Algoritmos e Estrutura de Dados II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Algoritmos e Estrutura de Dados II"

Transcrição

1 Universidade Federal do Vale do São Francisco Algoritmos e Estrutura de Dados II Professor: Marcelo Santos Linder

2 Ementa Árvores B, grafos e tabelas de hash: alocação estática e dinâmica e algoritmos de inserção, remoção e consulta. Armazenamento em disco com uso de índices. Métodos de classificação. Introdução à complexidade de algoritmos, com análise de complexidade no tempo e no espaço. 2

3 Objetivos Gerais Proporcionar aos alunos experiência teórica e prática com estruturas de dados e modelos abstratos, considerando aspectos da eficiência dos algoritmos associados às estruturas de dados, no tocante a complexidade temporal e espacial dos algoritmos. 3

4 4 Objetivos Específicos Apresentar os diversos tipos de modelos abstratos ou estruturas de dados e seus algoritmos; Entender as estruturas de dados como modelos matemáticos cuja escolha é dependente do contexto no qual ela será utilizada; Apresentar o conceito da estrutura de dados árvore e as operações de inserção, remoção e busca; Apresentar o conceito da estrutura de dados grafo e as operações de inserção, remoção e busca; Apresentar a estrutura Tabela de hash e as operações de alocação estática e dinâmica juntamente com as operações de inserção, remoção e consulta. Apresentar a forma de armazenamento em disco por meio do uso de índices. Apresentar os métodos de classificação na sua relação com as operações de busca, ou seja, o rearranjo como

5 Objetivos Específicos 5 uma forma de tornar mais eficiente a operação de busca dos dados. Fazer perceber que rearranjar os elementos de uma estrutura de dados pode proporcionar aos alunos uma melhor compreensão das relações internas que possam existir entre os dados. Fazer perceber que reorganizar é especialmente útil para que sejam alcançadas soluções para um dado problema. Fazer perceber que reorganizar os elementos de uma estrutura de dados muitas vezes podem ajudar a encontrar uma solução para um problema, o que lhes permite ver novas informações destacando uma informação que anteriormente não era visualizada. Fazer perceber que o rearranjo pode ser utilizado para demonstrar conceitos.

6 Metodologia A disciplina será trabalhada com aulas expositivo-dialogadas, onde serão fornecidos os componentes teóricos e será feita a prática de exercícios. Recursos Quadro branco, marcador, notebook e projetor multimídia. Nas aulas práticas serão utilizados os computadores do laboratório onde as aulas ocorrerão. 6

7 Forma de Avaliação A avaliação será realizada mediante 2 provas escritas e um trabalho prático (passível de alterações). 7

8 Bibliografia Bibliografia Básica: AARON M.T.; LANGSAM, Y.; MOSHA, J.A. Estruturas de Dados Usando C. Pearson Education, CORMEN T.H.; LEISERSON C.E.; RIVEST, R.L. Algoritmos - Teoria e Prática. Elsevier, SEDGEWICK, R. Algorithms in C. 3ª ed. Pearson Education, ZIVIANI, N. Projeto de Algoritmos - com implementação em Pascal e C. Cengage Learning, Bibliografia Complementar: DOUGLAS D.; MOONEY, A; RANDALL J.S. Course in mathematical modeling. Mathematical Association of America, STUART, J. Cálculo. 4 ª ed. Cengage Learning, vol. 1. SAYÃO, L.F. Modelos teóricos em ciência da informação: abstração e método científico. Ciência e Informação, Bibliografia Auxiliar: DROZDEK A. Estrutura de Dados e Algoritmos em C++. Cengage Learning, 2009.

9 Material de apoio Informações Gerais Os slides utilizados em aula, descrição de trabalhos, datas de avaliações e demais informações referentes à disciplina encontramse na página 9

10 10 Breve Revisão

11 Programa Um programa pode ser visto como a especificação formal da solução de um problema. N.Wirth expressa em sua equação programa = algoritmo + estruturas de dados onde: o algoritmo contém a lógica do programa e os dados são organizados em estruturas de dados. 11

12 Estruturas de Dados A qualidade da solução de um problema depende, entre outros fatores, da forma como estão organizados os dados relevantes. Encontrar o número do telefone de um certo assinante no conjunto de todos os assinantes. Representação interna de uma string: 4 G A T O G A T O \0 ;. Toda uma classe de modelos desenvolveuse, ao longo do tempo, com o objetivo de viabilizar o processamento de dados. 12

13 Estruturas de Dados Estruturas de dados são formas genéricas de se estruturar informação de modo a serem registradas e processadas pelo computador. Ex.: lista ordenada; vetores; árvores; grafos, etc. Contudo estas só adquirem significado quando associadas a um conjunto de operações, que visam, de um modo geral, manipulá-las (algoritmos). 13

14 Tipos Abstratos de Dados Embora os termos tipo de dado, estrutura de dados e tipo abstrato de dados em essência se refiram aos mesmos objetos formais, eles são usados em contextos próprios. O termo tipo de dado é usado no contexto de uma linguagem de programação (tipos primitivos) e está associado a um método de interpretar um padrão de bits. 14

15 Tipos Abstratos de Dados O termo tipo abstrato de dado (TAD) denota um modelo junto com um conjunto de operações definidas sobre o modelo. (tipo + operações validas). Por fim, estrutura de dados é uma forma concreta de se implementar um TAD, ou seja, uma representação computacional do modelo matemático em questão. 15

16 Listas, Pilhas e Filas Visando recordá-los dos pontos principais e estabelecer um elo entre as disciplinas, faremos agora um overview dos tópicos vistos na disciplina Algoritmos e Estrutura de Dados I através um conjunto de exercícios. O que é uma lista? Uma lista é uma seqüência de zero ou mais elementos, cada um deles sendo um valor primitivo (átomo ou nodo) ou composto. Em outras palavras, a estrutura de lista representa a ordem linear entre os elementos. Listas podem ser homogêneas ou heterogêneas, lineares ou não lineares. 16

17 Listas, Pilhas e Filas Cite algumas operação primitivas necessárias a uma implementação de uma lista: -criar uma nova lista; -verificar se a lista é vazia; -acessar o k-ésimo elemento; -inserir um elemento como k-ésimo da lista; -remover o k-ésimo elemento; -etc. 17

18 18 Listas, Pilhas e Filas No que tange a gerência de memória como uma lista pode ser implementada? Com relação a gerência de memória uma lista pode ser implementada de forma seqüencial ou encadeada. Utilizando a alocação encadeada uma lista pode ser implementada de algumas formas, cite-as: -simplesmente encadeada; - com nó de cabeçalho; -circular; -duplamente encadeada; -etc.

19 Disciplinas de acesso Muitas vezes é útil impor, para manipulação de uma certa estrutura de dados, restrições quanto à visibilidade de seus componentes ou quanto à ordem que deve ser respeitada para se efetuarem operações, como inserções ou retiradas, por exemplo. Isto ajuda na modelagem de certos processos que ocorrem no mundo real. Com o tempo e a prática, foram identificadas algumas disciplinas de acesso aplicadas a estruturas de dados, úteis em diversas aplicações. Dois casos dos mais importantes são casos particulares de listas com disciplinas de acesso, denominados: filas e pilhas. 19

20 20 Defina uma fila. Listas, Pilhas e Filas Uma fila é uma lista com restrições de acesso, em que as operações de inserção são realizadas sobre uma das extremidades, o fim da lista, enquanto operações de consulta e retirada são feitas na outra extremidade, o início da fila. Isto leva ao critério FIFO (first in, first out) que indica que o primeiro item que entra é o primeiro a sair da estrutura. O modelo intuitivo para isto é o de uma fila para atendimento em um guichê, na qual são atendidas as pessoas pela ordem de chegada.

21 Listas, Pilhas e Filas O atendente só tem contato com (só pode consultar) o primeiro (ou o mais antigo) da fila. Novos pretendentes ao serviço entram no fim da fila. No modelo formal, não há opção de abandono da fila: somente o primeiro pode ser retirado (sair da fila). 21

22 Listas, Pilhas e Filas Especifique uma forma simples e eficiente de armazenar em memória uma fila. Podemos utilizar uma lista simplesmente encadeada com um nó de cabeçalho (descritor) contendo um ponteiro para o primeiro elemento e outro para o último elemento da fila. F INICIO FIM... λ Nodo 1 Nodo 2 Nodo n 22

23 Desta forma, utilizando a linguagem C, defina o TAD FILA_ENC (de valores inteiros). 23 typedef struct nodo { int inf; struct nodo * next; }NODO; typedef struct { NODO *INICIO; NODO *FIM; }DESCRITOR; typedef DESCRITOR * FILA_ENC; void cria_fila (FILA_ENC *); int eh_vazia (FILA_ENC); void ins (FILA_ENC, int); int cons (FILA_ENC); void ret (FILA_ENC); int cons_ret (FILA_ENC);

24 Listas, Pilhas e Filas Implemente a operação de inserção de um novo elemento no TAD FILA_ENC. Inicialmente é feita a identificação de quantas situações se apresentam no processo de inserção. No caso são duas: lista com algum ou alguns elementos e lista vazia.

25 Listas, Pilhas e Filas Esquema do processo de inserção de um elemento na fila encadeada. F (situação 1) INICIO FIM X v Nodo 1 Nodo 2 Nodo 3 Novo F INICIO FIM v 25 Nodo 1 Nodo 2 Nodo 3 Nodo 4

26 Listas, Pilhas e Filas Esquema do processo de inserção de um elemento na fila encadeada. (situação 2) F INICIO FIM F v INICIO FIM Novo v Nodo 1 26

27 void ins (FILA_ENC f, int v) { NODO *novo; novo = (NODO *) malloc (sizeof(nodo)); if (!novo) { printf ("\nerro! Memoria insuficiente!\n"); exit (1); } novo->inf = v; novo->next = NULL; if (eh_vazia(f)) f->inicio=novo; else f->fim->next=novo; 27 f->fim=novo; }

28 Listas, Pilhas e Filas Implemente a operação de retirada de um elemento no TAD FILA_ENC. Inicialmente é feita a identificação de quantas situações se apresentam no processo de retirada. No caso são três: lista vazia, lista com mais de um elemento e lista com apenas um elemento.

29 Listas, Pilhas e Filas Esquema do processo de retirada de um elemento na fila encadeada. F (situação 1) INICIO FIM X aux Nodo 1 Nodo 2 Nodo 3 Nodo 4 F INICIO FIM 29 Nodo 1 Nodo 2 Nodo 3

30 Listas, Pilhas e Filas Esquema do processo de retirada de um elemento na fila encadeada. (situação 2) F INICIO FIM F X X INICIO FIM aux Nodo 1 30

31 31 void ret (FILA_ENC f) { if (eh_vazia(f)) { printf ("\nerro! Retirada em fila vazia!\n"); exit (3); } else { NODO *aux=f->inicio; f->inicio=f->inicio->next; if (!f->inicio) f->fim=null; free (aux); } }

32 32 Defina uma pilha. Listas, Pilhas e Filas Uma pilha é uma lista com restrições de acesso, onde todas as operações só podem ser aplicadas sobre uma das extremidades da lista, denominada topo da pilha. Com isso estabelece-se o critério LIFO (last in, first out), que indica que o último item que entra é o primeiro a sair. O modelo intuitivo para isto é o de uma pilha de pratos, ou livros, etc, na qual só se pode visualizar (consultar) o último empilhado e este é o único que pode ser retirado. E também qualquer novo empilhamento (inserção) se fará sobre o último da pilha.

33 33 Listas, Pilhas e Filas

34 Listas, Pilhas e Filas Uma pilha pode ser armazenada em uma lista simplesmente encadeada, sem perda de eficiência. Por exemplo: P... λ Nodo 1 Nodo 2 Nodo n 34 A implementação das operações é trivial. Para fazer uma inserção, basta alocar um nodo para o novo valor, ligá-lo ao primeiro nodo da lista e fazer o ponteiro apontar para o novo nodo.

35 Listas, Pilhas e Filas Uma retirada exige apenas que o ponteiro passe a apontar para o segundo nodo da lista (ou ser anulado, se houver apenas um nodo). Uma consulta exige apenas a recuperação do valor do primeiro nodo. Desta forma, podemos definir o TAD PILHA_ENC (de valores inteiros) da seguinte forma. 35

36 36 typedef struct nodo { int inf; struct nodo * next; }NODO; typedef NODO * PILHA_ENC; void cria_pilha (PILHA_ENC *); int eh_vazia (PILHA_ENC); void push (PILHA_ENC *, int); int top (PILHA_ENC); void pop (PILHA_ENC *); int top_pop (PILHA_ENC *);

37 37 Árvores Qual a carência das pilhas e filas? Estas são de difícil utilização para a representação hierárquica de elementos. Devido a Serem limitadas a apenas uma dimensão. Visando eliminar esta limitação foi criado o conceito de árvore. Uma definição recursiva para árvore é: 1. Uma estrutura vazia é uma árvore. 2. Se t 1,, t k são árvores disjuntas, então a estrutura cuja raiz tem como suas filhas as raízes de t 1,, t k também é uma árvore. 3. Somente estruturas geradas pelas regras 1 e 2 são árvores.

38 Árvores Exemplo de árvore 38

Universidade Federal do Vale do São Francisco. Estruturas de Dados. Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.

Universidade Federal do Vale do São Francisco. Estruturas de Dados. Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu. Universidade Federal do Vale do São Francisco Estruturas de Dados Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Ementa Alocação dinâmica de memória; Vetores, pilhas, filas, listas:

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

Listas Duplamente Encadeadas

Listas Duplamente Encadeadas Listas Duplamente Encadeadas! quando for preciso seguir a seqüência de elementos em ambos os sentidos! cada nó possui dois ponteiros: ant e prox ant prox a b c d Início Fim 1 Listas Duplamente Encadeadas

Leia mais

Filas: conceitos e implementações

Filas: conceitos e implementações Estrutura de Dados I Filas: conceitos e implementações Cesar Rocha cesar@pontoweb.com.br 1 Objetivos Explorar os conceitos fundamentais acerca do uso de filas utilizando a linguagem C Organização e implementação,

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Pilhas A estrutura de dados Pilha emula a forma de organização de objetos intuitiva que é utilizada diariamente nos mais diversos contextos da vida humana. Containeres são empilhados e desempilhados diariamente

Leia mais

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções:

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções: PLANO DE ENSINO 1. Identificação Curso: Tecnologia em Desenvolvimento de Software Disciplina: Estrutura de Dados Professor: Msc. Tiago Eugenio de Melo CPF: Regime de Trabalho: 40h CH. Semestral: 100h Siape:

Leia mais

Aula 3 Alocação Dinâmica

Aula 3 Alocação Dinâmica Aula 3 Alocação Dinâmica Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Internet Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno

Leia mais

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CES-11 Algoritmos e Estruturas de Dados Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CES-11 Pilhas Filas Deques Pilhas,,f filas e deques Vimos que as listas lineares admitem inserção e eliminação

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Carga horária total: 60 h Carga horária teórica: 30 h Carga horária prática: 30 h Código da Disciplina: CCMP0041 Período de oferta: 2015.2 Turma:

Leia mais

EAD Fila. - algumas operações realizam-se na frente/cabeça e outras na cauda da Fila

EAD Fila. - algumas operações realizam-se na frente/cabeça e outras na cauda da Fila EAD Fila - os seus elementos são processados por ordem de chegada: - o primeiro elemento a entrar na Fila é o primeiro a sair - FIFO ( First In First Out ). - algumas operações realizam-se na frente/cabeça

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

Filas Exemplo de Aplicação

Filas Exemplo de Aplicação Filas Exemplo de Aplicação Uma aplicação interessante para filas é a ordenação por distribuição, descrita a seguir. Seja uma lista l composta de n chaves, cada qual representada por um inteiro numa base

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais

Web site. Objetivos gerais. Introdução. http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados. Profa. Patrícia Dockhorn Costa

Web site. Objetivos gerais. Introdução. http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados. Profa. Patrícia Dockhorn Costa Web site http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados Estruturas de Dados Aula 1: Introdução e conceitos básicos Profa. Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br 01/03/2010

Leia mais

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais:

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: Estruturas de Dados Pilhas Prof. Ricardo J. G. B. Campello Créditos Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: disponíveis em http://ww3.datastructures.net/ cedidos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Introdução à Programação Carga horária total: 60 Carga horária teórica: 0 Carga horária prática: 60 Código da Disciplina: CCMP0041 Período de oferta: 2010.2 Turma: CA

Leia mais

-Estrutura linear de acesso seqüencial que ordena seus elementos pela seqüência cronológica de sua entrada;

-Estrutura linear de acesso seqüencial que ordena seus elementos pela seqüência cronológica de sua entrada; FILAS (Queues) -Estrutura linear de acesso seqüencial que ordena seus elementos pela seqüência cronológica de sua entrada; -Estrutura FIFO (First In First Out) a ordem de saída é a mesma ordem de entrada

Leia mais

Programação para Computação

Programação para Computação Universidade Federal do Vale do São Francisco Programação para Computação Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Ementa Conceito de algoritmo. Lógica de programação e programação

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CURSO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO PILHA E FILA Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com

Leia mais

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 1. Um número racional é expresso por dois inteiros: um numerador e um denominador (este último diferente de zero!). Implemente um TAD para representar números

Leia mais

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES ALGORITMOS DE BUSCA EM LISTAS COM ALOCAÇÃO SEQÜENCIAL Busca em Listas Lineares A operação de busca é

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 7 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Prof. Eduardo Alchieri Estruturas de Dados Pilhas Pilhas Lista LIFO (Last In, First Out) Os elementos são colocados na estrutura (pilha) e retirados em ordem

Leia mais

Estruturas de Dados. Listas Dinâmicas Duplamente Encadeadas & Variantes. Listas Duplamente Encadeadas

Estruturas de Dados. Listas Dinâmicas Duplamente Encadeadas & Variantes. Listas Duplamente Encadeadas Estruturas de Dados Listas Dinâmicas Duplamente Encadeadas & Variantes Prof. Ricardo J. G. B. Campello Listas Duplamente Encadeadas Listas simplesmente encadeadas são ineficientes para realizar certas

Leia mais

Métodos Computacionais. Fila

Métodos Computacionais. Fila Métodos Computacionais Fila Definição de Fila Fila é uma estrutura de dados dinâmica onde: Inserção de elementos se dá no final e a remoção no início O primeiro elemento que entra é o primeiro que sai

Leia mais

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador Programas operam sobre dados Dados são relacionados e possuem estrutura Como representar e manipular dados em um computador Para representar um baralho precisamos: Representar cartas: naipe e valor struct

Leia mais

http://www.dcc.ufmg.br/algoritmos/transparenc ias.php

http://www.dcc.ufmg.br/algoritmos/transparenc ias.php Estruturas Aula 8: 10/09/2008 Listas de Informação (parte 2) TAD /* FLVazia(Lista). Faz Lista a lista (1) /* Insere(x, Input: Output: Pré-condição: Pós-condição: L L ficar L édefinida vazia */ Pós-condição:

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Curso de Ciência da Computação Disciplina: Estruturas de Dados Profª. Raquel Marcia Müller

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Curso de Ciência da Computação Disciplina: Estruturas de Dados Profª. Raquel Marcia Müller 1 Listas Lineares Dentre as estruturas de dados não primitivas, as listas lineares são as de manipulação mais simples. Uma lista linear agrupa informações referentes a um conjunto de elementos que, de

Leia mais

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipo de dados, tipo abstrato de dados, estruturas de dados Termos parecidos, mas com significados diferentes Tipo de dado Em linguagens de programação

Leia mais

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Série : 3 º Período - 1 º Semestre de 2011 Professora : Elzi Ap. Gil 3. LISTAS LINEARES PARTE - III Disciplina - Estrutura de Dados Segundo Pereira(2002),

Leia mais

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Representação em C Ordens de percurso em árvores binárias Altura de uma árvore

Leia mais

Pesquisa Sequencial e Binária

Pesquisa Sequencial e Binária Pesquisa Sequencial e Binária Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 20 Algoritmos e Estruturas de Dados I Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Binárias Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado.

Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado. Estrutura de Dados Introdução Extraído de : Estruturas de Dados Homero L. Pícollo Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado. A eficiência

Leia mais

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado - 2 Ponteiro é uma variável que possui o endereço de outra variável; É um poderoso recurso

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Exemplo de árvore binária e são os filhos de Altura desta árvore é 4 é a raiz da sub-árvore esquerda de Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Computação ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas Luiz Henrique Santos

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor.

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor. PUC-Rio Departamento de Informática Período: 2015.1 Horário: 2as-feiras e 4as-feiras de 17-19 30 de março de 2015 ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) 1 a Lista de Exercícios 1. Lista (a) Seja um TAD

Leia mais

Estrutura de dados. Link do Google Drive: http://goo.gl/53c7gu. ED Apresentação Luiz Gonçalves Última revisão 8/12/14

Estrutura de dados. Link do Google Drive: http://goo.gl/53c7gu. ED Apresentação Luiz Gonçalves Última revisão 8/12/14 Estrutura de dados Link do Google Drive: http://goo.gl/53c7gu 1/10 Objetivos do curso Selecionar e/ou implementar estruturas de dados para a resolução de problemas e construir programas de computadores

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 14 Árvores Binárias Edirlei Soares de Lima Árvores Uma estrutura de dados do tipo árvore permite que dados sejam organizados de maneira hierárquica.

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

Linguagem C: Árvores Binarias

Linguagem C: Árvores Binarias Instituto de C Linguagem C: Árvores Binarias Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Implementação

Leia mais

Tipos de Dado Abstrato: Listas, Filas e Pilhas

Tipos de Dado Abstrato: Listas, Filas e Pilhas Tipos de Dado Abstrato: Listas, Filas e Pilhas Estruturas de Dados Prof. Vilson Heck Junior Introdução Tradicionalmente conhecidos como Tipos de Dado Abstrato, são algumas Estruturas de Dados básicas e

Leia mais

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial Índice i Índice Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial 1. A Estrutura Abstrata de Dados Lista... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Implementação de Listas utilizando armazenamento

Leia mais

Estrutura de Dados Pilha (Stack)

Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados que corresponde a uma lista sequencial com a propriedade seguinte: LIFO O primeiro elemento a entrar é o último a sair ( Last in First Out ) Operações

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11 ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac IECE - ITA Uma árvore binária é: uma árvore vazia; ou uma árvore onde qualquer

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Pesquisa: Recuperação de informação em um grande volume de dados Informação é dividida em registros e cada

Leia mais

Busca em Memória. Secundária

Busca em Memória. Secundária UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Busca em Memória Secundária e Gomes da Costa yandre@din.uem.br 1 Busca de um item em uma massa de dados que não cabe na memória principal; Procura-se

Leia mais

EAD Árvore árvore binária

EAD Árvore árvore binária EAD Árvore árvore binária - Uma árvore binária é um conjunto finito de elementos (nodos) que pode ser vazio ou particionado em três subconjuntos: - raiz da árvore (elemento inicial, que é único); - subárvore

Leia mais

Complexidade de Algoritmos

Complexidade de Algoritmos Complexidade de Algoritmos Complexidade de Algoritmos Envolvendo Estruturas de Dados Elementares Prof. Osvaldo Luiz de Oliveira Estas anotações devem ser complementadas por apontamentos em aula. Vetor

Leia mais

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 Índice i Índice Capítulo 4 Estrutura de Dados não sequencial com armazenamento não sequencial ( Árvore ) 1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 2. Árvores binárias... 2

Leia mais

Estruturas de Dados I

Estruturas de Dados I UFES - Curso de verão 2011 Estruturas de Dados I Profa. Juliana Pinheiro Campos jupcampos@gmail.com Árvores binárias de busca (ou São árvores projetadas para dar suporte a operações de busca de forma eficiente.

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS PILHA

ESTRUTURA DE DADOS PILHA ESTRUTURA DE DADOS PILHA CONCEITO DE PILHAS - Pilhas são listas lineares onde a inserção de um novo item ou a remoção de um item já existente se dá em uma única extremidade, no topo. Pilha vazia Insere(A)

Leia mais

Árvores Binárias - continuação

Árvores Binárias - continuação Tópicos Avançados em Estrutura de Dados 6º Período Ciência da Computação Uma Aplicação de Árvores Binárias Árvores Binárias - continuação As árvore binárias são estruturas importantes toda vez que uma

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP Algoritmos e Programação Ricardo Argenton Ramos Baseado nos slides do professor Jadsonlee da Silva Sá Ementa Conceito de algoritmo. Lógica de programação e programação estruturada. Linguagem de definição

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Estrutura de Dados II. Prof. Sérgio Portari

Estrutura de Dados II. Prof. Sérgio Portari Estrutura de Dados II Prof. Sérgio Portari - 2016 Plano de Ensino EMENTA: Filas, Árvores e suas generalizações: árvores binárias, árvores de busca, árvores balanceadas, árvores B e B+. Aplicações de árvores

Leia mais

Métodos Computacionais. Árvores

Métodos Computacionais. Árvores Métodos Computacionais Árvores Árvores Vetores e Listas são ótimos para representar estrutura de dados lineares, mas não para modelar dados hierárquicos Exemplos de dados hierárquicos: sistema de arquivos

Leia mais

Árvore Binária de Busca

Árvore Binária de Busca Árvore Binária de Busca 319 Árvore Binária de Busca! construída de tal forma que, para cada nó:! nós com chaves menores estão na sub-árvore esquerda! nós com chaves maiores (ou iguais) estão na subárvore

Leia mais

Trabalho 3: Agenda de Tarefas

Trabalho 3: Agenda de Tarefas INF 1620 Estruturas de Dados Semestre 08.2 Trabalho 3: Agenda de Tarefas O objetivo deste trabalho é a implementação de um conjunto de funções para a manipulação de uma agenda de tarefas diárias, de forma

Leia mais

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO A Pilha Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br 1/5

Leia mais

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções (Aula 13) Fluxo de Controle Fluxo Seqüencial de Controle e Desvios (1) Fluxo de Controle: É a seqüência na qual instruções são dinamicamente executadas Isto

Leia mais

Apostila 03 Conceito de Filas

Apostila 03 Conceito de Filas Curso: Bacharelado em Ciência da Computação - BCC Disciplina: (1479A) Estruturas de Dados I ED1 Professora: Simone das Graças Domingues Prado e-mail: simonedp@fc.unesp.br home-page: wwwp.fc.unesp.br/~simonedp/ed1bcc.htm

Leia mais

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Luiz Chaimowicz e Raquel O. Prates Livro Projeto de Algoritmos Capítulo 1 2009-1 O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos Sequência de ações executáveis para

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO Introdução a POO Marcio Santi Linguagem C++ Introdução a Linguagem C++ e POO Programação Orientada a Objetos (POO) e C++ Recursos C++ não relacionados às classes Incompatibilidades entre C e C++ Classes

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

10. Listas Encadeadas

10. Listas Encadeadas 10. Listas Encadeadas W. Celes e J. L. Rangel Para representarmos um grupo de dados, já vimos que podemos usar um vetor em C. O vetor é a forma mais primitiva de representar diversos elementos agrupados.

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

Pilhas. Profa Morganna Diniz

Pilhas. Profa Morganna Diniz Pilhas Profa Morganna Diniz Pilhas Geralmente pilhas são úteis em situações em que dados devem ser recuperados em ordem inversa a do armazenamento É uma estrutura de dados linear que permite acesso por

Leia mais

Tipo de Dados em Linguagem C

Tipo de Dados em Linguagem C Tipo de Dados em Linguagem C Principais tipos de dados em C int : tipo de dados inteiros (exemplo: 1, -3, 100, -9, 18, etc.) float : tipo de dados reais (exemplo: 1.33, 3.14, 2.00, -9.0, 1.8, etc.) Ocupa

Leia mais

Hashing. Rafael Nunes LABSCI-UFMG

Hashing. Rafael Nunes LABSCI-UFMG Hashing Rafael Nunes LABSCI-UFMG Sumário Mapeamento Hashing Porque utilizar? Colisões Encadeamento Separado Endereçamento Aberto Linear Probing Double Hashing Remoção Expansão Quando não usar! Mapeamento

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo praticar o uso de tipos abstratos de dados e estruturas do tipo Lista.

Este trabalho tem como objetivo praticar o uso de tipos abstratos de dados e estruturas do tipo Lista. Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Estruturas de Dados (INF09292) 1 o Trabalho Prático Período: 2011/1 Prof a Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br Data de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande região de armazenamento formada por bytes ou palavras, cada

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

Filas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR

Filas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Filas David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR O que é uma fila? 1 4 3 2 Fila 1 2 3 4 O que é uma fila? Fila 1 2 3 4 O que é uma fila? 1 Fila 2 3 4 O que é uma fila? 1 2 Fila 3 4 O que

Leia mais

Estruturas de Dados Árvores

Estruturas de Dados Árvores Estruturas de Dados Árvores Prof. Eduardo Alchieri Árvores (introdução) Importância de estruturas unidimensionais ou lineares (vetores e listas) é inegável Porém, estas estruturas não são adequadas para

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Material Baseado no Livro Sistemas Operacionais Modernos 2ª. Ed. da Pearson Education 1 Agenda Deadlocks Gerenciamento de Memória 2 1 DEADLOCKS 3 Recursos Exemplos de recursos de

Leia mais

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior Sylvio Barbon Jr barbon@uel.br 1 Sumário 1) Introdução à Pesquisa em Memória Primária 2) Pesquisa Sequencial 3) Pesquisa Binária 4) Árvore

Leia mais

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento

Leia mais

Listas Lineares. Fundamentos

Listas Lineares. Fundamentos Listas Lineares Fundamentos Uma lista linear é uma coleção L:[a 1, a 2,..., a n ], n 0, cuja propriedade estrutural baseia-se apenas na posição relativa dos elementos, que são dispostos linearmente. Se

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Genéricas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA ESTRUTURA DE DADOS GOIANIA 2015/2 ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores Algoritmos e Estrutura de Dados III Árvores Uma das mais importantes classes de estruturas de dados em computação são as árvores. Aproveitando-se de sua organização hierárquica, muitas aplicações são realizadas

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados II. Apresentação. Prof a Karina Oliveira. kkco@dei.unicap.br

Algoritmos e Estrutura de Dados II. Apresentação. Prof a Karina Oliveira. kkco@dei.unicap.br Algoritmos e Estrutura de Dados II Apresentação Prof a Karina Oliveira kkco@dei.unicap.br Ementa Proporcionar ao aluno conhecimento teórico e prático para seleção, construção e manipulação de estrutura

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA 3. PILHA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma pilha é um tipo especial de Pilha na quais todas as inserções e remoções são feitas na primeira posição, que é chamada de topo. Outro nome

Leia mais

Estruturas de Dados com Jogos. Capítulo 3 Filas - Alocação Sequencial e Estática

Estruturas de Dados com Jogos. Capítulo 3 Filas - Alocação Sequencial e Estática Estruturas de Dados com Jogos Capítulo 3 Filas - Alocação Sequencial e Estática Seus Objetivos neste Capítulo Entender o que é e para que serve uma estrutura do tipo Fila; Desenvolver habilidade para implementar

Leia mais

INF1007 Programação 2 9 Pilhas. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007 Programação 2 9 Pilhas. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007 Programação 2 9 Pilhas (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Interface do tipo pilha Exemplo de uso: verificação de expressões Implementação de pilha com lista encadeada

Leia mais

Paradigmas de Programação

Paradigmas de Programação Paradigmas de Programação Tipos de Dados Aula 5 Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Prof. Edilberto Silva / edilms.eti.br Tipos de Dados Sistema de tipos Tipos de Dados e Domínios Métodos

Leia mais

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: (06241) Algoritmos e Estruturas de Dados. PRÉ-REQUISITOS: Matemática Discreta e Introdução a Programação

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: (06241) Algoritmos e Estruturas de Dados. PRÉ-REQUISITOS: Matemática Discreta e Introdução a Programação UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais