NOV VOL. XXIV (ESPECIAL)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOV - 2011 - VOL. XXIV (ESPECIAL)"

Transcrição

1 NOV VOL. XXIV (ESPECIAL) EDITORIAL XXXI JORNADA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GAFFRÉE E GUINLE XXXI Scientific Annual Meeting of the Hospital Universitário Gaffrée e Guinle Mario Barreto Corrêa Lima A PROPÓSITO DA XXXI JORNADA DO HUGG Regarding the XXXI Annual Scientific Meeting of the Hospital Universitário Gaffrée e Guinle Carlos Alberto Basílio de Oliveira ÁCIDO ASCÓRBICO (VITAMINA C) E ESCORBUTO NA TERAPIA INTENSIVA: RELA- TO DE CASO Erika Vianna Glindmeier Didier, Aureo do Carmo Filho, Leandro Cardarelli Leite, Vitor dos Santos Neves ESTUDO COMPARATIVO EM SEPSE ENTRE O HUGG E O HOSPITAL PRÓ-CARDÍACO Leandro Cardarelli Leite, Aureo do Carmo Filho, Fernando Augusto Bozza, Erika Vianna Glindmeier Didier, Thiago Shinji Kajishima Gomes ASPECTOS TOMOGRÁFICOS DA OFTALMOMIÍASE Bernardo Gribel Carneiro, Luiz Eugênio Bustamante Prota Filho, Filipe Ribeiro Queiroz Santos, Carolina Maria de Azevedo, Ana Célia Baptista Koifman DOENÇA DE STILL DO ADULTO REFRATÁRIA - RELATO DE CASO TRATADO COM TOCILIZUMABE João Luiz Pereira Vaz, Lívia Regina Theilacker, Fabíola Sampaio Brandão, Paulo César Handam, Maria Cecília da Fonseca Salgado ASPECTOS RADIOLÓGICOS DA FRATURA DE PÊNIS- RELATO DE CASO Luiz Eugênio Bustamante Prota Filho, Bernardo Gribel Carneiro, Filipe Ribeiro Queiroz dos Santos, Carolina Maria de Azevedo, Ana Célia Baptista Koifman MANIFESTAÇÃO AGUDA DO PSEUDOTUMOR ORBITÁRIO - ESTUDO POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Filipe Ribeiro Queiroz dos Santos, Luiz Eugênio Bustamante Prota Filho, Bernardo Gribel Carneiro, Carolina Maria de Azevedo, Ana Célia Baptista Koifman COEXISTÊNCIA DE ESPONDILITE ANQUILOSANTE E DOENÇA MISTA DO TECIDO CONJUNTIVO - RELATO DE CASO Lívia Regina Theilacker, Fabíola Sampaio Brandão, João Luiz Pereira Vaz, Maria Cecília da Fonseca Salgado... 15

2 SÍNDROME SJÖGREN SECUNDÁRIA A ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL - RELATO DE CASO Fabíola Sampaio Brandão, Lívia Regina Theilacker, João Luiz Pereira Vaz, Maria Cecília da Fonseca Salgado RITUXIMAB NO TRATAMENTO DO PÊNFIGO VULGAR REFRATÁRIO Stephanie Del Rio Navarret Biot, Maria Angélica Erthal de Barros, Ricardo Barbosa Lima, Henrique Novo Costa Pereira, Carlos José Martins ESTUDO POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TCAR) DO PULMÃO NA SÍNDROME DE SJÖGREN Maria Cecília da Fonseca Salgado, Bruno Bordallo Correa, Lívia Regina Theilacker, Fabíola Sampaio Brandão, João Luiz Pereira Vaz METÁSTASE CUTÂNEA DE CÂNCER DE MAMA Maria Angélica Erthal de Barros Macedo, Joanna Pimenta de Araújo Franco, Caroline Cruz Barbosa, Ricardo Barbosa Lima, Carlos José Martins PADRÃO DE VASCULARIZAÇÃO VENOSA DO POLO TEMPORAL Francisco José Lourenço Torrão Junior, José Fernando Guedes Corrêa ANÁLISE URODINÂMICA PARA O DIAGNÓSTICO DE OBSTRUÇÃO INFRA-VESICAL EM MULHERES E SUA CORRELAÇÃO COM A CLÍNICA Fernanda Martins da Costa Crosara, Luana Azevedo de Paula, Marcelo Calmeto Noronha Barleta, Bárbara Vervloet Corseuil, Katiuscha Merath de Almeida Reis A PRODUÇÃO CIENTÍFICA ELETRÔNICA SOBRE SUSPENSÃO DE CIRURGIA E O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Fernanda Martins de Aquino, Vera Lúcia Freitas de Moura PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES PORTADORES DE NEOPLASIA PROSTÁTICA ACOMPANHADOS SETOR DE ONCOLOGIA DO HUGG ENTRE 2005 E 2010 Luana Azevedo de Paula, Fernanda crosara, Marcelo Noronha Barleta, Bárbara Vervloet Corseui PREVALENCIA DA VACINAÇÃO CONTRA H1N1 E HEPATITE B NOS ALUNOS DE MEDICINA DA UNIRIO Marcelo de Souza Teixeira, Eduardo Souza Pernambuco, Ricardo Rodrigeus Perbelini, Marcelo Calmeto Noronha Barleta, Thiago Shingi Kajishima Gomes AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS E ALUNOS DE MEDICINA SOBRE AS DEFINIÇÕES DE SEPSE E DE SEU MANEJO PRECOCE Thiago Shinji Kajishima Gomes, Celio Cortinhas Filho, Camila Galvão de Oliveira Wafae, Leandro Cardarelli Leite, Marcelo de Souza Teixeira DIABETES MELLITUS EM PACIENTE JOVEM HIV-POSITIVA: RELATO DE CASO Vanessa da Silva Schrago Mendes PREVALÊNCIA DA CATATONIA EM ENFERMARIA DE CLÍNICA MÉDICA DE HOSPITAL GERAL: ANÁLISE AMOSTRAL COM 90 TESTADOS Natacha Lorena Lima Mafort, Wagner Martignoni de Figueiredo, Zolder Marinho Silva, José Ramon Rodriguez Arras López, Rogério Paysano Marracos

3 EFEITO DA IMUNOSSUPRESSÃO SECUNDÁRIA A INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) NO DESENVOLVIMENTO DA INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO (ITU) NAS MULHERES IDOSAS Carolina Monteiro Barbosa, Marcela Magalhães Vieira, Luiz Paulo José Marques ESTUDO TOMOGRÁFICO DA ÓRBITA AGUDA POR DOENÇA EXTRAORBITÁRIA Luiz Eugênio Prota Filho, Filipe Ribeiro Queiroz Santos, Carolina MAria de Azevedo, Ana Celia Baptista Koifman A RELAÇÃO DO MÉDICO COM O PACIENTE NA EMERGÊNCIA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Thaís Nascimento Magalhães, Caroline Mählmann Muniz Dantas A COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL E A ENFERMAGEM Vera Lúcia Freitas de Moura, Raquel Araújo, Bruna Pantoja, Camilla Dias A COMUNICAÇÃO E OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM DURANTE O BANHO NO LEITO AO CLIENTE ORTOPÉDICO COM TRAÇÃO E FIXADORES EXTERNOS Vera Lúcia freitas de Moura, William Rosa, Rafael André da Silva, Matheus Corey, Edson Ramos da Silva CAPTAÇÃO DE CADÁVERES NÃO RECLAMADOS PARA O ESTUDO DE ANATOMIA HUMANA NA UNIRIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Helio Huguenin Tavares Junior, José Fernando Guedes Corrêa CUIDANDO DOS CUIDADORES: AÇÃO EM COMUNIDADE ATINGIDA PELAS CHU- VAS DE JANEIRO DE 2011 EM NOVA FRIBURGO Caroline Mählmann Muniz Dantas, Tereza de Souza Agra Belmonte RELATO DE EXPERIÊNCIA: ACADÊMICAS DE MEDICINA VOLUNTÁRIAS NO ATEN- DIMENTO PÓS-TRAGÉDIA A COMUNIDADES ATINGIDAS PELA CHUVA EM NOVA FRIBURGO Anna Karla de Souza Amaral, Caroline Mählmann Muniz Dantas MÉTODOS DE TRANSECÇÃO DO PARÊNQUIMA HEPÁTICO EM HEPATECTOMIA CONVENCIONAL Katiuscha Almeida Merath Reis, Fernanda Martins da Costa Crosara, Alexandre Rebelo Marques PADRÃO DE INERVAÇÃO DO MÚSCULO BRAQUIAL PELO NERVO MUSCULOCUTÂ- NEO José Fernando Guedes Corrêa, Yangpol Hon, Rogério Matins Pires Amorim, Lucas Loiola, Raquel Megali Oliveira MEDIDAS DE PREVENÇÃO PARA QUEDAS DE CLIENTES IDOSOS HOSPITALIZADOS Camila Torquato de Paula, Karine Matteini Ferraz, Vera Lúcia Freitas de Moura SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA AO CLIENTE ORTOPÉDICO COM ESCLEROSE MÚLTIPLA Anna Izabel Siqueira de Gusmão, Bruna Pereira Barros, Renata Pedreira da Cruz

4 EPISÓDIO DEPRESSIVO MAIOR E TRANSTORNO BIPOLAR EM ENFERMARIA DE CLÍNICA MÉDICA DE HOSPITAL GERAL: ANÁLISE COMPOSTA POR 48 INTERNA- DOS Natacha Lorena Lima Mafort, Wagner Martignoni Figueiredo, Rogério Paysano Marrocos, José Ramon Rodriguez Arras López, Zolder Marinho Silva BASES ANATOMOCIRÚRGICAS PARA UTILIZAÇÃO DO NERVO FRÊNICO NA RE- CONSTITUIÇÃO DE LESÕES TRAUMÁTICAS DO PLEXO BRAQUIAL Maristella Reis da Costa Pereira CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA DOS ACADÊMICOS DE ME- DICINA DA UNIRIO Pedro Henrique de Abreu Macedo, Melissa Gebrim Ribeiro, Priscilla Duarte Pimentel, Aline Masiero Fernandes, Simony de Souza Pereira Maiolini AS METODOLOGIAS PARTICIPATIVAS E SEU IMPACTO NA APRENDIZAGEM DO ES- TUDANTE DE MEDICINA DA UNIRIO Aline Masiero Fernandes, Regina Maria Lugarinho da Fonseca ENFERMAGEM NO PERIOPERATÓRIO Silvia Helena Silva, Alessandra de Carvalho Viana, Marco Antônio Serra Rodrigues FAZENDO ARTE NA PEDIATRIA DO HUGG Mônica Menezes Perny, Cleudes Werneck CISTO DE COLÉDOCO EM ADULTO: RELATO DE CASO Rafaela Correia da Silva, José Antonio D. C. Silva, José Carlos P. V. Alvarez, Antonio Carlos R. Garrido Iglesias ESTUDO DE 167 CASOS DE COLEDOCOLITÍASE Guilherme Saraiva Haddad, Fernando Athayde Veloso Madureira, José Antonio Dias da Cunha e Silva, Mohamed Chouky Kamar, Renato Manganelli Salomão DIVERTÍCULOS DO ESÔFAGO CERVICAL Vinícius Luderer Dias, Célio Cortinhas Filho, Célia Regina de Oliveira Garritano, Flávio Malcher de Oliveira, Mohamed Chouky Kamar RESULTADO COMPARATIVO DAS RESSECÇÕES CÓLICAS DIREITA E ESQUERDA NA INFLUÊNCIA DO PROGNÓSTICO INTRA-OPERATÓRIO EM UM HOSPITAL UNI- VERSITÁRIO Rafaela Correia da Silva, Luciana de Oliveira Fialho, Isabelle Beatriz Dolovale Silva, Antônio Carlos Ribeiro Garrido Iglesias, Vinícius Luderer Dias FATORES DE CONVERSÃO EM 616 COLECISTECTOMIAS VIDEOLAPAROSCÓPICAS Guilherme Saraiva Haddad, Renato Manganelli Salomão, José Antonio Dias da Cunha e Silva, Rafaela Correia da Silva, Antonio Carlos Ribeiro Garrido Iglesias PÓLIPOS DA VESÍCULA BILIAR Eduardo Andrade Dias Coutinho de Souza, Ricardo Lemos Cotta Pereira, Rodrigo Cesar Pinto, Ricardo Antonio Correia Lima, Rafaela Correia da Silva

5 CARCINOMA NEUROENDÓCRINO AMPULAR: RELATO DE CASO Eduardo Andrade Dias Coutinho de Souza, José Calos Peri Vidal Alvarez, José Antonio Dias da Cunha e Silva, Antônio Carlos Ribeiro Garrido Iglesias, Rodrigo César Pinto ABSCESSO PANCREÁTICO DE APRESENTAÇÃO ATÍPICA: RELATO DE CASO Guilherme Saraiva Haddad, Vinícius Luderer Dias, Eduardo Andrade Coutinho de Souza, José Carlos Perri Vidal Alvarez, Antonio Carlos Ribeiro Garrido Iglesias TUMOR NEUROENDÓCRINO DE LOCALIZAÇÃO ATÍPICA José Antonio Dias da Cunha e Silva, Marcus Vinícius Motta Valadão da Silva, Eberhart Portocarrero Gross, Ricardo Antonio Correia Lima, Antonio Carlos Ribeiro Garrido Iglesias ESTUDO RETROSPECTIVO DAS CIRURGIAS COLORRETAIS DA CLÍNICA CIRÚRGICA A DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GAFFRÉE E GUINLE Rafaela Correia da Silva, Luciana de Oliveira Fialho, José Antonio Dias da Cunha e Silva, Antônio Carlos Ribeiro Garrido Iglesias, sabelle Beatriz Dolovale Silva

6 ISS: ISSN (EDIÇÃO ELETRÔNICA) NOV VOL. XXIV (ESPECIAL) EDITOR Mário Barreto Corrêa Lima EDITORES ADJUNTOS Aureo do Carmo Filho Lucas Pereira Jorge de Medeiros Max Kopti Fakoury CONSELHO EDITORIAL Antônio Carlos Ribeiro Garrido Iglesias (Cirurgia Geral) Azor José de Lima (Pediatria) Carlos Eduardo Brandão Mello (Gastroenterologia) Carlos Alberto Basílio de Oliveira (Anatomia Patológica) Marília de Abreu Silva (Infectologia) Paulo Couto (Ortopedia) Pietro Novellino (Cirurgia Geral) Nelson Salém (Fisiatria) Mair Simão Nigri (Cardiologia) Maria Lúcia Elias Pires (Endocrinologia) Terezinha de Jesus Agra Belmonte (Endocrinologia Infantil) Carlos Modesto Solano (Cirurgia Gastroenterológica) Maria Cecília da Fonseca Salgado (Reumatologia) ASSISTÊNCIA ADMINISTRATIVA Pedro Antonio André da Costa PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO Luiz Eduardo da Cruz Veiga Apoio: 6

7 INSTRUÇÕES AOS AUTORES Os Cadernos Brasileiros de Medicina (ISS /ISSN ), uma publicação oficial da Sociedade de Incentivo à Pesquisa e ao Ensino (SIPE), é, originalmente, produto do interesse científico na comunidade acadêmica do grupo docente e discente do Serviço do Professor Mário Barreto Corrêa Lima e dos demais serviços da Escola de Medicina e Cirurgia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). A abertura da revista para os grupos de pesquisa de outros centros de reconhecimento é uma realidade a qual esta publicação vem atendendo nos últimos anos e que só vem a contribuir para o desenvolvimento da divulgação do saber médico. A finalidade da revista é a publicação de trabalhos originais das diversas áreas da ciência e arte médicas. O conselho editorial, com plenos poderes de avaliação e julgamento, reconhecendo originalidade, relevância, metodologia e pertinência, arbitrará a decisão de aceitação dos artigos. O conteúdo do material publicado deve ser inédito no que se refere à publicação anterior em outro periódico, sendo, ainda de responsabilidade exclusiva dos autores os dados, afirmações e opiniões emitidas. As publicações dos Cadernos Brasileiros de Medicina versarão estruturadas a partir dos seguintes modelos: Editorial: comentário em crítica produzido por editores da revista ou por escritor de reconhecida experiência no assunto em questão. Artigos originais: artigos que apresentam ineditismo de resultado de pesquisa e sejam completos no que consta à reprodutibilidade por outros pesquisadores que se interessem pelo método descrito no artigo. Deverá observar, salvo desnecessário à regra, a estrutura formalizada de: introdução, método, resultados, discussão e conclusões. Artigos de revisão: revisão da literatura científica disponível sobre determinado tema, respeitando, se pertinente, a estrutura formal anteriormente citada. Artigos de atualização: contemplam atualização - menos abrangente que o anterior - de evidências científicas definitivas para o bom exercício da ciência médica. Breves comunicações: artigos sobre assuntos de importância premente para saúde pública ou que não se enquadre no rigor de artigos originais. Relatos de casos: estudo descritivo de casos peculiares, em série ou isolados, que mereçam, pela representatividade científica e/ou riqueza de comentário, o interesse da comunidade profissional. Cartas: Opiniões e comentários sobre publicação da revista ou sobre temas de notório interesse da comunidade científica. Resenhas: crítica em revisão de conteúdos publicados em livros, a fim de nortear o leitor da revista às características de tais publicações. Formatação do escrito: - envio de arquivo word, digitado em espaço duplo, com margens de 2,5 cm e com formato e tamanho de letra Arial, tipo todas as páginas devem ser numeradas - a primeira página deve conter: o título do trabalho - estreito e explicativo / nome completo dos autores com afiliação institucional / nome do departamento e instituição a qual o trabalho deve ser vinculado / nome, endereço, fax, endereço eletrônico ( ) do autor responsável e a quem deve ser encaminhada correspondência caso necessário. - a segunda página deve constar de: resumo em português - onde se sugere a estrutura formalizada em apresentação de artigos originais -, e as palavras-chave - três descritores que indiquem a natureza do tema em questão (sugestão em Descritores em Ciências da Saúde - DECS: decs.bvs.br) - a terceira página constará de título e resumo em inglês (abstract) nos moldes do anterior associado às palavras-chave traduzidas em inglês (key words). - a quarta página iniciará o corpo do texto: * A formatação do texto deve respeitar o modelo ao qual se propõe (artigo original, carta, editorial, etc...). * Abreviação de termos deverá ser precedida por escrito anterior em que se inclua o texto completo sucedido pela abreviação referente entre parênteses. * Os nomes dos medicamentos devem respeitar a nomenclatura farmacológica. * Tabelas devem ser enviadas em folha separada, numeradas com algarismos arábicos, na seqüência em que aparecem no texto, com legenda pertinente e auto-explicativa que deve se dispor na parte superior da tabela. Rodapés com informações relevantes sucintas são permitidos. * Figuras e gráficos devem ser enviados em folha separada, na seqüência em que aparecem no texto, 7

8 numerados com algarismos arábicos, com legenda pertinente e auto-explicativa que deve se dispor na parte superior da tabela. Rodapés com informações relevantes sucintas são permitidos. * Tabelas, figuras e gráficos devem ser enviados em formato que permita a reprodução, e se necessário, devem ser mandadas individualmente. Observamos que deve ser sugerido com clareza pelos autores o local exato em que a inserção do anexado está indicada no texto. * Referências bibliográficas devem ser numeradas consecutivamente em algarismos arábicos. Estas referências vão dizer sobre citações de autores - sobrescritas e numeradas sequencialmente (ex: são as hepatites 1) - que serão colocadas durante o corpo do texto, não cabendo, durante o texto, qualquer informação além sobre a referência. A apresentação das referências deve ser baseada no formato do grupo de vancouver (http://www. icmje.or) e os títulos dos periódicos deverão ser formatados de acordo com a National Library of Medicine da List of Journal Indexed Medicus. (http://nlmpubs.nlm.nih.gov/online/journals/ ljiweb.pdf) ou escritos por inteiro sem abreviação. Exemplos do estilo de referências bibliográficas: Artigos: 1. Vianna RR. A prevalência da demência de Alzheimer numa população de um bairro de idosos. Arq Bras Psiquiatr. 1997;18(3): Teixeira A, Jonas J, Lira M, Oliveira G. A encefalopatia hepática e o vírus da hepatite c. Arch Eng Hepat. 2003;25(6): Cardoso V, Jorge T, Motta F, Pereira C. Endocardite infecciosa e cirurgia de troca valvar. Jour Int Cardiol. 2001;77980:34. Livros: 1. Rodrigues RH, Pereira J, Ferreira RL. A semiologia médica. 3ª ed. Rio de Janeiro: Medica-rio editores; Capítulo livro: 2. Lant FC, Cerejo PM, Castelo RB, Lage LL. Quedas em idosos. In: Barboza BZ, Azevedo VM, Salomão RC, editores. O idoso frágil. 1ª ed. São Paulo: Chateau e machara editora; p Agradecimentos são permitidos ao final do artigo. Os trabalhos devem ser enviados por correio eletrônico ou por correio tradicional (via impressa com cópia em disquete ou CD-ROM). Prof. Mário Barreto Corrêa Lima - Editor Chefe Rua Figueiredo Magalhães, 286/309 - Copacabana. Rio de Janeiro - RJ CEP: endereço eletrônico: CBM. Cadernos Brasileiros de Medicina (on line) ISSN: ISS:

9 EDITORIAL XXXI JORNADA DO HOSPITAL UNI- VERSITÁRIO GAFFRÉE E GUINLE XXXI Scientific Annual Meeting of the Hospital Universitário Gaffrée e Guinle Mario Barreto Corrêa Lima Hoje os Cadernos dão a lume este número em tudo especial. Malgrado não caracterizar-se o seu material por artigos como normalmente eles e as demais revistas científicas o fazem, na realidade muitas publicam, em circunstâncias idênticas, números especiais ou suplementos. O presente número é um exemplo típico destes. Permanece o nosso propósito, já expresso na edição inicial de 1988 e rigorosamente mantido nestes 23 anos, de maneira ininterrupta, de procurar atrair os jovens, sobretudo, alunos e médicos para o saudável hábito de relatarem suas pesquisas e trabalhos. Habituar-se a escrever além de muito útil é algo que se deve começar cedo, pois que em geral persiste pelo resto da vida. A Jornada presente, de número XXXI, já se constitui numa rotina institucionalizada no Hospital Universitário Gaffrée Guinle, da Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, que de resto completou 99 anos de existência, devendo cumprir seu Centenário, em 2012 próximo. Trata-se, portanto de uma excelente abertura para o que está por vir. Seu leitmotif diz respeito as emergências médicas, daí a maioria dos trabalhos relatados tratarem desse aspecto particular e tão importante da atividade médica. Os Cadernos Brasileiros de Medicina sentem-se recompensados de poderem propiciar esta oportunidade ímpar a bom número de jovens que verão seus trabalhos em letra de forma em tão nobre veículo. 1 Professor Titular Emérito da Disciplina de Clínica Médica da Escola de Medicina e Cirurgia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. 9

10 A PROPÓSITO DA XXXI JORNADA DO HUGG Regarding the XXXI Annual Scientific Meeting of the Hospital Universitário Gaffrée e Guinle Carlos Alberto Basilio de Oliveira 1 Do mesmo modo, que ao longo das trinta últimas jornadas médicas de nosso hospital, esta jornada de 2011, confirmou a regra, gerações de professores e alunos tiveram a oportunidade de trocar importantes informações científicas sobre as extraordinárias conquistas da medicina contemporânea. Lamenta-se que pequenas questões políticas, ainda, não permitiram que muitas destas conquistas médicas, não sejam levadas a grande parte da população do planeta, por conta da falta de implementação de atitudes básicas de saneamento e prevenção, capazes de salvar milhões de crianças e idosos em todo o mundo. Nas três décadas passadas, nossos olhos assistiram avanços tão inimagináveis, que nem Julio Verne, com sua fértil imaginação, seria capaz de criar em seus contos, tão mirabolantes avanços científicos. Para quem teve a oportunidade de acompanhar todas as nossas jornadas, mais de perto, como aconteceu com as gerações de mestres que aportaram no novo Gaffrée e Guinle, pelos anos sessenta e setenta, fica muito patente, que o encantamento do passado pode se transformar nas conquistas do presente. Esta longa metragem de pouco mais de trinta anos ficou certamente gravada na retina dos que puderam somar a experiência de nossos antigos professores, a audácia científica de nossos dias, que nos leva a medicina do século XXI. O Gaffrée, como chamamos, por suas próprias condições estratégicas, no cenário médico-universitário na cidade do Rio de Janeiro, deveria definir suas opções operacionais, o que iria permitir investimentos dirigidos e garantido retorno financeiro. O entusiasmo dos alunos transborda todas as expectativas, fato sempre marcado quando começamos e terminamos cada jornada. Não é difícil atingir o progresso alcançado por outras instituições nacionais de reputação internacional. As jornadas sempre nos mostraram que não estamos longe, faltam detalhes, porém importantes. Se quisermos avançar cientificamente como hospital universitário, temos que fazer chegar a pesquisa à beira do leito ou a bancada de projetos médico-cientista. Para isso, necessitamos apenas das verbas e dos financiamentos que se desperdiçam ou que rolam pelos ralos da corrupção. Já cheguei a falar sobre isso: o governo brasileiro interessa-se apenas pelo Produto Nacional Bruto, deixando de reconhecer a importância do Produto Nacional Fino, que são nossos pesquisadores, principalmente mestres e doutores, que impulsionam nosso país para um lugar de destaque no cenário mundial, propiciando os avanços tecnológicos e de inovações com recentes conquistas através de suas pesquisas nas mais diferentes áreas do conhecimento humano. Durante todos esses anos, desde 1979, quando foi criada a I Jornada Médica do HUGG, por seu diretor na época, Professor Hans Dohman que também, deve-se acrescentar, levou nosso Hospital de Clínicas Gaffrée e Guinle, a assinar com o antigo Instituto Nacional de Previdência Social (INPS), atualmente Instituto Nacional de Seguridade Social o atendimento condigno assistencial de todos os cidadãos brasileiros, conforme a novel orientação constitucional. Com temas que se ocuparam das Emergências Médicas e a participação de convidados ilustres e da própria instituição, circularam conferencistas e debatedores de quase todas as especialidades médicas, clínicas e cirúrgicas, pediátricas e gerontológicas, homeopáticas e alopáticas, de tudo um pouco. A particular chancela da Escola de Medicina e Cirurgia nos seus brilhantes 99 anos de existência, permitiu constituir uma semana de integração da EMC e o HUGG, capaz de evocar, mais uma vez, os prolegômenos comemorativos do centenário da quarta mais antiga escola médica do Brasil, através da consciência de sua importância para o ensino médico de nosso país, com a formação de mais de dez mil profissionais médicos, que fazendo parte do contexto da nossa universidade (UNIRIO) garante ainda, a criação de centenas de oportunidades para o ensino superior com a graduação de médicos, enfermeiros, nutricionistas, advogados, bibliotecários, historiadores, atores, museólogos e recente participação da escola de turismo, muito dos quais com curso de pós-graduação, mestrado e doutorado, de especialização e cursos à distância, com ofertas em crescente ascensão abrangendo todo território na- 10

11 cional. É importante também destacar na Jornada Científica os mini-cursos, com assistência maciça de alunos, além de cursos realizados, inclusive na pré-jornada, de cirurgias minimamente invasivas, com transmissão direta do centro cirúrgico para o Anfiteatro Nobre do HUGG, com a participação de cirurgiões convidados, bem como do curso de cirurgia da dor. Esses dois temas, pode-se adiantar, já estão no programa científico oficial de comemoração do centenário da Escola de Medicina e Cirurgia, marcado para início de abril de Aproveito a oportunidade para destacar o compromisso que a comunidade docente deve passar a ter com duas atividades que muito podem alavancar nossos horizontes: prestigiar os Cadernos Brasileiros de Medicina com envio de publicações, o que vai permitir maior projeção da revista no seu contexto de indexação. Uma segunda proposta, essa eu faço mais uma vez ao Magnífico Reitor, seria da criação de uma Editora para a nossa universidade. Apenas a UNIRIO, não tem essa oportunidade, diante de todos os outros centros da academia universitária, o que iria estimular e engrandecer a produção científica de seus alunos e professores. A cada jornada do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, quando do início de novembro, no final da primavera, data da criação da Fundação Gaffrée e Guinle, destacam-se os ideais de duas figuras da nossa sociedade: Candido Gaffrée e Eduardo Guinle, através de legítima atitude filantrópica. Não podemos deixar de ressaltar a competência administrativa de Guilherme Guinle que tocou toda a obra na construção do Hospital Gaffrée e permitiu sua atividade continua por décadas. Para isso contou com uma plêiade de médicos de ponta da medicina brasileira, como Carlos Chagas, Eduardo Rabello, Miguel Couto, Clementino Fraga, Fernando Magalhães, Ozório de Almeida e outros, que constituíram o conselho deliberativo da fundação. Este compromisso tem sempre que corresponder a maior renovação com o melhor de nosso trabalho, honrando nossos mestres e projetando nossos alunos para continuidade da vida médica assistencial. 1 Professor Titular da Disciplina de Anatomia Patológica da Escola de Medicina e Cirurgia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). 11

12 ÁCIDO ASCÓRBICO (VITAMINA C) E ESCORBUTO NA TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE CASO Erika Vianna Glindmeier Didier, Aureo do Carmo Filho, Leandro Cardarelli Leite, Vitor dos Santos Neves INTRODUÇÃO: A deficiência de ácido ascórbico (vitamina C), principalmente no paciente crítico em que seu consumo está aumentado, pode levar ao desenvolvimento de escorbuto, uma doença historicamente conhecida, mas pouco lembrada atualmente. OBJETIVO: Descrever o caso de um paciente de 82 anos internado por sepse com diversas equimoses que evoluíram para úlceras sangrantes, gengivorragia e hemorragia brônquica, levando a necessidade de múltiplas transfusões, que melhoraram após o uso de ácido ascórbico. CONCLUSÃO: Com isso podemos perceber que a dosagem habitual de ácido ascórbico presente em dietas enterais é insuficiente para reposição de paciente crítico com deficiência prévia, além de relembrar a importância de pensar no diagnóstico de hipovitaminoses no paciente idoso. Palavras-chave: Ácido ascórbico, escorbuto, terapia intensiva. ESTUDO COMPARATIVO EM SEPSE EN- TRE O HUGG E O HOSPITAL PRÓ-CAR- DÍACO Leandro Cardarelli Leite, Aureo do Carmo Filho, Fernando Augusto Bozza, Erika Vianna Glindmeier Didier, Thiago Shinji Kajishima Gomes INTRODUÇÃO: Estima-se que, por ano, o custo da sepse seja de US$16,7 bilhões com mais de mortes. OBJETIVOS: Comparar a mortalidade dos pacientes clínicos com diagnóstico de sepse a admissão em dois Centros de Terapia Intensiva (CTIs) de hospitais terciários, um público universitário e outro privado, da cidade do Rio de Janeiro. Concomitantemente, relacionar com dados epidemiológicos das duas populações em estudo. MÉTODOS: Estudo prospectivo observacional, em que foram pesquisados critérios diagnósticos de sepse escritos no prontuário médico dos pacientes clínicos admitidos nos CTIs do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle (HUGG) e do Hospital Pró-Cardíaco (HPC). Aqueles adscritos no trabalho eram acompanhados até seu desfecho - alta ou óbito - dentro da unidade intensiva. Com os dados descritos, completava-se questionário original e, posteriormente, transcrevia-o aos programas Excel for Windows versão 2007 e GraphPad InStat RESULTADOS: Entre 04/11/2010 e 29/04/2011, foram analisados 132 prontuários, dos quais 37 cumpriram os critérios de inclusão - 19 no HUGG e 18 no HPC. A taxa de mortalidade foi de 66,67% para o HUGG e de 31,25% no HPC. Os escores de gravidade - APACHE II, SOFA 0h e SOFA 72 - do HUGG foram 21,1; 4,89 e 4,47; respectivamente. Já no HPC, os valoras foram 17,22; 5,16 e 3,18. A média de idade foi de 60 anos no HUGG e de 79,88 no HPC. Ainda, neste, 100% das infecções foram de origem comunitária enquanto no HUGG 78,94% dos pacientes tiveram infecção nosocomial. CONCLUSÕES: No HUGG, a mortalidade foi maior; os pacientes desta instituição foram admitidos no CTI em situações de maior gravidade e com infecções nosocomiais em sua imensa maioria. No HPC, o número de óbitos foi significativamente inferior ao do HUGG e a média de idade dos pacientes foi maior. Palavras-chave: Sepse, CTI, mortalidade. ASPECTOS TOMOGRÁFICOS DA OFTAL- MOMIÍASE Bernardo Gribel Carneiro, Luiz Eugênio Bustamante Prota Filho, Filipe Ribeiro Queiroz Santos, Carolina Maria de Azevedo, Ana Célia Baptista Koifman INTRODUÇÃO: Miíase é a infestação dos tecidos de vertebrados vivos por larvas de moscas da ordem díptera. Esses parasitas obrigatórios se alimentam do tecido ou líquidos corporais desse hospedeiro para evoluírem em seu ciclo natural. Existem mais de espécies de dípteros, porém poucas são as capazes de causar oftalmomiíase. Nessa rara afecção, ocorre invasão das pálpebras, conjuntiva, córnea, segmento anterior, 12

13 segmento posterior ou órbita pela larva, quadro que estatisticamente corresponde à apenas 5% de todos os casos em humanos. O diagnóstico, na grande maioria das vezes, é eminentemente clínico ou fibroscópico, com visualização direta das larvas. Porém, exames complementares como a tomografia computadorizada (TC) têm se mostrado de extrema importância na avaliação do envolvimento e da invasão de tecidos. OBJETIVOS: Descrever os aspectos tomográficos da oftalmomiíase. MÉTODOS: São apresentados os aspectos tomográficos de quatro pacientes diagnosticados com oftalmomiíase, que deram entrada no Hospital Municipal Souza Aguiar, no período de Janeiro de 1999 a Novembro de Os achados foram analisados por dois médicos radiologistas, com experiência mínima de quinze anos em radiologia de cabeça e pescoço. RESULTADOS: Dos quatro pacientes, três pertenciam ao sexo masculino (75%). A idade variou entre 39 e 76 anos, com idade média de 59 anos. Um paciente referiu enucleação há trinta anos, por motivo não relatado, do lado atualmente acometido pela miíase. Três pacientes (75%) apresentavam miíase cutânea periorbitária, enquanto o outro mostrava infestação da hemiface por miíase. Ambos os lados tiveram a mesma frequência de acometimento. Grande aumento das partes moles periorbitárias (pré-septais) foi observado em dois pacientes, com maior volume de lesão do lado nasal em ambos. Dos três globos oculares, dois (66%) foram comprometidos, um mostrando invasão focal da câmara anterior e o outro destruição total. Houve deslocamento lateral do globo ocular não invadido e deslocamento súpero-lateral associado à enoftalmia do globo com invasão focal. Foi observado acometimento orbitário nos quatro pacientes. Em duas órbitas (50%), evidenciou-se lesão intra e extraconal. Compromentimento extraconal esteve presente nos outros dois pacientes, um através do canto interno orbitário e outro no quadrante inferior. CONCLUSÕES: Na literatura radiológica, há escassas descrições dos aspectos tomográficos da oftalmomiíase. Nesse estudo, a frequência e padrão de acometimento óculo-orbitário foram variados. Pequeno volume de lesão cutânea com destruição total do globo ocular foi observado no paciente mais idoso da série, especulando-se que o adelgaçamento da esclera e do septo orbitário pela senilidade possa favorecer a invasão tecidual. Houve predomínio de lesão orbitária extraconal. Em nenhum dos casos estudados, observou-se acometimento de ápice orbitário, seio cavernoso ou arcabouço ósseo. Palavras-chave: Miíase, globo ocular, órbita, tomografia computadorizada. DOENÇA DE STILL DO ADULTO RE- FRATÁRIA - RELATO DE CASO TRATA- DO COM TOCILIZUMABE João Luiz Pereira Vaz, Lívia Regina Theilacker, Fabíola Sampaio Brandão, Paulo César Handam, Maria Cecília da Fonseca Salgado INTRODUÇÃO: A Doença de Still do Adulto (DSA) é uma desordem rara inflamatória de etiologia desconhecida, mais freqüente em adultos jovens. Caracteriza-se por febre, rash evanescente, artralgia ou artrite, linfadenopatia, hepatoesplenomegalia, leucocitose, elevação de enzimas hepáticas, VHS e ferritina. Os corticosteróides geralmente são eficazes. Não havendo resposta pode-se empregar drogas modificadoras de doença (DMARDs) e agentes biológicos. Existem relatos na literatura demonstrando sucesso terapêutico com Tocilizumabe, anticorpo monoclonal inibidor da IL-6. OBJETIVO: Relatar um caso de DSA refratária, com resposta satisfatória à terapia com Tocilizumabe. RELATO DO CASO: MFS, 34 anos, parda, técnica em enfermagem, natural e residente no Rio de Janeiro. Há um ano e meio apresentou eritema nodoso, rash cutâneo, febre vespertina, mal estar, tonteira e amigdalite. Internada para antibioticoterapia sem melhora clínica. Progrediu com poliartrite assimétrica migratória. Foi encaminhada ao serviço de Reumatologia do HUGG-UNIRIO para investigação diagnóstica. Exame físico: Eritema nodoso em MIE, rash cutâneo poupando a face, presença de carpite à direita com limitação de movimentos.exames complementares: anemia normocrômica e normocítica, leuco: 12000, reticulócitos: 4,1%, VHS: 59mm, VDRL e FTA-ABS: não reator; PCR: 17,7; Coombs Direto: positivo/ Indireto: negativo, Ferro: 23 (VR: ), GGT: 118, TGO e TGP normais, hipergamaglobulinemia policlonal, α 1 glicoproteina ácida: 245, C3: 13

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V.

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. 1 1 Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná. Introdução e Objetivo O

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia de órbita

Imagem da Semana: Tomografia de órbita Imagem da Semana: Tomografia de órbita Figura: Tomografia computadorizada contrastada de crânio. Enunciado Criança do sexo masculino, 2 anos, natural de Parauapebas (PA), apresentava reflexo branco em

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais Tuberculose Marcus B. Conde marcusconde@hucff.ufrj.br marcusconde@fmpfase.edu.br Sumário Patogenia da TB Formas clínicas da TB miliar da TB miliar

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br Caso 1 Paciente T. F. R. M., 56 anos, sexo feminino. História prévia: - Câncer de mama com metástase pleural. - Mastectomia

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular.

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA EXOFTALMIA Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. Fisiopatologia Secundário a um aumento do volume de gordura

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA.

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA. UTVIG/NUVIG/ANVISA Em 31 de janeiro de 2011. Assunto: Nota de esclarecimento sobre notícia veiculada na mídia que trata de comunicado de segurança da FDA Food and Drug Administration sobre possível associação

Leia mais

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho CÂNCER DE BOCA Disciplina: Proteção Radiológica Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho OBJETIVOS Descrever o processo carcinogênico geral e específico para o

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico Número Zero - Avaliação Cruzada MoniQuOr Política de Prescrição Ao ler o número zero da Revista "Qualidade em Saúde" verifico que no artigo sobre os resultados da avaliação cruzada do projecto MoniQuOr,

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em Diagnóstico por Imagem do Tórax 4.01.00.00-6

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

I CURSO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM BETIM

I CURSO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM BETIM 2012 I CURSO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM BETIM REALIZAÇÃO: e Secretaria Municipal de Saúde de Betim Local: Auditório do Hospital Público Regional de Betim, Avenida Mattos Lazzarotti, 3800 Ingá Betim MG.

Leia mais

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL Adriana da Conceição Palhares Lopes Alexandra Rodrigues Barbosa Ana Salomé Lopes Queirós Andreia Dias da Costa Bianca Patricia Gonçalves Ramos Carina Filipa Monteiro Rodrigues

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB Por este instrumento o Conselho de Pós-Graduação (CPG) do Programa de Pós-Graduação em Oncologia do Hospital de Câncer de Barretos Fundação Pio XII, torna

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS Curso: Graduação em Odontologia 4º e 5º Períodos Disciplina: Patologia Oral DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DOENÇAS AUTO-IMUNES

Leia mais

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha.

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. Qualidade máxima e confiança são fundamentais no momento de escolher um hospital, e você precisa do que há de melhor na área médica. Por isso, prepare-se para

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO 20/08/2010. Doenças das Glândulas Salivares AGUDA CRÔNICA EPIDÊMICA. Alterações de origem infecciosa. Alterações obstrutivas

CLASSIFICAÇÃO 20/08/2010. Doenças das Glândulas Salivares AGUDA CRÔNICA EPIDÊMICA. Alterações de origem infecciosa. Alterações obstrutivas Diagnóstico e Tratamento CLASSIFICAÇÃO Alterações de origem infecciosa Alterações obstrutivas Alterações Auto-imunes Alterações tumorais ou neoplásicas Doenças das Glândulas Salivares Sialoadenites (Parotidites)

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

ORIENTADOR(A): ANTÔNIO AUGUSTO MOURA DA SILVA BOLSISTA: POLIANA CRISTINA DE ALMEIDA FONSÊCA

ORIENTADOR(A): ANTÔNIO AUGUSTO MOURA DA SILVA BOLSISTA: POLIANA CRISTINA DE ALMEIDA FONSÊCA LOCAL: HALL PAULO FREIRE ÁREA: MEDICINA SESSÃO DE PÔSTER Dia 06/11/2012 Tarde Horário 14:30 às 18:00 M01 - DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS CASOS NOVOS DE TUBERCULOSE PULMONAR NO ESTADO DO MARANHÃO ENTRE 2001

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico Infecciosa Auto-imune Traumática Evidência Clínica Inicialmente, vesículas ou bolhas, na pele ou mucosa, podendo ocorrer concomitantemente nessas regiões. Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM)

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Dra. Luciana Baptista Artigo originalmente publicado no caderno Application do Jornal Interação Diagnóstica n.01, abril/maio

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama BOLETIM ELETRÔNICO EPIDEMIOLÓGICO G E R E N C I A E X E C U T I V A D E V I G I L Â N C I A E M S A Ú D E ANO 1, Nº 1 EXPEDIENTE: Novembro de 27 GOVERNADOR DO ESTADO Cássio Cunha Lima SECRETÁRIO DE ESTADO

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR!

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! Serviço de OncoHematologia do HIJG DIA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil (lei

Leia mais

DECLARAÇÃO PESSOAL DE SAÚDE

DECLARAÇÃO PESSOAL DE SAÚDE 1 A presente declaração, deverá ser preenchida de próprio punho, pelo proponente, de forma clara e objetiva, respondendo SIM ou NÃO, conforme o caso. MUITO IMPORTANTE Chamamos a atenção de V.S.a. para

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais