CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO"

Transcrição

1 CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional do Pau Brasil Parque Municipal Marinho do Recife de Fora Área de Proteção Ambiental de Coroa Vermelha Área de Proteção Ambiental de Caraíva/ Trancoso Área de Proteção Ambiental de Santo Antônio Estação Ecológica do Pau Brasil Estação Experimental Gregório Bondar Estação Veracruz. 4.1 Descrição das Unidades de Conservação Parque Nacional de Monte Pascoal Segundo Pádua (1983), esse parque, cuja administração é de responsabilidade do Ibama, possui valor histórico/cultural e outros fatores naturais que o notabilizam, sendo hoje uma das últimas áreas representativas da vegetação que recobria a região. Constitui uma grande mancha florestal protegida, compreendendo uma diversidade imensa de ecossistemas, desde a mata pluvial da encosta atlântica, matas secundárias, regiões alagadiças, restinga, mangue, praia e recifes. Segundo o Ibama (1995), a primeira proposta para proteção dessa região partiu da comissão nomeada pelo governo federal, na década de 1930, encarregada de determinar o ponto do descobrimento do Brasil, presidida por Bernardino José de Souza. Em , o general Pinto Aleixo, através do Decreto nº , criou, em terras devolutas do estado, o Parque Monumento Monte Pascoal. Entretanto, como nada foi implementado, as terras foram invadidas por fazendas de cacau e de café. Posteriormente, através do Decreto federal nº 242, de , foi criado o Parque Nacional de Monte Pascoal, com área de ha e exclusão das terras já ocupadas (Foto 4.1). A parte litorânea do parque é habitada por descendentes de índios da tribo pataxó. Esse fato gerou problemas persistentes, implicando que, em 1970, através do Decreto federal nº 396/91, o parque fosse diminuído em 8.000ha, que foram doados aos índios. Desse modo, a área atual do parque é de ha, que carecem de regularização fundiária. O Plano de Manejo do Parque, que foi elaborado em 1979, por técnicos do antigo IBDF, estabeleceu os seguintes objetivos: a) conservar uma amostra representativa dos ecossistemas de transição entre o litoral e a floresta; b) conservar em estado natural o monte Pascoal; c) conservar os recursos genéticos; d) administrar os serviços recreativos compatíveis com os demais objetivos do parque; e) possibilitar e fomentar atividades de educação e investigação compatíveis com os objetivos do parque. Um dos problemas do parque é a ocorrência de incêndios, principalmente nos meses de julho a setembro Parque Nacional do Pau Brasil Esse parque, que está localizado no município de Porto Seguro e possui uma área de ha, foi criado em , com o objetivo de proteger e preservar amostras dos ecossistemas ali existentes e possibilitar o desenvolvimento de pesquisa científica e programas de educação ambiental. A administração do parque está a cargo do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Ibama, que adotará as medidas necessárias a sua efetiva implantação, ficando estabelecido o prazo de cinco anos para elaboração do Plano de Manejo. 70

2 4.1.3 Parque Marinho do Recife de Fora Segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Porto Seguro, responsável pela implantação e administração do parque, o Recife de Fora tem sido utilizado por várias gerações como local de pesca. A grande procura desse local pelos turistas motivou a criação do parque (Decreto municipal n o 260, de ), que está situado a cinco milhas náuticas do centro da cidade, ocupando uma área que totaliza 1.750ha e apresenta uma profundidade média de 6m (Foto 4.2). Nessa área, são encontradas várias espécies de corais, peixes e moluscos, o que caracteriza uma grande biodiversidade, comparável com a situação identificada em Abrolhos (Figuras 4.1 e 4.2). A administração do parque conta com o apoio da Associação das Escunas, Capitania dos Portos (Marinha do Brasil) e do Ibama. Essa unidade de conservação ainda não possui o seu Plano de Manejo Área de Proteção Ambiental de Coroa Vermelha A APA de Coroa Vermelha foi criada através do Decreto nº 2.184, de , publicado no DO em A responsabilidade da administração dessa APA ficou originalmente a cargo da Empresa de Turismo da Bahia Bahiatursa, sendo posteriormente transferida, pelo Decreto nº 4.062, de , para a Coordenação de Turismo da Secretaria de Cultura e Turismo do Estado da Bahia Codetur. Mais recentemente, o governo do estado da Bahia, através do Decreto nº 7.527, em , transferiu para o Centro de Recursos Ambientais CRA a gestão de todas as APAs do estado da Bahia. A sua área totaliza 4.100ha, abrangendo partes dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália. Limita-se, ao norte, com o rio Mutari, ao sul com o rio dos Mangues, a leste, com o oceano Atlântico e, a oeste, o seu limite passa a 6km da linha da preamar. A área apresenta ecossistema litorâneo, com a presença de corais e bancos de areia. A vegetação é composta de Mata Atlântica, várzea, restinga, brejo e manguezal. A fauna silvestre possui grande variedade (Bahia/CRA, 1994, in: Urplan, 1997). É grande a importância ecológica, históricocultural e turística da APA de Coroa Vermelha, pelo fato de abrigar em seu território paisagens de grande beleza, marcos do descobrimento do Brasil e as comunidades indígenas dos pataxós. O Plano de Manejo dessa unidade de conservação foi encomendado pela Codetur ao Grupo de Planejamento Urbanismo Arquitetura Ltda. Urplan e concluído em novembro de Área de Proteção Ambiental Caraíva/Trancoso A APA de Caraíva/Trancoso, instituída pelo Decreto estadual nº 2.215, de , compreende uma área de ha, localizada na região litorânea do município de Porto Seguro, estendendo-se numa faixa costeira de 6 a 8km de largura, entre a foz do rio Trancoso e o rio Caraíva, apresentando características de relevante valor ecológico, com presença de falésias. Os principais domínios fisiográficos existentes nessa unidade de conservação são os seguintes: a) extensa faixa litorânea, composta por planícies costeiras (planície flúvio-marinha com manguezal, áreas estuarinas e planície aluvial com várzea e brejos); b) cordões arenosos formando a restinga; c) encostas das falésias; d) zonas de relevo tabuliforme com a vegetação de Floresta Ombrófila Densa em diferentes estágios de regeneração. O Plano de Manejo dessa unidade de conservação foi encomendado pela Codetur ao Urplan e concluído em abril de

3 Itassepocu de Fora 5 metros Ponta da Coroa Vermelha Ponta Grande Rio dos Mangues Barramares 2,5 M 2 M 3 M Vira-Sol 4,5 M 5 metros Parque Marinho do Recife de Fora Porto Seguro 5 metros Rio Buranhém C. Meliga Porto Seguro p/ PMRF ,5 milhas (8km) PMRF p/ Ponta Grande milhas (3,6km) PMRF p/ Barramares ,5 milhas (4,5km) PMRF p/ Vira-Sol milhas (5,4km) Fonte: Prefeitura Municipal de Porto Seguro Figura 4.1 Mapa de Localização do Parque Municipal Marinho do Recife de Fora. 72

4 PARQUE MARINHO DO RECIFE DE FORA PORTO SEGURO - BA Itassepocu de Fora Parque Marinho do Recife de Fora Legenda Limite do Parque Proibido Fundear Proibido Apnéia Proibido Merg. Autônomo Proibido Visitação Mergulho Autônomo Mergulho em Apnéia Área de Visitação Recife Bandeira de Mergulho C. Meliga Coral Área de Fundeio Fonte: Prefeitura Municipal de Porto Seguro Figura 4.2 Limitações de uso no Parque Municipal Marinho do Recife de Fora. 73

5 4.1.6 Área de Proteção Ambiental de Santo Antônio A APA de Santo Antônio, criada pelo Decreto estadual nº 3.413, de , possui uma área total de ha, situada no trecho litorâneo ao norte da sede municipal de Santa Cruz Cabrália e a 2,5km ao sul da sede do município de Belmonte. A área apresenta ecossistema litorâneo, composto por planícies costeiras (planície flúviomarinha com manguezal, áreas estuarinas, várzeas e brejos). As formações vegetais presentes são a Mata Atlântica, Restinga, Várzea, Mata Ciliar, Brejo e Mussununga. O Plano de Manejo dessa unidade de conservação foi encomendado pela Codetur à empresa Planejamento Ambiental e Arquitetura Ltda. Planarq e concluído em abril de Recentemente, a Bahiatursa publicou a síntese do Plano de Manejo dessa APA Estação Ecológica do Pau Brasil Localizada no município de Porto Seguro, abrangendo uma área de 1.145ha, essa estação ecológica foi implantada em A sua administração é de responsabilidade da Ceplac. Segundo o CRA, essa unidade de conservação é caracterizada pela ocorrência de uma densa floresta com árvores de pau-brasil e demais exemplares da Mata Atlântica, como o jequitibá, jacarandá, peroba, mogno etc., constituindo um significativo registro genético dessas espécies (Fotos 4.3 e 4.4). A área da estação foi subdividida em duas partes: a primeira, com 800ha, é dedicada à proteção permanente, enquanto a segunda, com 345ha, é destinada à pesquisa ecológica, silvicultura e educação ambiental Estação Experimental Gregório Bondar Localizada no município de Santa Cruz Cabrália, abrangendo uma área de 718ha, essa estação experimental foi criada em 1968, com a aquisição de quatro fazendas contíguas, próximas ao povoado de Barrolândia. A sua administração é de responsabilidade da Ceplac (Foto 4.5 e 4.6). Nessa estação é desenvolvido um programa de diversificação de várias culturas, tais como: coco, banana, acerola, graviola, dendê, abacaxi, laranja e melancia. Paralelamente, também são desenvolvidos estudos para melhoria da cultura de seringueira e com novas variedades de clones de cacau Estação Veracruz A Estação Veracruz, de propriedade da Veracel Celulose S.A., abrange uma área de ha, constituindo uma importante concentração de Mata Atlântica, com uma grande biodiversidade. A partir de março de 1999, essa estação passou a ser reconhecida pelo Ibama como uma Reserva Particular do Patrimônio Natural. O objetivo da Estação Veracruz é conservar, conhecer, promover, desenvolver e expandir o potencial da biodiversidade da área, em parceria com organizações e especialistas por meio de projetos autosustentáveis. Nessa estação, serão exercidas as atividades integradas de pesquisa/desenvolvimento, conservação/banco genético, assistência técnica/extensão, monitoramento da Mata Atlântica, educação ambiental e ecoturismo. Segundo o Projeto Parques e Reservas, essas atividades compreendem o Programa Mata Atlântica da empresa, com vários subprojetos: a) planejamento da paisagem; b) estudos de flora; c) estudos da fauna; d) suprimento de sementes; e) produção de mudas; f) divulgação e extensão; g) modelos de recuperação e manejo da Mata Atlântica. Em termos de conservação da biodiversidade e pla- 74

6 nejamento da paisagem dentro do Programa Mata Atlântica, a Veracel Celulose S.A. visa ao desenvolvimento de modelos de ocupação do solo em forma de mosaico, destinando os terrenos planos para a produção de madeira de Eucalyptus, e as grotas, vales e morros para a conservação dos remanescentes da Mata Atlântica. Também está sendo implantado um banco genético in situ da Mata Atlântica. Esse programa envolve a participação de várias instituições e universidades, como o Instituto Iguaçu de Pesquisas e Preservação Ambiental, Centro Nacional de Recursos Genéticos Cenargen/Embrapa, Comissão Executiva do Planejamento da Lavoura Cacaueira Ceplac, Museu Nacional do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Instituto Butantã e Fundação Oswaldo Cruz Fiocruz. Em 1993, teve início o estudo de viabilidade para a instalação de um banco genético na Estação Veracruz e na Estação Ecológica do Pau Brasil (1.145ha) pertencente a Ceplac, mediante parceria com a Embrapa. Também segundo o Projeto Parques e Reservas, a Estação Veracruz enfrenta problemas e ameaças como a caça, captura e comércio de animais silvestre, retirada clandestina de palmito, lenha e madeira pela população local, incêndios e pressão pelos assentamentos de colonos do Incra. 75

7 Foto 4.1 Vista panorâmica do monte Pascoal, município de Porto Seguro. Foto 4.2 Área do Parque Municipal Marinho do Recife de Fora, na maré baixa, município de Porto Seguro. 76

8 Foto 4.3 Sede da Estação Ecológica do Pau Brasil (Ceplac), no município de Porto Seguro. Foto 4.4 Viveiro de plantas nativas da Mata Atlântica, na Estação Ecológica do Pau Brasil, no município de Porto Seguro. 77

9 Foto 4.5 Cultivo de seringueiras na Estação Experimental Gregório Bondar (Ceplac), no município de Santa Cruz Cabrália. Foto 4.6 Instalações para registros metereológicos, na Estação Experimental Gregório Bondar. 78

Unidades de Conservação do Estado do Maranhão

Unidades de Conservação do Estado do Maranhão SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL Unidades de Conservação do Estado do Maranhão Lívia Karen Ribeiro de Paula Souza Superintendente

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Projeto de criação do Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Flora Fauna Comunidade Movimento Pró-Restinga Está totalmente equivocada a classificação daque-la área como uma APA. O conceito principal

Leia mais

CAPÍTULO 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CAPÍTULO 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CAPÍTULO 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADDAD, J. Alterações fluviais e erosão costeira. A Água em Revista, Belo Horizonte, v. 5, n. 8, p. 58-63, mar., 1997. ADDAD, J.; DUPONT, H. Inversões e intensificações

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS José Irivaldo Alves Oliveira Silva, Elizandra Sarana Lucena Barbosa Universidade Federal de Campina

Leia mais

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento agropecuário Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa os trabalhadores

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

Marco legal, definições e tipos

Marco legal, definições e tipos Unidades de conservação Marco legal, definições e tipos Prof. Me. Mauricio Salgado " Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes

Leia mais

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi Justificativa para a criação da Unidade de Conservação - Ponta de Pirangi Os recifes de corais são ecossistemas que abrigam grande biodiversidade marinha, tendo, portanto uma grande relevância ecológica,

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

II.5.2.1 - Unidades de Conservação... 1/19. II.5.2.1.1 - Introdução... 1/19. Caracterização das Unidades de conservação na Área de

II.5.2.1 - Unidades de Conservação... 1/19. II.5.2.1.1 - Introdução... 1/19. Caracterização das Unidades de conservação na Área de 2388-00-EIA-RL-0001-00 dezembro de 2009 Rev. nº 00 ATIVIDADE DE PERFURAÇÃO MARÍTIMA NA ÁREA GEOGRÁFICA DOS BLOCOS BM-ES-37, 38, 39, 40 E 41 ÍNDICE II.5.2.1 - Unidades de Conservação... 1/19 II.5.2.1.1

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

O Capítulo III do SNUC define os seguintes objetivos e normas para as categorias de man ejo:

O Capítulo III do SNUC define os seguintes objetivos e normas para as categorias de man ejo: 4.4 - Unidades de Conservação Segundo PEREIRA et al., (1999) Unidades de Conservação (UCs) Costeiras e Marinhas são aquelas situadas na faixa que se estende desde o limite interior dos ambientes com influência

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 034 Recuperação Geológica de Áreas de Risco Contenção de Encostas SUB-FUNÇÃO: 543 RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADAS Identificar áreas de risco; desenvolver projetos

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

ENCARTE 1 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

ENCARTE 1 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO ENCARTE 1 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1.1. Ficha Técnica da Unidade de Conservação A ESEC Carijós localiza-se no noroeste da Ilha de Santa Catarina, junto à Baía Norte, compreendendo duas

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 37 EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 Resumo: Com a urbanização, o tráfico nacional e internacional de espécies e exploração dos recursos naturais de maneira mal planejada

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015 MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS Seminário PDFS/MT 2015 É referência em questões e atividades que interferem na cadeia de florestas plantadas, sugerindo e opinando em políticas públicas de pesquisa,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS Dr. Vlamir José Rocha Biólogo 1 PERFIL DA COMPANHIA Empresa de base florestal focada em madeira,

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Conectando pessoas e florestas Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica ti Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Objetivos PCE 1. Objetivo Geral: Demonstrar a viabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE Gabriel de Lima Souza, licenciando em Geografia gabriel.geo2010@gmail.com Jessica Damiana Pires Fernandes, licencianda em

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação...

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 2324-00-EIA-RL-0001-01 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 3/4 agosto de 2009

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL PREFEITURA DO MUNICIPIO DE VALINHOS Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MOINHO DE VENTO Condomínio residencial Moinho de Vento

Leia mais

MEIO AMBIENTE - AS 17 LEIS AMBIENTAIS DO BRASIL A legislação ambiental brasileira é uma das mais completas do mundo. Apesar de não serem cumpridas da

MEIO AMBIENTE - AS 17 LEIS AMBIENTAIS DO BRASIL A legislação ambiental brasileira é uma das mais completas do mundo. Apesar de não serem cumpridas da MEIO AMBIENTE - AS 17 LEIS AMBIENTAIS DO BRASIL A legislação ambiental brasileira é uma das mais completas do mundo. Apesar de não serem cumpridas da maneira adequada, as 17 leis ambientais mais importantes

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida. Informações Básicas. Nome da Unidade/Área Protegida Parque Estadual da Ilha Anchieta

Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida. Informações Básicas. Nome da Unidade/Área Protegida Parque Estadual da Ilha Anchieta Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida Parque Estadual da Ilha Anchieta Estado Municipio (s) São Paulo Ubatuba Nome Instituição Gestora

Leia mais

PROPOSTA DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL)

PROPOSTA DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL) PROPOSTA DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL) ESTRADA PARQUE PATANTANAL (EPP) MS CARACTERIZAÇÃO ESTRADA PARQUE PANTANAL (EPP) Com 120 quilômetros, a Estrada Parque Pantanal diferencia-se de uma estrada convencional

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA EXECUTIVA DE MEIO AMBIENTE RECURSOS HIDRICOS INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE - IMA

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA EXECUTIVA DE MEIO AMBIENTE RECURSOS HIDRICOS INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE - IMA ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA EXECUTIVA DE MEIO AMBIENTE RECURSOS HIDRICOS INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE - IMA or. no488/2008-gdp/imalal Maceió, 02 de setembro de 2008. lima. Sra. M~gda Maria de Regina Chambriard

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI Dimensão ambiental e atuação parlamentar Ilidia Juras Suely Araújo Consultoras Legislativas da Área XI SUMÁRIO "Limites da Terra principais problemas ambientais: no mundo no Brasil A atuação parlamentar

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Vista do corte raso da vegetação sob a rede anterior ao Projeto. Unidade de Conservação e formação dos corredores vegetados após implantação do Projeto. Área

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Instituto Floresta Viva Título do projeto: Creation and Implementation of Protected Areas in

Leia mais

Diagnóstico de unidades de conservação no Nordeste brasileiro - presente e futuro: Pernambuco

Diagnóstico de unidades de conservação no Nordeste brasileiro - presente e futuro: Pernambuco 22 Diagnóstico de unidades de conservação no Nordeste brasileiro - presente e futuro: Pernambuco Josué Francisco da Silva Junior 1 1 Pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros, Unidade de Execução de

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

Florestas de Proteção: Áreas Prioritárias para Conservação e Ações para a Preservação das Áreas Protegidas

Florestas de Proteção: Áreas Prioritárias para Conservação e Ações para a Preservação das Áreas Protegidas Florestas de Proteção: Áreas Prioritárias para Conservação e Ações para a Preservação das Áreas Protegidas Fotos: Fundação Araripe Dra. Cecília Costa Depto. De Botänica UFPE cepacosta@yahoo.com.br Perda

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo?

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo? Data: /11/2014 Bimestre: 4 Nome: 7 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 9 1- (0,5) Sobre o ecossistema da caatinga do sertão do Nordeste, responda.

Leia mais

REQUERIMENTO DE INDICAÇÃO Nº, DE 2011 (Da Sra. Deputada Fátima Bezerra e outros)

REQUERIMENTO DE INDICAÇÃO Nº, DE 2011 (Da Sra. Deputada Fátima Bezerra e outros) REQUERIMENTO DE INDICAÇÃO Nº, DE 2011 (Da Sra. Deputada Fátima Bezerra e outros) Requer o envio de Indicação a Sra. Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, sugerindo a criação da Unidade de Conservação

Leia mais

CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 CAPÍTULO 2 O PROCESSO DE LICENCIAMENTO... 17 CAPÍTULO 3 LICENÇAS AMBIENTAIS...

CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 CAPÍTULO 2 O PROCESSO DE LICENCIAMENTO... 17 CAPÍTULO 3 LICENÇAS AMBIENTAIS... S u m á r i o CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 1.1. A percepção do problema e a busca das soluções...5 1.2. As normas de proteção dos recursos naturais...8 1.3. Os instrumentos

Leia mais

RESERVA EXTRATIVISTA DE CANAVIEIRAS

RESERVA EXTRATIVISTA DE CANAVIEIRAS RESERVA EXTRATIVISTA DE CANAVIEIRAS Colônia de Pesca Z-20 Associação de Pescadores de Atalaia Associação de Pescadores de Puxim do Sul Associação de Pescadores dos Campinhos Associação de Pescadores de

Leia mais

Atrativos e Eventos Turísticos: praias de Itaúnas e do Riacho Doce, dunas, festas folclóricas, patrimônio ambiental e educação ambiental.

Atrativos e Eventos Turísticos: praias de Itaúnas e do Riacho Doce, dunas, festas folclóricas, patrimônio ambiental e educação ambiental. 2.8. ATRAÇÕES E PRODUTOS TURÍSTICOS O levantamento de atrações e produtos turísticos da Área de Planejamento representa os alicerces do processo de planejamento turístico que deverá ser desenvolvido para

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

INSTRUÇAO NORMATIVA IBAMA N 04, DE 09 DE MAIO DE 2001

INSTRUÇAO NORMATIVA IBAMA N 04, DE 09 DE MAIO DE 2001 REVOGADA PELA PORTARIA IBAMA N 77/2006 INSTRUÇAO NORMATIVA IBAMA N 04, DE 09 DE MAIO DE 2001 O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, no uso das

Leia mais

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 1 - Projeto: Conhecendo e Protegendo os nossos Manguezais 2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 3 - Órgão Executor: Nome: IDEIA Instituto de Defesa, Estudo

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

Aprova o Plano de Manejo e o Zoneamento da Area de Proteção Ambiental de Coroa Vermelha.

Aprova o Plano de Manejo e o Zoneamento da Area de Proteção Ambiental de Coroa Vermelha. RESOLUÇÃO Nº 1.768 DE 18 DE SETEMBRO DE 1998 Aprova o Plano de Manejo e o Zoneamento da Area de Proteção Ambiental de Coroa Vermelha. O CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - CEPRAM, no uso de suas atribuições

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

decreto n.56.500, de 09.12.2010

decreto n.56.500, de 09.12.2010 Page 1 of 5 DECRETO Nº 56.500, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2010 Cria o Parque Estadual Restinga de Bertioga e dá providências correlatas ALBERTO GOLDMAN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN.

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br);

Leia mais

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 EQUIPE TÉCNICA ENVOLVIDA NOS ESTUDOS EQUIPE TÉCNICA DO EIA 49 profissionais de

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento Dr. Sergius Gandolfi Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento econômico Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

E qual é a nossa realidade???

E qual é a nossa realidade??? E qual é a nossa realidade??? Área urbana invadindo a beira de rio MUNIC 2012 - Dos 366 municípios que declararam sofrer problemas de deslizamento de terra, 25% também declararam ter como causa da degradação

Leia mais

APARECIDA DE GOIÂNIA, DE DE 2016

APARECIDA DE GOIÂNIA, DE DE 2016 APARECIDA DE GOIÂNIA, DE DE 2016 ALUNO(A) : SÉRIE: 6º ano TURNO: Matutino PROFESSOR(A): Lindinaldo Torres Lista de Ciências 1º Bimestre Questão 1- A devastação da Mata Atlântica teve início quando: Data

Leia mais

369 SENDI 2.004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

369 SENDI 2.004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 369 SENDI 2.004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Unidades de Conservação Ambiental e Sistemas Elétricos de Distribuição: Práticas para Convivência Harmoniosa A. V. C. Oliveira

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

LEI Nº 3.739, DE 07/11/2013.

LEI Nº 3.739, DE 07/11/2013. LEI Nº 3.739, DE 07/11/2013. ALTERA A CATEGORIA DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO RESERVA ECOLÓGICA DOS MANGUEZAIS PIRAQUÊ-AÇU E PIRAQUÊ- MIRIM PARA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL PIRAQUÊ-AÇU

Leia mais

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo Apresentação FIESP Os Múltiplos Usos do Mar e a Atividade Pesqueira A Pesca Industrial no Estado de São Paulo PESCA INDUSTRIAL ATIVIDADE REGULAMENTADA LICENCIADA NÃO CRIMINOSA TIPOS DE PESCA A pesca industrial

Leia mais

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Proteção e Conservação Ivone Satsuki Namikawa Fier Coordenadora P&D, Qualidade e Ambiência Florestal Novembro/2008 Klabin Klabin: uma empresa líder

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE. CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COEMA Câmara Técnica Especial PROCESSO

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais