Objetiva se Normal, Grande angular ou Tele-objetiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Objetiva se Normal, Grande angular ou Tele-objetiva"

Transcrição

1 O B J E T I V A S

2 Lentes e objetivas Chamamos de LENTE a um vidro polido com características específicas capazes de, ao transmitir os raios de luz que por ele passam, formar uma imagem qualquer sob determinadas condições. As lentes mais comuns são as Convexas e as Côncavas. OBJETIVA por sua vez é um conjunto de lentes. Por usar uma objetiva e não uma lente simples? Uma lente de um único elemento apresenta imperfeições inerentes, muitas das quais podem ser corrigidas ou neutralizadas por meio de vários elementos óticos.

3 Distancia focal A luz de um ponto de um objeto no infinito produz raios paralelos que são refratados pela lente e focalizados em um único ponto. A distância entre a lente e esse ponto é a distância focal da lente. Numa lente simples, mede-se a distância focal a partir do centro da lente. Numa objetiva, a medição leva em conta fatores mais complexos, embora o princípio seja o mesmo.

4 Objetiva se Normal, Grande angular ou Tele-objetiva Uma objetiva é definida quanto a seu ângulo de abrangência, aproximação e relação entre os sucessivos planos da imagem considerando-se sua distância focal e o filme (formato) que irá trabalhar. Assim considerando-se um filme 35 mm que tem como medidas 24X36 mm sua diagonal será de 43mm. A lente normal é aquela que possui uma distância focal que mais se aproxima desta medida, ou seja uma lente 50mm.

5

6 Distância Focal da Lente Terminologia Fotografia indicada Menos de 21 milímetros Extrema Grande Angular Arquitetura mm milímetros Grande angular Paisagem mm milímetros Normal Rua e fotografia documental mm milímetros Tele objetiva curta Retrato mm mm Esportes, animais, etc Teleobjetiva longa

7 A distância focal de uma lente determina o seu ângulo de visão, e assim também o quanto o assunto será ampliada para uma determinada posição fotográfica. lentes grande-angulares possuem pequenas distâncias focais, enquanto teleobjetivas têm maior correspondentes distâncias focais. Grande angular Objetos são de tamanhos muito diferentes Teleobjetiva (Objetos são semelhantes em tamanho)

8

9 Teleobjetiva - 85mm Objetiva normal 50mm. A perspectiva foi comprimida as colunas parecem mais juntas do que realmente estão. Perspectiva quase igual à da visão humana. Objetiva Grande Angular - 20mm As colunas parecem mais afastadas do que realmente estão. Note-se ainda a distorção causada por lentes de tão grande angular (a primeira coluna parece estar torta)

10 Grande angulares ESCALA DOS ASSUNTOS A lente grande angular exagera o tamanho relativo dos indivíduos próximos e distantes. Para enfatizar esse efeito é importante ficar muito perto de seu assunto. As lentes grande angular também normalmente têm muito mais distâncias mínimas de foco, e permitir que o seu espectador a ver muito mais em espaços apertados. ORGANIZAÇÃO / CONFUSÃO As fotos grande angular geralmente abrangem um vasto conjunto de assunto, por isso é fácil para o espectador se perder na confusão. Experimente com diferentes técnicas de organização de seu assunto.

11 Grande angulares Distorção. Distorção de barril podem afetar o seu assunto. Perspectiva E Convergência de Linhas

12

13 Abertura efetiva da objetiva - LUMINOSIDADE Diâmetro do feixe luminoso cobre por completo os elementos internos da mesma. Isso se dá por que o feixe de luz que atravessa a largura de seu primeiro elemento (a frente) é em geral convergido, resultando num feixe de diâmetro menor. A abertura, junto com a distância focal, irá determinar a luminosidade da objetiva, expressa em números-f, da seguinte maneira: f = F(distância focal) / diâmetro da abertura efetiva.

14 Uma objetiva de 50mm com abertura efetiva de 25mm terá um índice de luminosidade igual a 2. A abertura efetiva é conhecida pelo fabricante da objetiva, que irá fornecer um índice de luminosidade expresso da seguinte maneira 1:2 ou f/2. Este será o número de diafragma mais aberto da objetiva; aquele que permite a passagem da maior quantidade de luz. O número de diafragma não irá corresponder, portanto, a um diâmetro de abertura fixo; o diâmetro será diferente em cada distância focal. Isso acontece porque quanto maior a distância focal, mais longe estará a imagem da objetiva, correspondendo a uma perda de luminosidade. O número-f irá relacionar a luminosidade das objetivas de diferentes distâncias focais. Constituição da escala de números F A escala de números-f será construída diminuindo-se o diâmetro da abertura efetiva em pontos que permitam a passagem da metade da luminosidade do ponto anterior. Como esta relação será baseada na área de cada abertura, multiplicando-se cada ponto sucessivamente pela raiz quadrada de 2 (1,4), será construída a seguinte escala de números-f: 1; 1.4; 2; 2.8; 4; 5.6; 8; 11; 16; 22; 32 etc., correspondendo cada ponto à metade da luminosidade do ponto anterior.

15 FOCO e PROFUNDIDADE DE CAMPO focalizar é ajustar a distância entre a objetiva e o filme para que se obtenha uma imagem nítida da cena. Podemos obter um foco preciso somente para um plano em frente a câmera, e todos os objetos neste plano estarão nítidos na imagem. Além disso, haverá uma área imediatamente a frente e atrás desse plano que aparecerá razoavelmente nítida toda esta região onde o foco é adequado representa a PROFUNDIDADE DE CAMPO do negativo.

16 Fator de corte Como exemplo, observe estas duas imagens abaixo, ambas fotografadas com uma lente 50mm: na primeira, foi utilizada uma Canon 300D, que possui um fator de corte de 1.6x. Já na segunda foto, foi utilizada uma Canon 5D, que não possui fator de corte por ter um sensor equivalente a 35mm (chamada de Full Frame). Como a primeira câmera possui fator de corte de 1.6x, a lente de 50mm na verdade se comporta equivalentemente a uma de 80mm (50x1.6) em uma Full Frame ou em uma analógica de 35mm. Isto ocorre justamente por causa do tamanho menor do sensor, que aproveita uma menor área da luz projetada pela objetiva sobre ele. Por este motivo, este fator pode ser prejudicial aos fotógrafos que utilizam objetivas grande-angulares, que podem se comportar como uma tele.

17

18 Fator de corte

19

20 Filme Formato do Negativo Diagonal (mm) Objetivas Normais (mm) Campo Abrangido x36mm x60mm x60mm x90mm FOLHA 4x5 pol Grande angular < NORMAL > Teleobjetiva quanto a distância focal

21 Zoom ou zum (do inglês: zoom lens) é um tipo de lente fotográfica e cinematográfica de distância focal variável, permitindo assim uma mudança do enquadramento das fotos sem a necessidade de reposicionamento do fotógrafo ou a troca das lentes. As objetivas zoom costumam indicar o intervalo de distâncias focais que conseguem atender pela notação Min-Max mm, onde Min é a distância focal mínima em número absoluto, Max é a distância focal máxima em número absoluto e mm é a unidade de milímetros para ambas as distâncias focais

22

23

24

25

26

27 Classificação das Objetivas 1. Mobilidade da Distância Focal 2. Focalização 3. Integração TIPO Quanto à DISTÂNCIA FOCAL FIXAS VARIÁVEIS DESCRIÇÃO A distância focal não muda Podem mudar a distância focal, e por conseqüência, variam o campo abrangido e o tamanho da imagem. São denominadas de lentes "ZOOM As OBJETIVAS ZOOM trazem sempre gravadas as distâncias focais mínima e máxima para cada modelo. Assim, por exemplo, podemos ter mm, 28-90mm, e assim por diante.

28 OBJETIVAS: Quanto a focalização TIPO FIXAS VARIÁVEIS DESCRIÇÃO São aquelas que não dispõem de mecanismo que permita focalizar seletivamente sobre cada assunto, estando pré-determinadas a dar foco a partir de uma distância mínima, geralmente 1,5m m até infinito Têm mecanismo que permite focalizar seletivamente sobre cada assunto. Em geral, é acionado manualmente por movimento rotatório num anel externo. O foco poderá ser ajustado por meio de uma escala de distância que existe na lente, colocando no indicador apropriado a distância entre a câmera e o assunto. As câmeras mais modernas têm dispositivo para focalização automática, que consiste num micro motor a bateria que faz girar o anel de foco de acordo com a distância do assunto, a qual é calculada por um sensor infravermelho.

29

Introdução: Entendendo a distância focal

Introdução: Entendendo a distância focal 21 DE MAIO DE 2017 INICIANTE Introdução: Entendendo a distância focal Apresentando DIANE BERKENFELD, MIKE CORRADO & LINDSAY SILVERMAN A distância focal, geralmente representada em milímetros (mm), é uma

Leia mais

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo a- Conceito de Planos e características técnicas b- Angulação: Enquadramento e efeitos de sentido Conceito de Planos e características técnicas A idéia de Planificação

Leia mais

CURSO BÁSICO DE FOTOGRAFIA EXPANDIDA

CURSO BÁSICO DE FOTOGRAFIA EXPANDIDA 4ª aula Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida CURSO BÁSICO DE FOTOGRAFIA EXPANDIDA al m ra r o F n = ll m Fu m l 0 5 m e iagona D A distância focal da objetiva considerada

Leia mais

OBJETIVAS FOTOGRAFICOS DSLR

OBJETIVAS FOTOGRAFICOS DSLR OBJETIVAS FOTOGRAFICOS DSLR 8mm F3.5 UMC Ojo de pez CSII 10mm F2.8 AS NCS CS 12mm F2.8 AS NCS Ojo de pez 14mm F2.8 16mm F2.0 AS UMC CS 24mm F1.4 24mm F3.5 Tilt/Shift AS UMC 35mm F1.4 AS UMC 50mm F1.4 AS

Leia mais

Definição. OBJETIVA é um conjunto de lentes que leva a luz ao material sensível ou sensor da câmera. São classificadas pela:

Definição. OBJETIVA é um conjunto de lentes que leva a luz ao material sensível ou sensor da câmera. São classificadas pela: OBJETIVAS Definição OBJETIVA é um conjunto de lentes que leva a luz ao material sensível ou sensor da câmera. São classificadas pela: 1. Distância Focal 2. Luminosidade 3. Poder de Resolução Distância

Leia mais

5 - (UFMG) As figuras representam, de forma esquemática, espelhos e lentes.

5 - (UFMG) As figuras representam, de forma esquemática, espelhos e lentes. 1 - (Unicamp) Um sistema de lentes produz a imagem real de um objeto, conforme a figura a seguir. Calcule a distância focal e localize a posição de uma lente delgada que produza o mesmo efeito. 4 - (Uerj)

Leia mais

No mercado atual, existem centenas de opções de câmeras digitais, desde as mais simples, as mais complexas e sofisticadas com preços altíssimos.

No mercado atual, existem centenas de opções de câmeras digitais, desde as mais simples, as mais complexas e sofisticadas com preços altíssimos. DICAS DE FOTOGRAFIAS I Apresentação: A palavra Fotografia vem do Grego "fós (luz) e "grafis (pincel), que significa desenhar com a luz. Inventada há quase dois séculos, a fotografia continua sendo o melhor

Leia mais

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme.

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. A câmera fotográfica é constituída essencialmente por

Leia mais

Como ler o tubo da sua lente NIKKOR

Como ler o tubo da sua lente NIKKOR 17 DE JUNHO DE 2017 INICIANTE Como ler o tubo da sua lente NIKKOR O que eu vejo através de uma lente NIKKOR nunca é um problema; o problema é o que escolher. Mas o que eu vejo em uma lente NIKKOR pode

Leia mais

CAPITULO III : AS OBJETIVAS (O SISTEMA OPTICO DA CAMARA)

CAPITULO III : AS OBJETIVAS (O SISTEMA OPTICO DA CAMARA) AS OBJETIVAS Thomaz. W.M. Harrell CAPITULO III : AS OBJETIVAS (O SISTEMA OPTICO DA CAMARA) Fig 3.1 Imagem: Objetiva da primeira câmara Canon Em Lenswork II/Canon 23 CAPITULO III Thomaz. W.M. Harrell 24

Leia mais

Histograma Caroline Lima dos Santos, Aluna da Focus Escola de Fotografia

Histograma Caroline Lima dos Santos, Aluna da Focus Escola de Fotografia Histograma Caroline Lima dos Santos, Aluna da Focus Escola de Fotografia O Histograma é uma ajuda para a avaliação da foto, ele tem o papel de apresentar as informações reais contidas em determinada imagem,

Leia mais

Elementos ópticos. 1 - Conceitos relacionados. Reflexão e refração da luz, imagem real, imagem virtual, distância focal.

Elementos ópticos. 1 - Conceitos relacionados. Reflexão e refração da luz, imagem real, imagem virtual, distância focal. 1 - Conceitos relacionados Reflexão e refração da luz, imagem real, imagem virtual, distância focal. 2 - Objetivos Determinar a distância focal, o centro de curvatura e verificar a formação de imagens

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 02

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 02 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 02 Funções automatizadas A câmera fotográfica é hoje um objeto comum utilizado tanto por hobby quanto para trabalho. Isto faz

Leia mais

INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA O Equipamento Fotográfico. PROFESSOR JORGE FELZ

INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA O Equipamento Fotográfico. PROFESSOR JORGE FELZ INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA O Equipamento Fotográfico PROFESSOR JORGE FELZ jorgefelz@gmail.com textos básicos TRIGO, Thales. equipamento fotográfico. São Paulo: Senac, 2006. LANGFORD, M. Fotografia básica.

Leia mais

Brincadeira científica - Câmera fotográfica

Brincadeira científica - Câmera fotográfica Brincadeira científica - Câmera fotográfica Você, provavelmente, está acostumado a tirar fotos com uma câmera digital ou um celular. Mas você sabe como a imagem de um grande edifício, ou de uma pessoa,

Leia mais

LENTES E INSTRUMENTOS

LENTES E INSTRUMENTOS Experimento 1 LENTES E INSTRUMENTOS ÓTICOS 1.1 OBJETIVOS Construir e utilizar corretamente um microscópio composto, uma lupa, uma luneta astronômica e uma luneta terrestre. Classificar as imagens formadas.

Leia mais

Kit de aberrações de lentes e óptica de Fourier (2015)

Kit de aberrações de lentes e óptica de Fourier (2015) Apostila Kit de aberrações de lentes e óptica de Fourier (Lambda Scientific System, Inc) (www.lamdasys.com) (2015) 1. Introdução Num sistema óptico ideal, todos os raios de luz de um ponto do plano objeto

Leia mais

Esquema simplificado do olho humano

Esquema simplificado do olho humano O Olho Humano Esquema simplificado do olho humano A estrutura do olho humano comporta-se como uma lente convergente, comumente distante de 5 mm da Córnea e a 15 mm da retina. Funcionamento do Olho A luz

Leia mais

19/Dez/2012 Aula Sistemas ópticos e formação de imagens 23.1 Combinação de lentes 23.2 Correcção ocular 23.3 Microscópio 23.

19/Dez/2012 Aula Sistemas ópticos e formação de imagens 23.1 Combinação de lentes 23.2 Correcção ocular 23.3 Microscópio 23. 7/Dez/2012 Aula 22 22. Óptica geométrica 22.1 Espelhos planos 22.2 Espelhos curvos (esféricos) 22.3 Espelhos convexos 22.4 Imagens formadas por refracção 22.5 Lentes finas 22.6 Lentes grossas 22.7 Convenções

Leia mais

Oficina de Fotografia. Felipe Varanda

Oficina de Fotografia. Felipe Varanda Oficina de Fotografia Felipe Varanda No nosso visor: fotografia como umaferramenta profissional e de expressão. Ao fim do curso espera- se que o aluno tenha domínio sobre a câmera, tenha aumentado seu

Leia mais

Teste 7 - respostas. Nota ,3

Teste 7 - respostas. Nota ,3 Matrícula Uma lente é um dispositivo que usa o efeito da em superfícies curvas para formar uma imagem a partir de raios luminosos divergentes Nota O que é a distância focal de uma lente? Nota De acordo

Leia mais

Mensalidades 315,70 105,23 52,62 315,70 105,23 52,62 262,40 87,47 43,73 262,40 87,47 43,73 262,40 87,47 43,73 205,00 68,33 34,17

Mensalidades 315,70 105,23 52,62 315,70 105,23 52,62 262,40 87,47 43,73 262,40 87,47 43,73 262,40 87,47 43,73 205,00 68,33 34,17 Lista de Preços Canon Out 2012 PRODUTO CAMERAS COMPACTAS DIGITAIS Caracteristicas Preços c/iva DSC IXUS 510 HS WHT DSC IXUS 510 HS BLK DSC IXUS 500 HS BLK IXUS EPT 3 Meses 6 Meses 12 Meses 18 Meses 24

Leia mais

Apontamentos AS OBJECTIVAS

Apontamentos AS OBJECTIVAS As objectivas actuais são constituídas por uma série de lentes, (elementos), montados em grupos, colocadas num tubo chamado barrilete. O facto de se agruparem lentes com caracteristicas diferentes, tem

Leia mais

ESPELHOS E LENTES 01/09/16

ESPELHOS E LENTES 01/09/16 ESPELHOS E LENTES 01/09/16 UM ESPELHO É UMA SUPERFÍCIE MUITO LISA E QUE PERMITE ALTO ÍNDICE DE REFLEXÃO DA LUZ QUE INCIDE SOBRE ELE. ESPELHOS POSSUEM FORMAS VARIADAS: ESPELHOS PLANOS DEFINIÇÃO UM ESPELHO

Leia mais

Lentes e Telescópios

Lentes e Telescópios Lentes e Telescópios Profª. Maria de Fátima Saraiva 1 Objetivos: Determinar a distância focal de uma lente Mostrar que as imagens formadas por lentes são invertidas Verificar como o tamanho da imagem se

Leia mais

3ª série LISTA: LENTES ESFÉRICAS. Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Rodrigo Alves DIA: MÊS: 09. Segmento temático: Turmas: A

3ª série LISTA: LENTES ESFÉRICAS. Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Rodrigo Alves DIA: MÊS: 09. Segmento temático: Turmas: A FÍSICA LISTA: 05 3ª série Ensino Médio Professor(a): Rodrigo Alves Turmas: A Aluno(a): Segmento temático: LENTES ESFÉRICAS DIA: MÊS: 09 2017 PROPRIEDADES DAS LENTES DELGADAS ( RAIOS NOTÁVEIS) ÇÃO DE IMAGENS

Leia mais

Câmeras Fotogramétricas. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Câmeras Fotogramétricas. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Câmeras Fotogramétricas Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Câmeras Fotográficas São todos os dispositivos que, através de um sistema ótico, registram a energia refletida

Leia mais

TRABALHO DE FÍSCA 1º ANO A 1º BIMESTRE FÍSICA B PROF JOÃO RODRIGO

TRABALHO DE FÍSCA 1º ANO A 1º BIMESTRE FÍSICA B PROF JOÃO RODRIGO TRABALHO DE FÍSCA 1º ANO A 1º BIMESTRE FÍSICA B PROF JOÃO RODRIGO 1. (UNICAMP) Um sistema de lentes produz a imagem real de um objeto, conforme a figura a seguir. Calcule a distância focal e localize a

Leia mais

Física. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) 04 e Método Gráfico

Física. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) 04 e Método Gráfico Lentes Método Gráfico Lentes Método Gráfico 1. As figuras representam feixes paralelos de luz monocromática incidindo, pela esquerda, nas caixas A e B, que dispõem de aberturas adequadas para a entrada

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 2. Capítulo 6 Espelhos Esféricos. Página - 236

Professora Bruna CADERNO 2. Capítulo 6 Espelhos Esféricos. Página - 236 CADERNO 2 Capítulo 6 Espelhos Esféricos Página - 236 O QUE SÃO ESPELHOS ESFÉRICOS? Observe a figura: O QUE SÃO ESPELHOS ESFÉRICOS? Um calota esférica com a superfície interna espelhada (refletora) é o

Leia mais

Dicas para um bom registro fotográfico

Dicas para um bom registro fotográfico Dicas para um bom registro fotográfico Manual de foto Enquadramento Tente fugir do clichê de colocar o assunto sempre no meio da foto. Deslocar o objeto principal de imagem pode fazer toda a diferença

Leia mais

CAPITULO III : O Olho de Vidro (O SISTEMA OPTICO DA CAMARA)

CAPITULO III : O Olho de Vidro (O SISTEMA OPTICO DA CAMARA) CAPITULO III : O Olho de Vidro (O SISTEMA OPTICO DA CAMARA) Fig 3.1 Imagem: Objetiva da primeira câmara Canon Permissão de Canon 24 AS OBJETIVAS Thomaz. W.M. Harrell 1. LENTES OU OBJETIVAS? Uma questão

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Lista de Exercícios - 2º ano - Física - 3º trimestre Aluno: Série: Turma: Data:

Questão 1. Questão 2. Lista de Exercícios - 2º ano - Física - 3º trimestre Aluno: Série: Turma: Data: Lista de Exercícios - 2º ano - Física - 3º trimestre Aluno: Série: Turma: Data: Questão 1 A imagem de um objeto formada por um espelho côncavo mede metade do tamanho do objeto. Se o objeto é deslocado

Leia mais

WORKSHOP LUZ E IMAGEM

WORKSHOP LUZ E IMAGEM WORKSHOP LUZ E IMAGEM Aula 8 Óptica Geométrica 0.9 0.8 Short-wave infrared 0.7 0.6 0.5 0.4-0.01 0.00 +0.01 Paulo Tribolet Abreu e Manuel Silveira Ramos Ar.Co, 2011 COMO FORMAR UMA IMAGEM? Cada ponto do

Leia mais

figura 1 índice de refração: n 2 = 1,7; adotando que a lente está inicialmente no ar, índice de refração do ar: n 1 = 1.

figura 1 índice de refração: n 2 = 1,7; adotando que a lente está inicialmente no ar, índice de refração do ar: n 1 = 1. Uma lente delgada biconvexa cujos raios de curvatura são iguais a 42 cm, tem índice de refração,7. Introduz-se essa lente num cuba transparente de faces paralelas, verticais e de espessura desprezível.

Leia mais

n n n. Nessas condições, são feitas as seguintes afirmativas:

n n n. Nessas condições, são feitas as seguintes afirmativas: 1. (Epcar (Afa) 2017) Considere uma lente esférica delgada, S, de bordas finas, feita de material de índice de refração n maior do que o índice de refração do ar. Com esta lente podem-se realizar dois

Leia mais

REFLEXÃO DA LUZ. i = r. PRIMEIRA LEI DA REFLEXÃO RI, N e RR são coplanares (pertencem ao mesmo plano). SEGUNDA LEI DA REFLEXÃO

REFLEXÃO DA LUZ. i = r. PRIMEIRA LEI DA REFLEXÃO RI, N e RR são coplanares (pertencem ao mesmo plano). SEGUNDA LEI DA REFLEXÃO REFLEXÃO DA LUZ RI = raio incidente N = reta normal RR = raio refletido i = ângulo de incidência r = ângulo de reflexão S = superfície refletora PRIMEIRA LEI DA REFLEXÃO RI, N e RR são coplanares (pertencem

Leia mais

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ)

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Sérgio Ferreira de Lima http://aprendendofisica.net/rede/blog/category/aprofundamento/ cp2@sergioflima.pro.br Óptica Geométrica: Estudo dos fenômenos

Leia mais

Benefícios de Usar o Botão AF-ON para Foco Automático

Benefícios de Usar o Botão AF-ON para Foco Automático 7 DE JULHO DE 2017 AVANÇADO Benefícios de Usar o Botão AF-ON para Foco Automático Apresentando MARK ALBERHASKY, GARY SMALL & JAY WATSON Jay Watson D700 e lentes AF-S NIKKOR 300mm f/2.8g ED VR II e AF-S

Leia mais

Configurações Avançadas de Funções

Configurações Avançadas de Funções Ligando a Câmera Uma mensagem de "Baixa Iluminação" aparecerá no monitor LCD, como um aviso para você ajustar um tipo de flash, pois a cena apresenta iluminação insuficiente para registrar uma fotografia

Leia mais

Lentes Esféricas. Prof.: Henrique Dantas

Lentes Esféricas. Prof.: Henrique Dantas Lentes Esféricas Prof.: Henrique Dantas LENTES ESFÉRICAS Chamamos de lente esférica, a associação de dois dioptros, sendo um necessariamente esférico e o outro plano ou esférico. Sendo transparentes, quando

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA 24h.

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA 24h. ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA 24h. APRESENTAÇÃO As informações descritas neste documento têm o objetivo de orientar os municípios/distrito

Leia mais

Página 2 de 13. Índice

Página 2 de 13. Índice Página 2 de 13 Índice Introdução... 2 Luz, ambientes e equipamentos... 4 Ambientes cobertos... 4 Ambientes externos... 5 Água... 6 A objetiva certa para cada distância... 7 O momento que antecede a ação...

Leia mais

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Reflexão da Luz e Espelhos. Objetivos. Unidade 1 Som e Luz

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Reflexão da Luz e Espelhos. Objetivos. Unidade 1 Som e Luz Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade Unidade 1 SOM E LUZ Reflexão da Luz e Espelhos Objetivos Interpretar e reconhecer a importância da reflexão e difusão da luz. Distinguir e reconhecer a

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ESPELHOS ESFÉRICOS E PLANOS Prof. Evandro 1ª Série E.M.

LISTA DE EXERCÍCIOS ESPELHOS ESFÉRICOS E PLANOS Prof. Evandro 1ª Série E.M. LISTA DE EXERCÍCIOS ESPELHOS ESFÉRICOS E PLANOS Prof. Evandro 1ª Série E.M. 01 Um objeto é colocado a 10 cm de um espelho côncavo, de distância focal igual a 20 cm. A imagem do objeto será: a) do tamanho

Leia mais

TUTORIAL DE COMO TIRAR FOTOS 12 DICAS

TUTORIAL DE COMO TIRAR FOTOS 12 DICAS TUTORIAL DE COMO TIRAR FOTOS 12 DICAS Criado por Amanda Maciel de Quadros 1) Enquadramento Tente fugir do clichê de colocar o assunto sempre no meio da foto. Deslocar o objeto principal da imagem pode

Leia mais

ESTUDANTE: ANO: 2º TURMA: TURNO: DATA: / / 2013 TRIMESTRE: TERCEIRO

ESTUDANTE: ANO: 2º TURMA: TURNO: DATA: / / 2013 TRIMESTRE: TERCEIRO ENSINO MÉDIO NAP III ESTUDANTE: ANO: 2º TURMA: TURNO: DATA: / / 2013 TRIMESTRE: TERCEIRO COMPONENTE CURRICULAR: FÍSICA PROFESSOR(A): WELLINGTON QUESTÃO 1 (UNESP-SP) Na figura, estão representados, esquematicamente,

Leia mais

Espelhos esféricos. Calota esférica

Espelhos esféricos. Calota esférica Espelhos esféricos Espelhos esféricos são espelhos que resultam do corte de uma esfera formando o que se chama de calota esférica.nesses espelhos, uma das superfícies da calota é espelhada, produzindo

Leia mais

Tecnologias IXUS 130 e IXUS 105

Tecnologias IXUS 130 e IXUS 105 Tecnologias IXUS 130 e IXUS 105 Estabilizador de Imagem Óptico O Estabilizador de Imagem Óptico da Canon evita a desfocagem, reduzindo drasticamente os efeitos das trepidações da câmara. Em situações onde

Leia mais

Outras características dos espelhos planos são:

Outras características dos espelhos planos são: ÓPTICA Espelhos O espelho plano se caracteriza por apresentar uma superfície plana e polida, onde a luz que é incidida reflete de forma regular. Para obter um bom grau de reflexão, é necessário que a variação

Leia mais

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Introdução O dispositivo de saída mais utilizado por um computador é o dispositivo

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Me. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Estereoscopia É um fenômeno natural; Resulta da aplicação da visão binocular na observação

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO

EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO TODOS SÃO BEM DIFÍCEIS FAÇA UM OU DOIS POR DIA CONSULTE A RESOLUÇÃO SOMENTE EM ÚLTIMO CASO LUTE E NÃO DESISTA FACILMENTE... BOM TRABALHO!!! 1. (UERJ/2013) Um raio luminoso monocromático,

Leia mais

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Visão Computacional Alessandro L. Koerich Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Lentes para Visão Computacional Parte 2 Tipos de Lentes Distância Focal

Leia mais

Ótica Espelho plano CARACTERÍSTICAS DA IMAGEM -VIRTUAL - DIREITA - DIMENSÕES DA IMAGEM = OBJETO - REVERSA (DIREITO/ESQUERDO) Espelhos esféricos Quando a superfície reflectora for a interna, o espelho

Leia mais

Prinfor - A sua loja de confiança

Prinfor - A sua loja de confiança Produto Nome: Canon PowerShot D30 ( Azul ) Fabricante: Canon Preço: 275,03 Descrição Memória Tipos de Cartão de Memória SD, SDHC, SDXC Slots de memória 1 Monitores Display LCD Tamanho do ecrã na diagonal

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aulas 19 e 20 Construindo Imagens. Página 189

Professora Bruna FÍSICA B. Aulas 19 e 20 Construindo Imagens. Página 189 FÍSICA B Aulas 19 e 20 Construindo Imagens Página 189 INTRODUÇÃO Onde e para que finalidade utilizamos lentes? Assim como fizemos para construção de imagens em espelhos esféricos, definiremos alguns pontos

Leia mais

1331 Velocidade do som em líquidos

1331 Velocidade do som em líquidos 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP Tópicos Relacionados Ultra-som, velocidade do som, frequencia, comprimento de onda, pressão sonora, ondas

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA!

CURSO DE FOTOGRAFIA! CURSO DE FOTOGRAFIA Aula 1 - Profundidade de Campo By Mauricio Valadão A brincadeira aqui é determinar o que na foto estará focada e o que estará borrada fora de foco. Muito resumidamente os principais

Leia mais

Lista de Exercícios 01_2012 Óptica prof. Venê (08/04/2012)

Lista de Exercícios 01_2012 Óptica prof. Venê (08/04/2012) Lista de Exercícios 01_2012 Óptica prof. Venê (08/04/2012) 1. (FUVEST) Adote: velocidade da luz = 3.10 8 m/s Um feixe de luz entra no interior de uma caixa retangular de altura L, espelhada internamente,

Leia mais

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 Cite 08 tipos

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br Prof. Dulcidio Braz Jr Óptica da V i s ã o Esclerótica Cristalino (lente transparente) Córnea (lente transparente) Anatomia Coróide Humor Vítreo (líquido) Pálpebra Íris Pupila Humor

Leia mais

Construção de uma Lente Divergente de Água

Construção de uma Lente Divergente de Água Relatório Final F609 - Tópicos de Ensino de Física Construção de uma Lente Divergente de Água Aluno: Alexandre Lisita E-mail: ale_lisita arroba hotmail ponto com ponto br Orientadores: Prof. Joaquim lunazzi

Leia mais

Qual a cor da substância que deu origem ao espectro da Figura 1? a) Azul. b) Verde. c) Violeta. d) Laranja. e) Vermelho.

Qual a cor da substância que deu origem ao espectro da Figura 1? a) Azul. b) Verde. c) Violeta. d) Laranja. e) Vermelho. 1. (Enem 2014) É comum aos fotógrafos tirar fotos coloridas em ambientes iluminados por lâmpadas fluorescentes, que contêm uma forte composição de luz verde. A consequência desse fato na fotografia é que

Leia mais

63,5µs, chega-se a 21, ou seja,

63,5µs, chega-se a 21, ou seja, STV 10 SET 2008 1 TEMPO DE APAGAMENTO VERTICAL os pulsos de apagamento vertical levam a amplitude do sinal de vídeo para o nível de preto de maneira que o feixe de varredura esteja apagado durante os retraços

Leia mais

Unidade IV. Aula 21.2 Conteúdo: Óptica, Ser humano e Saúde. Espelhos esféricos: Estudo analítico das imagens, equação de Gauss e aplicações.

Unidade IV. Aula 21.2 Conteúdo: Óptica, Ser humano e Saúde. Espelhos esféricos: Estudo analítico das imagens, equação de Gauss e aplicações. CONTEÚDO E HABILIDADES Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 21.2 Conteúdo: Espelhos esféricos: Estudo analítico das imagens, equação de Gauss e aplicações. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES Habilidade: Reconhecer

Leia mais

A Luz e o mundo que nos rodeia. A luz é fundamental para observarmos o que existe à nossa volta.

A Luz e o mundo que nos rodeia. A luz é fundamental para observarmos o que existe à nossa volta. LUZ A Luz e o mundo que nos rodeia A luz é fundamental para observarmos o que existe à nossa volta. A luz e os corpos Corpos luminosos corpos que produzem ou têm luz própria Corpos iluminados corpos que

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 2. Capítulo 5. Imagens e Espelhos Página 229

Professora Bruna CADERNO 2. Capítulo 5. Imagens e Espelhos Página 229 CADERNO 2 Capítulo 5 Imagens e Espelhos Página 229 INTRODUÇÃO Imagine-se olhando para um espelho dentro de uma sala. Nesta situação, você tem a impressão que tanto você quanto os objetos que estão ao seu

Leia mais

Fotografia Digital. Escola de Belas Artes EBA UFMG Cursos de Extensão. Alexandre Cruz Leão.

Fotografia Digital. Escola de Belas Artes EBA UFMG Cursos de Extensão. Alexandre Cruz Leão. Fotografia Digital Escola de Belas Artes EBA UFMG Cursos de Extensão Alexandre Cruz Leão www.fotodearte.com.br/cursos/fotodigital e-mail: alexandre@fotodearte.com.br Junho 2016 Luiz Claudio Marigo 1950

Leia mais

OTI Ótica QUÍMICA

OTI Ótica QUÍMICA OTI-0002 - Ótica QUÍMICA Estágio em Docência Marsal Eduardo Bento Professor da Disciplina: Holokx Abreu Albuquerque Abril/2014 1 Sumário Instrumentos Ópticos Lente de aumento simples Microscópio composto

Leia mais

SENSORES. Acelerômetro. Sensor de temperatura. Sensor de luminosidade. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro. Encoder incremental

SENSORES. Acelerômetro. Sensor de temperatura. Sensor de luminosidade. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro. Encoder incremental SENSORES São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e que transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle informando a variação

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Graduação em Engenharia da Computação Prática 08 - Refração da Luz Alunos: Egmon Pereira; Igor Otoni Ripardo de Assis; Leandro de Oliveira Pinto;

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo das leis da reflexão e da refracção Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino

Leia mais

SENSORES. Acelerômetro. Sensore de temperatura. Sensore de luminosidade. Chave de fim de curso. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro

SENSORES. Acelerômetro. Sensore de temperatura. Sensore de luminosidade. Chave de fim de curso. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro SENSORES São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e que transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 SENSORES Acelerômetro

Leia mais

CUBA DE ONDAS. Fonte de alimentação com duas saídas (lâmpada e vibrador) e protegidas com fusível e relé.

CUBA DE ONDAS. Fonte de alimentação com duas saídas (lâmpada e vibrador) e protegidas com fusível e relé. CUBA DE ONDAS Composição do conjunto experimental Fonte de alimentação com duas saídas (lâmpada e vibrador) e protegidas com fusível e relé. Chave liga desliga e indicador de ligada com led verde, alimentação

Leia mais

Nota experimental 18 ATIVIDADES COM LENTES

Nota experimental 18 ATIVIDADES COM LENTES Nota experimental 18 ATIVIDADES COM LENTES Antonio C. Costa 1 INTRODUÇÃO a) Para se projetar um sistema óptico constituído de lentes, é necessário conhecer-se com exatidão, seus principais parâmetros,

Leia mais

Exercícios LENTES -1.

Exercícios LENTES -1. Exercícios LENTES -1. 1. (PUC-PR) A equação de Gauss relaciona a distância focal (f) de uma lente esférica delgada com as distâncias do objeto (p) e da imagem (p ) ao vértice da lente. O gráfico dado mostra

Leia mais

Professor Ítalo Reann

Professor Ítalo Reann 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha as lacunas. A imagem na esfera espelhada

Leia mais

Aula 2 Reflexão da luz e espelhos planos e esféricos

Aula 2 Reflexão da luz e espelhos planos e esféricos Aula 2 Reflexão da luz e espelhos planos e esféricos 1 Última aula Propagação retilínea Refração da luz Lei de Snell-Descartes 2 Princípio da preguiça mínima ação A B * Ar Espelho θ i θ r Suponha a seguinte

Leia mais

NOME: N RECUPERAÇÃO PARALELA DE FÍSICA II - TURMA 222 PROFº ROGÉRIO 1º BIMESTRE

NOME: N RECUPERAÇÃO PARALELA DE FÍSICA II - TURMA 222 PROFº ROGÉRIO 1º BIMESTRE 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2015 90 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N RECUPERAÇÃO PARALELA DE FÍSICA II - TURMA 222 PROFº ROGÉRIO 1º BIMESTRE

Leia mais

Fotografia. Câmera Caixote. Visor Direto. Reflex. Digital. Gisele Bertinato

Fotografia. Câmera Caixote. Visor Direto. Reflex. Digital. Gisele Bertinato Fotografia Câmera Caixote Visor Direto Reflex Digital Fotografia FOTO - (do grego photus) significa luz. GRAFIA - (do grego graphein) significa escrita. Fotografar, portanto, é escrever com a luz. Câmera

Leia mais

EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES DE ÓPTICA GEOMÉTRICA

EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES DE ÓPTICA GEOMÉTRICA EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES DE ÓPTICA GEOMÉTRICA PROF. GISOLDI. (Unesp 204) Para observar uma pequena folha em detalhes, um estudante utiliza uma lente esférica convergente funcionando como lupa. Mantendo

Leia mais

Curso de Fotografia. Eduardo Justiniano

Curso de Fotografia. Eduardo Justiniano Curso de Fotografia Eduardo Justiniano Quando surgiu a primeira técnica de reprodução verdadeiramente revolucionária - a fotografia, que é contemporânea dos primórdios do socialismo - os artistas pressentiram

Leia mais

Workshop de Fotografia

Workshop de Fotografia Workshop de Fotografia Funcionamento de uma máquina fotográfica O princípio da fotografia reside na captação de uma imagem através da luz. Este princípio foi pela primeira vez utilizado no século XV, através

Leia mais

STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz

STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz STV 15 SET 2008 1 FREQÜÊNCIAS DE VÍDEO ASSOCIADAS COM A VARREDURA HORIZONTAL no padrão xadrez da figura acima, o sinal de onda quadrada no topo representa as variações do sinal da câmera do sinal composto

Leia mais

Colégio Luciano Feijão

Colégio Luciano Feijão Colégio Luciano Feijão Apostila 1 UVA Resolução 1 Física 3 Aula 1 e 2 (Introdução a Óptica Geométrica) EXERCÍCIOS DE SALA 1) 1 ano-luz 9,5 10 12 km (Nota-se pela unidade de medida que este valor refere-se

Leia mais

Estás pronto? Junta te a mim na próxima página, onde enfrentaremos juntos o primeiro lado do triângulo: A Abertura.

Estás pronto? Junta te a mim na próxima página, onde enfrentaremos juntos o primeiro lado do triângulo: A Abertura. Introdução A fotografia é a arte de escrever com luz. Com ela captas momentos irrepetíveis para sempre, e essa é a sua beleza. Neste livro, tentarei ajudar te a obter mais desses momentos. É possível que

Leia mais

Noções Básicas em Microscopia Óptica

Noções Básicas em Microscopia Óptica Disciplina: Microbiologia Geral Noções Básicas em Microscopia Óptica Os microrganismos são pequenos demais para serem vistos a olho nú; Deve-se observá-los através de um microscópio. Latim Micro Pequeno

Leia mais

Qual é o tipo certo de lente NIKKOR para sua DSLR?

Qual é o tipo certo de lente NIKKOR para sua DSLR? 16 DE JUNHO DE 2017 INTERMEDIÁRIO Qual é o tipo certo de lente NIKKOR para sua DSLR? Revisado em setembro, 2016 Ler sobre todos os diferentes tipos de lente e suas abreviações pode ser um pouco cansativo,

Leia mais

Lentes Nikon para Gravação de Vídeos

Lentes Nikon para Gravação de Vídeos 16 DE MAIO DE 2017 AVANÇADO Lentes Nikon para Gravação de Vídeos Uma das maiores vantagens de gravar vídeos com uma câmera DSLR é a excelente seleção de lentes disponíveis. Cada lente tem seu próprio conjunto

Leia mais

Lista de Problemas rad.)

Lista de Problemas rad.) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Difração Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos

Leia mais

Aprenda como fotografar com longa exposição e obtenha fotos criativas

Aprenda como fotografar com longa exposição e obtenha fotos criativas Aprenda como fotografar com longa exposição e obtenha fotos criativas Confira nossas dicas para fotografar com longa exposição de forma criativa. Este recurso é utilizado para fotografar cenas em que o

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL LOB1021 - FÍSICA IV Prof. Dr. Durval Rodrigues Junior Departamento de Engenharia de Materiais (DEMAR) Escola de Engenharia de Lorena (EEL) Universidade

Leia mais

Óptica Geométrica. Construções geométricas em lentes delgadas"

Óptica Geométrica. Construções geométricas em lentes delgadas Óptica Geométrica Construções geométricas em lentes delgadas" Gonçalo Figueira goncalo.figueira@tecnico.ulisboa.pt Complexo Interdisciplinar, ext. 3375 Tel. 218 419 375 1.º semestre 2015/16" https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/disciplinas/lfeb2517/2015-2016/1-semestre"

Leia mais

Óptica. Aula 6 - Lentes e Instrumentos Ópticos.

Óptica. Aula 6 - Lentes e Instrumentos Ópticos. Óptica Aula 6 - Lentes e Instrumentos Ópticos Aula passada Luz que passa de um meio transparente para outro é observada de ser 1. refletida na interface entre os meios 2. refratada (muda de direção) Dedução

Leia mais

Dicas rápidas para fotografar retratos melhores

Dicas rápidas para fotografar retratos melhores 23 DE JULHO DE 2017 INTERMEDIÁRIO Dicas rápidas para fotografar retratos melhores Escolha da lente, configurações de exposição e modos de foco Apresentando GARY SMALL Gary Small D300 e lente AF-S NIKKOR

Leia mais

Dicas rápidas para fotografar retratos melhores

Dicas rápidas para fotografar retratos melhores 1 DE DEZEMBRO DE 2017 INTERMEDIÁRIO Dicas rápidas para fotografar retratos melhores Escolha da lente, configurações de exposição e modos de foco Apresentando GARY SMALL Gary Small D300 e lente AF-S NIKKOR

Leia mais

Introdução à Fotografia Digital

Introdução à Fotografia Digital Introdução à Fotografia Digital Aula 1 Fundamentos, Câmeras, Obje3vas Disponível em www.ecoclics.com/wp- content/pdf/aula_ifd_1.pdf Roteiro da Aula Apresentações Programação do curso Câmeras Objetivas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÓPTICA: REFRAÇÃO PROF. PEDRO RIBEIRO

LISTA DE EXERCÍCIOS ÓPTICA: REFRAÇÃO PROF. PEDRO RIBEIRO Questão 01 - (UEM PR) LISTA DE EXERCÍCIOS ÓPTICA: REFRAÇÃO PROF. PEDRO RIBEIRO Assinale o que for correto. 01. Um conjunto constituído de dois meios homogêneos e transparentes à passagem da luz visível,

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1 Experimento 2 A emissão da luz por diferentes fontes Objetivo: Construir um modelo para a emissão de luz por uma fonte não puntiforme. Material utilizado! caixa escura! máscaras! fonte de luz 1 com lâmpadas

Leia mais