das ciências, transportes, comunicações etc. Evidentemente, sempre com um objetivo comum: a acumulação de capital, que afinal de contas é o que move e torna possível todo esse processo. 4 Polanyi (1980), especialmente cap. 5.

17 17 Não caberia, no contexto desta brevíssima tentativa de conceituação, a pretensão de apresentar um resumo da história econômica moderna. De todo modo, ao longo do século XX, em que não se pode deixar de registrar a mudança de paradigma (para os Estados Unidos da América), as nações continuaram a se desenvolver tendo como eixo ainda e sempre a acumulação de capital mesmo, em certo sentido (talvez até mais de um), os países do então chamado bloco socialista. (A China atual, aliás, parece um exemplo emblemático a comprovar tal afirmação.) Importa mais, talvez, a mudança que passa a haver, nas principais sociedades ocidentais, em relação ao entendimento da noção geral de desenvolvimento, especialmente no após Segunda Guerra. Esta mudança se deu, em larga medida, pela percepção generalizada do caráter concentrador e excludente do processo de desenvolvimento baseado na acumulação de capital. Este, embora tivesse se mostrado incomparável do ponto de vista de geração de riqueza, mostrara-se também incapaz de distribuí-la de maneira minimamente equânime entre as populações. O fato mais evidente a ilustrar essa mudança é, sem dúvida, a constituição dos Estados de Bem-Estar Social nos países da Europa Ocidental. Tais nações teriam incorporado a suas sociedades a idéia de que não basta ter indústrias e tecnologias avançadas; para serem desenvolvidas, tais nações deveriam garantir da forma mais abrangente possível o acesso da totalidade de suas populações aos benefícios resultantes: habitação, saúde, educação e, principalmente, emprego e renda. Durante a maior parte da segunda metade do século passado (período batizado por Eric Hobsbawn como idade de ouro do capitalismo), este modelo de desenvolvimento prosperou, mas a partir de fins dos anos 80 começou a dar sinais de esgotamento, por uma série de fatores. Talvez o mais importante, pelo fato de haver ainda no mundo uma maioria esmagadora de populações (na África, na América Latina, na Ásia) vivendo em

18 18 condições absurdamente distantes dos padrões de vida dessas sociedades chamadas desenvolvidas. Dito de outra forma, na medida em que o padrão global de desenvolvimento permaneceu concentrador e excludente, isto tornou inviável a existência de ilhas de desenvolvimento econômico e social justo e equilibrado. A esta altura, convém introduzir um pouco de formalismo e rigor na conceituação de desenvolvimento. Tomando como referência um autor conhecido na literatura econômica brasileira contemporânea, Luiz Carlos Bresser-Pereira em Desenvolvimento e crise no Brasil abre sua exposição com a seguinte definição: O desenvolvimento é um processo de transformação econômica, política e social, através do qual o crescimento do padrão de vida da população tende a tornar-se automático e autônomo. Trata-se de um processo social global, em que as estruturas econômicas, políticas e sociais de um país sofrem contínuas e profundas transformações (Bresser-Pereira, 2003, p. 31). Ao considerar os termos de Bresser-Pereira, é importante assinalar que, embora partindo de uma definição aparentemente ampla, ele em seguida restringe sua abordagem, no sentido de que o desenvolvimento seria um processo historicamente situado, surgindo apenas quando o sistema econômico em que ele ocorre torna-se dominantemente capitalista ou socialista. Assim, Concebido dessa forma restritiva, segundo a qual não só as transformações devem ser ao mesmo tempo econômicas, políticas e sociais, como também o resultado mais direto deve levar ao aumento do padrão de vida da população e esse aumento deve ser automático, autônomo e necessário, ou seja, autosustentado, o conceito de desenvolvimento torna-se historicamente situado (Bresser-Pereira, 2003, p.32). É importante fixar a idéia de que, tomando-se a noção de desenvolvimento tal como acima formulada, a definição que emerge, a rigor, é estritamente a de desenvolvimento econômico. E assim, tal como argumentado anteriormente, de fato pode-se dizer que se trata de um conceito historicamente situado. Não por acaso, foi o

19 TP TP PT Apud PT Não PT A FPT O FPT sugere, 19 tema central da Economia clássica, como aliás o indicam o título e o conteúdo da obra pioneira de Adam Smith. Neste sentido, afirma Paul Baran: Ao se referirem às falácias da teoria mercantilista do comércio exterior ou à rigidez do sistema de corporações, ao discutirem as funções do Estado na vida econômica ou o papel desempenhado pela classe dos grandes proprietários agrícolas, os economistas clássicos não tinham dúvida em mostrar que o progresso econômico dependia da remoção das instituições políticas, sociais e econômicas obsoletas, da criação de condições de livre concorrência sob as quais a iniciativa privada teria as mais amplas oportunidades para se desenvolver sem obstáculos (Baran, 1972, pp ). O surgimento da escola clássica da Economia, e portanto dos primeiros esforços de teorização a respeito dos processos que engendram o progresso, o crescimento e o desenvolvimento econômico está fortemente relacionado ao surgimento e desenvolvimento do capitalismo e ao triunfo da burguesia moderna (idem, p. 51). Nas 5 palavras de Lionel RobbinsTPF FPT, os economistas clássicos constituíam a vanguarda intelectual do movimento em prol da libertação das energias e iniciativas espontâneas. O movimento livre-cambista teria assumido, nesse contexto, um verdadeiro sentido de cruzada. Indo adiante na análise efetuada por Paul Baran, é interessante assinalar sua observação de que, uma vez completamente estabelecidos o capitalismo e a ordem econômica e social burguesa, esta ordem teria sido aceita como a estação terminal da História, no sentido de que a teoria econômica neoclássica pouco esforço dedicou na discussão sobre o fenômeno da mudança econômica e social. Referindo-se aos economistas neoclássicos, Ajustamentos meramente marginais pareciam praticáveis e aconselháveis nada drástico, nada radical poderia esperar merecer a aprovação da Ciência 6 7 Econômica.TPF mote natura non facit saltumtpf claramente, que não Baran (1972). por acaso, a teoria da utilidade marginal (...) tornou-se o núcleo da Economia neoclássica. natureza não dá saltos.

20 PT Marx, FPT 20 se pretendia mudança, pois ele não é, com certeza, o mote do desenvolvimento econômico (Baran, 1972, p.52). Baran sugere, portanto, numa chave analítica diferente da discutida alguns parágrafos acima, que o desenvolvimento econômico necessariamente pressupõe profundas transformações nas estruturas econômica, social e política, e na organização dominante da produção, da distribuição e do consumo. O desenvolvimento econômico sempre foi impulsionado por classes e grupos interessados em uma nova ordem econômica e social, sempre encontrou a oposição e a obstrução dos interessados na preservação do status quo, dos que usufruem benefícios e hábitos de pensamento do complexo social existente, das instituições e costumes prevalecentes. O desenvolvimento econômico sempre foi marcado por choques mais ou menos violentos; efetuou-se por ondas, sofreu retrocessos e ganhou terreno novo nunca foi um processo suave e harmonioso se desdobrando, placidamente, ao longo do tempo e do espaço (Baran, 1972, p.52). A ciência econômica, que em suas origens teria constituído um esforço intelectual revolucionário, no sentido de estudar e propugnar os princípios norteadores do sistema econômico mais capaz de melhorar a situação das sociedades, nesta linha de argumentação teria, nas palavras de Paul Baran, se voltado contra seu passado, transformando-se em mera tentativa de explicar e justificar o status quo (Baran, 1972, p.54). A crítica de Marx em A miséria da Filosofia é particularmente feliz neste contexto: Os economistas nos explicam o processo de produção sob dadas condições: o que eles não explicam, porém, é como se produziram essas condições, isto é, os movimentos históricos que lhes dão origem. TPF 8 É interessante constatar, persistindo ainda na linha de argumentação de P. Baran, que o momento seguinte de inflexão na Ciência Econômica se deu na conjuntura dramática da crise da depressão e do desemprego dos anos 30 do século XX, com a publicação da Teoria Geral e a assim chamada Revolução Keynesiana. A análise 8 A miséria da Filosofia, apud Baran (1972).

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR LINGUAGENS 01. C 02. D 03. C 04. B 05. C 06. C 07. * 08. B 09. A 10. D 11. B 12. A 13. D 14. B 15. D LÍNGUA ESTRANGEIRA 16. D 17. A 18. D 19. B 20. B 21. D MATEMÁTICA 22. D 23. C De acordo com as informações,

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Revista Brasileira do Comércio Exterior Outubro/Dezembro 2011 MOTIVAÇÕES PARA A

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa Historiadora, Especialista em Políticas Públicas, responsável, nesta gestão, pela chefia de gabinete da

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL Luana Vianna dos Santos Maia Tatiane da Fonseca Cesar Resumo: O artigo apresentou uma

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

A aceleração como processo histórico

A aceleração como processo histórico 2.3 A ACELERAÇÃO DA DISRITMIA Identificadas as características de cada componente do processo de mudanças, merecem consideração as seguintes características referentes ao processo globalmente considerado.

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7 GRUPO 7.2 MÓDULO 7 Índice 1. A educação e a teoria do capital humano...3 2 1. A EDUCAÇÃO E A TEORIA DO CAPITAL HUMANO Para Becker (1993), quando se emprega o termo capital, em geral, o associa à ideia

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 10. PLANEJAMENTO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO Soraya Hissa Hojrom de Siqueira Diretora da Superintendência de Modalidades e Temáticas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima O presente boletim trata da evolução da estrutura produtiva de regiões selecionadas, entre 2002 e 2014, a partir dos dados de empregos formais da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e do Cadastro

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO

AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO A 350404 Rui Pedro Paula de Matos AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO UM ESTUDO DE CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COLECÇÃO TESES Universidade Lusíada Editora Lisboa 2001 As ONGD e a crise

Leia mais

AULA 07 Tipos de avaliação

AULA 07 Tipos de avaliação 1 AULA 07 Tipos de avaliação Ernesto F. L. Amaral 31 de março de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos Sociais. São Paulo,

Leia mais