REPARO DE DUTOS DANIFICADOS UTILIZANDO MATERIAIS COMPÓSITOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPARO DE DUTOS DANIFICADOS UTILIZANDO MATERIAIS COMPÓSITOS"

Transcrição

1 REPARO DE DUTOS DANIFICADOS UTILIZANDO MATERIAIS COMPÓSITOS Lizabeth Grace Castellares CENPES/PETROBRÁS Trabalho apresentado na 6 Conferência Sobre Tecnologia de Equipamentos, Salvador, agosto, 2002 As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do autor.

2 SINOPSE Compósitos reforçados com fibra de vidro (CRFV) comerciais e produzido em laboratório, foram caracterizados e avaliados em função de suas propriedades mecânicas, antes e após em petróleo. Tal avaliação foi baseada em dados físico-químicos e físico-mecânicos. Diferentes técnicas de inspeção foram também avaliadas em termos de eficiência na inspeção de dutos já revestidos ( reparados ) com os materiais compósitos. Os resultados experimentais mostraram que, nas condições de ensaio estabelecidas, o compósito preparado em laboratório apresentou maior tenacidade e suas propriedades de tração não foram significativamente alteradas após no petróleo. O material CRFV-3 foi o compósito comercial mais rígido e suas propriedades mecânicas foram as mais alteradas após imersão no fluido. Dentre as técnicas de inspeção de falhas de dutos reparados existentes, a análise de raios-x foi a que apresentou melhor resolução na detecção dos defeitos internos.

3 1- INTRODUÇÃO Polímeros reforçados com fibra são compósitos constituídos por uma matriz, que é uma resina termorrígida, e um reforço estrutural, geralmente fibra de vidro. Esses compósitos apresentam elevada resistência química e excelente desempenho térmico e mecânico (1-3). Tais propriedades fazem com que estes materiais encontrem uma série de aplicações na indústria de petróleo, especialmente como reparo estrutural de dutos danificados por processos corrosivos e/ou acidentes de campo. O uso de CRFV em reparo de dutos traz, como principais benefícios, o aumento da vida útil e a diminuição dos custos de manutenção. É sabido que a técnica de reparo através do uso de materiais compósitos está estabelecida mundialmente para dutos contendo falhas internas, onde a corrosão continua se propagando, e o reparo tornase uma alternativa provisória, isto é, de duração programada, à espera da substituição definitiva do duto reparado. Comercialmente, existem vários tipos de CRFV, e suas composições variam em função do tipo de resina base (primer), sistema de cura, cargas minerais presentes (fillers) e método de preparação do compósito (impregnação dos tecidos de fibra de vidro com a resina). Dessa forma, diferentes comportamentos físico-químicos e físico-mecânicos podem ser encontrados. O objetivo do presente trabalho foi avaliar o desempenho mecânico de diferentes compósitos (três comerciais e um preparado em laboratório), além de analisar a eficiência de três tipos de técnicas de inspeção, capazes de detectar falhas na parede interna dos dutos já reparados com os materiais compósitos. Essas técnicas foram baseadas em ensaios não-destrutivos (END). 2- MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Foram avaliados quatro tipos de CRFV (um preparado em laboratório CRFV1 e três encontrados no mercado CRFV2, CRFV3 e CRFV4). A Tabela 1 mostra, resumidamente, as características de cada material compósito analisado e os métodos usados para a sua preparação..

4 Tabela 1: Características dos compósitos analisados CRFV SISTEMA PROCESSO DE PREPARAÇÃO Método Hand lay-up - Preparação da superfície metálica -Resina tipo epóxi - Fibra de vidro - Aplicação de camadas de resina e de tecidos de fibra de vidro (tipo sanduíche) CRFV1 até alcançar a espessura desejada - Aplicação de camada de resina para proteção e acabamento superficial do compósito CRFV2 -Resina tipo epóxi (resina base - primer) - Resina base + cargas (filler) - Agente de cura -Fibra de vidro (tecido e manta) -Resina poliéster isoftálica Método Hand lay-up - Preparação da superfície metálica - Aplicação de uma camada de primer e cura - Aplicação de uma camada de filler e cura - Aplicação de camadas intercaladas de resina, tecido, resina, manta e resina até alcançar espessura desejada - Aplicação de uma resina de acabamento após cura da última camada de resina CRFV3 CRFV4 - Compósito (formato espiral) - Fita adesiva de dupla face (stard-pad) - Resina base + cargas (filler) -Ativador do adesivo - Ativador do filler -Tecido de fibra de vidro impregnado em resina líquida -Resina tipo epóxi + cargas (filler) -Agente de cura do filler Processo de pultrusão - Preparação da superfície metálica - Colocação do stard-pad (adesivo) sobre o duto - Mistura do filler e ativador sobre defeitos na superfície do duto - Aplicação do compósito sobre o duto - Aplicação do adesivo sobre o compósito - Repetição do procedimento até término dos rolos de compósito - Aplicação de uma resina de acabamento - Preparação da superfície metálica - Aplicação do filler e agente de cura sobre a superfície - Imersão do compósito em água e aplicação sobre o duto - Adição de água durante a aplicação do material Caracterização A identificação do tipo de resina usada nos compósitos foi através de análise de infra-vermelho (FTIR), em equipamento FTIR Sistema 2000, da Perkim Elmer. As propriedades de tração dos CRFVs foram determinadas em equipamento Instron, modelo 4202, de acordo com a norma ASTM D

5 As análises avaliadas para a inspeção das falhas dos dutos reparados foram: Termografia: Câmara termográfica, modelo Prism SP,da Flir Systems Ultra-som: USIP-12 e ECOGRAPH 1080 Raios-X: Equipamento FEDREX Para simular o efeito de possíveis danos internos que possam ocorrer no duto foram confeccionados furos de diferentes diâmetros e profundidades nas placas de aço usadas como padrões. O compósito na forma de reparo foi aplicado sobre a superfície das placas de aço de modo a simular, o mais próximo da realidade, o duto de petróleo com defeitos internos de corrosão. Ensaio de O estudo da influência do contato entre o material compósito e o petróleo foi baseado em resultados obtidos a partir de ensaios acelerados, em equipamentos adequados. A Figura 1 mostra os reatores usados e os corpos de prova devidamente dispostos no seu interior para serem submetidos aos ensaios de em petróleo. Figura 1: Reatores usados no teste de em petróleo. 3- RESULTADOS E DISCUSSÕES Avaliação dos testes de inspeção Os ensaios de termografia e ultra-som usados na inspeção de falhas mostraram, de um modo geral, que não são eficientes no dimensionamento dessas falhas presentes nos dutos. A análise de raios-x apresentou os melhores resultados para a avaliação dos defeitos internos nos dutos sendo, por isso, considerada a de maior potencial para essa aplicação. De acordo com as radiografias obtidas (Figuras 2-4) pode-se observar que é possível identificar falhas internas dos dutos através da técnica em questão, e que a espessura do reparo influencia nas radiografias. Isso devido à variação da densidade ótica dos filmes e nível de cinza das imagens digitais.

6 Figura 2: Radiografia do corpo de prova com espessura do reparo de 3 mm e diâmetro de furo de 10 mm Figura 3: Radiografia do corpo de prova com espessura do reparo de 7,5 mm e diâmetro de furo de 10 mm Figura 4: Radiografia do corpo de prova com espessura do reparo de 15 mm e diâmetro de furo de 10 mm

7 Identificação das resinas dos compósitos analisados por FTIR A Tabela 2 mostra os tipos de resina usados em cada compósito analisado. Tabela 2: Resinas presentes nos compósitos por FTIR CRFV TIPO DE RESINA CRFV1 Resina éster vinílica epoxídica CRFV2 Resina epóxi convencional CRFV3 Polimetacrilato de metila CRFV4 Poliuretano No material CRFV1 identificou-se como resina base uma do tipo éster vinílica epoxídica, que é uma resina epóxi modificada para adquirir maior flexibilidade em relação à convencional. Tal resina é comumente utilizada no mercado atual, onde se requer resinas termorrígidas flexíveis. O compósito CRFV2 possui uma resina epóxi convencional, com características mais rígidas. O material CRFV3 possui como resina base uma do tipo poliéster (polimetacrilato de metila PMMA). O compósito CRFV4 apresenta um processo de aplicação (cura) muito peculiar, à base de água, o que levou a desconfiar de que se tratava de uma resina do tipo poliuretano. Isso foi confirmado na análise de FTIR. Propriedades de tração dos compósitos analisados A Figura 5 mostra o comportamento mecânico dos CRFVs, antes e após processo de em petróleo PROPRIEDADES MECÂNICAS Figura 5: 0 CRFV-1 CRFV-2 CRFV-3 CRFV-4 COMPÓSITO Tensão Máxima (MPa) - Antes Deformação Máxima/100 (%) - Antes do Módulo de Elasticidade (GPa) - Antes do Tensão Máxima (MPa) - Depois do Deformação Máxima/100 (%) - Depois do Módulo de Elasticidade (GPa) - Depois do

8 Figura 5: Propriedades de tração dos CRFVs antes e após em petróleo A Figura 5 mostra que o compósito CRFV1 trata-se de um material de maior flexibilidade. Isso corrobora os resultados obtidos por FTIR, onde foi identificada a presença de uma resina tipo éster vinílica epoxídica, que apresenta características flexíveis. Após a imersão em petróleo, foi verificado que as propriedades mecânicas do CRFV1 não foram afetadas significativamente, sendo observado apenas um pequeno decréscimo dos valores. O material CRFV2 mostrou ser um material rígido e sua rigidez sofreu decréscimo após sua imersão em petróleo. A característica rígida do compósito em questão devese à presença de uma resina epóxi convencional, como observado na análise de FTIR. O material CRFV3 foi o compósito comercial de maior rigidez e após foi observado um decréscimo significativo dessa propriedade. A elevada rigidez deve-se ao fato da resina base ser polimetacrilato de metila. O compósito CRFV4 apresentou uma menor rigidez em relação aos demais compósitos comerciais analisados (CRFV2 e CRFV3). Tal fato corrobora os resultados de FTIR obtidos, onde identificou-se o poliuretano como resina base deste material. O poliuretano do tipo poliéter, contém ligações químicas poliuretânicas, que conferem características elastoméricas ao produto final. Além disso, o grau de variação das propriedades de tração foi menor em relação aos outros materiais comerciais, após em petróleo. Pode-se também verificar que as propriedades de tração deste compósito é similar ao CRFV1, porém, com um nível de rigidez um pouco superior. 4- CONCLUSÕES - Comportamentos mecânicos diferenciados podem ser alcançados em função do tipo de resina base presente no material compósito; - O compósito CRFV1, confeccionado em laboratório, mostrou ser o mais flexível; enquanto que o material comercial CRFV3, à base de polimetacrilato de metila, apresentou elevada rigidez. Entretanto, esta propriedade foi significativamente afetada após sua imersão em petróleo; - O compósito CRFV4 apresentou menor rigidez em relação aos demais produtos comerciais. Isso se deve à presença de poliuretano como resina base; - Dentre as técnicas de inspeção analisadas, a análise de raios-x mostrou ser a mais eficiente na detecção de falhas presentes em dutos reparados.

9 5- REFERÊNCIAS 1. Silva A L. N., Teixeira S. C. S., Widal A. C. C., Mechanical Properties of Polymer Composites Based on Commercial Epoxy Vinyl Éster Resin and Glass Fiber, Polymer Testing, (2001). 2. Nicholson C. M., Patrick A. J., BP Uses Clock Spring System to Repair Crude Oil Pipe Line, Pipe Line & Gas Industry, (March) True W. R., Composite Wrap Approved for U.S. Gas-Pipeline Repairs, Oil & Gas Journal, (Oct) 1995.

Aplicação de materiais compósitos em reparos de tubulações de óleo e gás. Application of composite materials in repairs of pipes for oil and gas

Aplicação de materiais compósitos em reparos de tubulações de óleo e gás. Application of composite materials in repairs of pipes for oil and gas Aplicação de materiais compósitos em reparos de tubulações de óleo e gás Luis Paulo Garcia 1 e Jose Carlos Morilla 2 1 Aluno do Curso de Mestrado na Universidade Santa Cecília, Santos, BR, 2 Professor

Leia mais

1. Introduçao Objetivo

1. Introduçao Objetivo 21 1. Introduçao 1.1. Objetivo Esta tese tem como objetivo analisar e validar modelos que explicam o comportamento de reparos tipo luva em dutos com defeitos caracterizados por perda de espessura. Os reparos

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS USO DE MATERIAIS COMPÓSITOS EM REPAROS DE DUTOS DE AÇO R. T. Fujiyama, A. N. Sousa e F. L. Bastian Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais COPPE

Leia mais

Loctite Composite Repair System Pipe Repair Extendendo a vida da tubulação em até 20 anos

Loctite Composite Repair System Pipe Repair Extendendo a vida da tubulação em até 20 anos Loctite Composite Repair System Pipe Repair Extendendo a vida da tubulação em até 20 anos Indíce 1. Visão Geral 2. A Norma ISO/TS 24817 3. Processo de Certificação 4. Loctite Composite Repair System Pipe

Leia mais

Ariosvaldo S. Vieira Coord. Desenvolvimento Novos Produtos e Processos

Ariosvaldo S. Vieira Coord. Desenvolvimento Novos Produtos e Processos Ariosvaldo S. Vieira Coord. Desenvolvimento Novos Produtos e Processos Introdução Concreto, aço e madeira têm sido os materiais proeminentes utilizados na indústria da construção civil por muitas décadas,

Leia mais

2 Técnicas de Reforço com Materiais Compósitos em Estruturas de Concreto

2 Técnicas de Reforço com Materiais Compósitos em Estruturas de Concreto 2 Técnicas de Reforço com Materiais Compósitos em Estruturas de Concreto 2.1. Notas Iniciais Este capítulo trata de algumas propriedades dos materiais compósitos, as características físico-químicas da

Leia mais

PULTRUSÃO. O reforço de fibras de vidro é puxado continuamente das bobinas para a zona de impregnação,

PULTRUSÃO. O reforço de fibras de vidro é puxado continuamente das bobinas para a zona de impregnação, PULTRUSÃO Pultrusão é um dos métodos de produção desenvolvido para se encontrar demanda de compostos reforçados com fibras de vidro com boas propriedades físicas e mecânicas - compostos que podem competir

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA M. H. de F. Fonseca, U. P. de Lucena Junior, R. O. C. Lima Universidade Federal Rural do Semi-Árido Rua José

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA M. H. de F. Fonseca, U. P. de Lucena Junior, R. O. C. Lima Universidade Federal Rural do Semi-Árido Rua José

Leia mais

químicas e mecânicas da fibra do ubuçu visando sua aplicação em materiais compósitos poliméricos. A poliuretana derivada do óleo de mamona é um

químicas e mecânicas da fibra do ubuçu visando sua aplicação em materiais compósitos poliméricos. A poliuretana derivada do óleo de mamona é um 1 Introdução Atualmente as questões ambientais trazem a tona uma série de quadros problemáticos que estão a nossa volta, principalmente a degradação do meio ambiente. OLIVEIRA et al., (2007) afirmam que

Leia mais

Marco Antonio Carnio

Marco Antonio Carnio RADIERS EM CONCRETO REFORÇADO COM FIBRAS (CRF) APLICAÇÕES DO CRF Aplicações nas quais a distribuição de tensões é bastante variável ou não está bem definida (pavimentos, radiers, revestimento de túneis

Leia mais

Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica

Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica Engineered Polymers Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica Polymers Sealants Polymers Adhesives PP&F Asia Polymers South America Aperfeiçoando a produção de barcos com

Leia mais

INDUSTRIA DO PETROLEO E GAS

INDUSTRIA DO PETROLEO E GAS APLICAÇÕES DE PERFÍS PULTRUDADOS INDUSTRIA DO PETROLEO E GAS Palestrante : Carlos Viegas Apoio O QUE É UM COMPÓSITO ROVING CONTÍNUO RESINA POLIESTER VINIL ESTER FENOLICA EPOXI MANTA DE FIBRA DE VIDRO VÉU

Leia mais

2. INTRODUÇÃO 3. DETECÇÃO DE TRINCAS SUPERFICIAIS

2. INTRODUÇÃO 3. DETECÇÃO DE TRINCAS SUPERFICIAIS NOVAS APLICAÇÕES DE EDDY CURRENT NA INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS Arilson Rodrigues 1, Mauro Araujo 2, Adélio Borges 3 Copyright 2006, ABENDE Trabalho apresentado no CONAEND&IEV 2006, em São Paulo/SP. As informações

Leia mais

Melhoria na qualidade cosmética e durabilidade de acabamento de compósitos reforçados com fibra de vidro. ArmorGuard ARMORCOTE

Melhoria na qualidade cosmética e durabilidade de acabamento de compósitos reforçados com fibra de vidro. ArmorGuard ARMORCOTE Melhoria na qualidade cosmética e durabilidade de acabamento de compósitos reforçados com fibra de vidro ArmorGuard ARMORCOTE Qualidade Comética Os produtos com os melhores acabamentos cosméticos são vistos

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

(21) PI A (51) lnt.ci.: F16L 11/12 F16L 58/02

(21) PI A (51) lnt.ci.: F16L 11/12 F16L 58/02 (21) PI0900091-7 A2 111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111 * B R P I O 9 O O O 9 1 A 2 * (22) Data de Depósito: 09/01/2009 (43) Data da Publicação: 19/10/2010 (RPI

Leia mais

SISTEMAS DE POLIURETANO POLYURETHANE

SISTEMAS DE POLIURETANO POLYURETHANE SISTEMAS DE POLIURETANO POLYURETHANE Introdução A Univar Brasil conta com um laboratório exclusivo para desenvolvimento e aplicação de sistemas de poliuretano. Uma série de produtos especiais é desenvolvida

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO TANQUE

ESPECIFICAÇÃO DO TANQUE ESPECIFICAÇÃO DO TANQUE FILTRO ASCENDENTE DE UMA ETE TANQUE CILINDRICO VERTICAL COM FUNDO PLANO APOIADO DIÂMETRO DO COSTADO: 2500 mm ALTURA DO COSTADO : 3700 mm LINER: 0,5 mm BARREIRA DE CORROSÃO: 2,0

Leia mais

Título: Comportamento mecânico de materiais compósitos FRP a temperatura elevada. Orientador: João Ramôa Correia

Título: Comportamento mecânico de materiais compósitos FRP a temperatura elevada. Orientador: João Ramôa Correia Título: Comportamento mecânico de materiais compósitos FRP a temperatura elevada Os materiais compósitos de polímero reforçado com fibras (FRP) apresentam diversas vantagens face aos materiais tradicionais

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS BOBINADOS EM DIVERSAS ORIENTAÇÕES DO REFORÇO

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS BOBINADOS EM DIVERSAS ORIENTAÇÕES DO REFORÇO CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS BOBINADOS EM DIVERSAS ORIENTAÇÕES DO REFORÇO Eduardo da Silva Leitão 1, Gerson Marinucci 2, Osni de Carvalho 1, Arnaldo H.P. de Andrade 2 1-Centro Tecnológico

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

FICHA TÉCNICA: MANTA ASFÁLTICA. Manta Asfáltica 4mm e 3mm Tipo II Estrutura com Poliéster

FICHA TÉCNICA: MANTA ASFÁLTICA. Manta Asfáltica 4mm e 3mm Tipo II Estrutura com Poliéster FICHA TÉCNICA: MANTA ASFÁLTICA Manta Asfáltica 4mm e 3mm Tipo II Estrutura com Poliéster Manta impermeabilizante pré-fabricada à base de asfalto modificado com polímeros, estruturada com não tecido de

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO DECANTADOR. A Bakof Tec fabrica produtos em PRFV (Poliéster Reforçado em Fibra de Vidro) e

DESCRITIVO TÉCNICO DECANTADOR. A Bakof Tec fabrica produtos em PRFV (Poliéster Reforçado em Fibra de Vidro) e DESCRITIVO TÉCNICO DECANTADOR A Bakof Tec fabrica produtos em PRFV (Poliéster Reforçado em Fibra de Vidro) e PEMD (Polietileno de Média Densidade), além de desenvolver e executar projetos na área de Engenharia

Leia mais

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI Ultra Polimeros PEEK Polimeros de Alta-Performance Polimeros de Engenharia PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI SEMI-CRISTALINO PEEK - Poli(éter-éter-cetona) PEEK é um termoplástico de Ultra Performance que

Leia mais

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM 54 4.4.2 Ensaio de impacto Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM D 256-03 (método Izod), na temperatura de 28 C, em um equipamento de impacto por pêndulo conforme

Leia mais

SOLUÇÕES INOVADORAS EM REVESTIMENTOS COMPÓSITOS

SOLUÇÕES INOVADORAS EM REVESTIMENTOS COMPÓSITOS SOLUÇÕES INOVADORAS EM REVESTIMENTOS COMPÓSITOS Participação: Olavo Barbour Filho REVESTIMENTOS EM COMPÓSITOS Proteção plena contra corrosão em ambientes agressivos Monolítico reforçado com fibra e escamas

Leia mais

Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas - Facilitadores Soluções Produtivas - FSP

Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas - Facilitadores Soluções Produtivas - FSP Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas - Facilitadores Soluções Produtivas - FSP cromitec Há 20 anos fabricando resinas poliéster insataturado Tecnologia da Euromere para

Leia mais

Dutos. 14 mm PLASTCS Emenda 90º PLASTCS-30 RETA Emenda Reta

Dutos. 14 mm PLASTCS Emenda 90º PLASTCS-30 RETA Emenda Reta Dutos Os Dutos Dutoplast têm uma infinidade de utilizações. Produzidos em PVC nas cores cinza, creme, azul, azul petróleo e preta, as barras têm medidas de 2 ou 4 metros, e têm comprovada utilização em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE DE CORROSÃO SOB TENSÃO (CST) EM DUTO SUJEITO À MOVIMENTAÇÃO DE SOLO

AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE DE CORROSÃO SOB TENSÃO (CST) EM DUTO SUJEITO À MOVIMENTAÇÃO DE SOLO AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE DE CORROSÃO SOB TENSÃO (CST) EM DUTO SUJEITO À MOVIMENTAÇÃO DE SOLO João Hipolito de Lima Oliver Eng. Eletricista TRANSPETRO Confiabilidade de Dutos Byron Gonçalves de Souza

Leia mais

MANGUEIRA VERDE SEMI-TRANSPARENTE TIPO LATEX

MANGUEIRA VERDE SEMI-TRANSPARENTE TIPO LATEX MANGUEIRA VERDE SEMI-TRANSPARENTE TIPO LATEX Mangueira verde monocolor, semi-transparente, de elevada qualidade e muito bom comportamento ao frio e calor de - 15ºC a + 50ºC. Excelente maleabilidade e acabamento

Leia mais

SISTEMA EPOXI Líquido Mármores e Granitos

SISTEMA EPOXI Líquido Mármores e Granitos 120 Telagem Comp. A É recomendado como adesivo para fixação de tecido (telagem) em chapas e ladrilhos de mármore e granitos Epóxi Líquido Alta 100 : 20pp reforçando-as. Apresenta boa penetração e impregnação

Leia mais

Concreto de Alto Desempenho

Concreto de Alto Desempenho Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Concretos Especiais Concreto de Alto Desempenho Material de alta resistência

Leia mais

ANTONIO CARLOS MOUTINHO

ANTONIO CARLOS MOUTINHO ANTONIO CARLOS MOUTINHO FORMAÇÃO ACADÊMICA - Universidade Mackenzie - Curso de Engenharia Civil - Universidade de São Paulo - USP - Especialização em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública - USP

Leia mais

INCORPORAÇÃO DO REJEITO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZ POLIMÉRICA

INCORPORAÇÃO DO REJEITO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZ POLIMÉRICA INCORPORAÇÃO DO REJEITO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZ POLIMÉRICA A. C. A. SOUSA 1, T. S. CARVALHO 1, I. F. SANTOS 2 e M. H.V da SILVA 3 1, 3 Instituto Federal do Pará, Coordenação de Engenharia de Materiais

Leia mais

PMR 2202 Projeto 2 - Estampagem

PMR 2202 Projeto 2 - Estampagem PMR 2202 Projeto 2 - Estampagem Os ensaios de fabricação avaliam características intrínsecas do material em produção. Geralmente processos de conformação mecânica de materiais metálicos exigem o conhecimento

Leia mais

Painel da Construção Civil FEIPLAR-2016

Painel da Construção Civil FEIPLAR-2016 Painel da Construção Civil FEIPLAR-2016 A TEXIGLASS está presente em todos os continentes Tecidos para Construção Civil Tecidos de Fibra de Vidro (Vidro E e Vidro A.R. ) Tecidos de Fibra de Carbono São

Leia mais

Montenegro, Fernandes & Cª, S.A.

Montenegro, Fernandes & Cª, S.A. RHYNOBELT - pª Madeira - Emb= 10un Resina de alta resistência. Menor perda de grão Suporte robusto. Ideal para lixadora portátil Cintas de lixa 410x65 G-36 IN01410036 Cintas de lixa 410x65 G-40 IN01410040

Leia mais

ASFALTOS MODIFICADOS

ASFALTOS MODIFICADOS ASFALTOS MODIFICADOS Razões para substituição de asfaltos convencionais por modificados Vias com alto volume de tráfego (ex.: corredores de ônibus) Melhoria da resistência à formação de trilhas de roda

Leia mais

Desenvolvimento presente em todo o mundo.

Desenvolvimento presente em todo o mundo. 1 Desenvolvimento presente em todo o mundo. - Faturamento anual de U$ 18 bilhões. - Mais de 875 unidades em 54 países Fundada em 1912, a Illinois Tool Works Inc. é uma empresa multinacional produtora de

Leia mais

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Dados Técnicos Agosto/99 Descrição do Produto TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Produto extrusivo, com rápido tempo de cura inicial, utilizado para colagem de madeira. Produto extrusivo com rápido tempo de cura

Leia mais

Resolução do 1º Teste de Ciência de Materiais. Lisboa, 27 de Abril de 2010 COTAÇÕES

Resolução do 1º Teste de Ciência de Materiais. Lisboa, 27 de Abril de 2010 COTAÇÕES Resolução do 1º Teste de Ciência de Materiais Lisboa, 27 de Abril de 2010 COTAÇÕES Pergunta Cotação 1. (a) 0,50 1. (b) 0,50 1. (c) 0,50 1. (d) 0,50 2. (a) 0,50 2. (b) 0,50 2. (c) 0,50 2. (d) 0,50 2. (e)

Leia mais

ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F

ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F Produto ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F é uma argamassa bicomponente à base de cimento, polímeros acrílicos e fibras sintéticas que, depois da mistura, resulta numa argamassa coesa, tixotrópica e de fácil moldagem.

Leia mais

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo.

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido Meios de Ligação 4 Objetivo Conhecer os sistemas de ligação utilizados nas estruturas de aço Ligações nas Estruturas Metálicas Aço As ligações nas

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO

MANUAL TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO MANUAL TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO ÍNDICE FICHA TÉCNICA DAS PLACAS DE SINALIZAÇÃO FIBRALIT SIGNUM ENSAIO DE CIZALHAMENTO - NORMA ASTM 8 ENSAIO DE TRAÇÃO - NORMA ASTM D 8 RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO PREPARAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Reparo. As melhores soluções para recuperação de estruturas

Sistemas de Reparo. As melhores soluções para recuperação de estruturas Sistemas de Reparo As melhores soluções para recuperação de estruturas Reparo do concreto A deterioração do concreto é provocada por diversos fatores, sejam de caráter atmosférico como a chuva ácida e

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLEXÃO DO COMPÓSITO PLÁSTICO REFORÇADO COM FIBRAS DE VIDRO QUANDO EM CONTATO COM DIFERENTES FLUIDOS

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLEXÃO DO COMPÓSITO PLÁSTICO REFORÇADO COM FIBRAS DE VIDRO QUANDO EM CONTATO COM DIFERENTES FLUIDOS AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLEXÃO DO COMPÓSITO PLÁSTICO REFORÇADO COM FIBRAS DE VIDRO QUANDO EM CONTATO COM DIFERENTES FLUIDOS Camilla M. Dantas¹, Renata C. T. S. Felipe², Raimundo N. B. Felipe³ ¹Instituto

Leia mais

PIPESTRAND O NOVO CONCEITO PARA EQUIPAMENTOS E TUBOS DE ALTA E BAIXA PRESSÃO

PIPESTRAND O NOVO CONCEITO PARA EQUIPAMENTOS E TUBOS DE ALTA E BAIXA PRESSÃO PIPESTRAND O NOVO CONCEITO PARA EQUIPAMENTOS E TUBOS DE ALTA E BAIXA PRESSÃO Feiplar São Paulo, Brasil Nov. 2016 Elton Guiguer Owens Corning Copyright 2016 Owens Corning. Todos os Direitos Reservados.

Leia mais

Emcekrete EP Graute Epóxi de Alto Desempenho. Eng.º João Marcos Coutinho Jan 2015

Emcekrete EP Graute Epóxi de Alto Desempenho. Eng.º João Marcos Coutinho Jan 2015 Emcekrete EP Graute Epóxi de Alto Desempenho. Eng.º João Marcos Coutinho Jan 2015 Sumário 1. Onde é usado e porque 2. Principais Características 3. Principais Benefícios 4. Aplicação / cases 5. MC-Bauchemie

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS Cheila G. Mothé 1*, Carla R. de Araújo 1 1 Universidade Federal do Rio de Janeiroe UFRJ, Escola de

Leia mais

FOLDER JJ BARROSO LTDA - ME

FOLDER JJ BARROSO LTDA - ME FOLDER Item 01: Mesa reunião redonda Mesa reunião para restaurante com diâmetro de 900 mm e altura de 750 mm com apoio. Tampo em MDF, com espessura de 25 mm, revestida com laminado melamínico de baixa

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 153

Norma Técnica SABESP NTS 153 Norma Técnica SABESP NTS 153 Esquema de pintura para equipamentos e materiais plásticos expostos a raios solares Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 153 : 2001 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1

Leia mais

Novos estudos de resinas DERAKANE em Hipoclorito de Sódio

Novos estudos de resinas DERAKANE em Hipoclorito de Sódio Novos estudos de resinas DERAKANE em Hipoclorito de Sódio Evaldo Mota Nov/2012 Agenda Breve apresentação da Ashland Hipoclorito de Sódio Perspectiva Histórica Estudos de Resistências Químicas Conclusões

Leia mais

Soluções em Fibra de Vidro para Nacelles. By: Sinésio Baccan

Soluções em Fibra de Vidro para Nacelles. By: Sinésio Baccan Soluções em Fibra de Vidro para Nacelles By: Sinésio Baccan Agenda 1. Necessidades do Mercado 2. Vidro Advantex 3. Características que Definem o Tecido 4. Tecidos Costurados 5. Vidro de Alta Performance

Leia mais

ARGAMASSA ESTRUTURAL 250

ARGAMASSA ESTRUTURAL 250 Produto ARGAMASSA ESTRUTURAL 250 é uma argamassa bicomponente à base de cimento e polímeros acrílicos que, depois da mistura, resulta numa argamassa coesa, tixotrópica e de fácil moldagem. O produto apresenta

Leia mais

APROVEITAMENTO DE RESÍDUO TÊXTIL EM MATERIAL COMPÓSITO (CONCRETO)

APROVEITAMENTO DE RESÍDUO TÊXTIL EM MATERIAL COMPÓSITO (CONCRETO) APROVEITAMENTO DE RESÍDUO TÊXTIL EM MATERIAL COMPÓSITO (CONCRETO) José Renato de Castro Pessôa (J.R.C.Pessôa) Rua Manoel José da Cunha 110 Cônego Nova Friburgo CEP 28621-100 jrenatopessoa@gmail.com Universidade

Leia mais

Discos CS e Rodas Laminadas CS Scotch-Brite Industrial

Discos CS e Rodas Laminadas CS Scotch-Brite Industrial 3 Discos CS e Rodas Laminadas CS Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: janeiro/2002 Página 1 de 6 Introdução: Os Discos CS e Rodas Laminadas CS (Clean N Strip) são originários

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá LIGAÇÕES Edificações Ligações entre vigas; Ligações entre viga e coluna; Emenda de colunas; Emenda de vigas; Apoio de colunas;

Leia mais

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina MC 153 NF Blue_Endurecedor W 57.01 Resina epóxi

Leia mais

MOLA MECÂNICA. Arames de Alto Teor de Carbono

MOLA MECÂNICA. Arames de Alto Teor de Carbono MOLA MECÂNICA Arames de Alto Teor de Carbono Belgo Bekaert Arames. Qualidade que faz a diferença. Produto A linha de produtos de arames para mola mecânica da Belgo Bekaert Arames é indicada para aplicações

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM

PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM E FABRICAÇÃO DE PEÇAS DE PLÁSTICO Prof. Lopes INCLUEM PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATERIAL : QUÍMICOS ELÉTRICOS TÉRMICOS MECÂNICOS Usinagem Química Filme Usinagem Quimica

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO LIGAÇÕES POR CONECTORES Edson Cabral de Oliveira TIPOS DE CONECTORES E DE LIGAÇÕES O conector é um meio de união que trabalha através de furos feitos nas chapas. Tipos de conectores:

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

Introdução aos Materiais Compósitos

Introdução aos Materiais Compósitos Universidade Federal de Alagoas UFAL Centro de Tecnologia - CTEC Programa de Pós-Graduação em Materiais - PPGMAT Disciplina: Materiais Compósitos Introdução aos Materiais Compósitos Professor: Márcio André

Leia mais

Sistemas para paredes

Sistemas para paredes Sistemas para paredes Wall Tech Descrição geral Aplicações Integra-se perfeitamente aos sistemas de pisos em MMA, formando um sistema monolítico único. Ideal para ambientes internos, é aplicável diretamente

Leia mais

ANÁLISE DA PROPRIEDADE MECÂNICA DE TRAÇÃO EM PERFIS ESTRUTURAIS PULTRUDADOS EM FIBRA DE VIDRO E RESINA TERMOFIXA.

ANÁLISE DA PROPRIEDADE MECÂNICA DE TRAÇÃO EM PERFIS ESTRUTURAIS PULTRUDADOS EM FIBRA DE VIDRO E RESINA TERMOFIXA. ANÁLISE DA PROPRIEDADE MECÂNICA DE TRAÇÃO EM PERFIS ESTRUTURAIS PULTRUDADOS EM FIBRA DE VIDRO E RESINA TERMOFIXA. Guilherme Moreira Santos 1, Carlos Augusto Gomes 2, Francisco Kioshi Arakaki 3 1 Universidade

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO. Francisco Ceará Barbosa, Amarais - Campinas - SP fibralit.com.br

RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO. Francisco Ceará Barbosa, Amarais - Campinas - SP fibralit.com.br Francisco Ceará Barbosa, 89 - Amarais - Campinas - SP -.08-00 - fibralit.com.br Fone: 9 000-0800 0 0809 - Fax: 9 - fibralit@fibralit.com.br ORIENTAÇÃO DE COMO PROCEDER NA ESTRUTURAÇÃO E FIXAÇÃO DE PLACAS

Leia mais

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração.

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração. IMPERMEABILIZAÇÃO Têm a função de proteger a edificação contra patologias que poderão surgir como possível infiltração de água. Classificação RÍGIDAS Baixa capacidade de deformação FLEXÍVEIS Suportam deformações

Leia mais

Técnicas Laboratoriais Ensaios Destrutivos

Técnicas Laboratoriais Ensaios Destrutivos UFCD 5817 09-02-2015 Técnicas Laboratoriais Ensaios Destrutivos Reflexão Nesta UFCD começamos por abordar os diferentes tipos de ensaios destrutivos, interpretar as normas e tabelas para cada um dos ensaios

Leia mais

CORRECÇÃO do 1º Teste de Ciência de Materiais COTAÇÕES. Cotaçãoo

CORRECÇÃO do 1º Teste de Ciência de Materiais COTAÇÕES. Cotaçãoo CORRECÇÃO do 1º Teste de Ciência de Materiais COTAÇÕES Pergunta Cotaçãoo 1. (a) 0,50 1. (b) 0,50 2. (a) 0,50 2. (b) 0,50 2. (c) 0,50 2. (d) 0,50 3. (a) 0,50 3. (b) 0,50 3. (c) 0,50 3. (d) 0,50 3. (e) 0,50

Leia mais

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro?

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? 5. PROPRIEDADES O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? As propriedades intrínsecas e essenciais do vidro são transparência e durabilidade. Outras propriedades tornam-se significantes

Leia mais

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Agenda O Mercado Automotivo Cenário Atual e Desafios A versatibilidade do Poliuretano e sua

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Alexandre Rodrigues de Barros Paulo César Correia Gomes Aline da Silva Ramos Barboza Universidade Federal De Alagoas

Leia mais

PREGÃO SESC/AN Nº 17/0001 PG COM PRÉ-QUALIFICAÇÃO ANEXO IA - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA COMPLEMENTAR

PREGÃO SESC/AN Nº 17/0001 PG COM PRÉ-QUALIFICAÇÃO ANEXO IA - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA COMPLEMENTAR PREGÃO SESC/AN Nº 17/0001 PG COM PRÉ-QUALIFICAÇÃO ANEXO IA - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA COMPLEMENTAR 01. Cadeira Operacional para Chefe de Departamento (ABNT - Tipo A ), espaldar alto, regulagem de altura e

Leia mais

INSPEÇÃO DE DEFEITOS EM REVESTIMENTOS DE MATERIAIS COMPÓSITOS

INSPEÇÃO DE DEFEITOS EM REVESTIMENTOS DE MATERIAIS COMPÓSITOS CONAEND&IEV2012-054 INSPEÇÃO DE DEFEITOS EM REVESTIMENTOS DE MATERIAIS COMPÓSITOS APLICADOS EM TANQUES METÁLICOS UTILIZANDO SHEAROGRAFIA João Paulo F. M. de Souza 1, Daniel P. Willemann 2, Armando Albertazzi

Leia mais

Licenciatura em Física Termodinâmica (TMDZ3) Professor Osvaldo Canato Júnior 1º semestre de 2016

Licenciatura em Física Termodinâmica (TMDZ3) Professor Osvaldo Canato Júnior 1º semestre de 2016 Licenciatura em Física Termodinâmica (TMDZ3) Professor Osvaldo anato Júnior 1º semestre de 216 Questões termometria e expansão térmica de sólidos e líquidos t ( ) 2 1. Mediu-se a temperatura de um corpo

Leia mais

Boletim Técnico Outubro, 2011

Boletim Técnico Outubro, 2011 Extreme Sealing Tape Boletim Técnico Outubro, 2011 Descrição do Produto 3M Extreme Sealing Tape é uma fita simples face com adesivo sensível à pressão desenvolvida para aplicações de difícil vedação. O

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS PARA REFORÇO ESTRUTURAL E ISOLAMENTO TÉRMICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL FEICON

UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS PARA REFORÇO ESTRUTURAL E ISOLAMENTO TÉRMICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL FEICON UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS PARA REFORÇO ESTRUTURAL E ISOLAMENTO TÉRMICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL FEICON - 2014 VISTA AÉREA DA UNIDADE FABRIL DA TEXIGLASS VINHEDO SP 2 POR QUE UTILIZAR REFORÇOS DE FIBRA DE VIDRO

Leia mais

Mangueiras Perfis Técnicos

Mangueiras Perfis Técnicos Produtos de Qualidade Mangueiras Perfis Técnicos Mangueiras Apresentação NASHA, fundada em 1990, possui ex- tubos e perfis técnicos extrudados em PVC periência no mercado industrial e neste perío- (policloreto

Leia mais

10/25/10. Artur Luís Daniel Viera da Silva Inês Rocha Rodrigo Tavares Rui Moreira

10/25/10. Artur Luís Daniel Viera da Silva Inês Rocha Rodrigo Tavares Rui Moreira Artur Luís Daniel Viera da Silva Inês Rocha Rodrigo Tavares Rui Moreira 1 O que são adesivos estruturais Vantagens de desvantagens do uso de adesivos estruturais Tipos de adesivos estruturais Requerimentos

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 2 Cargas que Atuam nas estruturas Índice Forças Vetoriais Geometria das Forças Cargas Quanto a Frequência Levantamento de Cargas Simples Equilíbrio Interno

Leia mais

BAYMER PE 9590/B16 INFORMATIVO TÉCNICO PROVISÓRIO PRODUTO EXPERIMENTAL

BAYMER PE 9590/B16 INFORMATIVO TÉCNICO PROVISÓRIO PRODUTO EXPERIMENTAL (1/5) BAYMER PE 9590/B16 INFORMATIVO TÉCNICO PROVISÓRIO PRODUTO EXPERIMENTAL Nº. Revisão Data: 01 Abr-00 Área Poliuretanos Aplicação Técnica Nossa assessoria técnica - tanto verbal quanto escrita ou através

Leia mais

COMPORTAMENTO MECÂNICO DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS REFORÇADOS COM TECIDO DE BASALTO

COMPORTAMENTO MECÂNICO DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS REFORÇADOS COM TECIDO DE BASALTO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS REFORÇADOS COM TECIDO DE BASALTO Aluno: Thiago Pires Santoloni Lara Orientador: Flávio de Andrade Silva 1. Motivação e Objetivos O concreto convencional

Leia mais

GAMA AMBICABOS CD26R02

GAMA AMBICABOS CD26R02 GAMA AMBICABOS ÍNDICE 1. Apresentação do Tubo... 3 2. Materiais e Plano de Inspecção e Ensaio de Recepção...3-4 3. Especificações Técnicas... 4-5 4. Acessórios... 6 5. Instalação / Utilização... 6 Data.

Leia mais

RTM - Resin Transfer Molding COMPOSITES

RTM - Resin Transfer Molding COMPOSITES RTM - Resin Transfer Molding COMPOSITES INTRODUÇÃO O processo denominado RTM (Resin Transfer Molding) é uma moderna versão de um velho método chamado Método Marco desenvolvido por I. Mustak (Marco Chemical)

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO André Fontebassi Amorim Silva (1), Jéssica da Silva Coelho (2), Jéssica Laila Rodrigues

Leia mais

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume:

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Porosidade - é a razão entre o volume de vazios e o volume total de uma amostra da rocha: Absorção de água ou índice de absorção

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp sabesp Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid. Req...: Duração...: Objeto: FORNECIMENTO DE TANQUES CILINDRICOS VERTICAIS EM POLIESTER REFORÇADO

Leia mais

Resistência a abrasão - Resistência a hidrólise Excelente flexibilidade - Excepcional raio de curvatura Boa Resistência química - Fácil montagem

Resistência a abrasão - Resistência a hidrólise Excelente flexibilidade - Excepcional raio de curvatura Boa Resistência química - Fácil montagem TUBOS EM POLIURETANO (98 SHORE A) PRODUTOS E ARTEFATOS PLÁSTICOS LTDA-ME. AV. QUEIROS DOS SANTOS, 1.790 - CASA BRANCA - SANTO ANDRÉ -SP ( VENDAS: (55-11) 4509-1888 / 4509-1055 / 4509-1099 Os Tubos em PU

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS COMPÓSITOS FEITOS PELA MOLDAGEM POR TRANSFERÊNCIA DE RESINA PARA APLICAÇÃO EM SISTEMAS PROPULSORES.

CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS COMPÓSITOS FEITOS PELA MOLDAGEM POR TRANSFERÊNCIA DE RESINA PARA APLICAÇÃO EM SISTEMAS PROPULSORES. CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS COMPÓSITOS FEITOS PELA MOLDAGEM POR TRANSFERÊNCIA DE RESINA PARA APLICAÇÃO EM SISTEMAS PROPULSORES. Cláudia M. da Fontoura*, Ianto C. L. Rocha, Carlos A. Ferreira, Sandro C.

Leia mais

Materiais de Construção II

Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Materiais de Construção II Propriedades Mecânicas do Concreto em seu estado ENDURECIDO Professora: Mayara Moraes Propriedades no estado endurecido

Leia mais

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP L U M I N U M MANUAL TÉCNICO Francisco Ceará Barbosa, 859 - Campo dos Amarais - Campinas - SP - 1.08-00 fibralit.com.br - PABX: 19 16 000 - DDG: 0800 701 0809 - luminum@fibralit.com.br PROPRIEDADES DOS

Leia mais

MANUAL PRÁTICO ARI 03

MANUAL PRÁTICO ARI 03 MANUAL PRÁTICO ARI 03 INSPEÇÃO E SUBISTITUIÇÃO DE CINTAS DE POLIÉSTER Desenvolvido por Gustavo Cassiolato A importância da inspeção inspeção ins.pe.ção sf(latinspectione)1ação de ver, de olhar, de observar.2

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT Painéis ISOJOINT WALL PUR Construção civil Os Painéis ISOJOINT WALL PUR são constituídos de núcleo de PUR (poliuretano) ou PIR (Poliisocianurato)

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO LCP

RELATÓRIO DE ENSAIO LCP Empresa: Bérkel Chapas Acrílicas Ltda. Endereço: Av. Presidente Arthur Bernardes, 46/66 - Rudge Ramos. S Bernardo do Campo SP CEP: 09618-000. Tel.: (11) 4362-1300 Fax: (11) 4362-1300 A/C: Patrícia Greco.

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos.

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sistemas de pintura Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sua aplicação resulta em uma película

Leia mais