JARDINS RURAIS: a europeização da paisagem cafeeira paulista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JARDINS RURAIS: a europeização da paisagem cafeeira paulista"

Transcrição

1 JARDINS RURAIS: a europeização da paisagem cafeeira paulista BENINCASA, VLADIMIR Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (UNESP). Depto. de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo RESUMO Trata da análise tipológica e funcional de jardins situados junto aos casarões de fazendas cafeeiras paulistas, surgidos entre as últimas décadas do século XIX e as primeiras do século XX, como forma de dar um ar civilizado e europeu a este ambiente de produção rural. Eles surgem como uma das decorrências da difusão do higienismo e do processo civilizador das classes trabalhadoras, surgidos na Europa, principalmente na Inglaterra e França e que chegam ao Brasil no final do século XIX. Aqui, tal movimento adquire um padrão menos democrático e mais elitista, encarregado de transformar inicialmente espaços urbanos privilegiados, destinados ao uso de classes mais abastadas, muitas vezes, até agindo como agente de segregação das camadas sociais. No ambiente rural, os jardins aparecem em decorrência de um processo de embelezamento do núcleo central das fazendas, generalizado num momento em que várias regiões do interior brasileiro se enriqueciam com a cafeicultura brasileira São Paulo em particular e começavam a sofrer a influência europeia e americana, que chegava pelos trilhos das ferrovias e/ou através do contato dessa nascente aristocracia que passava a veranear ou a estudar em terras estrangeiras. O papel de espaço segregador dos jardins, assim como nas cidades brasileiras, não está ausente no âmbito rural, nas fazendas. Aí, quase sempre ele funciona como uma camada envoltória do casarão, separando-o dos espaços destinados ao trabalho, não sendo livre o seu acesso somente pessoas autorizadas poderiam penetrá-lo, atravessá-lo e chegar ao casarão, sendo sempre envolvido por muros, por gradis ou mesmo por cercas de bambu. A metodologia do presente trabalho se vale do levantamento métrico e fotográfico em várias fazendas paulistas, além de coleta de dados históricos através de antigos almanaques, entrevistas, fotos antigas e documentação primária das fazendas para compor um painel desse paisagismo interiorano, e análise da localização, do formato e do desenho de canteiros. Entre as possíveis influências de jardins do Rio de Janeiro ou de São Paulo e dos grandes profissionais paisagistas que aí atuaram, como Jean Binot, Auguste Glaziou, Jules Joly, Ambroise Perret, Paul Villon, ou Frederico Guilherme de Albuquerque, entre outros, que deixaram a marca do paisagismo à francesa no ambiente urbano, também se pôde perceber, pela história oral e pelos levantamentos, traços do paisagismo de influência italiana e espanhola, inseridos provavelmente por profissionais anônimos, vindos em meio à grande massa de trabalhadores rurais atraídos pelo trabalho na cafeicultura. Palavras-chave: Jardins Rurais; Paisagismo do Século XIX; Fazendas Cafeeiras.

2 A função e as influências de jardins no ambiente rural paulista A inserção de jardins em fazendas cafeeiras em São Paulo ocorre a partir da segunda metade do século XIX, e tem como motivação inicial, antes de um caráter estético, a criação de um espaço envoltório, de circulação e acessos controlados, separando o casarão do local destinado ao trabalho, em que transitavam os trabalhadores. Mesmo fazendo parte do conjunto central de edificações, o casarão e seus habitantes foram isolados sutilmente do mundo da fazenda, utilizando-se de jardins, quintais e pomares cercados para não permitir que estranhos ao convívio familiar tivessem acesso direto a este meio. A simples presença de um jardim à frente da casa-grande já delimitava um espaço diferenciado. Vários fatores motivaram esta separação de espaços: desde culturais, como a tradição ibérica e muçulmana de isolar mulheres e crianças do contato com pessoas desconhecidas, sobretudo as do sexo masculino; e, também sociais, como o medo de um ataque de escravos ou, após a Abolição, de uma revolta de colonos. Floriza Barbosa Ferraz, filha de fazendeiros, escreveu, no início do século XX, rememorando sua infância na fazenda Pitanga, em Rio Claro, sobre o local que seu pai escolheu para a construção do novo casarão da fazenda: Quanto á séde onde fomos criados, meu Pae deu-lhe o nome de Jardim. Para nós éra mais do que isso, éra um paraizo. Meu Pae preferiu ali, afastado do movimento da fazenda, do contacto com os escravos, procurando nos cercar de todas as garantias e de proporcionar uma vida mais tranquilla á família. (MALUF, 1995, P. 57) Nesse relato percebe-se a concepção de uma arquitetura senhorial apartada do local de trabalho e protegida de um contato mais íntimo com os trabalhadores, definindo a ordenação e a separação dos espaços no ambiente rural paulista: senhores de um lado, trabalhadores de outro. Neste relato, as palavras jardim e paraíso são bastante significativas, e nos levam a pensar na concepção bíblica de Paraíso como local apartado do trabalho, onde reina a paz e a tranquilidade, o que também diz muito da tradição portuguesa de outrora: só tem necessidade de trabalhar quem não é fidalgo. Esses conceitos sobre os eventuais perigos da convivência com os trabalhadores começavam a ser passados às crianças desde cedo, como pode ser observado no seguinte trecho, onde a mesma Floriza conta que, quando seus pais ausentavam-se, os menores ficavam sob os cuidados da irmã Tudinha, que entretinha as crianças próximas à casa da fazenda, onde nos proporcionava brinquedos para que não nos afastassemos para longe. Ella sabia que éramos medrosas, que as págens nos contavam histórias de negro fugido, que pegavam crianças e levavam-nas para o mato para comer (MALUF, 1995, p ).

3 A mesma concepção aparece nas memórias de Odete Pinto de Souza Pereira Barreto sobre as férias que passava na fazenda Paraíso, de seu pai, em Itirapina, na década de 1920: Havia jardim somente em frente à casa, cercado, onde a gente ficava. Era todo cercado, protegido dos cachorros e galinhas que existiam. (...). Papai não deixava, naquele tempo (...), não deixava a gente sair além da porteira do jardim (BENINCASA, 2003, p.240). Como dito anteriormente, essa separação devia-se, sobretudo, à proteção das mulheres e das crianças da família: criaram-se, assim, territórios em que elas poderiam circular sem maiores preocupações e que, por isso, acabaram por ser confundidos com espaços de domínio quase exclusivamente femininos. Estes espaços eram o jardim frontal, o quintal e o pomar. Os jardins fronteiros e laterais nas casas-grandes foram muito comuns nas fazendas de café paulistas. Geralmente eram cercados de bambu ou por muros de alvenaria: ali as mulheres cultivavam espécies floríferas e folhagens, nativas ou de origem europeia, como roseiras, dálias, cravos, várias espécies de trepadeiras, jasmins, madressilvas, malva cheirosa, damas da noite e árvores ornamentais, como o manacá, a quaresmeira, o ipê e as palmeiras imperiais trazidas do Rio de Janeiro, entre outras. Daí, eram retiradas as flores que iriam enfeitar os altares, os oratórios, as mesas, enfim, toda a casa. O jardim, entre outras coisas, era um espaço lúdico e de lazer onde crianças brincavam protegidas por suas pajens, e os adultos se esqueciam dos negócios diários. Representavam o primeiro estágio de privacidade da família do proprietário e, muitas vezes, demarcando este limite, havia solenes portões de entrada, guarnecidos de grandiosos portais ornados de pinhas ou estátuas. Se nas primeiras fazendas da região este espaço funcionava apenas como limite físico entre o mundo privado e o mundo do trabalho, ao final do século XIX as ideias higienistas iriam valorizá-lo e modificá-lo de maneira profunda. Vão se transformar, assim como a adoção de uma arquitetura positivista e moderna do historicismo eclético, na demonstração da erudição do fazendeiro, que vive num ambiente em que se respira a cultura inovadora e intelectual da época. O jardim torna-se um elo entre a Natureza, de um lado, e o Intelecto, de outro; é também um dos locais onde se misturam ciência e arte. Ali se cultivavam espécies exóticas e aclimatadas ao clima local, em viveiros especializados, trazidas das mais diversas partes do mundo, que se tornou um novo hábito entre a classe mais abastada do país: formavam uma espécie de coleção botânica particular e erudita, de certo modo. Os antigos jardins, onde espécies vegetais proliferavam sem muito cuidado, passaram a ser mais bem planejados, ganharam área maior, com canteiros geométricos, delimitados por

4 tijolos em espelho, ou a topo, configurando um desenho reto e saliente em relação ao passeio, ou assentados a 45º, inclinados, configurando então um desenho denteado; alguns possuíam pequenos ou grandes tanques com repuxos, que umidificavam o ar. No seguinte trecho, pode-se observar a atuação da Condessa do Pinhal na criação destes espaços na Fazenda Pinhal, em São Carlos. Ao chegar ao seu novo lar, logo após seu casamento com Antonio Carlos de Arruda Botelho, o futuro conde do Pinhal, encontrou uma casa antiga, de taipa, em meio a currais, estábulos e engenho de cana-de-açúcar, enfim, um local de trabalho, sem a graça que havia na fazenda São José, em Rio Claro, onde morava com seus pais, os Viscondes de Rio Claro: Em seguida, quis enfeitar a casa, plantar à sua volta um jardim. Seu marido foi contra a idéia, explicando que a fazenda estava em formação e que não poderia dispensar nenhum escravo da roça para um serviço tão supérfluo. Ela, então mandou um próprio a Rio Claro para pedir ao irmão que lhe trouxesse mudas de plantas e sementes de flores. Ao lado da casa, desenharam e plantaram o canteiro das camaradinhas, escolheram um lugar para os jasmins, as madressilvas, os pés de malva cheirosa, as damas da noite e os manacás. (...). Ele se entusiasmou tanto ao acompanhar o crescimento das plantas que acabou por destacar dois escravos para os serviços do jardim e do pomar. O casal planejou junto as alamedas de jabuticabeiras e mangueiras, as touceiras de bambus e a rede de irrigação, através da qual a água corria à sua vontade. Uma secular figueira que já havia ali passou a ser o ponto de encontro e repouso preferido (GORDINHO, 1985, p.57). A Condessa, moça culta, e talvez conhecedora de ambientes mais refinados da Corte e de cidades maiores como Campinas ou mesmo São Paulo, liderou a criação de um espaço bastante simétrico na lateral da casa, envolto por cerca de tábuas regulares e pilares encimados por pinhas portuguesas, com canteiros concêntricos. À frente do casarão, em nível inferior ao jardim lateral, um grande tanque, com repuxo e grandes canteiros triangulares, centralizados pelo eixo da fachada. Os dois ambientes, cada um com seu caráter particular, funcionam como mirantes para o vale que se descortina à frente, lembrando muito, guardadas as devidas proporções, a concepção de alguns jardins maneiristas italianos, como o da Villa D Este. Essa difusão do cuidado com a paisagem começa a ocorrer ao final do século XVIII, com a inauguração do Passeio Público do Rio de Janeiro e vários Jardins Botânicos pelo país, na intenção de aclimatar espécies exóticas que deveriam ser utilizadas na lavoura (DOURADO, 2008, p.87). A criação de espaços públicos ajardinados, no cenário urbano brasileiro,

5 aumenta após a chegada da Família Real portuguesa ao Rio de Janeiro, em 1808, se intensificando ao longo do século XIX, após a independência, com a entrada de uma série de botânicos e profissionais europeus ligados a construção civil e ao paisagismo no Brasil. Eles vinham atraídos pela oportunidade de alavancarem suas carreiras em um país jovem e promissor, principalmente nas zonas cafeeiras, onde praticamente tudo estava para ser feito, ou refeito, e onde a nova classe de aristocratas sonhava em criar um mundo diferente, à europeia, distinto do mundo português colonial. A França era o modelo máximo de cultura, no século XIX, a ser seguido. Assim, dentre esses profissionais que inovam a paisagem brasileira, podemos citar o paisagista e botânico francês Jean Baptiste Binot, responsável pela criação dos jardins do Palácio Imperial de Petrópolis; Auguste F. M. Glaziou que, a convite de Pedro II, realizou várias obras no Rio de Janeiro e Nova Friburgo, dentre eles a remodelação do Passeio Público. Em São Paulo, chama atenção a atuação de Jules Joly, que introduziu e aclimatou várias espécies de flores europeias em sua Chácara das Flores, que existiu no bairro do Brás, em São Paulo; e de Frederico Guilherme de Albuquerque, gaúcho que teve contatos e foi admirador da obra de Glaziou. Ambos, Joly e Albuquerque foram importantes fornecedores de mudas de plantas ornamentais e frutíferas, além de terem deixado vários projetos paisagísticos pela capital e pelo interior paulista. No interior paulista, também Ramos de Azevedo atuou no desenho de várias praças e parques em Campinas, e, provavelmente, na complementação paisagística dos vários projetos para casarões de fazendas, que executou em Campinas, Dourado, Ibaté, São Carlos, etc. Os espaços ajardinados, normalmente eram levados em consideração nas obras do arquiteto Ramos de Azevedo, demonstrando preocupação com as questões paisagísticas e urbanísticas. Ao conceber um edifício, observava a relação deste com seu entorno e com a cidade (LIMA, 2009, p. 151) Todos esses profissionais tinham como fonte de inspiração o paisagismo francês criado nas grandes reformas parisienses à época do Barão de Haussmann, caracterizado por amplos gramados, com moitas de arbustos e árvores dispostos cuidadosamente entre caminhos curvos e assimétricos e lagos. Toda essa ambientação era completada com a disposição de monumentos, esculturas, fontes, repuxos, pontes, mirantes, ou mesmo grandes gaiolas com pássaros ornamentais em pontos estratégicos, de modo a provocar uma variada gama de sensações, muitas vezes contraditórios e surpreendentes, ao longo do percurso. Assim, grandes eixos, tem sua atenção desviada por um monumento intencionalmente colocado logo após uma grande moita de arbustos e árvores, e assim por diante.

6 O modelo francês, no entanto, não foi o único a se propagar entre as fazendas cafeicultoras. Muitos dos imigrantes europeus que se aventuravam na lavoura cafeeira, tinham trabalhado na construção civil e conheciam o cultivo de espécies vegetais ornamentais europeias. São inúmeros os casos de profissionais que deixaram a lavoura e logo começaram a atuar como pedreiros, jardineiros, horticultores. Os anúncios podem ser vistos em vários jornais publicados em cidades paulistas, onde ofereciam seus serviços e vendas de mudas. Em geral, eram italianos, espanhóis, alemães, franceses e portugueses. Alguns chegaram a ficar bastante famosos, como os irmãos Dierberger, que depois de passarem pelo Rio de Janeiro, se fixaram em Limeira, e planejaram vários jardins no ambiente urbano e também em fazendas, como na Santo Antônio, em Araras. Dessa forma, as influências encontradas no ambiente rural cafeicultor são variadas, indo do jardim maneirista italiano, passando pelo período barroco francês, romântico inglês e, finalmente, no jardim francês do século XIX. Há casos em que a simetria é mantida em todo o projeto, com eixos bem marcados; em outras, criam-se nichos particulares, cada um deles tratados de maneira diferente, com caráter próprio do período maneirista; até chegarmos aos grandes planos gramados, entrecortados por caminhos suavemente curvos, com moitas arbustivas e espelhos d água esteticamente dispostos, com desenho nitidamente oitocentista. Uma das principais características desses jardins é que os passeios entre os canteiros, nem sempre eram calçados: às vezes, recebiam uma camada de areia lavada, retirada de riachos, para não sujar em demasia vestidos e calçados, sendo então cuidadosamente varridos ou rastelados diariamente, retirando folhas mortas e gravetos. Em nossos levantamentos feitos pelo interior paulista, nota-se que, depois dos últimos anos da década de 1880, os jardins começaram a ter um desenho mais elaborado e, às vezes, eram projetados junto com as casas de fazendas. Naquelas construídas anteriormente a esta data não havia um projeto de jardim, mas jardins espontâneos, onde espécies eram plantadas sem muito critério, amontoadas, raras vezes existindo mais que um ou dois exemplares da mesma espécie - o que não deixa de ser uma característica e conformar um certa estética caipira, que nunca deixou de existir. Nem sempre o jardim rural ocupou a parte fronteira da casa; em alguns exemplos, ele situa-se aos fundos da casa-grande, próximo ao pomar. Essa posição talvez esteja relacionada a uma tentativa de maior proteção e reclusão das pessoas, a um maior ganho de privacidade. No caso da Fazenda Paredão (Ibaté), isso fica bastante claro: o jardim ocupa uma área cercada por muro, estando bem acima do nível externo, uma vez que está localizado no aterro executado para a construção da casa-grande, junto às janelas da sala de jantar e à área de serviço. Em outros casos, como na Fazenda Baguassu (Araraquara), houve a execução de

7 dois jardins: o fronteiro e outro, mais particular, aos fundos, este último cercado de muros e equipado com uma fonte de água corrente, e para o qual se abria o alpendre traseiro, um ambiente extremamente agradável. Ambos os exemplos são do final do século XIX. Em algumas fazendas, como a Palmital (Ibaté) e a Guatapará (no município de mesmo nome, infelizmente destruída no final do século XX), cujos proprietários eram importantes famílias paulistanas (Moreira de Barros e Prado, respectivamente), os casarões foram construídos ao final do século XIX, provavelmente ambos por Ramos de Azevedo, muito distantes do núcleo de trabalho da fazenda. Essa era uma tendência que se tornava comum no meio urbano, privilegiando locais arejados e ensolarados, mais próximos à natureza, longe do barulho e da fumaça das máquinas. No século XIX, havia a metáfora do corpo orgânico, aplicado à sociedade. Este corpo deveria ser protegido, cuidado e assepsiado através de inúmeros métodos e mesmo de cirurgias que extirpassem suas partes doentes. Desta forma, o meio ambiente - o clima, a luz, o sol, o calor, o ar e a água - era o responsável principal pela saúde do corpo e de cada uma de suas partes, de cada indivíduo que compunha este corpo social. De acordo com a teoria dos fluidos, o ar e a água eram veículos mórbidos portadores de emanações fétidas e pútridas: os miasmas, transmissores de doenças. A inalação desses miasmas poderia provocar a ruptura do equilíbrio do organismo, obstruindo as artérias e veias, ocasionando o surgimento de doenças, febre pestilencial, escorbuto e gangrena (RAGO, 1985, p.167). A nova lógica para a locação do casarão, nessas fazendas, foi baseada no higienismo, ou seja, longe das emanações pútridas das fezes dos animais, dos estábulos, dos mangueiros, da fumaça das máquinas de beneficiamento, etc. Aos casarões passou a ser associada a ideia de prazer e fruição da vida no campo, um local onde se podia estabelecer um contato mais íntimo com a paisagem: os alpendres tornaram-se mirantes para a observação da natureza e dos animais - mesmo que estes estivessem dominados, nos graciosos jardins que passaram a envolvê-las. Num almanaque de São Carlos de 1917, encontra-se a seguinte descrição a respeito da fazenda Palmital, situada no então distrito de Ibaté: A residencia do proprietario é um predio elegante, bellissimo, confortavel, que nada inveja aos predios das cidades mais adeantadas do Estado; é circundada por um magnifico jardim, onde se encontram plantas exoticas, repuxos, cascatas e lagos artificiaes, aves raras etc. (CASTRO, 1917, s/p.) O próprio cronista, ao comparar o prédio rural com uma casa das cidades mais adeantadas do Estado - talvez inconscientemente - assinala a influência do modo de morar urbano, onde se difundiam as ideias higienistas, sobre as casas rurais que se construíam na época.

8 Comentaremos, no item seguinte, as características encontradas em jardins de algumas das zonas cafeicultoras paulistas. Jardins na Zona Central de São Paulo A região Central, onde estão situados municípios como Campinas, Itatiba, Mogi Guaçu, Piracicaba, Itu, etc., havia sido intensamente povoada por pessoas originárias de Minas Gerais desde o final do século XVIII, gente em geral habituada ao convívio com o ambiente urbano, de certo refinamento. Ao contrário de outras regiões paulistas, ela passara pelo ciclo da cana de açúcar que havia provocado um razoável enriquecimento, e mesmo as casas rurais, existentes nos engenhos, já demonstravam certo requinte. De certa maneira, havia uma elite mais afeita ao bem viver na época em que a cafeicultura aportou por aquelas bandas. E o dinheiro da nova lavoura, muito mais abundante do que o proporcionado pelo açúcar, lapidou ainda mais o gosto geral dessa aristocracia. Não à toa, Itu e Campinas eram das cidades paulistas mais adiantadas de toda a província, e portadoras de algumas das melhores e mais ornamentadas igrejas, de alguns dos mais belos casarões, de boas escolas, boas lojas. Havia uma vida cultural diferenciada do corrente nas demais cidades do interior. Assim, não é de se estranhar que muitas das fazendas ostentassem alguns novos beneficiamentos não destinados à produção, mas sim à fruição dos espaços. Foi nessa região que o apreço pelo conforto, junto a um gosto estético, começou a sair de dentro dos casarões, e a se refletir nas suas imediações. As maiores mudanças no final do século XIX, em se tratando do ambiente externo nas proximidades do casarão, talvez seja a introdução de espaços destinados aos jardins circundando o casarão, muitas vezes cercado de um muro que garantia privacidade, ou grandes pomares, em geral dispostos na parte traseira do casarão, cortado por canais de água, cercados por grossos muros de taipa de pilão, cobertos de telhas, com as árvores frutíferas formando aleias. Dignos de menção são os jardins existentes na Fazenda Engenho das Palmeiras (Itapira). Situados à frente do casarão, foram desenhados de maneira a formar caminhos sinuosos, entre os canteiros, contendo ainda um tanque com chafariz, hoje desativado, e um caramanchão com bancos. Como não havia banheiros no interior da residência, quando se construíram os jardins, provavelmente no final do século XIX, foram feitos também quatro pequenos banheiros numa de suas extremidades: dois banheiros voltados para o jardim e outros dois voltados para o pomar. Essa pequena edificação mostra claramente a sua ligação

9 Jardins do casarão da Fazenda Dona Carolina, Bragança Paulista (SP). Foto do autor. com o gosto eclético da época, inclusive no formato das aberturas, com bandeiras venezianas em formato ogival. Os canteiros e os passeios se dividem em dois ambientes: um cobrindo a extensão da fachada do casarão e outro ao seu lado, sendo ligeiramente maior: ambos, no entanto, atendem a um desenho bastante simétrico, por onde caminhos sinuosos dão-lhes um caráter de unidade. Esses jardins estão situados numa mesma plataforma, elevada por muros de arrimo, e cercados por mureta, sendo a privacidade familiar garantida, inclusive do espaço de trabalho das escravas, ao fundo. Nota-se aqui, uma mescla de influências francesa e italiana: há eixos muito bem marcados, que são dissimulados pela ondulação de alguns caminhos. Os jardins projetados nas imediações do casarão foram frequentes na Região Central, alguns bastante sofisticados, como os das fazendas Pereiras (Itatiba), e Dona Carolina (Bragança Paulista), possivelmente obras do mesmo arquiteto. Segundo informações obtidas na fazenda Pereiras, os jardins ali executados datam de final do século XIX e foram projetados por um arquiteto espanhol cujo nome se perdeu. A semelhança entre os dois exemplares mencionados acima se dá principalmente no desenho dos tanques dos chafarizes, revestidos de uma argamassa sobre a qual foram aplicadas conchas de pequenos moluscos e seixos rolados. Alguns outros elementos comuns podem ser vistos, como o uso de bancos construídos em alvenaria, etc. Ambos são espaços fechados, situados ao lado dos casarões e destinados aos familiares e àqueles que gozavam da intimidade do proprietário, em cenários quase idílicos, bem ao gosto do ecletismo vigente à época. No entanto, na implantação, eles diferem radicalmente. O jardim da Fazenda Dona Carolina encontra-se num plano único, sendo protegido de um lado pelo arrimo que segura o corte no terreno feito para sua implantação e, na sua parte fronteira, por uma mureta baixa encimada por belo gradil ornamental de ferro. Nele, os canteiros e passeios, apesar de seguirem um eixo determinado pela disposição dos dois tanques de água com repuxos, são bastante irregulares, criando uma movimentação bastante interessante, ampliada pela massa regular dos buxos podados que os circundam. Ao fundo, arrematando o ambiente, encontra-se um

10 caramanchão sob o qual se dispôs um banco. Os passeios são calçados por tijolos, os mesmo que calçavam os terreiros de café, e os canteiros são delimitados por tijolos em espelho. O jardim da Fazenda Pereiras, ao contrário, mais amplo, organiza-se sobre um terreno bastante inclinado, sendo trabalhado em vários planos - seguros por arrimos de pedra - que se comunicam entre si por escadarias. Junto a um desses muros, foi colocado um pequeno tanque com uma fonte metálica com repuxo e prato; ao seu redor, troncos de cimento armado, apoiam um caramanchão, enquanto outros imitam árvores caídas. Os caminhos são sinuosos, porém o arremate dos canteiros é feito por curiosas placas cerâmicas decorativas, cuja borda superior é denteada e a face externa apresenta relevos ornamentais. Assim como no jardim da Fazenda Dona Carolina, um dos tanques possui o formato octogonal. Em ambos os jardins, a herança mourisca é bastante presente, seja no caráter bastante privado, seja no uso dos tanques de água, usados para umidificar o ambiente, ou ainda, no caso da Fazenda Pereiras, no uso de palmeiras variadas como espécies arbóreas preferenciais. Em todos esses casos, os jardins são fruto de reformas paisagísticas posteriores à construção dos casarões, construídos entre a última década do século XIX e a primeira do século XX. Não apresentam características puras, atendem ao ecletismo vigente da época. Jardins nas Zonas da Paulista e da Mogiana Os jardins encontrados nas zonas Paulista e Mogiana, regiões onde afloram as grandes manchas de terras roxas, famosas por serem extremamente férteis, também se encontram junto aos casarões em posições variadas. Aparecem à frente, aos fundos e nas laterais dos casarões, sempre criando o espaço envoltório e isolador do ambiente de trabalho. Por vezes, nos casarões de planta em L, no espaço resultante entre o corpo fronteiro do casarão e o anexo de serviços, formava-se um jardim mais aprimorado, com canteiros e tanques d água com repuxo, viveiros de aves ornamentais e bancos, um local aprazível, sombreado e perfumado pelas plantas e flores, onde as senhoras recebiam as suas visitas nas tardes quentes do interior paulista. Esse espaço era em geral cercado por muros, de modo a separá-lo da área de serviços e protegê-lo dos animais domésticos. O jardim fronteiro, da mesma forma que o posterior, era composto por vários canteiros, tanques com repuxos d água, caminhos tortuosos, adornado por aves como pavões e cisnes, criados soltos, ou por graciosos viveiros de aves coloridas e canoras. Muitos deles possuem as delicadas cercas de tábuas finas, intercaladas de mourões de alvenaria; outros, por gradis metálicos importados. Não é incomum haver grandes portais de entrada, estátuas clássicas de porcelana branca, metálicas ou de cimento armado, além dos equipamentos já citados. Aí, todos os sentidos são convidados a atuar para sentir a qualidade espacial obtida no conjunto

11 final: o colorido de flores, arbustos e folhagens; a textura de folhas, de pisos distintos; a umidade que garantia um microclima agradável mesmo nos meses mais secos do ano; aromas de ervas e de flores; sons de pássaros e de fontes com seus jorros de água que inundavam o espaço de uma musicalidade extremamente agradável e tranquilizadora; caramanchões com trepadeiras odoríferas... E até o paladar, pois muitos desses espaços possuem, ou possuíram, fruteiras, ou mesmo pequenas mesas metálicas acompanhadas de cadeiras para o café da tarde, ou chá, com quitutes da cozinha do casarão. É preciso registrar aqui que, nessas regiões (Paulista e Mogiana), a cafeicultura toma força ao final da década de 1880, quando a quantidade de colonos europeus, era cada vez mais numerosa, havendo muitas pessoas que, como já dito, sabiam lidar com plantas ornamentais e floríferas. É também o momento em que o ecletismo arquitetônico predominava nas manifestações arquitetônicas e paisagísticas. E finalmente, é a época em que fazendeiros enricados começam a viajar pelo mundo, principalmente Europa e Estados Unidos, adquirindo um refinamento de caráter preponderantemente europeu em seus gostos, gestos, costumes, comportamento. Assim, os jardins ao redor do casarão foram muito comuns e ajudavam a criar o almejado e idílico cenário pitoresco, romântico, de seus proprietários. Em todos, a composição era bastante eclética. Com toda essa importância, os jardins dessa região e época chegaram a ter proporções bastante grandes, pois a fazenda passa a ser também um local de recepção de visitantes ilustres, de grandes comerciantes de café, de jornalistas, de intelectuais: muitos deles estrangeiros. O espaço da fazenda torna-se um cartão de visita, faz parte do marketing comercial e social do produtor rural, já não é apenas local de trabalho e produção. As visitas de estrangeiros rendiam aos proprietários a publicação de artigos em periódicos estrangeiros, a menção em romances, que ajudaram a criar a mística e a fama do café paulista pelo mundo afora e, consequentemente, aumentavam as vendas de café e a fortuna dos fazendeiros. Uma das propriedades que merece destaque por seu paisagismo sofisticado, e que encantou o escritor francês Blaise Cendrars, é a Morro Azul (Iracemápolis), aberta e implantada por Manoel Rodrigues Jordão, no início do século XIX. Porém, foi um descendente seu, Silvério Rodrigues Jordão, quem iniciou a reforma da casa e construção de seus belos jardins e o parque hidroterápico, seguindo o padrão do Ecletismo arquitetônico vigente ao final desse mesmo século. O jardim fronteiro ocupa toda a frente, bastante ampla, do casarão. Ele segue o desnível do terreno, porém foi escalonado em vários níveis, com várias escadarias entre si, formando um desenho simétrico, com canteiros e fontes ornamentais.

12 Aos fundos do casarão, existe um pátio traseiro circundado nas laterais por uma mureta encimada de gradil metálico; ao centro, junto à porta da sala de jantar, há um grande canteiro oval, guarnecido em seu centro de uma ânfora, seguido de outro circular, ambos no mesmo eixo; aos fundos, tem-se acesso a uma enorme gruta artificial, com estalactites e estalagmites de cimento armado, bem ao gosto de recriação artificial da natureza do período eclético, de onde escorre água corrente para um tanque em semicírculo. É possível percorrer o interior dessa gruta, através de uma passarela. Atrás dessa gruta, num patamar seguro por arrimos de pedra, desenvolve-se o belo bosque com árvores exóticas, guarnecido de várias edificações, à feição dos quiosques e chalés de parques e praças da época, também de gosto eclético: algumas com aberturas ogivais, outras com abertura em arco pleno e duas caixas d água com desenhos diferenciados. Trata-se, na verdade, de um complexo de hidroterapia particular, com duas casas de banho, uma para homens, e outra, para mulheres, que contêm em seu interior, piscinas e banheiras de mármore de Carrara, dotadas de caldeiras, proporcionando, assim, banhos quentes, mornos ou frios. Outra edificação parece ter servido de lavanderia e depósito. O declive acentuado do terreno obrigou a dispô-las em vários níveis, acessados por caminhos sinuosos e escadarias diversas, à maneira do paisagismo implantado pelos franceses pelo país. Esse belo e inusitado parque, e seu conjunto de edificações, estão sendo recuperado, aos poucos, pelos atuais proprietários. Desenho do parque envoltório ao casarão da Fazenda Guatapará, Guatapará (SP). Desenho feito pelo arquiteto João Paulo Papandreu Lemos. Fonte: idos/faz_guatapara.htm Outro grande jardim, infelizmente já destruído juntamente com todo o conjunto arquitetônico, era o da Fazenda Guatapará, no município de mesmo nome. Ela pertenceu à família Prado e passou por vários proprietários. Na década de 1970, a fazenda foi adquirida pela Usina São Martinho, tendo então todo seu patrimônio construído posto abaixo para o plantio de cana-de-açúcar. O belo casarão, com esmerada alvenaria de tijolos aparentes, era envolvido por um amplo parque, com pontes, espelhos d água, caminhos sinuosos, numa influência clara dos jardins franceses urbanos. Havia um eixo central fortemente marcado, sequencialmente, pelo lago retangular, pelo palacete, pela piscina e pela edificação dos vestiários. Nas laterais desse eixo, caminhos

13 sinuosos se prolongavam de forma irregular, entre gramados, arvoredos, moitas de espécies floríferas e arbustivas, cuidadosamente podadas, resultado de hábeis artesãos da topiaria. Sobraram apenas memórias de quem o vivenciou e algumas poucas fotos. Estes grandes espaços ajardinados, à feição de parques, no entanto, são incomuns no ambiente rural paulista. Jardins de proporções menores, mas não menos belos, são os mais encontrados nas velhas sedes cafeeiras dessas regiões paulistas ainda hoje. O jardim da fazenda Santa Maria do Monjolinho envolve a parte fronteira e ambas as laterais do casarão, espaço cercado por mureta e cujo acesso é controlado por um portão Jardins da Fazenda Santa Maria do Monjolinho, São Carlos (SP). Desenho do autor. monumental, a principal entrada para visitantes, e um portão menor, voltado para os lados do terreiro de café. Seu desenho é bastante simétrico, marcado pelo eixo da fachada do casarão, junto ao qual se estabeleceu o tanque d água com seu repuxo (um pequeno anjo, segura uma ânfora por onde escorre a água incessante). A partir desse eixo, desenvolvem-se vários canteiros irregulares envolvidos por caminhos sinuosos, sem calçamento e cobertos de areia, que se expandem para as laterais da casa. Bancos dispostos ao lado do tanque central convidam a uma conversa agradável, a uma leitura, ou simplesmente o fruir da paisagem - estando num ponto alto, voltado para o vale do rio Monjolinho, a vista descortinada dali é por si só um bom motivo para se deixar estar alguns minutos apenas observando. O jardim da fazenda das Palmeiras possui situação e desenho bastante semelhante, exceto pelo fato de se encontrar apenas na parte fronteira do casarão. No entanto, a planta em U desse casarão forma um pátio aos fundos, onde foi projetado outro jardim, para o qual se voltam janelas dos dormitórios e de alguns cômodos da zona de serviços. Infelizmente, a situação geral dessa propriedade é bastante precária, apesar de se tratar de um dos mais belos exemplares de fazendas que encontramos em nossos levantamentos. Os jardins se tornaram muito comuns ao final do século XIX e início do XX, sendo incorporado mesmo junto aos casarões de fazendas médias ou pequenas. O desenho, mais simples, tenta

14 criar soluções provavelmente copiadas de fazendas maiores ou de casas urbanas. Um exemplo ainda bastante perceptível, embora pertencente a uma sede abandonada há vários anos, é o da fazenda Santana (São Carlos). O desenho dos canteiros, geométrico, se desenvolve sem muito apuro, fruto muito mais da intuição do que seguidor de uma tendência estilística. A simetria é falha, não cria pontos focais específicos, mesmo porque impossibilitados pelas dimensões quase sempre reduzidas. Esse tipo de jardim é bastante encontrado em inúmeras propriedades. Jardins das Zonas Pioneiras Zonas pioneiras era o nome dado às últimas fronteiras agrícolas a serem desbravadas em território paulista, ocupadas entre a última década do século XIX e as primeiras do século XX, na porção oeste do Estado. Em algumas das fazendas mais antigas dessas zonas, o casarão encontra-se ligeiramente afastado do núcleo de beneficiamento do café, seguindo as tendências burguesas da época, de separação do ambiente privado e aristocrático da família do fazendeiro, daquele mundo do trabalho, como ocorre nas fazendas Saltinho e Santa Delphina (ambas em São Manuel), ou Serra Negra (Botucatu). Não por acaso, nesses exemplares, os casarões encontravam-se envoltos por imensos jardins e pomares, cercados por muros e grades. No almanaque de 1928 do município de São Manuel, encontra-se a seguinte descrição da casa e do entorno da fazenda Santa Delphina: Entre as benfeitorias desta fazenda, a que mais desperta as attenções, é a casa de residencia, em que a exma. Sra. D. Delphina Pereira Ribeiro pôz em evidencia grande bom gosto. É um predio lindo, vistoso, estylo bungalow. A apparencia externa produz a melhor impressão, fazendo advinhar o conforto interno. Realmente existem ali as mais requintadas commodiddades. Bem construido, com solidez e elegancia de linhas, o edificio tem divisões feitas com criterio, de modo a satisfazer qualquer exigencia. O mobiliario é bom, de muito apuro, pelo que ao entrar no palacete, sente o visitante agradavel impressão de bem estar. Foi installado serviço completo de luz electrica, telephone, exgottos, etc., sendo habitavel o porão. Á frente está largo passeio e formoso jardim que empresta ao ambiente uma nota alegre, graças ás cores vivas das differentes especies de flores.

15 Esse predio modernissimo, faz com que a Santa Delphina conserve um aspecto garrulo e interessante, impressionando quantos ali vão (CALDEIRA Netto, 1928, p. 251). No mesmo almanaque, encontramos a descrição do casarão da fazenda Saltinho, então uma das mais importantes do município: A casa de residencia é das melhores do município. De avantajadas proporções, alta, com porão habitavel, causa optima impressão. O interior é magnifico, ali havendo todos os recursos desejados em uma vivenda fidalga, como luz electrica, agua encanada, apparelhamento sanitario, telephone, etc. Do elegante alpendre é possivel descortinar-se bella vista dos arredores. Um cuidado jardim completa os attractivos do soberbo edifício (CALDEIRA Netto, 1928, p.153). O jardim da fazenda Santa Delphina desapareceu, sendo o estado atual do conjunto bastante deplorável. O da fazenda Saltinho, ao contrário, ainda guarda vestígios de seu aspecto original, pois também passou por décadas de abandono. Situado à frente do imponente casarão, em um amplo platô seguro por muro de arrimos de pedra, o jardim é composto de vários canteiros e passeios calçados de tijolos, em desenho simétrico, tudo envolvido por belo gradil metálico. O acesso é feito por uma escadaria de pedra, acessada por um portão metálico encimado por uma pequena estrutura ligeiramente arqueada, também metálica - uma espécie de prolongamento do gradil. A situação lembra o de várias fazendas paulistas: a fachada do casarão e os jardins se abrem para um vale, no caso o do rio Paraíso. Em Botucatu, fica a fazenda Serra Negra, que pertenceu a Manoel Ernesto Conceição, o conde de Serra Negra. Assim como nas fazendas citadas de São Manuel, a sede encontra-se em estado de abandono, restando apenas sinais do antigo fausto. Nela, o casarão encontra-se envolto por restos do que foi um amplo pomar, aos fundos, e um grande jardim, na parte fronteira. Nesse último, hoje apenas indícios dos canteiros, de tanques e repuxos d água, passeios, e os muros, com duas grandes entradas monumentais, uma delas com duas belas estátuas de porcelana da Fábrica Santo Antônio, da cidade portuguesa do Porto, uma representando a África e, outra, a Ásia, sobre robustos pilares. A amplitude do espaço destinado ao jardim permite-nos imaginar o que foi em seu auge. Posteriormente, nas zonas cultivadas nas primeiras décadas do século XX, os jardins tornam-se menos rebuscados. Fruto de uma era em que cafeicultores praticamente já não viviam nas propriedades rurais, habitando preferencialmente o espaço urbano, as casas tornaram-se menores, pois são ocupadas sazonalmente. Seus jardins refletem esse novo modus vivendi do fazendeiro: não desaparecem, porém restringem-se a pequenos espaços

16 cercados envolvendo a casa, com canteiros dispostos de maneira mais ou menos simétrica, à moda das casas urbanas. Praticamente desaparecem o mobiliário, as esculturas, ou estruturas como caramanchões, bancos e tanques com repuxos. Isso pode ser observado nos almanaques das chamadas zonas pioneiras, como a Araraquarense, Alta Sorocabana, Alta Paulista e Noroeste: os jardins envolvendo as casas são modestos, acanhados. A cafeicultura, em São Paulo, aproximava-se do seu final e com ela, a época das grandes sedes esteticamente planejadas e confortáveis, e dos magníficos jardins rurais à moda europeia. Fazenda Santa Leonor, Penápolis. Fonte: Álbum da Noroeste. São Paulo: Pan-Americana, 1928, p Conclusão Apesar de serem unidades agroindustriais, as fazendas cafeicultoras paulistas não tiveram seus espaços unicamente voltados ao trabalho e à produção. Sofrendo influências diversas, numa época em que a comunicação entre as diversas partes do mundo se aceleravam, seus proprietários souberam, bem ou mal, criar condições esteticamente bastante aprazíveis, suavizando os rigores do cotidiano e seu trabalho quase contínuo. Entre os grandes cafezais, e o ambiente de trabalho pesado no terreiro e nas casas de máquinas, os jardins foram nichos refrescantes e tranquilizadores que embelezaram a vida na fazenda.

17 Referências BENINCASA, Vladimir. Fazendas Paulistas: arquitetura do ciclo cafeeiro. São Carlos: EESC-USP, BENINCASA, Vladimir. Velhas Fazendas: arquitetura e cotidiano nos Campos de Araraquara São Paulo, São Carlos: IMESP, Edufscar, CASTRO, Frankin. Almanach Albun de São Carlos São Carlos: Typographia Artistica, CALDEIRA Netto, J. As Nossas Riquezas. Município de São Manuel. São Paulo: Estab. Graphico Irmãos Ferraz, DELPHIM, Carlos Fernando de Moura. Intervenções em Jardins Históricos. Brasília: IPHAN, DOURADO, G. M. Belle Epoque dos Jardins. São Carlos, EESC-USP, 2008 (tese de doutorado). LIMA, Siomara B. S. Para Além da Arquitetura. Ramos de Azevedo e os projetos de jardins para Campinas. In: CARNEIRO, Ana Rita Sá; BERTRUY, Ramona Pérez. Jardins Históricos Brasileiros e Mexicanos Jardines Histõricos Brasileños y Mexicanos. Recife: UFPE, MALUF, Marina. Ruídos da Memória. São Paulo: Siciliano, RAGO, Margareth. Do Cabaré ao Lar. A utopia da cidade disciplinar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009 ESTUDO DE CASO São Paulo, novembro de 2009 O PROJETO PATRIMÔNIO DO CARMO Local: residência em condomínio fechado em São Roque / SP Área: 2.700 m² (que se unem às áreas de reserva, comuns a todos os condôminos)

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

Jardins. aula 6. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Gilberto Elkis

Jardins. aula 6. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Gilberto Elkis www.casa.com.br/cursodedecoracao2012 aula 6 Por Gilberto Elkis Jardins Passeando por um belo jardim de 2 mil m ², o paisagista Gilberto Elkis conta segredos de sua criação e dá dicas valiosas de como ter

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA

ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA No dia dois de Dezembro de 1.910, foi assinado contrato entre a câmara municipal e o senhor Francisco Leonardo Cerávolo, para a construção do prédio do grupo escolar. Aos

Leia mais

ficha 08: Edificação à estrada Barra/Mogiano km 4,5.

ficha 08: Edificação à estrada Barra/Mogiano km 4,5. Página 62 de 121 ficha 08: Edificação à estrada Barra/Mogiano km 4,5. Vista geral da fachada da edificação. Lateral direita da edificação. Fachada posterior da edificação. 1. Município: Delfim Moreira.

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda São Lourenço códice AIV - F02 - TR localização Rodovia União e Indústria, s/nº Santa Terezinha

situação e ambiência denominação Fazenda São Lourenço códice AIV - F02 - TR localização Rodovia União e Indústria, s/nº Santa Terezinha Parceria: denominação Fazenda São Lourenço códice AIV - F02 - TR localização Rodovia União e Indústria, s/nº Santa Terezinha município Três Rios época de construção séc. XIX detalhamento do estado de conservação

Leia mais

A paz do campo. NAdA MELhOR do que viver EM uma MORAdA tranquila E ROdEAdA POR MuitO verde

A paz do campo. NAdA MELhOR do que viver EM uma MORAdA tranquila E ROdEAdA POR MuitO verde 40 A paz do campo NAdA MELhOR do que viver EM uma MORAdA tranquila E ROdEAdA POR MuitO verde Abrir A janela e contemplar A natureza, que parece não ter fim. Barulho quase não existe, a não ser o canto

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS 01. Município: Uberlândia 02. Distrito: Sede 03. Designação: Estabelecimento de Uso Misto Comércio e Residência 04. Endereço: Rua Coronel Antônio Alves, nº 9.151

Leia mais

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº.

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. Parceria: denominação Fazenda Todos os Santos códice AII - F01 - PF localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. 300 Graminha município Engenheiro Paulo de Frontin época de construção século XIX estado

Leia mais

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Ruth Sprung Tarasantchi Depto de Artes Plásticas da ECA/USP Foi em 1981 que o Museu de Arte de São Paulo (MASP), juntamente com o Museu Paulista, mostraram uma

Leia mais

situação e ambiência códice AII-F05-Vass denominação Fazenda São Roque localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra

situação e ambiência códice AII-F05-Vass denominação Fazenda São Roque localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra Parceria: denominação Fazenda São Roque códice AII-F05-Vass localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra município Vassouras época de construção século XIX estado de conservação detalhamento

Leia mais

Estação Guanabara 2001

Estação Guanabara 2001 Anexo 1.30 Estação Guanabara 2001 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rua Mário Siqueira, Campinas SP, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: desconhecida. Data da Construção: 1915. Área do Terreno:

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados.

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. Três principais civilizações: Maias; Astecas; Incas. Civilização Maia:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 42 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 3 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Residência. ENDEREÇO: Rua Vigário Dantas, 495 Bairro Fundinho Uberlândia MG. USO ATUAL: A casa se encontra

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista:

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista: Entrevista Dia 21/05, às 19:00, no MOM Família de 2 pessoas: Roney e Helena Endereço da casa: Rua Uberlândia, 531 (esquina com Rua Padre Eustáquio) Tempo: 2h Presentes: Amanda Descrição da demanda: Os

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

FAZENDAS HISTÓRICAS: COTIDIANO, GESTÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 1 RESUMO

FAZENDAS HISTÓRICAS: COTIDIANO, GESTÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 1 RESUMO FAZENDAS HISTÓRICAS: COTIDIANO, GESTÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 1 RESUMO Luzia Sigoli Fernandes Costa 2 Maria Inês Rauter Mancuso 3 Neste estudo relataram-se as observações obtidas nas visitas realizadas

Leia mais

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois antes e depois Texto: M.N.Nunes Fotos: divulgação (antes)/jomar Bragança (depois) De roupa nova com 45 mil A ardósia deu lugar ao porcelanato e ao mármore, as esquadrias de ferro desapareceram e o vidro

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

Segundo Olivia, ao apontar uma fotografia sobre a um móvel da fazenda

Segundo Olivia, ao apontar uma fotografia sobre a um móvel da fazenda Sampaio Moreira: de Portugal, ao centro da cidade de São Paulo à terra roxa da Fazenda Santa Carlota No início de 2011, realizamos uma entrevista com Renato Oliva e Cecília Sampaio Moreira, ainda residentes

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

A primeira coisa que eu me lembro é o Círio de Nazaré 69

A primeira coisa que eu me lembro é o Círio de Nazaré 69 quente, adentrei a casa desta família; uma grade alta fazia a limitação entre o espaço público e o privado, aquele afastamento frontal demonstrava que se tratava de uma edificação que não se enquadrava

Leia mais

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito.

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco,

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

A perfeição da obra está na beleza de cada detalhe.

A perfeição da obra está na beleza de cada detalhe. A perfeição da obra está na beleza de cada detalhe. A felicidade tem endereço certo. Residencial. Privilegiado. Completo. É assim o Bairro de Fátima. Uma das regiões mais valorizadas de Fortaleza. Central,

Leia mais

INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA Diretoria de Patrimônio Cultural 1. MUNICÍPIO: Agrolândia DENOMINAÇÃO: Casa de Hildegard

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

VISTA DE SALVADOR FINAL DO SÉCULO XIX

VISTA DE SALVADOR FINAL DO SÉCULO XIX VISTA DE SALVADOR FINAL DO SÉCULO XIX O terreno está inserido em área de Proteção Rigorosa, segundo Lei Municipal n 3289/83, em Área Tombada pelo Governo Federal, mediante processo n 1093-T, e no entorno

Leia mais

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU O jantar no Brasil, de Jean Baptiste Debret Com este material de apoio é possível entender como os fragmentos arqueológicos nos ajudam a decifrar

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG casa Wilderness A construção, assimétrica, quebrada, composta por múltiplos volumes, que se contraem ou se expandem do corpo principal, reinventa, contemporânea, as tradicionais casas de campo britânicas.

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

P&E Estilos do Brasil. Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS. Externas. 34 CASA Projeto&Estilo

P&E Estilos do Brasil. Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS. Externas. 34 CASA Projeto&Estilo P&E Estilos do Brasil Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS Externas 34 CASA Projeto&Estilo pe_17.indb 34 09/12/11 15:55 Local apropriado para quem pretende unir bem-estar e natureza, as áreas externas estão se

Leia mais

A Vila. Na vila de Barrancos

A Vila. Na vila de Barrancos Locais a visitar A Vila Na vila de Barrancos podem ainda encontrar-se belos exemplares do típico casario alentejano, de arquitectura popular: casas caiadas de branco, de piso térreo, construídas em taipa,

Leia mais

Uma oportunidade única de criar e decorar

Uma oportunidade única de criar e decorar Uma oportunidade única de criar e decorar a sua CASA DE PRAIA em miniatura. Descubra o prazer do coleccionador e a delicadeza do miniaturista. O coleccionismo das casas em miniatura é um passatempo com

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda Rio Novo códice AIV - F04 - PS localização Estrada da Palestina município Paraíba do Sul

situação e ambiência denominação Fazenda Rio Novo códice AIV - F04 - PS localização Estrada da Palestina município Paraíba do Sul Parceria: denominação Fazenda Rio Novo códice AIV - F04 - PS localização Estrada da Palestina município Paraíba do Sul época de construção séc. XIX detalhamento do estado de conservação no corpo da ficha

Leia mais

A felicidade tem muitas formas. Experimente todas aqui.

A felicidade tem muitas formas. Experimente todas aqui. Incorporadora: Construtora e incorporadora: A felicidade tem muitas formas. Experimente todas aqui. Felicidade, sentimento universal, que se expressa de muitas formas. Aqui, em Fortaleza, ela assume os

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS Conceito de marketing: visão ampla Identificação das necessidades dos clientes

Leia mais

Estilo e qualidade de vida em um endereço único.

Estilo e qualidade de vida em um endereço único. Estilo e qualidade de vida em um endereço único. Faça a melhor escolha. Mude-se para este charmoso residencial e desfrute de muito verde, um belíssimo projeto paisagístico e inúmeras opções de lazer. Tudo

Leia mais

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre 8º Ano Artes 2º bimestre BARROCO A arte barroca desenvolveu-se no século XVII, num período muito importante da história da civilização ocidental, pois nele ocorreram mudança que deram nova feição à Europa

Leia mais

situação e ambiência códice AII-F01-Vass denominação Fazenda Visconde de Cananéia localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia

situação e ambiência códice AII-F01-Vass denominação Fazenda Visconde de Cananéia localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia Parceria: denominação Fazenda Visconde de Cananéia códice AII-F01-Vass localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia município Vassouras época de construção século XIX estado de conservação

Leia mais

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

Igrejas paulistas: barroco e rococó

Igrejas paulistas: barroco e rococó Igrejas paulistas: barroco e rococó Vanessa Proença Título da obra: Igrejas paulistas: barroco e rococó. Autor: Percival Tirapeli 1 Um grande catálogo: é essa a impressão que o livro nos passa. A proposta

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém Dossier Promocional Moradia em Abrantes Santarém 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

Mude seu ponto de vista sobre como morar

Mude seu ponto de vista sobre como morar Mude seu ponto de vista sobre como morar De tempos em tempos a humanidade descobre uma nova perspectiva de vida. A mente cria desejos. Desejos que abrem espaços. Espaços que se transformam em novos enfoques.

Leia mais

Toscana rural. Como na. campo

Toscana rural. Como na. campo campo Como na Toscana rural A casa de inspiração italiana completa a beleza da paisagem que se descortina no entorno do sítio de 200 mil m 2, às margens da represa Jaguari-Piracaia e aos pés da Serra da

Leia mais

SOLAR DA IMPERATRIZ - PROJETO DE RESTAURO PESQUISA HISTÓRICA

SOLAR DA IMPERATRIZ - PROJETO DE RESTAURO PESQUISA HISTÓRICA SOLAR DA IMPERATRIZ - PROJETO DE RESTAURO PESQUISA HISTÓRICA 1. INTRODUÇÃO A pesquisa histórica levada a cabo pela equipe da 6ª CR do IPHAN e que esteve agregada ao Edital de Licitação do Projeto de Restauro

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos.

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos. 4.3.3 Programa de Monitoramento Arqueológico O Programa de Monitoramento Arqueológico, conforme consta no Plano Básico Ambiental prevê a catalogação de amostras nas áreas de construção da Estrada Parque,

Leia mais

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura arquitetura Rua do olhar texto Rodrigo Apolloni imagens Rafael dabul Descansar o olhar sobre certas fachadas, sobre certas casas, pode ser uma experiência reveladora em Curitiba. Uma cidade de mil arquiteturas,

Leia mais

Estrutura Arquitetônica. 3- Designação: ESCOLA MUNICIPAL AMÂNCIO BERNARDES

Estrutura Arquitetônica. 3- Designação: ESCOLA MUNICIPAL AMÂNCIO BERNARDES INVENTÁRIO DE PROTEÇÃO DO ACERVO CULTURAL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DO MONTE Praça Getúlio Vargas, nº 18, Centro Tel.: (37) 3281-1131 CEP: 35560-000 Estação Cultura: Praça Benedito Valadares,

Leia mais

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior Detalhes Balanços arrojados Moderna, a fachada tem importante função estética, mas também é uma grande aliada para minimizar a incidência de raios solares e garantir mais privacidade do projeto Arquiteto:

Leia mais

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos sob medida projetos Referência FAMILIAR A decoração desta moradia, no Estoril, ficou a cargo das arquitetas de interiores Maria Ana Franco e Teresa Matos Correia, da Fusion. TEXTO: patrícia ROCHA PRODUÇÃO:

Leia mais

22 BANCADAS. Estilosas. Apê de solteiro. Green Home. Madeira certificada. Entre, a casa é sua! Água cristalina

22 BANCADAS. Estilosas. Apê de solteiro. Green Home. Madeira certificada. Entre, a casa é sua! Água cristalina OBRA MAIS BARATA: APOSTE NA ALVENARIA ESTRUTURAL E ECONOMIZE ATÉ 30% NA CONSTRUÇÃO Estilosas 22 BANCADAS QUE FAZEM TODA A DIFERENÇA NOS BANHEIROS Apê de solteiro 3 PROJETOS QUE MOSTRAM O MODO COMO OS DONOS

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

Fugindo do tradicional

Fugindo do tradicional construção Fugindo do tradicional Distante do padrão das casas colonial-americanas que predominam no condomínio, o projeto ganhou linhas diferenciadas e muita iluminação natural, com janelas amplas por

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DA PONTE DA VÁRZEA

PLANO DE INTERVENÇÃO DA PONTE DA VÁRZEA PLANO DE INTERVENÇÃO DA PONTE DA VÁRZEA 1 A Junta de Freguesia de Labruja, tendo definido como uma das suas prioridades para este mandato, a requalificação de toda a área da Ponte da Várzea, junto às margens

Leia mais

Chope na Ilha. Rústico aconchego. c a s e. Da Redação A CIDADE DE LIMEIRA, LOCALIZADA A 150 KM

Chope na Ilha. Rústico aconchego. c a s e. Da Redação A CIDADE DE LIMEIRA, LOCALIZADA A 150 KM c a s e Chope na Ilha Da Redação Rústico aconchego A CIDADE DE LIMEIRA, LOCALIZADA A 150 KM da capital paulista, acaba de ganhar uma casa que oferece serviços e ambientes de restaurante, choperia e estar.

Leia mais

T4 Duplex Jardins do Palacete

T4 Duplex Jardins do Palacete T4 Duplex Jardins do Palacete Boavista/ Porto Nª/Refª 3818 Índice 1 Localização 3 2 Informação Geral 5 3 Disponibilidades 8 4 Acabamentos 10 5 Plantas 13 Implantação 14 T4 Duplex 15 6 Contactos 17 T4 Duplex

Leia mais

Arquiteto Willian O Brien Jr.

Arquiteto Willian O Brien Jr. Casa Refugio 1. A casa refúgio é uma segunda casa destinada ao acolhimento dos usuários no período de tempo livre(fim de semana, feriado ou pequenas férias). É nesta casa que os usuários se refugiam das

Leia mais

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e partido formal A casa Cirurgiões é uma residência unifamiliar de uso regular projetada

Leia mais

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti Palácio de Versailles Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti O Palácio de Versalhes (em francês Château de Versailles) é um château real localizado na cidade de Versalhes, uma aldeia

Leia mais

Figura 8.4.11.4-14: Localização dos bens tombados / 2 subtrecho

Figura 8.4.11.4-14: Localização dos bens tombados / 2 subtrecho Figura 8.4.11.4-14: Localização dos bens tombados / 2 subtrecho EIA RIMA Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental LINHA 15 RANCA / Trecho Vila Prudente Dutra CAPÍTULO III 676 EM Nº

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO: O CASO DO BAIRRO SANTA CRUZ DO JOSÉ JACQUES

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO: O CASO DO BAIRRO SANTA CRUZ DO JOSÉ JACQUES O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO: O CASO DO BAIRRO SANTA CRUZ DO JOSÉ JACQUES DANILO GOMES JARDIM 1 Apresentação Esta comunicação é fruto dos resultados de minha pesquisa sobre a urbanização

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

Grande em todos os sentidos

Grande em todos os sentidos Arquitetura Maurício Karam Paisagismo Gilberto Elkis Fotos Sérgio Israel Grande em todos os sentidos 62 CASA DE CAMPO Espaçosa, confortável e elegante, a casa tem atrações para toda a família e espaço

Leia mais

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura - RJ Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE Denominação: Reservatório do Morro do Inglês. Localização: Ladeira

Leia mais

TEXTO DEFINITIVO. Mirtes Timpanaro. A morte como memória: imigrantes nos cemitérios da Consolação e do Brás (FFLCHUSP mestre em História Social)

TEXTO DEFINITIVO. Mirtes Timpanaro. A morte como memória: imigrantes nos cemitérios da Consolação e do Brás (FFLCHUSP mestre em História Social) TEXTO DEFINITIVO Mirtes Timpanaro. A morte como memória: imigrantes nos cemitérios da Consolação e do Brás (FFLCHUSP mestre em História Social) Quando eu morrer quero ficar, Não contem aos meus inimigos

Leia mais

nannai beach resort B (de Brasil) 115

nannai beach resort B (de Brasil) 115 nannai beach resort Com apenas seis anos de vida, é um dos resorts mais procurados de Porto de Galinhas. E sobretudo por casais, devido ao seu ambiente romântico B (de Brasil) 115 Fica também em Muro Alto,

Leia mais

Habitação e modos de vida na Fazenda São Roberto (1889-1950)

Habitação e modos de vida na Fazenda São Roberto (1889-1950) Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos- EESC Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo Habitação e modos de vida na Fazenda São Roberto (1889-1950) Fachada da casa de morada

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944)

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) Lúcio Costa e Oscar Niemeyer TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA IV Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura Profa. Isabela Ferrante 1. Arquitetura Moderna Brasileira

Leia mais

A CASA DE FAZENDA DO CAPÃO DO BISPO ANÁLISE DO CONFORTO AMBIENTAL NAS RESIDÊNCIAS RURAIS FLUMINENSES DO SÉCULO XVIII.

A CASA DE FAZENDA DO CAPÃO DO BISPO ANÁLISE DO CONFORTO AMBIENTAL NAS RESIDÊNCIAS RURAIS FLUMINENSES DO SÉCULO XVIII. A CASA DE FAZENDA DO CAPÃO DO BISPO ANÁLISE DO CONFORTO AMBIENTAL NAS RESIDÊNCIAS RURAIS FLUMINENSES DO SÉCULO XVIII. BROTAS, Lara Muniz Martins (1); ALVES, Luiz Augusto dos Reis (2); BASTOS, Leopoldo

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Alexandre Chan - arquiteto e urbanista A Cidade e a Circulação Trinta e oito anos depois de sua inauguração, Brasília ultrapassou todas as expectativas para seu desenvolvimento.

Leia mais

O homem e o meio ambiente urbano. Paulo Saldiva

O homem e o meio ambiente urbano. Paulo Saldiva 1 O homem e o meio ambiente urbano Paulo Saldiva AMeio ambiente e saúde: o desafio das metrópoles s cidades sempre representaram polos de atração para o homem. A escalada cultural da Humanidade, a consolidação

Leia mais

Dossier Promocional. Empreendimento Varandas da Venezuela 2 - Porto

Dossier Promocional. Empreendimento Varandas da Venezuela 2 - Porto Dossier Promocional Empreendimento Varandas da Venezuela 2 - Porto 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Características Detalhadas do Imóvel 2 1.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 48 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 4 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Comércio. ENDEREÇO: Rua Barão de Camargo, 614 - Bairro Fundinho. USO ATUAL: Comércio (bar). IMAGEM 01:

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

CASA DA CULTURA natural Pouso Alegre Minas Gerais

CASA DA CULTURA natural Pouso Alegre Minas Gerais CASA DA CULTURA Situado à Rua Tiradentes n.º 264, fazendo esquina com Rua Dr. Licurgo Leite, o casarão dos Leite, como era chamada a atual Casa da Cultura, foi construído aproximadamente no final da década

Leia mais

AQUEDUTOS DE PORTUGAL ÁGUA E PATRIMÓNIO Évora 2011/2012 CONVENTO DOS REMÉDIOS - Ciclo de conferências no Convento sobre o tema Água e Património

AQUEDUTOS DE PORTUGAL ÁGUA E PATRIMÓNIO Évora 2011/2012 CONVENTO DOS REMÉDIOS - Ciclo de conferências no Convento sobre o tema Água e Património AQUEDUTOS DE PORTUGAL ÁGUA E PATRIMÓNIO Évora 2011/2012 CONVENTO DOS REMÉDIOS - Ciclo de conferências no Convento sobre o tema Água e Património Arquitecta: Professora Doutora Maria do Céu Simões Tereno

Leia mais

situação e ambiência códice AII - F06 - Vass denominação Fazenda São Luiz da Boa Sorte localização Km 85 da Rodovia Lúcio Meira (BR 393)

situação e ambiência códice AII - F06 - Vass denominação Fazenda São Luiz da Boa Sorte localização Km 85 da Rodovia Lúcio Meira (BR 393) Parceria: denominação Fazenda São Luiz da Boa Sorte códice AII - F06 - Vass localização Km 85 da Rodovia Lúcio Meira (BR 393) município Barra do Piraí época de construção século XIX estado de conservação

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto

situação e ambiência denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto Parceria: denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto município Valença época de construção séc. XIX detalhamento do estado de

Leia mais

Murano. O lugar perfeito para investir sua vida

Murano. O lugar perfeito para investir sua vida www.rottaely.com.br Murano. O lugar perfeito para investir sua vida O encontro do novo com a oportunidade, do investimento certo com a vista magnífica, do bairro que abre as portas para o crescimento com

Leia mais

86-91 Projeto 05 Crisa Santos Construir 2009 07/03/12 16:30 Page 86 REQUINTE NO INTERIOR. 86 Construir

86-91 Projeto 05 Crisa Santos Construir 2009 07/03/12 16:30 Page 86 REQUINTE NO INTERIOR. 86 Construir 86-91 Projeto 05 Crisa Santos Construir 2009 07/03/12 16:30 Page 86 REQUINTE NO INTERIOR 86 Construir 86-91 Projeto 05 Crisa Santos Construir 2009 07/03/12 16:31 Page 87 Texto Claudia Dino Fotos Divulgação/Lucas

Leia mais

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL lugares URBANOS PAPELERACULTURAL O PROJETO Este projeto pretende revelar os legados das diversas intervenções urbanísticas pelas quais passou a região metropolitana do Rio de Janeiro. São prédios, casarões,

Leia mais