MEIO AMBIENTE E TECNOLOGIA EM UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEIO AMBIENTE E TECNOLOGIA EM UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ"

Transcrição

1 MEIO AMBIENTE E TECNOLOGIA EM UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Maclovia Corrêa da Silva Universidade Tecnológica Federal do Paraná e João Augusto Bastos Universidade Tecnológica Federal do Paraná RESUMO: Esse artigo trata da inserção do meio ambiente em um curso de pósgradução em tecnologia. Entender tecnologia como categoria geral, baseada em fatos, pode separá-la de um todo histórico. As estratégias e políticas de ciência e tecnologia ainda estão a caminho para ultrapassar as visões segmentadas do conhecimento. A interdisciplinaridade traduz-se em um modo de gerar novos conhecimentos na área, e faz a articulação com a ciência e a natureza. A inovação tecnológica, o desenvolvimento industrial, a gestão de processo produtivos apresentam um outro lado da moeda: poluição, devastação, emissão de gases, contaminações, resíduos e alterações climáticas. A tecnologia abrange um entendimento global, holístico, e na vertente educacional pode apoiar os estudos científicos sobre sustentabilidade, e a construção de novos paradigmas para alicerçar as discussões entre professores e alunos. PALAVRAS-CHAVE: pós-graduação; meio ambiente; tecnologia e meio ambiente 1 INTRODUÇÃO Quando os alunos de graduação decidem continuar os estudos e procuram os cursos de pós-graduação, eles visam, dentre outros objetivos, obter a titulação que facilitará o caminho para ministrar aulas em cursos superiores. Nos cursos de

2 mestrado interdisciplinares strictu-sensu, que garantem a permanência da continuidade da pesquisa, crescem os interesses pelos estudos ambientais. As pressões sobre os países consumidores de energia, matéria prima e transporte, conjuntamente com as discussões sobre reciclar e reduzir a produção de resíduos de modo insustentável, para a existência biológica do Universo, são temas discutidos na atualidade que sinalizam a necessidade de mudanças de comportamento quanto ao uso da natureza e da tecnologia. Cresce tanto o número de normas e de certificações para proteger o meio ambiente, quanto à aceitação das empresas em melhorar seus processos tecnológicos industriais para reduzir os níveis de poluição. Muitas estratégias são pensadas, arquitetadas, as quais demandam discussões com a academia, com o governo, com o setor privado, e com organizações não governamentais. Uma forma, até de certo modo convergente, para promover uma aproximação entre a ciência, meio ambiente e tecnologia seria a promoção de uma reciclagem de conhecimentos. Durante todo o século XX, as áreas de conhecimento produziram, isoladamente, teorias que deram suporte às ações e decisões. Muitas delas foram condenadas à morte, e outras esquecidas dentro de bibliotecas. Um esforço de recuperação e de revitalização teórica-metodológica poderia agregar novos conhecimentos e provocar uma tendência de conversão para o pensamento interdisciplinar, inserindo, no cotidiano das práticas, a consciência ecológica e a atenção para o meio ambiente. A educação ambiental enquanto curso de formação no ensino superior começa pela formação de profissionais nos cursos de pós-graduação, oferecendo espaços de discussão e de práticas dissertativas para alunos em faculdades e universidades. Nesse sentido, eles seriam capacitados para multiplicar comportamentos crítico-reflexivos sobre a melhoria da qualidade da vida humana, e sobre os limites da capacidade de suporte dos ecossistemas nos seus ambientes de trabalho, de estudo, e de moradia. O exercício do pensamento científico, integrado com as realidades socioeconômica e ambiental, faz parte dos objetivos do grupo de estudos TEMA Tecnologia e Meio Ambiente, do Programa

3 de Pós-Graduação em Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, desde 2001, quando ele se chamava TEEMA Tecnologia, Ética, e Meio Ambiente. Dentre as publicações do grupo, registrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, podemos destacar os artigos que discutem a Educação Ambiental no ensino fundamental e médio da rede pública e privada, e sobre a sustentabilidade do Planeta. Todavia, ainda falta. Estamos nos propondo a pensar sobre esses e outros temas ambientais, no rural e no urbano, com o espírito de percepção que remete ao mundo de certezas, de incertezas, e contradições expressas nas ciências da natureza e do homem. O Programa de Pós Graduação em Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, multi e interdisciplinar, possui três linhas de pesquisa Tecnologia e Trabalho, Tecnologia e Interação e Tecnologia e Desenvolvimento, cujos eixos norteadores estão inseridos em dimensões teóricas, dentre elas a da Educação Tecnológica, a Educação Ambiental e a Sustentabilidade. As propostas de trabalho para os estudos ambientais do Mestrado de Tecnologia, concentradas na linha de pesquisa Tecnologia e Desenvolvimento, têm sido um desafio de ensino já que a questão ambiental, na escala hierárquica de prioridades, ainda fica aquém do raciocínio da lucratividade das transações econômicas. As pesquisas buscam criar uma base de conhecimentos que faça o diálogo, através da educação tecnológica, com as outras áreas, com a tecnologia, e com a natureza. Considerando as finalidades de um curso de pós-graduação que valoriza a reflexão educacional, o Programa de Pós Graduação em Tecnologia desenvolve esforços no sentido de ultrapassar a perspectiva linear das relações entre o mercado e o desenvolvimento. Por isso, seus pesquisadores se preocupam em situar a tecnologia no contexto histórico que tem a educação, a sociedade e a natureza como pano de fundo de seus estudos e pesquisas. 2 RESGATE HISTÓRICO DA CRIAÇÃO DO PPGTE

4 As estratégias e políticas de ciência e tecnologia buscam ultrapassar a visão segmentada do conhecimento, procurando trabalhar com visões estratégicas na dimensão nacional, interagindo com as comunidades científicas brasileiras para se pensar a educação. A formação de educadores não se restringe somente a diplomar doutores, sem deixar de colocar a sua importância no desenvolvimento de pesquisas. Muitas delas não estão voltadas diretamente para o desenvolvimento econômico do País, e por isso, o ensino técnico é uma faixa intermediária, que pode estar intermediada pelas outras áreas do conhecimento necessárias para que haja o equilíbrio das mudanças culturais, econômicas, sociais e políticas. Os investimentos em capacitação de recursos humanos cristalizam uma abertura para o pensamento reflexivo, interdisciplinar no ensino técnico, e nos cursos de bachalerado e licenciatura que permitem expandir a ciência e a tecnologia. Preocupado e teleguiado pela aventura profissional de poder realizar ações dentro das políticas de educação científica, vinculada à tecnologia, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPQ para a última década do século XX, o Professor Doutor João Augusto Bastos 1 estudou a viabilidade de estabelecer as relações entre educação, ciência e tecnologia. Quando ele se debruçou sobre a empreitada, as primeiras iniciativas se voltaram para um levantamento das instituições federais, estaduais e locais que estavam promovendo pesquisas sobre o tema. A conclusão foi que muitos programas nacionais de pós-graduação em educação investiam em pesquisas nessa área do conhecimento sem estabelecer diálogos freqüentes com a tecnologia, e as redes de escolas técnicas, agrotécnicas, centros de educação tecnológica careciam de um espaço de discussão condutor de movimentos para desenvolver pesquisas que enfrentassem o desafio da interdisciplinaridade. 1 O pesquisador e professor concluiu seu doutorado na França, no Institut Catholique de Paris, e o seu texto versou sobre o conhecimento como categoria analítica.

5 No CNPQ, o Centro de Política Científica e Tecnológica foi estruturado para impulsionar o fluxo das decisões de ordem estratégica e política. Parte da energia foi jorrada para um campo pleno de fendas e segmentações, porém a força e a dedicação de pesquisadores trouxeram a cristalização dos investimentos na educação técnica, no trabalho e na educação tecnológica. A manifestação do processo à realização demandou uma nova compreensão do tripé Ciência, Educação e Tecnologia. Era interesse que o Professor João Augusto Bastos, enquanto pesquisador, estimulasse a dinâmica da troca de conhecimentos na educação tecnológica. Primeiramente, foi escolhido um Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET - avançado para inserir as políticas do CNPQ em mecanismos de interrelação eficiente, os quais permitissem a florescência de uma nova experiência institucional. O CEFET-PR, situado em Curitiba, estado do Paraná, hoje Universidade Tecnológica Federal do Paraná, apresentava em 1994 um corpo docente e um discente dispostos a superar limitações, prontos para abraçar o exercício e o aprendizado interdisciplinar, e desenvolver um ambiente de pesquisa acadêmica em nível de pós-graduação. Era preciso reconhecer que havia um vazio a preencher, e que os pesquisadores da Instituição portavam em suas mãos as ferramentas para construir coletivamente o conhecimento proposto e desejado. O professor João Augusto Bastos, na frente dessa hercúlea obra, uma obra de arte, conseguiu reunir as forças externas e internas dos dirigentes da Instituição, dos representantes de órgãos governamentais, dos peritos de instituições de fomento, e, assim, moldar as silhuetas de um programa de mestrado capaz de espelhar as relações entre educação, ciência, tecnologia, e inovação tecnológica. Quando o Programa de Mestrado foi criado em 1995, havia a banda da educação tecnológica ensino técnico; e inovação curso de inovação. Nesse ambiente, durante 4 anos, não perdurou o espírito da interdisciplinaridade. Foi preciso ocorrer a integração de áreas para que, então, fossem gerados novos

6 conhecimentos pela interdisciplinaridade. O curso precisava ter uma fisionomia que expressasse as intenções. Antes era um curso de pós-graduação, e hoje é um programa, porque o esforço está na pesquisa, reunindo ações enérgicas de diálogo e complementaridade entre as disciplinas. Quando os cursos técnicos foram extintos, e o CEFET-PR começou a criação de cursos superiores de tecnologia, o enfoque da educação tecnológica no Mestrado foi redimensionado. Enxugaram-se as disciplinas e as linhas de pesquisa, e passou-se a olhar as modificações que envolviam a formação profissional. O enfoque foi dado para a pesquisa, com o objetivo de formar pesquisadores, e criar, entre os professores e os alunos, um estado de espírito cognitivo para investigar e aprofundar conhecimentos. Os esteios conceituais de tecnologia, educação tecnológica, inovação tecnológica estão fundamentados nas práticas cotidianas do ensino técnico. Segundo o professor Rui Gama (1986), a tecnologia é um todo, ela não é um agregado de técnicas, não é prática, não é o simples fazer. A tecnologia abrange um entendimento global, holístico como um todo. Ela, como categoria geral, não é factual e sim parte de um todo histórico. O entendimento tecnológico passa pela cultura, pelo saber, pelo significado, pela interlocução, pelas leituras. Os significados históricos das transformações sociais são fundamentais para entender a tecnologia. Por exemplo, em nível local como o curitibano, o paulista, o catarinense, reagiram e reagem diante da tecnologia? O local faz parte de um regional que deve ser também fazer parte dessa interpretação. As dimensões histórico-cultural, econômico-social, e ambiental das concepções de tecnologia ajudam a entender os significados do processo de construção do ensino. Assim chega-se à reflexão crítica, partindo da essência, até ruptura do simples saber-fazer. Os segmentos produtivos da sociedade relacionam-se com a tecnologia e com o ensino, e hoje, precisam também atrelar suas atividades às práticas de sustentabilidade. 3 NATUREZA E SUSTENTABILIDADE

7 O uso social da natureza ainda instaura controvérsias e tem efeitos perversos quando o meio ambiente é tratado como um capital natural inesgotável. Ao se dirigir um olhar reverente para o mundo natural, uma vez que dele se tiram os recursos e as inspirações para os seres vivos sobreviverem, é possível constatar diferentes valores, significados e compreensões de organização social. Aborígines, sábios, artistas, teólogos e moralistas, formaram idéias a respeito dele nos seus contextos, apontando motivos para suas decisões sobre o uso da matéria e da energia planetárias (LENOBLE, p. 28). O autor procura mostrar na sua obra que os aspectos científicos e morais das representações da natureza são inerentes. Acreditamos que essa assertiva ainda acompanha a humanidade na construção do pensamento e do meio em que habita. Amiga, inimiga, máquina, inspiradora, possuidora de leis, mãe, madrasta são alguns adjetivos que qualificam a natureza. THOMAS (1988), historiador inglês, aponta um sentido utilitário da natureza, ressaltado os estudos feitos pela história natural, em que médicos ocupavam-se da descoberta do uso medicinal das plantas, entomologistas buscavam aprender como destruir pestes resistentes, e colecionadores prestavam atenção nas variedades que compõem a biodiversidade. Os objetivos da história natural, no inicio do período moderno, excediam em muito as necessidades práticas, derivando de uma combinação de impulso religioso, curiosidade intelectual e prazer estético. Foi a religião que ensinou que o mundo natural era domínio do homem, registrado no livro de Deus, e seu estudo funcionava como um atalho para a compreensão da sabedoria divina. A conquista humana da natureza agrediu a sensibilidade estética e deu origem às objeções morais. O comportamento insensato e extravagante dos seres humanos com os animais selvagens aumentava o direito do homem a eliminar criaturas selvagens das quais nada tinha a temer. No século XVII, os destruidores impiedosos e os domesticadores já eram julgados por homens públicos e romancistas ingleses: os

8 animais domesticados eram como aborígines outrora orgulhosos, desmoralizados por seus conquistadores europeus (THOMAS, 1988, p. 341, 334). Henry Power, autor do livro editado em 1664, intitulado Filosofia Experimental acreditava ser um dever moral dos seres humanos a contemplação do mundo da natureza, e essa prática viabilizava o desenvolvimento de práticas religiosas de exaltação e adoração ao Todo-Poderoso. A moralidade atingia as artes, pois do ponto de vista moral, o cultivo era agradável. No aspecto pictórico, despertava aversão (THOMAS 1988, p.338). Inspirada nas diferentes concepções de natureza, cada vez mais a humanidade pôde se servir de recursos tecnológicos para lutar por ou contra a destruição, e também no sentido de fazer avançar o progresso das investigações científicas, trazendo conseqüências para as questões morais e sociais de épocas ou civilizações. Lenoble (2004, p. 77) explica que às representações da natureza, correspondem atitudes de consciência. Diferentes são as maneiras dos seres se situarem no mundo natural, bem como e de o representarem. Lenoble (2004) diz que a palavra natureza é bastante complexa e obscura pela sua generalidade. Há um conjunto ordenado de seres e de coisas que se reproduzem, seguindo leis, e a humanidade deseja apossar-se das técnicas existente na natureza. Assim, o conhecimento foi sempre considerado um meio para se alcançar formas de liberdade diante dos enigmas e das incógnitas do mundo natural. Nunca o homem se contentou, e nunca se contentará, com as poucas e parciais informações que uma geração fornece. Ele erguerá sempre os olhos para a Natureza a fim de penetrar no seu mistério, conhecer os seus segredos, e guardá-los dentro de laboratórios. (LENOBLE, 2004, p. 318). No mundo moderno, com os resultados obtidos pelas ciências químicas, físicas e biológicas, tornou-se ultrapassado o saber-fazer, diz Swaney (1987). Para ele, os conhecimentos precisam ser aplicados como ferramentas no planejamento de decisões sociais, ecológicas, as quais interferem nos caminhos potenciais da evolução humana.

9 No processo ensino-aprendizagem das estruturas sociais, os saberes e os conhecimentos atrelam-se às crenças da flexibilidade e adaptabilidade da mente humana às decisões institucionais e culturais que formam os seres sociais. O compromisso desse conjunto de atos está em integrar a natureza e a sociedade por meio de uma cultura generalizada, seja ela de cunho científico, de natureza literária ou artística, mas já não mais na posição suprema da escala do universo material. Söderbaum (1990) comenta a questão da distinção entre tradições cientificas e não científicas, e ressalta que o progresso científico é frequentemente o resultado da adequada interrelação entre o conhecimento que se adquire nas instituições formais, e aquele que as pessoas produzem durante suas experiências de vida. 4 TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Uma composição hábil entre Inovação tecnológica e criatividade não se contrapõe às novas formas de produzir, e nem às propostas de desenvolvimento do país que respeitem o meio ambiente. Explicitamente, essas idéias podem ser bandeiras para a organização de cursos formadores. Porquanto as questões ambientais não aparecessem explicitamente no corpo da organização do PPGTE na década de 90, elas encontravam-se nas tramas da interdisciplinaridade. Havia uma comunicação pensada entre as áreas. Admitia-se a existência de vasos comunicantes entre a educação e a natureza. A vertente educacional estaria incumbida de apoiar os estudos científicos sobre sustentabilidade, e a construção de novos paradigmas alicerçariam as discussões entre professores e alunos. A capacitação dos jovens para agir nas áreas socio-ambientais é uma forma de remoldelar e reformar os currículos escolares. Assim pensou o professor João Augusto Bastos quando aceitou a participação do professor Eloy Fassi Casagrande e suas pesquisas na área

10 ambiental, no PPGTE, em Concretizava-se o início da construção de pontes para atravessar mares dantes nunca navegados, diria o poeta português do século XVI. A educação, a inovação tecnológica, o desenvolvimento, a gestão, os processo produtivos industriais revelam que a humanidade, com suas próprias realizações intelectuais, estão deteriorando o meio ambiente com a poluição, a devastação de matas, a emissão de gases, contaminações, resíduos e alterações climáticas. As questões ambientais passam a interferir nas formas de produzir, vender e comprar. Hoje, fala-se em madeira certificada, em selo verde, em água limpa, em participação em programas de responsabilidade social, e em formas de alcançarmos a cidadania. Então, é preciso que as universidades invistam na formação de especialistas para trabalhar dentro dos princípios da sustentabilidade ambiental e empresarial. Foi a iniciativa de dinamizar as pesquisas no PPGTE que funcionou como uma alavanca para os desafios do intercâmbios entre as áreas de conhecimento, mesmo que o Programa tenha nascido sob a égide da inovação (BASTOS, 2006). Dentro do difícil diálogo com os pesquisadores sa linha de pesquisa tecnologia e desenvolvimento do PPGTE, formada nos anos 1999/2000, pela sua natureza de trabalhar com exclusividade os processos do segmento industrial privilegiando a instrumentalidade, a funcionalidade, a técnica, foram sendo, lentamente, introduzidos mais profissionais para reforçar a área do meio ambiente na produção social e industrial. É impossível sonhar com um pensamento homogêneo que sustente as relações sociais. Por isso, vivemos a realidade de uma crise entre pensadores, responsável pela fragmentação das idéias do corpo docente na área do desenvolvimento do PPGTE. O desenvolvimento pode acontecer sem agredir a natureza e os seres humanos. Não é produção para aumentar o capital, mas para promover a sociedade e a inclusão social (ENTREVISTA..., 2006). 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

11 Primamos pela reprodução da natureza, mas nossa pressa, nossas experiências, e a relação que fazemos com o desenvolvimento, e hoje com a sustentabiidade, ainda nos mostram que não somos capazes de combater a destruição de recursos, as alterações climáticas, a poluição, e a intoxicação química. Desprezamos aqueles seres que habitam nas áreas rurais, e valorizamos todas as ações urbanas de impermeabilização do solo e poluição do ar. Reduzimos as soluções para os problemas da superprodução, das erosões, da perda de nutrientes no solo ao uso de tecnologias limpas, apropriadas, sem sequer mencionar quaisquer mudanças na lógica de desenvolvimento e uso da natureza humana, e na circulação das informações. Comunicamo-nos de longe, e as experiências coletivas vão minguando na febre do efêmero. Considerando que temos um futuro comum, é importante que comecemos a nos comunicar mais de perto para apostar em possibilidades de abandonarmos a idéia de desenvolvimento sustentável e pensarmos em uma vida sustentável nesse Planeta, iluminado pelo sol e agraciado pela presença do gás oxigênio. O risco de segmentar está presente na biologia da vida. Então como resgatar a visão global das três linhas de pesquisa trabalho, interação e desenvolvimento - do PPGTE? O grande corpo desses tentáculos é a educação, diz o professor João Augusto Bastos. O processo precisa ser reinventado. Precisamos acordar a Bela Adormecida para informá-la que já não podemos mais contemplar a natureza sem a tecnologia, e que nessa paisagem existem obras humanas que se interpõem na visão do horizonte. Recuperar o tema da educação interativa, isto é, da inovação, da tecnologia e do meio ambiente, significa abandonar as discussões ambivalentes de progresso e do domínio da natureza, e estender os campos das pesquisas científicas e políticas para a formação do cidadão pensante, capaz de mudar sem se ofender, nem sentir dor pelo que ele mesmo fez ao Planeta. REFERÊNCIAS

12 BASTOS, J. A. O Programa de Pós-Graduação em Tecnologia do Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET-PR: história e perspectivas. In: Revista Educação & Tecnologia. Curitiba: CEFET-PR, 2003, n. 6, p ENTREVISTA com o Professor João Augusto Bastos cedida para Maclovia Corrêa da Silva no dia 17 de outubro de 2006 no Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. GAMA, Ruy. A tecnologia e o trabalho na história. São Paulo: Nobel/EDUSP, LENOBLE, R. História da idéia de natureza. Lisboa, Edições 70, 2004 PALESTRA realizada por João Augusto S.L.A. Bastos. Programa de Pós- Graduação em Tecnologia PPGTE-CEFET-PR, SWANEY, J. Elements of a neoinsitutional Environmental economics. In: Journal of Economic Issues, v.. XXI, n.4, p SÖDERBAUM, P. Neoclassical and institutional approaches to environmental economics. In: Journal of Economic Issues, v. XXIV, n.2, jun p THOMAS, K. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais ( ). São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB Introdução Marcos Antonio Lopes do Nascimento Universidade Federal da Paraíba marcosal99@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ Eliangela Palharini de Carvalho (Discente Licenciatura em Ciências Naturais UFFS Realeza/PR Bolsista extensão

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Fábio José Garcia dos Reis Março de 2010 No Brasil, cabe ao Estado supervisionar, controlar, avaliar, elaborar políticas, autorizar,

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza.

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Fernanda Ribeiro Silva, fernandaenge@yahoo.com.br, Graduanda em Engenharia Florestal na Universidade Federal de Lavras UFLA, Autora; Danusa

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS SOBRE POLÍTICAS EDUCACIONAIS E SOCIOAMENTAIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

GRUPO DE ESTUDOS SOBRE POLÍTICAS EDUCACIONAIS E SOCIOAMENTAIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE POLÍTICAS EDUCACIONAIS E SOCIOAMENTAIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA ROCHA, Carlos Alves; SILVA, Maria Cristina Borges; ALENCASTRO, Mario Sergio Cunha; BEATRIZ, Marilene Zazula UTP /

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA Denise Knorst da Silva 1 denisek@unijui.tche.br RESUMO Neste trabalho é apresentada uma discussão sobre atividades

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

A formação do licenciado em matemática

A formação do licenciado em matemática A formação do licenciado em matemática VIANA,P.A. Sobral Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú 6 de agosto de 2011 paty.alvi@hotmail.com pré-prints da Sobral Matemática no.2011-02 Editor Tarcisio

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania 2010 PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania Mogi Guaçu/SP PROJETO CHICO MENDES CICLOS DA VIDA: AMBIENTE, SAÚDE E CIDADANIA Equipe FMPFM Prof. Ms. Glauco Rogério Ferreira Desenvolvimento

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos HISTÓRIA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em História PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO A definição

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas; 1 COOPERATIVISMO TAMBÉM SE APRENDE DA ESCOLA Luiza Maria da Silva Rodrigues 1 Edaiana Casagrande Santin 2 Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Materiais PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROPOSTA 1 Curso Nome(s) do(s) Curso(s) ZOOTECNIA Código e-mec 56129 Conceito ENADE 4 Coordenador da Proposta (Tutor do Grupo) ANA MARIA BRIDI 2 Caracterização da Proposta 2.1Área de Conhecimento (código

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais