PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP."

Transcrição

1 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. Ogura, A.T. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo, SP, Brasil, Yoshikawa, N.K. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo, SP, Brasil, Gomes, L.A. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo, SP, Brasil, Mirandola, F.A. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo, SP, Brasil, Alameddine, N. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo, SP, Brasil, Resumo: O artigo apresenta a metodologia utilizada e os resultados do trabalho de mapeamento para identificação dos setores com diferentes graus de risco para a ocorrência de acidentes associados a processos de movimentos de massa nas encostas da Serra do Mar, ocupadas por núcleos habitacionais conhecidos como Bairros Cota, localizados no município de Cubatão, SP. O referido trabalho teve como objetivo subsidiar a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano CDHU na tomada de decisão em relação à melhor solução habitacional no âmbito do Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar. Abstract: This paper describes methodological aspects and the main results of the landslide risk mapping undertaken in the sloping areas of Serra do Mar concerning urban settlements known as Bairros Cota in Cubatão municipality. These works were done in order to support the best decisions for the people living in risk areas to be conducted by the Program for the social and environmental recovery of Serra do Mar. 1 INTRODUÇÃO Este artigo apresenta e descreve aspectos da metodologia de análise de riscos utilizada visando a identificação de setores com diferentes graus de risco de ocorrência de acidentes de escorregamentos. As áreas objeto de estudo foram os Bairros Cota 95/100 e 200 que compreendem núcleos habitacionais localizados nas encostas da Serra do Mar em Cubatão, SP. A metodologia de mapeamento de risco aplicada é similar àquela utilizada nos trabalhos de elaboração dos Planos Municipais de Redução de Riscos do Ministério das Cidades, que leva em conta basicamente dois elementos principais de análise de risco: a suscetibilidade das encostas e a vulnerabilidade das edificações. Tal metodologia foi desenvolvida pelo próprio IPT em 2004 com recursos do Banco Mundial e patrocinado pelo Ministério das Cidades. Os trabalhos de análise de risco de escorregamentos e mapeamento, com a setorização ou identificação dos compartimentos homogêneos com graus de risco (muito alto, alto, médio e baixo) similares foram conduzidos de forma a subsidiar a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano CDHU na determinação das medidas específicas a serem adotadas nas áreas estudadas. 1

2 2 AS ÁREAS DE RISCO A ocupação urbana presente nas encostas da Serra do Mar conhecida como Bairros Cota compreende núcleos habitacionais populares que tiveram sua origem na década de 1940, gerados pelos acampamentos de antigos trabalhadores na rodovia Anchieta. Com o desenvolvimento do pólo industrial de Cubatão que se seguiu nas décadas de 50 e 60 esses primeiros núcleos urbanos sofreram uma expansão que se prolonga até os dias de hoje. A ausência de um controle público efetivo fez com que fossem sendo ocupados terrenos cada vez mais perigosos à ocorrência de acidentes de escorregamentos. Na década de 80, em razão dessa situação de risco, o IPT realizou a Carta Geotécnica dos Bairros Cota indicando os diferentes trechos com diferentes condições de suscetibilidade e restrições ao uso e ocupação do solo. A experiência do IPT nos Bairros Cota, principalmente na operação verão do Plano Preventivo de Defesa Civil PPDC realizada desde 1988, mostra que praticamente todo ano há ocorrência de algum acidente de escorregamento deflagrado por chuvas nas encostas ocupadas por edificações de baixo padrão construtivo. Os Bairros Cota é por esse motivo considerado uma das principais áreas de risco de escorregamentos da região litorânea de São Paulo (Figura 1). Figura 1 Vista de porção do Bairro Cota, na área conhecida como Grotão. Notar a precariedade do padrão construtivo das casas e sua condição de risco a processos de escorregamento. 3 O MAPEAMENTO DE RISCO 3.1 A avaliação de riscos Para este estudo foi considerada a forma clássica de análise de riscos na qual são caracterizados os conceitos de risco, perigo, danos ou conseqüência, probabilidade de ocorrência, vulnerabilidade e cenários. 2 Por se tratar de eventos considerados de natureza predominantemente natural, o enfoque norteador é de desastre natural. No entanto, a ação do homem está marcadamente presente, sob aspecto tecnológico, seja na forma da ocupação desordenada das moradias, seja por meio da construção de estradas de acesso, escadarias e canaletas de drenagem de águas superficiais, eletrificação, enfim, toda a infraestrutura urbana básica implantada pelo poder público ou construída informalmente pela própria população local. Os eventos aqui tratados consideram principalmente a possibilidade de ocorrência de acidentes de escorregamentos envolvendo taludes de corte e aterro com risco de atingimento de moradias por instabilização de massas terrosas e rochosas. Sendo assim o processo fenomenológico para ocorrência desses eventos possui uma seqüência de evolução natural, sendo o grande diferencial nas encostas ocupadas, os fatores antrópicos ligados à ocupação desordenada, que aceleram o processo como um todo. O conceito de risco (R), que fundamenta os estudos realizados, pode ser resumido segundo a seguinte formulação: R = P(A) x C(V)/g (1) Essa equação procura mostrar que o risco R é a probabilidade P de ocorrer um acidente associado a um determinado perigo ou ameaça A, que possa resultar em conseqüências C, danosas às pessoas ou bens, em função da vulnerabilidade V do meio exposto ao perigo e que pode ter seus efeitos reduzidos pelo grau de gerenciamento g administrado por agentes públicos ou pela comunidade. 3.2 Metodologia aplicada A seguir é descrita a metodologia utilizada nos trabalhos que compreenderam atividades de mapeamento e análise de risco, consubstanciadas em investigações de campo, análise de documentos técnicos, integração de informações e a discussão de proposições para a elaboração do mapeamento. A metodologia utilizada consistiu na seguinte seqüência de atividades, com o uso de procedimentos, técnicas e métodos diversos de obtenção, análise e síntese de informações: a) identificação e listagem prévia das áreas de risco de escorregamentos envolvendo os assentamentos precários denominados de Bairros Cota; b) localização e delimitação espacial dos setores de risco de escorregamentos em base cartográfica,

3 fotografia aérea ou imagem de satélite de alta resolução; c) análise prévia da distribuição geográfica, dimensão espacial e adensamento populacional das áreas de estudo; d) estabelecimento do plano de vôo de helicóptero para a obtenção de fotos aéreas de baixa altitude, com o quadro atualizado do uso do solo dos diversos setores envolvendo o assentamento; e) discussão e definição dos diferentes graus de risco estabelecidos pelo Instituto; f) seleção das fotos e setorização preliminar de risco; g) elaboração do tipo de descrição a ser utilizada, relacionada aos riscos geológicos e geotécnicos existentes; h) realização de trabalhos de campo para a identificação e caracterização dos setores de risco; i) realização de trabalhos de escritório para síntese dos dados; h) elaboração do mapeamento; Os trabalhos para a elaboração final do mapeamento fundamentaram-se ainda em análises das plantas planialtimétricas dos assentamentos urbanos, análise de documentação fotográfica existente, análise do histórico recente de intervenções efetuadas pelo poder público instituido, no levantamento do histórico de ações efetuadas pela Defesa Civil Municipal, na adequação de base cartográfica, além de investigações geológico-geotécnicas de superfície já realizadas em outros estudos de análise de risco no município e em levantamentos diversos correlacionados à habitação no município. O mapeamento constitui-se assim da atualização e requalificação do conhecimento já disponível sobre os riscos associados a escorregamentos e processos correlatos na área do município, por meio de: a) delimitação dos diferentes setores de risco (setorização); b) estabelecimento de graus de risco de setores homogêneos em termos de suscetibilidade e vulnerabilidade. Nesses estudos, os fatores que compõem a avaliação e análise de risco são simplificados, agrupados e avaliados de forma qualitativa a partir de observações diretas em campo. Nesse sentido, foram avaliados os seguintes fatores, considerados como essenciais à análise do risco: a) probabilidade ou possibilidade de ocorrência de escorregamentos; b) vulnerabilidade dos assentamentos urbanos; e c) tipologia do processo esperado e seu potencial de dano. A probabilidade de ocorrência dos fenômenos de instabilidades foi estimada a partir da identificação e análise de feições e características do terreno, indicadoras de maior ou menor grau de suscetibilidade, natural e/ou induzida pelas formas de uso e ocupação do terreno. A vulnerabilidade dos assentamentos urbanos foi analisada segundo a qualidade construtiva intrínseca aos diferentes padrões construtivos (alvenaria, madeira e misto), e a maior ou menor capacidade relativa dessas casas e seus moradores de sofrer danos em caso de escorregamento. O potencial de dano é uma estimativa de dimensão de efeitos danosos (pessoas vitimadas e edificações destruídas) pela ocorrência de uma dada tipologia de escorregamentos passível de ocorrer na área de risco. Para fins de análise de risco estima-se o número de moradias que poderiam ser atingidas caso ocorram escorregamentos. Os principais elementos de análise considerados incluíram: a) características morfológicas e morfométricas do terreno (altura e inclinação de vertentes e taludes naturais e de corte e aterro); b) materiais geológicos e perfil de alteração (solo residual, saprolito, rocha alterada, coberturas coluvionares); c) estruturas geológicas (foliação, fraturas e outras descontinuidades geológicas); d) evidências de movimentação (cicatrizes de escorregamentos, trincas e degraus de abatimento nos terrenos, inclinação de árvores, postes e muros, rachaduras nas casas, muros embarrigados); e) cobertura do terreno (solo exposto, vegetação, culturas, lixo e entulho lançado); e f) condições associadas às águas servidas, pluviais e sub-superficiais (redes de água e esgoto, concentração de águas superficiais, sistemas de drenagem, fossas, lançamento de água servida e esgoto a céu aberto, surgências d água). A estimativa de risco dos setores analisados foi feita de forma qualitativa, a partir de observações de campo integrando os parâmetros de análise contidos numa ficha de avaliação de risco, com o apoio de imagens aéreas. Os graus de risco considerados são aqui apresentados na Tabela 1. 3

4 Tabela 1 Graus de risco relacionados a escorregamentos. Graus de Risco R1 Baixo R2 Médio R3 Alto R4 Muito Alto Critérios Básicos e Descrição setor são de baixa potencialidade para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos. Não há indícios de desenvolvimento de processos de instabilização de encostas e de margens de drenagens. É a condição menos crítica. Mantidas as condições existentes, não se espera a ocorrência de eventos destrutivos no período de 1 ano. setor são de média potencialidade para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos. Observa-se a presença de alguma(s) evidência(s) de instabilidade (encostas e margens de drenagens), porém incipiente(s). Mantidas as condições existentes, é reduzida a possibilidade de ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de 1 ano. setor são de alta potencialidade para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos. Observa-se a presença de significativa(s) evidência(s) de instabilidade (trincas no solo, degraus de abatimento em taludes, etc.). Mantidas as condições existentes, é perfeitamente possível a ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de 1 ano. setor são de muito alta potencialidade para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos. As evidências de instabilidade (trincas no solo, degraus de abatimento em taludes, trincas em moradias ou em muros de contenção, árvores ou postes inclinados, cicatrizes de escorregamento, feições erosivas, proximidade da moradia em relação à margem de córregos, etc.) são expressivas e estão presentes em grande número ou magnitude. É a condição mais crítica. Mantidas as condições existentes, é muito provável a ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de 1 ano. 3.3 Trabalhos de campo Os trabalhos de campo consistiram em investigações geológico-geotécnicas para caracterização dos setores de risco e foram realizadas de julho a setembro de 2007 por meio de vistorias de campo. Os dados dos trabalhos de campo foram sistematizados em fichas de campo apropriadas com as respectivas descrições de caracterização de risco de cada setor. As descrições dos setores de risco apresentam assim, os diversos condicionantes geológicos e geotécnicos importantes para a caracterização dos processos de instabilização de encostas em áreas urbanas, quais sejam: tipologia (natural ou corte e aterro) e geometria da encosta, tipos de materiais mobilizados (solo / rocha / lixo / detritos etc.), tipologia de movimentos de massa ocorrentes ou esperados, tipo de talude (natural ou corte e aterro) e condição de escoamento e infiltração de águas superficiais e servidas. Além da caracterização dos processos de instabilidade, a descrição contempla também parâmetros de análise da vulnerabilidade em relação às formas de uso e ocupação presentes nas áreas de risco. A Tabela 2 apresenta critérios para a caracterização geral da ocupação das áreas. 4

5 Tabela 2 Critérios para caracterização da ocupação. CATEGORIA DE OCUPAÇÃO Área consolidada Área parcialmente Consolidada Área parcelada Área mista CARACTERÍSTICAS Áreas densamente ocupadas, com infra-estrutura básica. Áreas em processo de ocupação, adjacentes a áreas de ocupação consolidada. Densidade da ocupação variando de 30% a 90%. Razoável infra-estrutura básica. Áreas de expansão, periféricas e distantes de núcleo urbanizado. Baixa densidade de ocupação (até 30%). Desprovidas de infraestrutura básica. Nesses casos, caracterizar a área quanto à densidade de ocupação e quanto à implantação de infraestrutura básica. Figura 2 Vista de porção do Bairro Cota 95/100 com os diferentes setores de risco: Risco Muito Alto (Vermelho), Alto (Laranja), Médio (Amarelo) e Baixo (Verde). Na avaliação de risco foram considerados também aspectos específicos, tais como o padrão construtivo das habitações (madeira, alvenaria, misto) e a distância das mesmas em relação ao raio de alcance dos processos ocorrentes ou esperados. Observou-se ainda o estágio da ocupação atual, incluindo aspectos gerais sobre infra-estrutura urbana implantada, tais como: condições das vias (pavimentada, terra, escadarias), sistemas de drenagem e esgoto, pontes e outras melhorias urbanas. 3.4 Tratamento dos dados e elaboração do Mapa de risco As informações cartográficas e de campo referentes aos setores de risco identificados foram delimitadas em imagem aérea. Nessa base foram digitalizados os polígonos referentes aos setores mapeados e suas respectivas classificações quanto ao risco (Figuras 2 e 3). No texto dos relatórios específicos referentes aos mapeamentos realizados são descritas e ilustradas as situações observadas em cada um dos setores/compartimentos de risco analisados e feitos os devidos comentários e considerações acerca das medidas de gestão de riscos passíveis de serem adotadas. 5 Figura 3 Vista de porção do Bairro Cota 200 com os diferentes setores de risco: Risco Muito Alto (Vermelho), Alto (Laranja), Médio (Amarelo) e Baixo (Verde). 4 Considerações finais Os trabalhos de análise e setorização de riscos realizados nos Bairros Cota em Cubatão teve como objetivo apresentar o quadro das condições de risco das ocupações presentes nas encostas frente a processos geodinâmicos de instabilização dos terrenos. Este estudo visou subsidiar a CDHU na tomada de decisões de intervenções urbanísticas e de prevenção de acidentes. As alternativas de intervenção previstas para a área compreendem basicamente a remoção de moradias e a reurbanização da ocupação remanescente.

6 A análise das situações observadas nos setores de risco presentes nos Bairros-Cota permite as seguintes considerações para a adoção das melhores alternativas visando a segurança e a qualidade de vida das pessoas que moram nas encostas da Serra do Mar. a) os setores de Muito Alto Risco (R4) compreendem de forma geral assentamentos de padrão precário ocupando os piores terrenos sob o ponto de vista de estabilidade geológica e geotécnica. Consistem geralmente de edificações mais recentes, com baixo padrão construtivo e forma inadequada de ocupação, nos trechos mais limítrofes do bairro, avançando em direção às porções mais superiores das encostas serranas, sujeitos ao impacto de materiais oriundos de instabilizações tanto nas encostas naturais a montante quanto nos taludes de cortes e aterros, bem como ao longo das linhas de drenagem. Estes setores mostram ainda um histórico freqüente de acidentes de escorregamentos associados principalmente a instabilizações em cortes e aterros. Em razão do grau elevado de risco presente nesses setores é recomendável como primeira alternativa a remoção de todas as moradias aí instaladas e a sua proibição para futuras ocupações; b) os setores caracterizados como de Alto Risco (R3) compreendem bolsões de ocupação onde os terrenos se mostram relativamente mais estáveis que os setores R4 e o padrão da ocupação e o nível de consolidação urbana são melhores. São áreas onde há, porém, alta probabilidade de ocorrência de acidentes de escorregamentos associados principalmente aos taludes de corte e aterro e concentrações de água em superfície. São áreas passíveis de manutenção da ocupação desde que um conjunto de intervenções de engenharia, tais como drenagem e contenções localizadas, sejam adequadamente executadas, no bojo de um projeto urbanístico que garanta melhores condições de segurança e habitabilidade. Em algumas situações, remoções pontuais de moradias em situação mais crítica podem ser a melhor alternativa sob o ponto de vista de benefício e custo; c) os setores caracterizados como de Baixo (R1) e Médio Risco (R2) compreendem os núcleos de moradias ocupando terrenos suavizados das encostas, em condições mais favoráveis sob o ponto de vista de sua estabilidade. São núcleos de ocupação mais antigos e consolidados sob o ponto de vista urbano, estando aptos a permanecer na área. A inserção progressiva de melhorias da infraestrutura urbana, no bojo de projetos de reurbanização da área, tende a melhorar sobremaneira as condições de qualidade de vida e segurança dessas comunidades. As intervenções previstas para a mitigação de riscos das ocupações humanas na Serra do Mar tendem a melhorar as suas condições de segurança. No entanto, considerando a dinâmica natural dos processos de instabilização de encostas reinantes na Serra do Mar, há que sempre se considerar os riscos intrínsecos de natureza geológica e geotécnica dessa região, não sendo possível, portanto, executar intervenções de engenharia que garantam a total eliminação dos riscos. 6

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP.

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. (Relatório de Andamento Bairro-Cota 200) Centro de Tecnologias

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo 1. Introdução O intenso processo de urbanização vivido no País desde os anos 80, a falta

Leia mais

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Seminário URBFAVELAS 2014 São Bernardo do Campo - SP - Brasil MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Fabricio Araujo Mirandola

Leia mais

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Introdução e Objetivos Anualmente inúmeros desastres decorrentes de eventos

Leia mais

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS OBJETIVOS: Atualização do mapeamento de riscos associados a escorregamentos de encostas; Indicação de tipologias de intervenções

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM LEVANTAMENTO DE ÁREAS DE RISCO ALTO E MUITO ALTO A DESLIZAMENTOS E INUNDAÇÕES NO ESTADO DO PARANÁ Pedro Augusto dos Santos Pfaltzgraff Maria Emilia R. Brenny Obje8vos:

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS Produto 2 Mapeamento de Risco Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana Belo Horizonte, Setembro de 2009. PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA SERRA DO MAR RECUPERAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL DAS ÁREAS DE OCUPAÇÃO IRREGULAR NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO

PROGRAMA SERRA DO MAR RECUPERAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL DAS ÁREAS DE OCUPAÇÃO IRREGULAR NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO PROGRAMA SERRA DO MAR RECUPERAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL DAS ÁREAS DE OCUPAÇÃO IRREGULAR NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO Luis Augusto Bicalho Kehl Arquiteto Projetos Especiais Companhia de Desenvolvimento Habitacional

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO AVALIAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO ASSOCIADO A ESCORREGAMENTOS PARA AS COMUNIDADES ESTRADINHA (A MONTANTE DO CEMITÉRIO SÃO JOÃO BATISTA), MORRO DOS URUBUS, MORRO DOS PRAZERES E ESCONDIDINHO, MORRO

Leia mais

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado Mapeamento de riscos associados a escorregamento em encostas nas áreas de assentamento precário do Município de Eldorado EDILSON PISSATO Março/2012 Associação dos Mineradores de Areia do Vale do Ribeira

Leia mais

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Luciane de Castro Campos Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte-

Leia mais

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Gerenciamento de riscos a escorregamentos em encostas Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Característica estrutural

Leia mais

Universidade Federal do ABC. Graduação em Engenharia Ambiental e Urbana. Fábio De Santis Campos

Universidade Federal do ABC. Graduação em Engenharia Ambiental e Urbana. Fábio De Santis Campos Universidade Federal do ABC Graduação em Engenharia Ambiental e Urbana Fábio De Santis Campos METODOLOGIAS, PROCEDIMENTOS E UTILIZAÇÃO DE CARTAS GEOTÉCNICAS DE RISCOS DE ESCORREGAMENTOS E PROCESSOS CORRELATOS

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Integrantes da missão: Renato Lima Lázaro V. Zuquette Eduardo Mantovani

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS

MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS 2 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luís Inácio Lula da Silva MINISTRO DAS CIDADES Marcio Fortes de Almeida SECRETÁRIO NACIONAL DE PROGRAMAS URBANOS SUBSTITUTO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES 1ª ETAPA: DETALHAMENTO DA METODOLOGIA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES Fundação Espírito-Santense de Tecnologia Dezembro de 2006 Plano Municipal de Redução

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT Science in Health 2010 mai-ago; 1(2): 111-6 METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) METHOD OF MAPPING AND INTERPRETATION OF TRAIL: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA)

Leia mais

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS Roberto Epifânio Lessa beto.lessa.epifanio@hotmail.com /Bolsista FAPEAM Márcia Regina Albuquerque Alves marciaregina.geo@gmail.com /Bolsista

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO Autores: Jonathan J. Campos, William de O. Sant Ana, Jefferson de Faria, Maria G. R. de Souza,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS Mestre e Doutora pela EPUSP- Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Professora do CEFET-SP

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 1 a ETAPA - METODOLOGIA Detalhamento da Metodologia e Planejamento das Atividades

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 1 a ETAPA - METODOLOGIA Detalhamento da Metodologia e Planejamento das Atividades Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG 1 a ETAPA - METODOLOGIA Detalhamento da Metodologia e Planejamento das Atividades Vitória, 08 de Dezembro de 2009 Plano Municipal de Redução de Risco de

Leia mais

PORQUE CAEM AS BARREIRAS

PORQUE CAEM AS BARREIRAS PARTE B PORQUE CAEM AS BARREIRAS CAPÍTULO 3 Risco Geológico CAPÍTULO 4 Processos que Causam Acidentes CAPÍTULO 3 Risco Geológico Conceitos 3. 1 Elementos de risco 3. 2 Classes de risco 3. 3 Fatores de

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

Direito à moradia e áreas de preservação ambiental - o caso da Favela Monte Taó SP

Direito à moradia e áreas de preservação ambiental - o caso da Favela Monte Taó SP Direito à moradia e áreas de preservação ambiental - o caso da Favela Monte Taó SP Maria de Lourdes Pereira Fonseca, Fabiana Cristina Luz, Jean Leonardo Tanajura Correia Resumo Grande parcela da população

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Paulo Cesar Fernandes da Silva INSTITUTO GEOLÓGICO Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Entendendo

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: 9º DATA: / / 2014 LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM 1. Analise a figura e o texto apresentados a seguir. Atualmente existem três categorias

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS

IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS Publicação IPT 2815 ACIDENTES ASSOCIADOS A MOVIMENTOS GRAVITACIONAIS DE MASSA OCORRIDOS NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DO JORDÃO, SP, EM JANEIRO DO ANO DE 2000: AÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DESORDENADA DO SOLO URBANO NO BAIRRO MORRO DO CARAPINA EM GOVERNADOR VALADARES MG

USO E OCUPAÇÃO DESORDENADA DO SOLO URBANO NO BAIRRO MORRO DO CARAPINA EM GOVERNADOR VALADARES MG USO E OCUPAÇÃO DESORDENADA DO SOLO URBANO NO BAIRRO MORRO DO CARAPINA EM GOVERNADOR VALADARES MG Jéssica Barbosa Guedes - Aluna do 5º período do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental do IFMG, campus

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM UNDERSTANDING RISK SEÇÃO: CRESCIMENTO URBANO SEM RISCOS DE DESLIZAMENTOS Conhecimento, Prevenção, Preparação, Resposta e Mudança de Hábitos Belo Horizonte, novembro de

Leia mais

MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS. Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 RESUMO

MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS. Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 RESUMO MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 1 Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Geociências asccoti@yahoo.com.br

Leia mais

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 No dia 12/04/2010, realizou-se no Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco CAPÍTULO 17 Gerenciamento de Risco Organização da Defesa Civil 17. 1 Procedimentos para a gestão do risco 17. 2 Ações permanentes de Defesa Civil em áreas de morros 17. 3 Plano Preventivo de Defesa Civil

Leia mais

Geomorfologia e Planejamento. Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA

Geomorfologia e Planejamento. Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA Geomorfologia e Planejamento Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA O que é a GEOMORFOLOGIA? Dolatimgeo=terra,morfo=forma,logos=estudo CiênciadaNaturezaqueestudaeexplicaasformasdaTerra.

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC

ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC 935 ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC FERNANDO DA FONTOURA XAVIER 1 PAULO EGYDIO BERKENBROCK 2 1 TECGEO Sondagens Geofísicas. Rua Maria Popper, 120 Bairro Asilo

Leia mais

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Geóg. Maria Carolina Villaça Gomes Mestranda em Geografia Física - USP Os desastres

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis Maria Teresa Diniz Município de São Paulo População = 10, 5 milhões hab. Área = 1.509 km² Subprefeituras = 31 Distâncias: Norte-Sul = 60 Km Leste-Oeste

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CENTRO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DESASTRES.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CENTRO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DESASTRES. Ao SUMÁRIO MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CENTRO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DESASTRES Objeto Levantamento de dados e análise da vulnerabilidade

Leia mais

DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS

DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS 1 DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS 1. Introdução Mais de 100 escorregamentos ocorreram nas encostas de Petrópolis na noite do dia 17 para o dia 18 de Março de 2013, provocando 33 mortes.

Leia mais

RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA

RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA Leandro Galvanese Kuhlmann¹; Victor Augusto Hilquias Silva Alves². Resumo A CPRM Serviço

Leia mais

3ª ETAPA Aspectos urbanísticos e participação comunitária

3ª ETAPA Aspectos urbanísticos e participação comunitária PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE NOVA LIMA - MG 3ª ETAPA Aspectos urbanísticos e participação comunitária Fevereiro de 2007 ÍNDICE 1. Introdução... 03 2. Análise urbanística 2.1 Alvorada... 04 2.2

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO INFORMAÇÕES BÁSICAS datas de início e término: local: fonte de recursos: arranjo institucional: 2015

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Ministro das Cidades Marcio Fortes de Almeida. Secretária Nacional de Programas Urbanos Raquel Rolnik

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Ministro das Cidades Marcio Fortes de Almeida. Secretária Nacional de Programas Urbanos Raquel Rolnik MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro das Cidades Marcio Fortes de Almeida Secretária Nacional de Programas Urbanos Raquel Rolnik Departamento de Assuntos Fundiários Urbanos Celso Santos Carvalho - Diretor de

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de

12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de 86 12 - HABITAÇÃO Bela Vista de Goiás 12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de Na região central da Zona Urbana a heterogeneidade está evidente em suas edificações. Existem alguns

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

SELO DE MÉRITO ABC/FNSHDU EDIÇÃO 2013 AÇÕES INTEGRADAS DE REQUALIFICAÇÃO URBANA E SOCIOAMBIENTAL NO BAIRRO COTA 200 DO MUNICÍPIO DE CUBATÃO - SP

SELO DE MÉRITO ABC/FNSHDU EDIÇÃO 2013 AÇÕES INTEGRADAS DE REQUALIFICAÇÃO URBANA E SOCIOAMBIENTAL NO BAIRRO COTA 200 DO MUNICÍPIO DE CUBATÃO - SP SELO DE MÉRITO ABC/FNSHDU EDIÇÃO 2013 AÇÕES INTEGRADAS DE REQUALIFICAÇÃO URBANA E SOCIOAMBIENTAL NO BAIRRO COTA 200 DO MUNICÍPIO DE CUBATÃO - SP ANTECEDENTES DO PROJETO ATORES Cooperação Técnica entre:

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Curso de Capacitação em Mapeamento e Gestão de Riscos RISCO AMBIENTAL URBANO condição potencial da ocorrência de um acidente que possa causar perda

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos G. J. Pellegrina 1, M. A. Oliveira 1 e A. S. Peixoto 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas (UNESP), Bauru S.P., Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais