A coleta e a disposição final dos resíduos sólidos urbanos no município de Capim Grosso-Ba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A coleta e a disposição final dos resíduos sólidos urbanos no município de Capim Grosso-Ba"

Transcrição

1 A coleta e a disposição final dos resíduos sólidos urbanos no município de Capim Grosso-Ba Alany Santos Oliveira 1, Carlos Ney Nascimento de Oliveira 2, Joelande Esquivel Correia 3, Lincoln de Souza Gonçalves 4 Millena Campos Carvalho 5 Introdução Toda atividade humana é por natureza geradora de resíduos, sejam sólidos, líquidos ou gasosos e estes devem ser gerenciados corretamente, para minimizar os custos e reduzir o potencial de geração de problemas sanitários e ambientais em comunidades. Em função da sua natureza heterogênea, os resíduos sólidos podem causar impactos sanitário, ambiental, econômico e estético durante todo seu ciclo de vida e principalmente, em sua etapa de destinação final agredindo a atmosfera, o solo, o lençol freático e os ecossistemas. A problemática dos resíduos sólidos sempre esteve presente e gradativamente vem adquirindo uma grande importância na instância legislativa, que produz movimentos ambientalistas pertinentes à política pública de resíduos, definindo os princípios e hierarquia da sua gestão (NUNESMAIA, 1997). Deste modo, o gerenciamento dos resíduos sólidos é hoje um dos principais desafios para atender plenamente às diretrizes atuais de proteção ambiental e responsabilidade social, pois permite o conhecimento quali - quantitativo e as peculiaridades dos diferentes resíduos gerados por uma população e exige a participação e o envolvimento de todos num processo de gestão participativa integrada de resíduos sólidos urbanos. A articulação de esforços dos diferentes órgãos da administração pública e da sociedade civil com propósito de limpeza urbana, coleta, tratamento e a disposição final do lixo do lixo levando em consideração as características da fonte de geração, o volume e o tipo de resíduo gerado é uma ação que vai além do exercício da cidadania significa qualidade de vida e ambiental Bióloga -UEFS, Mestrado em Eng. Civil e Eng. Ambiental, Geógrafo-UEFS, Mestrado em Eng. Civil e Eng. Bióloga-UEFS, Mestrado em Eng. Civil e Eng. Ambiental, Biólogo-UEFS, Mestrado em Eng. Civil e Eng. Ambiental, Bióloga-UEFS, Mestrado em Eng. Civil e Eng. Ambiental, 1

2 O que torna-se imprescindível, o uso de ações de educação ambiental a fim de sensibilizar a população e os catadores sobre a temática e a inserção destes últimos no processo de gestão participativo. Pois, segundo Magera (2003), tradicionalmente no Brasil, as atividades de catação e separação de materiais recicláveis têm sido realizadas, principalmente, pelo trabalho de catadores em condições precárias de trabalho nas ruas, nos lixões, aterros e unidade de triagem, motivados pela necessidade de sobrevivência em uma realidade de miséria e exclusão social. Para isso é importante conhecer os atores que participam destas condições que configuram este quadro de exclusão para viabilizar medidas de inclusão social e minimização da degradação ambiental, além dos processos que concerne a coleta, transporte e destino final dos resíduos sólidos municipais urbanos. Diante destes esforços e no intuito de propor a construção de um Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Urbanos (PGIRSU), no Município de Capim Grosso, BA, o presente trabalho teve como objetivos diagnosticar a atual situação da coleta, transporte e disposição final dos resíduos sólidos urbanos; identificar o perfil dos catadores que atuam na área do lixão; conhecer os principais geradores de resíduos sólidos urbanos. O Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Urbanos é um documento que aponta e descreve as ações relativas ao seu manejo, contemplando os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final, bem como proteção ao meio ambiente e à saúde pública (D ALMEIDA; VILLHENA, 2000). Sob seu ponto de vista funcional, este plano, poderá ampliar as possibilidades de compreensão da problemática da coleta, do transporte e particularmente da destinação final do lixo municipal urbano e contribui com a análise do processo como um todo, abrindo espaço para discussões sobre novas soluções de gerenciamento inclusive para elaboração e implantação de um PGIRSU, no município (SANTOS, 2004). Metodologia Campo de estudo O Município de Capim Grosso, criado em 1985, faz parte da região de planejamento Piemonte da Diamantina. Possui localização privilegiada, situando-se no 2

3 entroncamento rodoviário das BR s 324 e 407, que ligam a capital Salvador (a 268km), a região central e oeste da Bahia e norte do país. Possui clima semi-árido, vegetação caatinga arbórea aberta; relevo plano suave ondulado, predomínio do tipo de solo latossolo vermelho-amarelo e insere-se na bacia do Itapicuru. A área do município é de 336 Km 2 e estima-se que possui hoje aproximadamente habitantes, apresenta crescimento populacional de 2,22% ao ano e taxa de urbanização de 74,7%. As atividades econômicas se concentram no comércio, serviços, na feira livre e nas atividades agropecuárias (SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA, 2007). Segundo dados do IBGE no ano 2006 em Capim Grosso o abastecimento de água chega a 53,0% da população e o esgotamento sanitário a apenas 11,1%. Tipo de estudo Trata-se de uma pesquisa exploratória de caráter descritivo do processo de coleta e disposição final de resíduos sólidos urbanos. A pesquisa exploratória tem por objetivo aproximar-se do tema, criando maior familiaridade em relação ao fato ou fenômeno, prospectando materiais que possam informar a real importância do problema, o que já existe a respeito ou até novas fontes de informação, o que normalmente é feito através de levantamento bibliográfico e documental, visitas a web-sites, entrevistas com profissionais da área, observações in loco dentre outros. Desta forma como procedimentos de coleta de dados, esta pesquisa, usou: Pesquisa em Bancos de dados como: Instituto de Brasileiro de Geografia e Estatística (Pesquisa Nacional de Saneamento Básico) e da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral de As visitas e observações in loco as quais permitiram: No lixão - descrever os aspectos inerentes à coleta, o transporte e disposição final dos resíduos sólidos do município em estudo. Na feira livre e no comércio - com a finalidade de conhecer os aspectos da geração de resíduos, o perfil desses dois grandes geradores e identificar parcerias entre catadores e comerciantes. Registro fotográfico Durante esta fase foram usados os seguintes instrumentos de coleta: 3

4 Formulário com questões mistas, direcionadas aos catadores do lixão na obtenção do seu perfil sócio-econômico. Entrevistas semi estruturadas com os comerciantes (na identificação de parcerias com catadores) e com os feirantes (na construção do perfil sócioeconômico, identificação de problemas e sugestões de soluções a respeito do resíduo gerado por eles). Resultados e Discussões De acordo com o levantamento do IBGE cada brasileiro gera, em média, 500 gramas de lixo diariamente, podendo chegar até a mais de 1 kg dependendo do poder aquisitivo e local em que mora. Estima-se então, que em Capim Grosso possa ter a geração de 9 a 18 toneladas por dia na zona urbana. A destinação destes resíduos ocorre, segundo dados da PNSB(2006) da seguinte forma: 80,08% dos domicílios são beneficiados com o sistema de coleta; do restante 11,95% é jogado em terreno baldio ou logradouro, 6,69% queimado, 0,99% coletado em caçamba, 0,29%, enterrado, 0,08%, jogado em rio ou lago e 0,02% possui outro destino. A gestão dos resíduos A prefeitura local é a responsável pelos serviços de limpeza e coleta destes resíduos, porém não há planejamentos (na consolidação do Plano Diretor de Limpeza Urbana) como preconiza a legislação federal (Lei nº /2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico), nem existe no município legislação pertinente ao tema. Logicamente a coleta e transporte de lixo não possuem roteiros e dimensionamentos estabelecidos, sendo realizada de acordo a demanda da rua, ou bairro, por isto algumas vezes podem passar duas vezes no mesmo local em um dia, e nenhuma em outro. O único tipo de coleta diferenciada é a realizada com os resíduos do serviço de saúde, através de um caminhão exclusivo, que faz a coleta 3 vezes por semana em clínicas particulares, e todos os dias no hospital público. Assim, os resíduos dos serviços de poda, varrição, do comércio e feira livre são coletados, transportados e dispostos misturados. A frota composta, por 11 veículos (caminhão D70), é muito antiga e em péssimo estado de conservação, além de não ser do tipo recomendada para o transporte de lixo, pois, dentre outros motivos, a carrocerias são abertas e de madeira não evitando que algum 4

5 resíduo seja derrubado no percurso. Em cada veículo trabalham 4 pessoas ( motorista e 3 carregadores) os mesmos não utilizam equipamentos de segurança. Disposição final dos resíduos O local da disposição final é um lixão aberto, fora da área urbana, no limite oeste do município na comunidade rural de Mata do Estado fazendo fronteira com o município de Quixabeira. A área é limitada ao norte pela BR 324, a leste e oeste há presença de vegetação secundária e propriedades rurais, e ao sul uma estrada que leva ao município de Quixabeira. A área apresenta evidencias de erosão, forte sinal que a chuva pode carrear o lixo e o chorume para outras áreas contaminado-as. Seu solo do tipo latossolo vermelho amarelo é bastante permeável, o que aliado a formação geológica em termos hidrogeológicos, tem um comportamento de 'aqüífero granular', caracterizado por possuir uma porosidade primária, e nos terrenos arenosos uma elevada permeabilidade, o que lhe confere, no geral, excelentes condições de armazenamento e fornecimento d água. Sendo, bastante comum, que os poços localizados neste domínio, captem água dos aqüíferos subjacentes (COMPANHIA BAIANA DE PESQUISA MINERAL, 2003). O riacho do Pai Tomé que ocorre na porção centro-oeste do município, com direção de fluxo nordeste (em direção a sede) conflui com o rio do Peixe, proveniente do município de Quixabeira e contribui para formar o açude Rio do Peixe, que está apenas a 1,5 Km do lixão, o qual serve como fonte de renda para os capingrossensse através da atividade de pesca. O lixo disposto na área chega bastante misturado. Aos resíduos domiciliares misturam-se as podas de árvores, os resíduos de empresas automotivas, os de varrição, os resíduos de açougues, dentre outros. Todavia, quase não há material reciclável, pois o mesmo é aproveitado antes da coleta, no centro da cidade, ou por catadores de rua ou pelos próprios garis. O restante é depositado a céu aberto e apenas os resíduos de saúde são depositados em local separado e queimado a céu aberto, sem qualquer controle da fumaça e odor liberado. Os catadores de resíduos O acúmulo desordenado do lixo e o fácil acesso atraem trabalhadores catadores e crianças em busca de materiais recicláveis que se arriscam, convivem e disputam os 5

6 resíduos entre e/com cães, baratas, moscas, urubus. Estes junto ao derrame dos caminhões catam aquilo que lhes convém: plástico, papel, papelão, ossos, madeira e outros. Entre a população de catadores em estudo, constatou-se que dos cinco catadores de resíduos sólidos urbanos do Município de Capim Grosso que responderam ao formulário de pesquisa quatro eram do gênero masculino, com idade superior a 40 anos e três deles não tinham instrução. Apenas dois catadores eram filhos da cidade, os demais vieram de outros locais e até de outros estados. Em Capim Grosso, todos obtinham uma renda mensal do lixo, inferior a um salário mínimo, entretanto, três entrevistados revelaram que se sentiam satisfeitos com o trabalho, pois, não tinham patrão, nem horário definido para o trabalho. Dois catadores disseram possuir outra fonte de renda. Quatro dos pesquisados têm residência própria. E apenas dois tinham sua família envolvida na catação. A maioria, não tem noção da quantidade de material reciclável coletado por mês. Se queixavam de não ter mais tanta variedade, pois, existiam catadores de rua pela cidade, que recolhiam antes de serem coletados pela Prefeitura. No geral, coleta-se no município: papel / papelão, ossos (mercado de carne), pet, ferro, alumínio e cobre. Catar lixo é considerado por Barros, Sales e Nogueira (2002) uma atividade excludente pela própria natureza do tipo de trabalho. Geralmente os trabalhadores da catação constituem uma massa de desempregados que devido a fatores como a idade, condição social e baixa escolaridade, não encontram lugar no mercado formal de trabalho (MALHOTRA, 2001).A população de catadores cresce em todo o país com o agravamento da crise social, segundo IBGE são mais de 500 mil pessoas no país vivendo da coleta de materiais recicláveis. Entretanto, a inclusão desses catadores ocorre de forma perversa. Dessa forma, pode-se inferir que o catador de materiais recicláveis é incluído ao ter um trabalho, mas excluído pelo tipo de trabalho que realiza: trabalho precário, realizado em condições inadequadas, com alto grau de periculosidade e insalubridade, sem reconhecimento social, com riscos muitas vezes irreversíveis à saúde, com a ausência total de garantias trabalhistas (MEDEIROS; MACEDO, 2006). A feira livre e a produção de resíduos A feira livre de Capim Grosso tem uma estrutura física formada por dois galpões fechados (um para venda de frutas, e legumes, e outro para carnes) e um galpão aberto 6

7 (para comercialização de frutas, legumes, laticínios, farinhas e beijus e outros produtos alimentícios). Os resíduos da feira possuem 3 destinos: 1 coleta pelo serviço de limpeza da prefeitura realizada na segunda-feira pelos garis que varrem e recolhem o lixo durante a noite; 2 doação para servirem de alimentação animal e 3 doação para pessoas necessitadas. A heterogeneidade dos materiais orgânicos e o alto percentual deste na composição total dos resíduos produzidos nas feiras facilitam os processos de compostagem, o que seria de grande valor para a comunidade em estudo, já que o município possui pessoas disponibilizadas e interessadas em serem multiplicadores deste processo. (VAZ; COSTA; GUSMÃO; AZEVEDO, 2003). Os locais de drenagem de esgoto e água pluvial estão entupidos por papel, restos de furtas e verduras, não existem lixeiras para a população descartar os resíduos e nem para os feirantes, assim observou-se vísceras de animais e peixes, ossos, frutas e verduras podres jogado a céu aberto, além de vetores de doenças e animais no local. As entrevistas com os feirantes evidenciaram o desejo por melhoria na estrutura local como: limpeza e higienização local, armazenamento temporário de resíduos sólidos além de reclamarem pela competição com o comercio que se encontra aos seus redores. Considerações Finais As observações in loco também registraram através de fotografias, a disposição de resíduos sólidos a atual situação de degradação ambiental no local a relação dos catadores com o espaço de trabalho, a falta de cuidados dos garis com a higiene e saúde, além da presença de crianças, durante todo o dia. Os dados revelam a necessidade de aperfeiçoamento da gestão dos resíduos sólidos no município de Capim Grosso e, o registro fotográfico deve servir como meio de divulgação entre os capingrossense, deste sério problema social e ambiental. Os dados sócio-culturais dos formulários e das entrevistas revelam a necessidade da construção de um novo modelo de gestão municipal do lixo que se preocupe não somente em minimizar os impactos ambientais decorrentes da destinação inadequada dos resíduos sólidos urbanos, como também promover a capacitação, organização e inclusão social dos catadores do lixão municipal. 7

8 Embora existam mecanismos legais de proteção ambiental, ainda é árduo o caminho para a aplicabilidade destes, pois são constantes as ocorrências do uso inadequado de áreas para disposição de resíduos sólidos, acarretando como resultados poluição do solo, água e ar. Nesse sentido, faz-se necessário priorizar as atividades que possam eliminar e minimizar a geração de contaminantes. Uma proposta que possa vir a ser viável para o município em estudo é a compostagem dos resíduos orgânicos provenientes das atividades da feira e dos mercados, junto aos resíduos de poda e varrição, na intenção de reduzir o volume de lixo jogado no lixão, e numa hipótese mais pretensiosa e porque não ousada, da instalação de um aterro simplificado, para disposição final dos resíduos urbanos de forma segura e eficiente para o ambiente e a saúde da pública. Referências BARROS, V. A.; SALES, M. M.; NOGUEIRA, M. L.M. Exclusão, favela e vergonha: uma interrogação ao trabalho. In: GOULART, I.B., org. Psicologia organizacional e do trabalho: teoria, pesquisa e temas correlatos. 1 ed. São Paulo: Casa do Psicólogo p BRASIL, Ministério da Saúde. Lei nº de 5 de janeiro de 2007 que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico. COMPANHIA BAIANA DE PESQUISA MINERAL. Geologia e recursos minerais do Estado da Bahia.Salvador, CD ROM. D'ALMEIDA, M. L. O., VILHENA, A. Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado, 2ª edição. São Paulo: IPT/CEMPRE 2000, 200 p.370. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBGE]. Programa Nacional de Saneamento Básico Disponível em Acessado em 18 de julho de MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 3ª. ed. Porto Alegre: Bookman, p156. MEDEIROS, L.F.R.; MACEDO, K.B Catador de material reciclável: uma profissão para além da sobrevivência? Psicologia & Sociedade; n 18, v 2:; mai./ago.p.66. MINAYO, M.C.S Pesquisa social: Teoria, Método e criatividade. Petrópolis: Vozes.p.109. NOVAES, W Panorama do lixo mundial. O Popular, Goiânia, Caderno 2, p. 8. 8

9 NUNESMAIA, Maria de Fátima da Silva. Lixo: Soluções Alternativas projeções a partir da experiência Universidade Estadual de Feira de Santana, SANTOS, M. G. Disposição dos Resíduos sólidos urbanos no município de Feira de Santana-BA: Sugestões para uma gestão integrada (monografia), Feira de Santana: FTC, 2004, p.76 SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Anuário estatístico da Bahia Disponível em: Acesso em: 08 de VAZ, L. M. S. et. al. Diagnóstico dos Resíduos Sólidos Produzidos em uma Feira Livre: O caso da Feira do Tomba.In Revista Sitientibus, UEFS, n. 28, p Jan/jun Feira de Santana-Ba 9

10 Agricultura, Degradação Ambiental e Desertificação na Região de Irecê-Ba. Carlos Ney Nascimento de Oliveira Graduado em Geografia-UEFS,Mestrando em Engenharia Civil e Engenharia Ambiental- DETEC- UEFS, Fernanda Miranda Campos - Graduada em Geografia pela UEFS,coordenadora do curso Técnico em Agropecuária do colégio estadual José Ribeiro de Araújo- Canarana. INTRODUÇÃO O presente trabalho tem objetivo analisar a relação entre agricultura, degradação ambiental e desertificação no semi-árido, enfatizando a região de Irecê. Como objetivos secundários, têm-se: identificar a relação existente entre a irrigação e a desertificação e manter diagnósticos atualizados sobre a realidade geográfica das áreas propensas à desertificação na região de Irecê. Deste modo é importante para conhecer as áreas propensas ao processo de desertificação, aprofundar as relações de causa com a agricultura, buscar formas de mitigar, e propor solução para assim ajudar nas pesquisas sobre a temática que possui grande interesse social. O conceito de desertificação surge em fins dos anos 30 para caracterizar as áreas que estavam ficando parecidas com deserto ou aquelas sobre as quais aparentava que os desertos estavam se expandindo. O fenômeno começa a despertar a atenção dos estudiosos, quando intensos processos de degradação ocorreram nos Estados Unidos da América, que, junto com uma forte seca que aconteceu nesse período, ocasionou um processo conhecido como dust bowl(nuvem de poeira). Outras ocorrências de degradação em áreas com clima semi-árido passaram a ser observadas, com destaque para África, principalmente na década de 60. O primeiro esforço internacional para conter a desertificação começou ao final da grande seca que assolou o Shael entre 1968 e A palavra desertificação vem dando margem a diversas interpretações e a certos equívocos, principalmente aqueles que relacionam o termo a um processo de criação de desertos; ou, os que misturam seca e desertificação como único e mesmo fenômeno e que, portanto, eliminando os efeitos da seca ( provendo água) se acabará, também, com a desertificação. Do ponto de vista formal, no entanto, essa polêmica foi resolvida quando da aprovação do documento da Agenda 21 e da Convenção da Desertificação, pelas Nações

11 Unidas. De acordo com esses documentos, define-se a desertificação como sendo "a degradação da terra nas regiões áridas, semi-áridas e sub-úmidas secas, resultante de vários fatores, entre eles as variações climáticas e as atividades humanas", sendo que, por "degradação da terra" se entende a degradação dos solos, dos recursos hídricos, da vegetação e a redução da qualidade de vida das populações afetadas. Observa-se que alguns aprofundamentos são introduzidos com esse entendimento. Um deles é reconhecer que a desertificação tem sua origem em complexas interações de fatores físicos, biológicos, políticos, sociais, culturais e econômicos. METODOLOGIA É necessário ressaltar que causas e conseqüências da desertificação, por mais que sejam apresentadas de forma segmentada, ocorrem de maneira integrada, compondo um cenário onde se faz, cada vez mais necessário, analises integradas. Por isto utilizou-se no processo metodológico a integração na visão holístico-sistêmica, entendendo que os elementos do meio em estudo são interdependentes e funcionam harmonicamente, conduzidos por fluxos de energia, de modo que cada um dos seus componentes reflete sobre os outros as mudanças nele impostas por estímulos externos. Foi realizada, vasta pesquisa bibliográfica, estudo dos documentos: Plano Diretor das bacias dos rios Jacaré e Verde, Plano estadual de Recursos Hídricos,PAN-BRASIL- Programa de ação nacional de combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca ; e outros que constam nas referências. Resolução CONAMA (CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE) nº 238; de 22/12/1997, que versa sobre desertificação,documentos e relatórios sobre desertificação elaborados pela UNESCO, MMA( Ministério do Meio Ambiente). Interpretação de Imagens de satélite e fotografias aéreas.através das técnicas de sensoriamento remoto, a partir da utilização do sistema orbital de observação Landsat- TM5, órbita-ponto 216/68, de 2002 sob a qual foram utilizadas as técnicas de fotointerpretação pedológica e de uso e ocupação do solo, em uma imagem em papel em escala 1: , assim como da mesma imagem digital doadas pela equipe da UFBA. Análise dos mapas de ocorrência de desertificação e áreas de atenção especial no Brasil feitos pelo IBAMA e dispostos no site do orgão. Interpretação dos mapas do plano diretor das bacias dos rios verde e jacaré (região de Irecê): geológico, geomorfológico declividade, hipsométrico,vegetação, pedológico, uso das terras, projetos de irrigação e fragilidade ambiental e correlação com a tematica.

12 Pesquisa de campo,junto com a equipe da SRH Irecê, em áreas caracterizadas como susceptíveis a desertificação na região com o uso de GPS para georreferenciamento de algumas áreas mais degradadas para monitoramento, e uso da maquina fotográfica digital para registrar as áreas e para análises, também correlacionando com o tema. Caracterização e estudo dos métodos de irrigação (tipo, quantidade de água utilizada, horário da irrigação, culturas irrigadas, tipo de solo da área e respectiva capacidade de armazenamento de água). Pesquisa no banco de dados da SRH (Superintendência de Recursos Hídricos), CERB (Companhia de Engenharia Rural da Bahia) e CODEVASF (Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco) sobre poços, irrigação e situação da água na área. RESULTADOS E DISCUSSÃO O processo de organização socioeconômica do semi-árido nordestino, historicamente baseado na pecuária extensiva, na policultura e na existência de alguns produtos de maior expressão no mercado, como foi o caso do algodão, esteve sempre baseado numa estrutura fundiária pautada na concentração de terras. No processo de desertificação mais difuso no semi-árido nordestino esse padrão tem se constituído na mola propulsora, agravado e reafirmado por secas periódicas. As peculiaridades decorrentes dos sistemas de produção que surgem desse processo rebatem diretamente na forma de uso dos recursos naturais, nas opções do que, onde e como desenvolver as atividade agropecuárias. Os mercados internacionais podem estimular a sobre-exploração dos recursos. A recente integração das economias das regiões semiáridas aos mercados nacionais e internacionais, vem estimulando uma maior exploração dos recursos para atender às crescentes demandas. Mais cruel que os períodos longos de estiagem, o semi-árido nordestino está sofrendo um processo de desertificação que se intensificou nos últimos 50 anos ( SAMPAIO, 2003). O processo de desertificação se manifesta de duas maneiras diferentes: i) difusa no território, abrangendo diferentes níveis de degradação dos solos, da vegetação e dos recursos hídricos; ii) concentrada em pequenas porções do território, porém com intensa degradação dos recursos da terra. Em ambos o solo vai perdendo a cobertura fértil e, aos poucos, torna-se estéril. Restam areia, rochas, algumas plantas esturricadas sem potencial econômico e enormes erosões (MATALHO,1995) O fenômeno tem duas causas. Primeiro a variação climática longos períodos de seca

13 associados a chuvas intensas e de curta duração. A outra face do problema está na ação do homem. A seca, como se sabe, é outro tipo de fenômeno. É parte constitutiva das condições climáticas da região. No entanto, a seca pode contribuir para incidência de fenômenos como retardamento (ou mesmo paralisia) dos ciclos vegetativos das plantas e, em áreas que já perderam a cobertura vegetal, tende a aumentar a temperatura do solo e assim afetar a fertilidade natural do mesmo. Logo, seca não é causa de desertificação, mas pode atuar como um acelerador dos processos(mma,2004). Já a ação humana através de desmatamentos, queimadas, irrigação inadequada, mineração fora das normas, entre outras agressões, deixam o solo nu e completamente desprotegido. Aí vem a chuva e leva a terra fértil. O sol, por sua vez, incide por um longo período num solo já enfraquecido e o enfraquece ainda mais. Por fim, as erosões vão crescendo. Pior é que o processo de desertificação no território brasileiro aflige exatamente a população mais vulnerável. Dos municípios com algum tipo de comprometimento decorrente da desertificação, 771 apresentam os menores índices de desenvolvimento humano (IDH) (PDSA,2005). As áreas susceptíveis à desertificação e enquadradas no escopo de aplicação da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação são aquelas de clima árido, semi-árido e sub-úmido seco. Conforme a definição aceita internacionalmente, o Índice de Aridez, definido como a razão entre a Precipitação e a Evapotranspiração Potencial, estabelece as seguintes classes climáticas: Hiper-árido < 0,03 Árido 0,03-0,20 Semi-árido 0,21-0,50 Sub-úmido seco 0,51-0,65 Sub-úmido úmido > 0,65 Este índice foi utilizado para o estabelecimento das áreas de risco e para a elaboração do Atlas Mundial da Desertificação, publicado pelo PNUMA e que serve como parâmetro em todo o mundo. No Brasil as áreas susceptíveis estão localizadas na região Nordeste e no Norte de Minas Gerais.

14 O mapa da susceptibilidade do Brasil, elaborado pelo MMA a partir de trabalho realizado pelo Centro de Sensoriamento Remoto do IBAMA, determinou três categorias de susceptibilidade: Alta, Muito Alta e Moderada. As duas primeiras referem-se respectivamente às áreas áridas e semi-áridas definidas pelo índice de aridez. A terceira é resultado da diferença entre a área do Polígono das Secas e as demais categorias. Assim, de um total de ,58 km2 de áreas susceptíveis, ,47 km2 são de susceptibilidade Muito Alta, ,71 km2 são de susceptibilidade Alta e 358,037,40 km2 são moderadamente susceptíveis. Dados do (PDBRVJ,1995) Irecê possui precipitação média de 630 mm e evapotranspiração potencial de 1.671mm,então por esta metodologia, índice de aridez de 0,35 classificado como semi-ŕida e com susceptibilidade muito alta a desertificação. Os estudos do MMA (2004) também indicam que a área afetada de forma Muito Grave é de km2, 10% do semi-árido e as áreas afetadas de forma Grave atingem

15 km2, 8% do território. Deve-se acrescentar que as demais áreas sujeitas ao antropismo, km2, sofrem degradação Moderada. O estagio da desertificação no semi-árido aponta para uma reflexão a respeito da construção cotidiana do problema em escala local, ou seja, é através do processo de organização socioespacial, dos sistemas produtivos, das relações de produção existentes e da perspectiva das políticas publicas adotadas, que historicamente vem se delineando a intensa degradação do semi-árido. Neste contexto insere-se a microrregião de Irecê que localiza-se na mesorregião Centro-Norte do território do Estado da Bahia A microrregião de Irecê constitui-se na região econômica nº 11 do estado da Bahia, localiza-se entre 10º12 e 12º20 de Latitude Sul e 41º20 e 43º17 de Longitude Oeste, no Noroeste do Estado,conforme figura abaixo. Figura 1 - Mapa da microrregião de Irecê. Fonte: SEI,1996. Registra o tipo climático semi-árido megatérmico, com chuvas escassas e mal distribuídas, com índices elevados de deficiência hídrica mensal e anual apresentando alta vulnerabilidade aos impactos das freqüentes secas. Do ponto de vista pedológico, existem, na Região, solos com teores elevados de salinidade como os Planosols, Podsols e Regosols e outros propensos à salinização se submetidos à irrigação não-racional. As estruturas agrícolas e agrárias vêm sofrendo modificações significativas, sobretudo nas últimas décadas, onde vem ocorrendo a passagem de uma economia tipicamente tradicional e extrativista, para uma agricultura mais tecnificada. Existem

16 desde os sistemas de cultivos mais tradicionais, até técnicas e práticas agrícolas, mais modernas como o uso de equipamentos de irrigação, máquinas, implementos e insumos. Nessa área prática-se uma diversidade de sistemas de produção, a maioria de baixa eficiência de aplicação da água de irrigação e com inadequado manejo dos solos.segundo dados da SEPLANTEC (1996) A área da chapada de Irecê teve sua vegetação de Caatinga substituída pela agricultura comercial de sequeiro, associada à comercial irrigada e de subsistência e pequenos áreas com pastagens. Em direção dos vales dos rio Verde e Jacaré foram implantados grandes projetos agrícolas irrigados. Os solos desnudos pela ação das queimadas nas vertentes concorrem para o incremento da erosão e conseqüente assoreamento e degradação dos mananciais. Isto acentuou a vulnerabilidade da caatinga à desertificação devido às condições do clima e relevo presentes. A retirada generalizada não criteriosa da cobertura vegetal em zonas de nascente, de recarga do aqüífero e margens dos rios, associada aos efeitos da degradação das características físico-hídricas e químicas do solo, em conseqüência da mecanização intensiva sem considerar os princípios do manejo e conservação do solo e água, a dinâmica hidrológica do sistema hidrográfico local, o uso intenso e abusivo de agrotóxicos, fertilizantes, herbicidas são, em síntese, os principais impactos Observou-se que ocorre nesta área à irracionalidade de se implantar lavouras que demandam grande quantidade de água como é o caso do feijão, numa região caracterizada pelo déficit hídrico quando o lógico seria utilizar lavouras adaptadas ao meio, isto é que não exigissem grande volume de água. Sabe-se que em geral a prática irracional da agricultura irrigada se constitui numa das causas da desertificação. No caso do Brasil especialistas, mostram o fenômeno da salinização física ( mau uso do solo) e da erosão, assim como outros problemas de natureza física e química decorrentes da irrigação realizada de forma inadequada. As áreas avaliadas estão submetidas a regime de explotação com agricultura irrigada intensiva, utilizando os métodos de irrigação por pivô central e irrigação localizada, com baixa eficiência no uso da água. Como principais problemas decorrentes, tem-se: métodos de irrigação ineficientes que subaproveitam a água; superexploração concentrada dos aqüíferos; queda dos níveis de vazão dos poços e rebaixamento dos níveis hidrostáticos;poluição do lençol subterrâneo com resíduos das atividades desenvolvidas (fertilizantes químicos, agrotóxicos, reservas de combustíveis, resíduos sólidos, dentre outros)e salinização dos solos, com o aparecimento na parte Norte da região de manchas

17 de desertificação. Classificada segundo o (PAN-BRASIL,MMA 2004) como área de desertificação moderada, podendo se agravar já que possui susceptibilidade muito alta, como foi mostrado anteriormente. CONSIDERAÇÕES FINAIS A degradação das terras secas causa sérios problemas econômicos. Isto se verifica principalmente no setor agrícola, com o comprometimento da produção de alimentos. Além do enorme prejuízo causado pela quebra de safras e diminuição da produção, existe o custo quase incalculável de recuperação da capacidade produtiva de extensas áreas agrícolas e da extinção de espécies nativas, algumas com alto valor econômico e outras que podem vir a ser aproveitadas na agropecuária, inclusive no melhoramento genético, ou nas indústrias farmacêutica, química e outras. A falta de perspectivas leva a população à migrar para os centros urbanos. Procurando condições mais favoráveis de sobrevivência, estes migrantes tendem a agravar os problemas de infra-estrutura (transporte, saneamento, abastecimento, entre outros) já existentes nos centros urbanos. Verifica-se também um aumento nos níveis de desemprego e violência urbana. A desertificação agrava o desequilíbrio regional. Nas regiões mais pobres do planeta, existe uma grande lacuna a ser preenchida quanto ao desenvolvimento econômico e social entre as áreas susceptíveis ou em processo de desertificação e as áreas mais desenvolvidas. Outro obstáculo a superar é a ação política tradicional, baseada na exploração das populações mais fragilizadas. As razões da ocorrência do fenômeno da desertificação são múltiplas e complexas, mas vale salientar que nosso modelo de desenvolvimento conduz ao estabelecimento do processo e determina sua velocidade de ocorrência. Logo, desertificação é uma questão de grandes dimensões resultante de fatores físicos e sociais, e por isso, requer a cooperação dos vários segmentos da sociedade, como a comunidade científica, associada a uma vontade política por aqueles que pertencem às diversas instâncias do poder para atenuar e, até, reverter o processo.

18 REFERÊNCIAS BAHIA. Secretaria de Recursos Hídricos, Saneamento e Habitação. Plano diretor de recursos hídricos das bacias dos rios Verde e Jacaré: documento síntese. Salvador: PROJETEC, p. il.; mapas tabs. ISBN BAHIA. Secretaria de Planejamento, Ciência e Tecnologia- SEPLANTEC; Centro de BAHIA. Secretaria do Planejamento, Ciência e tecnologia SEPLANTEC. Programa de Desenvolvimento Sustentável da Região do Semi-árido do Estado da Bahia: versão preliminar. Salvador. Jun BRASIL. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA). Resolução CONAMA nº 238; de 22/12/1997. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Poder Executivo. (248) seção 1, :30930,dez., 23, MATALLO, H. A Desertificação no Mundo e no Brasil. In: SCHENKEL, C. S. & MATALLO, H. (org.). Desertificação. Brasília, DF: UNESCO, p MINISTÉRIO da Integração Nacional-MI. Secretaria de Políticas de Desenvolvimento Regional-SDR. Plano estratégico de desenvolvimento sustentável do semi-árido-pdsa. (Versão para discussão). Brasília: MI. SDR, (Documentos de Base, 1.) BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔ NIA LEGAL.PLANO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃ O (MMA/PNCD). Mapa de ocorrência de desertificação e áreas de atenção especial no Brasil. Brasília, 1997a. (Escala 1: ). MINISTÉRIO do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal-MMA. Mapa de Ocorrência de Desertificação e Áreas de Atenção Especial no Brasil. Brasília: Topografia e Engenharia-Topocart, [1998]. (Produzido como parte de trabalho realizado pelo PNUD, Fundação Grupo Esquel Brasil, FAO e Ibama, no âmbito do Projeto BRA 93/036.) MINISTÉRIO do Meio Ambiente-MMA. Secretaria de Recursos Hídricos-SRH. PAN- BRASIL-Programa de ação nacional de combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca. Brasília: MMA, SAMPAIO, E. V. S. B. et alii. Desertificação no Brasil: conceito, núcleos e tecnologias de recuperação e convivência. Recife: Ed. Universitária da UFPE, p. SRH.CTC & PNUD, Brasília: setembro, 2005-b. Xerox. (Versão Preliminar.) UNESCO Conferência do Rio-ECO 92. Agenda 21 e Convenção da Desertificação. Rio de Janeiro.

19

20 BREVE DIGRESSÃO SOBRE PLANEJAMENTO: O PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DA REGIÃO SISALEIRA NO SEMI-ÁRIDO BAIANO. Aline dos Santos Lima 1 Universidade do Estado da Bahia - UNEB 1. INTRODUÇÃO O sisal foi implantado no semi-árido baiano a partir dos primeiros anos da década de 40 do século passado, como um plano voltado para fixar a população sertaneja numa região atingida pelos efeitos das periódicas secas, e, contribuir como fonte de renda e emprego. Com o passar dos anos a cultura do sisal se expandiu e o vegetal se tornou matériaprima usada nas indústrias de cordoarias e fios para exportação, e atualmente o Brasil, através do estado da Bahia, é o maior produtor mundial. A rede produtiva do sisal passou por constantes oscilações, alternando auge/declínio sobretudo, a partir da década de 1960, quando a indústria passou a utilizar os sucedâneos sintéticos influenciando o dia-adia dos trabalhadores e trabalhadoras envolvidas em seu plantio, colheita e comercialização. Mesmo com as referidas oscilações, de acordo com os dados do ano de 2004, elaborados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais (2006), existem na Bahia 75 municípios que tem o sisal como atividade econômica significativa. Neste sentido, o estudo da política de inserção do sisal como vegetal que está imbricado no cotidiano das mulheres e homens de todas as faixas etárias no semi-árido baiano, se constitui como uma temática a ser discutida, analisada e assimilada. O trabalho com o sisal foi a base de práticas, experiências, resistências e conformismos, ao envolver grande contingente de trabalhadores, e até crianças, em torno da rede produtiva de um vegetal dito como viés propiciador de desenvolvimento regional e que, no entanto, gerou muitos infortúnios e pouca riqueza, ao contrário do propagado no imaginário local. Assim, é preciso compreender o contexto e alguns elementos que embasaram a formulação da política pública do sisal como vocação agrícola regional, bem como as primeiras experiências que culminaram com a prática do planejamento no país. 1 Mestranda do programa de Pós-graduação Multidisciplinar em Cultura, Memória e Desenvolvimento Regional, pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus-V, Santo Antonio de Jesus-Ba.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Município de Carangola. 1. Aspectos Gerais

Município de Carangola. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Carangola 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Carangola possui 4 distritos. A população total

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB 203 Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB Tarcísio Valério da Costa Universidade Federal da Paraíba/Pró

Leia mais

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DOS CATADORES DE PAPEL NO COMÉRCIO DE FEIRA DE SANTANA -BA AUTORES: Celso Luiz P. da Silva, Clairton Batista Vieira, Gilmar Matias P. Júnior, Wilson Dourado Lima, Maria de Fátima

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013)

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) Estudo de caso: Diagnóstico do sistema de manejo de resíduos sólidos domiciliares

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense Autora: Aline Viana de Souza O presente trabalho, através da pesquisa realizada com os catadores, tanto de rua como do aterro controlado do município de Campos

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA IDENTIFICAÇÃO DE ATORES SOCIAIS

GESTÃO DE RESÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA IDENTIFICAÇÃO DE ATORES SOCIAIS 1 XXIX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL (AIDIS) 22 al 27 de agosto de 2004 San Juan, Puerto Rico GESTÃO DE RESÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA IDENTIFICAÇÃO DE ATORES SOCIAIS Maria

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Município de Além Paraíba. 1. Aspectos Gerais

Município de Além Paraíba. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Além Paraíba 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Além Paraíba possui um único distrito e quatro

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO 1 - Identificação da Consultoria GEO 1 Prestação de serviço especializado de consultoria pessoa

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI 427 SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI Daiane dos Santos Esquevani¹, Camila Augusta Florindo¹, Mayara Pissutti Albano² Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso

Leia mais

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Antonio Rocha Magalhães CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ex-membro da CJP de Brasilia. A Campanha da Fraternidade Ecumênica, de 2016, elegeu

Leia mais

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P.

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do Oeste PR Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Bellon, Cristiane C. Meinerz, Paulo S. R. Oliveira INTRODUÇÃO Nestes

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL Erica Bento SARMENTO 1 Diêgo Lima CRISPIM 2 Jucielio Calado ALVES 3 Alan Del Carlos Gomes

Leia mais

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE 531 Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE Valdiana Maria Gonçalves Araujo¹; Viviane Suzy de Oliveira Pereira²; Débora Caroline Ferreira

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN Fernanda Gracielly Santos da Silva (*), Joel Medeiros Bezerra2 *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS PROPOSTAS PARA REELABORAÇÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Texto de referência TEMA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS 1 O processo de preparação

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO AUP 0270 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURAS URBANAS E REGIONAIS II PROF ANDREÍNA NIGRIELLO A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES. Data:

ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES. Data: ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES Dados Socioeconômicos: Levantamento das Demandas do Município Responsável Técnico pelo Levantamento: Data: Município: Nome do Informante /

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Maria Auxiliadora de Abreu Macêdo (Dora Abreu)

Maria Auxiliadora de Abreu Macêdo (Dora Abreu) I COBESA 14 de julho de 2010 Sessão Técnica 21 PAP001775 DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA E REUSO DE ESGOTOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: PROPOSTA DE UM MODELO DE AÇÕES BASEADO NA EXPERIÊNCIA ISRAELENSE Maria Auxiliadora

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SEÇÃO MEDIANA DA MICROBACIA DO CÓRREGO LAGEADO, EM UBERABA/MG

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SEÇÃO MEDIANA DA MICROBACIA DO CÓRREGO LAGEADO, EM UBERABA/MG DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SEÇÃO MEDIANA DA MICROBACIA DO CÓRREGO LAGEADO, EM UBERABA/MG 1 FRANÇA, D.Z.; 1 LIMA, G.M.; 1 FREITAS, M.P.; 2 TORRES, J.L.R.; 3 FABIAN, A.J. 1 Tecnólogo em Gestão Ambiental pelo

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais