Introdução à Contabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à Contabilidade"

Transcrição

1 Introdução à Contabilidade Disciplina COF Contabilidade e Finanças Bibliografia: Manual da USP (cap. 1) Danielle Guizzo Archela Noções Preliminares Conceitos Básicos e Gerais da Contabilidade, bem como a importância do sistema contábil no mundo empresarial. Além da atuação e do objetivo da contabilidade, será abordada a profissão contábil em suas mais diversas formas de atuação. Postulados, princípios e convenções contábeis bem como suas aplicações práticas. 1

2 Conceitos da Contabilidade É a ciência que estuda a formação e variação do Patrimônio; Instrumento de informações para a tomada de decisões dentro e fora da empresa. Todas as movimentações possíveis de mensuração monetária são registradas pela contabilidade, que, em seguida, resume os dados registrados em forma de relatórios (contábeis). Objeto de estudo: Patrimônio Finalidade: controlar o patrimônio, fornecendo informações. Teoria da Contabilidade A competitividade empresarial é um assunto comum nos dias atuais. De maneira geral, existe uma preocupação intensa por parte das empresas na permanência ou na inserção nesse mercado competitivo. Toda a empresa precisa de informações para o seu bom gerenciamento. Quando falamos em empresas, falamos no sentido geral de organização. Ainda não separamos as categorias, mas entenda o conceito de empresa como qualquer tipo de organização de pessoas ou grupos de pessoas que queiram explorar uma atividade econômica. 2

3 Atuação da Contabilidade Seguindo o objetivo geral traçado anteriormente, constatamos que a contabilidade deve ser feita para qualquer tipo de organização. A atuação da contabilidade é muito ampla e seu universo demasiadamente extenso. Atuação da Contabilidade O campo de atuação da contabilidade pode ser tanto no setor público(empresas públicas, prefeituras, estados, federação, instituições financeiras públicas etc) quanto no setor privado(indústria, comércio, prestadoras de serviços etc). Serve para uma pessoa ou para um grupo de pessoas organizadas ou não em grupos empresariais. 3

4 Atuação da Contabilidade Atende também as entidades sem fins lucrativos e filantrópicos (asilos, casa de caridade, santas casas etc) e as organizações não governamentais (ONGs). Enfim, a contabilidade é efetuada para quem necessita de informações sobre evolução de dados financeiros e de capital investido. Objetivos da Contabilidade O objetivo da contabilidade é o de CAPTAR todos os fatos que estão ocorrendo na empresa, REGISTRAR tais fatos num sistema de informação, ACUMULAR desses fatos nesse sistema, RESUMIR os acontecimentos num certo período de tempo, criar e emitir um resumo que servirá de suporte para a INTERPRETAR todo o processo e resultados. 4

5 Público-Alvo da Contabilidade Para PESSOAS FÍSICAS e JURÍDICAS (todo o ser capaz de direitos e obrigações). PESSOA FÍSICA: é todo indivíduo (sem exceção); PESSOA JURÍDICA: é a união de indivíduos que, através de um contrato reconhecido por lei, formam uma nova pessoa. Pode ter fins lucrativos (empresas industriais, comerciais etc.) ou não (cooperativas, associações culturais, religiosas etc.). Normalmente, as pessoas jurídicas denominam- se empresas. ENTIDADE CONTÁBIL: Pessoa para quem é mantida a contabilidade, podendo ser pessoa jurídica ou física. Figura 1.1 Apresentação de um Sistema Contábil Sistema Contábil CAPTAR REGISTRAR ACUMULAR RESUMIR INTERPRETAR Informação de apoio a tomada de decisão 5

6 Figura 1.2 O Profissional Contábil e as Áreas de Atuação PROFISSIONAL ATUAÇÃO Contador Autônomo Contador Assessor contábil Consultor contábil Auditor interno e externo Setor Público Contador Auditor fiscal outros Setor Privado Contador Gerente financeiro Analista financeiro controller Ensino Professor Universitário Consultor de Ensino Pesquisador Escritor Os Princípios Contábeis e suas Aplicações Para esse estudo preliminar, a metodologia baseia-se em um edifício, sendo composto por três partes: alicerce(fundição, colunas), paredes (formando os compartimentos) e telhado. O alicerce será constituído pelos postulados contábeis, as paredes serão os princípios contábeis propriamente ditos e o telhado significará as convenções contábeis. 6

7 Figura 1.3 Estrutura Contábil Postulados, Princípios e Convenções Contábeis. Na nossa ilustração, colocamos duas colunas que sustentam todo o edifício. Esses dois pilares, que são aprofundados no solo, correspondem ao alicerce, a base do edifício, representando na teoria da contabilidade, os postulados contábeis. 7

8 No campo contábil, partimos do pressuposto que sempre teremos uma pessoa (física ou jurídica) para fazer contabilidade e a esta pessoa chamamos de entidade contábil. Partimos ainda da hipótese que esta pessoa tem uma vida por prazo indeterminado, que é um empreendimento em andamento, isso é, em continuidade. As paredes da construção, apoiadas nos alicerces, representam os princípios contábeis, que serão os preceitos básicos orientadores dos registros contábeis. Os princípios contábeis aqui tratados são: custo histórico, denominador comum monetário, realização da receita, confrontação da despesa e essência sobre a forma. 8

9 custo histórico como base de valor Esse princípio diz que os registros contábeis serão realizados pelo seu respectivo custo de aquisição ou de fabricação, ou seja, pelos gastos realizados para comprar ou fabricar determinado bem. Essa proposta só é válida para a pessoa (entidade) que está em continuidade. essência econômica sobre a forma jurídica A estrutura conceitual mostra que a contabilidade possui um grande relacionamento com aspectos jurídicos que cercam o patrimônio de uma entidade, mas não raro, a forma jurídica pode deixar de retratar a essência econômica. Nessas ocasiões, deve a contabilidade guiar-se pelos seus objetivos fundamentais de bem informar, seguindo, se necessário, a essência econômica ao invés da forma jurídica. 9

10 denominador comum monetário Por meio deste princípio, temos a avaliação monetária que homogeneíza e agrega diferentes itens em um denominador comum monetário, num único relatório. Em outras palavras, o denominador comum monetário equivale a um único padrão de referência monetária. realização da receita e da confrontação da despesa. Após a identificação exata da receita, faz-se um esforço de associar (ou confrontar) toda a despesa sacrificada para a obtenção daquela receita, fato esse que chamamos de princípio da confrontação da despesa. Desta comparação (receitas e despesas) obteremos o resultado de um período na empresa. 10

11 As convenções contábeisestabelecem limites no procedimento de atuação do profissional contábil. Objetividade; Materialidade; Consistência e Conservadorismo 11

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do NBC TSP 16.1 - Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação - CASP CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA ENTIDADES DO OBJETO SETOR PÚBLICO Ramo da ciência contábil que aplica, no processo Fornecer gerador informações

Leia mais

Essência e Forma em Contabilidade e Direito

Essência e Forma em Contabilidade e Direito Essência e Forma em Contabilidade e Direito Natanael Martins São Paulo, 20 de junho de 2013 INTRODUÇÃO Lei 6.404/76 A Velha Contabilidade DL 1.598/77 Lei 11.638/07 IFRS A Nova Contabilidade LEI 11.941/09

Leia mais

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora:

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora: CONCEITO DE CONTABILIDADE O que vamos ver a seguir nos mostra que com o conhecimento do ciclo de vida da empresa, conseguimos tomar decisões que consistem em conduzi-la ao sucesso. Portanto, há duas preocupações

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA CONTROLADORIA E AUDITORIA. Código S1: TMBAGFCA15/21 Código S2: TMBAGFCA15_21 Currículo: TMBAGFCA15_21-1

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA CONTROLADORIA E AUDITORIA. Código S1: TMBAGFCA15/21 Código S2: TMBAGFCA15_21 Currículo: TMBAGFCA15_21-1 MBA EM GESTÃO FINANCEIRA CONTROLADORIA E AUDITORIA Código S1: TMBAGFCA15/21 Código S2: TMBAGFCA15_21 Currículo: TMBAGFCA15_21-1 OBJETIVOS GERAIS Atualizar e aprofundar conceitos da área de finanças, utilizando

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: CONTABILIDADE DE CUSTOS Eixo tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS

Leia mais

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade.

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. O QUE É? É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. OBJETIVO Fornecer informações adequadas para subsidiar as decisões que envolvam desembolso e/ou a captação

Leia mais

Objetivos da aula. Auditoria e objetivos 3/11/16. ò Conceituação; ò Espécies e tipos de auditoria; ò Auditoria Administrativa: conceito e aplicação.

Objetivos da aula. Auditoria e objetivos 3/11/16. ò Conceituação; ò Espécies e tipos de auditoria; ò Auditoria Administrativa: conceito e aplicação. Prof. Carlos William de Carvalho Objetivos da aula ò Conceituação; ò Espécies e tipos de auditoria; ò Auditoria Administrativa: conceito e aplicação. 2 Auditoria e objetivos ò A conceituação de auditoria

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE NO BRASIL

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE NO BRASIL MÓDULO II CONTABILIDADE GERENCIAL PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE INTRODUÇÃO Este módulo tem como objetivo esclarecer ao aluno sobre os princípios que fundamentam a contabilidade no Brasil, dando

Leia mais

Os Princípios Contábeis segundo a Resolução CFC nº 750/93

Os Princípios Contábeis segundo a Resolução CFC nº 750/93 Os Princípios Contábeis segundo a Resolução CFC nº 750/93 André Charone Tavares Lopes O dicionário Aurélio define o substantivo princípio como a proposição que lhe serve de base, ainda que de modo provisório,

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ Av. Tapejara, 88 CEP 87.780-000 Fone: (44) 3431 1132 CNPJ 75.476.556/0001-58 www.paraisodonorte.pr.gov.br DECRETO Nº 58/2012 SÚMULA: Dispõe

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CRÉDITOS Obrigatórios: 136 Optativos: 16. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CRÉDITOS Obrigatórios: 136 Optativos: 16. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:28:06 Curso : CIÊNCIAS

Leia mais

Questões derivadas da MP 627

Questões derivadas da MP 627 III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF Questões derivadas da MP 627 Contabilidade e Direito: essência e forma Elidie Palma Bifano Tema do bloco: Questões derivadas da

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE INTERPRETAÇÃO TÉCNICA NBC T 10.8 IT.01 ENTIDADES COOPERATIVAS Esta Interpretação Técnica (IT) visa esclarecer critérios e procedimentos específicos de avaliação, de

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade de Custos Carga Horária: (horas/semestre) 50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da

Leia mais

COMO ABRIR UMA IGREJA

COMO ABRIR UMA IGREJA COMO ABRIR UMA IGREJA Este ebook tem por finalidade proporcionar um esclarecimento sobre como as igrejas são vistas pelo governo, quais tributos ela deve pagar e como deve ser constituída. As igrejas,

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P)

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P) AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE É A CIÊNCIA SOCIAL QUE ESTUDA O PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES E SUAS VARIAÇÕES AO LONGO DO TEMPO ENTIDADE: TODA A PESSOA JURÍDICA QUE POSSUI UM PATRIMÔNIO. PODE SER UMA EMPRESA,

Leia mais

Os axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia contábil.

Os axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia contábil. Os axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia contábil. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: O artigo apresenta uma revelação dos axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020008 PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇO NOME DO CURSO:

Leia mais

FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. Aspectos Patrimoniais: Identificação, Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação

FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. Aspectos Patrimoniais: Identificação, Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Aspectos Patrimoniais: Identificação, Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Normas

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

contabilidade básica

contabilidade básica contabilidade básica Sumário AGRADECIMENTOS... 9 PREFÁCIO... 11 1. NOÇÕES PRÉVIAS... 13 1.1 Surgimento da Contabilidade... 13 1.2 A Contabilidade e seu campo de actuação... 13 1.3 Finalidade da Contabilidade.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCICIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 CONTABILIDADE X CUSTOS Contabilidade é a ciência que

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 FORMALIDADES DA ESCRITURAÇÃO

Leia mais

SINDRATAR - SINDICATO DA INDÚSTRIA DE REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E TRATAMENTO DE AR NO ESTADO DE SÃO PAULO

SINDRATAR - SINDICATO DA INDÚSTRIA DE REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E TRATAMENTO DE AR NO ESTADO DE SÃO PAULO AUDITORES ASSOCIADOS S/S SINDRATAR - SINDICATO DA INDÚSTRIA DE REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E TRATAMENTO DE AR NO ESTADO DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM31 DE DEZEMBRO DE 2008 ALAMEDA BARROS, 101 -

Leia mais

Contabilização dos Custos Critério Simples

Contabilização dos Custos Critério Simples Contabilização dos Custos Critério Simples Pelo critério simples, os custos são contabilizados de forma sintética, por totais, deixando de mostrar a origem dos custos nos estoques dos produtos. No entanto,

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL AFRFB. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL AFRFB. Marcondes Fortaleza Prof. Prof. M.Sc. Marcondes Giovanni Fortaleza Pacelli CONTABILIDADE GERAL AFRFB Marcondes Fortaleza Parte Introdutória Conceito Objeto Finalidade Usuários -Internos -Externos Campo de Aplicação Funções

Leia mais

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 Fundamentos de Contabilidade Professor Isnard Martins Contas Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 1 Conceito Na linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta?

Leia mais

José dos Santos Dias Danielle Brandão Franco

José dos Santos Dias Danielle Brandão Franco A PERCEPÇÃO DOS MICRO E PEQUENOS EMPRESÁRIOS DE BOA VISTA, RORAIMA, QUANTO À UTILIDADE DA INFORMAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO EMPRESARIAL. José dos Santos Dias Danielle Brandão Franco Fortaleza/CE Setembro/2016

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2013

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2013 Etec Paulino Botelho Código: 091.06 Município: São Carlos EE: Professor Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Gestão

Leia mais

Procedimentos Contábeis Patrimoniais e Específicos Adotados e Cronograma de Ações a adotar até 2014, conforme Portaria STN nº 828 de 14/12/2011

Procedimentos Contábeis Patrimoniais e Específicos Adotados e Cronograma de Ações a adotar até 2014, conforme Portaria STN nº 828 de 14/12/2011 1 Reconhecimento, mensuração e evidenciação dos direitos, das 2012 2013 2014 obrigações e provisões por competência. Elaboração de procedimentos para Metodologia de reconhecimento e mensuração dos direitos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA. 1. Considerar (V) verdadeiro ou (F) falso, quanto às vantagens do organograma linear em uma organização.

ADMINISTRAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA. 1. Considerar (V) verdadeiro ou (F) falso, quanto às vantagens do organograma linear em uma organização. ADM 1 ADMINISTRAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA 1. Considerar (V) verdadeiro ou (F) falso, quanto às vantagens do organograma linear em uma organização. (V) Permite a visualização das responsabilidades e

Leia mais

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2015 (Em Reais) Ativo 2015 2014 Passivo 2015 2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha

Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha Questões de Revisão Contabilidade: Sistema de Informação Gerencial 1. A demonstração contábil-financeira

Leia mais

Aplicabilidade do Princípio Contábil da Entidade Aos Supermercados Localizados no Município de Irupi-es

Aplicabilidade do Princípio Contábil da Entidade Aos Supermercados Localizados no Município de Irupi-es Aplicabilidade do Princípio Contábil da Entidade Aos Supermercados Localizados no Município de Irupi-es Elcilene Ester de Abreu elcileneester@yahoo.com.br Doctum Lucieni Bello de Freitas lucienibello@hotmail.com

Leia mais

A Importância dos Indicadores Gerenciais de Custos dos Serviços Prestados pela Prefeitura do Rio de Janeiro como Ferramentas de Controle Interno

A Importância dos Indicadores Gerenciais de Custos dos Serviços Prestados pela Prefeitura do Rio de Janeiro como Ferramentas de Controle Interno A Importância dos Indicadores Gerenciais de Custos dos Serviços Prestados pela Prefeitura do Rio de Janeiro como Ferramentas de Controle Interno Geraldo de Abreu Júnior Isabela Rebouças Chaves Resumo:

Leia mais

QUADRO DE DISCIPLINAS

QUADRO DE DISCIPLINAS QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas 1 Horas- Aula 2 1. Fundamentos do Gerenciamento de Projetos 24 2. Gerenciamento do Escopo em Projetos 24 3. Gerenciamento da Qualidade em Projetos 12 4. Gerenciamento

Leia mais

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os CRISE Contabilidade Escreve, oficializa É a ciência que registra os Possuem denominador financeiro comum acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Conjunto de bens direitos e obrigações

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Componente Curricular: CONTABILIDADE DO TERCEIRO SETOR

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Componente Curricular: CONTABILIDADE DO TERCEIRO SETOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTABILIDADE DO TERCEIRO SETOR Código: CTB-306 Pré-requisito:... Período Letivo: 2014.2

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ESPERANÇA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA E PLANEJAMENTO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ESPERANÇA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA E PLANEJAMENTO ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DA PORTARIA STN Nº 828, DE 14/DEZEMBRO/2011 Poder Executivo Municipal de Nova Esperança do Sul - RS ASSUNTO: Adequação dos procedimentos

Leia mais

Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital

Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital 5ª turma em Santa Catarina Ingresso Agosto 2016 Informações: Educação Executiva ESPM-SUL incompany-rs@espm.br Fone: (51) 3218-1426 ESPM /

Leia mais

Conceitos, objetivos, finalidades, técnicas contábeis e campo de aplicação da contabilidade.

Conceitos, objetivos, finalidades, técnicas contábeis e campo de aplicação da contabilidade. Conceitos, objetivos, finalidades, técnicas contábeis e campo de aplicação da contabilidade. 01) Ao inventariar sua riqueza de acordo com o regime contábil de caixa, os proprietários concluíram que, hoje,

Leia mais

"Aspectos Contábeis importantes do Mercado Imobiliário" Apresentação APIMEC 28/02/2013

Aspectos Contábeis importantes do Mercado Imobiliário Apresentação APIMEC 28/02/2013 "Aspectos Contábeis importantes do Mercado Imobiliário" Apresentação APIMEC 28/02/2013 AGENDA Práticas contábeis específicas à atividade imobiliária Assuntos polêmicos Pontos de atenção para análise de

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Airton Roberto Rehbein Auditor Público MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS A Lei Federal 3.204/2015 alterou a

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Engenharia de Produção

Engenharia de Produção Engenharia de Produção 4ª SÉRIE Campus Mossoró MECÂNICA DOS FLUIDOS MECÂNICA TÉCNICA Propriedades dos fluidos.- Estática dos fluidos.- Teoremas de Pascal e Stevin. - Força hidrostática- Flutuação e estabilidade-

Leia mais

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações Professora: Caroline Camera Origens da Contabilidade de Custos A preocupação com a Contabilidade nasceu desde que o homem passou a possuir

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 3.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Finanças Finança é a ciência de gerenciar recursos, ou aquela que lida com o emprego do dinheiro num projeto, empresa ou pessoa.

Leia mais

MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS

MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS 1) OBJETIVO O objetivo do MBA é proporcionar ao participante os conhecimentos e as técnicas indispensáveis à Gestão Financeira da empresa. Nas últimas décadas, a atuação do

Leia mais

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de

Leia mais

Filosofia e Direito. Filosofia e Direito

Filosofia e Direito. Filosofia e Direito 2016-2 HORÁRIO DO 1º SEMESTRE 1ª Aula Humanidades em Direito Redação e Linguagem Jurídica Filosofia e Direito Ciência Política e Teoria do Estado Introdução ao Estudo do Direito 2ª Aula Humanidades em

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 O QUE VEREMOS A SEGUIR: Normas Brasileiras de Contabilidade sobre escrituração contábil; NBC T 2.1 Das Formalidades da Escrituração Contábil;

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 02, DE 06 DE SETEMBRO DE 2013

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 02, DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 02, DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 O Tribunal de Contas do Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, nos termos estabelecidos no subitem 13.36, torna pública a seguinte

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como Processo Sintetizador Coleta de informações publicadas e não publicadas Coleta de informações externas Coleta de informações

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Características gerais Objetivos Suporte à Contabilidade Gerencial (Controladoria) Suporte à tomada de

Leia mais

Introdução a Sistemas de Informação

Introdução a Sistemas de Informação Introdução a Sistemas de Informação Orivaldo Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho, Fernando Fonseca & Ana Carolina Salgado Graduação 1 Introdução Sistema de Informação (SI)

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico EtecMONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

Sérgio Adriano CONTABILIDADE. Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços. 3.ª edição revista e atualizada

Sérgio Adriano CONTABILIDADE. Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços. 3.ª edição revista e atualizada Sérgio Adriano CONTABILIDADE Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços DESCOMPLICADA DECIFRADA DESMITIFICADA 3.ª edição revista e atualizada 2016 Capítulo 1 Conceitos Básicos 1. CONCEITO DE CONTABILIDADE

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã EE: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

CUSTOS: ANÁLISE EM UMA EMPRESA METAL-MECÂNICA DE CAXIAS DO SUL

CUSTOS: ANÁLISE EM UMA EMPRESA METAL-MECÂNICA DE CAXIAS DO SUL CUSTOS: ANÁLISE EM UMA EMPRESA METAL-MECÂNICA DE CAXIAS DO SUL Marina Cappelletti Périco 1 Catherine Chiappin Dutra 2 Odir Berlatto 3 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta como tema central a Contabilidade

Leia mais

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES Plano de Cargos, Carreiras e Salários Abril de 2013 CONTROLE DE REVISÕES Versão Data Responsável Descrição 0 15/04/2013 Tríade RH Desenvolvimento e Implantação do Plano 1 26/06/2013 Tríade RH Revisão do

Leia mais

Orientações técnicas para padronização contábil das fundações e do terceiro setor

Orientações técnicas para padronização contábil das fundações e do terceiro setor As ORIENTAÇÕES TÉCNICAS CCF/CIP Ns. 001/2009 a 006/2009 foram revogadas em 13/11/2014 pelos Coordenadores do CDH e do CIP. Seus objetos passam a constituir, devidamente atualizados, as ORIENTAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado

Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado Neste documento é descrita a metodologia de arbitragem adotada para determinar os preços de ajuste de contratos futuros

Leia mais

Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina: Comportamento Organizacional Carga horária: 72 horas/aula (36

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFAMAIS - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ:

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFAMAIS - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFAMAIS - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Informações referentes à Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei 12.973/2014 Apresentação: Rafael Correia Fuso A formação do ágio / deságio ÁGIO / DESÁGIO CUSTO DE AQUISIÇÃO VALOR PATRIMONIAL Se custo de aquisição > valor patrimonial

Leia mais

TCU - Aula 01 C. Geral I

TCU - Aula 01 C. Geral I Sumário 1 TCDF - Auditor - CESPE - 2013 - Questão 101 - Princípios de Contabilidade... 2 2 TCDF - Auditor - CESPE - 2013 - Questão 102 - Princípios de Contabilidade... 2 3 TCDF - Auditor - CESPE - 2013

Leia mais

ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE APAS VALE DO RIBEIRA

ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE APAS VALE DO RIBEIRA ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - APAS -VALE DO RIBEIRA Registro - SP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - APAS -

Leia mais

I Seminário de Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo

I Seminário de Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo I Seminário de Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo Lei nº 12.973/2014 x IFRS: Avaliação pelo Valor Justo: Situações de Incidência, Cálculo e Contabilização Eduardo José Zanoteli Doutorando

Leia mais

Gestão de Custos. Conceitos Básicos. Aula 1. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Contextualização. Prof. Me.

Gestão de Custos. Conceitos Básicos. Aula 1. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Contextualização. Prof. Me. Gestão de Custos Aula 1 Conceitos Básicos Prof. Me. Ernani João Silva Organização da Disciplina Aula 1 Elementos conceituais básicos Aula 2 de custo Aula 3 Avaliação dos custos Aula 04 Mensuração dos custos/custeios

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC0111-Noções de Contabilidade para Administradores Turmas 01 e 02 Prof. Dr. Márcio

Leia mais

Eventos RPPS. Palestra de Investimentos com foco em Bolsa de Valores realizado no auditório do Hotel Brisamar.

Eventos RPPS. Palestra de Investimentos com foco em Bolsa de Valores realizado no auditório do Hotel Brisamar. 1 º Curso de Formação de Gestores RPPS realizado na FAMEM em janeiro de 2013, pela primeira vez na história do Maranhão os gestores dos RPPS se reúnem. I Seminário de Sustentabilidade da Previdência Social

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO Art. 183 Critérios de Avaliação do ATIVO Art. 184 Critérios de Avaliação do PASSIVO Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL 1º As seguintes bases de mensuração devem ser utilizadas em graus distintos

Leia mais

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos 4 Apuração Instantânea de Resultados Econômicos Se observarmos bem, os contadores estão utilizando o computador para elaborar, não só o balancete como também outras demonstrações financeiras como a Demonstração

Leia mais

Manual de Identidade Visual Santinvest Sistema Financeiro. Santinvest sistema financeiro

Manual de Identidade Visual Santinvest Sistema Financeiro. Santinvest sistema financeiro Manual de Identidade Visual Sistema Financeiro Projeto de Programação Visual Manual de Identidade Visual Cliente: Sistema Financeiro 1. Introdução... 2 2. Uso da Marca... 3 3. Conceituação... 4 4. Construtivo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: DR JOSÉ LUIZ VIANA COUTINHO Código: 073 Município: Jales/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DEPARTAMENTO: Ciências Contábeis PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Perícia Contábil PROFESSOR: Caroline

Leia mais

Texto de Apoio Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos. Ana Fialho António Guerreiro

Texto de Apoio Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos. Ana Fialho António Guerreiro Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos Ana Fialho António Guerreiro Escola de Ciências Sociais Departamento de Gestão 2015/2016 Índice Nota Prévia 1. Introdução 1.1. A Empresa e a Contabilidade 1.2.

Leia mais

CAPITULO XI MATRIZ CURRICULAR ORGANIZADA POR UNIDADES CURRICULARES (T.P.L.C.D)

CAPITULO XI MATRIZ CURRICULAR ORGANIZADA POR UNIDADES CURRICULARES (T.P.L.C.D) CAPITULO XI MATRIZ CURRICULAR ORGANIZADA POR UNIDADES CURRICULARES Matriz Curricular - Unidade I Disciplina de Formaçãoo Geral e Humanística Português Instrumental Psicologia do Trabalho Sociologia de

Leia mais