TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013"

Transcrição

1 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S

2 Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I

3 Sistema de Drenagem Urbana Fonte:Córrego Zavuvus Americanópolis/São Paulo. FOTO: BRENO PIRES/ESTADÃO

4 Definições Sistema de Drenagem Urbana É o correto aproveitamento e encaminhamento das águas de chuva minimizando os riscos de inundações e possibilitando o desenvolvimento urbano de forma harmônica, articulada e sustentável. No campo da drenagem urbana, os problemas agravam-se em função: da urbanização desordenada; falta de políticas de desenvolvimento urbano.

5 Definições Drenagem e manejo das águas pluviais urbanas: Lei /2007 PNSB: Alínea d, do inciso I, do art. 3º: Conjunto de atividades, infra-estruturas e instalações operacionais de drenagem urbana de águas pluviais, de transporte, detenção ou retenção para o amortecimento de vazões de cheias, tratamento e disposição final das águas pluviais drenadas nas áreas urbanas.

6 Definições MICRODRENAGEM MACRODRENAGEM É o sistema de drenagem relacionado com as vias locais, constituído pelas sarjetas, bocas-de-lobo, poços de visita, redes e outros dispositivos para coleta e condução das águas pluviais É o sistema de drenagem constituído pelos principais talvegues, como os rios, córregos, canais e outras estruturas que armazenam e conduzem grandes volumes de água

7 Microdrenagem ÁGUA DE CHUVA É conduzida pelas ruas e sarjetas É captada pela bocas-de-lobo e conduzida para as redes (subterrânea) Recebem manutenção através dos poços de visita (PV)

8 Microdrenagem Poço de visita Boca-de-lobo Sarjeta Fonte:www.trilhosurbanos.com Fonte:JM Online Uberaba/MG

9 Macrodrenagem Nascentes Água de chuva MACRODRENAGEM Córregos e rios

10 Macrodrenagem Fonte:bionarede.blogspot.com Fonte:www.comunidadebancodoplaneta.com.br

11 SISTEMA DE DRENAGEM URBANA Medidas preventivas Os alagamentos urbanos podem ser minimizados com a execução de bons projetos, recolhimento e acondicionamento correto dos resíduos sólidos e manutenção adequada na rede pluvial.

12 SISTEMA DE DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Ações: Técnicas de retenção; Técnicas de detenção; Considerando a qualidade da água e a redução dos impactos da poluição nos corpos d água. Reúso; Infiltração com pavimentos permeáveis.

13 SISTEMA DE DRENAGEM URBANA Responsabilidade Ambiental Todo curso d água natural deverá ser respeitado, aproveitando seu leito de alagamento como área verde e área de preservação ambiental. Fonte:

14 SISTEMA DE DRENAGEM URBANA Captaçãoee Captação aproveitamento aproveitamento Recargado do Recarga Lençolfreático freático Lençol Usourbano urbano Uso industrial eeindustrial Cicloda da Ciclo água água Baciasde de Bacias retenção retenção Baciasde de Bacias detenção detenção Prevenção Prevenção decheias cheias de DrenagemSustentável Sustentável Drenagem Minimizaçãodo do Minimização ImpactoAmbiental Ambiental Impacto Qualidadedos dos Qualidade RecursosHídricos Hídricos Recursos Proteçãoao ao Proteção MeioAmbiente Ambiente Meio

15 SISTEMA DE DRENAGEM URBANA Manejo de bacia hidrográfica Cobertura vegetal; Evitar desmatamento; Favorecer infiltração da água no solo; Manutenção e Preservação da Mata ciliar; Preservação de nascentes. Fonte:www.sema.rs.gov.br

16 Dinâmica Vistos os conceitos básicos do sistema de drenagem urbana, vamos dividir a turma em grupos; Cada grupo irá levantar as questões que devem ser abordadas no diagnóstico técnico-participativo; Deverá ser também discutida como a participação popular irá contribuir no diagnóstico.

17 CAPACITAÇÃO

18 Diagnóstico Técnico-participativo Fontes básicas para levantamento de informações: Setores/departamentos da Prefeitura; Prestadores de Serviço; População; IBGE.

19 Diagnóstico - Microdrenagem 1. Cadastro Elaborar cadastro planialtimétrico, em planta georreferenciada, dos dispositivos de microdrenagem existentes: sarjetas, bocas-de-lobo; caixas de passagem; Incluindo: poços de visita; 1) Cotas de tampa e de fundo dos PVs; redes pluviais,; 2) Diâmetro, extensão,material e declividades dos tubos. descidas d água; Outros.

20 Diagnóstico - Microdrenagem 2. Criar Mapa temático identificando as áreas alagadas devido a: obstrução do sistema de microdrenagem (bocas de lobo e tubulações) por resíduos sólidos e sedimentos; insuficiência do sistema de microdrenagem (a insuficiência pode ter origem em dimensionamento, execução ou manutenção inadequados do sistema ).

21 Diagnóstico - Microdrenagem 3. Criar Mapa temático identificando as ligações clandestinas de esgotos sanitários nas redes de drenagem pluvial.

22 Diagnóstico - Microdrenagem 4. Descrever Como os sistemas de manutenção e limpeza das redes pluviais são realizados: Periodicidade dos serviços; Tipos de equipamentos; Manutenção dos componentes da drenagem urbana.

23 Diagnóstico - Macrodrenagem 1. Cadastro Elaborar cadastro planialtimétrico, em planta georreferenciada, dos dispositivos de macrodrenagem existentes: Cursos d água; Bueiros; Galerias pluviais; Bacias de amortecimento de cheias; Canais; Pontos de lançamento de drenagem; Outros.

24 Diagnóstico - Macrodrenagem 2. Criar Mapa temático identificando: Pontos de assoreamento de canais, cursos d água naturais e reservatórios / bacias de amortecimento de cheias; Obstruções de canais, cursos d água naturais e reservatórios por resíduos sólidos; Bacias de amortecimento de cheias.

25 Diagnóstico - Macrodrenagem 3. Criar Mapa temático identificando as áreas de inundações causados por insuficiência do sistema: Canais; Bueiros; Pontes.

26 Diagnóstico - Macrodrenagem 4. Criar Mapa temático identificando problemas pontuais de integridade das estruturas como: Rompimentos; Deterioração; Outros

27 Diagnóstico - Macrodrenagem 5. Identificar Pontos de poluição dos cursos d água: Lançamentos de esgotos sanitários sem tratamento; Presença de sólidos grosseiros flutuantes; Mortandade de peixes; Espuma; Floração de algas.

28 Diagnóstico - Macrodrenagem 6. Criar Mapa temático identificando as bacias de amortecimento de cheias.

29 Diagnóstico - Hidrologia 1. Cadastro Elaborar cadastro planialtimétrico, em planta georreferenciada dos: Recursos hídricos; Nascentes.

30 Diagnóstico - Hidrologia 2. Criar Mapa temático identificando: Cursos d água permanentes e/ou intermitentes para lançamento de drenagem urbana; Pontos de estrangulamento dos cursos d água que resultam em inundações.

31 Diagnóstico - Área de risco 1. Identificar Áreas de erosão; Ocupações nas margens dos cursos d água ou em área de risco geológico ou sujeitas à inundação; Áreas de risco localizadas no município que demandem drenagem específica (dreno, canaleta, descidas d`água); Mecanismos de proteção e preservação (revegetação, plantio e retaludamento) de encostas e áreas de risco.

32 Diagnóstico Informações gerais 1. Identificar Ruas sem pavimentação; Áreas para reassentamento de famílias; Áreas de parque e de preservação ambiental no município.

33 Diagnóstico Informações gerais 2. Apresentar Levantamento aerofotogramétrico.

34 Contatos: Telefone: (031)

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

Relatório Técnico de Vistoria Nº 778/2013 - NAT / AMBIENTAL

Relatório Técnico de Vistoria Nº 778/2013 - NAT / AMBIENTAL Relatório Técnico de Vistoria Nº 778/2013 - NAT / AMBIENTAL INTERESSADO: PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE SOLONÓPOLE OBJETO DA VISTORIA: SANEAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIO: SOLONÓPOLE OFÍCIO Nº: 288/2013/CAOMACE

Leia mais

Introdução a Drenagem Urbana Microdrenagem

Introdução a Drenagem Urbana Microdrenagem Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Saneamento Básico Introdução a Drenagem Urbana Microdrenagem Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Infra Estrutura Verde no Planejamento Urbano Das Cidades

Infra Estrutura Verde no Planejamento Urbano Das Cidades Infra Estrutura Verde no Planejamento Urbano Das Cidades A Remaster Sinônimo de pioneirismo no desenvolvimento da solução ideal em pisos elevados para espaços corporativos, a Remaster empresa brasileira

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO OBJETIVO DO DIAGNÓSTICO: Este modelo de diagnóstico contém alguns itens que poderão ser complementados com outras informações e tem o objetivo de possibilitar ao município a

Leia mais

OUTORGA DE DRENAGEM E FISCALIZAÇÃO COMO MECANISMOS DE GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS

OUTORGA DE DRENAGEM E FISCALIZAÇÃO COMO MECANISMOS DE GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS OUTORGA DE DRENAGEM E FISCALIZAÇÃO COMO MECANISMOS DE GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília (UnB)

Leia mais

Documentação para aprovações diversas

Documentação para aprovações diversas PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação DIRETORIA DE LOTEAMENTOS Onde requerer: Praça de Atendimento 2 - Centro Administrativo Térreo Endereço: Avenida Duque de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E GEORREFERENCIAMENTO DAS INTERCONEXÕES DE ESGOTO NO SISTEMA DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS NA ÁREA URBANA EM JUAZEIRO BA RESUMO

CARACTERIZAÇÃO E GEORREFERENCIAMENTO DAS INTERCONEXÕES DE ESGOTO NO SISTEMA DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS NA ÁREA URBANA EM JUAZEIRO BA RESUMO CARACTERIZAÇÃO E GEORREFERENCIAMENTO DAS INTERCONEXÕES DE ESGOTO NO SISTEMA DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS NA ÁREA URBANA EM JUAZEIRO BA Uldérico Rios Oliveira 1 Tayron Juliano de Souza 2 Luana Costa Oliveira

Leia mais

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA 1. OBJETIVO O objetivo desta Especificação Técnica é a definição dos critérios de dimensionamento e execução de pavimentos permeáveis com revestimento em Concreto Asfáltico Poroso CPA (Camada Porosa de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Áreas Agrícolas Diferentes situações Aspectos que devem ser vistos em

Leia mais

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Lei n 4.285 de 26 de dezembro de 2008 Art. 5º São áreas de competência da ADASA: I recursos hídricos, compreendidos

Leia mais

6.10 ATIVIDADE 10 - ANTEPROJETOS DAS ALTERNATIVAS ESCOLHIDAS

6.10 ATIVIDADE 10 - ANTEPROJETOS DAS ALTERNATIVAS ESCOLHIDAS A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano vem, em cumprimento ao disposto no art. 5º, parágrafo único do Decreto nº 48.042, de 26 de dezembro de 2006, tornar públicas as alterações realizadas no

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DE BRASIL NOVO, MEDICILÂNDIA, URUARÁ E PLACAS PROJETO042/2014

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

PLANO DIRETOR E DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DE NATAL

PLANO DIRETOR E DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DE NATAL PLANO DIRETOR E DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DE NATAL Luciano Rebello da Cunha Melo Secretário Adj. de Planejamento de Obras - SEMOPI Fone: 84 3232-8109 Email: luciano.rebello@natal.rn.gov.br

Leia mais

Orientações Básicas. feam - FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

Orientações Básicas. feam - FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Orientações Básicas P A R A D R E N A G E M U R B A N A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Fundação Estadual do Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento de Infra-Estrutura

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho 7º Fórum de Saneamento e Meio Ambiente Grupos de Trabalho As propostas aprovadas são entendidas como desejos dos usuários que devem ser transformadas em diretrizes de gestão. Grupos de Trabalho 2ª etapa

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 5 - Poluição e Degradação do Solo Professor: Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015 Solo camada

Leia mais

Gestão Ambiental 1/10/2012. Lei 11.445 de 05/01/2007. Saneamento (sanear) Módulo: Saneamento Ambiental

Gestão Ambiental 1/10/2012. Lei 11.445 de 05/01/2007. Saneamento (sanear) Módulo: Saneamento Ambiental Tema: Saneamento e Saúde Pública: as origens do Saneamento Ambiental Objetivos: Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves Módulo: Saneamento Ambiental Apresentar um breve histórico do saneamento dos agrupamentos

Leia mais

Seminário. Taxa de Drenagem Urbana O que é? Como Cobrar?

Seminário. Taxa de Drenagem Urbana O que é? Como Cobrar? Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Seminário Taxa de Drenagem Urbana O que é? Como Cobrar? Maíra Simões Cucio Nº USP: 5621990 Novembro

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR Leticia Polesel Weiss (leticia_w@hotmail.com) Rosana Pinheiro Maria Aparecida Oliveira Hinsching

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES SISTEMÁTICA 2008 MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS

MINISTÉRIO DAS CIDADES SISTEMÁTICA 2008 MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL SISTEMÁTICA 2008 MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS PROGRAMA DRENAGEM URBANA E CONTROLE DE EROSÃO MARÍTIMA E FLUVIAL Ação: Apoio a

Leia mais

LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012.

LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012. LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012. INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE COLETA, RECICLAGEM DE ÓLEOS E GORDURAS USADAS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL, NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

POLUIÇÃO E QUALIDADE DA ÁGUA - PQA PROFESSOR: ISAAC VOLSCHAN JR.

POLUIÇÃO E QUALIDADE DA ÁGUA - PQA PROFESSOR: ISAAC VOLSCHAN JR. POLUIÇÃO E QUALIDADE DA ÁGUA - PQA PROFESSOR: ISAAC VOLSCHAN JR. EMENTA: Conceito de Poluição, Padrões de Qualidade de Água, Caracterização Quantitativa da Água, Parâmetros de Qualidade de Água, Poluentes

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE RAPOSOS-MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE RAPOSOS-MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE RAPOSOS-MG Produto 1 Plano de Trabalho, Programa de Mobilização Social e Programa de Comunicação Social Outubro/2014 VOLUME I APRESENTAÇÃO O presente documento tem

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS)

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Licença Simplificada (LS) - concedida para a localização, instalação, implantação e operação

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRELIMINAR PARA O PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE MATIAS BARBOSA MG

DIAGNÓSTICO PRELIMINAR PARA O PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE MATIAS BARBOSA MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA DIAGNÓSTICO PRELIMINAR PARA O PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE MATIAS BARBOSA MG Gabriela Delgado de Almeida

Leia mais

AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2)

AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2) Saneamento Ambiental na periferia da cidade de Santana do Cariri/CE Brasil AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2) INSTITUIÇÃO(ÕES): (1) Universidade Regional do Cariri

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA)

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) SUMÁRIO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES... 4 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA...

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35%

GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35% GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35% LEGISLAÇÃO PERTINENTE - Resolução CONAMA n 307/2002

Leia mais

Cálculos hidrológicos e h idraulicos para obras municipais Capítulo 83- Manutenção e Operação Eng Plínio Tomaz 30/10/2010 pliniotomaz@uol.com.

Cálculos hidrológicos e h idraulicos para obras municipais Capítulo 83- Manutenção e Operação Eng Plínio Tomaz 30/10/2010 pliniotomaz@uol.com. Capítulo 83 Manutenção e operação Sfumato (literalmente esfumado ) - disposição para aceitar a ambigüidade, o paradoxo e a incerteza. Leonardo Da Vinci 83-1 Ordem SUMÁRIO 83.1 Gerenciamento de sistema

Leia mais

CURSO: Engenharia Civil SEMESTRE: 2015.1. DISCIPLINA: Tópicos em Engenharia I Drenagem de Águas Pluviais. PROFESSOR: Adriano Rolim da Paz

CURSO: Engenharia Civil SEMESTRE: 2015.1. DISCIPLINA: Tópicos em Engenharia I Drenagem de Águas Pluviais. PROFESSOR: Adriano Rolim da Paz UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DECA/CT/UFPB - Curso: Engenharia Civil - Semestre: 2015.1 DISCIPLINA: Tópicos em Engenharia I - Drenagem de Águas

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 DISPÕE SOBRE TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE GUARAPARI, Estado

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Fortaleza, 16 de Abril de 2013 1. CONCEITUAÇÃO As Ações de Convivência com o Semiárido são compostas por um conjunto de práticas alternativas definidas,

Leia mais

Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem ---

Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem --- Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem --- espaço. Pág. 9, Art. 2º, XV b) resíduos sólidos recicláveis: os originários de atividades domésticas em imóveis,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 85, item II, da Constituição e tendo em vista o disposto no artigo 9º do Decreto

Leia mais

Relatório Técnico de Vistoria Nº 253/2014 - NAT / AMBIENTAL

Relatório Técnico de Vistoria Nº 253/2014 - NAT / AMBIENTAL Relatório Técnico de Vistoria Nº 253/2014 - NAT / AMBIENTAL INTERESSADO: PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE CRATEÚS OBJETO DA VISTORIA: SANEAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIO: CRATEÚS OFÍCIO Nº: 315/2013 DATA

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS 2 INTRODUÇÃO A água da chuva é um dos elementos

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Sistema de Cadastro Ambiental Rural Sistema de Cadastro Ambiental Rural XX Simpósio Jurídico ABCE ÂNGELO RAMALHO ASSESSOR MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO DIRETORIA DE FOMENTO E INCLUSÃO FLORESTAL São Paulo, Outubro/2014

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal TERMO DE REFERÊNCIA TR PARA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) P/ A ATIVIDADE DE AQUICULTURA (Este TR aplica-se a empreendimentos desenvolvidos em viveiros escavados a partir de 10,00 ha) O Instituto de

Leia mais

OBRAS EM EXECUÇÃO REFERENTES A MAIO/2014

OBRAS EM EXECUÇÃO REFERENTES A MAIO/2014 NÚMERO DO PROCESSO OBJETO OBRAS EM EXECUÇÃO REFERENTES A MAIO/2014 VALOR (R$) RECURSO TOTAL (R$) CONVÊNIO PRÓPRIO FISICO % SITUAÇÃO VALOR REALIZADO (R$) OBSERVAÇÕES OBRAS DE RESTAURAÇÃO E DUPLICAÇÃO DA

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR ANEXO 7 - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial para a elaboração do Relatório de Controle

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO Timóteo MG Janeiro/2004 RESPONSÁBILIDADE TÉCNICA UNIVERSALIS - Consultoria, Projetos e Serviços Ltda - CREA/MG

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

PAVIMENTOS PERMEÁVEIS: VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO. Juliane Vier Vieira 1. Cristhiane Michiko Passos Okawa 2

PAVIMENTOS PERMEÁVEIS: VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO. Juliane Vier Vieira 1. Cristhiane Michiko Passos Okawa 2 4 de Dezembro de 2013 ISSN 2237-8219 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS: VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO Juliane Vier Vieira 1 Cristhiane Michiko Passos Okawa 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 Jesner Sereni

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 Cuidar da Água: Desafio para sociedade Combater: Desmatamento Poluição Desperdício Investir Refloretamento Saneamento Tecnologia e Gestão Integrada 8,5 145 72 70 20

Leia mais

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo permitida qualquer inclusão, exclusão ou alteração de campos, sob pena de não

Leia mais

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2010 São Paulo e a Bacia

Leia mais

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal TERMO DE REFERÊNCIA À SECRETARIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

NT-1805.R-1 - DESMATAMENTO E TERRAPLENAGEM EM TERRENOS E ACRESCIDOS DE MARINHA

NT-1805.R-1 - DESMATAMENTO E TERRAPLENAGEM EM TERRENOS E ACRESCIDOS DE MARINHA NT-1805.R-1 - DESMATAMENTO E TERRAPLENAGEM EM TERRENOS E ACRESCIDOS DE MARINHA Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 0244 de 29 de outubro de 1981. Publicada no DOERJ de 24 de novembro de 1981 1. OBJETIVO

Leia mais

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016 Plano de Educação Ambiental 2º Biênio 2014/2016 PROJETO JUNTOS PELO AMBIENTE Ações: Levantamento ambiental das áreas a atuar dos municípios envolvidos; Análise e discussão de resultados para os municípios

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2015

PROJETO DE LEI N O, DE 2015 PROJETO DE LEI N O, DE 2015 (Do Sr. Ronaldo Carletto) Cria o Fundo Nacional de Recuperação de Nascentes de Rios (FUNAREN), define os recursos para seu financiamento e estabelece os critérios para sua utilização.

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Plano Verão 2014/2015

Plano Verão 2014/2015 Plano Verão 2014/2015 NOVO MODELO DE ESTÁGIOS OPERACIONAIS APLICATIVO OLHOS DA CIDADE AÇÕES PARA PREVENÇÃO DO IMPACTO DAS CHUVAS CENTRO DE OPERAÇÕES RIO Modelo atual com base em informações meteorológicas

Leia mais

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42 Determinação da Intensidade de Chuva Para obtenção das intensidades de chuvas de curta duração, em função de diversos tempos de recorrência, aplicaram-se procedimentos a seguir descritos: Primeiramente

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE GUAÍBA/ RS TOMADA DE PREÇO Nº 007/2013 CONTRATO Nº 239/2013 PRODUTO 3 - MANUAL DE SANEAMENTO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE GUAÍBA/ RS TOMADA DE PREÇO Nº 007/2013 CONTRATO Nº 239/2013 PRODUTO 3 - MANUAL DE SANEAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍBA/RS ENGENHARIA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE GUAÍBA/ RS TOMADA DE PREÇO Nº 007/2013 CONTRATO Nº 239/2013 PRODUTO 3 - MANUAL DE SANEAMENTO Celulose Riograndense -

Leia mais

ANEXO 2: ILUSTRAÇÕES DE SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS

ANEXO 2: ILUSTRAÇÕES DE SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS ANEXO 2: ILUSTRAÇÕES DE SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS 108 água potável: para beber, cozinhar e banho coletores separador da primeira chuva extravazor reservatório de água pluvial para

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

Praia Grande quantidade de lixo na areia (garrafas, latas) ORL 01. Não existe (edificações lindeiras utilizam sistema de fossas)

Praia Grande quantidade de lixo na areia (garrafas, latas) ORL 01. Não existe (edificações lindeiras utilizam sistema de fossas) 3.3.9 Drenagem e Urbanização de Orlas O Estado do Piauí possui a menor faixa litorânea da Costa Brasileira, com 66 quilômetros de extensão e praias ainda não urbanizadas. Para a caracterização dos sistemas

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE Josiene Ferreira dos Santos Lima¹-Tecnóloga em Saneamento Ambiental. Aluna do Curso de Geografia (UFS). Pós-Graduanda em Gestão Ambiental e Desenvolvimento

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia SMAMA DDRGA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DECRETO Nº 6796 Altera e atualiza o Zoneamento Ecológico Econômico da Área de Proteção Ambiental denominada APA do Rio Verde. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

Termo de Referência do Plano Municipal de Saneamento Básico

Termo de Referência do Plano Municipal de Saneamento Básico TERMO DE REFERÊNCIA PARA DEFINIÇÃO DA POLÍTICA E ELABORAÇÃO DO PLANO PARTICIPATIVO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE ARAPIRACA/AL. Arapiraca Junho de 2013 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL MEDIDAS ESTRUTURAIS ÍTEM 3.1 (SOLUÇÃO DE MICRO DRENAGEM)

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL MEDIDAS ESTRUTURAIS ÍTEM 3.1 (SOLUÇÃO DE MICRO DRENAGEM) PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL MEDIDAS ESTRUTURAIS ÍTEM 3.1 (SOLUÇÃO DE MICRO DRENAGEM) ZONA OESTE - PONTO CRÍTICO 03 (NOVA CIDADE BACIA DO POSTO DE SAÚDE) NATAL/RN,

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 16-CEPE/UNICENTRO, DE 23 DE MARÇO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Engenharia Aplicada aos Recursos Hídricos, modalidade regular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre

Clique para editar o estilo do título mestre ABCP... Completando 75 anos em 2011 hoje presente em 12 capitais brasileiras é mantida pela indústria brasileira de cimento, com o propósito de promover o desenvolvimento da construção civil. Clique para

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA Projeto Estruturador Revitalização do Rio das Velhas Meta 2010/2014 Palestrante: Wanderlene Ferreira Nacif Gerência de Monitoramento

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO)

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) APÊNDICE H- INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) CAPITULO : PROCEDIMENTOS GERAIS PARA AVALIAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL - PROJETOS DE

Leia mais