RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG - Caixa de Assistência dos Advogados de Goiás - OABPrev-GO 0

2 ÍNDICE 1. OBJETIVO BASE CADASTRAL Referência dos dados cadastrais Validação dos dados Estatísticas HIPÓTESES ATUARIAIS REGIME FINANCEIRO E MÉTODOS DE FINANCIAMENTO PROVISÕES MATEMÁTICAS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL Resultado Atuarial Duration do Passivo Rentabilidade do plano Programa administrativo Considerações Finais ANEXO I PARECER ATUARIAL ANEXO II PLANO DE CONTAS CONTÁBIL ANEXO III ESTATÍSTICA POPULACIONAL E GRÁFICOS GERENCIAIS ANEXO IV ESTATÍSTICAS DE INGRESSOS E DESLIGAMENTOS DO PLANO

3 1. OBJETIVO A presente Avaliação Atuarial teve como finalidade apurar o resultado financeiroatuarial e dimensionar as Provisões Matemáticas do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV, administrado pelo Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG - Caixa de Assistência dos Advogados de Goiás - OABPrev-GO, em 31/12/2013. Com base em tais informações e no patrimônio para cobertura do plano informado pela Entidade, foi apurado o resultado técnico do plano. Foi avaliada também a rentabilidade dos recursos garantidores das provisões matemáticas e os resultados do Programa Administrativo, no intuito de quantificar a situação financeira das reservas e movimentações do plano. Neste relatório, são ainda apresentadas as hipóteses adotadas na presente Avaliação e que passarão a viger a partir do exercício de Para tanto, consideraramse os parâmetros técnico-atuariais mínimos estabelecidos pela Resolução CGPC n 18 de 28 de março de Tal resolução foi alterada pela CNPC nº 09/2012, estabelecendo novos parâmetros técnicos-atuariais para estruturação do plano de custeio e mensuração dos resultados futuros dos planos de benefícios. Como principais modificações nota-se a indicação do patamar máximo para hipótese de juros e a exigência de uma justificativa técnica que comprove sua aderência ao fluxo de receitas e despesas futuras. Assim, os resultados apurados pela Avaliação Atuarial e demonstrados neste documento basearam-se em levantamento estatístico dos dados cadastrais da população abrangida considerando suas características financeiras e demográficas, bem como, hipóteses financeiras e atuariais e também na legislação pertinente. Devendo este ser objeto de análise e estudo dos Instituidores e Entidade Fechada de Previdência Complementar - EFPC. O presente relatório apresenta a seguinte estrutura de itens a serem abordados: Base Cadastral; Hipóteses Atuariais; Regime Financeiro e Métodos de Financiamento; Provisões Matemáticas; Resultados da Avaliação Atuarial; Anexo I Parecer Atuarial; Anexo II Plano de Contas Contábil; Anexo III Estatística Populacional e Gráficos Gerenciais; e Anexo IV Estatísticas de Ingressos e Desligamentos do Plano. 2

4 2. BASE CADASTRAL 2.1. Referência dos dados cadastrais As informações referentes aos participantes ativos, assistidos e pensionistas para a Avaliação Atuarial, nos foram enviadas em arquivo eletrônico, com data-base em 31/12/2013 em formato xls e foram objetos de análise e testes de consistências. Apresentamos a seguir o consolidado estatístico da base cadastral dos participantes, onde são demonstradas as principais características da população em estudo. Ainda, no Anexo III deste Relatório, são apresentadas todas as estatísticas da população em estudo, em conjunto com uma série de gráficos que buscam trazer à Diretoria da Entidade informações gerenciais sobre o plano, de modo a facilitar a administração do mesmo Validação dos dados A Base cadastral foi fornecida pela Entidade, no layout solicitado, em arquivos eletrônicos no dia 04 fevereiro de Após a recepção dos dados, foram realizados os testes de consistência julgados necessários, sendo a referida base considerada satisfatória para a Avaliação Atuarial referente ao exercício financeiro de Foram também utilizadas para a presente avaliação as informações contábeis fornecidas referentes ao mesmo período Estatísticas Com base nas informações encaminhadas foram realizadas análises estatísticas, contemplando também um comparativo em relação aos anos de 2011 e

5 Ativos Tabela 1- Informações gerais Item Nº de Participantes* Idade Média (anos) 34,03 32,72 32,59 Tempo Médio de Filiação ao Plano(anos) 2,82 2,74 3,00 Contribuição Média R$ 170,23 R$ 174,31 R$ 186,73 Saldo Individual Médio R$ ,54 R$ ,02 R$ ,29 (*) Valores não contemplam participantes cancelados, os quais estão aguardando resgate. Diante da tabela acima, percebe-se que a Entidade teve um aumento no número de participantes em 2013 na ordem de 20%, quando comparado com o exercício de Isso demonstra a efetividade nos programas de adesão de novos participantes, uma vez que se depreende que aderiram ao plano uma média 55 participantes por mês, entre 12/2011 e 12/2013, já considerando aqueles que se desligaram entre estas datas, conforme melhor elucidado no gráfico abaixo: Gráfico 1 Evolução do número de participantes ativos % % 35% 14% 20% 7% % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 4

6 Assistidos Tabela 2 - Informações gerais Item Nº de Assistidos Idade Média (anos) 43,75 51,25 56,67 Tempo Médio de Filiação ao Plano (anos) 4,84 5,97 7,07 Benefício Médio R$ 1.651,14 R$ 1.530,20 R$ 1.923,46 Saldo Individual Médio R$ ,71 R$ ,24 R$ ,75 Através da análise da tabela 2 percebe-se que houve cinco concessões de benefício no ano de Do total de aposentados do Plano Adv-PREV, 9 percebem benefício de aposentadoria programada e 4 percebem benefício por invalidez. Percebe-se, pela tabela acima, que a idade média dos assistidos é de aproximadamente 56 anos. Através da tábua AT 2000, verifica-se que a expectativa de nesta idade é de aproximadamente 27 anos, ou seja, espera-se que uma pessoa com essa idade sobreviva até 83 anos, aproximadamente Pensionistas Tabela 3 - Informações gerais Item Nº de Pensionistas Idade Média (anos) 48,67 43,25 41,00 Benefício Médio R$ 1.461,85 R$ 1.475,91 R$ 1.558,77 Saldo Individual Médio R$ ,63 R$ ,11 R$ ,37 A tabela acima demonstra que o número de benefícios de pensão por morte em 2013 reduziu em 12,5% com relação ao ano de 2013, devido à cessação de um benefício de pensão. Observa-se uma elevação no valor dos benefícios médios dos pensionistas, e, no presente caso, uma redução do saldo individual médio. 5

7 Plano de benefícios Gráfico 2 - Distribuição das provisões matemáticas 31/12/2013 Benefício Concedido 10,47% Benefício a Conceder 89,53% O Gráfico 2 aponta que as reservas matemáticas de benefícios a conceder acumulam a grande maioria dos recursos dos participantes do plano. Assim, essas informações podem servir para embasamento da Entidade na tomada de decisão quanto aos tipos de investimentos para alocação desses recursos. Do total das provisões matemáticas de benefícios a conceder, R$ ,51 correspondem a portabilidades oriundas de outras Entidades Fechadas de Previdência Complementar e R$ ,69 correspondem à portabilidade proveniente de Entidades Abertas. Os referidos valores de portabilidade já estão rentabilizados pela variação da cota do plano. 6

8 3. HIPÓTESES ATUARIAIS As hipóteses atuariais podem ser classificadas como Biométricas, Demográficas, Econômicas e Financeiras. O Anexo da Resolução CGPC n 18, de 28 de março de 2006, em seu primeiro item, determina que tais hipóteses devam estar adequadas às características da massa de participantes e assistidos e ao regulamento do plano de benefícios de caráter previdenciário. Tais afirmações são presentes também na Resolução CNPC nº 09 de 2012, que altera a CGPC nº 18. Nesse viés, a Data A Consultoria realizou um estudo estatístico das hipóteses atualmente adotadas pelo Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV, e o apresentou através do Relatório de Hipóteses Atuariais. Solicitouse, portanto, uma manifestação da Entidade quanto às referidas hipóteses para que pudéssemos adotá-las na presente avaliação. Sendo assim, com base na referida manifestação, seguem abaixo as hipóteses adotadas para a Avaliação Atuarial de 2013 que passarão a vigorar a partir de 1 de janeiro de 2014 e que serão apresentadas nas Demonstrações Atuariais DA. Hipóteses adotadas para a Avaliação Atuarial : a) Taxa de Juros: 5,00% a.a.; b) Tábua de Mortalidade Geral: AT 2000; e c) Tábua de Mortalidade de Inválidos: AT Por se tratar de um plano estruturado na modalidade de Contribuição Definida (CD), vale ressaltar que as hipóteses atuariais não são utilizadas para apuração das obrigações do plano de benefícios junto a seus Participantes, mas sim para o cálculo das rendas mensais, por equivalência atuarial. Ou seja, as hipóteses são utilizadas para se apurar o valor do benefício mensal, quando de sua concessão e em seu recálculo anual. A hipótese relativa à taxa de juros é também utilizada para fins de análise da rentabilidade auferida pelos recursos garantidores do plano de benefícios, por compor o índice de referência atuarial em conjunto ao indexador de inflação. 7

9 4. REGIME FINANCEIRO E MÉTODOS DE FINANCIAMENTO Adota-se para as Avaliações Atuariais do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV o regime financeiro de Capitalização e o Método de Capitalização Financeira Individual, sob o qual serão constituídas as Reservas Matemáticas individualmente para os Participantes, sendo as mesmas equivalentes, a qualquer momento, ao saldo da Conta Individual do Participante, acumulado até o momento da avaliação. Por se tratar de um plano estruturado na modalidade de Contribuição Definida CD, os benefícios de prestação continuada têm seu valor permanentemente ajustado ao saldo de conta mantido em favor do participante, inclusive na fase de percepção de benefícios, considerando o resultado líquido de sua aplicação, os valores aportados e os benefícios pagos. Assim, não há garantia mínima de rentabilidade nas fases de capitalização e percepção dos benefícios, sendo adotada uma taxa de juros como premissa para, juntamente a um indexador, determinar um índice de referência atuarial teórico como ferramenta para mensurar a rentabilidade dos recursos garantidores. A taxa de juros, estimada como rentabilidade real, é utilizada também para fins de cálculos dos benefícios, conforme exposto no capítulo acima. 8

10 5. PROVISÕES MATEMÁTICAS Em atenção ao Plano de Contas estabelecido para as Entidades Fechadas de Previdência Complementar, através da Resolução CGPC nº 28, de 26/01/2009, esta Consultoria elaborou um quadro que contém as contas correspondentes às provisões e fundos do plano de benefícios em análise, calculadas através da base cadastral, o qual consta do ANEXO II do presente documento. Segue abaixo a estrutura contábil resumida das Provisões Matemáticas do plano de benefícios Adv-PREV em 31/12/2011 e 31/12/2012, para fins de comparação, e 31/12/2013, data base da presente Avaliação Atuarial: Tabela 4 Provisões matemáticas EXERCÍCIO FINANCEIRO PATRIMÔNIO DE COBERTURA DO PLANO R$ ,56 R$ ,58 R$ ,63 PROVISÕES MATEMÁTICAS R$ ,56 R$ ,58 R$ ,63 Benefícios Concedidos R$ ,61 R$ ,78 R$ ,32 Benefícios a Conceder (*) R$ ,95 R$ ,80 R$ ,31 Provisões Matemáticas a Constituir (-) Serviço Passado (-) Déficit Equacionado RESULTADO REALIZADO Superávit Técnico Acumulado Reserva de Contingência Reserva Especial para Revisão do Plano (-) Déficit Técnico Acumulado * Considera os participantes cancelados aguardando resgate, sendo 480 participantes e um saldo de contas total de R$ ,83. 9

11 Milhões Gráfico 3 Evolução do patrimônio para cobertura do plano 45,0 40,0 35,0 30,0 26,80 25,0 21,02 20,0 16,62 15,0 12,70 9,96 10,0 30,82% 27,52% 26,46% 27,50% 5,0-42,29 35,82 33,67% 18,05% % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Por meio do Gráfico 3 pode-se observar a evolução do Patrimônio para Cobertura do Plano Adv-PREV desde o ano de 2007 até Observa-se um crescimento contínuo no valor nominal do patrimônio do plano ao longo dos anos. Contudo, em 2013 tal crescimento foi menor do que nos outros anos, mesmo diante do crescimento do nº de participantes ativos em 20%. Assim depreende-se que, neste exercício, o resultado dos investimentos atuou de forma negativa para o crescimento patrimonial do Adv-PREV. O comportamento da rentabilidade do plano será tratado em item específico deste relatório. 10

12 6. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL 6.1. Resultado Atuarial O plano de benefícios Adv-PREV, administrado pelo Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG - Caixa de Assistência dos Advogados de Goiás - OABPrev-GO, avaliado em função dos regimes financeiros, métodos de financiamento atuarial e hipóteses atuariais anteriormente descritos, apresentou em 31/12/2013 resultado de equilíbrio técnico. Por se tratar de plano estruturado na modalidade de Contribuição Definida - CD, tanto na fase de capitalização como na fase de percepção dos benefícios, a obrigação do plano para com os seus participantes está limitada ao saldo de conta individual, conforme formulação constante em Nota Técnica Atuarial vigente, justificando assim tal Equilíbrio Técnico. Desta forma, atestamos que as informações constantes deste Relatório foram avaliadas por nossa Consultoria Atuarial e refletem as bases cadastrais, e consideram, para fins de comparação, as informações contábeis fornecidas pela Entidade referente à data base 31/12/ Duration do Passivo A Duration do passivo foi apurada em 582 meses (48 anos) sendo esta calculada ponderando-se a Duration dos benefícios concedidos e a Duration dos benefícios a conceder pelas respectivas provisões matemáticas. A Duration dos benefícios concedidos foi calculada mediante a ponderação do prazo de recebimento esperado (Expectativa de Vida ou Tempo Faltante) pelo valor do benefício. A Duration dos benefícios a conceder, por sua vez, foi calculada mediante a ponderação da Expectativa de Vida na idade de aposentadoria pelo valor do benefício projetado, somando-se a média do tempo de espera dos participantes ativos, ponderada também pelo valor dos benefícios projetados. É importante que essa informação seja considerada quando da definição das estratégias de investimento dos recursos garantidores do plano de benefício. 11

13 6.3. Rentabilidade do plano Em função da modalidade do plano de benefícios, é vedada a garantia de rentabilidade mínima tanto na fase de capitalização quanto na de percepção de renda, sendo a taxa de juros adotada como premissa para, juntamente a um indexador, determinar um índice de referência atuarial (Benchmark) como ferramenta para mensurar e comparar sua rentabilidade. A taxa de juros estimada como rentabilidade real é utilizada também para fins de cálculos dos benefícios, conforme formulação demonstrada em Nota Técnica Atuarial aprovada pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC). A partir do histórico das cotas, que reflete a rentabilidade líquida auferida pelos recursos garantidores do plano Adv-PREV no período que compreende os meses de abril de 2010 a dezembro de 2013, apurou-se uma rentabilidade acumulada de 29,63%, enquanto o índice de referência (INPC + 5,00%) bateu a casa dos 48,6%. Analisando apenas os 12 últimos meses, observa-se que os recursos do plano alcançaram uma rentabilidade de -1,192% enquanto que o Índice de referência montou em 10,84%, o que representa que a rentabilidade obtida pela entidade foi superada em 12,03 pontos percentuais pelo índice de referência. Observando-se o longo prazo e compatibilizando o ativo do plano às obrigações atuariais, dada uma duration do passivo estimada em 582 meses (48 anos), verifica-se a existência de títulos públicos (NTN-B) com vencimento em 2035 com rentabilidade real de aproximadamente 7,00% ao ano, demonstrando a possibilidade de se alcançar o índice de referência no longo prazo. Importante ainda destacar que, em conformidade à Resolução CNPC 09/2012, as entidades deverão observar a redução gradual da taxa de juros real máxima a ser adotada como índice de referência em planos de benefícios. A taxa de juros máxima para a avaliação atuarial de 31/12/2013 está definida em 5,75%, reduzindo em 0,25% a cada exercício e chegando a 4,50% em Desta forma, o plano de benefícios Adv-PREV, no que tange a hipótese de juros, encontra-se adequado aos ditames da norma vigente. 12

14 Não obstante, sugere-se que as simulações desenvolvidas para se projetar os benefícios futuros dos participantes, em função de suas contribuições, considere taxa de juros compatível com a política de investimentos definida pela entidade, sendo importante também a demonstração de diferentes cenários aos mesmos, de forma que estes tenham a ciência que seus benefícios futuros dependem, em grande parte, da rentabilidade auferida pelos recursos do plano Programa administrativo Foi realizado também um estudo com o objetivo de verificar a sustentabilidade do programa administrativo da Entidade com relação ao Plano de Benefícios Adv-PREV. Para isso foi utilizado o fluxo contábil de despesas e receitas administrativas relativas ao período de janeiro de 2009 a dezembro de Observou-se no período mencionado uma despesa administrativa média de R$ ,50, e uma receita administrativa média de R$ ,54, alcançada pela aplicação de uma taxa de carregamento de 1,0% sobre as Contribuições Básicas e 0,5% sobre as Contribuições Eventuais, pela aplicação da taxa de carregamento sobre os benefícios dos participantes assistidos 1, bem como da receita oriunda da rentabilidade do Fundo Administrativo e pelo pró-labore advindo dos benefícios de risco cobertos pela seguradora contratada. Observando o último exercício, a receita média foi superior à despesa média em R$ 4.877,54. Verificou-se também que houve um aumento de 19,84% sobre o montante do Fundo Administrativo no último ano. Tal Fundo, em 31/12/2013, monta em R$ ,00, enquanto que em 31/12/2012 era equivalente a R$ ,53. Desta forma, percebe-se uma elevação de 9,37% no valor deste fundo. Elaboramos, por fim, o gráfico abaixo demonstrando a evolução do saldo do Fundo Administrativo desde a data de 01/01/2012, de modo a tornar mais elucidativa a visualização de como tal fundo se comportou ao longo do tempo: 1 A taxa de carregamento sobre a contribuição dos participantes assistidos é resultante da formulação matemática que fornece a média de contribuições administrativas ( ) feitas pelo Participante nos 36 meses de contribuição anteriores à concessão do benefício. 13

15 Milhares Gráfico 4 Evolução do fundo administrativo 800,0 700,0 600,0 500,0 400,0 300,0 200,0 100,0 0, Considerações Finais Considerando o exposto no presente relatório se conclui que o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV encontra-se em equilíbrio atuarial e financeiro. Florianópolis, segunda-feira, 24 de fevereiro de Rafael Porto de Almeida Atuário MIBA n Data A Consultoria S/S Ltda. Lucas Azevedo Fonseca Atuário MIBA n Data A Consultoria S/S Ltda. Karen Tressino Atuária MIBA n Data A Consultoria S/S Ltda. 14

16 ANEXO I PARECER ATUARIAL 1. Objetivo Este parecer tem como objetivo atender à Resolução MPS n 23, de 06 de dezembro de 2006 que, em seu artigo 3, inciso IV, estabelece a disponibilização do parecer atuarial do Plano de Benefícios aos participantes e assistidos. Em consonância à Instrução nº 09, de 14 de dezembro de 2010 e com a Instrução nº 05 de 01 de Novembro de 2013, este parecer atuarial foi elaborado considerando todos os fatores relevantes para apuração dos resultados da Avaliação Atuarial. A presente Avaliação Atuarial teve como finalidade apurar o resultado financeiro-atuarial e dimensionar as Provisões Matemáticas e o Patrimônio para Cobertura do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV, administrado pelo Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG - Caixa de Assistência dos Advogados de Goiás - OABPrev-GO, em 31/12/2013, bem como, avaliar a rentabilidade dos recursos garantidores das provisões matemáticas, os resultados do Programa Administrativo da Entidade e apresentar as hipóteses adotadas na presente avaliação e que passarão a viger a partir do exercício de Base Cadastral As informações referentes aos participantes ativos, assistidos e pensionistas para a Avaliação Atuarial, nos foram enviadas em arquivo eletrônico, com data-base em 31/12/2013 em formato xls. Após a recepção dos dados, foram realizados os testes de consistência julgados necessários, sendo a referida base considerada satisfatória para a Avaliação Atuarial referente ao exercício financeiro de Foram também utilizadas para a presente avaliação as informações contábeis referentes ao mesmo período. Analisando as informações encaminhadas se verificou uma elevação de 20,07% (338 desligamentos e 921 adesões) no número de participantes ativos em 15

17 relação ao ano anterior. No que tange os aposentados, houve um aumento no número de aposentadorias, passando de 8 em 2012 para 13 em Quanto aos pensionistas observou-se que houve a cessação de um benefício, passando de 8 em 2012 para 7 benefícios em Hipóteses atuariais O Anexo da Resolução CGPC n 18, de 28 de março de 2006, em seu primeiro item, determina que tais hipóteses devem estar adequadas às características da massa de participantes e assistidos e ao regulamento do plano de benefícios de caráter previdenciário. Tal resolução foi alterada pela CNPC nº 09/2012, estabelecendo novos parâmetros técnico-atuariais para estruturação do plano de custeio e mensuração dos resultados futuros dos planos de benefícios. Como principais modificações nota-se a indicação do patamar máximo para hipótese de juros e a exigência de uma justificativa técnica que comprove sua aderência ao fluxo de receitas e despesas futuras. Assim, as hipóteses atuariais adotadas para a Avaliação Atuarial 2013, considerando a manifestação da Entidade quanto ao Relatório de Hipóteses Atuariais desenvolvido por esta Consultoria,são: a) Taxa de Juros: 5,00% a.a.; Baseada nos resultados das análises constantes do Relatório de Aderência de Hipóteses desenvolvido pela Data A Consultoria, apesar da rentabilidade abaixo da referência no último exercício e tendo em vista a Duration do passivo ter sido apurada em 48 anos, a Entidade optou pela manutenção desta hipótese em seu patamar atual, qual seja 5,00%. Tal decisão se mostra adequada se observado o longo prazo, dado que se encontravam títulos públicos atrelados ao IPCA (NTN-B), com vencimento para 2050, com uma rentabilidade em torno de 5,89% ao ano. Atualmente encontram-se tais títulos com vencimento para 2035 ofertando uma rentabilidade de aproximadamente 7%. b) Tábua de Mortalidade Geral: AT 2000; e, 16

18 De acordo com o entendimento da Entidade a tábua AT 2000 ainda se aplica à realidade dos participantes do plano. Esta foi utilizada no exercício anterior e não tendo ocorrido fato relevante em contrário a Entidade optou por manter a tábua AT 2000 como hipóteses de mortalidade do plano. c) Tábua de Mortalidade de Inválidos: AT De acordo com e entendimento da Entidade a tábua AT 2000 ainda se aplica à realidade dos participantes do plano, a qual foi utilizada no exercício anterior e será utilizada para mensurar a mortalidade dos válidos no exercício de Trata-se assim de uma hipótese conservadora, pois ainda que o benefício se apresente inferior este será mais sustentável no longo prazo. Por se tratar de um Plano estruturado na modalidade de Contribuição Definida (CD), vale ressaltar que as hipóteses atuariais não são utilizadas para apuração das obrigações do plano de benefícios junto a seus Participantes, mas sim para o cálculo das rendas mensais, por equivalência atuarial. 4. Resultados atuariais O Plano Adv-PREV, administrado pelo Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG - Caixa de Assistência dos Advogados de Goiás - OABPrev-GO, apresentou, em 31/12/2013, resultado de equilíbrio técnico. Apurou-se uma Provisão Matemática de R$ ,63, sendo R$ ,32 referente à Provisão Matemática de Benefícios Concedidos e R$ ,31 referente à Benefícios a Conceder. Por se tratar de plano estruturado na modalidade de Contribuição Definida - CD, tanto na fase de capitalização como na fase de percepção dos benefícios, a obrigação do Plano para com os seus participantes está limitada ao saldo de conta individual, conforme formulação constante em Nota Técnica Atuarial vigente, justificando assim tal equilíbrio técnico. A rentabilidade auferida pelos recursos do plano em 2013, considerando a cota vigente em 31/12/2012 e 31/12/2013, foi de -1,192%. No mesmo período o Índice de Referência acumulou 10,84%. 17

19 A Duration do plano foi apurada em 582 meses (48 anos). Assim, é importante que essa informação seja considerada quando da definição das estratégias de investimento dos recursos garantidores do plano de benefício. Por fim, quanto ao Programa Administrativo, observou-se no exercício de 2013 uma elevação de 9,37% do fundo administrativo em relação ao ano de 2012, apresentando em 31/12/2013 um montante de R$ ,00. Desta forma, atestamos que as informações constantes deste Parecer foram avaliadas por nossa Consultoria Atuarial e refletem as bases cadastrais, bem como as informações contábeis referentes à data base 31/12/2013. Considerando o exposto no presente parecer se conclui que o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV encontra-se em equilíbrio atuarial e financeiro, devendo observar as indicações e os resultados apurados pela Avaliação Atuarial. Florianópolis, segunda-feira, 24 de fevereiro de Rafael Porto de Almeida Atuário MIBA n Data A Consultoria S/S Ltda. Lucas Azevedo Fonseca Atuário MIBA n Data A Consultoria S/S Ltda. Karen Tressino Atuária MIBA n Data A Consultoria S/S Ltda. 18

20 ANEXO II PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Entidade: Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil Nome do Plano: Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Data Base da Avaliação: 31/12/2013 Data do Cálculo: 31/12/2013 CONTA DESCRIÇÃO VALOR Patrimônio Social , Patrimônio de Cobertura do Plano , Provisões Matemáticas , Benefícios Concedidos , Contribuição Definida , Saldo de Contas dos Assistidos , Benefícios a Conceder* , Contribuição Definida , Saldo de Contas Parcela Patrocinador(es)/Instituidor(es) Saldo de Contas Parcela Participantes** , Fundos , Fundos Administrativos ,00 * Considera os participantes cancelados aguardando resgate, sendo 480 participantes e um saldo de contas total de R$ ,83. 19

21 ANEXO III ESTATÍSTICA POPULACIONAL E GRÁFICOS GERENCIAIS 1. Participantes ativos Gráfico 1 - Distribuição de participantes por sexo Feminino 42,17% O conjunto dos participantes do plano é composto por 58% de integrantes do sexo masculino e 42% do sexo feminino. Segundo o IBGE, a expectativa de vida ao nascer das mulheres brasileiras é de 77,7 anos e dos homens de 70,6 anos. Já com base na Tábua AT-2000 a expectativa de vida estimada ao nascer é de aproximadamente 80 anos e aos 32 anos (idade média dos participantes ativos) é de 49 anos. Gráfico 2 - Distribuição de participantes por faixa etária Masculino 57,83% a 25 anos 26 a 35 anos 36 a 45 anos 46 a 55 anos 56 anos ou + 20

22 Conforme se verifica no Gráfico 2, grande parte dos participantes ativos do plano se concentra na faixa etária de 26 a 35 anos. Se considerarmos que os participantes esperam se aposentar em média aos 64 anos, então tem-se que esses participantes permanecerão no plano por mais 29 anos, pelo menos. Tendo em vista a média de tempo para que os participantes se aposentem, é interessante que a Entidade tenha como diferencial uma rentabilidade que seja acima dos índices de referência do plano que ora administra. Com isto, os saldos de seus participantes evoluirão além do esperado, trazendo, por conseguinte, um grau maior de satisfação na relação entre participante e entidade. Gráfico 3 - Distribuição de participantes por faixa de contribuição Até a a a a ou + De acordo com o Gráfico 3, percebe-se que grande parte dos participantes ativos contribui para o plano de benefícios com valores de até R$ 200,00 por mês. Com base nestas informações, caso a Entidade julgue prudente, esta poderá elaborar campanhas voltadas não tão somente à adesão de novos participantes, mas também para o incentivo a que os atuais aumentem o nível de suas contribuições para o plano. Um resultado efetivo de uma ação como esta culmina com uma evolução mais rápida do patrimônio, trazendo, consequentemente, maior sustentabilidade administrativa para a Entidade e melhores perspectivas de rentabilidade. 21

23 Gráfico 4 Composição das contribuições Contribuição - Invalidez 10,81% Contribuição - Pensão por Morte 22,92% Contribuição Básica 66,27% O Gráfico 4 demonstra à Entidade a distribuição das contribuições efetuadas pelos participantes ativos, considerando as contribuições básicas e de risco (invalidez e morte). Com base em tais dados, pode-se ter uma melhor visualização de qual o destino dos recursos aportados pelos participantes. No plano, mais da metade 66% - das contribuições vertidas mensalmente compõem o saldo de contas dos participantes. A outra parte é despendida para a aquisição dos seguros contra a morte e invalidez ofertados pela seguradora parceira da Entidade. Gráfico 5 Número de participantes por modalidade das contribuições de risco Não contribuem para risco 22,16% Contribuem somente para Pensão 0,43% Contribuem para Invalidez e Pensão 69,93% Contribuem somente para Invalidez 7,48% 22

24 Por meio do Gráfico 5, vislumbra-se o número de participantes por tipo de contribuição de risco. Assim, percebe-se que 69,93% (2.439) dos participantes do plano contribuem para os riscos de pensão e invalidez. 7,48% (261) contribuem somente para invalidez e 0,43% (15) contribuem apenas para pensão. Além disso, observa-se que 22,16% (773) do total de participantes não contribuem para nenhum tipo de benefício de risco. Gráfico 6 Contribuição média: normal, pensão e invalidez 200,00 180,00 160,00 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00-186,73 91,80 39,35 Normal Pensão Invalidez Acima, vislumbra-se o valor médio das contribuições que são vertidas pelos participantes ao plano e que compõem seus respectivos saldos individuais, bem como aquelas destinadas ao complemento dos benefícios de Risco (morte e invalidez). Gráfico 7 Proporção de participantes que contribuem para risco Não Contribuem para Risco 22,16% Contribuem para Risco 77,84% 23

25 Por intermédio do Gráfico 7 percebe-se que 22,16% (773) dos participantes do plano não contribuem para os benefícios de risco e 77,84% (2.715) contribuem, tendo esses uma cobertura adicional em caso de morte ou invalidez. Gráfico 8 - Distribuição do número de participantes por tempo de espera ,0% 83,2% ,2% 84 14,9% 2,4% até 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos 30 a 40 anos mais de 40 anos 120,0% 100,0% 80,0% 60,0% 40,0% 20,0% 0,0% O Gráfico 8 demonstra o número de participantes que integram cada faixa de tempo de espera para a aposentadoria. Assim, verifica-se que a maioria dos participantes do plano está distante da idade de aposentadoria, acima de 20 anos. Essa observação pode ser considerada para uma melhor alocação estratégica dos recursos garantidores do plano de benefícios. Gráfico 9 - Provisão matemática constituída por tempo de espera 16,00 120,0% 14,00 12,00 10,00 12,31 13,41 84,0% 96,1% 100,0% 100,0% 80,0% 8,00 60,0% 6,00 4,00 2,00 0,00 5,59 48,0% 4,50 1,47 15,0% até 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos 30 a 40 anos mais de 40 anos 40,0% 20,0% 0,0% Com base no Gráfico 9, pode-se extrair também importantes informações para o estabelecimento das estratégias de investimentos da Entidade. Verifica-se 24

26 que os participantes que estão na faixa de 20 a 30 anos para concessão de benefício concentram a maior parte da reserva matemática de benefícios a conceder RMBaC do plano. 2. Assistidos Gráfico 10 - Distribuição de assistidos por sexo Feminino 46,15% Masculino 53,85% Gráfico 11 -Distribuição de assistidos por opção de recebimento do benefício Prazo determinado 38% Prazo indeterminado 62% O Gráfico 11 demonstra que a maior parte dos participantes assistidos optaram pelo recebimento de suas rendas por prazo indeterminado pela expectativa de vida. A tábua de sobrevivência adotada para fins de estimativa dessa estatística é definida anualmente e apresentada em demonstrativo atuarial. 25

27 Dado que a maioria dos participantes está optando por essa forma de benefício, é importante reforçar a educação previdenciária dos mesmos para que compreendam a importância da Tábua de Sobrevivência para o plano previdenciário. Da mesma forma, é imprescindível o conhecimento do plano de benefícios principalmente por parte dos assistidos. Nesta fase, o valor do benefício que percebem é suscetível a variações da rentabilidade ou ainda da expectativa de vida, quando do recálculo anual. A compreensão por parte da massa ativa, e também assistida,quanto ao funcionamento do plano é uma forma muito eficaz para a minimização de ações judiciais contra a Entidade. Gráfico 12 - Distribuição de assistidos por faixa etária 8,00 7,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 2,00 2,00 1,00 0,00 0 a 40 anos 41 a 50 anos 51 a 60 anos 61 a 70 anos 71 anos ou + Através da análise do Gráfico 12 percebe-se que a massa de aposentados do plano está mais concentrada nas idades entre 61 e 70 anos. Conforme a Tábua AT- 2000, a expectativa de vida aos 60 anos é de 23,63 anos. 26

28 Gráfico 13 - Distribuição de assistidos por faixa de benefício 7,00 6,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 1,00 2,00 1,00 2,00 0,00 0 a a a a a + 3. Pensionistas Gráfico 14 - Distribuição de pensionistas por sexo Masculino 43% Feminino 57% 27

29 Gráfico 15 - Distribuição dos pensionistas por opção de recebimento do benefício Prazo indeterminado 29% Prazo determinado 71% Observa-se através do Gráfico 15 que 29% dos pensionistas recebem seus benefícios por prazo indeterminado e 71% recebem por prazo determinado. Da mesma forma que para os participantes em gozo de benefício de aposentadoria, tais estatísticas nos demonstram a importância de uma educação previdenciária dos pensionistas para uma compreensão quanto à influência da tábua de sobrevivência para o plano de benefícios. Gráfico 16 - Distribuição de pensionistas por faixa etária 2,50 2,00 2,00 2,00 2,00 1,50 1,00 1,00 0,50 0,00 0 a 40 anos 41 a 50 anos 51 a 60 anos 61 a 70 anos 71 anos ou + 0,00 28

30 Gráfico 17 - Distribuição de pensionistas por faixa de benefício 2,50 2,00 2,00 2,00 1,50 1,00 1,00 1,00 1,00 0,50 0,00 R$ 0 a R$ 500,00 R$ 501 a R$ 1500,00 R$ 1501 a R$ 2500,00 R$ 2501 a R$ 3000,00 R$ 3001 ou + 29

31 ANEXO IV ESTATÍSTICAS DE INGRESSOS E DESLIGAMENTOS DO PLANO 1. Participantes que ingressaram no plano Constatou-se que 921 participantes ingressaram no plano no decorrer do exercício de Abaixo, são apresentadas algumas características desta população de forma a observar o nível de contribuição da nova massa que aderiu ao plano, a distribuição da contribuição vertida ao plano, bem como a faixa etária dos novos participantes. Gráfico 1 - Distribuição de participantes que ingressaram por sexo Feminino 42,78% Masculino 57,22% Gráfico 2 - Distribuição de participantes que ingressaram no plano por faixa etária Até 25 anos Entre 26 e 35 anos 185 Entre 36 e 45 anos 60 Entre 46 e 55 anos 15 Acima de 56 anos 30

32 Conforme se verifica no Gráfico 2, grande parte dos participantes que ingressaram no plano Adv-PREV se concentra na faixa etária de 26 a 35 anos. Se considerarmos que os participantes esperam se aposentar em média aos 64 anos, então tem-se que essa população de participantes que ingressaram permanecerão no plano por mais 29 anos, pelo menos, em média. Gráfico 3 - Distribuição de participantes que ingressaram no plano por faixa de contribuição De acordo com o Gráfico 3, percebe-se que a grande parte dos participantes que ingressaram no plano optou por contribuir com valores que variavam entre R$ 50 e R$ 250 por mês. Com base neste gráfico a Entidade poderá observar qual a contribuição vertida pelos novos participantes e desenvolver campanhas voltadas à conscientização de uma cultura previdenciária de longo prazo, apresentando simulações de benefícios considerando diversos cenários de contribuições. 51 Até 50, Entre 50,01 e 100,00 Gráfico 4 Composição das contribuições dos participantes que ingressaram no plano em Entre 100,01 e 250,00 79 Entre 250,01 e 500,00 31 Acima 500,01 Contrib - Invalidez 10,05% Contrib - Pensão por Morte 21,26% Contrib Básica 68,69% 31

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [18.868.955/0001-20] FUNDACAO GEAPPREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0006-47] GEAPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2015 Atuário Responsável ADILSON MORAES DA

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL - RA 12/16

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL - RA 12/16 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL - RA 12/16 Plano de Benefícios Previdenciário do Advogado - PREVER CNPB: 20.050.042-11 Data: 08/03/2016 FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2009

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2009 AVALIAÇÃO ATUARIAL Data da Avaliação: 31/12/2009 Dados do Plano Nome do Plano: Plano Único da CGTEE CNPB: 19.790.045-11 Patrocinadora: Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica - CGTEE Data Início:

Leia mais

PARECER ATUARIAL PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS

PARECER ATUARIAL PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PARECER ATUARIAL PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS A data base da avaliação atuarial do Plano Misto de Benefícios, administrado pela Mendesprev Sociedade Previdenciária, objeto deste parecer é 31/12/2010. Objetivo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.689.795/0001-50] BRF PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0047-19] PSPP ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MONICA TEIXEIRA DE ANDRADE MIBA:

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Guarujá UF: SP DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Julio Machado Passos MTE: 1275 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 44.959.21/1-4 PREFEITURA

Leia mais

ANEXO I - TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE-2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS

ANEXO I - TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE-2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS ANEXO I TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS x Masculina Feminina HUNTER AV ii ii x x 0 0.017032 0.014283 0.000000 1 0.001076 0.000880 0.000000 2 0.000702 0.000558 0.000000 3 0.000537

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: ITAUBANCO 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO ITAUBANCO 4- NÚMERO DE PLANOS: NÚMERO DE EMPREGADOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: ITAUBANCO 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO ITAUBANCO 4- NÚMERO DE PLANOS: NÚMERO DE EMPREGADOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 7 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.790.009-56 - PLANO DE BENEFÍCIOS 002 DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO

Leia mais

O que são benefícios de Pós Emprego?

O que são benefícios de Pós Emprego? O que são benefícios de Pós Emprego? São todos os benefícios em caráter permanente que a entidade/empresa se compromete financeiramente a custear após o desligamento do empregado por motivos de aposentadoria.

Leia mais

12 de fevereiro de Parecer Atuarial CBS - Caixa Beneficente dos Empregados da CSN. Plano Misto de Benefício Suplementar

12 de fevereiro de Parecer Atuarial CBS - Caixa Beneficente dos Empregados da CSN. Plano Misto de Benefício Suplementar 12 de fevereiro de 2007 Parecer Atuarial CBS - Caixa Beneficente dos Empregados da CSN Plano Misto de Benefício Suplementar Conteúdo 1. Introdução...1 2. Posição do Exigível Atuarial e das Reservas e Fundos...2

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 162 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Xangri-lá UF: RS DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Lucília Nunes de Souza MTE: 431 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 94.436.474/1-24 Município

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Montividiu UF: GO DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Mauricio Zorzi MTE: 2458 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 5.548.251/1-29 FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

Parecer Atuarial Plano de Aposentadoria ABBPREV. ABBPREV - Sociedade de Previdência Privada 8 DE MARÇO DE 2012

Parecer Atuarial Plano de Aposentadoria ABBPREV. ABBPREV - Sociedade de Previdência Privada 8 DE MARÇO DE 2012 Parecer Atuarial Plano de Aposentadoria ABBPREV ABBPREV - Sociedade de Previdência Privada 8 DE MARÇO DE 2012 CONTEÚDO 1. Introdução... 1 2. Perfil dos Participantes... 2 Participantes Ativos... 2 Participantes

Leia mais

PARECER ATUARIAL PLANO DE APOSENTADORIA ABBPREV ABBPREV - Sociedade de Previdência Privada 14 DE FEVEREIRO DE 2014

PARECER ATUARIAL PLANO DE APOSENTADORIA ABBPREV ABBPREV - Sociedade de Previdência Privada 14 DE FEVEREIRO DE 2014 PLANO DE APOSENTADORIA ABBPREV ABBPREV - Sociedade de Previdência Privada 14 DE FEVEREIRO DE 2014 CONTEÚDO 1. Introdução... 1 2. Perfil dos Participantes... 2 3. Hipóteses e Métodos Atuariais Utilizados...

Leia mais

Observações: (*) OFÍCIO 546 DA SPC DE 19/08/97. 12

Observações: (*) OFÍCIO 546 DA SPC DE 19/08/97. 12 Anexo ao JM/0847/2011-3 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS: 01 (UM) 4 DATAS

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 7 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

RN/094/2008/OABPREV-MG Belo Horizonte, 20 de março de Ao Sr. André Luís Moreira Marino Gerente Administrativo OABPrev-MG.

RN/094/2008/OABPREV-MG Belo Horizonte, 20 de março de Ao Sr. André Luís Moreira Marino Gerente Administrativo OABPrev-MG. RN/094/2008/OABPREV-MG Belo Horizonte, 20 de março de 2008. Ao Sr. André Luís Moreira Marino Gerente Administrativo OABPrev-MG Prezado Senhor, Apresentamos em anexo o Parecer Atuarial sobre o Balancete

Leia mais

Secretaria de Previdência Complementar - DRAA

Secretaria de Previdência Complementar - DRAA Página 1 de 10 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 4 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 1- SIGLA: FACHESF 2- CÓDIGO: 00361 3- RAZÃO SOCIAL: Fundação CHESF de Assistência e Seguridade Social

Leia mais

RN/149/2015/OABPREV-MG Belo Horizonte, 13 março de 2015.

RN/149/2015/OABPREV-MG Belo Horizonte, 13 março de 2015. RN/149/2015/OABPREV-MG Belo Horizonte, 13 março de 2015. Ao Sr. Armando Quintão Bello de Oliveira Júnior Presidente do OABPrev Fundo Multipatrocinado da OAB, Seccional de Minas Gerais Prezado Senhor, Apresentamos,

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1/5 Plano de Benefícios CD-02 Cuidar do seu futuro é o nosso negócio! 2/5 1 Por que foi criado o Plano CD-02? O Plano CD-02 foi desenhado no modelo de Contribuição Definida, um plano totalmente individual,

Leia mais

Monitoramento de Riscos Atuariais CGMA/PREVIC. São Paulo, 29 de novembro de

Monitoramento de Riscos Atuariais CGMA/PREVIC. São Paulo, 29 de novembro de Monitoramento de Riscos Atuariais CGMA/PREVIC São Paulo, 29 de novembro de 2011 1 Sistema de Previdência Complementar Planos de Previdência Avaliação Atuarial Mapeamento de Risco Atuarial no Mercado Novas

Leia mais

Previdência no Serviço Público. ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS

Previdência no Serviço Público. ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS Previdência no Serviço Público ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS Outubro/2016 1. Regimes Previdenciários do Brasil; 2. RPPS RS; 3. Cenários; 4. Regime de Previdência Complementar; 5. Riscos 1.

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.790.026-65 - PLANO DE BENEFÍCIOS I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR

Leia mais

Práticas Atuariais em Seguros e Pensões. 3. Provisões Técnicas Thaís Paiva

Práticas Atuariais em Seguros e Pensões. 3. Provisões Técnicas Thaís Paiva Práticas Atuariais em Seguros e Pensões 3. Provisões Técnicas Thaís Paiva thaispaiva@est.ufmg.br Provisões Técnicas Práticas Atuariais 3. Provisões Técnicas 1 / 27 Provisões Técnicas As provisões técnicas

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2014

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2014 AVALIAÇÃO ATUARIAL Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Cândido Mota Dezembro / 2014 1. OBJETIVO A presente Avaliação Atuarial tem por objetivo determinar: a) o nível de contribuição

Leia mais

Page 1 of 13 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.980.012-29 - PLANO II DE APOSENTADORIA DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE

Leia mais

EDIÇÃO 220, SEÇÃO 1, PÁGINA 65 E 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 DIRETORIA COLEGIADA

EDIÇÃO 220, SEÇÃO 1, PÁGINA 65 E 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 DIRETORIA COLEGIADA EDIÇÃO 220, SEÇÃO 1, PÁGINA 65 E 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 17, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2014 Estabelece as condições para o licenciamento automático na autorização para

Leia mais

Equilíbrio Atuarial dos Planos de Benefício Definido BD. Cícero Rafael Barros Dias

Equilíbrio Atuarial dos Planos de Benefício Definido BD. Cícero Rafael Barros Dias Equilíbrio Atuarial dos Planos de Benefício Definido BD Cícero Rafael Barros Dias Out/2014 1 AGENDA 1. Introdução 2. Base Normativa Geral 3. Principais Riscos Atuariais das EFPC s 4. Controles de Risco

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL. DATA BASE: Dezembro / 2011

AVALIAÇÃO ATUARIAL. DATA BASE: Dezembro / 2011 AVALIAÇÃO ATUARIAL Instituto de Previdência Municipal de Monte Mor DATA BASE: Dezembro / 2011 1. OBJETIVO A presente Avaliação Atuarial tem por objetivo determinar: a) o nível de contribuição dos segurados

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 1- SIGLA: FACHESF 2- CÓDIGO: 00361 3- RAZÃO SOCIAL: Fundação CHESF de Assistência e Seguridade Social

Leia mais

3.2: O cadastro que serviu de base para o processamento dessa Avaliação foi levantado nas seguintes datas de referência:

3.2: O cadastro que serviu de base para o processamento dessa Avaliação foi levantado nas seguintes datas de referência: Parecer Atuarial Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2013. STEA:- 64/2013/051 Ilmo. Sr. Dra. Mariza Giannini M.D. Diretora Superintendente da FAPES Ref:- Parecer Atuarial sobre a Avaliação Atuarial de 31/12/2012

Leia mais

Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial 2004

Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial 2004 Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial 2004 SP PREFEITURA MUNICIPAL DE CONCHAL CNPJ : 45331188000199 SIAFI : 986345 Cadastro de Nome do Plano : Novo Plano QUADRO 1 Dados do Regime Próprio de

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telemig Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telemig Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telemig Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2015

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2015 AVALIAÇÃO ATUARIAL Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Ilhabela ILHABELA PREV Dezembro / 2015 1. OBJETIVO A presente Avaliação Atuarial tem por objetivo determinar: a) o nível

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2015

PARECER ATUARIAL 2015 PARECER ATUARIAL 2015 Plano de Benefícios 1 1. OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais, o custo e plano de custeio

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL. DATA BASE: Dezembro / 2009

AVALIAÇÃO ATUARIAL. DATA BASE: Dezembro / 2009 AVALIAÇÃO ATUARIAL Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia DATA BASE: Dezembro / 2009 1. OBJETIVO A presente Avaliação Atuarial tem por objetivo determinar: a) o nível

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Tele Centro Oeste Celular Exercício: 2013 e dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Tele Centro Oeste Celular Exercício: 2013 e dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Tele Centro Oeste Celular Exercício: 20 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 20 202 Variação (%) Relatório Anual 20 Visão Prev. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [42.160.192/0001-43] FUND CHESF DE ASSIST E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2001.0021-65] CD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.900.016-29 - PLANO DE COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA E PENSÃO - SISTEMA FCEMG 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA RETIRADA DE PATROCÍNIO

A REGULAMENTAÇÃO DA RETIRADA DE PATROCÍNIO A REGULAMENTAÇÃO DA RETIRADA DE PATROCÍNIO Secretaria de Políticas de Previdência Complementar - MPS Carlos Marne Dias Alves 4 de setembro de 2012. 1 1 SUMÁRIO 1. Motivações 2. Pontos Sensíveis 3. Proposta

Leia mais

Elementos Mínimos. do Relatório de. Avaliação Atuarial

Elementos Mínimos. do Relatório de. Avaliação Atuarial Elementos Mínimos do Relatório de Avaliação Atuarial Comissão de Normas Técnicas 1 ÍNDICE 1. Sumário Executivo...3 2. Dados de Participantes (Avaliação atual e anterior)...3 3. Hipóteses (Avaliação atual

Leia mais

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar Plano CV Prevdata Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar A entidade Nossos números Patrimônio de R$ 1,1 bilhão (dez/2016) 2 planos de benefícios e plano de gestão administrativa 36

Leia mais

Edgar Almeida Santos - Sistel PIS-COFINS

Edgar Almeida Santos - Sistel PIS-COFINS Edgar Almeida Santos - Sistel PIS-COFINS INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB nº 1285 Revoga o Art. 96 e o Anexo III Art. 96 da IN 247/2002 As empresas de seguros privados, as empresas de capitalização e as entidades

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2015

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2015 AVALIAÇÃO ATUARIAL Instituto Municipal de Previdência Social de Santa Fé do Sul - SANTAFEPREV Dezembro / 2015 1. OBJETIVO A presente Avaliação Atuarial tem por objetivo determinar: a) o nível de contribuição

Leia mais

Relatório. Anual. Resumo 2015

Relatório. Anual. Resumo 2015 Relatório Anual Resumo 2015 2 Mensagem da Diretoria O ano de 2015 foi marcado por um cenário volátil e conturbado com inflação alta, PIB negativo, escândalos políticos, rebaixamento de grau de investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [54.368.402/0001-72] FUNDACAO NESTLE DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1999.0005-11] FUNDAMENTAL ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

ESTUDO CEP/ANCEP nº 01/2012. ESTUDO SOBRE O CUSTEIO ADMINISTRATIVO CONCEITO E FORMA.

ESTUDO CEP/ANCEP nº 01/2012. ESTUDO SOBRE O CUSTEIO ADMINISTRATIVO CONCEITO E FORMA. ESTUDO CEP/ANCEP nº 01/2012. ESTUDO SOBRE O CUSTEIO ADMINISTRATIVO CONCEITO E FORMA. Objetivo: Padronizar as fórmulas para apuração dos limites para Cobertura das Despesas Administrativa, de que tratam

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório.

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório. 1 O PLEBISCITO 1.1 Para que serve este Plebiscito? Consultar a opinião dos Participantes sobre as alternativas de solução para os planos de benefícios da FUNCEF, com saldamento do REG/REPLAN e implementação

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV.

Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV. CARTILHA EXPLICATIVA Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV. Com o Adv-PREV você verá que é possível viver com tranqüilidade

Leia mais

ENTENDA OS REFLEXOS DA TAXA DE JUROS E DA LEGISLAÇÃO SOBRE O PLANO DE BENEFÍCIOS. anos

ENTENDA OS REFLEXOS DA TAXA DE JUROS E DA LEGISLAÇÃO SOBRE O PLANO DE BENEFÍCIOS. anos ENTENDA OS REFLEXOS DA TAXA DE JUROS E DA LEGISLAÇÃO SOBRE O PLANO DE BENEFÍCIOS anos APRESENTAÇÃO NOVAS REGRAS CNPC 09 Esta cartilha tem como objetivo esclarecer, aos Participantes, os efeitos no Plano

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO

RELATÓRIO ANUAL RESUMO RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2015 ÍNDICE 03 INFORMAÇÕES SOBRE AS DESPESAS 03 RENTABILIDADE DOS PERFIS DE INVESTIMENTO 03 INVESTIMENTOS 04 PARTICIPANTES AVONPREV 04 RESUMO DO PARECER ATUARIAL 06 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Os temas que movimentam as avaliações atuariais de Por João Marcelo Barros Leal M. Carvalho (*)

Os temas que movimentam as avaliações atuariais de Por João Marcelo Barros Leal M. Carvalho (*) Os temas que movimentam as avaliações atuariais de 2014 Por João Marcelo Barros Leal M. Carvalho (*) Início de ano é sempre uma época de trabalho intenso para os atuários. Neste ano de 2015, muitas são

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2014

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2014 AVALIAÇÃO ATUARIAL Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória - IPAMV Dezembro / 2014 1. OBJETIVO A presente Avaliação Atuarial tem por objetivo determinar: a) o nível

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2013

AVALIAÇÃO ATUARIAL. Dezembro / 2013 AVALIAÇÃO ATUARIAL Instituto de Previdência Municipal de Praia Grande Dezembro / 2013 1. OBJETIVO A presente Avaliação Atuarial tem por objetivo determinar: a) o nível de contribuição dos segurados e do

Leia mais

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2015 (Em Reais) Ativo 2015 2014 Passivo 2015 2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Suplementação à Previdência Social 29/11/79 01/06/80 06/2006 R$ , R$ ,00,38

Suplementação à Previdência Social 29/11/79 01/06/80 06/2006 R$ , R$ ,00,38 Anexo ao JM/0143/2008 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO CORSAN - DOS FUNCIONÁRIOS DA COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO 3 DADOS

Leia mais

Plano de Benefícios CD-05

Plano de Benefícios CD-05 1/5 Plano de Benefícios CD-05 Nosso Plano é cuidar do seu futuro! 2/5 1 Apresentação A REGIUS Sociedade Civil de Previdência Privada é uma entidade fechada de previdência privada, que tem como objetivo

Leia mais

MUNICÍPIO DE CEDRO - PE

MUNICÍPIO DE CEDRO - PE 0 NOTA TÉCNICA Conforme determinação da Portaria nº 403 de 10 de dezembro de 2008 do MPS/SPS/CGAAI ANO/MÊS BASE DEZEMBRO/2014 EXERCÍCIO 2015 Geração Atual e Geração Futura MUNICÍPIO DE CEDRO - PE Base

Leia mais

PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO)

PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO) PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO) Texto aprovado pelo Conselho Deliberativo na 4ª Reunião Ordinária, de 15 de fevereiro de 2013 Resolução CD/Funpresp-Exe nº 07/2013 SUMÁRIO CAPÍTULO I Da

Leia mais

Fundo de Pensão Multipatrocinado da OAB-PR e da CAA-PR Balancete de Verificação / Período: 01/02/16 a 29/02/16

Fundo de Pensão Multipatrocinado da OAB-PR e da CAA-PR Balancete de Verificação / Período: 01/02/16 a 29/02/16 Folha: 372 17 1 ATIVO 196.642.987,11 10.186.304,87 6.573.216,71 200.256.075,27 23 1.1 DISPONÍVEL 167.727,84 4.057.816,43 3.215.712,85 1.009.831,42 30 1.1.1 IMEDIATO 167.727,84 3.557.816,43 3.215.712,85

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS DO REGULAMENTO COMPLEMENTAR nº 1

PLANO DE BENEFÍCIOS DO REGULAMENTO COMPLEMENTAR nº 1 147 PLANO DE BENEFÍCIOS DO REGULAMENTO COMPLEMENTAR nº 1 Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios do Regulamento Complementar nº 1 CNPB 1978.0002-19 Parecer Atuarial 043/15 Fevereiro/2015 1. Considerações

Leia mais

Fundo de Pensão Multipatrocinado da OAB-PR e da CAA-PR Balancete de Verificação / Período: 01/03/16 a 31/03/16

Fundo de Pensão Multipatrocinado da OAB-PR e da CAA-PR Balancete de Verificação / Período: 01/03/16 a 31/03/16 Folha: 433 17 1 ATIVO 200.256.075,27 11.292.270,45 8.179.363,73 203.368.981,99 23 1.1 DISPONÍVEL 1.009.831,42 4.132.429,08 4.583.939,25 558.321,25 30 1.1.1 IMEDIATO 509.831,42 4.132.429,08 4.083.939,25

Leia mais

Regulamento do Plano e direitos dos participantes e assistidos

Regulamento do Plano e direitos dos participantes e assistidos T R A N S PA R Ê N C I A A Prestação de Contas tem como objetivo trazer pessoalmente, aos participantes e assistidos, informações relevantes a respeito de temas como: Regulamento do Plano e direitos dos

Leia mais

PESQUISA ABRAPP RAIO-X - 2ª EDIÇÃO

PESQUISA ABRAPP RAIO-X - 2ª EDIÇÃO PESQUISA ABRAPP RAIO-X - 2ª EDIÇÃO LEVANTAMENTO DO PASSIVO DOS FUNDOS DE PENSÃO ANTONIO FERNANDO GAZZONI DIRETOR PRESIDENTE DA GAMA CONSULTORES ASSOCIADOS NÍVEIS DE ADESÃO AOS PLANOS (NOVOS PARTICIPANTES)

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES 2014

RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES 2014 RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES 2014 Escolhas que mudam futuros! APRESENTAÇÃO A Diretoria Executiva apresenta o Relatório Anual de Informações do Fundo de Pensão Multipatrocinado da OAB-PR e da CAA/PR relativo

Leia mais

Balancete. Janeiro/2016

Balancete. Janeiro/2016 Executado por: Unidade: BBPF0291 GECON JEFERSON GONÇALVES CAMARGO Parâmetros Passados: Mês/Ano: Seq. Validade Plano : 1 17 104 2 BBPREV UNIDAVI UNIDAVI PREV CD Página: 1 100000000000 110000000000 111000000000

Leia mais

LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre regras gerais para a organização e o funcionamento dos regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da

Leia mais

Balancete. Março/2016

Balancete. Março/2016 Executado por: Unidade: BBPF0291 GECON JEFERSON GONÇALVES CAMARGO Parâmetros Passados: Mês/Ano: Seq. Validade Plano : 1 17 104 3 BBPREV UNIDAVI UNIDAVI PREV CD Página: 1 100000000000 110000000000 111000000000

Leia mais

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores

Leia mais

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS XIII XIV "Índice de Reajuste": significa o índice geral de aumentos salariais concedidos pela Patrocinadora 3M do Brasil Ltda., desconsiderados os aumentos reais. O Conselho Deliberativo poderá determinar

Leia mais

Parecer Atuarial do Plano Misto de Benefício Suplementar CBS - Caixa Beneficente dos Empregados da CSN 31 de janeiro de 2013

Parecer Atuarial do Plano Misto de Benefício Suplementar CBS - Caixa Beneficente dos Empregados da CSN 31 de janeiro de 2013 Parecer Atuarial do Plano Misto de Benefício Suplementar CBS - Caixa Beneficente dos Empregados da CSN 31 de janeiro de 2013 CONTEÚDO 1. Introdução... 1 2. Posição do Patrimônio Social e dos Fundos...2

Leia mais

Avaliação Atuarial Município de Pelotas/RS Brasília, agosto de Avaliação Atuarial

Avaliação Atuarial Município de Pelotas/RS Brasília, agosto de Avaliação Atuarial Avaliação Atuarial Município de Pelotas/RS Brasília, agosto de 2016. Avaliação Atuarial 1 ÍNDICE 1. Apresentação... 6 2. Bases Utilizadas na Elaboração da Avaliação Atuarial... 7 2.1. Bases Legais... 7

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 RELATÓRIO PRESTAÇÃO DE CONTAS DO 1º SEMESTRE/2016

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 RELATÓRIO PRESTAÇÃO DE CONTAS DO 1º SEMESTRE/2016 RELATÓRIO PRESTAÇÃO DE CONTAS DO 1º SEMESTRE/2016 CONTROLADORIA COREN-RS Ementa: Análise das Demonstrações Contábeis do COREN-RS referente ao primeiro trimestre de 2016. BALANÇO PATRIMONIAL 1. No período

Leia mais

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n )

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n ) PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n. 2013.0011-18) TEXTO ORIGINAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA Do Glossário XXVII Resgate : o instituto que prevê o recebimento do valor conforme previsto no Regulamento

Leia mais

ALTERAÇÕES PROPOSTAS REGULAMENTO DO PLANO B

ALTERAÇÕES PROPOSTAS REGULAMENTO DO PLANO B ALTERAÇÕES PROPOSTAS REGULAMENTO DO PLANO B Novembro de 2015 Agenda 1. Principal Alteração: Adoção de premissas aderentes (art. 29, 2º). 1.1. Exemplo Didático da Regra Vigente; 1.2. Entendimento da Previc

Leia mais

Gestão de Planos de Benefícios: Desafios e Perspectiva

Gestão de Planos de Benefícios: Desafios e Perspectiva Gestão de Planos de Benefícios: Desafios e Perspectiva Apresentação Admirável Mundo Novo Obstáculos Ótica do Participante Ótica da Entidade Cenários e Tendências [2] Admirável Mundo Novo Era da Criatividade,

Leia mais

Contador CRC/RJ O CPF: CPF:

Contador CRC/RJ O CPF: CPF: FUNDAÇÃO ATLÂNTICO DE SEGURIDADE SOCIAL BALANÇO PATRIMONIAL A T I V O 31 DE DEZEMBRO DE 2014 R$ mil Exercício Exercício Exercício Exercício P A S S I V O 2014 2013 2014 2013 DISPONÍVEL 227 197 EXIGÍVEL

Leia mais

PDI. Vou aderir ao PDI.

PDI. Vou aderir ao PDI. Vou aderir ao PDI. E agora? Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! O seu futuro e o da sua família dependem da sua decisão. Previdência Proteção a pessoa, geralmente, no desemprego, na doença,

Leia mais

Submassas nos Planos de Benefícios. Comissão Técnica Nacional de Atuária

Submassas nos Planos de Benefícios. Comissão Técnica Nacional de Atuária Submassas nos Planos de Benefícios Comissão Técnica Nacional de Atuária Submassa Conceito Atualmente não há menção ao termo submassa na legislação em vigor. Proposta de alinhamento técnico PREVIC Um grupo

Leia mais

Novo Plano de Contribuição Definida -CD

Novo Plano de Contribuição Definida -CD Previ-Siemens Novo Plano de Contribuição Definida -CD Protection notice / Copyright notice Agenda A Importância de um plano de previdência Plano de Aposentadoria CD -Previ-Siemens Contribuições Procedimentos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem o objetivo de informá-lo, de forma simples e precisa, sobre os principais pontos do Plano SERGUS de Benefícios na modalidade de Contribuição Definida (CD), baseado no seu

Leia mais

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar?

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar? FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0551 -Contabilidade e Análise de Balanços de Instituições Previdenciárias TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade

Leia mais

Regime de trabalho FAPI

Regime de trabalho FAPI Regime de trabalho Pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) Pelos Estatutos dos Servidores Públicos Civis INSS Previdência Complementar de natureza privada Institutos de Previdência (RPPS) Entidade

Leia mais

02 O que eu preciso fazer

02 O que eu preciso fazer 01 Quais são os documentos que necessito apresentar para requerer minha aposentadoria no FusanPrev e atualizar minha situação no SaneSaúde? Cópia simples dos seguintes documentos: - Identidade e CPF do

Leia mais

Secretaria de Previdência Complementar - DRAA

Secretaria de Previdência Complementar - DRAA Page 1 of 11 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.920.010-65 - PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 001 12- OBSERVAÇÕES: Data da última alteração

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [19.969.500/0001-64] DESBAN - FUNDACAO BDMG DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0036-29] BDMG ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável CASSIA

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DA BAHIA - ALBAPREV

INSTITUTO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DA BAHIA - ALBAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DA BAHIA - ALBAPREV DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 I BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA Assinatura: Nº Questão: 5 INSTRUÇÕES DA PROVA A prova é individual e intransferível, confira os seus dados. Responda dentro da área reservada ao aluno. Não escreva fora das margens ou atrás da folha. Textos

Leia mais

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 009 Distinção das Hipóteses Atuariais e Referenciais Atuariais.

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 009 Distinção das Hipóteses Atuariais e Referenciais Atuariais. Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 009 Distinção das Hipóteses Atuariais e Referenciais Atuariais. regimentais, O INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA - IBA, no exercício

Leia mais

RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS - RPPS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) = ( ) Compensação Previdenciária do RGPS para o RPPS

RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS - RPPS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) = ( ) Compensação Previdenciária do RGPS para o RPPS Exercício: Período de referência: JANEIRO A AGOSTO /BIMESTRE JULHO - AGOSTO CVA: 100316063900504568 PLANO PREVIDENCIÁRIO RECEITAS 1 RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS - RPPS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) = (2+21-25)

Leia mais

Boletim de Serviços. Fevereiro de Economia de Serviços

Boletim de Serviços. Fevereiro de Economia de Serviços Boletim de Serviços Fevereiro de 17 www.economiadeservicos.com Economia de Serviços Destaques Em novembro, receita nominal do setor de serviços registrou variação positiva de 8,9% no acúmulo anual, enquanto

Leia mais

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar?

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar? FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0551 -Contabilidade e Análise de Balanços de Instituições Previdenciárias TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade

Leia mais

I - BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO

I - BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Fundo de Pensão Multinstituido por Associações do Ministério Público e da Justiça Jusprev CNPJ 09.350.840/0001-59 Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2014 e 2013 I - BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - BENEFÍCIOS OFERECIDOS O Plano de Benefícios FAF oferece os seguintes benefícios aos seus participantes, ou aos dependentes de participantes falecidos: I - quanto aos participantes: - suplementação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O AZ LEGAN BRASIL FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2017

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O AZ LEGAN BRASIL FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2017 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O AZ LEGAN BRASIL FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES 14.550.994/0001-24 Informações referentes a Maio de 2017 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Prestação de Contas Exercício 2010

Prestação de Contas Exercício 2010 Prestação de Contas Exercício 2010 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NEGÓCIO Administrar planos previdenciários e assistenciais. MISSÃO Contribuir para a qualidade de vida dos participantes

Leia mais