COMPÓSITOS PARA RESTAURAÇÃO DENTARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPÓSITOS PARA RESTAURAÇÃO DENTARIA"

Transcrição

1 COMPÓSITOS PARA RESTAURAÇÃO DENTARIA Filiberto González Garcia, Maria E Leyva, Alvaro A.A. de Queiroz Laboratorio de Biomateriais, Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal de Itajubá, Av. BPS, 1303,Pinheirinho, CEP: , Itajubá-MG, Brasil. O objetivo deste trabalho foi desenvolver materiais compósitos baseados em polímeros epoxídicos, relativamente simples, com boas características mecânicas para uso em próteses fixas. Os compósitos foram formulados a base da resina líquida do tipo éter diglicidílico do bisfenol-a (DGEBA), com trietilenotetramina (TETA), isoforonodiamina (IPD), 1-(2-Aminoetil)piperazina (AEP), como co-monômeros independentes contendo micro-partículas de quartzo. A formulação foi obtida através da otimização dos sistemas epoxídicos, bem como a incorporação de diferentes quantidades de material inorgânico. Foram analisadas as propriedades mecânicas em compressão uniaxial e dureza Vicker. O trabalho resultou no desenvolvimento de materiais com boas propriedades mecânicas para sua utilização em próteses odontológicas de fácil manufatura. Palavras-chave: restauração dentaria; polímeros epoxídicos; compósitos. Composites for Dentaria Restorations The aim of this study was to develop a composite for applications as dental restorative material, relatively simple, with good mechanical characteristics for use in fixed prostheses. This composite was developed by using diglycidyl ether of bisphenol-a (DGEBA) epoxy prepolymer, triethylenetetramine (TETA) as hardener and microparticles of quartz as inorganic material. A formulation was obtained through the optimization of the epoxy system, and the incorporation of different amounts of the inorganic material. We examined the mechanical properties (compression and hardness) showing good results. The work resulted in news materials with good mechanical properties suitable for the manufacture of prostheses orthodontics and it is easy to manufacture. Keywords: dental restorative, epoxy polymers; composite. Introdução A prótese fixa é um procedimento amplamente utilizado em ortodontia e consiste na restauração parcial ou total da coroa dentaria. Quando esta restauração visa a substituição de mais de uma dente perdido é chamada Prótese Parcial Fixa ou Ponte fixa. Ao ser fixado na arcada dentária do paciente possibilita a mastigação, a fala, o sorrir, ou seja, o paciente devolve todas suas habilidades perdidas devido à falta de um ou mais de um dente. As próteses fixas podem ser feitas utilizando diferentes materiais compósitos tais como metal-plástico, metal-cerâmica, cerâmica e com resinas compostas de forma a imitar todas as funções e a cor dos dentes. Um dos procedimentos de maior avanço tecnológico já alcançado na odontologia consiste na utilização da chamada prótese de coroa total em porcelana ou "cerômero" que é confeccionada totalmente em porcelana, indicada tanto para dentes posteriores quanto para anteriores. Entende-se por cerômero, (Ceramic Optimized Polymer), as resinas compostas associadas com cerâmicas a materiais de revestimento estético, com alto teor de cargas inorgânicas, graças ao emprego de

2 micro partículas cerâmicas especiais. Pode ser usado sobre metal e sobre estruturas compostas de fibras reforçadas (FRC- fiber reforced composite) possibilitando a confecção de próteses que combinam a estética das cerâmicas e a simplicidade das resinas. Os inconvenientes quanto da utilização de tais materiais na odontologia são os custos elevados tanto do ponto de vista clínico quanto laboratorial inacessível à população de baixa renda. A utilização de diferentes materiais para o desenvolvimento de compósitos com melhores propriedades, demanda e estimula o desenvolvimento de novas metodologias e tecnologias que estabeleçam a relação estrutura/propriedade, fator importante para a aplicação adequada destes sistemas em projetos específicos, como os solicitados pela área odontológica. Como é conhecido, os polímeros epoxídicos constituem as matrizes poliméricas mais utilizadas em compósitos que requerem resistência mecânica. Polímeros epoxídicos são um dos mais importantes tipos de polímeros termorrígidos, extensivamente usados como adesivos e de materiais estruturais para as mais diversas indústrias. As resinas epoxídicas são convertidas em materiais termofixos através de reações químicas pela adição de agentes de cura ou co-monômeros. Tais reações químicas provocam uma mudança no estado físico do material, partindo de um líquido viscoso para um gel elástico que se transforma finalmente em um material sólido vitrificado. As resinas epoxídicas apresentam excelentes propriedades mecânicas tais como alta tensão de ruptura e módulo de Young, fácil processamento, resistência térmica e química, e boa estabilidade dimensional. Entretanto, as resinas epoxídicas são quebradiças possuindo baixa resistência à propagação de trincas. Para superar estes inconvenientes, muitos tipos de compósitos de polímeros com reforço têm sido desenvolvidos, em que as resinas epoxídicas são reforçadas com agentes modificadores, tais como cargas inorgânicas, oligômeros de baixa massa molecular, silsesquioxanos, dendrímeros, entre outros. Neste trabalho desenvolvemos materiais compósitos a base de resina epoxídica reforçada com carga inorgânica de quartzo, para ser usada na confecção de próteses ortodônticas. Foram avaliadas algumas propriedades mecânicas importantes em materiais destinados à fabricação de próteses tais como dureza e resistência à compressão. Experimental Materiais Resina epoxídica líquida do tipo éter diglicidílico do bisfenol A (DGEBA), produto DER 331, e endurecedor trietilenotetramina (TETA), produto comercial DEH 24, ambos de grau técnico, fabricados e comercializados pela empresa Dow Química do Brasil S.A. Foram utilizados também como agentes de cura isoforonodiamina (IPD) e 1-(2-aminoetil)piperazina

3 (AEP), produtos comercializados pela empresa Sigma-Aldrich do Brasil com 99 % pureza. A resina foi desidratada a 80 C antes de sua utilização e os agentes de cura foram utilizados como recebidos. A estrutura química básica desses compostos é mostrada na Figura I. Como material inorgânico foi utilizado um mineiro denominado Quartzibar 218C comercializado pelas Indústrias Brasileiras de Artigos Refratários, IBAR Ltda. Este material está constituído por um 98 % (nominal) de dióxido de silício, recebido na forma bruta como minério em grãos de dimensões entre 7 e 10 mm. M Estructura química Monômero Fabricante (g mol -1 ) F N H N H Trietilenotetramina (TETA) Dow Química DEH 24 ~ 166 (30,0 g eq -1 ) 6,0 HN N N-(2-Aminoetil)piperazina (AEP) ACROS (99.0 %) 129 (43,0 g eq -1 ) 3,0 Isoforonodiamina (IPD) ACROS (99+%) 170 (42,5 g eq -1 ) 4,0 O O C O O Éter diglicidílico del bisfenol A (DGEBA) Dow Química DER 331 ~ 375 (187,5 g eq -1 ) 2,0 Figura I Estrutura química básica e características dos monômeros Métodos Preparação das amostras e procedimento de cura A fim de obter a melhores propriedades mecânicas os sistemas resina-endurecedor-carga inorgânica foram utilizados em proporções estequiométricas. Os valores do equivalente de hidrogênio ativo do tipo amina dos endurecedores utilizados bem como o valor do equivalente epoxídico da resina foram obtidos mediante processo de titulação química, segundo metodologia apresentada na literatura 1,2. O mineiro quartzito foi submetido a um processo de moagem em um moinho de bolas repetidas vezes. Depois de passar pelo moinho foi peneirado até um tamanho de partículas menor que 125 nm, lavado repetidamente com água destilada quente para a eliminação de possíveis impurezas solúveis e depois centrifugado e seco a 120 C. Os compósitos foram preparados, usando a resina com adição de carga inorgânica usandose diferentes concentrações (0, 20, 40, 60 e 80 phr; gramas de carga por cada 100 gramas de

4 resina). Tanto a resina sem carga como os compósitos foi adicionado o agente de cura e posteriormente cada formulação foi submetida a um processo de cura de duas etapas; a primeira à temperatura ambiente durante 24 h, e a segunda a 130 C durante 2 horas para os sistemas AEP e TETA, e para o sistema IPD a segunda etapa foi a 160 C. O processo foi realizado utilizando-se os endurecedores AEP, IPD e TETA, como sistemas independentes. Ensaios mecânicos A propriedade de microdureza é uma das mais importantes características dos materiais restauradores. Os ensaios de dureza vickers foram realizados em um durômetro HMV 2000, da marca Shimadzu, equipado com um indentador para teste de dureza Vickers, utilizando-se carga de 100 g. Um total de 10 indentações foram realizadas em cada corpo de prova. Cada impressão foi observada em microscópio óptico e o valor de dureza do material foi calculado. Os corpos de prova para este teste foram devidamente lixados e polidos, tomando-se o cuidado de manter a face a ser indentada totalmente plana. Não menos importante que a propriedade de microdureza é a propriedade de resistência à compressão. Para a avaliação desta propriedade foi utilizada uma Máquina de Ensaios Universal EMIC DL 2000, com célula de carga de 20 kn. Esta foi regulada para trabalhar a uma velocidade de compressão de 1 mm min -1, incidindo sobre os corpos de prova. O ensaio de compressão uniaxial foi realizado seguindo a norma ASTM D No ensaio foi utilizado um deflectômetro para detecção da deformação verdadeira do corpo de prova. Foram utilizados corpos de prova cilíndricos de 10 mm de diâmetro e 20 mm de comprimento, os corpos de prova foram usinados e lixados para assegurar superfícies paralelas e uniformes. Resultados e Discussão A Tabela I apresenta comparativamente os valores do modulo elástico (E) e tensão limite de escoamento (σ y ) para as diferentes formulações e suas respectivas composições com o minério quartzito. Pode ser observado que o sistema DGEBA/AEP apresentou os menores valores do módulo de elasticidade e de tensão de escoamento. Isto está de acordo com resultados de trabalhos anteriores da relativa maior flexibilidade desta rede quando comparada às outras 3. As Figuras II e III mostram o comportamento do módulo elástico e da tensão de escoamento em relação à concentração de quartzo, respectivamente. Nota-se que o módulo elástico aumenta de forma linear com o aumento da concentração de quartzo nas formulações. Isto parece estar relacionado à presença da carga inorgânica que aumenta o modulo das formulações com o aumento da carga.

5 Tabela I Comportamento de E (MPa) e σ y (MPa) para os sistemas DGEBA/AEP, DGEBA/IPD, DGEBA/TETA e suas composições (em phr) com quartzo. Quartzo (phr) AEP E (MPa) 2900,6 ± 596,3 3784,6 ± 18,3 4208,5 ± 53,6 4360,4 ± 60,4 4571,6 ± 170,1 σ y (MPa) 47,3 ± 0,5 52,7 ± 0,5 56,1 ± 0,5 57,6 ± 0,5 56,3 ± 0,5 IPD Quartzo (phr) E (MPa) 3768,7 ± 96,8 3847,4 ± 94,7 4161,7 ± 106,3 4351,1 ± 69,9 4270,2 ± 45,3 σ y (MPa) 60,2 ± 0,5 58,0 ± 0,5 57,6 ± 0,5 56,9 ± 0,5 54,3 ± 0,5 TETA Quartzo (phr) E (MPa) 2765,7 ± 171,3 3773,8 ± 120,7 4240,6 ± 14,9 4837,3 ± 75,3 5014,1 ± 92,5 σ y (MPa) 46,3 ± 0,5 47,2 ± 0,5 51,4 ± 0,5 54,9 ± 0,5 60,9 ± 0,5 E; Modulo de elasticidade, σ y Tensão limite de escoamento. A tensão de escoamento das redes AEP e TETA aumentaram com o aumento da concentração de quartzo, sendo que na rede AEP após a concentração alcançar o valor de 60 phr ocorreu uma diminuição da mesma. Esse fato pode ser explicado pelo aumento da rigidez da rede devido ao aumento da concentração de carga. Para a formulação com IPD a tensão de escoamento diminui com a concentração de quartzo. Isto pode estar relacionado com que esta rede é a de maior rigidez e a carga inorgânica leva a um decréscimo na tensão de escoamento pelo aumento da rigidez. O comportamento da resistência à compressão, considerado como o valor máximo de tensão suportado pelo material no momento da ruptura, confirma esse argumento, ou seja, a rigidez do material de início se mantém fixa, mas tende a aumentar, o que diminui a resistência à compressão para o sistema com IPD. (Figura IV). Na Figura V é mostrado o comportamento da microdureza Vickers dos materiais estudados em função da quantidade de material inorgânico, quartzo, adicionado à formulação. Nota-se, um aumento linear no nível de dureza a medida que aumenta a quantidade de partículas inorgânicas. Isto está refletindo que o aumento da carga inorgânica aumenta esta propriedade mecânica.

6 Módulo Elástico (MPa) DGEBA/AEP DGEBA/IPD DGEBA/TETA Concentração de quartzo (phr) Figura II Módulo elástico dos três sistemas em função das diferentes concentrações de quartzo no ensaio de compressão. 62 Tensão de escoamento (MPa) DGEBA/AEP DGEBA/IPD DGEBA/TETA Concentração de quartzo (phr) Figura III Tensão de escoamento dos três sistemas em função das diferentes concentrações de quartzo no ensaio de compressão.

7 De modo geral a adição do mineiro quartzito levou ao aumento tanto do modulo de elasticidade quanto da tensão limite de escoamento para as formulações com AEP e TETA. Por tanto, está carga está melhorando o comportamento mecânico em compressão uniaxial para estas redes epoxídicas. 240 Resistência a compressão (MPa) DGEBA/AEP DGEBA/IPD DGEBA/TETA Concentração de quartzo (phr) Figura IV Resistência à compressão em função da concentração de quartzo. Uma comparação entre os compósitos e alguns materiais já utilizados em próteses fixas pode ser visto na Tabela II. Nota-se que as redes IPD e TETA apresentam dureza maior do que um produto já disponível no mercado. Dado que não se chegou ao limite de dureza dos compósitos podemos afirmar que é possível obtermos um material à base de DGEBA/TETA com carga de quartzo capaz de alcançar ou superar a dureza de mais alguns produtos já utilizados em próteses fixas.

8 Dureza vickers (N/mm2) DGEBA/AEP DGEBAIPD DGEBA/TETA Concentração de quartzo (phr) Figura V Microdureza vickers em função da concentração de quartzo. Tabela II Comparação entre materiais já utilizados em próteses (sistemas de resina acrílica composta com carga cerâmica) e os desenvolvidos nesse trabalho. Em ordem decrescente de dureza, da esquerda para a direita. Art Glass* Solidex* Vita Zeta IPD TETA Sinfony* AEP (Kulzer) (Shofu) LC* 80 phr 80 phr (Espe) 80 phr (Vita) Dureza Vickers (MPa) Resistência a Compressão (MPa) ,5 228, , ,3 227, ,5 *FONTE: Folheto de divulgação do produto Solidex (Shofu Dental Corporation Kyoto Japão. Disponível em acesso em 27/10/08).

9 Conclusões De maneira resumida a compressão uniaxial das formulações sem carga com os endurecedores IPD, AEP e TETA mostram uma significante deformação após a tensão limite de escoamento. Sendo a resina curada com AEP a que manifestou uma maior deformação. A formulação DGEBA/AEP, que apresentou maior deformação, correspondeu o sistema com um menor valor no módulo de elasticidade. Em todas as formulações a adição do minério quartzito levou ao aumento linear tanto do módulo de elasticidade quanto da microdureza Vickers. Por tanto, a carga está melhorando o comportamento mecânico em compressão uniaxial das diferentes redes epoxídicas. Por outro lado a tensão de escoamento e a resistência à compressão das redes AEP e TETA aumentaram com o aumento da concentração de quartzo. Agradecimentos Os autores agradecem o apoio financiero do Plano Nacional de Ciência e Tecnología do Sector Petróleo e Gás Natural - CT-PETRO, por medio de CNPq (CT-PETRO/CNPq) Proceso No /02-8, e ao processo FAPEMIG ref. TEC 00242/07. Referências Bibliográficas 1. F. González Garcia; P.M. da SILVA; B.G.; J.Rieumont Polymer Testing 2007, 26, ASTM, especificação D1652. Método para determinação do conteúdo de epóxi em resinas epoxídicas, F. González Garcia; B.G. Soares; V.J.R.R. PITA; R. Sánchez; J. Rieumont Journal of Applied Polymer Science 2007, 106, 2047.

Material compósito epóxi-amina para restauração dentária

Material compósito epóxi-amina para restauração dentária ISSN 1517-776 Revista Matéria, v. 14, n. 4, pp. 1154 1161, 29 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo1171 Material compósito epóxi-amina para restauração dentária GARCIA I, F.G.; MATUSALÉM

Leia mais

REPARO DE DUTOS DANIFICADOS UTILIZANDO MATERIAIS COMPÓSITOS

REPARO DE DUTOS DANIFICADOS UTILIZANDO MATERIAIS COMPÓSITOS REPARO DE DUTOS DANIFICADOS UTILIZANDO MATERIAIS COMPÓSITOS Lizabeth Grace Castellares CENPES/PETROBRÁS Trabalho apresentado na 6 Conferência Sobre Tecnologia de Equipamentos, Salvador, agosto, 2002 As

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ESTRUTURA QUÍMICA DO ENDURECEDOR NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E ADESIVAS DE REDES EPOXIDICAS

INFLUÊNCIA DA ESTRUTURA QUÍMICA DO ENDURECEDOR NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E ADESIVAS DE REDES EPOXIDICAS IFLUÊCIA DA ESTRUTURA QUÍMICA D EDURECEDR AS PRPRIEDADES MECÂICAS E ADESIVAS DE REDES EPXIDICAS Filiberto González Garcia, Maria E Leyva, Alvaro A.A. de Queiroz Laboratorio de Biomateriais, Instituto de

Leia mais

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM 54 4.4.2 Ensaio de impacto Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM D 256-03 (método Izod), na temperatura de 28 C, em um equipamento de impacto por pêndulo conforme

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Aços para concreto armado Notas de aula da disciplina AU414 - Estruturas IV Concreto armado Prof. Msc. Luiz Carlos

Leia mais

2 Técnicas de Reforço com Materiais Compósitos em Estruturas de Concreto

2 Técnicas de Reforço com Materiais Compósitos em Estruturas de Concreto 2 Técnicas de Reforço com Materiais Compósitos em Estruturas de Concreto 2.1. Notas Iniciais Este capítulo trata de algumas propriedades dos materiais compósitos, as características físico-químicas da

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE Autores : Lucas FERREIRA, Mario WOLFART Jr., Gianpaulo Alves MEDEIROS. Diego Rodolfo Simões de LIMA. Informações adicionais: (Bolsista

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA M. H. de F. Fonseca, U. P. de Lucena Junior, R. O. C. Lima Universidade Federal Rural do Semi-Árido Rua José

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA M. H. de F. Fonseca, U. P. de Lucena Junior, R. O. C. Lima Universidade Federal Rural do Semi-Árido Rua José

Leia mais

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos:

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos: APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA Próteses totais Base, reembasadores, dentes artificiais. Materiais restauradores de cavidades Resinas compostas 2016-1 - Anusavice, Cap. 7 p. 136 Selantes Materiais

Leia mais

Nome da Disciplina: Carga Horária: Período:

Nome da Disciplina: Carga Horária: Período: 1 FACULDADES INTEGRADAS DA Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº 368/2008 de 19//2008 (DOU 20//2008) PLANO DE ENSINO CURSO DE ODONTOLOGIA (para alunos ingressantes a partir do 1º semestre letivo de 2006)

Leia mais

Histórico. Histórico. Conceito. Conceito. Requisitos. Requisitos. Composição. Composição. Indicação. Indicação. Tipos. Tipos. Histórico.

Histórico. Histórico. Conceito. Conceito. Requisitos. Requisitos. Composição. Composição. Indicação. Indicação. Tipos. Tipos. Histórico. Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Revestimentos odontológicos Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Resolução do 1º Teste de Ciência de Materiais. Lisboa, 27 de Abril de 2010 COTAÇÕES

Resolução do 1º Teste de Ciência de Materiais. Lisboa, 27 de Abril de 2010 COTAÇÕES Resolução do 1º Teste de Ciência de Materiais Lisboa, 27 de Abril de 2010 COTAÇÕES Pergunta Cotação 1. (a) 0,50 1. (b) 0,50 1. (c) 0,50 1. (d) 0,50 2. (a) 0,50 2. (b) 0,50 2. (c) 0,50 2. (d) 0,50 2. (e)

Leia mais

Conteúdo. Resistência dos Materiais. Prof. Peterson Jaeger. 3. Concentração de tensões de tração. APOSTILA Versão 2013

Conteúdo. Resistência dos Materiais. Prof. Peterson Jaeger. 3. Concentração de tensões de tração. APOSTILA Versão 2013 Resistência dos Materiais APOSTILA Versão 2013 Prof. Peterson Jaeger Conteúdo 1. Propriedades mecânicas dos materiais 2. Deformação 3. Concentração de tensões de tração 4. Torção 1 A resistência de um

Leia mais

Desenvolvimento presente em todo o mundo.

Desenvolvimento presente em todo o mundo. 1 Desenvolvimento presente em todo o mundo. - Faturamento anual de U$ 18 bilhões. - Mais de 875 unidades em 54 países Fundada em 1912, a Illinois Tool Works Inc. é uma empresa multinacional produtora de

Leia mais

Principais propriedades mecânicas

Principais propriedades mecânicas Principais propriedades mecânicas Resistência à tração Elasticidade Ductilidade Fluência Fadiga Dureza Tenacidade,... Cada uma dessas propriedades está associada à habilidade do material de resistir às

Leia mais

Teste de tração - compressão

Teste de tração - compressão PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS Prof. Renata Machado Soares - REMA I Teste de tração - compressão Resistência capacidade de suportar carga sem deformação excessiva ou ruptura; A partir de um ensaio

Leia mais

MÓDULO 2: Propriedades mecânicas dos metais. Deformação elástica, Deformação plástica

MÓDULO 2: Propriedades mecânicas dos metais. Deformação elástica, Deformação plástica MÓDULO 2: Propriedades mecânicas dos metais. Deformação elástica, Deformação plástica Propriedades mecânicas dos metais Muitos materiais, quando em serviço, são submetidos a forças ou cargas. O comportamento

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

Revestimentos Odontológicos

Revestimentos Odontológicos Revestimentos Odontológicos HISTÓRICO: ± 500 AC Roma - Coroas e pontes em ouro. Séc.. 11 Theophilus - Técnica da cera perdida. 1907 - W. H. Taggart - Máquina de fundição utilizando a técnica da cera perdida.

Leia mais

COMPORTAMENTO MECÂNICO DOS POLÍMEROS 4

COMPORTAMENTO MECÂNICO DOS POLÍMEROS 4 COMPORTAMENTO MECÂNICO DOS POLÍMEROS 4 Propriedades Mecânicas de Materiais Poliméricos Dois tipos principais de interesse para Engenharia. Velocidades de teste de média a baixa Impacto: altas velocidades

Leia mais

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH 2000 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina HEC 010_Endurecedor HEH 2000 Resina epóxi para laminação

Leia mais

Ensaio de compressão

Ensaio de compressão A UU L AL A Ensaio de compressão Podemos observar o esforço de compressão na construção mecânica, principalmente em estruturas e em equipamentos como suportes, bases de máquinas, barramentos etc. Às vezes,

Leia mais

Dependendo da habilidade do material em deformar plasticamente antes da fratura, dois tipos de fratura pode ocorrer: Dúctil Frágil.

Dependendo da habilidade do material em deformar plasticamente antes da fratura, dois tipos de fratura pode ocorrer: Dúctil Frágil. Fratura Separação do material devido a tensão aplicada, numa temperatura abaixo do ponto de fusão. Passos da fratura: Formação da trinca Propagação da trinca Dependendo da habilidade do material em deformar

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO 3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO /LJD(VWXGDGD A liga estudada neste trabalho foi produzida pela firma francesa Pechiney Recherche na forma de placas laminadas de dimensões 270 mm de comprimento por 210 mm de largura

Leia mais

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina MC 153 NF Blue_Endurecedor W 57.01 Resina epóxi

Leia mais

MÉTODO NUMÉRICO PARA A DETERMINAÇÃO DO MÓDULO DE TENACIDADE DE MATERIAIS A PARTIR DE ENSAIOS DE TRAÇÃO

MÉTODO NUMÉRICO PARA A DETERMINAÇÃO DO MÓDULO DE TENACIDADE DE MATERIAIS A PARTIR DE ENSAIOS DE TRAÇÃO MÉTODO NUMÉRICO PARA A DETERMINAÇÃO DO MÓDULO DE TENACIDADE DE MATERIAIS A PARTIR DE ENSAIOS DE TRAÇÃO Autores: Pedro Henrique Gwiggner SERIGHELLI 1, Cristiano José TURRA 2, David Roza JOSÉ 3. 1 Graduando

Leia mais

Estudo da viabilidade de utilização de fibras naturais curtas em matrizes de resina epóxi

Estudo da viabilidade de utilização de fibras naturais curtas em matrizes de resina epóxi ISSN 1517-7076 Revista Matéria, v. 13, n. 4, pp. 605 610, 2008 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo11021 Estudo da viabilidade de utilização de fibras naturais curtas em matrizes de resina

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Referências Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, cap 1, 5ed.,

Leia mais

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica 1. Ligas de ouro tradicionais ou clássicas As ligas de ouro tradicionais já estavam bem estudadas até o início da década de 30. Elas foram classificadas em 4 tipos em função da dureza, que por sua vez

Leia mais

1. Introdução. 1.1.Objetivo

1. Introdução. 1.1.Objetivo 1. Introdução 1.1.Objetivo O objetivo desta dissertação é desenvolver um sistema de controle por aprendizado acelerado e Neuro-Fuzzy baseado em técnicas de inteligência computacional para sistemas servo-hidráulicos

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Tensão Tensão é ao resultado da ação de cargas externas sobre uma unidade de área da seção analisada na peça, componente mecânico ou estrutural submetido à solicitações

Leia mais

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Agenda O Mercado Automotivo Cenário Atual e Desafios A versatibilidade do Poliuretano e sua

Leia mais

COMPÓSITOS ALTAMENTE REFORÇADOS PARA JUNTAS DE VEDAÇÃO: PROCESSAMENTO E PROPRIEDADES MECÂNICAS

COMPÓSITOS ALTAMENTE REFORÇADOS PARA JUNTAS DE VEDAÇÃO: PROCESSAMENTO E PROPRIEDADES MECÂNICAS COMPÓSITOS ALTAMENTE REFORÇADOS PARA JUNTAS DE VEDAÇÃO: PROCESSAMENTO E PROPRIEDADES MECÂNICAS Patrícia de Souza Paiva (*) ; José Eduardo de Sena Affonso (**) e Regina Célia Reis Nunes (*) (*) Instituto

Leia mais

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila Disciplina Materiais Dentários II Ano-semestre 2016-1 Titulo da aula Expositor Resinas Acrílicas Prof. Dr. Eclérion Chaves Slides 46 Duração Aproximadamente 1:50 Texto base Plano de aula Anusavice Phillips

Leia mais

ASFALTOS MODIFICADOS

ASFALTOS MODIFICADOS ASFALTOS MODIFICADOS Razões para substituição de asfaltos convencionais por modificados Vias com alto volume de tráfego (ex.: corredores de ônibus) Melhoria da resistência à formação de trilhas de roda

Leia mais

Diagrama Tensão Deformação 0,0000 0,0005 0,0010 0,0015 0,0020 0,0025

Diagrama Tensão Deformação 0,0000 0,0005 0,0010 0,0015 0,0020 0,0025 . Os dados de um teste tensão-deformação de uma cerâmica são fornecidos na tabela. A curva é linear entre a origem e o primeiro ponto. Construir o diagrama e determinar o módulo de elasticidade e o módulo

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração

PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Regime plástico Propriedades

Leia mais

Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica

Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica Engineered Polymers Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica Polymers Sealants Polymers Adhesives PP&F Asia Polymers South America Aperfeiçoando a produção de barcos com

Leia mais

Propriedades Geométricas de um seção Plana e Propriedades Mecânicas dos Materiais

Propriedades Geométricas de um seção Plana e Propriedades Mecânicas dos Materiais MKT-MDL-05 Versão 00 Propriedades Geométricas de um seção Plana e Propriedades Mecânicas dos Materiais Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Turma: 5º Docente: Carla Soraia da Silva Pereira MKT-MDL-05

Leia mais

INFLUÊNCIA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE COMPÓSITOS DE POLIPROPILENO VIRGEM/RECICLADO COM DIFERENTES TIPOS DE CARGAS REFORÇANTES

INFLUÊNCIA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE COMPÓSITOS DE POLIPROPILENO VIRGEM/RECICLADO COM DIFERENTES TIPOS DE CARGAS REFORÇANTES INFLUÊNCIA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE COMPÓSITOS DE POLIPROPILENO VIRGEM/RECICLADO COM DIFERENTES TIPOS DE CARGAS REFORÇANTES Lidiane C. Costa 1 *, Alessandra L. Marinelli 1, Rubens E. dos Santos 1,

Leia mais

Propriedades Mecânicas: O Ensaio de Tração Uniaxial

Propriedades Mecânicas: O Ensaio de Tração Uniaxial Propriedades Mecânicas: O Ensaio de Tração Uniaxial Tensão e deformação Ensaios: Tração Compressão Cisalhamento Torção Tensão e deformação Cálculo da tensão (Para tração e compressão): Onde: σ= Tensão

Leia mais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais Materiais Poliméricos Conceitos Gerais ESTRUTURA DOS POLIMEROS DEFINIÇÃO São moléculas muito grandes (macromoléculas) formadas pela repetição de pequenas e simples unidades químicas (monômeros), ligadas

Leia mais

4 ENSAIO DE FLEXÃO. Ensaios Mecânicos Prof. Carlos Baptista EEL

4 ENSAIO DE FLEXÃO. Ensaios Mecânicos Prof. Carlos Baptista EEL 4 ENSAIO DE FLEXÃO Ensaio de Flexão: Bastante aplicado em materiais frágeis ou de alta dureza - Exemplos: cerâmicas estruturais, aços-ferramenta - Dificuldade de realizar outros ensaios, como o de tração

Leia mais

CARGA HORÁRIA TOTAL: 60 TEORIA: 60 PRÁTICA:-x- CÓDIGO: 245 E M E N T A

CARGA HORÁRIA TOTAL: 60 TEORIA: 60 PRÁTICA:-x- CÓDIGO: 245 E M E N T A DEPARTAMENTO: Engenharia Mecânica DISCIPLINA: Tópicos Especiais - Comportamento Mecânico e Seleção dos Materiais de Engenharia SIGLA: CMS CARGA HORÁRIA TOTAL: 60 TEORIA: 60 PRÁTICA:-x- CÓDIGO: 245 CURSO:

Leia mais

Espumas viscoelásticas para máquinas continuas. 12 Novembro 2010

Espumas viscoelásticas para máquinas continuas. 12 Novembro 2010 Espumas viscoelásticas para máquinas continuas 12 Novembro 2010 Sobre a Bayer MaterialScience Presente nos cinco continentes 30 unidades de produção ao redor do mundo Mais de 15.400 funcionários no mundo

Leia mais

GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO

GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO NEOPLASTIC EMBALAGENS PLÁSTICAS LTDA. Av. Pacaembu, 485 Serra dos Abreus Franco da Rocha SP CEP: 07810-000 Telefone: (11) 4443-1000 Fax: (11) 4443-1025 site: www.neoplastic.com.br

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Materiais

Propriedades Mecânicas dos Materiais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA - DEM PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS -PGCEM Propriedades Mecânicas dos Materiais Mestrando: Roger

Leia mais

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW.

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA Caracterização microestrutural do aço ASTM-A516-10-60 soldado por GMAW. Alunos: Alexandre Dutra Golanda Guilherme Souza Leite Paulo Ricardo

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1. Introdução O que é a Ciência de Materiais? Porque estudar Ciência de Materiais? Ciência de Ciência e Engenharia materiais engenharia de materiais de materiais Conhecimentos básicos sobre materiais

Leia mais

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Alexandre Rodrigues de Barros Paulo César Correia Gomes Aline da Silva Ramos Barboza Universidade Federal De Alagoas

Leia mais

Vantagens da Utilização da Borracha Nitrílica em Pó na Modificação de PVC

Vantagens da Utilização da Borracha Nitrílica em Pó na Modificação de PVC Vantagens da Utilização da Borracha Nitrílica em Pó na Modificação de PVC Baseado em trabalho apresentado em: AVIPLAS - Caracas, Venezuela - maio, 1999 O que é NITRIFLEX NP 2183? NITRIFLEX NP-2183 é um

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

Emcekrete EP Graute Epóxi de Alto Desempenho. Eng.º João Marcos Coutinho Jan 2015

Emcekrete EP Graute Epóxi de Alto Desempenho. Eng.º João Marcos Coutinho Jan 2015 Emcekrete EP Graute Epóxi de Alto Desempenho. Eng.º João Marcos Coutinho Jan 2015 Sumário 1. Onde é usado e porque 2. Principais Características 3. Principais Benefícios 4. Aplicação / cases 5. MC-Bauchemie

Leia mais

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J.

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX 2205 S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. Marcelo Av. dos Trabalhadores, n 420, Vila Santa Cecília, Volta Redonda,

Leia mais

Aplicação de materiais compósitos em reparos de tubulações de óleo e gás. Application of composite materials in repairs of pipes for oil and gas

Aplicação de materiais compósitos em reparos de tubulações de óleo e gás. Application of composite materials in repairs of pipes for oil and gas Aplicação de materiais compósitos em reparos de tubulações de óleo e gás Luis Paulo Garcia 1 e Jose Carlos Morilla 2 1 Aluno do Curso de Mestrado na Universidade Santa Cecília, Santos, BR, 2 Professor

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Revisão -Propriedades ópticas em materiais -Propriedades magnéticas -Metais -Cerâmicas -Polímeros Propriedades ópticas

Leia mais

Marco Antonio Carnio

Marco Antonio Carnio RADIERS EM CONCRETO REFORÇADO COM FIBRAS (CRF) APLICAÇÕES DO CRF Aplicações nas quais a distribuição de tensões é bastante variável ou não está bem definida (pavimentos, radiers, revestimento de túneis

Leia mais

Materiais de Construção II

Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Materiais de Construção II Propriedades Mecânicas do Concreto em seu estado ENDURECIDO Professora: Mayara Moraes Propriedades no estado endurecido

Leia mais

Quarta Lista de Exercícios

Quarta Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Quarta Lista de Exercícios 1. O tubo de aço (E s = 210 GPa) tem núcleo de alumínio (E a = 69 GPa)

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE Ligas Metálicas Introdução

Leia mais

Tratamentos termoquímicos

Tratamentos termoquímicos Tratamentos termoquímicos BORETAÇÃO Boretação É um tratamento termoquímico no qual o boro é introduzido na superfície do aço por difusão. Apesar de já se saber desde o inicio do século 20 que a difusão

Leia mais

Along. (50mm) 25% Custo (aço + Frete + impostos) R$ 1450,00/ton

Along. (50mm) 25% Custo (aço + Frete + impostos) R$ 1450,00/ton 1. Qual o valor das tensões principais para os tensores de tensão dados, segundo a simbologia utilizada na disciplina (vide matrizes abaixo)? Estados Valores de tensões em MPa Tensões Genéricas Tensões

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio NECE. Experimento de ensino baseado em problemas. Módulo 01: Análise estrutural de vigas

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio NECE. Experimento de ensino baseado em problemas. Módulo 01: Análise estrutural de vigas Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio NECE Experimento de ensino baseado em problemas Módulo 01: Análise estrutural de vigas Aula 02: Estruturas com barras sob corportamento axial

Leia mais

COMPONENTES CALCINÁVEIS EM CROMO COBALTO

COMPONENTES CALCINÁVEIS EM CROMO COBALTO INSTRUÇÃO DE USO COMPONENTE CALCINÁVEL EM CROMO COBALTO COMPONENTES CALCINÁVEIS EM CROMO COBALTO APRESENTAÇÃO: Os Componentes Protéticos Calcináveis em Cromo Cobalto INTRAOSS apresentam-se em embalagem

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA Contribuição técnica nº 7 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA Autores: Eduardo M. Batista, COPPE/ UFRJ - batista@coc.ufrj.br Elaine

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 32 Materiais Aeronáuticos

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 32 Materiais Aeronáuticos Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 32 Materiais Aeronáuticos Tópicos Abordados Materiais Empregados na Indústria Aeronáutica. Definições e Propriedades Mecânicas. Principais Materiais Utilizados na

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas - Facilitadores Soluções Produtivas - FSP

Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas - Facilitadores Soluções Produtivas - FSP Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas - Facilitadores Soluções Produtivas - FSP cromitec Há 20 anos fabricando resinas poliéster insataturado Tecnologia da Euromere para

Leia mais

BT 0068 BOLETIM TÉCNICO - RESINA MG 516_ ENDURECEDOR W 501_ENDURECEDOR W 556

BT 0068 BOLETIM TÉCNICO - RESINA MG 516_ ENDURECEDOR W 501_ENDURECEDOR W 556 BT 0068 BOLETIM TÉCNICO - RESINA MG 516_ ENDURECEDOR _ENDURECEDOR Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina epóxi de superfície Descrição Resina epóxi tixotrópica

Leia mais

Designação contem tensão de cedência. Aço para betão armado. Aço para betão pré-esforçado

Designação contem tensão de cedência. Aço para betão armado. Aço para betão pré-esforçado Aço para betão armado Aço para betão pré-esforçado REBAP Regulamento de estruturas de betão armado e pré-esforçado Especificações do LNEC Eurocódigo 2 1 E LNEC Textos de apoio ESPECIFICAÇÃO DO LNEC E 460

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 2 Cargas que Atuam nas estruturas Índice Forças Vetoriais Geometria das Forças Cargas Quanto a Frequência Levantamento de Cargas Simples Equilíbrio Interno

Leia mais

Avaliação do Retorno Elástico em Chapas de Aço Bifásicos através do Processo de Dobramento

Avaliação do Retorno Elástico em Chapas de Aço Bifásicos através do Processo de Dobramento Avaliação do Retorno Elástico em Chapas de Aço Bifásicos através do Processo de Dobramento Martins, M. S.¹ Schaeffer, L.² ¹ Engenheiro Mecânico, Mestrando no Programa de Pós-graduação de Minas, Metalurgia

Leia mais

Caracterização das Propriedades Mecânicas de Materiais Metálicos: A Influência da velocidade da máquina sobre a tensão obtida no ensaio de tração 1

Caracterização das Propriedades Mecânicas de Materiais Metálicos: A Influência da velocidade da máquina sobre a tensão obtida no ensaio de tração 1 - SEPesq Caracterização das Propriedades Mecânicas de Materiais Metálicos: A Influência da velocidade da máquina sobre a tensão obtida no ensaio de tração 1 Rogério Alves Oliveira 2 Uilian Boff 3 Jaison

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE VIDRO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO MIÚDO NA CIDADE DE PALMAS-TO

ESTUDO DA VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE VIDRO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO MIÚDO NA CIDADE DE PALMAS-TO ESTUDO DA VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE VIDRO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO MIÚDO NA CIDADE DE PALMAS-TO Nome dos autores: Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Adão Lincon

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA

ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA Iara T. D. Oliveira 1 *, Leila L. Y. Visconte 1 1 Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano Universidade Federal do Rio

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA, MECÂNICA E MORFOLÓGICA DA BLENDA PC/ABS COM MODIFICADOR DE IMPACTO

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA, MECÂNICA E MORFOLÓGICA DA BLENDA PC/ABS COM MODIFICADOR DE IMPACTO CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA, MECÂNICA E MORFOLÓGICA DA BLENDA PC/ABS COM MODIFICADOR DE IMPACTO R. S. Cavalcante 1, J. D. V. Barbosa 1, J. B. Azevedo 1, L. Pisanu 1, S.M. Nascimento 1 Av. Orlando Gomes, 1845

Leia mais

GESSOS PARA USO ODONTOLÓGICO

GESSOS PARA USO ODONTOLÓGICO Faculdade de Odontologia Departamento de Biomateriais e Biologia Oral Materiais para Uso Indireto GESSOS PARA USO ODONTOLÓGICO ROTEIRO DE AULA Apresentação e usos Composição, reação e estrutura Requisitos

Leia mais

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 43 Para a realização dos experimentos, foram realizadas as etapas de definição e preparação das amostras da matéria prima com a variação das propriedades mecânicas (dureza do material),

Leia mais

FÍSICA TÉRMICA. Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1

FÍSICA TÉRMICA. Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1 FÍSICA TÉRMICA Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1 Domínio da Física Térmica Como pode água aprisionada ser ejetada

Leia mais

Professor: Estevam Las Casas. Disciplina: MÉTODOS DE ELEMENTOS FINITOS MEF TRABALHO

Professor: Estevam Las Casas. Disciplina: MÉTODOS DE ELEMENTOS FINITOS MEF TRABALHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA Professor: Estevam Las Casas Disciplina: MÉTODOS DE ELEMENTOS FINITOS MEF TRABALHO Análise de deformação de um

Leia mais

LIGAÇÃO VIGA-PILAR EM ELEMENTOS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO SOLIDARIZADOS POR CONCRETO REFORÇADO COM FIBRAS DE AÇO: ANÁLISES ESTÁTICA E DINÂMICA

LIGAÇÃO VIGA-PILAR EM ELEMENTOS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO SOLIDARIZADOS POR CONCRETO REFORÇADO COM FIBRAS DE AÇO: ANÁLISES ESTÁTICA E DINÂMICA ISSN 189-586 LIGAÇÃO VIGA-PILAR EM ELEMENTOS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO SOLIDARIZADOS POR CONCRETO REFORÇADO COM FIBRAS DE AÇO: ANÁLISES ESTÁTICA E DINÂMICA Luiz Álvaro de Oliveira Júnior 1, Mounir Khalil

Leia mais

3 Fibras Nextel MR. Fibras cerâmicas para aplicações industriais em altas temperaturas

3 Fibras Nextel MR. Fibras cerâmicas para aplicações industriais em altas temperaturas 3 Fibras Nextel MR Fibras cerâmicas para aplicações industriais em altas temperaturas Propriedades Físicas 3M Nextel MR, tecidos, fibras e fitas são destinados a atender os requisitos para performance

Leia mais

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula.

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula. Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II Curso: ENGENHARIA CIVIL Código Créditos Carga horária Período Co-requsito Pré-requisito ENG 2301 6 90 6º - ENG 1071 EMENTA Argamassa: Conceito, classificação, propriedades,

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZES POLIMÉRICAS

RECICLAGEM DE RESÍDUO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZES POLIMÉRICAS RECICLAGEM DE RESÍDUO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZES POLIMÉRICAS I. F. SANTOS 1, O. J. M. PIRES 2, C, R, SILVA 2 e J. A. S. SOUZA 1 1 Universidade Federal do Pará, Programa de Pós Graduação em Engenharia

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO André Fontebassi Amorim Silva (1), Jéssica da Silva Coelho (2), Jéssica Laila Rodrigues

Leia mais

5 Resultados Experimentais

5 Resultados Experimentais 5 Resultados Experimentais 5.1. Introdução Neste capítulo são apresentados os resultados medidos dos dois testes experimentais em escala real realizados para a comparação dos resultados teóricos. 5.2.

Leia mais

01/31/2012 MÉTODOS ALTERNATIVOS PARA DETERMINAÇÃO DA TENACIDADE À FRATURA. Fator de concentração de tensões INTRODUÇÃO. Tenacidade à fratura

01/31/2012 MÉTODOS ALTERNATIVOS PARA DETERMINAÇÃO DA TENACIDADE À FRATURA. Fator de concentração de tensões INTRODUÇÃO. Tenacidade à fratura MÉTODOS ALTERNATIVOS PARA DETERMINAÇÃO DA TENACIDADE À FRATURA Tenacidade à fratura Capacidade de um material resistir à propagação de uma trinca Claudio Antonio Guzansky Rocha Danilo Almirón Pereira Fernando

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS Cheila G. Mothé 1*, Carla R. de Araújo 1 1 Universidade Federal do Rio de Janeiroe UFRJ, Escola de

Leia mais

Bianca Martins Dias graduando em Engenharia Civil do Centro Universitário de Patos de Minas UNIPAM. (2)

Bianca Martins Dias graduando em Engenharia Civil do Centro Universitário de Patos de Minas UNIPAM. (2) FLEXÃO EM VIGAS METÁLICAS Bianca Martins Dias (1) ; Dener Cunha Santos () ; Heitor Augusto de Barcelos Marciano (3) ; Eduardo Pains de Morais (4) ; (1) Bianca Martins Dias graduando em Engenharia Civil

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DA INCORPORAÇÃO DE RESÍDUO DE BAQUELITE SOBRE AS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO POLIPROPILENO

AVALIAÇÃO DO EFEITO DA INCORPORAÇÃO DE RESÍDUO DE BAQUELITE SOBRE AS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO POLIPROPILENO AVALIAÇÃO DO EFEITO DA INCORPORAÇÃO DE RESÍDUO DE BAQUELITE SOBRE AS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO POLIPROPILENO André. P. Cavalcante, Leonardo B. Canto* Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Instituto

Leia mais

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo M. F. Paulo Pereira, José B. Aguiar, Aires Camões e Hélder M. A. Cruz University of Minho Portugal 18 e 19 de Março, LNEC, Lisboa 1.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 Prof: Diego R. Alba 1. O macaco AB é usado para corrigir a viga defletida DE conforme a figura. Se a força compressiva

Leia mais

9. Análise de Tensões de Tubulações Curvadas

9. Análise de Tensões de Tubulações Curvadas 9.1) Introdução O curvamento de tubos por Indução vem se desenvolvendo desde 1960 pela Dai-Ichi Higt Frequency do Japão. No Brasil, este processo é utilizado unicamente pela Protubo. Ele consiste basicamente

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Introdução Tensões e Deformações Ensaio

Leia mais

Mapas de propriedades dos materiais. PMT 2501 Sérgio Duarte Brandi

Mapas de propriedades dos materiais. PMT 2501 Sérgio Duarte Brandi Mapas de propriedades dos materiais PMT 2501 Sérgio Duarte Brandi 1 Introdução. Propriedades do materiais estão relacionadas com o desempenho. Desempenho depende da combinação de diversas propriedades.

Leia mais

Elan-Tron 0013 EBR. Boletim Técnico. 350 partes por peso. Sistema Epóxi Alta Resistência a Trincas e Fissuras. Elan tron 0013 EBR + Elan tro H120 LA 1

Elan-Tron 0013 EBR. Boletim Técnico. 350 partes por peso. Sistema Epóxi Alta Resistência a Trincas e Fissuras. Elan tron 0013 EBR + Elan tro H120 LA 1 Boletim Técnico Elan-Tron 0013 EBR Elan tron H0004 BR WA Elan tron H120 LA Quartzo #200 100 partes por peso 85 partes por peso 1,0 a 1,5 partes por peso 350 partes por peso Sistema Epóxi Alta Resistência

Leia mais