REEDUCAÇÃO ALIMENTAR E UM GRUPO DE PESSOAS COM SOBREPESO E OBESIDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REEDUCAÇÃO ALIMENTAR E UM GRUPO DE PESSOAS COM SOBREPESO E OBESIDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA"

Transcrição

1 REEDUCAÇÃO ALIMENTAR E UM GRUPO DE PESSOAS COM SOBREPESO E OBESIDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA ALIMENTARY REEDUCATION AND A GROUP OF PEOPLE WITH OVERWEIGHT AND OBESITY: AN EXPERIENCE REPORT José Mearim Pereira¹, Lúcia Maria Frazão Helene² ¹ Enfermeiro Unidade de Saúde da Família, Antonio Pedro da Silva Neto, Diadema/SP. ² Departamento de Saúde Coletiva, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. * Monografia do Curso de Especialização em Saúde Coletiva com Enfoque no Programa Saúde da Família da Escola de Enfermagem da USP, Correspondência: Resumo Atualmente, as condições de peso da população revelam que o sobrepeso e a obesidade vêm tornando-se uma epidemia com alta incidência e constitui-se em um problema de saúde pública mundial. A medida de massa corporal tem sido obtida pelo indicador denominado Índice de Massa Corporal. O presente trabalho trata-se de um estudo descritivo que teve por objetivo relatar a experiência de implantação de um Grupo em Reeducação Alimentar, para pessoas obesas e com sobrepeso, no Programa Saúde da Família. Foram sujeitos deste estudo 18 pessoas, sendo 16 participantes do sexo feminino, com a idade média de 55 anos, das quais, 8 pessoas eram hipertensas e 3 eram diabéticos; 7 participantes tinham sobrepeso e 8 eram obesas. O Grupo foi implantado durante o ano de 2005 e teve encontros semanais que versavam sobre um conteúdo teórico fundamentado nas diretrizes das publicações da Organização Mundial de Saúde e do Ministério de Saúde do Brasil. Teve como finalidade contribuir para a promoção da saúde e a prevenção de doenças e utilizou-se a Educação em Saúde, como estratégia do processo de intervenção para o desenvolvimento do Grupo. Conclui-se que foram estabelecidas reflexões sobre as condições alimentares e nutricionais possibilitando uma melhora da qualidade de vida dos participantes. Frente à complexidade da temática abordada recomenda-se que o presente Grupo continue sendo monitorado para que seja possível futuramente ser avaliado de forma mais profunda. Descritores: Obesidade; Educação em saúde; Qualidade de vida. Abstract Currently, the conditions of weight of the population disclose that the overweight and the obesity come becoming an epidemic with high incidence and consist in a problem of world-wide public health. The measure of corporal mass has been gotten for the called pointer Index of Corporal Mass. The present work is about a descriptive study that had for objective to tell the experience of implantation of a Group in Alimentary Re-education, for obese people and with overweight, in the Program Health of the Family. Eighteen people had been citizens of this study, being 16 participants of the female gender, with the average age of 55 years, of which, 8 people were hyper tense and 3 were diabetic; 7 participants were overweight and 8 were obese. The Group was implanted during the year of 2005 and had weekly meeting that they turned on a theoretical content based on the lines of direction of publications of the World Health Organization and the Ministry of Health of Brazil. It had as purpose to contribute for the promotion of the health and the prevention of illnesses and used it Education in Health, as strategy of the process of intervention for the development of the Group. One concludes that reflections on the alimentary and nutritionists conditions had been established making possible an improvement of the quality of life of the participants. Front to the thematic complexity of the boarded one sends regards that the present Group continues being monitored so that it is possible future to be evaluated of deeper form. Keywords: Obesity; Health education; Quality of life. 32

2 Reeducação alimentar e obesidade: relato de experiência INTRODUÇÃO Este estudo visa relatar a experiência profissional desenvolvida com um grupo de pessoas com sobrepeso e obesas na rede básica de saúde e, especificamente, no Programa Saúde da Família no município de Diadema, SP. A obesidade e o sobrepeso são reconhecidos sem grandes dificuldades, entretanto, o diagnóstico correto exige que os níveis de risco sejam identificados e para isso, necessita-se de algumas formas de quantificação. Historicamente, observa-se que ocorreram mudanças nas técnicas utilizadas para avaliar o peso na população. Atualmente, a medida de massa corporal, tradicionalmente utilizada, tem sido realizada por meio do peso ajustado para a altura. E, considera-se que a melhor opção para realizar uma avaliação clínica consiste na combinação de massa corporal e distribuição de gordura obtida pelo indicador denominado Índice de Massa Corporal IMC (Kg/m 2 ), calculado pela razão do peso corporal em quilos pelo quadrado da altura em metros para a população adulta e idosa. Essa medida do IMC apresenta variação entre os sexos. Para o sexo feminino, o IMC de sobrepeso é de 24,9 a 28,9 e de 25,9 a 29,9 para sexo masculino.¹ Esta proporção relativa maior de peso e o excesso de peso podem advir de uma ingestão energética alimentar além da necessidade individual, da falta de atividade física que reduz o gasto de energia, de uma predisposição genética para armazenar estoques de gordura, principalmente em ambientes onde os hábitos alimentares e de atividade física favoreçam o aumento de peso, dos fatores social e cultural.² Para Oliveira e Mony 3 as práticas alimentares e de atividade física dos pais têm uma influência nas atividades cotidianas dos filhos e que pode persistir na vida adulta acarretando o sobrepeso e obesidade ou a manutenção do peso saudável. A prevalência do sobrepeso e obesidade vem tomando vultos de epidemia em todo mundo, atingindo crianças e adultos de todos os estratos sociais e, de acordo com Santos 4 os dados contidos na Pesquisa Nacional de Alimentação e Nutrição realizada em 2003, evidenciaram que cerca de 32% da população adulta brasileira tinha algum grau de sobrepeso. No Brasil, a prevalência de obesidade na população adulta urbana foi estimada em cerca de 8% para os homens e 12,9% para as mulheres com 20 anos ou mais, em inquérito realizado em 1997 nas regiões Sudeste e Nordeste. 5 As condições de peso da população, segundo as pesquisas realizadas, revelam que o sobrepeso e a obesidade, vêm tornando-se uma epidemia com alta incidência e prognóstico ruim para a saúde pública. 6 De acordo com os dados fornecidos pela Organização Mundial de Saúde 7, cerca de quinze milhões de crianças e da população infanto-juvenil estão acima do peso ideal, o que representa que 15% desta população encontra-se com excessivo peso. Deste problema decorrem várias considerações importantes, dentre as quais, podemos citar a existência de uma série de agravos à saúde, uma vez que a obesidade contribui para surgimento de doenças crônicas, como a hipertensão, diabetes e as dislipidemia, bem como, o grande investimento financeiro e de recursos humanos que são aplicados para a recuperação dessa situação 8. Segundo alguns autores como Mouräo et al. 9, o tratamento e a prevenção da obesidade têm sido considerados uma enorme batalha para os profissionais da área de saúde, ao mesmo tempo em que, as indústrias de alimentos e de fármacos, por sua vez, têm oferecido cada vez mais uma vasta gama de novos produtos que preconizam a perda de peso. Dentre as várias diretrizes do Ministério da Saúde para conter esse agravo, destaca-se a publicação denominada Alimentos Regionais Brasileiros 10 que visa estimular o interesse em todas as regiões do país para a vasta quantidade de alimentos regionais, verduras, frutas, tubérculos e outros. Quando se lida com hábitos do cotidiano, estabelecidos durante o período de socialização primária, como é o caso da alimentação, torna-se necessário empregar métodos que permitam intervir nestes hábitos, sem, contudo destituir o comer dos seus significados culturais, pois através da alimentação o homem se expressa psicológica e culturamente

3 Pereira JM, Helene LMF A educação alimentar tem um papel importante em relação ao processo de transformação e mudanças, à recuperação e promoção de hábitos alimentares saudáveis, que pode proporcionar conhecimentos necessários à auto-tomada de decisão de formar atitudes, hábitos e práticas alimentar sadias e variados. 12 No Brasil, o Sistema Único de Saúde, consolidado por meio da Lei Orgânica de Saúde n.º 8080/90, que visa criar as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, destaca a vigilância nutricional e alimentar, como uma realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas. 1. ASPECTOS SOCIAIS E CULTURAIS DA ALIMENTAÇÃO O processo de socialização das pessoas que compõem uma comunidade requer que seja instituído um comportamento alimentar adequado à prevenção de agravos nos diferentes grupos sociais da sociedade. Entretanto, estas questões são permeadas pelo poder aquisitivo dos segmentos sociais e por oscilações entre aquilo que é ditado pela nossa cultura e aquilo que é entendido como saudável 3. Ressaltam ainda que a má alimentação não é problema apenas para a população carente de recursos, mas um problema de todas as classes sociais em definir uma alimentação saudável. Em relação à alimentação e as práticas alimentares, Rotenberg e Vargas 12 entendem que são práticas sociais, não podendo ser abordada por uma única perspectiva disciplinar, pois alimentar, nutrir, ultrapassa o mero ato biológico. Envolve a seleção, o modo de preparação, de distribuição, de ingestão, isto é, o que se planta, o que se compra, o que se come, onde se come, com quem se come, em que freqüência, em que horário, em que combinação. Estas práticas alimentares ainda são determinadas por influências culturais, pelo modo de vida, pela introdução de novos alimentos através da mídia, entre outros. Diversos autores 3,5,11 apontam que os aspectos mais evidenciados relacionados aos hábitos alimentares têm sido o aumento do consumo de alimentos com alto teor energético, como as gorduras, excesso de açúcar, sal e estilo de vida sedentário. Como conseqüências desse balanço energético positivo acarretam repercussões a saúde, tais como doenças cardiovasculares, diabetes, e obesidade com redução tanto na qualidade como em anos de vida. 5,11 Um relatório pericial sobre dieta alimentar, nutrição e prevenção de doenças crônicas da Organização Mundial da Saúde 7, com a Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO), apontam que as doenças associadas a obesidade contribuíram com aproximadamente 59% do total de 65,5 milhões de mortes oficialmente conhecidas a nível mundial, e para 46% do fardo de doenças a nível mundial. O relatório conclui que uma dieta alimentar com poucas gorduras saturadas, açúcar e sal e muitos legumes e fruta, aliada a uma atividade física regular terá um grande impacto no combate a mortalidade e prevenção de doenças relacionadas aos hábitos alimentares. 7 Nessa perspectiva, a Política Nacional de Alimentação e Nutrição do Brasil 10 apresentou como diretriz promover a alimentação saudável, e assim, implantou algumas sugestões sobre alimentação, chamado de Dez Passos de uma alimentação saudável, como comer frutas, legumes e verduras, usar açúcar e sal com moderação, evitar balas, frituras, enlatados, refrigerantes e outras guloseimas, cujos objetivos são: (1) aumentar o nível de conhecimento da população sobre a importância da promoção à saúde e de se manter peso saudável e de se levar uma vida ativa; (2) modificar atitudes e práticas sobre alimentação e atividade física; (3) prevenir o excesso de peso. Os dez passos são: comer frutas e verduras variadas, pelo menos duas vezes por dia; consumir feijão pelo menos quatro vezes por semana; evitar consumir alimentos gordurosos como carnes gordas, salgadinhos e frituras; retirar a gordura aparente das carnes e a pele do frango; nunca pular refeições: fazer três refeições e um lanche por dia e no lanche escolher uma fruta; evitar refrigerantes e salgadinhos de pacote; fazer as refeições com calma e nunca na frente da televisão; aumentar a sua atividade física diária; subir escadas ao invés de usar o elevador, caminhar sempre que possível, não passar longos períodos sentados assistindo televisão, e acumular trinta minutos de atividade física todos os dias. Dessa forma, é mais econômico prevenir novos casos de sobrepeso/obesidade ou nas situações mais tardias fazer intervenção para perda de peso, quando já desencadeado o processo do sobrepeso/obesidade para a 34

4 Reeducação alimentar e obesidade: relato de experiência melhoria de vida e saúde. A promoção da saúde é um meio de intervenção, no entanto, segundo Brienza et al. 14, a promoção da saúde é um processo ativo, não é algo que possa ser prescrito ou ordenado. Neste contexto descrito do problema da gravidade do sobrepeso/obesidade sobre a saúde da pessoa, se faz necessário o reconhecimento de etapas fundamentais para o êxito dos programas de prevenção e promoção à saúde: a) que a população (indivíduos) participe e modifique condutas e estilo de vida nocivos à saúde, reduzindo os riscos e desenvolvendo um sentido de responsabilidade compartilhada com os serviços de saúde, b) que as políticas públicas atuem efetivamente na promoção da saúde, reconhecendo que o empreendimento é uma tarefa inter-setorial, interdisciplinar e que todos os esforços devam ser feitos no sentido da complementaridade, comunhão e coletividade, tendo como alvo o auto-cuidado e autoresponsabilidade. Boog 13 refere que é de total responsabilidade das pessoas decidirem sobre sua alimentação, ou seja, cabe ao indivíduo processar as alterações que irão ajudá-lo a melhorar seu próprio estado de saúde e atingir um nível de bem estar. Diante do exposto, este trabalho propõe-se a fornecer subsídios por meio do relato da experiência com um grupo de reeducação alimentar, realizada na rede básica de saúde, de tal forma que esta possa subsidiar reflexões para a intervenção sobre o tema tratado. A Unidade Básica de Saúde do Piraporinha, faz cobertura de sua área de abrangência com 3 equipes de Programa Saúde da Família, sendo cada equipe constituída conforme rege a norma do Ministério da Saúde para a composição mínima de profissionais da saúde, atendendo uma população de aproximadamente famílias cadastradas, com um total de pessoas, das quais, maiores de 65 anos, 525 hipertensas e 190 pessoas diabéticas tipo II. 3.1 DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO No início do ano de 2005, as equipes de saúde começaram a perceber que havia uma quantidade significativa de pessoas das áreas de responsabilidade do PSF, que ao passarem em consulta médica ou consulta de enfermagem, apresentavam sobrepeso e obesidade e tinham indicação clínica para redução de peso. Algumas dessas pessoas não apresentavam doenças crônicas associadas e outras, tinham necessidade de um controle mais rigoroso dos agravos como a diabete, hipertensão e dislipidemia. Essa preocupação estava fundamentada nos riscos que estes dados poderiam acarretar à saúde dessas pessoas e sinalizavam para a necessidade de uma intervenção ou assistência mais cuidadosa, ou seja, exigia um monitoramento da saúde desses pacientes. Frente a esta questão, optou-se por além da assistência biológica a estas pessoas, prestar uma intervenção mais específica por meio da implantação de um Grupo de Reeducação Alimentar. 2. OBJETIVO O presente estudo tem por objetivo descrever uma experiência de implantação e desenvolvimento de um Grupo em Reeducação Alimentar, na rede básica de saúde no Programa Saúde da Família. 3. PERCURSO DO GRUPO Este trabalho trata-se de um estudo descritivo, que relata a experiência de implantação e desenvolvimento de um grupo em reeducação alimentar para um grupo de pessoas adultas, com sobrepeso e/ou obesas, em uma Unidade de Saúde da Família da cidade de Diadema, serviço da rede básica de saúde da região metropolitana de São Paulo. Inicialmente, para a implementação do Grupo foram realizadas reuniões com as equipes da Unidade de Saúde, onde ocorreram discussões sobre os problemas detectados, tais como, um número elevado de pessoas com sobrepeso e obesidade. Em seguida, identificadas as possíveis conseqüências que esses agravos poderiam acarretar a essas pessoas e, posteriormente, foram selecionadas algumas estratégias de intervenções com a finalidade de atender às necessidades das pessoas a partir da realidade diagnosticada. Dentre as várias estratégias estudadas optou-se pela formação e implantação de um Grupo de pessoas com sobrepeso e obesidade. Foi discutido e acertado nessas reuniões que caberia ao enfermeiro e ao médico a responsabilidade pela implementação, 35

5 Pereira JM, Helene LMF acompanhamento e avaliação do desenvolvimento do Grupo. A etapa seguinte consistiu na elaboração de uma ficha de inscrição que tinha como objetivo obter dados que possibilitassem realizar uma caracterização sócio-demográfica e de saúde dos participantes. Para obter a participação da população, nesse Grupo de Reeducação Alimentar, foi realizada uma divulgação por meio dos Agentes Comunitários de Saúde, bem como por cartazes fixados na recepção da Unidade de Saúde. 3.2 O INÍCIO DAS ATIVIDADES NO GRUPO O grupo teve início durante o mês de junho de 2005 e contou com a participação de 22 pessoas, sendo que ao longo dos encontros foi registrado a desistência de 4 participantes devido a vários motivos. Os encontros aconteceram semanalmente, sempre às quintas-feiras, no horário das 14:00 às 15:30 horas, essencialmente com 1 hora e meia de duração cada reunião. As reuniões foram realizadas nas dependências da própria Unidade de Saúde, na sala existente para a realização de reuniões com os trabalhadores e usuários. No primeiro dia do encontro com o Grupo, foi solicitado que todos os participantes preenchessem uma ficha de inscrição com a finalidade de identificação dos vários aspectos que estão envolvidos no tema estudado, dentre os quais, dos dados de identificação (idade, estado civil, sexo e local de moradia, resultados do peso e dados da pressão arterial). Em seguida, estão as informações relativas às atividades realizadas no cotidiano das pessoas envolvidas relacionadas à alimentação, lazer, presença de doenças crônicas, (hábitos e condições de moradia frente à quantidade de pessoas com quem convive). 3.3 PROGRAMA E CONTEÚDO O conteúdo teórico dos encontros foi elaborado tendo em vista dois pontos fundamentais. Primeiro, a experiência profissional dos trabalhadores envolvidos nesta experiência, levando em consideração a formação desses profissionais (médico, enfermeiro e demais membros da equipe de enfermagem) que teriam como contribuição aspectos diferentes sobre a temática abordada. Em segundo lugar, recorreu-se às diretrizes, princípios ou normas já existentes em manuais e publicações de organizações públicas de saúde, como a Organização Mundial de Saúde e o Ministério de Saúde do Brasil. Esse conteúdo teórico refere-se às ações e abordagens que contribuam para a promoção da saúde e a prevenção de doenças 10. Partiu-se do entendimento de que a promoção da alimentação saudável visa contribuir para a prevenção e o controle das doenças provocadas por desequilíbrio energético, como as doenças não transmissíveis, tais como a obesidade, diabetes, hipertensão, câncer, entre outras. Para a classificação da obesidade, adotaramse neste estudo, os parâmetros estabelecidos pela OMS que classifica a obesidade em três níveis: o grau I ou leve que corresponde ao IMC entre 30,0 Kg/m 2 e 34,9 Kg/m 2 ; o grau II ou moderado em que o IMC está entre 35,0 Kg/m 2 e 39,9 Kg/m 2 e, o grau III ou obesidade mórbida está relacionado ao IMC igual ou superior a 40,0 Kg/m 2.¹ O conteúdo programático do Grupo versou sobre: segurança alimentar e nutricional; direitos à alimentação saudável; informações sobre uma vigilância alimentar e nutricional e a prática de atividades físicas, além das significações das medidas antropométricas (medidas corporais relativas ao peso e altura). Estabeleceram-se discussões e orientações sobre as condições alimentares e nutricionais a partir das informações e vivências dos participantes. Destaca-se que se optou pela Educação em Saúde como uma estratégia de ensino no processo de intervenção para o desenvolvimento do Grupo, tendo como premissa estimular a autonomia e reflexão dos participantes. 3.4 O DESENVOLVIMENTO DO GRUPO No primeiro encontro foi explicado sobre os objetivos do grupo e ressaltado que não existia a finalidade de determinar o quanto cada participante deveria emagrecer. Assim como, os encontros do Grupo não tinham como intenção adotar uma postura disciplinadora e nem mesmo de determinar regras para que os participantes cumprissem rigorosamente. Foi ressaltado que a proposta da implementação do Grupo era fortalecer e promover a integração e o relacionamento entre os membros, com a utilização de algumas dinâmicas de grupo, e ao mesmo 36

6 Reeducação alimentar e obesidade: relato de experiência tempo propiciar um espaço para a discussão e exteriorização dos sentimentos e dificuldades enfrentados no processo de reeducação alimentar. Bem como, fornecer conhecimentos sobre os grupos alimentares, os alimentos com maior teor energético, as informações e orientações sobre as necessidades diárias da ingestão energética e orientações sobre a elaboração de cardápios alimentares. Vale destacar que foram abordados os diferentes aspectos relacionados ao tema em questão, o sobrepeso e a obesidade, envolvendo tanto as questões da fisiologia, como os processos etiológicos, genéticos, ambientais, econômicos e sociais. Ao final, foi possível realizar uma avaliação do processo e estabelecer um monitoramento da situação alimentar e nutricional dos participantes. Pretende-se que essa estratégia, possa futuramente contribuir para um maior conhecimento das necessidades de saúde da população adulta da área adstrita à Unidade de Saúde em estudo. 4. OS PARTICIPANTES DO GRUPO A análise das informações contidas nas fichas de inscrições dos participantes do Grupo de reeducação alimentar nos possibilitou realizar a seguinte caracterização da população, de acordo com os itens abaixo relacionados. Foram sujeitos deste estudo 18 pessoas, sendo 16 (89%) participantes do sexo feminino, com a idade média de 55 anos, das quais, 8 (44%) participantes estavam na faixa etária entre 45 a 60 anos. Da totalidade dos participantes, 8 (44%) pessoas apresentaram mensuração da pressão arterial compatível com pressão alta e 3 pessoas tiveram resultados positivos para diabetes. Quanto à avaliação de peso, de acordo com o IMC, foi detectado que 7 (39%) participantes tinham sobrepeso, sendo 6 pessoas do sexo feminino e um do sexo masculino. Em relação à classificação de obesidade, observou-se também o predomínio de mulheres, com os seguintes resultados: no grau I de obesidade verificou-se a presença de 8 participantes, dos quais, 7 eram mulheres; no grau II e grau III, os resultados foram 2 e 1, respectivamente, todas pertencentes ao sexo feminino. Frente à temática adotada e as estratégias utilizadas no Grupo de Reeducação Alimentar foi possível verificar que foram estabelecidas reflexões sobre as condições alimentares e nutricionais possibilitando uma melhora da qualidade de vida dos participantes. Assim como, propiciou-se uma interação entre os membros do grupo através da troca e fornecimento de receitas e o preparo de alimentos por meio das experiências relatadas pelos participantes. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho permitiu reconhecer a complexidade dos aspectos envolvidos no processo de re-orientação com vistas à mudança de hábito alimentar e estilo de vida mais saudável; bem como, a importância de um trabalho integrado com a equipe multiprofissional de saúde e os usuários. Vale destacar que as estratégias de ensino utilizadas e o conteúdo programático adotado possibilitaram, tanto ao educando como ao educador, desenvolverem uma reflexão a partir da realidade dos participantes e desencadear um processo de reflexão e conscientização. Frente à complexidade da temática abordada recomenda-se que o presente Grupo continue sendo monitorado pela equipe de profissionais responsáveis pela sua implementação, para que seja possível futuramente ser avaliado de forma mais profunda, com destaque às suas variáveis quali e quantitativas. REFERÊNCIAS 1. World Health Organization. Report of a WHO expert committee: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: World Health Organization; Oliveira AMA, Cerqueira EMM, Souza JS, Oliveira AC. Sobrepeso e Obesidade Infantil: influência de fatores biológicos e ambientais em feira de Santana, BA. Arq Bras Endocrinol Metab 2003; 47: Oliveira SP, Mony AT. Estudo do consumo alimentar: em busca de uma abordagem multidisciplinar. Rev Saúde Pública 1997; 31: Santos GVB. Excesso de peso e seus fatores de risco em adolescentes da rede pública e privada de ensino do município de Ribeirão Preto, SP [Tese de Doutorado]. Ribeirão Preto: Escola de 37

7 Pereira JM, Helene LMF Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; Mondini L, Monteiro CA. Mudanças no padrão de alimentação da população urbana brasileira ( ). Rev Saúde Pública 1994; 28(6): Ferriani MGC, Dias TS, Silva KZ, Martins CS. Auto-Imagem corporal de adolescentes atendidos em programa multidiciplinar de assistência ao adolescente obeso. Rev Bras Saúde Mater Infant 2005; 5: Organização Mundial da Saúde. Comunicado de Imprensa Conjunto da OMS/FOA.[comunicado online]. Geneva; Organização Mundial da Saúde. [citado 2005 Ago 10]. Disponível em: 8. Gentil P. Comer com os olhos [entrevista online]. São Paulo; Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. [citado 2005 Ago 8]. Disponível em: 9. Mouräo DM, Monteiro SPC, Minim VPR, Dias CMGC. Acido linoléico conjugado e perda de peso. Rev Nutr 2005; 18: Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação- Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Departamento de Atenção Básica. Atenção Básica: alimentação e nutrição. Brasília; Garcia RWD. Reflexos da globalização na cultura alimentar: Considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev Nutr 2003; 16: Rotenberg S, Vargas S. Práticas alimentares e o cuidado da saúde: da alimentação da criança à alimentação da família. Rev Bras Saúde Mater Infant 2004; 4: Boog MCF. Dificuldades encontradas por Médicos e Enfermeiros na abordagem de problemas alimentares. Rer Nutr 1999; 12: Brienza AM, Mishima SM, Frederico P, Clápis MJ. Grupo de reeducação alimentar: uma experiência holística em saúde na perspectiva familiar. Rev Bras Enferm 2002; 55: Recebido em 04/04/2006 Aprovado em 05/06/

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição (CGPAN/ DAB/ SAS/ MS)

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA,

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA, TEMA: A IMPLANTAÇÃO DO PNAE E A FORMAÇÃO DE NOVOS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE (CAIC) NO MUNICÍPIO DE MOGI GUAÇU INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente Prof. Wellington Santos PROJETO: Saúde: Obesidade e Estética Pleiteante: Núcleo de Ciências da

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde 15 Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde Erika da Silva Maciel Licenciatura em Educação Física - Unimep Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida - Unicamp Mestre

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL As prevalências de sobrepeso e obesidade cresceram de maneira importante nos últimos 30 anos. A importância que a obesidade vem assumindo no Brasil não pode ser ignorada

Leia mais

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto]

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto] MANUAL Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento [Digite texto] Grupo de Trabalho Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Ministério

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS Núcleo de Pesquisa e Extensão (Nupex) Curso: Fisioterapia Equipe: Professor coordenador/orientador: Kétsia Medeiros Alunos: Arélli Pâmella Brasileiro Chaves Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz Mariana

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores

Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores 49 Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores Nutritional transition in Brazil: Analysis of the main factors Elton Bicalho de Souza 1 Palavras-chave: Transição nutricional Obesidade

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC)

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC) GLOSSÁRIO Quando a operadora desejar a aprovação do programa, deverá efetuar o cadastramento do programa para Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças. A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual para Implantação do Programa Peso Saudável. (Versão preliminar - em fase de diagramação)

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual para Implantação do Programa Peso Saudável. (Versão preliminar - em fase de diagramação) MINISTÉRIO DA SAÚDE Manual para Implantação do Programa Peso Saudável (Versão preliminar - em fase de diagramação) Brasília DF 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A experiência das oficinas de reeducação alimentar na APS da SMS de Curitiba Angela C. Lucas de Oliveira

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL Autor: SARANÁDIA CAEIRA SERAFIM Orientador: RACHEL DE SÁ BARRETO LUNA CALLOU CRUZ Coautor(es):

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus SERGIO DE CARVALHO E SILVA Laboratório de Pesquisa em Ciências de Serviços (LaPCiS), Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS),

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

Prefeitura de Sorriso-MT Secretaria Municipal de Saúde e Saneamento Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Nutricionista Cláudia Sônego

Prefeitura de Sorriso-MT Secretaria Municipal de Saúde e Saneamento Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Nutricionista Cláudia Sônego Prefeitura de Sorriso-MT Secretaria Municipal de Saúde e Saneamento Núcleo de Apoio à Saúde da Família Nutricionista Cláudia Sônego CAPITAL DO AGRONEGÓCIO Sorriso é uma cidade jovem, com apenas 33 anos,

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos.

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. TÍTULO DA PRÁTICA: Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. CÓDIGO DA PRÁTICA: T80 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Leia mais

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 48/2014 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Processo número: 1.0421.14.000078-5/001 TEMA: Cirurgia bariátrica em paciente com obesidade mórbida Data: 19/03/2014 Medicamento Material

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E IDOSOS RESIDENTES EM ÁREAS DE ABRANGÊNCIA DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

PERFIL DO TRABALHADOR DO CENTRO DE CHAPECÓ ASSOCIADO AO TIPO DE REFEIÇÃO CONVÊNIO

PERFIL DO TRABALHADOR DO CENTRO DE CHAPECÓ ASSOCIADO AO TIPO DE REFEIÇÃO CONVÊNIO PERFIL DO TRABALHADOR DO CENTRO DE CHAPECÓ ASSOCIADO AO TIPO DE REFEIÇÃO CONVÊNIO LIMA, Janaína Santos de 1 ; SONALIO, Alexsandra 1 ; COSTACURTA, Fabiane Carla 1 ; OLIVEIRA, Gabriela Tavares de 1 ; BORJES,

Leia mais

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Programa Slim. Emagrecimento SLIM FORM. 2 a Etapa Diagnóstico. 3 a Etapa Tratamento. 1 a Etapa Avaliação

Programa Slim. Emagrecimento SLIM FORM. 2 a Etapa Diagnóstico. 3 a Etapa Tratamento. 1 a Etapa Avaliação for Kids Programa Slim for Kids Programa voltado para escolas, alunos e pais visando a melhora na alimentação, controle da obesidade, saúde e qualidade de vida. Formada por uma equipe multidisciplinar

Leia mais

Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná.

Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná. 1 Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná. BUGAY, Larissa 1 BLEIL, Rozane Toso 2 RESUMO O presente artigo teve por objetivo conhecer o consumo alimentar dos

Leia mais

Resposta Técnica 02/2015

Resposta Técnica 02/2015 Resposta Técnica 02/2015 Data: 10/02/2015 Solicitante: Dr. Sérgio Henrique Cordeiro Caldas Fernandes Juiz de direito da 23ª Vara Cível Comarca de Belo Horizonte Processo: 1682880-83.2014.8.13.0024 Ré:

Leia mais

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21 Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Introdução ; O que é a obesidade? ; Índice de massa corporal

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 MOURA, Deise Silva de 2 ; BLASI, Tereza Cristina²; BRASIL, Carla Cristina Bauermann 3 ; COSTA

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM PELA METODOLOGIA TUTORIAL

PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM PELA METODOLOGIA TUTORIAL PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM PELA METODOLOGIA TUTORIAL Rosângela Vidal de Negreiros 1 ; Isaldes Stefano Vieira Ferreira 2 ; Tatianne da Costa Sabino 3 ; Cristiana Barbosa da Silva Gomes. 4 Universidade

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Versão Final (Aprovada pelo Conselho Estadual de Saúde) Porto Alegre, fevereiro

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT POR ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA - PR CASCAVEL 2006 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112 INTRODUÇÃO Modificações na população brasileira vêm sendo objetivamente

Leia mais

Mariana Sandoval Lourenço Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida mariana.sl@puccampinas.edu.br

Mariana Sandoval Lourenço Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida mariana.sl@puccampinas.edu.br APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIOS COM VARIÁVEIS BIOLÓGICAS, SOCIOECONÔMICAS E DEMOGRÁFICAS PLANO DE TRABALHO PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA NUM ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO INFANTO-JUVENIL Mariana Sandoval Lourenço Faculdade

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO CREPALDI JÚNIOR, Luís Carlos 1 ; BARBOSA, Camila Caetano de Almeida 1 ; BERNARDES, Guilherme Falcão 1 ; GODOY NETO, Ubiratan

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

Este trabalho possui como objetivo a aplicação prática dos

Este trabalho possui como objetivo a aplicação prática dos 22 Proposta de Intervenção em Empresa de Desenvolvimento de Tecnologias de Informática com Programa de Reeducação Alimentar Márcia Martino Especialista em Gestão da Qualidade de Vida na Empresa - UNICAMP

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina.

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Plano de Trabalho: Avaliação das Percepções de Pacientes

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais