Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Responsabilidade Tributária e Retenção do ISS Sorocaba/SP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Responsabilidade Tributária e Retenção do ISS Sorocaba/SP"

Transcrição

1 16/10/2015

2 Sumário Título do documento 1. Questão Normas apresentadas pelo cliente Análise da Consultoria Regra Geral ISS do Município do Prestador Exceção ISS Devido no Local da Prestação dos Serviços Retenção do ISS na Fonte - Tomador e Prestador Estabelecidos no mesmo Município Sorocaba Exceção da Retenção do ISS na Fonte - Prestador Estabelecido Noutro Município Conclusão Informações Complementares Referências Histórico de alterações

3 1. Questão O cliente no ramo de indústria de móveis, ao efetuar o pagamento de comissões a representantes comerciais pessoas físicas, questiona se deve efetuar a retenção do ISSQN. 2. Normas apresentadas pelo cliente Foram indicadas as seguintes normas pelo cliente da Legislação Municipal de Sorocaba. LEI Nº 4.994, de 13 de novembro de (Regulamentada pelo Decreto nº /2010) Dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza e dá outras providências. Projeto de Lei nº 310/95 autoria do EXECUTIVO. A Câmara Municipal de Sorocaba decreta e eu promulgo a seguinte Lei: [...] Art. 8º São responsáveis pela retenção na fonte e pelo recolhimento do ISSQN devido por serviços prestados por contribuintes estabelecido neste Município, as seguintes pessoas, ainda que imunes, isentas ou beneficiárias de qualquer incentivo fiscal: [...] II As pessoas jurídicas de direito privado, em relação aos serviços por elas tomados ou intermediados. 3. Análise da Consultoria 3.1 Regra Geral ISS do Município do Prestador A regra geral para o cálculo e recolhimento do ISS é a que dispõe o artigo 3º da Lei Complementar 116, que considera o serviço prestado e o ISS devido no município onde está estabelecido o prestador de serviços. LEI COMPLEMENTAR Nº 116, DE 31 DE JULHO DE 2003 (...) Art. 3o O serviço considera-se prestado e o imposto devido no local do estabelecimento prestador ou, na falta do estabelecimento, no local do domicílio do prestador, (...) 3

4 3.2 Exceção ISS Devido no Título Local do da Prestação documento dos Serviços Esta mesma norma prevê que, para determinados serviços, o ISS é considerado devido no local onde o serviço for prestado: Art. 3o O serviço considera-se prestado e o imposto devido no local do estabelecimento prestador ou, na falta do estabelecimento, no local do domicílio do prestador, exceto nas hipóteses previstas nos incisos I a XXII, quando o imposto será devido no local: (Vide Lei Complementar nº 123, de 2006). I do estabelecimento do tomador ou intermediário do serviço ou, na falta de estabelecimento, onde ele estiver domiciliado, na hipótese do 1o do art. 1o desta Lei Complementar; II da instalação dos andaimes, palcos, coberturas e outras estruturas, no caso dos serviços descritos no subitem 3.05 da lista anexa; III da execução da obra, no caso dos serviços descritos no subitem 7.02 e 7.19 da lista anexa; IV da demolição, no caso dos serviços descritos no subitem 7.04 da lista anexa; V das edificações em geral, estradas, pontes, portos e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.05 da lista anexa; VI da execução da varrição, coleta, remoção, incineração, tratamento, reciclagem, separação e destinação final de lixo, rejeitos e outros resíduos quaisquer, no caso dos serviços descritos no subitem 7.09 da lista anexa; VII da execução da limpeza, manutenção e conservação de vias e logradouros públicos, imóveis, chaminés, piscinas, parques, jardins e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.10 da lista anexa; VIII da execução da decoração e jardinagem, do corte e poda de árvores, no caso dos serviços descritos no subitem 7.11 da lista anexa; IX do controle e tratamento do efluente de qualquer natureza e de agentes físicos, químicos e biológicos, no caso dos serviços descritos no subitem 7.12 da lista anexa; X (VETADO) XI (VETADO) XII do florestamento, reflorestamento, semeadura, adubação e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.16 da lista anexa; XIII da execução dos serviços de escoramento, contenção de encostas e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.17 da lista anexa; XIV da limpeza e dragagem, no caso dos serviços descritos no subitem 7.18 da lista anexa; XV onde o bem estiver guardado ou estacionado, no caso dos serviços descritos no subitem da lista anexa; XVI dos bens ou do domicílio das pessoas vigiados, segurados ou monitorados, no caso dos serviços descritos no subitem da lista anexa; XVII do armazenamento, depósito, carga, descarga, arrumação e guarda do bem, no caso dos serviços descritos no subitem da lista anexa; XVIII da execução dos serviços de diversão, lazer, entretenimento e congêneres, no caso dos serviços descritos nos subitens do item 12, exceto o 12.13, da lista anexa; XIX do Município onde está sendo executado o transporte, no caso dos serviços descritos pelo subitem da lista anexa; XX do estabelecimento do tomador da mão-de-obra ou, na falta de estabelecimento, onde ele estiver domiciliado, no caso dos serviços descritos pelo subitem da lista anexa; XXI da feira, exposição, congresso ou congênere a que se referir o planejamento, organização e administração, no caso dos serviços descritos pelo subitem da lista anexa; XXII do porto, aeroporto, ferroporto, terminal rodoviário, ferroviário ou metroviário, no caso dos serviços descritos pelo item 20 da lista anexa. (...) 4

5 3.3 Retenção do ISS na Fonte - Tomador e Prestador Estabelecidos no mesmo Município Sorocaba O tomador de serviço é a pessoa jurídica que contrata o serviço permanentemente em suas dependências, ou seja, o serviço é contratado para ser prestado diariamente, todos os dias do mês, uma terceirização da atividade junto a contratante, nesse caso, o ISS é devido no local da prestação do serviço. Conforme mencionado a regra geral é que o ISS seja recolhido para o município onde está estabelecido o prestador, no entanto, ainda que se trate destes tipos de serviços, conforme o que seja determinado pelo município e ainda que prestado e tomado no mesmo município do prestador, seus tomadores são obrigados a reter o ISS na fonte e recolhe-lo para o município do prestador. Outro fator importante para a retenção do ISS é o de que deve haver previsão de retenção na Lei do Município em que foi prestado o serviço. Caso não haja previsão não é devida a retenção. A Lei Federal estabelece que a retenção está prevista no art. 6º, da Lei Complementar nº 116 de Para fins de retenção do ISS deve ser observado o seguinte: Art. 6º Os Municípios e o Distrito Federal, mediante lei, poderão atribuir de modo expresso a responsabilidade pelo crédito tributário a terceira pessoa, vinculada ao fato gerador da respectiva obrigação, excluindo a responsabilidade do contribuinte ou atribuindo-a a este em caráter supletivo do cumprimento total ou parcial da referida obrigação, inclusive no que se refere à multa e aos acréscimos legais. Alinhada à Lei Federal, o município prevê em sua a Lei municipal da cidade de Sorocaba os serviços descritos nos subitens a devem ser retidos quando o prestador e tomador do serviço estivem localizados no mesmo município, neste caso aplica-se ao cenário do cliente quando o prestador e tomador estiverem em mesmo município, ainda que prestados por profissional liberal ou autônomo que não faça prova de sua inscrição cadastral no Município. (...) LEI Nº 4.994, de 13 de novembro de (Regulamentada pelo Decreto nº /2010) Dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza e dá outras providências. Projeto de Lei nº 310/95 autoria do EXECUTIVO. A Câmara Municipal de Sorocaba decreta e eu promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I Do Imposto CAPÍTULO II Do Responsável Art. 8º - São responsáveis pela retenção na fonte e pelo recolhimento do ISSQN devido por serviços prestados por contribuintes estabelecido neste Município, as seguintes pessoas, ainda que imunes, isentas ou beneficiárias de qualquer incentivo fiscal: I Os órgãos da administração direta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como suas autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista e as fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, em relação aos serviços por eles tomados ou intermediados; 5

6 II As pessoas jurídicas de direito privado, em relação aos serviços por elas Título do documento tomados ou intermediados. 1º- A obrigação de retenção na fonte e recolhimento do ISSQN por pessoas jurídicas de direito privado, nos termos do caput deste artigo, abrange o(s) seguinte(s) serviço(s) da Lista anexa: I descritos nos subitens 1.01 a 1.08; II descritos nos subitens 3.03, 3.04 e 3.05; III descritos nos subitens 4.02, 4.03, 4.21, 4.22 e 4.23; IV descritos nos subitens 7.01, , 7.05, 7.09, 7.10, 7.11, 7.12, 7.13, 7.16, 7.17, 7.18, 7.19, 7.20 e 7.21; V descrito no subitem 8.02; VI descritos nos subitens a 10.10; VII descritos nos subitens a 11.04; VIII descritos nos subitens 14.01, 14.02, 14.03, 14.04, 14.05, 14.06, e 14.12; IX descrito no item 16.01; X descritos nos subitens 17.01, 17.03, 17.04, 17.05, 17.06, 17.09, 17.10, 17.11, 17.12, 17.16, 17.17, 17.18, 17.20, e 17.24; XI descrito no item 19.01; XII descritos nos subitens a 20.03; XIII- descrito no item 24.01; XIV descrito no item 26.01; XV descrito no item 31.01; XVI descrito no item 32.01; e XVII descrito no item º - Também são responsáveis pela retenção na fonte e pelo recolhimento do imposto em relação aos serviços tomados ou intermediados: I - os tomadores ou intermediários de serviços provenientes do exterior do País ou cuja prestação se tenha iniciado no exterior do País; II - os tomadores ou intermediários dos serviços descritos nos subitens 3.05, 7.02, 7.04, 7.05, 7.09, 7.10, 7.11, 7.12, 7.16, 7.17, 7.18, 7.19, 11.01, 11.02, 11.04, 12.01, 12.02, 12.03, 12.04, 12.05, 12.06, 12.07, 12.08, 12.09, 12.10, 12.11, 12.12, 12.14, 12.15, 12.16, 12.17, 16.01, 17.05, 17.10, 20.01, e da lista anexa, quando o prestador de serviço não for estabelecido ou domiciliado neste município. III - os tomadores de serviços prestados por profissional liberal ou autônomo que não faça prova de sua inscrição cadastral no Município; IV - os tomadores de serviços prestados por pessoas jurídicas, quando estas não emitirem o documento fiscal correspondente ao serviço, ou quando desobrigadas da emissão deste, não façam prova de sua inscrição no cadastro mobiliário no Município; 3º - Os responsáveis mencionados neste artigo também são obrigados, na forma do regulamento, a emitirem e a entregarem ao prestador do serviço, o recibo de retenção do imposto e, ainda, ao cumprimento das demais obrigações acessórias estabelecidas na legislação. 4º - A retenção do imposto na fonte e o seu recolhimento serão feitos na forma e prazos estabelecidos em regulamento. (Redações do Artigo 8º, incisos e parágrafos dadas pela Lei n /2006) (...) No caso o serviço tomado pelo cliente é de representação comercial (pessoa física) classificado no item da lista de serviços como: Representação de Qualquer Natureza, inclusive comercial. Deverá ser observado pelo tomador se o prestador está estabelecimento no mesmo município para que seja efetuada a retenção. Caso não esteja não é devida a retenção conforme trataremos no próximo tópico. 6

7 Deverá ser observado os prazos estabelecidos no município para efetuar a retenção, caso não seja observado a retenção deverá ser recolhida com os acréscimos legais pelo tomador conforme estabelece o Art. 8ºA da Lei 4.994/1995. Art. 8º A - Os responsáveis a que se refere o Art. 8º desta Lei estão obrigados ao recolhimento integral do imposto devido, multa e acréscimos legais, independentemente de ter efetuado sua retenção na fonte. 1º - A obrigatoriedade prevista no caput deste artigo será dispensada, sem prejuízo da aplicação das penalidades legais cabíveis, se o responsável tributário comprovar que o prestador do serviço efetuou o recolhimento do imposto devido relativo ao serviço tomado ou intermediado. 3.4 Exceção da Retenção do ISS na Fonte - Prestador Estabelecido Noutro Município. O cliente ficará dispensada da retenção quando o prestador autônomo ou profissional liberal for de outro munícipio e comprove o recolhimento do imposto onde está estabelecido. A exceção é quando este prestar serviços onde obrigatoriamente o serviço tenha que ser realizado no local conforme relacionado no art. 18 da Lei nº 4.994/1995, neste caso deverá o ISS ser retido independentemente do município onde o prestador estiver localizado. Art O serviço considera-se prestado e o imposto devido no local do estabelecimento prestador ou, na falta do estabelecimento, no local do domicílio do prestador, exceto nas hipóteses previstas nos incisos I ao XX, quando o imposto será devido no local: I do estabelecimento do tomador ou intermediário do serviço ou, na falta de estabelecimento, onde ele estiver domiciliado, na hipótese do 1º do Art. 1º desta Lei; II - instalação de andaimes, palcos, coberturas e outras estruturas, no caso dos serviços descritos no subitem 3.05 da lista de serviços; III execução da obra, no caso dos serviços descritos no subitem 7.02 e 7.19 da lista de serviços; IV demolição, no caso dos serviços descritos no subitem 7.04 da lista de serviços; V edificações em geral, estradas, pontes, portos e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.05 da lista de serviços; VI execução de varrição, coleta, remoção, incineração, tratamento, reciclagem, separação e destinação final de lixo, rejeitos e outros resíduos quaisquer, no caso dos serviços descritos no subitem 7.09 da lista de serviços; VII execução de limpeza, manutenção e conservação de vias e logradouros públicos, imóveis, chaminés, piscinas, parques, jardins e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.10 da lista de serviços; VIII execução de decoração e jardinagem, de corte e poda de árvores, no caso dos serviços descritos no subitem 7.11 da lista de serviços; IX controle e tratamento do efluente de qualquer natureza e de agentes físicos, químicos e biológicos, no caso dos serviços descritos no subitem 7.12 da lista de serviços; X florestamento, reflorestamento, semeadura, adubação e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.16 da lista de serviços; XI execução dos serviços de escoramento, contenção de encostas e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.17 da lista de serviços; XII limpeza e dragagem, no caso dos serviços descritos no subitem 7.18 da 7

8 lista de serviços; Título do documento XIII guarda ou estacionamento de bem, no caso dos serviços descritos no subitem da lista de serviços; XIV dos bens ou do domicílio das pessoas vigiados, segurados ou monitorados no caso dos serviços descritos no subitem da lista de serviços; XV armazenamento, depósito, carga, descarga, arrumação e guarde de bem, no caso dos serviços descritos no subitem da lista de serviços; XVI execução dos serviços de diversão, lazer, entretenimento e congêneres, no caso dos serviços descritos nos subitens do item 12, exceto o 12.13, da lista de serviços; XVII execução de transporte, no caso dos serviços descritos pelo subitem da lista de serviços; XVIII do estabelecimento do tomador da mão-de-obra ou, na falta de estabelecimento, onde ele estiver domiciliado, no caso dos serviços descritos pelo subitem da lista de serviços; XIX feira, exposição, congresso ou congênere a que se referir o planejamento, organização e administração, no caso dos serviços descritos pelo subitem da lista de serviços; XX execução dos serviços portuários, aeroportuários, ferroportuários, de terminais, rodoviários, ferroviários e metroviários descritos pelo item 20 da lista de serviços. 1º - No caso dos serviços a que se refere o subitem 3.04 da lista anexa, considera-se ocorrido o fato gerador e devido o imposto neste Município, quando em seu território haja extensão de ferrovia, rodovia, postes, cabos, dutos e condutos de qualquer natureza, objetos de locação, sublocação, arrendamento, direito de passagem ou permissão de uso, compartilhado ou não. 2º - No caso dos serviços a que se refere o subitem da lista anexa, considera-se ocorrido o fato gerador e devido o imposto neste Município, quando em seu território haja extensão de rodovia explorada. 3º - Considera-se ocorrido o fato gerador do imposto no local do estabelecimento prestador nos serviços executados em águas marítimas, excetuados os serviços descritos no subitem da lista anexa. (Redações do Artigo 18, incisos e parágrafos dadas pela Lei n /2006) Como o serviço que está sendo tomado pelo cliente é de representação comercial, fica dispensado da retenção por parte do tomador quando este representante for de outro município e comprovar o recolhimento do ISS pago, de acordo com o artigo 8ºA e parágrafos 1º, 2º e 3º em destaque: Art. 8º A - Os responsáveis a que se refere o Art. 8º desta Lei estão obrigados ao recolhimento integral do imposto devido, multa e acréscimos legais, independentemente de ter efetuado sua retenção na fonte. 1º - A obrigatoriedade prevista no caput deste artigo será dispensada, sem prejuízo da aplicação das penalidades legais cabíveis, se o responsável tributário comprovar que o prestador do serviço efetuou o recolhimento do imposto devido relativo ao serviço tomado ou intermediado. 2º - Os responsáveis tributários mencionados nos incisos do caput do Art. 8º desta Lei não deverão realizar a retenção do imposto na fonte, quando o serviço for prestado por: I contribuintes enquadrados no regime de recolhimento do imposto por estimativa; II profissionais liberais ou autônomos inscritos em qualquer município; III prestadores de serviços imunes ou isentos; IV sociedades uniprofissionais; V prestadores de serviços que possuam medida liminar ou tutela antecipada dispensando-os do pagamento do imposto ou autorizando o depósito judicial do mesmo. 8

9 3º - A dispensa de retenção na fonte de que trata o parágrafo anterior é condicionada à apresentação pelo contribuinte do correspondente documento fiscal ou recibo de profissional autônomo, acompanhado de documento estabelecido em regulamento que comprove as condições previstas nos incisos deste artigo. 4º - A dispensa da retenção na fonte mencionada no Inciso II do 2º deste artigo não se aplica aos serviços prestados por profissional autônomo inscrito em outro município, quando o imposto for devido no Município de Sorocaba, na forma do Art. 18 desta Lei, ainda que o profissional atenda as exigências previstas no parágrafo anterior. 5º - Fica atribuída ao prestador do serviço a responsabilidade subsidiária do pagamento total ou parcial do imposto não retido. 6º - O prestador do serviço que sofrer retenção do imposto sobre serviços na fonte deverá exigir o comprovante de retenção do imposto e guardá-lo para apresentação ao Fisco municipal, quando solicitado. 4. Conclusão Isto posto, esclarecemos que, para efeito de retenção do imposto o prestador de serviço na qualidade de Representante Comercial tanto pessoa jurídica como física, só terá a retenção pelo tomador do serviço quando ambos estiverem sediados no munício de Sorocaba. A exceção para não retenção do ISS pelo tomador, é quando o prestador representante comercial estiver em outro município e fizer prova do recolhimento do ISS ao município que estiver domiciliado para que o tomador dispende da retenção. Regra geral a retenção do ISS será realizada nos serviços prestados em que o imposto seja devido no local de prestação do serviço, em conformidade com incisos de I ao XXII, artigo 3º LC 116/03 (relação específica), nos casos em que os serviços são prestados em local diferente (outro município) do estabelecimento prestador (sede, filial, escritório). 5. Informações Complementares Considerar uma revisão no sistema no pagamento de comissão, para representantes pessoa física que esteja sediado no mesmo município de Sorocaba do tomador do serviço. 6. Referências &tipo_propositura=1 9

10 7. Histórico de alterações Título do documento ID Data Versão Descrição Chamado AM 16/10/ TTOTNV 10

5.3 - LEI MUNICIPAL N. 714/2003

5.3 - LEI MUNICIPAL N. 714/2003 5.3 - LEI MUNICIPAL N. 714/2003 LEI 714, DE 30 DE OUTUBRO DE 2003. ( * ) Dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza com base na Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, e dá outras

Leia mais

Visando a correta emissão das notas de serviço e seus respectivos impostos, seguem as seguintes instruções:

Visando a correta emissão das notas de serviço e seus respectivos impostos, seguem as seguintes instruções: Circular 006/2011 Instruções para emissão de NF-em da PMJ com retenção de impostos Visando a correta emissão das notas de serviço e seus respectivos impostos, seguem as seguintes instruções: Preenchimento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14 serviços prestados fora do país 02/10/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 2.1 Lei Complementar 116 de 2003... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Lei

Leia mais

Lei Complementar nº 116/2003 que dispõe sobre o ISS com alterações propostas pelo PLC nº 386

Lei Complementar nº 116/2003 que dispõe sobre o ISS com alterações propostas pelo PLC nº 386 Lei Complementar nº 116/2003 que dispõe sobre o ISS com alterações propostas pelo PLC nº 386 Art. 1º O Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, de competência dos Municípios e do Distrito Federal,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Apuração e Retenção Concomitantes

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Apuração e Retenção Concomitantes ISS 09/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Regra Geral ISS do Município do Prestador... 4 3.2 Exceção -ISS Devido

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Declaração Mensal de Serviços Tomados Londrina-PR

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Declaração Mensal de Serviços Tomados Londrina-PR Declaração Mensal de Serviços Tomados Londrina-PR 20/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão... 8 5. Informações

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Responsável pelo Recolhimento do ISS em Serviços Tomados - SP

Orientações Consultoria de Segmentos Responsável pelo Recolhimento do ISS em Serviços Tomados - SP Orientações Consultoria de Segmentos Responsável 07/12/2015 Orientações Consultoria de Segmentos Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br ISS: análise da nova Lei Complementar nº 116/2003 Carlos Eduardo Garcia Ashikaga* O Imposto sobre Serviços da Qualquer Natureza (ISS ou ISSQN) é um tributo de competência municipal

Leia mais

COMENTÁRIOS À NOVA LISTA DE SERVIÇOS DO ISS

COMENTÁRIOS À NOVA LISTA DE SERVIÇOS DO ISS COMENTÁRIOS À NOVA LISTA DE SERVIÇOS DO ISS Com a edição da Lei Complementar n 116, de 31 de julho de 2003, houve ampliação significativa do número de atividades sujeitas à incidência do ISS. Todavia,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão da Nota Fiscal do Tomador de Serviços (NFTS) Município de São Paulo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão da Nota Fiscal do Tomador de Serviços (NFTS) Município de São Paulo Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão da Nota Fiscal do Tomador de Serviços (NFTS) Município de São Paulo 15/12/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente...

Leia mais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais 05/08/2014 Pergunte à CPA ISS Regras Gerais Apresentação: Samyr Henrique Muniz Qbar ISS Legislação básica Art. 156, III da C.F./88 Lei Complementar 116/2003 (lista de serviços) Lei Ordinária de cada município

Leia mais

DECRETO Nº 3.924, DE 19 DE JULHO DE 2006.

DECRETO Nº 3.924, DE 19 DE JULHO DE 2006. DECRETO Nº 3.924, DE 19 DE JULHO DE 2006. Regulamenta disposições sobre a RETENÇÃO DO ISS NA FONTE, de que trata o artigo 42, da Lei Mun. nº 2533/1998, com a redação que lhe foi dada pelo art. 1º da Lei

Leia mais

DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER UCCI N 003/2006 À: Fiscalização Tributária ASSUNTO: Solicitação de Parecer

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 139, DE 2015 (Do Sr. Altineu Côrtes)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 139, DE 2015 (Do Sr. Altineu Côrtes) *C0055177A* C0055177A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 139, DE 2015 (Do Sr. Altineu Côrtes) Altera a Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, para modificar a competência para

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL ISS - OS FATORES QUE ALTERAM A BASE DE CÁLCULO PALESTRANTE: Ricardo Cavalcante Antas Auditor Fiscal SMF Maceió/AL. 07 e 08 de agosto 2012. FATORES QUE ALTERAM A B.C. Imunidade

Leia mais

RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE

RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE Simples Nacional na condição de prestador: Dispensado de reter PIS/COFINS/CSLL na fonte de acordo com o art. 32º III da Lei 10.833/03; Dispensado de reter IR na fonte de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS 10/12/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 6 5.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR 809, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016.

LEI COMPLEMENTAR 809, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016. LEI COMPLEMENTAR 809, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016. Altera os incs. X, XIV e XVII do caput do art. 3º-A, os incs. II e VIII do caput do art. 21 e a Lista de Serviços anexa e inclui incs. XXI, XXII e XXIII

Leia mais

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei:

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei: LEI N. 6.869 Altera, acrescenta e revoga dispositivos e tabelas que especifica, da Lei Municipal nº 1.389, de 27 de dezembro de 1966, que instituiu o Código Tributário do Município de Poços de Caldas,

Leia mais

Artigo 1º. Passa a Lei Complementar 118, de 21 de novembro de 2002 (Código Tributário Municipal), a viger com as seguintes alterações:

Artigo 1º. Passa a Lei Complementar 118, de 21 de novembro de 2002 (Código Tributário Municipal), a viger com as seguintes alterações: Lei Complementar N.º 185, de 25 de Julho de 2007 ALTERA A LEI COMPLEMENTAR Nº 118, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2002 CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL RUBENS FURLAN, Prefeito do Município de Barueri, usando das atribuições

Leia mais

TRIBUTAÇÃO ATIVIDADES DE APOIO PORTUÁRIO E OUTROS SERVIÇOS CONEXOS PELO ISS. Antonio Carlos F. Abreu e Silva

TRIBUTAÇÃO ATIVIDADES DE APOIO PORTUÁRIO E OUTROS SERVIÇOS CONEXOS PELO ISS. Antonio Carlos F. Abreu e Silva TRIBUTAÇÃO ATIVIDADES DE APOIO PORTUÁRIO E OUTROS SERVIÇOS CONEXOS PELO ISS Antonio Carlos F. Abreu e Silva O Decreto-Lei 406/68 definia em seu artigo 12 e alíneas "a e b que: Art 12. Considera-se local

Leia mais

SERGIO RIBEIRO SILVA, Prefeito do Município de Carapicuíba, Estado de São Paulo, usando de suas atribuições legais, D E C R E T A:

SERGIO RIBEIRO SILVA, Prefeito do Município de Carapicuíba, Estado de São Paulo, usando de suas atribuições legais, D E C R E T A: DECRETO Nº 4.015, DE 19 DE OUTUBRO DE 2.010. Institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviço NFS-e, e dá outras providências SERGIO RIBEIRO SILVA, Prefeito do Município de Carapicuíba, Estado de São Paulo,

Leia mais

DECRETO N.º 110/2011. MARCELO CAPELINI, Prefeito Municipal de Artur Nogueira, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, CAPÍTULO I

DECRETO N.º 110/2011. MARCELO CAPELINI, Prefeito Municipal de Artur Nogueira, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, CAPÍTULO I DECRETO N.º 110/2011 Institui a Nota Fiscal Eletrônica Avulsa (NF-eA) e a Nota Fiscal Eletrônica (NFe), Regulamenta o Sistema de Retenção do ISSQN e dá outras providências. MARCELO CAPELINI, Prefeito Municipal

Leia mais

Posicionamento Consultoria de Segmentos Nota Fiscal Carioca Serviços Tomados - RJ

Posicionamento Consultoria de Segmentos Nota Fiscal Carioca Serviços Tomados - RJ Nota Fiscal Carioca Serviços Tomados - RJ 07/12/2016 Sumário 1 Questão... 3 2 Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1 Apresenta posicionamento da IOB... 3 3 Análise da Consultoria... 4 3.1 Período de

Leia mais

Seminário Mensal da Área Fiscal 20 de setembro de José A. Fogaça Neto

Seminário Mensal da Área Fiscal 20 de setembro de José A. Fogaça Neto Seminário Mensal da Área Fiscal 20 de setembro de 2013 Apresentadores: Fernanda Silva José A. Fogaça Neto Venda fora do estabelecimento Operações internas Venda fora do estabelecimento NF Remessa NF venda?

Leia mais

DECRETO Nº 3.699, De 09 de Novembro de 2016

DECRETO Nº 3.699, De 09 de Novembro de 2016 DECRETO Nº 3.699, De 09 de Novembro de 2016 REGULAMENTA A LEI Nº 3.870/2014 E INSTITUI A NOTA FISCAL AVULSA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CONSIDERANDO a instituição da Nota Fiscal de Serviço Eletrônica

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Novas hipóteses de retenção do ISS pelo tomador de serviços, de acordo com a LC nº 116/03 Carlos Eduardo Garcia Ashikaga* Publicada no Diário Oficial da União de 1º de agosto de

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste

Universidade Estadual do Centro-Oeste INFORMATIVO Nº 02/2016-DICON Assunto: IRRF Imposto de Renda Retido na Fonte Fato Gerador Em se tratando de retenção de IRRF o fato gerador, que ocasiona a retenção são AS IMPORTÂNCIAS E/OU RENDIMENTOS

Leia mais

DECRETO N 6003, de 02 de fevereiro de 2017.

DECRETO N 6003, de 02 de fevereiro de 2017. DECRETO N 6003, de 02 de fevereiro de 2017. REGULAMENTA O ARTIGO 303 DA LEI COMPLEMENTAR Nº110, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2003, QUE ESTABELECEU O CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL. O Prefeito do Município de Rio

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Devido na Apuração e Retenção Concomitantes

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Devido na Apuração e Retenção Concomitantes ISS 06/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Regra Geral ISS do Município do Prestador... 5 3.2 Exceção ISS Devido

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SF/SUREM nº 1, de 18 de março de (DOC de 20/03/13)

INSTRUÇÃO NORMATIVA SF/SUREM nº 1, de 18 de março de (DOC de 20/03/13) INSTRUÇÃO NORMATIVA SF/SUREM nº 1, de 18 de março de 2013 (DOC de 20/03/13) Disciplina a emissão da Declaração do Plano de Saúde DPS. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, no

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 Institui hipótese de responsabilidade pelo pagamento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço

Leia mais

e) inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) ou no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF);

e) inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) ou no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); DECRETO Nº 605, DE 15 DE JUNHO DE 2011. REGULAMENTA A LEI Nº 5.561, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2010, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA E O RECIBO PROVISÓRIO DE SERVIÇOS O E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

DECRETO N.º DE 11 DE MAIO DE 2010.

DECRETO N.º DE 11 DE MAIO DE 2010. DECRETO N.º 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. Dispõe sobre a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica- NFS-e - NOTA CARIOCA - e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2.670, DE 27 DE JUNHO DE [Publicada no D.O. Rio de 28 de junho de 2011]

RESOLUÇÃO SMF Nº 2.670, DE 27 DE JUNHO DE [Publicada no D.O. Rio de 28 de junho de 2011] RESOLUÇÃO SMF Nº 2.670, DE 27 DE JUNHO DE 2011. [Publicada no D.O. Rio de 28 de junho de 2011] Altera a Resolução SMF nº 2.617, de 17 de maio de 2010, estabelecendo novas regras relativas à emissão da

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Preencimento da tag SITUACAO na NFSE de Londrina 15/07/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Preencimento da tag SITUACAO na NFSE de Londrina 15/07/14 15/07/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Lei Complementar 116 de 2003... 4 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares...

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BURITIS GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BURITIS GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 7459/GAB/PMB/2017 Buritis, 02 de agosto de 2017. Institui a Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e da outras providências. CONSIDERANDO a necessidade de manter em registro as informações

Leia mais

Normas gerais do ISS. Aula 01

Normas gerais do ISS. Aula 01 Normas gerais do ISS 2.1 ICMS X ISS De acordo com a Constituição Federal, os Municípios têm competência para instituir imposto sobre serviços de qualquer natureza, não compreendidos no campo de incidência

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos INSS Retenção sobre serviços de transportes de passageiros, presunção de base de cálculo mínima em 30%

Posicionamento Consultoria De Segmentos INSS Retenção sobre serviços de transportes de passageiros, presunção de base de cálculo mínima em 30% INSS Retenção sobre serviços de transportes de passageiros, 22/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Fato Gerador

Leia mais

Prefeitura Municipal de Mairiporã Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Mairiporã Estado de São Paulo Aprova a regulamentação do Sistema de I.S.S Eletrônico e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE MAIRIPORÃ, Senhor ANTONIO SHIGUEYUKI AIACYDA, usando de suas atribuições legais, e Considerando que

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 146, DE 16 DE DEZEMBRO DE Altera a Lei n.º 5.040, de 20 de Novembro de Código Tributário Municipal

LEI COMPLEMENTAR Nº 146, DE 16 DE DEZEMBRO DE Altera a Lei n.º 5.040, de 20 de Novembro de Código Tributário Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 146, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003. Altera a Lei n.º 5.040, de 20 de Novembro de 1975 - Código Tributário Municipal A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

Leia mais

DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010

DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010 DOM DE 20 A 22/02/2010 Alterado pelo Dec. 21.542, de 18/01/2011 DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010 Regulamenta a substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISS, e

Leia mais

Palestra. Outubro Elaborado por: Ademir Macedo de Oliveira. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Palestra. Outubro Elaborado por: Ademir Macedo de Oliveira. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PUBLICADO NO DOM DE 19/06/09 ALTERADO PELOS DECRETOS Nº , de 18/09/2009, , de 11/03/2010 e , de 24/08/2010.

PUBLICADO NO DOM DE 19/06/09 ALTERADO PELOS DECRETOS Nº , de 18/09/2009, , de 11/03/2010 e , de 24/08/2010. PUBLICADO NO DOM DE 19/06/09 ALTERADO PELOS DECRETOS Nº 19.998, de 18/09/2009, 20.644, de 11/03/2010 e 21.088, de 24/08/2010. DECRETO N 19.682 de 18 de junho de 2009 Altera dispositivos do Decreto n 18.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Informações do ICMS retido de transporte na NF-e

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Informações do ICMS retido de transporte na NF-e Informações do ICMS retido de transporte na NF-e 15/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Regulamento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS Substituição Tributação por CNAE

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS Substituição Tributação por CNAE ICMS Substituição Tributação por CNAE 18/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações

Leia mais

O texto que segue foi extraído do nosso curso sobre a Legislação Tributária Municipal de São Paulo, disponível em PDF no site da Editora Ferreira.

O texto que segue foi extraído do nosso curso sobre a Legislação Tributária Municipal de São Paulo, disponível em PDF no site da Editora Ferreira. Olá, galera do ISS-SP! O texto que segue foi extraído do nosso curso sobre a Legislação Tributária Municipal de São Paulo, disponível em PDF no site da Editora Ferreira. Um forte abraço. Ricardo Ferreira

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE VALE DO SOL,

O PREFEITO MUNICIPAL DE VALE DO SOL, Lei Complementar n.º 37/2016 De 27 de junho de 2016. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e a Declaração Eletrônica de Serviços das Instituições Financeiras (DES-IF), nos termos que especifica.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Construção Civil possui IE e não é contribuinte de ICMS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Construção Civil possui IE e não é contribuinte de ICMS Construção Civil possui IE e não é contribuinte de ICMS 29/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL 28/04/2010 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Contribuição PIS e COFINS pela Sistemática Não Cumulativa... 4 3.2. Da

Leia mais

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 Dispõe sobre o Regime de Concessão e Permissão da Prestação de Serviços Públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

LEI Nº 7.901, DE 14 DE SETEMBRO DE 2006.

LEI Nº 7.901, DE 14 DE SETEMBRO DE 2006. (Processo nº 14.353/2006) LEI Nº 7.901, DE 14 DE SETEMBRO DE 2006. (Dispõe sobre alteração, inclusão e revogação de dispositivos da Lei nº 4.994, de 13 de novembro de 1995 e suas alterações posteriores

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos ICMS ST para transportadoras de produtos da Petrobrás

Orientações Consultoria de Segmentos ICMS ST para transportadoras de produtos da Petrobrás 10/02/2014 Orientações Consultoria Tributária de Segmentos Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Decreto Nº 20.686, De 28

Leia mais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais 14/11/2013 Pergunte à CPA ISS Regras Gerais Apresentação: José A. Fogaça Neto ISS Legislação básica Art. 156, III da C.F./88 Lei Complementar 116/2003 (lista de serviços) Lei Ordinária de cada município

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 996, DE 2016

SENADO FEDERAL COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 996, DE 2016 SENADO FEDERAL COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 996, DE 2016 Redação final do Substitutivo da Câmara dos Deputados nº 15, de 2015, ao Projeto de Lei do Senado nº 386, de 2012 Complementar (nº 366-B, de 2013,

Leia mais

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS E PREVIDENCIÁRIAS

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS E PREVIDENCIÁRIAS IBEF-RIO - TREINAMENTO RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS E PREVIDENCIÁRIAS P R O G R A M A Módulo 01 - Retenções Tributárias 1º Módulo - Contribuições sociais (CSLL, PIS, COFINS) Serviços sujeitos a retenção: Definição

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 1º de janeiro de 2014, a União publicou lei ordinária instituindo Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (CIDE) incidente sobre as receitas decorrentes

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009.

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. Altera a Lei Complementar nº 001/06 de 13 de fevereiro de 2006, Código Tributário Municipal de Camocim e determina outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS (RAIS) - PRAZO FINAL PARA DECLARAÇÃO

RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS (RAIS) - PRAZO FINAL PARA DECLARAÇÃO Visualizar em PDF RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS (RAIS) - PRAZO FINAL PARA DECLARAÇÃO Encaminhamos para conhecimento a Portaria nº 10, de 06/01/2011, aprovando instruções para a declaração da relação

Leia mais

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS a EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS I) Dados cadastrais a) Razão Social: b) CNPJ: c) Inscrição Estadual: d) Inscrição Municipal: e) Endereço: f) Cidade:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Mairiporã Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Mairiporã Estado de São Paulo LEI COMPLEMENTAR Nº 260, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui nova Lei do ISS e revoga as Leis Complementares nºs. 200/97, 205/98, 210/98, 225/00 e 242/02. O PREFEITO MUNICIPAL DE MAIRIPORÃ, Senhor ANTONIO

Leia mais

Conflito de competência entre Municípios. Gabriel Collaço Vieira Advogado Ex-Conselheiro do TAT-Florianópolis Mestre - UFSC

Conflito de competência entre Municípios. Gabriel Collaço Vieira Advogado Ex-Conselheiro do TAT-Florianópolis Mestre - UFSC Conflito de competência entre Municípios Gabriel Collaço Vieira Advogado Ex-Conselheiro do TAT-Florianópolis Mestre - UFSC Conflito de competência Complexidade da operação Interpretação da lei Art. 146.

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR Nº 157, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016 Altera a Lei Complementar n o 116, de 31 de julho de 2003, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a Lei n o 8.429, de 2 de junho

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador/Intermediário de Serviços - NFTS

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador/Intermediário de Serviços - NFTS Nota Fiscal Eletrônica do Tomador/Intermediário de Serviços - NFTS Instituída pela Lei nº 15.406, de 08 de julho de 2011, que altera a Lei nº 13.476/2002. Set/2011 OBJETIVO É declarar os serviços tomados

Leia mais

Prefeitura Municipal de Água Fria

Prefeitura Municipal de Água Fria quinta-feira, 16 de julho de 2015 Ano V - Edição nº 00330 Caderno 1 Diário Oficial do Município 003 Decreto DECRETO Nº 0076/2015, DE 15 DE JULHO DE 2015. DISPÕE SOBRE A INSTITUIÇÃO DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS

Leia mais

DECRETO Nº 22557 DECRETA: DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DECRETO Nº 22557 DECRETA: DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 22557 de 29 de março de 2004 Dispõe sobre regulamentação da Lei Municipal nº 5.986, de 30 de dezembro de 2003, que trata do lançamento, arrecadação e fiscalização do Imposto Sobre Serviços de

Leia mais

DECRETO N.º 3.937, DE 27 DE MARÇO DE 2012.* (JOM DE 30/03 E 04/04/2012)

DECRETO N.º 3.937, DE 27 DE MARÇO DE 2012.* (JOM DE 30/03 E 04/04/2012) DECRETO N.º 3.937, DE 27 DE MARÇO DE 2012.* (JOM DE 30/03 E 04/04/2012) Institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços, NFS e e o Recibo Provisório de Serviço RPS e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

PORTARIA Nº 129/2016-SEFAZ

PORTARIA Nº 129/2016-SEFAZ PORTARIA Nº 129/2016-SEFAZ Altera a Portaria n 005/2014-SEFAZ, de 30/01/2014 (DOE 31/01/2014), que dispõe sobre o Cadastro de Contribuintes do ICMS do Estado de Mato Grosso e dá outras providências. O

Leia mais

DECRETO N , DE 18 DE OUTUBRO DE 2011

DECRETO N , DE 18 DE OUTUBRO DE 2011 DECRETO N. 7.002, DE 18 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta a Lei nº 4.086, de 19 de maio de 2011, que institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços e dá outras providências. O Prefeito de Ituiutaba, no uso

Leia mais

Abreviaturas Notas da 2ª Edição Notas da 3ª Edição Notas da 4ª Edição Introdução... 27

Abreviaturas Notas da 2ª Edição Notas da 3ª Edição Notas da 4ª Edição Introdução... 27 GESTÃO TRIBUTÁRIA DE CONTRATOS E CONVÊNIOS 4ª EDIÇÃO 11 Sumário S Abreviaturas... 19 Notas da 2ª Edição... 21 Notas da 3ª Edição... 23 Notas da 4ª Edição... 25 Introdução... 27 Capítulo 1... 29 1.1. Principais

Leia mais

A Lei n 8.666/93, que institui normas para licitações e contratos da Administração Pública, prevê em seus artigos 27 e 30:

A Lei n 8.666/93, que institui normas para licitações e contratos da Administração Pública, prevê em seus artigos 27 e 30: Of. Circ. N 003CRA/BA/Fisc. Salvador, 7 de março de 2017. Prezado (a) Senhor(a), O CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DA BAHIA CRA/BA, Autarquia Federal criada pela Lei n.º 4.769/65, regulamentada pelo

Leia mais

DECRETO Nº 3.615, DE 16 DE OUTUBRO DE 2013

DECRETO Nº 3.615, DE 16 DE OUTUBRO DE 2013 DECRETO Nº 3.615, DE 16 DE OUTUBRO DE 2013 Institui a nota fiscal de serviços eletrônica, o sistema eletrônico de escrituração fiscal, e dá outras providências. O SENHOR PREFEITO MUNICIPAL DA ESTÂNCIA

Leia mais

I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 Responsabilidade tributária II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS

I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 Responsabilidade tributária II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 Responsabilidade tributária... 25 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 IRRF Serviços prestados por pessoas jurídicas... 31 II.1.1 Hipóteses de incidência...

Leia mais

Janeiro-Dezembro/2014

Janeiro-Dezembro/2014 IRRF - Décimo terceiro salário 2014 - Roteiro Aqui serão analisados os aspectos gerais relacionados à retenção do Imposto de Renda incidente no pagamento do décimo terceiro salário. Introdução Os rendimentos

Leia mais

Abreviaturas Notas da 2ª Edição Notas da 3ª Edição Notas da 4ª Edição Notas da 5ª Edição Introdução...

Abreviaturas Notas da 2ª Edição Notas da 3ª Edição Notas da 4ª Edição Notas da 5ª Edição Introdução... S GESTÃO TRIBUTÁRIA DE CONTRATOS E CONVÊNIOS 5ª EDIÇÃO 11 SUMÁRIO Abreviaturas... 19 Notas da 2ª Edição... 21 Notas da 3ª Edição... 23 Notas da 4ª Edição... 25 Notas da 5ª Edição... 27 Introdução... 29

Leia mais

Simples nacional / lucro presumido

Simples nacional / lucro presumido Simples nacional / lucro presumido Exemplo 1: Anexo I comércio Uma Empresa comercial, que não auferiu receita decorrente de venda de mercadorias sujeitas à substituição tributária ou receita de exportação,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Código de Município de Incidência diferente do Código de Município de Prestação 10/07/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Código de Município de Incidência diferente do Código de Município de Prestação 10/07/14 Município de Prestação 10/07/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Lei Complementar 116 de 2003... 4 3.2 Jurisprudência

Leia mais

AGENDA TRIBUTÁRIA PAULISTA: FEVEREIRO DE COM. CAT Nº 2, DE 26/01/2017

AGENDA TRIBUTÁRIA PAULISTA: FEVEREIRO DE COM. CAT Nº 2, DE 26/01/2017 AGENDA TRIBUTÁRIA PAULISTA: FEVEREIRO DE 2017 - COM. CAT Nº 2, DE 26/01/2017 Declara as datas fixadas para cumprimento das obrigações principais e acessórias do mês de fevereiro de 2017. O Coordenador

Leia mais

Dispensa da retenção referente ao INSS nos pagamentos realizados as empresas constituídas como EI

Dispensa da retenção referente ao INSS nos pagamentos realizados as empresas constituídas como EI Dispensa da retenção referente ao INSS nos pagamentos realizados as empresas constituídas como EI Brasília, 01 de agosto de 211 Unidade de Políticas Públicas Nota Técnica 02/2011 1 Nota Técnica UPP 02/2011

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO

ATOS DO PODER EXECUTIVO ATOS DO PODER EXECUTIVO 13 GABINETE DO PREFEITO P. 779/2011 DECRETO Nº 17.418, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Dispõe sobre

Leia mais

O IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS E O ASPECTO ESPACIAL DO FATO GERADOR

O IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS E O ASPECTO ESPACIAL DO FATO GERADOR Os textos são de responsabilidade de seus autores. O IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS E O ASPECTO ESPACIAL DO FATO GERADOR Marco Antonio Henrique 1 2 RESUMO O ISS Imposto sobre serviços, ou ainda ISSQN- Imposto

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 76 75 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 72 - Data 24 de maio de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS PRESTADORES DE SERVIÇOS DA FIFA. APRESENTAÇÃO

Leia mais

ANEXO V. Manual de Preenchimento da Nova Guia de ISS

ANEXO V. Manual de Preenchimento da Nova Guia de ISS ANEXO V Manual de Preenchimento da Nova Guia de ISS A partir de 01/03/2005, a Nova Guia de Recolhimento do ISS passa a ser a única forma de recolhimento espontâneo do Imposto Sobre Serviços devido por

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I. Seção I

D E C R E T A CAPÍTULO I. Seção I DECRETO Nº 021/2011 JOSÉ HILDO HACKER JÚNIOR, Prefeito do Município de TAMANDARÉ, no uso das atribuições que me são conferidas por lei, e Considerando as disposições legais contidas nos artigos 41 ao 103,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD-ICMS/IPI - Escrituração do CT-e pela empresa tomadora do serviço - Amazonas

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD-ICMS/IPI - Escrituração do CT-e pela empresa tomadora do serviço - Amazonas EFD-ICMS/IPI - Escrituração do CT-e pela empresa tomadora do 30/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais

ISS na Construção Civil

ISS na Construção Civil ISS na Construção Civil Cadastro de Obras de Construção Civil & SISCON Sistema Eletrônico da Construção Civil (Emissão de NFS-e com deduções legais na base de cálculo dos serviços de construção civil)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE PARAGUAÇU PAULISTA Estado de São Paulo DECRETO Nº 5.574, DE 7 DE OUTUBRO DE 2013

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE PARAGUAÇU PAULISTA Estado de São Paulo DECRETO Nº 5.574, DE 7 DE OUTUBRO DE 2013 DECRETO Nº 5.574, DE 7 DE OUTUBRO DE 2013 Regulamenta a Lei Complementar Municipal nº 057/2005, Código Tributário do Município, e institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e). EDINEY TAVEIRA QUEIROZ,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP obrigações acessórias GIA ficha apuração do ICMS- ST11

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP obrigações acessórias GIA ficha apuração do ICMS- ST11 ICMS-SP obrigações acessórias GIA ficha apuração do ICMS- ST11 21/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Análise da Consultoria... 3 2.1. ImpostoRetidoSt... 5 (Imposto Retido por ST)...

Leia mais

DECRETO Nº 872, DE 11 DE ABRIL DE 2012.

DECRETO Nº 872, DE 11 DE ABRIL DE 2012. DECRETO Nº 872, DE 11 DE ABRIL DE 2012. Institui e regulamenta a nota fiscal de serviços eletrônica (NFS-e) e o sistema eletrônico de escrituração fiscal, e dá outras providências. ROBERTO RAMALHO TAVARES,

Leia mais

Informativo 05/2013. RAIS ANO BASE 2012 Instruções para declaração das Informações Sociais. Portaria MTE nº 5, de 8 de janeiro de 2013

Informativo 05/2013. RAIS ANO BASE 2012 Instruções para declaração das Informações Sociais. Portaria MTE nº 5, de 8 de janeiro de 2013 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 RAIS Ano Base 2012 Informativo 05/2013 RAIS ANO BASE 2012 Instruções para declaração das Informações Sociais Portaria MTE nº 5, de 8 de janeiro de 2013 Di

Leia mais

SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO

SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO MANUAL DO SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO S I NS OT N VE OM VA S O IE S L T IE S T MR E A MÔ D AN EI DC EO d e N ov a Fr i b u r g o Senhor Contribuinte, A Lei Complementar 025/2006 prevê em seu artigo 28, a responsabilidade,

Leia mais

Terceirização e Trabalho Temporário

Terceirização e Trabalho Temporário Terceirização e Trabalho Temporário Lei 13.429, de 31/03/2017 que promove alterações na Lei 6019 que disciplina as relações de trabalho na empresa de trabalho temporário, na empresa de prestação de serviços

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Recolhimento de ICMS ST sobre a operação de frete

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Recolhimento de ICMS ST sobre a operação de frete 09/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Alíquota prevista para a operação... 7 4. Conclusão... 10 5. Referências...

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL 1

PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 SEGURIDADE SOCIAL NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL ORDEM SOCIAL PRIMADO DO TRABALHO Art. 193. A ordem social tem como base o primado do trabalho, e como objetivo o bem-estar e a justiça sociais.

Leia mais

Cadastro de Obras e o Sistema Eletrônico de Apuração do ISS na Construção Civil - SISCON

Cadastro de Obras e o Sistema Eletrônico de Apuração do ISS na Construção Civil - SISCON Cadastro de Obras e o Sistema Eletrônico de Apuração do ISS na Construção Civil - SISCON CELSO GIANNASI Auditor Fiscal Tributário do Município de São Paulo MARIA CÉLIA F. SALLES VASCONCELLOS Auditora Fiscal

Leia mais

Edição Número 2 de 05/01/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 381, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003

Edição Número 2 de 05/01/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 381, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003 Edição Número 2 de 05/01/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 381, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas que menciona a outras

Leia mais

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014.

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014. DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014. Dá nova regulamentação ao gerenciamento eletrônico do ISSQN - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a Escrituração Econômico-Fiscal e a emissão de Documento

Leia mais

Solicitação de Proposta Comercial N 001/2013

Solicitação de Proposta Comercial N 001/2013 Solicitação de Proposta Comercial N 001/2013 A Fundação Assis Chateaubriand, inscrita no CNPJ sob o n 03.657.848/0001-86, com sede no SIG/SUL Quadra 02, Nº 340, Bloco 01, Térreo, Brasília/DF, torna pública

Leia mais

A retenção previdenciária em face das recentes mudanças legais na contratação de serviço: MEI, empresas, desoneração e contribuintes individuais

A retenção previdenciária em face das recentes mudanças legais na contratação de serviço: MEI, empresas, desoneração e contribuintes individuais com Alexandre Matias Silva A retenção previdenciária em face das recentes mudanças legais na contratação de serviço: MEI, empresas, desoneração e contribuintes individuais Das 09h às 11h - Sede do Sindcont-SP

Leia mais