3ª ETAPA Aspectos urbanísticos e participação comunitária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3ª ETAPA Aspectos urbanísticos e participação comunitária"

Transcrição

1 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE NOVA LIMA - MG 3ª ETAPA Aspectos urbanísticos e participação comunitária Fevereiro de 2007

2 ÍNDICE 1. Introdução Análise urbanística 2.1 Alvorada Nossa Senhora de Fátima Ocupação às margens de taludes de vias Parque Aurilândia Santa Rita e Honório Bicalho Participação comunitária Ações desenvolvidas 3.1 Reunião Inicial Registro Fotográfico Reuniões Setoriais Registro Fotográfico Equipe Executiva... 2

3 1. INTRODUÇÃO No aspecto urbanístico o Plano de Redução de Risco de Nova Lima busca analisar as intervenções necessárias para sanar problemas de contenção, drenagem, revegetação, retaludamento relacionadas às possíveis interferências no espaço urbano incluindo aspectos de diversas ordens como as questões de infra-estrutura e sistema viário: fluxos, ligações, transportes, bem como, parcelamento, ocupação do solo e questões fundiárias, além do potencial de consolidação das áreas estudadas frente aos problemas decorrentes de terrenos inadequados. Os pontos de risco, conforme verificado, existem por todo o município. Em maioria os casos estão ligados à ocupação de encostas de alta declividade ou da margem do Rio das Velhas. A existência de relação mais direta com aspectos urbanísticos ocorre em casos onde acontece a interrupção do sistema viário ou a ocupação de áreas impróprias para edificação, com reflexos no seu contexto urbano gerando conseqüências não somente para os ocupantes, mas para toda uma área da cidade. Como o município é encravado em um vale com encostas inclinadas e profundas, a ocupação destas áreas gera a necessidade de alternativas de implantação ora de cortes ora de aterros e muito constantemente dos anteriores em conjunto associados a estruturas suspensas tipo paliteiros. Diante do crescimento da cidade e da ocupação territorial inadequada, em vários pontos do município nas áreas de baixa renda, principalmente, a situação é grave, pois se torna crítica com o adensamento e a falta de cuidado com a conformação do solo modificado para a edificação. Pontos destacados: Alguns pontos se destacam como áreas com necessidade de intervenção urbanística integrada à solução ou redução do risco, são eles: 1) Erosão na rua 01 no bairro Alvorada; 2) Invasões no topo do morro e ocupações de talvegues no bairro N. Sra. de Fátima; 3

4 3) Ocupações de encostas às margens de vias. 4) pontos de alta declividade no bairro Parque Aurilandia. 5) Ocupações ao longo das margens do Rio das velhas em Honório Bicalho e Santa Rita. 2. ANÁLISE URBANÍSTICA 2.1.ALVORADA A erosão no bairro Alvorada interrompeu a rua 1. Esta via além de servir de acesso para várias edificações é importante por possibilitar alternativa na ligação entre a parte alta do bairro com os setores inferiores.além de trazer aos bairros da região possibilidade de acesso vindo da Av.José Bernardo de Barros. De imediato com a intervenção da rua 1 e o restabelecimento de seu tráfego cerca de 12 moradias serão beneficiadas e mais 50 outras da região obterão alguma vantagem. A intervenção sugerida é de recomposição da rua com contenção lateral e o tratamento da área que possui vegetação de médio a grande porte em continuidade com o parque já existente. Mapa 1-Alvorada. 4

5 Foto 1-Área onde houve a erosão e a tomada do sistema viário por vegetação.foi construída via de pedestres com guarda corpo lateral. Foto 2-Vista da área do parque a partir da rua 1. 5

6 Foto 3 Trecho superior da rua 1, transitável por veículos. Foto 4- Trecho da passagem de pedestres com guarda corpo na rua 1. 6

7 Foto 5-Trecho inferior da rua 1 com acesso veicular. MONITORAMENTO No caso de áreas verdes urbanas com setores de alta declividade onde acontecem erosões a primeira providencia básica é entender a origem do fenômeno e a busca por sanar a sua causa.como já foi anotado no relatório anteriormente é necessário de proteger os taludes e cuidar da drenagem urbana que com a crescente impermeabilização do solo vem ganhando volume e velocidade em alguns casos devastadoras.no caso acima temos que cuidar dos taludes, contenções e monitorar constantemente a capacidade e performance da drenagem no local. Caso alguma linha natural de drenagem esteja sendo interrompida por edificação esta deverá sofrer estudo específico para que ou seja removida ou dada solução adequada. Devemos observar também os espécimes vegetais que povoam a encosta, bananeiras e outras espécies são muito prejudiciais a estabilização do solo, que devem sr substituídas por gramíneas como bambus. Os instrumentos de gestão urbana atuais permitem facilmente gerir a cidade com foco social e ambiental NOSSA SENHORA DE FÁTIMA O bairro Nossa Senhora de Fátima está localizado na região sul do Município de Nova Lima, sua ocupação geral é feita por edificações de baixo a médio padrão. A densidade do 7

8 bairro é relativamente baixa, porém tende a ser uma área problemática. Como tem topografia com altas declividades as edificações ou utilizam cortes no terreno ou pilotis para locar a edificação no nível da rua. As vias estão em sua maioria pavimentadas o que ameniza muito os problemas em relação ao sistema viário e drenagem. No alto do bairro existe uma área do município invadida com edificações, algumas de melhor padrão e outras com muito baixo padrão com dificuldade de acessibilidade e a inexistência infraestrutura geral. Esta área deve ser objeto de um plano urbanístico com a intervenção ampla em todos os aspectos seja na questão de infraestrutura, social e de regularização fundiária, onde for possível a consolidação. Nesse caso, o plano prevê a remoção total das famílias e demolição das edificações da parte alta onde a declividade acentuada predomina e a consolidação viria induzir mais ocupações e gerar problemas mais graves no futuro. Desta forma será necessária a obtenção de terreno, em área próxima, para reassentamento das famílias que serão removidas inevitavelmente.o número de famílias na ocupação, indicadas como afetadas por esta forma inadequada de ocupação é de aproximadamente 30. Outros pontos que merecem cuidado neste bairro são os localizados em linha de talvegue. Como já existe o histórico de invasões no bairro as áreas que no parcelamento do loteamento seriam desocupadas(áreas verdes)devem ser tratadas. Caso não sofram tratamento com cercamento e fiscalização, correm risco de invasão, devido à interrupção de importante fluxo de drenagem. Um problema que vem se agravando no bairro é o chamado buraco do Paulo, trata-se de área de talvegue com alta declividade, cuja erosão em evolução deve ser tratada com recomposição da estabilidade das encostas. Destaca-se que os platôs resultantes podem permitir em alguns pontos a permanência e atividades de lazer para a população da região. Além disso, este tipo de ação é fundamental para a manutenção de áreas verdes que 8

9 propiciam maior permeabilidade do solo nas linhas de água, reduzindo vazão e velocidade da mesma e, conseqüentemente, reduzem as inundações. Mapa 02 N.Senhora de Fátima 9

10 Foto 6-Vista geral do bairro N.Sra de Fátima Foto 7 Vista geral do bairro N.Sra de Fátima. 10

11 Foto 08- Buraco do Paulo MONITORAMENTO Aplicando se instrumentos do Estatuto da Cidade temos a possibilidade de regularizar a área,mas se a comunidade não se apropriar do processo tomando as rédeas da situação teremos que a cada ano refazer todo o trabalho pois a fiscalização por mais que seja eficaz não consegue barrar o avanço das ocupações. Instrumentos como o congelamento imediato da área e inicio concomitante de ações de planejamento e dotação de infraestrutura seria um caminho possível. O instrumento de uso capião especial urbano previsto no Estatuto pode ser utilizado para facilitar a regularização fundiária da área e o parcelamento compulsório permitir planejamento de ampliação de áreas de ocupação. 11

12 2.3.OCUPAÇÕES ÀS MARGENS DE TALUDES DE VIAS. Em vários bairros ocorre a ocupação da área marginal às rodovias, apesar de ainda não se tratar de alto risco, no aspecto geral esta ocupação deve ser observada com cuidado especial por ser indutora de erosões e futuros problemas com interrupção do sistema viário. Já se observa isto com mais clareza na banqueta do bananal do bairro Boa Vista. A erosão já atinge de forma preocupante a margem da via, colocando em risco as próprias casas localizadas nas cotas mais baixas. Mapa 3 - Boa Vista 12

13 Foto 9-Ocupações na base do talude da rodovia Foto 10 Ocupações na base dos taludes da banqueta do bananal 13

14 MONITORAMENTO Neste caso vários instrumentos do Estatuto da cidade podem ser utilizados para Se evitar que as ocupações que apesar de legais põem em risco a infraestrutura urbana. O município pode desapropriar as edificações localizadas em pontos problemáticos e transformar as áreas remanescentes em áreas verdes ou parques.seria interessante observar que os parcelamentos devem ser revistos em alguns casos para se evitar as interferências, criando um cordão de proteção maior entre as vias e os lotes na base de suas encostas PARQUE AURILANDIA No bairro Parque Aurilandia temos uma situação de ocupação de padrão médio em altíssimas declividades. A legislação urbanística federal proibia o parcelamento do solo de áreas com declividade superior a 47%,atualmente o máximo é 30%. É possível que grande parte deste bairro esteja implantado em área de declividade superior ao que é permitido atualmente. A ocupação de áreas impróprias na cidade informal é comum e grave, mas neste caso a situação se deve a implantação de parcelamento anterior à lei federal 6766/79 e ainda a irregularidade de partes do bairro. É importante o acompanhamento intensivo da construção na área, caso seja necessário deve se desapropriar algumas áreas e impedir a ocupação com cercamento. 14

15 Mapa 4-Parque Aurelandia 15

16 Foto 11 -Cortes desprotegidos. Foto 12- Vista da rua, moradia muito abaixo do nível da via. Dificuldades na passagem de redes. 16

17 MONITORAMENTO Neste caso o reparcelamento de algumas áreas da cidade é fundamental.utilizando os instrumentos previstos na legislação federal o município deve impedir que se construa em áreas parceladas impropriamente.a fiscalização de ocupação de áreas não parceladas é uma ação básica na política de gerenciamento do desenvolvimento urbano,tarefa mais complexa é se restringir ocupações em áreas legalizadas porém impróprias.o passo inicial deve ser o mapeamento de áreas com restrições parceladas irregularmente e se verificar qual instrumento legal melhor se adapta a uma intervenção.o município pode desapropriar a área,transferir o direito de construção,utilizar o direito de preempção e outras alternativas podem ser aventadas mas o importante é que a vida humana vale este cuidado SANTA RITA E HONÓRIO BICALHO As margens do Rio das Velhas, no distrito de Honório Bicalho e Santa Rita, ocorre a grave situação de ocupação da margem inundável.as margens dos rios são áreas de preservação permanente (APP) com ocupação proibida.as margens dos rios devem ser protegidas com mata ciliar para além de conter a erosão evitar o assoreamento. Com a alta demanda por habitação, as áreas livres não fiscalizadas são o alvo principal, no caso das margens de rio existe o aspecto do regime pluviométrico que varia muito levando no período seco a ocupações com a segurança equivocada que a água nuca chegará naquele ponto. No caso destas áreas às margens do Rio das Velhas com proximidade de área urbana consolidada e com potencial de crescimento, considerando as propostas do Plano Diretor, é recomendado o tratamento destas com áreas para fins de lazer como parque linear gerando ao mesmo tempo a proteção da margem e o controle da ocupação da área pela comunidade que se torna o seu principal fiscal. Nestas áreas de lazer é importante a manutenção da 17

18 vegetação e a colocação de equipamentos e tratamentos que possam receber eventual volume de água da inundação e ter seu uso restabelecido no período seco. A remoção das moradias nas faixas inundáveis deve ser feita imediatamente e a fiscalização contínua. Apesar de serem ocupações antigas a áreas de Honório Bicalho e Santa Rita terão sempre a preocupação com a inundação, apesar de ocorrência esporádica grande parte destas áreas é inundável e é preciso monitoramento e estudos da bacia, com muito cuidado, de modo a acompanhar a evolução do processo hidrológico e seus impactos que podem se agravar levando a necessidade de providencias mais radicais como grandes remoções. Mapa 6- Santa Rita 18

19 Mapa 7- Honório Bicalho Foto 13- Área residencial próxima ao Rio das Velhas. 19

20 Foto 14- Área residencial próxima ao Rio das Velhas. MONITORAMENTO a primeira ação a ser deflagrada pelo município é o congelamento das atividades de edificação nas áreas a serem demarcadas nas margens do rio, esta área deveria ser fruto não da legislação de do código florestal ou de proteção das águas, mas de um estudo amplo de possibilidade de cheias que atinjam a área urbana ocupada. a segunda seria traçar um plano de desocupação destas margens a implantação dos parques lineares e a fiscalização severa para evitar a reocupação. Os instrumentos legais para este processo não são tão novos por se tratarem de áreas de proteção permanente no código florestal mas por serem também áreas urbanas bastante consolidadas é prudente se utilizar de uma plano jurídico bem fundamentado para evitar questões que atrasem o processo e impeçam a rápida desocupação das áreas de risco. 20

21 3. PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA AÇÕES DESENVOLVIDAS 3.1 Reunião Inicial No dia 30 de novembro de 2006 foi realizada a primeira reunião com a comunidade, estando presente o prefeito municipal Sr. Carlos Rodrigues, a Secretaria de Habitação Sra Ana Schimidt, funcionários da Secretaria de Habitação, consultoria contrata e população em geral. Esta primeira reunião teve como objetivo informar a população acerca do Plano Municipal de Redução de Risco (PMRR) e apresentação do planejamento deste trabalho. Para tal, além das informações da Prefeitura Municipal de Nova Lima, foi utilizado o material abaixo: PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO ENGENHARIA E CONSULTORIA LTDA Geólogo Júlio César Neves - coordenador 21

22 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO PMRR é realizado através de convênio firmado entre a Prefeitura e a Caixa Econômica Federal / Ministério das Cidades; visa a construção de referências técnicas e gerenciais que possibilitem aos poderes públicos a implementação de intervenções estruturais; PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO OBJETIVOS Diagnosticar as áreas de risco, identificando, mapeando e classificandoas; Definir as medidas de segurança, os recursos financeiros e as prioridades para a erradicação destas situações; 22

23 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO ETAPAS DO TRABALHO Identificação e análise dos riscos Levantamento de dados sobre ocorrências (Defesa Civil / Secretaria de Habitação); Levantamento de bases cartográficas; Trabalho de campo 23

24 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Levantamento de dados sobre ocorrências (Defesa Civil / Secretaria de Habitação); Honório Bicalho; Alvorada; N.S. de Fátima; Jardim Naves, Torres e Mangabeiras; Jardim Canadá; Jardim Serrano; Conj. AGAIA; Cruzeiro; PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Levantamento de bases cartográficas Planta plani-altimétrica; Imagem de satélite earthgoogle; Fotografias de campo; 24

25 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Mapeamento de campo Condicionantes morfo-geológicas; Agentes potencializadores; Indícios de movimentação; Estimativa da abrangência de possíveis danos; Delimitação do setor em base cartográfica; Classificação do risco e identificação das tipologias predominantes; Contabilização das moradias em risco (em campo ou na base cartográfica); Registro em ficha de campo; Participação de equipe da Prefeitura e da comunidade; PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Processos instabilizadores As características morfo-geológicas da área associadas à ocupação da mesma condicionam o terreno à algumas modalidades de processos geodinâmicos geradoras de situação de risco geológico. Os processos podem apresentar maior ou menor expressão em função das características geotécnicas dos materiais e dos agentes potencializadores. 25

26 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Processos instabilizadores Queda de blocos; Escorregamento; Erosão; Inundação; Durante a atividade de campo / mapeamento são observadas as seguintes situações: PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Fatores condicionantes do risco geológico Geologia: litotipo presente; perfil de alteração; presença de formações superficiais; presença de estruturas planares / descontinuidades; permeabilidade dos materiais; Vegetação: presença de vegetação; porte (árvores ou vegetação rasteira, por exemplo); extensão da cobertura vegetal; 26

27 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Relevo: forma e extensão da encosta; perfil transversal do talvegue; posição da área no perfil da vertente; posição da moradia em relação ao curso d água (distância e forma dos meandros); regime do escoamento do curso d água e posição na bacia hidrográfica; declividade;altura do corte / encosta; distâncias da base e da crista da encosta; relação altura x afastamento; Formações antrópicas : presença e espessura de aterros / bota-fora; presença e espessura de lixo; extensão das camadas; PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Agentes Potencializadores lançamento de água servida / esgoto; fossas; tubulações rompidas; infiltrações; cortes; aterros (bota-fora); lixo / entulhos; bananeiras; inexistência ou insuficiência de infra-estrutura urbana (esgoto, drenagem, pavimentação; lançamento inadequado de redes de drenagem (concentração de água). 27

28 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Indícios de Movimentação trincas no terreno; trincas na moradia; degraus de abatimento; cicatriz de escorregamento; portes, árvores, cercas inclinados; estruturas deformadas (muros embarrigados, tombados); elevação do nível da água e turbidez, no caso de inundação. PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Grau de probabilidade de ocorrência de processos destrutivos (risco) Baixo; condição menos crítica onde não há indícios de desenvolvimento de processos de instabilização de encostas e de margens. Mantidas as condições existentes, não se espera a ocorrência de eventos destrutivos no período de 1 ano. 28

29 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Grau de probabilidade de ocorrência de processos destrutivos (risco) Médio; Observa-se a presença de alguma(s) evidência(s) de instabilidade (encostas e margens de drenagens), porém incipiente (s). Processo de instabilização em estágio inicial de desenvolvimento. Mantidas as condições existentes, é reduzida a possibilidade de ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de 1 ano. PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Grau de probabilidade de ocorrência de processos destrutivos (risco) Alto; Observa-se a presença de significativa(s) evidência(s) de instabilidade (trincas no solo, degraus de abatimento em taludes, etc.). Processo de instabilização em pleno desenvolvimento, ainda sendo possível monitorar a evolução do processo. Mantidas as condições existentes, é perfeitamente possível a ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de 1 ano. 29

30 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Grau de probabilidade de ocorrência de processos destrutivos (risco) Muito alto; As evidências de instabilidade são expressivas e estão presentes em grande número ou magnitude. Processo de instabilização em avançado estágio de desenvolvimento. É a condição mais crítica, sendo impossível monitorar a evolução do processo, dado seu elevado estágio de desenvolvimento. Mantidas as condições existentes, é muito provável a ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de 1 ano. PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO ETAPAS DO TRABALHO Proposição de intervenções para cada setor com custo das obras Definição do escopo de obra para cada setor, privilegiando intervenções-tipo; Estabelecimento de critérios para quantificação dos valores das obras; Estabelecimento de critérios para hierarquização das obras; Auxiliar na elaboração da Política Municipal de Gerenciamento de Risco; 30

31 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO 31

32 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Definição do escopo de obra para cada setor, privilegiando intervenções-tipo; Serviços de limpeza e recuperação; Obras de drenagem superficial, proteção vegetal (gramíneas) e desmonte de blocos e matacões; Obras de urbanização agregadas a drenagem e esgotamento sanitário; Estruturas de contenção de pequeno porte; Obras de terraplanagem de médio a grande portes; Estruturas de contenção de médio a grande portes; Remoção de moradias; PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO TIPO DE INTERVENÇÃO SERVIÇOS DE LIMPEZA E RECUPERAÇÃO OBRAS DE DRENAGEM SUPERFICIAL, PROTEÇÃO VEGETAL (GRAMÍNEAS) E DESMONTE DE BLOCOS E MATACÕES DESCRIÇÃO Serviços de limpeza de entulho, lixo, etc. Recuperação e/ou limpeza de sistemas de drenagem, esgotos e acessos. Também incluem obras de limpeza de canais de drenagem. Correspondem a serviços manuais e/ou utilizando maquinário de pequeno porte. Implantação de sistema de drenagem superficial (canaletas, rápidos, caixas de transição, escadas d água, etc.). Implantação de proteção superficial vegetal (gramíneas) em taludes com solo exposto. Eventual execução de acessos para pedestres (calçadas, escadarias, etc.) integrados ao sistema de drenagem. Proteção vegetal de margens de canais de drenagem. Desmonte de blocos rochosos e matacões. Predomínio de serviços manuais e/ou com maquinário de pequeno porte. 32

33 OBRAS DE URBANIZAÇÃO AGREGADAS A DRENAGEM E ESGOTAMENTO SANITÁRIO ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO DE PEQUENO PORTE OBRAS DE TERRAPLENAGEM DE MÉDIO A GRANDE PORTES ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO DE MÉDIO A GRANDE PORTES REMOÇÃO DE MORADIAS Pequenas obras de urbanização tais como urbanização de becos, abertura de acessos, execução de passarelas, urbanização de áreas visando implantação adequada de redes de drenagem e esgotamento sanitário, estabelecimento de rotas de fuga e destinação de uso a áreas de risco desocupadas ou remanescentes de remoção de famílias. Implantação de estruturas de contenção de pequeno porte (h max = 3,5 m e l max = 10 m). Obras de contenção e proteção de margens de canais (gabiões, muros de concreto, etc.). Correspondem a serviços parcial ou totalmente mecanizados. Execução de serviços de terraplenagem. Execução combinada de obras de drenagem superficial e proteção vegetal (obras complementares aos serviços de terraplenagem). Obras de desvio e canalização de córregos. Predomínio de serviços mecanizados. Implantação de estruturas de contenção de médio a grande porte (h > 3,5 m e l > 10 m), envolvendo obras de contenção passivas e ativas (muros de gravidade, cortinas, etc.). Poderão envolver serviços complementares de terraplenagem. Predomínio de serviços mecanizados. As remoções poderão ser definitivas ou não (para implantação de uma obra, por exemplo). Priorizar eventuais relocações dentro da própria área ocupada, em local seguro. PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Quantificação dos valores das obras de acordo com a tabela SUDECAP; Estabelecimento de critérios para hierarquização das obras: Nível de probabilidade de risco (muito alta / alta); Porte do setor (grande / médio / pequeno); Relação custo / moradia (baixo / médio / alto); 33

34 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Política Municipal de Gerenciamento de Risco Definição de metodologias, procedimentos, fluxos operacionais e critérios para o atendimento das famílias expostas ao risco geológico enquanto não se concretiza a implementação plena do PMRR. Estas definições e diretrizes poderão conduzir à formatação de um ou mais programas que permitam o gerenciamento do risco no município, podendo fazer parte de uma política específica para áreas de risco ou mais abrangente de habitação ou de desenvolvimento urbano, por exemplo. PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO Cronograma de atividades 1ª Etapa Identificação, análise dos riscos e diagnóstico finalizado 2ª Etapa Propostas (hierarquização e custos) - finalizado 3ª Etapa Análise urbanística, resultados das reuniões e capacitação 05/02 4ª Etapa Apresentação do PMRR a definir 34

35 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO - Resultados obtidos para a região central Tipos de processo geodinâmico e número de moradias expostas em cada área PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO 35

36 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO 36

37 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO -Exemplos 37

38 3.2 Reuniões Setoriais Nos dias 18 e 19 de janeiro foi realizada a apresentação dos resultados do mapeamento de risco do município, sendo convocadas às lideranças comunitárias e associações de bairro das diversas áreas mapeadas. Nestes encontros foi apresentado o trabalho realizado com as áreas de risco identificadas, seus respectivos setores e graus de risco; quantidade de famílias envolvidas e indicações das intervenções necessárias para redução do risco. A seguir, segue material utilizado nestas reuniões. 38

39 PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE NOVA LIMA - MG 1ª ETAPA IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS RISCOS GEOLÓGICOS NO MUNICÍPIO DE NOVA LIMA Dezembro de

40 EXEMPLO 1 FICHA DE CAMPO Vila/Bairro: Alto do Gaia Principal acesso: MG-30, Avenida 2. Tipologia: Alto do Gaia I - loteamento público e Alto do Gaia II - favela. Denominação do setor: Setor 1 Referência: Rua P Equipe: Leonardo / Halysson Data da Vistoria: 02/11/2006 Coordenadas (GPS): / Mapa de Localização Fonte: Prefeitura Municipal de Nova Lima Mapa Plano Diretor Caracterização do Setor Tipologia do uso e ocupação do solo: Conjunto habitacional do tipo unifamiliar horizontal com áreas do loteamento invadidas. O setor 1 refere-se a área de invasão, adjacente a Rua P. Padrão construtivo: Edificações de padrão construtivo precário, de alvenaria sem revestimento externo. Litologia: Xisto Grau de alteração: Medianamente alterado Estruturas: Foliação subvertical 40

41 Formações superficiais: Solo Residual Declividade: > 10% Ambiente morfológico: Linha de drenagem de talvegue Agentes potencializadores: Cortes, ocupação da linha de drenagem, fossas Indicativos de movimentação: Sulcos erosivos Abastecimento de água: clandestino Esgotamento sanitário: fossa Tipo: erosão e escorregamento Drenagem: superficial na via principal Sistema viário: 100% consolidado Descrição do Processo de Instabilização Materiais envolvidos: solo Dimensões previstas: xxx m 3 m (nível de cheia) Descrição complementar: suscetibilidade de ocorrerem recalques em decorrência da existência de fossas próximas as residências. O fluxo do escoamento superficial da bacia na qual as Ruas G, P, Q e R estão contidas, concentra-se na faixa de invasão adjacente a Rua P, o que ocasiona tanto o alagamento dos domicílios quanto a deflagração de processos erosivos nas laterais dos mesmos. Nível de risco: Alto Nº de moradias expostas 7 Há necessidade de ações emergenciais? ( x ) NÃO ( ) SIM Descrição complementar: Torna-se necessária a definição, por se tratar de uma área de invasão, da permanência das famílias no local, para a proposição adequada de uma intervenção que solucione o problema. Observações (incluindo descrição de fotos obtidas no local) 41

42 Foto 1 S1: Limite do setor 1 de risco geológico-geotécnico. 42

43 Foto 2 S1: Detalhe de contração parcial de uma galeria de drenagem fechada pelo morador na tentativa de direcionamento do escoamento superficial. Parte do esgotamento sanitário é conduzido para a mesma. EXEMPLO 2 43

44 Vila/Bairro: Alvorada Tipologia: loteamento privado promovido por Mina do Morro Velho (I) e outros agentes (II). Denominação do setor: Setor 1 Referências: Rua José Carlindo, Rua 1, Paraná FICHA DE CAMPO Principal acesso: Avenida José Bernardo de Barros, Ruas Aldo Zanini, Curitiba e Vitória. Equipe: Leonardo / Halysson Data da Vistoria: 03/11/2006 Coordenadas (GPS): / Mapa de Localização Fonte: Prefeitura Municipal de Nova Lima Mapa Plano Diretor Caracterização do Setor Tipologia do uso e ocupação do solo: Planta popular modelo II, unifamiliar com edificações de 1 a 3 pavimentos e predominância residencial. Padrão construtivo: Predominam edificações de padrão construtivo regular com alguns domicílios de bom 44

45 padrão construtivo. Nas bordas da voçoroca o padrão construtivo varia de regular a ruim. Litologia: Xisto/Filito Grau de alteração: nas bordas da voçoroca o grau de alteração varia de médio a baixo. No centro o grau de alteração é alto. Formações superficiais: solos coluvionares e/ou residuais argilosos, aterros localizados, lixo, entulho. Ambiente morfológico: colina alongada. Estruturas: Foliação mergulho aproximado de 40º deconfinada. Declividade: > 30% Agentes potencializadores: Direcionamento do escoamento superficial das ruas Um e Paraná a montante. Bananeiras, lixo, entulho. Indicativos de movimentação: cicatrizes de escorregamento, feições erosivas, árvores inclinadas, ruptura das canaletas de drenagem transversais, deformação da estrutura da quadra de areia. Abastecimento de água: copasa Esgotamento sanitário: Drenagem: ineficiente em todo o setor Sistema viário: parcialmente consolidado Descrição do Processo de Instabilização Tipo: Rastejo, escorregamento, erosão Materiais envolvidos: solo, aterro, lixo, entulho Dimensões previstas: > 10,0 m 3 m (nível de cheia) Descrição complementar: A canaleta existente na crista que visava o controle do escoamento superficial está rompida em decorrência de um escorregamento pretérito. O sistema de fratura local provavelmente controla a evolução do processo de voçorocamento, lateralmente. Embora possam ocorrer faixas paralelas com diferentes resistências a erosão, a diminuição da taxa de infiltração no entorno da feição erosiva, em decorrência do adensamento da ocupação urbana e pavimentação das ruas, pode remeter a diminuição da velocidade de ampliação lateral, desde que não ocorram rompimentos em galerias pluviais e de esgoto, bem como a direcionamento do escoamento superficial por ausência de algum equipamento de drenagem. Nível de risco: Alto Nº de moradias expostas 1 Há necessidade de ações emergenciais? ( x ) NÃO ( ) SIM Descrição complementar: Os processos de rastejo podem ser evidenciados no interior da voçoroca. Observações (incluindo descrição de fotos obtidas no local) 45

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012 Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos 2º OFICINA: SOLUÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO CLÁUDIA PAIVA DATA: 11/10/2012

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP.

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. Ogura, A.T. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo,

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS Mestre e Doutora pela EPUSP- Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Professora do CEFET-SP

Leia mais

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Seminário URBFAVELAS 2014 São Bernardo do Campo - SP - Brasil MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Fabricio Araujo Mirandola

Leia mais

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política Desastre de 2008 no vale do Itajaí Água, gente e política FUNDAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA DO VALE DO ITAJAÍ CONSELHO EDITORIAL Beate Frank Ernesto Jacob Keim Julio Cesar Refosco Lourdes Maria Pereira Sedlacek

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-D01 OBRAS DE DRENAGEM SUPERFICIAL DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 8 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E BJETIVO... 10 2. S... 10 3. LOCAÇÃO DA OBRA... 12 4. LIMPEZA DO TERRENO...

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

Eng Mauro Hernandez Lozano

Eng Mauro Hernandez Lozano 1. Problemas, Causas e Soluções 1.1. Trincas 1.1.1. Aterros em Seção Mista 1.1.2. Aterros sem Controle Tecnológico 1.1.3. Atrito Negativo 1.1.4. Rebaixamento do Lençol Freático 1.1.5. Elevação do Lençol

Leia mais

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Luciane de Castro Campos Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte-

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

PORQUE CAEM AS BARREIRAS

PORQUE CAEM AS BARREIRAS PARTE B PORQUE CAEM AS BARREIRAS CAPÍTULO 3 Risco Geológico CAPÍTULO 4 Processos que Causam Acidentes CAPÍTULO 3 Risco Geológico Conceitos 3. 1 Elementos de risco 3. 2 Classes de risco 3. 3 Fatores de

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS Produto 2 Mapeamento de Risco Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana Belo Horizonte, Setembro de 2009. PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO

Leia mais

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado Mapeamento de riscos associados a escorregamento em encostas nas áreas de assentamento precário do Município de Eldorado EDILSON PISSATO Março/2012 Associação dos Mineradores de Areia do Vale do Ribeira

Leia mais

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Integrantes da missão: Renato Lima Lázaro V. Zuquette Eduardo Mantovani

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO AVALIAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO ASSOCIADO A ESCORREGAMENTOS PARA AS COMUNIDADES ESTRADINHA (A MONTANTE DO CEMITÉRIO SÃO JOÃO BATISTA), MORRO DOS URUBUS, MORRO DOS PRAZERES E ESCONDIDINHO, MORRO

Leia mais

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais:

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais: Estradas 2 Segunda Parte Drenagem Uma estrada é construída para permitir o tráfego em qualquer condição climática. No Brasil isto é essencialmente verdade nas estações chuvosas, onde ocorrem alagamentos.

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES

SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ESTABILIZAÇÃO DE ENCOSTAS SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 COMPONENTES ESPECÍFICOS 2.0 CRITÉRIOS DE

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS OBJETIVOS: Atualização do mapeamento de riscos associados a escorregamentos de encostas; Indicação de tipologias de intervenções

Leia mais

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM Rua da Alegria, Bairro Estância Velha PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS RS CONTRATO 178/2011 TOMADA DE PREÇOS 018/2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 3 a ETAPA ITEM 3.1 RELATÓRIO DE AÇÕES ESTRUTURAIS

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 3 a ETAPA ITEM 3.1 RELATÓRIO DE AÇÕES ESTRUTURAIS Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG 3 a ETAPA ITEM 3.1 RELATÓRIO DE AÇÕES ESTRUTURAIS Vitória, dezembro de 2010 Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG 3 a Etapa: PROPOSTA DE AÇÕES

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 No dia 12/04/2010, realizou-se no Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15)

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) 12 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ 4º RELATÓRIO

Leia mais

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Ciclo de Palestras 2010 DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Tipos de Escorregamentos de Encostas Soluções de Estabilização Ciclo de Palestras 2010

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA estado do rio grande do sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA COORDENADAS:

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Coletor Luz D ayara 500 mm Execução de Poços de Visita

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Introdução e Objetivos Anualmente inúmeros desastres decorrentes de eventos

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA

RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO N.º 036/2009 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: ACP 2008.72.04.002971-7 No dia 17 de agosto do corrente ano, foi realizado

Leia mais

Contenção com muros terrae

Contenção com muros terrae Contenção com muros terrae Prefeitura de Jacareí analisa três soluções para conter talude em área escolar e opta por sistema de blocos de concreto pré-fabricados. Veja comparativo técnico e orçamentário

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES 1ª ETAPA: DETALHAMENTO DA METODOLOGIA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES Fundação Espírito-Santense de Tecnologia Dezembro de 2006 Plano Municipal de Redução

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Gerenciamento de riscos a escorregamentos em encostas Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Característica estrutural

Leia mais

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto Faiçal Massad e Milton Assis Kanji Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Piassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. SETEMBRO 1997

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS

PROGRAMA DE CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE ENGENHARIA RODOVIÁRIA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CONVÊNIO DNER/IME Projeto

Leia mais

Proposta de Recuperação Ambiental na Área Urbana da Microbacia do Rio Ouro Monte

Proposta de Recuperação Ambiental na Área Urbana da Microbacia do Rio Ouro Monte Proposta de Recuperação Ambiental na Área Urbana da Microbacia do Rio Ouro Monte D. Mondardo a, P. P. Bellon b, L. B. Santos c, C. C. Meinerz D, A. F. Haoui E A.c. Universidade Estadual do Oeste do Paraná,

Leia mais

5.4 Passivos Ambientais

5.4 Passivos Ambientais 5.4 Passivos Ambientais 5.4.1 Considerações Gerais Considerase Passivo Ambiental como toda a ocorrência decorrente de: Falha na construção, restauração ou manutenção de rodovia, capaz de atuar como fator

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SABARÁ PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE PLANO GLOBAL ESTRUTURANTE E PROJETOS DE URBANIZAÇÃO PARA A VILA CASTANHEIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SABARÁ PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE PLANO GLOBAL ESTRUTURANTE E PROJETOS DE URBANIZAÇÃO PARA A VILA CASTANHEIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SABARÁ PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE PLANO GLOBAL ESTRUTURANTE E PROJETOS DE URBANIZAÇÃO PARA A VILA CASTANHEIRAS Sabará, 22 de fevereiro de 2013 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA...

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Parque Universitário BACIA I Coletor Vila Goulart 300 mm Instalações

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS

DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano PROF. DR. JOSÉ RODOLFO SCARATI MARTINS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A CIDADE É O GRANDE VILÃO AMBIENTAL Grandes demandas concentradas sobre uma

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Araripina PE OBRA: Construção de Pavimentação em Araripina LOTE III LOCAL: Rua Trav.

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES 3. 1 Obras de revestimento proteção x obras de contenção Os tipos de obra voltados para a estabilização de encostas evoluem constantemente, em função de novas técnicas

Leia mais

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO Laudo de Vistoria Ambiental I Identificação da Propriedade: Associação Condomínio Parque Primavera CNPJ 60.549.656/0001-90 Rua Eurico Gaspar Dutra 255 - Carapicuíba CEP 06342-200 ÁREA DE ESTUDO II Característica

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais