EUA: Da Política do Big Stick à Diplomacia do Dólar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EUA: Da Política do Big Stick à Diplomacia do Dólar"

Transcrição

1 2013/09/28 EUA: Da Política do Big Stick à Diplomacia do Dólar Nuno Miguel Silva Domingos Resumo Os Estados Unidos são, atualmente, a principal potência económica e militar do mundo. Esta hegemonia teve início na revolução industrial e acentuou-se a partir da segunda metade do século XIX, designadamente no período que se seguiu à Guerra de Secessão ( ) fator que, de resto, contribuiu significativamente para a expansão económica norte-americana. O foco da política externa dos Estados Unidos passou, então, a direcionar-se para a América Latina, onde intervieram militarmente em nove países da América Latina, num total de trinta e quatro vezes, entre 1898 e Estas intervenções permitiram aos Estados Unidos assegurar uma hegemonia continental, sustentada no domínio económico. Na guerra hispano-americana puseram fim ao império espanhol e controlaram Cuba. Na Venezuela desafiaram o Reino Unido, com recurso à Doutrina Monroe. Em Santo Domingo assumiram o controlo das finanças da República Dominicana para pagar aos credores europeus. No Panamá abriram um canal que encurtou a distância marítima entre a costa Leste e Oeste dos Estados Unidos. Na Nicarágua apoiaram a revolução e levaram adiante os seus interesses económicos. Introdução Atualmente, os Estados Unidos da América, são a maior potência económica e militar do mundo. Este trabalho irá focar o período em que emergiu a mentalidade de imperialismo e expansionismo económico dos Estados Unidos, que ficou sem dúvida marcada pela ascensão até à hegemonia continental e pelo desafio às potências europeias, nomeadamente Espanha, Reino Unido e Alemanha, sob o chapéu da Doutrina Monroe e posteriormente do Corolário de Roosevelt. O século XIX foi marcado pela hegemonia britânica, que saiu vencedora das guerras napoleónicas e do congresso de Viena e que, à luz das ideias de Alfred Mahan, dominava o comércio marítimo mundial, com recurso à sua poderosa marinha. É justamente na sequência da guerra civil americana, e da consequente industrialização, que os Estados Unidos se vão virar para o mar como meio de exercer domínio económico em todo o continente americano. Seguidamente iremonos debruçar sobre algumas intervenções dos Estados Unidos, em países da América Latina, que representam o nascer da ação expansionista americana. Tendo em conta esta conjuntura vamos colocar as seguintes questões: Quais as causas que levaram os Estados Unidos a adotar uma política de expansionismo económico em relação à América Latina? O que levou os Estados Unidos a apoiarem a independência de Cuba, e consequentemente entrar em guerra com Espanha? Qual a importância do bloqueio à Venezuela, levado a cabo por potências europeias em 1902, para a adoção do Corolário de Roosevelt como postulado da política externa norte-americana? Página 1 de 12

2 Como se caracterizou a intervenção dos Estados Unidos em Santo Domingo em 1904? Qual a real importância da construção de um canal interoceânico na América Central, e quais foram as ações levadas a cabo pelos Estados Unidos para o conseguir? Qual o motivo da intervenção americana na Nicarágua em 1910? São sobre estas questões que irá recair a nossa atenção nas páginas seguintes. Estados Unidos: A emergência de uma potência A segunda metade do século XIX nos Estados Unidos ficou marcada por quatro anos de guerra civil, que embora nefasta para o país contribuiu significativamente para definir a identidade nacional e definir com mais clareza o futuro da nação. Com efeito, este conflito definiu a nova política económica americana. O norte anti esclavagista venceu o sul e a indústria setentrional efetivamente ganhou um impulso com a guerra. Northern victory in the U.S. Civil War ( ), however, sealed the destiny of the nation and its economic system. The slave-labor system was abolished, making the large southern cotton plantations much less profitable. Northern industry, which had expanded rapidly because of the demands of the war, surged ahead. Industrialists came to dominate many aspects of the nation's life, including social and political affairs. 1 Três décadas depois da guerra civil, e da expansão para Oeste ter terminado, já os EUA se tinham recomposto e, com efeito, por volta de 1890 praticamente já todo o território dos Estados Unidos, do Maine à Califórnia, fora explorado e ocupado e a nação preparava-se para se expandir além-fronteiras. A sua indústria atingira tal desenvolvimento que necessitava de mercados estrangeiros e o capital estava disponível para investimentos noutras regiões 2. A industrialização dos Estados Unidos constituiu assim um fator determinante para a emergência de uma mentalidade expansionista. No ano de 1900 os Estados Unidos já se constituíam como a maior economia do mundo, suplantando o Reino Unido e a Alemanha em segundo e terceiro lugar respetivamente. Neste cenário identificamos essencialmente três motivos, ou fatures, que ajudam a explicar a mentalidade imperialista que surgiu nos Estados Unidos: um fator económico, um fator político e um fator moral. O fator económico já foi descrito e prende-se com a industrialização dos Estados Unidos e a necessidade de explorar novos mercados, e consequentemente da adoção da diplomacia do dólar 3. In addition to foreign financial advisers and their gold standard-central bank agenda, three other turn-of-the-century developments were critical to the emergence of dollar diplomacy: the spread of cultural assumptions that linked ideas about race and manhood to the paternalistic oversight of weaker states and darker peoples; the U.S. government s new economic and strategic priorities in the aftermath of the War of 1898; and significant changes in the structure of U.S. investment banking. 4 1 (Conte e Carr) Disponível em: 2 (Pendle, 1963) 3 A diplomacia do dólar foi caracterizada pela concessão de uma série de empréstimos aos países latinoamericanos, com o objetivo de criar dependência económica, e consequentemente a manipulação desses Estados de acordo com interesses norte-americanos. 4 (Rosenberg, 1999: 31) Página 2 de 12

3 O fator político, que veremos mais detalhadamente à frente, é a Doutrina Monroe que rejeita colonização do continente americano por parte de potências europeias, e que posteriormente através do corolário de Roosevelt vai impelir os Estados Unidos a intervir várias vezes na América Latina. From 1898 to 1932, the United States intervened militarily in nine Caribbean nations a total of thirty-four times. 5 O fator moral prende-se com o chamado darwinismo social, que no início do século vinte era um princípio generalizadamente aceite e segundo o qual os Estados civilizados tinham o direito e o dever, simultaneamente, de civilizar os Estados menos ordenados e organizados. Esta maneira de pensar era partilhada pelo carismático presidente Theodore Roosevelt: He believed in superiority of certain races, especially the Anglo-Saxon, because, in his view, they had organized, democratized, and especially industrialized and subdued barbarians more effectively than other races. 6 A natureza cada vez mais imperialista da política externa dos Estados Unidos também era defendida pelo senador Henry Cabot Lodge, que afirmava: The tendency of modern times is toward consolidation, It is apparent in capital and labor alike, and it is also true of nations. Small States are of the past and have no future. The modern movement is all toward the concentration of people and territory into great nations and large dominions. The great nations are rapidly absorbing for their future expansion and their present defense all the waste places of the earth. It is a movement which makes for civilization and the advancement of the race. As one of the great nations of the world, the United States must not fall out of the line of march. 7 A expansão imperialista dos Estados Unidos estava a começar, e isso ficou bem patente, para todo o mundo, depois da Guerra Hispano-Americana, que pôs fim ao império espanhol. Cuba e a guerra hispano-americana Em 1895 Cuba estava à beira da insurreição contra o domínio colonial espanhol, decadente, corrupto e ineficaz. As tentativas de revolta por parte dos revolucionários cubanos iam-se sucedendo. As simpatias dos Estados Unidos estavam naturalmente com os patriotas cubanos na sua luta pela liberdade e muitos norte-americanos tinham como certo que a ilha uma vez liberta ficaria sob dependência deles. 8 Em 1898 o navio de guerra USS Maine havia sido destacado para o porto de Havana, com o intuito de evacuar os cidadãos norte-americanos em território cubano, em caso de emergência. No dia 15 de Fevereiro dá-se uma explosão, que ainda hoje não tem explicação, e morrem duzentos e setenta homens. A opinião pública americana, que já estava contra os espanhóis pela maneira bárbara como tratavam os cubanos, exigiu ação por parte do seu Governo. Com efeito, o Congresso dos Estados Unidos votou uma resolução declarando a independência de Cuba, exigindo a retirada de Espanha da ilha e convidando o Presidente a usar de armas e navios para esses fins. 9 5 (Anon) Disponível em: 6 (LaFebber, 1994: 235) 7 (Lodge, 1895) 8 (Pendle, 1963: 200) 9 (Pendle, 1963: 201) Página 3 de 12

4 Começou a guerra e em menos de três meses estava terminada. Entre 1898 e 1902 Cuba ficou sob o domínio militar dos Estados Unidos. Esta ação tinha como objetivo, não só tornar Cuba um Estado independente, mas também torná-lo num bom vizinho. Foi assinado o Plat Amendment que cedia bases navais aos Estados Unidos na ilha bem como o direito de intervir caso fosse colocada em causa a segurança de vidas ou propriedade privada americana. Neste período notou-se um aumento significativo de investimento americano em Cuba, que agora gozava de estabilidade interna, propícia para o desenvolvimento do comércio e, invariavelmente, dos interesses económicos americanos. O desafio ao Reino Unido: A questão da Venezuela Esta disputa surgiu devido a uma questão de delineamento territorial entre a maior potência mundial (Reino Unido) e um Estado jovem, a Venezuela, que se tornara independente de Espanha em Com efeito existiu uma certa ineficácia, de ambas as partes, em identificar as fronteiras territoriais. Por um lado a Venezuela, aquando do acordo espanhol de 1845 que lhe reconhecia independência, definia as suas fronteiras como o território americano, conhecido formalmente pelo nome de Capitania Geral da Venezuela. 10 Por outro lado, os ingleses ficaram de posse de sua parte das Guianas porque os holandeses, tendo apoiado o lado perdedor nas guerras napoleónicas, foram obrigados em 1814 a transferir a propriedade das colónias de Demerara, Essequibo e Berbice à Grã-Bretanha. Não havia nenhuma menção de fronteiras no tratado. 11 Esta ausência de uma clara delimitação de fronteiras originou uma disputa que se prolongou durante algumas décadas. Em 1841 a Venezuela contestou a demarcação, definida unilateralmente pelo Reino Unido, e enviou uma missão diplomática a Londres para tentar resolver a questão. As negociações prolongaram-se até que foi assinado o Acordo de 1850 que estipulava que nenhum país ocuparia certas partes do território esparsamente povoado, e o assunto foi esquecido durante mais de duas décadas 12. Em 1876 a Venezuela reabre o assunto e pede a mediação dos Estados Unidos, esperando que a Doutrina Monroe pudesse funcionar em seu beneficio já que definia o seguinte In the discussions to which this interest has given rise and in the arrangements by which they may terminate the occasion has been judged proper for asserting, as a principle in which the rights and interests of the United States are involved, that the American continents, by the free and independent condition which they have assumed and maintain, are henceforth not to be considered as subjects for future colonization by any European powers. 13. Como podemos verificar a Doutrina Monroe tinha implícita a ideia de que o continente Americano era para os americanos, e que nenhuma potência europeia tinha legitimidade para o colonizar. Foi portanto nesta base, que a Venezuela pediu a mediação do problema aos Estados Unidos, esperando que tomassem uma decisão a seu favor, e foi isso que sucedeu. Em 1895 o secretário de Estado Richard Olney enviou uma extensa nota a Londres, nota que posteriormente ficou denominada de Doutrina Olney, e que ratificava o direito à hegemonia dos Estados Unidos no continente americano e inerentemente à respetiva exclusão das potências europeias. Uma das afirmações era a seguinte: Hoje em dia os Estados Unidos são praticamente soberanos neste continente e as suas decisões sobre assuntos confiados à sua mediação fazem 10 British and Foreign State Papers, vol.35 p (Schoultz, 1999: 133) 12 (Schoultz, 1999: 134) 13 Mensagem do Presidente Monroe ao Congresso, em 2 de Dezembro de Página 4 de 12

5 lei 14. Esta nota foi recebida pelo Marquês de Salisbury com alguma apreensão e a sua resposta foi igualmente hostil. O governo dos Estados Unidos não está autorizado a afirmar uma proposição universal com referência a vários Estados independentes por cuja conduta eles não assumem responsabilidade, que seus interesses estão necessariamente relacionados com o que quer que seja que possa dizer respeito a esses Estados simplesmente porque eles estão situados no hemisfério Ocidental 15. Face a esta decisão dos Estados Unidos, e à medida que as hostilidades iam aumentando, começavam proporcionalmente a aumentar as preocupações de ambos os lados do Atlântico relativamente a um conflito entre as duas maiores potências industriais do mundo, Estados Unidos e Reino Unido. Eventualmente o Governo Britânico, não estando disposto a agravar o conflito sobre a questão das fronteiras, aceitou que esta fosse submetida ao arbítrio de um tribunal internacional onde ficou pendente até os Venezuelanos levantarem de novo o problema, em Novembro de O Orenoco foi, na verdade, justamente cedido à Venezuela. 16 Este acontecimento marca não só a primeira manifestação de aplicabilidade da Doutrina Monroe, mas marca também o começo da era imperial dos Estados Unidos, e uma clara intenção de chamar a si a mediação dos problemas e a definição dos destinos futuros do continente Americano. Podemos também concluir, que este acontecimento marca a passagem de um sistema mundial unipolar, dominado pelo Reino Unido, para um sistema mundial multipolar, encabeçado por Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha. Posteriormente, entre dezembro de 1902 e fevereiro de 1903 ocorreu novo incidente na Venezuela, nomeadamente um bloqueio naval por parte do Reino Unido, da Alemanha e da Itália, que exigiam o pagamento de dívidas e reembolso de prejuízos e danos sofridos por cidadãos seus durante a guerra civil na Venezuela. Nesta altura, Roosevelt ficou do lado das potências europeias, ratificando o seu direito a intervir militarmente para receber o valor dos empréstimos que tinham concedido justamente. Esta situação era aceitável na condição de que a sua presença não fosse efetiva. No entanto, a decisão de um tribunal internacional 17 em dar razão aos europeus, causou algum mau estar na opinião pública norte-americana. The U.S. State Department warned Roosevelt that the ruling put a premium on violence and undermined the Monroe Doctrine 18. Roosevelt sabia que este tipo de situação não podia ser novamente legitimado no futuro e como tal deveriam ser os próprios Estados Unidos a garantir o cumprimento das obrigações dos países da América Latina para com os credores estrangeiros. Isso iria de facto acontecer no ano seguinte (1904) na República Dominicana. O Corolário de Roosevelt: Invasão de Santo Domingo Como referimos acima, o ano de 1904 ficou marcado pela extensão da Doutrina Monroe através do Corolário de Roosevelt. Theodore Roosevelt foi sem dúvida um presidente carismático. Nas palavras do galardoado com o prémio Nobel da Literatura, V.S Naipaul: People sometimes ask me who was the last great 14 (Perkins, 1943) 15 Instruções de Salisbury ao ministro britânico Sir Julian Pauncefote, em 26 de Novembro de (Pendle, 1963: 198) 17 Em Fevereiro de 1904 o tribunal de Haia decidiu por unanimidade que as potências europeias que tinham participado no bloqueio à Venezuela tinham direito a intervir militarmente. 18 (LaFebber, 1994: 247) Página 5 de 12

6 President. Some say Kennedy. I don t think so I say Teddy Roosevelt. He was a fighter, he was stubborn. He was almost a salesman for America 19. Tinha uma personalidade vincada, sendo descrito como um cowboy, crime-fighter, soldier and explorer he fulfilled as an adult the ambitions of every small boy 20. Um episódio bastante curioso sucedeu quando Roosevelt, o embaixador francês Jules Jusserand e o Major Archie Butt caminhavam em Rock Creek Park, durante o inverno. O insólito aconteceu quando, ao se aproximarem de um lago gélido que só recentemente principiava a derreter, Roosevelt sugeriu que aproveitassem para dar um mergulho. O certo é que, sem hesitar, o embaixador francês tirou a roupa e entrou no lago de água gelada. Segundo consta este episódio contribuiu para criar uma forte amizade pessoal entre o presidente norte-americano e o embaixador francês. Durante a presidência de Roosevelt os poderes presidenciais haviam sido enaltecidos pelo supremo tribunal. Once when Congress refused to accept a treaty he had made, Roosevelt circumvented Congress with an executive agreement. Such an agreement could be one of two types: authorized by congressional legislation, or, as became too common, made by a president on his own authority 21. Este mecanismo dava ao Presidente poderes quase ilimitados, prescindido da aprovação do congresso. A verdade era que Roosevelt estava determinado a impedir os europeus de coletarem coercivamente, isto é por via militar, as dívidas dos países da América Latina. Em 1904 uma decisão de arbitragem que deu à Companhia de Melhoramentos de Santo Domingo, sediada nos EUA, o direito de receber ganhos da alfândega de Puerto Plata até que uma dívida de $4.5 milhões tivesse sido paga. Quando o governo dominicano faltou com seus pagamentos quase imediatamente, a Companhia exerceu o seu direito sob a decisão da arbitragem e tomou a alfândega 22. Mas este acto desencadeou uma série de protestos de credores europeus que reivindicavam direitos anteriores aos ganhos de Puerto Plata. E dado o veredicto anterior do tribunal de Haia, no caso da Venezuela, era espectável uma nova intervenção naval por parte dos credores europeus. Nesta situação o Presidente dominicano Morales foi aconselhado pelo ministro americano Thomas Dawson a pedir aos Estados Unidos que assumissem o controlo das finanças dominicanas. Esta decisão não agradava ao senado americano, e a proposta de tornar o país num protetorado americano foi rejeitada. Mas Roosevelt estava decidido e assinou um acordo executivo com Morales. Desta forma, o pagamento das dívidas aos europeus foi assegurado. Os Estados Unidos antecipando-se a nações europeias (nomeadamente Alemanha) que ameaçavam cobrar os seus débitos pela força, encarregou um funcionário de tomar conta das alfândegas na República Dominicana para receber os direitos e distribuir cinquenta e cinco por cento do rendimento obtido pelos credores estrangeiros 23. Esta ação ia de encontro aquilo que era o raciocínio de Roosevelt, de que os Estados civilizados têm o direito de interferir, e consequentemente assegurar as obrigações de outros Estados designados não-civilizados. I want to do nothing but what a policeman has to do in Santo Domingo. As for annexing the island, I have about the same desire to annex it as a gorged boa constrictor might have to swallow a porcupine wrong-end-to I have asked some of our people to go there because, after having 19 (Naipaul, 1984: 17) 20 (Healy, 1970) 21 (LaFebber, 1994: 239) 22 (Schoultz, 1998: 211) 23 (Pendle, 1963: 205) Página 6 de 12

7 refused for three months to do anything, the attitude of the Santo Domingans has been one of the half chaotic war towards us 24. Esta ideologia ficou denominada de política do Big Stick e permitiu aos Estados Unidos assegurar os seus objetivos: Manter longe do continente americano as potências europeias, principalmente a Alemanha e o Reino Unido, assegurando o cumprimento e pagamento das dívidas das repúblicas da América Latina. Nas palavras do próprio Roosevelt, num discurso no Minnesota em 1902: There is a homely adage that runs speak softly and carry a big stick; you will go far. If the American Nation will speak softly and yet build and keep at a pitch of the highest training a thoroughly efficient navy, the Monroe Doctrine will go far. 25 O canal do Panamá Depois da vitória na guerra hispano-americana era uma evidência que os Estados Unidos se tinham tornado numa potência mundial, com objetivos expansionistas. Nesse sentido era imperativo encurtar a rota que constituía a única maneira de navegar entre o oceano Atlântico e o Pacífico, para que a sua frota se pudesse movimentar entre os dois oceanos, sem ter que invariavelmente dobrar o estreito de Magalhães. A solução passava então pela abertura de um canal na América Central. Para a administração Roosevelt a construção de um canal era efetivamente fundamental: To Roosevelt, a strong navy was essential. Influenced by Alfred Thayer Mahan s geopolitical theory of sea power, the Roosevelt administration determined to accumulate bases and secure sea lanes. Building the Panama Canal became the centerpiece of this big navy strategy because it facilitated a twoocean commercial and military posture. 26 Em 1876, uma expedição enviada pelo presidente Ulysses Grant, republicano e antigo General da União na guerra civil, identificou uma rota pela Nicarágua como sendo viável para a construção do canal interoceânico. No entanto, e apesar de os Estados Unidos terem preparado um tratado para ser assinado com a Nicarágua os acordos não prosseguiram em virtude da oposição substancial nos países em questão, e, no fim, a administração Grant pouco mais fez do que identificar a Nicarágua como a rota mais adequada 27. No entanto, os Estados Unidos não eram os únicos que tinham interesse em abrir um canal na América Central. Os franceses também tinham interesse, e efetivamente em 1880 Fernando de Lesseps, que completara em 1869 a construção do canal do Suez, preparava-se para repetir essa façanha no Panamá, mas teve de abandonar o projeto depois de milhares de trabalhadores terem morrido de febre-amarela e malária 28. Theodore Roosevelt, a bordo do U.S.S Louisiana a 20 de novembro de 1906 escreveu ao seu filho Kermit a este propósito: Then the French canal company started work, and for two or three years did a good deal, until it became evident that the task far exceeded its powers; and then to miscalculation and inefficiency was added the hideous greed of adventurer, trying each to save something from the general wreck, and the company closed with infamy and scandal (Roosevelt, ) 25 (Roosevelt, 1901) 26 (Rosenberg, 1999: 40) 27 (Schoultz, 1998: 180) 28 (Pendle, 1963: 203) 29 Excerto de uma carta escrita por Roosevelt ao seu filho Kermit durante uma visita de três dias ao Panamá para ver o decorrer dos trabalhos no canal. Esta visita marcou a primeira viagem de um presidente americano em funções ao estrangeiro. Página 7 de 12

8 No entanto havia um entrave à construção: o tratado Clayton-Bulwer 30. Este tratado vinculava os Estados Unidos ao Reino Unido numa parceria para qualquer eventual construção de um canal. Na lógica do corolário de Roosevelt esta hipótese estava fora de questão. Os Estados Unidos estavam determinados a afastar qualquer potência europeia de todos os interesses económicos no continente americano. Eventualmente os ingleses cederam e consentiram a cessação do tratado Clayton-Bulwer, e assinaram o tratado Hay-Pauncefote, em Novembro de 1901 que permitia aos Estados Unidos não só a construção de um canal, bem como o direito de o fortificar. É de estranhar a decisão do Reino Unido, mas talvez possa ser explicada pelo facto de a Inglaterra ter sofrido pesadas derrotas na guerra Anglo-Boer, durante a denominada Black Week e cerca de um quinto dos custos dessa guerra terem sido financiados por banqueiros americanos. Também é um facto que a imagem do Reino Unido saiu enfraquecida deste conflito. Roosevelt escreveu: It certainly does seem to me that England is on the downgrade. Depois de assinado o novo tratado faltava definir a localização do canal. Como vimos anteriormente os relatórios americanos, desde 1876 até 1901, apontavam a Nicarágua como o local mais barato e eficiente. Isto porque a empresa francesa detentora dos direitos económicos de um canal no Panamá exigia cerca de 100 milhões de dólares pela concessão. No entanto as the second Hay-Pauncefote Treaty took effect, the company fell under the control of two shadowy, skilled lobbyist who changed the course of isthmian history the two men reduced their company s asking price to $40 million. 31. Este evento alterou o destino da localização do canal. Era, agora, mais barato construí-lo no Panamá. Faltava convencer a Colômbia 32. Com efeito, o secretário de Estado Hay propôs à Colômbia uma verba de 10 milhões de dólares mais 250 mil dólares anuais. No entanto, a Colômbia rejeitou e exigiu mais dinheiro. Roosevelt blew up. Al his considerable racism appeared. He refused to have those banditti in Latin America publicly humiliate and rob the United States. 33. Esta intransigência por parte do Governo da Colômbia levou a que os Estados Unidos apoiassem os movimentos nacionalistas panamianos, que se desenvolviam desde Em novembro de 1903 houve uma revolta nacionalista, e os navios de guerra norte-americanos impediram qualquer desembarque de tropas colombianas, cujo intuito seria travar a revolução. Dois dias após a revolta Roosevelt reconheceu a nova nação e assinou um acordo com o Panamá, nas mesmas condições que a Colômbia havia rejeitado. O canal foi inaugurado a 15 de agosto de 1914, naquele que foi sem dúvida um esforço de engenharia tremendo. Uma importante descoberta médica relacionada com a construção do canal foi a erradicação da malária e da febre-amarela. Cientistas americanos descobriram uma maneira de encontrar e destruir os mosquitos que provocavam estas doenças e que contribuíram em larga medida para o fracasso da tentativa francesa, vinte anos antes. A partir deste dia, a viagem marítima entre Nova Iorque e São Francisco passou de cerca quilómetros para aproximadamente quilómetros. Intervenção na Nicarágua: A diplomacia do Dólar 30 Tratado assinado em 1850 entre os Estados Unidos e o Reino Unido. Herdou o nome dos seus negociadores John M. Clayton, advogado, membro do partido Whig e secretário de Estado na administração de Zachary Taylor, e Sir Henry Lytton Bulwer, diplomata e representante do Governo britânico. 31 (LaFebber, 1994: 242) 32 Devemos recordar que o território que hoje corresponde ao Panamá fazia, até 1903, parte da Colômbia. 33 (LaFebber, 1994: 242) Página 8 de 12

9 Tal como Roosevelt, o novo presidente Howard Taft, também ele republicano e eleito em 1909, partilhava da ideia de que os povos da América Latina necessitavam de supervisão. A esse propósito afirmou o direito deles de bater as suas cabeças umas nas outras até que eles mantenham a paz. 34. A sua administração deu seguimento às políticas de Roosevelt e ao modelo que havia sido aplicado na República Dominicana e procuraram aplicá-lo noutros países. Designaram esta abordagem de Diplomacia do Dólar. O termo Diplomacia do Dólar não transmite o sentido claro de quem está fazendo o quê para quem. São os dólares ajudando a diplomacia, ou a diplomacia estimulando o lucro em dólares? 35. Como podemos verificar o próprio termo carece de ambiguidade. Mas talvez seja legítimo inferir que o objetivo desta política fosse aumentar o comércio americano, através de empreendimentos no estrangeiro. Huntington Wilson 36 disse a esse respeito: Pequenos países fracos lá em baixo têm pesadas dívidas para com a Europa. Eles não vão pagar. A Europa vem e exige pagamento. Os Estados Unidos devem ou deixar a Europa desembarcar fuzileiros e tomar as alfândegas como garantia, e deste modo abrir o caminho para penetração e para a flagrante violação da Doutrina Monroe, ou os Estados Unidos devem compelir as pequenas repúblicas a serem decentes e pagarem Se os Estados Unidos estendem uma mão de ajuda e auxiliam a América Central a pôr-se em pé e manter a paz o tempo suficiente para começar a desenvolver-se, nós logo teremos bem nas portas dos nossos estados do sul um grande e valioso comércio. Diplomacia do Dólar significa simplesmente trabalho inteligente de equipa. 37 Um exemplo claro e flagrante desta confluência de ideias foi o empenho da administração Taft em criar um protetorado na Nicarágua. Recordemos que até 1903 os Estados Unidos tinham a intenção de construir o canal interoceânico na Nicarágua e efetivamente até 1903 os Estados Unidos mantinham relações cordiais com a Nicarágua e com o seu Presidente José Santos Zelaya, porque lhes interessava sobremaneira construir o canal naquele país. Com a decisão de construir o canal no Panamá em 1903 as relações com Zelaya, que se preparava para invadir El Salvador, rapidamente se deterioraram. Em 1909 implode uma rebelião contra Zelaya na Nicarágua, liderada por Juan Estrada em Bluefields 38 e é apoiada pelo cônsul americano na Nicarágua Thomas Moffat. As forças de Zelaya foram mobilizadas para combater a rebelião e pelo caminho encontraram e fuzilaram dois americanos funcionários da United States and Nicaragua Company. Isto deu aos Estados Unidos um motivo para atuar e como efeito o senado aprovou uma resolução para depôr Zelaya, que uma semana mais tarde renunciou ao cargo de Presidente e procurou asilo no México. Em Maio de 1910 os Estados Unidos desembarcam 100 fuzileiros em Bluefields para, alegadamente proteger vidas e propriedade privada dos EUA. 39. Na verdade o que fizeram foi proteger os rebeldes de um ataque do México, que apoiava Zelaya. Os fuzileiros permaneceram na Nicarágua durante um ano e, apesar de ao contrário da República Dominica, aquando da invasão de Santo Domingo, A Nicarágua não 34 Taft a Bellamy Storer, 23 de Março de Taft Papers, LC; Memorando de Conversa com Enrique Creel, 21 de Dezembro de Arquivo num. 6369/400, NA M862/R507 apud (Schoultz, 1998: 237) 35 (Schoultz, 1998: 238) 36 Foi assistente do secretário de Estado Philander Knox durante a administração Taft. 37 Huntington Wilson, memorando sem data, provavelmente Fevereiro de 1913, assinalado Confidential- File e dirigido ao Presidente eleito Wilson. 38 Muitos dos residentes desta cidade eram comerciantes norte-americanos. 39 (Schoultz, 1998: 242) Página 9 de 12

10 estar sobrecarrega pela dívida externa, a administração Taft assumiu as finanças do país. Simultaneamente os Estados Unidos procuravam aplicar um modelo semelhante ao da República Dominicana nas Honduras. Para pôr as finanças nicaraguenses em ordem Huntington Wilson instruiu Thomas Dawson a fazer o favor de esboçar uma carta para que o Sr. Castrillo 40 assinasse como representante do Governo Provisório, a ser enviada ao Secretário de Estado contendo alguma expressão de reconhecimento pela atitude imparcial dos Estados Unidos. Na carta, Dawson deveria inserir a Convenção original, e algo sobre a exploração do país e a necessidade de pôr as suas finanças em bases melhores, e uma declaração da sua intenção de entrar em negociações com vistas a fazer com banqueiros americanos um arranjo financeiro satisfatório; também um parágrafo garantindo tratamento justo e equitativo do comércio e negócios americanos; e outro parágrafo comprometendo-se a restabelecer um regime constitucional e manter eleições livres. Esboce, também, uma segunda carta anunciando a ocupação de Manágua pelas forças provisórias e requerendo formalmente reconhecimento. 41 Estrada assinou efetivamente o acordo mas ao fim de um ano, dadas as limitações que lhe eram impostas, renunciou. Esta incidente colocou o Vice-Presidente Adolfo Díaz na presidência. Nos dois anos seguintes, em 1911 e 1912, foram cedidos dois empréstimos, por parte de bancos norte-americanos, ao Governo de Díaz em troca do controlo pelos banqueiros do recém-criado Banco Nacional da Nicarágua e uma opção para adquirir controlo maioritário da ferrovia da nação, o único bem de capital significativo do governo 42. Esta ação dos Estados Unidos na Nicarágua é um caso evidente da aplicação da diplomacia do dólar. Conclusões Procurou-se, com este artigo, perceber quais as motivações e as origens da mentalidade imperialista americana no início do século XX. Constatámos que a industrialização e o crescimento económico criaram um excesso de capital acumulado, que estava pronto para ser aplicado no estrangeiro. A justificação para as intervenções nos países da América Latina é de natureza económica, politica e moral. Ao intervir em Cuba os Estados Unidos procuravam assegurar um regime estável e portanto propício ao investimento por parte dos capitalistas americanos. Para esse efeito apoiaram a independência de Cuba e entraram em Guerra com Espanha, pondo fim ao seu império. A decisão por parte do tribunal de Haia em atribuir razão às potências europeias no caso do bloqueio à Venezuela despoletou a aplicação do Corolário de Roosevelt, ou política do Big Stick. Os Estados Unidos perceberam que não podiam tolerar intervenções europeias no continente americano. A intervenção dos Estados Unidos na República Dominicana marca a primeira materialização do corolário de Roosevelt, e teve como objetivo manter as potências europeias afastadas de Santo Domingo. Para isso os Estados Unidos assumiram o controlo das finanças do país e asseguraram o pagamento das dívidas aos credores europeus. 40 Representante do governo de Estrada em Washington. 41 Huntington Wilson a Dawson, 24 de Fevereiro de (Schoultz, 1998: 245) Página 10 de 12

11 A construção de um canal na América central era fundamental para a estratégia naval norte-americana. Para assegurar a construção do canal foi necessário apoiar a independência do Panamá, e impedir a Colômbia de travar o movimento nacionalista. O motivo da intervenção na Nicarágua foi de natureza essencialmente económica. Os Estados Unidos aproveitaram a instabilidade interna para apoiar um movimento de revolta e posteriormente assinar com ele um acordo que assegurava aos Estados Unidos e aos empresários norte-americanos um controlo considerável sobre os destinos do país. Bibliografia Anon, s.d. Casa Historia. [Online] Disponível em: Carr, C., About Economics. [Online] Disponível em: Healy, D., U.S. Expansionism: The Imperialist Urge in the 1890's. Madison: s.n. LaFeber, W., The American Age. Second Edition ed. New York: The Maple-Vail Book Manufacturing Group. Lodge, H. C., Our Blundering Foreign Policy. In: American Nation: In the Modern Era. s.l.:s.n., p Naipaul, V., Among the Republicans. New York: New York Review of Books. Pendle, G., História da América Latina. Lisboa: Ulisseia. Perkins, D., Hands Off: A History of the Monroe Doctrine. Boston: s.n. Roosevelt, T., Adress at Minnesota State Fair. Minnesota, s.n. Roosevelt, T., The letters of Theodore Roosevelt. IV ed. Cambridge: s.n. Rosenberg, E. S., Financial Missionaries to the World. Cambridge, Massachussets: Harvard University Press. Schoultz, L., Estados Unidos: Poder e Submissão. 1ª ed. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração. Sites Página 11 de 12

12 Página 12 de 12

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO 2ªRevolução Industrial HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Formação de grandes conglomerados

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX Estados Unidos da América Aula I Da colonização ao século XIX As Teorias: Corrente asiática Estreito de Bering (beríngia). Malaio Polinésia Corrente australiana Ocupação do Continente Americano: Principais

Leia mais

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Naval Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Considerações Iniciais Esse capítulo discutirá a importância que o poder naval teve na

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde?

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? África e Ásia (Neocolonialismo) e América (Imperialismo). Causas

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências

Leia mais

Cap.3 Europa e América antes da primeira Guerra Mundial BELLE EPOQUE IMPERIALISMO DOS ESTADOS UNIDOS A REVOLUÇÃO MEXICANA

Cap.3 Europa e América antes da primeira Guerra Mundial BELLE EPOQUE IMPERIALISMO DOS ESTADOS UNIDOS A REVOLUÇÃO MEXICANA Cap.3 Europa e América antes da primeira Guerra Mundial BELLE EPOQUE IMPERIALISMO DOS ESTADOS UNIDOS A REVOLUÇÃO MEXICANA Café Van Gogh - 1888 EXPOSIÇÃO UNIVERSAL DE LONDRES - 1851 BIG BEN - 1859 1889

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

O imperialismo. Prof Ferrari

O imperialismo. Prof Ferrari O imperialismo Prof Ferrari Imperialismo ou neocolonialismo do séc. XIX Conceitos e definições sobre o imperialismo O imperialismo dos séculos XIX e XX resultou da expansão capitalista e atendia aos interesses

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE:

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1) Combate às políticas de recolonização do continente americano; 2) Aproximação com a América Latina; defesa do não-intervencionismo europeu na América como expressão

Leia mais

Prof. Thiago. Os Imperialismos

Prof. Thiago. Os Imperialismos Prof. Thiago Os Imperialismos TECNOLOGIA x TRABALHADORES DIMINUIÇÃO DO CUSTO MENOR Nº DE TRABALHADORES MENOS CONSUMO 1ª GRANDE DEPRESSÃO DO CAPITALISMO SOLUÇÕES PARA CRISE A) Concentração de capitais Grandes

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Grande migração 3,5 milhões de habitantes 7milhões 1803 A França vende a Louisiana para os EUA Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software O que dificultou a expansão: Guerras Napoleônicas / Bloqueio

Leia mais

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa Conferência Os Estados Unidos e a Ordem Internacional 30 Setembro a 01 Outubro 2004 Auditório da FLAD, Lisboa Os Limites da Esperança: Kerry e a Política Externa dos Estados Unidos João Marques de Almeida

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

A INAUGURAÇÃO Em 15 de agosto de 1914, o navio a vapor SS Ancon realizava a primeira travessia oficial do Canal do Panamá HISTÓRICO

A INAUGURAÇÃO Em 15 de agosto de 1914, o navio a vapor SS Ancon realizava a primeira travessia oficial do Canal do Panamá HISTÓRICO UM ATALHO A INAUGURAÇÃO Em 15 de agosto de 1914, o navio a vapor SS Ancon realizava a primeira travessia oficial do Canal do Panamá HISTÓRICO EM AGOSTO DE 2014, UMA DAS MAIS NOTÁVEIS OBRAS DE ENGENHARIA

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil BRASIL COLÔNIA Independência do Brasil Enquanto o governo absolutista português reprimia com vigor os movimentos republicanos no Brasil, o absolutismo na Europa era contestado pela Revolução Francesa,

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 11.2 Conteúdo: A Ascensão da América do Norte

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 11.2 Conteúdo: A Ascensão da América do Norte 11.2 Conteúdo: A Ascensão da América do Norte 11.2 Habilidades: Verificar como o setor secundário interfere na América Anglo - Saxônica e quais os principais fatores para o desenvolvimento econômico dos

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

A primeira nação da América espanhola, incluindo a Espanha e Portugal, que utilizou máquinas e barcos a vapor foi Cuba foi em 1829.

A primeira nação da América espanhola, incluindo a Espanha e Portugal, que utilizou máquinas e barcos a vapor foi Cuba foi em 1829. A primeira nação da América espanhola, incluindo a Espanha e Portugal, que utilizou máquinas e barcos a vapor foi Cuba foi em 1829. A primeira nação da América Latina e a terceira no mundo (atrás da Inglaterra

Leia mais

Imperialismo dos Estados Unidos na América Latina. 1) Independência das Treze Colônias no século XVIII: A) Fatores:

Imperialismo dos Estados Unidos na América Latina. 1) Independência das Treze Colônias no século XVIII: A) Fatores: Imperialismo dos Estados Unidos na América Latina 1) Independência das Treze Colônias no século XVIII: A) Fatores: * base ideológica: iluminismo * interesses das elites agrária, no sul e comercial, no

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

3.0 - RESUMO HISTÓRICO

3.0 - RESUMO HISTÓRICO 3.0 - RESUMO HISTÓRICO 3.0 - RESUMO HISTÓRICO Já no século XVII observa-se a preocupação portuguesa de guardar a extremidade costeira setentrional do Brasil, ao fundarem em 1637 a capitania hereditária

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

O LIVRE-ARBÍTRIO AGOSTINIANO E A LIBERDADE HUMANA

O LIVRE-ARBÍTRIO AGOSTINIANO E A LIBERDADE HUMANA O LIVRE-ARBÍTRIO AGOSTINIANO E A LIBERDADE HUMANA Cícero Paulino dos Santos Costa E-mail: ciceropaulino100@hotmail.com Graduando do Curso de Licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências

Leia mais

A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império

A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império ECEME IMM / CEE 12/JUN/2013 Marcos Henrique Camillo Côrtes Embaixador À guisa de introdução Fundamentos do Relacionamento Internacional 1. Espaço Geopolítico

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Irlanda vota contra o Tratado de Lisboa. Resenha Integração Regional

Irlanda vota contra o Tratado de Lisboa. Resenha Integração Regional Irlanda vota contra o Tratado de Lisboa Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves de Souza Paes 17 de junho de 2008 Irlanda vota contra o Tratado de Lisboa Resenha Integração Regional Diego Cristóvão

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7B AULA 19 e 20. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7B AULA 19 e 20. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7B AULA 19 e 20 Profº André Tomasini CONTINENTE AMERICANO Possuindo uma área de 42.560.270 Km2 o continente americano é o segundo maior continente da Terra ocupando 28 % das

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 33 AMÉRICA CENTRAL

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 33 AMÉRICA CENTRAL GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 33 AMÉRICA CENTRAL Como pode cair no enem (FUVEST) A importância geopolítica do Canal do Panamá e o crescente fluxo de embarcações entre o oceano Atlântico e o oceano Pacífico

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

Equipe de História HISTÓRIA. Exercícios

Equipe de História HISTÓRIA. Exercícios Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 9B Ensino Médio Equipe de História Data: HISTÓRIA ESTADOS UNIDOS Exercícios 1. A ideia de ocupação do continente pelo povo americano teve também raízes populares, no

Leia mais

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 Fragmentação política Sub regiões Ístmica Insular Composição étnica: Euroameríndios Indígenas Afrodescendentes AMÉRICA CENTRAL

Leia mais

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem QUESTÃO IRLANDESA A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem cerca de 1,8 milhão de habitantes,

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Brasil e América do Sul

Brasil e América do Sul Brasil e América do Sul Brasil Linha do equador Tropico de Capricórnio O Brasil é o quinto país mais extenso e populoso do mundo. É a sétima maior economia mundial. É um país capitalista à apresenta propriedade

Leia mais

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA Em nome de seus Povos, os Governos representados naconferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, animados pelo desejo

Leia mais

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências entre o Norte e o Sul dos EUA (

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Contradições entre o sistema colonial e as propostas liberais a partir do século XVIII Guerra de sucessão do trono espanhol (1702-1713) Luís XIV conseguiu impor seu neto

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 8º ano Apostila 1: O Absolutismo; Revoluções Inglesas e colonização da América do Norte Apostila 2: Revolução

Leia mais

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes.

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes Carlos Malamud O reconhecimento, por parte da antiga potência colonial, das novas repúblicas

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA 2ª Série Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

História Geral Extensivo Pré-Técnico Cefet/Coltec. Módulo Vermelho

História Geral Extensivo Pré-Técnico Cefet/Coltec. Módulo Vermelho História Geral Extensivo Pré-Técnico Cefet/Coltec Módulo Vermelho Revolução Francesa 1789-1799 A Revolução Francesa foi um importante marco na História Moderna da nossa civilização. Significou o fim do

Leia mais

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL 4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL A Revolução Americana é um movimento de ampla base popular, a burguesia foi quem levou esta revolução avante. O terceiro estado (povo e burguesia) conseguiu a independência

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão: 26 30 41 A questão 26 do código 02, que corresponde à questão 30 do código 04 e à questão 41 do código 06 Nº de Inscrição: 2033285 2041257 2030195 2033529 2032517 2080361 2120179 2120586 2037160

Leia mais

MORGAN, Edwin *diplomata norte-americano; emb. EUA no Bras. 1912-1933.

MORGAN, Edwin *diplomata norte-americano; emb. EUA no Bras. 1912-1933. MORGAN, Edwin *diplomata norte-americano; emb. EUA no Bras. 1912-1933. Edwin Vernon Morgan nasceu na cidade de Aurora, estado de Nova Iorque (EUA), em 22 de fevereiro de 1865. Filho de uma influente família

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil ESPECIAIS Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil 27 Maio 2015 Nuno André Martins MNE alemão diz que Portugal "é um exemplo para a Europa", admite que só a negociação deu à

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX Caderno 9» Capítulo 1 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Caderno

Leia mais

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) O mundo que se esfacelou no fim da década de 1980 foi o mundo formado pelo impacto da Revolução Russa de

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

Transição da condição colonial para o país livre

Transição da condição colonial para o país livre Transição da condição colonial para o país livre ERA COLONIAL (1521-1810): Conhecido como Nova Espanha, a maior parte das terras era comandada por proprietários espanhóis. Economia e política mexicanas

Leia mais

Mundo das Sombras: O Grande Irmão no Vale da Vigilância

Mundo das Sombras: O Grande Irmão no Vale da Vigilância Mundo das Sombras: O Grande Irmão no Vale da Vigilância gus Campus Party - 2014 Sobre Organizador da CryptoParty Brasil - Edição São Paulo (2013) Actantes - actantes.org.br Cientista Social gus@riseup.net

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã 1. As mudanças no panorama internacional representadas pela vitória socialista de Mao-Tsé-tung na China, pela eclosão da Guerra da Coréia e pelas crescentes

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais