CAPÍTULO 2 MUNICÍPIO DE PORTO SEGURO. 2.1 Histórico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 2 MUNICÍPIO DE PORTO SEGURO. 2.1 Histórico"

Transcrição

1 CAPÍTULO 2 MUNICÍPIO DE PORTO SEGURO 2.1 Histórico Segundo a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, a origem do município de Porto Seguro está ligada ao início da história do Brasil. O monte Pascoal, que integra o território do município, foi o primeiro domínio de terra brasileira avistado pelas naus portuguesas, tendo sido Porto Seguro o primeiro ponto descoberto em 22 de abril de 1500, pelo almirante Pedro Álvares Cabral. Porto Seguro recebeu essa denominação por causa do quebra-mar natural, formado por uma linha de recifes existente na barra do porto, que o torna seguro para o abrigo de embarcações. Logo após o descobrimento e a conseqüente posse das novas terras, foi criada uma feitoria em Santa Cruz, mais ao norte, para servir de ponto de aguada das esquadras portuguesas que demandavam às Índias. O primeiro núcleo ou povoamento da atual cidade de Porto Seguro surgiu na parte denominada cidade alta. Foi aí criada, em 1526, por Cristóvão Jacques, uma feitoria, destinada a ser estação naval para vigilância da costa, que estava à mercê dos piratas que vinham fazer o comércio clandestino de pau-brasil. Seus primitivos habitantes foram os colonos portugueses que vieram da metrópole. A colonização deve-se aos portugueses e aos padres da Companhia de Jesus, que edificaram um convento e uma capela. Como não estivessem dando bons resultados as medidas postas em prática para pôr fim aos atos de pirataria, que vinham ocorrendo nas costas do Brasil, resolveu o rei luso dividir a colônia em capitanias hereditárias, fato que ocorreu no ano de 1534, cabendo ao fidalgo Pero de Campos Tourinho a capitania de Porto Seguro. De posse da capitania, o donatário levantou, em 1535, a vila na foz do rio Buranhém, algumas milhas ao sul da baía Cabrália. Distribuiu terras aos moradores, fez um tombo para registro das sesmarias e iniciou a exploração dos sertões. A Pero de Campos Tourinho, após seu falecimento, sucedeu seu filho Fernão de Campos Tourinho, na posse da capitania. O segundo donatário levou a capitania à desordem, vindo a sofrer ataques dos aimorés. Com o falecimento de Fernão de Campos Tourinho, sucedeu-lhe sua irmã, D. Leonor, a qual, com licença régia, vendeu a capitania a D. João de Lencastro, duque de Aveiro, em 1559, que posteriormente a legou a seu filho D. Pedro Diniz. Em 1759, a capitania de Porto Seguro passou para os bens da coroa, vindo depois a fazer parte da Província da Bahia. O distrito de Porto Seguro foi criado por força do Alvará datado de 20 de outubro de 1795, que elevou a capela à categoria de freguesia. A vila foi elevada à categoria de cidade pelo Ato nº 499, de 30 de junho de Pela lei estadual nº de 28 de maio de 1917, o território do extinto município de Vila Verde (criado em 1762) foi anexado ao de Porto Seguro. Tendo sido extinto, por força da Lei nº 1961, de 8 de junho de 1927, o município de Trancoso (criado por Alvará Régio de 19 de fevereiro de 1759), foi o seu território anexado também ao de Porto Seguro. Em 1928, a Lei estadual nº 2.131, de 9 de agosto, criou o distrito de São José de Buranhém. Por força do Decreto estadual nº 7.479, de 8 de julho de 1931, o território do município de Santa Cruz Cabrália, supresso pelo referido decreto estadual, foi incorporado ao município de Porto Seguro, sendo mais tarde, restaurado. A cidade está dividida em cidade alta (Fotos 2.1 e 2.2) e cidade baixa (Fotos 2.3, 2.4, 2.5 e 2.6). Na cidade alta, teve início a primitiva povoação, estando situados aí os principais edifícios históricos. As principais festas religiosas de cunho popular realizadas no município são a de Nossa Senhora da Ajuda, em Arraial D Ajuda (6 a 15 de agosto); a de São Benedito (27 de dezembro); a de Nossa Senhora da Pena, padroeira da cidade (30 de agosto a 8 de setembro); a do Divino Espírito Santo e a de São Sebastião, em Trancoso (20 de janeiro). Segundo o Arquivo de Limites Intermunicipais da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia SEI, o município foi criado em 27 de março de 1534, sendo vigente a Lei nº 628 de 30 de dezembro de 1953, publicada no Diário Oficial de 16 de fevereiro de Entretanto, face à criação dos municípios de Itamaraju e Guaratinga (1961), Eunápolis (1998) e Itabela (1989), os limites definidos na Lei nº 628 estão superados. 11

2 2.2 Infra-Estrutura e Aspectos Socioeconômicos Porto Seguro é o município mais populoso da faixa litorânea da região do extremo sul, embora represente 6,3% do total da população regional (SEI, 1998), com números inferiores aos municípios de Itamaraju, Teixeira de Freitas e Eunápolis. Além da sede municipal (Foto 2.7), os principais núcleos urbanos são os povoados de Caraíva, Vale Verde, Arraial D Ajuda, Trancoso (Foto 2.9), Vera Cruz e Pindorama. Os principais dados sobre a infra-estrutura municipal, que refletem a qualidade de vida da população, tais como número de habitantes, escolaridade, saúde pública, energia elétrica, abastecimento de água e sistema telefônico estão relacionados nas Figuras 2.1 a 2.4 e Tabelas 2.1 a Segundo o censo do IBGE (1996), a população de Porto Seguro encontra-se com habitantes, com uma taxa de urbanização de 80,42%. A maior concentração populacional localiza-se na sede. A crescente taxa de urbanização é decorrente de vários fatores de natureza regional, tais como: o êxodo rural relacionado ao declínio da atividade extrativa da madeira e à expansão da pecuária sobre as áreas desmatadas, a retração da cultura cacaueira, além da intensa expansão do turismo. O setor de ensino se faz presente do pré-escolar ao ensino médio. A rede municipal conta com 86 estabelecimentos, sendo que a maior parte das vagas é destinada ao pré-escolar e ao ensino fundamental. O ensino médio está a cargo de três escolas da rede estadual, uma da rede municipal e três da rede particular. De acordo com dados fornecidos pela Secretaria de Educação Municipal, as ofertas de vagas são sempre reduzidas frente à demanda existente. O setor de saúde em Porto Seguro conta com 18 estabelecimentos, sendo dois hospitais públicos, um particular, 13 postos e 2 centros. Existem 40 leitos, sem contar com os do recém-inaugurado Hospital Luiz Eduardo Magalhães. A situação domiciliar de Porto Seguro é caracterizada por um total de domicílios particulares permanentes (IBGE, 1996). Desse total, residências (SEI, 1998) possuem energia elétrica, com uma média de moradores por domicílio em torno de 4,02. O consumo de energia elétrica na década de 90 aumentou quase 260% em relação à década passada e o número de consumidores atendidos aumentou 180%. A rede de distribuição de água, que é mantida pela Embasa, totaliza ligações residenciais, das quais 63,89% pertencem à sede (Embasa, 1997). O abastecimento de água na sede do município é feito através de uma captação com estação elevatória no rio dos Mangues, de onde a água é levada para tratamento (Fotos 2.11 e 2.12). Anteriormente, a captação era feita utilizando-se o manancial do rio da Vila (Foto 2.13). Um dado importante é que nos últimos dois anos tanto a sede, como as localidades de Arraial D Ajuda, Trancoso e Vera Cruz passaram a ter sistemas de tratamento de água. Até há bem pouco tempo, os efluentes domésticos eram encaminhados para fossas sépticas ou lançados em pequenos córregos, de forma clandestina, produzindo riscos à saúde pública, assim como odores quando do refluxo das marés. Atualmente, está sendo implantado na sede do município, através do Programa de Desenvolvimento Turístico do Nordeste Prodetur (Governo do Estado) com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID, um sistema de esgotamento sanitário. As operações de limpeza, apesar de existentes, funcionam de forma precária. O lixo é transportado em caçambas e tratores e sua distribuição final é realizada a céu aberto, sem atender aos critérios mínimos de proteção do lençol freático, e aos demais recursos ambientais. O lixão de Porto Seguro está localizado na bacia do rio dos Mangues e recebe tanto o lixo da sede como das localidades de Arraial D Ajuda, Pindorama e Vera Cruz (Foto 2.15). A população não atendida pelos serviços de limpeza usa as alternativas de queimar, enterrar ou despejar o lixo em terrenos baldios, nos rios, córregos ou no mar. Recentemente, a Companhia da Desenvolvimento da Região Metropolitana de Salvador Conder e a prefeitura de Porto Seguro, através do Prodetur, encomendaram à empresa de consultoria Engenheiros Associados Epal um relatório de EIA/RIMA Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental do Aterro Sanitário dos Municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália. Nesse trabalho, foram pré-selecionadas três áreas, das quais a prefeitura de Porto Seguro, em Audiência Pública, escolheu a área da fazenda Samira, localizada próxima ao vale do rio Buranhém (Foto 2.14), no Km 40 da BR-367 (Anexo II), para implantação do aterro sanitário (Foto 2.16). A rede telefônica registra um incremento de 174 aparelhos em serviço em 1980 para em No que tange aos dados socioeconômicos, as Tabelas 2.24 a 2.38 relacionam os principais indicadores. A expansão da atividade turística desencadeada a partir da década de 70 permitiu a constituição de uma ampla rede de serviços, cujos investimentos 12

3 concentram-se, sobretudo, na implantação de equipamentos de hospedagem. De acordo com os dados da Bahiatursa (1996), Porto Seguro registrou leitos, distribuídos em 431 meios de hospedagem, entre hotéis classificados e não-classificados. A atividade comercial no eixo Porto Seguro/Santa Cruz Cabrália tem expressiva representatividade em estabelecimentos comerciais e de serviços, liderando em número de alojamentos e alimentação, respondendo por 44% do comércio varejista e 30% do atacadista no âmbito da sub-região de Eunápolis (Sebrae, 1992, in: Urplan, 1997). O setor industrial é pouco representativo, reunindo principalmente atividades de beneficiamento da madeira, além dos ramos da construção civil, produtos alimentares e minerais não-metálicos. A pesca é praticada sobretudo no litoral e nas áreas de manguezal, possuindo o município a melhor infra-estrutura do setor na microrregião. Existe uma cooperativa, uma colônia de pescadores e um grande número de estabelecimentos comerciais. Segundo dados da Bahia Pesca (1998), a produção de pescado no município totalizou 1.015,8t, o que corresponde a 2,5% do total capturado no estado. A atividade pastoril caracteriza-se pela alta concentração fundiária e pelo baixo nível de produtividade, uma vez que não utiliza técnicas modernas no manejo dos pastos e rebanhos (Foto 2.10). Está voltada para o mercado interno, integrado nacionalmente através das indústrias de leite e derivados e por um pequeno número de frigoríficos com ação regionalizada (Urplan, 1997). A análise dos principais produtos agrícolas do município mostra uma redução nas áreas plantadas de cacau, café, cana-de-açúcar, mandioca e milho e um incremento dos cultivos de mamão, coco-da-baía e feijão. A significativa redução do plantio de canade-açúcar provavelmente é um reflexo do período em que a antiga usina de álcool Embaúba, agora Santa Cruz, localizada no município de Santa Cruz Cabrália, ficou fechada. A fruticultura merece destaque com o significativo aumento da produção de mamão, que já ocupa o 3º lugar no estado da Bahia, ao lado de Santa Cruz Cabrália. Podem ser citadas ainda as culturas de abacaxi, melancia, banana, laranja e maracujá. A diminuição das áreas de cultivo de milho, feijão, café e mandioca tem como causas prováveis o incentivo à silvicultura, o avanço da pecuária e a escassez do crédito agrícola, o que inviabiliza a pequena produção, tendo como conseqüência o êxodo rural e a favelização, bastante evidenciada na sede do município. Vale ressaltar que, tanto a agropecuária e a indústria madeireira no interior do município, bem como o turismo no litoral, foram potencializados pela acesso promovido pela implantação da BR Problemas Ambientais O município de Porto Seguro, apesar de possuir grandes áreas de vegetação natural, ocupadas com florestas, restingas, manguezais e áreas úmidas, vem nos últimos anos passando por uma transformação significativa, com o aumento considerável das áreas destinadas a pastagens. Esse fato é decorrência de um processo de devastação florestal, que tem como objetivo a retirada de madeira nobre, aliado à diminuição das áreas destinadas à cacauicultura devido à crise por que passa o setor Outra atividade que tem tomado impulso é a silvicultura, através da implantação de grandes áreas de reflorestamento pela Veracel Celulose S.A. Paralelamente à pecuária, à extração e beneficiamento da madeira e à silvicultura no interior do município, a zona litorânea vem concentrando de maneira vertiginosa atividades voltadas para o turismo. A proliferação dessa atividade, de maneira desorganizada, tem levado o município a sofrer as conseqüências do processo de expansão turística com as mais diversas formas de agressão ao patrimônio natural (Tabelas 2.38 e 2.39) e descuidos para com o patrimônio histórico/cultural. Uma das transformações decorrentes do impacto do turismo na região foi a expansão urbana, que possibilitou a proliferação de um conjunto de favelas situadas na periferia da cidade ou em áreas nitidamente turísticas, como os povoados de Arraial D'Ajuda e Trancoso. Esse processo resultou da atração exercida por esse núcleo turístico em expansão, frente a uma população pauperizada, residente em regiões próximas, destacando-se o norte de Minas Gerais e a zona cacaueira (SEI, 1995). Atualmente, busca-se alterar o perfil da atividade turística em Porto Seguro, seja através da recuperação/implantação de equipamentos de suporte a um público segmentado, de mais alta renda (aeroporto, resort, centro de convenções etc.), seja com programas de desenvolvimento governamental relativos a sistema de esgotamento sanitário, abastecimento de água e construção de um aterro sanitário. 13

4 População Residente No. de Habitantes Urbana Ano Rural Total Figura 2.1 População municipal de Porto Seguro. Ano População Residente Taxa de Urbanização Densidade- Demográfica Urbana Rural Total (%) (hab./km 2 ) ,06 9, ,40 13, ,27 14, ,42 27,00 Fonte: IBGE (1996) e Funbap (1996). Tabela 2.1 População municipal de Porto Seguro. Distrito Situação do Domicílio Homens Mulheres Total Urbana Porto Seguro Rural Total Urbana Caraíva Rural Total Urbana Vale Verde Rural Total Total Geral Fonte: IBGE (1996). Tabela 2.2 População do município de Porto Seguro, segundo os distritos (1996). 14

5 Distribuição Populacional Vale Verde Caraíva 11% 13% Porto Seguro 76% Figura 2.2 Distribuição da população por distritos, no município de Porto Seguro. Situação do Domicílio Sexo do Chefe do Domicílio Fonte: IBGE (1996). Domicílios Particulares Permanentes População Residente Média de Moradores por Domicílio Urbana ,02 Rural ,64 Total ,13 Homem ,22 Mulher ,68 Total ,13 Tabela 2.3 Domicílios permanentes e população residente no município de Porto Seguro (1996). Situação do Domicílio Homens Mulheres Total Urbana Rural Total Fonte: IBGE.(1996). Tabela 2.4 Situação da unidade domiciliar e sexo do chefe, no município de Porto Seguro (1996). Outra Unidade da Federação Mesma Unidade da Federação País Estrangeiro Ignorado Total Homens Mulheres Total Fonte: IBGE (1996). Tabela 2.5 Pessoas não-residentes no município de Porto Seguro em e origem do movimento migratório. 15

6 Povos indígenas Áreas Indígenas Área (ha) População Estimada Situação Jurídica Coroa Vermelha (1) em regularização Pataxó Barra Velha homologada Monte Pascoal sem providências Imbiriba em regularização Total Fonte: ANAI-BA, 1997/Anuário Estatístico SEI, (1) Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália. Tabela 2.6 Povos indígenas no município de Porto Seguro. Especificações Estadual (2) Urbana Municipal (1) Rural Particular (2) (2) Municipal Estadual (1) Particular (2) Total Ensino Médio N o de escolas N o de alunos Ensino Fundamental N o de escolas N o de alunos Alfabetização N o de escolas N o de alunos Ensino N o de escolas Pré-Escolar N o de alunos N o de Salas N o de Professores Fonte: (1) Secretaria de Educação do Município de Porto Seguro (1999). (2 ) 8 a DIREC Eunápolis (1999). Tabela 2.7 Infra-estrutura de ensino no município de Porto Seguro. Escolaridade Profissional 1 o Grau 2 o Grau Profissionalizante Total Superior Médio (Pedagógico) Médio (Outros Cursos) Zona Urbana 8-8 Leigos Zona Rural Fonte: Funbap (1996). Tabela 2.8 Docentes em atividade, segundo o grau de escolaridade. Curso Instituição N o de Alunos Observações Magistério Incluindo alunos dos povoados 359 Colégio Municipal de Vera Cruz e Trancoso. Téc. Hotelaria de Porto Seguro 176 Téc. Administração 568 Fonte: Secretaria de Educação do Município de Porto Seguro (1999). Tabela 2.9 Ensino profissionalizante. 16

7 Escola Local Colégio Municipal de Porto Rua Itagibá S/N Seguro (1) Padre José Anchieta (1) Av. dos Navegantes Campinho Nossa Sra. do Brasil (1) Praça. São Sebastião S/N Creche Izidório Pereira (1) Rua Belo Horizonte S/N Nº de Nº de Alunos Nº de Salas Pré Alfa 1º Grau 2º Grau Professores Da Fraternidade (1) Rua 2 de Julho S/N Escolinha Tio Patinhas (1) Rua Armando Ribeiro Carneiro Municipal do Cambolo (1) Bairro Cambolo Escola da Associação Izidório Bairro Cambolo Pereira (1) Escolar Libertos (1) Bairro Cambolo Chico Mendes (1) Creche Tio João (1) Bairro Mirante Caravelas Bairro Mirante Caravelas Creche Araci Alves Pinto (1) Bairro Baianão Cantinho da Paz (1) Parque Ecológico João Carlos-Bairro Baianão Escola do Ítalo (1) Bairro Baianão Escola Inaiá (1) Bairro Baianão Escola Nosso Caminho (1) Bairro Baianão Desativada Governador Paulo Souto (1) Bairro Baianão Velho Lúcio (1) Praia de Taperapuan Pero Vaz de Caminha (1) Bairro Paraguai Engº Bernardo Saião BR-367 Km Bom Jesus BR-367 Km São João Batista BR-367 Km Chapeuzinho Vermelho BR-367 Km São José BR-367 Km Menino Francisco Ibiruçu de Dentro Prof. Conceição Valiense Ibiruçu de Dentro Prof. Raydahlia Pindorama (Km 41) BR Alcides Faustino Vera Cruz (Km 22) BR Tiradentes Vera Cruz Santa Maria Faz. Santa Maria José Fco. Assunção Faz. Batalha Recanto do Vale Faz. Retiro Novo Sorriso Faz. Boa Esperança Fonte: Secretaria de Educação do Município de Porto Seguro (1999). (1) Sede municipal. Tabela 2.10A Escolas municipais de Porto Seguro. 17

8 Nº de Nº de Alunos Nº de Escola Local 1º 2º Professores Salas Pré Alfa Grau Grau São José do Panorama São José do Panorama Manoel Ribeiro Carneiro Pov. Vale Verde São Miguel Proj. Vale Verde Rio Buranhém Faz. Rio Buranhém Brigadeiro Eduardo Gomes Arraial D Ajuda São Pedro Arraial D Ajuda Pré-Escola de Arraial Arraial D Ajuda D Ajuda Cantinho Verde da Alegria Arraial D Ajuda Zeca Passador Estrada Arraial D Ajuda (Balsa) Honorina Passos Pov. Trancoso Higina Cristo Pov. Trancoso Maria dos Anjos Pov. Trancoso Canta Galo Proj. Canta Galo Trancoso Sapirara Faz. Sapirara Trancoso Branca de Neve Faz. Gravatá Trancoso Faz. Sta. Maria do Trancoso Autímio Fernandes Rio da Barra Faz. Rio da Barra Municipal de Itaporanga Pov. Itaporanga Nova Alegria Faz. Nova Alegria Rui Barbosa Faz. Cajaíba Municipal de Curuípe Praia de Curuípe Alegria do Saber Pov. Nova Caraíva Municipal de Caraíva Pov. Caraíva Santa Rita Faz. Lagoa Municipal de São Geraldo Pov. São Geraldo Palestina Faz. Palestina Indígena de Ibiriba Aldeia de Ibiriba (Itaporanga) Indígena Pataxó Aldeia de Barra Velha Indígena do Pará Aldeia de Barra Velha Tupiniquins Aldeia de Boca do Rio Indígena de Boca da Mata Aldeia de Boca da Mata Indígena Meio da Mata Aldeia de Meio da Mata Fonte: Secretaria de Educação do Município de Porto Seguro (1999). Tabela 2.10B Escolas municipais de Porto Seguro. 18

9 Nº de Nº de Alunos Nº de Escola Local 1º 2º Professores Salas Pré Alfa Grau Grau Escola Carrossel (1) Bairro Cambolo Escola da Associação Bairro Bairro Cambolo Camboio (1) Monteiro Lobato (1) Baianão Municipal Jaime Valiense Paraguai Pré-Escola Comunitária Aliomar Arraia D'Ajuda Carvalho Santo Antônio Ibiruçu de Dentro Beira Rio Fazenda Santana Nova Esperança Próximo a Vera Cruz Frei Miguel Gogliard Arraial D'Ajuda Escola Luluzinha Arraial D'Ajuda Governador Roberto Santos Arraial D'Ajuda Escola Lua Cheia Estrada Caraíva Escola Deus Ampare Fazenda Deus Ampare Escola Sagrada Família Fazenda Limoeiro Indígena Aldeia Velha Arraial D'Ajuda Municipal Bela Vista Vale Verde Escola Dois de Maio Assentamento Chico Mendes Escola Chico da Lage Povoado de Vera Cruz Centro Educacional Criança Baianão Esperança Campo do Boi Aldeia de Barra Velha Escola Municipal Prefeito Mirante Caravelas Manuel Carneiro Total Fonte: Secretaria de Educação do Município de Porto Seguro (1999). (1) Sede municipal. Tabela 2.10C Escolas municipais de Porto Seguro. Escola Pedro Álvares Cabral Local Av. General de Freitas, 57 Nº de Nº de Alunos Nº de 1º 2º Professores Salas Pré Alfa Grau Grau Cristina Batista Praça do Dendê Antonio Ricaldi Av. 22 de Abril TOTAL Fonte: 8 a DIREC Eunápolis. Tabela 2.11 Escolas estaduais no município de Porto Seguro. 19

10 Escola Local Cantinho Verde da Alegria Rua das Palmeiras Bairro São Francisco Arraial D Ajuda Pituchinha Tr. Oscar Oliveira Silva, 59 -Centro Centro Educacional Clariza R. Quintino Bocaiúva Bairro Pacata Centro Educacional Aprender e Crescer Beija-Flor Escola Frei Henrique de Vinhas Coimbra CEAD Escada do Tempo Rua das Flores, Q. 123, 04 Bairro Frei Calixto Lote Mira Porto Q-B Lote 19 Bairro Mirante Caravelas R. Rafael Andrade Bairro Campinho Estrada de Arraial D'Ajuda Av. dos Navegantes- Bairro do Mirante Caravelas Nº de Nº de Alunos Nº de 1º 2º Professores Salas Pré Alfa Grau Grau CESUP R. Manuel Fernandes Nº 51 Centro TOTAL Fonte: 8 a DIREC Eunápolis. Tabela 2.12 Escolas particulares no município de Porto Seguro. Idade Pré- Alfabetização 1º 2º Pré- Escolar de Adultos Grau Grau Vestibular Superior Sem Declaração Total 4 a a ou mais Ignorada Total Fonte: IBGE (1996). Tabela 2.13 Pessoas de 04 anos ou mais que freqüentam escola no município de Porto Seguro. Público Particular Nº de Leitos Ano PAM/ Posto Centro POL Hospital PAM/ POL Hospital Total Total Pública Particular Obs.: Na época da coleta de dados, o hospital particular não estava em funcionamento. Fonte: Funbap (1996). Tabela 2.14 Estabelecimentos de saúde por espécie e leitos. 20

11 Tipo Total de Profissionais Tipo Total de Profissionais Agente de Saúde 21 Médico 6 Assistente Social - Nutricionista - Auxiliar de Enfermagem 6 Técnico em Radiologia 1 Bioquímico - Fisioterapeuta - Dentista 2 Outros - Enfermeiro 1 Téc. Laboratório 1 Fonte: Funbap (1996). Tabela 2.15 Pessoal ocupado nos estabelecimentos de saúde. Tríplice Viral Toxóide Tetânica Vacinas Poliomielite Tríplice DPT Sarampo BCG < 1ano 1134 (1) 1058 (1) 1772 (1) 2159 (3) a 4 anos 1785 (2) 1497(2) 1771(2) 1183 (3) - - > 5 anos 133 (2) 118 (2) 898 (2) 431 (2) a 11 anos Gestantes e mulheres de 15 a 49 anos - 441(1) Total (1) 3 a dose; (2) reforço; (3) dose única. Fonte: SEI (1998). Tabela 16 Doses de vacinas aplicadas (1997). 21

12 Ano Residencial Industrial Comercial Rural Outros Total , , ,437 41, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,000 Fonte: Coelba, SEI (1998) e Funbap (1996). Tabela 2.17 Consumo de energia elétrica (MWH) município de Porto Seguro. Consumo (MWH) Consumo de Energia Figura 2.3 Consumo de Energia Ano no municípip de Porto Figura 2.3 Consumo de energia no município de Porto Seguro. Ano Residencial Industrial Comercial Rural Outros Total Fonte: Coelba, SEI (1998) e Funbap (1996). Tabela 2.18 Consumidores de energia elétrica do município de Porto Seguro. Consumidores de Energia No. de Habitantes Ano Figura 2.4 Consumidores de energia elétrica no município de Porto Seguro. 22

13 Especificação Eólica Solar Carvão Fonte: Funbap (1996). Comentários: Utilizada para elevação de água em poços tubulares Utilizada para aquecimento de água em pousadas Utilizado na zona rural Tabela 2.19 Outras fontes de energia utilizadas no município de Porto Seguro. Ano Extensão da Rede (m) Número de Ligações Fonte: Funbap ( 1996), Embasa (1997 ) e SEI (1998). Tabela 2.20 Abastecimento de água em Porto Seguro. Nº de Ligações Consumo Local Residencial Comercial Industrial Poder Público Mensal Total (m 3 ) Porto Seguro Arraial D Ajuda Trancoso Fonte: Embasa (1997). Tabela 2.21 Abastecimento de água município de Porto Seguro. Sede Localidade Arraial D Ajuda Fonte de Captação Rio dos Mangues Poço Tubular Volume Captado 40 m³/h 70 m³/h 72 m³/h 140 m³/h 10 m³/h 60 m³/h Estação de Tratamento Sim Sim Distribuição Entidade Mantenedora Embasa Embasa 250 m³/h Trancoso Poço Tubular - Sim Embasa Caraíva Poço Tubular - Não Prefeitura Vale Verde Poço Tubular - Não Prefeitura Vera Cruz Rio Pindoba - Sim Embasa Pindorama Fonte - Não Fonte: Embasa, Pesquisa Direta (1999). Tabela 2.22 Captação e tratamento d água no município de Porto Seguro. Rede Prefeitura 23

14 Ano Nº de Telefones Fonte: Telebahia e SEI (1998). Tabela 2.23 Telefones em serviço no município de Porto Seguro. Padrões Porto Arraial Seguro D Ajuda Trancoso Caraíva Total Classificado nº de estabelecimentos Embratur nº de leitos nº de estabelecimentos Tipo nº de apartamentos A Tipo B Tipo C Não- Enquadrados Não-Aplicado Fonte: Bahiatursa (1996). nº de leitos nº de estabelecimentos nº de apartamentos nº de leitos nº de estabelecimentos nº de apartamentos nº de quartos nº de leitos nº de estabelecimentos nº de apartamentos nº de quartos nº de leitos nº de estabelecimentos Tabela 2.24 Meios de hospedagem no município de Porto Seguro. Total Voto Abstenções/ Eleição Ano Eleitorado de Abstenções Eleitorado Votos Branco Nulo (%) Governador ,74 Prefeito ,83 Presidente ,97 Governador ,71 Prefeito Plebiscito Presidente ,92 Governador ,92 Prefeito ,66 Fonte: TRE, SEI (1996 e 1998). Tabela 2.25 Eleitorado municipal de Porto Seguro. 24

15 Município /1993 (%) Classificação em Relação aos Demais Municípios Total dos municípios ,42 - do estado Porto Seguro ,12 10º (1) Atualização a preço de dez./1996 pelo IGP/DI FGV. Fonte: Perfil Financeiro dos Municípios Baianos SEI (1998). Tabela 2.26 Evolução da receita orçamentária. Receitas R$ (1) Participação no Total (1995) do Estado (%) % IPTU ,64 Próprias ISS ,64 Demais ,10 58,68 Total ,80 União ,26 Transferências Estado ,28 Demais ,12 41,32 Total ,25 Orçamentárias ,51 100,00 (1) Atualização a preço de dez./1996 pelo IGP/DI FGV. Fonte: Perfil Financeiro dos Municípios Baianos SEI (1998). Tabela 2.27 Participação do município de Porto Seguro, no total das receitas orçamentárias. Atividade Estabelecimentos Pessoal Ocupado Agricultura (lavoura temporária, horticultura e lavoura permanente) 327 Pecuária 323 Silvicultura e exploração florestal 5 Produção de carvão vegetal - Pesca aqüicultura 1 - Indústria extrativa 1 - Indústria de transformação 5 15 Produção e distribuição de eletricidade, gás e água - - Construção - - Comércio (reparação de veículos automotores, objetos pessoais e domésticos) Transporte, armazenagem e comunicações 1 - Intermediação financeira 1 - Atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados a empresas - - Administração pública Educação 1 - Saúde e serviços sociais - - Outros serviços coletivos, sociais e pessoais - - Fonte: Censo Agropecuário (1996) e SEI (1998). Tabela 2.28 Atividade econômica no município de Porto Seguro. 25

16 Projeto Localização Terra Nova (1) 9 km a oeste da fazenda Montinho Ibiruçu de Dentro (1) Maravilha (1 ) Vale Verde Chico Mendes BR-367. Eunápolis/Porto Seguro, Km 50, lado esquerdo. Aproximadamente 18km de Eunápolis, na estrada para Ponto Central. BR-367. Eunápolis/Porto Se guro, Km 50, lado direito. A 8km de Itabela em direção a São José do Pindorama, próximo ao rio dos Frades. Área (ha) 754, , , N o de famílias assentadas N o de lotes Desa- Decreto propria- ção Data Data de Imissão de Posse Criação Ato Por/104 Res/300 Por/ Data No projeto Vale Verde, das 96 famílias assentadas, restam atualmente cerca de 45%. Os demais lotes foram vendidos a fazendeiros que já dominam grandes partes das terras mais férteis, localizadas no vale. Fonte: Incra (1999). (1) Assentamentos do Incra. Tabela 2.29 Assentamentos no município de Porto Seguro Culturas Área (ha) Produto (t) Área (ha) Produto (t) Área (ha) Produto (t) Cacau Café Cana-de-açúcar Coco-da-baía (1) Feijão Mamão (1) Mandioca Milho (1)Produção em frutos. Fonte: IBGE: Base de Informações Municipais BIM (1996) e Produção Agrícola Municipal (1995). Tabela 2.30 Área plantada e produção dos principais produtos agrícolas no município de Porto Seguro. 26

17 Culturas Temporárias Culturas Permanentes Culturas Área Destinada a Colheita (ha) Área Colhida (ha) Quantidade Produzida Rendimento Médio Valor (mil R$) Abacaxi (1) un un 4 Arroz 5 5 6t 1200kg/ha 1 Cana-de-açúcar t kg/ha 491 Feijão t 800kg/ha 155 Mandioca t kg/ha 244 Melancia t 3000kg/ha 136 Milho (em grão) t 800kg/há 13 Banana (2) mil Cachos Cachos/ha 350 Cacau (em amêndoa) t 418kg/ha 400 Café (em coco) t 528 kg/ha 135 Coco-da-baía (1) Frutos Frutos/ha 630 Laranja (1) Frutos Frutos/ha 90 Mamão (1) Frutos Frutos/ha Maracujá (1) Frutos Frutos/ha 131 Pimenta-do-reino t 3.000kg/ha 40 (1) Produção em frutos; (2) Produção em cachos. Fonte: IBGE Produção Agrícola Municipal Tabela 2.31 Área plantada, produção e rendimento dos principais produtos agrícolas no município de Porto Seguro. Principais Regiões Produção (t) Média Econômicas ( ) Extremo sul Baixo médio São Francisco Litoral sul Oeste Recôncavo sul Subtotal Outros Total do estado Fonte: IBGE/PAM. Produção Agrícola Municipal (1995). Elaboração: CER/SEAGRI. Tabela 2.32 Principais regiões produtoras de mamão na Bahia. 27

18 Municípios Produção Média (t) Nova Viçosa Mucuri Porto Seguro Itabela Prado Teixeira de Freitas Eunápolis Itamaraju Estado da Bahia Fonte: IBGE Produção Agrícola Municipal (1995). Tabela 2.33 Produção média dos principais municípios produtores de mamão (Bahia, ) Bovinos Eqüinos Suínos Ovinos Aves Assininos Muares Caprinos Fonte: IBGE Produção da Pecuária Municipal (1995). Tabela 2.34 Efetivo dos principais rebanhos no município de Porto Seguro. 28

19 Ano de criação Região econômica Extremo sul Distância para Salvador (km) 707 Área (km 2 ) Total Lavouras permanentes Utilização das Terras (ha) (1995/1996) Lavouras temporárias Lavouras temporárias em descanso 665 Pastagens naturais Pastagens plantadas Matas e florestas naturais Matas e florestas permanentes 567 Terras produtivas não-utilizadas 609 Módulo Fiscal (ha) 1994 (1) 35 Fração Mínima de Parcelamento (ha) 1994 (2) 3 Total 808 Classificação no estado 10 Estabelecimentos Industriais Registrados na Junta Comercial da Bahia (1995) Estabelecimentos Comerciais Registrados na Junta Comercial da Bahia (1995) Parque Hoteleiro ( ) Minerais não-metálicos 58 Metalurgia 17 Madeira 218 Mobiliário 41 Química 19 Produtos alimentares 100 Construção 190 Diversos 165 Total Classificação no estado 7 Varejo Classificação no estado 6 Atacado 611 Classificação no estado 11 Hotéis 487 Quartos Leitos Classificação no estado 2 Camping 9 Total 6 Estabelecimentos Classificação no estado 14 Bancários Bancos particulares 3 (1995) Banco do Brasil - Agência 1 BANEB - Agência 1 Total 4718 Veículos/100 habitantes 36,62 Veículos Registrados Classificação no estado 19 no DETRAN Automóveis 2488 (1997) Caminhões 232 Ônibus 181 Total Terminais Residenciais Telefônicos Não-residenciais em Serviço Tronco 50 (1997) Total Classificação 15 Agência de Correios (1997) 6 Fonte: Classificação dos Municípios Baianos. Informações Básicas (SEI/CAR), 1996 e IBGE: Censo Agropecuário ( ). Tabela 2.35A Dados econômicos, sociais e de infra-estrutura do município de Porto Seguro. 29

20 Centros 1 Unidades de Postos 2 Saúde da Rede Hospitais 2 do Sistema Leitos hospitalares Contratados 15 Único de Saúde Total 15 (1995) Leitos/1.000 habitantes (9) 0,39 Classificação no estado 188 População de menores de 1 ano 51 Mortalidade Infantil (1997) Doenças de Notificação Obrigatória (1996) Doenças Sexualmente Transmissíveis de Notificação Obrigatória (1996) Outras faixas etárias 178 Total 229 Dengue 9 Esquistossomose 1 Hanseníase 10 Hepatite 13 Meningite 7 Sarampo 1 Tétano 3 Tuberculose 47 AIDS 1 Gonorréia 8 Sífilis não-especificada 1 População de 0 a 6 anos Condições de Crianças Chefe com renda até 1 SM (%) 46,0 Sobrevivência em Chefe homem com menos de 1 ano de estudo (%) 48,5 de Crianças de domicílios Chefe mulher com menos de 1 ano de estudo (%) 5,8 0 a 6 anos com Abastecimento de água inadequado (%) 62,1 (1994) Índice de condições de sobrevivência 0,44 Classificação no estado 18 Instalação Total de municípios com instalação sanitária Sanitária Total/domicílios (%) 61,60 (1991) Classificação no estado (%) 85 Lixo Total de domicílios com lixo coletado Coletado Total/domicílios (%) 49,22 (1991) Classificação no estado 40 Total Total/população estimada para ,40 Receitas de Classificação no estado 259 Transferências Federais Fundo de Participação dos Municípios Constitucionais Imposto sobre Propriedade Territorial Rural (1995) Imposto sobre Circulação Mercadorias (R$1,00) Estaduais Imposto sobre Produtos Industrializados Imposto sobre Veículos Automotores Total Classificação no estado 162 Benefícios Urbano 722 Concedidos Classificação no estado 63 pelo INSS Rural (1995) Classificação no estado 227 Valor - R$1,00 (outubro-1995) Classificação no estado 34 Fonte: Classificação dos Municípios Baianos. Informações Básicas (SEI/CAR), 1996 e Tabela 2.35B Dados econômicos, sociais e de infra-estrutura do município de Porto Seguro. 30

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593 AGRICULTURA Amendoim área colhida (hectares) 20 Amendoim produção (t/a) 40 Banana área colhida (hectares) 5 Banana produção (t/a) 11 Borracha área colhida (látex.) 36 Borracha produção (látex.) (t/a) 120

Leia mais

AS DUAS PORTO SEGUROS

AS DUAS PORTO SEGUROS 11 AS DUAS PORTO SEGUROS Cristina Pereira de Araujo. Arquiteta e educadora; mestre em Arquitetura e Urbanismo (FAU-USP); coordenadora do Curso de Gestão Ambiental (UniFMU). Sérgio Bernardes da Silva Geógrafo

Leia mais

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional

Leia mais

Secretaria de Turismo da Bahia

Secretaria de Turismo da Bahia Secretaria de Turismo da Bahia Secretaria de Turismo do Estado da Bahia SETUR Sustentabilidade do Turismo na Zona Costeira UPB - 24 de março de 2009 Sustentabilidade do Turismo na Zona Costeira Para compreender

Leia mais

Infográficos Cidades@

Infográficos Cidades@ Page 1 of 18 Instituto eiro de Geografia e Estatística Infográficos Cidades@ - RN Page 2 of 18 Dados Básicos População Área Bioma 803.811 hab. 167,16 km 2 Caatinga e Mata Atlântica Localização da Sede

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

PORTO SEGURO DO SÉCULO XXI

PORTO SEGURO DO SÉCULO XXI PORTO SEGURO DO SÉCULO XXI História Pero Vaz de Caminha é considerado o nomeador deste achamento no Brasil, aproveitando a sugestão dos marinheiros da frota de Pedro Álvares Cabral, que aqui encontraram

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 10.605,76 237.237

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

Infográficos Cidades@

Infográficos Cidades@ Page 1 of 18 Instituto eiro de Geografia e Estatística Infográficos Cidades@ - RJ Page 2 of 18 Dados Básicos População Área Bioma 6.323.037 hab. 1.200,28 km 2 Mata Atlântica Localização da Sede Page 3

Leia mais

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Tabela: Dados de domicílio (continua) Código da unidade da federação (UF) Código do município Código do distrito Código do subdistrito

Leia mais

Porto Seguro. Este arquivo encontra-se no site: http://www.portoseguro.ba.io.org.br/contaspublicas/contaspublicas. Quinta-feira 6 de Fevereiro de 2014

Porto Seguro. Este arquivo encontra-se no site: http://www.portoseguro.ba.io.org.br/contaspublicas/contaspublicas. Quinta-feira 6 de Fevereiro de 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO SEGURO ESTADO DA BAHIA EXTRATO DE ADITIVO 1º Termo de Aditivo- Prorrogação de Contrato nº011/2013 dispensa nº011/2013.objeto: locação de imóvel situado à Rua do Gravatá nº

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 031 Ação Legislativa 0001 - Execução da Ação Legislativa Manutenção das Atividades Legislativas FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006 - Defesa Jurídica do Município

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN Data Entrevistador Resultado da visita (vide Quadro) Número do Questionário RESULTADO DA VISITA Residência... (a) Comércio...

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO Magda Maria Marinho Almeida - Química Industrial- UFC/CE- Mestre em Tecnologia de Alimentos- UFC/CE. Divisão de Análises e Pesquisa

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família

Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família Naturalidade Data de nascimento Telefone Endereço Nome do cônjuge ou companheiro Naturalidade Data de nascimento

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RURAL

DESENVOLVIMENTO RURAL Território de Identidade Bacia do Rio Grande Perfil Sintético SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Rui Costa Governador do Estado da Bahia João Leão Vice-Governador do Estado da Bahia Jerônimo Rodrigues

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 31 Ação Legislativa 0001- Execução da Ação Legislativa 2001 - Manutenção das Atividades Legislativas da Câmara Municipal FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006- Defesa

Leia mais

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA GREGÓRIO NETO BATISTA DE SOUSA 2010 1 INTRODUÇÃO A comunidade do Alecrim

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

Agricultura & Inovação:

Agricultura & Inovação: Agricultura & Inovação: Rota para o Desenvolvimento Sustentável Belém, 03 de setembro de 2012 TRANSFORMAÇÃO Macro-objetivos Macro - objetivos REDUÇÃO DA POBREZA E DAS DESIGUALDADES REGIONAIS PRODUÇÃO CONHECIMENTO

Leia mais

Paulo Amaral, Andréia Pinto, Laura Orioli, Renata Cunha, Carlos Alexandre da Cunha, João Manoel Soares & Wildson Queiroz

Paulo Amaral, Andréia Pinto, Laura Orioli, Renata Cunha, Carlos Alexandre da Cunha, João Manoel Soares & Wildson Queiroz Indicadores Municipais Muaná Paulo Amaral, Andréia Pinto, Laura Orioli, Renata Cunha, Carlos Alexandre da Cunha, João Manoel Soares & Wildson Queiroz Apresentação Dezembro - 212 Em março de 211, o Governo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

exercícios _ SANTA CATARINA

exercícios _ SANTA CATARINA exercícios _ SANTA CATARINA CONTEXTUALIZANDO SANTA CATARINA EM ATIVIDADES 1. Assinale as proposições que estiverem de acordo com a hidrografia de Santa Catarina e/ou com o mapa a seguir. HIDROGRAFIA DE

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa

Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa 3 Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia

Leia mais

Abastecimento de água - Investigou-se a existência de água canalizada nos domicílios particulares permanentes e a sua proveniência.

Abastecimento de água - Investigou-se a existência de água canalizada nos domicílios particulares permanentes e a sua proveniência. Conceitos Abastecimento de água - Investigou-se a existência de água canalizada nos domicílios particulares permanentes e a sua proveniência. Quanto a existência de água canalizada, os domicílios foram

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

RELAÇÃO DAS TABELAS EIA TOMO I

RELAÇÃO DAS TABELAS EIA TOMO I RELAÇÃO DAS TABELAS EIA TOMO I Capitulo 2 TABELA 2.1. Linhas que Operam Atualmente 2.8 TABELA 2.2. Nº de Linhas, Frotas e Movimentação de Passageiros 2.8 TABELA 2.3. Tarifas do Sistema Coletivo de São

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista.

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista. Diagnóstico Regional O objetivo do diagnóstico regional é identificar as principais características: econômicas e sociais da região, bem como salientar as diferenças e semelhanças entre as 29 regiões do

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

Relatório Final de Análise Pesquisa do Setor de Turismo e Hospitalidade da Cidade de Porto Seguro BA e Região

Relatório Final de Análise Pesquisa do Setor de Turismo e Hospitalidade da Cidade de Porto Seguro BA e Região Relatório Final de Análise Pesquisa do Setor de Turismo e Hospitalidade da Cidade de Porto Seguro BA e Região Contrato de Prestação de Serviços - Escola Brasil Profissional Educação Integral/DIEESE Novembro

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

Município de Cataguases. 1. Aspectos Gerais

Município de Cataguases. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Cataguases 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Cataguases possui 5 distritos. A população total

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

um olhar sobre Bom Jesus das Selvas MA Diagnóstico socioeconômico

um olhar sobre Bom Jesus das Selvas MA Diagnóstico socioeconômico um olhar sobre Bom Jesus das Selvas MA Diagnóstico socioeconômico Belém A cidade de Bom Jesus das Selvas. Construtores da Rodovia Bom Jesus das Selvas está a 460 quilômetros de São Luís, às margens da

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta. André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal:

I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta. André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal: Tema: I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta SAF Sistema Agroflorestal PALESTRANTE André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal: Formado pela Universidade Federal de Viçosa no ano de 1985 Especialização

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 11B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA RIO DE JANEIRO - Junto com São Paulo é o estado mais importante da Região Sudeste, estando também entre os mais

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS

PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência de Pesquisa Anual PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS PNAD DE 00 Número do setor Situação IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE Número de

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES CURITIBA Setembro 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ CARLOS ALBERTO RICHA - Governador SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL SILVIO MAGALHÃES BARROS - Secretário INSTITUTO PARANAENSE DE

Leia mais

Documento legal de criação: Lei X Decreto Portaria Federal Estadual Municipal. Numero e data do documento legal Decreto 90225 de 1984

Documento legal de criação: Lei X Decreto Portaria Federal Estadual Municipal. Numero e data do documento legal Decreto 90225 de 1984 Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida Área de Proteção Ambiental de Guapimirim Estado Municipio (s) RJ Magé, Guapimirim, Itaboraí e São

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BETÂNIA Estado de Pernambuco LEI Nº 636 /2012 DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2013 Anexo de Prioridades e Metas ( Sintético )

PREFEITURA MUNICIPAL DE BETÂNIA Estado de Pernambuco LEI Nº 636 /2012 DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2013 Anexo de Prioridades e Metas ( Sintético ) Anexo de Prioridades e s ( Sintético ) s Processo Legislativo Administração Legislativa Planejamento Governamental Gestão Política Administrativa Suporte Administrativo Garantir o exercício da função legislativa

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 HISTÓRICO 70 década da água 80 década do ar 90 década dos resíduos sólidos Histórico

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Núcleo Regional de Educação de Toledo Colégio Estadual Jardim Gisele Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2015 TRABALHO DOCENTE Estabelecimento

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

LICENCIAMENTO MATADOUROS

LICENCIAMENTO MATADOUROS LICENÇA PRÉVIA (LP): LICENCIAMENTO MATADOUROS 1. Requerimento; 2. Publicações no diário oficial e jornal de grande circulação; 3. Comprovante de pagamento da taxa de licenciamento; 4. Cadastro do empreendimento

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI 427 SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI Daiane dos Santos Esquevani¹, Camila Augusta Florindo¹, Mayara Pissutti Albano² Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Salesópolis como destino turístico

Salesópolis como destino turístico 1 Parte de Trabalho TCC de Alexandre Silva 2008 SILVA, A. Rota do sal: proposta de roteiro turístico na antiga Estrada Dória, entre Salesópolis e São Sebastião (SP). 2008. Relatório de Iniciação Científica

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA DECRETO N. 5109, DE 05 JULHO DE 2011. Regulamenta as Leis Municipal nrs. 2.067/2007 e 2.425/2011 as quais dispõe sobre o Programa de Atendimento ao Produtor Rural, Pró-Rural, e dá outras providências.

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com.

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com. PERFIL MUNICIPAL Blumenau - SC Data de instalação Ano de 1880 Estimativa da população 2009 Natalidade 2007 299.416 habitantes 3.818 nascidos vivos Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855 Área 520

Leia mais

projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as

projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES 2013-2015 1 A construção deste plano teve o assessoramento técnico realizado pela Secretaria de Estado da Mulher, através do projeto fortalecendo as políticas

Leia mais

MUNICÍPIO DE CARAPEBUS LDO 2015 ANEXO DE METAS E PRIORIDADES METAS E PRIORIDADES 2015

MUNICÍPIO DE CARAPEBUS LDO 2015 ANEXO DE METAS E PRIORIDADES METAS E PRIORIDADES 2015 - 1350 Página 1 PROGRAMA 0000 ENCARGOS ESPECIAIS OBJETIVO DAR SUPORTE A DIVIDA CONTRATADA ORIUNDA DE PARCELAMENTOS, SUBVENÇÕES E DEMAIS OPERAÇÕES ESPECIAIS. 0010 AMORTIZAÇÃO PARCELAMENTO/ENCARGOS SOBRE

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

QUADRO DE INDICADORES

QUADRO DE INDICADORES QUADRO DE Núcleo de Seguridade e Assistência Social da PUC/SP Coordenadora: Profa.Aldaiza Sposati QUADRO COMPARATIVO DE SOCIAIS I UTOPIAS DO /INCLUSÃO SOCIAL AUTONO- MIA QUALIDA- DE DE VIDA Faixa Renda

Leia mais

CASA VERDE/CACHOEIRINHA

CASA VERDE/CACHOEIRINHA Casa Verde / CASA VERDE/CACHOEIRINHA R e g i ã o N o r t e Assessoria de Imprensa - Subprefeitura de CENTRO REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MORRINHOS. 17 Casa Verde / Pirâmide Populacional Rendimento

Leia mais

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO 16 3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO De acordo com a o Anuário Estatístico do Município de Belém (2006), o município de Belém, no Estado do Pará, limita-se ao norte com a Baía do Marajó, a sul com o

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

Estudo de Impacto Ambiental EIA, COMPERJ Diagnóstico Ambiental SUMÁRIO

Estudo de Impacto Ambiental EIA, COMPERJ Diagnóstico Ambiental SUMÁRIO SUMÁRIO 4.4 MEIO ANTRÓPICO 9 4.4.1 Introdução 9 4.4.2 Área de Influência Estratégica 11 4.4.3 Área de Influência Indireta AII: Região Metropolitana do Rio de Janeiro 24 4.4.4 Área de Influência Regional

Leia mais

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033.

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. CRIAÇÃO DO IPAAM O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. É vinculado diretamente a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais