Solvência, o terceiro ângulo da regulamentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Solvência, o terceiro ângulo da regulamentação"

Transcrição

1

2 Solvência Solvência, o terceiro ângulo da regulamentação POR RENÉ RUSCHEL Resultados estáticos, embora exigidos pela legislação, pouco ajudam a compreender o verdadeiro estado econômico-atuarial dos planos A análise de solvência de um plano de benefício, segundo o atuário, mestre em Economia e professor da USP/Fipecafi, José Ângelo Rodrigues, em seu livro Gestão de Risco Atuarial, pode ser estudada sob dois aspectos: solvência econômica e solvência financeira. O plano de benefícios poderá ser considerado solvente economicamente 53

3 Solvência quando o valor presente de seus bens e direitos se mostrar igual ou superior ao valor presente de suas obrigações. No segundo caso, será considerado solvente financeiramente quando houver capacidade em honrar as exigibilidades correntes, previdenciais e administrativas. Do ponto de vista da gestão estruturada, ainda de acordo com Rodrigues, resultados estáticos, embora exigidos pela legislação, pouco ajudam a compreender o verdadeiro estado financeiro-atuarial dos planos. A solvência no sistema Para o atuário e diretor-presidente da Gama Consultores Associados, Antônio Fernando Gazzoni, na legislação que rege os fundos de pensão no Brasil não existem referências objetivas à solvência. Não há nesse aparato regulatório uma definição ou regramento específico que oriente os atores do sistema. Para ele, trata-se de uma medida necessária e de importância capital para verificar a saúde do plano de benefícios, tal qual acontece nos sistemas mais avançados do mundo. Para entender a solvência como o índice que mede a cobertura patrimonial de um plano de benefícios - aliás, esta é apenas uma das possíveis métricas aplicáveis ao tema - a Lei Complementar nº 109, de 2001, definiu que para qualquer destinação e utilização de superávit deve-se primeiro observar uma reserva de até 25% do patrimônio sobre as provisões matemáticas. Em 2008, o então Conselho de Gestão da Previdência Complementar CGPC, por meio da Resolução nº 26, definiu, dentre outras obrigações, que todos os planos, para procederem a destinação e utilização do superávit, deveriam reservar até 25% de seu patrimônio para contingências. No entanto, ao não disciplinar como esse limite deveria ser observado em cada plano de benefícios, acabou por tratar igualmente planos desiguais. De forma diferente ao que foi observado em relação ao superávit, o CGPC definiu uma regra para o equacionamento do déficit, admitindo, na mesma norma, que os planos de benefícios que possuíssem um nível de insuficiência de cobertura patrimonial (déficit) de até 10% em relação às reservas matemáticas teriam um tratamento; e aqueles planos que superassem esse patamar deveriam obedecer outras regras. Verifica-se, neste particular, que a LC 109/01 não adentrou em qualquer nível o que deveria ser observado nessas ocasiões, diferentemente do que ocorreu com o superávit. Essas normas causam distorções. Um plano jovem e aberto a novas adesões, que possui muitos anos pela frente para capitalizar seus recursos, em caso de déficit, é tratado da mesma forma que um plano extremamente maduro, fechado a novas adesões e que tenha apenas assistidos. Os níveis de solvência e pra- 54 Na legislação que rege os fundos de pensão brasileiros, não existem referências objetivas à solvência, dificultando a verificação da saúde do plano de benefícios

4 A LC 109/2001 prevê a criação de um fundo de solvência para as fundações brasileiras, porém tal dispositivo legal ainda carece de regulamentação específica Solvência zos de equacionamentos desses planos são distintos, no entanto, eles são obrigados a seguir as mesmas normas. Acumulada uma razoável experiência em relação aos superávits e déficits, bem como a experiência internacional a ser observada, é preciso promover ajustes nas normas que regem a solvência dos planos, começando por conceitua-la, até para que se tenha uma mesma métrica, independente de quem for aferi-la. É nessa direção que os estudos promovidos pela Comissão Ad Hoc instituída pela Abrapp têm avançado na tentativa de subsidiar tecnicamente o debate que deverá ser travado entre sociedade civil e governo. Para Gazzoni, o importante é que todos os envolvidos no processo cheguem a um bom termo, como foi na questão de precificação de ativos e passivos, quebrando paradigmas com medidas que atendam nosso sistema, confiram o devido ajuste, e modernizem o que tanto precisamos. Em linhas gerais, existem dois modelos de tratamento da solvência vigentes no mundo. O primeiro engloba a Holanda e países escandinavos, onde os patrocinadores não são responsáveis por cobrir déficits e o prazo para equacionamento do plano é curto. Já o outro grupo de países, que abrange Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, dentre outros, e que se assemelha ao modelo atual do Brasil, possui regras opostas. Os patrocinadores possuem, sim, suas parcelas de responsabilidade em caso de desequilíbrio do plano, e o prazo para equacionamento costuma ser maior, inclusive com a utilização de corredores para permitir que o plano de benefícios conviva com algum déficit ou superávit; ou seja, não é exigido, durante todo o tempo, uma cobertura patrimonial para o passivo. Nos Estados Unidos, as regras, bastante concessivas, permitem manter, indefinidamente, déficits de até 20%. Tanto os EUA quanto o Reino Unido implementaram fundos de solvência. No caso americano, trata-se do Pension Benefit Guaranty Corporation (PBGC), que existe desde No Reino Unido, o Pension Protection Fund (PPF) foi criado há 10 anos como parte das medidas propostas pelo Pension Act de O PBGC e o PPF são instituições externas que recebem prêmios (aportes) dos fundos de pensão e, em contrapartida, caso estes não tenham recursos para o pagamento dos benefícios contratados em um determinado nível (insolvência parcial), o fundo de solvência é chamado a arcar com os benefícios. A Lei Complementar 109/2001 prevê a criação de um fundo de solvência para os fundos de pensão brasileiros, porém tal dispositivo legal ainda carece de regulamentação específica. 55

5 Solvência Novas regras buscam corrigir distorções As mudanças no método de precificação do passivo vão em linha com modelos bem sucedidos de outros países, tais como Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, que adotam taxas de títulos públicos e/ou privados de alta qualidade para mensuração dos passivos atuariais. Outras alterações significativas estão relacionadas ao prazo para amortização do déficit e ajustes contábeis na apuração dos resultados. A Resolução CNPC nº 16, por sua vez, permitiu que as Entidades incorporassem aos seus resultados os ganhos ou perdas futuras de títulos federais atrelados a índices de preços mantidos até o vencimento para fins de equacionamento de déficit ou somente as perdas em caso de destinação de superávit. Embora os balanços patrimoniais não reflitam tais ajustes, uma vez que a norma contábil não permite incorporar ganhos ou perdas futuras nos resultados do exercício, a solvência do plano passará a ser observada com foco no resultado ajustado. Mudanças pontuais Passada esta etapa, o setor se volta à proposta de novo regramento da solvência. As principais alterações a serem discutidas giram em torno, principalmente, de limitar o déficit ao prazo de duration de cada plano e não a um patamar fixo, como é atualmente. O limite de déficit seria de 1% para cada ano de duration, até o patamar máximo de 15%. As entidades pedem que, assim como em períodos econômicos favoráveis é necessário observar a Reserva de Contingência, nos períodos ruins haja regras flexíveis para o equacionamento de déficit desde que a sustentabilidade não seja colocada em xeque explica o atuário Magno Camelo, da Luz Soluções Financeiras. Hoje os fundos previdenciais não são considerados no índice de cobertura (solvência). Existem fundos previdenciais que podem ser utilizados para abatimento de déficits, segundo regras dispostas em Regulamento e Nota Técnica Atuarial e, neste caso, seria justificável considerá-los no cálculo do índice de cobertura, diz Carmelo. O passo seguinte seria ampliar a análise dos níveis de solvência dos planos de benefícios para além do índice de cobertura. A solvência não deve ser analisada como uma relação entre o patrimônio e a obrigação trazida a valor presente, mas como se dará o comportamento dos fluxos financeiros. Outro desafio é o aumento da expectativa de vida da população. As análises dos níveis de solvência não devem refletir apenas a expectativa de sobrevida dos participantes e assistidos na data da avaliação, mas observar a tendência de novos aumentos da longevidade no de- 56 Discute-se a imposição de um limite de déficit de 1% para cada ano de duration do plano de benefícios, até o patamar máximo de 15%

6 As análises de solvência não devem refletir apenas a expectativa de sobrevida dos participantes e assistidos na data da avaliação, mas a tendência de novos aumentos na longevidade Solvência correr do tempo. As entidades devem monitorar esse risco e, quando necessário, adequar suas hipóteses biométricas. A Previc e o CNPC podem, eventualmente, criar regras que possibilitem eventuais déficits pela adoção de tábuas mais conservadoras e prever que os ganhos de sobrevida futuros sejam equacionados com prazos diferenciados. Expectativas para 2015 Para Silvio Rangel, diretor-superintendente da Fundação Itaipu e coordenador da Comissão Ad Hoc da Abrapp, grupo responsável pela elaboração das propostas que serão analisadas pelo CNPC, o sistema de Previdência Complementar fechado demandava, há anos, novas regras para precificação de ativos e passivos previdenciários, assim como de solvência. Em parte, tais demandas foram atendidas com a aprovação das Resoluções nº 15 e 16. Agora é preciso concluir o debate sobre a solvência, a ponta que falta para dar coerência ao modelo regulatório do sistema. Em relação ao passivo, a nova regra aprovada prevê que cada plano de benefícios utilize uma taxa de juros atuarial diferenciada, compatível com sua carteira de investimentos e com o fluxo de pagamento de seus benefícios, dentro de um intervalo que considera a taxa de juros dos títulos federais com mesmo prazo do fluxo de seus benefícios, acrescido de 0,40% (teto) e decrescido de 30% (piso). Taxas de juros atuarial fora deste intervalo serão admitidas mediante estudo técnico e prévia aprovação da Previc. Outra vantagem, ainda segundo Rangel, é a introdução do conceito de equidade. O critério diferenciador passa a ser o prazo médio do fluxo de caixa de pagamento dos benefícios (duration). Assim, planos com pagamentos concentrados no curto prazo terão taxas de desconto atuarial diferentes dos planos cujos pagamentos de benefícios estão diluídos em prazos mais longos, estimulando estratégias diferenciadas para gestão de investimentos. Já em relação aos ativos, a regra determina que em caso de eventual déficit ou superávit seja realizado um prévio ajuste de valores dos títulos federais, considerando a diferença entre o valor contábil dos títulos marcados na curva e o valor precificado pela taxa atuarial. Com isto, os resultados econômicos das operações de hedge de fluxo serão contemplados na análise da solvência, evitando destinações de superávit ou equacionamentos de déficits desnecessários. As novas regras representam um avanço normativo em linha com as melhores práticas internacionais e as necessidades dos planos de benefícios, de seus patrocinadores e dos participantes, afirmou Rangel. 57

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC João Marcelo Carvalho Agenda COMPARTILHAMENTO DE RISCOS SOLVÊNCIA CONCLUSÕES 2 Agenda COMPARTILHAMENTO DE

Leia mais

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14;

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; Aspectos Contábeis TÓPICOS A SEREM ABORDADOS: 1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; 2. Efeitos para equacionamento de déficits

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14 FUNPRESP-JUD Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38 Parecer Atuarial 041/14 FEVEREIRO/2014 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições da Lei Complementar

Leia mais

PREVIMINAS. Avaliação Atuarial de 2011 PLANO DE BENEFÍCIOS 4 RP4 - PLANO MGS CNPB 1992.0009-56. Parecer Atuarial 008/12

PREVIMINAS. Avaliação Atuarial de 2011 PLANO DE BENEFÍCIOS 4 RP4 - PLANO MGS CNPB 1992.0009-56. Parecer Atuarial 008/12 PREVIMINAS Avaliação Atuarial de 2011 PLANO DE BENEFÍCIOS 4 RP4 - PLANO MGS CNPB 1992.0009-56 Parecer Atuarial 008/12 MARÇO/2012 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições da Lei

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15 FUNDAÇÃO LIBERTAS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65 Parecer Atuarial 057/15 Fevereiro/2015 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014.

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. STEA:- 80/2014/153 Ilma. Sra. Dra. Jussara Carvalho Salustino M.D. Diretora Presidente da ECOS Ref:- Parecer Atuarial sobre o Balanço de 31/12/2013 Plano BD Prezada

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Origem - BD Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [18.465.825/0001-47] FUNDACAO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PUBLICO DO PODER JUDICIARIO - FUNPRESP-JUD PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2013.0017-38] JUSMP-PREV ENCERRAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014 (Publicado no D.O.U, Nº 227, de 24 de novembro de 2014) Altera a Resolução nº 26, de 29 de setembro de 2008, do Conselho de Gestão da Previdência Complementar,

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre as Demonstrações Atuariais - DA dos planos de benefícios administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências.

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG -

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado FEAAC Curso de Ciências Atuariais PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD de encerramento do exercício

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [06.184.184/000173] SEBRAE PREVIDENCIA INSTITUTO SEBRAE DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2004.002883] SEBRAEPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA).

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). 1. Como proceder para corrigir, nas Demonstrações Atuariais, as informações do campo características dos benefícios?

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

demonstração da Mutação do ativo Líquido

demonstração da Mutação do ativo Líquido Período: dezembro de 2010 R$ mil demonstração da Mutação do ativo Líquido Visão ATelecom Descrição 2010 A) Ativo Líquido - Início do Exercício 2.207 1. Adições 4.979 (+) Contribuições 4.727 (+) Resultado

Leia mais

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS A REAL EXTENSÃO DAS OBRIGAÇÕES PÓS-EMPREGO ORIGINADAS DO PATROCÍNIO AOS PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO NA CONTABILIDADE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [82.956.996/0001-78] FUNDACAO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0051-38] MISTO ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável JOSE ROBERTO

Leia mais

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb.

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2014. Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. 1- Na estatística de tempo médio de contribuição, teria que colocar observação para os Regulamentos

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

CIBRIUS -INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS -INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS -INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL Avaliação Atuarial de 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS CONAB CNPB 1979.0007-19 Parecer Atuarial 010/14 E111111111~11111 Fevereiro/2014 = "" Econsultores assoc iados

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial e Administração Previdenciária

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial e Administração Previdenciária PARECER ATUARIAL 2010 A avaliação atuarial anual de 2010 foi realizada especificamente, para mensurar os custos e a situação financeiro-atuarial do Plano CONAB do CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 1- SIGLA: OABPREV 2- CÓDIGO: 04501 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.070.021-83 - PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO - PREV DADOS

Leia mais

Relatório Anual 2012

Relatório Anual 2012 Apresetanção A Diretoria Executiva da FUNASA, atendendo as disposições legais e estatutária que regem as Entidades Fechadas de Previdência Complementar, vem apresentar o Relatório Anual de informações,

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA - PERGUNTAS E RESPOSTAS

SUPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA - PERGUNTAS E RESPOSTAS SUPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA - PERGUNTAS E RESPOSTAS Dando sequência ao processo de esclarecimentos sobre a Suplementação de Aposentadoria, foi inserido novo conteúdo no site da Fundação, contendo respostas

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS V - AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO PARÁ RPPS A Emenda Constitucional nº 20, de 15

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Introdução à atuária Aula 01 Prof. Dr. Junio C. Martinez O ATUÁRIO Profissão regulamentada em 03/04/1970

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

Sumário. Planos instituídos. Plano Aduanaprev. Parecer Atuarial... 85. Parecer Atuarial... 46. Balanço do plano... 59. Balanço do plano...

Sumário. Planos instituídos. Plano Aduanaprev. Parecer Atuarial... 85. Parecer Atuarial... 46. Balanço do plano... 59. Balanço do plano... Sumário Planos instituídos Plano Aduanaprev Parecer Atuarial... 02 Balanço do plano... 07 Demonstrativo de investimentos... 08 Plano ANAPARPREV Parecer Atuarial... 10 Balanço do plano... 12 Demonstrativo

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário Regime Próprio de Previdência Social Gestão Atuarial Dos RPPS Bento Gonçalves RS Joel Fraga da Silva - Atuário 1 Avaliação Atuarial Calcular as Reservas Matemáticas: representam o compromisso do RPPS Passivo

Leia mais

Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de 2013 1

Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de 2013 1 Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial Brasília DF, 24 de maio de 2013 1 Programa Definição de Atuária, aplicações na previdência complementar e atuação do atuário Obrigações atuariais estabelecidas

Leia mais

INFORME-SE. RELATÓRIO ANUAL - 2013 Apresentação. Informativo da Funasa Previdência - João Pessoa, Abril 2014 - Edição 23 - Ano 09

INFORME-SE. RELATÓRIO ANUAL - 2013 Apresentação. Informativo da Funasa Previdência - João Pessoa, Abril 2014 - Edição 23 - Ano 09 INFORME-SE FUNDAÇÃO SAELPA DE SEGURIDADE SOCIAL Informativo da Funasa Previdência - João Pessoa, Abril 2014 - Edição 23 - Ano 09 RELATÓRIO ANUAL - 2013 Apresentação A Diretoria Executiva da FUNASA, atendendo

Leia mais

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos Relatório Anual 2009 ÍNDICE Introdução 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados 2. Política de Investimentos 2010 3. Distribuição de Investimentos 4. Parecer Atuarial 5. Parecer dos Auditores Independentes

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVINORTE O presente Glossário tem por objetivo transmitir uma noção do significado de palavras e expressões usadas no segmento de Previdência

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Outubro de 2014 Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com.

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com. Fundação AMAZONPREV Poder Executivo e Assembléia AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2014 Data Base: 31/12/2013 Índice 1. Introdução... 02 2. Participantes e Beneficiários... 02 3. Data Base dos Dados e da Avaliação...

Leia mais

Plano de Benefícios Escelsos II

Plano de Benefícios Escelsos II Plano de Benefícios Escelsos II 1 Demonstração do ativo líquido - Plano de Benefícios Escelsos II Em 31 de dezembro de 2014 e de 2013 (em milhares de Reais) Demonstração da mutação do ativo líquido - Plano

Leia mais

Prestação de Contas Libertas - 2014

Prestação de Contas Libertas - 2014 Prestação de Contas Libertas - 2014 participantes aposentados pensionistas patrocinadoras Na Libertas, é assim. Sumário - Prestação de Contas 2014 Relatório Anual de Informações - RAI 2014 Documentação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2014 R Sumário 1. MENSAGEM DA DIRETORIA pág. 4 2. PREVIDÊNCIA pág. 8 2.1. Plano de Benefícios Previdenciários BDMG - Benefício Definido...8 2.1.1. Situação do Patrimônio de

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos)

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) O que muda Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) 1. Por que é necessário criar a Fundação de Previdência Complementar do Servidor

Leia mais

Demonstrações contábeis

Demonstrações contábeis Unisys - Previ Entidade de Previdência Complementar Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Conteúdo Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Rendimentos líquidos mensais (R$) Alíquota Deduzir Prazo de acumulação dos recursos Alíquota. 35% Até 1.566,61. 30% De 1.566,62 até 2.

Rendimentos líquidos mensais (R$) Alíquota Deduzir Prazo de acumulação dos recursos Alíquota. 35% Até 1.566,61. 30% De 1.566,62 até 2. 2010 1 Introdução A Resolução CGPC n 23, de 06 de dezembro de 2006, estabeleceu procedimentos básicos para divulgação de informações aos Participantes. Em conformidade com esta resolução, apresentamos

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO DA INSTRUÇÃO PREVIC Nº 23/2015. Precificação de passivos

GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO DA INSTRUÇÃO PREVIC Nº 23/2015. Precificação de passivos GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO DA INSTRUÇÃO PREVIC Nº 23/2015 Precificação de passivos Apresentação Este Guia Prático de Utilização da Instrução Previc nº 23/2015 é uma iniciativa da GAMA Consultores Associados,

Leia mais

Relatório do Estudo de Aderência de Hipóteses

Relatório do Estudo de Aderência de Hipóteses PSS - Seguridade Social Relatório do Estudo de Aderência de Hipóteses Agosto, 2014 Esta página está em branco intencionalmente PSS - Seguridade Social i Sumário Seção 1 : Introdução... 1 Seção 2 : Objetivos...

Leia mais

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 Dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS da União, dos Estados,

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre previdenciais

Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre previdenciais Geraldo de Assis Souza Júnior PAUTA APRESENTADA A PREVIC SOBRE O PGA Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO

RELATÓRIO ANUAL RESUMO RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2014 ÍNDICE Despesas Previdenciais e de Investimentos...3 Rentabilidade dos Perfi s de Investimento...3 Investimentos...3 Número de Participantes...4 Resumo do Resultado Atuarial...4

Leia mais

COMO GERIR A LONGEVIDADE?

COMO GERIR A LONGEVIDADE? COMO GERIR A LONGEVIDADE? Silvio Renato Rangel Silveira Diretor Superintendente da FIBRA (Fundação Itaipu Brasil Previdência Complementar) Membro do Conselho da ABRAPP Membro da Comissão Técnica Nacional

Leia mais

GLOSsÁRIO TERMOS UTILIZADOS PAR. O que os comunicadores querem saber e não têm a oportunidade de perguntar

GLOSsÁRIO TERMOS UTILIZADOS PAR. O que os comunicadores querem saber e não têm a oportunidade de perguntar GLOSsÁRIO TERMOS UTILIZADOS PAR ARA A FUNDOS DE PENSÃO O que os comunicadores querem saber e TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO ABRAPP Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar.

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

GUERINO PIROLLO JUNIOR Membro da CTNA

GUERINO PIROLLO JUNIOR Membro da CTNA GUERINO PIROLLO JUNIOR Membro da CTNA GESTÃO INTEGRADA DO PASSIVO E DO ATIVO FOCADA EM RISCOS Introdução Gestão de ativos, passivos e solvência numa visão de longo prazo. Cenário Econômico Atual Perspectiva

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais