UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC PROGRAMA DE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL GETULIO PEREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC PROGRAMA DE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL GETULIO PEREIRA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC PROGRAMA DE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL GETULIO PEREIRA AS POLÍTICAS PÚBLICAS E O ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE EM CONFLITO COM A LEI NOS MUNICÍPIOS DE PORTO UNIÃO-SC E UNIÃO DA VITÓRIA-PR CANOINHAS 2014

2 2 GETULIO PEREIRA AS POLÍTICAS PÚBLICAS E O ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE EM CONFLITO COM A LEI NOS MUNICÍPIOS DE PORTO UNIÃO-SC E UNIÃO DA VITÓRIA-PR Dissertação apresentada como exigência para a obtenção do título de Mestre em Desenvolvimento Regional no Programa de Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado, sob orientação da Professora Dra. Maria Luiza Milani. CANOINHAS 2014

3 3 AS POLÍTICAS PÚBLICAS E O ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE EM CONFLITO COM A LEI NOS MUNICÍPIOS DE PORTO UNIÃO-SC E UNIÃO DA VITÓRIA-PR GETULIO PEREIRA Esta dissertação foi submetida ao processo de avaliação pela Banca Examinadora para a obtenção do Título de: Mestre em Desenvolvimento Regional Ênfase em Políticas Públicas E aprovada na sua versão final em 30 de agosto de 2013, atendendo às normas da legislação vigente da Universidade do Contestado e Coordenação do Curso de Mestrado em Desenvolvimento Regional ênfase em Políticas Públicas. Profª. Dr. Maria Luiza Milani Coordenadora do Curso BANCA EXAMINADORA: Profª. Dra. Dr. Maria Luiza Milani - Presidente Prof. Dra. Marilucia Flenik - Membro Prof. Dr. Argos Gumbowsky - Membro

4 4 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ACAUVA Associação da Criança e Adolescentes de União da Vitória CF Constituição Federal CNJ Conselho Nacional de Justiça CONANDA Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente CMDCA Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CP Código Penal CPI Comissão Parlamentar de Inquérito CRAS Centro de Referência da Assistência Social CREAS Centro de Referência Especializado da Assistência Social CRFB Constituição da República Federativa do Brasil DCA Departamento da Criança e do Adolescente ECA Estatuto da Criança e do Adolescente FUNABEM Fundação Nacional do Bem Estar do Menor IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística LA Liberdade Assistida LBA Legião Brasileira de Assistência LDBEN Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LOAS Lei Orgânica da Assistência Social LOS Lei Orgânica da Saúde LOSAN Lei Orgânica de Segurança Alimentar ONU Organização das Nações Unidas PAIF Programa de Atenção Integral às Famílias PIA Plano Individual de Acompanhamento PIB Produto Interno Bruto PNAS Política Nacional de Assistência Social PROJOVEM Programa Nacional de Inclusão de Jovens PRONATEC Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PROUNI Programa Universidade para Todos PSC Prestação de Serviços à Comunidade RFFSA Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima RT Revista dos Tribunais

5 5 SDHE Secretaria Especial dos Direitos Humanos SPDCA Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente SUAS Sistema Único de Assistência Social

6 6 RESUMO O presente estudo identifica as políticas públicas sociais existentes nos Municípios de Porto União-SC e de União da Vitória-PR, para o atendimento ao adolescente em conflito com a lei, bem como estão sendo aplicadas nos municípios estudados e, para tanto, foram entrevistados todos os atores sociais encarregados da aplicação das medidas socioeducativos para o segmento, dentre eles o Poder Judiciário, representado pelo juízo da Vara da Infância e da Juventude dos dois municípios, o Ministério Público, das mesmas Varas da Infância e da Juventude, os Secretários da Assistência Social, os Coordenadores dos CREAS, dos CRAS e os Presidentes dos CMDCA. Primeiramente levantou-se o número de adolescentes em conflito com a lei nos dois municípios, os tipos de infrações cometidas e as medidas socioeducativas aplicadas, através de coleta de dados feita junto aos Poderes Judiciários, que anualmente encaminha tais dados ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para fins estatísticos. Em suma, os dados coletados buscaram identificar se com a aplicação das políticas públicas existentes nos dois municípios, ocorreu a reinserção social dos adolescentes em conflito com a lei. Palavras-chave: Ato Infracional; Adolescente em Conflito com a Lei; Medida Socioeducativa.

7 7 ABSTRACT This study identifies the social policies existing in the cities of Porto União-SC and União da Vitória-PR, to meet adolescents in conflict with the law, and are being applied in the cities studied and, therefore, were interviewed all social actors responsible for the implementation of socio-educational measures for the segment, including the judiciary, represented by the judgment of the Childhood and Youth of the two counties, the prosecutor, the same sticks Childhood and Youth, the Secretaries of Social Assistance Coordinators of CREAS, CRAS and the Presidents of CMDCA. First up is the number of children in conflict with the law in the two counties, the types of offenses committed and educational measures applied through data collection carried out among judicial branches, which annually sends such data to the National Council of Justice (CNJ) for statistical purposes. In short, the data collected sought to identify themselves with the application of existing public policies in the two counties, was the social reintegration of children in conflict with the law. Keywords: Offense; Adolescents in Conflict with the Law; Measur.

8 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO A ADOLESCÊNCIA Adolescência-família-contexto social Adolescente em conflito com a lei O ATO INFRACIONAL POLÍTICAS PÚBLICAS DE PROTEÇÃO AO ADOLESCENTE BRASILEIRO MEDIDAS DE PROTEÇÃO E SOCIOEDUCATIVAS Advertência Obrigação de reparar o dano Prestação de serviços á comunidade Liberdade assistida Regime de semi-liberdade Internação em estabelecimento educacional INSTITUIÇÕES DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO A ADOLESCÊNCIA E AS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MATERIAL E MÉTODOS CARACTERIZAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DE PORTO UNIÃO-SC E UNIÃO DA VITÓRIA-PR APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS INSTITUIÇÕES E SERVIÇOS OS ENTREVISTADOS ANÁLISE DE DADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE I QUESTIONÁRIO APÊNDICE II QUESTIONÁRIO (GESTORES) APÊNDICE III QUESTIONÁRIO (EXECUTORES) APÊNDICE IV QUESTIONÁRIO (PRESIDENTES DO CMDCA)... 78

9 9 1 INTRODUÇÃO O presente estudo tem como tema investigar a aplicação das políticas públicas para atendimento ao adolescente em conflito com a lei nos municípios de Porto União-SC e União da Vitória-PR. Nestes municípios, assim como ocorre com os demais municípios da Federação, onde a sociedade, na presença de atos infracionais praticados pelos adolescentes, insuflada pela mídia de massa, cultiva a idéia de que o adolescente em conflito com a lei é um problema da segurança pública e da justiça, quando na realidade é um problema social que deve ser tratado. Ao analisar-se a realidade brasileira, verifica-se que um dos graves problemas do país que se avoluma estão relacionados aos adolescentes, de todas as camadas sociais, que se encontram em conflito com a lei. Até recentemente, ao se fazer essa leitura, constatava-se que o adolescente em conflito com a lei só era relacionado com as realidades sociais empobrecidas e vulnerabilizadas economicamente. Hoje, se observa que esse padrão não é mais predominante, pois, adolescentes de todas as camadas sociais praticam os mais variados tipos de infrações. Esta realidade de cometimento de infrações de todo o tipo praticada por adolescentes, está presente em todas as classes da sociedade brasileira. Homicídios, furtos, roubos, porte de armas, estupros, tráfico e uso de drogas, são fatos corriqueiros no Brasil. Não são praticados apenas por jovens social e economicamente carentes. Mas a mídia faz disso seu produto de vendas dando ênfase a qualquer fato dessa natureza, contribuindo para aumentar o medo e a insegurança da população, em relação aos adolescentes infratores, em especial aqueles advindos dos grupos populacionais de regiões periféricas, de favelas, de bairros longínquos. O pertencimento a estes territórios por si só já são referencias estigmatizantes, quando relacionados a ato infracional, potencializam o preconceito e a discriminação. Os adolescentes, por sua vez se portam como rejeitados pela sociedade. Em consequência foram criados mais mecanismos de repressão e controle, do que propriamente de proteção social, com a intenção de diminuir vulnerabilidade e assim também coibir a prática dessas infrações. Com estes tópicos preliminares sobre o que representa o ato infracional cometido por adolescentes e a polêmica gerada em seu entorno que surgem as políticas públicas de proteção aos adolescentes, como uma orientação clara para um sistema de proteção social em especial ao adolescente em conflito com a lei.

10 10 Embora o compromisso político e as conquistas na promoção dos direitos humanos no Brasil, principalmente nos últimos 20 anos, ainda há que se lutar para a materialização destes direitos das crianças e adolescentes privados do acesso de patamares mínimos de desenvolvimento, bem estar, cidadania e políticas públicas que possam garantir estes direitos. Tais situações ainda os tornam socialmente vulneráveis. A implementação ou implantação de políticas públicas sociais e programas de atendimento preceituados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) em 1990, constituem-se em abrangente lista de possibilidades, envolvidos, responsáveis e perspectivas de resultados efetivos no campo da proteção social integral ao segmento. Como a lei só se torna eficaz se for cumprida, a sua promulgação não garante a transformação imediata da realidade social. Há que se modificar os paradigmas pré-existentes, no campo da criança e do adolescente para se alterar o modo de pensar em relação a este segmento, na vigência do antigo Código de Menores (1979). Assim, para haver quebra desse pensamento, será necessário reconhecer as limitações que as instituições ajudam a manter referentes a este segmento, bem como o reconhecimento das políticas públicas a ele destinadas, que visam modificar essas concepções e fortalecer as ações sobre os adolescentes. No município de Porto União-SC a população de adolescentes é de adolescentes e no município de União da Vitória-PR é de adolescentes (IBGE 2010). Por outro lado, a problemática dos adolescentes em conflito com a lei, sob a visão dos paradigmas antigos, nada mais é do que um problema de segurança pública e de justiça, ou seja, caso de polícia. Na realidade este é um problema que transcende aquelas instituições, pois a discussão deve ocorrer a respeito das especificidades de desenvolvimento da adolescência e dos processos de exclusão social deste segmento, o que os faz mais vulneráveis à violência e aos atos infracionais, nem todos, mas por questões de distintas origens, crescem os números que indicam que os adolescentes estão envolvidos neles. Portanto, a presente pesquisa desenvolvida nos Municípios de Porto União- SC e de União da Vitória-PR, considera somente os atos infracionais praticados por adolescentes, que deram origem a processos de investigação de menor, no período entre julho de 2008 a julho de 2010.

11 11 Com estes indicativos a pesquisa tem a seguinte problematização: como as políticas públicas sociais existentes estão atendendo os adolescentes em conflito com a lei, nos Municípios de Porto União-SC e União da Vitória-PR? Para o desenvolvimento da pesquisa, têm-se as questões norteadoras: 1- Qual é o cenário do ato infracional cometido por adolescentes em Porto União e União da Vitória? 2- Quais são as políticas públicas e sociais existentes, para o atendimento dos adolescentes em conflito com a lei? 3- Quais são as ações do ECA mais utilizadas para operacionalização das políticas públicas sociais visando o atendimento dos adolescentes em conflito com a lei, em Porto União e União da Vitória? Com estas questões delineadas, definiu-se como objetivo geral: estudar a realidade institucional preconizada pelas políticas públicas para o atendimento ao adolescente em conflito com a lei, nos municípios de Porto União e União da Vitória. Com base nesse objetivo, estabeleceu-se os objetivos específicos: 1- Identificar os adolescentes em conflito com a lei e quais os atos infracionais por eles praticados, nos municípios de Porto União-SC e União da Vitória-PR. 2- Pesquisar as políticas públicas sociais e respectivos programa destinados ao segmento do adolescente em conflito com a lei. 3- Relatar as políticas públicas sociais em andamento nos municípios que se dedicam ao atendimento ao adolescente em conflito com a lei. No tocante à importância acadêmica, a pesquisa se justifica ao preencher uma lacuna de referência para o território estudado, uma vez que os estudos existentes a respeito dos adolescentes em conflito com a lei, nos municípios em foco, restringem-se a uma amostragem do funcionamento das entidades envolvidas no cumprimento das medidas sócio educativas, os tipos de crimes cometidos, sem identificar se houve a operacionalização das políticas públicas preconizadas pelo ECA e se houve a preocupação do Estado na implantação ou implementação de políticas públicas sociais capazes de evitar a reincidência. Diante disso, não existem informações a respeito do número de adolescentes infratores nos municípios estudados e se ocorreu reincidência por parte deles, assim como se foram reinseridos no contexto social, questão que pretende evidenciar neste estudo.

12 12 Além disso, o presente estudo contribui, na medida em que, além do cenário do ato infracional abrange os segmentos sociais, envolvidos na execução das políticas públicas. As concepções e as ações destes atores podem estar relacionadas ao contexto eficaz ou não destas políticas públicas, o que justifica a relevância prática desta pesquisa. A dissertação está estruturada em partes. Na primeira parte apresenta o referencial teórico, com os estudos sobre a adolescência, o adolescente e sua família, seu contexto social, o adolescente em conflito com a lei, o ato infracional, as políticas públicas de proteção social existentes ao adolescente brasileiro, as medidas de proteção e socioeducativas destinadas ao adolescente em conflito com a lei, bem como a descrição de cada uma dessas medidas e em quais tipos de atos infracionais são aplicadas. Na segunda parte, apresenta-se o referencial metodológico, os resultados da pesquisa de campo bem como, reflexões sobre as ações presentes ou não na atuação institucional nos dois municípios para atender aos adolescentes em conflito com a lei. E, no final as considerações possíveis sobre o tema das políticas públicas e os adolescentes infratores. Este estudo foi elaborado segundo as orientações da normalização da UnC.

13 13 2 REFERENCIAL TEÓRICO Com a consolidação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), ocorreu uma mudança de paradigma, ampliando o compromisso e a responsabilidade do Estado e da Sociedade Civil por soluções eficientes, eficazes e efetivas para o sistema socioeducativo, assegurar aos adolescentes em conflito com a lei oportunidade de desenvolvimento e uma autêntica experiência de reconstrução de seu projeto de vida. Assim, esses direitos estabelecidos no ECA, devem repercutir diretamente na materialização de políticas públicas e sociais que incluam o adolescente em conflito com a lei. 2.1 A ADOLESCÊNCIA O adolescente é tido como um filho rebelde, que não quer estudar, e é esta fase que se caracteriza, além das mudanças do corpo humano, pela indefinição de identidades, na fixação do caráter e da afirmação da personalidade do indivíduo, como explica Lima (2002) apud Copani (2003). Adolescente é o indivíduo na adolescência, que se entende como o período que sucede à infância. Inicia-se com a puberdade e acaba com a maioridade. Deriva do latim adolescer, que significa crescer (PEREIRA, 1996). Estas mudanças biológicas que começam na puberdade são universais e visíveis e modificam as crianças, aumentando-lhes a estatura, e dando-lhes a forma e sexualidade de adultos. Assim, à primeira vista, a adolescência apresenta-se vinculada à idade, portanto, referindo-se à biologia ao estado e à capacidade do corpo (SANTOS, 2005). No entanto, somente essas mudanças não transformam, por si só, a pessoa em adulto. Ao mesmo tempo em que é proposta a universalidade do estágio da adolescência, observa-se que ela depende de uma inserção histórica e cultural, que determina, portanto, variadas formas de viver a adolescência, de acordo com o gênero, o grupo social e a geração (MARTINS, et al., 2003). A escola, apesar de ser obrigatória para todos os adolescentes até os 14 anos de idade, proporciona recursos pessoais e sociais, como hábitos de saúde, interações sociais, descoberta de oportunidades, que são aproveitados.

14 14 Além disso, é uma fase de utopias, que geralmente tendem a dificultar a relação do adolescente com o meio social em que vivem, pois seus valores aliados a sua visão crítica da realidade acabam indo de encontro com a moral, os bons costumes e o ordenamento jurídico. A sociedade contemporânea ocidental não apenas estendeu o período de adolescência, como também os elementos constitutivos da experiência juvenil e seus conteúdos A adolescência, hoje não é mais encarada apenas como uma preparação para a vida adulta, mas passou a adquirir sentido em si mesma Adolescência-família-contexto social A adolescência é uma fase da vida em que este é facilmente influenciado devido a essa sua inconstância e perturbação frente às transformações. Nestas circunstâncias, qualquer pessoa pode aproveitar-se desta instabilidade emocional para mudar conceitos, valores e ideologias. Neste processo de desenvolvimento, o adolescente busca apoio em todos os sentidos, com quem se relaciona: na família, amigos, escola, comunidade. Assim, o relacionamento familiar sadio é fundamental para o adolescente, pois a afetividade e as orientações serão a base para superar os conflitos com os quais se defrontam nesta fase de desenvolvimento e transformações. Por outro lado, o vocábulo família pode possuir vários significados para as diversas áreas das ciências humanas, como a sociologia, a antropologia ou o direito. No entanto, para os fins deste estudo, limitar-se-á aos conceitos trazidos pela ciência jurídica. A legislação brasileira não apresenta um conceito definido de família. Assim, toma-se para efeitos didáticos as três acepções do vocábulo família elencados por Diniz (2008), que são o sentido amplíssimo, o sentido lato e a acepção restrita. No entendimento de Diniz (2008) família no sentido amplíssimo seria aquela em que indivíduos estão ligados pelo vínculo da consangüinidade ou da afinidade. Já a acepção lato sensu do vocábulo refere-se aquela formada além dos cônjuges ou companheiros, e de seus filhos, abrange os parentes da linha reta ou colateral, bem como os afins (os parentes do outro cônjuge ou companheiro (DINIZ, p.10). Por fim, o sentido restrito restringe a família à comunidade formada pelos pais (matrimônio ou união estável) e a da filiação.

15 15 No tocante a legislação, esta abrange as três acepções trazidas pela autora, aplicáveis, cada uma em diferentes aspectos das relações familiares, graduando os direitos e obrigações de acordo com a proximidade do círculo familiar. Quem melhor sintetiza o sentido de família constante no ordenamento jurídico brasileiro é Gomes (1998 p. 33), o qual considera família como o grupo fechado de pessoas, composto dos genitores e filhos, e para limitados efeitos, outros parentes, unificados pela convivência e comunhão de afetos, em uma só e mesma economia, sob a mesma direção. Depreende-se desses conceitos, que a família não pode ser apenas enquanto a instituição jurídica, mas sua importância social, em suas várias formas e variações. Sob o ponto de vista do direito, a família é feita de duas estruturas associadas: os vínculos e os grupos. Há três sortes de vínculos, que podem coexistir ou existir separadamente: vínculos de sangue, vínculos de direito e vínculos de afetividade. A partir dos vínculos de família é que se compõem os diversos grupos que a integram: grupo conjugal, grupo parental (pais e filhos), grupos secundários (outros parentes e afins) (LOBO, 2009, p. 2). Assim, para o Direito, família consiste na organização social formada a partir de laços sangüíneos, jurídicos ou afetivos. Entretanto, o Direito não é imutável e não tem qualquer valor se não se espelhar nas alterações da sociedade, nos costumes do povo, que é igualmente a origem e o destino das normas jurídicas. Após séculos de uma legislação baseada em preceitos católicos, em que o casamento, enquanto única instituição familiar era de todas as formas, resguardado pelo ordenamento jurídico brasileiro, a Constituição Federal do Brasil de 1988 introduziu uma nova realidade ao Direito de Família, reconhecendo como entidade familiar, além do casamento, as famílias monoparentais e as uniões estáveis. Ainda que a palavra afeto não esteja presente no texto constitucional, esse foi objeto de proteção pelo Poder Constituinte Originário. [...] ao serem reconhecidas como entidade familiar merecedora da tutela jurídica as uniões estáveis, que se constituem sem o selo do casamento, tal significa que o afeto, que une e enlaça duas pessoas, adquiriu reconhecimento e inserção no sistema jurídico. Houve a constitucionalização de um modelo de família eudemonista e igualitário, com maior espaço para o afeto e a realização individual (DIAS, 2009, p. 69).

16 16 No mesmo sentido é a lição de Pereira (2002, p. 230), para quem relativizar o casamento, permitindo sua dissolução, bem como o equiparar às uniões estáveis, que não se exigem qualquer formalidade. Nesse sentido, é importante complementar que: [...] significa, em última análise, a compreensão de que o verdadeiro casamento se sustenta no afeto, não nas reminiscências cartoriais. O Direito deve proteger a essência, muito mais do que a forma ou a formalidade (PEREIRA, 2002, p. 230) Ao mesmo tempo, a Constituição Federal de 1988 também inovou a discussão de família, ao garantir aos filhos havidos por adoção, instituição jurídica que pressupõe afetividade, o mesmo tratamento e direitos garantidos àqueles havidos por consanguinidade. O afeto é elevado pela CRFB a valor jurídico, com conseqüências equivalentes ao vínculo oriundo dos laços sangüíneos. Para Barros (2002), o afeto, enquanto característica inata dos seres humanos, mais do que uma garantia constitucional, é um direito natural do homem. O direito ao afeto é a liberdade de afeiçoar-se um indivíduo a outro. O afeto ou afeição constitui, pois, um direito individual: uma liberdade, que o Estado deve assegurar a cada indivíduo, sem discriminações, senão as mínimas necessárias ao bem comum de todos. O afeto transcende a própria família. Não é um laço que une apenas os integrantes de um núcleo familiar, não é apenas um valor jurídico, mas um sentimento que nutre relações de amizade, companheirismo, humanidade, solidariedade. Não é fruto da biologia, do sangue. É um motor social, componente de todas as relações humanas, principalmente daquela que é base da sociedade brasileira: a família. Na transformação da família e de seu Direito, o transcurso apanha uma comunidade de sangue e celebra, ao final deste século, a possibilidade de uma comunidade de afeto. Novos modos de definir o próprio Direito de Família. Direito esse não imune à família como refúgio afetivo, centro de intercâmbio pessoal e emanador da felicidade possível. Comunhão que valoriza o afeto, afeição que recoloca novo sangue para correr nas veias do renovado parentesco, informado pela substância de sua própria razão de ser e não apenas pelos vínculos formais ou consanguíneos. Tolerância que compreende o convívio de identidades, espectro

17 17 cultural, sem supremacia desmedida, sem diferenças discriminatórias, sem aniquilamentos. Tolerância que supõe possibilidade e limites. Um tripé que, feito desenho, pode-se mostrar apto a abrir portas e escancarar novas questões. Eis, então, o direito ao refúgio afetivo (CUNHA, 2009). Conforme se acentuam os sentimentos, conforme muda o afeto, as relações familiares também mudam. Os laços de parentalidade, de fraternidade e as relações conjugais são criadas e dissolvidas, de acordo com o afeto existente entre os indivíduos e o Direito, enquanto ciência humana e instrumento do povo, não se pode ignorá-lo ou diminuir sua importância. A família identifica-se pela comunhão de vida, de amor, de afeto no plano da igualdade, da liberdade, da solidariedade e da responsabilidade recíproca. No momento em que o formato hierárquico da família cedeu à sua democratização, em que as relações são muito mais de igualdade e de respeito mútuo, e o traço fundamental é a lealdade, não mais existem razões morais, religiosas, políticas, físicas ou naturais que justifiquem a excessiva e indevida ingerência do Estado na vida das pessoas (DIAS, 2009, p. 55). O afeto, enquanto valor fundamental das relações familiares, ainda que não esteja expresso no texto constitucional, ganha aplicação nas letras dos juristas, Maria Berenice Dias e Rodrigo da Cunha Pereira, bem como Álvaro Villaça Azevedo, Luiz Edson Fachin, Sérgio Resende de Barros, e nas decisões que tratam da união entre pessoas do mesmo gênero e da parentalidade socioafetiva. Mais recentemente, Dias (2009) têm defendido a chamada adoção à brasileira, que tem origem no elo afetivo e levam ao reconhecimento do vínculo jurídico da filiação. Nas palavras da jurista, é de tal ordem a relevância que se empresta ao afeto que se pode dizer agora que a filiação se define não pela verdade biológica, nem a verdade legal ou a verdade jurídica, mas pela verdade do coração. (DIAS, 2009, p. 56). Ademais, a parentalidade socioafetiva está ganhando destaque nos tribunais pátrios, tanto que foi objeto de dois enunciados na I Jornada de Direito Civil, promovida pelo Conselho da Justiça Federal, sob a chancela do Superior Tribunal de Justiça, que não apenas reconheceram a instituição da parentalidade socioafetiva, como demonstraram o valor do afeto no ordenamento jurídico brasileiro, como se verifica a seguir:

18 18 Enunciado nº 103 O Código Civil (2002) reconhece, no art , outras espécies de parentesco civil além daquele decorrente da adoção, acolhendo, assim, a noção de que há também parentesco civil no vínculo parental proveniente quer das técnicas de reprodução assistida heteróloga relativamente ao pai (ou mãe) que não contribuiu com seu material fecundante, quer da paternidade socioafetiva, fundada na posse do estado de filho. Enunciado nº 108 No fato jurídico do nascimento, mencionado no art , compreende-se à luz do disposto no art , a filiação consangüínea e também a socioafetiva. A família pode ser definida como célula geradora da sociedade, pois constitui uma instituição básica mantida e reproduzida por laços de amor e solidariedade muito específicos entre as pessoas que a compõem. É a primeira instituição que o sujeito entra em contato quando nasce e que lhe repassa ideologias, fornece-lhe valores e comportamentos, que o acompanham, direta ou indiretamente, até o fim de sua vida. Para a Sociologia, as primeiras funções da família são de: manutenção, colocação e socialização dos indivíduos que compõem o grupo familiar. Nesse sentido, uma família pode ser definida em termos sociológicos, como um grupo de pessoas diretamente ligadas por nexos de parentesco, cujos membros adultos assumem a responsabilidade de cuidar dos filhos (MEDEIROS, 1986). Segundo Medeiros (1986), a família desorganizada caracteriza-se pela falta de pai ou mãe, por falecimento, abandono, separação do casal, convivência com padrasto ou madrasta ou pela falta de alimentos, habitação, educação, saúde, socialização, afetividade e lazer. Para tal, ainda segundo esse mesmo autor, são problemas de ordem socioeconômica, que surgem outros inúmeros, como prostituição, mendicância, alcoolismo, doenças variadas, rejeição, tóxicos e criminalidade (MEDEIROS, 1986, p. 68). A família que se localiza neste cenário, fica caracterizada como não ideal. Assim, de acordo com a época e as perspectivas de desenvolvimento e ideologias das classes dominantes, a família também recebe influências sociais que refletem nos seus membros, modificando seus valores e, muitas vezes acabam por se dissolverem. A família não é um simples fenômeno natural. É uma instituição social variando através da história e apresentando formas e finalidades diversas numa época e lugar conforme o grupo social que esteja sendo observado (PRADO, 1982, p. 12). Em famílias desorganizadas, com condições de exclusão e vulnerabilidade, na maioria das vezes, os membros não possuem qualificação profissional, pois

19 19 muitos são oriundos do êxodo rural e vêm para os centros urbanos com esperanças de melhores condições de vida, mas como não estão preparados o suficiente, defrontam-se com o desemprego. Diante dessa afirmativa, Feijó e Assis (2004) apontam que as famílias do adolescente em conflito com a lei, diante de suas vulnerabilidades, têm sido pouco estudadas. Diante de uma concepção de família surge, ao olhar-se para apenas anos recentes, quando se constata uma série de avanços relacionados às questões familiares. Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o Brasil possuía até 2004, 25 milhões de adolescentes entre 12 e 18 anos de idade, representando, aproximadamente, 15% da população. É um país repleto de contradições e marcado por uma intensa desigualdade social, reflexo da concentração de renda, tendo em vista que 1% da população rica detinha 13,5% da renda nacional, contra os 50% mais pobres, que detêm 14,4% desta (IBGE, 2004). E é essa desigualdade social que traz consequências diretas nas condições de vida da população infanto-juvenil. Fazendo-se um recorte racial da população brasileira, verifica-se que as disparidades são ainda maiores, pois se constata que há desigualdade de acesso aos direitos fundamentais. A população pertencente à raça negra é a mais desfavorecida, pois faz parte de um contexto socioeconômico e educacional mais carente do que a população branca. Do total de pessoas que vivem em domicílios com renda per capita inferior a meio salário mínimo, somente 20,5% representam os brancos, contra 44,1% dos negros (IPEA, 2004). A pobreza maior encontra-se nas famílias dos adolescentes negros, pois nas famílias dos adolescentes brancos, em 20% delas o rendimento mensal é de até 2 salários mínimos, enquanto a proporção correspondente de adolescentes negros é de 39,8%. Nas áreas urbanas, a taxa de analfabetismo entre os negros é de 12,9%, contra 5,7% entre os brancos. Analisando-se as razões de equidade no Brasil, constata-se que os adolescentes entre 12 e 17 anos da raça e etnia negra possuem 3,23 vezes mais possibilidades de não serem alfabetizados do que os brancos (UNICEF, 2004). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2004), 60% dos adolescentes brasileiros da raça e etnia branca já haviam concluído o Ensino

20 20 Médio, contra apenas 36,3% de afro-descendente (negros e pardos). Existem também diferenças superiores entre a raça e etnia negra na relação entre a média de anos de estudo e o rendimento mensal em salário mínimo. Mas, conforme o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA, 2004), a raça e a etnia branca possuem média de estudo de oito anos e renda média diante do salário mínimo de 4,50 contra a média de 5,7 anos de estudo com renda média em salário mínimo de 2,20 da raça e etnia negra. No tocante a escolarização dos adolescentes e jovens brasileiros, a realidade apresenta dados relevantes. Muito embora 92% da população de 12 a 17 anos se encontra matriculada, 5,4% ainda são analfabetos. Já na população de 15 a 17 anos, 80% dos adolescentes frequentam a escola, mas somente 40% frequentam o nível adequado para sua faixa etária, e somente 11% dos adolescentes entre 14 e 15 anos, concluíram o Ensino Fundamental (IBGE, 2004). Por outro lado, dos jovens de 15 a 19 anos, ao contrário dos da faixa etária de 7 a 14 anos, a escolarização diminui, conforme aumenta a idade. Nesse contexto de desigualdade social, a mortalidade juvenil também é aspecto relevante, pois a proporção de mortes por homicídio na população jovem, é muito superior à da população de mais idade. Segundo Waiselfisz (2004), a morte por causas externas na população jovem é de 72% e destas, 39,9% referem-se a homicídios praticados contra essa população. Em relação à população dos adultos, a taxa de mortandade é de 9,8% e desta os homicídios atingem somente 3,3%. Passados quase uma década, este cenário pode ter sido alterado, dependendo da eficácia das políticas públicas que foram ou não aplicadas no contexto brasileiro. Crianças e adolescentes na faixa de 0 a 18 anos de idade constituem um contingente de exatas pessoas, segundo o Censo Demográfico de Representam 31,3 % da população do país. São, pelas definições da lei, de crianças de 0 a 11 anos de idade - 18,7% do total do país- e de adolescentes na faixa dos 12 aos 18 anos de idade; 12,6% da população total. Mas, como resulta problemático desagregar os dados de população - imprescindível para elaborar as taxas - para esses cortes etários, como explicado no capítulo 1, deveremos trabalhar com o agregado de < 1 a 19 anos de idade. Nesse caso, crianças e adolescentes representam 62,9 milhões do total de 190,6 milhões registrados pelo censo de 2010 (33% do total do país) (WAISELFISZ, 2012, p.12).

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO.

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. SANTOS, Gustavo Abrahão Dos 1 A diversidade cultural entre os discentes nas escolas brasileiras é repleta de características sócio econômicas, aos

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA Mitos e Realidades Algumas considerações O álcool e as drogas são as causas reais da violência. O consumo de álcool pode favorecer a emergência de condutas violentas,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e suas questões Juventude e População: Brasil 2008: 50,2 milhões

Leia mais

Gênero e Desigualdades

Gênero e Desigualdades 1 Gênero e Desigualdades Leila Linhares Barsted * Analisar as desigualdades de gênero importa em compreender como se constituem as relações entre homens e mulheres face à distribuição de poder. Em grande

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia RELATÓRIO CONSOLIDADO 6º DIA DO CARNAVAL 2015 Salvador-BA Revisado 24-02-15 Das 18 horas de 12/02/2015 às 06 horas de 17/02/2015 foram consolidados/analisados pelo Observatório um total de 1126 atendimentos:

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados Necessidade de readequar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) ao cotidiano Por Cristiane Aparecida de Oliveira Associada Criminalista de Almeida Guilherme Advogados Associados Considerações Iniciais

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 TÍTULO VIII Da Ordem Social CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Boaventura de Sousa Santos Coimbra, 20 de Julho de 12015 CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL DAS VIOLÊNCIAS

Leia mais

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Paulo José Pereira 1 Maria Coleta Ferreira Albino de Oliveira 2 Introdução Pesquisar

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05

AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05 AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05 DO DIREITO À EDUCAÇÃO, À CULTURA, AO ESPORTE E AO LAZER

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário Medidas Protetivas Lei 12.010 de 03/08/2009 Lei Nacional de Adoção Altera

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2012

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2012 Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2012 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

ADOLESCENTE, ATO INFRACIONAL E A REINCIDÊNCIA

ADOLESCENTE, ATO INFRACIONAL E A REINCIDÊNCIA 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ADOLESCENTE, ATO INFRACIONAL E A REINCIDÊNCIA BRANDÃO, Rosângela Fátima Penteado 1 HOLZMANN, Liza 2 QUADROS, Débora

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Mantendo um abrigo legal O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo o art. 19, da Lei n. 8069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL.

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Sergio Luiz Kreuz Mestre em Direito das Relações Sociais (UFPR), Juiz de Direito da Vara da Infância e da Juventude de Cascavel PR e

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASOS RELATADOS EM CONSELHOS TUTELARES DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA.

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASOS RELATADOS EM CONSELHOS TUTELARES DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA. VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASOS RELATADOS EM CONSELHOS TUTELARES DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA. Paulo de Tarso Oliveira - Uni-FACEF Introdução O trabalho discute alguns dados obtidos em um

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE HISTÓRICO DA PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO BRASIL PERÍODO COLONIAL 1551 - fundada no Brasil a primeira Casa de Recolhimento: gerida pelos jesuítas, objetivava

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE CRIANÇAS EM SITUAÇÕES DE RISCO NO BRASIL

LEVANTAMENTO SOBRE CRIANÇAS EM SITUAÇÕES DE RISCO NO BRASIL ESTUDO LEVANTAMENTO SOBRE CRIANÇAS EM SITUAÇÕES DE RISCO NO BRASIL Renata Baars Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO JULHO/2009 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

O ADOLESCENTE INFRATOR E OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À INFÂNCIA E À ADOLESCÊNCIA INSTITUCIONALIZADA.

O ADOLESCENTE INFRATOR E OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À INFÂNCIA E À ADOLESCÊNCIA INSTITUCIONALIZADA. O ADOLESCENTE INFRATOR E OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À INFÂNCIA E À ADOLESCÊNCIA INSTITUCIONALIZADA. ANTONIO GANDINI JÚNIOR Núcleo de Estudo e Pesquisa: Política e Gestão da Educação Doutorando

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Cartilha da CRianca e do adolescente

Cartilha da CRianca e do adolescente Cartilha da CRianca e do adolescente Mais um dia vivido pela familia Brasilino Oi, pessoal, cheguei! Oi, filho, tudo bem? Hum... que cheiro bom! Tô morrendo de fome! Vou lá dentro lavar as mãos, guardar

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 Disciplina: Direito Penal IV Departamento III Penal e Processo Penal Docente Responsável: Mauro Augusto de Souza Mello Junior Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo:

Leia mais

A IDENTIDADE DO ADOLESCENTE AUTOR DE ATO INFRACIONAL NA UNIDADE DE INTERNAÇÃO DE TRÊS LAGOAS/MS, DIANTE DA ESCOLARIZAÇÃO - COMO ANÁLISE DE EXCLUSÃO.

A IDENTIDADE DO ADOLESCENTE AUTOR DE ATO INFRACIONAL NA UNIDADE DE INTERNAÇÃO DE TRÊS LAGOAS/MS, DIANTE DA ESCOLARIZAÇÃO - COMO ANÁLISE DE EXCLUSÃO. A IDENTIDADE DO ADOLESCENTE AUTOR DE ATO INFRACIONAL NA UNIDADE DE INTERNAÇÃO DE TRÊS LAGOAS/MS, DIANTE DA ESCOLARIZAÇÃO - COMO ANÁLISE DE EXCLUSÃO. Rafaela Benevides Ferreira: Direito, 5º ano, UFMS/CPTL.

Leia mais

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010 CAPA Dreamstime 18 Desenvolvimento março/abril de 2010 Como nossos pais? Bruno De Vizia de Brasília Mudança no perfil etário da população, crescimento econômico e melhor acesso à educação ressaltam importância

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA CONSELHO DO DA UnB SE POSICIONA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL O Conselho do (CIP/UnB) da, instância máxima do Curso de Psicologia (graduação e pós-graduação), em Reunião Ordinária de 23 de junho

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação TEMA: CREAS: SERVIÇOS OFERTADOS, INTERSETORIALIDADE,

Leia mais

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Publicado em: http://www.comunidadesegura.org Hugo Acero* 16/11/2006 Quando se analisa o tema da segurança cidadã no âmbito da América Latina, comprova-se que

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 O ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O DIREITO À CONVIVÊNCIA COM A FAMÍLIA Graciele Benisch 1 Deise Josene Stein 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 ASPÉCTOS HISTÓRICOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. 3 MEDIDAS DE ACOLHIMENTO

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Escola Superior Dom Helder Câmara CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Introdução A Constituição da República Federativa

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS Janice Merigo Docente UNISUL Assistente Social FECAM social@fecam.org.br POLÍTICA SOCIAL Ações coletiva que concretiza direitos

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 1 O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 RESUMO: Este artigo apresenta uma reflexão sobre a violência

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais