CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO DISTORÇÕES NO ORÇAMENTO PÚBLICO E PODER JUDICIÁRIO: Elementos para um controle mais efetivo do gasto público no Brasil MARIANA RUSCHEL WIERZCHOWSKI Porto Alegre RS Abril, 2013

2 MARIANA RUSCHEL WIERZCHOWSKI DISTORÇÕES NO ORÇAMENTO PÚBLICO E PODER JUDICIÁRIO: Elementos para um controle mais efetivo do gasto público no Brasil Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Direito como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre em Direito, sob a orientação da Professora Doutora Ana Paula Oliveira Ávila. Porto Alegre RS Abril, 2013

3 MARIANA RUSCHEL WIERZCHOWSKI DISTORÇÕES NO ORÇAMENTO PÚBLICO E PODER JUDICIÁRIO: Elementos para um controle mais efetivo do gasto público no Brasil Data de aprovação: / / Banca examinadora: Professora Doutora Ana Paula Oliveira Ávila (orientadora) Centro Universitário Ritter dos Reis Professor Doutor José Guilherme Giacomuzzi Examinador Centro Universitário Ritter dos Reis Professor Doutor Clèmerson Merlin Clève Examinador Universidade Federal do Paraná

4 À minha mãe (Márcia), à minha avó (Sonia) e ao meu irmão (Jan), que, por muito amarem-me, tanto de mim orgulham-se, muito mais do que mereço. Sinto-me abençoada por ter a família que tenho. Ao meu pai, Ricardo, (in memorian), em quem não deixo de pensar um dia sequer. Sua partida ainda dói e me faz refletir. Queria ter tido mais tempo e maturidade para expressar todo meu amor e admiração, mas acredito que ele ainda pode senti-los, onde quer que esteja. Ao meu grande amor, Paulo, que faz de mim uma mulher plenamente feliz e privilegiada por tê-lo ao meu lado.

5 AGRADECIMENTOS Tratando-se de um trabalho acadêmico, agradecer ao Professor orientador é uma conduta de praxe, moralmente obrigatória, que ocorre em quaisquer hipóteses, independentemente do nível de assistência prestada. O reconhecimento que farei aqui, no entanto, nada deve ao senso comum. A Professora Ana Paula Oliveira Ávila merece minha mais sincera gratidão. Ela sabe disso. E aqueles que me acompanharam nessa jornada também o sabem, pois a ventura de tê-la como preceptora sempre foi por mim exaltada. Um bom começo é confessar que a ela devo a própria escolha do tema. Ela foi a verdadeira mentora intelectual desta dissertação, o que sugere a dimensão de sua dedicação. Em fevereiro de 2011 marcamos nosso primeiro encontro para discutir as primeiras páginas por mim escritas. Lembro que fiquei admirada com o detalhamento de sua análise e a qualidade de suas observações. A primeira boa impressão se confirmou a cada novo contato, e foram muitos. Durante dois anos, a Professora Ana Paula cedeu-me muitas horas de seu precioso tempo, engrandeceu-me com suas valiosas lições, abriu-me as portas de sua própria casa e brindoume com sua agradável companhia, da qual me lisonjearia continuar desfrutando de aqui em diante. Certa feita a chamei de mãe acadêmica, nada mais carinhosamente apropriado. Também não poderia deixar de agradecer aos Professores integrantes da minha banca de qualificação, Paulo Gilberto Cogo Leivas e Rodrigo Valin de Oliveira, cujas críticas muito contribuíram para o aprimoramento deste trabalho. Sou, igualmente, muito grata à minha mãe amada, Márcia, que se dedicou a revisar o texto finalizado, ao meu querido amigo, Marcelo, que me auxiliou (pacientemente) a formatá-lo e à minha estagiária Cecília, que, por mim, incontáveis vezes foi à biblioteca coletar material, presenteando-me não apenas com sua dedicação profissional, mas, sobretudo, com sua amizade. Por fim, muito tenho a agradecer ao meu marido, Paulo, de quem partiu o próprio incentivo para o ingresso no curso de mestrado e todo suporte para seguir em frente. Ele relevou meu mau-humor, procurou despir-me de inseguranças e, mesmo com a agenda atribulada, sacrificou, muitas vezes, horas de sono e momentos de lazer para ajudar-me nessa jornada. Envaidece-me ter em casa um homem de profundo saber jurídico, que pensa bem o Direito, como poucos. Paulinho é minha maior conquista.

6 RESUMO O presente estudo tem por objetivo apontar as falhas estruturais do processo de elaboração do orçamento público no Brasil e defender uma forma mais eficiente e adequada de atuação do Judiciário no campo das políticas públicas. Parte-se de uma enunciação histórica para demonstrar que a cena política nacional é caracterizada pela preponderância do Poder Executivo no âmbito decisório da gestão pública federal. Evidencia-se o desprestígio do Poder Legislativo como um traço marcante do processo de orçamentação que falseia o caráter discursivo que a Constituição procurou imprimir à matéria. Aborda-se a relação entre a margem de discricionariedade conferida aos agentes políticos e o ideal de eficiência estatal, argumentando que a liberdade de conformação do legislador e de atuação do administrador para a eleição de políticas públicas e dotações orçamentárias deve obediência às prioridades traçadas pela Constituição. Analisa-se criticamente o procedimento de elaboração e o conteúdo material das leis orçamentárias, apontando as consequências danosas que os desvios verificados causam à implementação de direitos fundamentais. São relatadas as falhas dos controles social, interno e externo para justificar a intervenção corretiva do Judiciário na seara das escolhas orçamentárias. Fala-se do agigantamento de demandas judiciais em busca de prestações positivas por parte do Estado e a desestruturação que esse tipo de provimento jurisdicional pode causar ao planejamento estratégico do governo. Conclui-se que a forma de controle judicial mais eficiente e condizente com a separação de poderes, com o princípio democrático e com o direito à igualdade é realizada por meio do controle de constitucionalidade das leis orçamentárias. Palavras-chave: Orçamento Público. Preponderância do Executivo. Controle Judicial.

7 ABSTRACT This study aims to outline the structural failures in the government budget-making and financial planning processes in Brazil. It also aims to defend a more efficient and adequate performance of the Judiciary in correcting public policy designs. It starts with a historical overview to show that the national political scenario is characterized by the preponderance of the Executive Power in the federal government decision-making process. The discredit on the Parlament is a striking feature in the budget-making process and it distorts the discipline that the Constitution aimed to give to the matter. It confronts the relation between discretion given to the political agents and the ideal of state efficiency. It argues that the discretion given to legislators and administrators to vote and execute public policies and budget allocations is limited to the priorities set by the Constitution. It makes a critical analysis of the making process and of the content of budget laws. It points the harmful consequences that the deviation discovered causes to the implementation of fundamental rights. Failures in internal and external (social) control are presented to justify the corrective intervention of the Judiciary in budgetary choices. It discusses the increase in individual suits seeking judicial provisions against the State and the consequent impact that such provisions may cause to strategic govern planning. It concludes that the most efficient mean of judicial control in agreement with the separation of powers is made through the constitutionality control of budget laws. Key-words: Public Budget. Preponderance of the Executive. Judicial Review.

8 LISTA DE ABREVIATURAS ADCT Ato das Disposições Constitucionais Transitórias ADI Ação Direta de Inconstitucionalidade BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento CF Constituição Federal CGU Controladoria Geral da União COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos DRU Desvinculação de Receitas da União FEF Fundo de Estabilização Fiscal FSE Fundo Social de Emergência IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IRPJ Imposto de Renda das Pessoas Jurídica IVA-F Imposto sobre o Valor Adicionado Federal LC Lei Complementar LDO Lei de Diretrizes Orçamentárias LOA Lei Orçamentária Anual MDE Manutenção e Desenvolvimento do Ensino MP Medida Provisória OCDE Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico PAC Programa de Aceleração do Crescimento PBSM Programa Brasil sem Miséria PEC Proposta de Emenda Constitucional PIB Produto Interno Bruto PNAD Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios PPA Plano Plurianual PROUNI Programa Universidade para Todos TCU Tribunal de Contas da União

9 INTRODUÇÃO A EVOLUÇÃO DO PAPEL DO ESTADO NA CONCRETIZAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E A RELAÇÃO ENTRE OS PODERES EXECUTIVO E LEGISLATIVO NO CURSO DA HISTÓRIA O Estado Liberal O Estado Social: a relevância do Poder Executivo A histórica tendência de prevalência do Poder Executivo no Brasil O problema na atualidade GESTÃO PÚBLICA. DISCRICIONARIEDADE À LUZ DAS BALIZAS CONSTITUCIONAIS A Reforma Gerencial da Administração Pública (EC 98): grandes poderes e grandes responsabilidades Por uma releitura da discricionariedade administrativa Os direitos fundamentais como parâmetro de atuação dos Poderes Constituídos ORÇAMENTO PÚBLICO: REFLEXO DOS VALORES DA SOCIEDADE Relevância do tema: papel do orçamento público na implementação de direitos Aspectos gerais sobre o Orçamento Público Preponderância do Executivo sobre o Legislativo em matéria orçamentária (In) Devido Processo Orçamentário Princípios orçamentários Princípios orçamentários consagrados no ordenamento jurídico brasileiro Princípios Orçamentários por Gustavo H. B. Franco Créditos Orçamentários Adicionais Limitações na elaboração do orçamento Progressiva vinculação de recursos para efetivação dos direitos fundamentais: o movimento das Emendas Constitucionais ressalvando o princípio da não-afetação Desvinculação de Receitas da União DA ANÁLISE SOBRE A MATERIALIDADE DAS ESCOLHAS ORÇAMENTÁRIAS

10 4.1 Inserção do objeto investigado Priorização do Superavit Primário (In) Verdades sobre os Direitos Sociais Análise qualitativa dos investimentos em educação e saúde Educação Saúde Análise crítica dos gastos com educação e saúde Breves Considerações sobre as Deficiências das Vinculações na Fase de Execução Orçamentária DO CONTROLE DOS ATOS DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: DEFICIÊNCIA DAS FORMAS TÍPICAS DE CONTROLE Controle social Controle interno Controle externo: Tribunal de Contas da União Constatações, Problemas da Judicialização de Políticas Públicas e Hipóteses de Solução CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE DAS LEIS ORÇAMENTÁRIAS As leis orçamentárias e o controle de constitucionalidade Estágio atual da jurisprudência e expectativas de controle Parâmetros de controle: Empecilho jurisprudencial a ser superado OUTROS PROBLEMAS Falta de regulamentação do art. 165, 9º da Constituição Inconstitucionalidade das desvinculações de receita da União Insubordinação da Lei Orçamentária Anual à Lei de Diretrizes Orçamentárias e destas ao Plano Plurianual CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

11 11 INTRODUÇÃO Vinte cinco anos se passaram desde a promulgação da Carta de 1988 e, até hoje, muitos dos direitos nela assegurados ainda não foram satisfatoriamente implementados pelo Estado. A justificativa oficial para essa realidade é a escassez de recursos públicos. É claro que o custo dos direitos é um limitador de sua implementação, mas reduzir o problema à insuficiência de verbas é um argumento bastante simplório que merece ser investigado. Os brasileiros sabem que estão sujeitos a uma carga tributária equiparada à de países de primeiro mundo e são retribuídos com serviços públicos de qualidade equiparada aos prestados em países subdesenvolvidos. Mas apesar de toda inquietude que esse fato possa causar, a verdade é que, ao invés de se indagar o que é feito dos recursos arrecadados pelo Estado, os cidadãos mais se preocupam em imprimir seus esforços para driblar, da melhor forma possível, a carga aviltante de tributos que os assola. Cansados de esperar que os agentes democraticamente eleitos cumpram com o dever constitucional de elaborar políticas públicas em prol de direitos fundamentais - cuja aplicabilidade deveria ser imediata, consoante redação expressa do art. 5º, 1º, da CF -, cidadãos depositam no Poder Judiciário as últimas esperanças de verem implementada a tão sonhada justiça social, anunciada no preâmbulo da Carta, como um objetivo a ser perseguido pelo então auto-denominado Estado Democrático de Direito. Com efeito, o Poder Judiciário vem sendo provocado a assumir uma postura cada vez mais ativa em prol da concretização de direitos fundamentais. A multiplicação de ações no intuito de obter prestações positivas por parte do Estado fez da judicialização de políticas públicas uma realidade no cenário nacional. Mas, ainda que essa conduta interventiva do Judiciário tenha o mérito de não deixar desamparado o cidadão que lhe procura como ultima ratio, ela não é imune a críticas. Em nome de alcançar aos jurisdicionados direitos constitucionalmente assegurados, o Judiciário acaba por infringir tantas outras normas constitucionais, notadamente as que dizem sobre a separação de poderes, o princípio democrático e o direito a um tratamento igualitário, além, é claro, de desestruturar o planejamento orçamentário do governo e desestimular o exercício ativo da cidadania, que pressupõe a reflexão sobre correlação entre o voto e a qualidade dos serviços públicos prestados pelo Estado. Baseado nessa conjuntura, o estudo tem por objetivo demonstrar de que forma o Judiciário pode contribuir mais eficiente e adequadamente para a consecução dos objetivos da

12 12 Constituição. Para tanto, faz-se uma análise crítica sobre a atuação dos Poderes precipuamente responsáveis pela condução política do Estado com vista a comprovar que a impotência governamental na concretização de direitos é protagonizada pela má gestão dos recursos públicos, e não pela falta deles, como tem sido propalado. O foco principal da investigação é o orçamento público, por ser este a expressão das decisões governamentais sobre a destinação de recursos públicos e eleição de prioridades, embora tenha sido necessário abordar diversos temas correlatos em razão do fundo político do objeto proposto. O diagnóstico dos problemas será precedido de uma análise histórica sobre as funções dos Poderes constituídos - com destaque para a prevalência do Poder Executivo - e contextualizado por uma narrativa teórico-empírica sobre o modus operandi do processo orçamentário pátrio. O destino dessa jornada está em perscrutar em que medida o Judiciário pode/deve contribuir para a neutralização do jogo político desenrolado entre o Legislativo e o Executivo e exigir a adequação da atividade orçamentária aos procedimentos e prioridades preconizadas pela Constituição Federal, sempre, por evidente, respeitando a liberdade de conformação do legislador e a margem de ação do administrador na tarefa a eles designada de implementação de políticas públicas. Em vista do explanado, o trabalho insere-se na linha de pesquisa Direitos Humanos e Instituições, por ter como pano de fundo a relação entre os direitos fundamentais, o constitucionalismo e o princípio da separação dos poderes, e também porque a análise aqui empreendida é permeada pela necessidade de encontrar meios que proporcionem maior efetividade aos direitos fundamentais sem desprezar o arranjo constitucional dos Poderes da República.

13 13 PARTE I ELEMENTOS PARA A COMPREENSÃO DO PROBLEMA DAS DISTORÇÕES NO ORÇAMENTO PÚBLICO 1. A EVOLUÇÃO DO PAPEL DO ESTADO NA CONCRETIZAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E A RELAÇÃO ENTRE OS PODERES EXECUTIVO E LEGISLATIVO NO CURSO DA HISTÓRIA 1.1 O Estado Liberal Não há Estado sem poder. O poder é uno em si e sua unicidade é que mantém hígida a ordem jurídica. São afirmações fora de contenda. O exercício desse poder é que pode ser estruturado de forma a concentrar-se num só órgão ou dividir-se entre diferentes órgãos do Estado. 1 A primeira conformação histórica do exercício do poder foi centralizadora, a exemplo da monarquia absoluta. A experiência demonstrou o quão prejudicial é essa concentração à liberdade dos indivíduos, e hoje a doutrina política embebe-se de teses sobre a limitação do poder estatal. Conforme ensina Ferreira Filho, há três técnicas para abalizar o poder do Estado. A primeira é a demarcação territorial do seu exercício. A segunda funda-se no reconhecimento de uma esfera de liberdade em favor dos indivíduos. A terceira consiste na divisão do poder entre as funções legislativa, executiva e jurisdicional, consagrada pela doutrina da separação dos poderes que hodiernamente orienta a organização governamental das democracias ocidentais. 2 É sobre as duas últimas que trataremos. Como bem salienta o jurista, a divisão funcional de poderes não foi invenção genial de um homem inspirado, mas sim o resultado empírico de um processo evolutivo político-constitucional, o que lhe empresta caráter mutante e explica a alternância de prevalência entre as funções estatais no curso da história. 3 1 FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de direito constitucional. 32. ed. São Paulo: Saraiva, 2006, p FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de direito constitucional. 32. ed. São Paulo: Saraiva, 2006, p FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de direito constitucional. 32. ed. São Paulo: Saraiva, 2006, p. 133.

14 14 Durante o período da história em que floresceu o Estado Liberal de Direito, orientado pelo princípio da legalidade, o Poder Legislativo experimentou significativa supremacia sobre a Administração e os juízes, os quais ficaram impedidos de invocar qualquer direito ou razão pública que se chocasse com a lei. 4 Porém, no início do século XIX, a expansão do Estado Social de Direito alterou a situação em prol do Poder Executivo. Analisemos brevemente a conjuntura histórica, em âmbito mundial, que serviu de palco para a alternância de preeminência entre os Poderes do Estado, para que possamos, no momento seguinte, contrastar essa tendência geral com a realidade brasileira. A inauguração do Estado Moderno, sucessor do modelo feudal, foi marcada pela concentração de poderes nas mãos dos monarcas, que, acreditava-se, eram representantes de Deus na Terra. A crença no caráter divino do poder monárquico franqueava à realeza uma soberania perpétua, originária e irresponsável em face de qualquer outro poder terreno, fomentando a personificação do Estado consagrada pela célebre frase do Rei Luis XIV: L Etat c est moi Nenhum dos elementos do Estado de Direito estavam presentes nesse período absolutista, pois nele não eram reconhecidos direitos fundamentais do homem, e a atuação do Príncipe não encontrava limites essencialmente jurídicos, mas sim de ordem éticoreligiosos ou sociais. 7 No final do século XVIII, uma nova fase do Estado Moderno começa a ser desenhada na Europa, oriunda das aspirações políticas da classe burguesa, que já não mais se contentava apenas com a detenção de poder econômico da época. 8 No intuito de conter os abusos praticados durante o Absolutismo, o pensamento liberal burguês introduziu o princípio da legalidade como estratégia para limitar o âmbito de intervenção do Estado na esfera de autonomia individual dos cidadãos. As revoluções liberais visavam à racionalização da atuação estatal mediante a limitação da Administração por regras gerais e abstratas e o reconhecimento de uma esfera de autonomia dos cidadãos, que, até esse 4 MARINONI, Luiz Guilherme. Teoria Geral do Processo. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007, p STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luis Bolzan de. Ciência política e teoria do Estado. 5. ed. Porto Alegre: Liv. do Advogado, 2006, p Jorge Reis Novais ressalta que, em verdade, o Estado Absoluto foi dividido em dois períodos. No primeiro, o Estado é considerado um bem patrimonial do Príncipe e no segundo, denominado Estado de polícia, o príncipe assume a tarefa de prover a felicidade e o bem dos súditos, período em que o fundamento divino é substituído por um fundamento racional. (NOVAIS, Jorge Reis. Contributo para uma Teoria do Estado de Direito do Estado liberal ao Estado social e democrático de Direito. Coimbra, Separata do volume XXIX do Suplemento ao Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 1987, p. 27). 7 NOVAIS, Jorge Reis. Contributo para uma Teoria do Estado de Direito do Estado liberal ao Estado social e democrático de Direito. Coimbra, Separata do volume XXIX do Suplemento ao Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 1987, p. 25 e STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luis Bolzan de. Ciência política e teoria do Estado. 5. ed. Porto Alegre: Liv. do Advogado, 2006, p. 51.

15 15 momento, figuravam como meros súditos passivos em respeito a um poder alheio e transcendente, sendo correto assinalar que o Estado racionalizado idealizado pelos valores burgueses era, pois, um Estado fundado e limitado pelo Direito A intromissão na liberdade individual passou a depender de uma lei aprovada com a cooperação da representação popular, fato que levou o poder político a concentrar-se nas mãos dos parlamentares - a quem competia, com exclusividade, a criação do direito 11 - e fundar-se numa estrutura normativa a partir de uma Constituição no sentido moderno do termo como expressão jurídica do acordo político fundante do Estado. 12 Surgia o que a doutrina convencionou chamar de direitos fundamentais de primeira dimensão ou direitos da liberdade contra o Estado, vocacionados a impedir ingerências na vida privada dos cidadãos. Tais direitos receberam a alcunha de direitos negativos porque, em tese, serviam de garantia de abstenção estatal, como o fazem, por excelência, o direito à vida, à liberdade, à igualdade formal perante a lei e à propriedade privada, que, aliás, era tida por sagrada no regime capitalista burguês. 13 Cumpre asseverar que os direitos fundamentais não eram um mero elemento, mas o verdadeiro fim da limitação jurídica do Estado. 14 Nesse contexto, explica Novais, a limitação pelo Direito confundia-se com o império da lei emitida pelo parlamento e acabava por conferir soberania ao Poder Legislativo. 15 Em tempos onde só em nome da lei podia impor-se obediência 16, o Executivo e o Judiciário assumiram posições óbvias de subordinação. 17 Ao primeiro 9 NOVAIS, Jorge Reis. Contributo para uma Teoria do Estado de Direito do Estado liberal ao Estado social e democrático de Direito. Coimbra, Separata do volume XXIX do Suplemento ao Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 1987, p. 33 e GARCÍA DE ENTERRÍA, Eduardo; FERNÁNDEZ, Tomás-Ramón. Curso de Direito Administrativo. Trad. Arnaldo Setti. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1991, p MARINONI, Luiz Guilherme. Teoria Geral do Processo. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007, p. 23 e STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luis Bolzan de. Ciência política e teoria do Estado. 5. ed. Porto Alegre: Liv. do Advogado, 2006, p SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p NOVAIS, Jorge Reis. Contributo para uma Teoria do Estado de Direito do Estado liberal ao Estado social e democrático de Direito. Coimbra, Separata do volume XXIX do Suplemento ao Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 1987, p NOVAIS, Jorge Reis. Contributo para uma Teoria do Estado de Direito do Estado liberal ao Estado social e democrático de Direito. Coimbra, Separata do volume XXIX do Suplemento ao Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 1987, p GARCÍA DE ENTERRÍA, Eduardo; FERNÁNDEZ, Tomás-Ramón. Curso de Direito Administrativo. Trad. Arnaldo Setti. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1991, p MARINONI, Luiz Guilherme. Teoria Geral do Processo. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007, p. 25.

16 16 competia executar as leis nos seus exatos limites, ao segundo aplicá-las sem qualquer margem de interpretação, numa tarefa puramente intelectual. 18 O Executivo era um gládio a serviço da lei cujas tarefas limitavam-se à defesa externa do Estado e à manutenção de ordem interna por meio de tarefas burocráticas sub lege de gestão das relações exteriores, da administração de serviços públicos essenciais, do comando das Forças Armadas e do aparato policial 19, de proteção das liberdades individuais recém-conquistadas e de garantia do exercício da liberdade econômica numa esfera capitalista de mercado, o que fazia do liberalismo clássico uma autêntica teoria antiestado. 20 Em que pese a experiência liberal tenha sido de suma importância para o processo de crescimento econômico, de valorização do indivíduo e de imposição de limites legais ao poder estatal 21, percebeu-se que tais avanços de nada serviriam sem a igualização de oportunidades aos beneficiários, sem que esses tivessem condições mínimas de vida e de expansão da personalidade. 22 A Relação jurídica de igualdade formal entre capitalistas e assalariados, explica Habermas, se transformou numa relação fática de subordinação, comprovando que a desvinculação da esfera pública da privada fracassou. 23 Essas falhas foram agravadas pela Revolução Industrial e em seguida pela Primeira Grande Guerra, e a situação de carência em que mergulhou a sociedade exigiu do Estado a adoção de novos valores a serem perseguidos, com um profundo significado para a reestruturação do seu papel. A conjuntura formada pela concentração de poderes na esfera privada e a promessa de igualdade institucionalizada na esfera pública deu ensejo a que os mais fracos do ponto de vista econômico se insurgissem politicamente contra aqueles favorecidos pelo sistema de mercado. O Estado passou a intervir no campo individual a partir do final do século XIX, demonstrando que as grandes massas conseguem traduzir os antagonismos econômicos em conflitos políticos. 24 Ocorre, assim, a transição do Estado Liberal para o Estado Social, a seguir descrita. 18 MARINONI, Luiz Guilherme. Teoria Geral do Processo. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007, p FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de direito constitucional. 32. ed. São Paulo: Saraiva, 2006, p STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luis Bolzan de. Ciência política e teoria do Estado. 5. ed. Porto Alegre: Liv. do Advogado, 2006, p STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luis Bolzan de. Ciência política e teoria do Estado. 5. ed. Porto Alegre: Liv. do Advogado, 2006, p FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de direito constitucional. 32. ed. São Paulo: Saraiva, 2006, p HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Trad. Flávio Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984, p. 177 e HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Trad. Flávio Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984, p

17 O Estado Social: a relevância do Poder Executivo O abstencionismo ou neutralismo do Estado Liberal fez eclodir no decorrer do século XIX inúmeros movimentos sociais buscando reparar as injustiças causadas pelo individualismo clássico liberal. O Estado de Direito deixaria de ser formal e individualista para tornar-se num Estado material de Direito versado a promover justiça social pela afirmação de direitos sociais. 25 Consoante pontua Clèmerson Merlin Clève, diversos acontecimentos históricos contribuíram para o surgimento do Estado Social. Na seara econômica, o processo foi impulsionado pela necessidade de corrigir as distorções causadas pelo capitalismo. Com o propósito de aquilatar os extremos entre o acúmulo de riqueza e a marginalização da classe proletária, o Estado passou a intervir na economia para limitar a autonomia de vontade dos negócios privados sobretudo no campo do Direito Trabalhista-, fiscalizar o exercício da livre concorrência e atuar diretamente no processo econômico por meio de empresas estatais. Houve também um viés ideológico na transição, o qual foi capitaneado pelas teorias socialistas, com destaque para o marxismo, e pela própria Igreja, que repreendia o liberalismo por não ter propiciado condições sociais para uma vida humana digna. Pelo prisma político, por fim, o sufrágio universal igualmente contribuiu para o advento do Estado Social ao conciliar as ideias de liberalismo e democracia. Enfim, todos esses fatores, encerra o autor, somados a outros mais, concluíram por forçar o nascimento de um novo tipo de Estado. 26 No que tange mais intimamente a nossa linha de estudo, ressalta-se que foi nesse contexto de enrijecimento da crise econômico-social que os movimentos reivindicatórios passaram a exigir do Estado uma postura ativa no sentido de promover a igualdade material dos cidadãos, dando azo ao surgimento dos chamados direitos econômicos, sociais e culturais, cuja função é garantir aos indivíduos prestações positivas de cunho assistencial por parte do Estado, como o são, e.g., os direitos à saúde e à educação. 27 Segundo Bonavides, a ânsia de institucionalizar tais direitos levou à queda do grau de juridicidade das Constituições da época, que passaram a caracterizar-se pela normatividade mínima e programaticidade máxima. Ao contrário do Estado Liberal que apenas declarava direitos invioláveis dos indivíduos sem muito apreço à ciência jurídica, o 25 SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, 2005, p CLÈVE, Clèmerson Merlin. Atividade Legislativa do Poder Executivo no Estado Contemporâneo e na Constituição de São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1993, p SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p. 261.

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 Altera o art. 5º da Lei nº 9.717, de 27 de novembro de 1998, para que os regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da União,

Leia mais

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Prezados Acadêmicos Iremos abordar os aspectos mais relevantes

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. Constituição e antecedentes A fim de se limitar o poder, e de se garantir direitos aos indivíduos, separou-se, hierarquicamente, as normas constitucionais das

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006 Altera o 1º do art. 1º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para incluir os estudantes da educação fundamental de jovens e adultos como beneficiários

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional de Capacitação Judicial de magistrados e servidores do Poder Judiciário (Publicada no DJ-e nº

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS AYRES DE ALMEIDA SILVA FILHO EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O que é uma ONG? Rodrigo Mendes Delgado *. Uma ONG é uma Organização Não-Governamental. Mas, para que serve uma ONG? Simples, serve para auxiliar o Estado na consecução de seus objetivos

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE FUNDO E ORÇAMENTO NA EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Eugênia Aparecida Cesconeto 1 Política Social e Serviço Social INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/1 DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL II PROFESSOR: SERGIO ROBERTO LEAL DOS SANTOS TURMA: 4º

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Benefícios Fábio Alexandre Coelho Luciana Maria Assad Vinícius Alexandre Coelho 4ª edição Revista e atualizada até julho/2015 Rua Machado

Leia mais

Conteúdo de sala de aula.

Conteúdo de sala de aula. Assunto. Administração Pública I. Categoria. Conteúdo de sala de aula. III - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Mesmo sabendo que a expressão Administração Pública tem vários sentidos e formas de estudo, nesse momento

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 a) CARACTERÍSTICAS I. Órgãos representativos: Câmara dos Deputados Representa o Povo

Leia mais

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC artigo POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC Mariana Moreira * Kleyton Rogério Machado Araújo ** A Lei federal 13.019/2014, ou Marco Regulatório das Organizações Sociais (MROSC),

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

TESTE RÁPIDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (A)

TESTE RÁPIDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (A) TESTE RÁPIDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (A) ADMINISTRAÇÃO FINANCEEIRA E ORÇAMENTÁRIA (AFO) 1) (CESPE - Analista Administrativo Administrador - ANP 2013) De acordo com o princípio da especialização,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Questão interessante diz respeito aos requisitos legais a serem cumpridos pelos municípios para repassar subvenção social a entidades

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015 DE DIREITO DO ESTADO 2015 EMENTA O Direito Constitucional é a referência axiológica para a aplicação de todos os ramos do Direito. Nesse sentido, este curso de Prática Jurídica Constitucional possibilita

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

A CONSTITUCIONALIZAÇAO DAS FINANÇAS PÚBLICAS NO BRASIL

A CONSTITUCIONALIZAÇAO DAS FINANÇAS PÚBLICAS NO BRASIL Eduardo Bastos Furtado de Mendonça Mestre e Doutorando em Direito pela UERJ. Professor de Pós-graduação lato sensu da UERJ (CEPED) e da Universidade Cândido Mendes. Advogado no Rio de Janeiro. A CONSTITUCIONALIZAÇAO

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 13 PERÍODO: 4 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO FINANCEIRO E ECÔNOMICO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 157, de 2002, do Senador Carlos Bezerra, que acrescenta art. 392-B à Consolidação das Leis

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 Fixa parâmetros para a remuneração da Carreira de

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

Teoria Geral de Administração Pública

Teoria Geral de Administração Pública Teoria Geral de Administração Pública Robert B. Denhardt GRUPO 4 Disciplina Débora Cabral Nazário Fabíola Ferreira de Macedo Rafael Arns Stobbe Governo Eletrônico Professor Aires José Rover Eduardo Costa

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

JUIZ FEDERAL TRF 1ª REGIÃO

JUIZ FEDERAL TRF 1ª REGIÃO DIREITO FINANCEIRO I. Finanças Públicas na Constituição Federal... 02 II. Orçamento... 04 III. Despesa Pública... 39 IV. Receita Pública... 76 V. Dívida Ativa da União de Natureza Tributária e não-tributária...

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2 Fernando Brandão Apresentação do Curso Objetivos da aprendizagem; Introdução ao planejamento público (Aulas # 1 e # 2) História do orçamento público;

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR Relator: Ministro Marco Aurélio Requerente: Procurador-Geral da República Interessados: Governador do Estado de Sergipe Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO. Cláudia Cristina Aires Gomes

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO. Cláudia Cristina Aires Gomes CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO Cláudia Cristina Aires Gomes Medidas Provisórias e os gastos obrigatórios de caráter continuado Projeto

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais