(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)"

Transcrição

1 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual da construção da casa de força e montagem dos equipamentos eletromecânicos. Foto 02: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual da construção da casa de força e montagem dos equipamentos eletromecânicos. Foto 03: Casa de força de Belo / vista de jusante para montante, desde o desvio da Rodovia Transamazônica. Foto 04: Casa de força de Belo / vista de jusante para montante, desde o desvio da Rodovia Transamazônica. Notar a situação de avanço da ponte sobre o canal de restituição para o desvio definitivo da Rodovia Transamazônica. Foto 05: AE-F1. Exploração de área de empréstimo parcialmente paralisada, sendo que o material escavado foi utilizado nas barragens e dique de fechamento do reservatório intermediário. A situação atual da escavação é melhor que a verificada em missões anteriores, uma vez que foram adotadas algumas medidas de controle de erosão antes do último período de chuvas e a área não foi novamente explorada. Foto 06: AE-F1. Exploração de área de empréstimo parcialmente paralisada, sendo que o material escavado foi utilizado nas barragens e dique de fechamento do reservatório intermediário. Notar que grande extensão da área de empréstimo exige um planejamento adequado para sua recuperação.

2 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE Foto 07: AE-F1. Britador móvel utilizado por contratada da NE para obras do entorno. O equipamento permanece montado mesmo estando sem utilização. É interessante rever a situação deste equipamento para evitar processos adicionais de contaminação e/ou erosão do solo e possibilitar a recuperação da área. Foto 08: AE-F1. Britador móvel utilizado por contratada da NE para obras do entorno. Detalhe de geradores de energia elétrica sem utilização e em processo de sucateamento. É interessante verificar as condições dos reservatórios de combustível, de óleo e retentores para evitar a contaminação de solo por vazamentos. Foto 09: Barragem da Vertente Santo Antônio. Vista do paramento de jusante da barragem de terra que ainda está em construção (notar os equipamentos de terraplanagem circulando no alto do aterro). A barragem está recebendo os seus dispositivos de drenagem definitiva, mas permanece sem a aplicação da proteção superficial. Foto 10: Barragem da Vertente Santo Antônio. Vista de escada hidráulica em construção. Foto 11: AE-E1. Área de empréstimo localizada fora da área de inundação do reservatório intermediário, na região da Barragem Santo Antônio. Foto 12: AE-E1.O CCBM iniciou a implantação do projeto de recuperação da área, o qual inclui o abatimento das escavações, curvas de nível e bacias para acumulação de sedimentos e água pluvial. Além disto, vem sendo realizada a implantação de núcleos com mudas nativas e a semeadura com gramíneas e leguminosas.

3 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE Foto 13: AE-E1. Iguarapé existente na área de empréstimo e que foi mantido como drenagem natural das águas superficiais. No entanto, a vegetação nativa já estava muito degradada pela utilização pretérita da área como pastagem. Foto 14: AE-E1. Detalhe de trecho da área que já recebeu alguns cuidados para sua recuperação, como por exemplo, abatimento dos taludes de corte, semeadura com leguminosas e plantio de mudas florestais com uso da técnica de nucleação. Notar que a semeadura com leguminosas foi pouco efetiva na proteção superficial do solo. Foto 15: Área de apoio das dragas que escavação o canal de restituição no Rio Xingu. A área de apoio é constituída por dois galpões para vivência dos colaboradores, 2 contêineres escritório. 1 contêiner sanitário, pátio de armazenamento de peças, rampa de lançamento de embarcações e píer de embarque e desembarque. Foto 16: Área de apoio das dragas que escavação o canal de restituição no Rio Xingu. Detalhe da rampa de lançamento de embarcações. Foto 17: Área de apoio das dragas que escavação o canal de restituição no Rio Xingu. Rebocador utilizado para manutenção das dragas e transporte de peças e outros materiais. Foto 18: Relocação da Rodovia Transamazônica. Reconstrução de bueiro para travessia de igarapé.

4 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE Foto 19: Relocação da Rodovia Transamazônica. Vista lateral da reconstrução de bueiro para travessia de igarapé. Foto 20: Relocação da Rodovia Transamazônica. Reconstrução de bueiro para travessia de igarapé. A área alagada mostrada na foto será drenada pelo bueiro em construção, o que em principio pode resultar em condições adequadas para recuperação da vegetação paludal anteriormente existente no local. Foto 21: BF-4. Enterramento no bota-fora da madeira utilizada na construção civil. Este procedimento foi aprovado pelo IBAMA em razão das grandes dificuldades na destinação deste tipo de material na região. Foto 22: BF-4. Enterramento no bota-fora da madeira utilizada na construção civil. Para o enterramento da madeira são delimitados os trechos mais planos do depósito para a abertura das valas; o preenchimento das valas é realizado com as madeiras previamente separadas nas frentes de serviço e uma camada superficial de solo. Foto 23: Alojamento do CMBM. A construção dos alojamentso foi retomada após a substituição do fornecedor, mas ainda permanece inconclusa. A expectativa é que os alojamentos sejam ocupados apenas em janeiro de Foto 24: Alojamento do CMBM. Detalhe de resíduos da construção armazenados provisoriamente para posterior encaminhamento para central de resíduos.

5 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE Foto 25: Canteiro de Obras do CMBM. Poço tubular profundo em perfuração. Foi informado que o abastecimento de água para o alojamento será realizado com 4 poços tubulares. Foto 26: Canteiro de Obras do CMBM. Local reservado para instalação da ETE para atendimento do alojamento. 9º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SE Xingu Foto 27: SE Xingu. Vista da SE Xingu existente. Foto 28: SE Xingu. Área de apoio da empresa São Simão, responsável pela ampliação da SE Xingu. Contêineres para armazenamento de peças da SE. Foto 29: SE Xingu. Área de apoio da empresa São Simão, responsável pela ampliação da SE Xingu. Usina de solo. Foto 30: SE Xingu. Área de apoio da empresa São Simão, responsável pela ampliação da SE Xingu. Pátio de armação.

6 Foto 31: SE Xingu. Área de apoio da empresa São Simão, responsável pela ampliação da SE Xingu. Usina de solo. Foto 32: SE Xingu. Área de apoio da empresa São Simão, responsável pela ampliação da SE Xingu. Tanque de abastecimento de diesel. 9º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SE Xingu Foto 33: SE Xingu. Área de apoio da empresa São Simão, responsável pela ampliação da SE Xingu. Escritórios da construtora/montadora, fiscalização e demais envolvidos na ampliação da SE. Foto 34: SE Xingu. Vista geral do pátio onde serão montados os equipamentos de responsabilidade da NE. Foto 35: SE Xingu. Vista lateral do pátio onde serão montados os equipamentos de responsabilidade da NE. Notar que o pátio já recebeu uma cobertura com pedra britada e que o talude de corte recebeu proteção superficial com hidrossemeadura. Foto 36: SE Xingu. Bota-fora com os excedentes de escavação da movimentação de solo realizada para formação do pátio da SE. Notar que o aterro apresenta pequena altura, as saias têm pouca declividade e a camada superficial foi compactada com as esteiras do trator. É necessário providenciar a proteção superficial quando as condições climáticas forem mais recomedáveis.

7 Foto 37: SE Xingu. Bota-fora com os excedentes de escavação da movimentação de solo realizada para formação do pátio da SE. Foto 38: SE Xingu. Acesso entre a SE e o bota-fora. Notar que o acesso apresenta boas condições para circulação de veículos e que foram instalados camalhões transversais para orientação do escoamento superficial. No entanto, é necessário melhorar a proteção do bueiro existente no ponto mais baixo do acesso.

8 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO CANAIS Foto 39: BF-32. Estoque de rocha. A NE foi autorizada pelo IBAMA a manter estoques estratégicos de rocha nos BF-5/6, 11, 28 e 32 para serviços de manutenção das suas estruturas durante a operação. Foto 40: BF-32. Estoque de rocha. Detalhe do depósito de rocha sobre o bota-fora. Foto 41: BF-32. Britador instalado na plataforma do bota-fora para o atendimento das necessidades de pedra britada no revestimento do canal de derivação. Foto 42: BF-32. Sistema de transposição de bacias do Rio Xingu. O sistema recolhe as águas dos igarapés deste trecho da obra e encaminha para o Rio Xingu, evitando o seu lançamento no canal de derivação e nas frentes de escavação ainda em andamento. Foto 43: Ensecadeira de montante do canal de derivação. Foto 44 Ensecadeira de montante do canal de derivação. Vista do Rio Xingu que está baixo nesta época do ano.

9 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO CANAIS Foto 45: Ensecadeira de montante do canal de derivação. Vista do Canal de Derivação já parcialmente revestido com rocha. Foto 46: Ensecadeira de montante do canal de derivação. Vista do paramento de jusante da ensecadeira. Foto 47: Canal de enchimento do Canal de Derivação. Vista parcial, de montante para jusante, do canal de enchimento ainda em construção. Foto 48: Canal de enchimento do Canal de Derivação. Vista parcial, de jusante para montante, do canal de enchimento ainda em construção. Foto 49: Canal de Derivação, na altura da Estrutura de Enchimento. Detalhe de trecho do Canal de Derivação onde ainda está sendo realizado desmonte de rocha com uso de explosivo; notar as pilhas de solo utilizadas para evitar a projeção de fragmentos das frentes de detonação. Foto 50: Canal de Derivação, na altura da Estrutura de Enchimento. Detalhe de trecho do Canal de Derivação onde ainda está sendo realizado desmonte de rocha com uso de explosivo; notar a soleira de rocha que ainda precisa ser rebaixada.

10 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO CANAIS Foto 51: BF-2. Vista do aterro praticamente esgotado, mas ainda sem a sua conformação final, sistema de drenagem definitivo e proteção superficial. É importante que estas ações aconteçam antes do próximo período chuvoso. Foto 52: BF-2. Outra vista do aterro praticamente esgotado, mas destacando a deficiência da drenagem da área a montante do bota-fora, pois existe um represamento do pequeno curso d água desta bacia. Foto 53: BF-10. Vista de jusante para montante do canal central que preserva o talvegue e o curso d água desta bacia. Notar que as saias de aterro estão protegidas pelos cordões de rocha e que a o talvegue não foi assoreado durante o lançamento do bota-fora. Foto 54: BF-10. Vista de montante para jusante do canal central que preserva o talvegue e o curso d água desta bacia. Notar que mesmo no trecho a jusante, antes do sistema de drenagem do dique, não existem depósitos de assoreamento no talvegue. Foto 55: BF-10. Feição de colapso combinado com erosão pluvial verificada no platô do bota-fora. Aparentemente, ocorreu a percolação e arraste das partículas do solo para os vazios existentes nas camadas de blocos de rocha que formam o corpo do aterro. A perda de sustentação da camada de solo e o escoamento superficial ocasionaram o colapso. Foto 56: BF-10. Feição de colapso combinado com erosão pluvial verificada no platô do bota-fora. Notar as trincas concêntricas à feição, as quais indicam que o processo tende ao agravamento, com o alargamento da feição de colapso e mais carreamento de solo. Isso irá prejudicar a implantação dos projetos de recuperação de áreas degradadas e plantios de mudas.

11 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO CANAIS Foto 57: BF-10. Feição de erosão (ravina) resultante da concentração do escoamento superficial nas feições de colapso da camada superficial de solo. Foto 58: BF-10. Detalhe da feição de colapso da camada superficial de solo recém-formada. Foto 59: BF-11. Vista da situação atual de um dos maiores botaforas ainda em utilização no Sítio Canais. Notar a proteção das saias de aterro com blocos de rocha, o que diminui o carreamento de material para o curso d água que drena esta bacia. Foto 60: BF-11. O curso d água encontra-se com o seu fluxo revertido para o Sistema de Transposição Di Maria, como forma de proteger a escavação do canal de derivação. Notar o represamento de água junto ao dique de fechamento da bacia. Foto 61: BF-11. Detalhe do platô do aterro mostrando o material (solo) recentemente lançado sobre as camadas de blocos de rocha que enchem o corpo do bota-fora. Foto 62: BF-11. É recomendável que o platô seja monitorado com relação ao surgimento de feições de colapso semelhantes às verificadas no BF-10..

12 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO CANAIS Foto 63: BF-11. Trecho do bota-fora onde o material lançado ainda não regularizado. Não são verificados problemas de assoreamento do curso d água, provavelmente, porque o cordão perimétrico de rocha tem se mostrado eficiente na contenção de solos carreados. Foto 64: BF-11. Detalhe de um dos pontos de concentração do escoamento superficial no cordão de blocos de rocha; notar a retenção de solos carreados. O sistema provisório de drenagem tem mostrado eficiência para esta fase de obra, mas deve ser substituído por um sistema definitivo de drenagem, com dispositivos permanentes, quando do encerramento da utilização do bota-fora. Foto 65: Ponte em construção sobre o canal de derivação.

13 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco Sítio Pimental Foto 66: Vertedouros em operação (jusante). Foto 67: Vertedouros em operação (montante). Foto 68: Casa de força (montante). Foto 69: Casa de força e vertedouros (montante). Foto 70: Detalhe do vertedouro com comporta segmento aberto para o segundo desvio do rio. Foto 71: Casa de força (jusante).

14 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco Sítio Pimental Foto 72: Ensecadeira da margem direita. O rio foi completamente desviado com o lançamento da ensecadeira da margem direita, mas o seu esvaziamento ainda não foi iniciado pois ainda existe a necessidade de terminar a sua vedação. Foto 73: Ensecadeira da margem direita. Notar, ao fundo, o lançamento da vedação com argila. Foto 74: Ensecadeira da margem direita. Notar o transporte de solo para o lançamento da vedação com argila. Foto 75: Ensecadeira da margem direita. Foto 76: BF-MD. Bota-fora da margem direita. A deposição de solo e rocha no local está temporariamente suspensa, pois está sendo priorizado lançamento da ensecadeira da margem direita. Foto 77: BF-MD. Bota-fora da margem direita. Notar que foram adotadas algumas medidas de controle do escoamento superficial e erosão, como por exemplo: orientação da plataforma para o interior do aterro, camalhão de crista e eliminação de pilhas de solo solto, sulcos e ravinas.

15 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco Sítio Pimental Foto 78: BF-MD. Bota-fora da margem direita. As medidas de controle do escoamento superficial foram eficientes na prevenção de feições de erosão, uma vez que as saias de aterro não apresentam sulcos e ravinas. Foto 79: BF-MD. Bota-fora da margem direita. Detalhe do camalhão na crista da berma do aterro. Foto 80: BF-MD. Bota-fora da margem direita. Detalhe da saia de aterro sem feições de erosão. Foto 81: BF-MD. Bota-fora da margem direita. Detalhe do camalhão na crista da berma do aterro e da saia de aterro sem feições de erosão. Foto 82: Acesso ao BF-MD. O Acesso ao bota-fora da margem direita apresenta na última missão de monitoramento vários problemas de estabilidade e feições de erosão. A situação foi corrigida por meio da adoção de medidas de controle do escoamento superficial e correção de feições de erosão. Foto 83: Acesso ao BF-MD. O Acesso ao bota-fora da margem direita.

16 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco Sítio Pimental Foto 84: AE-MD. Área de empréstimo da margem direita. A exploração da área e empréstimo vem sendo realizada com grande intensidade, pois esta escavação gera o material para o fechamento da ensecadeira da margem direita. Foto 85: AE-MD. Área de empréstimo da margem direita. O reinicio da exploração preservou várias dos dispositivos de drenagem provisória que haviam sido instalados, especialmente a grande bacia de retenção de solos carreados criada junto ao acesso de veículos. Foto 86: Alojamentos da Andritz. O sistema de drenagem definitiva foi reformado e limpo, mas ainda recebe uma quantidade grande de solos carreados das áreas de contribuição. Notar o eletroduto disposto no chão e dentro da canaleta de recolhimento das águas pluviais. Foto 87: Alojamentos da Andritz. A hidrossemeadura realizada para proteção superficial dos taludes de corte apresentou os resultados esperados e a tendência é a diminuição da contribuição de solo para o sistema de drenagem. Foto 88: Alojamento da Andritz: Limpeza da canaleta de drenagem definitiva. Foto 89: Alojamento da Andritz: Limpeza da canaleta de drenagem definitiva. Notar eletroduto disposto chão e na canaleta de recolhimento de águas pluviais.

17 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco Sítio Pimental Foto 90: Alojamento da Andritz. Espalhamento de pedra (seixos rolados de rio) para proteção superficial de áreas de solo exposto entre os blocos de alojamentos. Esta ação tende a proteger o solo dos processos de erosão pela ação da água da chuva. Foto 91: Alojamento da Andritz. Espalhamento de pedra (seixos rolados de rio) para proteção superficial de áreas de solo exposto entre os blocos de alojamentos. Esta ação, combinada com as canaletas de concreto, tende a proteger o solo dos processos de erosão pela ação da água da chuva. Foto 92: Alojamento da Andritz. Local reservado para instalação da área de lazer do alojamento, mas que permanece sem uso. A ausência da área de lazer torna o local apenas mais uma área sujeita a ação dos processos de erosão pluvial. Foto 93: Alojamento da Andritz. Outro local reservado para instalação da área de lazer do alojamento, mas que permanece sem uso. A ausência da área de lazer torna o local apenas mais uma área sujeita a ação dos processos de erosão pluvial. Foto 94: Estação de tratamento de efluentes industriais. A ETEI irá receber e tratar os efluentes gerados na lavanderia do alojamento. A previsão de início de funcionamento é ainda no mês de agosto de Foto 95: Estação de tratamento de efluentes industriais. A ETEI irá receber e tratar os efluentes gerados na lavanderia do alojamento. A previsão de início de funcionamento é ainda no mês de agosto de 2015.

18 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco Sítio Pimental Foto 96: Alojamento da Andritz. Construção de central de armazenamento de resíduos hospitalares. Foto 97: Alojamento da Andritz. Situação dos geradores responsáveis pelo fornecimento de energia do alojamento. Notar eletrodutos no chão e na canaleta de drenagem. Fotos 98: Alojamento Andritz. Situação dos geradores dispostos diretamente sobre o chão. O equipamento dispõe de caixa interna para a retenção de vazamentos de combustíveis e lubrificantes, mas isso não impede a contaminação do solo por um acidente no momento do abastecimento ou manutenção. Notar eletrodutos dispostos no chão. Fotos 99: Pátio da Andritz. Estação de tratamento de efluentes em fase final de montagem; o início da operação deve acontecer nos próximos meses. Foto 100: Pátio da Andritz. Montagem e instalação da estação de tratamento de água. Foto 101: Pátio da Andritz. Montagem e instalação da estação de tratamento de água.

19 PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco Sítio Pimental Foto 102: Instalação provisória para armazenamento de produtos químicos com dique perimétrico para retenção de vazamentos. No entanto, notar que a estrutura é precária e não protege de maneira adequada o dique de contenção do acúmulo da água da chuva. Foto 103: Situação dos geradores dispostos diretamente sobre o chão. O equipamento dispõe de caixa interna para a retenção de vazamentos de combustíveis e lubrificantes, o que não impede a contaminação do solo por um acidente no abastecimento ou manutenção. É interessante notar que a própria montadora informou que estes equipamentos ainda serão utilizados por um longo tempo. Foto 104: Pátio da Andritz. Central de gerenciamento de resíduos. Foi observado que uma parte importante da central é ocupada por produtos químicos, especialmente tintas, novos e nas embalagens originais. É importante que os produtos novos sejam armazenados em lugares apropriados e específicos para que prejudiquem o gerenciamento adequado dos resíduos. Foto 105: Pátio da Andritz. Central de gerenciamento de resíduos. Detalhe da baia de armazenamento de resíduos perigosos. Foto 106: Pátio da Andritz. Caminhão-caçamba utilizado para recolhimento das caçambas de sucata, entulho e outros materiais na obra.

11º Relatório de Monitoramento Socioambiental

11º Relatório de Monitoramento Socioambiental Foto 01: A área de empréstimo teve a exploração de solo encerrada e passou a receber tratamento para encerramento e recuperação. A superfície do terreno foi reconformada, com a eliminação das cavas, pilhas

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013 4 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 1 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 2 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

3º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo Monte

3º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo Monte (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 1: Laboratório de Ictiologia Identificação da construção do laboratório, com local mantido limpo e organizado. Foto 2: Laboratório de Ictiologia

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

Custos Totais de Implantação do Empreendimento PLANILHA 01 AEROPORTO

Custos Totais de Implantação do Empreendimento PLANILHA 01 AEROPORTO Custos Totais de Implantação do PLANILHA 01 AEROPORTO 1. Custo de aquisição do terreno, reassentamentos (com toda infraestrutura) e outras ações de caráter indenizatório. 2. Estudos ambientais 3. Projetos

Leia mais

Terraplenagem - cortes

Terraplenagem - cortes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

Sistema de Confinamento de Áreas Contaminadas do Depósito de Resíduos Industriais da Solvay S/A em Santo André/SP

Sistema de Confinamento de Áreas Contaminadas do Depósito de Resíduos Industriais da Solvay S/A em Santo André/SP Sistema de Confinamento de Áreas Contaminadas do Depósito de Resíduos Industriais da Solvay S/A em Santo André/SP Francisco José Pereira de Oliveira Fral Consultoria Ltda., São Paulo, Brasil, franciscojpoliveira@fralconsultoria.com.br

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

16º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo Monte

16º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo Monte XXXXXXXXXXX Foto 49: CCBM. Travessão 27. O Travessão 27, que serve de acesso para o Canal de Derivação, a Casa de Força Auxiliar (Pimental) e várias propriedades rurais, está sendo recuperada pelo CCBM.

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio s ultrapassam o Justificativas para não 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluentes 2.0 Brigada de incêndio 2.1 Limpeza da área 2.2 Destinação dos resíduos s ultrapassam

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Rev Modificação Data Autor Validação Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Especialidades: Autores do Documento CREA / UF Matrícula valido Sítio GERAL Área do sítio

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos

CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos Profa. Dra. Andréa Sell Dyminski, asdymi@ufpr.br Referência Bibliográfica Básica: Manual de Gerenciamento Integrado de resíduos sólidos / José Henrique Penido

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Alessandro Trazzi, Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental. Diretor de Meio Ambiente - CTA VI Seminário de Aqüicultura Interior, Cabo Frio Rio de Janeiro. Introdução

Leia mais

Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Gestão Ambiental A área de Sistema de Gestão Ambiental da Usinas Itamarati tem iniciativas voltadas para preservar e desenvolver a natureza do entorno onde a empresa está inserida. A Usinas Itamarati assume

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

19 Relatório. Fotográfico. Infraestrutura Vila Residencial Altamira - Jatobá. Vila Jatobá - Vista Aérea. Vila Jatobá - Vista Aérea

19 Relatório. Fotográfico. Infraestrutura Vila Residencial Altamira - Jatobá. Vila Jatobá - Vista Aérea. Vila Jatobá - Vista Aérea Infraestrutura Vila Residencial Altamira - Jatobá Vila Jatobá - Vista Aérea Vila Jatobá - Vista Aérea Vila Jatobá - Vista Aérea 138 Infraestrutura Vila Residencial Altamira - São Joaquim Vila São Joaquim

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluente 2.0 Paiol 2.1 Limpeza da área 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Aterro sanitário 3.1 Organização da área 3.2 Pátio de estoque Acúmulo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1 Objetivo e campo de aplicação...2 2 Referências...2 3 Definições...2 4 Condições para início dos serviços...2 5 Materiais e equipamentos necessários...3 6 Métodos e procedimentos de execução...3

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...4 2. Referências...4 3. Definições...4 4. Condições para início dos serviços...5 5. Materiais e equipamentos necessários...5 6. Métodos e Procedimentos de Execução...5

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

13º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo Monte

13º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo Monte Foto 01: BF-MD-02. Bota-fora da margem direita do rio Xingu. A inclinação da plataforma permanece voltada para a saia do aterro, o que pode resultar na formação de feições de erosão. No entanto, os dispositivos

Leia mais

. MEDIDAS MITIGADORAS, COMPENSATÓRIAS E PROGRAMAS DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL . MEDIDAS MITIGADORAS, COMPENSATÓRIAS E PROGRAMAS DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL.1. PROGRAMAS AMBIENTAIS.1.1.

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS

2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS 2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS 2.1. Introdução O interesse crescente pela segurança de barragens tem levado, em um número apreciável de países, à implementação de normas e critérios específicos

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( )

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL CPF/ CNPJ End. n Bairro CEP Município Telefone ( ) 2. IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE/ EMPREENDIMENTO Atividade Endereço Logradouro (Rua, Av,Linha, Picada,

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente VicePresidência de Engenharia e Meio Ambiente IGR 4.4.632 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS 3. DEFINIÇÕES 4. APLICAÇÃO 5. DESCRIÇÃO DO PROCESSO 6. FLUXO DO PROCESSO 7. RESPONSABILIDADES 8. ANEXOS 9. CONTROLE

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

U H E S Ã O S A LVA D O R

U H E S Ã O S A LVA D O R SÃO SALVADOR Estudo de impacto ambiental U H E S Ã O S A LVA D O R Anexos Volume IV Anexo A A-1 Anexo A. Capítulo I Caracterização do empreendimento Anexo A A-2 A1. Fases de Desvio do rio Tocantins para

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

Figura 21: Horta hidropônica utilizada pela comunidade local, aterro Parque Santa Bárbara em Campinas-SP. Fonte: A autora, 2009.

Figura 21: Horta hidropônica utilizada pela comunidade local, aterro Parque Santa Bárbara em Campinas-SP. Fonte: A autora, 2009. 61 Figura 21: Horta hidropônica utilizada pela comunidade local, aterro Parque Santa Bárbara em Campinas-SP. Figura 22: Área de lazer infantil, aterro Parque Santa Bárbara em Campinas-SP. 62 Figura 23:

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia.

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM Objetivo: a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. Terraplenagem mecanizada: requer grandes investimentos em equipamentos

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Rotina de operação do aterro Descarga do lixo O caminhão deve depositar o lixo na frente de serviço mediante presença do fiscal, para controle

Leia mais

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal TERMO DE REFERÊNCIA TR PARA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) P/ A ATIVIDADE DE AQUICULTURA (Este TR aplica-se a empreendimentos desenvolvidos em viveiros escavados a partir de 10,00 ha) O Instituto de

Leia mais

SUMÁRIO 3 ESPECIFICAÇÕES PARTICULARES PARA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD)

SUMÁRIO 3 ESPECIFICAÇÕES PARTICULARES PARA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD) SUMÁRIO SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 ESPECIFIAÇÕES PARTICULARES PARA MONITORAMENTO DE FAUNA E FLORA a) Monitoramento de Animais Atropelados b) Determinação de Novos Corredores c) Construção de Muretas de Alvenaria

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-D01 OBRAS DE DRENAGEM SUPERFICIAL DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 8 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E BJETIVO... 10 2. S... 10 3. LOCAÇÃO DA OBRA... 12 4. LIMPEZA DO TERRENO...

Leia mais

A PROMOVER A INSTALAÇÃO RELATIVA À ATIVIDADE DE: BARRAGEM PARA GERAÇÃO DE ENERGIA, USINA HIDRELÉTRICA

A PROMOVER A INSTALAÇÃO RELATIVA À ATIVIDADE DE: BARRAGEM PARA GERAÇÃO DE ENERGIA, USINA HIDRELÉTRICA 1249 / 2009-DL LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI Nº A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio s 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluentes 2.0 Brigada de incêndio 2.1 Limpeza da área s 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Estação de tratamento de esgoto - ETE Tratamento

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

3. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA EXECUÇÃO DO PRAD

3. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA EXECUÇÃO DO PRAD 1. EMPRESA DE MINERAÇÃO RESPONSÁVEL PELA ÁREA Nome Oficial/Razão Social: COQUE CATARINENSE LTDA COCALIT CNPJ e Inscrição Estadual: 83.662.981/0001-60 250.012.383 Endereço da sede: Rua João Pessoa, 445/502

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 6.3.3.2.1 - Objetivo Geral...

Leia mais

Normas Técnicas -RCD

Normas Técnicas -RCD Mestrado em Engenharia Civil NORMAS TÉCNICAS DE RCD Profa. Stela Fucale Normas Técnicas -RCD NBR15.112/04 Resíduosdeconstruçãoeresíduosvolumosos Áreasde transbordo e triagem Diretrizes para projeto, implantação

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

Proposta de Definição de Passivo Ambiental na Mineração

Proposta de Definição de Passivo Ambiental na Mineração PASSIVOS AMBIENTAIS NA ATIVIDADE MINERÁRIA RIA Proposta de Definição de Passivo Ambiental na Mineração CONCEITOS BÁSICOSB SICOS PASSIVOS AMBIENTAIS NA ATIVIDADE MINERÁRIA RIA A base conceitual foi elaborada

Leia mais

Anomalias Prazo para atendimento. Anomalias atendidas dentro do prazo. atendidas, fora do prazo de atendimento

Anomalias Prazo para atendimento. Anomalias atendidas dentro do prazo. atendidas, fora do prazo de atendimento do não, não que 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área A limpeza da área é realizda pela própria equipe de colaboradores do setor. 1.2 1.4 Bebedouro limpeza do filtro, área De acordo com o ET-A-EQ-04 a frequência

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto;

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto; MEMORIAL DESCRITIVO Município: Piratini/RS Local da obra: Rua 24 de Maio, Rua Princesa Isabel e Rua Rui Ramos. Área total: 12.057,36 m² 1) Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e várias PGR s. 2-No

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás,

Leia mais

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe PARECER ÚNICO SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº 081530/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 02532/2004/002/2009 LI AMPLIAÇÃO DEFERIMENTO Outorga Portaria Nº 570/2008 Poço tubular Deferida

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com retroescavadeira Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Retroescavadeira Apenas pessoas que possuem o completo conhecimento do trator e dos implementos devem efetuar

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO UHE SALTO GRANDE CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Verificação da análise da estabilidade

Leia mais

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR- 6122 - PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS

Leia mais

5.4 Passivos Ambientais

5.4 Passivos Ambientais 5.4 Passivos Ambientais 5.4.1 Considerações Gerais Considerase Passivo Ambiental como toda a ocorrência decorrente de: Falha na construção, restauração ou manutenção de rodovia, capaz de atuar como fator

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo permitida rasura e qualquer inclusão, exclusão ou alteração de campos, sob pena

Leia mais

TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL

TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL Edio Elói Frizzo; Roberto Carlos da Silva Alves; Maria do Carmo S. Ekman. Currículo dos autores: Edio Elói

Leia mais

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL PEDRO REZENDE DOS SANTOS 1 - OBJETO:

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

1 - Projetos de Investimentos. a) Terceira faixa na serra

1 - Projetos de Investimentos. a) Terceira faixa na serra 1 - Projetos de Investimentos a) Terceira faixa na serra A Serra de Teresópolis receberá a terceira faixa de rolamento em 12 de seus 14 quilômetros. O projeto, previsto no contrato de concessão, foi liberado

Leia mais

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ 10 de novembro de 2009 DAS CHEIAS ÀS INUNDAÇÕES Em meados do século XIX, surgem os primeiros registros da transformação

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABERTURA DE VALAS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO FOLHA ET-6000-6520-940-TME-002 ET-65-940-CPG-002 1 / 8 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO.

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO. 1 OBJETIVO Estabelecer parâmetros para orientar a elaboração do relatório trimestral de monitoramento da atividade de extração mineral, referente ao avanço de lavra, as medidas mitigadoras implantadas

Leia mais

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM Rua da Alegria, Bairro Estância Velha PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS RS CONTRATO 178/2011 TOMADA DE PREÇOS 018/2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL DO PORTO DE SANTOS

REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL DO PORTO DE SANTOS Regularização Ambiental do Porto de Santos REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL DO PORTO DE SANTOS CHECK-LIST DE INFORMAÇÕES - TERMINAIS/ARRENDATÁRIOS Terminal: Teaçu Armazéns Gerais S/A Data da visita: Responsável

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO JÁ NAS BOAS-VINDAS, A CERTEZA DE TER FEITO O MELHOR NEGÓCIO. Parabéns! Agora, na melhor localização de Palhoça, você vai longe. E a Lumis tem orgulho em fazer parte desta importante

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Infra-estrutura urbana Pavimentação Asfáltica, Micro-drenagem, e Rede água potável. Município: Vera Cruz/RS Local da obra: Rua Cipriano O presente

Leia mais

Anexo 04 Descrição das Estruturas Permanentes e Provisórias previstas para a UTE Pampa Sul

Anexo 04 Descrição das Estruturas Permanentes e Provisórias previstas para a UTE Pampa Sul Anexo 04 Descrição das Estruturas Permanentes e Provisórias previstas para a UTE Pampa Sul Item Setor Instalações Descrição Área [m²] Permanente Casa de máquinas Casa de máquinas e edificações construídas

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES Prof. Marco Pádua Quando a construção se inicia, as fundações começam a ser executadas, os alicerces tomam forma e delimitam os cômodos,

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 Porto Alegre, março de 2014 APRESENTAÇÃO Este documento visa atender a condicionante 8.5 das Licenças de Operação LO LO 7961/2012, concedida a Vêneto

Leia mais

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: Carla Rolo Antunes Recuperação DL nº 270/2001, 6 out. 2001 (DL nº 340/2007, 12 out. 2007) normas para projeto, exploração, encerramento e desativação

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15)

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) 12 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ 4º RELATÓRIO

Leia mais

Usina Hidrelétrica Jirau

Usina Hidrelétrica Jirau ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL S.A. Usina Hidrelétrica Jirau Outubro de 2009 Dep. Federal MOREIRA MENDES Energia Sustentável do Brasil 2 GDF Suez (50,1%) Contrato de Concessão ANEEL/MME) Financiamento (BNDES)

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda. PAC/BNDES BACIA C Jardim Esmeralda Vila Planalto Jardim Novo Horizonte BACIA

Leia mais

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos Construção do Alto-Forno 3 Uma nova Coqueria Um terceiro Convertedor Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo Geração de novos empregos A CST Companhia Siderúrgica de Tubarão implantará o seu processo

Leia mais