2 A Licenciatura em Matemática Tronco Comum Ramo Científico: Especialização em Matemática Aplicada... 11

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 A Licenciatura em Matemática 9 2.1 Tronco Comum... 9 2.3 Ramo Científico: Especialização em Matemática Aplicada... 11"

Transcrição

1 Conteúdo 1 O Departamento de Matemática Origem Cronológica Corpo Docente Gestão e Estrutura Biblioteca Laboratório de Cálculo Outras Informações A Licenciatura em Matemática Tronco Comum Ramo Científico: Especialização em Matemática Pura Ramo Científico: Especialização em Matemática Aplicada Ramo Científico: Especialização em Computação Ramo de Formação Educacional Classificação final Disciplinas da Licenciatura em Matemática Conteúdos programáticos Docentes responsáveis A Comissão Pedagógica da Licenciatura em Matemática agradece toda a colaboração prestada na elaboração deste Guia pelas Comissão Executiva e Comissão Científica do Departamento de Matemática, Comissão da Biblioteca, Comissão do Laboratório de Cálculo, bem como pelos docentes das disciplinas da licenciatura em Matemática. A Comissão Pedagógica da Licenciatura em Matemática Coimbra, Junho de Ficha Técnica Responsabilidade pela edição: Comissão Pedagógica da Licenciatura em Matemática. Número de exemplares:

2 1 O Departamento de Matemática 1.1 Origem Cronológica Antes do século XVI não se conhece qualquer testemunho concludente de que a Matemática fosse cultivada na Universidade de Lisboa (ou de Coimbra) ou, mesmo, no País. Só no início de Quinhentos, com efeito, se viria a manifestar um grande interesse pelos estudos Matemáticos. Em 1519 aparece a primeira obra matemática impressa em Portugal: o Tratado da Pratica Darismetyca, de Gaspar Nicolas que se inspira fortemente na Suma de Arithmetica, Geometria, Proportion e Proportionata (Veneza, 1494), de Fr. Lucas Paccioli. Quando Pedro Nunes começou a ensinar na Universidade, já se notava no País um movimento de curiosidade pela Matemática. Nunes foi de resto o único português do século a deixar uma obra Matemática que de algum modo se pode classificar de notável. Todavia só com a Reforma Pombalina, no reinado de D. José (1772), seria criada na Universidade uma Faculdade de Matemática. Pelos Novos Estatutos instituía-se um curso fixo e completo dedicado a essa Ciência, formando uma Faculdade, atribuindo as mesmas graduações e gozando das mesmas honras e privilégios das outras Faculdades. E para atrair os alunos para o estudo da Matemática usaram-se vários meios, em especial conferindo regalias àqueles que obtivessem aprovação nos exames feitos. A Faculdade de Matemática fundada pelo Marquês de Pombal oferecia quatro cadeiras anuais, sendo as dos dois primeiros anos destinadas ao estudo da Geometria e Análise Infinitesimal e versando as dos dois últimos anos sobre as aplicações dos conhecimentos anteriormente adquiridos, a saber, a Foronomia (a que hoje chamamos Física-Matemática) e a Astronomia, que incluía também o estudo da Geodesia. Assim se procurava dar aos estudantes a ideia da orientação dos vários caminhos da Matemática, então dita moderna. Os Estatutos previam a publicação de compêndios, propositadamente escritos pelos professores titulares ou por eles traduzidos de autores estrangeiros. Também neles se procurava organizar a investigação científica pela criação dos Grémios das Faculdades onde seriam admitidos os que tivessem concluído o curso com mais distinção e louvor. As regências de duas cadeiras do novo curso foram entregues a dois portugueses - o astrónomo José Monteiro da Rocha e o geómetra 3

3 José Anastácio da Cunha. Este último tem sido considerado o melhor dos matemáticos que o país produziu desde Pedro Nunes. A Faculdade de Matemática, o incentivo da Academia Real das Sciencias (fundada no final do século XVIII) e a criação das Escolas Politécnicas de Lisboa e do Porto promoveram sem dúvida um desenvolvimento do interesse pela Matemática; ao mesmo tempo, as duas escolas e a Faculdade passaram a diplomar um número avultado de matemáticos, que as necessidades mais urgentes do país encaminhavam sobretudo para trabalhos de aplicação (geodetas, engenheiros e oficiais do exército). A par disso, passou a notar-se um aumento da produção matemática portuguesa, com a produção de trabalhos originais. Com o advento da República, a Faculdade de Matemática desapareceu, como desapareceu também a Faculdade de Filosofia, outra criação Pombalina; fundiram-se ambas na Faculdade de Ciências, que perduraria, em Coimbra, até à sua ampliação para as tecnologias, numa constituição, de perspectivas mais largas, que veio a ser designada por Faculdade de Ciências e Tecnologia. O avanço que esta experimentou, tanto na área do ensino como na investigação, veio a encaminhar a sua estrutura para a forma departamental, que acabou por ser reconhecida pela Portaria n o 111/81 de 24 de Janeiro. 1.2 Corpo Docente O Departamento de Matemática é hoje um dos grandes Departamentos da Faculdade de Ciências e Tecnologia; goza como eles de uma certa autonomia, mas está perfeitamente inserido nos trabalhos comuns, como seria indispensável. O seu corpo docente é constituído por 13 Professores Catedráticos, 1 Professor Associado com Agregação, 17 Professores Associados, 30 Professores Auxiliares, 2 Professores Auxiliares Convidados, 21 Assistentes, 10 Assistentes Estagiários e 25 Assistentes Convidados. No domínio da investigação os seus docentes distribuem-se pelas seguintes áreas: Álgebra, Análise, Análise Numérica, Ciências da Computação, Computação Gráfica, Engenharia Geográfica, Física Matemática, Geometria, Investigação Operacional, Mecânica, Optimização, Probabilidades e Estatística e Teoria do Controlo. 4

4 1.3 Gestão e Estrutura O Departamento de Matemática está instalado em edifício próprio inaugurado para o efeito em Assegura a leccionação de disciplinas para mais de 5000 alunos, dos quais cerca de 1000 são de Licenciaturas do Departamento (Matemática e Engenharia Geográfica) e os restantes são de licenciaturas de outros Departamentos da Faculdade de Ciências e Tecnologia. A gestão do Departamento de Matemática é assegurada pelo Conselho de Departamento e pela Comissão Executiva. O Conselho de Departamento é o orgão máximo de gestão e é constituído por 24 membros, dos quais 8 em representação do corpo de doutores e professores de nomeação definitiva, 4 em representação do corpo de investigadores e docentes não doutorados, 7 em representação do corpo de estudantes e 5 em representação do corpo de funcionários; é presidido por um professor catedrático ou associado do Departamento eleito bienalmente pela totalidade dos seus elementos. Compete fundamentalmente a este Conselho a apreciação e aprovação da proposta de execução orçamental, e ainda estabelecer as normas internas em relação às condições de prestação de trabalho, recrutamento, promoção e formação do pessoal técnico, administrativo, operário e auxiliar a desempenhar funções no Departamento. A gestão corrente do Departamento está a cargo de uma Comissão Executiva constituída pelo presidente do Conselho de Departamento e por três elementos por ele escolhidos (um dos quais pertence ao corpo dos funcionários). Compete ainda a esta comissão preparar o plano de actividades e o projecto de orçamento. Junto da Comissão Executiva funciona a Comissão Pedagógica da Licenciatura em Matemática que é constituída por um professor, um assistente e dois alunos de Matemática. Compete a esta comissão zelar pela qualidade pedagógica do ensino ministrado na licenciatura em Matemática, apresentar propostas e dar pareceres sobre o funcionamento dos serviços do Departamento com relevância para as actividades pedagógicas e promover a publicação do Guia de Curso. A contratação de docentes, a construção do plano de estudos e a atribuição de equivalências, bem como o zelar pela qualidade científica do ensino ministrado no Departamento, está a cargo da Comissão Científica que é constituída 5

5 por todos os doutores e professores de nomeação definitiva do departamento, e com uma representação dos docentes não doutorados em exercício de funções. A auxiliar a Comissão Científica e a Comissão Executiva existe a Comissão de Recursos Lectivos. Cabe a esta comissão elaborar horários e mapas de avaliação para todas as disciplinas leccionadas no Departamento de Matemática. 1.4 Biblioteca A Biblioteca do Departamento foi fundada em 1913, tendo alcançado desde o início do seu funcionamento certo desenvolvimento, para o qual contribuíram em grande medida as doações de vários dos antigos Professores de Matemática da Universidade. Este facto permite à Biblioteca ter um fundo de livros antigos, que inclui obras dos séculos XVI a XIX, constituído em grande parte pelas doações dos Doutores Gomes Teixeira e Luís da Costa e Almeida, e um fundo de livros sobre os Descobrimentos constituído a partir das doações das Bibliotecas dos Doutores Luciano Pereira da Silva e Armando Cortesão. A Biblioteca do Departamento, uma das maiores bibliotecas de matemática do país, possui cerca de monografias classificadas segundo as classificações MSC (Mathematics Subject Classification) e UDC (Universal Decimal Classification), recebe anualmente 285 revistas especializadas e possui ainda 130 publicações findas ou suspensas. O seu catálogo está disponível em linha em A biblioteca disponibiliza o acesso às bases de dados MathSci, Zentralblatt MATH e MATHDI em CD-ROM ou em linha através da rede local. Entre os seus utilizadores inscritos (que regularmente a frequentam e utilizam) contam-se não só docentes e alunos do Departamento de Matemática, mas também um elevado número de docentes de outros Departamentos da Universidade de Coimbra. A Biblioteca terá potencialmente cerca de utilizadores. O acesso directo às obras está reservado aos docentes do Departamento de Matemática e aos utentes a quem tenha sido concedida autorização (entre os quais estão geralmente docentes e investigadores do Ensino Superior e alunos estagiários da Licenciatura em Matemática). A requisição domiciliária de qualquer obra poderá ser feita de acordo com o que se indica no quadro seguinte: 6

6 Total de obras Prazo Docentes do Departamento de Matemática dias Outros Docentes ou Investigadores e Mestrandos 5 15 dias Alunos da F.C.T.U.C. 3 3 dias Os prazos a que se refere o quadro anterior serão renováveis desde que a obra em causa não tenha entretanto sido solicitada por outro utente. Em cada ano lectivo faz-se uma selecção de livros elaborada com base nas informações dadas pelos docentes. Tais livros destinam-se prioritariamente a ser requisitados para a sala de leitura. Poderão também ser requisitados para consulta domiciliária desde que a requisição seja feita nos últimos 30 minutos antes do fecho e a devolução se efectue até 60 minutos depois da abertura da Biblioteca no dia útil seguinte. Quem não cumpra as disposições atrás estabelecidas fica impedido de utilizar os serviços de requisição e fotocópias por um número de períodos de três dias igual ao número de dias em atraso. Se ao fim de uma semana a obra não for devolvida, o infractor será avisado de que o caso vai ser comunicado superiormente a fim de se tomarem as medidas necessárias. Entretanto o número de períodos de sanção continuará a contar até ao máximo de um ano. A renovação da condição de utente ficará sujeita à apreciação da Comissão da Biblioteca, que poderá não a conceder. O horrio regular de funcionamento da Biblioteca durante o periodo lectivo de segunda a sexta-feira, das 8.30h s 20h. 1.5 Laboratório de Cálculo O Laboratório de Cálculo assegura os meios informáticos necessários às actividades dos alunos e docentes do Departamento de Matemática. Neste Departamento são leccionadas disciplinas que incluem matérias onde a utilização de meios informáticos é essencial, incluindo-se entre estas as da Licenciatura em Matemática. O Laboratório de Cálculo tem as suas instalações, que compreendem 6 salas para utilização dos alunos (entre as quais uma sala apetrechada com estações de trabalho com elevada capacidade de cálculo), nos pisos 0 e 0.0 do 7

7 Departamento de Matemática. Os alunos só poderão frequentar as referidas instalações quando devidamente identificados pelo cartão de utilizador. O material informático que se encontra à disposição dos alunos é constituído por 6 servidores UNIX, 16 terminais alfa-numéricos, 16 micro-computadores pessoais com sistema Windows, 35 micro-computadores e 15 estações de trabalho com sistema UNIX e 2 micro-computadores Macintosh para processamento de texto. Está prevista para o ano lectivo 2001/2002 a instalação de mais 16 microcomputadores com sistema UNIX. Este material encontra-se ligado à rede Ethernet da Universidade e portanto à Internet. O material informático do Laboratório compreende ainda 4 impressoras ligadas a computadores pessoais e 4 impressoras para utilização de todas as máquinas do Departamento. O número de utentes deste Laboratório ronda os 1500 por semestre sendo a utilização do material informático dependente das disciplinas que o aluno frequenta. A actividade do Laboratório de Cálculo é assegurada por pessoal especializado que para além da gestão dos sistemas informáticos, zela pelo bom funcionamento deste Laboratório e dá apoio aos alunos e aos docentes do Departamento de Matemática. Todos os gabinetes do Departamento estão equipados com computadores ligados à Internet e a maior parte com impressoras. 1.6 Outras Informações Os alunos podem obter informações sobre os horários, exames e horários de atendimento dos docentes dirigindo-se à Comissão dos Recursos Lectivos. Outras informações sobre o Departamento podem ser obtidas através da página Web do Departamento de Matemática (www.mat.uc.pt). Os alunos do Departamento de Matemática devem dirigir-se à Comissão dos Recursos Lectivos para se inscreverem nos exames que pretendem efectuar em cada uma das épocas. O prazo de inscrição termina uma semana antes de cada exame. 8

8 2 A Licenciatura em Matemática O Departamento de Matemática tem na Licenciatura em Matemática os seguintes ramos de especialização: Ramo Científico: Especialização em Matemática Pura. Ramo Científico: Especialização em Matemática Aplicada. Ramo Científico: Especialização em Computação. Ramo de Formação Educacional. A Licenciatura em Matemática funciona com um tronco comum aos diversos ramos, constituído pelos dois primeiros anos de curso, que tem como objectivo fundamental dar aos futuros licenciados uma forte formação matemática qualquer que venha a ser a sua área de especialização. 2.1 Tronco Comum Elenco das disciplinas do Tronco Comum da Licenciatura em Matemática (M Matemática, C Computação): 9

9 Disciplinas Regime T TP P Unidades Área de crédito 1 o ano Análise Infinitesimal I 1 o Sem M Álgebra Linear e Geometria Analítica I 1 o Sem M Métodos de Programação I 1 o Sem C Tópicos Fundamentais da Matemática 1 o Sem M Análise Infinitesimal II 2 o Sem M Álgebra Linear e Geometria Analítica II 2 o Sem M Métodos de Programação II 2 o Sem C Matemática Finita 2 o Sem M 2 o ano Análise Infinitesimal III 1 o Sem M Álgebra I 1 o Sem M Geometria 1 o Sem M Análise Numérica I 1 o Sem M Análise Infinitesimal IV 2 o Sem M Álgebra II 2 o Sem M Geometria Diferencial 2 o Sem M Equações Diferenciais 2 o Sem M Para que um aluno se possa candidatar a qualquer dos quatro Ramos da Licenciatura em Matemática, terá de obter aprovação num conjunto de disciplinas (do primeiro e do segundo anos) cuja soma das respectivas unidades de crédito seja de pelo menos 52. A inscrição no 3 o ano de qualquer uma das especializações do Ramo Científico está sujeita a uma limitação quantitativa que é todos os anos fixada pelo Conselho Científico da FCTUC. 2.2 Ramo Científico: Especialização em Matemática Pura A Especialização em Matemática Pura tem como objectivo proporcionar aos seus estudantes uma forte formação matemática, nomeadamente nas áreas fundamentais da Análise, Álgebra e Geometria. Elenco das disciplinas da Especialização em Matemática Pura: 10

10 Disciplinas Regime T TP P Unidades Área Especialização em Matemática Pura de crédito 3 o ano Mecânica Racional I 1 o Sem M Medida e Integração 1 o Sem M Topologia 1 o Sem M Álgebra Comutativa 1 o Sem M Mecânica Racional II 2 o Sem M Análise Funcional 2 o Sem M Teoria das Probabilidades 2 o Sem M Análise Complexa I 2 o Sem M 4 o ano Teoria dos Grupos 1 o Sem M Teoria das Variedades I 1 o Sem M Complementos de Análise Funcional 1 o Sem M Teoria das Variedades II 2 o Sem M Topologia Algébrica 2 o Sem M História do Pensamento Matemático 2 o Sem M Opções 12 Opções Equações com Derivadas Parciais 1 o Sem M Teoria das Categorias 2 o Sem M Mét. Num. Equações Derivadas Parciais 2 o Sem M 2.3 Ramo Científico: Especialização em Matemática Aplicada A Especialização em Matemática Aplicada tem como objectivo proporcionar aos estudantes uma sólida formação em Análise Numérica, Optimização e Estatística, que lhes permita não só investigar e leccionar nessas áreas, mas também serem seus utilizadores em empresas ou serviços. Elenco das disciplinas da Especialização em Matemática Aplicada: 11

11 Disciplinas Regime T TP P Unidades Área Especialização em Matemática Aplicada de crédito 3 o ano Algoritmos e Estruturas de Dados I 1 o Sem C Probabilidades 1 o Sem M Álgebra Linear Numérica 1 o Sem M Mecânica Racional I 1 o Sem M Análise Numérica II 1 o Sem M Algoritmos e Estruturas de Dados II 2 o Sem C Análise Funcional 2 o Sem M Programação Linear 2 o Sem M Estatística 2 o Sem M 4 o ano Equações com Derivadas Parciais 1 o Sem M Processos Estocásticos e Filas de Espera 1 o Sem M Análise de Fourier e Espaços Funcionais 1 o Sem M Teoria da Decisão e Estatística 1 o Sem M Mét. Num. Equações Derivadas Parciais 2 o Sem M Programação Não Linear 2 o Sem M Previsão Estocástica 2 o Sem M Opções 8 Opções Optimização em Redes 1 o Sem M Optimização Discreta 2 o Sem M 2.4 Ramo Científico: Especialização em Computação O objectivo da Especialização em Computação é formar matemáticos que dominem as áreas desta Ciência especialmente relevantes no estudo dos fundamentos e das aplicações da Computação. Elenco das disciplinas da Especialização em Computação: 12

12 Disciplinas Regime T TP P Unidades Área Especialização em Computação de crédito 3 o ano Algoritmos e Estruturas de Dados I 1 o Sem C Fund. Organização de Computadores 1 o Sem C Probabilidades 1 o Sem M Computação Gráfica I 1 o Sem C Algoritmos e Estruturas de Dados II 2 o Sem C Linguagens Formais 2 o Sem M Programação Linear 2 o Sem M Lógica 2 o Sem M Opção 4 Opções Estatística 2 o Sem M 4 o ano Compiladores 1 o Sem C Especificação e Verificação 1 o Sem C Bases de Dados 1 o Sem C Sistemas Operativos 1 o Sem C Programação Orientada para Objectos 2 o Sem C Teoria Combinatória 2 o Sem M Teoria das Categorias 2 o Sem M Opções 8 Opções Optimização em Redes 1 o Sem M Elementos de Topologia 1 o Sem M Análise Numérica II 1 o Sem M Modelação Geométrica 2 o Sem C Optimização Discreta 2 o Sem M Teoria dos Números 2 o Sem M 2.5 Ramo de Formação Educacional O curso de Matemática-Ramo de Formação Educacional destina-se à formação de licenciados em Matemática que pretendam leccionar essa disciplina nos ensinos Básico e Secundário. Pretende-se que os licenciados possuam competências e práticas de carácter científico e pedagógico que lhes permitam ingressar na carreira de ensino com capacidades de inovação e resistência às sucessivas e frequentes alterações que os programas e métodos de ensino têm 13

13 sofrido ao longo das últimas décadas. Elenco das disciplinas do Ramo de Formação Educacional (CE Ciências da Educação): Disciplinas Regime T TP P Unidades Área Formação Educacional de crédito 3 o ano Mecânica Racional I 1 o Sem M Psicologia Educacional I 1 o Sem CE Probabilidades 1 o Sem M Elementos de Topologia 1 o Sem M Mecânica Racional II 2 o Sem M Psicologia Educacional II 2 o Sem CE Teoria dos Números 2 o Sem M Estatística 2 o Sem M Análise Complexa I 2 o Sem M 4 o ano Métodos e Técnicas da Educação I 1 o Sem CE Metodologia da Matemática 1 o Sem CE Fundamentos e Ensino da Geometria 1 o Sem CE Aplicações da Matemática 1 o Sem M Fundamentos e Ensino da Álgebra 1o Sem CE Métodos e Técnicas da Educação II 2 o Sem CE Computação no Ensino da Matemática 2 o Sem CE Fundamentos e Ensino da Análise 2 o Sem CE História do Pensamento Matemático 2 o Sem M 5 o ano Estágio Pedagógico Anual 50 O 5 o ano da licenciatura em Matemática - Ramo de Formação Educacional, é constituído por um Estágio Pedagógico. O aluno só poderá inscrever-se no Estágio Pedagógico com, no máximo, duas disciplinas semestrais em atraso. 2.6 Classificação final A classificação final em cada um dos Ramos da licenciatura em Matemática é a média ponderada de todas as disciplinas, sendo o peso de cada disciplina igual ao seu número de unidades de crédito. 14

14 3 Disciplinas da Licenciatura em Matemática 3.1 Conteúdos programáticos Álgebra I: Teoria dos Grupos: Grupos. Subgrupos. Classes laterais. Subgrupos normais. Grupos quociente. Homomorfismos. Grupos cíclicos. Grupos de permutações. Produtos directos. Grupos finitos. Bibliografia fundamental: G. N. de Oliveira, Apontamentos da disciplina de Álgebra, 1994/95; M. Sobral, Álgebra, Universidade Aberta, 1995; A. Gonçalves, Introdução à Álgebra, IMPA, Precedências: Tópicos Fundamentais da Matemática, Álgebra Linear e Geometria Analítica I e II. Álgebra II: Teoria dos Anéis: Anéis. Subanéis. Ideais. Anéis quociente. Homomorfismos. Polinómios. Domínios de ideais principais. Domínios euclidianos. Domínios de factorização única. Zeros de polinómios. Teoria dos Corpos: Corpos. Corpos primos. Extensões de corpos. Corpos de decomposição. Corpos finitos. A impossibilidade de resolução dos problemas geométricos clássicos. Resolubilidade de equações polinomiais. Cifras e códigos secretos. Bibliografia fundamental: G. N. de Oliveira, Apontamentos da disciplina de Álgebra, 1994/95; M. Sobral, Álgebra, Universidade Aberta, 1995; A. Gonçalves, Introdução à Álgebra, IMPA, Precedências: Tópicos Fundamentais da Matemática, Álgebra Linear e Geometria Analítica I e II. Álgebra Comutativa: 1. Introdução. Revisão de tópicos de álgebra: factorização, elementos primos e elementos irredutíveis, anéis de factorização única, domínios de ideais principais. 2. Ideais principais e ideais primos. Axiomas da teoria dos conjuntos; enunciado do Lema de Zorn; aplicações. Ideais primos e o radical de um ideal. Definição e caracterização do radical de Jacobson. 3. Anéis de fracções. Estudo detalhado no caso dos domínios de ideais principais. Definição no caso geral; propriedades. 4. Breve introdução à teoria dos módulos. Submódulos, homomorfismos e módulos quocientes. Os teoremas de isomorfismo de Nœther. Somas directas e produtos cartesianos de módulos. Módulos finitamente gerados. Módulos livres. Apresentações de módulos. Módulos de torção. Ideais e módulos cíclicos. 5. Anéis nœtherianos. Condições de cadeia. Anéis e módulos de Nœther. Teorema da base, de Hilbert e Nœther. 6. Va- 15

15 riedades algébricas. Notas sobre o conceito de superfície em IR n. Variedades algébricas. Topologia de Zariski. Aplicações do Teorema da base de Hilbert e Nœther. Enunciado e aplicações do Teorema dos zeros de Hilbert. Decomposição de uma variedade como união de variedades irredutíveis. Bibliografia fundamental: M. Atiyah & I. MacDonald, Introduction to Commutative Algebra, Add. Wesley 1969; O. Zariski & P. Samuel, Commutative Algebra, vols I & II, GTM, Spring. Verlag 1986; E. Kunz, Introduction to Commutative Algebra and Algebraic Geometry, Birkauser Precedências aconselhadas: Álgebra Linear e Geometria Analítica I e II, Álgebra I e II. Álgebra Linear e Geometria Analítica I: I - Números complexos. A definição de C. Representação geométrica dos números complexos. Forma trigonométrica. Operações com números complexos. Fórmulas de De Moivre. II - Sistemas de equações lineares. Método de eliminação de Gauss. Álgebra das matrizes. Determinantes. Factorização A=LU. Inversão de matrizes. Transposição de matrizes. Sistemas homogéneos. III - Espaços vectoriais. Subespaços. Independência linear. Base e dimensão. Espaços nulo, das linhas e das colunas de uma matriz. Geometria analítica. Bibliografia fundamental: F. R. Dias Agudo, Introdução à Álgebra Linear e Geometria Analítica, Escolar Editora, Lisboa, José Vitória e Teresa Pedroso de Lima, Álgebra Linear, Universidade Aberta, Lisboa, Álgebra Linear e Geometria Analítica II: I - Transformações lineares. Representação matricial. Mudança de base. Operações com transformações lineares. Núcleo e imagem. Isomorfismos. II - Espaços com produto interno. Produtos internos. Processo de ortogonalização de Gram-Schmidt. Projecção ortogonal. Método dos mínimos quadrados. Regressão linear. Geometria analítica. Determinante como área e volume. III - Valores próprios e vectores próprios de matrizes. Diagonalização de matrizes. O caso das matrizes simétricas reais. Curvas e superfícies do 2 0 grau. Bibliografia fundamental: F. R. Dias Agudo, Introdução à Álgebra Linear e Geometria Analítica, Escolar Editora, Lisboa, José Vitória e Teresa Pedroso de Lima, Álgebra Linear, Universidade Aberta, Lisboa, Álgebra Linear Numérica: I - Exemplos de sistemas de equações lineares. 16

16 II - Alguns conceitos de Álgebra Linear Numérica. III - Classes de Matrizes. IV - Métodos directos para sistemas de equações lineares com matrizes densas. V - Métodos directos para sistemas de equações lineares com estrutura especial. VI - Armazenagem e operações com vectores e matrizes esparsas. VII - Métodos directos para sistemas de equações lineares com matrizes esparsas. VIII - Métodos iterativos para sistemas de equações lineares com matrizes quadradas. IX - Matrizes ortogonais. X - Resolução de sistemas de equações lineares com matrizes rectangulares. Algoritmos e Estruturas de Dados I: I Noções Gerais de Programação Modular. II Verificação Formal da Correcção de Algoritmos: A Axiomática de Hoare. III Algoritmos Recorrentes. IV Algoritmos de Pesquisa e de Ordenação. V Eficiência Computacional e Análise de Complexidade. Bibliografia fundamental: S. Baase and A. Van Gelder, Computer Algorithms: Introduction to Design and Analysis, 3rd Edition, Addison-Wesley, 2000; R. C. Backhouse, Program Construction and Verification, Prentice-Hall, 1986; R. Sedgewick, Algorithms in C, 3rd Edition, Addison-Wesley, 1998; N. Wirth, Algorithms and Data Structures, Prentice-Hall, Precedências aconselhadas: Métodos de Programação I e II. Algoritmos e Estruturas de Dados II: I Estruturas Dinâmicas de Dados. II Tipos Abstractos de Dados: Pilhas, Filas, Árvores e suas Aplicações. III Representação de Grafos e Redes. IV Endereçamento Calculado. Bibliografia fundamental: S. Baase and A. Van Gelder, Computer Algorithms: Introduction to Design and Analysis, 3rd Edition, Addison-Wesley, 2000; R. Sedgewick, Algorithms in C, M. A. Weiss, Data Structures and Algorithm Analysis in C, 2nd Editon, Addison-Wesley, 1997; N. Wirth, Algorithms and Data Structures, Prentice-Hall, Precedência aconselhada: Algoritmos e Estruturas de Dados I. Análise Complexa I: I Os imaginários. II Funções analíticas. III Integração complexa. Teorema de Cauchy. IV Singularidades isoladas. Sua classificação. V Teorema dos resíduos. Aplicação ao cálculo de integrais reais. Bibliografia Fundamental: L. Ahlfors, Complex Analysis (2nd ed.), Mc- Graw-Hill Book Co., 1966; J. E. Marsden, Basic Complex Analysis, W. H. 17

17 Freeman Co, 1973; R. P. Coelho, Lições de Análise Complexa, Ed. Departamento de Matemática, Universidade de Coimbra, Precedências aconselhadas: Análise Infinitesimal III e IV. Análise de Fourier e Espaços Funcionais: I- Alguns conceitos de Medida e Integração. II- Espaços Funcionais. III- Distribuições. IV- Séries de Fourier. V- Transformadas de Fourier (de funções e distribuições). VI- Espaços de Sobolev. Bibliografia fundamental: M.A.Al. Gwaiz, Theory of Distributions, Marcel Dekker, Inc. 1992; P. Benoist-Gueutal, M. Courbage, Mathématiques pour la Physique, Tome 2, 2 a ed., Eyrolles, 1995; D.G. Figueiredo, Análise de Fourier e Equações Diferenciais, Projecto Euclides, Precedência aconselhada: Análise Funcional. Análise Funcional: 0 - Preliminares topológicos. I - Transformações lineares. II - Espaços lineares topológicos. III - Transformações lineares em espaços normados. IV - Espaços duais. Transformações duais em espaços normados. V - Espaços com produto interno. VI - Topologias fracas. Bibliografia fundamental: A. Taylor e D.C. Lay, Introduction to Functional Analysis, Wiley, New York, Precedência aconselhada: Topologia. Análise Infinitesimal I: I - Números reais. II - Sucessões de números reais. III - Topologia da recta real. IV - Funções reais de variável real: limites e continuidade. Bibliografia fundamental: E. L. Lima, Curso de Análise, vol. 1, IMPA, Rio de Janeiro, 1976; J. Campos Ferreira, Introdução à Análise Matemática, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Análise Infinitesimal II: I - Funções reais de variável real: cálculo diferencial. II - Funções reais de variável real: integral de Riemann. III - Séries numéricas. Sucessões e séries de funções. Bibliografia fundamental: E. L. Lima, Curso de Análise, vol. 1, IMPA, Rio de Janeiro, 1976; J. Campos Ferreira, Introdução à Análise Matemática, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1991; J. Lewin e M. Lewin, An Introduction to Mathematical Analysis, 2 a edição, McGraw-Hill, New York,

18 Observação: Supôr-se-á que os alunos frequentaram já as disciplinas de Tópicos Fundamentais de Matemática e Análise Infinitesimal I. Análise Infinitesimal III: I - Algumas noções topológicas em IR n. II - Funções vectoriais de n variáveis reais. Limite e continuidade. III - Diferenciabilidade de funções vectoriais de n variáveis. IV - Teoremas da função inversa e da função implícita. V - Máximos e mínimos. Bibliografia fundamental: E. L. Lima, Curso de Análise, Vol. 2, IMPA, Brasília, 1989; J. E. Marsden, Elementary Classical Analysis, Freedman and Company, New York, Precedências aconselhadas: Análise Infinitesimal I e II, Álgebra Linear e Geometria Analítica I e II. Análise Infinitesimal IV: I - Integrais múltiplos. II - Integrais de linha e de superfície. Bibliografia fundamental: E. L. Lima, Curso de Análise, Vol. 2, IMPA, Brasília, 1989; J. E. Marsden, Elementary Classical Analysis, Freedman and Company, New York, Precedências aconselhadas: Análise Infinitesimal I e II, Álgebra Linear e Geometria Analítica I e II. Análise Numérica I: Erros. Raízes de equações não lineares. Equações Polinomiais. Sistemas de equações não lineares. Interpolação polinomial. Integração Numérica. Sistemas de equações lineares. Bibliografia fundamental: R. L. Burden e J. D. Faires, Numerical Analysis, PWS-KENT Publishing Company, 1989; M.A.G. Ruggiero e V.L.R. Lopes, Cálculo Numérico - Aspectos teóricos e computacionais, McGraw-Hill, Precedências aconselhadas: Álgebra Linear e Geometria Analítica I e II. Análise Numérica II: 0 - Espaços de funções: distâncias, normas e produtos internos; convergência; espaços de funções. I - Aproximação de funções: introdução; aproximação polinomial; aproximação trigonométrica. II - Equações diferenciais ordinárias. Problemas de condição inicial: introdução; existência e unicidade de solução; condicionamento; métodos numéricos para equações diferenciais; convergência; estabilidade zero; métodos de passo único; métodos de passo múltiplo; stiffness e teoria linear de estabilidade. III - Equações diferenciais ordinárias. Problemas de condição fronteira: introdução; alguns 19

19 métodos clássicos; o método das diferenças finitas. Bibliografia fundamental: R. Burden & J.D. Faires, Numerical Analysis, PWS-Kent, Boston, 1993; S.D. Conte & C. de Boor, Elementary Numerical Analysis, McGraw-Hill, Auckland 1982; E. Hairer & G. Wanner, Solving Ordinary Differential Equations II, Springer Series in Comput. Mathematics, Vol. 14, Springer-Verlag, Heidelberg, 1991; J.D. Lambert, Computational Methods in Ordinary Differential Systems, John Wiley, Chichester, 1991; H. Pina, Métodos Numéricos, McGraw-Hill, Lisboa, Precedências aconselhadas: Análise Infinitesimal I e II; Álgebra Linear e Geometria Analítica I e II; Análise Numérica I. Aplicações da Matemática: 1. Análise Matemática e suas aplicações a Ciências Sociais (Gestão, Economia, Ciências Políticas, etc). 2. Matemática Discreta e suas aplicações (incluindo Combinatórica, Grupos e Teoria dos Números) a diversas Ciências e Tecnologias. Bases de Dados: 1. Sensibilização. 2. Conceitos fundamentais sobre um Sistema de Gestão de Bases de Dados. 3. Níveis de modelização dum Sistema de Informação. 4. Concepção duma base de dados. 5. Os modelos de dados. 6. O modelo relacional. 7. Esquemas relacionais equivalentes. 8. As etapas do processo de concepção duma base de dados. 9. Panorâmica sobre os principais SGBD comercializados. 10. Bases de dados Multidimensionais. 11. As Data warehouse e as ferramentas Data Mining. 12. Estudo e prática com o SGBD FoxPro. Bibliografia fundamental: Jeffrey D. Ullman, Principles of database systems, Computer Science Press, Second Edition; W. Inmon e R. Hacktathorn, Using the Data Warehouse, John Wiley & Sons, 1994; An Introduction to Multidimensional Database Technology - Kenan Systems Corporation, ; Manual de FoxPro - Microsoft. Compiladores: Processamento de Linguagens Formais: conceitos básicos; tarefas de um Processador. Análise Léxica: Expressões Regulares e Autómatos Determinísticos Finitos. Análise Sintática: abordagem Recursiva-Descendente (parsers RD e LL); análise sintática por Redução-Transição (parsers LR e LALR). Análise Semântica: Tradução Dirigida pela Sintaxe. Gramáticas de Atributos. 20

20 Bibliografia fundamental: Aho, Sethi e Ullman, Compiler Principles, Techniques and Tools, Addison-Wesley, 1986; Pittman e Peters, The Art of Compiler Design: theory and practice, Prentice-Hall, Precedência aconselhada: Linguagens Formais. Complementos de Análise Funcional: I - Espaços vectoriais topológicos. II - Espaços de funções teste. III - Distribuições. IV - Transformadas de Fourier e distribuições temperadas. V - Espaços de Sobolev. Bibliografia fundamental: J. Barros-Neto, An Introduction to the Theory of Distributions, Dekker, New York, 1973; V. K. Khoan, Distributions, Analyse de Fourier, Operateurs aux derivées partielles (2 vol.s), Vuibert, Paris, 1972; M. A. Al-Gwaiz, Theory of Distributions, Dekker, New York, Precedências aconselhadas: Topologia e Análise Funcional. Computação Gráfica I: I - Introdução à computação gráfica. II - Algoritmos de conversão por varrimento. III - Sistemas gráficos interactivos. IV - Transformações geométrica e projecções. Bibliografia fundamental: J. Foley et al., Introduction to Computer Graphics, 2nd. Ed., Addison-Wesley, D. Hearn and M.P. Baker Computer Graphics 2nd Edition, Prentice-Hall, 1994; D. Rogers and T. Adams Mathematical Elements for Computer Graphics 2nd. Ed. MacGraw-Hill Precedências aconselhadas: Métodos de Programação I e II. Computação no Ensino da Matemática: O impacto e usos do computador no ensino e no curriculum de Matemática. Exploração de ferramentas para a aprendizagem da Matemática. Avaliação e documentação de software educativo. Programação e o ensino da Matemática. A linguagem LOGO. As calculadoras gráficas no ensino da Matemática. A visão da renovação do currículo nos Ensino Básico e Secundário quanto à utilização de recursos tecnológicos. A Internet e o ensino da Matemática. Bibliografia fundamental: Diversos artigos de divulgação; Papert e Seymour, Logo: Computadores e Educação, Ed. Brasiliense, São Paulo, 1988; NCTM - Computers in Mathematics education, NCTM Yearbook 1984; Novos Programas de Matemática e Normas para o curriculo e a avaliação em Matemática, NCTM ed. APM/IIE, Elementos de Topologia: I - Funções contínuas versus espaços métricos e 21

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

1. Coeficiente de Rendimento Escolar mínimo e Formação Acadêmica:

1. Coeficiente de Rendimento Escolar mínimo e Formação Acadêmica: Critérios Norteadores para o Processo Seletivo ao Programa de Pós-Graduação em Matemática da UFCG, no Curso de Mestrado, Modalidade Acadêmico - Área de Matemática - A Seleção para a área de matemática

Leia mais

Pós - Graduação em Matemática para professores. Anexo: Conteúdos Programáticos das Unidades Curriculares

Pós - Graduação em Matemática para professores. Anexo: Conteúdos Programáticos das Unidades Curriculares Pós - Graduação em Matemática para professores Anexo: Conteúdos Programáticos das Unidades Curriculares Métodos Finitos em Matemática M491 Nesta disciplina são abordados diferentes tópicos de matemática

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIA DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: MATEMÁTICA I SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO EDITAL COMPLENTAR N 001 AO EDITAL N 003/2012 UNAT A, no uso de suas atribuições legais e em cumprimento das normas previstas no artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988, Decreto

Leia mais

NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA An 2-A APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO N.º Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

PLANO. Aulas teóricas Gabinete Extensão Email Página pessoal Carlos Sousa (Eq. Prof. Adjunto) Gabinete Extensão Email Página pessoal 0.

PLANO. Aulas teóricas Gabinete Extensão Email Página pessoal Carlos Sousa (Eq. Prof. Adjunto) Gabinete Extensão Email Página pessoal 0. UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA LICENCIATURA EM ENGENHARIA TOPOGRÁFICA UNIDADE CURRICULAR: ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA 1º CICLO - 1º SEMESTRE - 1º ANO - 007/008 PLANO 1.

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Profª Silvia Martini de Holanda Janesch 37219652

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Profª Silvia Martini de Holanda Janesch 37219652 Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Renovação Atual de Reconhecimento - Port. nº286/mec de 21/12/12-DOU 27/12/12.Curso reconhecido pelo Decreto Federal 75590 de 10/04/1975, publicado no Diário

Leia mais

Ementário das Disciplinas Obrigatórias

Ementário das Disciplinas Obrigatórias Ementário das Disciplinas Obrigatórias 61612268 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA I 6 créditos 90h 1 0 semestre. Conjuntos numéricos. Relações. Funções. Funções do 1 0 grau. Funções do 2 0 grau. Função modular.

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 06/2013 Reestrutura o Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT). CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÁLGEBRA LINEAR Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÁLGEBRA LINEAR Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular ÁLGEBRA LINEAR Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS

MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS 1ª Edição a realizar no ano lectivo 2008/2009 Departamento de Matemática da FCTUC Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (Curso de Mestrado aprovado

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO - Câmara de Pós-Graduação Nº 27/2012 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Computacional, Mestrado. CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA MULTIVARIADA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA MULTIVARIADA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA MULTIVARIADA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Técnicas de Representação Digital I Área Científica: Desenho (DES) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 3º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série)

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série) Relacionar e resolver problemas que envolvem conjuntos; Reconhecer, operar e resolver problemas com conjuntos numéricos; Compreender os conceitos e propriedades aritméticas; Resolver problemas de porcentagem,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia e Gestão Industrial Unidade Curricular Algoritmia e Programação Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Prof. Vítor Pereira Assistente

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO CURSO DE MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA E GESTÃO ANÁLISE MATEMÁTICA I ELEMENTOS DE ANÁLISE REAL Volume 1 Por : Gregório Luís I PREFÁCIO O presente texto destina-se

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO Area de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas DISCIPLINA: PRÁTICAS INVESTIGATIVAS I H111926 03 60 Introdução e ensaio da prática investigativa. Procedimentos metodológicos

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Escola Superior de Tecnologia de Tomar. Área Interdepartamental de Matemática Curso de Engenharia Informática

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Escola Superior de Tecnologia de Tomar. Área Interdepartamental de Matemática Curso de Engenharia Informática INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Escola Superior de Tecnologia de Tomar Área Interdepartamental de Matemática Curso de Engenharia Informática! "!# " $!! %!! " # $ " % $ & ' $ " ( "! " $! " " )" ' $ *!!&

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

ACEF/1314/18282 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1314/18282 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1314/18282 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1314/18282 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

Dossier Pedagógico da Disciplina de Programação e Computadores 1 (PC1)

Dossier Pedagógico da Disciplina de Programação e Computadores 1 (PC1) Instituto Superior Politécnico Gaya Dossier Pedagógico da Disciplina de Programação e Computadores 1 (PC1) Índice 1. Programa da Disciplina...2 1.1 Objectivos da Disciplina...2 1.2 Conteúdo programático...2

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1/5 ANEXO II RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 31/2005 EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO I SEMESTRE Algoritmos e Estruturas de Dados I Fundamentos da Computação Fundamentos Matemáticos para a Computação

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS PROBABILIDADES E COMBINATÓRIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 Introdução ao cálculo Conhecer terminologia das probabilidades de Probabilidades

Leia mais

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, Universidade do Porto Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2006-2008 http://www.dcc.fc.up.pt/mi

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Métodos Numéricos CÓDIGO: PEE-007 Validade: A partir do 1º semestre de 2009. Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Módulo de Disciplinas

Leia mais

Teoria da Prova e da Programação

Teoria da Prova e da Programação Teoria da Prova e da Programação Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Ano lectivo 2011/2012 Esta página no formato pdf, no formato ps 1 Novidades Primeira versão da página. Encontrará

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA O desenvolvimento das sociedades tem sido também materializado por um progresso acentuado no plano científico e nos diversos domínios

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO: Fundamentos da Computação CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação DISCIPLINA: Fundamentos da Computação CÓDIGO: 4610H CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula VALIDADE: a partir de

Leia mais

E S C O L A S U P E R I O R A G R Á R I A

E S C O L A S U P E R I O R A G R Á R I A Licenciatura em Engenharia Alimentar Ref.ª : 8810006 Ano lectivo: 2009-10 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR MATEMÁTICA E INFORMÁTICA MATHEMATICS AND INFORMATICS 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica:

Leia mais

Resolução n o 03/2010 - Conselho Gestor Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional 10 de fevereiro de 2010

Resolução n o 03/2010 - Conselho Gestor Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional 10 de fevereiro de 2010 Resolução n o 03/2010 - Conselho Gestor Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional 10 de fevereiro de 2010 Catálogo de Disciplinas e Grade Curricular 1. Disciplinas de nivelamento MA01 - Temas

Leia mais

Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada

Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada Dados de identificação Disciplina: MATEMÁTICA APLICADA II Período Letivo: 2015/1 Período de Início de Validade : 2015/1 Professor Responsável

Leia mais

Ficha da Disciplina COMPUTAÇÃO GRÁFICA E INTERFACES. Objectivos. Docente

Ficha da Disciplina COMPUTAÇÃO GRÁFICA E INTERFACES. Objectivos. Docente Ficha da Disciplina COMPUTAÇÃO GRÁFICA E INTERFACES Apresentação da disciplina Ano lectivo 2003/2004 Carlos Carreto Nome: Computação Gráfica e Interfaces Curso: Engenharia Informática Área Científica:

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA 2º ANO Nome da disciplina: Física Geral II Carga horária: 90h Acústica e Ondas. Óptica Física e Geométrica. Lei de Coulomb; Campo Elétrico. Lei de Gauss. Potencial. Capacitância.

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

EDITAL 07/2011 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO 2012 DO PROGRAMA DE MESTRADO ACADÊMICO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

EDITAL 07/2011 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO 2012 DO PROGRAMA DE MESTRADO ACADÊMICO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL 07/2011 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO 2012 DO PROGRAMA DE MESTRADO ACADÊMICO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS O Coordenador do Programa de Mestrado Acadêmico em Ciências Contábeis, no uso de suas

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 01/2014

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 01/2014 EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 01/2014 O Prefeito do município de Motuca, Estado de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, torna público

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA

PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA 5º ano 2012/2013 UNIDADE: Números e Operações 1 - NÚMEROS NATURAIS OBJECTIVOS GERAIS: - Compreender e ser capaz de usar propriedades dos números inteiros

Leia mais

Alterações em Bibliografias de disciplinas do Bacharelado em Matemática

Alterações em Bibliografias de disciplinas do Bacharelado em Matemática Alterações em Bibliografias de disciplinas do Bacharelado em Matemática Complementação da Bibliografia de Cálculo Numérico : RUGGIERO, M.A.G. e LOPES, V.L.R. Cálculo Numérico, Aspectos Teóricos e Computacionais.

Leia mais

Apresentação do programa e bibliografia. Objectivos da disciplina e sua inserção no curso.

Apresentação do programa e bibliografia. Objectivos da disciplina e sua inserção no curso. Ano Lectivo: Docente: Disciplina: Turma: SIGN2 2003/2004 Semestre: 2 Joaquim Gonçalves Análise e Especificação de Sistemas de Informação Data de Impressão: 09/06/04 Data Inicio Nº Pres. Sumários Observações

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MA026- CALCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL 1 OBRIG 60 0 60 4.0 LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES. DERIVADAS. APLICAÇÕES DA DERIVADA. TEOREMA DE ROLLE, TEOREMA DO VALOR MÉDIO E TEOREMA DO VALOR MÉDIO

Leia mais

REGIME DE TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA APLICADA PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM ESTATÍSTICA E APLICAÇÕES

REGIME DE TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA APLICADA PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM ESTATÍSTICA E APLICAÇÕES REGIME DE TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA APLICADA PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM ESTATÍSTICA E APLICAÇÕES Normas regulamentares Artigo 1º Objecto O presente documento apresenta as normas

Leia mais

Estatística. 5 (tempo total de trabalho: 28h *5 = 140 horas) 70 = 15 Teóricas (T) + 45 Teórico-práticas (TP) + 10 Orientação tutorial (OT) Luís Faísca

Estatística. 5 (tempo total de trabalho: 28h *5 = 140 horas) 70 = 15 Teóricas (T) + 45 Teórico-práticas (TP) + 10 Orientação tutorial (OT) Luís Faísca 1 Estatística II 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professor responsável Docentes 1.2. Síntese descritiva Psicologia

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Tecnologias e Design de Multimédia 1º Ano, 1º Semestre Jorge Alexandre de Albuquerque Loureiro E-mail: jloureiro@di.estv.ipv.pt url: www.estv.ipv.pt/paginaspessoais/jloureiro Escola

Leia mais

Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP)

Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) 1. Apresentação/Público Alvo Este curso de Pós-Graduação Lato Sensu é destinado especialmente a alunos graduados

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem

Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem Sandra Jardim * e Paulo Sequeira Gonçalves ** * Departamento de Engenharia Informática e Tecnologias da Informação ** Departamento

Leia mais

DISCIPLINA: Métodos Heurísticos

DISCIPLINA: Métodos Heurísticos DISCIPLINA: Métodos Heurísticos CURSO(S): Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Licenciatura em Engenharia de Sistemas e Informática Licenciatura em Matemática Aplicada Licenciatura em Matemática

Leia mais

MOQ-13 Probabilidade e Estatística

MOQ-13 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MOQ-13 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br Motivação Idéias Básicas

Leia mais

M A T E M Á T I C A DIRETRIZES GERAIS

M A T E M Á T I C A DIRETRIZES GERAIS M A T E M Á T I C A DIRETRIZES GERAIS O conteúdo programático de Matemática dos processos seletivos da UFU tem como objetivo identificar a habilidade do estudante em resolver problemas, fazer conexões

Leia mais

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning Normas regulamentares Artigo 1.º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL), confere o grau de Mestre

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Turno: INTEGRAL/ NOTURNO Integral Currículo nº 2 Noturno Currículo nº 7 Reconhecido pelo Decreto Federal n. 32.242, de 10.02.53, D.O.U nº 42 de 20.02.53. Renovação de

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Criação Resolução n.º 1.586, de 26.09.90 Implantação do Curso na UEL 04.03.91 Reconhecimento Portaria Ministerial n.º 115, de 24.01.97 Grau Bacharel em Ciência da Computação Código 56 Turno Integral CIÊNCIA

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS CÓDIGO: EXA801 DISCIPLINA: ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO I CARGA HORÁRIA: 60h EMENTA: Classificação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais

Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática Aplicada - Mestrados Eng. Química

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MATEMÁTICAS GERAIS Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MATEMÁTICAS GERAIS Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular MATEMÁTICAS GERAIS Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Marketing e Publicidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia Electrónica e Informática Unidade Curricular Física Geral I Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Carlos Alberto Rego de Oliveira

Leia mais

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA 1 MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA MATEMÁTICA DISCRETA Profa. Marcia Mahon Grupo de Pesquisas em Comunicações - CODEC Departamento de Eletrônica e Sistemas - UFPE Outubro 2003 2 CONTEÚDO 1 - Introdução

Leia mais

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Eduardo Campos VICE-GOVERNADOR João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO Ricardo

Leia mais

Programação de Computadores em C

Programação de Computadores em C Programação de Computadores em C Primeira edição Carlos Camarão Universidade Federal de Minas Gerais Doutor em Ciência da Computação pela Universidade de Manchester, Inglaterra Lucília Figueiredo Universidade

Leia mais

Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC. Michael Paluch

Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC. Michael Paluch Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC Michael Paluch Avaliação 1. Avaliação Contínua a) 1 Teste dia 11 de abril de 2015 duração 90 minutes (40% de nota final)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Edital de Abertura n.º09/2016 PROPEP/UFAL P á gina 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação EDITAL 09/2016-PROPEP/CPG-UFAL ABERTURA DE PROCESSO

Leia mais

Ementas das Disciplinas do Bacharelado em Sistemas de Informação da UNIRIO

Ementas das Disciplinas do Bacharelado em Sistemas de Informação da UNIRIO Ementas das Disciplinas do Bacharelado em Sistemas de Informação da UNIRIO 2 de junho de 2010 Sumário Administração de Bancos de Dados.................................. 3 Administração Financeira.......................................

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013)

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (2ª Edição 2011/2013) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

Algoritmia e Estruturas de Dados

Algoritmia e Estruturas de Dados JOSÉ BRAGA DE VASCONCELOS JOÃO VIDAL DE CARVALHO Algoritmia e Estruturas de Dados Programação nas linguagens C e JAVA Portugal/2005 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução,

Leia mais

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas)

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas) ENIAC Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 1 Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 2 O transistor foi inventado em 1947

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno Engenharia da Computação Relação das s do Currículo Pleno O curso de Engenharia de Computação apresenta o seguinte currículo pleno, distribuído em 9 períodos letivos. 4 º Período 3 º Período 2 º Período

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Departamento de Gestão de Empresas SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS

GESTÃO FINANCEIRA. Departamento de Gestão de Empresas SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS Departamento de Gestão de Empresas GESTÃO FINANCEIRA SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS IV - LOCAL E HORÁRIO DE APOIO AOS ALUNOS V - BIBLIOGRAFIA O Docente

Leia mais

MATEMÁTICA. 1. TURNOS: Vespertino/Noturno (Bacharelado) HABILITAÇÕES: Bacharelado ou

MATEMÁTICA. 1. TURNOS: Vespertino/Noturno (Bacharelado) HABILITAÇÕES: Bacharelado ou MATEMÁTICA 1. TURNOS: Vespertino/Noturno (Bacharelado) HABILITAÇÕES: Bacharelado ou Noturno (Licenciatura) Licenciatura Integral (Bacharelado ou Licenciatura) GRAUS ACADÊMICOS: Bacharel em Matemática ou

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Exatas e Naturais Programa da Pós-Graduação em Matemática e Estatística - PPGME.

Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Exatas e Naturais Programa da Pós-Graduação em Matemática e Estatística - PPGME. Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Exatas e Naturais Programa da Pós-Graduação em Matemática e Estatística - PPGME Identificação Nome do Projeto: Projeto de Iniciação Científica no PPGME

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Mestrado em Matemática - Área de Concentração em Estatística

PLANO DE ENSINO. Mestrado em Matemática - Área de Concentração em Estatística 1. IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Disciplina: Estatística Multivariada Código: PGMAT568 Pré-Requisito: No. de Créditos: 4 Número de Aulas Teóricas: 60 Práticas: Semestre: 1º Ano: 2015 Turma(s): 01 Professor(a):

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE SERGIPE EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/1

FACULDADES INTEGRADAS DE SERGIPE EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/1 FACULDADES INTEGRADAS DE SERGIPE EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/1 A ASSOCIAÇÃO DE APOIO À EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SERGIPE APEC/SE, entidade mantenedora das FACULDADES INTEGRADAS DE

Leia mais

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Rio Pomba Coordenação de Cursos de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013

NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013 NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013 CURSOS SUPERIORES DE - TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. CURSOS E VAGAS OFERECIDAS Cursos de

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Artigo 1 o (Definição) O Laboratório de Cálculo Automático, adiante designado por Lc, é um dos laboratórios do Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

OInstituto de Ciências Matemáticas de São Carlos (ICMSC), da

OInstituto de Ciências Matemáticas de São Carlos (ICMSC), da Instituto de Ciências Matemáticas de São Carlos HILDELBRANDO MUNHOZ OInstituto de Ciências Matemáticas de São Carlos (ICMSC), da Universidade de São Paulo, teve sua origem como Departamento de Matemática

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática A 10º ano Ano Letivo 2015/2016 TEMA

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais 5// :6 Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso: Ciência da Computação (Noturno) Currículo: 7/ CMP.8.- Introdução à Computação Ementa: O que é Ciência da Computação. História da Computação. Estrutura

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular Ficha da Unidade Curricular Curso: Engenharia Electrotécnica/Informática Ano Lectivo: 2010/11 Unidade Curr.: Sistemas Digitais Ano Curricular: 1 Créditos: 6 Responsável: João Paulo Coelho Regime: Anual

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão

Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão Novembro de 2000 1 Notas Introdutórias 1.1 No 10 ō ano, os estudantes dos Cursos Tecnológicos recuperaram e aprofundaram, para um nível secundário,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação 5º semestre Licenciatura de EI 2011/2012 msantos@ispgaya.pt cramos@ispgaya.pt / Carlos Ramos 1 Objectivos da Disciplina de Sistemas de Informação da Licenciatura de EI Complementar a formação em bases

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAMBEIRO SP EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 02

CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAMBEIRO SP EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 02 CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2015 O Prefeito do município de Jambeiro, Estado de São Paulo no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, torna público a presente retificação

Leia mais

À DESCOBERTA DE SOFTWARE

À DESCOBERTA DE SOFTWARE À DESCOBERTA DE SOFTWARE PARA EXPLORAR A PROGRAMAÇÃO LINEAR NO ENSINO SECUNDÁRIO Paula Maria Barros (1), Ana Isabel Pereira (1), Ana Paula Teixeira (2) (1) Instituto Politécnico de Bragança, (2) Universidade

Leia mais

Curso de pós graduação em Auditorias a Sistemas Integrados de Gestão 1ª edição

Curso de pós graduação em Auditorias a Sistemas Integrados de Gestão 1ª edição Curso de pós graduação em Auditorias a Sistemas Integrados de Gestão 1ª edição Parceria entre a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTSC) www.estescoimbra.pt e o CTCV www.ctcv.pt Nota Prévia

Leia mais

Ementas Disciplinas Obrigatórias

Ementas Disciplinas Obrigatórias Ementas Disciplinas Obrigatórias INFORMÁTICA Algoritmos I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos: análise do problema, estratégias de solução e representação. Estruturação e modularização.

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais