Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada."

Transcrição

1

2 Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Na fotografia publicitária a concepção prévia da imagem é esboçada pelo diretor de arte da agência que detém a conta do cliente em questão e a tomada da foto é respaldada na atuação de um produtor que reúne o material necessário, podendo inclusive chegar a organizar pessoalmente os elementos constitutivos da composição. Nestes casos, estes profissionais podem ser legitimamente considerados como parceiros do fotógrafo na realização da fotografia final. on=termos_texto&cd_verbete=3868

3 Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na mudança do ângulo de tomada, você pode deslocar sua câmera suavemente, acarretando uma mudança na composição.

4 Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada.

5 Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na mudança do ângulo de tomada, você pode deslocar sua câmera suavemente, acarretando uma mudança na composição.

6 Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na mudança do ângulo de tomada, você pode deslocar sua câmera suavemente, acarretando uma mudança na composição.

7 Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na mudança do ângulo de tomada, você pode deslocar sua câmera suavemente, acarretando uma mudança na composição.

8 Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na mudança do ângulo de tomada, você pode deslocar sua câmera suavemente, acarretando uma mudança na composição.

9 Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada.

10 Composição e Equilíbrio Composição é o arranjo visual dos elementos Equilíbrio é produzido pela interação destes componentes visuais O equilíbrio independe dos elementos individuais, mas sim do relativo peso que o fotógrafo dá a cada elemento. Desta maneira, considera-se que o mais importante para o equilíbrio é o interesse que determinará a composição dos outros elementos, tais como: volume, localização, cor, conceituação. Como todos os outros elementos, o equilíbrio será conseguido de acordo com os propósitos do fotógrafo, de evocar ou não estabilidade, conforto, harmonia etc...

11 Composição e Equilíbrio

12 Composição e Equilíbrio

13 Composição e Equilíbrio

14 Composição e Equilíbrio

15 Composição e Equilíbrio

16 Ângulo A câmara pode ser situada tanto na mesma altura do sujeito, como também abaixo ou acima dele. Ao fotografarmos com a máquina de "cima para baixo" (Mergulho/ Plongée), ou de "baixo para cima" (contra-mergulho/contra- Plongée) temos que nos preocupar com a impressão subjetiva causada por esta visão. A máquina na posição de mergulho, tende a diminuir o sujeito em relação ao espectador e pode significar derrota, opressão, submissão, fraqueza do sujeito; enquanto que o contra-mergulho pode ressaltar sua grandeza, sua força, seu domínio. Evidentemente estas colocações vão depender do contexto em que forem usadas.

17 Ângulo A câmara pode ser situada tanto na mesma altura do sujeito, como também abaixo ou acima dele. Ao fotografarmos com a máquina de "cima para baixo" (mergulho), ou de "baixo para cima" (contra-mergulho) temos que nos preocupar com a impressão subjetiva causada por esta visão. Mergulho/Plongée contra-mergulho/contra-plongée

18 Elementos da Composição Deve-se ter em atenção todos os elementos que podem entrar e enriquecer a composição da fotografia: desde os elementos simétricos, que podem produzir efeitos interessantes, até uma composição radial, em que o ponto central está no centro da imagem, ou uma composição diagonal em que linhas diagonais nos levam a percorrer com os olhos a imagem de um canto superior ao canto inferior oposto, a sobreposição de elementos, a assimetria ao contrário da simetria também pode resultar numa imagem equilibrada. Para além disto há ainda a composição que se pode fazer através do uso e da colocação das cores dos diferentes elementos, por vezes também os jogos de padrões geométricos podem ajudar a uma boa composição. A profundidade e o peso dos elementos é um fator a ser considerado.

19 Elementos da Composição

20 Elementos da Composição

21 Elementos da Composição

22 Elementos da Composição

23 Elementos da Composição Enquadramento Uma das maiores decisões no processo de criação de uma fotografia tem pouco a ver com a operação da câmera. Todas as fotografias são quadrados ou retângulos, e é esse retângulo que o fotógrafo sobrepõe ao mundo e faz um recorte mais ou menos amplo que serve de base para o processo fotográfico. A grande escolha é o que colocar dentro desse quadro, o que mostrar. Tão importante quanto aquilo que é mostrado, é também aquilo que opta por não se mostrar. O que está fora-do-quadro pode ser apenas inferido, imaginado, suposto. Esse jogo entre o que há e o que não há, entre o que é mostrado ou não, entre o claro e o obscuro, quando bem explorado, pode criar trabalhos extremamente interessantes ou instigantes. Nem sempre vale a pena mostrar tudo, de forma explícita.

24 Elementos da Composição Enquadramento Fica claro que há poucos aspectos técnicos envolvidos. Um deles pode ser a distância focal. As mais curtas, com maior ângulo de visão, permitem incluir mais elementos no quadro, criando um recorte mais amplo. Já as lentes mais longas levam a enquadres mais fechados, caracterizando um corte mais agressivo. O recorte não precisa ser pensado antes da captura ou se subordinar à distância focal da lente. O fotógrafo pode, através de programas de edição de imagens, realizar o recorte que quiser a partir de um arquivo gerado pela câmera.

25 Elementos da Composição Enquadramento Alguns exemplos de fotografias em que há o jogo entre o que é mostrado e o que está fora-do-quadro. Aurelio Asiain

26 Elementos da Composição Enquadramento Alguns exemplos de fotografias em que há o jogo entre o que é mostrado e o que está fora-do-quadro. Conor Ogle

27 Elementos da Composição Enquadramento Alguns exemplos de fotografias em que há o jogo entre o que é mostrado e o que está fora-do-quadro. Purplemattfish

28 Elementos da Composição Enquadramento Alguns exemplos de fotografias em que há o jogo entre o que é mostrado e o que está fora-do-quadro. Romolo Milito

29 A regra dos terços Regra dos Terços é uma técnica utilizada na fotografia para se obter uma melhor composição, um enquadramento mais perfeito. Para utilizá-la deve-se dividir a área visualizada em 9 quadros, traçando 2 linhas horizontais e duas verticais imaginárias, e posicionando nos pontos de cruzamento o assunto que se deseja destacar para se obter uma foto equilibrada.

30 A regra dos terços Regra dos Terços é uma técnica utilizada na fotografia para se obter uma melhor composição, um enquadramento mais perfeito. Para utilizá-la deve-se dividir a área visualizada em 9 quadros, traçando 2 linhas horizontais e duas verticais imaginárias, e posicionando nos pontos de cruzamento o assunto que se deseja destacar para se obter uma foto equilibrada.

31 A regra dos terços

32 Encontrar a geometria da cena e então procurar montar com um conjunto de formas, uma harmonia. Assim como num jogo. Estas formas invisíveis ao expectador, estarão transmitindo ao seu inconsciente sensações das mais diversas através das linhas e blocos criados. Dão dinâmica à foto Encontrando desenhos, geometrias

33 Enquadramento

34 Enquadramento O primeiro plano, longe de ter um elemento de destaque, é apenas algo que inicia a observação e indica, através de objetos, ações ou linhas imaginárias a direção que o olhar do expectador deve seguir. Nestes casos, não há necessidade de que este plano esteja plenamente nítido e focado. Muitas vezes a falta de nitidez valoriza o plano principal. Linhas imaginárias partem do primeiro plano conduzindo ao que realmente é importante nas imagens. O primeiro plano

35 Enquadramento O primeiro plano, longe de ter um elemento de destaque, é apenas algo que inicia a observação e indica, através de objetos, ações ou linhas imaginárias a direção que o olhar do expectador deve seguir. Nestes casos, não há necessidade de que este plano esteja plenamente nítido e focado. Muitas vezes a falta de nitidez valoriza o plano principal. O mesmo pode ser conseguido através de ações no primeiro plano que levam ao plano principal, valorizado pela iluminação (fortaleza) e/ou pela nitidez (noiva). O primeiro plano

36 Grande Plano Geral (PG): Esse plano dá um enquadramento geral de uma paisagem.

37 Grande Plano Geral (PG): O ambiente é o elemento primordial. O sujeito é um elemento dominado pela situação geográfica. Objetivamente a área do quadro é preenchida pelo ambiente deixando uma pequena parcela deste espaço para o sujeito que também o dimensiona. Seu valor descritivo está na importância da localização geográfica do sujeito e o seu valor dramático está no envolvimento, ou esmagamento, do sujeito pelo ambiente. Pode enfatizar a dominação do ambiente sobre o homem ou, simbolicamente, a solidão.

38 Plano Geral (PG): É o plano que enquadra uma pessoa, objeto ou qualquer coisa dentro de uma cena.

39 Plano Geral Plano Geral de Conjunto Plano Geral (PG): Neste enquadramento, o ambiente ocupa uma menor parte do quadro: divide, assim, o espaço com o sujeito. Existe aqui uma integração entre eles. Tem grande valor descritivo, situa a ação e situa o homem no ambiente em que ocorre a ação. O dramático advém do tipo de relação existente entre o sujeito e o ambiente. O PG é necessário para localizar o espaço da ação

40 Fotografia Panorâmica Panorama fotográfico da parte sul de Manhattan, Nova Iorque, feita a partir de 12 fotografias Assim como a palavra "panorama", refere-se a uma vista inteira de uma área circunvizinha. As fotografias panorâmicas tentam capturar tal vista. Não há nenhuma definição formal para o ponto em que "ângulo largo" termina e "panorâmica" começa, mas uma imagem verdadeiramente panorâmica deve capturar um campo de vista comparável (ou maior do que) a do olho humano, que é de 160 por 75, e deve fazer assim ao manter os detalhes precisos através do retrato inteiro.

41 Plano Americano (PAm): É o plano que corta qualquer parte da pessoa acima do joelho e abaixo da cintura.

42 Plano Americano (PAm): O sujeito é fotografado das coxas para cima. Tem esse nome devido a sua larga utilização nos filmes hollywoodianos das décadas de 30 e 40.

43 Plano Médio (PM): Mostra meio objeto

44 Plano Médio (PM): O indivíduo aparece da cintura para cima. Esse plano é muito utilizado em jornalismo televisivo. A imagem da Fatima Bernardes está mais para primeiro Plano, que também é chamado de plano próximo.

45 Plano Próximo ou Primeiro Plano (PP): Enquadra o sujeito dando destaque ao seu semblante

46 Close-up: Enquadra o sujeito dando destaque ao seu semblante, gesto, à emoção, à fisionomia, podendo também ser um plano de detalhe, onde a textura ganha força e pode ser utilizada na criação de fotografias abstratas. Sua função principal é registrar a emoção da fisionomia. O PP isola o sujeito do ambiente, portanto, "dirige" a atenção do espectador.

47 Super Close: É o enquadramento em que o rosto ou parte do rosto ocupa toda a tela.

48 Plano de Detalhe (PD) ou Extreme Close-up: Isola uma parte do rosto do sujeito. Evidentemente, é um plano de grande impacto pela ampliação que dá a um pormenor que, geralmente, não percebemos com minúcia. Pode chegar a criar formas quase abstratas.

49 Plongée e Contra-Plongée Plongée A câmera fotografa o objeto de cima para baixo, ficando a objetiva acima do nível normal do olhar. Tende a ter um efeito de diminuição da pessoa fotografada, de rebaixamento. Contra-Plongée De baixo para cima, tende a aumentar o objeto ou modelo

50 Plongée A câmera fotografa o objeto de cima para baixo, ficando a objetiva acima do nível normal do olhar. Tende a ter um efeito de diminuição da pessoa fotografada, de rebaixamento.

51 Contra-Plongée De baixo para cima, tende a aumentar o objeto ou modelo

52 EXEMPLOS

53 EXEMPLOS

54 EXEMPLOS

55 EXEMPLOS

56 EXEMPLOS

57 EXEMPLOS

58 EXEMPLOS

59 EXEMPLOS

60 EXEMPLOS

61 EXEMPLOS

62 EXEMPLOS

63 EXEMPLOS

64 EXEMPLOS

65 EXEMPLOS

66 EXEMPLOS

67 EXEMPLOS

68 EXEMPLOS

69 EXEMPLOS

70 EXEMPLOS

71 EXEMPLOS

72 EXEMPLOS

73 EXEMPLOS

74 EXEMPLOS

75 EXEMPLOS

76 shtml?primeiro=1 02/Jennifer-Lopez4.jpg

9. Enquadramentos: planos e ângulos

9. Enquadramentos: planos e ângulos 9. Enquadramentos: planos e ângulos A noção de enquadramento é a mais importante da linguagem cinematográfica. Enquadrar é decidir o que faz parte do filme em cada momento de sua realização. Enquadrar

Leia mais

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo a- Conceito de Planos e características técnicas b- Angulação: Enquadramento e efeitos de sentido Conceito de Planos e características técnicas A idéia de Planificação

Leia mais

Linguagem Cinematográfica. Myrella França

Linguagem Cinematográfica. Myrella França Linguagem Cinematográfica Myrella França I. Termos Básicos TOMADA - Filmagem contínua de cada segmento específico da ação do filme. "TAKE" - Tomada; começa no momento em que se liga a câmara até que é

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Dicas para um bom registro fotográfico

Dicas para um bom registro fotográfico Dicas para um bom registro fotográfico Manual de foto Enquadramento Tente fugir do clichê de colocar o assunto sempre no meio da foto. Deslocar o objeto principal de imagem pode fazer toda a diferença

Leia mais

Direitos Autorais. Posição da câmera, retrato ou paisagem? Essa é uma grande dúvida para a maioria daqueles

Direitos Autorais. Posição da câmera, retrato ou paisagem? Essa é uma grande dúvida para a maioria daqueles Posição da câmera, retrato ou paisagem? Essa é uma grande dúvida para a maioria daqueles ou daquelas que pretendem registrar fotograficamente monumentos arquitetônicos durante sua viagem. Quando optar

Leia mais

Um trabalho fotográfico possui vida própria. É, ou deve ser, justificado por si mesmo.

Um trabalho fotográfico possui vida própria. É, ou deve ser, justificado por si mesmo. Linguagem Fotográfica Artigo de Cláudio Feijó* Introdução Um trabalho fotográfico possui vida própria. É, ou deve ser, justificado por si mesmo. Cada fotógrafo deve estar consciente da ação de fotografar

Leia mais

Oficina de Fotografia. Felipe Varanda

Oficina de Fotografia. Felipe Varanda Oficina de Fotografia Felipe Varanda No nosso visor: fotografia como umaferramenta profissional e de expressão. Ao fim do curso espera- se que o aluno tenha domínio sobre a câmera, tenha aumentado seu

Leia mais

Fotografia Digital. Prof.: Edvaldo Junior

Fotografia Digital. Prof.: Edvaldo Junior Fotografia Digital Composição Existem várias técnicas de composição fotográficaeestassãodefatoaformamaispráticade se obter uma fotografia de qualidade, portanto conhecer estas técnicas não apenas é uma

Leia mais

FOTOGRAFIA NA U.PORTO

FOTOGRAFIA NA U.PORTO FOTOGRAFIA NA U.PORTO Data: entre fevereiro e abril de 2012 Concepção e monitorização dos workshops: Pedro Brum Composição dos grupos de participantes: Cada workshop deverá ter no mínimo 10 participantes.

Leia mais

STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz

STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz STV 15 SET 2008 1 FREQÜÊNCIAS DE VÍDEO ASSOCIADAS COM A VARREDURA HORIZONTAL no padrão xadrez da figura acima, o sinal de onda quadrada no topo representa as variações do sinal da câmera do sinal composto

Leia mais

INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA O Equipamento Fotográfico. PROFESSOR JORGE FELZ

INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA O Equipamento Fotográfico. PROFESSOR JORGE FELZ INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA O Equipamento Fotográfico PROFESSOR JORGE FELZ jorgefelz@gmail.com textos básicos TRIGO, Thales. equipamento fotográfico. São Paulo: Senac, 2006. LANGFORD, M. Fotografia básica.

Leia mais

Objetiva se Normal, Grande angular ou Tele-objetiva

Objetiva se Normal, Grande angular ou Tele-objetiva O B J E T I V A S Lentes e objetivas Chamamos de LENTE a um vidro polido com características específicas capazes de, ao transmitir os raios de luz que por ele passam, formar uma imagem qualquer sob determinadas

Leia mais

No mercado atual, existem centenas de opções de câmeras digitais, desde as mais simples, as mais complexas e sofisticadas com preços altíssimos.

No mercado atual, existem centenas de opções de câmeras digitais, desde as mais simples, as mais complexas e sofisticadas com preços altíssimos. DICAS DE FOTOGRAFIAS I Apresentação: A palavra Fotografia vem do Grego "fós (luz) e "grafis (pincel), que significa desenhar com a luz. Inventada há quase dois séculos, a fotografia continua sendo o melhor

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA!

CURSO DE FOTOGRAFIA! CURSO DE FOTOGRAFIA Aula 1 - Profundidade de Campo By Mauricio Valadão A brincadeira aqui é determinar o que na foto estará focada e o que estará borrada fora de foco. Muito resumidamente os principais

Leia mais

O formato determina a composição. O formato exerce um papel fundamental no resultado final da composição.

O formato determina a composição. O formato exerce um papel fundamental no resultado final da composição. Composição Introdução UMA DAS PEÇAS ELEMENTARES NO DESENHO É A COMPOSIÇÃO... Uma pintura ou desenho muito bem feito pode perder todo o seu poder, se não estiver enquadrado dentro de uma composição bem

Leia mais

MÓDULOS 1 DESENVOLVER O VERDADEIRO OLHAR FOTOGRÁFICO CRIATIVO DOMINAR A SUA CÂMERA E EXPERIMENTAR TÉCNICAS

MÓDULOS 1 DESENVOLVER O VERDADEIRO OLHAR FOTOGRÁFICO CRIATIVO DOMINAR A SUA CÂMERA E EXPERIMENTAR TÉCNICAS COM DANIEL FARJOUN MÓDULOS 1 DESENVOLVER O VERDADEIRO OLHAR FOTOGRÁFICO CRIATIVO 2 DOMINAR A SUA CÂMERA E EXPERIMENTAR TÉCNICAS 3 DOMINAR A LUZ E SER CONFIANTE EM QUALQUER SITUAÇÃO 4 TRASFORMAR IMAGENS

Leia mais

3.3.3 As imagens de Alexandre França

3.3.3 As imagens de Alexandre França a primeira imagem [Figura 66] observamos a tônica que orientará a imagem de Hélio de Lima, uma leitura muito lúdica em que Hélio surge descontraído, alegre. Atitude pública, que muitas pessoas teriam dificuldade

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: Aula 1: O ponto e a linha Aula 2: Logotipos e símbolos

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: Aula 1: O ponto e a linha Aula 2: Logotipos e símbolos CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: Aula 1: O ponto e a linha Aula 2: Logotipos e símbolos 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA

Leia mais

A IMAGEM DE TELEVISÃO

A IMAGEM DE TELEVISÃO STV 18 AGO 2008 1 A IMAGEM DE TELEVISÃO a televisão, basicamente, reproduz imagens estáticas a seqüência dessas imagens, em rápida sucessão, nos dá a sensação de movimento cada uma das imagens, ou quadro,

Leia mais

DICAS DE FOTOGRAFIA PARA O IMOBILIÁRIO

DICAS DE FOTOGRAFIA PARA O IMOBILIÁRIO DICAS DE FOTOGRAFIA PARA O IMOBILIÁRIO Uma imagem vale mais que mil palavras aplica-se também à fotografia imobiliária. Cada vez mais os clientes começam por procurar casa na internet e o primeiro passo

Leia mais

Fontes utilizadas nessa palestra: - Arquivo pessoal (Cláudia Couto) e pesquisa Internet

Fontes utilizadas nessa palestra: - Arquivo pessoal (Cláudia Couto) e pesquisa Internet Fontes utilizadas nessa palestra: - Arquivo pessoal (Cláudia Couto) e pesquisa Internet PRA COMEÇAR VAMOS FAZER: 2 LINHAS VERTICAIS E 2 LINHAS HORIZONTAIS Nos papéis que receberam ESTAS LINHAS TÊM QUE

Leia mais

Obturador. o obturador de cortina mostrado em detalhes.

Obturador. o obturador de cortina mostrado em detalhes. Obturador É o obturador que determina o resultado da sensação de movimento de uma fotografia. Essa é sua principal função, mas não a única. o obturador pode ser comparado às pálpebras e seu funcionamento

Leia mais

II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO"

II ENCONTRO OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO" Título da Exposição: A poética da morada e os cenários do imaginário habitado Trabalho fotográfico realizado com base no livro A

Leia mais

Design da Informação. Repetição e Contraste. Aula 07. Prof. Dalton Martins

Design da Informação. Repetição e Contraste. Aula 07. Prof. Dalton Martins Design da Informação Repetição e Contraste Aula 07 Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Repetição Repita alguns

Leia mais

Espelhos esféricos. Calota esférica

Espelhos esféricos. Calota esférica Espelhos esféricos Espelhos esféricos são espelhos que resultam do corte de uma esfera formando o que se chama de calota esférica.nesses espelhos, uma das superfícies da calota é espelhada, produzindo

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial. Módulo I. Aula 07

Desenho e Projeto de tubulação Industrial. Módulo I. Aula 07 Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 07 1. NORMAS DE DESENHO TÉCNICO 1.1. IMPORTÂNCIA DO DESENHO O ensino de desenho nos Cursos de Aprendizagem, não visa formação de desenhistas, mas

Leia mais

MANUAL PARA FILMAGEM DE EXPERIMENTOS

MANUAL PARA FILMAGEM DE EXPERIMENTOS 1 MANUAL PARA FILMAGEM DE EXPERIMENTOS Produto Educacional gerado a partir da dissertação de mestrado: Vídeos de Experimentos Demonstrativo-Investigativos: Um Estudo de Signos Produzidos por Alunos de

Leia mais

63,5µs, chega-se a 21, ou seja,

63,5µs, chega-se a 21, ou seja, STV 10 SET 2008 1 TEMPO DE APAGAMENTO VERTICAL os pulsos de apagamento vertical levam a amplitude do sinal de vídeo para o nível de preto de maneira que o feixe de varredura esteja apagado durante os retraços

Leia mais

Computação Gráfica. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto

Computação Gráfica. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto Computação Gráfica Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Para que objetos tridimensionais possam ser visualizados é necessário que suas imagens sejam geradas na tela. Para isso,

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA 24h.

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA 24h. ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA 24h. APRESENTAÇÃO As informações descritas neste documento têm o objetivo de orientar os municípios/distrito

Leia mais

Tema II: Ajuste Modos 01 Módulo IV. Vivaldo Armelin Júnior

Tema II: Ajuste Modos 01 Módulo IV. Vivaldo Armelin Júnior Tema II: Ajuste Modos 01 Módulo IV Vivaldo Armelin Júnior 2016 O ajuste dos modos, como noturno, paisagem, retrato, fogos de artifício, macro, P, entre outros, possibilitam melhorar a qualidade da imagem

Leia mais

Dúvidas sobre como dirigir o casal em book de noivossão as primeiras da lista apontadas pelo especialista FOTOGRAFIA DE CASAMENTO 10

Dúvidas sobre como dirigir o casal em book de noivossão as primeiras da lista apontadas pelo especialista FOTOGRAFIA DE CASAMENTO 10 Dúvidas sobre como dirigir o casal em book de noivossão as primeiras da lista apontadas pelo especialista FOTOGRAFIA DE CASAMENTO 10 grandes dúvidas RESPONDIDAS POR UM ESPECIALISTA Confira as principais

Leia mais

ESCOLA PÚBLICA DE ASTROFOTOGRAFIA AULA 02 DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS

ESCOLA PÚBLICA DE ASTROFOTOGRAFIA AULA 02 DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS ESCOLA PÚBLICA DE ASTROFOTOGRAFIA AULA 02 DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS SUMÁRIO 02. DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS Sistema Horizontal ou Altazimutal de Coordenadas Pontos Cardeais Azimute Altura/Ângulo

Leia mais

Glauce Viana de Souza

Glauce Viana de Souza OFICINA: Foto(grafando) a natureza: cartografias de vivências pedagógicas Glauce Viana de Souza Fonte da Imagem: http://joaoquadrosaventura.blogspot.com.br/2010/03/nobres-mt.html http://blogdclaudio.blogspot.com.br/2011/02/mais-um-ponto-turistico-de-mt-nobres-mt.html

Leia mais

Workshop de Fotografia, com José Franco Angra do Heroísmo - Terceira 27 de outubro a 2 de novembro de 2016

Workshop de Fotografia, com José Franco Angra do Heroísmo - Terceira 27 de outubro a 2 de novembro de 2016 HORÁRIO/ROGRAMA Módulo Sessão rograma ipo 1 1ª Jogo de apresentação e de diagnóstico 5ª-feira 27/10/2016 Introdução Enquadramento ostura correcta de um fotógrafo Cinco Variáveis da Fotografia Velocidade

Leia mais

Exercício 2 - modelagem básica de peça.

Exercício 2 - modelagem básica de peça. Exercício 2 - modelagem básica de peça. Abra um arquivo novo, escolha o template de peça. Por padrão, o template já esta em milímetros. Escolha o plano superior como mostrado na imagem abaixo: Agora na

Leia mais

Figura 80: Configurar o tamanho do calendário é o primeiro passo.

Figura 80: Configurar o tamanho do calendário é o primeiro passo. 99 5.3.5 Calendários Scripts são pequenas automações que podem ser programadas para funcionar dentro de programas específicos, como no Blender, no Gimp, no Scribus e no Inkscape. Essas automações são extremamente

Leia mais

Na seqüência, será aberta uma página de login de acesso ao ambiente de gerenciamento do portal, conforme ilustrado na figura 01, abaixo: Figura 01

Na seqüência, será aberta uma página de login de acesso ao ambiente de gerenciamento do portal, conforme ilustrado na figura 01, abaixo: Figura 01 Tutorial Versão1.0 O Manual Tutorial do Apae em Rede pretende orientá-los no gerenciamento de conteúdos do portal. Para darmos início a essa orientação, é preciso acessá-lo. Para tanto, basta digitar intranet.apaebrasil.org.br

Leia mais

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme.

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. A câmera fotográfica é constituída essencialmente por

Leia mais

Palestra de Vitrinismo. Vitrinismo: técnicas de exposição para valorizar seus produtos e sua vitrine

Palestra de Vitrinismo. Vitrinismo: técnicas de exposição para valorizar seus produtos e sua vitrine Palestra de Vitrinismo Vitrinismo: técnicas de exposição para CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar Vitrinismo: técnicas

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO II TRABALHO 2

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO II TRABALHO 2 TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO II TRABALHO 2 Descrição: O objetivo do trabalho 2 é desenvolver um jogo estilo shoot 'em up em Java, onde o jogador possa controlar uma espaçonave e destruir as espaçonaves inimigas

Leia mais

1 SEMELHANÇA EM TRIÂNGULOS RETÂNGULOS DICA DO MINGUADO. Matemática 2 Pedro Paulo. Semelhança entre e :

1 SEMELHANÇA EM TRIÂNGULOS RETÂNGULOS DICA DO MINGUADO. Matemática 2 Pedro Paulo. Semelhança entre e : Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA XIII 1 SEMELHANÇA EM TRIÂNGULOS RETÂNGULOS Seja um triângulo retângulo, com ângulos agudos e. Traçando a altura relativa à hipotenusa, formamos os triângulos retângulos

Leia mais

Lentes e Telescópios

Lentes e Telescópios Lentes e Telescópios Profª. Maria de Fátima Saraiva 1 Objetivos: Determinar a distância focal de uma lente Mostrar que as imagens formadas por lentes são invertidas Verificar como o tamanho da imagem se

Leia mais

Gyorgy Doczi, O poder dos limites: harmonia e proporções na natureza, arte e arquitetura, 1986

Gyorgy Doczi, O poder dos limites: harmonia e proporções na natureza, arte e arquitetura, 1986 PROPORÇÃO ÁUREA O poder do segmento áureo de criar harmonia advém de sua capacidade singular de unir as diferentes partes de um todo, de tal forma que cada uma continua mantendo sua identidade, ao mesmo

Leia mais

Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas que ama com cada foto que faz! PLANOS DE AULAS

Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas que ama com cada foto que faz! PLANOS DE AULAS Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas que ama com cada foto que faz! PLANOS DE AULAS REFERENCIAL 01 e REFERENCIAL 02 Curso Referencial Um. Fotografia para Câmeras DSLR Curso de Fotografia em Salvador.

Leia mais

Brincadeira científica - Câmera fotográfica

Brincadeira científica - Câmera fotográfica Brincadeira científica - Câmera fotográfica Você, provavelmente, está acostumado a tirar fotos com uma câmera digital ou um celular. Mas você sabe como a imagem de um grande edifício, ou de uma pessoa,

Leia mais

Exercícios LENTES -1.

Exercícios LENTES -1. Exercícios LENTES -1. 1. (PUC-PR) A equação de Gauss relaciona a distância focal (f) de uma lente esférica delgada com as distâncias do objeto (p) e da imagem (p ) ao vértice da lente. O gráfico dado mostra

Leia mais

Instrução VIP Personalizada

Instrução VIP Personalizada Instrução VIP Personalizada Professor: Yuri Fanchini Messas Currículo Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=k4421411t0 E-mail: contato@yurimessas.com.br Website: www.yurimessas.com.br

Leia mais

125 bilhões de imagens são compartilhadas pela internet anualmente. 300 milhões de imagens são postadas apenas no Facebook diariamente

125 bilhões de imagens são compartilhadas pela internet anualmente. 300 milhões de imagens são postadas apenas no Facebook diariamente 1 125 bilhões de imagens são compartilhadas pela internet anualmente 300 milhões de imagens são postadas apenas no Facebook diariamente 2 A foto tem o poder de cativar, envolver e deixar o cliente curioso

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO

EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO TODOS SÃO BEM DIFÍCEIS FAÇA UM OU DOIS POR DIA CONSULTE A RESOLUÇÃO SOMENTE EM ÚLTIMO CASO LUTE E NÃO DESISTA FACILMENTE... BOM TRABALHO!!! 1. (UERJ/2013) Um raio luminoso monocromático,

Leia mais

Estática. Vista da estrutura da ponte Golden Gate, São Francisco, Califórnia (EUA).

Estática. Vista da estrutura da ponte Golden Gate, São Francisco, Califórnia (EUA). Estática Todo o nosso estudo até agora foi dedicado quase que exclusivamente ao movimento. Passamos da Cinemática - descrição matemática dos movimentos - à Dinâmica, em que essa descrição se aprofunda

Leia mais

Design da Informação. Aula 08 Usando. Prof. Dalton Martins

Design da Informação. Aula 08 Usando. Prof. Dalton Martins Design da Informação Aula 08 Usando cores Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Círculo cromático Um círculo cromático

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 06: PERSPECTIVA LINEAR DE 1 PONTO. MÃO LIVRE Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro

Leia mais

Tecnologias IXUS 130 e IXUS 105

Tecnologias IXUS 130 e IXUS 105 Tecnologias IXUS 130 e IXUS 105 Estabilizador de Imagem Óptico O Estabilizador de Imagem Óptico da Canon evita a desfocagem, reduzindo drasticamente os efeitos das trepidações da câmara. Em situações onde

Leia mais

DESENHO DE OBSERVAÇÃO

DESENHO DE OBSERVAÇÃO QUESTÃO 1 DESENHO DE OBSERVAÇÃO Tendo como motivação as imagens abaixo, desenhe, no espaço reservado da página seguinte, o que está apresentado à sua frente, buscando, sobretudo, registrar o movimento.

Leia mais

Captura de imagens térmicas no HUAP (Rotina diária e protocolos)

Captura de imagens térmicas no HUAP (Rotina diária e protocolos) Captura de imagens térmicas no HUAP (Rotina diária e protocolos) Ao chegar ao local de capturas, posicionar o tripé e fixar a câmera: 1. Colocar o tripé na marcação indicada no chão (Figura 1) 2. Fixar

Leia mais

Há basicamente 3 questões a considerar quando queremos avaliar objetivamente a qualidade de uma imagem:

Há basicamente 3 questões a considerar quando queremos avaliar objetivamente a qualidade de uma imagem: Guia Fotográfico 3 QUALIDADE A palavra qualidade em fotografia é bastante relativa. Quando os detalhes finos de uma fotografia não são bem discerníveis, a cor está fora de balanço e as partes claras da

Leia mais

3 - REALIZAÇÃO DO PROGRAMA PAPO DE COZINHA

3 - REALIZAÇÃO DO PROGRAMA PAPO DE COZINHA 140 O texto a seguir foi retirado do Projeto de Conclusão de Curso referência bibliográfica a seguir: DIEDERICHSEN, Ana Carolina Farias Gomes. Papo de Cozinha. Bauru: Unesp FAAC - Faculdade de Arquitetura,

Leia mais

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo STV 8 SET 2008 1 ANÁLISE DOS SINAIS DE VÍDEO as três partes do sinal composto de vídeo, ilustradas na figura abaixo, são: 1 o sinal da câmera correspondendo às variações de luz na cena 2 os pulsos de sincronismo

Leia mais

Macrodetalhes 1 RESUMO

Macrodetalhes 1 RESUMO Macrodetalhes 1 Ana Cecilia Silva de Sousa 2 Ana Flávia Siqueira Chagas 3 Priscila Soares Luz 4 Vitor José Braga Mota Gomes 5 Universidade Federal de Sergipe RESUMO Em tempos de Photoshop, é um tanto quanto

Leia mais

MICROSCÓPIO PARA OPERAÇÃO

MICROSCÓPIO PARA OPERAÇÃO MICROSCÓPIO PARA OPERAÇÃO Um conceito inovador que oferece observação ótima e operação versátil Os seguintes recursos únicos estão incorporados no novo Microscópio para Operação OMS-90: Nova Iluminação

Leia mais

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II 2012/02 1 Diagrama de Ramo e Folhas 2 3 4 5 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Construir e interpretar disposições gráficas dos

Leia mais

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 NAVEGAR É PRECISO 2500 A.C. uma das primeiras representações de mapa, produzido na região da mesopotâmia. NAVEGAR É PRECISO Mapa do Salmo (1260) e Mappe-Monde (1707),

Leia mais

O QUE HÁ EM COMUM NESTES DESENHOS?

O QUE HÁ EM COMUM NESTES DESENHOS? O QUE HÁ EM COMUM NESTES DESENHOS? E O QUE OS DIFERE DESTES? A RESPOSTA É PERSPECTIVA. A PERSPECTIVA é um campo de estudo da geometria, em especial a geometria descritiva. Desenhar em PERSPECTIVA é representar

Leia mais

Super Business. Guia Rápido - Condicional & Devolução SuperSys Tecnologia

Super Business. Guia Rápido - Condicional & Devolução SuperSys Tecnologia Super Business Guia Rápido - Condicional & Devolução Conteúdo 3 Lista de Conteúdo Índice Parte I Guia Rápido - Condicional e Devolução 1 Condicional... 0 6 6 Como acessar... a tela de vendas? 6 Como efetuar

Leia mais

Computação Gráfica - 12

Computação Gráfica - 12 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Computação Gráfica - 12 jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav Realismo

Leia mais

CURSO COMPLETO DE FOTOGRAFIA MANHÃ TARDE NOITE FINAL DE SEMANA BELO HORIZONTE E RIO DE JANEIRO

CURSO COMPLETO DE FOTOGRAFIA MANHÃ TARDE NOITE FINAL DE SEMANA BELO HORIZONTE E RIO DE JANEIRO CURSO COMPLETO DE FOTOGRAFIA MANHÃ TARDE NOITE FINAL DE SEMANA BELO HORIZONTE E RIO DE JANEIRO SOBRE O CURSO O Curso completo de fotografia da Escola de Imagem nasceu a partir do desejo de muitos alunos

Leia mais

AQUISIÇÃO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

AQUISIÇÃO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA AQUISIÇÃO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Fotografia aérea LIDAR GEOMÁTICA - 20ª aula 2012/2013 UTILIZAÇÃO DA FOTOGRAFIA AÉREA EM CARTOGRAFIA FOTOINTERPRETAÇÃO interpretação da forma e aspecto (cor, textura,

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III ANEXO III RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS O mobiliário deve estar de acordo com as informações contidas nas determinações da Norma Regulamentadora 17, que estabelece: 17.4.2. Nas atividades que envolvam leitura

Leia mais

Gabriel de Lucca Trizoglio

Gabriel de Lucca Trizoglio JABOTINTRIGAS (Fotografia) Gabriel de Lucca Trizoglio JABOTINTRIGAS Moro em Jaboticabal. No fim de 2010 comprei uma câmera compacta e por aproximadamente três anos eu a carreguei no bolso durante minhas

Leia mais

mobgraphia apresenta Tutorial básico para smartphones Por Paulo Keller, editor do AUTOentusiastas

mobgraphia apresenta Tutorial básico para smartphones Por Paulo Keller, editor do AUTOentusiastas mobgraphia apresenta Tutorial básico para smartphones Por Paulo Keller, editor do AUTOentusiastas A melhor câmera é aquela que está sempre com você. Chase Jarvis Essa frase demonstra exatamente por que

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 1.º ano 2014/2015

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 1.º ano 2014/2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual /Critérios de Disciplina: Matemática 1.º ano 2014/2015 Domínio (Unidade / Tema) Números e Operações Subdomínio/Conteúdos

Leia mais

Sistema de Leitura Visual da Forma HARMONIA / EQUILÍBRIO / CONTRASTE

Sistema de Leitura Visual da Forma HARMONIA / EQUILÍBRIO / CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais i Fundamentais HARMONIA / EQUILÍBRIO / CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 HARMONIA HARMONIA > Ordem e Regularidade

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES ANEXO II- EDITAL Nº 02/2013 PERÍODO: 2013/01 INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES MONITORIA REMUNERADA CURSOS ICHLA DISCIPLINA VAGAS HORÁRIO Estúdio I Iluminação e produto 01 6M CARGA HORÁRIA

Leia mais

Filmes Fuji. Amadores Fuji SUPERIA 100

Filmes Fuji. Amadores Fuji SUPERIA 100 Filmes Fuji 1 Segue abaixo, uma lista com os principais filmes utilizados amador e profissionalmente. Cabe a cada fotógrafo escolher qual melhor se enquadra à situação a ser registrada e ao resultado que

Leia mais

Exposição Teórica de alguns conceitos da Pré-Impressão

Exposição Teórica de alguns conceitos da Pré-Impressão Exposição Teórica de alguns conceitos da Pré-Impressão Turma CEF de Pré- Impressão Objectivos Expor os conceitos de forma a que os alunos os vão interiorizando naturalmente, de uma forma bastante prática,

Leia mais

- Uma fotografia tem tanto mais sucesso quanto mais tempo conseguir reter a atenção do observador.

- Uma fotografia tem tanto mais sucesso quanto mais tempo conseguir reter a atenção do observador. Composição - A composição ou enquadramento é a distribuição, no visor da máquina, dos elementos que constituem a imagem. A grande maioria das fotografias desinteressantes deve-o a uma má composição. -

Leia mais

VISUALIZAÇÃO. Representação (bidimensional) de Objetos (tridimensionais)

VISUALIZAÇÃO. Representação (bidimensional) de Objetos (tridimensionais) 1 VISUALIZAÇÃO Como habitantes de um mundo tridimensional, temos grande facilidade para lidar com o mundo bidimensional da Geometria Plana. Modelos concretos para os objetos com que lidamos na Geometria

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Conceitos Básicos Sistema Operacional: Um Sistema Operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O Propósito do SO é fornecer

Leia mais

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Reforço escolar M ate mática Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Dinâmica 7 9º ano 2º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Fundamental 9ª Geométrico Teorema de Pitágoras

Leia mais

O GUIA INSTAGRAM PRÁTICO! AMENINADAFOTO

O GUIA INSTAGRAM PRÁTICO! AMENINADAFOTO O GUIA INSTAGRAM PRÁTICO! AMENINADAFOTO @ PARA GANHAR SEGUIDORES Siga essas dicas para apresentar seu perfil a mais pessoas interessadas no que você tem para dizer. COMENTE Você não quer ninguém mala no

Leia mais

25 Problemas de Óptica

25 Problemas de Óptica 25 Problemas de Óptica Escola Olímpica - Gabriel Lefundes 25 de julho de 2015 Problema 1. O ângulo de deflexão mínimo um certo prisma de vidro é igual ao seu ângulo de refração. Encontre-os. Dado: n vidro

Leia mais

Funções da Luz: 1º dar relevo 2º iluminar os olhos (alma) através do refletor de ataque 3º direção

Funções da Luz: 1º dar relevo 2º iluminar os olhos (alma) através do refletor de ataque 3º direção PARTE 5 ILUMINAÇÃO Uma luz vindo de uma direção causa um tipo de relevo. O fato de estar perto ou longe só influencia a intensidade (quantidade de luz) e a natureza (das sombras). Funções da Luz: 1º dar

Leia mais

Tutorial. Georreferenciamento de Imagens. versão 1.0-23/08/2008. Autores: Rafael Bellucci Moretti, Vitor Pires Vencovsky

Tutorial. Georreferenciamento de Imagens. versão 1.0-23/08/2008. Autores: Rafael Bellucci Moretti, Vitor Pires Vencovsky Tutorial Georreferenciamento de Imagens versão 1.0-23/08/2008 Autores: Rafael Bellucci Moretti, Vitor Pires Vencovsky 1. Introdução O tutorial tem como objetivo fornecer informações básicas para georreferenciar

Leia mais

na figura abaixo nota-se que a subida da onda dente de serra corresponde à deflexão horizontal para a direita

na figura abaixo nota-se que a subida da onda dente de serra corresponde à deflexão horizontal para a direita STV 1 SET 2008 1 VARREDURA E SINCRONISMO a área retangular da tela de um tubo de imagem, varrida pelo feixe de elétrons que é defletido horizontal e verticalmente, é chamada de quadro a figura abaixo mostra

Leia mais

Biblioteca Escolar António Bento Franco MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER

Biblioteca Escolar António Bento Franco MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER Criar o vídeo - início Para iniciar a criação de um filme, devemos em primeiro lugar criar uma pasta, onde colocaremos todos os objetos que pretendemos inserir

Leia mais

D e s e n h o T é c n i c o

D e s e n h o T é c n i c o AULA 2 VIII. ESCALAS NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho. A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do mesmo e as dimensões da peça real que está sendo representada. Assim,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL ANO: 8º ANO LECTIVO 010/011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS

Leia mais

Cartão Juh Morales 1. Daniel OIKAWA 3. Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER, Curitiba, PR

Cartão Juh Morales 1. Daniel OIKAWA 3. Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER, Curitiba, PR Cartão Juh Morales 1 Daniel Corrêa BECKER 2 Daniel OIKAWA 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER, Curitiba, PR RESUMO A imagem deste artigo foi escolhida para ser utilizada em um cartão de visitas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice Índice Capítulo 11 Formatação... 2 Guias e Réguas... 2 Definindo ações a objetos... 2 Botões de ação... 4 Inserindo Cabeçalho e Rodapé... 4 Propriedades... 5! Informações Gerais... 5! Informações de Resumo...

Leia mais

FOTOGRAFIA IMOBILIÁRIA PARTE 1: INTERIORES & HDR

FOTOGRAFIA IMOBILIÁRIA PARTE 1: INTERIORES & HDR FOTOGRAFIA IMOBILIÁRIA PARTE 1: INTERIORES & HDR SUMÁRIO Números Ferramentas de fotografia e efeitos de grande ângulo Técnicas de fotografias de interiores Exposição & HDR Preto & Branco, 2D & 3D 3 6 8

Leia mais

História da fotogrametria. Fotogrametria aérea / terrestre. História da fotogrametria. Câmaras métricas Fotogrametria

História da fotogrametria. Fotogrametria aérea / terrestre. História da fotogrametria. Câmaras métricas Fotogrametria É a arte, ciência e tecnologia usada para a recolha de informação métrica e interpretativa dos objetos, por meio da medição e interpretação de imagens recolhidas através de registos na banda espectral

Leia mais

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Física

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Física Aluno(a): nº: Turma: Nota Ano: 2º Ano EM Data: / /2016 Trabalho Recuperação Professor(a): Clayton Matéria: Física VALOR: 15,0 1-Sabe-se que a densidade da água é 1g/cm 3. A tabela abaixo fornece as massas

Leia mais

Disciplina de Desenho A do Décimo primeiro ano de escolaridade

Disciplina de Desenho A do Décimo primeiro ano de escolaridade Escola Secundária do Padrão da Légua (402412) ÁREA DISCIPLINAR DE EXPRESSÃO VISUAL Disciplina de Desenho A do Décimo primeiro ano de escolaridade CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS AULAS PREVISTAS Unidade 1 Desenho

Leia mais

Data: Metodologia utilizada/descrição das atividades (anexar modelos): Em anexo.

Data: Metodologia utilizada/descrição das atividades (anexar modelos): Em anexo. CÂMPUS: Rio do Sul LABORATÓRIO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS RELATÓRIO DE ATIVIDADE Curso: Licenciatura em Física Disciplina: Física 2 Turma: 2013.2 Professor: Bruno Data: Tema da aula: Dinâmica Conteúdos relacionados:

Leia mais

Figura 82 - Convite virtual da exposição Geofagia. Divulgação em meio virtual.

Figura 82 - Convite virtual da exposição Geofagia. Divulgação em meio virtual. 110 5 GEOFAGIA Geofagia é uma prática de comer substâncias terrestres, como barro ou outro tipo de terra. Mexer com terra é também mexer com memórias das primeiras observações da natureza. A terra do quintal

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 10: PLANEJAMENTO E PRINCÍPIOS DO DESIGN Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro Data:

Leia mais

PMR2560 ELEMENTOS DE ROBÓTICA 2016 TRABALHO DE VISÃO COMPUTACIONAL CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS E VISÃO ESTÉREO

PMR2560 ELEMENTOS DE ROBÓTICA 2016 TRABALHO DE VISÃO COMPUTACIONAL CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS E VISÃO ESTÉREO PMR2560 ELEMENTOS DE ROBÓTICA 2016 TRABALHO DE VISÃO COMPUTACIONAL CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS E VISÃO ESTÉREO Esse trabalho consiste de três partes. Na primeira parte do trabalho você vai calibrar duas câmeras

Leia mais