FALAR INGLÊS É PRECISO: ERRÂNCIAS NO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS NO ENSINO MÉDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FALAR INGLÊS É PRECISO: ERRÂNCIAS NO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS NO ENSINO MÉDIO"

Transcrição

1 FALAR INGLÊS É PRECISO: ERRÂNCIAS NO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS NO ENSINO MÉDIO PEDRO LAZARO DOS SANTOS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP). Resumo De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais um dos objetivos do ensino de Língua Estrangeira no Ensino Médio é o de formar alunos capazes de se comunicarem nessa língua, tendo como modelo o futuro profissional bi e mesmo trilíngüe. Tal objetivo não é alcançado devido a alguns fatores importantes na formação dos alunos, como: a crença dos próprios professores de que seu trabalho não é legítimo, de que o aprendizado de língua estrangeira somente se dá em escolas de idiomas e de que esse deve ser o modelo de ensino a ser adotado. Acrescente se a isso a influência da escola, da família e da mídia nesse processo, colaborando (ou não) com a construção da imagem que o aluno venha a ter de si mesmo e a conscientização dos próprios alunos que, pouco a pouco, vão compreendendo que o inglês não é um objeto mercadoria (commodity) pronto para ser adquirido e utilizado, mas algo que depende de uma aprendizagem que, na grande maioria das vezes, não ocorre. Observar até que ponto os alunos são influenciados por esses fatores na constituição de sua(s) identidade(s) é o objetivo primordial deste trabalho, além de analisar o aluno inserido num mundo globalizado e cada vez mais dependente da aprendizagem de uma segunda língua. Os procedimentos de coleta de dados envolveram os seguintes instrumentos: entrevistas com alunos e professores e notas de campo (observações em salas de aula de língua inglesa). Elementos da Análise do Discurso Materialista e da Pragmática servirão de suporte para a análise. Palavras-chave: Ensino de Inglês, Ensino Médio, Identidade Cultural. Introdução Questões relativas à qualidade de ensino do inglês como Língua Estrangeira (doravante LE) nas escolas públicas, tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio, vêm sendo tratadas em pesquisas na Lingüística Aplicada, especificamente na área de ensino e aprendizagem de Línguas Estrangeiras. A má qualidade de ensino é atribuída a diversos fatores, incluindo a crença proveniente dos próprios professores da rede pública que dizem não ser possível aprender LE na escola regular e que o ensino de inglês realizado nas escolas públicas é anormal, ilegítimo, é o ensino inapto a ensinar, que tem que aprender a fórmula de ensinar com os cursos privados conforme pesquisa já realizada (Oliveira, 1999). Sabendose que o processo de aprendizagem inclui não somente o professor, mas também o aluno, e que a interação entre ambos é o resultado do ensino proposto pelas

2 escolas (Freire, 1996), o presente artigo analisa as relações que se constituem na sala de aula de LE, concentrando-se no aluno como o principal beneficiário desse processo, e na forma como essas relações são influenciadas pela escola, pela família e pela mídia. Para verificar a influência desses fatores, estudamos os alunos participantes de um projeto de ensino de inglês em uma ONG e matriculados no ensino médio nas escolas da área metropolitana de São Paulo, de modo a identificar especialmente a influência da idéia do ensino anormal de LE na escola pública e do inglês como língua internacional e imperialista, segundo estudiosos como Phillipson (1992), Pennycook (1994) e Canagarajah (2005). O mundo globalizado e o Ensino Médio A necessidade de aprender uma LE é uma constante hoje em dia e faz parte da vida de todos os estudantes de ensino médio em decorrência da globalização, fenômeno atual caracterizado por um complexo de processos e forças de mudança que acabam deslocando as identidades culturais nacionais (Hall, 2001). O termo ainda pode ser definido com referência: [...] àqueles processos, atuantes numa escala global, que atravessam fronteiras nacionais, integrando e conectando comunidades e organizações em novas combinações de espaço-tempo, tornando o mundo, em realidade e em experiência, mais interconectado. (McGrew, 1992 apud Hall, 2001: 67). Ou seja, o deslocamento das identidades acaba transformando indivíduos em cidadãos do mundo, afetando seu espaço e o espaço do seu outro: A globalização implica um movimento de distanciamento da idéia sociológica clássica da sociedade como um sistema bem delimitado e sua substituição por uma perspectiva que se concentra na forma como a vida social está ordenada ao longo do tempo e do espaço. (Giddens, 1990 apud Hall, 2001: 67). Atualmente, o inglês é o idioma mais utilizado para essa interação entre comunidades globais, chegando a ser considerado a lingua franca da globalização.

3 No sistema público de ensino brasileiro, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (doravante PCNs), [...] a aprendizagem de Língua Inglesa é fundamental no mundo moderno, porém, essa não deve ser a única possibilidade oferecida ao aluno. (Brasil, 2000: 27). Apesar de haver uma tendência à inserção do ensino de espanhol como LE na escola pública, há um monopólio de ensino da Língua Inglesa que acaba sendo justificado, ainda segundo os PCNs, como resultado de uma busca do mercado de trabalho por profissionais que falem o idioma e que tenham concluído o ensino médio: [...] o Ensino Médio possui, entre suas funções, um compromisso com a educação para o trabalho. (Brasil, 2000: 27). A tendência da educação pública em defender essa idéia de educação para o trabalho é reflexo da economia global em nosso país, em conjunto com o aumento do número de empresas multinacionais e da necessidade de trabalhadores preparados para o mercado globalizado. No entanto, o fenômeno da internacionalização da língua inglesa pode ter efeitos negativos nas comunidades do mundo todo, principalmente pelo fato de o inglês ter os Estados Unidos como seu maior representante, e por estes serem considerados os principais agentes da globalização, uma vez que adotam uma política imperialista no mundo todo. Rajagopalan (2003, p. 59) alerta para as mudanças que estão em curso na identidade lingüística de cada um de nós como resultado da globalização e conclui que nunca na história da humanidade a identidade lingüística das pessoas esteve tão sujeita como nos dias de hoje às influências estrangeiras. Outro fenômeno que levanta alerta é o imperialismo lingüístico causado especialmente pelo inglês (Phillipson, 1992 apud Rajagopalan, 2003: 60). Outros pesquisadores interessaram-se pelas representações de identidades no contexto de ensino de inglês LE ou como segunda língua cercado pelo discurso dessa língua associado ao discurso imperialista (Canagarajah, 1999; Kumaradivelu, 2005; Phillipson, 1992), porém, muitos desses estudos foram realizados em antigas colônias britânicas que ainda vêem no inglês a língua do

4 colonizador. Tais pesquisas mostram que, nesses locais, muitos falantes se sentem divididos entre a língua original e o inglês às vezes a mais usada e transferem essa divisão para suas identidades, uma vez que se sentem outsiders tanto em sua comunidade local quanto na comunidade ocidental. Por outro lado, aqueles que deram preferência à língua local e resistiram, acabaram perdendo a oportunidade de enriquecer interações com comunidades multiculturais por não usarem o inglês(canagarajah, 1999). A situação no Brasil, contudo, é diferente. Embora em nosso país ainda figure o discurso imperialista e de representante da potência estadunidense para a língua, os brasileiros parecem ser muito mais simpáticos ao uso e difusão do inglês do que as populações das ex-colônias britânicas. O uso de anglicismos é muito mais corrente hoje em dia e, às vezes, é associado à classe social das pessoas que o usam, pois podemos observar palavras como sale e off muito mais em vitrines de lojas de roupas finas e de marcas internacionais do que em lojas de artigos nacionais e com preço mais baixo. Além disso, e atingindo as classes menos privilegiadas, encontramos a cultura hip hop estadunidense, que foi adotada pelos jovens de periferia como um estilo de vida, incluindo músicas, roupas, ornamentos como correntes e bonés, além das expressões utilizadas no dia a dia. É comum, por exemplo, as pessoas chamarem uns aos outros de brother ou apenas de bro nesse contexto. Andando pelas ruas do Brasil vemos jovens usando bonés dos New York Yankees ou dos Los Angeles Lakers, não porque são fãs de beisebol ou de basquetebol respectivamente, mas talvez porque o cantor de que eles gostam use esse adereço nas performances a que têm acesso. Nesse contexto, a análise do pensamento e do discurso do jovem de ensino médio, que está em meio à discussão sobre globalização, imperialismo cultural e exaltação da língua inglesa, em resposta ao discurso de ensino anormal de LE proveniente de seus professores, é de suma importância para a educação brasileira, para a formação de docentes de LE críticos nas escolas públicas e para a

5 Lingüística Aplicada. A escolha da escola pública como o local de pesquisa e de jovens em situação de vulnerabilidade como participantes baseia-se na idéia de que as mudanças na vida social e no mundo atual devem levar o lingüista a preocuparse com o discurso que vem de classes menos favorecidas, de países periféricos ou semiperiféricos como o nosso, pois os efeitos da mudança social, da globalização e do mundo contemporâneo invade nossas casas mais facilmente e seus efeitos são dificilmente minimizados (Boaventura Santos, 2001 apud Moita Lopes, 2008: 94). O discurso na sala de aula de LE É sabido que, no contexto da sala de aula de LE, vários são seus discursos constituintes, e tal interdiscursividade presente forma a heterogeneidade da identidade do discurso (Brandão, 1997; Orlandi, 1992). Essa heterogeneidade é mostrada através de marcas que podem ser explícitas algumas vezes, mas que noutras são invisíveis, e que não são apreendidas por uma abordagem lingüística strictu senso. A Análise de Discurso de linha francesa supre essa necessidade e busca aflorar as diferenças presentes em todo discurso, não excluindo a heterogeneidade como elemento constitutivo das práticas discursivas (Brandão, 1997: 72). A formação discursiva na interação entre professor e aluno dentro da sala de aula determina o que cada um pode dizer, uma vez que eles, como sujeitos, estão inseridos em determinadas formações ideológicas. A escolha do que é dito se dá em função de o sujeito se inscrever em uma formação discursiva e não em outra, justamente para que seu dizer tenha um sentido e não outro. Daí percebemos que o sentido das palavras não está nelas mesmas, mas derivam das formações discursivas nas quais se inscrevem (Orlandi, 1992: 43). Para essa linha de Análise de Discurso, esse é o sinal de que os sentidos são sempre determinados ideologicamente e de que a ideologia irá se materializar no discurso, e as autoras estudam o discurso como o local em que a linguagem e a ideologia se articulam e mantêm uma relação recíproca. A sala de aula irá englobar o aluno e o professor

6 como sujeitos formados ideologicamente, e o resultado dessa interação, expresso na linguagem, refletirá as formações ideológicas de ambos. Adota-se, portanto, uma abordagem discursiva de sentido e de sujeito, a qual postula que os sentidos de todo e qualquer discurso são constituídos no interdiscurso, entendido como o conjunto do dizível, o exterior de um discurso que determina o que é ideologicamente formulável em um discurso determinado (Orlandi, 1992). A ideologia é vista como o efeito da relação necessária do sujeito com a língua e com a história para que haja sentido, e o indivíduo torna-se sujeito, uma vez que é interpelado pela ideologia e inaugura, assim, a discursividade, o já dito. O efeito que produz a noção de que o sujeito é a origem do que diz está na ilusão da transparência da linguagem; no entanto, nem a linguagem, nem os sentidos e nem os sujeitos são transparentes, são processos em que a linguagem, a história e a ideologia vão acontecer concomitantemente. Para o estudo da sala de aula de LE é interessante notar os efeitos que a ideologia e a história irão despertar nos discursos de nossos participantes: nos alunos, veremos a influência da família e da escola (Althusser, 1980); nos professores, veremos a influência dos fatores históricos que ocorreram em sua carreira em geral e no ensino de LE na escola pública, além da influência de crenças. Com base nessas teorias, e na afirmação de que as relações entre professores e alunos têm como base as memórias discursivas de cada um deles, a questão a que responderemos neste trabalho é se o aluno reconhece algum problema no ensino de LE na escola pública. Então, em caso afirmativo, veremos se esse ensino defectivo foi o motivo que o levou a procurar um curso de idiomas fora da escola como um sinal de mudança de sua condição original. Análise de um caso: um curso extracurricular O presente trabalho faz parte da primeira parte do projeto de pesquisa intitulado Ensino Anormal: Ideologia, Globalização e Identidade na sala de aula de

7 língua estrangeira em São Paulo, que foi apresentado para nosso ingresso no curso de Mestrado em Lingüística Aplicada no IEL/UNICAMP em Para compor o corpus da pesquisa, estudamos um grupo específico de participantes, de maneira observacional. Desenvolvemos um trabalho voluntário de coordenadoria pedagógica em uma organização internacional e laica, sem fins lucrativos, que atua em diversos países e que desenvolve, entre outros projetos, um programa de mentoria de inglês LE gratuitamente a jovens em situação de vulnerabilidade social.[1] A mentoria é constituída de 2 módulos de 60 horas cada, denominados 1A e 1B, sendo que os jovens do módulo 1B recebem, além das aulas normais de inglês, apoio extra com material de inglês voltado ao mercado de trabalho. Esses jovens são provenientes de diversas comunidades da área metropolitana da cidade de São Paulo. A maioria dos jovens está matriculada no ensino médio em escolas públicas e faz as aulas de inglês aos sábados. Os jovens são pré-selecionados pela organização com base em sua renda familiar, idade, desempenho na escola pública e se participam em outros projetos dentro de sua comunidade. Além disso, eles são entrevistados e questionados sobre seu real interesse na mentoria de inglês, que oferece apenas 40 vagas por ano. A presença e participação dos jovens e a realização das tarefas e lições de casa são itens controlados normalmente. O material didático é composto de livro do aluno, livro de exercícios e CD-ROM e de áudio. As aulas da mentoria acontecem na sede de uma empresa multinacional estadunidense que é uma das parceiras corporativas da entidade. Escolhemos esse grupo de alunos porque procuraram um curso extracurricular de inglês ao mesmo tempo em que freqüentam as aulas da escola, o que já nos leva a acreditar que haja algo que tenha motivado a busca dos jovens em suprir suas necessidades no que diz respeito à aprendizagem de inglês. Aplicamos um questionário para esse grupo composto por 17 alunos, entre 16 e 19 anos, matriculados regularmente na mentoria oferecida pela ONG. Descartamos 05 alunos dessa turma após o recolhimento dos questionários, pois 02

8 já estavam no nível superior, 02 haviam terminado o ensino médio e não estavam estudando naquele momento e 01 estava matriculado no ensino médio técnico, porém, sem aulas de inglês. O restante dos alunos estava matriculado no ensino médio regular em escolas públicas, municipais ou estaduais. O questionário compunha-se de 14 perguntas abertas, primeiramente focando nas aulas de inglês na escola pública e no professor; depois, no contato que os alunos têm com inglês fora da escola ou da mentoria; e, por fim, pedindo sugestões para a melhoria das aulas de inglês tanto na escola quanto na mentoria. As perguntas que tiveram a nossa atenção para análise foram: Perg. 1-) Gosta da aula de inglês na escola? Por quê? Perg. 2-) Gosta do professor de inglês da escola? Por quê? Perg. 9-) Por que estudar inglês na mentoria da ONG? Perg. 12-) Por que estudar inglês na escola? Na primeira pergunta, 10 jovens responderam que gostavam das aulas e apenas 2 responderam que não gostavam. Desses dois, um disse que não gostava porque não dá para aproveitar, e o outro disse que eles não aprendem a falar, só a traduzir. Os que responderam afirmativamente deram como motivos, resumidamente, o interesse pela disciplina (4), a importância do inglês para a vida profissional (1) e o benefício de aprender outros idiomas e suas culturas (5). Vemos, pelas respostas mais freqüentes, que os alunos estão preocupados com o fato de a língua e a cultura inglesas serem importantes para suas vidas. Ora, sabemos que os jovens selecionados para esse curso de inglês estão em situação de vulnerabilidade social e que vêem na mentoria uma oportunidade de mudarem seu futuro. O fato de terem interesse na língua inglesa significa que há uma conscientização sobre o papel desse idioma na realidade social

9 brasileira contemporânea e que somente traduzir não irá suprir a necessidade que eles têm de se comunicar. No Brasil, país que tem o português como língua oficial e que não foi colonizado por países anglófonos, a necessidade citada pelos jovens justifica-se pela globalização. Essa necessidade pode ser a de conseguir comunicarse para conseguir emprego, ou apenas para manter-se conectado com o restante do mundo, através da Internet, por exemplo. Devemos pensar nesses jovens como integrantes de um mundo pós-moderno, e essa reflexão deverá ser aprofundada para a continuidade da pesquisa. Para a segunda pergunta tivemos respostas similares à primeira: 10 alunos gostam do professor e 2 não gostam. Os alunos que responderam afirmativamente concordaram que os professores são bons e que fazem a aula dinâmica e interativa. Chamaram nossa atenção as duas respostas negativas: um respondeu que não gostava do professor porque ele não sabe dar aula ; e o outro aluno disse que não gostava do professor porque é um pouco estressado e ignorante, mas é um ótimo profissional. É interessante notar que esse último aluno respondeu positivamente à pergunta anterior, ou seja, gosta da aula, mas não gosta do professor. O professor estressado com certeza será escolhido para as entrevistas e para as observações de aulas na segunda parte da pesquisa, pois o aluno adiciona que ele é um bom profissional. Nas entrevistas com ambos verificaremos o que leva esse aluno a considerar o professor um bom profissional, ou seja, se o fato de ser estressado e ignorante não tem ligação com seu profissionalismo. A segunda parte da pesquisa tratará de observar as aulas desse aluno e do professor para responder a essa questão. Para tanto, utilizaremos uma abordagem antropológica interpretativista, que afirma que as práticas sociais podem ser vistas como formas de expressão que sempre têm algo a ser dito sobre algum aspecto do ambiente social no qual se inserem (Geertz, 1989). Essa abordagem promove uma

10 pesquisa de cunho etnográfico de descrição densa, a qual leva em conta as diversas estruturas conceituais e significativas que moldam as ações humanas. Já as duas outras perguntas selecionadas foram analisadas em conjunto. A maioria dos alunos que atribuiu o fato de aprender inglês na mentoria da ONG à possibilidade de se comunicar melhor mencionou o inglês da escola como matéria obrigatória e que ensina apenas o básico. As respostas dadas à pergunta 9 se referiram sempre a conhecer outros países, a conseguir ter uma pronúncia boa, a se comunicar bem em inglês, enquanto as da pergunta 12 se referiam à imposição do inglês como disciplina do currículo escolar obrigatória, mas, ao mesmo tempo, importante. Muitos dos alunos também responderam que o inglês da mentoria reforçaria o inglês da escola, considerado muito básico. As respostas apresentadas pelos alunos nos levam a refletir sobre nossa suspeita de que o ensino defectivo na escola pública tem fundamento, justificandose pela procura dos alunos por um curso de inglês diferente do curricular. Novamente, o fato de se comunicar bem em inglês foi atribuído ao inglês do curso de idiomas e não às aulas de inglês na escola pública. Na segunda parte da pesquisa buscaremos comparar as aulas da escola pública com as do curso extracurricular, de modo a propor uma reflexão sobre a maneira como o ensino é proposto em cada um desses locais, focando em seus pontos positivos e negativos. De grande importância também é o fato de os alunos terem mencionado a obrigatoriedade do inglês na escola pública, levando-nos a refletir sobre o discurso da língua inglesa como uma imposição e como um símbolo de imperialismo lingüístico (Rajagopalan, 2003). Apesar do fato já apontado de uma recepção maior da língua inglesa pelos brasileiros, os alunos vêem o ensino da língua na escola como uma imposição e como uma obrigatoriedade. Vemos, então, a necessidade de voltarmos nosso estudo à Teoria dos Estudos Culturais (Hall, 2001; Silva, 2000; Giddens, 1991, 2002) para observar as identidades culturais dos

11 participantes e para verificar como a globalização e o imperialismo lingüístico se manifestam na sala de aula de LE, além de verificar se não há outras agendas por trás da obrigatoriedade de uma LE nos PCNs (Said, 1993 apud Rajagopalan, 2003: 58). À guisa de conclusão A busca por um curso extracurricular de inglês é o sinal de que há algo errado no ensino de inglês como LE na escola pública, de acordo com as respostas dadas ao primeiro questionário da pesquisa. Vimos pelas respostas que o inglês da escola não é suficiente para suprir as necessidades do aluno, sejam elas comunicarse com outras pessoas, usar o idioma para o trabalho ou aumentar o conhecimento sobre diferentes culturas. Os alunos buscam aprimorar-se profissional e pessoalmente, pois sabem da necessidade de ser um cidadão global no mundo atual, querem mais do que o básico que a escola pública oferece: eles buscam uma pronúncia melhor, uma comunicação mais efetiva e um reforço do que eles já sabem. A respeito dos professores, é necessária uma pesquisa focando na qualidade de ensino e em outros fatores que possam influenciar suas aulas de inglês na escola pública. Pode ser que haja algo no discurso dos professores que faça com que os alunos busquem um curso extracurricular, ou que apenas as ações dos professores durante as aulas já sejam sinal suficiente para os alunos. A pesquisa de campo interpretativista buscará responder a essas questões. Uma resposta imediata, concluída pela análise dos questionários, seria propor uma abordagem mais comunicativa nas aulas dos professores da rede pública, pois isso conseguiria suprir algumas das necessidades dos alunos. Aulas mais voltadas para a comunicação e não apenas dedicadas ao básico, que é repetido ao longo do ensino médio, encorajariam os alunos a se desenvolverem mais e a buscarem mais conhecimento a respeito da língua e da cultura inglesas,

12 pois a maioria das respostas dos questionários sobre gostar ou não do inglês foi afirmativa. O que poderia mudar seria o foco que a escola dá ao ensino de LE: não como uma obrigatoriedade, mas como algo bom e proveitoso para suas vidas profissionais e pessoais. Finalmente, para a continuidade da pesquisa, acreditamos que seja necessário reunir a análise lingüística e a teoria social, voltando-nos para o discurso com o sentido de texto e interação. As respostas guiaram nosso pensamento de modo que não poderíamos apenas considerar as dimensões ideacionais do significado e também não poderíamos deixar de contemplar as dimensões interpessoais que dizem respeito às relações e identidades sociais. Além disso, a globalização e a idéia de inglês como língua imperialista e imposta não devem deixar de serem consideradas. Esses fatores nos levaram a direcionar a pesquisa para uma abordagem mais socioteórica, para poder contemplar esses fenômenos em nossa análise, estudando mais a fundo as mudanças na(s) identidade(s) social(ais) dos jovens. Deixaremos, então, a Análise de Discurso de linha francesa, que tem seu foco no sujeito, no contexto e na ideologia, e partiremos para a Análise de Discurso Crítica, acreditando que não podemos apenas apelar ao contexto para explicar o que é dito ou o que pode ser interpretado na sala de aula (Fairclough, 2001: 73). É preciso voltar à formação discursiva e para a articulação das formações discursivas explicando, assim, a relação contexto-texto-significado. A intertextualidade que será estudada na sala de aula de LE é importante para a questão, pela visão da Análise de Discurso Crítica, da constituição dos sujeitos e da contribuição de práticas discursivas em relação às mudanças na identidade social dos alunos. Bibliografia ALTHUSSER, L. Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado. Lisboa: Ed. Presença, BRANDÃO, H. H. N. Introdução à análise do discurso. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, 2000.

13 CANAGARAJAH, A. S. Resisting Linguistic Imperialism in English Teaching. Oxford: Oxford University Press, FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Ed. da Universidade de Brasília, FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. 2ª ed. São Paulo: Edições Loyola, FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia - Saberes Necessários A Pratica Educativa. São Paulo: Paz e Terra, GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro : Livros Tecnicos e Cientificos, O saber do local: novos ensaios em antropologia interativa. Petropolis, RJ : Vozes, 2000 GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Ed. UNESP, Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., HALL, S. A identidade Cultural na Pós-Modernidade. 5ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, MOITA LOPES, L. P. Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, OLIVEIRA, Ê de. Reflexões sobre o ensino de inglês como língua estrangeira professores de inglês em curso. In: Trabalhos em Lingüística Aplicada, no. 39. Campinas: Unicamp, ORLANDI, E. P. As formas do Silêncio. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 3ª ed. Campinas, Sp: Pontes, PÊCHEUX, M. Analyse automatique du discours. Paris: Dunod, Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, Sp: Ed. da UNICAMP, PENNYCOOK, A. The cultural politics of English as an international language. London: Longman, PHILLIPSON, R. Linguistic imperialism. Oxford: Oxford Univ., 1992 RAJAGOPALAN, K. Por uma lingüística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, SILVA, T. T. da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

14 [1] A organização citada é a United Way Brasil, à qual agradeço pelo apoio dado desde a solicitação da autorização para a pesquisa.

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR Maria Célia Malheiros Knopp 1 Resumo Partindo do princípio que a indisciplina e a hiperatividade é um fato da realidade

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

GERENCIANDO O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA

GERENCIANDO O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES SIRLEI RODRIGUES CARDOSO DO PRADO VITORINO GERENCIANDO O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO DO AMBIENTE VIRTUAL ENGLISH EXERCISES TAQUARUSS/MS MARÇO DE

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA Resumo Simara Cristiane Braatz 1 - IFPR Câmpus Irati Grupo de Trabalho Formação de

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Iracema Clara Alves Luz, 3º módulo de Agronomia/UFLA, chokbool@hotmail.com; Paula Terra Duarte, 8º módulo de Agronomia/UFLA,

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira Cleide Coelho MARTINS 1, Lucielena Mendonça de LIMA 2 cleidecmartins@gmail.com INTRODUÇÃO Quando aprendemos ou ensinamos uma

Leia mais

Tradução e mercado de trabalho

Tradução e mercado de trabalho Tradução e mercado de trabalho Entrevista com Maria Franca Zucarello, presidente do Sindicato Nacional de Tradutores Angélica Karim Garcia Simão 1 Para o número sobre tradução da revista abehache, julgamos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Gráfico 2 Distribuição dos países que apresentaram trabalhos sobre Educação de Professores no Congresso Mundial de Istambul 2010

Gráfico 2 Distribuição dos países que apresentaram trabalhos sobre Educação de Professores no Congresso Mundial de Istambul 2010 Perspectivas críticas na formação e desenvolvimento de professores: trabalhos apresentados no Congresso Mundial das Sociedades de Educação Comparada WCCES Istambul 2010 Marta Luz Sisson de Castro msisson@pucrs.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 Nº Coordenadores Título do Projeto Bolsista Resumo do Projeto 1 Ana Cristina Cunha da Silva Laboratório de Pronúncia de Língua Inglesa 01 Anexo 1 2 Andrea Cristina

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais