VI EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do trabalho A INFLUÊNCIA DAS ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VI EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do trabalho A INFLUÊNCIA DAS ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO"

Transcrição

1 ASSEMAE VI EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho A INFLUÊNCIA DAS ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR Cargo atual Engenheira Civil GPS DPO - SEMASA Formação Engenheira Civil pela Faculdade de Engenharia de São Paulo FESP Área de atuação Projetos de Saneamento e Drenagem Urbana Endereço completo para correspondência Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André Avenida José Caballero, 143 Centro - Santo André SP - CEP Fone: (11) Fax (11)

2 Síntese Apesar do Brasil adotar, predominantemente, o sistema separador de esgoto sanitário, tem sido observado significativo aumento na vazão e variação na qualidade do esgoto durante e após tormentas em áreas urbanas, caracterizado pelo lançamento clandestino de ligações de águas pluviais nas redes coletoras de esgotos, estes lançamentos na maioria são feitos pelos próprios munícipes. O contrário também é visto, ou seja despejos de redes coletoras de esgotos sanitários em galerias de águas pluviais, piscinões e córregos, já esses lançamentos na maioria são feitos pela concessionária, devidos a não operação/tratamento dos esgotos sanitários. Hoje há uma preocupação muito grande do SEMASA (Serviço de Saneamento Ambiental de Santo André) em sanear o município, desenvolvendo para ele o sistema separador absoluto, pois com isso eliminaremos todas as ligações irregulares, evitando o mau cheiro em galerias de águas pluviais, bocas de lobo, córregos e piscinões, uma vez que já estão sendo executadas as interligações das redes coletoras de esgotos sanitários no coletor tronco/interceptor para tratamento do mesmo na ETEs (Estações de Tratamento de Esgoto ) e restringimos também os recursos na ETE (Estação de Tratamento de Esgoto), dosando-as apenas para vazão real de esgoto. Descrição do objetivo O objetivo deste trabalho é ressaltar a importância da separação das águas pluviais dos esgotos sanitários, apresentando os trabalhos que o SEMASA Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André está realizando no município, visando baixa vazão de esgoto para tratamento na ETE ABC (Estação de Tratamento de Esgoto ABC), que até o final do ano 2004 está previsto tratamento de 20% dos esgotos gerados no município de Santo André e a despoluição dos córregos municipais eliminando qualquer irregularidade de lançamento, desenvolvendo para a cidade o sistema separador absoluto. Metodologia e/ou desenvolvimento As redes urbanas de esgotos projetadas como sistemas separadores absolutos são destinadas a coletar e transportar o esgoto separadamente das águas pluviais. Assim, tanto o projeto do sistema de coleta e transporte quanto o projeto das estações de tratamento de esgotos não levam em consideração o aumento das últimas advindas do aqüífero freático ou de fugas de redes de drenagem de águas pluviais através da vazão do esgoto devido à invasão de águas

3 pluviais na ocorrência de uma chuva torrencial. Essa invasão é praticamente inevitável em nosso meio, já que existem ligações clandestinas de águas pluviais nas redes coletoras de esgotos e infiltrações, estas de rachaduras e falhas nas conexões de ambas as redes. A ocorrência de chuvas torrenciais não só interfere aumentando a vazão do esgoto como também alterando a sua qualidade. Estas interferências podem ser melhor avaliadas através da comparação dos dados horários de vazão e de qualidade do esgoto obtidos em tempo seco e em tempo chuvoso. Porém, existe dificuldade em geral na obtenção de dados horários de qualidade do esgoto afluente às estações de tratamento de esgotos ou em outros pontos na rede coletora dificuldade esta particularmente acentuada quando ocorrem tormentas urbanas. Hoje um dos grandes problemas que o município enfrenta é a irregularidade de lançamentos de águas pluviais em redes coletoras de esgoto ou de lançamentos de esgotos sanitários em galerias de águas pluviais, córregos e piscinões. A empresa BBL foi contratada pelo Serviço Municipal de Água e Saneamento de Santo André SEMASA para a execução de serviços de consultoria, medição de vazão e inspeções de redes, ligações e ramais prediais de esgotamento sanitário, nas Bacias dos Córregos Araçatuba e Itororó, no Bairro Bom Pastor (por exemplo), no município de Santo André, com o objetivo de identificar infiltrações de águas pluviais na rede de esgotos e os lançamentos de esgotos no sistema de drenagem da referida área. A região de atuação compreende aproximadamente m de rede coletora de esgotos com diâmetro variando de 150 a 300 mm, ligações de esgotos e 842 poços de visita. A área é predominantemente residencial, atingindo cerca de habitantes e possuindo cerca de economias. Para a realização do serviço, além dos dados do sistema coletor e da população domiciliada na área, foram obtidos ainda: dados geográficos, que limitaram a área em estudo; dados topográficos, que contém os dados de altimetria e planimetria da área; dados hidrológicos, que identificaram as áreas mais freqüentemente inundadas e a ocorrência de chuvas na região, e dados geológicos, obtidos junto à biblioteca da USP, que caracterizaram as camadas do solo. Também foi estudado o sistema de distribuição de água.

4 As informações citadas foram básicas para a realização da medições de vazão e a partir delas a área de estudo foi dividida em sub-bacias. Para cada sub-bacia foram selecionados o número de economias, a extensão da rede coletora e o número de poços de visita. Na execução dos serviços de medição de vazão de esgotos, foram utilizados medidores eletromagnéticos portáteis introduzidos nos poços de visita, onde foram registradas as vazões contínuas ao longo dos dias secos e chuvosos. Os gráficos produzidos a partir da medições de vazão contínuas realizadas ao longo do trabalho mostram o comportamento da vazão ao longo de dias secos e chuvosos e ainda apresenta os dados de chuva correspondentes e a evidente relação entre eles.(figura 1) Neste caso, a influência da chuva na vazão do esgoto é ainda mais evidente. Num dia seco as vazões medidas ao longo do dia, nesse coletor, são muito baixas e na ocorrência de uma tormenta a vazão de esgoto aumenta drasticamente no período de maior precipitação e no restante do dia permanece bem mais alta que a de tempo seco. Esse trabalho de investigação é fundamental para levantar os pontos onde estão as irregularidades, para que possamos regularizá-las evitando o pagamento do tratamento das águas pluviais que estão misturadas com os esgotos sanitários, além das ETEs (estações de tratamento de esgoto) não serem capacitadas para tal demanda. Informamos que hoje, parte da receita arrecadada é direcionada para o ressarcimento aos munícipes que tiveram seus imóveis afetados pelo retorno de esgoto em dias de chuva. Esta investigação compreende nos serviços descritos abaixo, sendo que o mais complicado de realizar é a inspeção predial. - Localização de poços de visita, poços de inspeção e caixas de passagem.(figura 2) - Recadastramento de rede de esgoto e drenagem.(figura 3) - Inspeção de poços de visita.(figura 4) - Filmagem interna de redes. - Intervenção de obras públicas. - Medições de vazão de esgoto.(figura 5)

5 - Inspeções das instalações prediais - teste com corante e fumaça.(figuras 6,7,8e9) Este trabalho já foi realizado em 12% da área urbana do município de Santo André.(Fig. 10) Resultados e/ou conclusões De acordo com os dados obtidos nos medidores de vazão constatou-se variações típicas diárias de vazão de esgoto em tempo seco. Como a região estudada é predominantemente residencial, foram observadas diminuições significativas na vazão durante a madrugada, período de menor consumo de água e, conseqüentemente, menor produção de esgoto. As variações ao longo dos dias observados também possuem características típicas, predominantemente os picos nos horários de almoço e de jantar. Em relação à identificação de lançamentos de água pluvial na rede de esgotos, o trabalho realizado pela BBL atingiu os objetivos do SEMASA. A influência da chuva é evidente na maior parte dos pontos monitorados. A região estudada sofre problemas bastante críticos, pois, além desses lançamentos indevidos verificados nas inspeções, o aquífero freático na região se encontra próximo ao nível do solo. Assim, na ocorrência de uma chuva intensa, a vazão nas redes de esgoto aumenta até um nível tal que estas funcionam sob pressão e ocorre a inversão no sentido do escoamento do fluxo na rede, fazendo que o esgoto retorne para as residências. No dia com chuva convectiva, a vazão de esgoto chega a ser sextuplicada, com relação ao valor máximo de dia seco, em dado caso extremo. Isto é uma forte evidência de que devem ser tomados cuidados para identificar a fontes de tal problema, que poderá inviabilizar o funcionamento eficiente do sistema de coleta e de tratamento de esgoto com tais características de oscilação em dias muito chuvosos. A adequação das ligações indevidas de água pluvial na rede de esgotos das residências inspecionadas provavelmente já abrandaria o problema; porém outras alterações construtivas deveram ser realizadas pelo SEMASA para a resolução do problema. Uma consideração importante a ser feita é que futuramente assim que as obras de interligação estiverem concluídas o esgoto de Santo André será encaminhado para a ETE ABC e as variações significativas na vazão tempo chuvoso, mostradas nesse caso, irão

6 interferir na vazão afluente à ETE, tendo que o município pagar talvez o tratamento de águas pluviais como esgoto além da ETE não comportar tal vazão. Além do problema acima, foram verificados vários outros, sendo um dos mais graves a ocorrência de refluxo do esgoto para dentro dos imóveis em tais ocasiões, devido ao funcionamento das tubulações sob pressão. Os levantamentos contínuos de vazão líquida realizados para concessionárias com a finalidade de investigar a existência de ligações clandestinas foram úteis para esclarecer as causas das notáveis elevações de vazão por ocasião de tormentas. Porém, ainda não se tem notícia de medidas efetivas para coibir ou reverter tal problema, pois estas encontram barreiras legais, sociais e políticas. A infiltração de águas pluviais na rede de esgotos através de ligações clandestinas é a mais difícil de ser identificada e controlada, pois depende principalmente da conscientização da população, que demanda um longo período mas poderá evitar que tal tipo de problema cresça com o tempo. Além de tal medida preventiva, cumpre também buscar-se reverter a situação atual através da adequação das ligações hoje já efetuadas de forma indevida. Isto, porém, é atividade muito mais árdua, devido à naturais dificuldades legais, sociais e políticas. O SEMASA (Serviço de Saneamento Ambiental de Santo André) conta com as leis municipais de nºs de 23/11/94, de 14/10/98 e com o decreto lei de 11/11/99 que concedem ao SEMASA poder de fiscalização, notificação, aplicação de multa e corte do fornecimento d água, para os imóveis irregulares, que lançam clandestinamente águas pluviais nos esgotos sanitários ou vice-versa. Referências Bibliográficas - Relatório científico do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT) sobre a investigação das oscilações diárias e transientes de vazão e qualidade em esgotos urbanos na região metropolitana de São Paulo (Prof. Dr. André Luiz de L.Reda/Gabriela Sá L. de Mello). - PDE Plano Diretor de Esgoto do Município de Santo André. - Relatórios BBL Bureal Brasileiro Ltda. - Relatórios ERCON Ltda. - Processos administrativos SEMASA.

7 Figura 1 Figura 2

8 Figura 3

9 Figura 4 Figura 5

10 Figura 6 Figura 7

11 Figura 8 Figura 9

12 AQUILINO JD.STA. MARIA INDUSTRIAL 1 INDUSTRIAL 5 ORIENTAL CASAS POPULARES SAO PEDRO INDUSTRIAL 8 CRISTIANE PROGRESSO INOCOOP ALVORADA GUILHERMINA FRANCISCO MATARAZZO INDUSTRIAL 15 TELLES DE ACLIMACAO RICA CON. RES. DONA BEATRIZ PROGRESSO SILVANA GUARACIABA SANTO ALBERTO CENTREVILLE INDUSTRIAL 6 Figura 10 BACIA DE CONTRIBUIÇÃO DO CÓRREGO J UNDIAÍ ( PARTE) PROCESSOS 1595/94 E 771/95 BACIA DE CONTRIBUIÇÃO DO CÓRREGO GUARARÁ (PARTE) PROCESSOS 1595/94 E 771/95 ÁREA - 72,43 ha - 1,04% BACIA DE CONTRIBUIÇÃO DOS CÓRREGOS JUNDIAÍ (PARTE) E COMPRIDO PROCESSOS 1366/95 E 159/96 ÁREA - 376,26 ha - 5,42% BACI A DE CO NTRI BUI ÇÃO DO S CÓ RREGO S I TO RO RÓ E ARAÇATUBA - PROCESSOS /94 E 1826/94 PALMARES ÁREA - 264,38 ha - 3,81% CÓRREGOS ÁREA TOTAL URBANA ,69 ha ÁREA TOTAL DO CAÇA ESGOTO - 849,01 ha - 12,23% SANTA MARIA SACADURA CABRAL PRINCIPE DE GALES CAMPESTRE VALPARAISO FLORESTA BOM PASTOR INDUSTRIAL 2 METALURGICA INDUSTRIAL 2 SANTA TEREZINHA JACATUBA ALPINA INDUSTRIAL 12 GUIOMAR CENTRO BASTOS CASA BRANCA ALICE BELA VISTA ASSUNCAO GILDA PARAISO CENTRAL PINHEIRINHO STELLA PILAR INOCOOP UTINGA CAMILOPOLIS LUCINDA SANTO ANTONIO SILVEIRA AMERICA ALZIRA PIRES MARINA HELENA JAMAICA VITORIA LINDA JUNQUEIRA MILENA DO ALVORADA ESTADIO ANA MARIA ORATORIO NOVO ORATORIO ITAPOAN DAS NACOES ERASMO ASSUNCAO BANGU CURUCA JOAO RAMALHO RINA ALZIRA FRANCO CONJ. HABITACIONAL AV.DOS ESTADOS INDUSTRIAL 14 INDUSTRIAL 25 INDUSTRIAL 27 HOMERO THON GUARANI HUMAITA IPANEMA TIBIRICA LUTECIA CAPUAVA INDUSTRIAL16 MARAJOARA MAREK CIDADE SAO JORGE GERASSI GUARACIABA CONDOMINIO MARACANA SUICA LAS VEGAS SANTA CRISTINA LUZITA SITIO DOS VIANAS GUARARA IRENE SANTO ANDRE JOAO RAMALHO MORRO DOS MOLTINHOS

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ 1 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ A COMPANHIA REGIONAL DE ABASTECIMENTO INTEGRADO DE SANTO ANDRÉ CRAISA, no uso de suas atribuições

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE Tema II Esgotamento Sanitário Palavras-chaves: ligação de esgoto irregular. Autores: Heloiza Rachel

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do Trabalho

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do Trabalho ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do Trabalho Execução do Cadastro de Drenagem do Município de Santo André, por Administração Direta. Currículo do Autor Ceila Castilho

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Antônio Simões Teixeira Filho (1) Engenheiro Civil / Sanitarista pela Pontifícia Universidade

Leia mais

Relatório de Descrição da Prática de Gestão

Relatório de Descrição da Prática de Gestão Relatório de Descrição da Prática de Gestão 2 0 1 2 OC Superintendência Qualidade Polo Comunicação Depto Admin. e Financ. Depto Engenharia de Operação Depto Planej. Integ. e Rel. Com. UGR A UGR B UGR C

Leia mais

PROGRAMA CAÇA-ESGOTO NAS BACIAS DOS RIBEIRÕES ARRUDAS E ONÇA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

PROGRAMA CAÇA-ESGOTO NAS BACIAS DOS RIBEIRÕES ARRUDAS E ONÇA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PROGRAMA CAÇA-ESGOTO NAS BACIAS DOS RIBEIRÕES ARRUDAS E ONÇA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ronaldo Matias de Sousa (1) Engenheiro Civil com experiência de 14 anos na área de saneamento ambiental

Leia mais

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS O Daae (Departamento Autônomo de Água e s) está inspecionando os poços artesianos dos estabelecimentos comerciais, industriais

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2009 SANTO ANDRÉ

PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2009 SANTO ANDRÉ PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2009 SANTO ANDRÉ 1 Realização: João Avamileno Prefeito de Santo André Ademar Carlos de Oliveira Secretário de Inclusão Social Márcia Ivone Leal de Oliveira Diretora

Leia mais

II-364 CONTRIBUIÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO NO ESTADO DE SÃO PAULO

II-364 CONTRIBUIÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO NO ESTADO DE SÃO PAULO II-364 CONTRIBUIÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO NO ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia pela

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

Área Censitária (Bairro)

Área Censitária (Bairro) 1 2 Fonte: 3 APOND (Nº) Área de Ponderação Área Censitária (Bairro) 4 1 Assunção Bairro Paraíso / Vila Assunção / Vila Gilda 2 Camilópolis Jardim das Maravilhas / Jardim Utinga / Vila Camilópolis 3 Campestre

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS Profa. Margarita Maria Dueñas O. CONTEÚDO Introdução e conceitos Vazão de esgoto Vazão doméstica Consumo de água Consumo per cápita de água Faixas

Leia mais

Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino

Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino Até 5º ano incompleto Ens. Fundamental 950 6 Santo Andre

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

A MAIOR OBRA PÚBLICA DA HISTÓRIA DE NOVA ODESSA

A MAIOR OBRA PÚBLICA DA HISTÓRIA DE NOVA ODESSA e as obras do PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO A MAIOR OBRA PÚBLICA DA HISTÓRIA DE NOVA ODESSA INAUGURADA EM 14 DE DEZEMBRO DE 2012 Ministério das Cidades Um pouco de história Nova Odessa

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Introdução A coleta e o tratamento de esgotos contribuem

Leia mais

Declaramos concordar com as condições estabelecidas no Regulamento para Apresentação de Trabalhos Técnicos na 38º Assembléia Nacional da ASSEMAE.

Declaramos concordar com as condições estabelecidas no Regulamento para Apresentação de Trabalhos Técnicos na 38º Assembléia Nacional da ASSEMAE. Título: Atualização e Manutenção do Cadastro Técnico Autores: Renan Moraes Sampaio Cargo Atual: Coordenador do Cadastro Técnico e Geoprocessamento. Formação: Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho.

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário. Profª Gersina Nobre

Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário. Profª Gersina Nobre Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário Profª Gersina Nobre Na elaboração do projeto da rede coletora de esgoto sanitário devem se observadas as seguintes normas da ABNT: NBR 9648 Estudo de concepção

Leia mais

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro COPASA Day 2011 24 e 25 de novembro Benefícios do Tratamento de Esgoto Despoluição dos córregos e rios; Eliminação do mau cheiro; Meio ambiente limpo, recuperado e preservado; Diminuição da presença de

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

GUIA COPASA DO EMPREENDEDOR IMOBILIÁRIO

GUIA COPASA DO EMPREENDEDOR IMOBILIÁRIO GUIA COPASA DO EMPREENDEDOR IMOBILIÁRIO Roteiro para planejamento, projeto e implantação de infra-estrutura de abastecimento de água e esgotamento sanitário em loteamentos e conjuntos habitacionais da

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE VAZAMENTOS DE ÁGUA NA REDE COLETORA DE ESGOTOS TEMA I: ÁGUA AUTORES

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE VAZAMENTOS DE ÁGUA NA REDE COLETORA DE ESGOTOS TEMA I: ÁGUA AUTORES ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE VAZAMENTOS DE ÁGUA NA REDE COLETORA DE ESGOTOS TEMA I: ÁGUA AUTORES Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Fac. Barão de Mauá. Engenheiro Civil formado pela Fac. de Engenharia

Leia mais

Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino

Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino Até 5º ano incompleto Ens. Fundamental 950 6 Santo Andre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Sistemas de Esgotos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito Sistemas de Esgotos

Leia mais

GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO

GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO Celso Garcia Crespo (1) Engenheiro Civil graduado pela Faculdade de Engenharia da Universidade

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007).

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007). II-156 - AVALIAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOS BAIRROS JARDIM NOVO ENCONTRO, MARIA GORETTI E PIRANGA EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL - UNIVASF Julliana Melo

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, fundada em 1984. Os associados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem.

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA SENSIBILIZAÇÃO DE MORADORES, UMA PROPOSTA A SER APLICADA PARA A PRESERVAÇÃO DO CÓRREGO CAQUENTE, OURO PRETO- MINAS GERAIS

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA SENSIBILIZAÇÃO DE MORADORES, UMA PROPOSTA A SER APLICADA PARA A PRESERVAÇÃO DO CÓRREGO CAQUENTE, OURO PRETO- MINAS GERAIS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA SENSIBILIZAÇÃO DE MORADORES, UMA PROPOSTA A SER APLICADA PARA A PRESERVAÇÃO DO CÓRREGO CAQUENTE, OURO PRETO- MINAS GERAIS ALVES, Kerley dos Santos Alves 1 SOUZA, Maria Aparecida

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br Ji-Paraná - 2014 Atividades realizadas pelo projetista da rede coletora de esgoto: Identificação

Leia mais

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98.

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98. XII-18 ESTUDO DA VAZÃO HORÁRIA AFLUENTE DA LAGOA ANAERÓBIA PROFUNDA DA PEDREIRA Nº 7 DO PÓLO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA NA GRANDE JOÃO PESSOA (ESTUDO DE CASO) Carolina Baracuhy Amorim

Leia mais

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL Leane Chamma Barbar Przybysz (1) Engenheira Química formada pela Universidade Estadual de Maringá em 1984. Possui

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO

LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO TEMA VI: Esgotamento Sanitário AUTORES Paulo Sergio

Leia mais

Ocupação Qts Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Acougueiro 1 Masculino Ens.

Ocupação Qts Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Acougueiro 1 Masculino Ens. Ocupação Qts Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Acougueiro 1 Masculino Ens. Fundamental completo 6 Sao Bernardo do Campo COOPERATIVA Agente

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

QUADRO DE VAGAS - SANTO ANDRÉ

QUADRO DE VAGAS - SANTO ANDRÉ QUADRO DE VAGAS - SANTO ANDRÉ Ocupação Qtde Sexo Escolaridade Salário Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino Até 5º ano incompleto Ens. Fundamental

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 75, DE 14 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 75, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 75, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a revisão tarifária dos serviços de abastecimento de água tratada, esgotamento sanitário e demais preços públicos a ser aplicado no Município

Leia mais

Ailton Francisco da Rocha 2 ; Genival Nunes Silva 3

Ailton Francisco da Rocha 2 ; Genival Nunes Silva 3 ESTUDO DE CASO D0 PROJETO DE GESTÃO INTEGRADA DE ÁGUAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE ARACAJU/SE 1 Ailton Francisco da Rocha 2 ; Genival Nunes Silva 3 RESUMO: A definição de saneamento básico dada pela Lei nº

Leia mais

Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência Município (meses) de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino

Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência Município (meses) de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência Município (meses) de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino Até 5º ano incompleto Ens. Fundamental 950 6 Santo Andre

Leia mais

Apresentação da Metodologia da Conferência

Apresentação da Metodologia da Conferência Apresentação da Metodologia da Conferência Objetivos das Conferências? são espaços de diálogo entre o governo e a população Instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Paracambi Secretaria Municipal de Planejamento

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Paracambi Secretaria Municipal de Planejamento Projeto de recuperação, ampliação e manutenção das Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) dos bairros da Guarajuba, Jardim Nova Era e Lages, no município de Paracambi -RJ LIMITES DE PARACAMBI DADOS GERAIS

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior Recomendações para o Projeto e Dimensionamento Profª Gersina N.R.C. Junior Vazão; Recomendações Para Projeto Principais recomendações que o projetista deve observar: Diâmetro mínimo; Lâmina d água máxima;

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL Município de Dois Irmãos Município de Dois Irmãos RS- RS Agosto, 2012 Agosto, 2012 Oficina Jogos Cooperativos: Bairro São João 02/06/2012 02/06/201 REFLEXÃO ABRANGÊNCIA RESÍDUOS

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final 32 PROJETO DE EXECUÇÃO DAS OBRAS 32.1 Cronograma de execução e estimativa do custo das obras (1) Cronograma de execução O cronograma de execução da obra, tal como apresentado na Figura 32.1.1, terá início

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino

Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino Ocupação Qtdes Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Abastecedor de caldeira 1 Masculino Até 5º ano incompleto Ens. Fundamental 950 6 Santo Andre

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

METODOLOGIA PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DE DREANAGEM. ARNALDO PINHEIRO SILVA

METODOLOGIA PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DE DREANAGEM. ARNALDO PINHEIRO SILVA METODOLOGIA PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DE DREANAGEM. ARNALDO PINHEIRO SILVA OBJETIVO Tornar-se um instrumento auxiliar da gestão das águas urbanas, focado nas águas pluviais, aplicável na fase

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS NATAL/RN, Outubro / 2009 EQUIPE DO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS (PPDDMA) Demétrio

Leia mais

TABELA II RECEITA INDIRETA DOS SERVIÇOS ITEM SERVIÇOS VALOR EM R$

TABELA II RECEITA INDIRETA DOS SERVIÇOS ITEM SERVIÇOS VALOR EM R$ TABELA II RECEITA INDIRETA DOS SERVIÇOS ITEM SERVIÇOS VALOR EM R$ 1 Aferição de hidrômetros 35,53 2 Desobstrução de esgoto 61,64 3 Acréscimo por impontualidade Vide Obs 4 Serviço de Religação de água (Social)

Leia mais

38ª. ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE SANEAMENTO AMBIENTAL: NOVAS FORMAS DE GESTÃO PÚBLICA Salvador, 25 a 30 de mio de 2008.

38ª. ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE SANEAMENTO AMBIENTAL: NOVAS FORMAS DE GESTÃO PÚBLICA Salvador, 25 a 30 de mio de 2008. 1 MAPEAMENTO E GESTÃO DOS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NAS ÁREAS ONDE HÁ RISCO IMINENTE DE DANOS EM IMÓVEIS, MÓVEIS, VEÍCULOS E IMAGEM DA EMPRESA Alessandro Siqueira Tetzner

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

Uma boa hora para curtir as férias na serra

Uma boa hora para curtir as férias na serra Ano XVII Edição 797 De 03 a 09 de Julho de 2015 Distribuição GRATUITA Uma boa hora para curtir as férias na serra Por Evandro Enoshita As baixas temperaturas dos últimos dias são motivo de alegria para

Leia mais

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE Julho/2015 Antônio Elisandro de Oliveira Diretor-Geral do Dmae PORTO ALEGRE -RS População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Ocupação Qts Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Acougueiro 2 Masculino Ens.

Ocupação Qts Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Acougueiro 2 Masculino Ens. Ocupação Qts Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses) Município de Trabalho Bairro de Trabalho Acougueiro 2 Masculino Ens. Fundamental completo 966,67 6 Sao Bernardo do Campo CENTRO Acougueiro

Leia mais

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Distrito Federal Água e Esgoto Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Com a proclamação da República, em 1889, a Inspetoria Geral de Obras Públicas passou a se chamar Inspeção Geral das Obras

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 82, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015.

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 82, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015. RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 82, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto e dos Preços Públicos dos serviços prestados, a serem aplicadas no Município de Nova

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Parque Universitário Sinalização ao longo das

Leia mais

MISSÃO, VISÃO E VALORES

MISSÃO, VISÃO E VALORES 2015 A EMPRESA A HIDRÁULICA E SANEAMENTO é uma empresa de consultoria e projetos de instalações hidráulicas, infraestrutura urbana e meio ambiente. Pioneira em Diadema/SP com objetivo de suprir a demanda

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica TÍTULO: PLANO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA PARA REDES DE ÁGUA E ESGOTO NUMA CIDADE DE 01 MILHÃO DE HABITANTES. TEMA: Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento. Nome dos Autores: 1 - Engº Marco Antonio

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2.

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2. FLÁVIO, A. O. A.; COSTA, A. R. Contribuição à Legislação para o Planejamento da Drenagem Urbana. In: CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO DA UFG COMPEEX, 2006, Goiânia. Anais eletrônicos do XIV Seminário

Leia mais

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS Área Temática Saneamento Ambiental Responsável pelo Trabalho Roberta Steffany Stangl Galharte - Endereço:Rua

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

Asfalto da rotatória reconstituído no dia 03 de dezembro de 2009

Asfalto da rotatória reconstituído no dia 03 de dezembro de 2009 Redes Coletoras de Esgoto Neste mês de dezembro de 2009 foi concluída a obra do coletor de esgoto da Rodovia Aristeu Vieira Vilela, possibilitando que as ligações de esgoto do pólo industrial sejam feitas

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 020

Norma Técnica SABESP NTS 020 Norma Técnica SABESP NTS 020 ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Revisão 1 - Maio 2003 NTS 020 : 2003 - rev. 1 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS

SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS CONJUNTO DE ATIVIDADES, INFRAESTRUTURAS E INSTALAÇÕES OPERACIONAIS que envolvem: COLETA DISPOSIÇÃO FINAL ADEQUADA TRANSPORTE TRATAMENTO Esgoto doméstico Efluentes industriais,

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

BRAZIL ESPÍRITO SANTO WATER AND COASTAL POLLUTION MANAGEMENT PROJECT PROJETO ÁGUAS LIMPAS FINANCIAMENTO ADICIONAL

BRAZIL ESPÍRITO SANTO WATER AND COASTAL POLLUTION MANAGEMENT PROJECT PROJETO ÁGUAS LIMPAS FINANCIAMENTO ADICIONAL Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized BRAZIL ESPÍRITO SANTO WATER AND COASTAL POLLUTION MANAGEMENT PROJECT PROJETO ÁGUAS LIMPAS

Leia mais

TÍTULO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETORAS DE ESGOTO LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS

TÍTULO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETORAS DE ESGOTO LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS TÍTULO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETORAS DE ESGOTO LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Leia mais

Ocupação Qts Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses)município de Trabalho Bairro de Trabalho Ajudante de acabamento de fundicao 8

Ocupação Qts Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses)município de Trabalho Bairro de Trabalho Ajudante de acabamento de fundicao 8 Ocupação Qts Sexo Escolaridade Salário Oferecido Experiência (meses)município de Trabalho Bairro de Trabalho Ajudante de acabamento de fundicao 8 Masculino Ens. Fundamental completo 888 6 Sao Paulo S MATEUS

Leia mais

FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES

FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES ESTUDO DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E PRINCIPAIS ATIVIDADES POLUIDORAS NA BACIA DO ALTO RIO MÃE LUZIA EM SANTA CATARINA RELATÓRIO FINAL DATA DE ELABORAÇÃO OUT/1981 MÓDULO

Leia mais