Delinquência rodoviária, impunidade e compensação de danos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Delinquência rodoviária, impunidade e compensação de danos"

Transcrição

1 artigo de fundo Delinquência rodoviária, impunidade e compensação de danos José Manuel Alvarez Quintero Presidente da Comissão Executiva IDS/CRS O MAL DE FUNDO: A PRIMAZIA DA MÁQUINA SOBRE O HOMEM Numa ideia feliz, a Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados propõe considerar como ponto negro todos os locais onde os utentes se sentem em risco, quer seja uma estrada, uma passadeira ou o que as autoridades classificam como ponto negro: lanço de estrada com o máximo de 200m no qual se registaram, pelo menos, 5 acidentes com vítimas num ano. Lamentavelmente, se seguirmos este critério, a rede rodoviária em Portugal, nas cidades e fora delas, é um enorme ponto negro de km. Numa recente entrevista na televisão, um cientista português residente em Bruxelas corroborava esta afirmação ao manifestar sentir-se num pesadelo quando circulava na auto-estrada a caminho do Algarve. E que dizer dos peões a correr nas passadeiras pressionados pelos semáforos e pelos carros? Ou dos pais nas entradas e saídas das escolas, locais especialmente protegidos pela polícia em todos os países de Europa, que não merecem nem o cuidado no regular estacionamento dos veículos para evitar riscos acrescidos às crianças? O problema da (in)segurança rodoviária, em termos conceptuais, é simples: a sociedade portuguesa está a dar prioridade à máquina (o carro) relativamente ao homem (peão, condutor ou ocupante). Os sintomas desta doença estão à vista de todos: o reduzido número de ruas pedonais, o estacionamento dos carros nos passeios, quando estes existem, a circulação em excesso de velocidade ou o desrespeito mais absoluto pela distância de segurança, mesmo a velocidades de descolagem. Nós seguradores podemos confirmar esta realidade. Temos redes de peritos e oficinas para reparar tão rápido quanto possível o veículo danificado entregando-se quase de Página 1 de 14

2 imediato um veículo de cortesia (é um dos poucos países da Europa onde esta é uma prática habitual), enquanto temos grandes dificuldades para angariar médicos que acompanhem desde o primeiro dia as lesões dos acidentados. É muito mais provável vir a ter uma reclamação por reparar um pára-choques em lugar de substituí-lo do que por não ter tido um único contacto pessoal com o lesado durante anos. Enfim, estimamos que, nos sinistros de Responsabilidade Civil ocorridos em 2002, vamos destinar 65% dos custos a reparar os danos materiais e apenas 35% os danos corporais. Esta última percentagem nos países da União Europeia ultrapassa largamente 50%. Nos riscos associados à circulação de veículos há, em Portugal, importantes desequilíbrios que urge corrigir. O primeiro é o que se verifica entre os sujeitos activos da insegurança rodoviária e as suas vítimas. O segundo, a forma como os custos são suportados pela sociedade no seu conjunto e pelas vítimas, em particular. Às análises destes desequilíbrios e à formulação duma proposta para actualizar os procedimentos de indemnização, são destinadas as seguintes linhas. O HORROR EVITÁVEL As últimas estatísticas publicadas pela Comissão Europeia, relativas à segurança rodoviária, não deixam margem para optimismo. Sendo Portugal o país da UE que regista os piores índices de acidentes com vítimas nas estradas, no ano de 2002 estes indicadores pioraram em relação aos valores médios da Europa dos 15. O número de acidentes com vítimas no conjunto da UE diminuiu, de 2001 para 2002,em 4,8%, o número de mortos em 3% e o de feridos em 4,9%. Esta variação está muito influenciada pelos excelentes resultados da França e da Grécia, com decréscimos de 14 e 15%, respectivamente. O fraco desempenho económico também contribuiu para esta melhoria pois, como é sabido, há uma correlação muito estreita entre as duas variáveis. É estranho que Portugal, o primeiro país a entrar em recessão, apenas tenha decrescido 1% no número de acidentes e de feridos e tenha tido um acréscimo, também de 1%, no de mortes. Sempre que um país ou região apresenta elevados índices de acidentes, a primeira tentação é considerar que a causa reside nas deficiências ou insuficiências da rede rodoviária. Admitindo que uma boa rede viária, bem desenhada e bem sinalizada, contribui positivamente para melhorar a segurança, o principal factor continua a ser comportamental. Como interpretar então que a probabilidade de ter um acidente com vítimas numa auto-estrada em Portugal seja 7 vezes mais elevada que a de tê-lo no Reino Unido?, sendo a intensidade de uso neste país quase 3 vezes superior à de Portugal. Página 2 de 14

3 Fonte: EuroRAP. Dados 1999 Todos os minutos há um acidente de trânsito. Todas as horas há um acidente grave. Todos os dias morrem 5 pessoas e 16 ficam gravemente feridas, 40% das vítimas sem ter atingido os 30 anos. Nos últimos dez anos sofreram danos corporais em acidentes de viação nas estradas portuguesas pessoas. Dados assustadores que não estão a merecer a atenção necessária dos poderes públicos. Porém, as experiências do Reino Unido, França e Itália demonstram que quanto menor é a tolerância com as imprudências menor o número de vítimas. Olé Thorson, autor duma tese sobre a segurança rodoviária e vice-presidente da Asociación Española de Accidentes de Tráfico, em resposta à questão que o jornal El Pais lhe colocou sobre o facto das vítimas das imprudências graves se sentirem tão defraudados com a justiça espanhola, responde: Tratam-se os homicídios como se fossem faltas administrativas, quando na realidade se tratam de homicídios, embora involuntários...há dor e raiva das vítimas contra os políticos e a justiça porque não levam a sério o facto de se matar um cidadão na estrada. Muitas das vítimas de acidentes em Portugal concordaram com estas palavras. O Presidente Francês, Jacques Chirac, definiu como um dos grandes objectivos do seu mandato (os outros foram a luta contra o cancro e a inserção social dos inválidos) reduzir as mortes em acidentes de trânsito e é sem dúvida o que está a recolher melhores resultados. O instrumento escolhido foi uma legislação mais exigente que tipifica todos os acidentes com danos corporais como crimes. Os homicídios involuntários são punidos com penas de prisão até 5 anos. Esta pena pode chegar a 10 quando houver mais duas agravantes, como por exemplo, a condução temerária, álcool superior a 0,5 gramas ou circulação a mais de 50 km/h do que os limites autorizados. Os Página 3 de 14

4 objectivos deste agravamento nas penas são assim justificados no site da Securité Routière: Consciencializar os utentes da perigosidade intrínseca do acto de conduzir. Conduzir exige una prudência permanente, uma atenção acrescida para não correr o risco de provocar o irreparável. A jurisprudência assemelha em certas situações a perigosidade dum veículo à duma arma: todos os utentes devem ser conscientes que podem matar ou causar danos corporais pelo simples facto de guiar um carro. Pena máxima de prisão por homicídio negligente França Reino Unido Espanha Portugal 10 anos 10 anos 4 anos 3 anos Não é esta a mensagem que está a ser transmitida à sociedade portuguesa. Poucos são os condutores condenados a penas de prisão. É ao peão lesado que incumbe a alegação e prova dos factos que demostram a culpa do condutor atropelante e mesmo o álcool, presente em 29,7% dos acidentes mortais em França e em 43,2% em Espanha, continua a não ser uma circunstância agravante da qualificação do crime. A delinquência rodoviária tem de ser perseguida e castigada de forma mais eficaz. As condutas antisociais ligadas à condução têm de ser punidas exemplarmente, para dissuadir a prática de novas infracções e para compensar moralmente as vítimas. Porque não é pelo facto de ter de indemnizá-las que o causador vai ser penalizado. Este risco está obrigatoriamente transferido para as seguradoras e é o conjunto dos condutores, via prémios de seguros, que vai pagar as consequências. A falta de ressarcimento moral das vítimas pela impunidade que rodeia a prática de infracções na condução está a transferir para a esfera civil o que tinha de ser tratado no âmbito penal. Como aconteceu em França, com o recente endurecimento das penas ou em Espanha, no ano 1995, com a publicação da Ley de Seguridad Vial, a simples informação e divulgação de normas mais severas para os infractores pode poupar milhares de vítimas. O CUSTO SOCIAL DOS ACIDENTES DE VIAÇÃO Os acidentes causam, além de dor e desolação às vítimas e às suas famílias, elevados danos económicos. Num estudo feito pela Universidade Politécnica de Madrid (UPM), em 1999, estimaramse em m de os custos directos dos acidentes rodoviários em Espanha, distribuídos entre Danos Materiais (55,2%), Perdas de Produção (19,9%), Despesas de Hospitalização e Reabilitação (16,4%) e Danos Morais (8,5%). Extrapolando estes valores para Portugal e corrigindo-os pelo número de acidentes e pelas diferenças nos níveis de rendimento dos dois países, a factura estimada, para 2002, é de milhões de, Página 4 de 14

5 ou seja 3% do PIB. Numa análise feita a partir dos dados do sector segurador e considerando que 40 a 50% dos custos são suportados em auto-seguro pelos utentes (danos nos veículos e nas pessoas não abrangidos pelo seguro de responsabilidade civil obrigatório ou sem seguro de danos próprios) chega-se a valores próximos de 2% do PIB. Os danos materiais nos veículos e nas coisas podem estimar-se em 1,1% do PIB (1.400 m de ); as despesas médicas e hospitalares em 150 m de ; os lucros cessantes (rendimentos vencidos e vincendos) e os danos morais em 750 m de. A estes valores teriam de ser acrescidas as perdas de produtividade das empresas e do capital humano do país (40% das vítimas têm menos de 30 anos). Pode-se concluir que os custos com sinistros representam anualmente entre 2 e 3% do PIB, custos estes que, nos próximos dez anos, superam os investimentos previstos no TGV. Fonte: Elaboração própria e dados da DGV No estudo da UPM, atrás referido, também foi avaliado o gap existente entre as indemnizações pagas e as indemnizações que as vítimas e familiares gostariam de ter recebido. Se fossem plenamente satisfeitos os valores pedidos, os custos desta rubrica multiplicar-se-iam por cinco e o total dos custos cresceria 40%. QUAL É O VALOR DA VIDA Como atribuir preço a algo que em si próprio é incomensurável? Qual é a indemnização justa por uma morte ou uma grande invalidez? Porém, todos os dias, são definidos estes valores em acordos extrajudiciais ou nos tribunais, com base nas leis, na jurisprudência e no costume. Compete às seguradoras distribuir entre os lesados, da forma mais eficiente e justa possível, os recursos recebidos dos seus segurados. Os direitos das vítimas, em teoria ilimitados, têm de ser conciliados com os recursos que a sociedade destina a este fim, Página 5 de 14

6 principalmente via prémios de seguros. A sociedade exige adaptar rapidamente as indemnizações pelas lesões corporais aos patamares dos países mais ricos da UE, porém, a mesma mostra-se renitente no pagamento do seu custo. As indemnizações têm aumentado a taxas superiores a 10% ao ano, e há evidências de que, nos anos mais recentes, podem mesmo ultrapassar os 20%, enquanto o prémio médio do seguro automóvel se tem mantido constante, em termos reais, nos últimos 7 anos. Esta tendência agravar-se-á com a entrada em vigor da 5ª Directiva, pela elevação dos limites do seguro obrigatório. O sistema caminha para a ruptura, se é que esta não se produziu já - o que acontece quando as provisões não são suficientes para pagar os sinistros e só se poderá inverter este trilho se se assistir a: a) uma diminuição acentuada no número de sinistros e na sua gravidade (a frequência de sinistros com vitimas diminuiu apenas à taxa de 6%/ano desde 1998, insuficiente para compensar os aumentos de custos); b) um aumento dos prémios do seguro, e/ou; c) uma reforma do sistema de indemnização, por forma a distribuir os recursos existentes de modo mais eficiente. Há uma correlação inversa entre o nível de riqueza dos estados e a segurança rodoviária, pelo que a legítima aspiração a uma homologação dos níveis de indemnização nos diferentes estados membros da UE apenas é possível, excluída a hipótese de aumentos incomportáveis de prémios, se os poderes públicos assumirem como assunto de Estado a diminuição drástica das mortes nas estradas. Fonte: Dados IRTAD e Eurostat. Ano 2000 JUÍZO CRÍTICO DO SISTEMA DE INDEMNIZAÇÃO EM PORTUGAL Página 6 de 14

7 Se a prioridade número um é melhorar a segurança rodoviária, não menos importante é a actualização dos critérios e procedimentos que vigoram no pagamento das indemnizações. Três são os grandes vectores que determinam os sistemas de indemnizações no seguro automóvel na UE: 1) a complementaridade ou sobreposição com os sistemas públicos de segurança social e de acidentes de trabalho; 2) o maior ou menor peso do dano moral no valor das indemnizações; 3) o quadro jurídico no qual o sistema está baseado, se no do risco ou no da culpa do lesante. Considerando os dois últimos vectores, o sistema português está determinado pela preponderância do dano patrimonial relativamente ao dano moral e pelo princípio da culpa. É o lesado quem tem o ónus de provar a culpa do lesante, em contraposição ao principio do risco que transfere para o condutor do veículo a obrigação de demonstrar que tudo fez para evitar que o acidente ocorresse. A existência dum regime de culpa presumida para as situações de condução por comissário e dum regime especial de responsabilidade objectiva não altera as considerações anteriores. Este último, porque os limites são insuficientes para indemnizar as lesões graves, e o primeiro pelo seu carácter discriminatório. Porém, é de salientar que a uniformização dos limites de indemnização do regime especial de responsabilidade objectiva com os limites do seguro obrigatório, sem as devidas cautelas, poderá ter consequências imprevisíveis. Página 7 de 14

8 As tendências sociais em concordância com o carácter obrigatório do seguro automóvel empurram os sistema situados no primeiro quadrante para o quadrante dos sistemas de maior justiça social e de gestão mais simples, com menor recurso aos tribunais por se estar perante a objectivação da responsabilidade. Quando comparados os valores da indemnização standard pela morte de um homem de 40 anos (casado com dois filhos) em França, Espanha e Portugal, podemos observar como é neste último país onde as diferenças nos níveis de rendimento influenciam mais os valores. Para um salário de face a um salário de 1.000, em Portugal a indemnização é 2,3 vezes superior, em França 2,2 e em Espanha apenas 1,4. Criança de 5 anos de idade (Pai, mãe e irmão menor e 2 filhos) Homem de 40 anos, com mulher Página 8 de 14

9 Na morte duma criança, onde apenas é possível indemnizar os danos morais, a indemnização em Espanha é 73% superior à que é devida em Portugal. O desequilíbrio entre a indemnização por danos morais e patrimoniais, vigente no nosso sistema, num contexto de impunidade penal, incentiva o recurso a expedientes vários para obter indemnizações superiores. Como o recurso sistemático a rendimentos extras fiscalmente não declarados, a fabulação de rendimentos futuros (praticantes de desporto que chegariam a ser campeões na sua especialidade...) ou a transmutação abusiva de incapacidades genéricas (que implicam um dano moral, que pode ser importantíssimo) em incapacidades profissionais (porque são as que determinam a perda de rendimentos). Quando o sistema deixa de ser transparente e objectivo, e é, aliás, facilmente manipulável, pagam-se indemnizações injustas e desproporcionadas em relação às dos mais necessitados, nomeadamente os grandes inválidos. Os dados reais de indemnizações pagas nos três países atrás indicados a grandes incapacitados (IPP>70%) mostram diferenças impossíveis de justificar. Página 9 de 14

10 (1) Elaboração própria (2) Dados 1998/99 (3) Dados 1997/98 OS TRÊS PILARES PARA MODERNIZAR OS PROCEDIMENTOS DE INDEMNIZAÇÃO É necessário insistir no conceito de que a função social das seguradoras é distribuir da forma mais eficiente e justa possível os recursos recebidos dos seus segurados. E para ser justa tem de ser célere. E só se pode atingir este último objectivo se houverem critérios objectivos que permitam evitar o recurso aos tribunais. O sistema de indemnizações deve ter, no entender das seguradoras, três pilares: a arbitragem médica, a definição de tabelas de referência para a atribuição de valores e a aplicação, no direito interno, do princípio da oferta razoável consagrado na 4ª Directiva e previsto, também, na 5ª Directiva. Arbitragem Médica: Em Portugal existe uma longa tradição de utilização de tabelas médicas de desvalorização para a quantificação das sequelas decorrentes de acidentes. Pelo contrário, não há esta tradição nos países anglo-saxónicos ou é relativamente recente noutros, como em Espanha, onde a utilização de Baremos tem apenas 15 anos de história. A Tabela Nacional de Incapacidades foi desenvolvida no âmbito dos acidentes de trabalho e visa medir a perda de capacidade produtiva da pessoa como consequência das limitações funcionais resultantes do acidente. Este enfoque centrado no produtivismo tem vindo a ser questionado no âmbito da reparação integral dos danos Página 10 de 14

11 em sede do direito civil, quer porque perto de 50% das vítimas não estão integrados no mercado laboral, quer pelo seu carácter limitativo. Coincidindo com estas preocupações, o Parlamento Europeu aprovou recentemente o Barème Européen para promover a reparação tabelada dos prejuízos de carácter pessoal, nomeadamente resultantes de acidentes de viação, seguindo o princípio de a sequelas idênticas, graus idênticos, reparação idêntica. Estão criadas todas as condições para que a avaliação dos danos físicos e psíquicos possa ser feita por via de acordos ou por arbitragem, sem recurso aos Tribunais. Há uma tabela de âmbito europeu que valoriza as sequelas, a utilização de tabelas é social e judicialmente aceite e aliás Portugal tem merecida reputação científica na avaliação do dano corporal. Esta solução exige das companhias de seguros o desenvolvimento de uma rede de peritos médicos. Rede capilar e altamente qualificada, especialista na avaliação do dano no âmbito do direito civil, que possa acompanhar todas as vítimas de acidentes de viação. Também os lesados devem ter ao seu dispor uma ampla rede de peritos médicos que garanta uma relação de equilíbrio entre as partes. Finalmente, os Gabinetes de Medicina Legal desempenhariam o papel de árbitro nos casos em que existam divergências, o que obrigaria a renunciarem aos serviços que prestam de avaliação médico-legal a pedido de terceiros, que não os Tribunais. As divergências na culpabilidade e as diferenças nos graus de IPP são os motivos que mais dificultam as transacções extrajudiciais, sendo que a solução supra referida poderia agilizar o pagamento das indemnizações às vítimas, retirar trabalho aos Tribunais e diminuir o grau de incerteza das companhias no cálculo das provisões para sinistros. Oferta Razoável: Embora não tenham sido muito divulgados, sendo pouco conhecidos dos utentes, o certo é que vigoram no direito português, para os não residentes, direitos mais alargados do que para os residentes. O Decreto-Lei 72-A/2003, de 14 de Abril, que transpôs para o direito interno a 4ª Directiva estabelece procedimentos especiais para os acidentes que envolvam lesados não residentes. Obviamente estes mesmos direitos têm os portugueses em sinistros ocorridos noutros países da UE: 1. Num prazo de três meses a contar da data em que o lesado apresente o seu pedido de indemnização directamente à empresa de seguros da pessoa que causou o sinistro ou ao seu representante para sinistros, devem estes, em alternativa: a. No caso de a responsabilidade não ser contestada e o dano sofrido estar quantificado, apresentar uma proposta de indemnização fundamentada; b. No caso de a responsabilidade ter sido rejeitada ou não ter sido claramente determinada ou os danos sofridos não estarem totalmente quantificados, dar uma resposta fundamentada quanto aos pontos invocados no pedido. Página 11 de 14

12 2. Em caso de incumprimento do dever fixado no número anterior, serão devidos juros em dobro da taxa legal prevista na lei aplicável ao caso, contados sobre o montante da indemnização fixado pelo tribunal, ou, na sua falta, sobre o montante da indemnização proposta pela empresa de seguros, e a partir da data da aceitação da proposta. (...) O intuito desta disposição e, aliás, de outras disposições similares que vigoram noutros estados membros, é garantir o ressarcimento atempado das vítimas, penalizando as condutas dilatórias das seguradoras. A proposta de 5ª Directiva aprovada no Acordo Político da Comissão Europeia alarga estes procedimentos a todos os sinistros de viação, intervenham ou não residentes noutros países. Portugal poderia introduzir, desde já, esta disposição, no seu direito interno, sem esperar pela transposição da 5ª Directiva. Seriam as seguradoras a formular a proposta global de indemnização ao lesado, nos três meses seguintes à data do acidente. Se a cura clínica se verificasse para além dos 30 dias seguintes à data do acidente, o prazo de três meses só se iniciaria a partir da data da sua verificação. O lesado, no prazo de 30 dias após a recepção da proposta indemnizatória, deveria declarar a sua concordância ou fundamentar a sua discordância, indicando a indemnização considerada devida. O incumprimento destes prazos implicaria juros de mora e as penalidades previstas nas normas reguladoras da actividade seguradora. Para que esta medida fosse efectiva, o recurso aos tribunais, considerado desnecessário, deveria ser desincentivado e os prazos de prescrição reduzidos. Tabelas de referência para a definição do quantum indemnizatório: É pacífico que as indemnizações por danos não patrimoniais, direito à vida, dor, dano estético, prejuízo de afirmação pessoal, sexual etc., possam ser tabeladas. Não são passíveis de quantificar a reparação dum dano, pelo que os valores são calculados a forfait, dia a dia nas sentenças e nos acordos extrajudiciais. Definir estes valores numa norma de carácter obrigatório reduziria drasticamente as arbitrariedades e contribuiria, na mesma medida, à indemnização atempada às vítimas. Esta norma deveria ter em linha de conta a gravidade do dano (dias de incapacidade, graus de IPP,..) assim como as circunstâncias agravantes e atenuantes da indemnização. Por exemplo, a indemnização pelo dano moral para uma criança pela morte dos seus pais não pode ser igual ao dobro do que lhe corresponderia pela morte de um dos progenitores, porque o desamparo familiar agrava-se terrivelmente. Atribuir valores adequados à indemnização destes danos poderia contribuir para evitar a deslocação de danos morais para danos patrimoniais tal como acontece quando as Página 12 de 14

13 incapacidades genéricas se transformam em incapacidades profissionais. Já não é consensual a utilização de tabelas para o cálculo do dano patrimonial. Em teoria este dano é susceptível de ser medido, caso a caso, seguindo o princípio jurídico da reparação integral do dano. Porém, a primeira dificuldade é como medi-lo de forma justa e equitativa. A experiência indica que os valores da indemnização estão mais influenciados pelos rendimentos - reais às vezes, presumidos a maioria e declarados integralmente à Administração Fiscal a excepção - que pela gravidade das lesões, com diferenças tão injustas que a simples divulgação de algumas sentenças criaria alarme social. Sendo o seguro automóvel um seguro obrigatório, que socializa os custos da reparação dos danos entre todos os segurados, independentemente do seu nível de rendimento, também as indemnizações devem atender às necessidades médias da sociedade portuguesa, excluindo os extremos que, pela sua singularidade, bem podem ser amparados noutros esquemas de cobertura privada. A elevada dispersão das indemnizações pagas em Portugal, sem correlação com a gravidade das lesões, está a prejudicar os mais desprotegidos, os sem poder em expressão afortunado do Dr. Bagão Félix. Para superar estas desigualdades, a prova dos rendimentos teria de tornar-se muito mais exigente, sendo os valores declarados fiscalmente de referência obrigatória. Também é necessário fixar valores mínimos (o salário mínimo) e máximos (10 salários mínimos?). Embora possa parecer que estes limites atentam contra o ordenamento jurídico português, nomeadamente o princípio geral da reparação integral consagrado no Código Civil, o certo é que no mesmo diploma também se consagra o princípio, seguido pelo Supremo Tribunal de Justiça, do direito dos herdeiros à pensão de alimentos que a vítima lhe assegurava e não à totalidade dos seus rendimentos. Esta posição é muito mais aceitável do que o laxismo na aceitação de rendimentos inusuais para determinação de perdas futuras que agravam, ainda mais, as desigualdades sociais existentes. Há uma terceira via por explorar, mais arrojada, e que tem sido implementada com sucesso no país vizinho. Trata-se de uma tabela única de valores de indemnização para os danos morais e patrimoniais. Esta tabela, de utilização obrigatória nos tribunais, tem servido para indemnizar perto de um milhão de vítimas desde o ano 1995 e pode afirmar-se com segurança que a protecção das vítimas melhorou, quer pelos valores pagos, quer pelo drástico encurtamento dos prazos de indemnização, quer ainda pelo efeito de distribuição mais justa de valores entre as vítimas. A tabela ou Barème espanhol, assenta nos seguintes princípios: a) aplicação obrigatória b) os valores resultantes compensam os danos morais e os danos patrimoniais; c) a avaliação das sequelas é feita por tabela médica que pode ser equiparada nas grandes linhas à tabela aprovada pelo Parlamento Europeu; d) a cada grau de IPP corresponde um valor económico, crescente com a gravidade da lesão e decrescente com a idade; e) Página 13 de 14

14 definição casuística dos beneficiários, variando os valores conforme a situação familiar; f) factores de agravamento em função dos prejuízos económicos, circunstancias familiares especiais, grandes incapacidades etc. Para o sucesso deste modelo de indemnização contribuíram decisivamente a objectivação da responsabilidade - inversão do ónus da prova - e as penalidades associadas à falta de regularização atempada. Aos três meses do acidente a companhia deve depositar nos tribunais o valor que considera deverem ser pagos à vítima ou, em alternativa, indemnizar antecipadamente por acordo. Se nos primeiros meses esta norma foi contestada por alguns advogados e juízes, agora está bem enraizada na sociedade espanhola. O temor de alguns advogados perderem clientes não se verificou - até cobram os seus honorários mais depressa - e ainda uma especialidade médica pouco desenvolvida até inícios dos anos 90, a avaliação do dano corporal, vive dias de glória. As vítimas são indemnizadas mais depressa, os sinistros são geridos numa óptica mais humanista - predominam os critérios médicos curativos e de reabilitação face a critérios administrativos - e as companhias de seguros diminuiriam o grau de incerteza relativamente aos seus compromissos futuros. A adopção de norma semelhante em Portugal, ou no mínimo, de algumas das medidas aqui elencadas, pode, sem dúvida, melhorar a protecção às vítimas e, em simultâneo, aproximar o sector segurador das necessidades dos cidadãos, tornando-o mais solvente. Apenas faltaria, para mudar de outlook negativo a positivo melhorar a segurança nas ruas e nas estradas, tarefa que começa por cada um de nos. É desejável que por altura do Euro 2004 estes problemas estivessem encaminhados, para receber em segurança os milhares de veículos que nos visitarão. Página 14 de 14

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 34/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 34/IX PROPOSTA DE LEI N.º 34/IX ESTABELECE UM REGIME ESPECÍFICO DE REPARAÇÃO DOS DANOS EMERGENTES DE ACIDENTES DE TRABALHO DOS PRATICANTES DESPORTIVOS PROFISSIONAIS Exposição de motivos A Lei de Bases do Sistema

Leia mais

carácter intencional ou não intencional da sua violação.

carácter intencional ou não intencional da sua violação. NOVAS MEDIDAS, PROCEDIMENTOS E RECURSOS PARA ASSEGURAR O RESPEITO DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL No passado dia 1 de Abril foi publicado o Decreto-Lei nº 16/2008, que transpôs para a nossa ordem

Leia mais

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar Manual de Procedimentos do Seguro Escolar O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência, em caso de acidente escolar, complementarmente aos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS N. o 88 14 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 2452-(3) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n. o 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de

Leia mais

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho)

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura dos danos resultantes do acidente escolar. É uma modalidade de apoio

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes Pessoais - Desporto Cultura

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Rigor e Transparência Rigor e Transparência COSTUMAMOS DIZER NO FGA QUE O UTENTE, AINDA QUE NÃO TENHA RAZÃO, É A RAZÃO DA NOSSA EXISTÊNCIA E DIZEMOS TAMBÉM QUE UM PROCESSO

Leia mais

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto (informação prestada nos termos e para os efeitos previstos no n.º 6 da Cláusula Preliminar da Parte Uniforme das Condições Gerais do Seguro Obrigatório de Responsabilidade

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS GRUPO ADVOGADOS E SOLICITADORES OFERTA CPAS

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS GRUPO ADVOGADOS E SOLICITADORES OFERTA CPAS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS GRUPO ADVOGADOS E SOLICITADORES OFERTA CPAS 1 - RISCOS E COBERTURAS a) Riscos Profissionais e Extra-Profissionais b) Morte ou Invalidez Permanente 2 - SEGURADO E PESSOAS SEGURAS

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94 CIRCULAR Nº 01 2010 2011 Para conhecimento das Associações, Clubes seus filiados, Rádio, Televisão,

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA JUSTIÇA

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA JUSTIÇA 2936 Diário da República, 1.ª série N.º 100 26 de Maio de 2008 que, mediante declaração da entidade emitente, assim se rectifica: No artigo 1.º, quando se altera a alínea f) do n.º 1 do artigo 7.º do Decreto

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA712/C/11 Págs. Duração

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXI Acidentes de Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE FICHA TÉCNICA NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 - Atitudes e Comportamentos

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça B-1049 Bruxelas JUST-CIVIL-COOP@ec.europa.eu N/Ref. Ent.13561 de 25/07/2012

Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça B-1049 Bruxelas JUST-CIVIL-COOP@ec.europa.eu N/Ref. Ent.13561 de 25/07/2012 Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça B-1049 Bruxelas JUST-CIVIL-COOP@ec.europa.eu N/Ref. Ent.13561 de 25/07/2012 ASSUNTO: Resposta da Ordem dos Advogados de Portugal à Consulta Pública sobre Prazos

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes Pessoais Desporto

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission Manual de Procedimentos AIG 1 Apólice Procedimentos em caso de Sinistro (Todo o mundo) Sempre que se torne necessário activar as garantias da apólice e, especialmente, em caso de emergência, as Pessoas

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes Pessoais - Desporto Cultura

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 *

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 * ACÓRDÃO DE 14. 9. 2000 PROCESSO C-348/98 ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 * No processo C-348/98, que tem por objecto um pedido dirigido ao Tribunal de Justiça, nos

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS SEGURO DESPORTIVO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS SEGURO DESPORTIVO MANUAL DE PROCEDIMENTOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS SEGURO DESPORTIVO MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes Pessoais - Desporto Cultura e Recreio e das Condições Particulares

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1

Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1 Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1 Infracções ÁLCOOL / ESTUPEFACIENTES Condução com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 0,5 g/l e inferior a 0,8 g/l.

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel Mestrado em Engenharia Automóvel / Pós-Laboral Legislação e Conflito Fundo de Garantia Automóvel Docente: Maria João Escudeiro Mauro Sousa 2140842 Tiago Fialho 2140843 15 de Junho 2015 Índice I Introdução...3

Leia mais

Condições da Apólice de Seguro

Condições da Apólice de Seguro Condições da Apólice de Seguro Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. O seguro de RC Profissional, nos exactos

Leia mais

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas?

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A consultoria médico-legal e as perícias em seguros de pessoas revestem-se de grande importância na regulação dos benefícios

Leia mais

Regime de Responsabilidade Civil dos Transportadores e Operadores Aéreos Regulamentos Administrativos No 11/2004 e No 19/2011

Regime de Responsabilidade Civil dos Transportadores e Operadores Aéreos Regulamentos Administrativos No 11/2004 e No 19/2011 Regime de Responsabilidade Civil dos Transportadores e Operadores Aéreos Regulamentos Administrativos No 11/2004 e No 19/2011 Perguntas e Respostas 1. A que se referem as expressões transportador aéreo

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais Anexo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS APÓLICE Nº 0001960563

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS APÓLICE Nº 0001960563 MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS APÓLICE Nº 0001960563 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de

Leia mais

Casa do Direito, Abre essa porta!

Casa do Direito, Abre essa porta! Casa do Direito, Abre essa porta! Apresentação do Projecto Organização Actividades Decreto-lei nº62/2005 de 10 de Outubro Garantir a protecção e o exercício dos direitos do cidadão bem como a observância

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS

CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS FICHA TÉCNICA CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 Atitudes e Comportamentos;

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Enquanto o mercado dos produtos e serviços financeiros foi regulado de forma administrativa, a procura que lhes era dirigida defrontava condições do lado da oferta

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR OBTENÇÃO E ELABORAÇÃO DOS DADOS ACTUARIAIS E ESTATÍSTICOS DE BASE NO CASO DE EVENTUAIS DIFERENCIAÇÕES EM RAZÃO DO SEXO NOS PRÉMIOS E PRESTAÇÕES INDIVIDUAIS DE SEGUROS E DE

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das Taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que conter, sob pena de nulidade, os seguintes

Leia mais

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos Condição Especial Responsabilidade Civil Profissional Farmacêuticos 1. Objectivo Esta Condição Especial destina-se a acompanhar e a clarificar as coberturas e funcionamento dos Certificados de Seguro emitidos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 56/XIII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º 56/XIII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 56/XIII/1.ª ALARGA O ACESSO ÀS PENSÕES DE INVALIDEZ E VELHICE DOS TRABALHADORES DA EMPRESA NACIONAL DE URÂNIO E CONSAGRA O DIREITO A UMA INDEMNIZAÇÃO EMERGENTE DE DOENÇA

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira 1/13 Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira JusNet 40/1995 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 144, Série I-A, 24 Junho 1995;

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

Apólice SEGURO ENSINO da ZURICH ESCOLA ALEMÃ DE LISBOA

Apólice SEGURO ENSINO da ZURICH ESCOLA ALEMÃ DE LISBOA Apólice SEGURO ENSINO da ZURICH ESCOLA ALEMÃ DE LISBOA Perguntas frequentes sobre sinistros na Escola: 1. Qual a discriminação das coberturas financeiras para o seguro de Acidentes Pessoais em termos de

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 40/08 de 2 de Julho Considerando que o desenvolvimento da Protecção Social Obrigatória deve corresponder, em certa medida, ao contexto económico e

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.06) PROPRIEDADE

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Responsabilidade pelas Infracções)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Responsabilidade pelas Infracções) Responsabilidade pelas infracções São responsáveis pelas infracções: o agente sobre o qual recai o facto constitutivo dessa infracção. as pessoas colectivas ou equiparadas. o condutor do veículo quando

Leia mais

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO DPVAT O QUE É DPVAT? Toda a facilidade para vítimas, beneficiários, corretores de seguro e hospitais no atendimento aos processos de indenização do Seguro Obrigatório. O Seguro DPVAT foi criado com o objetivo

Leia mais

PARECER N.º 52/CITE/2004

PARECER N.º 52/CITE/2004 PARECER N.º 52/CITE/2004 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º da Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que aprovou o Código do Trabalho, conjugado

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo...

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo... Concurso Público para a elaboração do Inventário de Referência das Emissões de CO2 e elaboração do Plano de Acção para a Energia Sustentável do Município do Funchal CADERNO DE ENCARGOS Índice Artigo 1.º

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Administração. Contabilidade

Administração. Contabilidade Escolas Europeias Gabinete do Secretário-Geral Administração Contabilidade Ref.: 2006-D-94-pt-5 Original: EN Versão: PT Remodelação das disposições relativas ao reembolso das despesas de viagem das missões

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril (Rectificado, nos termos da Declaração de Rectificação n.º 134/93, publicada no DR, I-A, supl, n.º 178, de 31.07.93) Objecto... 2 Obrigatoriedade do seguro... 2 Seguro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Âmbito do Seguro.04 Artigo 3º Produção de Efeitos e Duração do Contrato.04 Artigo 4º Prémio do Seguro.05 Artigo 5º Inexactidão da Declaração

Leia mais

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE PRISCOS Página 1 de 8 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE PRISCOS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Ficha Informativa 1 Janeiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Compras na Internet:

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 07/2006-R Data: 30-08-2006 Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO O Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio, transpôs parcialmente

Leia mais

Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E.

Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. No entanto, para que o nível de exigência aqui definido não constitua

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.euricosantos.pt)

Leia mais