PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS VOLUME I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS VOLUME I"

Transcrição

1 PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS VOLUME I FUNDAMENTOS E METODOLOGIA

2 1. INTRODUÇÃO Uma das diretrizes mais importantes a ser estabelecida por uma Organização se relaciona com a política de salários que deve ser adotada para os seus empregados. O êxito de uma organização assenta-se, sobretudo, na qualidade e dedicação do seu pessoal, portanto, a adoção de uma política salarial coerente torna-se num dos melhores métodos para estimular a produtividade, visto que, naturalmente, há um maior esforço e interesse do empregado quando recebe, da Organização, os incentivos e motivação adequados. Os salários se constituem no centro das atenções nas relações entre o capital e o trabalho. Todas as pessoas, dentro das Organizações, dispensam o seu tempo e o seu esforço em troca de uma retribuição pecuniária que representa o intercâmbio de uma equivalência entre direitos e responsabilidades recíprocos entre empregados e empregador. Dentro dessa ótica e objetivando minimizar os problemas existentes, bem como prevenir os futuros, a CBPM, com o assessoramento técnico da ORGANIZA - Organização, Planejamento e Consultoria Ltda. S/C e do CETEAD - Centro Educacional de Tecnologia em Administração, realizou a revisão do seu PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCCS, o qual está constituído dos seguintes manuais: a) VOLUME I - Fundamentos e Metodologia b) VOLUME II - Descrição e Especificação de Cargos c) VOLUME III - Avaliação de Cargos d) VOLUME IV - Pesquisa Salarial e) VOLUME V - Estrutura Salarial f) VOLUME VI - Enquadramento Inicial no PCCS g) VOLUME VII - Quadro de Pessoal h) VOLUME VIII - Diretrizes para Administração do PCCS No desenvolvimento do Plano foi adotada uma metodologia de parceria com a Gerência Administrativa, visando não só transferir para a CBPM a tecnologia do modelo adotado, bem como criar uma cultura facilitadora para a efetiva operacionalização e gestão do plano. 2. METODOLOGIA Os trabalhos foram realizados observando as seguintes fases: 2

3 I - Análise da Situação de Cargos e Salários e Levantamentos de Dados Quadro de Pessoal formado com base na Estrutura Organizacional e no elenco de cargos da Empresa. Através de descrições existentes de cada cargo foram constatadas as reais necessidades em termos de extinção e/ou criação de cargos. II - Produtos do Levantamento de Dados 1. Definição do Elenco de Cargos De posse das informações levantadas junto à Gerência Administrativa, foi elaborado o elenco de cargos. A filosofia de cargos amplos foi utilizada para os cargos de apoio administrativo e operacional. Os cargos foram divididos em dois grupos ocupacionais, em função do contexto organizacional em que se inserem, bem como de suas características e complexidades: GRUPO I: composto pelos cargos cujas atividades estão voltadas para a área meio da organização, isto é, administração, serviços de suporte e apoio; são os cargos profissionais que exigem formação em Nível Universitário e os cargos de Apoio Administrativo e Operacional, com exigência de formação em Ensino Fundamental, Médio ou Profissionalizante; GRUPO II: composto pelos cargos cujas atividades estão voltadas para a área finalística da organização, são os cargos profissionais que exigem formação em Nível Universitário e os cargos de Apoio Técnico e Operacional, com exigência de formação em Ensino Fundamental, Médio ou Profissionalizante. 2. Descrição de Cargos Após a definição do elenco de cargos, foram elaboradas novas minutas das Descrições de Cargos com base nas descrições existentes, as quais foram submetidas às chefias da Empresa para apreciação e eventuais alterações. As descrições de cargos encontram-se no VOLUME II do PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS. 3

4 III - Avaliação de Cargos 1. Sistema Adotado De comum acordo entre a CONSULTORIA e a CBPM decidiu-se pela adoção do Sistema de Pontos para a avaliação tanto dos cargos de Apoio Administrativo e Operacional como também dos cargos de Nível Universitário. O método de avaliação por pontos é o mais conhecido e utilizado nas empresas, por ser o método mais objetivo, analítico, preciso, de fácil aplicação e cujos resultados são aceitos pelos empregados. Foram selecionados para a avaliação, os fatores mais comuns à maioria dos cargos e que ao mesmo tempo demonstraram as peculiaridades de cada um. Esses fatores foram graduados e cada grau corresponde a um certo número de pontos. Os fatores se constituem em regras que mensuram as múltiplas facetas de cada cargo. Os pontos de cada grau dos fatores são decorrentes de análise de regressão múltipla. Assim foram atribuídos pontos aos cargos, através da avaliação por fatores do Manual de Avaliação, constantes no VOLUME III do PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS, bem como o resultado das avaliações do Comitê. Para os cargos profissionais de nível universitário foi adotado um Manual de Avaliação distinto, em função das especificidades e contexto dos cargos na Organização, conforme Volume III do PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS. 2. Constituição do Comitê de Avaliação Foi constituído um Comitê para análise das descrições de cargos e respectivas avaliações. O Comitê foi formado de pessoas-chave da Empresa, indicadas pela Diretoria Executiva, das diversas áreas organizacionais e que conhecem a empresa como um todo. IV - Pesquisa Salarial Buscando posicionar a Empresa diante da realidade do mercado de trabalho foi realizada uma pesquisa salarial com cinco das nove empresas convidadas com as mesmas peculiaridades econômicas e estruturais da CBPM, indicadas pela Diretoria. 4

5 A pesquisa foi tratada com 25% do coeficiente de variação (CV) buscando eliminar aqueles salários que provocariam distorções na amostra pesquisada. A tabulação da pesquisa proporcionou a identificação das seguintes medidas, dentre outras: a) Média = média aritmética da amostra b) 1 0 Quartil = salário central da primeira metade da amostra (salários mais baixos) c) Mediana = salário central da amostra d) 3 0 Quartil = salário central da segunda metade da amostra (salários mais altos) e) Desvio Padrão = variação da amostra em relação à média f) Freqüência = número de empregados encontrados naquele cargo. g) E><M = percentual de diferença entre os salários médios da CBPM e do mercado. A pesquisa, além de posicionar a CBPM em relação ao Mercado, representa também uma ferramenta básica para a montagem da Curva Salarial propriamente dita. O resumo do relatório de Pesquisa Salarial e os resultados da tabulação são apresentados no Volume IV. V - Estrutura Salarial A partir dos resultados das avaliações dos cargos realizadas pelo Comitê de Cargos e Salários e dos resultados obtidos na Pesquisa Salarial, após definição das medidas a serem consideradas, procedeu-se o ajustamento das curvas tidas como ideais à realidade da CBPM: Pontos X Mercado (Salários). As estruturas salariais com os respectivos níveis e grupos de cargos, para jornada de 40 (quarenta) horas semanais, encontram-se no Volume V. 5

6 VI - Diretrizes para Administração do PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS As diretrizes para Administração do PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS, constantes do Volume VIII, constituem-se de orientações, não somente quanto aos aspectos políticos, mas também de operacionalização do Plano, objetivando: a) Estruturação do Quadro de Pessoal; b) Criação e Extinção de Cargos; c) Avaliação, Classificação e Reclassificação de Cargos; d) Enquadramento de Pessoal. e) Manutenção do PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS. VII - Recomendações Gerais A implantação de um Plano de Cargos, invariavelmente, dependendo da política definida para o enquadramento, tende a igualar os desiguais, ou seja, aquele empregado que ao longo do tempo demonstrou ser diferenciado, pelo seu desempenho, qualificação, interesse e comprometimento com a Empresa e que por isso mesmo já percebe um salário maior, passa a ter o mesmo salário de outro que não tem se destacado e cumpre apenas as suas atribuições de modo satisfatório. Tal situação ocorre com as decisões equivocadas de que o enquadramento deve sempre se dar no nível inicial da faixa salarial do cargo, rompendo com o equilíbrio interno já alcançado com o reconhecimento dos desempenhos individuais. Como conseqüência, vemos, muitas vezes, aguçado o descontentamento com a implantação de um instrumento que busca justamente o contrário, além de maior transparência, justiça, reconhecimento e respeito ao empregado. Recomendamos que seja estabelecida como política, nesta etapa de implantação do Plano, o enquadramento em nível salarial que mantenha a conquista do empregado, ou seja, conferindo tratamento diferenciado aos desiguais. 6

7 PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS VOLUME II DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE CARGOS 7

8 1 - GRUPO I: CARGOS DA ÁREA MEIO CARGOS DE APOIO ADMINISTRATIVO E OPERACIONAL 01 - Assistente Administrativo 02 - Técnico de Editoração Gráfica CARGOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO 01 - Administrador 02 - Advogado 03 - Analista de Sistemas/Programador 04 - Assistente Social 05 - Bibliotecário 06 - Contador 07 - Economista 08 - Estatístico 8

9 DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE CARGOS DO GRUPO I ÁREA MEIO CARGOS DE APOIO ADMINISTRATIVO E OPERACIONAL 9

10 DESCRIÇÃO DO CARGO Título do Cargo: Assistente Administrativo Título Anterior: Assistente Técnico Administrativo, Assistente Administrativo I e II, Técnico de Contabilidade, Secretaria Executiva. Sumário Desenvolver atividades administrativas variadas e diversificadas, realizando alguns estudos e controles que apresentam certo grau de dificuldade, de acordo com a sua área de atuação, bem como, organizar, controlar e arquivar correspondência da Instituição, agendando compromissos, mantendo contatos internos e externos. Habilidades e Atividades Principais Orientar e controlar os trabalhos administrativos e/ou técnicos da sua área de atuação. Cumprir as normas gerais, baseando-se em leis e decretos governamentais, a fim de cumprir jurisprudência administrativa única para todo o serviço. Colaborar na elaboração de Plano e/ou Programas de Trabalho. Prestar assistência aos órgãos técnicos da Empresa em programas e/ou projetos de racionalização e padronização de rotinas. Emitir opiniões e sugestões sobre assuntos relacionados à sua área de atuação. Supervisionar a execução dos contratos/serviços terceirizados. Efetuar a contabilidade, analisando, classificando e planilhando a documentação recebida, de caixa, bancos e contas a receber, de acordo com o plano de contas da empresa, bem como notas de débito, crédito e notas fiscais. Realizar análise, conciliação, correções e ajustes de contas contábeis, confrontando com os extratos bancários, com os saldos das contas no sistema contábil e os documentos que originaram a movimentação. Escriturar em livros e/ou lançar no sistema de apuração de impostos, classificando documentos, preenchendo guias de recolhimento e documentos fiscais, obedecendo à legislação vigente. Preparar dados para confecção de relatórios mensais, anuais e específicos, enviando aos órgãos interessados quando solicitado. Elaborar mapas de rateio. Participar dos trabalhos de auditoria e serviços contábeis, prestando informações e facilitando o desenvolvimento dos trabalhos de auditoria. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Redigir correspondências e outros documentos, seguindo o padrão de estética ditado pelas normas internas. 10

11 Receber, analisar e manter o controle de todo documento e/ou correspondência enviados ao seu setor, classificando-os por assunto e dando o devido encaminhamento. Manter contatos internos e externos com pessoas físicas e jurídicas que normalmente interrelacionam-se com seu superior, dispensando a todos a devida atenção e o tratamento apropriado. Executar outras atividades correlatas. Especificação do Cargo Pré requisito - Ensino Médio completo. Julgamento e Iniciativa - Tarefas variadas, embora de natureza rotineira. O ocupante lida com problemas padronizados e se baseia em precedentes para a sua solução adequada. Esporadicamente defronta-se com problemas originais ou pouco freqüentes. Responsabilidade pela Segurança de Terceiros - As tarefas do ocupante são de tal ordem que não haveria possibilidade patente de provocar acidentes de terceiros. Os acidentes possíveis seriam remotos. Responsabilidade por Relações - Os contatos são freqüentes e exigem tato e habilidade para obter a cooperação de terceiros. 11

12 DESCRIÇÃO DO CARGO Título do Cargo: Técnico de Editoração Gráfica Título Anterior: Desenhista Sumário Elaborar desenhos de construção civil, arquitetônico, cartográficos, baseados em estudos de projetos, levantamentos topográficos para serem representados em plantas e mapas. Habilidades e Atividades Principais Confeccionar, digitalizar e editorar mapas geológicos, gráficos, tabelas, capas de relatórios, letreiros, fluxogramas, etc., discutindo com o interessado os problemas e possíveis soluções. Elaborar desenhos cartográficos baseando-se em dados compilados de levantamentos topográficos e cartográficos e outros registros relativos às áreas estudadas para possibilitar a sua representação em plantas e mapas. Determinar escalas convenientes, reduzindo ou ampliando o desenho original, para atender os objetivos do trabalho. Localizar acidentes geográficos e outros, utilizando instrumentos apropriados de desenho, para complementar plantas topográficas. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Executar atividades correlatas. Especificação do Cargo Pré requisito - Ensino Médio completo. Experiência - Mínimo de dois anos no exercício do próprio cargo ou em atividades correlatas. Julgamento e Iniciativa - Em sua grande maioria as tarefas são repetitivas. O ocupante usa iniciativa própria para solucionar problemas simples e encaminhá-los. Responsabilidade pela Segurança de Terceiros - As tarefas do ocupante são de tal ordem que não haveria possibilidade patente de provocar acidentes de terceiros. Os acidentes possíveis seriam remotos. 12

13 Responsabilidade por Relações - Os contatos são freqüentes e exigem tato e habilidade para obter a cooperação de terceiros. 13

14 DESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES DE CARGOS DO GRUPO I CARGOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO 14

15 Cargo: ADMINISTRADOR Sumário Pesquisar, estudar, analisar, organizar, implantar, controlar e coordenar atividades referentes à administração de pessoal, de material, financeira e orçamentária, organização e métodos e outros campos de administração geral. Habilidades e Atividades Principais Participar do estabelecimento de normas e procedimentos de administração geral e do provimento de recursos humanos e materiais. Participar do acompanhamento e controle do desenvolvimento das atividades executadas. Prestar assistência ao superior hierárquico na interpretação e execução das políticas da Empresa, planos, programas e procedimentos. Promover a racionalização de atividades. Elaborar planos, programas, projetos e procedimentos. Prestar assessoramento técnico aos diversos órgãos da Empresa, em assuntos de administração geral e específica. Estudar e emitir pareceres em assuntos relacionados com seu campo de atividade. Elaborar orçamento de projetos desenvolvidos pela Empresa. Elaborar orçamentos anuais/plurianuais da Empresa. Acompanhar o comportamento da receita e despesa financeira da Empresa em função do orçamento, apontar as distorções e recomendar medidas corretivas. Elaborar previsões financeiras. Elaborar mapas de roteiro de custos. Emitir relatório de custo dos projetos. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Exercer outras competências e atividades correlatas. Pré requisito Bacharel em Administração com registro no respectivo órgão de classe. 15

16 Cargo: ADVOGADO Sumário Analisar e emitir pareceres sobre assuntos jurídicos pertinentes à Legislação Fiscal, Trabalhista, Administrativa, Civil, Comercial, Mineral e outras. Habilidades e Atividades Principais Elaborar ou examinar convênios, escrituras, contratos, instruções, atos normativos e outros documentos. Elaborar correspondências que envolvam aspectos jurídicos. Elaborar editais. Acompanhar a legislação e jurisprudência. Propor, contestar e acompanhar ações jurídicas no Foro e Delegacias de Polícia. Representar a Empresa em juízo ou fora dele. Incumbir-se de acompanhar a legislação de títulos de propriedade de imóveis. Elaborar recomendações e instruções jurídicas, visando medidas acautelatórias dos interesses da Empresa. Emitir pareceres jurídicos. Assessorar os diversos órgãos da Empresa sempre que for solicitado. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Exercer outras competências e atividades correlatas. Pré requisito Bacharel em Direito com registro no respectivo órgão de classe. 16

17 Cargo: ANALISTA DE SISTEMAS/PROGRAMADOR Sumário Planejar, avaliar, coordenar e estruturar as atividades de desenvolvimento e análise de sistemas de informações, processamentos de dados e suporte, em sintonia com as necessidades dos usuários. Habilidades e Atividades Principais Efetuar o levantamento das funções dos usuários para dimensionar os recursos de informática em consonância com as suas reais necessidades. Dimensionar recursos para a implementação dos sistemas e processamento de dados a serem executados, elaborando cronograma com as fases do projeto, prazos e recursos humanos e materiais envolvidos. Manter sistemas já desenvolvidos, ajustando-os às novas necessidades e solicitações de usuários, visando manter sua continuidade operacional. Efetuar projetos de sistemas. Planejar e elaborar projetos de informática. Analisar e avaliar softwares e hardwares mais adequados à execução das atividades da Empresa. Analisar e avaliar sistemas e composição de redes de computadores para a Empresa. Dar apoio aos serviços e usuários de informática da Empresa. Propor treinamento aos usuários na operação e entendimento do produto desenvolvido. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Exercer outras competências e atividades correlatas. Pré requisito Bacharel em: Análise de Sistemas ou Ciências da Computação ou Ciências da Informação ou Engenharia da Computação com registro no respectivo órgão de classe. 17

18 Cargo: ASSISTENTE SOCIAL Sumário Organizar e executar programas de serviço social, realizando atividades de caráter educativo, recreativo, assistência à saúde e outros, para facilitar a integração dos trabalhadores e contribuir para as relações humanas na Empresa. Habilidades e Atividades Principais Aplicar técnicas de integração social do homem ao ambiente de trabalho, visando à realização profissional e social do indivíduo e a humanização do trabalho. Participar de programas de reabilitação profissional. Acompanhar os serviços hospitalares, através de visitas a empregados internados em casas de saúde ou clínicas especializadas. Acompanhar e avaliar os benefícios previstos nos convênios firmados pela Empresa. Orientar os empregados quanto aos benefícios que podem dispor e a forma de obtêlos. Prevenir e tratar situações ou problemas ligados as interpelações de trabalho ou que embora não originados nele, afetam o bem-estar à sua disposição. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Exercer outras competências e atividades correlatas. Pré requisito Bacharel em: Assistente Social ou Serviço Social com registro no respectivo órgão de classe. 18

19 Cargo: BIBLIOTECÁRIO Sumário Organizar e executar o sistema de informações técnico-científicas do centro de documentação, desenvolvendo e aperfeiçoando sistemas de busca e recuperação da informação, para permitir a centralização, controle, armazenamento, recuperação e divulgação das informações. Habilidades e Atividades Principais Elaborar planos e projetos pertinentes a sua área. Planejar e supervisionar a política de aquisição de documentação, estabelecendo as prioridades que forem pertinentes. Proceder as operações de análise de conteúdo e características físicas formais de cada documento, destinadas a estabelecer sua identidade e descrição, de modo a permitir a posterior recuperação da informação. Planejar a organização dos documentos históricos e administrativos da CBPM para que sejam armazenados de forma adequada, a fim de facilitar sua consulta e preservar sua manutenção. Processar e armazenar a documentação, proporcionando a recuperação da informação e o acesso aos documentos. Planejar, organizar e supervisionar as atividades de empréstimos, conservação e restauração de documentos bibliográficos. Elaborar manuais de normalização de publicações. Proceder a normatização na apresentação de documentos técnicos elaborados na CBPM. Promover a disseminação seletiva da informação. Realizar pesquisas bibliográficas e elaborar listas com os resultados dessas pesquisas. Participar da seleção e efetuar o treinamento dos estagiários de biblioteconomia. Preparar relatórios de acompanhamento de atividades, apontar resultados obtidos e participar da avaliação dos trabalhos. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Exercer outras competências e atividades correlatas. Pré requisito Bacharel em: Biblioteconomia com registro no respectivo órgão de classe. 19

20 Cargo: CONTADOR Sumário Orientar o cumprimento e a aplicação sob o aspecto contábil, da legislação societária, fiscal, trabalhista e previdenciária. Habilidades e Atividades Principais Executar, orientar e controlar os serviços relacionados com escrituração dos livros e registros contábeis da Empresa. Executar, orientar e controlar serviços de contabilidade geral. Preparar relatórios e demonstrativos sobre patrimônio, investimentos, receitas e despesas da Empresa. Coordenar o registro e o controle de direitos e obrigações vinculados à Empresa. Estudar, sob o aspecto contábil, dispositivos legais em geral e suas implicações na contabilidade da Empresa. Proceder a inspeção relacionada com a execução, centralização e coordenação das atividades contábeis e de escrituração. Fornecer dados contábeis e estatísticos. Emitir pareceres sobre assuntos de sua responsabilidade. Assessorar em assuntos de contabilidade e orçamento. Elaborar e seguir normas relativas aos serviços contábeis. Assistir aos trabalhos de auditoria e perícias contábeis. Efetuar balancetes e balanços patrimoniais e demais demonstrações contábeis e financeiras. Elaborar relatórios para as Auditorias. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Exercer outras competências e atividades correlatas. Pré requisito Bacharel em: Contabilidade com registro no respectivo órgão de classe. 20

21 Cargo: ECONOMISTA Sumário Elaborar e acompanhar orçamentos, acompanhar a situação econômica e financeira da Empresa, bem como efetuar estudos de viabilidade econômica de projetos e de mercados. Habilidades e Atividades Principais Elaborar e consolidar orçamento de projetos desenvolvidos pela Empresa. Acompanhar e analisar o comportamento da conjuntura econômica regional e nacional para elaboração de estudos. Elaborar orçamentos anuais/plurianuais da Empresa. Acompanhar o comportamento da receita e despesa da Empresa em função do orçamento, assim como apontar as distorções e recomendar medidas corretivas. Analisar projeções de dados estatísticos. Elaborar previsões financeiras. Analisar a situação econômica financeira da Empresa, calculando índices e elaborando relatórios. Efetuar análise econômica dos serviços prestados pela Empresa. Acompanhar e analisar políticas e legislação de Pesquisa Mineral. Emitir pareceres técnicos sobre assuntos econômicos e financeiros. Estudar e propor soluções para as consultas formuladas pelos diversos órgãos da Empresa, nos âmbitos econômico e financeiro. Estabelecer controles financeiros e de produtividade para os diversos elementos gerenciais e operacionais da Empresa. Acompanhar e controlar contratos de serviços. Acompanhar e controlar os elementos contábeis da Empresa, tais como recolhimentos fiscais, conciliação das contas e encargos fiscais, fluxo de caixa e conciliação bancária. Fiscalizar pagamentos com base nos processos licitatórios. Acompanhar e controlar contratos, bem como corrigi-los. Acompanhar os índices econômico-financeiros. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Exercer outras competências e atividades correlatas. Pré requisito Bacharel em Economia com registro no respectivo órgão de classe. 21

22 Cargo: ESTATÍSTICO Sumário Assessorar no emprego de vários métodos estatísticos em campos particulares, orientando especialistas na conduta da coleta, análise e tratamento dos dados. Habilidades e Atividades Principais Planejar e realizar pesquisas quantitativas e qualitativas por amostragem, elaborando questionários e instruções e orientando entrevistados. Organizar o tratamento dos dados obtidos nas pesquisas ou provenientes de outras fontes, utilizando quadros especiais e outros meios e dirigindo o trabalho de cálculo. Efetuar a avaliação, ordenação, análise e interpretação dos dados coletados, examinando e correlacionando os elementos segundo sua natureza, freqüência e grandeza. Redigir informações sobre questões de metodologia, planejamento, execução e resultados das investigações, elaborando relatórios e quadros especiais. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Exercer outras competências e atividades correlatas. Pré requisito Bacharel em Estatística com registro no respectivo órgão de classe. 22

23 ESTRUTURA DOS CARGOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DO GRUPO I CARGOS CLASSE PERFIL I Execução de atividades qualificadas que obedecem a padrões definidos, participação da elaboração de projetos e de estudos e análises de viabilidade pertinentes a sua área de atuação. Administrador Execução de atividades diversificadas de Advogado natureza relativamente complexa; orientação II de outros profissionais da área de atuação, Analista de Sistemas gerência e elaboração de projetos, estudos de Assistente Social viabilidade e emissão de pareceres técnicos Bibliotecário de menor complexidade. Contador Economista Estatístico III IV Execução de atividades diversificadas, variadas e complexas, participação na formulação de metas e objetivos para a sua área de atuação, coordenação de projetos e de equipes, assessoramento, emissão de pareceres técnicos e realização de estudos de viabilidade pertinentes à sua área de formação e de atuação. Execução de atividades diversificadas, variadas e de alta complexidade, proposição e formulação de metas e objetivos na sua área de atuação, consultoria, assessoramento e emissão de laudos de perícia técnica em sua área de formação. CARACTERÍSTICAS PESSOAIS E COMPORTAMENTAIS CARGOS CLASSE CARACTERÍSTICAS Administrador Advogado Analista de Sistemas/Programador Assistente Social Bibliotecário Contador Economista Estatístico I II III IV Dinâmico, ágil, objetivo, sociável, cooperativo, comunicativo, lógico, flexível, multifuncional, adaptável, trabalho em equipe, relacionamento interpessoal. Além das anteriores: liderança, resolução de conflitos. Além das anteriores: orientação, sistêmico, multiplicador. Além das anteriores: negociador, articulador, poder de decisão. 23

24 2 - GRUPO II: CARGOS DA ÁREA FINALÍSTICA CARGOS DE APOIO TÉCNICO E OPERACIONAL 01 - Auxiliar Técnico 02 - Técnico de Geologia e Mineração CARGOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO 01 - Engenheiro Agrimensor 02 - Engenheiro de Minas 03 - Geofísico 04 - Geólogo 24

25 DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE CARGOS DO GRUPO II ÁREA FINALÍSTICA CARGOS DE APOIO TÉCNICO E OPERACIONAL 25

26 DESCRIÇÃO DO CARGO Título do Cargo: Auxiliar Técnico Título Anterior: Auxiliar Técnico, Laboratorista, Mecânico de Autos I, Mecânico de Autos II e motorista. Sumário Executar atividades de apoio aos trabalhos geológicos, geoquímicos, geofísicos, topográficos e de laboratório no campo e no escritório, bem como, fazer a manutenção dos veículos da Empresa, quando em viagens de apoio técnico. Habilidades e Atividades Principais Auxiliar na execução de trabalhos topográficos, geofísicos, geoquímicos e geológicos (sondagens rasas com trado, poços, trincheiras). Auxiliar no controle de trabalhadores braçais quando necessário. Auxiliar ao Geólogo e/ou Técnico de Mineração e Geologia nas atividades técnicas e administrativas dos projetos de campo. Auxiliar nos serviços de processamento de amostras e de pequenos ensaios analíticos. Auxiliar nos serviços de manutenção dos equipamentos geofísicos e de laboratório. Executar serviços de laminação de rochas e testemunhos de sondagem e preparação de lâminas delgadas e polidas. Conduzir veículos da empresa, quando for autorizado, visando o cumprimento de suas tarefas no apoio aos trabalhos técnicos dos geólogos e técnicos em mineração. Fazer verificação geral dos veículos antes das viagens de campo para que não haja prejuízo das atividades técnicas. Efetuar pequenos reparos de emergência no veículo sob sua responsabilidade, quando da execução das atividades técnicas no campo, encaminhando-o posteriormente para revisão mecânica, de acordo com orientação do Setor competente. Registrar em formulário específico a posição do odômetro, tanto na saída, como no retorno do veículo quando em viagem de apoio a trabalhos técnicos. Zelar pelos recursos humanos, materiais e financeiros à sua disposição. Executar outras atividades correlatas. Especificação do Cargo Pré requisito - Ensino Médio completo e Carteira de Habilitação categoria C. 26

27 Julgamento e Iniciativa - Tarefas repetitivas que oferecem reduzido teor de variedade. O ocupante decide sobre alternativas de fácil escolha. Os problemas eventuais são encaminhados à chefia para decisão. Responsabilidade pela Segurança de Terceiros - O ocupante é diretamente responsável pela segurança de terceiros, deve exercer cuidados freqüentes para evitar acidentes de natureza grave. Responsabilidade por Relações - Os contatos são freqüentes e exigem tato e habilidade para obter a cooperação de terceiros. 27

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos GLOSSÁRIO Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos nele apresentados, embora aplicáveis em outros contextos. Análise atividade que envolve a determinação

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

ANEXO ÚNICO RESOLUÇÃO CRM-SC N 166, DE 16/8/2015 DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES E REQUISITOS PARA A OCUPAÇÃO DO CARGO DE CONTADOR

ANEXO ÚNICO RESOLUÇÃO CRM-SC N 166, DE 16/8/2015 DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES E REQUISITOS PARA A OCUPAÇÃO DO CARGO DE CONTADOR RESOLUÇÃO CRM-SC Nº 166/2015 Institui na estrutura administrativa de pessoal do CRM-SC o cargo de contador e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado de Santa Catarina, instituição

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: 100 ADMINISTRADOR ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Reportar-se ao Diretor de Gestão, de quem recebe orientação e supervisão; Redigir documentos e ter domínio de ferramentas de informática; Efetuar

Leia mais

Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso

Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso (artigo 7º da Lei nº, de de de 2008.) GRUPO OCUPACIONAL DE ATIVIDADES TÉCNICAS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS AVANÇADO SÃO JOÃO DEL-REI MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Técnico em Informática APRESENTAÇÃO O objetivo do presente

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Art.1º. O Estágio Supervisionado é componente curricular obrigatório do Curso de Graduação em Administração da FASIP que visa a proporcionar

Leia mais

2. Classificar atos e fatos contábeis.

2. Classificar atos e fatos contábeis. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio de ASSISTENTE FINANCEIRO II.1 PROCESSOS DE OPERAÇÕES CONTÁBEIS Função: Planejamento de Processos Contábeis 1. Interpretar os fundamentos e conceitos da contabilidade.

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO O Colegiado do

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO Maria da Conceição Muniz Ribeiro I - CENTRO CIRÚRGICO CONJUNTO DE ELEMENTOS DESTINADOS AS ATIVIDADES CIRÚRGICAS, BEM COMO À RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular do curso de Biotecnologia. É composto do desenvolvimento das seguintes atividades: a) Elaboração de um

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO REGULAMENTO DA ASSESSORIA PLANEJAMENTO (RES. Nº 280/99-CAD) CAPÍTULO I DA FINALIDA Art. 1º - A Assessoria de Planejamento (ASP), órgão da reitoria, é responsável pela análise da evolução da Universidade

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

ANEXO VI - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS

ANEXO VI - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS CARGO Administrador Analista de Tecnologia da Informação Assistente Social Bibliotecário- Documentarista Contador Engenheiro Civil Engenheiro Agrônomo DESCRIÇÃO DOS CARGOS Planejar, organizar, controlar

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$ 572,00 R$ 572,00

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$ 572,00 R$ 572,00 ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA CAMPUS FUNÇÃO REMUNERAÇÃO Caruaru Salgueiro Arcoverde Garanhuns Secretaria Executiva Téc. em Contabilidade Secretaria Executiva Téc. em Contabilidade

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 CRIA ORGÃOS E AMPLIA CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO NA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE CAMPOS NOVOS, ACRESCENTA DISPOSITIVOS NA LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

2. Viabilizar a alocação de recursos humanos em número suficiente para o desenvolvimento das atividades previstas neste e nos demais programas;

2. Viabilizar a alocação de recursos humanos em número suficiente para o desenvolvimento das atividades previstas neste e nos demais programas; 4.12 PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO Objetivo geral Organizar e adequar administrativamente a FEENA, de forma a garantir o seu funcionamento, permitindo a implantação do Plano de Manejo e promovendo a manutenção

Leia mais

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS Secretário Executivo Carga horária 40 h/sanais Cargo Provimento cinco R$ 16.000,00 Assessoria ao liberações

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio REGIMENTO DAS ATIVIDADES EXTRACLASSE VIAGENS TÉCNICAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - As viagens técnicas realizadas sob responsabilidade do Curso

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 15/02 ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 24/00 do Conselho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

oposição por parte dos novos servidores (art. 40, 4º, 5º e 7º, da Lei Complementar Estadual nº 234/2002, com redação implementada pela Lei

oposição por parte dos novos servidores (art. 40, 4º, 5º e 7º, da Lei Complementar Estadual nº 234/2002, com redação implementada pela Lei TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº 1 TJ/ES, DE 16 DE DEZEMBRO

Leia mais