O PAPEL DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA E DOS PARLAMENTOS NACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DO ACORDO DE COTONOU 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA E DOS PARLAMENTOS NACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DO ACORDO DE COTONOU 1"

Transcrição

1 O PAPEL DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA E DOS PARLAMENTOS NACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DO ACORDO DE COTONOU 1 SEMINÁRIO O Acordo de Cotonou Inovações e desafios. 16 e 17 de Junho de 2003 ASSEMBLEIA NACIONAL Luanda Angola 1 BORNITO DE SOUSA, Advogado e Assistente nas Faculdades de Direito da Universidade Agostinho Neto e da Universidade Católica de Angola. Ex-Vice Presidente da Assembleia Paritária ACP-UE.

2 2 O PAPEL DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA E DOS PARLAMENTOS NACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DO ACORDO DE COTONOU INTRODUÇÃO Substituindo o anterior Acordo de Lomé, foi assinado a 23 de Junho do ano 2000, depois de longas e delicadas negociações, o Acordo de Cotonou 2 entre a Comunidade Europeia e seus Estados-membros (UE), por um lado, e os Estados da África, Caraíbas e Pacifico (ACP) 3, por outro. O objectivo do Acordo 4 e promover e acelerar o desenvolvimento económico, cultural e social dos Estados ACP, a fim de contribuírem para a paz e a segurança e promoverem um contexto político estável e democrático com prioridade para a redução e erradicação da pobreza, tendo em vista o desenvolvimento sustentável e a integração progressiva dos países ACP na economia mundial. São partes intervenientes na cooperação no âmbito do Acordo, as autoridades políticas (locais, nacionais e regionais) e os intervenientes ou actores não estatais como o sector privado, os parceiros económicos e sociais (nomeadamente os sindicatos) e a sociedade civil 2 Consultar na Internet: e 3 Timor-Leste foi admitido a 13 de Maio de 2003 como o 79. membro do grupo de Países ACP e Cuba tem o estatuto de Observador. 4 Cfr. Art. 1 do Acordo de Cotonou.

3 3 (organizações comunitárias e organizações não governamentais sem fins lucrativos). 5 O Acordo define as suas instituições. 6 São elas o Conselho de Ministros, o Comité de Embaixadores e a Assembleia Parlamentar Paritária. O Conselho de Ministros e composto por um membro de cada Estado ACP, por um lado, e por membros do Conselho da União Europeia (Conselho) e da Comissão das Comunidades Europeias (Comissão). O Comité de Embaixadores e composto pelos Embaixadores dos Estados ACP junto da União Europeia, por um lado, e por um representante da Comissão e pelos representantes permanentes dos Estados-membros junto da União Europeia, por outro. A ate então denominada Assembleia Paritária foi no quadro do Acordo substituída por uma assembleia parlamentar consultiva: a Assembleia Parlamentar Paritária ACP-UE (APP) que e o centro da presente comunicação. O Acordo de Cotonou foi concluído para vigorar por um período de 20 anos a contar do dia 1 de Marco do ano 2000 e depois de ratificado por pelo menos dois terços dos Estados ACP e todos os Estados da União Europeia. 7 Isso 5 Cfr. Art. 6 do Acordo. 6 Cfr. Arts. 14, 15, 16 e 17 do Acordo. 7 Cfr. Arts. 93 e 95 do Acordo.

4 4 veio a acontecer no dia 1 de Abril do corrente ano, coincidentemente enquanto decorria a Quinta Sessão da APP em Brazavil, Republica do Congo. A NOVA ESTRUTURA DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITARIA ACP-UE Voltando `a Assembleia Parlamentar Paritária, a sua nova estrutura esta regulada pelo Artigo 17 do Acordo e em linhas gerais estabelece o seguinte: a) A sua composição, a qual integra em numero igual, membros do Parlamento Europeu ou Euro- Deputados, por um lado, e Deputados (um por Estado) ou, na sua falta, representantes indicados pelos Parlamentos dos Estados ACP 8, por outro; b) A periodicidade das suas reuniões (semestral), alternadamente num Estado ACP e na União Europeia; 9 c) A previsão de reuniões paritárias a nível regional 10 ou sub-regional; d) O dialogo com os parceiros económicos e sociais e a sociedade civil; e) A competência da Assembleia Parlamentar Paritária: 8 A participação, sem direito a voto, de representantes de Estados ACP que não tenham Parlamento e decidida pelo plenário da APP. 9 As reuniões na União Europeia tinham inicialmente lugar nas instituições da União e do Parlamento Europeu (Bruxelas, Luxemburgo e Estrasburgo). Decidiu-se recentemente passar a realiza-las no Estado que no momento presidir a União Europeia. Assim, a Sexta Sessão deve ter lugar em Roma (Itália). 10 Para esse efeito, os Estados ACP estão agrupados em seis regiões: África Austral, África Central, África Oriental, África Ocidental, Caraíbas e Ilhas do Pacifico.

5 5 i. promover os processos democráticos, através do dialogo e de consultas; ii. sensibilizar a opinião publica para as questões de desenvolvimento; iii. contribuir para maior compreensão entre os povos dos dois grupos de Estados; iv. debater questões relativas ao desenvolvimento e `a parceria; v. apresentar recomendações relacionadas com os objectivos do Acordo. Antes mesmo da entrada em vigor do Acordo, a Assembleia Parlamentar Paritária aprovou o Regimento Interno que desenvolve a regulamentação sobre a sua estrutura e funcionamento. 11 O Regimento dispõe nomeadamente sobre: a) A composição da APP, já atras referida; b) A Mesa ou Bureau da APP integrada por dois Co- Presidentes 12 e por vinte e quatro Vice-Presidentes designados por um ano, sendo metade por cada um dos dois grupos (ACP e UE); c) As línguas oficiais (o alemão, o dinamarquês, o espanhol, o finlandês, o francês, o grego, o inglês, o italiano, o neerlandês ou holandês, o português e o sueco) 13 ; 11 A 21 de Marco de 2002, na Cidade do Cabo, durante a Quarta Sessão, quando o Acordo apenas o exige ate seis meses após a sua entrada em vigor. 12 Os actuais Co-Presidentes são o Sr. Adrien Houngbedji (Benin), pelo lado ACP e a Sra. Glennys Kinnock (Grã-Bretanha), pelo lado Europeu. 13 Será curioso adivinhar o que se passaria com o alargamento da União Europeia não fossem as tecnologias modernas já permitem a negação do episódio bíblico da Torre de babel.

6 6 d) O Secretariado constituído pelo Secretário-Geral do Secretariado ACP e o Secretario Geral do Parlamento Europeu; e) O Relator-Geral designado anualmente e alternado entre os ACP e os Euro-Deputados; f) O titulo de Presidente Honorário da APP que pode ser outorgado a antigos Co-Presidentes; g) As Comissões Parlamentares Permanentes; h) As Comissões ad-hoc e os Painéis ou Ateliers de Reflexão sobre temas específicos; i) As Missões de Informação e de Estudo; j) As Consultas `a sociedade civil e aos parceiros sociais; k) As Perguntas ao Conselho de Ministros e à Comissão Europeia com pedido de resposta escrita ou oral; l) Os Observadores e Convidados, nomeadamente do CTA (Centro Técnico de Cooperação Agrícola) e do CDE (Centro para o Desenvolvimento das Empresas) 14 ; e m) As Actas das reuniões Outros Observadores tem sido os representantes da União Africana, da CEDEAO/ECOWAS, dos Estados membros do grupo ACP, do Comité de Embaixadores e dos Parceiros económicos e sociais. 15 São publicadas no Jornal Oficial das Comunidades Europeias e na Internet.

7 7 A SESSAO PLENARIA DA APP - Um complexo de reuniões e iniciativas Já atras se referiu que a Assembleia Parlamentar Paritária reúne duas vezes por ano, alternadamente num Estado do grupo ACP e num Estado da União Europeia. As reuniões semestrais tem lugar geralmente em Marco/Abril e Outubro/Novembro de cada ano. Mas longe de uma única, a Sessão Plenária da APP e na realidade um complexo de reuniões e de iniciativas conexas. A titulo de exemplo, a participação da Assembleia Nacional de Angola numa Plenária da APP geralmente compreende também as seguintes reuniões e actividades, umas anteriores e outras em simultâneo, o que obriga muitas vezes `a divisão dos membros da delegação: a) Reuniões de concertação entre os membros ACP da APP; b) Reuniões de concertação entre os membros ACP da Mesa (Bureau) conjunto ACP-UE (rotativo); c) Reuniões de concertação entre os membros da Região África Austral; d) Reuniões de concertação entre os membros da Região África Central (Angola e observador); e) Reuniões do Comité de Redacção (rotativo); f) Reuniões de negociação bilateral e multilateral dos Projectos de Resolução, nomeadamente sobre a região África Austral e Angola;

8 8 g) Reuniões dos Painéis ou Ateliers sobre temas específicos da região onde se realiza a Sessão; h) Reuniões das Comissões Parlamentares Permanentes; i) Reunião do Fórum de Mulheres Parlamentares; j) Reunião informal dos grupos de famílias partidárias; e k) Programa social e cultural. De um modo geral, os Ante-Projectos das Resoluções bem como as Perguntas ao Conselho de Ministros e `a Comissão Europeia devem ser remetidos com cerca de um mês de antecedência sobre a data da reunião. Por sua vez, o Comité de Embaixadores da região, funciona em Bruxelas como um pivot na preparação dos documentos a serem submetidos `as Sessões Plenárias. Para se ter uma ideia mais concreta, passamos a indicar os principais assuntos apreciados durante a Quinta Sessão da APP realizada de 31 de Marco a 3 de Abril em Brazavil e inaugurada pelo Presidente Sassou Nguesso: Debate sobre a situação nos Grandes Lagos; Apreciação da situação nas diferentes regiões (de África, Caraíbas, Pacifico e União Europeia) e países (Zimbabwe); Perguntas ao Conselho e `a Comissão; Informação sobre o acompanhamento da execução das Resoluções adoptadas na Sessão Planaria anterior; Negociações sobre o Comercio (Doha e Cancun);

9 9 Relatório da actividade dos Parceiros económicos e sociais; Temas relacionados com a cooperação no quadro do Acordo: o O Tribunal Penal Internacional; o A Nova parceria para o desenvolvimento de África (NEPAD); e o A evolução das deliberações da Cimeira de Joanesburgo. Painéis sobre temas específicos: o Protecção do ambiente e a navegação sobre o Rio Congo; o Questões ambientais relacionadas com a exploração do Petróleo; e o Paz, prevenção e resolução de conflitos. Como regra, o tempo de intervenção por cada orador e de 5 minutos para a apresentação de um assunto, 3 minutos durante os debates e 2 minutos para uma conclusão ou observação adicional. E interessante apreciar a celeridade do processo de votação final dos documentos submetidos `a consideração da Assembleia Parlamentar.

10 10 O TRABALHO DAS COMISSOES PERMANENTES O Regimento Interno 16 institui 3 Comissões Permanentes da APP com as atribuições que a seguir se indicam: 1. COMISSAO DE ASSUNTOS POLITICOS, competente sobre: a. O dialogo político e o desenvolvimento institucional; b. Os direitos humanos, a democracia e a boa governação; c. A paz e a prevenção e resolução de conflitos; d. A migração; e e. As relações entre a APP e as organizações internacionais. 2. COMISSAO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONOMICO, FINANCAS E COMERCIO, competente sobre: a. O desenvolvimento económico e a cooperação comercial; b. As reformas macro-económicas e estruturais, o desenvolvimento sectorial e o turismo; c. Os novos acordos comerciais ACP-UE, o acesso ao mercado e a integração dos Estados ACP na economia mundial; 16 Cfr. Art. 15 do Regimento Interno.

11 11 d. O comercio e as normas do trabalho; e. O desenvolvimento rural, a pesca e a segurança alimentar; f. A cooperação para o financiamento do desenvolvimento; e g. O acompanhamento da execução do Fundo de Desenvolvimento Europeu (FED). 3. COMISSAO DOS ASSUNTOS SOCIAIS E DO AMBIENTE, competente sobre: a. O desenvolvimento social e humano; b. As infra-estruturas e os serviços sociais (incluindo a saúde e a educação); c. A cultura e a juventude; d. A igualdade de género (sexo); e e. O ambiente e os recursos naturais. Angola é membro da Comissão Política onde representa a região da África Austral, a par da Namíbia e do Zimbabwe. A região e ainda representada na Comissão Económica pela África do Sul, o Botswana, a Swazilândia, a Tanzânia e a Zâmbia e na Comissão Social pelo Lesoto, o Malawi e Moçambique. A primeira reunião das Comissões Permanentes que deveria ter lugar durante a Sessão Plenária de Brazavil foi adiada para o dia 10 de Julho do corrente ano, em Bruxelas.

12 12 Essas reuniões constitutivas vão sobretudo eleger os órgãos das Comissões (Co-Presidentes, Vice-Presidentes e Co- Relatores) e preparar os respectivos Programas de trabalho. O ACORDO, A ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA, OS PARLAMENTOS NACIONAIS E REGIONAIS E OS PROBLEMAS POLÍTICOS Uma das tarefas de destaque do Acordo de Cotonou e o apoio as reformas políticas, institucionais e legislativas. 17 O Acordo afirma os Princípios democráticos reflectidos no sistema constitucional, legislativo e regulamentar como base da legitimidade do Estado e da legalidade das suas acções, estimulando a criação de mecanismos de participação. E nesse quadro que se inserem os programas como os que a Assembleia Nacional tem vindo a beneficiar e também a previsão do apoio a realização de iniciativas parlamentares regionais como, no caso de Angola, o Fórum Parlamentar da SADC. A Assembleia Parlamentar Paritária tem vindo a ter uma importante intervenção política, nomeadamente em dossiers relacionados com a observação eleitoral, a prevenção e solução de conflitos, as negociações relacionadas com o Acordo e, em geral, o dialogo político no seu seio. 17 Cfr. nr. 4 do Art. 9 do Acordo.

13 13 A própria APP acabou por cancelar a Quinta Sessão programada para Novembro de 2002 em Bruxelas, por desacordos políticos e procedimentais em relação a uma medida adoptada pelo Parlamento Europeu que impedia a participação dos representantes do Parlamento do Zimbabwe. Por outro lado, foram, por exemplo, exaustivos os debates em torno da definição da noção de boa governação que acabou acolhida no nr. 3 do artigo 9 do Acordo. Assim como foi chocante a constatação evidenciada durante a Quarta Sessão, na cidade do Cabo, pela Co-Presidentes Glennys Kinnock, segundo a qual muitos milhares de cidadãos dos Estados ACP vivem com menos de 1 dólar por dia enquanto na Europa se paga um subsidio diário de 2 dólares por cada vaca e se deitam for a alimentos preciosos para manter os padrões estabelecidos pelas políticas agrícolas europeias. As implicações da globalização são outro importante item político para a Assembleia Parlamentar Paritária. De qualquer modo, o Acordo e claro em relação ao facto de que o respeito dos direitos humanos, o Estado de direito, um sistema de governo transparente e responsabilizável e a boa governação devem presidir `as políticas internas e externas das partes signatárias e constituem um elemento fundamental de Cotonou.

14 14 Fazemos votos para que o alargamento da Europa e a eventual aprovação da Constituição da União Europeia não representem um sacrifício dos objectivos do Acordo de Cotonou e, sobretudo, dos povos dos Estados ACP. CONCLUSAO Em associação com os demais membros da Assembleia Parlamentar Paritária, o Parlamento de Angola deve continuar a jogar um papel importante na implementação do Acordo de Cotonou. Uma melhor articulação entre o Parlamento e o Governo, através do Grupo Inter-Parlamentar Angolano e do Ordenador Nacional 18, respectivamente, pode constituir uma mais valia para esse desiderato. Por fim, não e despropositado que Angola comece a considerar acolher uma das próximas Sessões Plenárias da Assembleia Parlamentar Paritária. A atenção que Angola sempre mereceu da parte dessa instituição e dos seus membros durante os tempos conturbados do conflito, recomendam a recepção dos parceiros ACP e europeus para testemunhares os frutos, o exemplo e as vantagens da Paz, reflectidos no belíssimo quadro recentemente oferecido para ficar exposto na chamada Maison ACP em Bruxelas. Tenho dito. 18 Em Angola o Ordenador Nacional é o Ministro do Planeamento.

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA Proposta ****** Art. 1 Denominação e natureza 1. É constituída A Rede de Parlamentares

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA Considerando o Relatório sobre os Trabalhos da Convenção sobre o Futuro da Europa e sobre o Projecto de Tratado que estabelece uma Constituição

Leia mais

Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC

Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC 1 DECLARAÇÃO PREÂMBULO NÓS, os Chefes de Estado e de Governo ou os Representantes devidamente Autorizados

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ----- ENTRE ----- A REPÚBLICA DE ANGOLA, A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPÚBLICA DE CABO VERDE, A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU, A REPÚBLICA

Leia mais

O Funcionamento do Triângulo Institucional

O Funcionamento do Triângulo Institucional Construção da União Europeia O Funcionamento do Triângulo Institucional 25 de Junho de 2009 Centro de Informação Europeia 1 1 Como funciona a União Europeia? O sistema político da União Europeia tem vindo

Leia mais

1. Orientações para os debates das Mesas-Redondas...3

1. Orientações para os debates das Mesas-Redondas...3 WORLD HEALTH ORGANIZATION REGIONAL OFFICE FOR AFRICA ORGANISATION MONDIALE DE LA SANTE BUREAU REGIONAL DE L AFRIQUE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL AFRICANO COMITÉ REGIONAL AFRICANO Quinquagésima-primeira

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL DA II REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

DECLARAÇÃO FINAL DA II REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA DECLARAÇÃO FINAL DA II REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Os Ministros responsáveis pela Ciência e Tecnologia da República de Angola,

Leia mais

REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Aprovado na VII Reunião da Conferência de Ministros da Juventude e do Desporto da Comunidade

Leia mais

Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana. Sétima Sessão Plenária Ordinária de Março de Parlamento Grego.

Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana. Sétima Sessão Plenária Ordinária de Março de Parlamento Grego. Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana Sétima Sessão Plenária Ordinária 27-29 de Março de 2014 Parlamento Grego Atenas (Grécia) Projeto de Programa (versão de 7 de Março de 2014) PT 1/7 PT PRAZOS

Leia mais

III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP

III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP Díli, 18 de maio de 2016 DECLARAÇÃO DE DÍLI Os Ministros dos Assuntos do Mar da CPLP ou seus representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde,

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO INTRODUÇÃO Em obediência ao despacho de missão número 0164/03/GPAN/2013, exarado por Sua Excelência

Leia mais

Ana Dias Lourenço. Formação básica em Economia e formação complementar em Gestão de Projectos e Análise e Avaliação de Projectos.

Ana Dias Lourenço. Formação básica em Economia e formação complementar em Gestão de Projectos e Análise e Avaliação de Projectos. Ana Dias Lourenço Ana Afonso Dias Lourenço formou--se em Economia na Universidade de Angola e fez a sua formação complementar na área de Gestão de Projectos e Análise e Avaliação de Projectos. Entre outros

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Regulamento da Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Artigo 1º Objecto O presente regulamento define o processo de organização e funcionamento da Plataforma supraconcelhia do Tâmega, abreviadamente designada

Leia mais

Oportunidades na Cooperação. A União Europeia e a cooperação para o desenvolvimento nos países ACP

Oportunidades na Cooperação. A União Europeia e a cooperação para o desenvolvimento nos países ACP Oportunidades na Cooperação A União Europeia e a cooperação para o desenvolvimento nos países ACP Primeira empresa de consultoria em assuntos europeus com escritório em Bruxelas. - Public Affairs (Intelligence,

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Novembro de 2016 I - IDENTIFICAÇÃO Nome - RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Estado civil - Casado Naturalidade - Luanda Nacionalidade - Angolana Data de nascimento

Leia mais

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Março 2011 I - IDENTIFICAÇÃO Nome - RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Estado civil - Casado Naturalidade - Luanda Nacionalidade - Angolana Data de nascimento - 21 de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA Preâmbulo Considerando que os órgãos de poder local constituem a fonte mais próxima da soberania estatal junto dos cidadãos, reconhecidos como os

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Palmela Nota Justificativa Reconhecendo: 1. A juventude como força motriz do desenvolvimento de uma comunidade, região, país, através das suas múltiplas

Leia mais

ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE 14 15 DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE Por : Manuel MAIDI Abolia, Chefe do Departamento de Produção, Tecnologia e Industria Animal do ISV 1 -

Leia mais

Balanço dos Compromissos Políticos do Governo de Moçambique. Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 10 e 11 de Abril de 2013

Balanço dos Compromissos Políticos do Governo de Moçambique. Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 10 e 11 de Abril de 2013 Balanço dos Compromissos Políticos do Governo de Moçambique Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 10 e 11 de Abril de 2013 1 1 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO COMÉRCIO

CONSELHO NACIONAL DO COMÉRCIO CONSELHO NACIONAL DO COMÉRCIO Dia:17/11/2015 Cidade do Mindelo Cabo verde Amilcar Aristides Monteiro - Diretor Geral - Direção Geral da Indústria e Comércio (DGIC) AGENDA TIMELINE 1976 Integração na Comunidade

Leia mais

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 Deliberação n.º 83 /2015 Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 A CIC Portugal 2020, na reunião ordinária de 21 de dezembro de 2015, deliberou, nos temos da alínea q) do n.º 2 do artigo 10.º do Decreto-Lei

Leia mais

Junto se envia, à atenção das delegações, a versão desclassificada do documento referido em epígrafe.

Junto se envia, à atenção das delegações, a versão desclassificada do documento referido em epígrafe. Conselho da União Europeia Bruxelas, 22 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6424/01 DCL 1 PROBA 7 DESCLASSIFICAÇÃO do documento: 6424/01 CONFIDENTIEL data: 22 de fevereiro de 2001 novo estatuto: Assunto: Público

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.africa-union.org CONSELHO EXECUTIVO Décima Segunda Sessão Ordinária

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA PARA A DEMOCRACIA PELO DIREITO (COMISSÃO DE VENEZA) ESTATUTO DA CONFERÊNCIA MUNDIAL DE JUSTIÇA CONSTITUCIONAL

COMISSÃO EUROPEIA PARA A DEMOCRACIA PELO DIREITO (COMISSÃO DE VENEZA) ESTATUTO DA CONFERÊNCIA MUNDIAL DE JUSTIÇA CONSTITUCIONAL Bucareste, 23 de Maio de 2011 CDL-WCCJ(2011)001 COMISSÃO EUROPEIA PARA A DEMOCRACIA PELO DIREITO (COMISSÃO DE VENEZA) ESTATUTO DA CONFERÊNCIA MUNDIAL DE JUSTIÇA CONSTITUCIONAL 23 de Maio de 2011 - 2 -

Leia mais

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Criado em 1979, pelo Decreto-Lei nº 513-L1/79, de 27 de Dezembro, então como Conselho Coordenador da Instalação dos Estabelecimentos de Ensino

Leia mais

Mesa-redonda Internacional de Doadores. sobre a Guiné-Bissau. Intervenção do Embaixador Murade Murargy. Secretário Executivo da CPLP

Mesa-redonda Internacional de Doadores. sobre a Guiné-Bissau. Intervenção do Embaixador Murade Murargy. Secretário Executivo da CPLP Mesa-redonda Internacional de Doadores sobre a Guiné-Bissau Bruxelas, 25 de Março de 2015 Intervenção do Embaixador Murade Murargy Secretário Executivo da CPLP Eximo. Senhor Primeiro-ministro da República

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL Síntese do Workshop Nacional sobre o Projecto de Centros de Excelência do Ensino Superior para África

Leia mais

PROJECTO PROVISÓRIO DO PROGRAMA DE TRABALHO. Tema: Materializar o Potencial de África como um Pólo de Crescimento Global

PROJECTO PROVISÓRIO DO PROGRAMA DE TRABALHO. Tema: Materializar o Potencial de África como um Pólo de Crescimento Global ` CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL DAS NAÇÕES UNIDAS COMISSÃO ECONÓMICA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA ÁFRICA Trigésima Primeira reunião do Comité de Peritos Reunião do Comité de Peritos da 5ª Reunião Anual Conjunta

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

Senhor Presidente do Supremo Tribunal. Senhoras e Senhores Vice-Presidentes da. Senhora Procuradora-Geral da República,

Senhor Presidente do Supremo Tribunal. Senhoras e Senhores Vice-Presidentes da. Senhora Procuradora-Geral da República, Senhor Presidente do Supremo Tribunal Administrativo, Senhores Ministros, Senhoras e Senhores Vice-Presidentes da Assembleia da República, Senhora Procuradora-Geral da República, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

O CESE e a América Latina

O CESE e a América Latina O CESE e a América Latina Comité Comité économique Económico et e Social social Europeu européen As relações entre o CESE e a América Latina Há mais de dez anos que as relações do CESE com a América Latina

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor)

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor) ASSEMBLEIA NACIONAL Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional Artº. 1º (Aprovação) É aprovado ao abrigo da alínea c) do nº 1 do artº. 30º do Regimento da Assembleia Nacional o

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga;

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga; REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE BRAGA A lei n.º 33/98, de 18 de Julho veio criar os conselhos municipais de segurança que, segundo a terminologia utilizada pelo legislador, são entidades

Leia mais

IX REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Díli, 24 de maio de 2016 DECLARAÇÃO FINAL

IX REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Díli, 24 de maio de 2016 DECLARAÇÃO FINAL IX REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Díli, 24 de maio de 2016 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Educação, ou seus Representantes, da República de Angola, da

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades 16 de Dezembro de 2002 PE 323.514/1-49 ALTERAÇÕES 1-49 Projecto de relatório (PE 323.514) Lissy Gröner sobre

Leia mais

Luanda, 14 de Junho de 2016 EXCELÊNCIAS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO, SENHOR SECRETÁRIO-GERAL, SENHORES MINISTROS, DISTINTOS DELEGADOS,

Luanda, 14 de Junho de 2016 EXCELÊNCIAS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO, SENHOR SECRETÁRIO-GERAL, SENHORES MINISTROS, DISTINTOS DELEGADOS, DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, POR OCASIÃO DA 6ª CIMEIRA ORDINÁRIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE

Leia mais

Conclusões. II Conferência de Ministros de Turismo da CPLP

Conclusões. II Conferência de Ministros de Turismo da CPLP Conclusões II Conferência de Ministros de Turismo da CPLP Na sequência de uma decisão da VIII Reunião Ordinária do Conselho de Ministros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, que se reuniu em Coimbra

Leia mais

Milénio (em particular do Objectivo 8), enquanto consenso internacional para a política

Milénio (em particular do Objectivo 8), enquanto consenso internacional para a política Introdução Esta dissertação procura explorar a importância dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (em particular do Objectivo 8), enquanto consenso internacional para a política de cooperação para

Leia mais

1. A Conferência dos Presidentes dos Parlamentos da União Europeia

1. A Conferência dos Presidentes dos Parlamentos da União Europeia PARLAMENTO FEDERAL DA BÉLGICA Conferência dos Presidentes dos Parlamentos da União Europeia Bruxelas, 4 e 5 de Abril de 2011 Observações preliminares CONCLUSÕES DA PRESIDÊNCIA ****** 1 A Conferência dos

Leia mais

O que é a União Europeia (UE)?

O que é a União Europeia (UE)? O que é a União Europeia (UE)? 28 Estados-Membros Mais de 500 milhões de habitantes Atuais candidatos à adesão à UE: Albânia, antiga República Iugoslava da Macedônia, Montenegro, Sérvia e Turquia Tratados

Leia mais

O TRATADO DE LISBOA OS PARLAMENTOS NACIONAIS. Assembleia da República Comissão de Assuntos Europeus

O TRATADO DE LISBOA OS PARLAMENTOS NACIONAIS. Assembleia da República Comissão de Assuntos Europeus O TRATADO DE LISBOA E OS PARLAMENTOS NACIONAIS O TRATADO DE LISBOA E OS PARLAMENTOS NACIONAIS O Tratado de Lisboa consagra os Parlamentos nacionais como garante do bom funcionamento da UE (artigo 12.º

Leia mais

Direito da Economia. Programa

Direito da Economia. Programa Docente: Profa. Maria Eduarda Gonçalves e-mail: mebg2009@gmail.com mebg@iscte.pt Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Licenciatura em Direito 2010/2011 Direito da Economia Programa 15 de

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO MEMORANDO DE ENTENDIMENTO Sob o Alto Patrocínio do MINISTRO DA ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE Ti MOR-LESTE e da MINISTRA DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL DE PORTUGAL É OUTORGADO:

Leia mais

Apresentação do programa Parlamento dos Jovens. 1. Objetivos do Programa

Apresentação do programa Parlamento dos Jovens. 1. Objetivos do Programa Apresentação do programa Parlamento dos Jovens O Parlamento dos Jovens é uma iniciativa institucional da Assembleia da República, desenvolvida ao longo do ano letivo com as Escolas de todo o país, em que

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos,

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Excelentíssima Primeira-Dama da República de Angola, Drª Ana Paula dos Santos, Excelentíssimo Senhor Vice-Presidente

Leia mais

ASSEMBLEIA EUROLAT POR UMA VERDADEIRA PARCERIA ESTRATÉGICA COM A AMÉRICA LATINA

ASSEMBLEIA EUROLAT POR UMA VERDADEIRA PARCERIA ESTRATÉGICA COM A AMÉRICA LATINA ASSEMBLEIA EUROLAT POR UMA VERDADEIRA PARCERIA ESTRATÉGICA COM A AMÉRICA LATINA EUROLAT, UMA ASSEMBLEIA COM VOCAÇÃO DE FUTURO A Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana foi criada na Cimeira de Viena

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Exploração, desenvolvimento e manutenção de uma rede europeia de observação e de dados do meio marinho 2016/S

Bélgica-Bruxelas: Exploração, desenvolvimento e manutenção de uma rede europeia de observação e de dados do meio marinho 2016/S 1 / 8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:176449-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Exploração, desenvolvimento e manutenção de uma rede europeia de observação

Leia mais

Estatutos. Associacão de linguística das Universidades da SADC (LASU)

Estatutos. Associacão de linguística das Universidades da SADC (LASU) Estatutos da Associacão de linguística das Universidades da SADC (LASU) PREÂMBULO Nós, os representantes das Universidades dos países membros da SADC reunidos no Great Hall, Chancellor College (Sala dos

Leia mais

Conselho das Comunidades Portuguesas

Conselho das Comunidades Portuguesas Regulamento Interno do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Norte Aprovado nos termos do número 3 do artigo 39.º-A e do número 1 do artigo 39.º-C da Lei n.º 66- A/2007, de 11 de

Leia mais

PROGRAMA DE DIREITO DA INTEGRAÇÃO ECONÓMICA

PROGRAMA DE DIREITO DA INTEGRAÇÃO ECONÓMICA Licenciatura de Direito em Língua Portuguesa PROGRAMA DE DIREITO DA INTEGRAÇÃO ECONÓMICA 4º ANO ANO LECTIVO 2011/2012 1 ELEMENTOS DE ESTUDO Bibliografia Básica: João Mota de Campos e João Luíz Mota de

Leia mais

INTRODUÇÃO. O Tratado de Maastricht:

INTRODUÇÃO. O Tratado de Maastricht: O Tratado de Maastricht: INTRODUÇÃO Foi assinado em Maastricht a 7 de Fevereiro 1992 na cidade Maastricht (Holanda), entra em vigor a 1 de Novembro de 1993 e resultou de factores externos e internos. INTRODUÇÃO

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro Intervenção de Sua Excelência Georges Rebelo Pinto Chikoti, Ministro das Relações Exteriores, na Reunião de Alto Nível do Comité

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS)

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) Preâmbulo A Resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro, visa a criação e implementação do Programa. Esta é uma mediada da política social activa, que tem como objectivo desenvolver parcerias

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO 2015 Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL Relatório Anual 2015 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO PO MAR 2020 ANO DE 2015 CCI: 2014PT14MFOP001 PROGRAMA OPERACIONAL: PROGRAMA OPERACIONAL

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA 15 de Outubro de 2009 Sr. as e Srs. Deputados: Como Presidente eleito da Assembleia da República,

Leia mais

Regulamento da CALRE

Regulamento da CALRE Regulamento da CALRE TÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS ARTIGO 1 NOME E DURAÇÃO 1. CALRE designa Conferência das Assembleias Legislativas Regionais da União Europeia (UE). Os/as Presidentes representam as suas

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA ENTRE OS ESTADOS DE ÁFRICA, DAS CARAÍBAS E DO PACÍFICO E A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS MEMBROS.

ACORDO DE PARCERIA ENTRE OS ESTADOS DE ÁFRICA, DAS CARAÍBAS E DO PACÍFICO E A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS MEMBROS. Resolução da Assembleia da República n.º 25-A/2002 Acordo de Parceria entre os Estados de África, das Caraíbas e do Pacífico e a Comunidade Europeia e os Seus Estados Membros, bem como os seus anexos,

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

UE e os países de língua portuguesa.

UE e os países de língua portuguesa. UE e os países de língua portuguesa http://dossiers.eurocid.pt/lusofonia Índice Língua Demografia do português UE e língua portuguesa UE e países de língua portuguesa Dossiê eletrónico Língua ( ) todas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS 20º Encontro de Lisboa com as Delegações dos Bancos Centrais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor Leste à Assembleia Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial 04

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:147732-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Organização e gestão de eventos (lote 1) e/ou produção de material promocional

Leia mais

The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio)

The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio) The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio) VISÃO GERAL A Rede da África Austral para Biociências (SANBio) é uma plataforma de partilha de pesquisa, desenvolvimento e inovação para colaboração

Leia mais

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO Capítulo I Objetivos, data e local de realização Artigo 1.º Objetivos O Congresso tem como objetivos pronunciar-se sobre o exercício da solicitadoria, sobre questões

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Materiais descartáveis para a restauração 2016/S Anúncio de concurso. Fornecimentos

Luxemburgo-Luxemburgo: Materiais descartáveis para a restauração 2016/S Anúncio de concurso. Fornecimentos 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:188208-2016:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Materiais descartáveis para a restauração 2016/S 106-188208 Anúncio

Leia mais

Seguimento da última Conferência dos Ministros Africanos de Economia e Finanças (CAMEF II)

Seguimento da última Conferência dos Ministros Africanos de Economia e Finanças (CAMEF II) Distr.: Geral Data: 10 de Março 2008 COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA Terceira Sessão de CAMEF Primeira Reunião Conjunta Anual da Conferência da UA de Ministros de Economia e Finanças e Conferência da CEA de

Leia mais

A República Portuguesa e a República de Cuba, adiante denominadas «Partes»:

A República Portuguesa e a República de Cuba, adiante denominadas «Partes»: Decreto n.º 41/98 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação na Prevenção do Uso Indevido e Repressão do Tráfico Ilícito de Estupefacientes e Substâncias Psicotrópicas,

Leia mais

Apreciação inicial da PPL n g 10/111(2 2 ) - Secretariado Tecnico de Pós CAVR

Apreciação inicial da PPL n g 10/111(2 2 ) - Secretariado Tecnico de Pós CAVR Comissão de Assuntos Constitucionais, Justiça, Administração Pública, Poder Local e Anti-Corrupção (A) No Dias Horas Entidades convidadas Assuntos Sala - Presidência da República Apreciação inicial da

Leia mais

REGULAMENTO DAS MISSÕES DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL DA COPA

REGULAMENTO DAS MISSÕES DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL DA COPA REGULAMENTO DAS MISSÕES DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL DA COPA ARTIGO 1. OBJETIVOS REGULAMENTO DAS MISSÕES DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL DA COPA As missões de observação eleitoral da Confederação Parlamentar das Américas

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Correio(s) electrónico(s) Maria Neves Rua do Passal, Nº 46, 1º D, 9500-096 Ponta Delgada Telemóvel 936602762 / 926592751

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

ESCOLA E. B. 2,3 DE CADAVAL. Regimento do Departamento de Línguas. Artigo 1º Objecto. Artigo 2º Aplicação

ESCOLA E. B. 2,3 DE CADAVAL. Regimento do Departamento de Línguas. Artigo 1º Objecto. Artigo 2º Aplicação ESCOLA E. B. 2,3 DE CADAVAL Regimento do Departamento de Línguas Artigo 1º Objecto O presente regimento define a composição e as normas de funcionamento do Departamento de Línguas. Artigo 2º Aplicação

Leia mais

Senhores Membros do Congresso Nacional,

Senhores Membros do Congresso Nacional, Mensagem n o 691 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas Excelências,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM (2014)23 Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à exploração e à produção de hidrocarbonetos (designadamente gás xisto) na UE mediante fracturação hidráulica maciça 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 8.2.204 C(204) 076 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 8.2.204 que aprova determinados elementos do programa operacional «Regional dos Açores 204-2020» do apoio do Fundo

Leia mais

ESCRITÓRIO DAS ACTIVIDADES PARA OS TRABALHADORES (ACTRAV) A OIT E OS TRABALHADORES ESCRITÓRIO INTERNACIONAL DO TRABALHO

ESCRITÓRIO DAS ACTIVIDADES PARA OS TRABALHADORES (ACTRAV) A OIT E OS TRABALHADORES ESCRITÓRIO INTERNACIONAL DO TRABALHO ESCRITÓRIO DAS ACTIVIDADES PARA OS TRABALHADORES (ACTRAV) A OIT E OS TRABALHADORES ESCRITÓRIO INTERNACIONAL DO TRABALHO SUMÁRIO UM MUNDO EM PLENA MUDANÇA A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO COMO FUNCIONA

Leia mais

***II PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARA SEGUNDA LEITURA

***II PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARA SEGUNDA LEITURA Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Comércio Internacional 2013/0279(COD) 21.6.2016 ***II PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARA SEGUNDA LEITURA referente à posição do Conselho em primeira leitura tendo em

Leia mais

Orçamento Participativo da Freguesia de Castelo Branco

Orçamento Participativo da Freguesia de Castelo Branco I Âmbito A Freguesia de Castelo Branco, através do presente Orçamento Participativo (doravante designado OPFCB), pretende promover a cidadania ativa, através da participação dos cidadãos na escolha e definição

Leia mais

Conselho Estratégico Ambiental. Protocolo

Conselho Estratégico Ambiental. Protocolo Conselho Estratégico Ambiental Protocolo Considerando que as políticas de ambiente, ordenamento do território e conservação da natureza assumem uma importância crescente no desenvolvimento nacional e local,

Leia mais

XXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DE PONTOS FOCAIS DE COOPERAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

XXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DE PONTOS FOCAIS DE COOPERAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP XXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DE PONTOS FOCAIS DE COOPERAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP Luanda, 18 e 19 de Julho de 2011 Nota do Coordenador da Reunião de Pontos Focais ao 145º Comité

Leia mais

PROPOSTA DE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Figueira da Foz PREÂMBULO

PROPOSTA DE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Figueira da Foz PREÂMBULO PROPOSTA DE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Figueira da Foz PREÂMBULO O Conselho Municipal da Juventude da Figueira da Foz, criado em 7/05/2007, surgiu por iniciativa da Câmara Municipal

Leia mais

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) Vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável

Leia mais

A República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe:

A República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe: Decreto n.º 12/93 Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe Relativo à Instalação do Centro de Formação e de Investigação Jurídica e Judiciária

Leia mais

Sumário. Adis-Abeba (Etiópia) 28 e 29 de Março de 2011 NAÇÕES UNIDAS CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA

Sumário. Adis-Abeba (Etiópia) 28 e 29 de Março de 2011 NAÇÕES UNIDAS CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA NAÇÕES UNIDAS CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA Quadragésima-quarta Sessão da Comissão Quarta reunião anual conjunta da Conferência dos Ministros de Economia e Finanças da União

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ESPECIAIS NO DOMÍNIO DA PRESERVAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2014 C(2014) 10188 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 18.12.2014 que aprova determinados elementos do «Programa Operacional Regional do Norte 2014-2020» do apoio

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários COMUNICAÇÃO AOS MEMBROS (27/2007)

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários COMUNICAÇÃO AOS MEMBROS (27/2007) PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários 17.12.2007 COMUNICAÇÃO AOS MEMBROS (27/2007) Assunto: Contribuição do Parlamento grego Junto se anexa a contribuição do Parlamento

Leia mais