FALAR INGLÊS É PRECISO: ERRÂNCIAS NO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS NO ENSINO MÉDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FALAR INGLÊS É PRECISO: ERRÂNCIAS NO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS NO ENSINO MÉDIO"

Transcrição

1 FALAR INGLÊS É PRECISO: ERRÂNCIAS NO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS NO ENSINO MÉDIO PEDRO LAZARO DOS SANTOS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP). Resumo De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais um dos objetivos do ensino de Língua Estrangeira no Ensino Médio é o de formar alunos capazes de se comunicarem nessa língua, tendo como modelo o futuro profissional bi e mesmo trilíngüe. Tal objetivo não é alcançado devido a alguns fatores importantes na formação dos alunos, como: a crença dos próprios professores de que seu trabalho não é legítimo, de que o aprendizado de língua estrangeira somente se dá em escolas de idiomas e de que esse deve ser o modelo de ensino a ser adotado. Acrescente se a isso a influência da escola, da família e da mídia nesse processo, colaborando (ou não) com a construção da imagem que o aluno venha a ter de si mesmo e a conscientização dos próprios alunos que, pouco a pouco, vão compreendendo que o inglês não é um objeto mercadoria (commodity) pronto para ser adquirido e utilizado, mas algo que depende de uma aprendizagem que, na grande maioria das vezes, não ocorre. Observar até que ponto os alunos são influenciados por esses fatores na constituição de sua(s) identidade(s) é o objetivo primordial deste trabalho, além de analisar o aluno inserido num mundo globalizado e cada vez mais dependente da aprendizagem de uma segunda língua. Os procedimentos de coleta de dados envolveram os seguintes instrumentos: entrevistas com alunos e professores e notas de campo (observações em salas de aula de língua inglesa). Elementos da Análise do Discurso Materialista e da Pragmática servirão de suporte para a análise. Palavras-chave: Ensino de Inglês, Ensino Médio, Identidade Cultural. Introdução Questões relativas à qualidade de ensino do inglês como Língua Estrangeira (doravante LE) nas escolas públicas, tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio, vêm sendo tratadas em pesquisas na Lingüística Aplicada, especificamente na área de ensino e aprendizagem de Línguas Estrangeiras. A má qualidade de ensino é atribuída a diversos fatores, incluindo a crença proveniente dos próprios professores da rede pública que dizem não ser possível aprender LE na escola regular e que o ensino de inglês realizado nas escolas públicas é anormal, ilegítimo, é o ensino inapto a ensinar, que tem que aprender a fórmula de ensinar com os cursos privados conforme pesquisa já realizada (Oliveira, 1999). Sabendose que o processo de aprendizagem inclui não somente o professor, mas também o aluno, e que a interação entre ambos é o resultado do ensino proposto pelas

2 escolas (Freire, 1996), o presente artigo analisa as relações que se constituem na sala de aula de LE, concentrando-se no aluno como o principal beneficiário desse processo, e na forma como essas relações são influenciadas pela escola, pela família e pela mídia. Para verificar a influência desses fatores, estudamos os alunos participantes de um projeto de ensino de inglês em uma ONG e matriculados no ensino médio nas escolas da área metropolitana de São Paulo, de modo a identificar especialmente a influência da idéia do ensino anormal de LE na escola pública e do inglês como língua internacional e imperialista, segundo estudiosos como Phillipson (1992), Pennycook (1994) e Canagarajah (2005). O mundo globalizado e o Ensino Médio A necessidade de aprender uma LE é uma constante hoje em dia e faz parte da vida de todos os estudantes de ensino médio em decorrência da globalização, fenômeno atual caracterizado por um complexo de processos e forças de mudança que acabam deslocando as identidades culturais nacionais (Hall, 2001). O termo ainda pode ser definido com referência: [...] àqueles processos, atuantes numa escala global, que atravessam fronteiras nacionais, integrando e conectando comunidades e organizações em novas combinações de espaço-tempo, tornando o mundo, em realidade e em experiência, mais interconectado. (McGrew, 1992 apud Hall, 2001: 67). Ou seja, o deslocamento das identidades acaba transformando indivíduos em cidadãos do mundo, afetando seu espaço e o espaço do seu outro: A globalização implica um movimento de distanciamento da idéia sociológica clássica da sociedade como um sistema bem delimitado e sua substituição por uma perspectiva que se concentra na forma como a vida social está ordenada ao longo do tempo e do espaço. (Giddens, 1990 apud Hall, 2001: 67). Atualmente, o inglês é o idioma mais utilizado para essa interação entre comunidades globais, chegando a ser considerado a lingua franca da globalização.

3 No sistema público de ensino brasileiro, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (doravante PCNs), [...] a aprendizagem de Língua Inglesa é fundamental no mundo moderno, porém, essa não deve ser a única possibilidade oferecida ao aluno. (Brasil, 2000: 27). Apesar de haver uma tendência à inserção do ensino de espanhol como LE na escola pública, há um monopólio de ensino da Língua Inglesa que acaba sendo justificado, ainda segundo os PCNs, como resultado de uma busca do mercado de trabalho por profissionais que falem o idioma e que tenham concluído o ensino médio: [...] o Ensino Médio possui, entre suas funções, um compromisso com a educação para o trabalho. (Brasil, 2000: 27). A tendência da educação pública em defender essa idéia de educação para o trabalho é reflexo da economia global em nosso país, em conjunto com o aumento do número de empresas multinacionais e da necessidade de trabalhadores preparados para o mercado globalizado. No entanto, o fenômeno da internacionalização da língua inglesa pode ter efeitos negativos nas comunidades do mundo todo, principalmente pelo fato de o inglês ter os Estados Unidos como seu maior representante, e por estes serem considerados os principais agentes da globalização, uma vez que adotam uma política imperialista no mundo todo. Rajagopalan (2003, p. 59) alerta para as mudanças que estão em curso na identidade lingüística de cada um de nós como resultado da globalização e conclui que nunca na história da humanidade a identidade lingüística das pessoas esteve tão sujeita como nos dias de hoje às influências estrangeiras. Outro fenômeno que levanta alerta é o imperialismo lingüístico causado especialmente pelo inglês (Phillipson, 1992 apud Rajagopalan, 2003: 60). Outros pesquisadores interessaram-se pelas representações de identidades no contexto de ensino de inglês LE ou como segunda língua cercado pelo discurso dessa língua associado ao discurso imperialista (Canagarajah, 1999; Kumaradivelu, 2005; Phillipson, 1992), porém, muitos desses estudos foram realizados em antigas colônias britânicas que ainda vêem no inglês a língua do

4 colonizador. Tais pesquisas mostram que, nesses locais, muitos falantes se sentem divididos entre a língua original e o inglês às vezes a mais usada e transferem essa divisão para suas identidades, uma vez que se sentem outsiders tanto em sua comunidade local quanto na comunidade ocidental. Por outro lado, aqueles que deram preferência à língua local e resistiram, acabaram perdendo a oportunidade de enriquecer interações com comunidades multiculturais por não usarem o inglês(canagarajah, 1999). A situação no Brasil, contudo, é diferente. Embora em nosso país ainda figure o discurso imperialista e de representante da potência estadunidense para a língua, os brasileiros parecem ser muito mais simpáticos ao uso e difusão do inglês do que as populações das ex-colônias britânicas. O uso de anglicismos é muito mais corrente hoje em dia e, às vezes, é associado à classe social das pessoas que o usam, pois podemos observar palavras como sale e off muito mais em vitrines de lojas de roupas finas e de marcas internacionais do que em lojas de artigos nacionais e com preço mais baixo. Além disso, e atingindo as classes menos privilegiadas, encontramos a cultura hip hop estadunidense, que foi adotada pelos jovens de periferia como um estilo de vida, incluindo músicas, roupas, ornamentos como correntes e bonés, além das expressões utilizadas no dia a dia. É comum, por exemplo, as pessoas chamarem uns aos outros de brother ou apenas de bro nesse contexto. Andando pelas ruas do Brasil vemos jovens usando bonés dos New York Yankees ou dos Los Angeles Lakers, não porque são fãs de beisebol ou de basquetebol respectivamente, mas talvez porque o cantor de que eles gostam use esse adereço nas performances a que têm acesso. Nesse contexto, a análise do pensamento e do discurso do jovem de ensino médio, que está em meio à discussão sobre globalização, imperialismo cultural e exaltação da língua inglesa, em resposta ao discurso de ensino anormal de LE proveniente de seus professores, é de suma importância para a educação brasileira, para a formação de docentes de LE críticos nas escolas públicas e para a

5 Lingüística Aplicada. A escolha da escola pública como o local de pesquisa e de jovens em situação de vulnerabilidade como participantes baseia-se na idéia de que as mudanças na vida social e no mundo atual devem levar o lingüista a preocuparse com o discurso que vem de classes menos favorecidas, de países periféricos ou semiperiféricos como o nosso, pois os efeitos da mudança social, da globalização e do mundo contemporâneo invade nossas casas mais facilmente e seus efeitos são dificilmente minimizados (Boaventura Santos, 2001 apud Moita Lopes, 2008: 94). O discurso na sala de aula de LE É sabido que, no contexto da sala de aula de LE, vários são seus discursos constituintes, e tal interdiscursividade presente forma a heterogeneidade da identidade do discurso (Brandão, 1997; Orlandi, 1992). Essa heterogeneidade é mostrada através de marcas que podem ser explícitas algumas vezes, mas que noutras são invisíveis, e que não são apreendidas por uma abordagem lingüística strictu senso. A Análise de Discurso de linha francesa supre essa necessidade e busca aflorar as diferenças presentes em todo discurso, não excluindo a heterogeneidade como elemento constitutivo das práticas discursivas (Brandão, 1997: 72). A formação discursiva na interação entre professor e aluno dentro da sala de aula determina o que cada um pode dizer, uma vez que eles, como sujeitos, estão inseridos em determinadas formações ideológicas. A escolha do que é dito se dá em função de o sujeito se inscrever em uma formação discursiva e não em outra, justamente para que seu dizer tenha um sentido e não outro. Daí percebemos que o sentido das palavras não está nelas mesmas, mas derivam das formações discursivas nas quais se inscrevem (Orlandi, 1992: 43). Para essa linha de Análise de Discurso, esse é o sinal de que os sentidos são sempre determinados ideologicamente e de que a ideologia irá se materializar no discurso, e as autoras estudam o discurso como o local em que a linguagem e a ideologia se articulam e mantêm uma relação recíproca. A sala de aula irá englobar o aluno e o professor

6 como sujeitos formados ideologicamente, e o resultado dessa interação, expresso na linguagem, refletirá as formações ideológicas de ambos. Adota-se, portanto, uma abordagem discursiva de sentido e de sujeito, a qual postula que os sentidos de todo e qualquer discurso são constituídos no interdiscurso, entendido como o conjunto do dizível, o exterior de um discurso que determina o que é ideologicamente formulável em um discurso determinado (Orlandi, 1992). A ideologia é vista como o efeito da relação necessária do sujeito com a língua e com a história para que haja sentido, e o indivíduo torna-se sujeito, uma vez que é interpelado pela ideologia e inaugura, assim, a discursividade, o já dito. O efeito que produz a noção de que o sujeito é a origem do que diz está na ilusão da transparência da linguagem; no entanto, nem a linguagem, nem os sentidos e nem os sujeitos são transparentes, são processos em que a linguagem, a história e a ideologia vão acontecer concomitantemente. Para o estudo da sala de aula de LE é interessante notar os efeitos que a ideologia e a história irão despertar nos discursos de nossos participantes: nos alunos, veremos a influência da família e da escola (Althusser, 1980); nos professores, veremos a influência dos fatores históricos que ocorreram em sua carreira em geral e no ensino de LE na escola pública, além da influência de crenças. Com base nessas teorias, e na afirmação de que as relações entre professores e alunos têm como base as memórias discursivas de cada um deles, a questão a que responderemos neste trabalho é se o aluno reconhece algum problema no ensino de LE na escola pública. Então, em caso afirmativo, veremos se esse ensino defectivo foi o motivo que o levou a procurar um curso de idiomas fora da escola como um sinal de mudança de sua condição original. Análise de um caso: um curso extracurricular O presente trabalho faz parte da primeira parte do projeto de pesquisa intitulado Ensino Anormal: Ideologia, Globalização e Identidade na sala de aula de

7 língua estrangeira em São Paulo, que foi apresentado para nosso ingresso no curso de Mestrado em Lingüística Aplicada no IEL/UNICAMP em Para compor o corpus da pesquisa, estudamos um grupo específico de participantes, de maneira observacional. Desenvolvemos um trabalho voluntário de coordenadoria pedagógica em uma organização internacional e laica, sem fins lucrativos, que atua em diversos países e que desenvolve, entre outros projetos, um programa de mentoria de inglês LE gratuitamente a jovens em situação de vulnerabilidade social.[1] A mentoria é constituída de 2 módulos de 60 horas cada, denominados 1A e 1B, sendo que os jovens do módulo 1B recebem, além das aulas normais de inglês, apoio extra com material de inglês voltado ao mercado de trabalho. Esses jovens são provenientes de diversas comunidades da área metropolitana da cidade de São Paulo. A maioria dos jovens está matriculada no ensino médio em escolas públicas e faz as aulas de inglês aos sábados. Os jovens são pré-selecionados pela organização com base em sua renda familiar, idade, desempenho na escola pública e se participam em outros projetos dentro de sua comunidade. Além disso, eles são entrevistados e questionados sobre seu real interesse na mentoria de inglês, que oferece apenas 40 vagas por ano. A presença e participação dos jovens e a realização das tarefas e lições de casa são itens controlados normalmente. O material didático é composto de livro do aluno, livro de exercícios e CD-ROM e de áudio. As aulas da mentoria acontecem na sede de uma empresa multinacional estadunidense que é uma das parceiras corporativas da entidade. Escolhemos esse grupo de alunos porque procuraram um curso extracurricular de inglês ao mesmo tempo em que freqüentam as aulas da escola, o que já nos leva a acreditar que haja algo que tenha motivado a busca dos jovens em suprir suas necessidades no que diz respeito à aprendizagem de inglês. Aplicamos um questionário para esse grupo composto por 17 alunos, entre 16 e 19 anos, matriculados regularmente na mentoria oferecida pela ONG. Descartamos 05 alunos dessa turma após o recolhimento dos questionários, pois 02

8 já estavam no nível superior, 02 haviam terminado o ensino médio e não estavam estudando naquele momento e 01 estava matriculado no ensino médio técnico, porém, sem aulas de inglês. O restante dos alunos estava matriculado no ensino médio regular em escolas públicas, municipais ou estaduais. O questionário compunha-se de 14 perguntas abertas, primeiramente focando nas aulas de inglês na escola pública e no professor; depois, no contato que os alunos têm com inglês fora da escola ou da mentoria; e, por fim, pedindo sugestões para a melhoria das aulas de inglês tanto na escola quanto na mentoria. As perguntas que tiveram a nossa atenção para análise foram: Perg. 1-) Gosta da aula de inglês na escola? Por quê? Perg. 2-) Gosta do professor de inglês da escola? Por quê? Perg. 9-) Por que estudar inglês na mentoria da ONG? Perg. 12-) Por que estudar inglês na escola? Na primeira pergunta, 10 jovens responderam que gostavam das aulas e apenas 2 responderam que não gostavam. Desses dois, um disse que não gostava porque não dá para aproveitar, e o outro disse que eles não aprendem a falar, só a traduzir. Os que responderam afirmativamente deram como motivos, resumidamente, o interesse pela disciplina (4), a importância do inglês para a vida profissional (1) e o benefício de aprender outros idiomas e suas culturas (5). Vemos, pelas respostas mais freqüentes, que os alunos estão preocupados com o fato de a língua e a cultura inglesas serem importantes para suas vidas. Ora, sabemos que os jovens selecionados para esse curso de inglês estão em situação de vulnerabilidade social e que vêem na mentoria uma oportunidade de mudarem seu futuro. O fato de terem interesse na língua inglesa significa que há uma conscientização sobre o papel desse idioma na realidade social

9 brasileira contemporânea e que somente traduzir não irá suprir a necessidade que eles têm de se comunicar. No Brasil, país que tem o português como língua oficial e que não foi colonizado por países anglófonos, a necessidade citada pelos jovens justifica-se pela globalização. Essa necessidade pode ser a de conseguir comunicarse para conseguir emprego, ou apenas para manter-se conectado com o restante do mundo, através da Internet, por exemplo. Devemos pensar nesses jovens como integrantes de um mundo pós-moderno, e essa reflexão deverá ser aprofundada para a continuidade da pesquisa. Para a segunda pergunta tivemos respostas similares à primeira: 10 alunos gostam do professor e 2 não gostam. Os alunos que responderam afirmativamente concordaram que os professores são bons e que fazem a aula dinâmica e interativa. Chamaram nossa atenção as duas respostas negativas: um respondeu que não gostava do professor porque ele não sabe dar aula ; e o outro aluno disse que não gostava do professor porque é um pouco estressado e ignorante, mas é um ótimo profissional. É interessante notar que esse último aluno respondeu positivamente à pergunta anterior, ou seja, gosta da aula, mas não gosta do professor. O professor estressado com certeza será escolhido para as entrevistas e para as observações de aulas na segunda parte da pesquisa, pois o aluno adiciona que ele é um bom profissional. Nas entrevistas com ambos verificaremos o que leva esse aluno a considerar o professor um bom profissional, ou seja, se o fato de ser estressado e ignorante não tem ligação com seu profissionalismo. A segunda parte da pesquisa tratará de observar as aulas desse aluno e do professor para responder a essa questão. Para tanto, utilizaremos uma abordagem antropológica interpretativista, que afirma que as práticas sociais podem ser vistas como formas de expressão que sempre têm algo a ser dito sobre algum aspecto do ambiente social no qual se inserem (Geertz, 1989). Essa abordagem promove uma

10 pesquisa de cunho etnográfico de descrição densa, a qual leva em conta as diversas estruturas conceituais e significativas que moldam as ações humanas. Já as duas outras perguntas selecionadas foram analisadas em conjunto. A maioria dos alunos que atribuiu o fato de aprender inglês na mentoria da ONG à possibilidade de se comunicar melhor mencionou o inglês da escola como matéria obrigatória e que ensina apenas o básico. As respostas dadas à pergunta 9 se referiram sempre a conhecer outros países, a conseguir ter uma pronúncia boa, a se comunicar bem em inglês, enquanto as da pergunta 12 se referiam à imposição do inglês como disciplina do currículo escolar obrigatória, mas, ao mesmo tempo, importante. Muitos dos alunos também responderam que o inglês da mentoria reforçaria o inglês da escola, considerado muito básico. As respostas apresentadas pelos alunos nos levam a refletir sobre nossa suspeita de que o ensino defectivo na escola pública tem fundamento, justificandose pela procura dos alunos por um curso de inglês diferente do curricular. Novamente, o fato de se comunicar bem em inglês foi atribuído ao inglês do curso de idiomas e não às aulas de inglês na escola pública. Na segunda parte da pesquisa buscaremos comparar as aulas da escola pública com as do curso extracurricular, de modo a propor uma reflexão sobre a maneira como o ensino é proposto em cada um desses locais, focando em seus pontos positivos e negativos. De grande importância também é o fato de os alunos terem mencionado a obrigatoriedade do inglês na escola pública, levando-nos a refletir sobre o discurso da língua inglesa como uma imposição e como um símbolo de imperialismo lingüístico (Rajagopalan, 2003). Apesar do fato já apontado de uma recepção maior da língua inglesa pelos brasileiros, os alunos vêem o ensino da língua na escola como uma imposição e como uma obrigatoriedade. Vemos, então, a necessidade de voltarmos nosso estudo à Teoria dos Estudos Culturais (Hall, 2001; Silva, 2000; Giddens, 1991, 2002) para observar as identidades culturais dos

11 participantes e para verificar como a globalização e o imperialismo lingüístico se manifestam na sala de aula de LE, além de verificar se não há outras agendas por trás da obrigatoriedade de uma LE nos PCNs (Said, 1993 apud Rajagopalan, 2003: 58). À guisa de conclusão A busca por um curso extracurricular de inglês é o sinal de que há algo errado no ensino de inglês como LE na escola pública, de acordo com as respostas dadas ao primeiro questionário da pesquisa. Vimos pelas respostas que o inglês da escola não é suficiente para suprir as necessidades do aluno, sejam elas comunicarse com outras pessoas, usar o idioma para o trabalho ou aumentar o conhecimento sobre diferentes culturas. Os alunos buscam aprimorar-se profissional e pessoalmente, pois sabem da necessidade de ser um cidadão global no mundo atual, querem mais do que o básico que a escola pública oferece: eles buscam uma pronúncia melhor, uma comunicação mais efetiva e um reforço do que eles já sabem. A respeito dos professores, é necessária uma pesquisa focando na qualidade de ensino e em outros fatores que possam influenciar suas aulas de inglês na escola pública. Pode ser que haja algo no discurso dos professores que faça com que os alunos busquem um curso extracurricular, ou que apenas as ações dos professores durante as aulas já sejam sinal suficiente para os alunos. A pesquisa de campo interpretativista buscará responder a essas questões. Uma resposta imediata, concluída pela análise dos questionários, seria propor uma abordagem mais comunicativa nas aulas dos professores da rede pública, pois isso conseguiria suprir algumas das necessidades dos alunos. Aulas mais voltadas para a comunicação e não apenas dedicadas ao básico, que é repetido ao longo do ensino médio, encorajariam os alunos a se desenvolverem mais e a buscarem mais conhecimento a respeito da língua e da cultura inglesas,

12 pois a maioria das respostas dos questionários sobre gostar ou não do inglês foi afirmativa. O que poderia mudar seria o foco que a escola dá ao ensino de LE: não como uma obrigatoriedade, mas como algo bom e proveitoso para suas vidas profissionais e pessoais. Finalmente, para a continuidade da pesquisa, acreditamos que seja necessário reunir a análise lingüística e a teoria social, voltando-nos para o discurso com o sentido de texto e interação. As respostas guiaram nosso pensamento de modo que não poderíamos apenas considerar as dimensões ideacionais do significado e também não poderíamos deixar de contemplar as dimensões interpessoais que dizem respeito às relações e identidades sociais. Além disso, a globalização e a idéia de inglês como língua imperialista e imposta não devem deixar de serem consideradas. Esses fatores nos levaram a direcionar a pesquisa para uma abordagem mais socioteórica, para poder contemplar esses fenômenos em nossa análise, estudando mais a fundo as mudanças na(s) identidade(s) social(ais) dos jovens. Deixaremos, então, a Análise de Discurso de linha francesa, que tem seu foco no sujeito, no contexto e na ideologia, e partiremos para a Análise de Discurso Crítica, acreditando que não podemos apenas apelar ao contexto para explicar o que é dito ou o que pode ser interpretado na sala de aula (Fairclough, 2001: 73). É preciso voltar à formação discursiva e para a articulação das formações discursivas explicando, assim, a relação contexto-texto-significado. A intertextualidade que será estudada na sala de aula de LE é importante para a questão, pela visão da Análise de Discurso Crítica, da constituição dos sujeitos e da contribuição de práticas discursivas em relação às mudanças na identidade social dos alunos. Bibliografia ALTHUSSER, L. Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado. Lisboa: Ed. Presença, BRANDÃO, H. H. N. Introdução à análise do discurso. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, 2000.

13 CANAGARAJAH, A. S. Resisting Linguistic Imperialism in English Teaching. Oxford: Oxford University Press, FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Ed. da Universidade de Brasília, FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. 2ª ed. São Paulo: Edições Loyola, FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia - Saberes Necessários A Pratica Educativa. São Paulo: Paz e Terra, GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro : Livros Tecnicos e Cientificos, O saber do local: novos ensaios em antropologia interativa. Petropolis, RJ : Vozes, 2000 GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Ed. UNESP, Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., HALL, S. A identidade Cultural na Pós-Modernidade. 5ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, MOITA LOPES, L. P. Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, OLIVEIRA, Ê de. Reflexões sobre o ensino de inglês como língua estrangeira professores de inglês em curso. In: Trabalhos em Lingüística Aplicada, no. 39. Campinas: Unicamp, ORLANDI, E. P. As formas do Silêncio. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 3ª ed. Campinas, Sp: Pontes, PÊCHEUX, M. Analyse automatique du discours. Paris: Dunod, Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, Sp: Ed. da UNICAMP, PENNYCOOK, A. The cultural politics of English as an international language. London: Longman, PHILLIPSON, R. Linguistic imperialism. Oxford: Oxford Univ., 1992 RAJAGOPALAN, K. Por uma lingüística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, SILVA, T. T. da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

14 [1] A organização citada é a United Way Brasil, à qual agradeço pelo apoio dado desde a solicitação da autorização para a pesquisa.

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi Curso de Letras Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Arte

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 Nº Coordenadores Título do Projeto Bolsista Resumo do Projeto 1 Ana Cristina Cunha da Silva Laboratório de Pronúncia de Língua Inglesa 01 Anexo 1 2 Andrea Cristina

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS ANA RACHEL CARVALHO LEÃO Faculdade de Letras/Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos, 6627 312070-901 Belo Horizonte

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE)

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) 1 Resumo: Este trabalho refere-se a um projeto de pesquisa na área de Linguística Aplicada

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Élida Cristina de Carvalho Castilho 1 INTRODUÇÃO Indubitavelmente, questões sociais e econômicas sempre

Leia mais

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR Maria Célia Malheiros Knopp 1 Resumo Partindo do princípio que a indisciplina e a hiperatividade é um fato da realidade

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA Resumo Simara Cristiane Braatz 1 - IFPR Câmpus Irati Grupo de Trabalho Formação de

Leia mais

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO?

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Cristiane Vieira Falcão Maria Glayce Kelly Oliveira

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações)

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) Este texto é produto das reflexões acerca da construção das identidades a partir

Leia mais

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 Leanna Evanesa ROSA Rosane Rocha PESSOA Faculdade de Letras - UFG leannarosa@yahoo.com.br Palavras-chave: língua;

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS. (certificado pelo CNPq e pela UEMS)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS. (certificado pelo CNPq e pela UEMS) UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS (certificado pelo CNPq e pela UEMS) ATIVIDADES 2009 - Projeto de Evento Segundo Semestre II Encontro

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Língua Inglesa E-Tec Idiomas Sem Fronteiras - Inglês A2

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Língua Inglesa E-Tec Idiomas Sem Fronteiras - Inglês A2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA PROPOSTA DE ENSINO Camila Rodrigues da Silva (UFT) Kmila-rodriguess@hotmail.com Luiz Roberto Peel Furtado de Oliveira (UFT) luizpeel@mail.uft.edu.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ARTIGO FINAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL - PDE

APRESENTAÇÃO DO ARTIGO FINAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL - PDE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS APRESENTAÇÃO DO ARTIGO FINAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL - PDE O Artigo Final deverá

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM DE LINGUA INGLESA: Uma nova ordem do discurso

ENSINO-APRENDIZAGEM DE LINGUA INGLESA: Uma nova ordem do discurso 517 ENSINO-APRENDIZAGEM DE LINGUA INGLESA: Uma nova ordem do discurso Tatiana Silvia Andrade dos Santos 1 UNITAU RESUMO. A necessidade de se aprender inglês para o mercado de trabalho já faz parte da memória

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Disciplina: LINGUAGEM, DISCURSO E INSTITUIÇÕES DO SISTEMA Regente: Profa. Dra. Mônica da Silva Cruz Carga horária: 60h Número de créditos: 04 Semestre letivo: 2013.1 Datas: terças-feiras, das 14h30min

Leia mais

UNOESTE Universidade do Oeste Paulista, FACLEPP Faculdade de Ciências, Letras e Educação de Presidente Prudente. E MAIL: cintiacf@unoeste.

UNOESTE Universidade do Oeste Paulista, FACLEPP Faculdade de Ciências, Letras e Educação de Presidente Prudente. E MAIL: cintiacf@unoeste. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1162 INGLÊS INSTRUMENTAL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES AUTÔNOMOS Cintia Camargo Furquim Caseiro UNOESTE Universidade

Leia mais

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL, Thais Nogueira UFMG - thaisgil@terra.com.br- GT: Trabalho e Educação/ 09 Agência Financiadora: FUNADESP Este texto apresenta

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR E INDISCIPLINA

FORMAÇÃO DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR E INDISCIPLINA FORMAÇÃO DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR E INDISCIPLINA CAVALHEIRO, Roberto PUC/PR r_cavalheiro@hotmail.com SIMON, Ingrid FADEP ingridsimon02@hotmail.com Eixo Temático: Formação de Professores e Profissionalização

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

GERENCIANDO O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA

GERENCIANDO O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES SIRLEI RODRIGUES CARDOSO DO PRADO VITORINO GERENCIANDO O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO DO AMBIENTE VIRTUAL ENGLISH EXERCISES TAQUARUSS/MS MARÇO DE

Leia mais

Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010

Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 Buscando Entender Ideologias e Conceitos Construídos no Ensinar/Aprender por Professores de LI em uma Escola de Línguas: para Além dos Muros da Universidade. Mestrando: Ricardo Wobeto Orientadora: Dra.

Leia mais

OBSERVAÇÃO DAS ATIVIDADES DO/A PEDAGOGO/A: NO ESPAÇO EDUCATIVO NÃO FORMAIS: AVALIAÇÃO REALIZADA NA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO

OBSERVAÇÃO DAS ATIVIDADES DO/A PEDAGOGO/A: NO ESPAÇO EDUCATIVO NÃO FORMAIS: AVALIAÇÃO REALIZADA NA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO OBSERVAÇÃO DAS ATIVIDADES DO/A PEDAGOGO/A: NO ESPAÇO EDUCATIVO NÃO FORMAIS: AVALIAÇÃO REALIZADA NA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO Patrícia Rachel Fernandes Costa 1, Lia De Abreu Borges Carminhola 2, Daniela

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rafaela Alves Melo RESUMO O presente projeto buscou investigar a presença de temas que envolvem questões ambientais

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA 1 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA Ms. Rafael Ângelo Bunhi Pinto UNISO - Universidade de Sorocaba/São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Campo Grande 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para

Leia mais

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO *

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * 1 SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * Denise Franciane Manfré Cordeiro Garcia (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA

O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA BRUTTI, Elizane Aparecida 1 CONTRI, Andréia Mainardi 2 ZAMBERLAN, Eliane Luiza 3 Resumo do trabalho: Considerando a importância

Leia mais

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN)

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN) AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID-ESPANHOL PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA EM DUAS ESCOLAS DA CIDADE DE PAU DOS FERROS-RN Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Língua Portuguesa para estrangeiros Nível básico - A2

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Língua Portuguesa para estrangeiros Nível básico - A2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

O TRADUTOR E SUA PROFISSÃO: EMBATES IDEOLÓGICO-DISCURSIVOS EM EDITAIS PÚBLICOS

O TRADUTOR E SUA PROFISSÃO: EMBATES IDEOLÓGICO-DISCURSIVOS EM EDITAIS PÚBLICOS O TRADUTOR E SUA PROFISSÃO: EMBATES IDEOLÓGICO-DISCURSIVOS EM EDITAIS PÚBLICOS Giovana Cordeiro Campos de MELLO (UFRJ) Introdução Este trabalho faz parte de uma pesquisa iniciada em 2012 e desenvolvida

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO IMAGINÁRIO SOBRE A LÍNGUA INGLESA

A CONSTITUIÇÃO DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO IMAGINÁRIO SOBRE A LÍNGUA INGLESA Página266 A CONSTITUIÇÃO DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO IMAGINÁRIO SOBRE A LÍNGUA INGLESA Pauliana Duarte Oliveira 1 RESUMO Neste trabalho, analisamos dizeres de aprendizes de inglês do Ensino Fundamental

Leia mais

A QUESTÃO INTERCULTURAL NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA: DESENVOLVENDO A SENSIBILIDADE INTERCULTURAL

A QUESTÃO INTERCULTURAL NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA: DESENVOLVENDO A SENSIBILIDADE INTERCULTURAL A QUESTÃO INTERCULTURAL NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA: DESENVOLVENDO A SENSIBILIDADE INTERCULTURAL Daniel de Lima Goulart 1 Neuda Alves do Lago 2 Maria Cristina Faria Dalacorte Ferreira

Leia mais

DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins

DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins INTRODUÇÃO A permanente a preocupação com a formação docente e a falta de prática em sala de aula, que não conduz

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

ACENSA IDIOMAS. Início das aulas 04 de março.

ACENSA IDIOMAS. Início das aulas 04 de março. ACENSA IDIOMAS Início das aulas 04 de março. AS AULAS - Apoiados em material de última geração, com livros e Cds produzidos Inglaterra, as aulas são dinâmicas, explorando farto material visual, para fixar

Leia mais

Faculdade CNEC Gravataí (Facensa) IDIOMAS. Inscrições Abertas! Você pronto para dialogar com o mundo.

Faculdade CNEC Gravataí (Facensa) IDIOMAS. Inscrições Abertas! Você pronto para dialogar com o mundo. Faculdade CNEC Gravataí (Facensa) IDIOMAS Inscrições Abertas! Você pronto para Os Diferenciais - O estudante aprende a Língua Inglesa em turmas reduzidas e ainda pode continuar praticando depois das aulas

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo do processo de aquisição/ aprendizagem de uma segunda língua/ língua estrangeira, métodos e técnicas para o ensino, especialmente da habilidade de leitura. Análise de recursos didáticos.

Leia mais

GÊNERO TEXTUAL- USO DAS VARÍAVEIS DE TRADUÇÕES MUSICAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA.

GÊNERO TEXTUAL- USO DAS VARÍAVEIS DE TRADUÇÕES MUSICAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA. GÊNERO TEXTUAL- USO DAS VARÍAVEIS DE TRADUÇÕES MUSICAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA. Izadora Cabral de Cerqueira* Jean Marcelo Barbosa de Oliveira** Universidade Estadual de Alagoas/UNEAL RESUMO Esse trabalho

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO: qual é o movimento do acadêmico?

PROJETO DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO: qual é o movimento do acadêmico? PROJETO DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO: qual é o movimento do acadêmico? Área Temática: Educação Denise Puglia Zanon 1 Kelly Cristina Ducatti-Silva 2 Palavras-chave: Formação de Professores, Docência,

Leia mais

HABILIDADES DE LEITURA

HABILIDADES DE LEITURA HABILIDADES DE LEITURA QUESTÃO 1 Os PCNs Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa prescrevem como se deve organizar o ensino de Língua Portuguesa. Assinale a alternativa cuja afirmação está

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO NÍVEL MÉDIO SOBRE O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO NÍVEL MÉDIO SOBRE O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO NÍVEL MÉDIO SOBRE O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS Larisse Carvalho Oliveira; Tiago Alves Nunes; Jorge Luis Queiroz Carvalho. Universidade Federal do Ceará larisse_carvalhodeoliveira@hotmail.com

Leia mais

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS Petrilson Alan Pinheiro (petrilsonpinheiro@yahoo.com.br petripinheiro@yahoo.com) RESUMO O grande interesse por questões acerca das

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES

O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES Atualmente pode-se afirmar que a Língua Espanhola é a segunda língua mais importante do território nacional se considerarmos

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA Maria do Socorro Silva RESUMO: O artigo aqui presente trata-se de uma pesquisa realizada em turmas de 9º ano, de duas escolas de rede publica

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais