Eng Mauro Hernandez Lozano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eng Mauro Hernandez Lozano"

Transcrição

1 1. Problemas, Causas e Soluções 1.1. Trincas Aterros em Seção Mista Aterros sem Controle Tecnológico Atrito Negativo Rebaixamento do Lençol Freático Elevação do Lençol Freático Construções Justapostas Excesso de Vegetação Heterogeneidade do Subsolo Cavernas no Subsolo Tamanho das Sapatas Efeito de Momentos Infiltrações das Redes Hidrosanitárias Deficiências de Drenagem Superficial 1.2. Recalques e Subsidências Aterros sobre de Solos Moles Solos Colapsíveis Solos Expansíveis Áreas Cársticas 1.3. Erosão Remoção da Vegetação Concentração de Fluxo D água Solos Suscetíveis à Erosão Aterros sem Controle Tecnológico 1.4. Deslizamento Fase de Execução Remoção da Camada Superficial Escavação Aterros Águas Pluviais Fase de Ocupação Águas Servidas Infiltrações de Água Fossa Sanitária Deposição de Lixo 1.5. Quedas de Pedras Descontinuidade de Maciços Rochosos Matacões 1 / 33

2 1. Problemas, Causas e Soluções A sociedade tem a necessidade de ocupação do território assim se constitui num verdadeiro agente de modificação da topografia natural do terreno. Com a necessidade de implantar platôs para vias de circulação, espaços planos para implantar suas edificações o homem vem, por falta da aplicação de engenharia geotécnica adequada, destruindo a natureza e seus semelhantes. A ocupação humana deveria ser precedida de estudos geotécnicos que conferissem à sociedade a segurança adequada mas isto ainda não é adequadamente aplicado. Este capítulo abordara os principais problemas causas e soluções de taludes e encostas acarretados pela ocupação do homem e pela falta de aplicação dos conhecimentos de engenharia geotécnica. Este item visa apresentar os principais problemas geotécnicos observados em obras de edificações e de implantação urbana, advindos de deficiências de concepção, projeto, obras, implantação de edificação e manutenção geral da infra-estrutura implantada. A seguir estão relacionados os problemas, indicando as principais causas e possíveis soluções Trincas O processo de trincas consiste no excesso de deformações diferenciais nas estruturas, geradas por recalques das fundações. Os recalques geralmente são iniciados pela deformação ou ruptura da camada de solo, onde as fundações estão assentadas ou pela presença de camadas adjacentes compressíveis. Em função das características geotécnicas do material e do tipo de estrutura o processo pode alcançar maiores ou menores proporções. Assim, cabe ao engenheiro geotécnico prever a intensidade dos recalques. As principais causas das trincas e respectivas soluções para que não ocorram estão apresentadas a seguir Heterogeneidade do Subsolo Causas: Perfil Geológico Geotécnico (PGG) com camadas de solo de comportamentos diferentes; 2 / 33

3 Falha na programação, acompanhamento e ou execução das sondagens e PGG ; Vícios de interpretação das investigações e analise do comportamento dos solos. Soluções: Realizar investigações geológico-geotécnicas do subsolo adequadas; Montar PGG em várias seções transversais e longitudinais, abrangendo toda a área da edificação; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço de fundação com estacas mega ou micro estacas Solos Expansíveis Causas: Falha na Investigação Geológico-Geotécnica (IGG); Desconhecimento do comportamento de solos colapsíveis; Estes solos quando submetidos ao aumento de umidade expandem; Aumento do teor de umidade das camadas do subsolo; Infiltração de água no subsolo; Vazamentos de rede hidrosanitárias; 3 / 33

4 Falhas de projeto e manutenção da drenagem superficial TERRENO ATUAL TERRENO NATURAL CAMADA DE SOLO EXPANSÍVEL Soluções: Efetuar IGG adequada; Realizar ensaios de compressão edométrica, determinar pressão de expansão e projetar solução adequadamente; Aplicar carregamento maior do que o de expansão; Desenvolver reforço ou dispositivo de segurança contra vazamentos das redes hidrosanitárias; Inibir a possibilidade de aumento de umidade com projeto de impermeabilização; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforçar com aumento de cargas Solos Colapsíveis Causas: Falha na investigação geológico-geotécnica (IGG); Presença de solos porosos, não saturados com N(SPT) baixos; Estes solos quando submetidos ao aumento de umidade, sofrem brusca redução de volume (colapso). 4 / 33

5 Desconhecimento do comportamento de solos colapsíveis; Aumento do teor de umidade das camadas do subsolo; Infiltração de água no subsolo; CARREGAMENTO INSTANTE DE INUNDAÇÃO DO SOLO RECALQUE Soluções: Efetuar IGG adequada; Realizar ensaios de compressão edométrica e projetar solução adequadamente; Inibir a possibilidade de aumento de umidade com projeto de impermeabilização; Desenvolver reforço ou dispositivo de segurança contra vazamentos das redes hidrosanitárias; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço de fundação com estacas mega ou micro estacas; Reforço de fundação com sapatas corridas e trocas de solo por sacos de solo cimento Tamanho das Sapatas Causas: 5 / 33

6 Falta ou falha nas determinações de N(SPT), obtida na sondagem a percussão; Sapatas com dimensões muito estreitas podem causar tensões no solo maiores que as admissíveis, elevando os recalques; Vicio de projeto na determinação das tensões admissíveis; Não atendimento à largura mínima de sapatas. a concha de ruptura Soluções: De acordo com a NBR 6122: Em planta, as sapatas ou blocos não devem ter dimensão inferior a 60 cm ; Efetuar sondagens e atender as normas de projeto; Dimensionar as sapatas de forma que os lados tenham aproximadamente o mesmo tamanho, para uma melhor distribuição de tensões no solo; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço de fundação Construções Justapostas Causas: 6 / 33

7 A interseção dos bulbos de pressões significa que as tensões causadas no solo pela edificação maior influenciam as tensões sob a outra edificação. Tal influência aumenta o carregamento nas fundações da edificação menor, causando recalques diferenciais; Incompatibilização do distanciamento e altura entre fundações vizinhas de acordo com o solo da camada de apoio, não respeitando as condições sugeridas pela norma brasileira NBR α VER DETALHE DETALHE Soluções: Se a edificação a ser construída apresentar carregamentos maiores que as edificações vizinhas existentes, deve-se adotar a cota de assentamento das fundações mais profundas que as existentes; Se a edificação a ser construída apresentar carregamentos menores que as edificações vizinhas existentes, deve-se considerar a parcela de pressões sobre as fundações; De acordo com a NBR 6122, em solos pouco resistentes α>60º, em solos resistentes α=45º e em rochas α=30º; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço de fundação com estacas mega ou micro-estaca Efeito de Momentos Causas: 7 / 33

8 Efeito de momentos fletores nas fundações devido à ação do vento ou de carregamentos laterais (por exemplo muros e empuxos de terra). Caso as dimensões das fundações não estiverem preparadas para este esforço acidental haverá aumento de tensões sobre o solo. P P M A B A B σ A σa σb σ B sem momento com momento Soluções: Verificar o método de dimensionamento, na norma NBR 6122, para sapatas com ações de momentos; Determinar o diagrama de tensões no solo, comparar com as tensões admissíveis e verificar o coeficiente de segurança; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço de fundação com micro-estaca Atrito Negativo Causas: Atrito negativo ocorre nas fundações profundas que atravessam uma camada de solo mole. Este atrito é causado pelo adensamento da camada de solo mole pelo peso próprio do solo ou pelo peso da edificação ou aterro; 8 / 33

9 Diminuição do volume da camada de solo mole as estruturas ou aterros que estiverem apoiadas no solo compressível sofrerão recalques; Sobrecarga nas fundações causando recalques diferenciais na estrutura. A TER R O A RG ILA M O LE A REIA C O M P A CTA Soluções: Realizar investigação geológica geotécnica, para verificar a existência e a espessura de camadas de solo mole; Considerar o carregamento do solo compressível no dimensionamento das fundações; Lubrificar as paredes da estaca Utilizar-se de sobrecarga para acelerar recalque; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço de fundação com uso micro-estaca Deficiências de Drenagem Superficial 9 / 33

10 Causa: Declividade insuficiente para escoamento das águas; Declividade em sentido contrário à rede coletora de águas superficiais; Canaletas e escadarias hidráulicas com dimensões insuficientes para o escoamento das águas; Inundações causadas pela deficiência ou obstrução da rede coletora de águas pluviais. Soluções: Executar projeto e execução de obras drenagem superficial adequada; Evitar que a inclinação do terreno cause empoçamentos de água; Verificar periodicamente se há existência de trincas na estrutura que possam causar infiltrações; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Dimensionar canaletas e escadarias hidráulicas com folga, levando em consideração a área da bacia de contribuição, o período de retorno e a intensidade das chuvas no local Infiltrações das Redes Hidrosanitárias 10 / 33

11 Causas: Vazamentos nas redes de abastecimento de água, fossas sanitárias ou redes de esgoto; Estes vazamentos podem causar escorregamentos de solo. Estas infiltrações aumentam a umidade do solo podendo até satura-lo, causando conseqüentemente problemas geotécnicos para alguns solos; Soluções: Projeto adequado considerando o comportamento dos solos de fundação e as possibilidades de ocorrências de infiltração e saturação; Efetuar um projeto de impermeabilizações e drenagem; Criar dispositivos de controle e alerta quanto às possibilidades de infiltração Manutenção na rede já implantada, trocando a tubulação danificada; Destruir ou desativar as fossas sanitárias, implantando rede e dispositivos para tratamento de esgotos Aterros em Seção Mista Causas: 11 / 33

12 A resistência mecânica do aterro pode ser menor que a resistência do solo natural. Sendo assim, edificações com cargas uniformemente distribuídas ou mais carregadas sobre o aterro podem sofrer recalques diferenciais, pela compressibilidade diferencial entre as camadas; Falha na IGG, por não verificar as diferenças de compressibilidade; Vicio de dimensionamento, falta de quantificar os recalques diferencias; Projeto inadequado por não uniformizar a deformabilidade das fundações; Terreno Atual Terreno Natural Corte Aterro Soluções: Desenvolver investigações e projeto de acordo com a boa prática; Evitar excesso de carregamento sobre a camada de aterro, quando possível; Projetar fundações com cota de assentamento em camadas de solo de mesma compressibilidade; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Executar aterro com solo reforçado Aterros sem Controle Tecnológico Causas: A falta de controle tecnológico na execução do aterro não garante a qualidade do aterro, podendo apresentar-se mal compactado e conseqüentemente com baixa resistência mecânica e elevada compressibilidade; 12 / 33

13 Aterros executados com entulho podem causar deformação da camada na presença de águas pluviais; o entulho faz com que a camada fique com índice de vazios muito grandes, assim com a água da chuva os grãos de solo do aterro tendem a migrar para os vazios deixados pelo entulho; Falta de sistema adequado de drenagem, que permita escoamento rápido da água de chuva; Terreno Atual Terreno Natural Aterro Soluções: Verificar previamente a qualidade e quantidade do material de empréstimo; Realizar ensaios de compactação e controle tecnológico; Projetar sistema adequado de drenagem para águas pluviais; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço com estacas mega ou micro estaca Rebaixamento do Lençol Freático Causas: Rebaixamento do lençol freático causa um acréscimo de tensões efetivas no solo, causando sobrecarga nas camadas de fundações; Deficiências de projeto não considerando esta possibilidade; Quantificação inadequada de recalques possíveis por este efeito; Valas ou outras escavações acarretando no rebaixamento do lençol freático 13 / 33

14 TERRENO ATUAL TERRENO NATURAL NA (NÍVEL D'ÁGUA) NA NA ESCAVAÇÃO REBAIXAMENTO Soluções: Prever o acréscimo de tensões efetivas no dimensionamento das fundações; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço e fundação com estacas tipo mega ou micro-estaca Elevação do Lençol Freático Causas: Ocorre diminuição de pressão efetiva das camadas de fundações e conseqüente redução de resistência e aumento de deformação; Deficiências de projeto não considerando esta possibilidade; Quantificação inadequada de recalques possíveis por este efeito; Infiltração de água e saturação das camadas do subsolo; Aumento do nível d água de rios, lagos e inundações; 14 / 33

15 NA (NÍVEL D'ÁGUA) NA final NA NA NA inicial ELEVAÇÃO Soluções: Quando houver possibilidade de ocorrer elevação do lençol freático, deve-se evitar apoiar as fundações em camadas cujo comportamento e duvidoso; Prever a redução das tensões efetivas e seu efeito no projeto de fundação; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço e fundação com estacas tipo mega ou micro-estaca Cavernas no Subsolo Causas: É possível haver e ou surgir vazios no subsolo decorrentes de desabamentos subterrâneos que poderão causar deformações não previstas no projeto de fundações; Erosões por infiltrações de água; Solapamentos de redes hidrosanitárias; Cavernas de exploração de água em terrenos em regiões cársticas. 15 / 33

16 Soluções: Realizar investigações geológico-geotécnicas, para procurar quantificar o problema; Evitar apoiar as fundações em solos sobre cavernas subterrâneas; Projetar considerando esta possibilidade, quando previsível; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Injeção de solo cimento ou nata de cimento; Reforço e fundação com estacas tipo mega ou micro-estaca Excesso de Vegetação Causas: Excesso de vegetação, pode alterar a umidade do solo podendo causar deformação, não prevista, da camada de solo; Raízes de grandes árvores podem danificar a estrutura da fundação, causando recalques diferenciais. 16 / 33

17 Soluções: Evitar o excesso de vegetação em solos saturados; e evitar o plantio de árvores frondosas muito próximas às edificações; Acompanhar os recalques e aguardar estabilização; Reforço e fundação com estacas tipo mega ou micro-estaca Recalques e Subsidências Consiste na movimentação vertical da superfície do terreno, manifestando-se pelo afundamento do terreno e ocasionados pela deformação vertical de camadas do subsolo Aterros Causa : Execução de aterros sobre solos compressíveis, onde o peso do aterro e eventuais sobrecargas provocam o adensamento da camada, acarretando-se recalques na superfície do aterro; Compactação inadequada do aterro, gerando uma massa compressível, que com o tempo sofre ação do seu peso próprio e de sobrecarga acomodando-se, provocando afundamentos e deformações na superfície do aterro; Deficiência do sistema de drenagem e rompimento de bueiros ou galerias, sob os aterros. 17 / 33

18 RECALQUE RUPTURA DE BUEIRO Estudo de recalques com proposição de medidas estabilizadoras como troca do solo de fundação, drenagem profunda ou aplicação de sobrecarga prévia; Execução de aterro adequadamente compactado com controle tecnológico; Reconstrução de aterro e bueiro, com dimensionamento adequado de sua fundação Solos Colapsíveis Causa : Em solos colapsíveis o fenômeno de subsidência ocorre pela destruição de uma estrutura muito instável do arranjo das partículas, solos porosos, quando submetido à ação da água. Provocando uma brusca e acentuada redução de volume; A ação as água nestes solos pode ocorrer devido à ruptura de condutos de água ou esgoto, infiltração de águas de chuva, ascensão do lençol freático, etc. Deficiência de IGG e projeto geotécnico. Execução de um levantamento geológico geotécnico da área, através de mapas e cartas e investigações, que permitam identificar a presença do fenômeno, a fim de tomar-se medidas preventivas; 18 / 33

19 Ensaios de laboratório para caracterizar e quantificar o problema e soluciona-lo; Manutenção das redes de água e esgoto; Reconstrução da tubulação, com dimensionamento adequado de sua fundação. Impermeabilização da superfície e rede de drenagem adequada Solos Expansíveis Causa: Em solos expansíveis o aumento de umidade por qualquer tipo de infiltração poderá acarretar em deslocamentos para cima das estruturas apoiadas nestes solos, e conseqüentemente danifica-las; A ação as água nestes solos pode ocorrer devido à ruptura de condutos de água ou esgoto, infiltração de águas de chuva, ascensão do lençol freático, etc. Bueiros, galerias, adutoras e outras redes de líquidos, quando danificadas vazam podendo acarretar em subsidências; Deficiência de IGG e projeto geotécnico. Solução Execução de um levantamento geológico geotécnico da área, através de mapas e cartas e investigações, que permitam identificar a presença do fenômeno, a fim de tomar-se medidas preventivas; Ensaios de laboratório para caracterizar e quantificar o problema e soluciona-lo; Manutenção das redes de água e esgoto; Reconstrução da tubulação, com dimensionamento adequado de sua fundação; Impermeabilização da superfície e rede de drenagem adequada Áreas Cársticas Causa : A carstificação é um fenômeno natural que consiste na dissolução de rochas por solúveis, como calcárias ou carbonáticas, por ação de águas subterrâneas, formando rios subterrâneos, aonde as fendas vão se alargando lentamente (centímetros por séculos) 19 / 33

20 O processo de carstificação pode ser acelerado por ação humana, com alteração de das propriedades físico químicas da água através de poluentes ou movimentação das águas de superfície por ação exploração de águas subterrâneas com bombeamento, alterando sua dinâmica. Estas alterações nas feições cársticas podem desencadear processos de subsidência. Execução de um levantamento geológico geotécnico da área, através de mapas e cartas e investigações, que permitam identificar a presença do fenômeno, a fim de tomar-se medidas preventivas; Fundações profundas e injeções de solo cimento ou nata Erosão O processo erosivo consiste na destruição da estrutura do solo e sua remoção por ação de águas superficiais. A erosão geralmente é iniciada pelo impacto das chuvas em um solo desprotegido, desagregando suas partículas, e aos poucos liberando porções destas partículas. Esta ação inicial é complementada pela ação do escoamento superficial, que com sua velocidade e energia arrastam as partículas liberadas. Em função das características geotécnicas do material o processo pode alcançar maiores ou menores proporções. Nas obras de escavações há a remoção da camada vegetal e alteração da superfície do terreno natural, estas ações do homem afetam a drenagem natural do terreno e expõe os solos sub superficiais ao processo de erosão. Assim, cabe ao engenheiro geotécnico, prever a intensidade de tais problemas, considerando a suscetibilidade dos solos, volumes e velocidades da água de chuva, profundidade do lençol freático e declividades do terreno. E, propor soluções provisórias e permanentes, respectivamente para as fases de execução das obras de terraplenagem e posteriormente a elas. As principais causas da erosão e respectivas soluções estão apresentadas a seguir: Remoção da Vegetação Causa: 20 / 33

21 Conforme descrição do fenômeno acima, a remoção da vegetação retira a proteção natural do terreno, expondo o solo á ação das chuvas, desencadeando a erosão. Recomposição da vegetação nos locais descobertos por plantio de gramas; Implantação de sistemas de drenagem superficial, provisório, durante a execução das obras com cordões em solo e valetas, ou definitivo, com canaletas, escadarias hidráulicas, bocas de lobo, galerias etc. SOLUÇÃO PARA DRENAGEM PROVISÓRIA EM ÁREAS COM EROSÕES EM SULCO FAIXA COM GRAMA A CORDÕES EM SOLO SULCOS DE ERO SÃO ACOMPANHA CURVA DE NÍVEL DO TERRENO i=sentido DE ESCOAM ENTO DAS ÁGUAS A PLANTIO DE GRAMA CORDÃO EM SOLO SEÇÃO A-A Concentração de Fluxo D água Causa: 21 / 33

22 A concentração de fluxo d água, geralmente advindo de precipitação das chuvas, gera um escoamento com energia da água que, em contato com o terreno natural, desencadeia o processo de erosão; Sistemas de drenagem ineficientes ou mesmo de escoamentos irregulares acarretam a concentração de fluxos d água; Concentração de águas pluviais através de ruas, galerias, bueiros e eventualmente esgotos; Lançamento final da galeria de maneira inadequada, sem os cuidados necessários para dissipação de energia, iniciando um processo erosivo que a medida de sua evolução vai destruindo a rede, e formando boçorocas. LANÇAMENTO INADEQUADO EROSÃO A soluções devem ser concebidas nas fases de projeto, prevendo-se as situações mais criticas, quantificando o volume e velocidade da água; Implantação de sistemas de drenagem superficial com dissipadores de energia; Projetar e executar cordões de solo, sacos de solo cimento ou pedras definitivamente ou provisoriamente, dependendo da situação; Dimensionamento e implantação de escadarias hidráulicas com caixas de dissipação; Criar bacias de acumulo ou amortecimento da energia da água, com respectivo dimensionamento de sistema de extravasamento; Estabilização de taludes, com: retaludamento, sacos de solo cimento e muros de arrimo. 22 / 33

23 Solos Suscetíveis à Erosão Causa: A execução de obras de terraplenagem altera o sistema de drenagem natural e pode expor solos suscetíveis à erosão; Remoção da camada superficial de solos mais argilosos expondo solos residuais, geralmente suscetíveis a erosão; Exposição de; solos desagregáveis, de camadas de solo estruturado com lentes arenosas e solos expansíveis; Aterros executados sem compactação adequada. A suscetibilidade dos terrenos à erosão é determinada pelas características geológicogeotécnicas dos solos; Através dos ensaios de caracterização dos solos pode-se estimar o comportamento dos solos a erosão; Recomposição da vegetação nos locais descobertos por plantio de grama; Projeto e implantação de sistemas de drenagem superficial adequado à vulnerabilidade dos solos; Proteção superficial de taludes com hidrossemeadura, argamassa, pintura asfáltica com trepadeiras e pano de pedras; Estabilização ou contenções de taludes, com retaludamento, sacos de solo cimento e muros de arrimo Aterros sem Controle Tecnológico Causa: A execução de aterros com utilização de técnicas inadequadas, sem controle tecnológico, resultam em aterros fofos com a superfície final altamente suscetível à erosão, o que pode comprometer rapidamente a obra; Segue-se abaixo algumas práticas inadequadas que podem comprometer a obra: - execução de aterro lançando-se o solo sobre a superfície natural sem execução de compactação, ou com compactação deficiente; - execução do aterro em camadas muito espessa; 23 / 33

24 - a não observância do grau de compactação (GC) e umidade adequada; - má compactação na interface com a superfície do talude. Execução do aterro em camadas horizontais de no máximo 25 cm; Controle tecnológico das camadas do aterro através da verificação de espessuras, grau de compactação e desvio de umidade em função dos resultados de ensaios de laboratório; Compactação da superfície final do aterro com solo mais argiloso; Implantação de sistema de drenagem superficial com canaletas e escadarias, reduzindo o escoamento sobre o talude; Em talude remover ou compactar a camada solta superficial e proteção superficial dos taludes com plantio de grama; Retaludamento de corte, aterro ou misto 5.4. Deslizamento Os deslizamentos são movimentações de massa de solo, em taludes, de variadas dimensões, que podemos dividir basicamente em escorregamentos, quando ocorrem de maneira rápida em taludes naturais de corte ou aterro, e rastejos que desenvolvem de maneira lenta, sobretudo em terrenos naturais. O escorregamento pode ocorrer por diversos fatores, destacando-se à ação da água e da gravidade. A presença de trincas ao longo do talude pode indicar o início do processo. A situação será mais crítica quanto maiores e mais extensas forem estas manifestações. Os rastejos envolvem geralmente grandes massas de materiais, ocorrendo preponderantemente em solos de alteração (originados no próprio local) e tálus. O tálus é um tipo de solo originado por movimentações gravitacionais de massa antigas, que geralmente apresenta-se em condição de instabilidade natural, sobretudo quando sofrem alteração de sua geometria em implantação de cortes e aterros. As principais causas dos deslizamentos, vislumbrando as fases de execução e de ocupação, com indicação prevenção e soluções, estão apresentadas a seguir Fase de Execução 24 / 33

25 Remoção da Camada Superficial Causa: Os terrenos naturais que sofreram remoção indiscriminada da cobertura vegetal estão mais sujeitas à ocorrência de escorregamentos superficiais de erosão do que aqueles em que a vegetação foi preservada. Isto porque a cobertura vegetal representa proteção para o solo, diminuindo o impacto e a infiltração das águas pluviais, além de proporcionar uma maior resistência, através das raízes; Observa-se, entretanto, que a existência generalizada de plantações de bananeiras é prejudicial à estabilidade dos taludes, pois permite maior infiltração de água, facilitando a saturação dos mesmos. Implantação de cobertura vegetal apropriada, associada, quando necessário, a barreiras vegetais para proteção contra possíveis massas escorregadas; Remoção das bananeiras Escavação Causa: Deficiências de IGG e projeto geotécnico; Tendo em vista que o tálus é caracterizado por uma massa com pouca estabilidade, qualquer alteração na sua geometria, em obras de corte, aumentam sua condição de instabilização. Estas condições associadas à elevação de nível d água no corpo do tálus, por ocasião de chuvas, sobretudo intensas e prolongadas, podem instabilizá-lo, desencadeando a movimentação do terreno; Execução de cortes em terrenos com altas declividades, para implantação de vias e quadras, muitas vezes interceptando o lençol freático (chega a apresentar surgência no pé do talude), pode gerar um quadro de instabilização do terreno; Implantação do sistema viário, ou implantação de edificações executadas com escavações no terreno, resultando em taludes com grandes alturas e/ou inclinações elevadas. Em muitos casos esta geometria não condiz com as características geológico geotécnica do solo local, levando a uma condição de instabilidade do talude, que pode levar ao escorregamento, principalmente, quando submetido à ação das águas; 25 / 33

26 A saturação do maciço devida elevação do nível d água, em função da ocorrência de chuvas intensas e prolongadas, ruptura de redes de água e / ou esgoto, ou excessiva quantidade de fossas, resulta na aceleração do processo. INCLINAÇÃO EXCESSIVA ALTURA EXCESSIVA RUPTURA IGG e projeto geotécnico adequado; Impermeabilização da superfície do terreno; Desvio e canalização das águas conduzidas naturalmente para a superfície do corpo de tálus; Execução de estudo de estabilidade de talude, com definições de estabilização com: retaludamento, solo reforçado com geossintéticos ou chumbadores ou cortinas; Execução de redes de drenagem superficial, com canaletas, escadarias hidráulicas e galerias, desviando e canalização as águas que naturalmente eram aduzidas para a área mobilizada; Execução de sistema de drenagem profunda; Reparos e manutenção de redes de água e / ou esgoto Aterros Causa: Deficiência nas especificações e seqüência construtiva do projeto geotécnico; Falta de ensaios de compactação e controle tecnológico; 26 / 33

27 Em aterros executados sem qualquer controle tecnológico, onde geralmente o material é simplesmente lançado sem nenhuma compactação ou executados com compactação insuficiente, e não são tomados os cuidados necessários para limpeza e drenagem interna (quando necessária) da superfície de assentamento do aterro, podem apresentar condições de instabilidade; Nas condições anteriores, em ocasião da ocorrência de chuvas, ocorre o desenvolvimento de caminhos preferenciais de escoamento, sobretudo na interface do aterro com o terreno natural, onde muitas vezes não foi removida a vegetação local, levando ao escorregamento do talude. ATERRO LANÇADO SEM CONTROLE BASE DO ATERRO SEM LIMPEZA DA VEGETAÇÃO E CAMADA VEGETAL RUPTURA Projeto com especificações técnicas indicando procedimentos de execução e controle tecnológico; Execução de obras de aterro com controle tecnológico; Reconstrução do aterro com controle tecnológico, associada à drenagem e proteção vegetal; Execução de drenagem da fundação do aterro quando necessário; Execução do aterro com limpeza e de camada vegetal e em degraus no contato com maciço existente; Reforço de talude por retaludamento, solo reforçado com geossintéticos ou chumbadores, 27 / 33

28 Águas Pluviais Causa: Deficiência de projeto de drenagem; Lançamento inadequado e concentração de águas de chuvas, devido a rede de drenagem deficientes, ou mesmo inexistente com capacidades insuficientes, acabam por infiltrar no terreno através de trincas e fissuras, comprometendo a estabilidade de taludes de corte e aterros, levando-os a ruptura; Condição agravada por ocasião de chuvas intensas e prolongada. Projeto de drenagem adequados com definição de dispositivos de dissipação de energia; Implantação de sistemas adequados de coleta e condução das águas pluviais, provisórios com cordões e valetas, e definitivos, através de canaletas de base e crista de taludes, escadarias hidráulicas, galerias e lançamentos adequados; Obturação de trincas com solo argiloso compactado e execução de proteção superficial. Estabilização de taludes, com: retaludamento, muros de arrimo, solo reforçado com geossintéticos ou chumbadores ou cortinas Fase de Ocupação Águas Servidas Causa: Lançamento de águas servidas no terreno, decorrente da inexistência de sistemas de esgoto adequados, permite uma infiltração contínua no solo, provocando sua saturação e conseqüente ruptura de cortes e aterros; Problema agravado nos períodos chuvosos, quando a saturação do solo aumenta naturalmente. Implantação de sistema adequado de coleta e condução das águas servidas; Estabilização de taludes, com: retaludamento, muros de arrimo, solo reforçado com 28 / 33

29 geossintéticos ou chumbadores ou cortinas Infiltrações de Água Causa: Eng Mauro Hernandez Lozano Ruptura e vazamentos de tubulações de drenagem e hidrosanitárias provocando a saturação do solo e a diminuição da sua resistência, levando a instabilização de cortes e aterros; Aterros mal executados que se deformam com tempo rompendo as redes hidrosanitárias e de drenagem. Manutenção da rede existente; Implantação de sistema adequado de tubulações; Estabilização de taludes, com: retaludamento, muros de arrimo, solo reforçado com geossintéticos ou chumbadores ou cortinas Fossa Sanitária Causa: Fossas sanitárias, geram infiltrações no solo, onde, em função da sua quantidade e permeabilidade do solo, levam a uma saturação gradual do terreno. Esta saturação pode acarretar escorregamentos em taludes do loteamento. Quanto maior a densificação de fossas e a declividade do terreno, mais crítica é a situação; Aterros mal executados que se deformam com tempo rompendo as redes hidrosanitárias e de drenagem. Implantação sistema de rede de coleta de esgotos e de dispositivos para tratamento e disposição de esgotos; Estabilização de taludes, com: retaludamento, muros de arrimo, solo reforçado com geossintéticos ou chumbadores ou cortinas Deposição de Lixo Causa: 29 / 33

30 Acumulo de lixo e entulho em pontos do loteamento, sobretudo em terrenos inclinados e junto a taludes, gera uma massa com consistência muito fofa e alta porosidade, que com presença de água permite uma rápida saturação, levando ao escorregamento. Este escorregamento pode envolver apenas a massa de lixo, ou atingir parte da superfície do terreno; Quadro torna-se crítico, quando o lixo é lançado juntamente com as águas servidas, junto a linhas de drenagem naturais, e margens de córregos; Além do risco de escorregamentos, o acumulo de lixo também é uma ameaça para a saúde da população; Remoção do lixo e definição de locais adequados para sua deposição; Orientação e conscientização da população local; Implantação ou melhoria do serviço público de coleta; Estabilização de taludes, com: retaludamento, muros de arrimo, solo reforçado com geossintéticos ou chumbadores ou cortinas Quedas de Pedras A queda e rolamento de pedras se dão por ação da gravidade, constituído por movimentos rápidos, predominantemente em queda livre, que se dá em superfícies rochosas, ou terreno com presença de matacões, conforme descrito a seguir Descontinuidade de Maciços Rochosos Causa: Deficiências de IGG, projeto geotécnico e acompanhamento de obra; Taludes em rocha, naturais ou escavados, geralmente com altas declividades, que apresentam descontinuidades do maciço rochoso, propiciam isolamento de blocos unitários de rocha, subpressão através do acumulo de água, ação do intemperismo, descontinuidades ou penetração e crescimento de raízes, gerando a queda de blocos. 30 / 33

31 Remoção manual e individual dos blocos instáveis; Fixação dos blocos instáveis através de chumbadores ou tirantes; Execução de obras de pequeno porte para segurança da encosta rochosa (cintas, grelhas, montantes etc.) Matacões Causa: Deficiências de IGG, projeto geotécnico e acompanhamento de obra; Áreas onde ocorrem presença de matacões, ações de intemperismo, processos erosivos e escavações, podem acarretar no descalçamento da base de apoio do matacão, resultando o seu rolamento. 31 / 33

32 DESCALÇAMENTO POR EROSÃO Reforço das condições de apoio do matacão, com a execução de pequenas obras; Desmonte e remoção do matacão. 32 / 33

33 33 / 33

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS Mestre e Doutora pela EPUSP- Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Professora do CEFET-SP

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Projetos de Fundação

Projetos de Fundação Projetos de Fundação PROF. LUIS FERNANDO P. SALES Engenheiro Civil - Mestre em Geotecnia CREA/SC 039.164-3 TERMINOLOGIA: SEMINÁRIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES AREA/IT 20 DE AGOSTO DE 2014 Fundação

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica.

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: - Orientar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes 2.1 Critérios de Projeto de Muros de Arrimo. 2.2 Análises da Estabilidade de Muros de Arrimo. 2.3 Exemplo de Cálculo. Aula

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-D01 OBRAS DE DRENAGEM SUPERFICIAL DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 8 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E BJETIVO... 10 2. S... 10 3. LOCAÇÃO DA OBRA... 12 4. LIMPEZA DO TERRENO...

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Nome dos autores: Petrúcio Santos; Fábio Mendonça Bocheni José Roberto de Campos Costa Junior Instituição: Maccaferri

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012 Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos 2º OFICINA: SOLUÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO CLÁUDIA PAIVA DATA: 11/10/2012

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES 200888 Técnicas das Construções I UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 5 o Impermeabilização é a proteção das construções contra

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

PORQUE CAEM AS BARREIRAS

PORQUE CAEM AS BARREIRAS PARTE B PORQUE CAEM AS BARREIRAS CAPÍTULO 3 Risco Geológico CAPÍTULO 4 Processos que Causam Acidentes CAPÍTULO 3 Risco Geológico Conceitos 3. 1 Elementos de risco 3. 2 Classes de risco 3. 3 Fatores de

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM SPT, PROJETO GEOTÉCNICO EM SOLOS E PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM SPT, PROJETO GEOTÉCNICO EM SOLOS E PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM SPT, PROJETO GEOTÉCNICO EM SOLOS E PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 6 7 Data 18/03/11 01/06/11 Responsável

Leia mais

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Ciclo de Palestras 2010 DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Tipos de Escorregamentos de Encostas Soluções de Estabilização Ciclo de Palestras 2010

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, agosto de 2004. 0 FUNDAÇÕES:

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil I Fundações Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Considerações Preliminares Para se optar por uma

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 8 TALUDES 1. Tipos de taludes Um talude é uma superfície de terreno exposta que faz um dado ângulo α com a horizontal. Tipos de taludes: Taludes naturais Taludes de escavação Taludes de aterro

Leia mais

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm Engenheiro Civil 11) O quadroabaixo mostra o volume de precipitação de água da chuva no município, nos últimos sete meses. Com base nos valores apresentados, marque a opção que corresponde aos valores

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NA ESCADA DE DISSIPAÇÃO EM GABIÃO

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NA ESCADA DE DISSIPAÇÃO EM GABIÃO UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NA ESCADA DE DISSIPAÇÃO EM GABIÃO Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Ivo Corrêa Meyer Neto AGOSTO 1991 Revisado JANEIRO 2011-

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP MUROS Os muros são construções feitas de alvenaria de blocos de concreto ou tijolos, que tem a

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA CONCEITO É uma estaca de pequeno diâmetro concretada in loco, cuja perfuração é realizada por rotação ou roto-percussão (no caso de rochas), em direção vertical ou inclinada. Utilizada para reforço de

Leia mais

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Rubenei Novais Souza Petrobras S/A Rio de Janeiro - Brasil RESUMO: O trabalho apresenta uma verificação expedita realizada em uma

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

Muro de arrimo segmentado

Muro de arrimo segmentado 1 de 12 01/11/2010 18:40 Muro de arrimo segmentado Este artigo apresenta a seqüência executiva de um muro de arrimo segmentado. A técnica consiste no reforço de solo pela inclusão de elementos planos (geogrelhas

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM PROFUNDA 3 DRENAGEM PROFUNDA 4 DRENAGEM PROFUNDA DRENAGEM PROFUNDA OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR O SUBLEITO;

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO AGUA BOA - MT AGROVILA SANTA MARIA Rua Projetada A - B - C Avenida Projetada - LD e LE 3.1 - CALÇADA 3.1.1- Introdução Calçamentos são elementos complementares

Leia mais

CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO

CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO MANUAL CONSTRUTIVO Recomendações Técnicas 1/6 1.CARACTERIZAÇÃO E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS O sistema construtivo utilizado para construção de casas

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação Mecânica dos Solos e Fundações PEF a Aula Escolha do Tipo de Fundação Considerações Iniciais Dados: Planta de pilares Cargas Perfil de solo Verificação da ordem de grandeza das cargas apresentadas pelo

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO

LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO A NECESSIDADE DE UM LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO O LP deve ser feito a partir da entrevista com o cliente atendendo as condições solicitadas num programa de necessidades.

Leia mais

Construção. Contenções

Construção. Contenções Construção 18 Contenções A engenharia oferece soluções de contenção variadas, adequadas para as situações mais diversas. Geologia do terreno, estudo de riscos, custo e cronograma da obra influenciam a

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

Rebaixamento de lençol freático

Rebaixamento de lençol freático Rebaixamento de lençol freático Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Necessidade do Controle da Água Subterrânea Interceptação da água percolada que emerge nos taludes e fundo de escavações Aumentar a estabilidade

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia.

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM Objetivo: a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. Terraplenagem mecanizada: requer grandes investimentos em equipamentos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

do substrato gnáissico.

do substrato gnáissico. 55 6.2 - Descrição de eventos locais Informações obtidas em campo possibilitaram a descrição de eventos locais que permitem caracterizar situações práticas relacionadas aos processos erosivos. A presença

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais:

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais: Estradas 2 Segunda Parte Drenagem Uma estrada é construída para permitir o tráfego em qualquer condição climática. No Brasil isto é essencialmente verdade nas estações chuvosas, onde ocorrem alagamentos.

Leia mais

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM Rua da Alegria, Bairro Estância Velha PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS RS CONTRATO 178/2011 TOMADA DE PREÇOS 018/2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA Dimensionamento MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: Orientar

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto Faiçal Massad e Milton Assis Kanji Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS histórico Os Muros Terrae são sistemas de contenção para muros em aterro ou em corte. Trata-se de um processo construtivo desenvolvido com base nos chamados muros segmentais, compostos

Leia mais

DER/PR ES-D 14/05 DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM

DER/PR ES-D 14/05 DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41)

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM SUPERFICIAL DRENAGEM SUPERFICIAL OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR A PLATAFORMA VIÁRIA E CONDUZI-LAS PARA

Leia mais

Contenção com muros terrae

Contenção com muros terrae Contenção com muros terrae Prefeitura de Jacareí analisa três soluções para conter talude em área escolar e opta por sistema de blocos de concreto pré-fabricados. Veja comparativo técnico e orçamentário

Leia mais

Alluvial Anker como Alternativa para Fundações em Argila Mole

Alluvial Anker como Alternativa para Fundações em Argila Mole Alluvial Anker como Alternativa para Fundações em Argila Mole Max Barbosa Solotrat Centro-Oeste Ltda., max@solotrat.com.br George J. T. de Souza Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda., georgeteles@solotrat.com.br

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES 3. 1 Obras de revestimento proteção x obras de contenção Os tipos de obra voltados para a estabilização de encostas evoluem constantemente, em função de novas técnicas

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

Compactação de Aterros Aulas 2 e 3

Compactação de Aterros Aulas 2 e 3 Compactação de Aterros Aulas 2 e 3 Profa. Andrea Sell Dyminski Maio/2009 Compactação em Campo 1)Escolha da área de empréstimo: É função de: Distância de Transporte Volume do material disponível Tipos de

Leia mais