A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn"

Transcrição

1 3 Materiais e Procedimentos Experimentais 3.1 Materiais Utilizados Com o objetivo de se avaliar o efeito do Mn no comportamento do metal de solda depositado, foram produzidos experimentalmente pela CONARCO (Argentina) quatro tipos de eletrodos revestidos para soldagem manual da classe AWS E9018-B3 / E8018B3L com 4,0mm de diâmetro e teores de Mn variando entre 0,4 e 1,1%, observa-se que o eletrodo com teor de Mn de 1,1 é experimental. Antes da soldagem os eletrodos foram ressecados a C em um forno por 1,5 h e transferido para estufa de 100 C+ 25 C e mantido até sua utilização. Utilizou-se como material base, o aço ASTM A - 36 em forma de chapa laminada com dimensões 150x300x19mm. A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. Tabela 2 - Composição química de depósito do eletrodo puro. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn E6457 0,015 0,012 0,042 0,30 0,05 2,35 1,05 0,50 E6458 0,015 0,011 0,049 0,30 0,05 2,35 1,10 0,78 E6459 0,016 0,011 0,049 0,30 0,05 2,30 1,05 1,07 E6460 0,016 0,011 0,050 0,35 0,05 2,25 1,10 1,40 Os consumíveis aqui apresentados serão classificados de acordo com a especificação AWS A [68] a qual determina os seguintes parâmetros (Tabela 3):

2 43 Composição química: Tabela 3 Composição química para os eletrodos E9018-B3 e E8018-B3L (elementos químicos dados em peso percentual ) ELETRODO C Mn Si P S Cr Mo E9018-B3 0,05-0,12 0,90 0,80 0,03 0,03 2,00-2,50 0,90-1,20 E8018-B3L 0,05 0,90 0,80 0,03 0,03 2,00-2,50 0,90-1,20 Propriedades mecânicas do metal depositado (Tabela 4): Tabela 4 - Propriedades mecânicas do metal de solda depositado (E9018-B3 e E8018- B3L) Limite de Resistência à Alongamento Escoamento a 0,2% ELETRODO tração mínima Mínimo (mín.) (L.R.) em MPa (AL.) em % (L.E.) em MPa E9018-B E8018-B3L (Tabela 5): Tipo de revestimento, posições de soldagem e tipo de corrente utilizada Tabela 5 - Tipo de revestimento, posições de soldagem e tipo de corrente utilizada para metal de solda depositado (E9018-B3 e E8018-B3L) Posição de ELETRODO Revestimento Tipo de Corrente Soldagem baixo- plana, corrente contínua E9018-B3 hidrogênio e pó horizontal,vertical (CC + ) ou de ferro e sobre-cabeça corrente alternada baixo- plana, horizontal, corrente contínua E8018-B3L hidrogênio e pó vertical e sobre- (CC + ) ou de ferro cabeça corrente alternada

3 Procedimento Experimental A junta soldada foi confeccionada a partir de uma chapa laminada com dimensões 150x 300x19mm, conforme descrito no item 3.1. A Figura 10 mostra a seção transversal da junta, que apresenta a geometria do chanfro confeccionado em forma de V obtido por meio de usinagem e mata junta para o passe de raiz. A geometria da junta é justificada em função de trabalhos anteriores [2]. A soldagem manual foi executada com 25 passes e 8 camadas com preaquecimento de 150 C. Posteriormente ocorreu o enchimento pela técnica multipasse, cujos parâmetros estão mostrados na tabela 6. Devido as dimensões da chapa, foi necessária a utilização de 2 suportes soldados às chapas ( cachorros ) para minimizar a distorção. Figura 10 Esquema de montagem das chapas para soldagem com eletrodos revestidos seguindo a metodologia de trabalhos anteriores. (cotas em mm)

4 45 Os parâmetros de soldagem utilizados, estão mostrados na Tabela 6. Tabela 6- Parâmetros de Soldagem PARÂMETROS DE SOLDAGEM Dimensões do eletrodo Posição de soldagem Corrente Tempo Tensão Comprimento do cordão depositado Aporte Térmico 4,0mmx400mm plana 160 a 170 A 80s 24 a 26V 300mm 1kJ/mm Temperatura de preaquecimento 150 C Temperatura de Interpasse 200 C O aporte térmico apresentado na tabela 6 foi calculado a partir da fórmula: H = η E.I/V 0,76. Onde: η = eficiência do processo, eletrodo revestido: 0,66 a 0,85, sendo a média E = Voltagem (V) I = Corrente (A) V = Velocidade de Soldagem (mm/s) 3.3 Análise Química Retirou-se amostras para análise química dos metais depositados, do centro dos cordões de solda, para determinação dos teores de elementos de liga a saber: C, Mn, P, S, Si, Cu, Cr, Ni, Mo, Nb, Sn, Sb, As e N. direta. Análise química foi realizada por espectrometria de plasma e combustão

5 Tratamentos Térmicos Utilizou-se fornos a resistência do tipo mufla para a realização dos tratamentos térmicos, conforme Tabela 7. Foram avaliadas as seguintes condições: Tabela 7 Tratamentos Térmicos realizados Condição Tratamento Térmico 1 Sem tratamento térmico (como soldado) -CS 2 Tratamento Térmico de Alívio de Tensões - TTAT 3 Tratamento Térmico de step-cooling - TTSC 4 Tratamento térmico de Alívio de Tensões seguido de Tratamento Térmico de step-cooling TTAT + TTSC Tratamento térmico de alívio de tensões (TTAT), consistindo de aquecimento a 680 C por 2 horas seguido de resfriamento ao ar, tratamento térmico de step-cooling (TTSC), com duração de 233 horas, aplicado com objetivo de simular as condições de horas de serviço de um vaso de pressão, sendo aplicado após o TTAT. O ciclo térmico deste tratamento é representado na Figura 11.

6 47 Figura 11 - Esquema do ciclo térmico do tratamento de step-cooling utilizado [19]. 3.5 Ensaios Mecânicos Ensaio de Impacto Charpy-V Realizou-se ensaios de impacto Charpy-V, nas temperaturas de 0 C, 22 C(ambiente) e 60 C, para os metais de solda nas condições de: CS, TTAT, TTSC e TTAT + SC, em corpos-de-prova padronizados em ASTM E-23, com dimensões de 10 x 10 x 55 mm, retirados transversalmente a junta soldada, para cada composição e condição de tratamento. O entalhe foi posicionado no centro do cordão e no plano da espessura. Os corpos-de-prova Charpy foram confeccionados por aplainamento, seguindo-se retífica das superfícies e usinagem do entalhe por brochadeira, sendo que a geometria do entalhe foi avaliada em projetor de perfis. Utilizou-se em média quatro corpos-de-prova para cada uma das temperaturas de ensaio. Sendo que, para os ensaios na temperatura inferior à ambiente, as amostras foram imersas em mistura de gelo e álcool. Todos os corpos-de-prova de Charpy foram retirados transversalmente ao cordão de solda e

7 48 à 2mm da superfície da junta (Figura 12), sendo o entalhe posicionado no plano da espessura e no centro do cordão de solda. A Figura 13 apresenta a posição de retirada dos corpos-de-prova de impacto. Figura 12 - Esquema de retirada do corpo-de-prova para ensaio Charpy -V (cotas em mm). Figura 13 Perspectiva mostrando o posicionamento dos corpos-de-prova de Charpy-V, em relação aos cordões de solda.

8 Ensaio de Tração Os ensaios de tração foram realizados em máquina universal de ensaios de fabricação INSTRON.10T modelo 5500R. Os corpos-de-prova são do tipo MINITRAC, o que corresponde ser o corpo-de-prova retirado em toda a sua extensão do metal de solda, segundo a norma IIW: IX [69] (Figura 14). Os ensaios foram realizados à temperatura ambiente para avaliação do limite de resistência, limite de escoamento, alongamento e redução de área. A Figura 15 apresenta a posição de retirada dos corpos-de-prova de tração. Figura 14 - Geometria do corpo-de-prova de tração (cotas em mm). Figura 15 Perspectiva mostrando o posicionamento dos corpos-de-prova de tração MINITRAC, em relação aos cordões de solda.

9 Ensaio de Microdureza HV Realizou-se ensaios de microdureza Vickers nos metais de solda, na posição relativa ao entalhe Charpy V. Os ensaios de microdureza foram realizados tomando-se medidas, na região central, na vertical, no sentido do passe de revenimento para o passe de raiz, gerando dessa forma uma série de medidas de dureza das quais retiraram-se as médias de 10 impressões, conforme mostrado esquematicamente na Figura 16. O equipamento utilizado foi um microdurômetro da marca SHIMADZU modelo HMV-2000, com capacidade máxima de carregamento de 2 kgf. A carga utilizada nos testes foi de 100g por 15s. Figura 16 - Detalhe mostrando as regiões do metal de solda onde foi realizado o ensaio de microdureza Vickers (cotas em mm).

10 Ensaio Metalográfico A metalografia foi conduzida usando Microscopia Ótica (MO) e Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV), para análise das microestruturas do metal de solda, na região colunar (último passe, Top Bead ) e na região reaquecida (RR), ao longo da linha coincidente com a localização do entalhe Charpy-V, isto é centro da solda, após cada tratamento térmico. Foram analisados por microscopia ótica e varredura os microconstituintes das regiões colunares e reaquecidas presentes no metal de solda, com 0,4%, 0,6%, 0,9%, 1,1%Mn e em todas condições estudadas, isto é CS, TTAT, TTSC e TTAT+TTSC. Todas as amostras, na condição de CS e todas as condições de tratamentos térmicos foram lixadas e polidas convencionalmente. Foi realizado ataque com reagente nital 2%, com o intuito de obter a caracterização dos microconstituintes presentes nas regiões colunares e reaquecidas. Para a microscopia ótica, o equipamento utilizado foi da marca ZEISS, modelo AXIOPLAN 2 Imaging and Axiophot 2, Universal Microscopes, utilizando-se aumento de 500x. Para a microscopia eletrônica de varredura, o equipamento utilizado foi da marca ZEISS, modelo DSM-960. Utilizando-se aumento de 1000x Ensaio Macrográfico O corpo-de-prova foi retirado transversalmente ao cordão de solda para análise do aspecto macroscópico das juntas soldadas, tendo sido utilizado como preparação o procedimento convencional de lixamento, polimento e ataque químico com o reagente nital 2%.

11 Ensaio Fratográfico Foram feitas análises fratográficas das superfícies de fratura dos corposde-prova de impacto Charpy V, após cada tratamento térmico. Foi utilizado o microscópio eletrônico de varredura (MEV) da marca ZEISS, modelo DSM-960, com o objetivo de caracterizar a morfologia do modo de fratura dos metais de solda em função do teor de Mn e tratamento térmico aplicado.

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

3 Materiais e Métodos

3 Materiais e Métodos 41 3 Materiais e Métodos Serão apresentados neste capitulo os materiais e os métodos que foram utilizados no desenvolvimento deste trabalho. Durante a experiência foram utilizados cinco eletrodos oxi-rutílicos

Leia mais

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8.

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8. 5 Discussão O estudo da fragilização ao revenido com base nos fenômenos de segregação tem como ponto de partida os resultados obtidos de experiências com pares de elementos liga e/ou impurezas, correspondendo

Leia mais

3- Materiais e Métodos

3- Materiais e Métodos 3- Materiais e Métodos 3.1. Caracterização do Material 3.1.1. Material Os materiais utilizados neste trabalho foram retirados de dois tubos de aço produzido pela Confab que atende a especificação API 5L

Leia mais

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO 3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO /LJD(VWXGDGD A liga estudada neste trabalho foi produzida pela firma francesa Pechiney Recherche na forma de placas laminadas de dimensões 270 mm de comprimento por 210 mm de largura

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE Autores : Lucas FERREIRA, Mario WOLFART Jr., Gianpaulo Alves MEDEIROS. Diego Rodolfo Simões de LIMA. Informações adicionais: (Bolsista

Leia mais

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW.

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA Caracterização microestrutural do aço ASTM-A516-10-60 soldado por GMAW. Alunos: Alexandre Dutra Golanda Guilherme Souza Leite Paulo Ricardo

Leia mais

3. Material e Procedimento Experimental

3. Material e Procedimento Experimental 56 3. Material e Procedimento Experimental Neste capitulo detalha-se os matérias empregados, o procedimento de soldagem seguido desde a montagem da junta, execução da soldagem e metodologia de avaliação

Leia mais

3 - Metodologia Experimental

3 - Metodologia Experimental 3 - Metodologia Experimental Neste capítulo serão apresentados a metodologia experimental, os materiais utilizados e os métodos de análise empregados. 3.1. Descrição do método experimental A norma API

Leia mais

5 Discussão Desempenho da soldagem

5 Discussão Desempenho da soldagem 5 Discussão 5.1. Desempenho da soldagem Na etapa experimental foram realizados testes para treinamento dos soldadores antes de executar a junta soldada com a finalidade de se adequar melhor ao material

Leia mais

INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE

INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE Bernardo Soares Engelke 1 Marcos Venicius Soares Pereira 2 1 Aluno de Graduação do curso de Engenharia

Leia mais

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães SOLDAGEM TIG Prof. Dr. Hugo Z. Sandim Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães Soldagem TIG Processo de soldagem TIG Fonte: www.infosolda.com.br e Welding Metallurgy

Leia mais

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 43 Para a realização dos experimentos, foram realizadas as etapas de definição e preparação das amostras da matéria prima com a variação das propriedades mecânicas (dureza do material),

Leia mais

Soldabilidade de Aços Resistentes à Abrasão da Classe de 450 HB de Dureza

Soldabilidade de Aços Resistentes à Abrasão da Classe de 450 HB de Dureza (Weldability of Abrasion-Resistant Steels of 450 HB Hardness) Gabriel Corrêa Guimarães 1, Ramsés Ferreira da Silva 1, Luiz Carlos da Silva 1 1 Usiminas, Centro de Tecnologia Usiminas Unidade Ipatinga,

Leia mais

(Comparative Study of High Strength Steel Weld Metals Obtained by the SMAW and FCAW Processes for Offshore Applications and Mooring Chains)

(Comparative Study of High Strength Steel Weld Metals Obtained by the SMAW and FCAW Processes for Offshore Applications and Mooring Chains) Estudo Comparativo de Metais de Solda de Aço de Alta Resistência Obtidos pelos Processos Eletrodo Revestido e Arame Tubular para Aplicação em Equipamentos de Amarração Offshore (Comparative Study of High

Leia mais

Processo d e soldagem

Processo d e soldagem Processo de soldagem Conteúdo Descrição do processo Equipamento e consumíveis Técnica de soldagem Principais defeitos e descontinuidades Aplicações Processo MMA ou SMAW Definição: soldagem a arco elétrico

Leia mais

Caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel

Caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel Caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel Mota, C. A. M. (1); Nascimento, A. S.(1); Silva, D. A. S.(1); Sodré, R. M. R. (1); Medeiros, F. P.(1); Gil,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E MECÂNICA DE JUNTA SOLDADA EM AÇO MÉDIO CARBONO E BAIXA LIGA.

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E MECÂNICA DE JUNTA SOLDADA EM AÇO MÉDIO CARBONO E BAIXA LIGA. CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E MECÂNICA DE JUNTA SOLDADA EM AÇO MÉDIO CARBONO E BAIXA LIGA. ASSUNÇAO, FABIANO S. 1 ; LACORTE, JULIENE O. 1 ; DUQUE, ANA PAULA A. B. 1 ; ROSA, JORGE L. 1 ; NASCIMENTO,

Leia mais

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB)

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB) 85 5.5 ANÁLISES MICROESTRUTURAIS As micrografias obtidas na seção transversal do material nas condições: como recebido e pós-soldagem com tratamentos de revenido e niretação estão apresentadas nas Figuras

Leia mais

8 Material utilizado e procedimento experimental

8 Material utilizado e procedimento experimental 63 8 Material utilizado e procedimento experimental Em estudos anteriores foram testados diferentes processos de soldagem circunferencial para tubos de aços API 5L X-80. Os tipos de processos de soldagem

Leia mais

SOLDA POR FRICÇÃO EM AÇO CARBONO

SOLDA POR FRICÇÃO EM AÇO CARBONO SOLDA POR FRICÇÃO EM AÇO CARBONO Autores: Adriano GAIO 1, Fernando Prando DACAS 2, Diego Rodolfo Simões de LIMA 3, Mario Wolfart JUNIOR 4. 1 Graduando em Engenharia Mecânica, Instituto Federal Catarinense

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSCEPTIBILIDADE À FORMAÇÃO DE TRINCAS A FRIO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL RESUMO INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DA SUSCEPTIBILIDADE À FORMAÇÃO DE TRINCAS A FRIO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL RESUMO INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DA SUSCEPTIBILIDADE À FORMAÇÃO DE TRINCAS A FRIO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL RAIMUNDO CARLOS SILVERIO FREIRE JÚNIOR, THEOPHILO M. MACIEL, PAULO GUEDES DA SILVA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E MICROESTRUTURAIS E ANÁLISE DAS TENSÕES RESIDUAIS EM TUBOS SOLDADOS DE AÇO P110 E N80Q

CARACTERIZAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E MICROESTRUTURAIS E ANÁLISE DAS TENSÕES RESIDUAIS EM TUBOS SOLDADOS DE AÇO P110 E N80Q CARACTERIZAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E MICROESTRUTURAIS E ANÁLISE DAS TENSÕES RESIDUAIS EM TUBOS SOLDADOS DE AÇO P110 E N80Q Gabriel Vianna de Macedo, Raphael José Elino da Silveira, Mateus Campos

Leia mais

INSPEÇÃO DE SOLDAGEM. Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores

INSPEÇÃO DE SOLDAGEM. Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores INSPEÇÃO DE SOLDAGEM Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores e Soldadores Definições Peça de Teste Chapa ou tubo de teste Chapa ou Tubo de Teste Peça soldada para a qualificação de procedimento

Leia mais

TENACIDADE AO IMPACTO DO METAL DE SOLDA DO AÇO API X70 SOLDADO COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1

TENACIDADE AO IMPACTO DO METAL DE SOLDA DO AÇO API X70 SOLDADO COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 TENACIDADE AO IMPACTO DO METAL DE SOLDA DO AÇO API X70 SOLDADO COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 Vicente Afonso Ventrella RESUMO Neste trabalho estudou-se a tenacidade ao impacto do metal de solda do aço

Leia mais

TUBOS DE AÇO INOX PADRÃO OD COM COSTURA REDONDOS

TUBOS DE AÇO INOX PADRÃO OD COM COSTURA REDONDOS TUBOS DE AÇO INOX PADRÃO OD COM COSTURA REDONDOS Item # 0,40mm 0,50mm 0,70mm 0,89mm 1,00mm 1,20mm 1,50mm 1,65mm 2,00mm 2,50mm 3,00mm ØExt.6,35 0,073 0,122 0,134 0,155 ØExt.7,50 0,071 ØExt.8,00 0,175 0,204

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Capítulo 3 38 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1 - Material O material utilizado para este estudo foi um ferro fundido nodular ferrítico, classificado segundo a norma ASTM A 536 [22] como do tipo

Leia mais

MICROESTRUTURA E TENACIDADE DO AÇO API 5LX GRAU 70 SOLDADO COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 E ELETRODO REVESTIDO AWS E-8010-G

MICROESTRUTURA E TENACIDADE DO AÇO API 5LX GRAU 70 SOLDADO COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 E ELETRODO REVESTIDO AWS E-8010-G MICROESTRUTURA E TENACIDADE DO AÇO API 5LX GRAU 70 SOLDADO COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 E ELETRODO REVESTIDO AWS E-8010-G Vicente Afonso Ventrella ventrella@dem.feis.unesp.br Prof. Assistente Doutor

Leia mais

SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 E ELETRODO REVESTIDO AWS E-8010-G.

SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 E ELETRODO REVESTIDO AWS E-8010-G. SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 E ELETRODO REVESTIDO AWS E-8010-G. Vicente Afonso Ventrella RESUMO Neste trabalho estudou-se a microestrutura e a tenacidade ao impacto

Leia mais

Marcelo Marmello Pinheiro

Marcelo Marmello Pinheiro INFLUÊNCIA DO PREAQUECIMENTO E TRATAMENTO TÉRMICO PÓS- SOLDAGEM NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO METAL DE SOLDA DE AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA OBTIDOS POR PROCESSO ARAME TUBULAR TIPO METAL CORED Marcelo Marmello

Leia mais

XXXIII CONSOLDA Congresso Nacional de Soldagem De 27 à 30 de Agosto de 2007 Caxias do Sul RS

XXXIII CONSOLDA Congresso Nacional de Soldagem De 27 à 30 de Agosto de 2007 Caxias do Sul RS XXXIII CONSOLDA Congresso Nacional de Soldagem De 27 à 30 de Agosto de 7 Caxias do Sul RS Soldagem de rro Fundido Vermicular com Eletrodos Revestidos (Welding Compacted Iron with SMAW) Ricardo André Lovato

Leia mais

SOLDAGEM DO FERRO FUNDIDO CINZENTO FC-200 UTILIZANDO OS ELETRODOS E Ni-Ci e E NiFe-Ci

SOLDAGEM DO FERRO FUNDIDO CINZENTO FC-200 UTILIZANDO OS ELETRODOS E Ni-Ci e E NiFe-Ci SOLDAGEM DO FERRO FUNDDO CNZENTO FC-200 UTLZANDO OS ELETRODOS E Ni-Ci e E NiFe-Ci Autores: Elson Arnaldo N. de Medeiros 1, Carlos Eduardo A. Lima Rodrigues 1, Francisco Antônio Vieira 2, Demmys Kelsen

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 035

Norma Técnica Interna SABESP NTS 035 Norma Técnica Interna SABESP NTS 035 Consumíveis de Soldagem Especificação São Paulo Dezembro - 1999 NTS 035 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 QUALIFICAÇÃO DE CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM...1

Leia mais

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 1 3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO O processo de soldagem com eletrodo revestido é um processo no qual a fusão do metal é produzida pelo aquecimento de um arco elétrico, mantido entre a ponta

Leia mais

João Carmo Vendramim 1 Jan Vatavuk 2 Thomas H Heiliger 3 R Jorge Krzesimovski 4 Anderson Vilele 5

João Carmo Vendramim 1 Jan Vatavuk 2 Thomas H Heiliger 3 R Jorge Krzesimovski 4 Anderson Vilele 5 O tratamento térmico de têmpera e revenimento a vácuo de um bloco de aço AISI H13, dimensões 300x300x300 mm, monitorado com quatro termopares de contato João Carmo Vendramim 1 Jan Vatavuk 2 Thomas H Heiliger

Leia mais

INCOLOY 800HT. Envelhecimento de Tubulação Operando em Altas Temperaturas UNIB-RS

INCOLOY 800HT. Envelhecimento de Tubulação Operando em Altas Temperaturas UNIB-RS 1 INCOLOY 800HT Envelhecimento de Tubulação Operando em Altas Temperaturas UNIB-RS Luis Carlos Greggianin Rodrigo Kunrath Rio de Janeiro 01 de Setembro de 2016 2 Luis Carlos Greggianin SNQC 9346-END&IF-CTN1-

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA. F. Jorge Lino (Prof. Associado da FEUP/DEMEGI) Investigador do INEGI

ENSAIO DE DUREZA. F. Jorge Lino (Prof. Associado da FEUP/DEMEGI) Investigador do INEGI ENSAIO DE DUREZA F. Jorge Lino (Prof. Associado da FEUP/DEMEGI) Investigador do INEGI 1 INTRODUÇÃO A dureza define-se como sendo a resistência que um material oferece a sofrer uma deformação plástica na

Leia mais

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J.

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX 2205 S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. Marcelo Av. dos Trabalhadores, n 420, Vila Santa Cecília, Volta Redonda,

Leia mais

de soldagem. Rua Jordão Borghetti, Jardim Recreio, Sertãozinho - SP, (16)

de soldagem. Rua Jordão Borghetti, Jardim Recreio, Sertãozinho - SP, (16) PRODUÇÃO DA JUNTA SOLDADA DO AÇO ASTM A335 P11 PARA TUBULAÇÃO DE VAPOR EM CALDEIRAS: CARACTERIZAÇÃO POR ANÁLISE MICROESTRUTURAL E MICRODUREZA Péricles Bosquetti 1, Luiz Antonio Simões 2, Matheus Covre

Leia mais

4 Soldabilidade. 4.1 Testes de Soldabilidade

4 Soldabilidade. 4.1 Testes de Soldabilidade 27 4 Soldabilidade A soldabilidade pode ser definida como a capacidade que um material apresenta de ser soldado sob as condições impostas pelos códigos e normas de fabricação para uma estrutura específica

Leia mais

AVALIAÇÃO MECÂNICA DE TERMINAIS E BARRAS DE DIREÇÃO DE ACORDO COM

AVALIAÇÃO MECÂNICA DE TERMINAIS E BARRAS DE DIREÇÃO DE ACORDO COM Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 AVALIAÇÃO MECÂNICA DE TERMINAIS E BARRAS DE DIREÇÃO DE ACORDO COM A NORMA ABNT NBR 16130 Felipe Rollo 1, Celso R. Ribeiro 1 SGS Labmat

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

4 Materiais e Métodos

4 Materiais e Métodos 44 4 Materiais e Métodos 4.1 Materiais utilizados Foram utilizadas para esta pesquisa as seguintes membranas de PTFE: Gore-Tex, Bionnovation e dois tipos diferentes de membranas produzidas durante a pesquisa,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE METAIS DE SOLDA DE AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA OBTIDOS POR PROCESSO ARAME TUBULAR

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE METAIS DE SOLDA DE AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA OBTIDOS POR PROCESSO ARAME TUBULAR INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE METAIS DE SOLDA DE AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA OBTIDOS POR PROCESSO ARAME TUBULAR Jorge Luiz Soares do Couto Dissertação de Mestrado apresentada

Leia mais

Para a preparação do PVC, original e reciclado, conforme descrito anteriormente, - Granuladora Dupla Rosca Paralela. - Pulverizador Turborotor G-90

Para a preparação do PVC, original e reciclado, conforme descrito anteriormente, - Granuladora Dupla Rosca Paralela. - Pulverizador Turborotor G-90 48 - Preparação dos materiais Para a preparação do PVC, original e reciclado, conforme descrito anteriormente, foram utilizados os seguintes equipamentos: - Granuladora Dupla Rosca Paralela - Pulverizador

Leia mais

SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO

SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO Título do Projeto: Análise dos parâmetros do processo de soldagem por fricção em liga de alumínio Convênio: SCIT 12/2012 Processo: 452-2500/12-1 Modalidade: Participação Popular

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO DAS ZONAS TERMICAMENTE AFETADA DO AÇO ABNT 1045 SOLDADO POR ELETRODO REVESTIDO E MAG

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO DAS ZONAS TERMICAMENTE AFETADA DO AÇO ABNT 1045 SOLDADO POR ELETRODO REVESTIDO E MAG TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO DAS ZONAS TERMICAMENTE AFETADA DO AÇO ABNT 1045 SOLDADO POR ELETRODO REVESTIDO E MAG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PARÂMETROS DE SOLDAGEM COMO TENSÃO E CORRENTE NA TAXA DE DEPOSIÇÃO PARA DIFERENTES ESPESSURAS DE CHAPA

INFLUÊNCIA DE PARÂMETROS DE SOLDAGEM COMO TENSÃO E CORRENTE NA TAXA DE DEPOSIÇÃO PARA DIFERENTES ESPESSURAS DE CHAPA INFLUÊNCIA DE PARÂMETROS DE SOLDAGEM COMO TENSÃO E CORRENTE NA TAXA DE DEPOSIÇÃO PARA DIFERENTES ESPESSURAS DE CHAPA P. H. Ogata; D. Silva; D. Morais; F. Conte; paulo.ogata@fatec.sp.gov.br Faculdade de

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PROCEDIMENTO DE SOLDAGEM NA RELAÇÃO TENACIDADE/MICROESTRUTURA DE METAL DE SOLDA DE AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA OBTIDO PELO PROCESSO GMAW

INFLUÊNCIA DO PROCEDIMENTO DE SOLDAGEM NA RELAÇÃO TENACIDADE/MICROESTRUTURA DE METAL DE SOLDA DE AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA OBTIDO PELO PROCESSO GMAW INFLUÊNCIA DO PROCEDIMENTO DE SOLDAGEM NA RELAÇÃO TENACIDADE/MICROESTRUTURA DE METAL DE SOLDA DE AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA OBTIDO PELO PROCESSO GMAW Joel Lemos Dias Monteiro Dissertação de Mestrado Apresentada

Leia mais

consumíveis de solda

consumíveis de solda consumíveis de solda TOTALFIX APRESENTA HYUNDAI WELDING TOTALFIX, uma empresa especializada na distribuição exclusiva de marcas que representam qualidade e alto padrão tecnológico, apresenta mais uma inovação.

Leia mais

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III Eng. Ricardo Fedele, MSc. Engenheiro de Aplicação da Boehler Thyssen Técnica de Soldagem Ltda Prof. do Dep. de Eng. Mecânica e Metalúrgica da Escola

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica ESTUDO DA CARACTERÍSTICA MORFOLÓGICA DO AÇO API 5L X-70 PROCESSADO POR LAMINAÇÃO CONTROLADA Igor Fabian de Goes Lopes (outros/uepg), André Luís Moreira de Carvalho (Orientador), e-mail: andrelmc@uepg.br.

Leia mais

8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre de 2007

8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre de 2007 8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre de 27 ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TENSÕES RESIDUAIS EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇO ARBL BIFÁSICO USADO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

Leia mais

Along. (50mm) 25% Custo (aço + Frete + impostos) R$ 1450,00/ton

Along. (50mm) 25% Custo (aço + Frete + impostos) R$ 1450,00/ton 1. Qual o valor das tensões principais para os tensores de tensão dados, segundo a simbologia utilizada na disciplina (vide matrizes abaixo)? Estados Valores de tensões em MPa Tensões Genéricas Tensões

Leia mais

Antonio Jose Mendes Gomes

Antonio Jose Mendes Gomes ESTUDO COMPARATIVO DE METAIS DE SOLDA DE AÇOS DE EXTRA ALTA RESISTÊNCIA PARA UTILIZAÇÃO EM COMPONENTES DE LINHAS DE ANCORAGEM DE PLATAFORMAS DE PETRÓLEO Antonio Jose Mendes Gomes Dissertação de Mestrado

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA E CUSTOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA E CUSTOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA E CUSTOS DE SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA Normalmente o cordão de solda é caracterizado pela

Leia mais

Dureza Vickers. Vários pesquisadores tentaram encontrar uma solução para superar essas dificuldades.

Dureza Vickers. Vários pesquisadores tentaram encontrar uma solução para superar essas dificuldades. A UU L AL A Dureza Vickers Na aula anterior, você ficou sabendo que o ensaio de dureza Rockwell representou um avanço em relação ao ensaio Brinell, já que possibilitou avaliar a dureza de vários metais,

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 METALURGIA DA SOLDAGEM A JUNTA SOLDADA Consiste: Metal de Solda, Zona Afetada pelo Calor (ZAC), Metal

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE REGIÃO DE SOLDA MAG (GMAW) DE UM AÇO PATINÁVEL UTILIZANDO DOIS DIFERENTES TIPOS DE ARAMES DE SOLDAGEM

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE REGIÃO DE SOLDA MAG (GMAW) DE UM AÇO PATINÁVEL UTILIZANDO DOIS DIFERENTES TIPOS DE ARAMES DE SOLDAGEM AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE REGIÃO DE SOLDA MAG (GMAW) DE UM AÇO PATINÁVEL UTILIZANDO DOIS DIFERENTES TIPOS DE ARAMES DE SOLDAGEM Péricles Bosquetti 1, Vinícius Silva Oliveira 2, Maurício Angeloni

Leia mais

Contribuição técnica nº 33. Comprometimento da resistência de ligações soldadas devido a problemas operacionais na soldagem

Contribuição técnica nº 33. Comprometimento da resistência de ligações soldadas devido a problemas operacionais na soldagem Contribuição técnica nº 33 Comprometimento da resistência de ligações soldadas devido a problemas operacionais na soldagem CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE MICROESTRUTURA / TENACIDADE AO IMPACTO DO METAL DE SOLDA DO AÇO API X-70 SOLDADO POR ELETRODO REVESTIDO AWS E8010-G

RELAÇÃO ENTRE MICROESTRUTURA / TENACIDADE AO IMPACTO DO METAL DE SOLDA DO AÇO API X-70 SOLDADO POR ELETRODO REVESTIDO AWS E8010-G RELAÇÃO ENTRE MICROESTRUTURA / TENACIDADE AO IMPACTO DO METAL DE SOLDA DO AÇO API X-70 SOLDADO POR ELETRODO REVESTIDO AWS E8010-G * D. V. Bubnoff, ** V. A. Ventrella * Aluno do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Tratamentos Térmicos 032905

Tratamentos Térmicos 032905 Tratamentos Térmicos 032905 Prof. José Eduardo Spinelli Técnico: Rover Belo Instável Transformação Normal + Fe 3 C TÊMPERA Transição REVENIDO Programa Analítico 1) Fornos e atmosferas, medidas e controle

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO DESGASTE ABRASIVO A BAIXA- TENSÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS POR ARCO SUBMERSO

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO DESGASTE ABRASIVO A BAIXA- TENSÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS POR ARCO SUBMERSO AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO DESGASTE ABRASIVO A BAIXA- TENSÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS POR ARCO SUBMERSO Ms. Márcia Fernanda Martins Dias marcia.mdias@terra.com.br Prof. Associado Samuel Irati Novaes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 2 1. INTRODUÇÃO Algumas das

Leia mais

Edição 3 UDDEHOLM HOTVAR

Edição 3 UDDEHOLM HOTVAR Edição 3 UDDEHOLM HOTVAR Informações Gerais HOTVAR é um aço para trabalho a quente de alta performance ligado ao molibdênio-vanádio, que é caracterizado por: Alta resistência à abrasão a altas temperaturas

Leia mais

3 Material e Procedimento Experimental

3 Material e Procedimento Experimental 3 Material e Procedimento Experimental 3.1 Composição Química e Geometria dos Elos de Amarras O material adotado neste trabalho foi um aço estrutural de alta resistência e baixa liga, especificado pelaapi-2f[1]

Leia mais

Soldagem de Tubulações

Soldagem de Tubulações Soldagem de Tubulações ESAB BR Assistência Técnica Consumíveis www.esab.com.br br INTRODUÇÃO As tubulações representam a mais segura e econômica forma de transporte disponível para movimentação de grandes

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

Processo de Soldagem Eletroescória HISTÓRICO

Processo de Soldagem Eletroescória HISTÓRICO Processo de Soldagem Eletroescória HISTÓRICO Prof. Luiz Gimenes Jr. Prof. Manuel Saraiva Clara Os precursores do processo começaram ainda no século passado com a soldagem na posição vertical em um único

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS

INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS C.G. Guimarães, C.A.Siqueira, A. L. M. Costa* Faculdade de Engenharia de

Leia mais

Efeito da microestrutura de uma liga de aço carbono obtido por processos distintos

Efeito da microestrutura de uma liga de aço carbono obtido por processos distintos Efeito da microestrutura de uma liga de aço carbono obtido por processos distintos R. C. Proiete 1, C. R. Serantoni 2, A. Sinatora 2 1 Laboratório de Fundição, LMMC, Instituto de Pesquisas Tecnológicas

Leia mais

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS METALÚRGICAS DAS JUNTAS SOLDADAS COM ELETRODOS BÁSICOS E IMPERMEÁVEIS

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS METALÚRGICAS DAS JUNTAS SOLDADAS COM ELETRODOS BÁSICOS E IMPERMEÁVEIS ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS METALÚRGICAS DAS JUNTAS SOLDADAS COM ELETRODOS BÁSICOS E IMPERMEÁVEIS Ericson José da Silva, ericson_js@hotmail.com¹ Alessandra Gois Luciano de Azevedo, aglazevedo@hotmail.com²

Leia mais

LAMINAÇÃO LAMINAÇÃO. Prof. MSc: Anael Krelling

LAMINAÇÃO LAMINAÇÃO. Prof. MSc: Anael Krelling LAMINAÇÃO Prof. MSc: Anael Krelling 1 DEFINIÇÃO DO PROCESSO É um processo de conformação que consiste na deformação de um metal pela passagem entre dois cilindros rotatórios que giram em sentidos opostos,

Leia mais

O tipo de Metal de Base (MB) escolhido é um aço ASTM A 36, de espessura 3/8 e

O tipo de Metal de Base (MB) escolhido é um aço ASTM A 36, de espessura 3/8 e A INFLUÊNCIA DAS VELOCIDADES DE VENTO NO CORDÃO DE SOLDA NO PROCESSO DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR AUTO PROTEGIDO Autores : Cristiano José TURRA¹; Mario Wolfart JUNIOR². Identificação autores: 1 Graduando,

Leia mais

Estudo do tratamento térmico de têmpera do aço-ferramenta VMO sob duas diferentes condições de resfriamento 1

Estudo do tratamento térmico de têmpera do aço-ferramenta VMO sob duas diferentes condições de resfriamento 1 Estudo do tratamento térmico de têmpera do aço-ferramenta VMO sob duas diferentes condições de resfriamento 1 Resumo J.C.Vendramim 2 Mario L.Nunes 3 Gilberto Munhoz 4 O aço-ferramenta DIN 1.2714, ou VMO

Leia mais

BACKING CERÂMICO. Conheça as vantagens de utilização deste produto. soldor.com.br

BACKING CERÂMICO. Conheça as vantagens de utilização deste produto. soldor.com.br BACKING CERÂMICO Conheça as vantagens de utilização deste produto. soldor.com.br 21 2450 1121 2450 2544 comercial@soldor.com.br Rua Ibiá, 305 Turiaçú Rio de Janeiro RJ CEP 21540-070 O backing cerâmico

Leia mais

Propriedades dos Materiais Fadiga INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS FADIGA

Propriedades dos Materiais Fadiga INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS FADIGA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS FADIGA Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Introdução Carregamento Ensaio Fratura Variáveis 2 de 18 1 de 9 INTRODUÇÃO

Leia mais

ESTUDO AVALIATIVO DA TENACIDADE AO IMPACTO DE UM AÇO SAE 1644 SUBMETIDO A TRATAMENTO TERMOQUÍMICO DE CEMENTAÇÃO.

ESTUDO AVALIATIVO DA TENACIDADE AO IMPACTO DE UM AÇO SAE 1644 SUBMETIDO A TRATAMENTO TERMOQUÍMICO DE CEMENTAÇÃO. ESTUDO AVALIATIVO DA TENACIDADE AO IMPACTO DE UM AÇO SAE 1644 SUBMETIDO A TRATAMENTO TERMOQUÍMICO DE CEMENTAÇÃO. S. A. Lopes¹, D. A. Coimbra 1, M. R. de Almeida 1, W. C. Oliveira 1, H. M. Santos 1, P.

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 Vicente Afonso Ventrella Prof. Dr. UNESP / Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira

Leia mais

4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS. Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara

4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS. Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara 4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS 4.1. Caracterização microestrutural 4.1.1. Microscopia óptica Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara modificado (conforme item 3.3), para

Leia mais

Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin ANÁLISE DE FRATURA DE CILINDRO BACK-UP DE LAMINAÇÃO

Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin ANÁLISE DE FRATURA DE CILINDRO BACK-UP DE LAMINAÇÃO ANÁLISE DE FRATURA DE CILINDRO BACK-UP DE LAMINAÇÃO SETEMBRO DE 2010 Introdução Um cilindro de laminação sofreu fratura em serviço, na região do pescoço, como mostram as Figuras 1 a 3. Figura 1- Cilindro

Leia mais

NITRETAÇÃO POR PLASMA DE AÇO ABNT 1020: INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO N 2 /(N 2 +H 2 ) SOBRE AS PROPRIEDADES DA CAMADA NITRETADA

NITRETAÇÃO POR PLASMA DE AÇO ABNT 1020: INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO N 2 /(N 2 +H 2 ) SOBRE AS PROPRIEDADES DA CAMADA NITRETADA NITRETAÇÃO POR PLASMA DE AÇO ABNT 1020: INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO N 2 /(N 2 +H 2 ) SOBRE AS PROPRIEDADES DA CAMADA NITRETADA Marley Anuciação Magella Ingeborg Kühn-Arroyo Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 Jornadas SAM - CONAMET - AAS 2001, Septiembre de 2001 773-778 ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 T. Renck a, R.A.Hoppe b, S.Pecantet b, S.Griza c e T.R.Strohaecker d a UFRGS, Graduando em Engenharia

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO 2016 Página: 1 de 7

PROVA DE SELEÇÃO 2016 Página: 1 de 7 Página: 1 de 7 1) Considerando as responsabilidades do Inspetor de Soldagem Nível 1, em relação à qualificação e certificação dos procedimentos de soldagem e às normas técnicas, identifique a única opção

Leia mais

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS Prof. Dr. Vicente A. Ventrella UNESP Campus de Ilha Solteira C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS 1. Introdução 2. Terminologia de Soldagem 3. Simbologia de

Leia mais

Ensaio de Dureza. Propriedade utilizada na especificação de materiais

Ensaio de Dureza. Propriedade utilizada na especificação de materiais Ensaio de Dureza Propriedade utilizada na especificação de materiais Base de medida para: Resistência mecânica e ao desgaste Resistência ao corte em usinagem Tratamento térmico e tratamento mecânico Conceitos

Leia mais

Figura Máquinas ferramenta utilizadas nos ensaios: a) Torno Mecânico Multiplic 35D b) Centro de Usinagem Discovery 760

Figura Máquinas ferramenta utilizadas nos ensaios: a) Torno Mecânico Multiplic 35D b) Centro de Usinagem Discovery 760 TORNO PEÇA DINAMÔMETRO 58 AMPLIFICADOR COMPUTADOR (a) (b) Figura 3.6 - Máquinas ferramenta utilizadas nos ensaios: a) Torno Mecânico Multiplic 35D b) Centro de Usinagem Discovery 760 3.4. Monitoramento

Leia mais

Transformações de fase em aços [15]

Transformações de fase em aços [15] [15] Diagrama de equilíbrio transformações muito lentas divergências devido ao processamento industrial Reações / transformações em condições realísticas: resfriamento isotérmico (T-T-T) diagramas resfriamento

Leia mais

Os materiais em estudo são as ligas de aços inoxidáveis dúplex. SAF2205 e SAF2507. Foram adquiridos 25 kg de cada uma das ligas na

Os materiais em estudo são as ligas de aços inoxidáveis dúplex. SAF2205 e SAF2507. Foram adquiridos 25 kg de cada uma das ligas na 3-Materiais e Métodos: 3.1:Materiais: Os materiais em estudo são as ligas de aços inoxidáveis dúplex SAF2205 e SAF2507. Foram adquiridos 25 kg de cada uma das ligas na forma de barras de 20mm de diâmetro

Leia mais

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Fundamentos do processo É um processo de soldagem no estado sólido, que produz uma solda pelo impacto em alta velocidade das peças como resultado de uma detonação (explosão) controlada.

Leia mais

Soldagem Mecanizada de Tanques de Estocagem com Alta Produtividade

Soldagem Mecanizada de Tanques de Estocagem com Alta Produtividade Soldagem Mecanizada de Tanques de Estocagem com Alta Produtividade Maio 2016 1 Documento Confidencial da White Martins Objetivo Apresentar tecnologias que possibilitam aumento de produtividade e/ou ganhos

Leia mais

Soldagem das barras de reforço de estruturas de concretos.

Soldagem das barras de reforço de estruturas de concretos. - Edson Carlos Simão - edson-simao@uol.com.br - Joon Yung Kim - simba_surf@hotmail.com Capítulo 13.4 Soldagem das barras de reforço de estruturas de concretos. Construções de concreto possuem baixa resistência

Leia mais

SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE.

SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE. SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE. HISTÓRICO O processo de soldagem a Plasma (PAW) foi introduzido na indústria em 1964 como um método que possuía um melhor controle de soldagem em níveis mais baixos

Leia mais

Soldagem I Lista de Exercícios

Soldagem I Lista de Exercícios Soldagem I Lista de Exercícios 1. Defina soldagem com base em (a) suas características operacionais e (b) seus mecanismos de união. (c) Dois blocos de gelo colocados em contato com uma pequena pressão

Leia mais

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico Ronaldo Paranhos Esta é uma aplicação muito comum na indústria. Os motivos para esta grande utilização incluem, do lado dos aços carbono e C-Mn de grau estrutural, o seu menor custo em relação aos aços

Leia mais

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. LABATS DEMEC UFPR 1 Diagrama de Schaeffler (1) Formação de trincas de solidificação ou

Leia mais

(nome do empreendimento) CADERNO DE ENCARGOS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Materiais e Elementos de Construção. (Cliente)

(nome do empreendimento) CADERNO DE ENCARGOS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Materiais e Elementos de Construção. (Cliente) 1.1. ÂMBITO Esta especificação refere-se ao Aço Perfilado para Estruturas Metálicas, e pretende descrever o material, fornecendo informações relativas às dimensões, características físicas e químicas e

Leia mais

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire O Brasil tende a se tornar o maior explorador de petróleo e gás no mercado. Descobertas recentes de novas reservas

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE ELETROEROSÃO A FIO NAS PROPRIEDADES DO AÇO AISI D6.

INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE ELETROEROSÃO A FIO NAS PROPRIEDADES DO AÇO AISI D6. INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE ELETROEROSÃO A FIO NAS PROPRIEDADES DO AÇO AISI D6. Piter Alves Sousa 1 RESUMO Atualmente, a elevada competitividade dentro do setor metal-mecânico exige, além da qualidade do

Leia mais