Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro Auditório da FLAD, Lisboa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa"

Transcrição

1 Conferência Os Estados Unidos e a Ordem Internacional 30 Setembro a 01 Outubro 2004 Auditório da FLAD, Lisboa Os Limites da Esperança: Kerry e a Política Externa dos Estados Unidos João Marques de Almeida A maioria dos europeus partilha um desejo: a vitória de John Kerry nas eleições presidenciais norte-americanas. Os resultados de estudos de opinião efectuados recentemente na Europa revelam isso mesmo. Na Alemanha, 74% dos que responderam a um inquérito recente afirma que apoiam Kerry. A apoiar Bush, temos apenas 10% dos alemães. Em França, o apoio a Bush diminui para os 5%, e o apoio a Kerry situa-se na casa dos 50%. Na Grã-Bretanha, 16% gostaria que Bush fosse reeleito e 47% deseja a vitória de Kerry. Ou seja, nas tendências de apoio a Bush e a Kerry não há velha e nova Europa; há uma Europa maioritariamente à espera que Bush perca as eleições. Este desejo revela duas convicções, igualmente partilhadas pela maioria dos europeus. Por um lado, atribuem as culpas das tensões transatlânticas e do agravamento dos conflitos internacionais à administração Bush. Por outro lado, acreditam que se Kerry ganhar, a política externa norte americana muda significativamente e as relações transatlânticas voltam à normalidade. O ponto que me interessa analisar não é a questão das culpas em relação ao passado, mas sim das esperança em relação ao futuro. Em particular, gostaria de levantar a seguinte questão: está a segunda convicção - a política externa norte americana irá mudar radicalmente se Kerry ganhar as eleições - fundamentada em argumentos sólidos? O método que irei usar é o seguinte. Por um lado, irei considerar alguns dos temas que têm provocados mais críticas na Europa em relação à política da administração republicana. Por outro lado, o tratamento destes Página 1 de 5

2 temas privilegia as considerações estruturais em detrimento dos factores subjectivos. Ou seja, uma coisa são os desejos de todos aqueles que se opõem a Bush ou mesmo as declarações efectuadas durante uma campanha eleitoral; outra coisa, são as obrigações e as responsabilidades do Presidente dos Estados Unidos, e não do candidato John Kerry, em matéria de política externa. Manutenção da hegemonia dos Estados Unidos Uma das ideias mais populares na Europa é a defesa do regresso a um sistema multipolar. Citações... Esta ideia apoia-se em três argumentos. Em primeiro lugar, o sistema unipolar, permitindo a concentração de poder numa única superpotência, não contribui para a segurança internacional, agravando mesmo a insegurança das outras potências. Por outras palavras, a existência de uma potência hegemónica é um factor de instabilidade. Neste sentido, o multipolarismo é visto como um instrumento de limite e de contenção de poder. Segundo, seria extremamente benéfico para o mundo se a Europa (ou União Europeia) se transformasse num dos polos de poder de um futuro sistema multipolar. Em particular, o sistema internacional beneficiaria do reforço da cultural multilateral, fortemente enraizada na cultura política e diplomática europeia. Não é por acaso que se encontra nos discursos de muitos líderes europeus a associação entre multipolarismo e multilateralismo. Terceiro, estes mesmos europeus condenam o facto da administração Bush ter assumido como uma das suas prioridades estratégicas a manutenção de um sistema unipolar (Documento onde se apresente a Estratégia de Segurança Nacional dos Estados Unidos, de Setembro de 2002). O que se assiste é a um típico conflito de poder, explicado em qualquer manual político de realpolitik. As potências dominantes procuram manter o seu poder, defendendo o status quo internacional; as potências mais fracas procuram alterar a estrutura da distribuição do poder internacional, tornando-se assim revisionistas. É importante considerar algumas questões essenciais. Em primeiro lugar, iria uma administração democrata abdicar voluntariamente da hegemonia norte americana, facilitando a emergência de um sistema multipolar? Pondo a questão de um modo mais simples, qual é o governo que abdica voluntariamente do poder arduamente conquistado por governos anteriores? Citações de Kerry a defender a liderança norte americana... Se os Estados Unidos pretendem manter o sistema unipolar, e alguns países europeus desejam construir um sistema multipolar, é necessário tratar de uma segunda questão, que está relacionada com os mecanismos de mudança do sistema político internacional. Historicamente, as alterações no equilíbrio de poder aconteceram ou através de guerras entre as grandes potências ou através do declínio e depois do colapso da grande potência, como aconteceu com a antiga União Soviética entre 1989 e Ora, na situação actual ninguém na Europa, nem mesmo o mais fervoroso multipolarista deseja uma guerra com os Estados Unidos. Por outro lado, os Estados Unidos estão longe da situação soviética do final da década de 1980, não se adivinhando o seu colapso a prazo. Ou seja, aqueles que na Europa defendem o sistema multipolar enfrentam questões complicadas que vão muito além da escolha entre Bush e Kerry. Antes de mais, e aceitando que as opções guerra e declínio americano idêntico ao soviético estão Página 2 de 5

3 afastadas, qual é a estratégia realista para se construir um mundo multipolar? Em segundo lugar, a construção de um sistema multipolar é desejável para os países europeus, tendo em conta os custos políticos e económicos? Mais, é viável a prazo? Em terceiro lugar, não haverá uma profunda contradição entre a historiografia oficial da União Europeia, uma construção política que visa acabar com os princípios da realpolitik, e uma estratégia para o futuro assente nesses mesmos princípios? Afinal de contas, e ao contrário do que muitos argumentam, está a EU a preparar-se para ser Kantiana na Europa e Hobbesiana nas relações com os Estados Unidos? Pode-se argumentar que o discurso sobre as virtudes do sistema multipolar foi mais uma resposta ao unilateralismo de Bush do que ao sistema unipolar. Pelo menos não há dúvida de que é assim que Kerry e os seus apoiantes interpretam os debates europeus. Por exemplo, quando falam para a Europa, nunca defendem as virtudes do multipolarismo, mas sim as virtudes de uma hegemonia multilateral. Ou seja, os Estados Unidos continuarão a ser hegemónicos, mas Kerry promete que serão multilaterais. Também aqui há problemas inevitáveis. Do lado norte americano, é necessário um grande optimismo para se acreditar que vai ser possível, em todos os momentos de crise, reconciliar um comportamento multilateral com a defesa dos interesses vitais dos Estados Unidos. Se Kerry for eleito haverá certamente um recuo em relação ao unilateralismo da administração republicana, mas desconfio que o princípio multilateralismo quando for possível, unilateralismo quando for necessário, não será abandonado. Do lado europeu, é essencial entender que não se pode ter uma política externa com os republicanos no poder e outra com os democratas no poder. As alianças são com Estados e não com partidos políticos. Não se poder defender a criação de um sistema multipolar quando uma determinada administração está no poder e aceitar a hegemonia norte americana quando chega outra administração. Os que os europeus precisam urgentemente de fazer é discutir, com seriedade e sem demagogia, a hegemonia norte americana, o equilíbrio de poder internacional e o multilateralismo no domínio da segurança. Só assim se poderão definir estratégias políticas claras e realistas. Independentemente, de o Presidente americano se chamar Bush ou Kerry. A guerra preventiva como instrumento de combate ao terrorismo O ataque à doutrina da guerra preventiva tem conhecido alguma violência verbal na Europa. Começou logo com a publicação da Estratégia de Segurança Nacional dos Estados Unidos, em Setembro de Continuou após o discurso de Bush sobre o eixo do mal. E acentuou-se durante a crise do Iraque. Citações... Ao contrário do que julgam todos os que antecipam mudanças com uma eventual vitória de Kerry, as posições entre republicanos e democratas estão muito próximas. Antes de mais, a defesa da doutrina da guerra preventiva pela administração Bush é bastante qualificada. Se se analisar com cuidado a Estratégia de Segurança Nacional, nota-se que o recurso à guerra preventiva se aplica apenas contra os Estados que são governados por regimes tirânicos, que têm um passado de apoio ao terrorismo internacional e que procuram desenvolver armas de destruição maciça. Ou seja, não se defende a doutrina da guerra preventiva como um instrumento corrente de política externa ao serviço de Página 3 de 5

4 uma estratégia expansionista. Por outro lado, os democratas aceitam igualmente uma doutrina qualificada da guerra preventiva. Foi mesmo durante a Presidência de Bill Clinton que a possibilidade de se recorrer ao uso preventivo da força militar passou a fazer parte das doutrinas de segurança dos Estados Unidos. Além disso, o candidato Kerry também já anunciou que nos casos extremos que coloquem em causa a segurança dos Estados Unidos, no caso de ser eleito Presidente, não hesitará a recorrer a intervenções militares preventivas. As semelhanças entre republicanos e democratas demonstram que a obrigação de defender a segurança nacional e a vulnerabilidade sentida nos Estados Unidos, após os ataques do 11 de Setembro que alteraram profundamente as percepções de segurança dos norte americanos, produziram um consenso sobre a necessidade de se recorrer, em circunstancias excepcionais, à guerra preventiva. Aliás, o consenso sobre a doutrina foi visível nas discussões sobre a guerra do Iraque. Como é óbvio, a maioria dos que apoiaram a intervenção no Iraque defendem a necessidade da guerra preventiva. O que é mais interessante é que muitos dos que criticaram a intervenção no Iraque, fizeram-no sem por em causa a doutrina da guerra preventiva. Por isso dizem que o Iraque foi uma guerra de escolha, o que lhes permite aceitar o princípio do recurso à guerra preventiva. Mesmo os Estados europeus que mais atacaram a guerra do Iraque acabaram por aceitar a necessidade de se recorrer ao uso preventivo da força militar. Pelo menos, assinaram documentos, como a Declaração da Aliança Atlântica de Praga de Novembro de 2002 e o Conceito Estratégico da União Europeia, onde a necessidade está prevista. Assistiu-se, portanto, à emergência de uma posição consensual sobre a necessidade estratégica da guerra preventiva perante a ameaça do terrorismo internacional. Dos debates, dos conflitos e dos acordos que marcaram os últimos dois anos pode-se concluir que os países europeus aceitam a necessidade das intervenções militares preventivas, mas exigem o requisito multilateral. O que obviamente, à falta de poder de contenção, seria a forma de controlar o uso da força por parte dos Estados Unidos. A ambiguidade da fórmula guerra preventiva multilateral demonstra, mais uma vez, a existência de problemas sérios na Europa. A relutância e a incapacidade da maioria dos países europeus para intervirem militarmente fora das suas fronteiras resulta, e simultaneamente agrava, as tendências isolacionistas, pacifistas e neutralistas que se manifestam na Europa. O resultado, na maioria dos casos, acabará por ser uma paralisia política, que poderá mesmo levar a um isolamento e a uma neutralidade estratégica. Curiosamente, e com alguma ironia, tendo em conta o crescente anti-americanismo, muitos na Europa sofrem dos males que marcaram os Estados Unidos no período entre as duas grandes guerras do século passado. Um crescente isolacionismo estratégico que se apoia numa versão europeia do excepcionalismo político passivo : o exemplo europeu acabará por contagiar as regiões com problemas políticos levandoas assim ao caminho da reforma. No entanto, esta impotência europeia está associada a um discurso altamente ambicioso em que se afirma a vontade de aumentar o poder político, económico, diplomático e militar da Europa, de modo a transformá-la numa potência mundial. Podemos assim dizer sem risco de exagerar que a Europa atravessa uma fase de aumento de ambições e de declínio de poder. Página 4 de 5

5 Em relação ao resultado das eleições norte americanas, se Kerry ganhar, irá pedir a países como a Alemanha e a França ajuda para o Iraque e para a guerra contra o terrorismo. Aliás, já pediu no discurso que fez no passado mês de Setembro na Universidade de Nova Iorque. Como se percebeu, a Alemanha e a França disseram rapidamente que não enviavam tropas para o Iraque, nem aceitavam a ida da NATO. No entanto, um não a Kerry acaba com o argumento da culpa de Bush pela crise transatlântica, e será mau quer para os países europeus, quer para a Aliança Atlântica. Se Bush ganhar, a culpa continua a estar em Washington, os países europeus não terão que tomar decisões urgentes e com riscos, e poderão continuar a desenvolver a sua vocação: neutralidade estratégica, apoiada num discurso moralista e numa grande impotência política. Este ponto leva-me à única conclusão possível do meu argumento: muitos europeus querem que Bush perca, mas não querem que Kerry ganhe. Uma posição verdadeiramente europeia. Página 5 de 5

Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais

Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Análise Segurança / Desenvolvimento Vinícius Alvarenga 29 de outubro de 2004 1 Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Análise

Leia mais

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS por Mário Soares 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a revolucionar, pacificamente, a América e o Mundo. Isto é, está a mudar radicalmente as políticas norte-americanas,

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 31/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15558

Leia mais

SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga

SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga 24.11.2006 SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga 'A EUROPA DO FUTURO NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS' A Europa cada vez é mais requisitada no mundo em todos os domínios: cooperação

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

O Golfo em debate com Mohamed Benbouta

O Golfo em debate com Mohamed Benbouta DEBATE O Golfo em debate com Mohamed Benbouta DUARTE CALVÃO A guerra do Golfo eclodiu há cerca de um ano. Nessa altura esteve em Lisboa o professor Mohamed Benbouta, economista, cientista político, docente

Leia mais

Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza

Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza Disciplina de Geografia Área de ciências humanas Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza Porto Alegre 2014 Com o final da União Soviética, a queda do Muro de Berlim, sabemos que apenas um

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: História - 9º MANUAL ADOTADO: Missão História! - 9.º Ano, Porto Editora, Cláudia Amaral, Bárbara Alves, Tiago Tadeu GESTÃO DO TEMPO 1º

Leia mais

As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna

As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna BRICS Monitor As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna Maio de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos

Leia mais

Professora Erlani. Capítulo 3 Apostila 4

Professora Erlani. Capítulo 3 Apostila 4 Capítulo 3 Apostila 4 Aspectos cruciais para a compreensão do Oriente Médio e de suas relações internacionais petróleo e terrorismo. Petróleo indispensável como fonte de energia. Terrorismo desencadeia

Leia mais

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático China e Japão e a Segurança no Leste Asiático Geraldo Lesbat Cavagnari Filho Texto disponível em www.iea.usp.br/artigos As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade do autor, não refletindo

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Caros Amigos e Camaradas da Paz, Como é do vosso conhecimento, o nosso mundo encontra-se numa conjuntura

Leia mais

1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano IV n. 13 julho / setembro, 2011 www.flc.org.br

1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano IV n. 13 julho / setembro, 2011 www.flc.org.br 1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano IV n. 13 julho / setembro, 2011 www.flc.org.br RESENHA Barack Obama A AUDÁCIA DA ESPERANÇA: reflexões sobre a conquista do sonho americano (2006). Por João Paulo Peixoto

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa Conferência Os Estados Unidos e a Ordem Internacional 30 Setembro a 01 Outubro 2004 Auditório da FLAD, Lisboa Os Estados Unidos e a Ordem Internacional António Monteiro Intervenção do Ministro dos Negócios

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL O crescimento económico e a redução do desemprego são hoje os grandes desafios que a Europa enfrenta. Em Portugal, a situação económica e social é hoje

Leia mais

Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países.

Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países. 21/10/2014 Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países. O NASCIMENTO DA DISCIPLINA: Ratzel, no contexto

Leia mais

Começaria por reflectir, acerca das razões que podem estar na origem do engano das sondagens e distinguiria quatro razões.

Começaria por reflectir, acerca das razões que podem estar na origem do engano das sondagens e distinguiria quatro razões. Sondagens Começaria por reflectir, acerca das razões que podem estar na origem do engano das sondagens e distinguiria quatro razões. A primeira é de carácter teórico e tem a ver com a Estatística e as

Leia mais

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa MARIA LÚCIA AMARAL * Introdução 1. Agradeço muito o convite que me foi feito para participar neste colóquio luso-italiano de direito

Leia mais

ESTADOS UNIDOS versus ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS: UMA RELAÇÃO DE FORÇA, PODER E INTERESSE

ESTADOS UNIDOS versus ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS: UMA RELAÇÃO DE FORÇA, PODER E INTERESSE ESTADOS UNIDOS versus ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS: UMA RELAÇÃO DE FORÇA, PODER E INTERESSE Micheli Lima de Fontes, 5º período A Organização das Nações Unidas (ONU) foi criada baseada na jusfilosofia

Leia mais

Resolução do Secretariado Nacional da UGT A DEFESA INTRANSIGENTE DO DIÁLOGO SOCIAL TRIPARTIDO

Resolução do Secretariado Nacional da UGT A DEFESA INTRANSIGENTE DO DIÁLOGO SOCIAL TRIPARTIDO Resolução do Secretariado Nacional da UGT A DEFESA INTRANSIGENTE DO DIÁLOGO SOCIAL TRIPARTIDO No passado dia 8 de Junho, o Secretário-Geral da UGT interveio na 105ª Conferência da Organização Internacional

Leia mais

Comissão Parlamentar de Saúde. Audição da Ordem dos Farmacêuticos

Comissão Parlamentar de Saúde. Audição da Ordem dos Farmacêuticos Comissão Parlamentar de Saúde Audição da Ordem dos Farmacêuticos Sessão de 17 de Janeiro de 2012 Intervenção inicial do Bastonário Carlos Maurício Barbosa Senhora Presidente da Comissão Parlamentar de

Leia mais

+ O Processo de Globalização

+ O Processo de Globalização Bom dia Senhoras e Senhores + Comentários da introdução Em primeiro lugar, permita-me dizer-lhes o quanto agradecido e honrado me sinto por estar aqui em Washington hoje, participando deste seminário importante.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Data: 16/11/2009 Roma, 16/11/2009 Bem... Lugo, tudo bem? Cumprimentar a

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

Aula 6 2º bim. - Gestão de Empresas Baseada na Demanda

Aula 6 2º bim. - Gestão de Empresas Baseada na Demanda Aula 6 2º bim. - Gestão de Empresas Baseada na Demanda Perfil de Risco da Cadeia Continuidade dos Negócios Grande preocupação das empresas. Atualmente, foca-se muito a TI e a gestão de processos internos,

Leia mais

A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO

A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO MILITAR NO SUL DA AMÉRICA LATINA i ADRIANA A. MARQUES PPG-USP Dois processos são fundamentais para

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DAS ILHAS ATLÂNTICAS: SUA PERMANf-NCIA E EVOLUÇÃO HISTÓRICA

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DAS ILHAS ATLÂNTICAS: SUA PERMANf-NCIA E EVOLUÇÃO HISTÓRICA REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DAS ILHAS ATLÂNTICAS: SUA PERMANf-NCIA E EVOLUÇÃO HISTÓRICA REFLEXÕES SOBRE A IMPORTANCIA ESTRATÉGICA DAS ILHAS ATLANTICAS: SUA PERMANf;NCIA E EVOLUÇAO HISTÓRICA

Leia mais

País europeu, Portugal é também um país atlântico. Pequena potência, semiperiférica

País europeu, Portugal é também um país atlântico. Pequena potência, semiperiférica p o l í t i c a e x t e r n a p o r t u g u e s a Breve ensaio sobre a política externa portuguesa Nuno Severiano Teixeira País europeu, Portugal é também um país atlântico. Pequena potência, semiperiférica

Leia mais

COREIA DO NORTE, DE NOVO NO NEGÓCIO DE OBTENÇÃO DE AJUDAS

COREIA DO NORTE, DE NOVO NO NEGÓCIO DE OBTENÇÃO DE AJUDAS 2012/03/10 COREIA DO NORTE, DE NOVO NO NEGÓCIO DE OBTENÇÃO DE AJUDAS A história repete-se. A Coreia do Norte vai receber 265000 toneladas de ajuda alimentar (sob a forma de suplementos nutritivos) contra

Leia mais

O BRASIL NO MUNDO PÓS-CRISE #

O BRASIL NO MUNDO PÓS-CRISE # O BRASIL NO MUNDO PÓS-CRISE # José Augusto Guilhon Albuquerque * O título desta apresentação deveria ser: missão impossível. Falar sobre o Brasil no mundo pós-crise em 12 minutos implicaria falar sobre

Leia mais

EGIPTO. DA PRIMAVERA ÁRABE PARA A PRIMAVERA ISLÂMICA

EGIPTO. DA PRIMAVERA ÁRABE PARA A PRIMAVERA ISLÂMICA 2012/08/26 EGIPTO. DA PRIMAVERA ÁRABE PARA A PRIMAVERA ISLÂMICA O processo de transição egípcio para uma democracia, tal como preparado pelo Conselho Supremo das Forças Armadas (CSFA), nunca seguiu o trajeto

Leia mais

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Começo por agradecer a todos terem vindo a este seminário. Em especial à Senhora Secretária de Estado que muito nos honra com a sua presença

Leia mais

Grande crise do liberalismo econômico. Profª Karoline Rebouças

Grande crise do liberalismo econômico. Profª Karoline Rebouças Grande crise do liberalismo econômico Profª Karoline Rebouças Antes da Crise Fim da 1ª Guerra Mundial (1918) Europa arrasada Economia desestruturada Diminuição da mão-de-obra EUA patrocinam a reconstrução

Leia mais

II Conferência «Brasileiros no Mundo»

II Conferência «Brasileiros no Mundo» II Conferência «Brasileiros no Mundo» (Rio de Janeiro, dia 15 e 16 de Outubro de 2009) Contribuição da comunidade brasileira na França Introdução: Esta contribuição, elaborada por, para a segunda Conferência

Leia mais

Tipo de perguntas mais frequentes

Tipo de perguntas mais frequentes Tipo de perguntas mais frequentes Para facilitar a preparação de uma entrevista apresentamos questões que frequentemente são colocadas nesta situação. Com base nestas, os candidatos poderão praticar as

Leia mais

EUA e Grã-Bretanha preparam plano de intervenção militar na Líbia 1

EUA e Grã-Bretanha preparam plano de intervenção militar na Líbia 1 EUA e Grã-Bretanha preparam plano de intervenção militar na Líbia 1 Ann Talbot Os Estados Unidos e Grã-Bretanha deram um passo para a intervenção militar direta contra a Líbia, terça-feira (08-03), quando

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

A experiência do PASSADO, as necessidades do PRESENTE a melhoria do FUTURO REUNIÃO DE TRABALHO NÚCLEOS DA ÁREA DE LISBOA

A experiência do PASSADO, as necessidades do PRESENTE a melhoria do FUTURO REUNIÃO DE TRABALHO NÚCLEOS DA ÁREA DE LISBOA A experiência do PASSADO, as necessidades do PRESENTE a melhoria do FUTURO REUNIÃO DE TRABALHO NÚCLEOS DA ÁREA DE LISBOA 04 Dez 2008 PROJECTO/PROGRAMA CUIDADOS DE SAÚDE / PTSD 2009-2012 OBJECTIVO PRINCIPAL

Leia mais

Dilma: https://www.youtube.com/watch?v=9mi2fx7evra

Dilma: https://www.youtube.com/watch?v=9mi2fx7evra Dilma: https://www.youtube.com/watch?v=9mi2fx7evra Governo novo, ideias novas. Hoje, dia do médico, nossa saudação a todos os profissionais que exercem a nobre missão de cuidar da vida do próximo. É por

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal na Grande Guerra de 1914-1918 Nuno Lemos Pires o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal participou na Grande Guerra em cinco grandes

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO-GRANDENSES. XI SEMANA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - Dias 21, 22 e 23 de Setembro

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO-GRANDENSES. XI SEMANA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - Dias 21, 22 e 23 de Setembro FACULDADES INTEGRADAS CAMPO-GRANDENSES XI SEMANA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - Dias 21, 22 e 23 de Setembro Crise Econômica e Civilizatória: Desafios para a Humanidade Apresentação e Justificativa Tem sido recorrente

Leia mais

Senhor Presidente. Senhor Presidente,

Senhor Presidente. Senhor Presidente, Intervenção proferida pelo Deputado Clélio Meneses aquando da discussão do Plano e Orçamento para 2012. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS Minhas áreas de atuação são, pela ordem de número de eventos: Gestão de Projetos; Gestão de Ativos; Gestão de Segurança Industrial e Gestão Estratégica de empresas. Considero-me,

Leia mais

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y humanidades relações exteriores y Gosto pela diplomacia Cresce o interesse de brasileiros pelos rumos da política externa Carlos Haag Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam que o país está

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Relações Internacionais Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais Arielli Xavier de Lima 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida

Leia mais

Carta de Apresentação

Carta de Apresentação Carta de Apresentação Caros Delegados, Em nome da equipe acadêmica do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, gostaria de dar as boas-vindas à todos. Eu sou Marcos Alexandre Santos, estou

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO (sujeita a reajustamentos)

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO (sujeita a reajustamentos) PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO (sujeita a reajustamentos) História A 12º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 Prof. Armando Sousa Pereira Prof.ª Maria Amélia de Andrade e Pinto de Almeida Vasconcelos 1º PERÍODO MÓDULO

Leia mais

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial;

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; 1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; A Nova Ordem Econômica Mundial insere-se no período do Capitalismo Financeiro e a doutrina econômica vigente é o Neoliberalismo. Essa Nova Ordem caracteriza-se

Leia mais

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente 224 NOTAS Notas Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente VICENTE FOX QUESADA A política exterior mexicana atravessa atualmente um período de renovação estreitamente vinculado

Leia mais

1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro "O Estado Judeu", criou o movimento sionista.

1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro O Estado Judeu, criou o movimento sionista. 1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro "O Estado Judeu", criou o movimento sionista. O objetivo era estabelecer um lar nacional para os judeus na

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br 15 Análise fundamentalista

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Trabalho realizado por : Anamaria Poran nº36627 Cátia Marques nº36635 Tina Rajster nº38498 18 de Dezembro de 2008

Trabalho realizado por : Anamaria Poran nº36627 Cátia Marques nº36635 Tina Rajster nº38498 18 de Dezembro de 2008 Trabalho realizado por : Anamaria Poran nº36627 Cátia Marques nº36635 Tina Rajster nº38498 18 de Dezembro de 2008 ! O papel da Condição Antropológica na construção do Federalismo! Poder e os seus limites!

Leia mais

Frente contra as guerras e intervenções imperialistas

Frente contra as guerras e intervenções imperialistas Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Publicado em: http://inter.kke.gr/news/news2011/2011-05-04-eliseo-artho Tradução do inglês de MF Colocado em linha

Leia mais

ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008?

ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008? 2008/05/04 ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008? Quando a 6 de Setembro de 2007, os israelitas bombardearam uma infraestrutura no norte da Síria, perto da fronteira com a

Leia mais

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Maio de 2003 No mundo de hoje, pais, professores e outros agentes educativos enfrentam

Leia mais

Estabilidade da Unipolaridade Actual

Estabilidade da Unipolaridade Actual Estabilidade da Unipolaridade Actual Francisco Galamas 1 Resumo Este ensaio tem como objectivo de defender que a unipolaridade não é um momento transitório para a multipolaridade, ao contrário do que a

Leia mais

Estabilidade da Unipolaridade Actual

Estabilidade da Unipolaridade Actual Estabilidade da Unipolaridade Actual Francisco Galamas 1 Resumo Este ensaio tem como objectivo de defender que a unipolaridade não é um momento transitório para a multipolaridade, ao contrário do que a

Leia mais

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS Um assunto que volta e meia ocupa as manchetes de jornais do mundo inteiro há décadas é a questão sobre o conflito entre israelenses e palestinos

Leia mais

O Impacto da relação terapeuta clientes. em terapia de casal. Inês Franco Alexandre; Inês Mota

O Impacto da relação terapeuta clientes. em terapia de casal. Inês Franco Alexandre; Inês Mota O Impacto da relação terapeuta clientes no processo de tomada de decisão em terapia de casal Inês Franco Alexandre; Inês Mota Objectivos Explorar o impacto dos isomorfismos cliente terapeuta e cliente

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

IRAQUE: UM ATOLEIRO DE PROBLEMAS

IRAQUE: UM ATOLEIRO DE PROBLEMAS 2008/02/07 IRAQUE: UM ATOLEIRO DE PROBLEMAS Atualmente a força de ocupação dos Estados Unidos no Iraque registra a presença de 162 mil homens. Até Julho de 2008, está prevista a retirada de três brigadas

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba A INFLUÊNCIA DA CHINA NA ÁFRICA SETENTRIONAL E MERIDIONAL Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011 Henrique Altemani de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 101 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO Resenha do livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República

Leia mais

Ano lectivo de 2009/2010

Ano lectivo de 2009/2010 Parâmetros / Instrumentos Pesos a) Atitudes e Comportamentos no espaço escolar (5) b) Cumprimento das tarefas (5) c) Capacidade de expressão oral e escrita (5) d) Trabalhos Individuais / grupo (15) e)

Leia mais

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial Começo minha reflexão de hoje pensando um pouco na história da Administração, nos princípios de gestão e formas como as empresas hoje são geridas.

Leia mais

ADAM SMITH EM PEQUIM: ORIGENS E FUNDAMENTOS DO SÉCULO XXI

ADAM SMITH EM PEQUIM: ORIGENS E FUNDAMENTOS DO SÉCULO XXI http:///br/resenhas.asp?ed=10&cod_artigo=172 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for. Francisco Sá Carneiro, Lisboa, 1972

O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for. Francisco Sá Carneiro, Lisboa, 1972 JAIME O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for Francisco Sá Carneiro, Lisboa, 1972 RAMOS As Razões para uma candidatura à liderança do PPD/PSD Madeira As eleições

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Resumo: Este trabalho é resultado do curso de formação Gestar II Matemática,

Leia mais

Gostaria igualmente de felicitar Sua Excelência o Embaixador William John Ashe, pela forma como conduziu os trabalhos da sessão precedente.

Gostaria igualmente de felicitar Sua Excelência o Embaixador William John Ashe, pela forma como conduziu os trabalhos da sessão precedente. Discurso de Sua Excelência Manuel Vicente, Vice-Presidente da República de Angola, na 69ª sessão da Assembleia-Geral das Nações Unidas Nova Iorque, 29 de Setembro de 2014 SENHOR PRESIDENTE, SENHOR SECRETÁRIO-GERAL,

Leia mais

Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies.

Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 12 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies. Litisconsórcio (cont.) Litisconsortes

Leia mais

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil ESPECIAIS Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil 27 Maio 2015 Nuno André Martins MNE alemão diz que Portugal "é um exemplo para a Europa", admite que só a negociação deu à

Leia mais

Três factos que explicam a importância do petróleo na crise no Iraque

Três factos que explicam a importância do petróleo na crise no Iraque Três factos que explicam a importância do petróleo na crise no Iraque Brad Plumer Incêndio em campos petrolíferos em Kirkuk, no Iraque, 13 de Setembro de 2007. (Ian Terry/Flickr) Desde há meses, militantes

Leia mais

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus,

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, Unidades Especializadas de Polícia do Exército Polonês General Boguslaw Pacek, Exército Polonês Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, não há medo de agressão armada por parte de estados

Leia mais

Rússia e Ucrânia podem entrar em guerra?

Rússia e Ucrânia podem entrar em guerra? Rússia e Ucrânia podem entrar em guerra? Soldados russos cercaram diversas bases ucranianas na Crimeia A situação não poderia ser mais séria. No sábado, o presidente Vladimir Putin conseguiu a autorização

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º ano de Escolaridade Prova 623/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sessão Pública: Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Auditório Novo da Assembleia da República 19 de Janeiro de 2011 Apresentação Pública do Exame

Leia mais