REDES NEURAIS ARTIFICIAIS APLICADAS NA DETECÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE DEFEITOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO ÂNGELO ROCHA DE OLIVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDES NEURAIS ARTIFICIAIS APLICADAS NA DETECÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE DEFEITOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO ÂNGELO ROCHA DE OLIVEIRA"

Transcrição

1 REDES NEURAIS ARTIFICIAIS APLICADAS NA DETECÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE DEFEITOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO ÂNGELO ROCHA DE OLIVEIRA DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Aprovada por: Prof. Paulo Augusto Nepomuceno Garcia, D.Sc - UFJF Prof a. Carmen Lúcia Tancredo Borges, D.Sc - UFRJ Prof. Hélio Antônio da Silva, D.Sc - UFJF Prof. Márcio de Pinho Vinagre, D.Sc - UFJF JUIZ DE FORA, MG BRASIL. AGOSTO DE 2005

2 OLIVEIRA, ÂNGELO ROCHA Redes Neurais Artificiais Aplicadas na Detecção, Classificação e Localização de Defeitos em Linhas de Transmissão [Juiz de Fora] XI, 132 p. 29,7 cm. (UFJF, M. Sc, Engenharia Elétrica, 2005) Tese Universidade Federal de Juiz de Fora 1. Redes Neurais Artificiais 2. Detecção, Classificação e Localização de Defeitos em Linhas de Transmissão 3. Proteção de Linhas de Transmissão I. UFJF II. Título (Série) ii

3 Aos meus pais, Maurilo e Ângela, ao meu irmão, Murilo e à minha noiva Marcella com muito carinho. iii

4 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, a causa primária de todas as coisas. Ao Professor Paulo Augusto Nepomuceno Garcia pela excelência na orientação e dedicação dispensadas para a realização deste trabalho. Além dos ensinamentos, contribuições e segurança transmitida, fatores fundamentais não só para a realização desta dissertação, mas também para minha formação profissional. Aos Professores Márcio de Pinho Vinagre e Hélio Antônio da Silva pelos conselhos, incentivos e ensinamentos passados durante o curso de pós-graduação. Ao LABSPOT (Laboratório de Sistemas de Potência da Faculdade de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Juiz de Fora), pela disponibilidade de utilização de recursos computacionais. A todos os professores e colegas do curso de pós-graduação que direta ou indiretamente contribuíram para a realização desta dissertação, em especial ao acadêmico Geano Elias Rocha pela fundamental ajuda na fase final dos trabalhos. Ao meu pai Maurilo Marcelino de Oliveira, minha mãe Ângela Maria Rocha de Oliveira, meu irmão Murilo, minha noiva Marcella, minha madrinha Suely e todos os meus familiares pelos incentivos e apoio, sem o qual seria impossível a realização desse curso de pós-graduação. iv

5 Resumo da Dissertação apresentada à UFJF como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Mestre em Ciências (M. Sc.) REDES NEURAIS ARTIFICIAIS APLICADAS NA DETECÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE DEFEITOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO Ângelo Rocha de Oliveira Agosto / 2005 Orientador: Paulo Augusto Nepomuceno Garcia, D. Sc. Programa: Engenharia Elétrica Este trabalho apresenta um sistema completo para detecção, classificação e localização de defeitos em linhas de transmissão, baseado em redes neurais artificiais (RNA) diretamente alimentadas, por meio da análise de tensões e correntes trifásicas na freqüência fundamental, em somente um dos terminais na linha. Através de simulações de defeitos feitas com o software ATP, um banco de dados é gerado. Os dados são amostrados a uma freqüência de 960Hz e a rede de detecção de defeitos recebe os sinais provenientes de um filtro de Fourier recursivo. Esta rede, que possui 12 entradas, as quais correspondem aos módulos e ângulos das tensões e correntes trifásicas e 1 saída, que tem a função de, a cada milésimo de segundo, avaliar o estado de operação da linha: normal ou sob defeito. Para que não haja atuação da proteção de forma precipitada, o sinal para atuação da proteção somente é enviado após dez saídas consecutivas indicando defeito. Quando a rede de detecção acusa curto-circuito, o módulo de classificação, que é composto de uma rede neural com 12 entradas e 4 saídas, recebe os sinais do sistema na região de defeito e identifica as fases envolvidas no distúrbio, bem como o envolvimento da terra. Com a identificação das fases envolvidas, o módulo de localização de defeitos, que é composto por redes especialistas para cada tipo de defeito, recebe as mesmas entradas apresentadas ao módulo de classificação. Cada rede neural constituinte deste módulo possui 12 entradas e uma saída, que indica o local de ocorrência do distúrbio. v

6 Testes realizados mostram um sistema eficiente para detecção, classificação e localização de defeitos em linhas de transmissão. vi

7 Abstract of Dissertation presented to UFJF as a partial fulfillment of the requirements for a Master of Science degree (M. Sc.) ARTIFICIAL NEURAL NETWORKS APPLIED IN FAULT DETECTION, CLASSIFICATION AND LOCATION IN TRANSMISSION LINES Ângelo Rocha de Oliveira August / 2005 Advisor: Paulo Augusto Nepomuceno Garcia, D. Sc. Department: Electrical Engineering This work presents a complete system to fault detection, classification and location in transmission lines, based on Artificial Neural Networks (ANN), through three-phase voltage and current analysis, in fundamental frequency, in only one end of the line. Through fault simulations with software ATP, a data bank is generated. The data is sampled in 960Hz and the detection neural network receives the signals from a recursive Fourier filter. This net, that has 12 inputs, that correspond to the modules and angles of three-phase voltage and current and 1 output, that has a function to evaluate the operation status of the line: normal or under disturbance. In order to avoid abrupt operation, the signal to protection is sent only after 10 consecutive output indicating fault.when the detection neural net detects a fault, the classification module, that is composed by a neural net with 12 inputs and 4 outputs, receives the signals from the line in the fault region and identifies the phases involved in the disturbance, as well as earth involvement. With the identification of the involved phases, the location module, that is composed by specialist neural nets to each kind of fault, receives the same samples presented to the classification module. Each neural network of this module has 12 inputs and 1 output, that indicate the location of the disturbance. The simulation results show an efficient system to fault detection, classification and location. vii

8 Sumário Capítulo I...1 I.1 Motivações da Dissertação...1 I.2 Objetivo da Dissertação...2 I.3 Revisão Bibliográfica...2 I.4 Publicações Decorrentes da Dissertação...6 I.5 Estrutura da Dissertação...6 Capítulo II...8 II.1 Considerações Iniciais...8 II.2 O Cérebro Humano...9 II.3 Modelagem do Neurônio Artificial...11 II.3.1 Tipos de Função de Ativação...13 II.3.2 Arquiteturas de Rede...15 II Redes Diretas de Uma Camada...15 II Redes Diretas (feed-forward) de Camadas Múltiplas...16 II Redes Recorrentes (feed-backward)...17 II.3.3 Aprendizagem...18 II Aprendizagem com Professor...19 II Aprendizagem sem Professor...20 II Aprendizagem por Reforço...20 II Aprendizagem Não-Supervisionada...22 II.3.4 Tarefas de Aprendizagem...22 II.3.5 Perceptrons de Uma Camada...24 II Perceptron de Rosenblatt...25 II Adaline...27 II.3.6 Perceptrons de Múltiplas Camadas...31 II Algoritmo de Retropropagação (Backpropagation)...32 II Desempenho do Algoritmo de Retropropagação...37 II Generalização do Conhecimento...37 II Algoritmo de Treinamento Trainrp...40 II.4 Conclusões...41 Capítulo III...42 III. 1 Considerações Iniciais...42 III.2 Sistema Equivalente e Simulação de Defeitos...42 III.3 Módulo de Detecção de Defeitos...46 III.4 Módulo de Classificação de Defeitos...49 III.5 Módulo de Localização de Defeitos...51 III.6 Esquema Completo de Proteção de Linhas de Transmissão...52 III.7 Conclusões...53 Capítulo IV...55 IV.1 Considerações Iniciais...55 IV.2 Sistema Teste I...55 IV.2.1 Geração de Dados...56 IV.2.2 Definição da Topologia das RNA...58 IV.2.3 Rede de Detecção: Treinamento e Desempenho...59 IV.2.4 Rede de Classificação: Treinamento e Desempenho...61 IV.2.5 Rede de Localização: Treinamento e Desempenho...63 viii

9 IV Defeitos FASE-TERRA...64 IV Defeitos FASE-FASE...67 IV Defeitos FASE-FASE-TERRA...71 IV Defeitos FASE-FASE-FASE...73 IV.2.6 Esquema Completo de Detecção, Classificação e Localização de Defeitos: Teste de Desempenho IV.3 Sistema Teste II...79 IV.3.1 Rede de Detecção: Treinamento e Desempenho...79 IV.3.2 Rede de Classificação: Treinamento e Desempenho...81 IV.3.3 Rede de Localização: Treinamento e Desempenho...83 IV Defeitos FASE-TERRA...83 IV Defeitos FASE-FASE...85 IV Defeitos FASE-FASE-TERRA...87 IV Defeitos FASE-FASE-FASE...89 IV. 4 Conclusões...91 Capítulo V...93 V.1 Conclusões...93 V.2 Propostas de Desenvolvimentos Futuros...95 Apêndice A...97 A.1 Considerações Iniciais...97 A.2 Método da Descida Mais Íngreme...98 A.3 Método de Newton...99 Apêndice B B.1 Considerações Iniciais B.2 Formulação Matemática da Retropropagação Apêndice C C.1 Considerações Iniciais C.2 Aliasing Apêndice D D.1 Considerações Iniciais D.2 Sistema Teste I D.3 Sistema Teste II Referências Bibliográficas ix

10 Lista de Figuras Figura II.1 - Neurônio Humano...10 Figura II.2 - Modelo do Neurônio Artificial...11 Figura II.3 - Função Linear...13 Figura II.4 - Função Limiar Figura II.5 - Função Rampa...14 Figura II.6 - Função Sigmóide...14 Figura II.7 - Rede Direta de 1 Camada...16 Figura II.8 - Rede Direta de Múltiplas Camadas...17 Figura II.9 - Rede Recorrente...17 Figura II.10 - Aprendizagem Supervisionada...19 Figura II.11 - Aprendizagem por Reforço...21 Figura II.12 - Aprendizagem Não-Supervisionada...22 Figura II.13 - Aproximação de Funções...24 Figura II.14 - Controle de Processos Figura II.15 - Perceptron com 1 Neurônio Figura II.16 - Adaline Figura II.17 - Rede com 2 Camadas Ocultas...32 Figura III.1 - Sistema Equivalente...43 Figura III.2 - Módulo de Detecção de Defeitos...47 Figura III.3 - Rede Neural 12-X-1 para Detecção de Defeitos...48 Figura III.4 - Módulo de Classificação de Defeitos Figura III.5 - Rede Neural 12-X-4 para Classificação de Defeitos Figura III.6 - Módulo de Localização de Defeitos Figura III.7 - Rede Neural 12-X-X-1 para Localização de Defeitos...52 Figura IV.1 - Sistema IEEE Figura IV.2 - Desempenho da Rede de Detecção X Neurônios na Camada Oculta para os Subconjuntos de Treinamento e Validação...60 Figura IV.3 - Convergência da Rede com 10 Neurônios na Camada Oculta...60 Figura IV.4 - Desempenho da Rede de Classificação X Neurônios na Camada Oculta para os Subconjuntos de Treinamento e Validação...62 Figura IV.5 - Convergência da Rede com 15 Neurônios na Camada Oculta...62 Figura IV.6 - Desempenho da Rede de Localização AT X Neurônios nas Camadas Ocultas para os Subconjuntos de Treinamento e Validação...65 Figura IV.7 - Convergência da Rede com 23 Neurônios nas Camadas Ocultas Figura IV.8 - Curva de Probabilidade Acumulada para Rede de Localização de Defeitos AT Figura IV.9 - Curva de Probabilidade Acumulada para o Conjunto de Dados Extra em Relação ao Ponto de Ocorrência do Defeito...67 Figura IV.10 - Desempenho da Rede de Localização AB X Neurônios nas Camadas Ocultas para os Subconjuntos de Treinamento e Validação...68 Figura IV.11 - Convergência da Rede com 30 Neurônios nas Camadas Ocultas Figura IV.12 - Curva de Probabilidade Acumulada para Rede de Localização de Defeitos AB Figura IV.13 - Curva de Probabilidade Acumulada para o Conjunto de Dados Extra em Relação ao Ponto de Ocorrência do Defeito...70 x

11 Figura IV.14 - Desempenho da Rede de Localização ABT X Neurônios nas Camadas Ocultas para os Subconjuntos de Treinamento e Validação...71 Figura IV.15 - Convergência da Rede com 14 Neurônios nas Camadas Ocultas Figura IV.17 - Curva de Probabilidade Acumulada para o Conjunto de Dados Extra em Relação ao Ponto de Ocorrência do Defeito...73 Figura IV.18 - Desempenho da Rede de Localização ABC X Neurônios nas Camadas Ocultas para os Subconjuntos de Treinamento e Validação...74 Figura IV.19 - Convergência da Rede com 34 Neurônios nas Camadas Ocultas Figura IV.20 - Curva de Probabilidade Acumulada para Rede de Localização de Defeitos ABC Figura IV.21 - Curva de Probabilidade Acumulada para o Conjunto de Dados Extra em Relação ao Ponto mais Distante de Ocorrência do Defeito...76 Figura IV.22 - Simulação de Operação do Esquema Completo para Detecção, Classificação e Localização de Defeitos em Linhas de Transmissão...77 Figura IV.23 - Desempenho da Rede de Detecção X Neurônios na Camada Oculta para o Subconjunto de Treinamento e Validação...80 Figura IV.24 Convergência da Rede com 11 Neurônios na Camada Oculta Figura IV.25 - Desempenho da Rede de Classificação X Neurônios na Camada Oculta para o Subconjunto de Treinamento e Validação Figura IV.26 - Convergência da Rede com 21 Neurônios na Camada Oculta...82 Figura IV.27 - Desempenho da Rede de Localização AT X Neurônios nas Camadas Ocultas para o Subconjunto de Treinamento e Validação...84 Figura IV.28 - Convergência da Rede com 14 Neurônios nas Camadas Ocultas Figura IV.29 - Curva de Probabilidade Acumulada para Rede de Localização de Defeitos AT Figura IV.30 - Desempenho da Rede de Localização AB X Neurônios nas Camadas Ocultas para o Subconjunto de Treinamento e Validação...86 Figura IV.31 - Convergência da Rede com 15 Neurônios nas Camadas Ocultas Figura IV.32 - Curva de Probabilidade Acumulada para Rede de Localização de Defeitos AB Figura IV.33 - Desempenho da Rede de Localização ABT X Neurônios nas Camadas Ocultas para o Subconjunto de Treinamento e Validação...88 Figura IV.34 - Convergência da Rede com 19 Neurônios nas Camadas Ocultas Figura IV.35 - Curva de Probabilidade Acumulada para Rede de Localização de Defeitos ABT...89 Figura IV.36 - Desempenho da Rede de Localização ABC X Neurônios nas Camadas Ocultas para o Subconjunto de Treinamento e Validação...90 Figura IV.37 - Convergência da Rede com 23 Neurônios nas Camadas Ocultas Figura IV.38 - Curva de Probabilidade Acumulada para Rede de Localização de Defeitos ABC Figura C.1 Esquema de Processamento dos Sinais Figura C.2 Sinais no Domínio da Freqüência xi

12 Lista de Tabelas Tabela III.1 - Tabela-verdade da saída da rede de classificação Tabela IV.1 Percentual de Acertos da Rede de Detecção Tabela IV.2 - Percentual de Acertos da Rede de Classificação...63 Tabela IV. 3 Percentual de Acertos da Rede de Detecção Tabela IV.4 - Percentual de Acertos da Rede de Classificação...83 Tabela C.1 Parâmetros da Linha de Transmissão Tabela C.2 Impedâncias das Fontes Tabela C.3 Tensões Atrás das Barras Tabela C.4 Parâmetros da Linha de Transmissão Tabela C.5 Impedâncias das Fontes Tabela C.6 Tensões Atrás das Barras Tabela C.7 Condições de Operação para Simulação xii

13 Capítulo I: Introdução Capítulo I Introdução I.1 Motivações da Dissertação A linha de transmissão é, dentre todos os equipamentos de um sistema elétrico de potência, o que está mais sujeito a defeitos, tendo em vista sua vulnerabilidade em relação a descargas atmosféricas, que são as principais fontes geradoras de distúrbios. Logo, o principal objetivo dos sistemas de proteção de linhas de transmissão é impedir que defeitos em sua área de atuação comprometam a integridade da linha, bem como a estabilidade do sistema [ 1 ]. Contudo, devido à normalização do novo modelo do Setor Elétrico Brasileiro, que impõe penalidades para a empresa transmissora pelo não fornecimento da energia [ 2 ], o desligamento não programado de uma linha de transmissão pode resultar em descontos da receita anual da empresa transmissora, que são aplicados sobre o tempo de indisponibilidade da linha. Portanto, além da questão da qualidade e continuidade do fornecimento, o fator econômico, que é fundamental em um ambiente competitivo, exige um sistema de proteção e localização de defeitos de forma ágil e eficiente para linhas de transmissão. Sendo assim, através de uma rápida detecção do defeito com subseqüente identificação das fases envolvidas e a sua localização, isola-se o trecho ao mesmo tempo em que se agiliza o seu reparo, reduzindo o tempo de indisponibilidade da linha e 1

14 Capítulo I: Introdução conseqüentemente as possíveis penalidades. Todavia, a tecnologia disponível atualmente no mercado é de propriedade de empresas estrangeiras e conseqüentemente possuem valores extremamente elevados. Assim, o desenvolvimento de algoritmos e equipamentos que contribuam para uma maior eficiência dos sistemas de detecção, classificação e localização de defeitos em linhas de transmissão são de grande relevância para o setor elétrico nacional. I.2 Objetivo da Dissertação Esta dissertação tem como objetivo a elaboração de um esquema completo de detecção, classificação e localização de defeitos em linhas de transmissão utilizando redes neurais. Esta metodologia tem como característica importante a utilização das tensões e correntes trifásicas na freqüência fundamental, que são sinais comuns em todas as subestações, em somente um dos terminais na linha. A intenção é elaborar um sistema de proteção alternativo, que possa trabalhar em conjunto com métodos convencionais na proteção de linhas de transmissão, melhorando sua eficiência e precisão. I.3 Revisão Bibliográfica Os primeiros estudos envolvendo Redes Neurais Artificiais (RNA) iniciaram-se com a publicação de [ 3 ] por McCulloch e Pitts, considerada a referência número 1 para redes neurais, seguido de Hebb [ 4 ], Rosenblath [ 5 ], Widrow [ 6 ] e Minsky [ 7 ]. Após um período de estagnação nas pesquisas durante a década de 70, em 1982 surge o trabalho de Hopfield [ 8 ] e mais tarde Rumelhart [ 9 ]. A partir desse ponto surgem diversos trabalhos com aplicações de redes neurais artificiais em diversas áreas do conhecimento humano, como comentado em [ 10 ] e [ 11 ]. Referente a aplicações de redes neurais em sistemas de potência, podem ser citados trabalhos como [ 12 ] no que concerne a modelagem de cargas, [ 13 ] na área de monitoração de harmônicos, [ 14 ] no diagnóstico de falhas mecânicas em condutores 2

15 Capítulo I: Introdução de linhas de transmissão e [ 15 ] em estabilidade transitória, dentre outras. Especificamente em proteção de sistemas de potência, o conceito de proteção adaptativa é um fator que estimulou o desenvolvimento de novas tecnologias. Este conceito foi abordado inicialmente em [ 16 ] e [ 17 ]. Em [ 16 ] tem-se os conceitos de proteção adaptativa de linhas de transmissão, os quais incluem modificações on-line nas regulagens, características ou lógica de relés em resposta a modificações como contingências relacionadas à perda de linhas ou geradores do sistema. Em [ 17 ] são descritos resultados de uma investigação sobre as possibilidades do uso de técnicas digitais para adaptar o sistema de controle e proteção de linhas de transmissão às modificações do sistema em tempo real, com o desenvolvimento de estratégias adaptativas para minimizar os problemas com confiabilidade, otimizando a performance do sistema. Este conceito foi implementado através de algoritmos de relés digitais. Discussões adicionais relativas aos conceitos de proteção adaptativa podem ser encontradas em [ 18 ], [ 19 ], [ 20 ], [ 21 ] e [ 22 ]. Assim, diversas metodologias utilizando os conceitos de proteção adaptativa para a proteção de linhas de transmissão vêm sendo desenvolvidas e apresentadas na literatura. Dentre essas técnicas, destacam-se as que utilizam medições nos dois extremos da linha de transmissão [ 23 ],[ 24 ], [ 25 ], [ 26 ] e [ 27 ]. Em [ 23 ] é descrito um módulo de localização de defeitos em linhas de transmissão a ser incorporado ao Sistema Interligado de Apoio à Análise de Perturbações SINAPE (CEPEL). O módulo utiliza fasores de tensão e corrente de defeito de ambas as extremidades da linha de transmissão através do processamento das amostras armazenadas por oscilógrafos digitais. Nesse caso os sinais são sincronizados por satélite (GPS Global Positioning System), o qual age sobre o disparo dos oscilógrafos corrigindo o instante de disparo do registrador. No entanto, não há garantia de que as amostras foram obtidas no mesmo instante de tempo. Para minimizar esse erro, aumenta-se a freqüência de amostragem. Em [ 24 ] é descrito um relé diferencial que utiliza medições sincronizadas das duas extremidades da linha de transmissão, com estrutura de sincronização de sinais semelhante à utilizada em [ 23 ]. Em [ 25 ], aplicando-se a técnica PMU (Phasor Measurement Units) para sincronização de sinais, é mostrado um algoritmo para localização de defeitos em linhas de transmissão usando superposição dos fasores de tensão e corrente nos dois terminais da linha de transmissão. As unidades de medição de fasores são instaladas nas duas extremidades da linha de transmissão e um gerador 3

16 Capítulo I: Introdução global de sincronismo (GSCG Global Synchronism Clock Generator) estabelece o sinal de referência para sincronismo das medições, garantindo assim grande precisão na sincronização dos sinais amostrados. Em [ 26 ], onde também é utilizada a técnica PMU, é descrito um método de localização de defeitos para linhas de transmissão usando medições sincronizadas de tensão dos dois terminais da linha e as matrizes de impedância de fonte atrás das barras, para uma dada linha sob estudo. Da mesma maneira, em [ 27 ] é apresentado um esquema completo para proteção de linhas de transmissão utilizando medições sincronizadas com a técnica PMU em ambas as extremidades da linha. Em [ 28 ] e [ 29 ] são examinados diversos métodos de sincronização de sinais e é possível observar que, apesar de eficientes, esses métodos requerem uma complexa estrutura de operação. Deve-se considerar também que nem sempre há disponibilidade de acesso aos sinais registrados nas duas extremidades em tempo hábil, de forma a serem utilizados para monitoração de defeitos, limitando-se a aplicação dessas técnicas. Com isso, os métodos que utilizam sinais de tensão e corrente em apenas um terminal também devem ser considerados importantes, como é o caso do método de Takagi [ 30 ]. O Método de Takagi é um dos mais conhecidos de localização de defeitos a partir de medições em um terminal. Este método baseia-se no cálculo da reatância da linha de transmissão sob defeito e se propõe a corrigir distorções provocadas por diferentes carregamentos da linha de transmissão e resistência de defeito, porém, depende do fiel mapeamento das componentes de seqüência zero da linha de transmissão. Ainda em relação aos métodos que utilizam sinais em um único terminal, os mesmos normalmente baseiam-se em equações de rede [ 31 ][ 32 ] e como mencionado em [ 33 ] e [ 24 ], são sensíveis a variações dos parâmetros do sistema, tais como impedâncias da fonte, ângulo de incidência de defeito, condições de carregamento do sistema, etc. Em [ 31 ] é apresentado um método de localização de defeitos através de relés de distância. Esse método utiliza a impedância medida no instante do defeito e só funciona para curtos francos. Em [ 32 ] é apresentado um algoritmo de localização de defeitos que aplica o método de Newton-Raphson às equações de rede para indicar o local de ocorrência do defeito. Embora seja eficiente, necessita de atualizações da impedância de fonte do terminal remoto sempre que ocorrer uma modificação no sistema. 4

17 Capítulo I: Introdução Sendo assim, diversos trabalhos que utilizam RNA têm sido apresentados como alternativa para proteção de linhas de transmissão. Referente às aplicações de redes neurais na detecção de defeitos em sistemas de potência, pode-se citar [ 34 ] e [ 35 ]. Em [ 34 ] é descrito um discriminador de direção de defeito que utiliza uma rede neural multicamadas diretamente alimentada para analisar os valores instantâneos de tensão e corrente da linha de transmissão e assim tomar decisões. Em [ 35 ] é encontrada uma abordagem para detecção de defeitos de alta impedância a partir de medições de corrente em um terminal, a partir da tecnologia de processamento de sinais utilizada em dispositivos comerciais, utilizando-se algoritmos baseados em redes neurais, estatística de ordem superior e transformada wavelet. Aplicações para classificação de defeitos podem ser encontradas em [ 36 ] e [ 37 ]. Em [ 36 ] utilizam-se RNA e conceitos de processamento digital de sinais para implementar um esquema de classificação de defeitos a partir de amostras de tensão e corrente. Em [ 37 ] os mesmos conceitos são utilizados com a diferença de que em [ 36 ] a rede neural possui 30 entradas, que são 5 amostras consecutivas das tensões e correntes trifásicas da linha de transmissão e em [ 37 ] a rede neural tem 24 entradas, constituídas por 4 amostras consecutivas das tensões e correntes trifásicas da linha. Trabalhos desenvolvidos em [ 38 ] e [ 39 ] podem ser citados como aplicações de RNA para localização de defeitos em linhas de transmissão. Em [ 38 ] encontra-se uma aplicação de redes neurais em proteção de distância. A ênfase do trabalho está na criação de um sistema de detecção mais seletivo no que concerne a defeitos com resistência de arco, onde a contribuição da seqüência zero dificulta a localização do defeito. Também em [ 39 ] observa-se a utilização de redes neurais como classificadores de padrão para operação de relés de distância. Podem ser citados ainda trabalhos como [ 40 ] e [ 41 ] como desenvolvimentos de esquemas para detecção, classificação e localização de defeitos em linhas de transmissão utilizando inteligência artificial. Em [ 40 ] é utilizada uma técnica denominada seleção ótima de características no domínio wavelet e supervisionada por redes neurais num esquema completo de detecção, classificação e localização de defeitos em LT. De maneira semelhante, em [ 41 ] é apresentado um modelo alternativo utilizando redes neurais com 24 entradas, que são os valores consecutivos de tensão e corrente trifásicas da linha. 5

18 Capítulo I: Introdução De forma geral, os trabalhos utilizando redes neurais em proteção de linhas de transmissão caracterizam-se por restringir alguns parâmetros de simulação, tais como valores de impedância de defeito, valores dos ângulos de incidência de defeitos, etc. Estas considerações podem limitar a aplicação de RNA em casos reais [ 42 ]. Devido a esses e outros motivos, a aplicação de redes neurais artificiais em proteção de linhas de transmissão ainda é incipiente, constituindo um campo promissor para pesquisas, onde o objetivo é promover uma melhoria no desempenho dos sistemas de proteção convencionais ou até mesmo substituí-los [ 43 ]. I.4 Publicações Decorrentes da Dissertação Redes Neurais Artificiais Aplicadas na Detecção e Classificação de Faltas em Linhas de Transmissão, artigo aceito no VI Congresso Latino Americano de Geração e Transmissão de Energia Elétrica (CLAGTEE), Mar Del Plata, Novembro de I.5 Estrutura da Dissertação Além desse capítulo, esta dissertação contém mais quatro capítulos e três apêndices. O capítulo II é uma introdução a RNA, onde são apresentadas as características gerais de redes neurais, bem como os conceitos que envolvem arquiteturas de redes, processos de treinamento e técnicas para melhoria de desempenho. O capítulo III trata da aplicação de RNA em proteção de linhas de transmissão. São abordadas questões relativas ao modelo de linhas de transmissão, à utilização do software ATP para simulação dos defeitos, à montagem de banco de dados para treinamento das redes neurais assim como as características dos módulos de detecção, classificação e localização de defeitos. No capítulo IV são apresentados e discutidos os resultados obtidos mediante a aplicação da metodologia proposta. Para tanto, são utilizados dois sistemas teste. 6

19 Capítulo I: Introdução No capítulo V são apresentadas as principais conclusões do trabalho e sugestões para desenvolvimentos futuros. O Apêndice A apresenta alguns aspectos de técnicas de otimização irrestrita. O Apêndice B apresenta a formulação matemática do algoritmo de retropropagação, utilizado para treinamento de RNA. O Apêndice C apresenta uma breve explanação sobre processamento de sinais. Finalizando, o Apêndice D mostra os dados dos sistemas elétricos equivalentes utilizados nesta dissertação. 7

20 Capítulo II Redes Neurais Artificiais II.1 Considerações Iniciais A motivação do estudo e aplicação de Redes Neurais Artificiais (RNA) passa pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações de uma forma distinta do computador digital convencional. Com a capacidade de organizar sua estrutura neuronal, é capaz de realizar certos processamentos, como reconhecer padrões mais rapidamente que o computador digital. Um cérebro é uma máquina que tem uma grande habilidade de desenvolver suas próprias regras. Uma rede neural artificial, por conseguinte, deve ter a capacidade de modelar a maneira como o cérebro realiza uma tarefa. O principal atrativo para o uso de RNA na solução de problemas é a capacidade de aprender através de exemplos e de generalizar o conhecimento aprendido. Conceitualmente, uma rede neural é um processador maciçamente paralelamente distribuído, constituído de unidades de processamento simples, que têm a propensão natural para armazenar conhecimento experimental e torná-lo disponível para uso [ 44 ]. As principais características das redes neurais são [ 44 ]: Possibilidade de considerar o comportamento não linear dos fenômenos físicos; 8

21 Capítulo II: Redes Neurais Artificiais Necessidade de pouco conhecimento estatístico sobre o ambiente onde a rede está inserida; Capacidade de aprendizagem, obtida através de exemplos entrada/saída que sejam representativos do ambiente; Habilidade de aproximar qualquer mapeamento entrada/saída de natureza contínua; Adaptabilidade; Generalização; Tolerância a falhas; Informação contextual; Armazenamento do conhecimento adquirido, através de forças de conexão entre neurônios, conhecidas como pesos sinápticos. Assim, cada vez mais as redes neurais vêm sendo empregadas nos mais diversos campos do conhecimento. II.2 O Cérebro Humano O cérebro humano é considerado o mais fascinante processador baseado em carbono existente [ 44 ]. Todas as funções e movimentos do organismo estão relacionados ao funcionamento destas pequenas células. Os neurônios estão conectados uns aos outros através de sinapses, e juntos formam uma grande rede, chamada rede neural. As sinapses transmitem estímulos através de diferentes concentrações de Na+ e K+, e o resultado disto pode ser estendido por todo o corpo humano. Esta grande rede proporciona uma fabulosa capacidade de processamento e armazenamento de informação. 9

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Sumário 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais; 2- Processos de Treinamento; 2COP229 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais -Arquitetura:

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Modelos Pioneiros de Aprendizado

Modelos Pioneiros de Aprendizado Modelos Pioneiros de Aprendizado Conteúdo 1. Hebb... 2 2. Perceptron... 5 2.1. Perceptron Simples para Classificaçãod e Padrões... 6 2.2. Exemplo de Aplicação e Motivação Geométrica... 9 2.3. Perceptron

Leia mais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais O objetivo desta aula é procurar justificar o modelo de neurônio usado pelas redes neurais artificiais em termos das propriedades essenciais

Leia mais

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Abordagens não simbólicas A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Redes Neurais As redes neurais deram origem a chamada IA conexionista, pertencendo também a grande área da Inteligência

Leia mais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais Universidade Federal do Rio de Janeiro PÓS-GRADUAÇÃO / 2008-2 IC Inteligência Computacional Redes Neurais www.labic.nce.ufrj.br Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Redes Neurais São modelos computacionais

Leia mais

Relatório Iniciação Científica

Relatório Iniciação Científica Relatório Iniciação Científica Ambientes Para Ensaios Computacionais no Ensino de Neurocomputação e Reconhecimento de Padrões Bolsa: Programa Ensinar com Pesquisa-Pró-Reitoria de Graduação Departamento:

Leia mais

3. REDES DE CAMADA ÚNICA

3. REDES DE CAMADA ÚNICA 3. REDES DE CAMADA ÚNICA Perceptron Forma mais simples de RN Utilizado para classificação de padrões (linearmente separáveis) Consiste em um único neurônio, com pesos sinápticos ajustáveis e bias 3.1 Funções

Leia mais

MLP (Multi Layer Perceptron)

MLP (Multi Layer Perceptron) MLP (Multi Layer Perceptron) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro Rede neural com mais de uma camada Codificação de entradas e saídas Decorar x generalizar Perceptron Multi-Camada (MLP -

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS DEPARTAMENTO DE GEOFÍSICA Curso 3ª Idade Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente Vinicius Rafael Neris dos Santos

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Rejane de Barros Araújo rdebarros_2000@yahoo.com.br

Leia mais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMPUTACAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DISCIPLINA: REDES NEURAIS PROFESSOR: MARCOS

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Identificação de Caracteres com Rede Neuronal Artificial com Interface Gráfica

Identificação de Caracteres com Rede Neuronal Artificial com Interface Gráfica Identificação de Caracteres com Rede Neuronal Artificial com Interface Gráfica João Paulo Teixeira*, José Batista*, Anildio Toca**, João Gonçalves**, e Filipe Pereira** * Departamento de Electrotecnia

Leia mais

1. Introdução... 2. 2. As origens da RNA... 3. 3. O nosso cérebro... 5. 3.1. Plasticidade e modulação sináptica... 5

1. Introdução... 2. 2. As origens da RNA... 3. 3. O nosso cérebro... 5. 3.1. Plasticidade e modulação sináptica... 5 Sumário 1. Introdução... 2 2. As origens da RNA... 3 3. O nosso cérebro... 5 3.1. Plasticidade e modulação sináptica... 5 4. As redes neurais artificiais... 7 4.1. Estrutura da RNA... 7 4.3. Modelos de

Leia mais

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java com em Java Luiz D Amore e Mauro Schneider JustJava 2009 17 de Setembro de 2009 Palestrantes Luiz Angelo D Amore luiz.damore@metodista.br Mauro Ulisses Schneider mauro.schneider@metodista.br http://blog.mauros.org

Leia mais

Carga dos alimentadores

Carga dos alimentadores 50 Análise de consumo de energia e aplicações Capítulo V Carga dos alimentadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* Em continuidade ao capítulo anterior, Locação de cargas métodos para a locação de carga

Leia mais

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Revisão Inteligência Artificial ENADE Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Representação conhecimento É uma forma sistemática de estruturar e codificar o que se sabe sobre uma determinada aplicação (Rezende,

Leia mais

Redes Neurais Artificiais na Engenharia Nuclear 2 Aula-1 Ano: 2005

Redes Neurais Artificiais na Engenharia Nuclear 2 Aula-1 Ano: 2005 Redes Neurais Artificiais na Engenharia Nuclear 1 - Apresentação do Professor: dados, lista de E-mail s, etc. - Apresentação da Turma: Estatística sobre origem dos alunos para adaptação do curso - Apresentação

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS Curso: Informática Disciplina: Redes Neurais Prof. Fernando Osório E-mail: osorio@exatas.unisinos.br EXEMPLO DE QUESTÕES DE PROVAS ANTIGAS 1. Supondo que

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Projeto de Redes Neurais e MATLAB

Projeto de Redes Neurais e MATLAB Projeto de Redes Neurais e MATLAB Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Sistemas Inteligentes IF684 Arley Ristar arrr2@cin.ufpe.br Thiago Miotto tma@cin.ufpe.br Baseado na apresentação

Leia mais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Instituto de Informática UFRGS Carlos Eduardo Ramisch Cartão: 134657 INF01017 Redes Neurais e Sistemas Fuzzy Porto Alegre, 16 de outubro de 2006.

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Redes Neurais Construtivas. Germano Crispim Vasconcelos Centro de Informática - UFPE

Redes Neurais Construtivas. Germano Crispim Vasconcelos Centro de Informática - UFPE Redes Neurais Construtivas Germano Crispim Vasconcelos Centro de Informática - UFPE Motivações Redes Feedforward têm sido bastante utilizadas em aplicações de Reconhecimento de Padrões Problemas apresentados

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Érico Santos Rocha 1, Janaina Lemos 1, Daniel Bertoglio 1, Rafael Ávila 1, Luis Paulo Luna de Oliveira 1 1 PIPCA - Programa de

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

Redes Neurais. Mapas Auto-Organizáveis. 1. O Mapa Auto-Organizável (SOM) Prof. Paulo Martins Engel. Formação auto-organizada de mapas sensoriais

Redes Neurais. Mapas Auto-Organizáveis. 1. O Mapa Auto-Organizável (SOM) Prof. Paulo Martins Engel. Formação auto-organizada de mapas sensoriais . O Mapa Auto-Organizável (SOM) Redes Neurais Mapas Auto-Organizáveis Sistema auto-organizável inspirado no córtex cerebral. Nos mapas tonotópicos do córtex, p. ex., neurônios vizinhos respondem a freqüências

Leia mais

Revista Hispeci & Lema On Line ano III n.3 nov. 2012 ISSN 1980-2536 unifafibe.com.br/hispecielemaonline Centro Universitário UNIFAFIBE Bebedouro-SP

Revista Hispeci & Lema On Line ano III n.3 nov. 2012 ISSN 1980-2536 unifafibe.com.br/hispecielemaonline Centro Universitário UNIFAFIBE Bebedouro-SP Reconhecimento de face utilizando banco de imagens monocromáticas e coloridas através dos métodos da análise do componente principal (PCA) e da Rede Neural Artificial (RNA) [Recognition to face using the

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais Curso de Especialização em Sistemas Inteligentes Aplicados à Automação Inteligência Artificial Redes Neurais Artificiais Aulas Práticas no Matlab João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Matlab Objetivos:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores 1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores A crescente dependência das empresas e organizações modernas a sistemas computacionais interligados em redes e a Internet tornou a proteção adequada

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Aprendizagem de Máquina Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Disciplina: Inteligência Artificial Tópicos 1. Definições 2. Tipos de aprendizagem 3. Paradigmas de aprendizagem 4. Modos de aprendizagem

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Nombre Carlos Guilherme Gonzales Correo cgonzale@cteep.com.br Empresa www.cteep.com.br Cargo

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES DE KOHONEN PARA IDENTIFICAÇÃO DE CORRENTES DE INRUSH NA PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES DE KOHONEN PARA IDENTIFICAÇÃO DE CORRENTES DE INRUSH NA PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: SIMULAÇÃO DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES DE KOHONEN PARA IDENTIFICAÇÃO DE CORRENTES DE INRUSH NA PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA:

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Redes Neurais Artificiais Prof. Wilian Soares João Vitor Squillace Teixeira Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Fábio R. R. Padilha Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Rua São Francisco, 5 - Sede Acadêmica, 987-,

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES A inteligência... é a capacidade de criar objetos artificiais, especialmente ferramentas para fazer ferramentas. ( Henri Bergson) O serviço dos agentes surge como uma prestação

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 04 167 Tópico: Análise, Diagnósticos e Soluções MONITORAMENTO DA QUALIDADE

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Sistema de localização de falta Ilha Grande - RJ

Sistema de localização de falta Ilha Grande - RJ XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema de localização de falta Ilha Grande - RJ Leandro Ribeiro Geraldo Ricardo

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Redes Neuronais. Redes neuronais artificiais. Redes neuronais artificiais. Redes neuronais artificiais

Redes Neuronais. Redes neuronais artificiais. Redes neuronais artificiais. Redes neuronais artificiais Redes neuronais artificiais Surgiram nos anos 40 com o objectivo de conhecer melhor o cérebro humano e emular o seu comportamento. Departamento de Matemática Universidade dos Açores Redes Neuronais Introdução

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Avaliação Dielétrica de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Medição em Máquinas Rotativas Apresentador: Alain F. S. Levy Objetivos A medição

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Introdução. Capítulo 1

Introdução. Capítulo 1 Capítulo 1 Introdução Em computação, muitos problemas são resolvidos por meio da escrita de um algoritmo que especifica, passo a passo, como resolver um problema. No entanto, não é fácil escrever um programa

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Elétrica e de Computação Laboratório de Máquinas Especiais

Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Elétrica e de Computação Laboratório de Máquinas Especiais Aspectos Relacionados ao Acionamento e Controle de Velocidade de um Motor Linear a Relutância Variável. MARIANO, Rodrigo Leandro; SANTOS, Euler Bueno. Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Redes Neurais Artificiais

Redes Neurais Artificiais Redes Neurais Artificiais Inteligência Artificial Prof. Cedric Luiz de Carvalho Instituto de Informática UFG 2006 2/164 Tópicos Introdução Redes Neurais Humanas O que são Redes Neurais Artificiais Características

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos 1 Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos Prof. Valdemir Carrara www.valcar.net www.carrara.us 2 1 INTRODUÇÃO Na introdução deve-se descrever os objetivos principais do trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO MÁQUINAS DE COMITÊ APLICADAS À FILTRAGEM DE SPAM Monografia submetida à UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA para a obtenção do grau de BACHAREL

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

INTERLIGAÇÃO DE SISTEMAS COM TRANSFORMADORES DE DIFERENTES GRUPOS DE LIGAÇÃO ANGULAR. Flavio Vicente de Miranda Schmidt COPEL TRANSMISSÃO

INTERLIGAÇÃO DE SISTEMAS COM TRANSFORMADORES DE DIFERENTES GRUPOS DE LIGAÇÃO ANGULAR. Flavio Vicente de Miranda Schmidt COPEL TRANSMISSÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSE - 07 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDOS DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS GSE INTERLIGAÇÃO

Leia mais

O modelo está dividido em três componentes ou módulos principais: Apresentamos, a seguir, um fluxograma simplificado do sistema do modelo UTCS-1:

O modelo está dividido em três componentes ou módulos principais: Apresentamos, a seguir, um fluxograma simplificado do sistema do modelo UTCS-1: SP 24/11/79 NT 049/79 Modelo de Simulação de tráfego Urbano UTCS 1 Eng.º Sérgio Michel Sola Introdução Um modelo desenvolvido pela Federal Highway Administration (FHWA) no início da década de 70, denominado

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Tiago Mendes Dantas t.mendesdantas@gmail.com Departamento de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais